COMITÊ SELECIONA DOCUMENTÁRIO ‘BABENCO’, de BÁRBARA PAZ, para REPRESENTAR o BRASIL no OSCAR 2021

ACADEMIA BRASILEIRA DE CINEMA FEZ A SELEÇÃO DENTRE 19 FILMES

Em reunião virtual realizada nesta manhã, o Comitê de Seleção votou o próximo filme que disputará uma das cinco vagas na categoria de Melhor Filme Internacional do Oscar 2021. Evitando novas interferências políticas do governo como aconteceu em 2016, com a exclusão de Aquarius, a Academia reconheceu oficialmente a Academia Brasileira de Cinema como o único órgão responsável pela seleção. Dessa forma, o comitê contou com sete profissionais da área: Viviane Ferreira (diretora e roteirista) – presidente do comitê, André Ristum (diretor e roteirista), Clélia Bessa (produtora), Leonardo Monteiro de Barros (produtor de cinema e TV), Lula Carvalho (diretor de fotografia), Renata Maria de Almeida Magalhães (produtora) e Toni Venturi (diretor).

Dezenove longas se inscreveram para representar o Brasil no Oscar:

A Divisão, de Vicente Amorim e Rodrigo Monte
A Febre, de Maya Werneck Da-Rin
Alice Júnior, de Gil Baroni
Aos Olhos de Ernesto, de Ana Luiza Azevedo
Babenco – Alguém tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou, de Bárbara Paz
Casa de Antiguidades, de João Paulo Miranda Maria
Cidade Pássaro, de Matias Mariani
Jovens Polacas, de Alex Levy-Heller
M8 – Quando a Morte Socorre a Vida, de Jeferson De
Macabro, de Marcos Prado
Marighella, de Wagner Moura
Minha Mãe é uma Peça 3, de Susana Garcia
Narciso em Férias, de Renato Terra e Ricardo Calil
Pacarrete, de Allan Deberton
Pureza, de Renato Barbieri
Sertânia, de Geraldo Sarno
Todos os Mortos, de Caetano Gotardo e Marco Dutra
Três Verões, de Sandra Kogut
Valentina, de Cássio Pereira Dos Santos

Apesar de não haver um franco-favorito, alguns filmes tinham maiores chances como Casa de Antiguidades, que foi selecionado pelo Festival de Cannes, e Todos os Mortos, que foi indicado ao Urso de Ouro em Berlim. Mas vale lembrar que Babenco: Alguém tem que Ouvir o Coração e Dizer Parou ganhou o prêmio de Melhor Documentário no Festival de Veneza de 2019.

O documentário aborda a carreira autoral do diretor argentino naturalizado brasileiro, que teve uma passagem vitoriosa em Hollywood com filmes como O Beijo da Mulher-Aranha e Ironweed, trabalhando com atores renomados como Jack Nicholson, Meryl Streep, Willem Dafoe e William Hurt, dirigiu um dos melhores filmes brasileiro intitulado Pixote: A Lei do Mais Fraco (1981), e claro, aborda a vida pessoal do cineasta, sua natureza controversa e polêmica, incluindo os últimos anos de vida em que encarou uma luta contra o câncer, mas acabou morrendo de ataque cardíaco. Em preto-e-branco, em tom de despedida, o filme busca uma imersão poética numa abordagem lírica, já que foi dirigido por sua esposa e viúva Bárbara Paz.

trailer

Após o anúncio, muitos se perguntaram: “Mas documentário tem chances nesta categoria?”. As estatísticas não são muito animadoras, afinal desde sua concepção nos anos 40 e 50, a categoria de Filme em Língua Estrangeira só indicou três documentários: Valsa com Bashir (2008), A Imagem que Falta (2013) e Honeyland (2019). Felizmente, os três são produções recentes, o que ajuda na campanha, mas vale ressaltar que foram todos abordagens voltadas ao ficcional. Vamos aguardar e torcer para que Babenco seja o quarto nesta lista, o que não é tarefa nada impossível diante de um ano atípico da pandemia no mundo. Assim como Honeyland, Babenco pode também concorrer na categoria de Melhor Documentário.

Em 2019, A Vida Invisível foi o escolhido para representar o Brasil no Oscar, mas apesar do prestigiado prêmio Un Certain Regard em Cannes, ficou de fora da disputa. O último filme que chegou ao Oscar nesta categoria continua sendo Central do Brasil, em 1999.

‘FIRST COW’ LIDERA INDICAÇÕES ao GOTHAM AWARDS 2020

Cena de First Cow, de Kelly Reichardt

HISTÓRIA DE PARCERIA DE NEGÓCIOS NO OESTE AMERICANO CONQUISTA 4 INDICAÇÕES. ‘BACURAU’ É RECONHECIDO NA CATEGORIA DE FILME INTERNACIONAL

A Independent Filmmaker Project (IFP) anunciou na manhã desta quinta, dia 12, as indicações para sua 30ª cerimônia de premiações do Gotham Awards, marcada para o dia 11 de Janeiro, que seguirá um formato híbrido entre host no estúdio e lives com os artistas, respeitando assim as normas sanitárias da pandemia.

Pra quem não conhece ou se recorda, o Gotham tem se tornado um novo reduto de produções independentes nos últimos anos, chegando a premiar filmes que seriam consagrados com o Oscar meses depois como Spotlight e Moonlight. Apesar de não haver categorias de Melhor Direção e Ator e Atriz Coadjuvantes, existem as categorias de Diretor Revelação e Ator ou Atriz Revelação, que conseguem valorizar e dar uma força maior para quem está começando em filmes menores. E vale lembrar que nas últimas 5 edições, o Gotham premiou atores que seriam indicados ao Oscar: Adam Driver (História de um Casamento), Saoirse Ronan (Lady Bird), Casey Affleck (Manchester à Beira-Mar) e Isabelle Huppert (Elle).

Direto de Nova York, o diretor Jeffrey Sharp iniciou a live, revelando que houve recorde de filmes inscritos. Percebemos que, assim como houve recentemente com o Independent Spirit Awards, o Gotham não estava interessado em se tornar um mero precursor do Oscar, objetivando apenas o acerto como faz o Critics’ Choice Awards, mas buscou reconhecimento mais expansivo para filmes e artistas que teriam poucas chances e visibilidade na temporada. Dessa forma, é possível verificar algumas “incoerências” como The Assistant ser indicado a Melhor Filme apenas, deixando sua protagonista Julie Garner de fora de Melhor Atriz.

Apesar dessa estratégia de reconhecimento, algumas ausências foram mais sentidas se levarmos em conta o burburinho dos últimos meses. São os casos de Regina King fora de Diretor Revelação por One Night in Miami, Steven Yeun fora de Melhor Ator por Minari, Vanessa Kirby fora de Melhor Atriz por Pieces of a Woman ou Carey Mulligan fora também por Bela Vingança.

Riz Ahmed em Sound of Metal

Já dentre as surpresas, estão as indicações de Riz Ahmed por Sound of Metal, no qual ele interpreta um baterista com problemas de audição; de Yuh-Jung Youn em Minari, na qual dá vida à vózinha da família sul-coreana imigrante; as indicações de Diretor Revelação e Roteiro para a modesta ficção científica A Vastidão da Noite (disponível na Prime Video); e claro, a indicação para Bacurau, de Kléber Mendonça Filho e Juliano Dornelles na categoria de Filme Internacional. Infelizmente, o filme brasileiro não tem mais chances no Oscar de Filme Internacional por já ter participado da seleção de 2019, mas dependendo do desempenho da campanha nos EUA, pode abocanhar indicações em outras categorias como Roteiro Original.

Cena de A Vastidão da Noite, disponível na Prime Video

É importante ressaltar que os 5 filmes indicados a Melhor Filme foram dirigidos por mulheres. Coincidência ou não, trata-se de um avanço numa indústria que está se adaptando aos novos tempos. Kitty Green dirigiu The Assistant, Kelly Reichardt dirigiu First Cow, Eliza Hittman foi responsável por Never Rarely Sometimes Always, Chloé Zhao comandou o road movie Nomadland e Natalie Erika James assumiu o terror Relic.

Confira todas as indicações ao 30º Gotham Awards:

MELHOR FILME
– The Assistant (Bleeker Street)
– First Cow (A24)
– Never Rarely Sometimes Always (Focus Features)
– Nomadland (Searchlight Pictures)
– Relic (IFC Midnight)

MELHOR DOCUMENTÁRIO
– 76 Days
– City Hall
– Our Time Machine
– A Thousand Cuts
– Time

MELHOR ATOR
– John Magaro (First Cow)
– Jesse Plemons (Estou Pensando em Acabar com Tudo)
– Chadwick Boseman (A Voz Suprema do Blues)
– Jude Law (The Nest)
– Riz Ahmed (Sound of Metal)

MELHOR ATRIZ
– Jessie Buckley (Estou Pensando em Acabar com Tudo)
– Yuh-Jung Youn (Minari)
– Nicole Beharie (Miss Juneteenth)
– Carrie Coon (The Nest)
– Frances McDormand (Nomadland)

MELHOR ATOR/ATRIZ REVELAÇÃO
– Orion Lee (First Cow)
– Sidney Flanigan (Never Rarely Sometimes Always)
– Kingsley Ben-Adir (One Night in Miami)
– Kelly O’Sullivan (Saint Frances)
– Jasmine Batchelor (The Surrogate)

PRÊMIO BINGHAM RAY de DIRETOR REVELAÇÃO
– Radha Blank (The Forty-Year-Old Version)
– Channing Godfrey Peoples (Miss Juneteenth)
– Alex Thompson (Saint Frances)
– Carlo Mirabella-Davis (Swallow)
– Andrew Patterson (A Vastidão da Noite)

MELHOR ROTEIRO
– Mike Makowsky (Má Educação)
– Jon Raymond, Kelly Reichardt (First Cow)
– Radha Blank (The Forty-Year-Old-Version)
– Dan Sallitt (Fourteen)
– James Montague, Craig Sanger (A Vastidão da Noite)

MELHOR FILME INTERNACIONAL
– Bacurau. Dir: Kléber Mendonça Filho, Juliano Dornelles (Brasil/França)
– Uma Mulher Alta. Dir: Kantemir Balagov (Rússia)
– Lindinhas. Dir: Maïmouna Doucouré, Denny Shoopman (França)
– Identifying Features. Dir: Fernanda Valadez (México/Espanha)
– Martin Eden. Dir: Pietro Marcello (Itália/França/Alemanha)
– Wolfwalkers. Dir: Tomm Moore, Ross Stewart (Irlanda/Luxemburgo/França)

SÉRIE REVELAÇÃO COM EPISÓDIOS ABAIXO DE 40 MINUTOS
– Betty (HBO)
– Dave (FX)
– I May Destroy You (HBO)
– Taste the Nation (Hulu)
– Work in Progress (Showtime)

SÉRIES DE EPISÓDIOS COM EPISÓDIOS ACIMA DE 40 MINUTOS
– The Great (Hulu)
– Immigration Nation (Netflix)
– P-Valley (Stars)
– Unorthodox (Netflix)
– Watchmen (HBO)

A cerimônia do 30º Gotham Awards acontecerá no dia 11 de Janeiro de 2021.

%d blogueiros gostam disto: