Retrospectiva 2015: Um breve relato

O crescimento do Netflix e de outras plataformas de streaming foi enorme em 2015 (photo by canatech.com.br)

O crescimento do Netflix e de outras plataformas de streaming foi enorme em 2015 (photo by canatech.com.br)

Chegaram aqueles últimos dias do ano, e como fiz em 2014, gostaria de fazer um mega resumo do meu ano em relação aos filmes. Eu ia escrever rios de textos, mas acabou me faltando tempo na reta final! Enfim… mas antes, gostaria de agradecer a todos os leitores deste blog, desde aqueles que acompanham fielmente e comentam até inúmeros outros que deram apenas aquela “passadinha”! A visita de todos vocês significa muito para mim e por isso, obrigado pelo apoio e confiança!

Bom, 2015 foi um ano que procurei assistir ao máximo de filmes possível, então do dia 1º de janeiro até hoje, dia 29 de dezembro, foram 136 filmes. Pode soar meio ranzinza da minha parte, mas a cada ano que passa, a qualidade dos filmes novos parece decair, e ao mesmo tempo, aumenta minha valorização e respeito por títulos mais antigos e clássicos. Será que mais alguém aqui compartilha dessa mesma opinião apocalíptica?

Adoraria poder incluir os filmes badalados do próximo Oscar como Carol, Spotlight – Segredos ReveladosA Garota Dinamarquesa, Steve Jobs, Trumbo etc, mas as distribuidoras brasileiras não colaboram com este blogueiro adiantando seus lançamentos! Aqui virou uma tradição lançarem os “oscarizáveis” após o anúncio dos indicados (que acontece no dia 14 de janeiro) para aproveitarem a publicidade gratuita do prêmio. Algumas produções é possível dar aquele “jeitinho”, mas outros temos que esperar…

OSCAR 2015: ERROS E ACERTOS

Não querendo desmerecer as qualidades de Birdman, acho que Boyhood: Da Infância à Juventude foi um filme injustiçado. Como postei na época do Oscar, cheguei a visualizar o clipe dos Melhores Filmes com o trecho do filme de Richard Linklater, mas a maioria dos membros da Academia, formada por atores, naturalmente resolveu coroar um filme sobre atores e seu ofício. Em relação à categoria de Roteiro Original, acho o trabalho de Wes Anderson e Hugo Guinness em O Grande Hotel Budapeste mais consistente e criativo do que Birdman também.

Quanto ao Oscar de Ator, Eddie Redmayne (A Teoria de Tudo) levou o prêmio pela perfeição na recriação da figura de Stephen Hawking, o que não é tarefa nada fácil, claro, mas em termos de interpretação, acredito que Benedict Cumberbatch (O Jogo da Imitação) ou Michael Keaton (Birdman) mereciam mais o reconhecimento. Obviamente, a recriação da figura do físico impressiona pelo comprometimento de Redmayne, mas ele pouco cria enquanto personagem.

Benedict Cumbebatch como Alan Turing em cena de O Jogo da Imitação (photo by cinemagia.ro)

Benedict Cumberbatch como Alan Turing em cena de O Jogo da Imitação (photo by cinemagia.ro)

Sabe aquele misto de felicidade e desapontamento? Foi assim que me senti com a premiação de Julianne Moore como Melhor Atriz por Para Sempre Alice. Feliz por finalmente ter conquistado o reconhecimento da Academia, mas desapontado por ter sido por uma performance mais light. Muitos defendem que a atriz é tão talentosa que sequer precisa se esforçar direito para tirar esse papel de letra. Concordo! Mas em minha opinião, ela merecia muito mais por Longe do Paraíso, Fim de Caso ou Boogie Nights: Prazer Sem Limites.

 

SOB AS RÉDEAS DA DISNEY

Tem uma coisa que me preocupa muito. Voltando no tempo: Em 2006, a Disney compra a Pixar, sua maior concorrente na área de animações de cinema. Em 2009, a Disney compra a Marvel Comics e Studios. Em 2012, a mesma Disney compra a Lucas Film. A saber, esses negócios custaram 7, 4 e 4 bilhões de dólares cada, totalizando mais de 15 bilhões em aquisições. E depois? Vai comprar a Apple, Microsoft, Facebook? Pode soar paranóia minha, mas estou com receio de uma grande lavagem cerebral!

Claro que os antigos donos dessas empresas defendem a transação porque vai “fortalecer a marca através da formidável infra-estrutura que a Disney possui pelo mundo”, o que não deixa de ser verdade, mas essa devoração capitalista sem limites pode ter consequências catastróficas para o cinema como Arte. Se um pequeno grupo de empresários da Disney tomar todas as decisões baseadas em lucratividade, os filmes comerciais americanos podem perder muito de sua criatividade artística sob o comando de uma ditadura à la Sarney.

Daqui de fora não temos muito como averiguar o que de fato foi mando do estúdio do Mickey, mas por exemplo, este ano os filmes da Marvel não apresentaram a mesma qualidade de antes. No caso de Vingadores: Era de Ultron, claro que houve a dificuldade de superar ou mesmo igualar o alto nível do primeiro filme, mas deixou muito a desejar. Parece até que não houve diretor ou mesmo roteirista por trás das câmeras tamanha a quantidade exorbitante de cenas de ação! Por isso que a única cena interessante no filme todo é dos heróis tentando levantar o martelo do Thor na festa. Joss Whedon só assinou o contrato, recebeu os milhões, mas parece que mandou o diretor de segunda unidade dirigir o filme! Resultado: mais de 450 milhões de dólares de bilheteria só nos EUA.

Rodada de heróis em volta do martelo em Vingadores: Era de Ultron (photo bu cinemagia.ro)

Rodada de heróis em volta do martelo em Vingadores: Era de Ultron (photo bu cinemagia.ro)

Já a aguardada adaptação de Homem-Formiga acabou se tornando uma decepção pelas altas expectativas que o conceito e o projeto de Edgar Wright geraram. Particularmente, fiquei esperando um dos filmes mais anárquicos e inventivos de herói de quadrinhos dos últimos tempos por se tratar de um personagem secundário da editora Marvel e, claro, pela filmografia cômica de Wright. Mas ele foi demitido pela Disney poucos dias antes do início das filmagens e substituído pelo fraco diretor Peyton Reed, que acabou se beneficiando do material pronto. Contudo, por se tratar de apenas um “funcionário padrão” que obedece às regras da Disney, não queria correr riscos com grandes inovações e seguiu o script. Resultado: mais de 177 milhões de dólares de bilheteria nos EUA.

E o que dizer de Star Wars? Tenho o chamado “mixed feelings” a respeito. Por um lado, se dependesse apenas de seu criador George Lucas, novos filmes poderiam ficar engavetados por décadas e os personagens que todos amam poderiam poderiam nunca mais ver a luz do dia. Do outro, temos uma espécie de reboot politicamente correto, que tem como objetivos: conquistar novos adeptos, resgatar os fãs antigos e estender a longevidade da franquia: não apenas restrita aos filmes, mas séries e spin-offs que devem se multiplicar como Gremlins. À princípio, parece uma situação bastante óbvia em que todos saem ganhando: o estúdio, a equipe e o público, porém, sem querer soar aqueles hipócritas que protestam contra os EUA deixando de comer McDonald’s, acredito que a venda tornou a saga de George Lucas num produto. Por mais que J.J. Abrams tenha se esforçado para dar vida à sua obra, fica a sensação que estamos diante de uma fonte de produtos comerciais e que a história fica em segundo plano. Tanto que a trama obedece a uma fórmula de sucesso que não deixa espaços para qualquer inventividade, o que fez com que muitos fãs afirmassem que este novo filme não passa de uma refilmagem do primeiro Star Wars de 1977. O tom politicamente correto a que me referi está na protagonista feminina, no personagem central negro. Pessoalmente, acho ótima idéia, mas como estou com o pé atrás com a Disney, sei que isso foi meticulosamente arquitetado para atrair uma gama maior de público. Quero dizer, é tudo pensado como produto, mas disfarçado de filme politicamente correto.

Rey, Finn e BB-8 em cena de Star Wars: Episódio VII - O Despertar da Força (photo by cinemagia.ro)

Rey, Finn e BB-8 em cena de Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força (photo by cinemagia.ro)

Vale ressaltar aqui que a Pixar, que primava por sua criatividade massiva, agora está repleta de continuações de filmes de sucesso como Procurando Dory, Os Incríveis 2, Toy Story 4 e Carros 3. Claro que todos vão se dar muito bem nas bilheterias e um ou outro deve receber boas críticas, mas onde fica a marca da Pixar? Admito que queimei a minha língua com Toy Story 3, mas o que esse planejamento de sequências representa para o futuro da animação?

ESPIÕES ULTRAPASSADOS

Como fã da franquia de 007 no cinema, confesso que fiquei frustrado com o novo 007 Contra Spectre. Parece que Sam Mendes perdeu a mão na direção. Só para citar um exemplo: o que foi aquela sequência de perseguição entre Bond e Mr. Hinx em Roma? Estava mais pra um passeio no campo! O agente fala no celular, o vilão faz apenas cara de mal no volante e os carros sequer se tocam nas ruas! Tecnicamente, os filmes continuam muito bons, apesar de Roger Deakins ter um apuro visual infinitamente melhor do que o diretor de fotografia Hoyte Van Hoytema, mas a trama obriga o espectador a engolir fatos dos filmes anteriores como se arquitetados pela organização criminosa Spectre. E a química entre Daniel Craig e a francesa Léa Seydoux definitivamente não funciona na tela. Seria melhor se a italiana Monica Bellucci fizesse par romântico com Craig pelo muito que mostrou em duas cenas.

É bom os produtores Barbara Broccoli e Michael G. Wilson se atualizarem. A cada ano que passa, temos mais filmes sobre espiões e agentes secretos apresentando novas perspectivas e tramas mais mirabolantes. Este ano, Kingsman: Serviço Secreto e Missão: Impossível – Nação Secreta deram um banho em 007 Contra Spectre. Até o drama de Steven Spielberg, Ponte dos Espiões oferece uma nova vertente do tema!

Colin Firth em cena de Kingsman: Agente Secreto (photo by cinemagia.ro)

Colin Firth em cena de Kingsman: Serviço Secreto (photo by cinemagia.ro)

MAD MAX: DIRETOR DE PAIXÃO

Em quase todas as listas de melhores de 2015, encontramos Mad Max: Estrada da Fúria. E com louvor! Na minha interpretação e na da maioria dos críticos, o consenso geral é que o novo filme de George Miller é mais do que um filme. Ele representa uma experiência fílmica, daquelas que precisam ser vistas numa tela e som de IMAX! E mais do que isso: trata-se de um filme comercial com conceitos artísticos que não foram barrados por produtores conservadores da atualidade.

Só acho que se o roteiro fosse melhor elaborado com viradas de trama, diálogos mais consistentes e fosse mais “redondo”, o filme facilmente seria considerado o franco-favorito da temporada do Oscar 2016. Como cinéfilo, prefiro Mad Max 2: A Caçada Continua (1981), por ter personagens mais consistentes e ser mais conciso na trajetória do herói, mas admiro muito o retorno de um grande diretor como Miller, que estava fadado a dirigir animações de pinguins.

Tom Hardy em cena de Mad Max: Estrada da Fúria (photo by cinemagia.ro)

Tom Hardy em cena de Mad Max: Estrada da Fúria (photo by cinemagia.ro)

CRÍTICAS

Este ano vou modificar um pouco e listar os melhores filmes que vi com listas. Quem não gosta delas?

TOP 5 MELHORES DO ANO NO CINEMA

5. Ponte dos Espiões (Bridge of Spies/ 2015)
Dir: Steven Spielberg

4. Corrente do Mal (It Follows/ 2014)
Dir: David Robert Mitchell

3. O Clube (El Club/ 2015)
Dir: Pablo Larraín

2. O Conto da Princesa Kaguya (Kaguyahime no Monogatari/ 2013)
Dir: Isao Takahata

1. Whiplash: Em Busca da Perfeição
Dir: Damien Chazelle

J.K. Simmons em momento relax de Whiplash: Em Busca da Perfeição (photo by cine.gr)

J.K. Simmons em momento relax de Whiplash: Em Busca da Perfeição (photo by cine.gr)

TOP 5 MELHORES EM MÍDIA DIGITAL

5. Harakiri (Seppuku/ 1962)
Dir: Masaki Kobayashi

4. Desencanto (Brief Encounter/ 1945)
Dir: David Lean

3. Uma Viagem Pessoal Pelo Cinema Americano (A Personal Journey with Martin Scorsese Through American Movies/ 1995)
Dir: Martin Scorsese e Michael Henry Wilson

2. Tudo o que o Céu Permite (All That Heaven Allows/ 1955)
Dir: Douglas Sirk

1. Pacto de Sangue (Double Indemnity/ 1944)
Dir: Billy Wilder

Barbra Stanwyck e Fred McMurray em cena de Pacto de Sangue, de Billy Wilder (photo by cinemas-online.co.uk)

Barbara Stanwyck e Fred MacMurray em cena de Pacto de Sangue, de Billy Wilder (photo by cinemas-online.co.uk)

IN MEMORIAN

Perdemos grandes artistas e profissionais que passamos a respeitar depois de conferir seus trabalhos. Por exemplo, quem não se emocionou ao ouvir as belas trilhas de James Horner em produções como Coração Valente, Titanic e Uma Mente Brilhante? Adoro a gaita de fole nas duas primeiras trilhas.


Aqui uma bela homenagem ao compositor em Viena, quando ele levou o prêmio Max Steiner em 2013

Entre os diretores, o Cinema se despediu da grande documentarista belga Chantal Akerman, o centenário mestre português Manoel de Oliveira e, particularmente, senti muito a morte do mestre do terror Wes Craven. São artistas como ele que fazem o Cinema a Arte que ainda é hoje, ao buscar alguma inovação que instigue o espectador, mesmo que o faça perder o sono com um tal de Freddy Krugger.

Ghostface e Freddy Kruger em homenagem de Cody Schibi (photo by codyschibi.com)

Ghostface e Freddy Kruger em homenagem a Wes Craven por Cody Schibi (photo by codyschibi.com)

Atores experientes também deixam saudades como o eterno Drácula: Christopher Lee, a musa de John Ford: Maureen O’Hara, a musa de Fellini: Anita Ekberg, o Spock de toda uma geração: Leonard Nimoy, e os indicados ao Oscar: Omar Sharif, Ron Moody e Robert Loggia. E o Brasil fica órfão de um dos maiores nomes do teatro: Marília Pêra. Eles se foram, mas seu talento permanece imortal conosco.

FELIZ ANO NOVO!

Apesar do que os economistas prevêem, desejo a todos um excelente 2016! Que as tragédias como a de Paris e de Mariana fiquem no passado. O mundo precisa de mais paz, amor e harmonia… e de melhores filmes! Próspero Ano Novo!

Anúncios
Deixe um comentário

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: