‘NOMADLAND’ e ‘MANK’ DISPUTAM o PRÊMIO do SINDICATO ASC

FOTOGRAFIA É ANALISADA VIA STREAMING PELA PRIMEIRA VEZ

Não sei pra vocês, mas depois de vários anos seguidos com Emmanuel Lubezki e/ou Roger Deakins na disputa, ficou um vazio artístico em mim quando não vi ambos nas listas. Outra diferença enorme é que não pudemos apreciar a beleza desses trabalhos de fotografia em todo seu esplendor numa tela de cinema como costumamos fazer. Tenho certeza de que as imagens de Nomadland seriam muito mais lindas e transcendentais dentro de uma sala de cinema. Mas é o que temos para hoje com essa pandemia interminável.

A seleção da ASC parece justa. O estranho no ninho parece ser Cherry, dos irmãos Anthony e Joe Russo, que ainda não está disponível para streaming (legal), por isso mesmo, deve ser o escolhido da vez para ceder seu lugar para outro filme na transição para o Oscar. Estamos entre Minari e Judas e o Messias Negro para assumir o lugar, mas adoraríamos ver o singelo First Cow surpreendendo a todos. Embora a esperança do filme de Kelly Reichardt resida na categoria de Roteiro Adaptado, uma indicação para Fotografia seria estarrecedor.

Dentre esses cinco indicados ao ASC, Nomadland me parece o mais bonito e com maior peso na narrativa. A fotografia de Joshua James Richards é responsável por inserir o público na jornada da nômade Fern (Frances McDormand) e fazê-lo refletir da mesma forma ao contemplar a natureza em inúmeros cenários. Nesse sentido, lembra um pouco a fotografia transcendental de Lubezki em O Novo Mundo (2005), sem querer resgatar o mexicano novamente. Apesar dos demais candidatos não serem de baixa qualidade, será uma surpresa se o road movie não levar esse Oscar.

A fotografia em preto-e-branco de Mank parece refletir o filme em si: belo porém vazio. Existe todo um trabalho penoso para reproduzir o visual (e o som) daqueles anos 30 e 40, mas esse preto-e-branco não me chamou tanto a atenção como Nebraska, por exemplo, ou O Homem que Não Estava Lá, só pra citar dois filmes indicados ao Oscar nos anos anteriores. Já as fotografias de Relatos do Mundo e Os 7 de Chicago são bonitas, porém mais clássicas, mas a de Dariusz Wolski dialoga melhor com o estilo do western clássico de Paul Greengrass. Aliás, caso sua indicação se confirme, será sua primeira no Oscar, um reconhecimento bem tardio na carreira do artista, mas bem merecida.

Dentre os indicados ao prêmio Spotlight, a fotografia de Swallow trabalha bem com cores, mas se destaca bem pelos enquadramentos. A diretora de fotografia Katelin Arizmendi sempre tenta dar algum jeito de inserir a protagonista grávida num aperto, seja numa porta ou entre pilastras, espelhando a pressão que ela sente a respeito da gestação e da família do marido. Os demais trabalhos honestamente eu não vi, mas parecem interessantes, especialmente o russo Dear Comrades!. A premiação do American Society of Cinematographers é uma das raras que sabe escolher os melhores trabalhos com propriedade, porque tem alguns como o de montagem e roteiro que sempre entregam uns indicados de qualidade duvidosa, tipo a edição de Bohemian Rhapsody. Por isso, na transição para o Oscar, costuma haver apenas um indicado diferente entre ambos.

Confira todos os indicados nas categorias de cinema do ASC, sem Lubezki e Deakins:

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: