Comissão seleciona ‘BINGO: O REI DAS MANHÃS’ para representar o BRASIL no OSCAR 2018

bingo-luiz-macimiano-e1503601282957

Vladimir Brichta como Bozo, ou melhor, Bingo (pic by Veja Rio)

FILME SOBRE PALHAÇO AMERICANO CONCORRERÁ A UMA DAS CINCO VAGAS NA CATEGORIA DE FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

Na manhã desta sexta-feira, na Cinemateca aqui em São Paulo, a Comissão da Academia Brasileira de Cinema (ABC) anunciou a seleção de Bingo: O Rei das Manhãs como representante do país no Oscar 2018. O filme do diretor estreante Daniel Rezende (conhecido como o montador de Cidade de Deus) bateu outros 22 concorrentes listados abaixo. Importante ressaltar que 23 inscritos é o número recorde do cinema nacional. Ano passado, foram 16 filmes.

  • A Família Dionti
    Dir: Alan Minas
  • A Glória e a Graça
    Dir: Flávio Ramos Tambellini
  • Café – Um Dedo de Prosa
    Dir: Maurício Squarisi
  • Cidades Fantasmas
    Dir: Tyrell Spencer
  • Como Nossos Pais
    Dir: Laís Bodanzky
  • Corpo Elétrico
    Dir: Marcelo Caetano
  • Divinas Divas
    Dir: Leandra Leal
  • Elis
    Dir: Hugo Prata
  • Era o Hotel Cambridge
    Dir: Eliane Caffé
  • Fala Comigo
    Dir: Felipe Sholl
  • O Filme da Minha Vida
    Dir: Selton Mello
  • Gabriel e a Montanha
    Dir: Fellipe Barbosa
  • História Antes da História
    Dir: Wilson Lazaretti
  • Joaquim
    Dir: Marcelo Gomes
  • João, o Maestro
    Dir: Mauro Lima
  • La Vingança
    Dir: Fernando Fraiha e Jiddu Pinheiro
  • Malasartes e o Duelo com a Morte
    Dir: Paulo Morelli
  • Polícia Federal – A Lei é Para Todos
    Dir: Marcelo Antunez
  • Por trás do Céu
    Dir: Caio Sóh
  • Quem é Primavera das Neves
    Dir: Ana Luiza Azevedo e Jorge Furtado
  • Real – O Plano por trás da História
    Dir: Rodrigo Bittencourt
  • Vazante
    Dir: Daniela Thomas

CURIOSIDADE DOS BASTIDORES

Este ano, a seleção do representante foi feita pela primeira vez pela Academia de Cinema Brasileiro, devido a uma polêmica em 2016, quando a Secretaria do Audiovisual decidiu eleger o drama pouco conhecido Pequeno Segredo, de David Schürman, quando claramente a produção que tinha mais chances era Aquarius, de Kléber Mendonça Filho, que além de contar com Sonia Braga como protagonista, havia sido indicado à Palma de Ouro em Cannes.

Na época, a Secretaria do Audiovisual declarou que Pequeno Segredo tinha “elementos universais” que favoreciam sua seleção, mas esse argumento não colou muito, porque a diferença da projeção internacional em relação a Aquarius era no mínimo colossal. O motivo real de sua desclassificação, como muitos já sabem, foi o protesto no tapete vermelho de Cannes contra o governo de Michel Temer.

Cheguei a escrever um post logo depois desse protesto, e ainda hoje não vejo lado certo nessa história. Apesar de ser defensor da liberdade de expressão, achei desnecessário o protesto em Cannes porque não se tratava de um evento político e além disso, a verba para o filme veio do governo. Por outro lado, claro que é ridículo um governo articular uma desclassificação de um filme só por causa de um protesto! E no final, o grande perdedor dessa história é o cinema brasileiro, são os profissionais que fazem cinema e o próprio público, que perdeu a chance de ver seu país novamente representado no Oscar desde 1999, quando Central do Brasil concorreu.

A DISPUTA

Existia forte possibilidade do escolhido deste ano estar entre os dramas Como Nossos Pais e O Filme da Minha Vida. O primeiro, dirigido pela competente Laís Bodanzky de Bicho de Sete Cabeças, tem um quê de drama familiar argentino, com bons diálogos e atuações. De alguma forma, ele lembra o clima familiar meio conturbado do vencedor do Oscar, Invasões Bárbaras, de Denys Arcand.

Como Nossos Pais.jpg

Cena de Como Nossos Pais, de Laís Bodanzky (pic by carta capital)

Já o segundo, terceiro longa dirigido pelo ator Selton Mello, tinha a seu favor a retratação de época, a fotografia de Walter Carvalho e alguma internacionalidade trazida pelo ator francês Vincent Cassel, e o escritor chileno Antonio Skármeta (responsável pelo sucesso de O Carteiro e o Poeta) cujo trabalho originou o roteiro.

o-filme-da-minha-vida-selton-mello-1-750x400

Cena com Selton Mello e Johnny Massaro em O Filme da Minha Vida (pic by abril.com.br)

Contudo, a Comissão optou pelo filme Bingo: O Rei das Manhãs, uma espécie de comédia biográfica de humor negro, o que à princípio parece uma escolha ousada demais para o Oscar. Parece.

Embora se trate da história de um ator que interpreta um palhaço num programa infantil e que abusa das drogas e sexo, existem elementos que podem ajudar na campanha do Oscar. Primeiramente, o nome do diretor Daniel Rezende. A Academia pode errar muitas vezes, mas ela costuma ter boa memória. Artistas previamente indicados têm melhores chances em relação aos demais, e Rezende foi indicado ao Oscar de Montagem por Cidade de Deus em 2004. Perdeu MUITO injustamente para a montagem longa e cansativa de O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei.

bingo_daniel

À direita, Daniel Rezende passa instruções para os atores Leandra Leal e Vladimir Brichta para a cena da premiação (pic by Judão)

Para quem não conhece, Bingo é o nome fictício usado para substituir Bozo, o palhaço que comandava o programa infantil que passava todas as manhãs no SBT, mais especificamente focado na vida do intérprete Arlindo Barreto. Como o roteiro tinha sexo, drogas e o palavreado, os detentores dos direitos não permitiram o uso dos nomes reais, obrigando o roteirista Luiz Bolognesi e a equipe a contornar a situação com outros nomes e alterar caracterização de personagens. Mas mesmo assim, é impossível não identificar Bozo, que é de origem americana, o que o tornará conhecido para o público americano e para os votantes do Oscar.

bozo-luis-ricardo-e-vovo-mafalda-valentino-guzzo-em-programa-do-dia-das-criancas-de-1988-no-sbt-1503603063673_v2_1920x1226.jpg

Para os saudosistas: Bozo e Vovó Mafalda no programa infantil (pic by uol.com.br)

E o terceiro elemento que pode ajudar Bingo é justamente o momento em que vive a Academia. Apesar de eu ainda achar que eles sempre vão dar preferência aos filmes sobre Holocausto e cultura judaica, percebo que eles estão tentando mudar esse cenário. Nos últimos anos, premiaram longas de países que saem daquela panelinha européia Itália-França-Holanda-Espanha, e indicaram alguns países pela primeira vez na história como O Lobo do Deserto (da Jordânia), Timbuktu (da Mauritânia), Tangerinas (da Estônia) e A Imagem que Falta (do Camboja).

COMPETIÇÃO ATÉ O MOMENTO

Como a lista oficial dos filmes selecionados para a categoria ainda está longe de estar completa, vou deixar pra postá-la depois. Por enquanto, são 47 países que definiram seus representantes de um total que deve ultrapassar a estimativa de mais de 80.

Até o momento, os mais fortes concorrentes selecionados são:
* Os 4 em negrito já largam na frente

Áustria: Happy End, de Michael Haneke
Chile: Uma Mulher Fantástica, de Sebastián Lelio
Finlândia: Tom of Finland, de Dome Karukoski
Alemanha: In the Fade, de Fatih Akin
Japão: Her Love Boils Bathwater, de Ryota Nakano
Líbano: The Insult, de Ziad Doueiri
Suécia: The Square, de Ruben Östlund

una-mujer-fantastica-mit-francisco-reyes-und-daniela-vega.jpg

Cena do chileno Uma Mulher Fantástica, de Sebastián Lelio, em cartaz em São Paulo (pic by moviepilot.de)

***

Haverá uma pré-seleção em dezembro que definirá 9 filmes e somente no dia 23 de janeiro, os cinco indicados serão conhecidos.

Anúncios

‘THE SHAPE OF WATER’, de Guillermo del Toro conquista o LEÃO DE OURO

Guillermo del Toro golden lion

Guillermo del Toro beija seu Leão de Ouro por The Shape of Water pic by The Globe and Mail)

GUILLERMO DEL TORO NOVAMENTE SE UTILIZA DA FÁBULA PARA CONTAR HISTÓRIA DURA

Nesse último dia 09, o Festival de Veneza anunciou sua lista de vencedores, e seu prêmio máximo foi para o mexicano Guillermo del Toro por uma produção americana da Fox Searchlight, The Shape of Water. O cineasta é conhecido por dirigir filmes de fantasia e terror como Hellboy, Círculo de Fogo, Blade II, A Colina Escarlate e O Labirinto do Fauno, este o que mais se assemelha ao novo trabalho. No filme de 2006, a fantasia procurava encobrir a dureza da Guerra Civil Espanhola. Já neste filme, a realidade é a Guerra Fria nos anos 60 e sua falta de escrúpulos.

A crítica presente no festival rasgou elogios ao filme vencedor, e mesmo que tenha sido exibido no segundo dia do evento, foi logo considerado um favorito para o Leão de Ouro. Em seu discurso de agradecimento, o cineasta mexicano abriu com uma declaração tocante: “Eu acredito na vida, acredito no amor e acredito no cinema”. O longa The Shape of Water aborda temas como a solidão e a empatia entre personagens complexos.

shape-of-water

Love’s in the water: Sally Hawkins num momento de interação com a criatura em The Shape of Water (pic by i2.wp.com)

É difícil defender um filme que ainda não conferimos, mas considero bem interessante o reconhecimento de del Toro num festival tão grandioso como o de Veneza. Para quem trabalha na área ou mesmo é cinéfilo, sabe, mesmo que inconscientemente, que os filmes de gênero (aqui incluo a Ficção Científica, Terror, Thriller e até mesmo Policial) costumam ser os excluídos e renegados em premiações. Tanto que existem prêmios específicos para eles como o Fantasia, Fantasporto, o Fangoria Chainsaw Awards e o Academy of Science Fiction, Fantasy and Horror Films, que anualmente acolhem essas produções que dificilmente chegam ao tapete vermelho do Oscar, vide o único filme de “terror” premiado O Silêncio dos Inocentes em 1992. Portanto, a vitória de The Shape of Water tem um significado bem especial para quem atua com cinema de gênero ao redor do mundo. Aproveito para protestar contra premiação de apenas filmes “cabeçudos” ou politicamente corretos, como se precisasse ter apenas esses dois elementos para se candidatar ao Oscar de Melhor Filme.

Contudo, voltando ao Festival de Veneza, algumas matérias internacionais teriam alegado que o júri, presidido pela atriz Annette Bening, teria optado por uma escolha segura, já que o filme de del Toro seria bem mais light na questão política do que outros candidatos ao Leão de Ouro como o israelense Foxtrot, de Samuel Maoz, que retrata a vida de militares sempre prontos para a guerra, e que acabou levando o Grande Prêmio do Júri, uma espécie de segundo lugar da competição. Esse alto reconhecimento pode render uma indicação ao Oscar de Filme em Língua Estrangeira, já que representará Israel na categoria.

Foxtrot

Soldados em alerta para o próximo ataque em Foxtrot, de Samuel Maoz (pic by outnow.ch)

Dentre outras produções selecionadas que tinham forte apelo político estão o canadense Jusqu’a La Garde (Custody), de Xavier Legrand, que trata da violência doméstica ao tratar de um divórcio que se torna uma batalha pela guarda do filho; e o novo filme do insano Martin McDonagh, Three Billboards Outside Ebbing, Missouri, no qual Frances McDormand é uma mãe que cobra as autoridades policiais com protestos em outdoors pelo assassinato de sua filha. Enquanto o filme de Legrand levou Melhor Direção, o de McDonagh levou Melhor Roteiro. Embora não tenha visto, os diálogos fenomenais de humor negro característicos de McDonagh devem ter colaborado bastante nessa vitória.

Já nas categorias de atuação, o palestino Kamel El Basha levou Melhor Ator pela produção libanesa The Insult, que retrata uma briga fora de proporções por causa de religião (aliás, por também considerar a religião como grande causadora de guerras, estou bastante curioso pra ver essa filme), a atriz britânica Charlotte Rampling levou o prêmio de Melhor Atriz por Hannah, de Andrea Pallaoro. De acordo com o jornalista Bruno Ghetti da Folha de S. Paulo, a atriz faz “o mesmo papel contido, amargurado e de poucas falas que […] tem feito há anos”, e aproveitou pra defender uma vitória para Helen Mirren por The Leisure Seeker, onde ela faz uma esposa com câncer que pega a estrada para levar seu marido com Alzheimer para a Disneylândia.

Kamel-El-Basha

Kamel El Basha ostenta seu Volpi Cup de Melhor Ator por The Insult (pic by oglobo.com)

 

Charlotte Rampling Hannah Volpi Cup

Charlotte Rampling abraça seu prêmio de Melhor Atriz por Hannah (pic by topsy.one)

Para o prêmio de Atriz, a disputa ia além de Rampling e Mirren. A americana Frances McDormand (Three Billboards Outside Ebbing, Missouri) e a britânica Sally Hawkins (The Shape of Water) estavam super bem cotadas também, fato que pode impulsionar bastante suas campanhas para o Oscar.

Vale a pena destacar que Veneza se tornou o primeiro festival a conceder prêmios de realidade virtual, com o diretor americano John Landis presidindo o júri. As produções live-action ou animações devem ser vistas por óculos de realidade virtual, e os personagens costumam interagir com o espectador.

venice-vr3

Espectadora no festival de Veneza usando os óculos de realidade virtual (pic by http://www.labiennale.org)

Vencedor por Arden’s Wake, Eugene Y.K. Chung, recebeu o prêmio e soltou: “Aqui que o cinema estava há 100 anos, e será uma jornada realmente excitante. Mal posso esperar até onde isso vai.” Arden’s Wake é uma história de futuro apocalíptico, quando as águas engoliram as terras, e os personagens centrais são um pai e sua filha que vivem num farol adaptado como lar até ele desaparecer.

ardens-wake-by-penrose-studio

Arte de Arden’s Wake, de Eugene Y.K. Chung (pic by www.vrandfun.com)

VENCEDORES DA 74ª EDIÇÃO DO FESTIVAL DE VENEZA:

LEÃO DE OURO
The Shape of Water
Dir: Guillermo del Toro

GRANDE PRÊMIO DO JÚRI
Foxtrot
Dir: Samuel Maoz

LEÃO DE PRATA DE MELHOR DIRETOR
Xavier Legrand (Custody)

MELHOR ATRIZ
Charlotte Rampling (Hannah)

MELHOR ATOR
Kamel El Basha (The Insult)

MELHOR ROTEIRO
Martin McDonagh (Three Billboards Outside Ebbing, Missouri)

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI
Sweet Country
Dir: Warwick Thornton

PRÊMIO MARCELLO MASTROIANNI PARA JOVEM ATOR
Charlie Plummer (Lean on Pete)

 

MOSTRA HORIZONTES

MELHOR FILME
Nico, 1988
Dir: Susanna Nicchiarelli

MELHOR DIRETOR
Vahid Jalilvand (No Date, No Signature)

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI
Caniba
Dir: Verena Paravel e Lucien Castaing-Taylor

MELHOR ATRIZ
Lyna Khoudri (Les bienheureux)

MELHOR ATOR
Navid Mohammadzadeh (No Date, No Signature)

MELHOR ROTEIRO
Alireza Khatami (Oblivion Verses)

MELHOR CURTA-METRAGEM
Gros chagrin
Dir: Céline Devaux

 

LEÃO DO FUTURO

Prêmio Luigi De Laurentiis por Filme Debutante
Custody
Dir: Xavier Legrand

 

CLÁSSICOS DE VENEZA

Melhor Documentário
The Prince and the Dybbuk
Dir: Elvira Niewiera and Piotr Rosolowski

Melhor Filme Restaurado
Come and See
Dir: Elem Klimov

 

COMPETIÇÃO DE REALIDADE VIRTUAL

Melhor Realidade Virtual
Arden’s Wake (Expanded)
Dir: Eugene Y.K. Chung

Melhor Experiência de Realidade Virtual
La Camera Insabbiata
Dir: Laurie Anderson e Hsin-chien Huang

Melhor História de Realidade Virtual
Bloodless
Dir: Gina Kim