‘La Vie d’Adèle (Blue is the Warmest Color)’ vence a Palma de Ouro de Cannes 2013

Palma de Ouro para La Vie d'Adèle (Blue is the Warmest Color), de Abdellatif Kechiche, que está entre as atrizes Léa Seydoux e Adèle Exarchopoulos

Palma de Ouro para La Vie d’Adèle (Blue is the Warmest Color), de Abdellatif Kechiche, que está entre as atrizes Léa Seydoux e Adèle Exarchopoulos

Contradizendo todos, o presidente do júri, Steven Spielberg, premiou um filme francês com temática lésbica quase explícita de três horas de duração! Talvez eu seja uma das pessoas mais surpresas com essa escolha. Explico. O filme que mais aprecio de Spielberg é Tubarão (1975) por uma série de motivos, mas a coragem e a ousadia do projeto que realmente me impressionaram. Claro que o diretor era muito jovem na época e permitia-se tais loucuras, mas ao longo dos últimos anos, acompanhei algumas mudanças de pensamento que causaram certa desilusão. Além de Steven Spielberg afirmar que mudaria o final de Contatos Imediatos do Terceiro Grau (1977), ele fez aquela terrível lambança na nova versão de E.T. – O Extraterrestre (1982) ao apagar digitalmente as armas de fogo dos policiais e trocá-las por walkie talkies por considerar violento demais. Pensei comigo: “Steven está ficando um senhor conservador, mas com espírito gagá de George Lucas!”

Então, eis a grande surpresa em ver o senhor Spielberg premiando um filme ousado e polêmico! Obviamente, não conferi o vencedor da Palma de Ouro, mas fico feliz pela escolha, afinal o filme foi bastante elogiado e o diretor Abdellatif Kechiche é um cineasta em extrema ascensão por seu perfeccionismo e diálogo com seu tempo. Havia um forte rumor de que La Vie d’Adèle (Blue is the Warmest Color) sequer tinha chances de prêmio justamente pelo conhecido conservadorismo de Spielberg. Quem diria que ele surpreenderia todos? Claro que existe um grupo de artistas no júri como Ang Lee, Cristian Mungiu e Christoph Waltz, que certamente tiveram alto poder de decisão, mas por ora, não vamos estragar a coragem do presidente, afinal, ele justificou sua escolha com belas palavras:

“Uma grande história de amor que fez todos nós nos sentirmos privilegiados de ser uma mosca na parede para admirar esta história de amor profundo e desgosto profundo evoluir desde o início. O diretor não colocou quaisquer restrições sobre a narrativa. Ele deixou as cenas tocarem na vida real, e ficamos absolutamente encantados.”

Pôster de Blue is the Warmest Color

Pôster de Blue is the Warmest Color

Baseado numa graphic novel de Julie Maroh, La Vie d’Adèle (Blue is the Warmest Color) acompanha a vida da adolescente de 15 anos Jocelyne, interpretada pela elogiadíssima Adèle Exarchopoulos. Ela se apaixona por uma moça um pouco mais velha do que ela e com cabelos azuis (referência ao título do filme). Além de despertar sexual, o longa de Kechiche procura destrinchar todo esse relacionamento até o coração partido e claro, a auto-descoberta.

Claro que aos olhos de mente livre, trata-se apenas de uma história de amor com todos os prazeres e dissabores. Contudo, em pleno século XXI, o homossexualismo continua causando polêmicas. Na própria França, país-sede do Festival de Cannes e terra da Revolução, houve protestos violentos da extrema direita e de grupos católicos nesse domingo (dia 26) contra a lei de 23 de abril que permite o casamento de pessoas do mesmo sexo no país. Apesar de já aprovada, a lei acabou sendo promulgada até o dia 18 de maio devido às fortes resistências no parlamento e nas ruas.

Manifestante protestam contra casamento gay na França. Repare nas bandeiras com a típica família feliz (foto Revista Exame)

Manifestantes protestam contra casamento gay na França. Repare nas bandeiras com a típica família feliz (foto Revista Exame)

Spielberg desmentiu a possibilidade da política ter influenciado na decisão. “Como vocês sabem, as personagens do filme não se casam. Política nunca esteve na mesma sala que nós do júri”. Questionado sobre a trajetória de La Vie d’Adèle (Blue is the Warmest Color) nos EUA , foi sucinto: “Não tenho certeza se será exibido em todos os estados”.

Aqui no Brasil, o mesmo protesto da França tem cara: para quem acompanha as notícias, o presidente da Comissão dos Direitos Humanos (!), o deputado Marco Feliciano, não precisa nem de apresentações. Desde o dia 14 de maio, os cartórios do Brasil são obrigados a registrar a união legal de casais homossexuais, um direito conquistado graças ao presidente do Supremo Tribunal Federal e autor da lei, Joaquim Barbosa. Mas Feliciano (do Partido Social Cristão – PSC) está tentando entrar com pedido de suspensão do casamento alegando que esta decisão cabe ao Congresso Nacional. Nessas horas as leis valem mais do que o bem-estar da sociedade…

Alguém me explica como um deputado que é homofóbico, racista e religioso se torna presidente da Comissão de Direitos Humanos?

Alguém me explica como um deputado que é homofóbico, racista e religioso se torna presidente da Comissão de Direitos Humanos?

Os demais prêmios do festival foram bastante democráticos, tanto que nenhum filme acumulou mais do que um reconhecimento. O Grande Prêmio do Júri, uma espécie de segundo colocado, acabou nas mãos dos irmãos Joel e Ethan Coen por Inside Llewyn Davis, que tem como cenário a Nova York do ano 1961. Havia uma dúvida se Oscar Isaac ganharia o prêmio de interpretação masculina, mas a larga experiência de Bruce Dern se destacou mais pelo drama Nebraska, de Alexander Payne.

E já que Adèle Exarchopoulos foi compensada pela Palma de Ouro, o prêmio de interpretação feminina foi para a bela francesa Bérénice Bejo pelo drama Le Passé (The Past), de Asghar Farhadi. Apesar de repetir a fórmula de A Separação, o filme foi bem recebido em Cannes, rendendo esse reconhecimento importante. Para quem não se lembra, Bejo foi indicada ao Oscar de Atriz Coadjuvante em 2012 por O Artista. Com a vitória em Cannes, ambos os atores têm suas chances multiplicadas para o Oscar 2014. No caso de Dern em particular, além de estrelar um filme americano com um diretor muito querido pela Academia (Alexander Payne), o ator já tem 76 anos e nunca levou o Oscar. Acredito que sua indicação já é certa. Em caso de vitória, seria a primeira (merecida) da carreira de diretor para Payne.

Bérénice Bejo volta a brilhar em Cannes por Le Passé

Bérénice Bejo volta a brilhar em Cannes por Le Passé

O veterano Bruce Dern ao lado da filha, a também atriz Laura Dern, em sessão de fotos de Cannes pelo filme Nebraska.

O veterano Bruce Dern ao lado da filha, a também atriz Laura Dern, em sessão de fotos de Cannes pelo filme Nebraska.

Talvez a maior surpresa tenha ficado na categoria de direção, na qual o espanhol Amat Escalante foi reconhecido pelo violento Heli, um drama cruel sobre a decadência de uma família por causa de uma gangue de drogas. Causou certo rebuliço devido a cenas fortes como na qual um homem tem suas genitálias queimadas.

Os demais prêmios foram distribuídos de forma muito democrática. Dois dos três filmes asiáticos em competição que foram aplaudidos receberam um prêmio. Enquanto Like Father, Like Son, de Hirokazu Kore-eda levou o Prêmio do Júri por se tratar de um drama delicado de duas famílias que descobrem que seus filhos foram trocados na maternidade, o chinês Jia Zhangke foi contemplado pelo prêmio de roteiro por sua abordagem episódica da violência em seu país em A Touch of Sin.

Like Father, Like Son, de Hirokazu Kore-eda

Like Father, Like Son, de Hirokazu Kore-eda

Até mesmo na competição Un Certain Regard, o drama independente americano Fruitvale Station, que tinha grandes chances, recebeu o Future Prize como incentivo e propulsor para a corrida do Oscar 2014, com a Weinstein Company fazendo lobby.

CONFIRA OS PRINCIPAIS PRÊMIOS DE CANNES 2013:

Palma de Ouro: La Vie d’Adèle (Blue Is the Warmest Color), de Abdellatif Kechiche

Grande Prêmio do Júri: Inside Llewyn Davis, de Joel Coen e Ethan Coen

Direção: Amat Escalante (Heli)

Prêmio do Júri: Like Father, Like Son, de Hirokazu Kore-eda

Interpretação Masculina: Bruce Dern (Nebraska)

Interpretação Feminina: Bérénice Bejo (Le Passé)

Roteiro: A Touch of Sin, de Jia Zhangke

 

UN CERTAIN REGARD JURY PRIZES

Un Certain Regard: The Missing Picture, de Rithy Panh

Prêmio do Júri: Omar, de Hany Abu-Assad

Direção: Alain Guiraudie (Stranger by the Lake)

Future prize: Fruitvale Station, de Ryan Coogler

A Certain Talent prize: O elenco de La jaula de oro

The Missing Picture, de Rithy Panh, que levou o Un Certain Regard

The Missing Picture, de Rithy Panh, que levou o Un Certain Regard

OTHER JURY PRIZES

Camera d’Or: Ilo ilo, de Anthony Chen

Directors’ Fortnight Art Cinema Award: Me Myself and Mum, de Guillaume Gallienne

Directors’ Fortnight Europa Cinemas Label: The Selfish Giant, de Clio Barnard

Directors’ Fortnight SACD Prize: Me Myself and Mum, de Guillaume Gallienne

Critics’ Week Grand Prix: Salvo, de Fabio Grassadonia e Antonio Piazza

Critics’ Week Visionary Prize: Salvo, de Fabio Grassadonia e Antonio Piazza

Critics’ Week Special Mention: The Owners, de Agustin Toscano e Ezequiel Radusky

Critics’ Week SACD Prize for Screenplay: Le Demantelement, de Sebastien Pilote

Palma de Ouro de Curta-Metragem: Safe, de Moon Byoung-gon

Ecumenical Jury Prize: Le Passé, de Asghar Farhadi

 

FIPRESCI PRIZES

Competition: La Vie d’Adèle (Blue Is the Warmest Color), de Abdellatif Kechiche

Un Certain Regard: Manuscripts Don’t Burn, de Mohammad Rasoulof

Directors’ Fortnight: Blue Ruin, de Jeremy Saulnier

Rapidinhas de Cannes – Parte 2

A atriz Kristin Scott Thomas e o diretor Nicolas Winding Refn em coletiva do filme Only God Forgives em Cannes 2013

A atriz Kristin Scott Thomas e o diretor Nicolas Winding Refn em coletiva do filme Only God Forgives em Cannes 2013

Ok, estamos entrando na reta final do Festival de Cannes. Alguns filmes foram vaiados na exibição e devem ter suas chances reduzidas ao mínimo. Porém, vale ressaltar que nem sempre vaias significam que a qualidade do filme está abaixo da média, mas que dividiram o público, como foi o caso do polêmico A Árvore da Vida, de Terrence Malick, que acabou levando a Palma de Ouro em 2011.

No caso do novo trabalho do diretor dinamarquês Nicolas Winding Refn, Only God Forgives, resumidamente se tratou de um excesso de expectativas. O sucesso de Drive (prêmio de direção de Cannes 2011) comprovou que era possível realizar um filme de ação inteligente e com estilo, mas nem sempre o repeteco agrada. Assim como em Drive, temos um submundo do crime como cenário, personagens frios e cenas de violência extrema.

Na entrevista, Nicolas teria dado duas justificativas. A artística seria: “… grande arte — coisa horrível de se dizer — mas arte foi feita para dividir, porque senão não penetra, e se não penetra, você apenas a consome.” E a pessoal seria: “Não sou fã de filmes de pancadaria, mas estava passando por um período existencialista com a gravidez da minha mulher, que teve nossa segunda filha. Estava raivoso e agressivo sem explicação. Achei que era culpa de Deus. Como não conseguia canalizar esses sentimentos, fiz o filme”. Entretanto, a maioria da crítica presente em Cannes não ligou para a explicação do diretor. Um crítico do site Hollywood Elsewhere, por exemplo, soltou uma sentença mais cruel em relação ao filme: “…temos um diretor misericordioso que acha que qualquer coisa que ele caga vale o nosso tempo”.

Já na exibição do japonês Wara no Tate (Shield of Straw), digamos que foi um caso à parte, porque o diretor Takashi Miike já tem alguns parafusos soltos, o que o torna automaticamente uma incógnita em festivais. Seu maior sucesso foi um filme “para toda a família”: Itchi the Killer (2001), uma história de máfia japonesa que tem como centro um assassino psicótico reprimido que explora o sadomasoquismo. Obviamente sua escolha pelos organizadores do festival se apóia no nome do diretor e, quem sabe, causar certas controvérsias que possam destacar o evento nas mídias.

Wara no Tate, um dos únicos vaiados este ano em Cannes (photo by www.outnow.ch)

Wara no Tate, um dos únicos vaiados este ano em Cannes (photo by http://www.outnow.ch)

Contudo, o tiro saiu pela culatra. Wara no Tate acabou sendo vaiado por se assemelhar a um típico filme de ação hollywoodiano, gênero que sempre foi um pesadelo nessa roda de autores. “Eu acho que o cinema japonês perdeu a capacidade de fazer cenas espetaculares, então decidi me desafiar a fazer um filme de ação”, justificou Takashi Miike, que ainda foi duramente criticado por furos grotescos no roteiro policial. Apesar de não haver elementos do grotesco que costumam preencher seus filmes, este trabalho tem um mote inicial interessante, baseado no livro de Kazuhiro Kiuchi, no qual policiais têm a missão de transferir um assassino de uma menina para a prisão, mas sofrem pressão pela proposta financeira irrecusável do avô dela para matá-lo no trajeto.

Infelizmente, não tenho como opinar ainda sobre os filmes vaiados em questão, mas compartilho da perspectiva de Nicolas Winding Refn a respeito da unanimidade artística. Prefiro um cineasta que faça um filme ruim, mas que tentou realizar algo inovador, do que um bom filme que preencherá a massa da mesmice.

Infelizmente, os novos filmes de Asghar Farhadi, Le Passé (The Past), e de James Gray, The Immigrant, não agradaram a crítica. Enquanto o primeiro foi criticado pela repetição sem a mesma força da fórmula que deu certo em A Separação (vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro pelo Irã), o segundo apresentou um triângulo amoroso ingênuo que de certa forma desperdiça o talento do elenco formado por Joaquin Phoenix, Jeremy Renner e a musa Marion Cotillard.

Deixando as decepções de lado, a exibição de Behind the Candelabra foi um momento que pode entrar para a história, pois pode ser o último filme de Steven Soderbergh, pelo menos a ser lançado nos cinemas. Cansado de discutir com os grandes estúdios, que inclusive recusaram esse projeto por acharem “gay demais”, o diretor declarou sua aposentadoria precoce desse sistema hollywoodiano. “Se for meu último filme, saio orgulhoso do cinema”, revelou Soderbergh.

Michael Douglas literalmente brilha em Behind the Candelabra ao lado de Matt Damon. Chances no Oscar 2014?

Michael Douglas literalmente brilha em Behind the Candelabra ao lado de Matt Damon. Chances no Oscar 2014?

O filme que trata do caso de amor subversivo entre o pianista Lee Liberace e Scott Thorson, jovem 40 anos mais novo, foi bastante aplaudido pelo público, especialmente o nome de seu protagonista, Michael Douglas, o que lhe devolveu a auto-estima que perdeu ao longo dos anos e após a cura milagrosa do câncer na garganta que teve em 2012. “Vou agradecer eternamente a Steven (Soderbergh) e Matt (Damon)”, declarou um comovido Douglas. Com essas vitórias na tela e na vida pessoal, o ator pode ser lembrado pelo júri de Cannes e até ganhar um fôlego para o Oscar 2014.

Outro que já abre caminho para o prêmio da Academia é o diretor Alexander Payne, que retorna ao festival, pelo qual foi previamente indicado por As Confissões de Schmidt em 2002. Seu road movie intimista, Nebraska, que tem como personagem central um idoso que atravessa o país para exigir uma premiação de um milhão de dólares lembra o filme de David Lynch, A História Real (1999), no qual Richard Farnsworth atravessa os Estados Unidos de trator para reencontrar o irmão.

Bruce Dern e Will Forte em Nebraska, de Alexander Payne, um dos favoritos à Palma de Ouro (photo by www.outnow.ch)

Bruce Dern e Will Forte em Nebraska, de Alexander Payne, um dos favoritos à Palma de Ouro (photo by http://www.outnow.ch)

Payne, que já ganhou 2 Oscars de roteiro adaptado, tem ótima reputação também como diretor de atores. Em sua curta carreira, já foi responsável pelas indicações ao Oscar de Jack Nicholson e Kathy Bates (por As Confissões de Schmidt), Thomas Haden Church e Virginia Madsen (por Sideways – Entre Umas e Outras), e George Clooney (por Os Descendentes). Com Nebraska, ele resgata um ícone há muito sumido: o ator veterano Bruce Dern, considerado uma grande promessa dos anos 70 e 80 que não vingou. Antes mesmo do filme ser exibido em Cannes, Dern já contava com um burburinho forte para uma indicação ao Oscar 214, que seria a sua segunda depois de Melhor Ator Coadjuvante pelo drama Amargo Regresso (1978).

Já o concorrente francês com mais chances é um com cenas bem calientes e praticamente explícitas, o filme La Vie d’Adèle (Blue is the Warmest Color), de Abdellatif Kechiche, aborda um caso de amor entre duas garotas. Jocelyne (Adèle Exarchopoulos, que arrancou elogios da crítica por sua coragem e entrega ao papel) é uma adolescente de 15 anos que seguia sua heterossexualidade até o dia em que grudou os olhos numa garota de cabelos azuis chamada Emma (a bela Léa Seydoux). Através dessa paixão relâmpago, ela passa a amadurecer como como mulher e como pessoa adulta.

Comparado a Stanley Kubrick por seu perfeccionismo nos enquadramentos milimétricos e nos incontáveis takes das filmagens (exaurindo as forças do elenco e da equipe à procura do 100% ideal), o diretor tunisiano Abdellatif Kechiche conquistou alguns prêmios no Festival de Veneza com os aclamados O Segredo do Grão (2007) e Vênus Negra (2010). Desta vez, ele tenta a sorte em Cannes e tem grandes chances na categoria de atuação feminina.

Blue is the Warmest Color: talvez seja quente demais para um conservador como Spielberg

Adèle Exarchopoulos e Léa Seydoux em Blue is the Warmest Color: talvez seja quente demais para um conservador como Spielberg (photo by http://www.outnow.ch)

Correndo por fora, o novo filme do italiano Paolo Sorrentino pode surpreender. Em sua quinta indicação à Palma de Ouro (sendo a última em 2011 pelo drama Aqui é o Meu Lugar com um Sean Penn à la Robert Smith do The Cure), o diretor teve seu filme aplaudido três vezes, tornando-o um forte concorrente na disputa. Ousado, La Grande Bellezza tece críticas à elite italiana, seja nos campos político, religioso, econômico e intelectual através de personagens que refletem figuras reais e dos diálogos afiados, lembrando a coragem de Federico Fellini em seus filmes-devaneio.

Embora La Grande Bellezza tenha um excesso de narrativa e peripécias técnicas, na hora de eleger o vencedor, o histórico de Sorrentino no festival pode contar muito a favor. Em suas cinco participações, só levou o Prêmio do Júri por Il Divo em 2008, que também chegou a concorrer pelo Oscar de Melhor Maquiagem.

Cena de La Grande Bellezza, de Paolo Sorrentino (photo by www.outnow.ch)

Cena de La Grande Bellezza, de Paolo Sorrentino (photo by http://www.outnow.ch)

Ainda faltam alguns filmes de autores consagrados como La Vénus à la Fourrure, de Roman Polanski, e Only Lovers Left Alive, de Jim Jarmusch, serem exibidos para que a seleção dos vencedores possa chegar à decisão derradeira do júri, que ocorre neste domingo, dia 26.

Particularmente, acredito que Steven Spielberg vai manter sua pose de bom mocinho e escolher filmes mais comportados. E Nebraska, de Alexander Payne, tem um potencial enorme se levarmos em conta sua história de relação entre pai e filho no coração da América. Os irmãos Coen podem ser compensados pelo prêmio de ator para Oscar Isaacs (Inside Llewyn Davis), enquanto muitos duvidam que a atriz Adèle Exarchopoulos (La Vie d’Adèle (Blue is the Warmest Color)) possa ser reconhecida como interpretação feminina por Spielberg, o puritano. Vamos torcer para que sim…

Rapidinhas de Cannes 2013

A jovem atriz Emma Watson rouba a cena no tapete vermelho em Cannes

A jovem atriz Emma Watson rouba a cena no tapete vermelho em Cannes

Nada como um tapete vermelho para promover os filmes em exibição em Cannes. Mesmo não se tratando de um candidato ao prêmio máximo, a Palma de Ouro, o novo filme de Sofia Coppola, Bling Ring: A Gangue de Hollywood, encarregou-se de atrair os holofotes da mídia, uma vez que sua atriz principal é ninguém menos que a jovem Emma Watson, a Hermione da série Harry Potter. Vista como talento promissor, Watson interpreta um membro de uma gangue de adolescentes que assalta casas e mansões de celebridades de Hollywood depois de obter informações pela internet.

Certa vez li numa publicação nacional que Sofia Coppola, filha do lendário diretor Francis Ford Coppola, só fazia filmes sobre patologias da burguesia atual, tais como melancolia e vazio existencial. Claro que As Virgens Suicidas (1999), Encontros e Desencontros (2003) e Maria Antonieta (2006) dialogam com essa temática, mas nem por isso deixam de apresentar perspectivas interessantes. Neste novo trabalho, ela procura destrinchar o universo adolescente de hoje através dessa obsessão quase doentia de transpôr a vida pessoal nas redes sociais. Os ladrões da gangue não precisam necessariamente do dinheiro, mas buscam o glamour das estrelas através de jóias e roupas caras e postar as fotos para os amigos e seguidores virtuais apreciarem. Novos tempos.

Em entrevista no festival, a diretora e roteirista, Sofia Coppola, brincou: “Sou tão feliz por não ter tido Facebook quando eu era adolescente!”. Claire Julien, outra atriz do filme, declarou: “Facebook hoje é quase uma obrigação, porque todo mundo tem e você acha que vai ficar pra trás se não tiver”.

Equipe de Fruitvale Station: Melonie Diaz, o diretor Ryan Coogler, Michael B. Jordan e Octavia Spencer

Equipe de Fruitvale Station: Melonie Diaz, o diretor Ryan Coogler, Michael B. Jordan e Octavia Spencer

Apesar de todo o burburinho em volta de Bling Ring: A Gangue de Hollywood, o filme que acabou se destacando mais na competição Un Certain Regard até o momento foi o drama independente americano Fruitvale Station. Baseado em fatos verídicos, o longa conta a história do jovem negro que foi assassinado por policiais brancos em 2008.

Após sua exibição, o longa foi aplaudido de pé por cinco minutos. Muitos da mídia apostam que o primeiro longa de Coogler tem grandes chances de repetir o feito de outra produção independente: Indomável Sonhadora, pois igualmente conquistou o Grande Prêmio de Sundance esse ano, tem ótimas possibilidades de conquistar um prêmio em Cannes e poderá concorrer em principais categorias do Oscar 2014, inclusive como Melhor Ator (Michael B. Jordan), que arrancou críticas excepcionais. Aliás, o Oscar deve se tornar realidade, pois a Weinstein Company, que costuma fazer lobbys bem fortes, comprou os direitos do filme.

A nova musa de Cannes, Marine Vacth, em cena de Jeune et Jolie, de François Ozon

A nova musa de Cannes, Marine Vacth, em cena de Jeune et Jolie, de François Ozon

Já pela competição oficial, o novo filme do conceituado diretor François Ozon também busca destrinchar esse vazio da juventude atual em Jeune et Jolie. Logo tachado como o novo A Bela da Tarde pela imprensa internacional, o filme acompanha a trajetória da jovem de 17 anos que procura sexo por puro prazer, sem necessidades financeiras ou mesmo culpa. A semelhança com a história da brasileira Bruna Surfistinha é nítida, mas digamos que Ozon oferece um olhar mais intimista e delicado, a começar pela escolha da protagonista.

Descoberta aos 17 anos como modelo, Marine Vacth, impressionou a todos com sua beleza exuberante. Porém, o diretor não buscava apenas beleza: “Em seus olhos, eu podia ver que havia um mundo inteiro ali. Um mistério e uma tristeza que eram exatamente o que procurava no meu filme”.

Assim como o filme foi comparado ao de Luís Buñuel, obviamente ela também foi comparada à musa Catherine Deneuve. Em resposta, Marine foi sucinta e profissional: “Não sou Catherine Deneuve. Quero ser eu mesma e não seguir os passos dos outros”. Se ela e o agente souberem escolher sabiamente futuros projetos, a atriz tem tudo para conquistar novos horizontes, como fez a francesa Eva Green, por exemplo.

A equipe de Inside Llewyn Davis (da esq. para dir.): Garrett Hedlund, Joel Coen, Oscar Isaac, Carey Mulligan, Justin Timberlake, Ethan Coen, Johnn Goodman e o músico T-Bone Burnett

A equipe de Inside Llewyn Davis (da esq. para dir.): Garrett Hedlund, Joel Coen, Oscar Isaac, Carey Mulligan, Justin Timberlake, Ethan Coen, John Goodman e o músico T-Bone Burnett

Já considerado favorito à Palma de Ouro, o novo trabalho dos irmãos Coen, Inside Llewyn Davis, apresenta o protagonista-título como um cantor folk no cenário musical da Nova York de 1961. Apesar de fictício, o personagem seria uma mistura de vários artistas musicais da época, inclusive de Bob Dylan, que o filme tem ligação quase direta.

Inside Llewyn Davis seria um road movie, com direito a um gato chamado Ulisses (referência direta de Homero, cuja obra “A Odisséia” foi adaptado pelos irmãos Coen em E Aí, Irmão, Cadê Você? em 2000) e o mesmo ator do road movie de Walter Salles, Na Estrada, Garrett Hedlund. Entretanto, o maior elogio foi para a atuação do protagonista, Oscar Isaac, pois além de sua interpretação, canta as composições do músico T-Bone Burnett. Seria mais um fortíssimo candidato ao Oscar de Melhor Ator de 2014.

Trata-se da oitava indicação de Joel Coen e Ethan Coen à Palma de Ouro, tendo levado apenas uma em 1991 pelo drama Barton Fink – Delírios de Hollywood. Mas já conquistaram outros prêmios como direção pelo mesmo filme, Fargo em 1996, e por O Homem que Não Estava Lá em 2001, comprovando que os diretores são mesmo queridinhos em Cannes.

Homem de Ferro 3 (Iron Man 3), de Shane Black (2013)

Pôster de Homem de Ferro 3

Pôster de Homem de Ferro 3

NOVO FILME DE HERÓI PROCURA LEVANTAR QUESTÕES ATUAIS DA SOCIEDADE

Que material preencheria a terceira parte de uma das maiores franquias de sucesso do cinema atual? Muitos produtores de Hollywood responderiam sem hesitar: “Colocaremos um vilão novo, cenas de ação repletas de efeitos visuais e um final feliz”, e teríamos aí mais um produto. Mas não a Marvel. A produtora sabe que o nível de expectativa para este filme estava nas alturas devido ao estrondoso êxito dos filmes anteriores e de The Avengers – Os Vingadores no ano passado, e desse modo, procurou levantar novos questionamentos para o universo do personagem e uniu com algumas reflexões da sociedade.

Aliás, nessa nova estratégia do produtor Kevin Feige, chefe da Marvel Studios, o entrelaçamento das adaptações dos quadrinhos tem sido uma excelente forma de entreter e promover ao mesmo tempo. Apesar de The Avengers – Os Vingadores ser um filme à parte das franquias solos de Capitão América, Thor, Hulk e Homem de Ferro, os eventos ocorridos não são deixados de lado. A invasão dos alienígenas em Nova York que quase causou a morte do Homem de Ferro gerou uma espécie de crise de ansiedade no personagem, criando uma nova fragilidade em Tony Stark.

Além disso, a bordo da nave da SHIELD num momento tenso, temos uma briga entre dois personagens:
Capitão América: Grande homem numa armadura. Tire isso e o que você é?
Tony Stark: Gênio, bilionário, playboy, filantropo.

Apesar de ter rebatido a ofensa com sua língua afiada, Stark sabe que depende demais de sua tecnologia. E nesse terceiro filme da franquia, esse vício é analisado de forma mais profunda. O roteiro de Drew Pearce e Shane Black questiona o que seria do protagonista sem sua armadura ao lançá-lo numa cidade distante sem dispôr de sua tecnologia. Quem é o herói? O homem ou a própria armadura? Essa paixão frenética que ele tem por tecnologia acaba atrapalhando seu relacionamento com sua amada Pepper Potts (Gwyneth Paltrow), que ainda sofre sérias ameaças diretas.

Iron-Man-3

Cria e criador. Robert Downey Jr. fica sem seu vício (photo by http://www.beyondhollywood.com)

Claro que num nível mais tresloucado dessa análise, poderíamos até interpretar esse vício hi-tech de Tony Stark como uma forma de crítica ao modo como vivemos hoje. Quem se interessa por comunicação sabe que a internet causou uma reviravolta na rotina de qualquer cidadão, especialmente os que vivem nas grandes metrópoles. Existem estudos que comprovam que a internet, disponível em qualquer celular smartphone, acaba reforçando o individualismo e o isolamento. Obviamente, não defendo a exclusão da tecnologia em nenhum momento, afinal seria como voltar à época das cavernas, mas, sim, seu uso moderado. Resumidamente, se trocássemos a armadura pelo Facebook, esta análise seria pertinente.

Voltando ao roteiro, essa cidade mais tranquila e a total ausência da tecnologia faz bem para o personagem. Ele chega a fazer amizade com um garotinho! Por mais que seja baseado no bom e velho quid pro quo, esse relacionamento tem como objetivo demonstrar a humanidade que existe no Homem de Ferro, e assim como todos os personagens da Marvel Comics, este é o grande sucesso da editora de quadrinhos: tirar a máscara do herói e enxergar a pessoa por trás dela.

Iron-Man-3

O garoto Ty Simpkins consegue falar mais do que Tony Stark (photo by http://www.beyondhollywood.com)

Embora o diretor tenha mudado (Jon Favreau, que dirigiu os dois primeiros filmes cedeu espaço para Shane Black, criador dos policiais de Máquina Mortífera), conseguiram imprimir esta qualidade do personagem sem que o astro Robert Downey Jr. fique menos à vontade, pois ele já havia trabalhado com Black no bom filme Beijos e Tiros (Kiss Kiss Bang Bang, 2005), ao lado de Val Kilmer. A parceria se mostra certeira, e a dupla volta a trabalhar elementos de espionagem nesta nova trama.

Em depoimento, Robert Downey Jr. era todo elogios ao diretor: “… bringing in Shane Black to write and direct the film is basically the only thing that Favreau and the audience and Marvel and I could ever actually sign off on. (trazer Shane Black para escrever e dirgir o filme é basicamente a única coisa que Favreau, o público, a Marvel e eu poderíamos estar de acordo)”.

Shane Black dirige Robert Downey Jr. em set de filmagem (photo by www.outnow.ch)

Shane Black (à dir.) dirige Robert Downey Jr. em set de filmagem (photo by http://www.outnow.ch)

Essa inclusão de Shane Black como roteirista e diretor permitiu uma repaginada no universo do personagem. Aproveitando-se de uma minissérie de quadrinhos intitulada “Extremis”, escrita por Warren Ellis, a história que gira em torno dessa descoberta científica do Dr. Aldrich Killian (vivido no filme por Guy Pearce), que possibilita a regeneração de órgãos humanos reabre essa discussão ética e moral a respeito do estudo das células-tronco para cura de doenças. No início do filme, o Dr. Killian oferece sua descoberta para a empresa Stark, mas Pepper recusa alegando haver potencial bélico enorme caso caia em mãos erradas.

Além disso, a crítica se completa com a personagem Maya Hansen (Rebecca Hall), que inicialmente se tratava de uma cientista biológica pró-natureza e humanidade, mas que acaba se vendendo como forma de sobrevivência e um pouco de egocentrismo de sua parte.

iron-man extremis

Capa de Iron Man – Saga Extremis (parte 5 de 6). Roteiro de Warren Ellis e arte de Adi Granov. (photo by http://www.marvel.com)

Considerado o vilão principal do filme, o Mandarim teve uma reviravolta surpreendente na versão cinematográfica, o que causou descontentamento geral entre os fãs do personagem nas páginas da HQ. Com origem ligada a uma tecnologia alienígena que lhe concede poderes em forma de anéis, o Mandarim ganhou uma nova história e um novo propósito ao conceito dos filmes. Claramente, torna-se um líder terrorista de uma nação do Oriente Médio (mas com referências chinesas como os dragões em seu figurino), estrelando vídeos de ameaças e de execuções como um certo Osama Bin Laden.

Ben Kingsley como o Mandarim (photo by www.beyondhollywood.com)

Será que existe alguma semelhança entre Sir Ben Kingsley como o Mandarim… (photo by http://www.beyondhollywood.com)

Osama Bin Laden em um de seus vídeos (photo by eslbrazil.blogspot.com)

…com Osama Bin Laden? Ou é apenas impressão minha? (photo by eslbrazil.blogspot.com)

Contudo, assim como a própria execução de Bin Laden é rodeada de incertezas (ainda mais que seu corpo foi jogado ao mar sem ter sido divulgado ao público), o filme busca explorar essa questão da própria existência do líder terrorista. De acordo com o produtor Kevin Feige, eles tentaram retratar um homem sem uma nação específica, afinal, nada pior do que isso para causar uma polêmica gratuita e ainda prejudicar as bilheterias.

Página de Iron Man 273 – Saga Dragon Seed. Roteiro de John Byrne e arte de Paul Ryan. (photo by jetstor.wordpress.com)

Segundo ele ainda, os símbolos chineses seriam uma homenagem ao personagem originalmente do país comunista, mas também sua obsessão pela obra literária “A Arte da Guerra” de Sun Tzu. Há ainda uma inspiração vinda da personagem Coronel Kurtz de Apocalyse Now. “Ele quer representar essa espécie de protótipo de terrorista, alguém que trabalhou para a inteligência americana, mas que enlouqueceu e se tornou esse devoto das táticas de guerra”, defende Feige.

Dependência tecnológica, exploração econômica de descoberta científica, líder terrorista e até uma ameaça ao presidente dos EUA denotam forte aproximação de Homem de Ferro 3 em relação às atualidades globais. Infelizmente, o diretor peca no ritmo moroso que deixa o filme pesado em dados momentos, mas tem cenas ótimas como o fã de Homem de Ferro que trabalha como técnico de TV.

Importante destacar também a penetração do blockbuster em território chinês, onde raros 34 filmes hollywoodianos conseguem ser liberados pela censura e exibidos por ano. Além disso, a política chinesa aplica altos impostos como forma de proteger seu mercado cinematográfico, considerado um dos mais lucrativos, afinal, qual o país mais populoso do mundo?

Por outro lado, para agradar a China, os produtores de Homem de Ferro 3 fizeram uma versão alternativa (e exclusiva), onde uma das atrizes mais importantes, Fan Bingbing, atua num papel secundário, que fora cortado do versão internacional, e há cenas adicionais filmadas em Pequim, mostrando mais sobre a cultura do país asiático.

Bingbing Pictures

A atriz Fan Bingbing, que faz a esposa do Dr. Wu na versão chinesa. Não sei… tenho a leve sensação de que perdi muita coisa asssistindo à versão internacional… (photo by nidoworth.blogspot.com.br)

Claro que, visando um lucro ainda mais colossal, pediram (praticamente obrigaram) a presença de Robert Downey Jr. na premiere chinesa. Se você esperava que ele seria mal visto por se tratar de um americano que interpreta um herói pop e patriota, veja a imagem abaixo:

Robert Downey Jr. conquista até os chineses em participação "discreta" (photo by www.beyondhollywood.com)

Robert Downey Jr. conquista até os chineses em participação “discreta” (photo by http://www.beyondhollywood.com)

Homem de Ferro 3 teve estréia recorde em mais de 200 salas só em São Paulo. Nos EUA, estreou com arrecadação de 174 milhões de dólares no primeiro fim de semana. Se alguém ainda acredita que as adaptações de quadrinhos para o cinema são apenas modinhas, os resultados extremamente positivos garantem que essa moda deve levar mais uns vinte anos no mínimo.

Este ano, pela Marvel, ainda teremos Thor: O Mundo Sombrio (previsto para novembro). Em 2014, Capitão América 2: O Retorno do Primeiro Vingador, e no ano seguinte, a sequência Os Vingadores 2 e O Homem-Formiga. Pelo estúdio Twentieth Century Fox, Wolverine – Imortal tem estréia prevista para julho deste ano, e X-Men: Dias de um Futuro Esquecido (sequência de X-Men: Primeira Classe) para julho de 2014. Sem contar ainda com a nova tentativa da DC Comics de adaptar Superman em O Homem de Aço.

Claro que Homem de Ferro 3 tem suas falhas e seus furos de roteiro, mas para o público que está muito mal acostumado a assistir filmes blockbusters desprovidos de neurônios, a Marvel entrega um bom filme para fechar uma trilogia de sucesso comercial. E não deixe de ficar até o final dos créditos para ver a participação especial de Mark Ruffalo como Bruce Banner.

AVALIAÇÃO: BOM