Apesar de primar mais pelo formato virtual, ‘BUSCANDO…’ entrega um bom suspense

Searching

David Kim (John Cho) no FaceTime e online em cena de Buscando… (pic by Outnow.ch)

Quantas vezes já não vimos histórias de desaparecimento e de peregrinação nos filmes? Só para citar bons exemplos: O Silêncio do Lago (1988), Breakdown (1997) e o mais recente Sem Amor (2017). Na maioria dos casos, o filme aposta na profundidade dos personagens ou numa resolução criativa. Já em Buscando…, o jeito encontrado pelo diretor para chamar atenção foi investir no modo de contar a história: pelos meios virtuais. Do início ao fim, acompanhamos a busca do protagonista pela filha desaparecida através de telas de computador, sites, aplicativos, telejornais e até câmeras de segurança.

Na trama, somos apresentados à família Kim logo no início através de uma montagem de sete minutos, que se inicia numa tela de log in do Windows, passa por várias fotos, vídeos, lembrete de consultas médicas até a morte da mãe por câncer. É uma ótima introdução dos personagens e ao formato de telas, e sem apelar para narração em off. Após uma cena de interação entre pai e filha, na qual vemos um certo distanciamento, ocorre o sumiço dela. Apesar de nunca mencionado no filme, o fato de se tratar de uma família oriental (no caso, sul-coreana), a falta dessa conversa sobre morte e luto é mais comum do que se pensa, mas não uma exclusividade da etnia.

Até aí, parecia se tratar de um filme patrocinado pela Microsoft e pelo Google, mas à medida em o pai, David Kim, vê-se obrigado a hackear as contas virtuais privadas da filha, como e-mail e Facebook, percebemos o quanto de informação ele consegue com poucos cliques. São inúmeras fotos, vídeos, mensagens, conversas e até intimidades legais ou ilegais. Atingido por essa maré de novidades, ele se choca com o quão pouco conhece da vida pessoal dela. E isso eleva o filme para um novo patamar.

Nessa extensa pesquisa virtual do pai, nós espectadores, ficamos confinados à posição de um detetive, ou pelo menos um voyeur, invadindo a privacidade alheia com a finalidade de desvendar todo o mistério. Há um envolvimento compulsório entre filme e público, ancorado pelo ator central vivido por John Cho, que muito se assemelha à cumplicidade no clássico de Hitchcock, Janela Indiscreta (1954), no qual ficamos presos à cadeira como James Stewart em seu apartamento.

Embora esse formato 100% virtual não ser nenhuma novidade (em 2014, o filme Amizade Desfeita (Unfriended) se passa todo numa tela de laptop para narrar uma história de terror sobrenatural), o filme do estreante Aneesh Chaganty apresenta uma linguagem bem mais contemporânea e dinâmica. É possível constatar que houve uma preocupação em utilizar as ferramentas atuais de comunicação, para ficar bem alinhado ao público jovem, mas sem cansar a vista como nos zilhões de filmes de ‘found footage’ como Cloverfield: Monstro e Atividade Paranormal.

Searching Aneesh

À esquerda, Aneesh Chaganty dirige o ator John Cho antes de ficar online (pic by Outnow.ch)

Além desse upgrade, o filme ganha pontos por conseguir traduzir visualmente os pensamentos do protagonista, seja através de um texto hesitado e apagado, seja por uma seta do mouse que perambula pela tela indicando indecisão. É incrível ver como isso funciona bem e sem a necessidade de diálogos para entrar na cabeça do personagem.

Aliás, pelo excesso de informações escritas nas telas, vale um elogio à versão brasileira, que teve um baita trabalho de recriar todo o texto online no idioma Português do Brasil, o que facilitou bastante a condução do espectador pela trama.

Como filme de suspense, o diretor Aneesh Chaganty faz um bom arroz com feijão. Não há inovações na trama, mas acredito que o público não deve se decepcionar em relação ao que o filme promete. E o formato cumpre bem seu papel de entregar o mesmo material de sempre, porém com uma roupagem bem atualizada, econômica e eficiente.

Contudo, por abordar um tema tão atual da incomunicabilidade nas redes sociais, seria formidável se o filme refletisse um pouco mais sobre isso através de seus personagens. Claro que não precisa ter uma abordagem européia à la Michelangelo Antonioni, mas como a tecnologia sempre envelhece e fica obsoleta, se houvesse maior profundidade nesse sentido, o filme poderia resistir melhor à crueldade do tempo.

AVALIAÇÃO: Bom 6/10
CHANCES DE OSCAR: Montagem

BUSCANDO… (Searching). Dir: Aneesh Chaganty. Elenco: John Cho, Debra Messing, Michelle La, Sarah Sohn, Joseph Lee. 112 min. Censura: 14 anos.

Searching poster

Anúncios

‘ROMA’, de ALFONSO CUARÓN, CONQUISTA o LEÃO DE OURO no FESTIVAL DE VENEZA

Alfonso Cuarón Venice.jpg

Alfonso Cuarón recebe o Leão de Ouro por Roma, seu projeto mais pessoal (pic by Variety)

COM A VITÓRIA, NETFLIX CAVA UMA VAGA INÉDITA NA CATEGORIA DE MELHOR FILME NO OSCAR 2019

Depois de inúmeras avaliações positivas em Veneza, o Leão de Ouro só podia ir para Roma. O mais novo trabalho do mexicano Alfonso Cuarón, um drama preto-e-branco que acompanha a vida de uma família trabalhadora nos anos 70 no México, bateu outras 21 produções e praticamente garantiu seu lugar na próxima edição do Oscar.

Por se tratar de um projeto bastante pessoal do diretor, baseado em sua vida e seu passado, Cuarón sequer chamou seu colaborador assíduo Emmanuel Lubezki e assumiu a direção de fotografia, além da montagem e roteiro. Resultado: o diretor retorna ao festival que o consagrou com Gravidade em 2013 para levar o prêmio máximo.

Roma.jpg

Cena de Roma, de Alfonso Cuarón (pic by imdb.com)

“Esse prêmio e este festival são incrivelmente importantes para mim”, agradeceu o diretor Alfonso Cuarón ao receber a honraria. De certa forma, esta premiação resume bem o que foi o Festival de Veneza deste ano.

Primeiramente, trata-se da primeira produção da Netflix a ganhar o Leão de Ouro. Sim, a mesma plataforma de streaming que foi recusada e odiada no Festival de Cannes em Maio e agora brilha na Itália, onde foi muito bem recebida pelos organizadores do evento. O presidente de Veneza, Alberto Barbera, reconheceu que Netflix é o futuro do cinema, e que não poderia impedir esse próximo passo.

Por outro lado, os donos das salas de cinema na França podem fazer cara feia,  mas o fato é que os streamings já são realidade e não será nada fácil mantê-los afastados dos festivais, pois a tendência é que os eventos que os recusam sejam os extintos nessa história. Hollywood e seus profissionais querem trabalhar e o que não falta na Netflix, Amazon e outras plataformas é justamente trabalho!

Além de Roma, a Netflix viu outra produção premiada na noite: Melhor Roteiro para os irmãos Coen por The Ballad of Buster Scruggs, que originalmente seria uma série Netflix, mas acabou se tornando um longa-metragem.

Yorgos Lanthimos Silver Lion

Yorgos Lanthimos recebe o Grande Prêmio do Júri (Leão de Prata) por The Favourite (pic by The Greek Observer)

Pra não dizer que foi tudo um mar de rosas em Veneza, houve um pequeno burburinho sobre um possível favorecimento de Roma pelo presidente do júri deste ano, Guillermo del Toro, conterrâneo e amigo de Alfonso Cuarón. Essa especulação só não tomou maiores proporções, porque o filme mexicano foi tão bem recebido por toda a mídia especializada, que ficou difícil levantar essa suspeita.

Além de premiar Roma, Veneza também reconheceu dois prováveis atores indicados ao Oscar 2019: Olivia Colman e Willem Dafoe. A atriz britânica estrela ao lado de Rachel Weisz e Emma Stone o novo filme do grego Yorgos Lanthimos, The Favourite, que faturou também o Grande Prêmio do Júri. Já o ator americano foi premiado por viver o artista Vincent Van Gogh no filme biográfico At Eternity’s Gate, dirigido por Julian Schnabel.

Design sem nome.jpg

À esquerda, Olivia Colman interpreta a Rainha Anne em cena de The Favourite, e ao receber o prêmio de Melhor Atriz em Veneza

Design sem nome (1).jpg

À esquerda, Willem Dafoe interpreta o pintor Vincent Van Gogh em cena de At Eternity’s Gate, e ao lado recebendo o prêmio de Melhor Ator em Veneza

E vale destacar o prêmio especial do júri para a cineasta australiana Jennifer Kent, que já havia surpreendido o público com O Babadook em 2014. Ela retorna com uma história de vingança e violência passada no século XIX em The Nightingale, que também valeu o prêmio Marcello Mastroianni para o jovem Baykali Ganambarr. Em sites especializados, destacaram que Kent foi a única cineasta mulher a receber um dos principais prêmios. Prefiro dizer que ela foi simplesmente merecedora por sua competência.

Design sem nome (2).jpg

À esquerda, a atriz Aisling Franciosi em cena de The Nightingale, e à direita, a diretora Jennifer Kent com o Prêmio Especial do Júri.

VENCEDORES DA 75ª EDIÇÃO DO FESTIVAL DE VENEZA:

LEÃO DE OURO
Roma
Dir: Alfonso Cuarón

GRANDE PRÊMIO DO JÚRI
The Favourite
Dir: Yorgos Lanthimos

LEÃO DE PRATA PARA MELHOR DIRETOR
Jacques Audiard (The Sisters Brothers)

MELHOR ATRIZ
Olivia Colman (The Favourite)

MELHOR ATOR
Willem Dafoe (At Eternity’s Gate)

MELHOR ROTEIRO
Joel Coen e Ethan Coen (The Ballad of Buster Scruggs)

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI
The Nightingale
Dir: Jennifer Kent

PRÊMIO MARCELLO MASTROIANNI PARA JOVEM ATOR
Baykali Ganambarr (The Nightingale)

MOSTRA HORIZONTES (ORIZZONTI)

MELHOR FILME: “Manta Ray”, de Phuttiphong Aroonpheng (Tailândia)

MELHOR DIREÇÃO: Emir Baigazin, Emir Baigazin (Cazaquistão)

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI“The Announcement”, de Mahmut Fazil Coskun (Turquia)

MELHOR ATRIZ: Natalia Kudryashova (A Man Who Surprised Everyone) (Rússia)

MELHOR ATOR: Kais Nashif (Tel Aviv on Fire) (Israel)

MELHOR ROTEIRO: “Jinpa”, de Pema Tseden (China)

MELHOR CURTA-METRAGEM: “Kado”, de Aditya Ahmad (Indonésia)

LEÃO DO FUTURO: “The Day I Lost My Shadow”, de Soudade Kaadan (Síria)

Luigi De Laurentiis Award for Best Debut Film:

VENICE CLASSICS

MELHOR DOCUMENTÁRIO NO CINEMA:  “The Great Buster: A Celebration,” Peter Bogdanovich

MELHOR FILME RESTAURADO: “The Night of the Shooting Stars”, de Paolo e Vittorio Taviani

VIRTUAL REALITY COMPETITION

MELHOR REALIDADE VIRTUAL: 
“Spheres”, de Eliza McNitt

MELHOR EXPERIÊNCIA DE REALIDADE VIRTUAL: “Buddy VR”, de Chuck Chae

MELHOR HISTÓRIA DE REALIDADE VIRTUAL: “Isle of the Dead”, de Benjamin Nuel