RETROSPECTIVA 2020: CINEMA vs. PANDEMIA

PANDEMIA NOS MOSTROU COMO O CINEMA E AS ARTES SÃO FUNDAMENTAIS PARA A HUMANIDADE

Olá a todos! Chegou aquele momento que consigo escrever o post mais pessoal do ano, no qual consigo expor melhor algumas idéias e opiniões. Antigamente, eu costumava fazer isso com mais frequência, mas com o passar dos anos, vi que as opiniões próprias estavam sendo apedrejadas de forma brutal na internet. Cada vez mais havia menos espaço e paciência para ler ou ouvir o que o outro tem a dizer, e muitos adotaram a política da tolerância zero, e isso justifica a polarização política que vivemos.

Este ano, a pandemia mudou bastante as nossas vidas, e vimos o quão frágil somos diante de uma ameaça biológica. Apesar de entender que uma quarentena bem-sucedida 100% seja impossível, ainda mais em cidades grandes, fiquei estupefato ao ver o quanto algumas pessoas estão pouco se lixando para a saúde coletiva. Desde discussões por não querer usar uma máscara até festas clandestinas que certamente contribuíram enormemente para o aumento de casos e mortes.

Voltando mais ao nosso tema de Cinema, gostaria de aproveitar e fazer um desabafo. Muitos indivíduos, como eu, que optaram por estudar e trabalhar no ramo artístico muitas vezes são humilhadas e tachadas de vagabundas aqui no Brasil. Para muitas pessoas, profissão boa mesmo é advogado, engenheiro, arquiteto, médico… Quantas vezes não fomos marginalizados por várias dessas pessoas, parentes e até família por nossas escolhas! A pandemia pode ter sido horrível em inúmeros aspectos, mas ela fez com que muitos percebessem a importância do Cinema e das artes em geral.

Em plena quarentena, trabalhando de home office, milhões ficaram aprisionados em casa, e nesse cenário, os filmes e séries que podemos acompanhar nos trazem diversão, entretenimento, assunto novo e uma distração perante um cenário caótico. Por isso, não menospreze e valorize aqueles que decidiram se dedicar às artes. São eles que continuam trabalhando para prover conteúdo novo todos os dias para que desfrutemos no conforto de nossos lares.

Eu mesmo poderia ter desistido de manter o blog, a página do Facebook e o perfil do Instagram, mas foi justamente esse trabalho que me permitiu manter minha sanidade em tempos de quarentena. A partir de Maio, comecei a recomendar dois filmes por semana no intuito de trazer um pouco de alegria, diversão e distração em tempos difíceis. Como não li nenhuma reclamação até o momento, espero conseguir manter esse quadro pelo menos até a vacinação alcançar a maioria da população.

OSCAR 2020: HISTÓRICO!

Como já rolou em muitos memes, o ano de 2020 começou muito bem com a vitória de Parasita, mas depois descambou com a pandemia e o fechamento das salas de cinema… talvez melhorando apenas nos últimos meses do ano com a vitória de Joe Biden na Casa Branca e o início da vacinação. Particularmente, fiquei bastante feliz com os 4 Oscars conquistados pelo filme sul-coreano, ainda mais num ano bastante competitivo com grandes concorrentes como Dor e Glória, O Irlandês, História de um Casamento e Era uma Vez em… Hollywood, e sem contar que tudo levava a crer que 1917 seria o grande vencedor após levar o DGA, PGA e o BAFTA. O discurso do diretor Bong Joon Ho após levar o Oscar de Direção foi o melhor momento da noite, principalmente por ele saudar a importância que Martin Scorsese para novos cineastas.

Talvez impulsionado pela derrota de Roma perante Green Book no ano anterior, a Academia sentiu necessidade de votar mais consciente, e claramente o filme de Bong Joon Ho era disparado o melhor filme do ano após vencer a Palma de Ouro em Cannes. Parasita quebrou inúmeros tabus, dentre eles o fato de nenhum filme em língua estrangeira ter conquistado o Oscar de Melhor Filme em 92 anos de Oscar, e obviamente nenhum filme levar a dobradinha Melhor Filme e Filme Internacional. A vitória de Parasita no Oscar também representa um protesto contra o governo xenófobo de Trump (que chegou a zombar da vitória no palanque), e principalmente que é possível fazer filmes em nossos próprios países e sermos reconhecidos pela Academia nas categorias principais, e não somente como Filme Estrangeiro.

Em relação aos demais resultados, preferi Klaus a Toy Story 4 como Melhor Longa de Animação, Parasita a Ford vs. Ferrari como Melhor Montagem, e Honeyland a Indústria Americana como Melhor Documentário. Apesar de não haver bem melhores opções, todas as quatro categorias de atuação me decepcionaram pela previsibilidade, já que todos ganharam Globo de Ouro, SAG e BAFTA, o que nos faz repensar novas formas para que a Academia não fique tão refém dos prêmios anteriores. Apesar de gostar de Brad Pitt no filme de Tarantino, teria votado para Joe Pesci por O Irlandês pra ganhar seu segundo Oscar de Coadjuvante.

PANDEMIA: CINEMAS FECHADOS

Em Março, os cinemas de todo o mundo começaram a fechar suas portas. Na época, pouco se sabia sobre o vírus, e ninguém usava máscara ainda. Inicialmente, não senti muita falta de cinema porque Março e Abril são meses que não frequento muito as salas pelo tipo de filme que costuma estrear: aqueles blockbusters que interessam para grupos mais jovens como Dois Irmãos, Bloodshot, Um Lugar Silencioso II e Mulan, mas com o passar dos meses, passei a ficar preocupado com os lançamentos mais interessantes do 2º semestre de 2020. Enquanto isso, foi curioso ver o ressurgimento do filme Contágio (2011), de Steven Soderbergh, nas plataformas de streaming sendo altamente visto, revisto e comentado dadas as semelhanças da trama com o real vírus da Covid que se espalha a partir da China e dá origem a uma onda de contágio mundial e o desespero da ciência em buscar uma vacina.

Com as salas de cinemas fechadas, os serviços de streaming foram bastante valorizados. Embora a Netflix lançasse suas produções novas como Resgate, Destacamento Blood, The Old Guard, e mais recentemente os candidatos ao Oscar Os 7 de Chicago, Mank e A Voz Suprema do Blues, foi definitivamente um ano pra assistir aqueles filmes que você tinha botado na watchlist há anos, mas nunca achava tempo para conferir.

Em Novembro, foi a vez da Disney Plus chegar ao Brasil e oferecer títulos de seu gigantesco acervo, já que nos últimos anos engoliu (comprou o estúdios) a Pixar, a Marvel Studios, Lucasfilms e Fox. Embora a maioria das pessoas já tenha visto boa parte desse catálogo, que estava presente nos concorrentes poucos meses antes, um dos grandes atrativos de assinar esse serviço foi a dublagem clássica de inúmeras animações e filmes infantis para entreter tanto o público infantil quanto o adulto.

Vale destacar também o retorno dos cinemas de Drive In, que marcaram a época romântica dos nossos pais e avós. A partir de Junho, as telas grandes passaram a marcar presença em estacionamentos de shoppings e em locais de eventos como o Memorial da América Latina em São Paulo. A programação inicial era composta por clássicos como Apocalypse Now, 2001: Uma Odisséia no Espaço e O Iluminado, mas aproveitavam para incluir filmes de grande sucesso nas bilheterias como Mad Max: Estrada da Fúria, Matrix, Kill Bill, além de filmes brasileiros como Turma da Mônica: Laços. Claro que acaba sendo uma barreira para quem não tem carro, mas demonstra o quanto as pessoas já sentiam falta das telas grandes.

FESTIVAL de CANNES CANCELADO

Por ter acontecido no início do ano, o Festival de Berlim e o Oscar não sofreram alterações bruscas por causa da pandemia, mas o evento francês não teve a mesma sorte. O presidente Thierry Fremaux até tentou fazer o festival acontecer e segurou até o último minuto, mas tudo o que conseguiu foi manter o mercado de venda de filmes através de reuniões online com compradores de distribuidoras.

No início de Junho, com o evento já cancelado de forma presencial, eles divulgaram uma lista de 56 filmes que fariam parte da seleção oficial, mas sem estipular quais disputariam a Palma de Ouro ou o Un Certain Regard, por exemplo. O intuito era conceder o selo oficial de Cannes para que esses filmes pudessem ser melhor promovidos em campanhas de marketing e que pudessem automaticamente fazer parte da seleção dos festivais de Telluride e Toronto.

O Brasil foi representado pelo filme Casa de Antiguidades, de João Paulo Miranda Maria, e por isso se tornou um forte candidato a ser o representante do Brasil no Oscar 2021, mas em Novembro, o comitê da Academia Brasileira de Cinema optou pelo filme Babenco – Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou, da estreante Bárbara Paz. Apesar de ser um documentário em preto-e-branco sobre o cineasta Hector Babenco, o objetivo dessa escolha parece ter sido a classificação automática para disputar o Oscar de Melhor Documentário. Vamos aguardar pra ver se essa previsão se realiza e termos o segundo documentário brasileiro consecutivo disputando o Oscar após Democracia em Vertigem.

…E O VENTO LEVOU BANIDO do STREAMING

Em junho, o serviço de streaming da HBO Max foi pressionado pela onda de protestos contra o racismo e por um artigo escrito pelo roteirista John Ridley (que venceu o Oscar por 12 Anos de Escravidão) no jornal Los Angeles Times a retirar do catálogo o clássico de 1939 …E o Vento Levou, de Victor Fleming. Segundo Ridley, o filme “perpetua alguns dos estereótipos mais dolorosos das pessoas de cor”. Entendemos os protestos por causa da morte de George Floyd, mas faltou alguém explicar para o roteirista revoltado que o filme foi feito nos anos 30, adaptado de um livro sobre o período da Guerra da Secessão, e que bani-lo agora não ajuda em absolutamente nada, como também piora a polarização política no país e no mundo. Infelizmente, a História não se apaga com uma borracha, então ela deve servir para nos lembrar sempre das atrocidades do passado para que não voltem a se repetir. Manter essas obras nos proporciona diálogos e debates de conscientização, além de estimular novas obras sob a perspectiva da cultura negra.

Certamente foi um episódio muito triste de 2020 que demonstrou a fragilidade de um estúdio perante a opinião pública. É preciso debater, conversar sobre o assunto, e não simplesmente banir ou censurar. Como as demais artes, o Cinema existe para proporcionar reflexão e empatia.

LANÇAMENTO SIMULTÂNEO da WARNER no HBO MAX

Aproveitando a pisada de bola da HBO Max no episódio de …E o Vento Levou, a Warner Bros cometeu outra atrocidade na base do impulso. Com a Netflix lançando inúmeros produções próprias e a Disney Plus estreando lançamentos blockbusters como Mulan direto no streaming por causa das salas de cinema fechadas, a Warner se sentiu pressionada a tomar uma decisão, e esta foi: lançar simultaneamente os grandes lançamentos de 2021 na plataforma HBO Max. Com a pandemia ainda longe de acabar nos EUA, o estúdio não quis manter Godzilla vs. Kong, Matrix 4, O Esquadrão Suicida, Duna e Tom & Jerry por mais tempo na geladeira e decidiu oferecer essa opção doméstica para seus assinantes.

O problema foi que não consultaram os diretores desses filmes antes de baterem o martelo, e assim Denis Villeneuve, que já teve seu Duna prorrogado para 2021, ficou pistola com os executivos do estúdio por não querer seu filme de proporções épicas lançado na telinha. Claro que, à princípio, essa postura parece resultado de um preciosismo estético do diretor apenas, mas trata-se de grana! Sim, nos contratos assinados, existe uma porcentagem maior caso os filmes atinjam uma meta de espectadores nos cinemas, e isso seria perdido caso o streaming competisse com as salas. A única exceção ao caso por enquanto foi a sequência Mulher-Maravilha 1984, que foi lançado recentemente nos cinemas. Com expectativas de ultrapassar a barreira de 1 bilhão de dólares na bilheteria mundial, o estúdio se sentiu na obrigação de manter o lançamento exclusivo nas telas grandes.

Não querendo abrir uma discussão interminável aqui, mas não considero a decisão da Warner de toda ruim. Há vários anos, o cinema tem perdido uma batalha contra a ascensão da TV com suas séries milionárias e mais recentemente, contra o crescimento dos serviços de streaming. O ingresso do cinema é caro para a maioria da população mundial, o que dificulta o crescimento da bilheteria (com exceção dos filmes da Disney-Marvel-Pixar-Star Wars-Fox), e com o passar dos anos, cinema tem se tornado cada vez mais um programa de luxo. Em São Paulo mesmo, se você leva sua namorada ou namorado para ver um filme numa sala de shopping, você paga uns 60 reais por 2 ingressos (podendo chegar a 150 se for filme 3D), paga entre 20 a 40 reais de estacionamento e mais uns 40 reais de refrigerante e pipoca.

As salas de cinema não vão deixar de existir, como muitos profetizaram, mas deverão passar por algumas modificações para manter seu público fiel, começando pela redução do valor de ingresso. E não se trata apenas de preços, tem muita gente que trabalha bastante ou cuida de filhos e não tem tempo hábil para se programar para ir ao cinema. O streaming veio para ajudar essa fatia do público que consome cinema. O único porém que vemos no momento é a nossa situação de refém dos serviços de streaming. Por exemplo, se quisermos assistir Mulan, temos que assinar o Disney Plus. Se quisermos ver o lançamento A Voz Suprema do Blues, temos que ter Netflix. Para ver o novo filme do Borat, temos que assinar Prime Video e etc. Se formos assinar tudo, gastaríamos mais do que indo ao cinema, portanto sugiro que você tenha amigos que possa fazer um compartilhamento de senhas: o Pedro assina Netflix, a Mônica assina Prime, a Viviane assina Disney Plus, entende?

CRÍTICAS

META 2020

Não estipulei nenhuma meta específica, mas eu queria ultrapassar a marca de 268 filmes assistidos em 2019 pelo menos. Com a quarentena, acabou ficando mais fácil bater essa meta, mas confesso que na reta final do ano, tive mais dificuldades de manter a frequência semanal de filmes. Até o momento, 280 filmes, ou seja, meta batida.

Dentre alguns títulos que finalmente consegui assistir estão alguns clássicos como A Batalha da Argel (1966), O Medo Consome a Alma (1974) e Paixões que Alucinam (1963) que me fizeram lembrar porque o Cinema me encantou.

PIORES DO ANO

TOP 5 PIORES LANÇAMENTOS DO ANO

5. ROSA E MOMO (La Vita Davanti a Sé/ The Life Ahead). Dir: Edoardo Ponti
Claro que é sempre bom contarmos com o retorno de uma grande estrela do passado como Sophia Loren. Além de ela ter se tornado a primeira atriz a vencer o Oscar por uma atuação em língua estrangeira por Duas Mulheres em 1962, já trabalhou com grandes mestres do ofício como Ettore Scola, Vittorio De Sica, Charles Chaplin e Anthony Mann. Porém aqui temos uma refilmagem de Madame Rosa (197), repleta de clichês de vítimas de Holocausto, que poderia ter se aprofundado na questão da imigração ilegal na Europa para revitalizar a história antiga, mas que prefere oferecer cenas fúteis na tentativa de promover Loren para uma nova indicação ao Oscar. O diretor Edoardo Ponti, que é filho da atriz, até consegue extrair bons momentos no início, mas depois é ladeira abaixo. Nem a boa química entre Loren e o jovem Ibrahima Gueye salva o filme.

4. O DILEMA DAS REDES (The Social Dilemma). Dir: Jeff Orlowski
O fato de ser um documentário feito pela Netflix para ser exibido somente nas plataformas digitais não implica que o filme tenha permissão ou liberdade para ser um documentário ralo e descartável. A impressão que tive é que os realizadores estavam mais do que satisfeitos com a escolha do tema (o alarmante impacto das redes sociais no controle da humanidade), e por isso mesmo, não fizeram questão de desenvolvê-lo mais a fundo. Além de entrevistarem apenas pessoas que tinham uma versão da história, não apresentou possíveis e palatáveis soluções para o problema. Filmar umas duas sessões parlamentares onde o tema é discutido superficialmente não ajuda em nada, assim como aquelas dramatizações chulas da família que proíbe o uso de celular à mesa.

3. OS NOVOS MUTANTES (The New Mutants). Dir: Josh Boone
Trata-se de um projeto natimorto. Bem antes de seu lançamento, houve tantos problemas que já fizeram com que prevíssemos uma tragédia anunciada. Primeiro, não entendi a contratação de Josh Boone como diretor. Só porque ele dirigiu A Culpa é da Estrelas que tem personagens com problemas de saúde? Se confiavam tanto no talento dele, por que refilmar as cenas após o término das filmagens? Além disso, a Fox já estava em negociações para ser vendida para a Disney, que tinha zero de interesse em tocar esse projeto, já que certamente fará sua própria versão de filmes de mutantes do universo dos X-Men. Como se não bastasse, o filme apanhou da pandemia no calendário, pois foi adiado. A Disney só lançou mesmo porque teve pena, porque sabia que era quase impossível recuperar o investimento.

2. HOLLY SLEPT OVER. Dir: Joshua Friedlander
Lembra quando havia o Cine Privé na Band? Soft porns que apresentavam uma trama escrita por um adolescente com ebulição de hormônios com cenas que existiam somente para justificar desejo e sexo? Aqui temos um casal com problemas matrimoniais que recebe a visita de uma amiga, personificada pela bela Nathalie Emmanuel. Claro que botam ela para ser a amiga do ménage a trois. Consegue ser pior do que os vídeos do Porn Hub… ouvi dizer rs.

1. O GRITO (The Grudge). Dir: Nicolas Pesce
Todo mundo já sabe que estamos vivendo ainda em tempos de remakes, reboots e sequências, porém essa falta de criatividade costuma vir acompanhada de pelo menos uma razão, nem que seja o dinheiro das bilheterias. No caso de O Grito, nem isso é possível contabilizar. Na falta de uma trama minimamente convincente e sem lógica, inserem inúmeros jump scares gratuitos pra pelo menos não terem o público reclamando da falta de sustos de um filme de terror.

MELHORES DO ANO

5. PALM SPRINGS (Palm Springs). Dir: Max Barbacow
Depois de fazer um tremendo sucesso em Sundance, esta comédia caiu nas graças do público quando estreou no serviço de streaming da Hulu nos EUA. O roteiro pega a mesma premissa de time loop de O Feitiço do Tempo (1993) e expande esse universo com a colaboração essencial da personagem feminina Sarah. Enquanto a química do casal Nyles e Sarah nos diverte, o filme tem muito a nos dizer sobre as diferenças de maturidade entre os homens e as mulheres, especialmente como eles estão deslocados no tempo.

4. O REI DE STATEN ISLAND (The King of Staten Island). Dir: Judd Apatow
Apesar de se tratar de uma comédia, este novo filme de Apatow tem uma profundidade bastante humana por se basear na vida pessoal do ator Pete Davidson, que perdeu seu pai bombeiro aos 7 anos enquanto ele salvava vidas no 11 de Setembro. Não sabia que ele tinha veia cômica há anos no Saturday Night Live, então me surpreendi com o humor natural do ator. Todos os personagens secundários apresentam boas atuações, o que reforça o tratamento sério do tema do deslocamento de geração do protagonista. Indo mais à fundo, isso cria uma ligação mais forte com o meu livro favorito “O Apanhador no Campo de Centeio”, de J.D. Salinger.

3. FIRST COW. Dir: Kelly Reichardt
Este foi o terceiro filme que vi de Kelly Reichardt, então já tinha aderido à direção minimalista dela, assim como o trabalho das temáticas femininas em universos masculinos. Dá pra dizer que Reichardt é uma das melhores diretoras mulheres da atualidade justamente por saber trabalhar o feminino sem fazer muito barulho e levantar a bandeira muito alto. Aqui ela escolhe um personagem chinês para dizer que a América foi feita por estrangeiros, e um cozinheiro desvalorizado pela própria equipe, para contar uma história de amizade, de política social e de amor à natureza. Definitivamente é um filme para se ver mais de uma vez, porque é possível pegar significados e simbolismos em pequenos detalhes.

2. A ASSISTENTE (The Assistant). Dir: Kitty Green
Quando fiquei sabendo desse filme no último Festival de Sundance, previa um filme bastante oportunista ao ir na onda do #MeToo e da recente prisão do produtor Harvey Weinstein, esperando ainda um filme repleto de escândalos e discussões acaloradas que Hollywood adora. Mas encontrei um filme bastante lúcido, com uma direção minimalista e atuações bem discretas. Esse trabalho de sutilezas serve justamente para tornar a mensagem ainda mais poderosa. A diretora nos mostra que os assédios no ambiente de trabalho começam nas pequenas coisas, nos pequenos detalhes e vão se tornando uma bola de neve. Definitivamente um filme que reflete bem os nossos tempos e comprova que há muito a se fazer ainda para mudar esse cenário.

1.O HOMEM INVISÍVEL (The Invisible Man). Dir: Leigh Whannell
A primeira vez que vi o nome de Leigh Whannell foi nos filmes de James Wan, Jogos Mortais e Sobrenatural, como roteirista. Quando vi sua estréia na direção em Sobrenatural: A Origem, pensei: “Esse cara estragou a franquia”. Isso só foi mudar depois que vi Upgrade, três anos mais tarde. Ali, Whannell demonstrava personalidade numa ficção científica com poucos recursos. Quando assisti a O Homem Invisível, vi que aquele diretor promissor havia se firmado. Não apenas conseguiu ótimo retorno nas bilheterias (que só não foi maior por causa da pandemia), mas finalmente revitalizou o universo dos monstros clássicos da Universal Pictures que há tantos anos o estúdio almejava. No roteiro, Leigh trouxe a trama original dos anos 30 para algo bastante contemporâneo: um relacionamento abusivo. Com a invisibilidade do traje do vilão, o diretor soube explorar os vazios das cenas como combustível para a paranóia na cabeça de Cecilia (uma inspirada Elisabeth Moss). Um filme que revitaliza uma história clássica, conta com ótimas cenas e atuações, e dialoga perfeitamente com nossos tempos de #MeToo.

TOP 5 MELHORES em MÍDIA DIGITAL OU STREAMING

5. TAMPOPO: OS BRUTOS TAMBÉM COMEM SPAGHETTI (Tampopo, 1985). Dir: Jûzo Itami
Imaginem um western sobre cozinhar e a arte de comer. São histórias divertidas que exploram a relação dos personagens com a comida, principalmente de Tampopo, que quer revitalizar seu restaurante com a ajuda de um caminhoneiro.

4. O REFLEXO DO MAL (The Reflecting Skin, 1990). Dir: Philip Ridley
Talvez o filme mais esquisito que vi este ano, mas que tem uma aura muito bonita vindo dos personagens e de suas situações do pós-guerra. Passado num ambiente rural dos anos 50, um menino acredita que sua vizinha viúva é uma vampira e é responsável pelo desaparecimento de crianças na região. Fotografia lindíssima de Dick Pope com atuação tocante de Lindsay Duncan.

3. UM CAMINHO PARA DOIS (Two for the Road, 1967). Dir: Stanley Donen
Quando se olha o pôster e vê Audrey Hepburn beijando Albert Finney, é impossível não querer achar que se trata de mais uma comédia romântica boba, mas estamos falando de Stanley Donen, um dos diretores mais marcantes da Hollywood dos anos 50 e 60. Acompanhamos o casal improvável Joanna e Mark numa viagem e imediatamente nos apaixonamos por eles, porque o roteiro e a montagem explora as ironias do casal em flashbacks. Hepburn e Finney tornam tudo mais apaixonante tamanho o carisma que eles compartilham do início ao fim. Impossível não se identificar e se emocionar com as situações que o casal passa ao longo do filme.

2. A BATALHA DE ARGEL (La Battaglia di Algeri, 1966). Dir: Gillo Pontecorvo
É impressionante a forma como Pontecorvo filmou essa história sobre o crescimento dos movimentos que lutam pela independência da Argélia nos anos 50. Temos a impressão de que o diretor realmente se infiltrou numa guerrilha e está filmando um documentário. Seu trabalho com atores não-profissionais também é formidável. Com a colaboração da ótima trilha de Ennio Morricone, existe uma tensão crescente do início ao fim. Até hoje, A Batalha de Argel é uma referência para o cinema de conflitos sociais.

  1. ONDE FICA A CASA DO MEU AMIGO? (Khane-ye doust kodjast?, 1987). Dir: Abbas Kiarostami
    Honestamente, nunca fui muito fã do cinema iraniano, mas este filme de Kiarostami demonstra com muita simplicidade e bom humor o povo iraniano. Com uma história boba de um menino que precisa devolver o caderno que pegou sem querer de seu amigo, acompanhamos sua jornada, que se assemelha à Odisséia de Homero, enquanto topamos com personagens inusitados que explicitam o conservadorismo extremo interferindo na educação infantil. É impossível não torcer pelo jovem protagonista, já que o ator mirim que o interpreta, Babek Ahmed Poor, é introvertido mas bem carismático. Um filme com uma carga humana altíssima que pode ser apreciado por qualquer país ou cultura e enxergar o poder que o Cinema tem como fonte de empatia.

IN MEMORIAM

Relembrando as pessoas que perdemos em 2020, é impossível não lamentar a morte de milhares de vítimas da Covid-19. Aqui no Brasil, estamos beirando os 200 mil mortos. Porém, o mais alarmante é ver a desumanidade de inúmeras pessoas em redes sociais, espalhando fake news, desacreditando a ciência (não vou nem mencionar os “terraplanistas”), fazendo festas e espalhando um vírus altamente contagioso sem ligar para a saúde coletiva, nem mesmo da própria família. Não vou prolongar a crítica, mas gostaria de homenagear os profissionais da saúde que estão se arriscando para salvar vidas (muitas das quais não querem tomar vacina) ao redor do mundo, e conceder meus profundos sentimentos às famílias que perderam entes queridos nessa pandemia.

Essa sessão In Memoriam parece desnecessária, mas acho importante relembrar artistas e profissionais do Cinema que perdemos. Eles não estão mais conosco, mas seus trabalhos certamente contribuíram e sempre vão contribuir para o nosso desenvolvimento como seres humanos. Gostaria de começar pela realeza de Hollywood. Este ano perdemos dois ícones da era de ouro: Olivia de Havilland e Kirk Douglas. Ela foi a última atriz viva do elenco do clássico …E o Vento Levou, acumulou 5 indicações ao Oscar e levou 2 estatuetas de Melhor Atriz por Só Resta uma Lágrima e Tarde Demais. Foi de extrema importância nos anos 40 quando enfrentou o estúdio Warner Bros. que queria controlá-la ao suspendê-la por 6 meses e ainda descontar esse período do pagamento. Havilland foi à corte e venceu a batalha contra o estúdio, beneficiando inúmeros outros atores que tinham contratos longos. Já Kirk demonstrou um enorme senso de justiça e moral em tempos complicados de McCarthismo e Guerra Fria. O ator fez questão de dar créditos a roteiristas que tinham seus nomes na Lista Negra e eram obrigado a inventarem pseudônimos para continuarem trabalhando. Sua influência e insistência pesaram na decisão e os condenados voltaram a ter dignidade no ofício. Em 1996, Kirk Douglas acabou ganhando o Oscar Honorário por sua força moral e criativa em Hollywood, e claro, por ter sido indicado 3 vezes sem nunca ter levado a estatueta.

Não apenas cinéfilos, mas músicos ao redor do mundo ficaram entristecidos pela morte do maestro italiano Ennio Morricone. Honestamente, não acredito que haverá outro compositor como ele. Desde o início da carreira, ele buscou desafiar os paradigmas do gênero western com instrumentos pouco ortodoxos como guitarra elétrica, sinos, gaitas e até as vozes femininas, e isso fez com que seu nome se tornasse sinônimo de um western moderno. Além de Sergio Leone, trabalhou com inúmeros diretores de prestígio como Brian De Palma, Pier Paolo Pasollini, Gillo Pontecorvo, Giuseppe Tornatore, John Carpenter e Terrence Malick, obteve 6 indicações ao Oscar, ganhou pela última por Os Oito Odiados, além do Oscar Honorário concedido em 2007. Suas composições engrandecem qualquer filme e conseguem a proeza de serem independentes de seus filmes e agradarem qualquer músico ou fã de música.

Dentre os atores que perdemos este ano, destaco Sir Sean Connery que imortalizou o agente secreto britânico James Bond e não se contentou em ser um ator de um papel só; o sueco Max von Sydow que ficou marcado pela parceria com o mestre Ingmar Bergman e pelo personagem do Padre Merrin em O Exorcista (é incrível como todas as suas aparições evidenciam sua credibilidade na tela); e Chadwick Boseman, que apesar de ser eternamente lembrado como o Pantera Negra, demonstrou uma vivacidade digna de orgulho diante de um câncer que estava enfrentando. Se você assistir a qualquer filme com o ator, perceberá que ele trata seu personagem como se fosse seu último. Aliás, seu derradeiro papel em A Voz Suprema do Blues pode lhe conceder um Oscar póstumo em 2021. Entre outras perdas irreparáveis de atores, lembro Brian Dennehy, Shirley Knight, Irrfan Kahn, Michel Piccoli, Ian Holm e Diana Rigg.

Já entre os diretores que perdemos, destaque para Terry Jones (que dirigiu e co-dirigiu os filmes da trupe Monty Python), Alan Parker (dividido entre filmes musicais e de violência extrema), Jirí Menzel (diretor tcheco que trabalhou com a sátira e contornou a censura), Kim Ki-duk (sul-coreano que conquistou crítica e público com personagens calados), e Joel Schumacher, que apesar de ter sido marcado injustamente pelos mamilos nos uniformes de Batman & Robin, é carinhosamente lembrado por cults da juventude como O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas, Os Garotos Perdidos e Linha Mortal. Lembramos também dos roteiristas Ronald Harwood (O Pianista) e Buck Henry (A Primeira Noite de um Homem), os diretores de fotografia Allen Daviau (E.T. o Extraterrestre) e Michael Chapman (Taxi Driver e Touro Indomável), e o diretor de arte Peter Lamont (Titanic e 007: O Espião que me Amava).

José Mojica Marins, o nosso querido Zé do Caixão, a diretora Suzana Amaral e a atriz Nicette Bruno foram as grandes perdas do nosso Cinema Brasileiro. Lembramos também aqui as perdas lastimáveis da juíza Ruth Bader Ginsburg, que lutou pelos direitos femininos e estrelou o documentário RBG, o cartunista argentino Quino que criou a amada personagem Mafalda, o jogador de basquete Kobe Bryant que ganhou o Oscar de curta de animação sobre sua vida Dear Basketball, e o autor britânico John le Carré, que inspirou inúmeros filmes como O Espião que Saiu do Frio (1965), O Jardineiro Fiel (2005) e O Espião que Sabia Demais (2011).

VOTOS PARA 2021

No ano passado, desejei um ano de mais empatia e vou continuar nessa tecla. É preciso reduzir essa polarização que tanto nos divide, pois fica parecendo que somos de torcidas de clubes de futebol inimigas. Quantas vezes não li este ano em redes sociais: “Adivinha pra quem ele votou”, “Como não votei em ladrão, não falo com você”, “Alugo vagas de quarto, exceto para quem votou no Bozo” etc. Não é porque a pessoa tem uma opinião política que não seja a sua que ela será sua inimiga. Existem pessoas muito boas de ambos os lados e estamos recusando qualquer contato por termos nossos preconceitos. Claro que não é uma tarefa fácil, mas peço para que todos possamos praticar a nossa civilidade, conversando, trocando idéias, e acima de tudo, respeitando o outro, pois você estará respeitando a si mesmo também.

Desejo um Feliz Natal e Próspero Ano Novo para todos que seguem o blog, a página do Facebook e o nosso Instagram. Agradeço muito por terem me acompanhado neste ano difícil de 2020, mas espero que possamos manter nosso trabalho e nossa apreciação pelos filmes que tanto amamos. Cuidem-se bem, pensem nas suas famílias e no próximo que logo sairemos dessa situação juntos!

LAFCA ELEGE ‘SMALL AXE’ COMO MELHOR FILME

FILME DE STEVE MCQUEEN FOI CONCEBIDO COMO UMA MINISSÉRIE DA AMAZON PRIME VIDEO

Neste último domingo, dia 20, a Associação de Críticos de Los Angeles (LAFCA) divulgou seus filmes e performances favoritos de 2020. Seguindo outros grupos de críticos como os de Boston e Nova York, não houve prorrogação no calendário devido à pandemia, porém ela pode ter contribuído para a escolha do Melhor Filme.

Criado em 1975, o LAFCA se mostrou sempre relevante no início da temporada de premiações. Suas escolhas sempre colaboram para formar boas campanhas para as premiações televisionadas como Globo de Ouro, SAG e o Oscar. A última vez que um vencedor de Melhor Filme pelo LAFCA não foi indicado ao Oscar foi em 2008, quando WALL-E ficou limitado à categoria de Melhor Longa de Animação. Essa exceção pode voltar a acontecer este ano com a premiação de Small Axe.

O projeto foi concebido pelo diretor Steve McQueen, conhecido pelos filmes 12 Anos de Escravidão e As Viúvas, e pela Amazon Studios como uma minissérie composta por 5 episódios de durações distintas: ‘Mangrove’ (128 min), ‘Lovers Rock’ (71 min), ‘Red, White and Blue’ (81 min), ‘Alex Wheatle’ (67 min) e ‘Education’ (64 min). Dedicado a George Floyd e todas as vítimas de ataques racistas, Small Axe conta histórias da comunidade de West India em Londres entre os anos 60 e 80. Apesar de ter participado da seleção oficial do último Festival (virtual) de Cannes, Small Axe atualmente tem campanha da Amazon Studios como uma minissérie para as próximas edições do Globo de Ouro, SAG e Emmy Awards.

Ainda há tempo hábil para o estúdio inscrever Small Axe no Oscar pelo serviço de streaming da Academia para apreciação dos membros votantes, mas pelo regulamento, seriam cinco filmes inscritos, o que dificultaria bastante para McQueen, pois competiria consigo mesmo. É importante também ressaltar que, apesar da importante e histórica vitória de Melhor Filme no LAFCA, se optar pela categoria de filme, Small Axe perderá grandes chances de se tornar um recordista de indicações no Emmy, com possibilidades altas de reconhecimento para todos os departamentos envolvidos, enquanto no Oscar, se aceitos como filmes, ainda precisará contar com a compreensão dos votantes.

Alguns especialistas já chegaram a escrever textos defendendo uma relevância maior para o conteúdo em relação ao formato, ainda mais num ano bem atípico da pandemia, quando as salas de cinema foram fechadas. Claro que isso deve ser levado em consideração, mas a avaliação de uma obra começa justamente com a escolha de seu formato. Por exemplo, há filmes que ficariam melhores se fossem uma série, e há séries que seriam mais sucintas se fossem apenas um filme. Se o próprio Steve McQueen, criador do projeto, defende Small Axe como uma minissérie, deveria concorrer como uma, considerando assim, o LAFCA apenas como um belo reconhecimento fora da curva.

Voltando aos premiados do LAFCA, Chloé Zhao novamente vence o prêmio de Direção por Nomadland logo após vitória no NYFCC. Caso também vença o National Board of Review, que acontece no próximo dia 26 de Janeiro, ela se tornará a primeira mulher a vencer os 3 prêmios da crítica americana ao lado de Quentin Tarantino (Pulp Fiction), Curtis Hanson (Los Angeles: Cidade Proibida), Ang Lee (O Segredo de Brokeback Mountain), David Fincher (A Rede Social) e Barry Jenkins (Moonlight). Apesar disso não garantir uma estatueta do Oscar, afinal apenas Ang Lee ganhou desse pequeno grupo, certamente aumentará suas chances de vitória se sua indicação for confirmada.

Pelas categorias de atuação, Chadwick Boseman segue firme com seu favoritismo para Melhor Ator por A Voz Suprema do Blues. A grande surpresa atende pelo nome de Glynn Turman, que ganhou como Melhor Ator Coadjuvante ao interpretar o pianista Toledo no mesmo filme. O ator participou de inúmeros filmes como Bumblebee e Super 8, e séries como How to Get Away with Murder, mas também ficou conhecido por ter sido ex-marido da cantora Aretha Franklin nos anos 70 e 80.

Já na ala feminina, a promissora campanha de Carey Mulligan parece decolar com o prêmio de Melhor Atriz por Bela Vingança, título em português do ousado original Promising Young Woman, que também levou o prêmio de Roteiro. Como Coadjuvante, a sul-coreana Yuh-jung Youn tem um ótimo início de campanha por Minari, embora o LAFCA tenha uma preferência por atores de língua estrangeira. Hye-ja Kim (Mother) e Jeong-hie Yun (Poesia) e Song- Kang-Ho (Parasita) foram outros atores coreanos prestigiados nos últimos anos.

Destacamos também o prêmio de Longa de Animação para Wolfwalkers, que já havia vencido o mesmo prêmio no NYFCC. Felizmente, como a categoria de Animação do Oscar adora filmes de outras nacionalidades, a animação irlandesa deve figurar entre os indicados. Resta saber se terá fôlego o suficiente para derrotar a dominante Pixar/Disney, que concorre com Soul.

CONFIRA VENCEDORES DO LOS ANGELES FILM CRITICS ASSOCIATION:

MELHOR FILME: Small Axe (Prime Video)
2º Lugar: Nomadland (Searchlight Pictures)

MELHOR DIREÇÃO: Chloé Zhao, Nomadland (Searchlight Pictures)
2º Lugar: Steve McQueen, Small Axe (Prime Video)

MELHOR ATOR: Chadwick Boseman, A Voz Suprema do Blues (Netflix)
2º Lugar: Riz Ahmed, O Som do Silêncio (Amazon Studios)

MELHOR ATRIZ: Carey Mulligan, Bela Vingança (Focus Features)
2º Lugar: Viola Davis, A Voz Suprema do Blues (Netflix)

MELHOR ATOR COADJUVANTE: Glynn Turman, A Voz Suprema do Blues (Netflix)
2º Lugar: Paul Raci, O Som do Silêncio (Amazon Studios)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Yuh-jung Youn, Minari (A24)
2º Lugar: Amanda Seyfried, Mank (Netflix)

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO: Wolfwalkers (Apple TV Plus/GKIDS)
2º Lugar: Soul (Pixar)

MELHOR DOCUMENTÁRIO/ NÃO-FICÇÃO: Time (Amazon Studios)
2º Lugar: Collective (Magnolia Pictures and Participant)

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA: Uma Mulher Alta (Kino Lorber)
2º Lugar: Martin Eden (Kino Lorber)

MELHOR ROTEIRO: Promising Young Woman (Focus Features) – Emerald Fennell
2º Lugar: Nunca Raramente Às Vezes Sempre (Focus Features) – Eliza Hittman

MELHOR FOTOGRAFIA: Small Axe (Prime Video) – Shabier Kirchner
2º Lugar: Nomadland (Searchlight Pictures) – Joshua James Richards

MELHOR MONTAGEM: The Father (Sony Pictures Classics) – Yorgos Lamprinos
2º Lugar: Time (Amazon Studios) – Gabriel Rhodes

MELHOR TRILHA: Soul (Pixar) – Trent Reznor, Atticus Ross
2º Lugar: Lovers Rock (Prime Video) – Mica Levi

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO: Mank (Netflix) – Donald Graham Burt
2º Lugar: Uma Mulher Alta (Kino Lorber) – Sergey Ivanov

PRÊMIO DA NOVA GERAÇÃO: The Forty-Year-Old Version, de Radha Blank (Netflix)

Prêmio Douglas Edwards para Filme Experimental: John Gianvito’s “Her Socialist Smile”

Conjunto da Obra: Hou Hsiao-Hsien e Harry Belafonte

Prêmio do Legado: Norman Lloyd

‘FIRST COW’ É ELEITO o MELHOR FILME pelo NYFCC 2020

FILME DE KELLY REICHARDT CONQUISTA OUTRO PRÊMIO APÓS INDICAÇÕES AO GOTHAM AWARDS

O Círculo de Críticos de Nova York (NYFCC) havia anunciado que não iria prorrogar sua premiação devido à pandemia, mantendo assim seu calendário tradicional de eleger seus melhores do Cinema em Dezembro. Essa decisão tem repercussões positivas e negativas.

Por um lado, os filmes que estrearão em Janeiro e Fevereiro, que serão elegíveis ao Oscar, que acontece dia 25 de Abril, perderão essa ótima oportunidade de alavancar suas campanhas publicitárias com uma premiação tão tradicional como a NYFCC. Pelo outro, existem maiores chances de premiar filmes e profissionais diferentes na temporada de premiações, ampliando o leque de opções de reconhecimento artístico.

Composto por um grupo de aproximadamente 50 críticos e jornalistas, o NYFCC premiou como Melhor Filme na temporada anterior O Irlandês, que apesar de ter conquistado 10 indicações ao Oscar, não levou nenhuma estatueta pra casa. Na última década, dentre os filmes vencedores do prêmio principal, apenas Carol, de Todd Haynes, não conseguiu uma indicação ao Oscar de Melhor Filme. Os críticos nova-iorquinos também já fizeram escolhas ousadas nos últimos anos como Melhor Direção para Josh e Benny Safdie por Joias Brutas, Melhor Atriz para Regina Hall por Support the Girls, e Atriz Coadjuvante para Tiffany Haddish por Viagem das Garotas e Kirsten Stewart por Acima das Nuvens.

Nesta edição, é importante destacar a presença de cineastas e profissionais do sexo feminino. Além de First Cow, de Kelly Reichardt, ter levado o prêmio de Melhor Filme, a chinesa Chloé Zhao ficou com o prêmio de Direção por Nomadland. Vale ressaltar também que o filme Nunca, Raramente, Às Vezes, Sempre, que proporcionou o prêmio de Melhor Atriz para Sidney Flanigan, foi dirigido por Eliza Hittman, que levou o prêmio de Roteiro sobre um filme centrado no trauma do aborto.

Nas categorias de atuação, o filme de Spike Lee, disponível na Netflix, levou os prêmios de Ator para Delroy Lindo e um póstumo de Ator Coadjuvante para Chadwick Boseman por Destacamento Blood. Já na categoria de Atriz Coadjuvante, a atriz búlgara Maria Bakalova levou o prêmio por interpretar a filha do repórter cazaque Borat na sequência Borat: Fita de Cinema Seguinte, disponível na Prime Video.

A boa notícia para o Cinema Brasileiro foi a premiação de Bacurau como Melhor Filme em Língua Estrangeira. O western com ficção científica da dupla Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles tem conquistado espaço em algumas listas de Melhor Filme de 2020, e este prêmio possibilita uma campanha mais consistente rumo ao Oscar. Infelizmente, o filme não pode mais concorrer como Filme Internacional, pois já concorreu na seleção brasileira de 2019, mas pode conquistar indicações em outras categorias como Roteiro Original, por exemplo.

Apesar de se tratar de uma premiação atípica em ano de pandemia, essas vitórias certamente valorizarão as campanhas dos filmes entre outros prêmios da crítica até o Globo de Ouro, que ocorre em 28 de Fevereiro.

SEGUEM OS VENCEDORES DO NYFCC 2020:

FILME
First Cow
Dir: Kelly Reichardt

DIREÇÃO
Chloé Zhao (Nomadland)

ATOR
Delroy Lindo (Destacamento Blood)

ATRIZ
Sidney Flanigan (Nunca, Raramente, Às Vezes, Sempre)

ATOR COADJUVANTE
Chadwick Boseman (Destacamento Blood)

ATRIZ COADJUVANTE
Maria Bakalova (Borat: Fita de Cinema Seguinte)

ROTEIRO
Eliza Hittman (Nunca, Raramente, Às Vezes, Sempre)

FOTOGRAFIA
Small Axe (todos os filmes)

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRO
Bacurau
Dir: Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles

FILME DE NÃO-FICÇÃO
Time

LONGA DE ANIMAÇÃO
Wolfwalkers
Dir: Tomm Moore, Ross Stewart

FILME DE ESTREIA
The Forty-Tear-Old Version
Dir: Radha Blank

138 FILMES DISPUTAM o GLOBO DE OURO de FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

A HFPA DIVULGOU A LISTA RECORDE DOS FILMES INSCRITOS

A Hollywood Foreign Press Association (HFPA) recentemente anunciou que houve um recorde histórico no número de filmes inscritos para a categoria de Filme em Língua Estrangeira para a próxima edição. Foram 138 inscrições vindas de 77 países (dos quais 36 foram dirigidos ou co-dirigidos por mulheres).

Para quem não está familiarizado, o regulamento do Globo de Ouro é diferente do Oscar. Eles permitem mais de um filme por país, contanto que as múltiplas inscrições respeitem as seguintes regras:
1. Conter pelo menos 51% dos diálogos em um idioma estrangeiro (não-Inglês)
2. Ter sido lançado em qualquer país no período entre 01/10/19 a 28/02/2021 (esse prazo foi estendido por causa da pandemia)
3. O lançamento pode ter ocorrido em qualquer formato: cinema, TV, Video On Demand (VOD), streamings e DVD
3. Não pode ser Documentário
4. Animações, mesmo em língua estrangeira, disputarão apenas a categoria de Longa de Animação 

Um caso curioso desta lista é Minari, produção da A24, falada em coreano, mas que concorre pelos EUA. Apesar de ser um dos favoritos para conquistar uma das indicações a Melhor Filme, não pode concorrer no Globo de Ouro para Melhor Filme – Drama pelo regulamento da HFPA, exatamente como aconteceu com Parasita este ano.

O Brasil concorre por uma das cinco vagas da categoria com 3 filmes: Pacarrete, de Allan Deberton; Valentina, de Cássio Pereira dos Santos; e Wasp Network (co-produção com Espanha, França e Bélgica), de Olivier Assayas. O representante brasileiro no Oscar, Babenco, não entra nessa disputa por ser um documentário.

Na tabela abaixo, na 3ª coluna, constam os países que produziram ou co-produziram o filme. Ao contrário do Oscar, o Globo de Ouro considera todos os países que participaram da produção do longa, o que faz mais sentido e abrange mais o reconhecimento de profissionais envolvidos.

FILMEDIRETOR(A)(ES)PAÍS(ES)
200 MetersAmeen NayfehJordânia
2000 Songs of FaridaYalkin TuychievUzbequistão
About A WomanMaría Luján Loioco – Mariano TurekArgentina
Agnes JoySilja HauksdóttirIslândia
AliceChris Mitchell-ClareFrança, Austrália
Alone With Her DreamsPaolo LicataItália
And Tomorrow The Entire WorldJulia von HeinzAlemanha
Another RoundThomas VinterbergDinamarca
AntonZaza UrushadzeUcrânia, Geórgia, Lituânia
ApplesChristos NikouGrécia
ArrachtTom SullivanIrlanda
AsiaRuthy PrisarIsrael
AsuranVetri MaaranÍndia
AtlantisValentyn VasyanovychUcrânia
Auschwitz Report, ThePeter BebjakEslováquia
BeginningDea KulumbegashviliGeórgia, França
Best Years, The (Gli Anni Più Belli)Gabriele MuccinoItália
Better DaysDerek Tsang (as Kwok Cheung Tsang)China, Hong Kong
Between Heaven and EarthNajwa NajjarPalestina
Black MilkUisenma BorchuMongólia, Alemanha
Blizzard of SoulsDzintars DreibergsLetônia
Broken KeysJimmy KeyrouzLíbano
BuladóEché JangaHolanda, Antilhas
C SectionDavid OryanLíbano
CharlatanAgnieszka HollandRepública Tcheca
CharterAmanda KernellSuécia
Concubine of ShanghaiSherwood HuChina
ConferenceIvan I. TverdovskiyRússia, Estônia, Reino Unido, Itália
Crimes That Bind, TheSebastián SchindelArgentina
Crying Steppe, TheMarina KunarovaCazaquistão
CutiesMaïmouna DoucouréFrança
Dara in JasenovacPredrag AntonijevicSérvia
Dark, Dark Man, AAdilkhan YerzhanovCazaquistão
Dear Comrades!Andrei KonchalovskiyRússia
Disciple, TheChaitanya TamhaneÍndia
DNAMaÏwennFrança, Argélia
Eeb Allay Ooo!Prateek VatsÍndia
Effigy: Poison and the CityUdo FlohrAlemanha, EUA
Eight Hundred, TheHu GuanChina
Endless Trench, TheAitor Arregi | Jon Garaño | Jose Mari GoenagaEspanha, França, Canadá
EST (Dittatura Last Minute)Antonio PisuItália
Europeans, TheVictor García LeónEspanha
ExileVisar MorinaKosovo
ExtracurricularIvan-Goran VitezCroácia
Family Romance, LLCWerner HerzogEUA
Father, TheKristina Grozeva | Peter ValchanovBulgária, Grécia
Fight Continues, TheCarlo Ortega CuevasFilipinas
Forest GiantVille JankeriFinlândia
Forgotten We’ll BeFernando TruebaColômbia
Funny BoyDeepa MehtaCanadá
GagarineFanny Liatard | Jérémy TrouilhFrança
Games People PlayJenni ToivoniemiFinlândia
Girls, ThePilar PalomeroEspanha
Goddess of Fortune, TheFerzan OzpetekItália
HaramiShyam MadirajuÍndia, EUA
Hater, TheJan KomasaPolônia
HavelSlávek HorákRepública Tcheca
Hidden AwayGiorgio DirittiItália
HiveEylem KaftanTurquia
HopeMaria SødahiNoruega, Suécia
I Carry You With MeHeidi EwingMéxico, EUA
I’m No Longer HereFernando Frías de la ParraMéxico, EUA
ImpetigoreJoko AnwarIndonésia, Coréia do Sul
Instant Love (Amor En Polvo)Suso Imbernón | Juanjo Moscardó RiusEspanha
JallikattuLijo Jose PellisseryÍndia
Just Like thatKislayÍndia
La LloronaJayro BustamanteGuatemala, França
Lake, TheEmil AtageldievQuirguistão
LeapPeter Ho-Sun ChanChina
Life Ahead, TheEdoardo PontiItália
Lucky GrandmaSasie SealyEUA
LudoAnurag BasuÍndia
Made in BangladeshRubaiyat HossainBangladesh, França, Dinamarca, Portugal
Man Standing Next, TheMin-ho WooCoréia do Sul
Man Who Sold His Skin, TheKaouther Ben HaniaTunísia
MinariLee Isaac ChungEUA
Milagre na Cela #7 (7. Koğuştaki Mucize)Mehmet Ada ÖztekinTurquia
MoffieOliver HermanusÁfrica do Sul
MosulMatthew Michael CarnahanIraque
MotherRodrigo SorogoyenEspanha
My Little SisterStéphanie Chuat | Véronique ReymondSuíça
Never Gonna Snow AgainMalgorzata SzumowskaPolônia, Alemanha
New OrderMichel FrancoMéxico, França
Night of The Kings (La Nuit Des Rois)Philippe LacôteFrança, Costa do Marfim, Canadá, Senegal
Night, TheKourosh AhariEUA, Irã
Nobody Knows I’m HereGaspar AntilloChile
Notes For My SonCarlos SorinArgentina
Oliver BlackTawfik BabaMarrocos
Once Were RebelJohanna ModerÁustria
PacarreteAllan DebertonBrasil
Paradise War: The Story of Bruno ManserNiklaus HilberSuíça
ParamapathamThanesh PerrabuMalásia
Perfect JudgmentAngelo CroesAruba
Persian LessonsVadim PerelmanRússia, Alemanha, Bielorrússia
PilateLinda DombrovszkyHungria
PinocchioMatteo GarroneItália, França, Reino Unido
O Poço (Platform, The)Galder Gaztelu-UrrutiaEspanha
Quo Vadis, Aida?Jasmila ZbanicBósnia e Herzegovina, Áustria, Romênia, Holanda, Alemanha, Polônia, França, Noruega, Turquia
Real Exorcist, TheShokyo OdaJapão
Rosa’s WeddingIcíar BollaEspanha
Sea Beyond, TheAchero MañasEspanha
Show Me What You GotSvetlana CvetkoEUA
Sky HighDaniel CalparsoroEspanha
Snake White: Love EnduresXian Feng Zhang (as Xianfeng Zhang)China
Son, AMehdi M. BarsaouiTunísia, França, Lébano, Catar
Song Without A NameMelina LeónPeru
Songs of SolomonArman NshanianArmênia
Soorarai PottruSudha KongaraÍndia
SputnikEgor AbramenkoRússia
State of Madness, ALetitia TonosRepública Dominicana
Sun, AMong-Hong ChungTaiwan
Sun ChildrenMajid MajidiIrã
Tanhaji: The Unsung WarriorOm RautÍndia
TextKim ShipenkoRússia
This Is Not A Burial, It’s A ResurrectionLemohang Jeremiah MoseseLesoto, África do Sula, Itália
TigertailAlan YangEUA
ToorbosRene van RooyenÁfrica do Sul
ToveZaida BergrothFinlândia, Suécia
Trees Under The SunBijukumar DamodaranÍndia
Trouble With Being Born, TheSandra WollnerÁustria, Alemanha
True MothersNaomi KawaseJapão
Truth, TheHirokazu Kore-edaFrança, Japão
TwicebornHiroshi AkabaneJapão
Twilight’s KissRay YeungHong Kong
Two of UsFilippo MeneghettiFrança
Under the Open SkyMiwa NishikawaJapão
ValentinaCássio Pereira dos SantosBrasil
Vigil, TheKeith ThomasEUA
Wasp NetworkOlivier AssayasEspanha, França, Brasil, Bélgica
Wasteland, TheAhmad BahramIrã
Wet SeasonAnthony ChenSingapura, Taiwan
What We WantedUlrike KoflerÁustria
WillowMilcho ManchevskiMacedônia do Norte, Hungria, Bélgica
Working GirlsFrédéric Fonteyne | Anne PaulicevichFrança, Bélgica
Write About LoveCrisanto B. AquinoFilipinas
You Will Die At TwentyAmjad Abu AlalaSudão
Your Iron LadyJorge Xolalpa Jr.EUA, México

MTV MOVIE e TV AWARDS 2020: Edição Melhores de Todos os Tempos

EDIÇÃO RESGATA ALGUNS ÍCONES DO CINEMA DAS ÚLTIMAS DÉCADAS

A edição 2020 do prêmio da MTV, que normalmente ocorreria entre Abril e Maio, acabou sendo adiado indefinidamente por causa da pandemia da COVID. Meses foram se passando e não havia uma previsão concreta de quando o evento poderia acontecer, então acabaram optando por uma versão Melhores de Todos os Tempos (Greatest Of All Time – GOAT: alguns até brincam por “goat” também ser “cabra”) numa espécie de edição extraordinária.

Por se tratar de um prêmio jovem, Melhores de Todos os Tempos significa desde 1981, quando a MTV foi fundada, portanto temos vencedores de todas as décadas desde então, com uma única exceção na categoria de Scream Queen (Rainha dos Gritos), já que Jamie Lee Curtis foi eleita por Halloween, lançado em 1978, e que acabou agraciando também o último filme com a atriz na franquia lançado em 2018.

A cerimônia seguiu os protocolos de segurança da última edição do Emmy Awards, com um host e apresentadores numa sede mantendo contato com indicados e vencedores através de lives ou vídeos. No caso do MTV Awards, a hostess deste ano foi a atriz e cantora Vanessa Hudgens, que trocou de figurino ao longo da premiação, homenageando Marylin Monroe, Carrie (de Carrie, a Estranha) e Karatê Kid. Ela contou também com a ajuda de outros apresentadores como Lily Collins e David Spade.

Particularmente, consideramos uma premiação desnecessária, mas diante de uma grade de programação ainda com muitas reprises e coisas do túnel do tempo, vale a pena dar uma olhada em como estão algumas celebridades de Hollywood como Robert Downey Jr. e Don Cheadle (que fizeram uma homenagem ao colega de Vingadores, Chadwick Boseman), Gal Gadot (nitidamente promovendo Mulher-Maravilha 1984) e Jamie Lee Curtis, que traz o próprio Michael Myers para seu discurso de agradecimento. Além disso, eles reforçam o lado pop e cult do cinema norte-americano desde os anos 80, que já marcou gerações de cinéfilos.

A cerimônia será transmitida hoje, dia 07/12, às 21h30 (horário de Brasília) no canal da MTV Brasil, provavelmente todo legendado, pois o show foi transmitido nos EUA no dia anterior. Caso não consiga assistir, confira vídeo dos melhores momentos com os discursos de agradecimento no link abaixo:

CONFIRA TODOS OS VENCEDORES DESTA EDIÇÃO EXTRAORDINÁRIA:

LEGENDARY LIP LOCK

  • Sarah Michelle Gellar e Selma Blair (Segundas Intenções)

HERO FOR THE AGES

  • Chadwick Boseman

SHE-RO

  • Gal Gadot

DYNAMIC DUO

  • Drew Barrymore & Adam Sandler

HEARTBREAKING BREAKUP

  • Jason Segel & Kristen Bell (Ressaca de Amor)

SCREAM QUEEN

  • Jamie Lee Curtis (franquia Halloween)

COMEDY GIANT

  • Kevin Hart

DANCE YOUR ASS OFF

  • Kevin Bacon (Footlose: Ritmo Louco)

ZERO TO HERO

  • William Zabka (Karatê Kid & série Cobra Kai)

QUAIS FILMES DISPUTAM o OSCAR 2021 de FILME INTERNACIONAL

APÓS VITÓRIA DE ‘PARASITA’ COMO MELHOR FILME E FILME INTERNACIONAL, CAMPANHAS TENDEM A SER MAIS AMBICIOSAS

Neste segundo ano da categoria renomeada Filme Internacional (ex-Filme em Língua Estrangeira), houve um pró e um contra. O pró se deve à vitória da produção sul-coreana Parasita na última edição do Oscar, na qual venceu 4 estatuetas, sendo uma histórica: Melhor Filme. Até o ano passado, todos imaginavam que isso seria impossível, já que em 91 anos de premiação, a Academia sempre preteriu filmes de outros idiomas nessa categoria, embora tenha indicado alguns ao longo de sua história como Roma, de Alfonso Cuarón. Com essa porta finalmente aberta, as campanhas de filmes internacionais não devem mais se limitar a uma única categoria, e o Oscar tem tudo para se tornar um prêmio mais globalizado e diversificado.

O contra fica por conta da pandemia do Covid-19. Embora os prazos para inscrições tenham se estendido, trata-se de um ano atípico, pois as campanhas não poderão atuar como antes com sessões fechadas para evitar aglomerações. Por outro lado, a vantagem é que a Academia lançou sua própria plataforma de streaming para membros, o que em tese facilita o acesso dos filmes para os votantes. Resta saber se eles vão conseguir assistir cerca de 90 filmes (quase ninguém vai) e quais filmes eles vão selecionar para assistir e porquê. Se houvesse campanha normal, ela faria diferença, mas nesse cenário, vai depender apenas de publicidade em sites e revistas; lembrando ainda que este é o último ano permitido para cópias de DVD e Blu-ray para membros, pois a Academia está buscando sustentabilidade há alguns anos.

CURIOSIDADES

Devido à pandemia, os filmes elegíveis tiveram um prazo maior no quesito data de lançamento, que pode ter ocorrido em seus países entre os dias 1º de Outubro de 2019 a 31 de Dezembro de 2020, o que acaba atrasando um pouco as inscrições. Até o momento, temos 87 filmes inscritos, mas esse número pode aumentar ainda com a oficialização de países como Camboja, Gana, Nepal, Uganda e Malawi. Este ano, três países inscreveram um filme pela primeira vez na história: o Sudão, que enviou You Will Die at 20, o Suriname, que inscreveu Wiren, e o Lesoto, que com seu Isso Não é um Enterro, É uma Ressurreição tem grandes chances de conquistar também sua primeira indicação.

O país asiático Butão, que inscreveu Lunana: A Yak in the Classroom, participa do Oscar após um longo intervalo de 21 anos.

COMO ESTÁ A DISPUTA ATÉ O MOMENTO?

Apesar da pandemia, a melhor forma de publicidade continua sendo a inclusão em festivais internacionais como Cannes (que embora não tenha acontecido fisicamente, liberou uma lista de selecionados), Berlim, Veneza, Sundance e Toronto, portanto, aquelas produções que tiveram passagem nesses eventos acabam largando na frente dos demais.

ANOTHER ROUND (Dinamarca). Dir: Thomas Vinterberg
Nesse quesito, o representante dinamarquês é um dos que mais se destacam. Selecionado no Festival de Cannes, o filme acompanha quatro professores colegiais que fazem um teste que melhoraria a qualidade de suas vidas ao manter um nível constante de álcool no sangue. Comédia pode não ser o gênero favorito da Academia, mas vale lembrar que a parceria entre o diretor Vinterberg (um dos fundandores do movimento Dogma 95) e o ator Mads Mikkelsen deu origem à indicação ao Oscar por A Caça em 2013.

QUO VADIS, AIDA? (Bósnia Herzegovina). Dir: Jasmila Zbanic
Além de ter sido indicado ao Leão de Ouro no último Festival de Veneza, o filme apresenta uma premissa que parece concebida para conquistar uma vaga no Oscar: a tradutora Aida, que trabalha para a ONU, tem sua família procurando por abrigo no acampamento da ONU após o exército Sérvio tomar conta de sua cidade. A última vez que a Bósnia esteve no Oscar foi em 2002, quando ganhou o prêmio de Filme em Língua Estrangeira pelo bom Terra de Ninguém, que curiosamente também lida com guerra e ONU.

ISSO NÃO É UM ENTERRO, É UMA RESSURREIÇÃO (Lesoto). Dir: Lemohang Jeremiah Mosese
Com passagem em vários festivais, inclusive Sundance, onde foi indicado ao Grande Prêmio do Júri, esta modesta produção tem como protagonista uma senhora viúva de mais de 80 anos que, quando ameaçada para sair de suas terras para a construção de uma barragem, acende seu espírito de resiliência. A trama lembra um pouco o brasileiro Aquarius, e o filme foi bastante elogiado na última edição da Mostra de Cinema de SP.

AND TOMORROW THE ENTIRE WORLD (Alemanha). Dir: Julia von Heinz
Este filme alemão foi indicado ao Leão de Ouro em Veneza, mas o que mais chama a atenção é sua vertente mais política que ajuda a conquistar votos. Na trama, uma estudante de Direito de 20 anos se junta ao movimento anti-fascista (Antifa) por se opor à ascensão da extrema direita na Alemanha. A história teria como base a experiência da própria diretora Julia von Heinz, que já foi integrante do movimento, e agora busca discutir suas perspectivas a respeito.

LA LLORONA (Guatemala). Dir: Jayro Bustamante
Com passagem também em Veneza, este filme apresenta uma mistura de filme político e ficção com toques sobrenaturais. Um general aposentado que supervisionou um genocídio foi absolvido dos crimes e assassinatos, mas passa a sofrer de crises de demência relacionada ao Alzheimer. Contudo, o filme apoia a sugestão de que o espírito tradicional da Llorona esteja por trás dessa vingança.

OUTROS DESTAQUES

Muitas vezes, os países selecionam seus filmes baseados na credibilidade dos diretores. No caso do Japão, República Tcheca e do Irã, por exemplo, os respectivos nomes de Naomi Kawase, Agnieszka Holland e Majid Majidi reforçam essa estratégia de largar na frente com nomes já consagrados em festivais e até no Oscar. Brillante Mendoza é talvez o cineasta mais famoso das Filipinas e vive nos festivais. Já Fernando Trueba já ganhou o Oscar pela Espanha por Sedução, mas este ano defende a Colômbia.

Embora não esteja tão forte na disputa, é preciso ressaltar que o representante turco, O Milagre na Cela 7, ganhou notoriedade após o sucesso de público na plataforma da Netflix. Ainda sobre a Netflix, o representante da Áustria, Quando a Vida Acontece (What We Wanted) também está disponível no catálogo. Já pela Globoplay, temos disponível o chileno Agente Duplo no acervo.

E O BRASIL?

A comissão formada por membros da Academia Brasileira de Cinema (lembrando novamente que não houve interferência do governo) apostou suas fichas em Babenco: Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer Parou. Foi uma escolha incomum por se tratar de um documentário, e ainda em preto-e-branco, mas dentre alguns argumentos para sua defesa estão o tema (Babenco já foi um diretor indicado ao Oscar nos anos 80) e a classificação automática na categoria de Melhor Documentário. O filme de estréia de Bárbara Paz pode ser indicado nessas duas categorias ao mesmo tempo, assim como aconteceu este ano com o filme da Macedônia do Norte, Honeyland.

Apesar de não ter havido um franco-favorito nessa seleção brasileira, Casa de Antiguidades (que foi selecionado por Cannes) era cotado como um dos favoritos, mas logo atrás vinham Pacarrete (que conquistou o festival de Gramado), Sertânia e Marighella. Agora não adianta pensar em hipóteses do que poderia acontecer, mas uma coisa é certa: se Bacurau fosse o selecionado deste ano (já concorreu ano passado), as chances do Brasil no Oscar seriam infinitamente maiores, pois o filme de Kléber Medonça Filho e Juliano Dornelles estreou comercialmente nos EUA este ano e vem conquistando a crítica e até aparecendo em listas de melhores de 2020. Uma pena. Central do Brasil continua sendo nossa última indicação nesta categoria, desde 1999.

A 93ª cerimônia do Oscar acontecerá no dia 25 de Abril, e as indicações serão anunciadas no dia 15 de Março.

CONFIRA OS FILMES SELECIONADOS POR SEUS PAÍSES PARA DISPUTAR VAGA NO OSCAR 2021 (ATÉ O MOMENTO):

PAÍSFILMEDIRETOR (A) (ES)
África do SulToorbosRene van Rooyen
AlbâniaOpen DoorFlorenc Papas
AlemanhaAnd Tomorrow the Entire WorldJulia von Heinz
Arábia SauditaScalesShahad Ameen
ArgéliaHéliopolisDjafar Gacem
ArgentinaThe SleepwalkersPaula Hernández
ArmêniaSongs of SolomonArman Nshanyan
ÁustriaQuando a Vida AconteceUlrike Kofler
BangladeshSincerely Yours, Dhaka11 diretores
BélgicaWorking GirlsFrédéric Fonteyne, Anne Paulicevich
BielorússiaPersian LessonsVadim Perelman
BolíviaChacoDiego Mondaca
Bósnia HerzegovinaQuo Vadis, Aida?Jasmila Žbanić
BrasilBabenco: Alguém tem que Ouvir o Coração e Dizer ParouBárbara Paz
BulgáriaThe FatherKristina Grozeva, Petar Valchanov
ButãoLunana: A Yak in the ClassroomPawo Choyning Dorji
Canadá14 Days, 12 NightsJean-Philippe Duval
CazaquistãoThe Crying SteppeMarina Kunarova
ChileAgente DuploMaite Alberdi
ChinaLeapPeter Chan
ColômbiaForgotten We’ll BeFernando Trueba
Coréia do SulThe Man Standing NextWoo Min-ho
Costa do MarfimNight of the KingsPhilippe Lacôte
Costa RicaTerra das CinzasSofía Quirós Ubeda
CroáciaExtracurricularIvan-Goran Vitez
DinamarcaAnother RoundThomas Vinterberg
EgitoWhen We’re BornTamer Ezzat
EquadorEmptinessPaul Venegas
EslováquiaThe Auschwitz ReportPeter Bebjak
EslovêniaStories from the Chestnut WoodsGregor Bozic
EspanhaThe Endless TrenchAitor Arregi, Jon Garaño, Jose Mari Goenaga
EstôniaThe Last OnesVeiko Õunpuu
FilipinasMindanaoBrillante Mendoza
FinlândiaToveZaida Bergroth
FrançaNós DuasFilippo Meneghetti
GeórgiaBeginningDea Kulumbegashvili
GréciaApplesChristos Nikou
GuatemalaLa LloronaJayro Bustamante
HolandaBuladóÉche Janga
Hong KongBetter DaysDerek Tsang
HungriaPreparations to be Together for an Unknown Period of TimeLili Horvát
ÍndiaJallikattuLijo Jose Pellissery
IndonésiaImpetigoreJoko Anwar
IrãCrianças do SolMajid Majidi
IrlandaArrachtTom Sullivan
IslândiaAgnes JoySilja Hauksdóttir
IsraelAsiaRuthy Pribar
JapãoMães de VerdadeNaomi Kawase
Jordânia200 MetersAmeen Nayfeh
KosovoExileVisar Morina
LesotoIsso Não é um Enterro, É uma RessurreiçãoLemohang Jeremiah Mosese
LetôniaBlizzard of SoulsDzintars Dreibergs
LíbanoBroken KeysJimmy Keyrouz
LituâniaNova LituaniaKarolis Kaupinis
LuxemburgoRiver TalesJulie Schroell
Macedônia do NorteWillowMilcho Manchevski
MalásiaRohEmir Ezwan
MarrocosThe Unknown SaintAlaa Eddine Aljem
MéxicoI’m No Longer HereFernando Frías de la Parra
MontenegroBreastsMarija Perovic
NigériaThe MilkmaidDesmond Ovbiagele
NoruegaHopeMaria Sødahl
PalestinaGaza mon AmourTarzan Nasser, Arab Nasser
PanamáCausa JustaLuis Franco Brantley, Luis Pacheco
PaquistãoZindagi TamashaSarmad Khoosat
ParaguaiKilling the DeadHugo Giménez
PeruCanção Sem Nome Melina León
PolôniaNever Gonna Snow AgainMalgorzata Szumowska, Michal Englert
PortugalVitalina VarelaPedro Costa
QuêniaThe LetterMaia Lekow, Chris King
QuirguistãoRunning to the SkyMirlan Abdykalykov
República DominicanaA State of MadnessLeticia Tonos
República TchecaCharlatanAgnieszka Holland
RomêniaCollectiveAlexander Nanau
RússiaDear ComradesAndrei Konchalovskiy
SérviaDara in JasenovacPredrag Antonijevic
SingapuraEstação das ChuvasAnthony Chen
SudãoYou Will Die at 20Amjad Abu Alala
SuéciaCharterAmanda Kernell
SuíçaMy Little SisterStéphanie Chuat, Véronique Reymond
SurinameWirenIvan Tai-Apin
TailândiaHappy Old YearNawapol Thamrongrattanarit
TaiwanA SunChung Mong-hong
TunísiaThe Man Who Sold His SkinKaouther Bem Hania
TurquiaMilagre na Cela 7Mehmet Ada Oztekin
UcrâniaAtlantisValentyn Vasyanovych
UruguaiAlelíLeticia Jorge
Uzbequistão2000 Songs of FaridaYalkin Tuychiev
VenezuelaOnce Upon a Time in VenezuelaAnabel Rodríguez Ríos
VietnãDreamy EyesVictor Vu
%d blogueiros gostam disto: