Os Vingadores (The Avengers), de Joss Whedon (2012)

Os Vingadores – The Avengers

Marvel Comics triunfa nas bilheterias

Sou um pouco suspeito para compor uma avaliação do filme dos Vingadores, afinal, desde minha adolescência fui leitor e colecionador assíduo dos quadrinhos da Marvel Comics. Depois de tantos anos acompanhando as histórias e os vários personagens da editora norte-americana, assistir a esse filme no cinema IMAX lotado é um sonho concretizado como fã da Marvel.

Cerca de 9 anos atrás, eu havia escrito uma resenha intitulada “Quando a Marvel Comics conquistaria as bilhterias” (confira através do link: http://www.mnemocine.com.br/oficina/winton3.htm). Nela, acreditava que os filmes da Marvel tinham atingido seu auge, com lançamentos das adaptações de X-Men e Homem-Aranha, mas ao conferir o filme Os Vingadores, esse auge pode ainda estar por vir.

O filme tem batido todos os recordes de bilheteria, tanto nos EUA como internacionalmente, incluindo o Brasil, onde nesse fim de semana do dia 25 de maio, atingiu a histórica marca de R$ 104 milhões, superando os já impressionantes números de Tropa de Elite 2 e Avatar. E, até o momento, ocupa o 4º lugar da bilheteria mundial com a soma de US$ 1.184 bilhão, atrás apenas de Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2 (3º), Titanic (2º) e Avatar (1º). A pergunta que fica é: até onde os produtores de Hollywood querem chegar? Num mercado cinematográfico cada vez mais covarde, encontrar um material rentável como os heróis da Marvel tem feito muitos produtores sonharem mais alto com as cifras. Com certeza, no mínimo uma trilogia já está programada para os próximos anos, além de filmes solos dos personagens.

Só para constar, vamos aos lançamentos já confirmados e com previsão de lançamento, lembrando que tudo deve ser em 3D: (quem não aguenta mais assistir a filmes com aqueles óculos engordurados levanta a mão!)  o/

–  O Espetacular Homem-Aranha (03 de julho de 2012): Apesar de achar um pouco cedo para um revival do personagem nos cinemas (Homem-Aranha 3 foi lançado em 2007), pelo trailer, pode ser que funcione com novos atores e uma nova trama envolvendo o desaparecimento dos pais de Peter Parker e o vilão Lagarto. Gosto do jovem ator Andrew Garfield, mas superar Tobey Maguire vai ser bem difícil. E Marc Webb, conhecido por dirigir a ótima comédia romântica (500) Dias com Ela, também é uma aposta para um blockbuster de ação. Confira o trailer abaixo:

Homem de Ferro 3 (2013): Desta vez, conta com Sir Ben Kingsley como o vilão Mandarim e será dirigido desta vez por Shane Black, famoso roteirista da série Máquina Mortífera e mais recentemente o policial Beijos e Tiros, com o mesmo Robert Downey Jr.

Thor 2 (2013): A boa notícia desta sequência é a contratação do diretor Alan Taylor, um dos criadores da série de TV Game of Thrones, que certamente dará um aspecto mais medieval às batalhas épicas do personagem nórdico.

The Wolverine (2013): Para quem viu a cena depois dos créditos finais de X-Men Origens: Wolverine, sabe que esta sequência se passará no Japão, fazendo uma adaptação de uma das sagas mais importantes do personagem, envolvendo o vilão Samurai de Prata. Hugh Jackman já está escalado, obviamente, e o bom diretor James Mangold de Os Indomáveis.

Capitão América 2 (2014): Ainda sem diretor, o filme quer focar na reflexão do lugar que o Capitão América teria na sociedade moderna pós-11 de setembro.

Deadpool (2014): Talvez o personagem mais falastrão da Marvel Comics, Deadpool já fez o papel de vilão no filme X-Men Origens: Wolverine (2009). Infelizmente, ainda vão apostar no ator Ryan Reynolds, que recentemente estrelou a bomba Lanterna Verde.

Ant-Man (2014): Apesar da pouca fama do Homem-Formiga, este filme já pode ser considerado um dos mais esperados, pois terá uma veia mais cômica. Prova disso é a contratação do diretor Edgar Wright, responsável pela comédia de zumbis Todo Mundo Quase Morto e do hi-tech Scott Pilgrim contra o Mundo. Para quem desconhece, Homem-Formiga é o bioquímico Hank Pym que inventa uma substância que o faz mudar de tamanho. Como a sequência abaixo mostra, ele sabe usar seus poderes sabiamente.

Homem-Formiga nem pisca: “Ms. Marvel, Ms. Marvel… nunca tinha ouvido falar em você. Mas deixa eu te contar um segredo… Você é minha heroína favorita de todos os tempos!”

Ainda sem título oficial, a sequência de X-Men: Primeira Classe já foi anunciada e a atriz Jennifer Lawrence (Mística) já assinou.

Mas, para quem acompanhou todo o planejamento da produtora, sabe que o sucesso do filme Os Vingadores começou lá atrás quando Nick Fury bateu a porta de Tony Stark no primeiro filme do Homem de Ferro em 2008 na cena pós-crédito. A partir daí, todo filme dos personagens da Marvel tinha uma cena “escondida” após os créditos que fazia essa ligação com outros filmes que seriam lançados. Aliás, este filme também apresenta uma cena secreta que aponta uma dica para o possível vilão da sequência, portanto, fiquem atentos e não saiam da sala de cinema antes da hora.

OK, todos os personagens haviam sido introduzidos ao público do cinema: Homem de Ferro, Hulk, Thor, Capitão América, Viúva Negra e Gavião Arqueiro (estes dois últimos como coadjuvantes). O agente especial Nick Fury (Samuel L. Jackson) reuniu todos, mas quem iria dirigir o filme? Quando se pensa num blockbuster dessa dimensão, a responsabilidade inevitavelmente acaba pressionando na escolha do diretor. Muitos colocariam na lista de possiblidades nomes de peso como James Cameron, Bryan Singer ou mesmo Zack Snyder (que vai dirigir o novo filme do Super-Homem), mas a Marvel tomou a decisão certa: chamou o especialista em quadrinhos Joss Whedon.

Joss Whedon dirigindo a Viúva Negra de Scarlett Johansson

Além de ter escrito a série Buffy – A Caçadora de Vampiros, Whedon já foi indicado ao Oscar pelo roteiro de Toy Story (1994) e em 2005, dirigiu a boa ficção científica Serenity, mas o que mais conta aqui são suas raízes como roteirista de quadrinhos. Ele alavancou as vendas de uma das franquias mais importantes da Marvel Comics: The Astonishing X-Men dando profundidade emocional aos personagens e os diálogos geniais que se tornaram sua marca. Foi assim que ele soube explorar o potencial de cada personagem que tinha nas mãos e pensou como um fã também. Prova disso é uma cena de briga que envolve o Homem de Ferro e Thor, que pode não colaborar para o avanço da história, mas satisfaz a sede de milhares de leitores de quadrinhos.

Uma das obras de Astonishing X-Men assinadas por Whedon. Dá pra ver o nome dele lá no canto inferior?

Como na série 007, nos filmes da Marvel são os produtores que mandam. Então, buscaram um diretor que não queira interferir no material com seu estilo: o chamado operário-padrão. Como o estilo de Joss Whedon tem essa forte característica que é o trabalho nos diálogos, ele entrega um blockbuster bem feito com o diálogo nitidamente como a melhor qualidade do filme.

Como roteirista, Whedon foi bastante democrático ao distribuir suas falas igualitariamente para todos os personagens centrais. Talvez soe como algo sem importância, mas essa tarefa, além de ingrata pelo elevado número de personagens na tela, precisa dar ritmo à trama. Com 2 horas e 20 minutos, ele busca priorizar os diálogos às cenas de ação, conseguindo uma interação entre os heróis que abriria caminho para o nascimento da equipe dos Vingadores.

Quanto aos personagens e elenco, gostaria de tecer alguns comentários. Primeiramente, Mark Ruffalo se mostrou muito mais ator do que os intérpretes anteriores de Bruce Banner: Eric Bana e Edward Norton. Ele rouba todas as cenas em que aparece; isso é fato. Se eu fosse produtor da Marvel, já teria engatilhado um filme novo do Hulk com Ruffalo.

Mark Ruffalo (à esquerda) convence bem como o cientista Bruce Banner

Talvez a Viúva Negra e o Gavião Arqueiro não consigam sustentar um filme solo sozinhos, mas como uma dupla, podem funcionar muito bem. As cenas e a subtrama que envolve ambos num episódio anterior dá pano para a manga e, segundo boatos, a Marvel estaria pensando nesse projeto. Recentemente, vi no desenho animado dos Vingadores (que passa de manhã na Globo) e percebi que a dupla também atuava junto nos episódios. E Jeremy Renner também se destaca ao mostrar carisma e seriedade para o papel.

Segundo os desdobramentos do filme, a sequência pode acontecer no espaço sideral. Há indícios de que novos membros sejam incluídos na equipe como o Homem-Formiga e até uma posível participação do Homem-Aranha. Nesse sentido, o filme abre inúmeras portas para projetos mais ambiciosos. Já que rendeu, por que não investir mais?, pensaria qualquer produtor. Então, caro leitor do blog, prepare-se para uma enxurrada de adaptações de quadrinhos. Vão desenterrar até aquele personagem que morreu na segunda edição!

Mas voltando ao filme, apesar dos personagens, diálogos e atores serem o destaque, o aspecto que mais me chamou a atenção foi a mensagem sócio-política. Após os ataques terroristas do 11 de setembro, os Estados Unidos ainda estão se reerguendo desse golpe duro. E, como nenhuma nação, eles sabem usar o cinema como uma arte incentivadora. Foi assim após a derrota na Guerra do Vietnã nas décadas de 70 e 80: vários filmes trouxeram uma mensagem de apoio e alento aos soldados que lutaram uma guerra com objetivos claramente políticos e outros inúmeros criticaram ferozmente a perda de vidas.

Quer eliminar uns terroristas? Chame o Capitão América!

Esta imagem acima ilustra perfeitamente essa analogia do filme com o ataque terrorista. Vemos uma Nova York em destroços coberta por fumaça. No meio, o herói que simboliza o patriotismo americano surge como resposta. No lugar dos seguidores do Al-Qaeda, temos alienígenas que não têm respeito pela vida. Do outro lado, um grupo formado por heróis vindos de várias partes do globo como a russa Natascha Romanova (Viúva Negra) unindo-se para enfrentar os invasores.

Obviamente, esta mensagem é explícita. E, concordando ou não, sempre considero ótimo um pouco de conteúdo político em filmes de grande orçamento, afinal, já passou o tempo em que blockbusters tinham que ser só 100% ação e efeitos visuais. Os Vingadores faz isso e ainda diverte todos os tipos de espectadores. Por isso, está batendo recordes de bilheteria merecidamente.

E como fã da Marvel, torço para que a editora-produtora seja ainda mais reconhecida por suas criações. Seus personagens têm uma conexão tão forte com a realidade que possiblita maior identificação com os leitores. E isso se encaixa perfeitamente em roteiros para cinema. Vida longa à Marvel Comics!

Galeria de personagens da Marvel Comics: vai faltar roteirista em Hollywood.

Indicados à Palma de Ouro de Cannes 2012

Pôster do 65º Festival de Cannes

Antes de anunciar os indicados ao prêmio máximo de Cannes, devemos ressaltar quem participa da bancada do júri. Digo isso porque já vi alguns casos em que o presidente favoreceu a premiação de determinado filme ou diretor (sim, exatamente o mesmo nepotismo frequente do mundo da política brasileira), sendo que Quentin Tarantino é o nome mais recorrente nessas polêmicas.

Em 2004, como presidente do júri de Cannes, ele premiou o documentário do norte-americano de Michael Moore, Fahrenheit 11 de Setembro e teve que negar publicamente que sua premiação não o favorecia devido aos ataques terroristas. E em 2011, como presidente do Festival de Veneza, sendo mais cara de pau ainda, premiou a norte-americana e ex-namorada Sofia Coppola com o Leão de Ouro pelo drama Um Lugar Qualquer, o que gerou protestos entre os concorrentes e a mídia. Dificilmente Tarantino deve voltar como presidente…

Nanni Moretti quando levou a Palma de Ouro por O Quarto do Filho

Este ano, escolheram o cineasta italiano Nanni Moretti para presidir o júri. Para quem não conhece, Moretti ficou marcado pelo seu estilo despojado em filmes de temática familiar. Ele mesmo já foi agraciado com a Palma de Ouro pelo tocante drama O Quarto do Filho em 2001 e, atualmente, está em cartaz aqui em São Paulo pelo drama Habemus Papam, que aborda uma crise no Vaticano.

Para sua bancada, foram convidados nomes importantes como o diretor Alexander Payne (que recentemente ganhou o Oscar de roteiro adaptado por Os Descendentes), a diretora britânica Andrea Arnold (que também levou um Oscar de curta-metragem pelo ótimo Wasp e o prêmio do Júri com Fish Tank em Cannes 2009), o ator Ewan McGregor (que esteve ao lado de Christopher Plummer em Toda Forma de Amor), a atriz alemã Diane Kruger (de Tróia e Bastardos Inglórios)  e até o costureiro mundialmente famoso Jean-Paul Gaultier.

Cartaz já “aportuguesado” do novo filme de Walter Salles com a estrela Kristen Stewart

Esta equipe de jurados terá o privilégio de assistir, analisar e votar filmes de grandes diretores como o mestre Alain Resnais e autores consagrados como Jacques Audiard, Michael Haneke, Abbas Kiarostami, Matteo Garrone, David Cronenberg e Ken Loach, muitos deles vencedores da Palma de Ouro em edições anteriores. Para a torcida brasileira, Walter Salles volta a concorrer pela terceira vez com um novo road movie intitulado Na Estrada (On the Road), baseado na obra homônima de Jack Kerouac.

Nessa disputa pelo prêmio, uma curiosidade acabou se destacando na mídia. Muito tem se falado desse “confronto artístico” entre a velha e nova geração do cinema francês representado respectivamente por Alain Resnais e Jacques Audiard. Enquanto o primeiro foi uma das faces da Nouvelle Vague e tem em seu currículo os marcos do Cinema: Hiroshima Mon Amour (1959) e O Ano Passado em Marienbad (1961), o outro está em extrema ascensão por O Profeta (2009) e De Tanto Bater Meu Coração Parou (2005). É claro que, em se tratando de Arte,  o termo “confronto” tem apelo midiático, mas certamente desperta o interesse para a leitura que o júri fará desses filmes.

Isabelle Huppert quando presidiu o júri de Cannes em 2009

Ao longo do festival, tentarei postar algumas críticas e comentários mais pertinentes publicados em jornais. Mas vendo a lista, é possível fazer algumas leituras e até arriscar uns palpites. Por exemplo, na categoria de Melhor Atriz, a veterana atriz francesa Isabelle Hupert tem grandes chances de conquistar seu terceiro prêmio de atriz. Além de estrelar o novo filme de Michael Haneke, Amour, atua num filme sul-coreano In Another Country. Este ano, ela tem uma forte concorrente de mesma nacionalidade: Marion Cottilard, que protagoniza Rust & Bone, de Audiard.

Palma de Ouro? Ainda é cedo para palpitar, pois os filmes sequer foram projetados em Cannes, porém acredito que Alain Resnais sai na frente por motivos óbvios.  Se seu filme You Haven’t See Anything Yet for bem recebido em sua premiere, o diretor já está com uma mão na taça, ou melhor, na Palma. Entretanto, isto não significa que não há forte concorrência.

Robert Pattison num filme de Cronenberg? Isso que é jogar tudo no vermelho…

Acredito que o novo filme de David Cronenberg é um dos fortes candidatos. O diretor canadense que ficou conhecido por explorar como ninguém o aspecto físico de seus personagens como em A Mosca (1986) e Crash – Estranhos Prazeres (1996), tem amadurecido cada vez mais o aspecto sócio-psicológico em Marcas da Violência (2005) e Senhores do Crime (2008). Resta saber se sua aposta na sensação das adolescentes Robert Pattison (da série Crepúsculo) como protagonista estará à altura. Será que ele consegue extrair algum talento do jovem assim como fez com Viggo Mortensen? Esperamos que sim, pois o Cinema atual necessita de mais atores que estejam dispostos a arriscar.

Aliás, nessa mesma questão, entra o ator Zac Efron, mundialmente conhecido pelos filmes musicais da Disney: High School Musical. É claro que nem sempre dá pra começar a carreira com papéis mais densos, mas a busca constante por novos desafios transforma um ator medíocre num bom ator pelo menos. Não dá pra garantir que será um ator excepcional, pois isso depende dos estudos dos métodos, análise profunda dos personagens e claro, do próprio dom para a coisa. Recentemente, li numa entrevista que Efron tem procurado se desvencilhar da fama de bom moço através da escolha de papéis mais dramáticos e agora, conseguiu dar um passo muito importante ao protagonizar The Paperboy, dirigido por Lee Daniels (indicado ao Oscar por Preciosa). Se sua atuação já demonstra sinais de amadurecimento só o tempo dirá, mas pode se tornar algo promissor.

Apesar de alguns favoritismos e de uns deslizes de júris, o Festival de Cannes tem sempre buscado premiar os filmes mais instigantes que almejam algo inovador ou experimental em algum aspecto fílmico. Ano passado, Robert De Niro premiou A Árvore da Vida, de Terrence Malick, pelo belo espetáculo visual e a forma inusitada como a vida é enxergada. Há pessoas que amam e outras que odeiam o filme, mas todos concordam com essas qualidades. Cannes quer conceder a Palma de Ouro para a melhor qualidade num filme. O gosto é encarado de forma subjetiva, afinal, nunca dá pra agradar gregos e troianos.

Indicados à Palma de Ouro 2012:

Lee Daniels aposta em Zac Efron. Parece que ele quer se livrar do High School Musical.

Lawless, de John Hillcoat

In the Fog (V Tumane), de Sergei Loznitsa

Rust & Bone (De Rouille et d’os), de Jacques Audiard

Amour, de Michael Haneke

Reality, de Matteo Garrone

The Taste of Money (Do-niu Mat), de Sang-Soo Im

You Haven’t Seen Anything Yet (Vous n’avez encore rien vu), de Alain Resnais

Na Estrada (On the Road), de Walter Salles

Post Tenebras Lux, de Carlos Reygadas

Beyond the Hills (Dupa Dealuri), de Cristian Mungiu

Mud, de Jeff Nichols

Cosmópolis, de David Cronenberg

The Hunt (Jagten), de Thomas Vinterberg

Paradise: Love (Paradies Liebe), de Ulrich Seidl

The Angel’s Share, de Ken Loach

Like Someone in Love, de Abbas Kiarostami

Holy Motors, de Leos Carax

Killing Them Softly, de Andrew Dominik

The Paperboy, de Lee Daniels

In Another Country (Da-reun na-ra-e-suh), de Sang-Soo Hong

Espelho, Espelho Meu (Mirror Mirror), de Tarsem Singh (2012)

Espelho, Espelho Meu

Filme capricha em aspecto estético, mas se perde no tom

Assim como eu, 99% das pessoas ainda associa os contos de fada às animações da Disney, afinal, foram décadas de pioneirismo na arte da animação. Hoje, mesmo após a revolução satírica que Shrek causou nesse universo em 2001, a universalidade das fábulas ainda se mostra uma mina de ouro para Hollywood. Como prova disso, este ano, duas produções que adaptaram o conto Branca de Neve serão lançadas nos cinemas: este Espelho, Espelho Meu e em junho, Branca de Neve e o Caçador. Enquanto o primeiro busca agradar todas as faixas etárias, o segundo visa despertar o interesse do público pelo lado mais sombrio da história.

Mas adaptar os contos de fada, especialmente os escritos pelos irmãos Grimm, podem se tornar grandes armadilhas, afinal todo mundo praticamente nasce conhecendo as histórias, portanto seria necessário buscar perspectivas inovadoras sem desrespeitar o material original. Além disso, como os contos carregam essa essência cruel e até sexual que muitos pais “cortam” ao ler para os filhos pequenos antes de dormir, os filmes teriam que saber lidar com essas entrelinhas se quiserem conquistar os adultos também, afinal, são eles que levam as crianças para assistir ao filme.

Seguindo essa lógica, quando contrataram o cineasta indiano Tarsem Singh (conhecido por explorar o universo de um serial killer no filme A Cela) para comandar Espelho, Espelho Meu, achei que essa questão estaria bem resolvida: enquanto a produção se encarregaria do visual colorido para o público infantil, o diretor entreteria os mais velhos com as entrelinhas. Na teoria funciona, mas na prática o filme se perde em vários tons indefinidos e não sabe a quem agradar. As crianças podem até se encantar com a história e umas gags, mas o público mais velho corre sério risco de ficar entediado na sala, pois nessa salada toda, ficou faltando o tempero da ambiguidade que o conto original permite.

Tarsem Singh dirigindo suas atrizes

Obviamente, o filme é bem feito nos mínimos detalhes como uma grande produção hollywoodiana manda. Além dos efeitos visuais (tirando o monstro tosco), a direção de arte enche os olhos, especialmente os aposentos do castelo da Rainha Má e o casebre dos anões na floresta. Mas nada se destaca tanto quanto o trabalho de figurino de Eiko Ishioka, que são um espetáculo à parte. A atriz Julia Roberts deveria ser a mais agradecida à figurinista, já que sua atuação ganhou ares mais maléficos e cômicos que o papel requer. Apesar do árduo esforço de usar vestimentas pesadas, a atriz se destaca devidamente como celebridade do primeiro escalão.

Trabalho primoroso de Eiko Ishioka

Infelizmente, este foi o último trabalho da figurinista japonesa Eiko Ishioka. Ela faleceu em janeiro aos 73 anos, encerrando uma forte parceria com o diretor Tarsem Singh que vinha desde A Cela (2000). Venceu o Oscar da categoria em 1993 por Drácula de Bram Stoker, e com este trabalho lançado postumamente, deve voltar a concorrer como Melhor Figurino em 2013.

Tarsem Singh tem uma forte veia visual em seus trabalhos, o que o faz se assemelhar a Tim Burton, responsável por títulos como Edward Mãos-de-Tesoura e Noiva Cadáver. Curiosamente, ambos resolveram adaptar fábulas para o cinema, mas foram um pouco vítimas do sistema predominado por produtores de Hollywood. Seria algo como: “Vamos contratá-lo pelo seu nome e seu forte apelo estético, mas a palavra final é do estúdio”. Hoje em dia, os produtores (e detentores do dinheiro) não se arriscam em mais nada. Preferem refilmar algo de sucesso ou adaptar um livro best-seller como Jogos Vorazes a apostar em novos formatos e inovações de linguagem. Se não gostam do final, dispensam o diretor e assinam um novo final; simples assim.

Alice no País das Maravilhas: Quando o cartaz foi lançado, todos já queriam ver o filme

Por um lado até entendo, afinal, Alice no País das Maravilhas custou cerca de 200 milhões de dólares, mas quais as chances de Tim Burton naufragar um filme como esse? A bilheteria mundial certamente se encarregaria de um fracasso em território americano. E esse forte receio do fracasso comercial que tem ditado as regras dos filmes americanos de hoje, que também vitimou Espelho, Espelho Meu.

Ok, o filme tem um orçamento bem menor de 85 milhões de dólares e o diretor é bem menos conhecido que Burton, mas acredito que se dessem mais carta branca ao diretor, o resultado final teria sido bem mais instigante e chamativo. Ao que parece, Tarsem não teve como apitar na escalação do elenco. Lily Collins e Armie Hammer já eram escolhas certas para viver o casal Branca de Neve e o Príncipe Alcott, mas os jovens atores não conseguem demonstrar empatia alguma em cena, algo que seria fundamental para o bom andamento da trama e principalmente para conquistar a torcida do público. Eu mesmo queria que a Rainha Má matasse logo todo mundo!

“Mais empatia?”

Espelho, Espelho Meu tenta inverter alguns papéis como forma de atualizar o conto do século XIX, transformando a jovem princesa numa aventureira e o príncipe num covarde que vive levando a pior, mas é a Rainha Má e seu lacaio Brighton (Nathan Lane) que roubam a cena com momentos mais engraçadinhos. Seus personagens discutem formas de administração de um reinado, formas de salvar a política econômica (reflexo da crise na Europa?) e até moda e beleza! Tratamentos estéticos contra a velhice são um dos poucos ápices bem explorados do contos dos Grimm. A Rainha Má faz uso de alguns deles que são bastante reais como os excrementos de papagaio para passar no rosto (foto abaixo), manicure feita por pequenos peixes que comem a pele velha, massagem de cobra e lábios à la Angelina Jolie com o auxílio de picadas de abelha (mas este último parece que não existe mesmo).

Vai um pouco de cocô de papagaio fresco?

Como todo filme dirigido por Tarsem Singh, ele oferece um espetáculo visual de tirar o chapéu. Os cenários foram feitos para suportar um ótimo resultado final, mas sem o essencial, que seriam química entre os atores e personagens e diálogos mais afiados, o filme inevitavelmente vai ficando chato e monótono. Aqueles 100 minutos parecem 200 e no final, Espelho, Espelho Meu não passa de um aperitivo para Branca de Neve e o Caçador (Snow White and the Huntsman), que tem previsão de estréia no Brasil para 1º de junho. Confira o trailer para ver se também te apetece:

http://www.youtube.com/watch?v=0Moa6lGuhw4&feature=fvst