‘Os Suspeitos’ (Prisoners), de Denis Villeneuve (2013)

Os Suspeitos, de Denis Villeneuve

Os Suspeitos, de Denis Villeneuve

Em primeiro trabalho em língua inglesa,
diretor canadense explora as sub-camadas da trama

Até poucas décadas atrás, o cinema canadense tinha basicamente como representantes David Cronenberg e Denys Arcand. Contudo, desde o início dos anos 2000, uma nova safra de diretores têm chamado a atenção: Xavier Dolan, Jean-Marc Vallée, Sarah Polley e Denis Villeneuve só pra citar alguns. O último ganhou notoriedade pelo drama Incêndios (2010), que concorreu ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, que acabou lhe proporcionado a oportunidade de dirigir seu primeiro trabalho em língua inglesa (oriundo de Quebec, seu idioma materno é o francês).

Em entrevista, o diretor teria confessado que o gênero suspense (ou thriller) não é seu favorito, mas que a história de duas meninas raptadas no feriado do Dia de Ação de Graças o atraiu pelas sub-camadas que a trama oferece. O roteiro de Aaron Guzikowski permite uma leitura mais profunda dos Estados Unidos pós-11 de setembro, principalmente pela figura de seu protagonista Keller Dover (Hugh Jackman), um homem religioso, alcóolatra em recuperação e que perdeu qualquer fé no governo e nas instituições (se estivesse no Brasil, seria um membro dos Black Blocs!).

À esquerda, o diretor Denis Villeneuve prepara a filmagem de uma cena ao lado do diretor de fotografia Roger Deakins (photo by www.digititles.com)

À esquerda, o diretor Denis Villeneuve prepara a filmagem de uma cena ao lado do diretor de fotografia Roger Deakins (photo by http://www.digititles.com)

Logo na sequência de abertura, ele reza o “Pai Nosso” pouco antes de seu filho atirar num cervo. “Estou orgulhoso de você. Foi um belo tiro!”, elogia Dover. Além de se tratar de uma ótima introdução ao personagem, temos ali um mau presságio. Como pai de uma das meninas sequestradas, ele busca respostas na base de Maquiavel: “Os fins justificam os meios”. Ao encontrar um suspeito na pele de Alex Jones (Paul Dano), um rapaz com problemas mentais, Dover adota o bom e velho “atire primeiro e pergunte depois”.

Esse método foi o grande lema do governo George W. Bush: Invada o Iraque e procure por armas nucleares depois. Ou até mesmo, abre margem às questões de policiamento com espionagem internacional de Obama. Evitar possíveis ataques terroristas justifica a ausência de qualquer privacidade? Villeneuve levanta questões da atualidade através da história de violência no subúrbio americano, porém adverte: “Tento evitar as cenas de violência porque odeio a violência. Mas, quando não posso evitar, vou até o fim, porque não quero torná-la um espetáculo, quero mostrar a feiura. Não quero que o público sinta empolgação com a violência, mas sim repulsa.”

Keller Dover (Hugh Jackman) enquadra Alex Jones (Paul Dano) em Os Suspeitos (photo by www.outnow.ch)

Keller Dover (Hugh Jackman) enquadra Alex Jones (Paul Dano) em Os Suspeitos (photo by http://www.outnow.ch)

O meio encontrado para obter respostas a tempo pelo personagem Keller Dover é seqüestrar o suspeito, já que a lei não permite que permaneça preso por mais de 48 horas. As sessões de interrogatório que se seguem são violentas e discutem a eficácia desse método. Atualmente condenada por toda a sociedade, a tortura foi alvo de críticas ferrenhas no caso da prisão de Guantanamo, que aplicava formas violentas a fim de extrair informações sobre o paradeiro de terroristas.

Seguindo com esse tópico, no ano passado, como discutido neste blog, o filme A Hora Mais Escura foi esculhambado por alguns desocupados. Através de uma interpretação errônea, acreditavam que o filme dirigido por Kathryn Bigelow e o roteiro de Mark Boal fazia apologia à tortura. Como defendido pela diretora publicamente, a tortura inegavelmente fez parte da busca por Osama Bin Laden e não podia ser simplesmente ignorada. Agora, quando a tortura é aplicada numa história ficcional e causada por um pai desesperado, a crítica dos desocupados não se aplica? Essa incoerência só não perde para Spike Lee reclamando do termo ‘nigger’ (criolo) em Django Livre

Claro que esses questionamentos não tiram nenhum mérito do longa de Denis Villeneuve. Pelo contrário, apenas enriquecem sua leitura, pois, além de abranger a costumeira pergunta: “Até onde você iria para salvar seu filho?”, a história permite uma análise dos limites de uma pessoa que tem certeza de suas convicções. Nas mãos de outro diretor, Os Suspeitos poderia ter se tornado um mero exercício de suspense facilmente esquecido.

Villeneuve soube criar o clima tenso que a história precisa, e para isso, contou com a colaboração inestimável de Hugh Jackman, que pode não cantar pelos poros como fez em Os Miseráveis, mas entrega uma performance que valoriza a linguagem corporal do ator, uma vez que o papel exige muito fisicamente. Não muito longe, a atuação de Jake Gyllenhaal como o Detetive Loki também apresenta seus estouros de adrenalina, não se esquecendo dos tiques nervosos como o de piscar os olhos freneticamente, indicando noites perdidas de sono em prol do trabalho intenso.

Jake Gyllenhaal, como Detetive Loki, busca as respostas e recuperar o prestígio da força policial (photo by www.elfilm.com)

Jake Gyllenhaal, como Detetive Loki, busca as respostas e recuperar o prestígio da força policial (photo by http://www.elfilm.com)

Contudo, a participação que mais me chamou a atenção foi a de Viola Davis como Nancy Birch, a mãe de uma das meninas raptadas. Infelizmente, sua personagem teve pouco tempo de tela, mas Davis consegue extrair uma vivacidade que os demais não conseguiram. Assim como em Dúvida, filme no qual também teve participação reduzida, a atriz impressiona e rouba a cena. Não sei se ela consegue a terceira indicação ao Oscar, pois dependerá das concorrentes, mas ela deverá ser lembrada por alguns críticos como atriz coadjuvante.

Viola Davis, como Nancy Birch, deveria ter mais espaço na história (photo by www.elfilm.com)

Viola Davis, como Nancy Birch, deveria ter mais espaço na história (photo by http://www.elfilm.com)

Apesar do elenco contar com outros bons atores como Melissa Leo, Paul Dano e Maria Bello, todos realizam um trabalho mais funcional. Porém, a decepção maior talvez seja Terrence Howard, que nos últimos anos não vem escolhendo projetos que estimulantes e papéis de maior profundidade.

Os Suspeitos (aliás, título em português horrível para Prisoners) consegue se sustentar apenas com sua história de mistério policial graças à direção envolvente de Villeneuve. Na maioria dos casos em que Hollywood importa talento estrangeiro, o resultado dessas colaborações costuma ser medíocre e os filmes dão lugar a produtos comerciais, portanto a primeira incursão do canadense Denis Villeneuve se mostra um achado, principalmente por ele conseguir oferecer um olhar incisivo de fora da sociedade e política americanas. E embora o roteiro de Guzkowski apresente algumas pontas soltas, a reflexão a respeito do tema e da atualidade consegue compensar os 153 minutos de duração.

AVALIAÇÃO: BOM

Melissa Leo e Paul Dano como Holly e Alex Jones (photo by www.elfilm.com)

Melissa Leo e Paul Dano como Holly e Alex Jones (photo by http://www.elfilm.com)

* Apesar de apresentarem algumas semelhanças sobre desaparecimentos, os filmes Sobre Meninos e Lobos (2003), de Clint Eastwood, e Medo da Verdade (2007), de Ben Affleck, podem servir como ótimas recomendações para quem viu e gostou de Os Suspeitos.

Anúncios
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: