‘TUDO EM TODO LUGAR AO MESMO TEMPO’ LIDERA o OSCAR com 11 INDICAÇÕES

FILME ALEMÃO ‘NADA DE NOVO NO FRONT’ SURPREENDE COM 9 INDICAÇÕES

Na manhã desta terça (24), os atores Alisson Williams e Riz Ahmed anunciaram os indicados da 95ª edição do Oscar através de lives em canais oficiais, com a apresentação dividida em duas partes.

Para quem não conseguiu acompanhar a live, segue o link do YouTube abaixo:

NÚMEROS DO OSCAR

Como esperado, TUDO EM TODO LUGAR AO MESMO TEMPO lideraria as indicações, mas mesmo assim, houve surpresas como os reconhecimentos de Trilha Original e Canção Original.

Logo atrás, empatados com 9 indicações, vêm NADA DE NOVO NO FRONT, filme bélico alemão sobre a Primeira Guerra Mundial, e OS BANSHEES DE INISHERIN, comédia de humor negro sobre uma amizade desfeita.

Com 8 indicações, ELVIS acumulou indicações em categorias estéticas como Fotografia, Design de Produção e Figurino, além claro de Austin Butler como Ator. Logo atrás, com 7 indicações, OS FABELMANS conseguiu se recuperar de ausências importantes no BAFTA e assegurou o reconhecimento de Steven Spielberg em três categorias: Filme, Direção e Roteiro Original. Embora tenha acumulado 6 indicações, TOP GUN: MAVERICK surpreendeu duplamente ao não ser indicado para Fotografia (que era algo 99% certo) e por ter sido indicado a Roteiro Adaptado (algo que ninguém esperava).

O drama sobre música e Cultura do Cancelamento TÁR também conquistou 6 indicações, com destaque para Fotografia, Montagem e claro, Atriz para Cate Blanchett. E com 5 indicações, PANTERA NEGRA: WAKANDA PARA SEMPRE mostra força nas categorias técnicas e favoritismo em Atriz Coadjuvante para Angela Bassett.

POLÊMICAS À VISTA?

Antes mesmo das indicações serem anunciadas, havia um forte indício de que não haveria nenhuma diretora mulher indicada na categoria de Direção, o que acabou se comprovando. Dentre as diretoras que poderiam ter alguma chances estavam Sarah Polley (Entre Mulheres), Gina Prince-Bythewood (A Mulher Rei) e a nossa favorita Charlotte Wells (Aftersun), mas apesar disso, os diretores indicados já eram considerados quase certezas pelo histórico da temporada de premiações.

E nas categorias de atuação, embora muitos atores não-brancos tenham sido indicados como Brian Tyree Henry, Ke Huy Quan, Angela Bassett, Hong Chau e Stephanie Hsu, já começam reclamações da ausência deles na categoria de Melhor Atriz, porque até então Viola Davis (A Mulher Rei) e Danielle Deadwyler (Till) estavam muito bem cotadas.

SURPRESAS

Com certeza, houve muitas surpresas que vou citar por categoria abaixo, mas sem dúvidas, a maior delas foi a indicação de ANDREA RISEBOROUGH para Melhor Atriz por TO LESLIE, um filme pequeno e independente sobre uma mãe que abandonou seu filho após seu prêmio da loteria acabar com seu vício no álcool. A atriz havia sido apenas indicada basicamente para o Independent Spirit Award e havia sido esnobada por completo no Globo de Ouro, Critics’ Choice, BAFTA e SAG, mas com uma campanha totalmente sem recursos, amadora, mas que atingiu vários famosos como Edward Norton, Gwyneth Paltrow, Liam Neeson, Geena Davis, Susan Sarandon, Laura Dern, Helen Hunt, Zooey Deschanel, Melanie Lynskey, Mira Sorvino, Rosie O’Donnell, Minnie Driver, Alan Cumming, Rosanna Arquette, Debra Winger, Patricia Clarkson e Howard Stern, que postaram elogios à atriz em redes sociais, principalmente no Twitter. Funcionou e agora Riseborough está entre as 5 melhores do ano.

Sobre o filme, claro, é um drama daqueles típicos de protagonista vivendo no fundo do poço mas que bsuca redenção, mas a performance da atriz realmente eleva o material para algo muito mais humano e verdadeiro. Riseborough evita aquela personagem chorona e coitadinha, para ser alguém que assume e vive suas falhas como mãe e alcóolatra. Certamente, vai adicionar muito tempero na briga entre Cate Blanchett e Michelle Yeoh.

