Segredos de Sangue (Stoker), de Chan-wook Park (2013)

Pôster original de Segredos de Sangue, de Chan-wook Park

Pôster original de Segredos de Sangue, de Chan-wook Park

DIRETOR SUL-COREANO CONSEGUE IMPRIMIR ESTILO VISUAL SINGULAR, MAS PÁRA NAS PISTAS FALSAS

A primeira vez que ouvi falar de Segredos de Sangue, ainda não havia título em português. Era simplesmente Stoker. Obviamente, acreditava haver algo de Bram Stoker, o consagrado autor de Drácula. Mas era apenas uma pista falsa. Aliás, este é o maior defeito do filme: um excesso de pistas e referências que não recria e não leva a lugar algum.

Segredos de Sangue é o primeiro trabalho do diretor sul-coreano Chan-wook Park em língua inglesa. Para quem desconhece seu nome, trata-se do controverso autor da trilogia da vingança, composta pelos filmes: Mr. Vingança (Sympathy for Mr. Vengeance/ 2002), Oldboy (2003) e Lady Vingança (Sympathy for Lady Vengeance/2005), além do mais recente Sede de Sangue (2009), no qual temos um padre que se torna vampiro. Assim como outros realizadores estrangeiros, ele busca seu lugar ao sol em Hollywood, mas como na maioria dos casos, também tem que aprender a se submeter às ordens de estúdios e produtores.

O diretor sul-coreano Chan-wook Park (à dir.) parece precisar de um tradutor para dar instruções à jovem Mia Wasikowska (à esq) em set de filmagem (photo by www.beyondhollywood.com)

O diretor sul-coreano Chan-wook Park (à dir.) parece precisar de um tradutor para dar instruções à jovem Mia Wasikowska (à esq) em set de filmagem (photo by http://www.beyondhollywood.com)

Ao assistir ao seu novo filme, tem-se a impressão de que tanto o roteirista como o diretor conferiram recentemente a filmografia do mestre do suspense Alfred Hitchcock. Enquanto há referências diretas do roteiro como a presença do personagem do tio Charlie, que remete a Sombra de uma Dúvida (1943) e os estrangulamentos de Frenesi (1972), temos também referências visuais de Psicose (1960) como a policial com óculos escuros na estrada.

Claro que usar Hitchcock como base e referência demonstra excelente gosto por parte dos realizadores. Há umas décadas atrás, o americano Brian De Palma era considerado o grande pupilo do diretor britânico, levando em conta principalmente seu filme Vestida Para Matar (1980). Nele, temos uma história de assassinatos, dupla personalidade e até uma cena de chuveiro, enquanto o compositor italiano Pino Donaggio buscava imprimir tons agudos de Bernard Herrmann.

Tio Charlie com a sobrinha em Sombra de uma Dúvida (1943), de Alfred Hitchcock

Tio Charlie (Joseph Cotten) com a sobrinha (Teresa Wright) em Sombra de uma Dúvida (1943), de Alfred Hitchcock

Matthew Goode, como Tio Charlie, com sua sobrinha (Mia Wasikowska)

Matthew Goode, como Tio Charlie, com sua sobrinha (Mia Wasikowska)

Entretanto, enquanto Chan-wook Park se limita a copiar e colar referências hitchcockianas buscando apelo visual, De Palma se apoiou nas referências para criar algo inteiramente com seu estilo. Para quem viu Vestida Para Matar, certamente se lembrará de algumas cenas marcantes como a morte no elevador e a perfeitamente bem orquestrada seqüência sem cortes no museu.

Claro que eram outros tempos. Na época em que produtores e diretores ainda caminhavam juntos e tratavam filmes como arte, e não produtos. Hoje, como mencionado anteriormente, muitos diretores estrangeiros são importados, mas não têm carta branca para criar, mesmo se tratando de um roteiro original. É o que muitos chamam de cinema globalizado. Dois dos nossos melhores diretores participaram desse esquema: Walter Salles e Fernando Meirelles.

Contudo, enquanto o primeiro decidiu refilmar um terror japonês (Água Negra/ 2005) e naufragou nas bilheterias, o segundo, apoiado pela indicação ao Oscar de diretor por Cidade de Deus, foi mais esperto e adaptou um romance de John Le Carré (O Jardineiro Fiel/ 2005) e acabou sendo premiado com o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante para Rachel Weisz.

Como Chan-wook “só” ganhou o Grande Prêmio do Júri em Cannes por Oldboy, não contou com muitas regalias. Porém, exigiu que mantivessem seu colaborador e diretor de fotografia Chung-hoon Chung a fim de, pelo menos, sustentar sua identidade visual, resultando um belíssimo filme. Além de composição impecável nos enquadramentos, Chung trabalha a paleta de cores para que acompanhe o clima da casa dos Stoker em tempos de luto.

Tensão sexual entre cunhados: Nicole Kidman e Matthew Goode exercitam olhares e gestos (photo by www.cinemagia.ro)

Tensão sexual entre cunhados: Nicole Kidman e Matthew Goode exercitam olhares e gestos (photo by http://www.cinemagia.ro)

Infelizmente, o roteiro do iniciante Wentworth Miller, protagonista da série de TV, Prison Break, não oferece uma história consistente o bastante para que o filme avance. Na trama, acompanhamos India Stoker (Mia Wasikoswka, que lembra a Wednesday de A Família Addams), uma garota de 18 anos, que tem de lidar com a recente morte do pai (Dermot Mulroney), seu relacionamento vazio com a mãe (Nicole Kidman) e a descoberta de sua sexualidade, enquanto busca compreender o que representa a chegada de seu tio Charlie (Matthew Goode, com presença magnética e enigmática) até então desconhecido.

A atmosfera criada na primeira metade do filme aponta para uma tensão latente que promete um terceiro ato com clímax explosivo, mas que nunca se cumpre. Os esforços do diretor podem ser notados através de algumas insinuações de incesto, que parecessem ter sido mutilados pelos produtores que detêm o corte final do filme. Nesse sistema globalizado, é muito comum vermos diretores sendo “castrados” também pela censura pudica e extremamente comercial dos EUA.

Como esperado, Segredos de Sangue não foi muito bem nas bilheterias, mas espero que haja uma segunda chance com mais liberdade artística para o diretor. Apesar da minha avaliação ter sido abaixo da média pelos problemas reportados, a tentativa de Chan-wook Park faz o cinema de hoje respirar um pouco de ar fresco. Lembrando ainda que seu filme de maior sucesso, Oldboy, foi refilmado por Spike Lee e será lançado até o final do ano, reforçando a tendência de pasteurização do cinema por Hollywood.

AVALIAÇÃO: REGULAR

Crime na cabine telefônica: homenagem a Hitchcock (photo by www.beyondhollywood.com)

Crime na cabine telefônica: homenagem a Hitchcock (photo by http://www.beyondhollywood.com)

Anúncios
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: