‘ESTRELAS ALÉM DO TEMPO’ ROUBA A CENA NO SAG AWARDS 2017

sag-awards.jpg

Da esquerda para direita: Octavia Spencer, Janelle Monáe, Taraji P. Henson, Kirsten Dunst e Jim Parsons comemoram o prêmio de Elenco no SAG Awards. Pic by ABS-CBN News

ELENCO FORMADO POR ATRIZES NEGRAS SOBRE A NASA BATE OS FAVORITOS ‘MOONLIGHT’ E ‘MANCHESTER À BEIRA-MAR’

Antes de prosseguir com a premiação, tenho que relatar que aqui no Brasil, o TNT, considerado o canal das premiações, simplesmente resolveu priorizar o evento Miss Universo, que ocorria ao mesmo tempo do SAG Awards. A transmissão do prêmio do sindicato dos atores foi adiado para o dia seguinte, obviamente, sem ser ao vivo.

Claro que se eu estivesse no lugar do coordenador de programação do TNT, daria preferência ao evento que mais tem potencial de audiência, e nesse quesito, o Miss Universo deve ter mais mesmo. Particularmente, eu gosto de ver o evento (que homem que não gosta?), mas um fato curioso é que o canal aberto Band também transmitiu o mesmo evento ao vivo, ou seja, as atenções certamente se dividiram entre os dois canais, reduzindo os números de telespectadores. Agora, se a TNT tivesse passado o SAG, teria exclusividade. Enfim, a solução ideal seria reformar o calendário 2018 para que os eventos não se cruzem pra ninguém sair perdendo.

SURPRESAS NO SAG AWARDS

Não sei se será assim daqui em diante, mas parece que as premiações estão se dando conta de que devem reconhecer as produções de forma mais pessoal, e não apenas ter a tarefa única e exclusiva de prever quem vencerá no Oscar (acho que o único que tem insistido nessa direção é a “Bolha Assassina” do Critics’ Choice Awards). Portanto, ultimamente temos nos surpreendido um pouco mais com os resultados.

Nas categorias de cinema, houve surpresa em dois casos: Ator e Elenco. Como apontado acima, o elenco de Estrelas Além do Tempo conseguiu superar os fortes elencos de Moonlight e Manchester à Beira-Mar. Como em casos clássicos, os votos podem ter se dividido entre os dois favoritos, ajudando o vencedor. Embora apenas Octavia Spencer tenha conseguido indicação individiual (tanto no SAG quanto no Oscar), foi unanimidade dos críticos a qualidade de todo o elenco do filme de Theodore Melfi: desde as principais Taraji P. Henson, Janelle Monáe e Octavia, até os coadjuvantes como Kevin Costner, Jim Parsons, Kirsten Dunst e Mahershala Ali, que confirmou seu favoritismo e venceu como Ator Coadjuvante por Moonlight.

hidden-figures-unerkannte-heldinnen-mit-octavia-spencer-taraji-p-henson-und-janelle-monae (1).jpg

No centro, da esquerda: Octavia Spencer, Taraji P. Henson e Janelle Monáe em cena de Estrelas Além do Tempo (pic by moviepilot.de)

Essa vitória de Estrelas Além do Tempo pode dar um bom impulso ao filme no Oscar, já que concorre a Melhor Filme. Segundo retrospecto do SAG, os vencedores de Melhor Elenco podem se dar bem na premiação da Academia com foram os vencedores do Oscar Spotlight, Birdman e Argo, mas falhou com Trapaça e Histórias Cruzadas. Não acho que o SAG vai garantir um Oscar para Estrelas Além do Tempo, mas deixa de ser um candidato fraco para se tornar uma ameça ao reinado de La La Land.

A outra surpresa atende pelo nome de Denzel Washington. Com sua performance em Cercas, adaptação de uma peça de teatro homônima dirigida por ele mesmo, ele conseguiu bater o favorito Casey Affleck e ganhar seu primeiro SAG, já que ele foi indicado 4 vezes sem nenhuma vitória. Embora sua atuação tenha sido elogiada desde o início da temporada de premiações, ele vinha perdendo em todas até o momento, fazendo com que muitos não acreditassem mais em sua campanha.

Denzel Washington SAG.jpg

Surpreso com sua vitória, Denzel Washington faz discurso em homenagem aos escritores (pic by Lancaster Online)

Não quero colocar lenha na fogueira, mas talvez sua vitória tenha sido favorecida por elementos externos como o escândalo sexual envolvendo Casey Affleck (ele teria se comportado de forma machista em set de filmagem), a própria postura meio debochada de Affleck (não o vemos comemorando suas vitórias), e por que não o lance do #OscarSoWhite ? Mas talvez a principal razão de sua vitória seja seu papel de diretor e produtor do filme Cercas, que não existiria sem ele.

Nas categorias de televisão, houve surpresas também como as vitórias de Bryan Cranston sobre os favoritos Sterling K. Brown e Courtney B. Vance como Ator de Minissérie, William H. Macy sobre Jeffrey Tambor como Ator de Comédia e a vitória do elenco de Stranger Things sobre favoritos como Westworld e Downton Abbey. Felizmente, a safra anda tão boa na televisão, que qualquer indicado que ganhasse, teríamos um vitorioso de qualidade.

MARCA HISTÓRICA PELA SEGUNDA VEZ

Não sou muito de relevar se foram negros, brancos ou amarelos que ganharam os prêmios, mas para satisfazer aqueles que ligam pra essas coisas, o SAG premiou três atores negros nesta edição: Denzel Washington, Viola Davis e Mahershala Ali. Esta é a segunda vez que isso acontece no prêmio do sindicato de atores em 23 anos. A primeira vez foi há dez anos, quando Forest Whitaker, Eddie Murphy e Jennifer Hudson foram reconhecidos.

ANTI-TRUMP

A noite foi toda permeada de discursos inflamados contra a medida anti-imigratória do presidente republicano Donald Trump, que barrou a entrada de imigrantes de sete países do Oriente Médio, na tentativa fútil de barrar o terrorismo nos EUA. Obviamente que a classe artística se posicionou contra seu presidente, já que a maioria deles tem raízes estrangeiras.

Assim, os ataques a Trump começaram logo na abertura com Ashton Kutcher, que deu boa noite e boas-vindas a todos que estavam presos nos aeroportos do país: “Vocês são o tecido social, nós os amamos e damos boas-vindas”, até o fim com a vitória do elenco da série Stranger Things. O ator David Harbour fez um discurso bastante politizado, reforçando a união de povos americana: “Estamos todos juntos nesta jornada horrível, dolorosa, alegre, emocionante e misteriosa que é estar vivo. […] nós vamos repelir os bullies, vamos abrigar os esquisitos e os marginalizados, aqueles que não têm casa, vamos superar as mentiras, vamos caçar monstros, e quando estivermos perdidos em meio à hipocrisia e à violência casual de certos indivíduos e instituições, nós vamos, assim como o delegado Jim Hopper (Stranger Things), socar a cara de algumas pessoas que tentarem destruir os mais fracos, os desprotegidos. E nós faremos tudo isso com alma, com coração e com alegria. Agradecemos por esta responsabilidade!” – Embora bastante aplaudido, o discurso teve suas atenções desviadas para Winona Ryder. Parecia que ela tinha tomado altos chás de cogumelos alucinógenos. Veja vídeo abaixo:

Num dos discursos mais emocionantes da noite, Mahershala Ali, depois de subir ao palco para receber como Melhor Ator Coadjuvante por Moonlight, fez um breve relato sobre o tema: “O que aprendi atuando em Moonlight é que vi o que acontece quando perseguimos pessoas. Elas se fecham em si mesmas. Quando ficamos prestando atenção nas minúcias, nos detalhes que nos diferenciam, há duas formas de ver isso: podemos ver a textura daquela pessoa, as características que fazem dela única, ou podemos ir à guerra por isso.” Termina fechando sobre seu relacionamento com a mãe: “Minha mãe é pastora. Eu sou muçulmano. Ela não deu cambalhotas quando eu contei que me converti, 17 anos atrás. Mas eu digo a vocês agora: nós deixamos isso de lado. E eu sou capaz de vê-la, e ela é capaz de me ver. Nós nos amamos, o amor cresceu.” Se Mahershala Ali já era favorito ao Oscar, com esse baita discurso propício aos tempos amargos de Trump, ficou inevitável sua vitória.

Mahershala Ali SAG.jpg

Mahershala Ali faz belo discurso após vencer como Ator Coadjuvante por Moonlight. pic by GettyImages through Harper’s Bazaar)

Vencedores do 23º SAG Awards:

CINEMA

ELENCO
Estrelas Além do Tempo

ATOR
Denzel Washington (Cercas)

ATRIZ
Emma Stone (La La Land)

ATOR COADJUVANTE
Mahershala Ali (Moonlight)

ATRIZ COADJUVANTE
Viola Davis (Cercas)

Orange is the New Black cast SAG.jpg

Elenco de Orange is the New Black vence como Melhor Elenco de Comédia no SAG (pic by PopSugar)

TELEVISÃO

ELENCO DRAMA
Stranger Things

ELENCO COMÉDIA
Orange is the New Black

ATOR DRAMA
John Lithgow (The Crown)

ATRIZ DRAMA
Claire Foy (The Crown)

ATOR COMÉDIA
William H. Macy (Shameless)

ATRIZ COMÉDIA
Julia Louis-Dreyfus (Veep)

ATOR EM TELEFILME OU MINISSÉRIE
Bryan Cranston (All the Way)

ATRIZ EM TELEFILME OU MINISSÉRIE
Sarah Paulson (American Crime Story: The People vs. O.J. Simpson)

DUBLÊS CINEMA
Até o Último Homem (Hacksaw Ridge)

DUBLÊS TV
Game of Thrones

Anúncios

‘LA LA LAND’ tem mais uma conquista no PRODUCERS GUILD

la-la-land.JPG

Abertura do musical La La Land, de Damien Chazelle (pic by moviepilot.de)

SINDICATO DE PRODUTORES ELEGE ‘LA LA LAND’

No dia 28 de janeiro, foi a vez do sindicato dos produtores revelarem seus votos. Adivinha qual filme ganhou? La La Land deixou de ser um musical moderno para se tornar uma sensação do momento. Suas 14 indicações ao Oscar, igualando-se aos recordistas A Malvada e Titanic, elevaram ainda mais seu status na temporada de premiações.

Com tamanha atenção, criaram-se altas expectativas em torno do filme. Nas redes sociais, já é possível ver diversas opiniões amenizando esse hype, e buscando outros candidatos superiores para o Oscar de Melhor Filme.

la-et-mn-pga-awards-trump-protest-la-la-land-20170125.jpg

Produtores de La La Land recebem o prêmio de Melhor Produção no PGA Awards (pic by Los Angeles Times)

Vale sempre ressaltar que o prêmio do PGA (Producers Guild of America) tem boas estatísticas em relação ao Oscar. Embora tenham divergido no ano passado com o PGA premiando A Grande Aposta e o Oscar, Spotlight, nos últimos oito anos, o vencedor do sindicato acabou com o Oscar de Melhor Filme também.

Assim como no Eddie Awards, os vencedores nas categorias de Animação e Documentário foram Zootopia e O.J.: Made in America, respectivamente, consolidando seus favoritismos.

zoomania

Cena da animação Zootopia com a protagonista Judy Hopps (pic by moviepilot.de)

A cerimônia de premiação ocorreu no hotel Beverly Hilton, palco do Globo de Ouro, e foi permeada por discursos de agradecimento com protestos da medida anti-imigração do presidente Donald Trump contra cidadãos dos países Síria, Iraque, Irã, Sudão, Líbia, Somália, e Iêmen. Um dos protestos veio do homenageado da noite, Irwin Winkler: “Todos nós somos refugiados; nenhum de nós está excluído.”

Os presidentes do PGA também se manifestaram sobre o que estava acontecendo a partir daquele dia. Enquanto Gary Lucchesi ressaltou: “A liberdade de religião foi um dos princípios fundamentais da nossa democracia.”, Lori McCreary lembrou: “Agora, mais do que nunca, precisamos lembrar as palavras na Estátua da Liberdade: ‘Dê-me seus cansados, seus pobres, suas massas encolhidas ansiando para libertar'”.

PGA header

VENCEDORES DO 28º PRODUCERS GUILD OF AMERICA:

The Darryl F. Zanuck Award for Outstanding Producer of Theatrical Motion Pictures:
• La La Land
Producers: Fred Berger, Jordan Horowitz, Marc Platt
The Award for Outstanding Producer of Animated Theatrical Motion Pictures:
• Zootopia
Producer: Clark Spencer

The Award for Outstanding Producer of Documentary Theatrical Motion Pictures:
• O.J.: Made in America
Producers: Ezra Edelman, Caroline Waterlow
The David L. Wolper Award for Outstanding Producer of Long-Form Television:
• The People v. O.J. Simpson: American Crime Story
Producers: Scott Alexander, Larry Karaszewski, Ryan Murphy, Brad Falchuk, Nina Jacobson, Brad Simpson, D.V. DeVincentis, Anthony Hemingway, Alexis Martin Woodall, John Travolta, Chip Vucelich

The Award for Outstanding Sports Program:
• VICE World of Sports (Season 1)
• Real Sports with Bryant Gumbel (Season 22)

The Award for Outstanding Digital Series:
• Comedians in Cars Getting Coffee (Season 7, Season 8)

The Norman Felton Award for Outstanding Producer of Episodic Television, Drama:
• Stranger Things (Season 1)
Producers: Matt Duffer, Ross Duffer, Shawn Levy, Dan Cohen, Iain Paterson

The Danny Thomas Award for Outstanding Producer of Episodic Television, Comedy:
• Atlanta (Season 1)
Producers: Donald Glover, Dianne McGunigle, Paul Simms, Hiro Murai, Alex Orr

The Award for Outstanding Producer of Non-Fiction Television:
• Making a Murderer (Season 1)
Producers: Laura Ricciardi, Moira Demos

The Award for Outstanding Producer of Competition Television:
• The Voice (Season 9-11)
Producers: Audrey Morrissey, Jay Bienstock, Mark Burnett, John de Mol, Chad Hines, Lee Metzger, Kyra Thompson, Mike Yurchuk, Amanda Zucker, Carson Daly

The Award for Outstanding Producer of Live Entertainment & Talk Television:
• Last Week Tonight with John Oliver (Season 3)
Producers: Tim Carvell, John Oliver, Liz Stanton

The Award for Outstanding Children’s Program:
• Sesame Street (Season 46)

***

O Oscar 2017 acontece no dia 26 de fevereiro.

‘A CHEGADA’ e ‘LA LA LAND’ conquistam o Eddie Awards

La La Land train.jpg

Cena de La La Land com Ryan Gosling e Emma Stone (pic by cine.gr)

SINDICATO CONCEDE MAIS UM PRÊMIO PARA O MUSICAL DE DAMIEN CHAZELLE

Continuando minha maratona de atualizar os prêmios, no dia 27 de janeiro, o sindicato de Montadores divulgou seus vencedores.

E continuando a série de vitórias para La La Land, o montador Tom Cross levou o prêmio da categoria de Montagem – Comédia ou Musical. Embora esta seja sua terceira indicação ao Eddie (foi previamente indicado por Whiplash e Joy), é sua primeira vitória, e que deve ajudá-lo na campanha para seu segundo Oscar.

Na categoria de Drama, Joe Walker levou o prêmio pelo psicodrama de invasão alienígena A Chegada. Acredito que o sucesso do filme de Denis Villeneuve muito se deve à sua montagem, a forma como a história é contada. Claro que o roteiro tem seus méritos, mas a edição faz com que a história se torne crível. Considero o melhor trabalho indicado este ano.

amy-adams-arrival

Amy Adams se comunica com Abbott e Costello em A Chegada (pic by myfilm.gr)

Quanto às chances de vitória no Oscar, bem, digamos que as estatísticas não garantem muita coisa. Mesmo contando com dois vencedores por ano (Drama e Comédia/Musical), o Eddie Awards acertou apenas duas vezes o ganhador do Oscar nos últimos cinco anos: Margaret Sixel (Mad Max: Estrada da Fúria) e William Goldenberg (Argo).

Na categoria de Animação, Zootopia foi bem reconhecido por sua trama de mistério e política, enquanto O.J.: Made in America foi agraciado com a melhor montagem de Documentário. Eu estava bem ansioso para ver esse documentário sobre o caso de O.J. Simpson, mas quando soube que tinha “apenas” 467 minutos, pensei: “Vou deixar pra mais tarde…”. E também: “Se a gente leva quase 8 horas pra ver esse filme, imagina o trabalho que esses montadores tiveram! Imagina quantas horas de material bruto tiveram que garimpar por meses!”

O.J. Made in America.jpg

Cena de julgamento do documentário O.J.: Made in America (pic by cine.gr)

Já pelas categorias de Televisão, os vencedores foram as séries Game of Thrones, Veep e This Is Us.

CINEMA

MELHOR MONTAGEM – DRAMA
Joe Walker (A Chegada)

MELHOR MONTAGEM – COMÉDIA OU MUSICAL
Tom Cross (La La Land: Cantando Estações)

MELHOR MONTAGEM – ANIMAÇÃO
Jeremy Milton, Fabienne Rawley (Zootopia)

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO
Bret Granato, Maya Mumma, Ben Sozanski (O.J.: Made in America)

TELEVISÃO

MELHOR MONTAGEM DE DOCUMENTÁRIO – TV
Bob Eisenhart (Everything is Copy: Nora Ephron – Scripted & Unscriped)

MELHOR MONTAGEM DE SÉRIES DE EPISÓDIOS DE MEIA-HORA
Steven Rasch (Veep — Ep: “Morning After”)

MELHOR MONTAGEM DE SÉRIES DE EPISÓDIOS DE UMA HORA – COM COMERCIAL
David L. Bertman (This Is Us — Ep: “Pilot”)

MELHOR MONTAGEM DE SÉRIES DE EPISÓDIOS DE UMA HORA – SEM COMERCIAL
Tim Porter (Game of Thrones — Ep: “Battle of the Bastards”)

MELHOR MONTAGEM DE MINISSÉRIES OU FILMES PARA TV
Carol Littleton (All the Way)

MELHOR MONTAGEM – SÉRIES NÃO-ROTEIRIZADAS
Mustafa Bhagat (Anthony Bourdain: Parts Unknown — Ep: “Senegal”)

Student Competition
Tommy Wakefield — University of North Carolina, School of the Arts

***

A 89ª cerimônia do Oscar está marcada para o dia 26 de fevereiro.