CONFIRA TODOS OS INDICADOS AO OSCAR 2023 COM ESNOBES E COMENTÁRIOS:

MELHOR FILME

  • Nada de Novo no Front (All Quiet on the Western Front)
  • Avatar: O Caminho da Água (Avatar: The Way of Water)
  • Os Banshees de Inisherin (The Banshees of Inisherin)
  • Elvis (Elvis)
  • Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo (Everything Everywhere All at Once)
  • Os Fabelmans (The Fabelmans)
  • Tár (Tár)
  • Top Gun: Maverick (Top Gun: Maverick)
  • Triângulo da Tristeza (Triangle of Sadness)
  • A Baleia (The Whale)

Nesta categoria, não há nenhum estranho no ninho. Claro que muita gente jamais imaginou ver a sátira TRIÂNGULO DA TRISTEZA entre os 10 filmes, mas por outro lado, tem muita gente que adorou o filme, que ganhou a Palma de Ouro no último Festival de Cannes. Eu teria trocado o filme de Ruben Östlund pelo drama intimista AFTERSUN, mas sem uma indicação de Direção ou Roteiro para Charlotte Wells, seria bastante difícil.

Hoje quem ganha esse prêmio é TUDO EM TODO LUGAR AO MESMO TEMPO, mas tem chão até o dia 12 de Março.

MELHOR DIREÇÃO

  • Martin McDonagh (Os Banshees de Inisherin)
  • Daniel Kwan & Daniel Scheinert (Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo)
  • Steven Spielberg (Os Fabelmans)
  • Todd Field (Tár)
  • Ruben Östlund (Triângulo da Tristeza)

Mais amor para Ruben Östlund, que ocupa a chamada vaga para um diretor estrangeiro. Primeiramente, achei muito estranho NADA DE NOVO NO FRONT ter 9 indicações e terem esnobado EDWARD BERGER, mas se fosse para eleger um estrangeiro eu colocaria PARK CHAN-WOOK por DECISÃO DE PARTIR, porém sequer foi indicado a Filme Internacional… Trocaria Spielberg ou McDonagh por CHARLOTTE WELLS.

Hoje quem ganha são os DANIELS, mas SPIELBERG tem muuuuuuito prestígio entre os membros da Academia. Mas se o terceiro Oscar de Spielberg acontecer, corre sério risco de ser o único Oscar para OS FABELMANS. Já pensou nisso? Um novo Ataque dos Cães.

MELHOR ATOR

  • Austin Butler (Elvis)
  • Colin Farrell (Os Banshees de Inisherin)
  • Brendan Fraser (A Baleia)
  • Paul Mescal (Aftersun)
  • Bill Nighy (Living)

Com Butler, Fraser, Farrell e Nighy garantidos há tempos, restava saber quem ficaria com a última vaga, e esta ficou com o jovem queridinho PAUL MESCAL. Ele ganhou muito impulso na campanha com a indicação ao BAFTA, e ultrapassou os incertos Tom Cruise, Adam Sandler, Tom Hanks e Jeremy Pope. Com certeza, uma das indicações mais comemoradas do ano.

A disputa está acirradíssima, e acredito num embate maior entre Austin Butler e Brendan Fraser. O primeiro conta com a benção da esposa e filha (recém-falecida) de Elvis Presley, mas Brendan Fraser, além de contar com a ajuda formidável da maquiagem prostética transformadora, tem sua história pessoal de comeback que ressoa muito forte entre inúmeros atores votantes da Academia, portanto BRENDAN FRASER deve levar esse Oscar.

MELHOR ATRIZ

  • Cate Blanchett (TÁR)
  • Ana de Armas (Blonde)
  • Andrea Riseborough (To Leslie)
  • Michelle Williams (Os Fabelmans)
  • Michelle Yeoh (Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo)

A ausência de VIOLA DAVIS não me surpreende muito. Embora haja o esforço valioso da transformação física da personagem que comanda o exército africano, o filme nunca empolga e sua performance ficou mais esquecida dentre tantos personagens na aventura. Já DANIELLE DEADWYLER foi uma surpresa grande, porque sua atuação é forte e a Academia dificilmente ignoraria um drama familiar de racismo, ainda mais hoje. Sem sombra de dúvidas, eu a incluiria no lugar de MICHELLE WILLIAMS que, na minha opinião, nem deveria estar concorrendo, pois considero uma performance batida e até clichê da mulher desiludida com ares de loucura, sem falar que sua personagem é coadjuvante, não protagonista. Dentre outras ausentes estão MARGOT ROBBIE (Babilônia), OLIVIA COLMAN (Império da Luz) e EMMA THOMPSON (Boa Sorte, Leo Grande).

ANDREA RISEBOROUGH, como disse acima, é a maior surpresa desta edição do Oscar. Já era uma atriz que merecia mais reconhecimento. Já trabalhou com Mike Leigh em Simplesmente Feliz, com Alejandro González Iñárritu em Birdman, com Jonathan Dayton e Valerie Farris em A Guerra dos Sexos, e tem se destacado em filmes de terror psicológicos como Mandy, Nancy e Possessor. Sua performance em TO LESLIE só foi reconhecida graças às campanhas de atores famosos que viram o filme e espalharam que ela merecia uma indicação. Não sei se o filme terá dinheiro para promovê-la, mas com certeza arrecadarão mais bilheteria com essa indicação.

Agora quem ganha? Há pouco tempo, eu dizia que CATE BLANCHETT era a favorita para ganhar seu 3º Oscar, e se ganhar, será merecido, sem dúvida, mas estamos num cenário de diversidade em que atores não-brancos têm chances reais. E não estou defendendo MICHELLE YEOH só porque é asiática, mas sua performance tem uma essência muito humana mesmo com tantas cenas de ação e lutas. Não seria lindo premiar uma atuação diferente como essa? Yeoh pode nunca ter sido indicada, mas já merecia indicação por O Tigre e o Dragão e Podres de Ricos, e pode nunca mais ter chances e ser indicada novamente, diferente de Cate Blanchett. Mas enfim, se tudo der certo, Yeoh leva essa estatueta.

MELHOR ATOR COADJUVANTE

  • Brendan Gleeson (Os Banshees de Inisherin)
  • Brian Tyree Henry (Passagem)
  • Judd Hirsch (Os Fabelmans)
  • Barry Keoghan (Os Banshees de Inisherin)
  • Ke Huy Quan (Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo)

BRENDAN GLEESON e BARRY KEOGHAN eram certezas assim como KE HUY QUAN, restava saber se alguém de OS FABELMANS entraria na disputa. Eu teria indicado PAUL DANO, por apresentar uma atuação discreta porém muito eficiente, mas preferiram JUDD HIRSCH, que tem apenas uma cena no filme, o que achei um exagero. BRIAN TYREE HENRY está bem em PASSAGEM e sua indicação reconhece sua atuação despojada e introvertida de um mecânico marcado por um acidente de carro. Dentre as ausências sentidas estão EDDIE REDMAYNE (O Enfermeiro da Noite), BRAD PITT (Babilônia) e BEN WISHAW (Entre Mulheres).

Das categorias de atuação, esta é a mais fácil de prever a vitória: KE HUY QUAN. Além de performance aclamada, tem feito discursos belíssimos e tem o comeback como fator determinante.

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

  • Angela Bassett (Pantera Negra: Wakanda Para Sempre)
  • Hong Chau (A Baleia)
  • Kerry Condon (Os Banshees de Inisherin)
  • Jamie Lee Curtis (Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo)
  • Stephanie Hsu (Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo)

Das categorias de atuação, Atriz Coadjuvante era a mais nebulosa de todas. Havia fortes dúvidas até de quem seria indicada, já que havia muitas candidatas fortes. Há pouco tempo, ANGELA BASSETT, KERRY CONDON e JAMIE LEE CURTIS se tornaram mais sólidas na corrida, enquanto as outras duas vagas eram uma incógnita. HONG CHAU ganhou forças com suas recentes indicações ao SAG e ao BAFTA e finalmente foi reconhecida pela Academia. E a última vaga ficou com a jovem STEPHANIE HSU, que está ótima em TUDO EM TODO LUGAR AO MESMO TEMPO como a filha Joy e a vilã Jobu Tupaki.

Por ter vencido Globo de Ouro e Critics’ Choice, ANGELA BASSETT tem boa vantagem sobre as demais indicadas e deve levar o Oscar, 29 anos depois de sua primeira indicação por Tina – A Verdadeiro História de Tina Turner.

DOLLY DE LEON (Triângulo da Tristeza), CAREY MULLIGAN (Ela Disse), JANELLE MONÀE (Glass Onion) e JESSIE BUCKLEY (Entre Mulheres) estão entre as atrizes esnobadas na categoria, sem contar MICHELLE WILLIAMS, que poderia ter concorrido aqui por Os Fabelmans.

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL

  • Martin McDonagh (Os Banshees de Inisherin)
  • Daniel Kwan, Daniel Scheinert (Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo)
  • Steven Spielberg, Tony Kushner (Os Fabelmans)
  • Todd Field (Tár)
  • Ruben Östlund (Triângulo da Tristeza)

O roteiro original de JORDAN PEELE por NÃO! NÃO OLHE! merecia muito mais a vaga do que Ruben Östlund. Apesar da sátira de TRIÂNGULO DA TRISTEZA ter bons momentos na ilha, há muitas cenas de pura obviedade, passando longe de qualquer tipo de sutileza. O filme de terror de Jordan Peele continha muitos elementos frescos e surpreendentes que nenhum outro roteiro de 2022 apresentou. Academia cagou nessa.

MARTIN MCDONAGH tem ótimas chances de levar o Oscar como uma espécie de prêmio de consolação se TUDO EM TODO LUGAR AO MESMO TEMPO levar as principais categorias, mas não duvido dos DANIELS levarem esse prêmio também.

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO

  • Edward Berger, Lesley Paterson, Ian Stokell (Nada de Novo no Front)
  • Rian Johnson (Glass Onion: Um Mistério Knives Out)
  • Kazuo Ishiguro (Living)
  • Ehren Kruger, Eric Warren Singer, Christopher McQuarrie (Top Gun: Maverick)
  • Sarah Polley (Entre Mulheres)

TOP GUN: MAVERICK ser indicado a Roteiro Adaptado comprova que a disputa estava abaixo da média. Não que o roteiro da sequência estrelada por Tom Cruise seja ruim, mas faz o arroz com feijão, contornando bem os possíveis buracos dos 36 anos de intervalo. Havia a possibilidade de A BALEIA estar aqui, por ser adaptação de uma peça de teatro, mas acabou de fora.

Por não terem indicado nenhuma mulher, SARAH POLLEY ganha certo favoritismo nesta categoria por ENTRE MULHERES. Se o trabalho de direção dela não foi tão elogiado, seu roteiro sempre esteve entre os mais comentados da temporada, e também está indicado a Melhor Filme, por isso, meu voto para vitória vai para POLLEY.

MELHOR FOTOGRAFIA

  • James Friend (Nada de Novo no Front)
  • Darius Khondji (Bardo, Falsa Crônica de Algumas Verdades)
  • Mandy Walker (Elvis)
  • Roger Deakins (Império da Luz)
  • Florian Hoffmeister (Tár)

É difícil entender a ausência de CLAUDIO MIRANDA por TOP GUN: MAVERICK, especialmente porque os indicados são escolhidos por vários diretores de fotografia, que certamente entenderam as dificuldades de se filmar essa aventura com aeronaves reais. Miranda já havia ganhado um Oscar por AS AVENTURAS DE PI, que embora considere bonita a fotografia, acho bastante artificial, mas merecia este reconhecimento.

Até o momento, ele era considerado o favorito para ganhar esse Oscar, mas agora com sua ausência, fica difícil de prever quem leva essa estatueta. ROGER DEAKINS seria uma excelente alternativa, mas seu IMPÉRIO DA LUZ foi esnobado em todas as outras categorias, o que enfraquece sua campanha. Se MANDY WALKER vencer por ELVIS, ela se tornará a primeira mulher a ganhar nesta categoria, o que seria um marco histórico fácil de apoiar, mas… por enquanto, fico com a vitória de JAMES FRIEND por NADA DE NOVO NO FRONT.

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL

  • Volker Bertelmann (Nada de Novo no Front)
  • Justin Hurwitz (Babilônia)
  • Carter Burwell (Os Banshees de Inisherin)
  • Son Lux (Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo)
  • John Williams (Os Fabelmans)

Nesta categoria, duas surpresas: VOLKER BERTELMANN por NADA DE NOVO NO FRONT e SON LUX por TUDO EM TODO LUGAR AO MESMO TEMPO, mas a briga deve ficar entre JUSTIN HURWITZ por BABILÔNIA, que venceu o Globo de Ouro, CARTER BURWELL por OS BANSHEES DE INISHERIN. Claro que JOHN WILLIAMS pode surpreender por OS FABELMANS por se tratar de um compositor extremamente prestigiado, mas sua trilha não tem o perfil para vencer. Dentre as ausências mais sentidas estão ALEXANDRE DESPLAT por PINÓQUIO, e HILDUR GUÐNADÓTTIR por ENTRE MULHERES.

Mesmo já tendo vencido por LA LA LAND, minha aposta vai para JUSTIN HURWITZ, cuja trilha musical faz uma baita diferença em BABILÔNIA.

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

  • “Applause” (Tell it Like a Woman)
  • “Hold My Hand” (Top Gun: Maverick)
  • “Lift Me Up” (Pantera Negra: Wakanda Para Sempre)
  • “Naatu Naatu” (RRR: Revolta, Rebelião, Revolução)
  • “This is a Life” (Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo)

Primeiramente, DIANE WARREN. O que dizer dessa compositora que conquistou sua 14ª indicação ao Oscar? Tudo bem que ela ainda não ganhou o Oscar competitivo, mas em 2022, já foi homenageada com o Oscar Honorário, o que tira a pressão pela primeira vitória. Quer que seu filme receba uma indicação ao Oscar? Contrate Diane Warren para escrever uma canção. Entre as ausências, a mais citada certamente é “CIAO PAPA” da animação stop motion PINÓQUIO, enquanto a grande surpresa vai para “‘THIS IS A LIFE”, que considero um pouco estranha, mas combina com TUDO EM TODO LUGAR AO MESMO TEMPO.

Após apostar tanto em “HOLD MY HAND” e perder, vou ter que apostar em “NAATU NAATU”. Não apenas essa canção impulsiona o filme indiano, mas como também é a única indicação de RRR. Aliás, se a direção da Academia souber trabalhar bem os números musicais na cerimônia, a audiência pode melhorar bastante com Lady Gaga e Rihanna.

MELHOR MONTAGEM

  • Mikkel E.G. Nielsen (Os Banshees de Inisherin)
  • Jonathan Redmond, Matt Villa (Elvis)
  • Paul Rogers (Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo)
  • Monika Willi (Tár)
  • Eddie Hamilton (Top Gun: Maverick)

Com exceção de ELVIS, considero todas as outras edições muito bem feitas e merecem indicação. Pela fluência narrativa, sem dúvida TOP GUN MAVERICK merece o prêmio, enquanto TUDO EM TODO LUGAR AO MESMO TEMPO merece por sua montagem fragmentada que consegue englobar todos os universos sem ser cansativo. Por enquanto, aposto em PAUL ROGERS, o que será um prêmio essencial para o filme de multiverso ganhar MELHOR FILME.

Substituiria facilmente a montagem de ELVIS pela frenética de RRR. Não dá pra entender.

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO

  • Nada de Novo no Front
  • Avatar: O Caminho da Água
  • Babilônia
  • Elvis
  • Os Fabelmans

Ser indicado ao Oscar por ter reproduzido a casa de infância da família de Spielberg em OS FABELMANS? Não teria sido mais justo se indicassem o design de PANTERA NEGRA: WAKANDA PARA SEMPRE? Por mais que haja uma repetição de Wakanda, existe todo um universo novo aquático de Namor. Poderiam ter indicado o restaurante a ilha de O MENU ou todo o universo de PINÓQUIO também.

AVATAR é um dos grandes candidatos a esse prêmio, principalmente por todo o universo aquático, mas o primeiro filme já levou esse prêmio lá em 2010, o que pode e deve favorecer BABILÔNIA e sua recriação da Hollywood dos anos 1920.

MELHOR FIGURINO

  • Babilônia
  • Pantera Negra: Wakanda Para Sempre
  • Elvis
  • Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo
  • Sra. Harris Vai à Paris

Embora eu não tenha gostado de A MULHER REI, achava que os figurino de Gersha Phillips mereciam ser reconhecidos aqui, até mesmo porque quando temos chance de ver figurinos da África dos séculos XVIII e XIX? Retiraria a indicação de TUDO EM TODO LUGAR AO MESMO TEMPO aqui para abrigar esses figurinos diferentes.

A briga deve ficar entre RUTH CARTER por PANTERA NEGRA e CATHERINE MARTIN por ELVIS. Tenho a impressão de que Martin não sairá de mãos abanando (também está indicada em Design de Produção), e Ruth Carter já levou o mesmo Oscar pelo primeiro PANTERA NEGRA. E agora? Por enquanto, vou de Catherine Martin.

MELHOR MAQUIAGEM E PENTEADO

  • Nada de Novo no Front
  • Batman
  • Pantera Negra: Wakanda Para Sempre
  • Elvis
  • A Baleia

É estranho ver Ana de Armas se transformando bem em Marilyn Monroe e a equipe de maquiagem não ser indicada, mas BLONDE foi odiado por muita gente, taí as 8 indicações ao Framboesa de Ouro. Melhor para BATMAN, ELVIS e A BALEIA, que disputam esse Oscar. Acredito que a maquiagem que transforma Brendan Fraser num homem bem obeso vai chamar mais a atenção e deve levar essa estatueta.

MELHOR SOM

  • Nada de Novo no Front
  • Avatar: O Caminho da Água
  • Batman
  • Elvis
  • Top Gun: Maverick

Retiraria a indicação de figurino de TUDO EM TODO LUGAR AO MESMO TEMPO para ser indicado a Som, mas tá bom, não dá pra reclamar de nenhum dos cinco indicados aqui. Poderiam ter indicado BABILÔNIA também que não seria um reconhecimento criticado.

Pra vencer, sem dúvida, o som maravilhoso de TOP GUN: MAVERICK. Impecável.

MELHORES EFEITOS VISUAIS

  • Nada de Novo no Front
  • Avatar: O Caminho da Água
  • Batman
  • Pantera Negra: Wakanda Para Sempre
  • Top Gun: Maverick

TOP GUN: MAVERICK poderia ter sido feito com um monte de efeitos de computação gráfica com aviões feitos por computadores, mas graças às exigências de Tom Cruise, tivemos aeronaves reais e isso contribuiu enormemente para o aspecto visual mais orgânico e real do filme. Os efeitos aqui são praticamente imperceptíveis e, como essa é o novo selo de qualidade da Academia nesta categoria, deveria levar o Oscar.

Ainda no campo discreto, NADA DE NOVO NO FRONT também seria uma boa opção para premiar, mas os votantes premiariam efeitos de um filme alemão? Ainda acho difícil.

MELHOR FILME INTERNACIONAL

  • Nada de Novo no Front (Alemanha)
  • Argentina, 1985 (Argentina)
  • Close (Bélgica)
  • EO (Polônia)
  • The Quiet Girl (Irlanda)

Nesta categoria está uma das maiores surpresa desta edição: a ausência de DECISÃO DE PARTIR, da Coreia do Sul. Havia inclusive, boas chances de seu diretor Park Chan-wook ser indicada à Direção, mas tudo foi por água abaixo. Os filmes EO e THE QUIET GIRL cresceram bastante na reta final e foram indicados.

Com 9 indicações, muitos vão apostar na vitória de NADA DE NOVO NO FRONT, mas a competição aqui está acirrada com ARGENTINA, 1985 e CLOSE logo atrás.

MELHOR DOCUMENTÁRIO

  • All that Breathes
  • All theBeauty and the Bloodshed
  • Fire of Love
  • A House Made of Splinters
  • Navalny

Embora bastante popular, o documentário MOONAGE DAYDREAM sobre o saudoso DAVID BOWIE estava entre os favoritos, mas nem sempre isso significa que vá ser indicado. Enquanto isso, A HOUSE MADE OF SPLINTERS conquistou sua vaga ao retratar uma instituição que serve de abrigo para crianças que aguardam decisão judicial sobre sua guarda. Uma pena que O TERRITÓRIO, que fala sobre ataques às reservas indígenas, não tenha sido indicado também.

A briga deve ficar entre ALL THAT BREATHS e ALL THE BEAUTY AND THE BLOODSHED, com ligeira vantagem para o segundo, que levou o Leão de Ouro no último Festival de Veneza. Sua diretora Laura Poitras já ganhou o Oscar por CIDADÃOQUATRO em 2015.

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Pinóquio por Guillermo del Toro
  • Marcel the Shell With Shoes On
  • Gato de Botas: O Último Pedido
  • A Fera do Mar
  • Red: Crescer é uma Fera

Dos cinco indicados, apenas uma vaga estava incerta. A maioria apontava para WENDELL & WILD por ser de Henry Sellick, contar com Jordan Peele, e ainda ser da Netflix, mas a Netflix acabou sendo reconhecida por A FERA DO MAR.

Até agora PINÓQUIO POR GUILLERMO DEL TORO era o grande favorito, e ainda continua, mas como não foi reconhecido nas outras categorias de Trilha Musical, Canção Original, Design de Produção e Efeitos Visuais, seu favoritismo abaixou um pouco, e nisso GATO DE BOTAS 2: O ÚLTIMO PEDIDO tem crescido no gosto popular.

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO

  • The Boy, the Mole, the Fox, and the Horse
  • The Flying Sailor
  • Ice Merchants
  • My Year of Dicks
  • An Ostrich Told Me the World is Fake and I Think O Believe It

Não vi nenhum ainda, mas chama a atenção o nome dos curtas de animação que, inclusive, fizeram Riz Ahmed e Allison Williams rirem no anúncio. Sem nenhum curta da Disney ou Pixar no páreo, as chances devem ser mais igualitárias, mas The Boy, the Mole, the Fox, and the Horse sai com uma ligeira vantagem por contar com a grana da Apple.

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA

  • Como Cuidar de um Bebê Elefante
  • Haulout
  • How Do You Measure a Year
  • The Matha Mitchell Effect
  • Stranger at the Gate

Nos últimos anos, a Netflix tem dominado as categorias de curta, portanto, nada mais natural considerar COMO CUIDAR UM BEBÊ ELEFANTE como o favorito da categoria. Além disso, a Academia tem adorado premiar filmes sobre natureza como o recente O PROFESSOR POLVO.

MELHOR CURTA-METRAGEM

  • An Irish Goodbye
  • Ivalu
  • Le Pupille
  • Night Ride
  • The Red Suitcase

Uma pena que o curta brasileiro SIDERAL não terminou entre os indicados, mas não deve ter sido fácil competir com diretores renomados Alfonso Cuarón e Alice Roahwacher, cujo LE PUPILLE deve levar o Oscar.

‘OS BANSHEES DE INISHERIN’ e ‘OS FABELMANS’ VENCEM o GLOBO DE OURO de MELHOR FILME

‘TUDO EM TODO LUGAR AO MESMO TEMPO’ TEVE QUE SE CONTENTAR COM OS PRÊMIOS DE ATRIZ E ATOR COADJUVANTE

A 80ª cerimônia não foi transmitida no Brasil, então, muitos cinéfilos, como eu, tiveram que apelar por um link de transmissão da rede americana NBC para poder acompanhar esta volta do Globo de Ouro. É ridículo e irreal que, em pleno 2023, premiações de cinema e TV ainda sejam exclusividade da TV quando temos a plataforma do YouTube e streaming disponíveis. Basta exibir os patrocinadores durante a transmissão e todo mundo sai feliz, não?

A noite já começou bem com a vitória de KE HUY QUAN por TUDO EM TODO LUGAR AO MESMO TEMPO. Novamente, ele fez um discurso que ressalta sua longa espera por uma segunda oportunidade na carreira de forma bastante humilde, e aproveita para agradecer a Steven Spielberg que estava na plateia por ter lhe descoberto em Indiana Jones e o Templo da Perdição em 1984. Desde sua vitória no Gotham Awards, Quan vem aumentando seu favoritismo rumo ao Oscar de Ator Coadjuvante não somente por sua performance, mas por seus discursos emotivos.

Num discurso semelhante igualmente forte, reforçando sempre o trabalho duro e a gratidão, MICHELLE YEOH também gastou bem seu tempo para citar seus diretores e seus colegas de set de filmagem. Por se tratar da categoria de Atriz – Comédia ou Musical, praticamente não havia concorrência, então essa vitória era já dada como certa, mas e nos próximos prêmios: Critics’ Choice e SAG? Terá sua campanha força o suficiente para derrotar a franco-favorita CATE BLANCHETT? Aliás, a atriz australiana, assim como muitos, não estava presente na cerimônia para receber seu prêmio de Atriz – Drama por sua atuação inspirada em TÁR.

Enquanto muitos estavam na dúvida se o prêmio de Atriz Coadjuvante iria para Jamie Lee Curtis ou Kerry Condon, ANGELA BASSETT subiu ao palco por sua performance em PANTERA NEGRA: WAKANDA PARA SEMPRE. Mesmo que Bassett vença o Critics’ Choice no próximo domingo, a categoria só terá uma favorita quando o SAG Awards acontecer. Outra categoria igualmente sem favoritos é de Ator, aqui vencido por AUSTIN BUTLER por ELVIS, e COLIN FARRELL por OS BANSHEES DE INISHERIN. Ambos devem figurar entre os indicados ao Oscar ao lado de Brendan Fraser por A Baleia.

Talvez a maior surpresa da noite tenha sido a vitória de ARGENTINA, 1985 como Melhor Filme em Língua Não-Inglesa. Embora o filme de Santiago Mitre seja bom e contasse com a campanha massiva da Amazon Studios, havia a expectativa de que o indiano RRR ganhasse, mas acabou levando como Melhor Canção por “Naatu Naatu”.

COMO FICA A TEMPORADA?

É difícil dizer que esses resultados vão influenciar diretamente os próximos prêmios até chegar ao Oscar. O Globo de Ouro já não vinha sendo aquele parâmetro para a Academia, e isso só piorou com as polêmicas e a suspensão. Mas certamente foi uma salvação para o filme de Spielberg, OS FABELMANS, já que havia ficado de fora de categorias principais do BAFTA recentemente. OS BANSHEES DE INISHERIN conseguiu superar TUDO EM TODO LUGAR AO MESMO TEMPO na categoria de Filme – Comédia ou Musical, mas acredito que será a revanche do filme dos Daniels no Critics’ Choice Awards.

Nas categorias de atuação, MICHELLE YEOH e CATE BLANCHETT vão lutar até o fim, assim como COLIN FARRELL, BRENDAN FRASER e AUSTIN BUTLER. Em Atriz Coadjuvante, outra briga que promete: JAMIE LEE CURTIS, KERRY CONDON e a vencedora de hoje ANGELA BASSETT. Se os vencedores de Critics’ Choice e SAG divergirem, melhor ainda para a emoção da temporada. A única certeza por enquanto é de KE HUY QUAN, que tem vencido todos os prêmios mais importantes e deve vencer todos os próximos.

Entre Michelle Yeoh e Cate Blanchett, considero a performance da última melhor, mas se fosse pensar como um votante, refletiria que esta pode ser a única chance da vida de Yeoh para ganhar um Oscar. E não estou falando por piedade ou defendendo apenas a diversidade, porque a atuação dela é digna desse reconhecimento. Blanchett pode ganhar mais dois, três Oscars porque sempre haverá excelentes papéis para ela, o que não deve acontecer com a atriz asiática. Já na ala masculina, sinto que a narrativa pessoal de Brendan Fraser fala mais alto do que as performances de seus competidores: Austin Butler e Colin Farrell. Assim que Fraser ganhar o Critics’ Choice e/ou o SAG, e entregar um discurso redentor, ele se tornará o franco-favorito. Esqueçam essa derrota no Globo de Ouro, porque a polêmica lhe atrapalhou, mas em breve ele vai triunfar.

ARGENTINA, 1985 pode não ser um dos melhores filmes do país como O Segredo dos seus Olhos ou O Pântano, mas que alegria um filme sobre política e julgamento da ditadura ser reconhecido mundialmente, né? Uma pena que não deram um tempinho a mais para o ator Ricardo Darín discursar no palco ao lado do diretor Santiago Mitre. Sobre a campanha do filme, feita pela Amazon Studios, espero que eles parem de gastar dinheiro com Treze Vidas e invista mais no filme argentino, pois a competição continua acirradíssima com EO, Decisão de Partir, Close e Nada de Novo no Front. O filme indiano RRR já não compete, pois não foi selecionado pela comissão do país.

Guillermo del Toro e seu PINÓQUIO, e Justin Hurwitz e sua trilha de BABILÔNIA se consolidam como favoritos de suas categorias de Longa de Animação e Trilha Original, respectivamente. Claro que a Disney vai intensificar a campanha de Red: Crescer é uma Fera e John Williams é sempre um perigo, mas são dois trabalhos que agradaram o público e a crítica. O que conta contra Hurwitz é que ele ganhou dois Oscars há apenas 5 anos com La La Land, mas não acredito que isso vá ser um empecilho.

Sobre a premiação de Roteiro, é importante ressaltar que o Globo de Ouro tem apenas uma categoria que engloba roteiros originais e adaptados, o que torna a disputa ainda mais competitiva. O problema é que o maior competidor de OS BANSHEES DE INISHERIN também é um roteiro original: TUDO EM TODO LUGAR AO MESMO TEMPO, o que cria um peso enorme para qual filme vencer este Oscar, podendo definir o vencedor de Melhor Filme. Já pelo lado de Roteiro Adaptado, a competição está morta por justamente não haver um candidato mais forte. Apesar do declínio do filme na temporada, Sarah Polley continua tendo as melhores chances nesta categoria por ENTRE MULHERES, seguido de perto por Rian Johnson (GLASS ONION) e Rebecca Lenkiewicz (ELA DISSE).

VENCEDORES DO 80º GLOBO DE OURO:

CINEMA

MELHOR FILME – DRAMA
Os Fabelmans (The Fabelmans)

MELHOR ATRIZ – DRAMA
Cate Blanchett (TÁR)

MELHOR ATOR – DRAMA
Austin Butler (Elvis)

MELHOR FILME – COMÉDIA OU MUSICAL
Os Banshees de Inisherin (The Banshees of Inisherin)

MELHOR ATRIZ – COMÉDIA OU MUSICAL
Michelle Yeoh (Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo)

MELHOR ATOR – COMÉDIA OU MUSICAL
Colin Farrell (Os Banshees de Inisherin)

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO
Pinóquio

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
Argentina, 1985 – Argentina

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Angela Bassett (Pantera Negra: Wakanda Para Sempre)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Ke Huy Quan (Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo)

MELHOR DIREÇÃO
Steven Spielberg (Os Fabelmans)

MELHOR ROTEIRO
Martin McDonagh (Os Banshees de Inisherin)

MELHOR TRILHA MUSICAL
Justin Hurwitz (Babilônia)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Naatu Naatu” (RRR: Revolta, Rebelião, Revolução)


TELEVISÃO/STREAMING

MELHOR SÉRIE – DRAMA
House of Dragon (HBO)

MELHOR ATRIZ DE SÉRIE – DRAMA
Zendaya (Euphoria)

MELHOR ATOR DE SÉRIE – DRAMA
Kevin Costner (Yellowstone)

MELHOR SÉRIE – COMÉDIA OU MUSICAL
Abbott Elementary (ABC)

MELHOR ATRIZ DE SÉRIE – COMÉDIA OU MUSICAL
Quinta Brunson (Abbott Elementary)

MELHOR ATOR DE SÉRIE – COMÉDIA OU MUSICAL
Jeremy Allen White (The Bear)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE – SÉRIE DE TV
Julia Garner (Ozark)

MELHOR ATOR COADJUVANTE – SÉRIE DE TV
Tyler James Williams (Abbott Elementary)

MELHOR MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
The White Lotus (HBO Max)

MELHOR ATRIZ DE MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Amanda Seyfried (The Dropout)

MELHOR ATOR DE MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Evan Peters (Dahmer – Monster: The Jeffrey Dahmer Story)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE DE SÉRIE, MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Jennifer Coolidge (The White Lotus)

MELHOR ATOR COADJUVANTE DE SÉRIE, MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Paul Walter Hauser (Black Bird)

%d blogueiros gostam disto: