QUAIS FILMES DISPUTAM o OSCAR 2021 de FILME INTERNACIONAL

APÓS VITÓRIA DE ‘PARASITA’ COMO MELHOR FILME E FILME INTERNACIONAL, CAMPANHAS TENDEM A SER MAIS AMBICIOSAS

Neste segundo ano da categoria renomeada Filme Internacional (ex-Filme em Língua Estrangeira), houve um pró e um contra. O pró se deve à vitória da produção sul-coreana Parasita na última edição do Oscar, na qual venceu 4 estatuetas, sendo uma histórica: Melhor Filme. Até o ano passado, todos imaginavam que isso seria impossível, já que em 91 anos de premiação, a Academia sempre preteriu filmes de outros idiomas nessa categoria, embora tenha indicado alguns ao longo de sua história como Roma, de Alfonso Cuarón. Com essa porta finalmente aberta, as campanhas de filmes internacionais não devem mais se limitar a uma única categoria, e o Oscar tem tudo para se tornar um prêmio mais globalizado e diversificado.

O contra fica por conta da pandemia do Covid-19. Embora os prazos para inscrições tenham se estendido, trata-se de um ano atípico, pois as campanhas não poderão atuar como antes com sessões fechadas para evitar aglomerações. Por outro lado, a vantagem é que a Academia lançou sua própria plataforma de streaming para membros, o que em tese facilita o acesso dos filmes para os votantes. Resta saber se eles vão conseguir assistir cerca de 90 filmes (quase ninguém vai) e quais filmes eles vão selecionar para assistir e porquê. Se houvesse campanha normal, ela faria diferença, mas nesse cenário, vai depender apenas de publicidade em sites e revistas; lembrando ainda que este é o último ano permitido para cópias de DVD e Blu-ray para membros, pois a Academia está buscando sustentabilidade há alguns anos.

CURIOSIDADES

Devido à pandemia, os filmes elegíveis tiveram um prazo maior no quesito data de lançamento, que pode ter ocorrido em seus países entre os dias 1º de Outubro de 2019 a 31 de Dezembro de 2020, o que acaba atrasando um pouco as inscrições. Até o momento, temos 87 filmes inscritos, mas esse número pode aumentar ainda com a oficialização de países como Camboja, Gana, Nepal, Uganda e Malawi. Este ano, três países inscreveram um filme pela primeira vez na história: o Sudão, que enviou You Will Die at 20, o Suriname, que inscreveu Wiren, e o Lesoto, que com seu Isso Não é um Enterro, É uma Ressurreição tem grandes chances de conquistar também sua primeira indicação.

O país asiático Butão, que inscreveu Lunana: A Yak in the Classroom, participa do Oscar após um longo intervalo de 21 anos.

COMO ESTÁ A DISPUTA ATÉ O MOMENTO?

Apesar da pandemia, a melhor forma de publicidade continua sendo a inclusão em festivais internacionais como Cannes (que embora não tenha acontecido fisicamente, liberou uma lista de selecionados), Berlim, Veneza, Sundance e Toronto, portanto, aquelas produções que tiveram passagem nesses eventos acabam largando na frente dos demais.

ANOTHER ROUND (Dinamarca). Dir: Thomas Vinterberg
Nesse quesito, o representante dinamarquês é um dos que mais se destacam. Selecionado no Festival de Cannes, o filme acompanha quatro professores colegiais que fazem um teste que melhoraria a qualidade de suas vidas ao manter um nível constante de álcool no sangue. Comédia pode não ser o gênero favorito da Academia, mas vale lembrar que a parceria entre o diretor Vinterberg (um dos fundandores do movimento Dogma 95) e o ator Mads Mikkelsen deu origem à indicação ao Oscar por A Caça em 2013.

QUO VADIS, AIDA? (Bósnia Herzegovina). Dir: Jasmila Zbanic
Além de ter sido indicado ao Leão de Ouro no último Festival de Veneza, o filme apresenta uma premissa que parece concebida para conquistar uma vaga no Oscar: a tradutora Aida, que trabalha para a ONU, tem sua família procurando por abrigo no acampamento da ONU após o exército Sérvio tomar conta de sua cidade. A última vez que a Bósnia esteve no Oscar foi em 2002, quando ganhou o prêmio de Filme em Língua Estrangeira pelo bom Terra de Ninguém, que curiosamente também lida com guerra e ONU.

ISSO NÃO É UM ENTERRO, É UMA RESSURREIÇÃO (Lesoto). Dir: Lemohang Jeremiah Mosese
Com passagem em vários festivais, inclusive Sundance, onde foi indicado ao Grande Prêmio do Júri, esta modesta produção tem como protagonista uma senhora viúva de mais de 80 anos que, quando ameaçada para sair de suas terras para a construção de uma barragem, acende seu espírito de resiliência. A trama lembra um pouco o brasileiro Aquarius, e o filme foi bastante elogiado na última edição da Mostra de Cinema de SP.

AND TOMORROW THE ENTIRE WORLD (Alemanha). Dir: Julia von Heinz
Este filme alemão foi indicado ao Leão de Ouro em Veneza, mas o que mais chama a atenção é sua vertente mais política que ajuda a conquistar votos. Na trama, uma estudante de Direito de 20 anos se junta ao movimento anti-fascista (Antifa) por se opor à ascensão da extrema direita na Alemanha. A história teria como base a experiência da própria diretora Julia von Heinz, que já foi integrante do movimento, e agora busca discutir suas perspectivas a respeito.

LA LLORONA (Guatemala). Dir: Jayro Bustamante
Com passagem também em Veneza, este filme apresenta uma mistura de filme político e ficção com toques sobrenaturais. Um general aposentado que supervisionou um genocídio foi absolvido dos crimes e assassinatos, mas passa a sofrer de crises de demência relacionada ao Alzheimer. Contudo, o filme apoia a sugestão de que o espírito tradicional da Llorona esteja por trás dessa vingança.

OUTROS DESTAQUES

Muitas vezes, os países selecionam seus filmes baseados na credibilidade dos diretores. No caso do Japão, República Tcheca e do Irã, por exemplo, os respectivos nomes de Naomi Kawase, Agnieszka Holland e Majid Majidi reforçam essa estratégia de largar na frente com nomes já consagrados em festivais e até no Oscar. Brillante Mendoza é talvez o cineasta mais famoso das Filipinas e vive nos festivais. Já Fernando Trueba já ganhou o Oscar pela Espanha por Sedução, mas este ano defende a Colômbia.

Embora não esteja tão forte na disputa, é preciso ressaltar que o representante turco, O Milagre na Cela 7, ganhou notoriedade após o sucesso de público na plataforma da Netflix. Ainda sobre a Netflix, o representante da Áustria, Quando a Vida Acontece (What We Wanted) também está disponível no catálogo. Já pela Globoplay, temos disponível o chileno Agente Duplo no acervo.

E O BRASIL?

A comissão formada por membros da Academia Brasileira de Cinema (lembrando novamente que não houve interferência do governo) apostou suas fichas em Babenco: Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer Parou. Foi uma escolha incomum por se tratar de um documentário, e ainda em preto-e-branco, mas dentre alguns argumentos para sua defesa estão o tema (Babenco já foi um diretor indicado ao Oscar nos anos 80) e a classificação automática na categoria de Melhor Documentário. O filme de estréia de Bárbara Paz pode ser indicado nessas duas categorias ao mesmo tempo, assim como aconteceu este ano com o filme da Macedônia do Norte, Honeyland.

Apesar de não ter havido um franco-favorito nessa seleção brasileira, Casa de Antiguidades (que foi selecionado por Cannes) era cotado como um dos favoritos, mas logo atrás vinham Pacarrete (que conquistou o festival de Gramado), Sertânia e Marighella. Agora não adianta pensar em hipóteses do que poderia acontecer, mas uma coisa é certa: se Bacurau fosse o selecionado deste ano (já concorreu ano passado), as chances do Brasil no Oscar seriam infinitamente maiores, pois o filme de Kléber Medonça Filho e Juliano Dornelles estreou comercialmente nos EUA este ano e vem conquistando a crítica e até aparecendo em listas de melhores de 2020. Uma pena. Central do Brasil continua sendo nossa última indicação nesta categoria, desde 1999.

A 93ª cerimônia do Oscar acontecerá no dia 25 de Abril, e as indicações serão anunciadas no dia 15 de Março.

CONFIRA OS FILMES SELECIONADOS POR SEUS PAÍSES PARA DISPUTAR VAGA NO OSCAR 2021 (ATÉ O MOMENTO):

PAÍSFILMEDIRETOR (A) (ES)
África do SulToorbosRene van Rooyen
AlbâniaOpen DoorFlorenc Papas
AlemanhaAnd Tomorrow the Entire WorldJulia von Heinz
Arábia SauditaScalesShahad Ameen
ArgéliaHéliopolisDjafar Gacem
ArgentinaThe SleepwalkersPaula Hernández
ArmêniaSongs of SolomonArman Nshanyan
ÁustriaQuando a Vida AconteceUlrike Kofler
BangladeshSincerely Yours, Dhaka11 diretores
BélgicaWorking GirlsFrédéric Fonteyne, Anne Paulicevich
BielorússiaPersian LessonsVadim Perelman
BolíviaChacoDiego Mondaca
Bósnia HerzegovinaQuo Vadis, Aida?Jasmila Žbanić
BrasilBabenco: Alguém tem que Ouvir o Coração e Dizer ParouBárbara Paz
BulgáriaThe FatherKristina Grozeva, Petar Valchanov
ButãoLunana: A Yak in the ClassroomPawo Choyning Dorji
Canadá14 Days, 12 NightsJean-Philippe Duval
CazaquistãoThe Crying SteppeMarina Kunarova
ChileAgente DuploMaite Alberdi
ChinaLeapPeter Chan
ColômbiaForgotten We’ll BeFernando Trueba
Coréia do SulThe Man Standing NextWoo Min-ho
Costa do MarfimNight of the KingsPhilippe Lacôte
Costa RicaTerra das CinzasSofía Quirós Ubeda
CroáciaExtracurricularIvan-Goran Vitez
DinamarcaAnother RoundThomas Vinterberg
EgitoWhen We’re BornTamer Ezzat
EquadorEmptinessPaul Venegas
EslováquiaThe Auschwitz ReportPeter Bebjak
EslovêniaStories from the Chestnut WoodsGregor Bozic
EspanhaThe Endless TrenchAitor Arregi, Jon Garaño, Jose Mari Goenaga
EstôniaThe Last OnesVeiko Õunpuu
FilipinasMindanaoBrillante Mendoza
FinlândiaToveZaida Bergroth
FrançaNós DuasFilippo Meneghetti
GeórgiaBeginningDea Kulumbegashvili
GréciaApplesChristos Nikou
GuatemalaLa LloronaJayro Bustamante
HolandaBuladóÉche Janga
Hong KongBetter DaysDerek Tsang
HungriaPreparations to be Together for an Unknown Period of TimeLili Horvát
ÍndiaJallikattuLijo Jose Pellissery
IndonésiaImpetigoreJoko Anwar
IrãCrianças do SolMajid Majidi
IrlandaArrachtTom Sullivan
IslândiaAgnes JoySilja Hauksdóttir
IsraelAsiaRuthy Pribar
JapãoMães de VerdadeNaomi Kawase
Jordânia200 MetersAmeen Nayfeh
KosovoExileVisar Morina
LesotoIsso Não é um Enterro, É uma RessurreiçãoLemohang Jeremiah Mosese
LetôniaBlizzard of SoulsDzintars Dreibergs
LíbanoBroken KeysJimmy Keyrouz
LituâniaNova LituaniaKarolis Kaupinis
LuxemburgoRiver TalesJulie Schroell
Macedônia do NorteWillowMilcho Manchevski
MalásiaRohEmir Ezwan
MarrocosThe Unknown SaintAlaa Eddine Aljem
MéxicoI’m No Longer HereFernando Frías de la Parra
MontenegroBreastsMarija Perovic
NigériaThe MilkmaidDesmond Ovbiagele
NoruegaHopeMaria Sødahl
PalestinaGaza mon AmourTarzan Nasser, Arab Nasser
PanamáCausa JustaLuis Franco Brantley, Luis Pacheco
PaquistãoZindagi TamashaSarmad Khoosat
ParaguaiKilling the DeadHugo Giménez
PeruCanção Sem Nome Melina León
PolôniaNever Gonna Snow AgainMalgorzata Szumowska, Michal Englert
PortugalVitalina VarelaPedro Costa
QuêniaThe LetterMaia Lekow, Chris King
QuirguistãoRunning to the SkyMirlan Abdykalykov
República DominicanaA State of MadnessLeticia Tonos
República TchecaCharlatanAgnieszka Holland
RomêniaCollectiveAlexander Nanau
RússiaDear ComradesAndrei Konchalovskiy
SérviaDara in JasenovacPredrag Antonijevic
SingapuraEstação das ChuvasAnthony Chen
SudãoYou Will Die at 20Amjad Abu Alala
SuéciaCharterAmanda Kernell
SuíçaMy Little SisterStéphanie Chuat, Véronique Reymond
SurinameWirenIvan Tai-Apin
TailândiaHappy Old YearNawapol Thamrongrattanarit
TaiwanA SunChung Mong-hong
TunísiaThe Man Who Sold His SkinKaouther Bem Hania
TurquiaMilagre na Cela 7Mehmet Ada Oztekin
UcrâniaAtlantisValentyn Vasyanovych
UruguaiAlelíLeticia Jorge
Uzbequistão2000 Songs of FaridaYalkin Tuychiev
VenezuelaOnce Upon a Time in VenezuelaAnabel Rodríguez Ríos
VietnãDreamy EyesVictor Vu
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: