Atriz transgênero é elegível em categorias masculina e feminina no Oscar pela 1ª vez

kelly-mantle

À direita, Kelly Mantle contracena com Andrew Lawrence na produção independente Confessions of a Womanizer (pic by ew.com)

A ACADEMIA PERMITIU A INSCRIÇÃO DUPLA
DE KELLY MANTLE

Apesar de ser considerada uma entidade mega conservadora, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas (Oscar) às vezes se mostra um pouco mais maleável e decide quebrar regras. Pela primeira vez em seus 89 anos de existência, ela permitiu a inscrição de um transgênero em ambas as categorias de atuação (no caso, coadjuvante) masculina e feminina. Antes disso, era obrigatória a escolha de apenas um gênero.

A atriz em questão é Kelly Mantle, que ficou conhecida como uma candidata no reality show americano RuPaul’s Drag Race, e o filme é uma produção independente chamada Confessions of a Womanizer, dirigida por Miguel Ali, um americano com descendência paquistanesa/espanhola. Esta “dramédia”, que trata da amizade de um mulherengo com uma prostituta transsexual chamada Ginger (Kelly Mantle), estreou em festivais em 2014, mas foi lançada comercialmente apenas em 2016 nos EUA. Também tem no elenco Gary Busey e C. Thomas Howell. Veja trailer abaixo:

Trailer de Confessions of a Womanizer

Quando a equipe da distribuidora preencheu os formulários requisitados pela Academia, depararam-se com a questão do gênero: Masculino ou Feminino? Na dúvida, inscreveram Kelly em ambas, e a Academia confirmou com um “can be nominated in either category” (pode ser indicado em ambas as categorias).

Kelly Mantle contracena com Andrew Lawrence em Confessions of a Womanizer

Pela cena do filme acima, obviamente não dá pra dizer que a performance de Kelly Mantle é material para Oscar, mas nesse caso, não se trata de qualidade, mas de marco histórico.

Para muitos nada significa, mas para a comunidade transgênero, que se sente deslocada num universo dividido entre homens e mulheres, faz uma baita diferença, especialmente para esses atores que, como quaisquer outros, sonham com o reconhecimento da Academia.

Contudo, é importante fazer algumas ressalvas:

Esse tipo de mudança no regulamento deveria ter sido discutida amplamente com os membros da Academia e com atores transgênero. O que eles consideram como melhor opção? Da forma como aconteceu, pareceu apenas uma simples reação abrangedora da Academia a uma ousadia da distribuidora; como se fosse um acidente de percurso. Faltou aí uma decisão mais consciente e firme.

Essa dupla indicação pode ser um tiro no pé do candidato, já que as chances de vitória podem cair drasticamente com os votos se dividindo em duas categorias. Acredito que o ideal seria a escolha livre por parte do ator/atriz em conjunto com a própria campanha se deve concorrer como ator ou atriz.

Outra alternativa seria a criação de uma categoria para atores transgênero, mas não vejo isso acontecendo nos próximos anos (talvez décadas!). Não apenas pelo conservadorismo, mas porque está longe de existir uma extensa gama de performances de transgênero necessária para abrir uma nova categoria.

Apesar da notícia envolver o filme Confessions of a Womanizer, é importante ressaltar que a origem dessa discussão e posterior avanço pode ter começado com outro filme independente, lançado em 2015, o drama Tangerine, de Sean Baker. No elenco, as duas atrizes transgênero, Kitana Kiki Rodriguez e Mya Taylor, foram fundamentais nessa luta por reconhecimento artístico. Elas receberam várias indicações como atrizes, sendo que Mya Taylor levou o Independent Spirit Award de Coadjuvante. Em discurso de agradecimento, elas levantaram a discussão do transgênero no cenário de premiação.

Tangerina

Da esquerda pra direita, as atrizes Kitana Kiki Rodriguez e Mya Taylor em cena de Tangerine (photo by cine.gr)

Em um ano em que a “falta de diversidade” ecoa nos corredores de Hollywood, a Academia, liderada pela presidente Cheryl Boone Isaacs, tem procurado expandir o universo cinematográfico para o século XXI, tanto que foi neste ano que houve a primeira indicação para um profissional transgênero no Oscar. O compositor Antony Hegarty, conhecido também como Anohni, foi indicado para Melhor Canção Original pela canção “Manta Ray” do documentário Racing Extinction. Infelizmente, os produtores do evento pisaram feio na bola e não permitiram a execução da música dele ao vivo (das cinco canções, apenas três foram cantadas no palco), o que fez com que Hegarty não comparecesse à premiação como forma de protesto.

antony-hegarty

O primeiro artista transgênero indicado ao Oscar, Antony Hegart (Anohni) (photo by musictimes.com)

Enfim, a Academia ainda tem muito a amadurecer e progredir, mas certamente já se trata de um avanço significativo.

As indicações ao Oscar 2017 serão anunciadas no dia 24 de janeiro.

Anúncios
Deixe um comentário

1 comentário

  1. Atriz transgênero é elegível em categorias masculina e feminina no Oscar pela 1ª vez — Cinema, Oscar e Afins | O LADO ESCURO DA LUA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: