‘PODERIA ME PERDOAR?’ e ‘OITAVA SÉRIE’ VENCEM no WGA

2019 Writers Guild Awards L.A. Ceremony - Inside

O jovem diretor e roteirista Bo Burnham vence o WGA de Roteiro Original por Oitava Série (pic by Metrópoles)

ÚLTIMO GRANDE PRÊMIO DE SINDICATOS ANTES DO OSCAR REVELA POSSÍVEL DIVERGÊNCIA

Nesse último domingo, o Sindicato de Roteiristas (Writers Guild of America) divulgou seus vencedores, e revelou uma divergência certa e outra possível com o Oscar.

Pela categoria de Roteiro Original, o vencedor foi Bo Burnham, roteirista e diretor estreante do ainda inédito no Brasil Oitava Série (Eighth Grade), que apesar de ter levado o DGA de Diretor Estreante, sequer foi indicado ao Oscar de Roteiro Original.

“Para os outros indicados da categoria, divirtam-se no Oscar, perdedores!”, abriu Burnham seu discurso de agradecimento. “Não, eu não preparei nada. Isto pertence à Elsie Fisher que interpretou o roteiro. Ninguém ligaria para o roteiro se ela não tivesse feito o filme”, continuou.

O filme sobre a última semana da oitava série bateu os indicados ao Oscar: Roma (Alfonso Cuarón), Vice (Adam McKay) e Green Book: O Guia (Nick Vallelonga, Brian Currie e Peter Farrelly), e o esnobado Um Lugar Silencioso (Bryan Woods, Scott Bleck e John Krasinski). No lugar de Oitava  Série e Um Lugar Silencioso no Oscar, estão Paul Schrader (No Coração da Escuridão) e a dupla Deborah Davis e Tony McNamara (A Favorita).

Apesar das regras rígidas do WGA, Oitava Série é o primeiro roteiro a ganhar o WGA sem sequer ter recebido uma indicação ao Oscar desde Michael Moore em 2003 por Tiros em Columbine.

Já pela categoria de Roteiro Adaptado, deu Poderia Me Perdoar? sobre o então favorito Infiltrado na Klan. Embora o filme tenha se sobressaído na temporada graças aos seus atores Melissa McCarthy e Richard E. Grant, a força do roteiro foi primordial para transmitir as dores artísticas da escritora Lee Israel, falecida em 2014. Para quem trabalha com qualquer forma de Arte, especialmente aqui no Brasil, será fácil se identificar com a trajetória da protagonista.

2019 Writers Guild Awards, Show, The Beverly Hilton, Los Angeles, USA - 17 Feb 2019

Nicole Holofcener e Jeff Whitty vencem o WGA de Roteiro Adaptado por Poderia Me Perdoar? (pic by IndieWire)

“Quero agradecer a Lee,” disse Holofcener. “Ela provavelmente estaria sentada em sua sala julgando todos nós. Ela pensava que era a pessoa mais esperta e provavelmente era.”

As estatísticas do WGA em relação ao Oscar não são das melhores (seis vencedores levaram o Oscar dos últimos dez), mas no ano passado, os dois vencedores aqui se consagraram também no prêmio da Academia. Jordan Peele levou o Oscar de Roteiro Original por Corra!, e James Ivory levou Roteiro Adaptado por Me Chame Pelo Seu Nome. Já este ano, com a não-indicação para Oitava Série, não será possível um novo feito duplo.

VENCEDORES DO 71º WGA AWARDS:

ROTEIRO ORIGINAL
Bo Burnham (Oitava Série)

ROTEIRO ADAPTADO
Nicole Holofcener e Jeff Whitty, Based no livro de Lee Israel (Poderia Me Perdoar?)

ROTEIRO DE DOCUMENTÁRIO
Ozzy Inguanzo e Dava Whisenant (Bathtubs Over Broadway)

***

Cold-War-Lukasz-Zal-zimna_wojna_werki1578

Lukasz Zal em set de filmagem de Guerra Fria. Ele não pôde comparecer ao evento. (pic by Indiewire)

GUERRA FRIA TIRA O ASC DAS MÃOS DE ALFONSO CUARÓN

Aproveitando a deixa do WGA, esqueci de postar o vencedor do ASC (American Society of Cinematographers Awards), prêmio do sindicato de diretores de fotografia que, aliás, sofreram um baque e tanto com o anúncio de que a categoria não seria apresentada ao vivo na transmissão do Oscar, levando vários membros a criticar a Academia até ela voltar atrás em sua decisão.

O diretor de fotografia polonês Łukasz Żal foi o grande vencedor por Guerra Fria. Sua belíssima fotografia em preto-e-branco já havia cativado os colegas de profissão por Ida (2013), já que venceu o Spotlight Award daquela edição de 2014, e recebeu uma indicação ao Oscar. Apesar da qualidade inegável de seu trabalho, essa vitória não deixa de ser surpreendente, já que Alfonso Cuarón estava ganhando todos os prêmios de fotografia da temporada por Roma. Será que ele consegue tirar uma das estatuetas de Cuarón no Oscar?

Já o Spotlight Award deste ano foi para Giorgi Shvelidze pelo singelo filme Namme, da Georgia.

Nos últimos cinco anos, houve apenas uma divergência entre ASC e Oscar, em 2017. Enquanto o sindicato premiou Greg Frasier por Lion: Uma Jornada Para Casa, a Academia preferiu Linus Sandgren por La La Land.

VENCEDORES DO ASC AWARDS:

MELHOR FOTOGRAFIA
Alfonso Cuarón (Roma)
Matthew Libatique (Nasce uma Estrela)
Robbie Ryan (A Favorita)
Linus Sandgren (O Primeiro Homem)
Łukasz Żal (Guerra Fria)

SPOTLIGHT AWARD
Joshua James Richards (Domando o Destino)
Giorgi Shvelidze (Namme)
Frank van den Eeden (Girl)

***

A 91ª cerimônia está marcada para o próximo domingo, dia 24.

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios

‘NASCE UMA ESTRELA’ é o DESTAQUE do DGA, WGA, ASC e EDDIE AWARDS

a quiet place 025

Indicado ao WGA: cena de Um Lugar Silencioso com John Krasinski (pic by outnow.ch)

Mal o ano começou, já tivemos as surpresas do Globo de Ouro, e agora temos o anúncios de três prêmios de sindicatos relevantes para a temporada e para a corrida do Oscar.

Vamos começar pelo mais chato e rígido de todos, o Writers Guild of America (WGA), do sindicato dos roteiristas. Pra quem está embarcando agora, o WGA é o mais complicado porque ele exige uma série de cumprimento de regras como filiação ao sindicato, e não reconhece roteiros de animações (com isso, quem sai perdendo é o próprio sindicato).

Os roteiros ausentes na lista do WGA não perdem muito, mas se forem lembrados, suas campanhas encorpam para o Oscar. Ano passado, os vencedores Corra! e Me Chame Pelo Seu Nome repetiram suas vitórias no Oscar. Apesar de serem rígidos, na última década, 2/3 dos indicados do WGA foram indicados ao Oscar também.

Este ano, entre as ausências mais notáveis que foram desqualificadas pelas toneladas de regras estão: A Favorita, Não Deixe Rastros, Domando o Destino, A Morte de Stalin, Hereditário e Sorry to Bother You, além dos estrangeiros Guerra Fria e Capernaum, e as animações Os Incríveis 2 e Ilha dos Cachorros. Já os esnobados foram Paul Schrader (No Coração da Escuridão) e Josh Singer (O Primeiro Homem).

Entre os indicados, destaque para os sucessos comerciais de Um Lugar Silencioso, Nasce uma Estrela e Pantera Negra, que pode repetir o feito de Logan (2017), que foi indicado no WGA e Oscar, tornando-se o primeiro roteiro indicado ao Oscar baseado em quadrinhos de super-heróis.

black panther 056

Indicado ao WGA: Cena de Pantera Negra (pic by outnow.ch)

Pela categoria de Documentário, o curioso foi a total ausência de trabalhos reconhecidos em premiações anteriores como Won’t You Be My Neighbor, Free Solo e RBG, mas dá notoriedade para outros como o de Michael Moore, Fahrenheit 11/09.

ROTEIRO ORIGINAL
* Bo Burnham (Oitava Série)
* Nick Vallelonga, Brian Currie e Peter Farrelly (Green Book: O Guia)
* Bryan Woods, Scott Beck e John Krasinski, história de Bryan Woods e Scott Beck (Um Lugar Silencioso)
* Alfonso Cuarón (Roma)
* Adam McKay (Vice)

ROTEIRO ADAPTADO
Charlie Wachtel, David Rabinowitz, Kevin Willmott e Spike Lee – Baseado no livro de Ron Stallworth (Infiltrado na Klan)
* Ryan Coogler, Joe Robert Cole – Baseado nos quadrinhos da Marvel Comics de Stan Lee e Jack Kirby (Pantera Negra)
* Nicole Holofcener e Jeff Whitty – Baseado no livro de Lee Israel (Poderia Me Perdoar?)
* Barry Jenkins – Baseado no romance de James Baldwin (Se a Rua Beale Falasse)
* Eric Roth, Bradley Cooper e Will Fetters – Baseado no roteiro de 1954 de Moss Hart, no roteiro de 1976 de John Gregory Dunne, Joan Didion e Frank Pierson, baseado na história William Wellman e Robert Carson (Nasce uma Estrela)

ROTEIRO DE DOCUMENTÁRIO
Ozzy Inguanzo & Dava Whisenant (Bathtubs Over Broadway)
* Michael Moore (Fahrenheit 11/9)
* Lauren Greenfield (Generation Wealth)
* Gabe Polsky (In Search of Greatness)

***

O anúncio dos vencedores do WGA ocorre no dia 17 de fevereiro.

roma dp_

Cena dentro do cinema em Roma, de Alfonso Cuarón (pic by IMDb)

A Associação Americana de Diretores de Fotografia (ASC) também divulgou suas seleções de trabalhos. A lista demonstra diversidade técnica que vai da película de 65 mm de Roma, passando pela exploração das luzes de velas em A Favorita, até o multi-formato de O Primeiro Homem.

Felizmente, é daqueles ano em que podemos dizer “Qualquer um que ganhar merece”. Até o momento, o trabalho mais premiado foi de Alfonso Cuarón por Roma, aliás, ele se tornou o primeiro DP (director of photography) a ser indicado na categoria principal fotografando o próprio filme que dirigiu. Em 2016, Cary Joji Fukunaga conseguiu o mesmo feito por Beasts of No Nation, mas pela categoria  Spotlight Award.

Pelas estatísticas, 80% dos trabalhos nas listas do ASC vão parar na categoria de Fotografia do Oscar. Normalmente, quatro estão em ambas as listas, e um é substituído. À princípio, nessa dança das cadeiras, Matthew Libatique por Nasce uma Estrela pode perder seu lugar para um dos ausentes mais comentados: Rachel Morrison (que se tornou a primeira DP mulher indicada ao ASC e ao Oscar por Mudbound) por Pantera Negra, ou James Laxton por Se a Rua Beale Falasse.

MELHOR FOTOGRAFIA
* Alfonso Cuarón (Roma)
* Matthew Libatique (Nasce uma Estrela)
* Robbie Ryan (A Favorita)
* Linus Sandgren (O Primeiro Homem)
* Łukasz Żal (Guerra Fria)

PRÊMIO SPOTLIGHT
* Joshua James Richards (Domando o Destino)
* Giorgi Shvelidze (Namme)
* Frank van den Eeden (Girl)

THE RIDER

Joshua James Richards conseguiu explorar o melhor no singelo Domando o Destino (pic by IMDb)

Pela categoria do prêmio Spotlight para filmes menos conhecidos, Joshua James Richards merece o destaque por explorar a beleza natural do cenário, identificando sua luz no protagonista e seu paixão pelo cavalo em Domando o Destino, que faturou o prêmio de Melhor Filme no último Gotham Award.

***

A cerimônia do 33º ASC Awards está marcado para o dia 09 de fevereiro.

blackkkansman8

John David Washington e Laura Harrier em cena de Infiltrado na Klan (pic by outnow.ch)

Com cerca de 1.000 membros, o sindicato de Montadores também anunciou seus indicados na última segunda. Aqui a porcentagem de acerto é um pouco melhor do que a de Fotografia com 88% considerando os últimos 25 anos.

Aqui, como no Globo de Ouro, o Eddie é dividido em duas categorias: Drama e Comédia, além das de Animação e Documentário, o que dificulta no esquecimento de alguns trabalhos mais fortes. No ano passado, Dunkirk levou Montagem – Drama e acabou ficando com o Oscar também. Normalmente, os filmes de ação e guerra têm boa vantagem em relação aos demais gêneros. E o prêmio costuma revelar o Melhor Filme. Dificilmente o filme que levar Melhor Filme não vai estar indicado ao Oscar de Montagem.

Achei curiosa a indicação de Infiltrado na Klan como Drama. Apesar do tema sério do racismo, fica nítido que Spike Lee dirigiu uma comédia. O resultado pode ser catastrófico como no Globo de Ouro, de onde saiu de mãos abanando.

MELHOR MONTAGEM (DRAMA)
* Barry Alexander Brown (Infiltrado na Klan)
* John Ottman (Bohemian Rhapsody)
* Tom Cross (O Primeiro Homem)
* Alfonso Cuarón & Adam Gough (Roma)
* Jay Cassidy (Nasce uma Estrela)

MELHOR MONTAGEM (COMÉDIA)
* Myron Kerstein (Podres de Ricos)
* Craig Alpert, Elísabet Ronaldsdóttir, Dirk Westervelt (Deadpool 2)
* Yorgos Mavropsaridis (A Favorita)
* Patrick J. Don Vito (Green Book: O Guia)
* Hank Corwin (Vice)

MELHOR MONTAGEM DE ANIMAÇÃO
* Stephen Schaffer (Os Incríveis 2)
* Andrew Weisblum, Ralph Foster, Edward Bursch (Ilha dos Cachorros)
* Robert Fisher, Jr. (Homem-Aranha no Aranhaverso)

MELHOR MONTAGEM DE DOCUMENTÁRIO
* Bob Eisenhardt (Free Solo)
* Carla Gutierrez (RBG)
* Michael Harte (Três Estranhos Idênticos)
* Jeff Malmberg, Aaron Wickenden (Won’t You Be My Neighbor?)

MELHOR MONTAGEM DE DOCUMENTÁRIO (FEITO PARA TV)
* Martin Singer (A Final Cut for Orson: 40 Years in the Making)
* Greg Finton, Poppy Das (Robin Williams: Come Inside My Mind)
* Neil Meiklejohn (Wild Wild Country, Part 3)
* Joe Beshenkovsky (The Zen Diaries of Garry Shandling)

***

A cerimônia do 69º Eddie Awards acontecerá no dia 1º de fevereiro.

'A Star Is Born' Film - 2018

Bradley Cooper explica cena para diretor de fotografia Matthew Libatique para Nasce uma Estrela (pic by Variety)

Entre todos os prêmios de sindicato, o Directors Guild of America (DGA) é o mais importante pelo seu histórico de ter apenas sete divergências entre ele e o Oscar, sendo a última em 2013, naquele episódio fatídico do Ben Affleck ficar de fora da categoria por Argo. As estatísticas, como citei, são as maiores: 90% de acerto em relação ao Oscar, ou seja, quem ganhar aqui, está com uma das mãos na estatueta dourada.

MELHOR DIREÇÃO

  • Bradley Cooper (Nasce uma Estrela)
  • Alfonso Cuarón (Roma)
  • Peter Farrelly (Green Book: O Guia)
  • Spike Lee (Infiltrado na Klan)
  • Adam McKay (Vice)

Apesar da vasta filmografia, Spike Lee é apenas o quinto diretor negro indicado ao DGA. O primeiro foi Lee Daniels (Preciosa) em 2010, Steve McQueen (12 Anos de Escravidão) em 2014, Barry Jenkins (Moonlight) em 2017 e Jordan Peele (Corra!) ano passado. Na verdade, esse é um dado estatístico que não costumo dar muita importância, porque parece que estou pedindo mais diretores negros indicados APENAS pela cor da pele. Gostaria de ver diretores negros mais reconhecidos apenas por seus trabalhos, assim como queria que Spike Lee tivesse sido indicado lá atrás em 1990 por Faça a Coisa Certa.

Ainda na temática politicamente correta, houve bons trabalhos de diretoras mulheres em 2018 como Poderia Me Perdoar?, da Marielle Heller, e Mais uma Chance, da Tamara Jenkins, mas particularmente, se fosse defender campanha feminina seria apenas da Chloé Zhao no independente Domando o Destino.

Voltando à lista do DGA, a inclusão de Peter Farrelly foi uma surpresa. Apesar da recente vitória de seu Green Book no Globo de Ouro ter ajudado bastante, o diretor nunca gozou de uma boa reputação como diretor em Hollywood, porque suas comédias escrachadas e politicamente incorretas sempre sofreram preconceito. Por isso, se alguém da lista não conseguir espaço no Oscar, acredito que será ele.

Por outro lado, se alguém conseguir surpreender, temos alguns nomes na fila de espera como o de Barry Jenkins (Se a Rua Beale Falasse), Damien Chazelle (O Primeiro Homem), Yorgos Lanthimos (A Favorita) e até Ryan Coogler (Pantera Negra).

MELHOR DIRETOR ESTREANTE

  • Bo Burnham (Oitava Série)
  • Bradley Cooper (Nasce uma Estrela)
  • Carlos Lopez Estrada (Ponto Cego)
  • Matthew Heineman (A Private War)
  • Boots Riley (Sorry to Bother You)

Na categoria de estreantes, Bradley Cooper aparece novamente e é o que mais tem chances de vitória, a menos que ganhe Direção e o prêmio de estreante vá para outro. Se for para Bo Burnham, seria um prêmio bem justo, pois ele trouxe muita energia e vibração desta nova geração de adolescentes em Oitava Série.

eighth-grade-bo-burnham

Bo Burnham dirige Elsie Fisher em cena de Oitava Série (pic by Vanity Fair)

Não vi os demais diretores indicados aqui, mas sem querer menosprezar esses trabalhos, ressalto aqui a estréia corajosa de Ari Aster em Hereditário, que mostrou muita personalidade na criação de atmosfera de terror psicológico, e Aneesh Chaganti por Buscando…, que teve ótimas sacadas para seu filme se apoiar exclusivamente de telas de celular, computador e TV.

Sobre Matthew Heineman, um fato curioso: ele foi indicado como estreante, mas já ganhou dois prêmios do DGA por Cartel Land e City Ghosts, mas como se tratam de documentários, eles consideram estréia na ficção.

***

A 71ª cerimônia de premiação do DGA está agendada para o dia 02 de fevereiro. 

ROGER DEAKINS CONQUISTA SEU 4º ASC e VAI RUMO AO 1º OSCAR

Blade Runner 2049 Roger Deakins.jpg

Cena de Blade Runner 2049 fotografado por Roger Deakins (pic by imdb.com)

UM DOS MAIORES DIRETORES DE FOTOGRAFIA VENCE POR BLADE RUNNER 2049

Vocês se lembram do ator Peter O’Toole? Aquele que ficou conhecido por ter sido indicado ao Oscar várias vezes (mais precisamente oito) e nunca ganhou? Até o ano de sua morte em 2013, continuou sem ganhar, mas foi homenageado com o Oscar Honorário em 2003. Claro que existem outros casos de várias indicações sem vitória como o ator Richard Burton (sete), o compositor Thomas Newman (quatorze) e o diretor de fotografia Roger Deakins, que este ano foi indicado pela décima quarta vez, por Blade Runner 2049.

Às vezes, a espera é longa mesmo, mas houve casos em que havia luz no fim do túnel como o compositor Randy Newman, que ganhou o Oscar por Monstros S.A. em 2002 já em sua 16ª indicação, e talvez o mais icônico caso: o técnico de som Kevin O’Connell, que ganhou finalmente após 21 indicações na última cerimônia por Até o Último Homem, quando deu um dos discursos mais emocionantes da noite.

Este ano, em que o Oscar completa 90 anos de história, pode ser finalmente o ano de Roger Deakins. Como cinéfilo e fã ardoroso de seu trabalho, fico na maior expectativa de seu discurso ao ganhar o Oscar. Em inúmeras entrevistas, ele sempre diz que não liga e que está feliz por fazer seu trabalho, mas todos sabem que ele merece ganhar por méritos, e não por piedade, cotas ou simplesmente por acumular indicações.

Até mesmo você, que não liga muito para o lado técnico nos filmes, se lembrar agora quais filmes Roger Deakins foi responsável pela fotografia, há de concordar com seu talento e qualidade visual. Aqui mesmo, pelo ASC, sindicato de diretores de fotografia, ele foi reconhecido três vezes: em 1995 por Um Sonho de Liberdade (que tem movimentos de câmera inesquecíveis), em 2002 por O Homem que Não Estava Lá (uma das fotografias preto-e-branco mais marcantes das últimas décadas) e em 2013 por 007 – Operação Skyfall (definitivamente o mais belo filme de James Bond, especialmente na parte da iluminação noturna).

Skyfall

Talvez a cena mais linda visualmente em 007 – Operação Skyfall. Belo trabalho de Roger Deakins.

No último fim de semana, na cerimônia do 32º ASC (American Society of Cinematographers), Roger Deakins subiu novamente ao palco para levar seu quarto prêmio. A fotografia de Blade Runner 2049 certamente foi um desafio enorme para Deakins, pois se trata de uma continuação do clássico cult de 1982, tendo a obrigação de respeitar a identidade visual criada pelo diretor de fotografia Jordan Cronenweth (morto em 1996), e claro, de criar sua própria fotografia futurista.

Coincidentemente, ele bateu os mesmos quatro concorrentes do Oscar deste ano: Bruno Delbonell (O Destino de uma Nação), Dan Laustsen (A Forma da Água), Hoyte van Hoytema (Dunkirk) e Rachel Morrison (Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississipi) e sim, a primeira mulher indicada. Como não há qualquer disparidade entre os prêmios, as chances de dar zebra são bem baixas.

Aos 68 anos de idade, o fotógrafo que já conquistou a confiança de inúmeros diretores consagrados como Sam Mendes, os irmãos Coen, Stephen Daldry e Martin Scorsese, agora firmou parceria de sucesso criativo com o canadense Denis Villeneuve com quem trabalhou em Os Suspeitos (2013), Sicario: Terra de Ninguém (2015) e agora nesta sequência de Blade Runner: O Caçador de Andróides.

denis-villeneuve-roger-deakins-prisoners-600x400.jpg

No set de Os Suspeitos, o diretor Denis Villeneuve orienta Roger Deakins (pic by Collider)

Claro que Roger Deakins não precisa do Oscar. Seu legado está nos filmes que ajuda a filmar. Mas queremos ver um grande profissional como ele sendo reconhecido na maior premiação de cinema com direito a mais de 30 segundos de discurso e aplausos de pé.

SPOTLIGHT AWARD E OUTROS

Inaugurado em 2014, o prêmio Spotlight é concedido para fotografias de filmes menos conhecidos que dificilmente teriam chances nas premiações maiores. A edição deste ano premiou Mart Taniel pela primorosa fotografia PB de November, filme de fantasia da Estônia. Espero que esse reconhecimento lhe traga maiores oportunidades na indústria.

November Mark Taniel

Cena do filme November, fotografado por Mart Taniel (pic by imdb.com)

E o ASC selecionou os diretores de fotografia Russell Carpenter e Russell Boyd para receberem o Prêmio pelo Conjunto da Obra e o Prêmio Internacional, respectivamente. Ambos já venceram o Oscar uma vez cada: Carpenter por Titanic em 1998, e Boyd por Mestre dos Mares: O Lado Mais Distante do Mundo em 2004.

 

VENCEDORES DO 32º ASC AWARDS:

Fotografia de Cinema
Roger Deakins ASC (Blade Runner 2049)

Spotlight Award
Mart Taniel (November)

Fotografia de Filme para TV, Minissérie ou Piloto
Mathias Herndl (Genius) Ep: “Chapter 1”

Fotografia de Episódio de Séries Para TV Não-Comercial
Adriano Goldman (The Crown) Ep: “Smoke and Mirrors”

Fotografia de Episódio de Séries Para TV Comercial
Boris Mojsovski (12 Monkeys) Ep: “Thief”

Lifetime Achievement Award
Russell Carpenter

Board of Governors Award
Angelina Jolie

Career Achievement in Television Award
Alan Caso

International Award
Russell Boyd

Presidents Award
Stephen Lighthill

***

O Oscar 2018 acontece no próximo dia 04 de março e será transmitido pela TNT.

 

SINDICATO DE FOTÓGRAFOS (ASC) INDICA RACHEL MORRISON (‘MUDBOUND’), PRIMEIRA MULHER NA HISTÓRIA

Blade Runner 2049_.jpg

Fotografia de Roger Deakins em Blade Runner 2049 (pic by imdb.com)

BLADE RUNNER 2049 É O FRANCO-FAVORITO

A American Society of Cinematographers (ASC), sindicato dos diretores de fotografia, revelou seus indicados para cinema e televisão na última terça, dia 09.

Como esperado, o vencedor de três prêmios, Roger Deakins, recebeu sua 15ª indicação pelo belíssimo trabalho em Blade Runner 2049. Ele venceu em três oportunidades: em 1995 por Um Sonho de Liberdade, 2002 por O Homem que Não Estava Lá, e 2013 por 007 – Operação Skyfall. Se sua quarta vitória se confirmar, ele tem a grande chance de ganhar seu primeiro Oscar após 13 indicações.

Darkest Hour

Fotografia de Bruno Delbonnel em O Destino de uma Nação (pic by imdb.com)

Pois é, um absurdo que finalmente deve ser eliminado da história da Academia. E com sua provável premiação, o Oscar também vai reconhecer por tabela a fotografia marcante de luzes de neon de Jordan Cronenweth do primeiro Blade Runner: O Caçador de Andróides (1982), que sequer foi indicado na época. Pra mim, Deakins já deveria ter vencido umas duas ou três vezes.

Mudbound.jpg

Fotografia de Rachel Morrison em Mudbound (pic by imdb.com)

Roger Deakins compete no ASC com Bruno Delbonnel (O Destino de uma Nação), Hoyte van Hoytema (Dunkirk), Dan Laustsen (A Forma da Água) e Rachel Morrison (Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississipi). Morrison se torna a primeira diretora de fotografia indicada na história do prêmio, e se for reconhecida também pela Academia, seria a primeira na história do Oscar, a primeira em 90 anos.

Dunkirk.jpg

Única película: Fotografia de Hoyte van Hoytema em Dunkirk (pic by imdb.com)

Pra quem se interessa por curiosidades, Hoytema é o único entre os cinco indicados que usou película para filmar, mais precisamente com a câmera IMAX. Os demais optaram por material digital, que tem sido a tendência econômica e artística dos filmes.

Shape of Water cinametography

Fotografia de Dan Laustsen em A Forma da Água (pic by imdb.com)

Desde 2013, o sindicato também tem reconhecido fotografia de filmes menores através da categoria Spotlight, que já premiou os vencedores do Oscar de Filme em Língua Estrangeira, O Filho de Saul e Ida. Seguindo a “tradição”, este ano temos o representante da Hungria, Máté Herbai por Corpo e Alma, e o russo Mikhail Krichman por Desamor.

Pelas categorias de televisão, as séries Game of Thrones e 12 Monkeys conquistaram duas indicações cada.

INDICADOS AO AMERICAN SOCIETY OF CINEMATOGRAPHERS (ASC):

• Roger Deakins (Blade Runner 2049)
• Bruno Delbonnel (O Destino de uma Nação)
• Hoyte van Hoytema (Dunkirk)
• Dan Laustsen (A Forma da Água)
• Rachel Morrison (Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississipi)

INDICADOS AO PRÊMIO SPOTLIGHT:

• Máté Herbai (Corpo e Alma)
• Mikhail Krichman (Desamor)
• Mart Taniel (November)

TELEVISÃO

Episode of a Series for Non-Commercial Television

Gonzalo Amat (The Man in the High Castle) Ep: “Land O’ Smiles”
Adriano Goldman (The Crown) Ep: “Smoke and Mirrors”
Robert McLachlan (Game of Thrones) Ep: “The Spoils of War”
Gregory Middleton (Game of Thrones) Ep: “Dragonstone”
Alasdair Walker (Outlander) Ep: “The Battle Joined”

Episode of a Series for Commercial Television

Dana Gonzales (Legion) Ep: “Chapter 1”
David Greene (12 Monkeys) Ep: “Mother”
Kurt Jones (The Originals) Ep: “Bag of Cobras”
Boris Mojsovski (12 Monkeys) Ep: “Thief”
Crescenzo Notarile (Gotham) Ep: “The Executioner”

Motion Picture, Miniseries, or Pilot Made for Television

Pepe Avila del Pino (The Deuce) Ep: Pilot
Serge Desrosiers (Sometimes the Good Kill)
Mathias Herndl (Genius) Ep: “Chapter 1”
Shelly Johnson (Training Day) Ep: Pilot – “Apocalypse Now”
Christopher Probst (Mindhunter) Ep: Pilot

***

Vencedores serão conhecidos no dia 17 de fevereiro.

‘SILÊNCIO’ recebe indicação ao ASC e reacende campanha de filme de Scorsese

Fotografia de Rodrigo Prieto em Silêncio. Em cena, Andrew Garfield e Adam Driver (pic by outnow.ch)

Fotografia de Rodrigo Prieto em Silêncio. Em cena, Yoshi Oida, Shin’ya Tsukamoto, Andrew Garfield e Adam Driver (pic by outnow.ch)

FILME DE MARTIN SCORSESE RECEBE  A PRIMEIRA INJEÇÃO DE ÂNIMO

Na última quarta-feira, dia 11, o sindicato dos diretores de fotografia revelou seus favoritos de 2016. A grande surpresa foi a inclusão de Rodrigo Prieto pela fotografia de Silêncio, filme de Scorsese que começou a temporada como favorito, mas que ficou esquecido por todas as grandes premiações até o momento. Não que o fato de estar na seleção de fotografia seja garantia de alguma indicação no Oscar, mas caso consiga, pode puxar outras categorias técnicas como Direção de Arte, Figurino, Som e por que não Direção e Filme?

Martin Scorsese é um protégé da Academia desde os anos 80, quando recebeu a primeira indicação por Touro Indomável, portanto, por mais que tenha sido rejeitado até agora pelos demais prêmios como Critics’ Choice e Globo de Ouro, ainda pode receber um pouco de amor dos membros da Academia, que sabem que a campanha do filme naufragou por atraso de lançamento. Obviamente, tudo o que estou expondo aqui é especulação. Só vamos ter certeza mesmo quando as indicações forem anunciadas no dia 24 de janeiro.

A fotografia de James Laxton expõe as fases da vida do protagonista em Moonlight: Sob a Luz do Luar (pic by moviepilot.de)

A fotografia de James Laxton expõe as fases da vida do protagonista em Moonlight: Sob a Luz do Luar (pic by moviepilot.de)

INDICADOS AO AMERICAN SOCIETY OF CINEMATOGRAPHERS (ASC):

  • Greig Fraser (Lion: Uma Jornada Para Casa)
  • James Laxton (Moonlight: Sob a Luz do Luar)
  • Rodrigo Prieto (Silêncio)
  • Linus Sandgren (La La Land: Cantando Estações)
  • Bradford Young (A Chegada)
A fotografia de Linus Sandgren explora as cores em La La Land (pic by moviepilot.de)

A fotografia de Linus Sandgren explora as cores em La La Land (pic by moviepilot.de)

Com base no histórico da temporada, os favoritos James Laxton e Linus Sandgren eram esperados na lista. Existe uma característica pulsante nas fotografias de ambos os trabalhos e por isso mesmo, seus reconhecimentos eram mais do que previstos aqui no American Society of Cinematographers (ASC). Já as fotografias de A Chegada e Lion começam a se firmar entre os possíveis indicados ao Oscar.

A fotografia de Greig Fraser em Lion (pic by moviepilot.de)

A fotografia de Greig Fraser destaca a beleza natural do cenário indiano em Lion (pic by moviepilot.de)

Excetuando Prieto, que já foi indicado ao ASC em duas oportunidades anteriores por Frida em 2003 e O Segredo de Brokeback Mountain em 2006, todos os demais indicados deste ano jamais foram reconhecidos pelo sindicato.

A fotografia de Bradford Young ressalta imagens de contra-luz em A Chegada (pic by moviepilot.de)

A fotografia de Bradford Young ressaltada em imagens de contra-luz em A Chegada (pic by moviepilot.de)

Quanto às estatísticas da premiação em relação à Academia, em ambos os casos, nos últimos três anos, o vencedor foi Emmanuel Lubezki por Gravidade (2014), Birdman (2015) e O Regresso (2016).

O ASC também tem a categoria Spotlight, que reconhece longas que tiveram passagem em festivais internacionais ou tiveram lançamento limitado nos EUA:

INDICADOS AO PRÊMIO SPOTLIGHT:

  • Lol Crawley (A Infância de um Líder)
  • Gorka Gomez Andreu (House of Others)
  • Ernesto Pardo (Tempestad)
  • Juliette van Dormael (Mon Ange)

Este ano, o ASC decidiu homenagear o grande diretor de fotografia Edward Lachman, responsável por belíssimo trabalhos como O Estranho (1999), As Virgens Suicidas (1999), Longe do Paraíso (2002) e Carol (2015).

Edward Lachman conversa com Cate Blanchett e Rooney Mara em set de Carol (pic by indiewire.com)

Edward Lachman conversa com Cate Blanchett e Rooney Mara em set de Carol (pic by indiewire.com)

***

A 31ª cerimônia do ASC Awards acontece no próximo dia 04 de fevereiro.

Emmanuel Lubezki leva seu 4º prêmio no ASC 2016 por ‘O Regresso’

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Emmanuel “Chivo” Lubezki recebe seu quarto ASC award na 30ª edição por O Regresso (photo by http://www.theasc.com)

É A TERCEIRA VITÓRIA SEGUIDA DO DIRETOR DE FOTOGRAFIA MEXICANO

Se tem uma categoria este ano no Oscar em que todos os indicados merecem ganhar é Melhor Fotografia. Todos, sem exceção, apresentaram um trabalho formidável em seus respectivos filmes, o que valoriza ainda mais a vitória. Mas o que pode ser um diferencial nessa competição tão disputada?

Claro que o status do filme na temporada conta bastante. Se o filme só teve poucas indicações ou apenas Fotografia, as chances de vitória são mais baixas do que aqueles que estão concorrendo a Melhor Filme, por exemplo. Aliás, entre os cinco concorrentes ao Oscar de Fotografia, apenas dois disputam Melhor Filme: O Regresso e Mad Max: Estrada da Fúria. Mas por que o primeiro larga na frente?

Bela fotografia de Emmanuel Lubezki em O Regresso (photo by cine.gr)

Bela fotografia de Emmanuel Lubezki em O Regresso (photo by cine.gr)

Em bom português: Emmanuel Lubezki é um profissional que adora um desafio. Não basta apenas colocar a câmera no tripé e apertar o REC. O cara tem que ir lá nas montanhas congeladas do Canadá e da Argentina, ter as pernas congeladas na água, carregando uma câmera pesada no corpo. Como se fosse pouco, ele decidiu em conjunto com o diretor Alejandro González Iñárritu que deveria fazer todo o trabalho de fotografia sem utilizar luzes artificiais (refletores)!

Se formos pensar pela lógica e bom senso, essa idéia foi de “jerico”, afinal, havia dias nas montanhas, em que a luz natural durava apenas uma hora e meia! E não se trata só de tempo de filmagem estendido, mas de todo um deslocamento de equipe de filmagem e preparação para as cenas. Seria o equivalente ao método perfeccionista utilizado pelo mestre japonês Akira Kurosawa, que aguardava semanas por um pôr-do-sol ideal. Curiosamente, foram esses bastidores sacrificantes que elevaram seus esforços e os colocaram na frente pelo terceiro Oscar de Emmanuel Lubezki. Um trabalho de sobrevivência para um filme sobre sobrevivência.

THE REVENANT

Emmanuel Lubezki nos bastidores de um congelante set de O Regresso. Photo by Twentieth Century Fox Film Corporation e Regency Entertainment.

Nas duas categorias de televisão, a série épica Marco Polo e o telefilme Casanova, de Jean-Pierre Jeunet, levaram os prêmios. Já o prêmio especial Spotlight, que reconhece trabalhos alternativos do circuito de festivais, deu empate entre Adam Arkapaw (Macbeth: Ambição e Guerra) e Mátyás Erdély (Filho de Saul). A fotografia bastante plástica de Arkapaw em Macbeth foi um trabalho injustiçado na temporada. Se o filme de Justin Kurzel estivesse mais no meio do burburinho da temporada de premiação, certamente teria mais espaço.

A cerimônia de premiação prestou homenagem aos profissionais que nos deixaram nos últimos 12 meses: como Vilmos Zigmond, Haskell Wexler e Andrew Lesnie, além de contar com o reconhecimento de John Toll com o prêmio pelo conjunto da obra. Como dizia Cameron Crowe, “ele escreve com sua câmera”, e assim o fez em Além da Linha Vermelha, Lendas da Paixão e Coração Valente. Esses dois últimos lhe renderam suas duas estatuetas do Oscar consecutivas em 1995 e 1996.

Houve ainda um prêmio especial para o diretor Ridley Scott por sua “sensibilidade visual exuberante em filmes como Blade Runner: O Caçador de Andróides, Alien: O Oitavo Passageiro, Gladiador e Thelma & Louise. Fora da competição do Oscar de direção por Perdido em Marte, Scott, com seu habitual bom humor, agradeceu o prêmio através de um videoclipe.

VENCEDORES DO 30º ASC AWARDS:

FILME
Emmanuel Lubezki (O Regresso)

SÉRIE DE TV
Vanja Cernjul (Marco Polo) – Episódio: “The Fourth Step”

TELEFILME, MINISSÉRIE OU PILOTO
Pierre Gill (Casanova)

PRÊMIO SPOTLIGHT AWARD
Adam Arkapaw (Macbeth: Ambição e Guerra)
Mátyás Erdély (Filho de Saul)

Fotografia de ‘Mad Max’ e ‘O Regresso’ disputam o ASC 2016

bridge-of-spies-614779l

Fotografia de Janusz Kaminski em Ponte dos Espiões (photo by Jaap Buitendijk in cinemagia.ro)

DO 35MM AO DIGITAL, CINCO INDICADOS REPRESENTAM O MELHOR DA FOTOGRAFIA DE 2015

Após o anúncio dos sindicatos de Editores e Diretores de Arte, chegou a vez dos Diretores de Fotografia. Vale lembrar que até agora, os únicos filmes que estão presentes nos 3 sindicatos são Mad Max: Estrada da Fúria e O Regresso, fato que certamente refletirá no número de indicações ao Oscar. Curiosamente, os dois falharam ao conseguir vaga no Sindicato de Roteiristas (mais a respeito no próximo post).

Seguem os indicados para Melhor Fotografia do 30º ASC Awards:

  • Janusz Kaminski (Ponte dos Espiões)
  • Edward Lachman (Carol)
  • John Seale (Mad Max: Estrada da Fúria)
  • Emmanuel Lubezki (O Regresso)
  • Roger Deakins (Sicario: Terra de Ninguém)

O que dizer de uma lista que conta com os melhores diretores de fotografia em atividade: Emmanuel Lubezki e Roger Deakins? A lista só não ficou perfeita porque ficou faltando o grande Robert Richardson por Os 8 Odiados. Alguns acreditam que o formato escolhido de 70mm pode ter sido a causa de sua exclusão aqui.

THE REVENANT

Fotografia de Emmanuel Lubezki em O Regresso © 2015 Twentieth Century Fox Film Corporation. © 2015 Regency Entertainment (USA), Inc. and Monarchy Enterprises S.a.r.l.  (photo by cinemagia.ro)

Se checarmos o histórico do prêmio, o recordista é o mexicano Lubezki com 4 vitórias em 5 indicações. Ele ganhou por Filhos da Esperança, A Árvore da Vida, Gravidade e Birdman. Em seguida, vem Deakins com 3 vitórias por Um Sonho de Liberdade, O Homem que Não Estava Lá e 007 – Operação Skyfall em 13 indicações.

Enquanto John Seale levou o prêmio uma vez por O Paciente Inglês em 1997, os demais Janusz Kaminski e Edward Lachman foram indicados 5 e 2 vezes, respectivamente, mas sem vitória.

Carol Edward Lachman

Fotografia de Edward Lachman em Carol (photo by outnow.ch)

Contudo, engana-se aquele que pensa que o vencedor do ASC terá maiores chances no Oscar. Em apenas duas oportunidades na última década, os vencedores de Fotografia coincidiram; curiosamente nos últimos dois anos, com as vitórias consecutivas de Emmanuel Lubezki por Gravidade e Birdman.

Em termos plásticos, a melhor fotografia me parece ser a de John Seale em Mad Max: Estrada da Fúria, mesmo com todos os seus efeitos de pós-produção, mas não se trata apenas de beleza visual, senão Emmanuel Lubezki não teria ganhado seu segundo Oscar por Birdman. O bom diretor de fotografia precisa saber onde colocar a câmera e ajudar a contar a história com ela. E nesse quesito, Roger Deakins se mostra mais eficiente.

Mad Max Fury Road John Seale

Fotografia de John Seale em Mad Max: Estrada da Fúria (photo by outnow.ch)

Em Sicario: Terra de Ninguém, na sequência final nos túneis subterrâneos, a narrativa sofre uma alteração devido à sugestão de Roger Deakins na inserção de visão de infra-vermelho na protagonista vivida por Emily Blunt contra as visões noturnas dos demais personagens na escuridão dos túneis. E plasticamente falando, ele sempre se supera na composição dos quadros.

sicario-411089l-1600x1200-n-dfe79676

Fotografia de Roger Deakins em Sicario: Terra de Ninguém (photo by cinemagia.ro)

Independente de quem ganhar, os indicados representam o melhor da fotografia no cinema de 2015. Embora cada um tenha sua qualidade e técnica: Ponte dos Espiões foi filmado no tradicional 35mm; Carol em 16mm; Mad Max e Sicario com câmeras digitais da Arri Alexa; e O Regresso no formato largo da Arri Alexa 65, todos ajudaram seus diretores a contar suas histórias, ao mesmo tempo em que enchiam nossos olhos no cinema.

      —

O ASC também premia os melhores da televisão em duas categorias: Série e Minissérie.

FOTOGRAFIA EM SÉRIE REGULAR:

  • Vanja Cernjul (Marco Polo) – Episódio: “The Fourth Step”
  • David Greene (12 Monkeys) – Episódio: “Mentally Divergent”
  • Christopher Norr (Gotham) – Episódio: “Strike Force”
  • Crescenzo Notarile (Gotham) – Episódio: “Scarification”
  • Fabian Wagner (Game of Thrones) – Episódio: “Hardhome”

FOTOGRAFIA EM MINISSÉRIE, PILOTO OU FILME PARA TV:

  • Martin Ahlgren (Blindspot) – Piloto
  • Pierre Gill (Casanova)
  • James Hawkinson (The Man in the High Castle)
  • Jeffrey Jur (Bessie)
  • Romain Lacourbas (Marco Polo) – Piloto

Os vencedores das três categorias serão revelados no dia 14 de fevereiro em Los Angeles.

‘Birdman’ leva o ASC, enquanto ‘O Grande Hotel Budapeste’ e ‘O Jogo da Imitação’ faturam o WGA

 

Emmanuel Lubezki ganha seu 4º ASC Award por Birdman (photo by nacion.com)
Emmanuel Lubezki ganha seu 4º ASC Award por Birdman (photo by nacion.com)

 

EM SEMANA DECISIVA, ‘BIRDMAN’, ‘O JOGO DA IMITAÇÃO’ E ‘O GRANDE HOTEL BUDAPESTE’ LEVAM PRÊMIOS DOS SINDICATOS

Na semana do Oscar, falta divulgar os últimos prêmios dos sindicatos. Pelo ASC (American Society of Cinematographers), sindicato dos diretores de fotografia, o mexicano Emmanuel Lubezki conquistou seu segundo prêmio consecutivo por Birdman, após Gravidade em 2014, totalizando quatro prêmios do sindicato, pois também levou por A Árvore da Vida e Filhos da Esperança.

Seu trabalho em Birdman muito lembra seus longos planos-sequência de Filhos da Esperança, como aquele espetacular no final do filme. A fotografia de Birdman pode não apresentar a plasticidade impressionista de um A Árvore da Vida ou O Novo Mundo, mas chama a atenção por todo um esquema de filmagem para que fique a impressão de que se trate de um longo e único plano-sequência, tática que remete muito ao longa Arca Russa (2002), de Aleksandr Sokurov, cujos mais de 90 minutos realmente foram filmados em um único take (tomada). Assim como em Gravidade, Emmanuel Lubezki buscou inovações técnicas para atender ao pedido do diretor Alejandro González Iñárritu, e isso pode lhe render seu segundo Oscar, também consecutivo.

À direita, Emmanuel Lubezki faz os acertos para a cena de Birdman ao lado do diretor Alejandro González Iñárritu (photo by animationnews.com)

À direita, Emmanuel Lubezki faz os acertos para a cena de Birdman ao lado do diretor Alejandro González Iñárritu (photo by animationnews.com)

Com esse prêmio, Birdman conquistou praticamente todos os prêmios mais importantes de sindicatos: DGA, PGA, SAG. Além disso, a fotografia foi consagrada também com o BAFTA. Vale lembrar que Lubezki derrotou os mesmos concorrentes ao Oscar: Roger Deakins (Invencível), Óscar Faura (O Jogo da Imitação), Dick Pope (Sr. Turner) e Robert D. Yeoman (O Grande Hotel Budapeste).

Wes Anderson posa com seu WGA Award por O Grande Hotel Budapeste (photo by http://mypullzone.orangepopmediall.netdna-cdn.com)

Wes Anderson posa com seu WGA Award por O Grande Hotel Budapeste (photo by http://mypullzone.orangepopmediall.netdna-cdn.com)

Já pelo sindicato de roteiristas, WGA (Writers Guild of America), O Grande Hotel Budapeste levou Melhor Roteiro Original, enquanto O Jogo da Imitação levou Roteiro Adaptado. Embora essa vitória eleve o potencial da campanha de ambos os filmes, não se trata de nenhuma garantia no Oscar, já que o WGA é o mais rigoroso dos sindicatos, que acaba desqualificando vários indicados e até vencedores do Oscar como Quentin Tarantino por Django Livre em 2013.

Apesar da Academia gostar de Wes Anderson (foi indicado três vezes), devemos ressaltar que seu roteiro não competiu com um dos favoritos Birdman, que foi considerado inelegível pelo WGA, assim como O Jogo da Imitação não competiu com A Teoria de Tudo, que ganhou o BAFTA, e também com Whiplash: Em Busca da Perfeição, pois a Academia alterou sua categoria de original para adaptado, uma vez que houve um curta-metragem do mesmo diretor em 2013.

Havia um certo rumor de que a campanha do roteiro de O Jogo da Imitação sofreria com uma polêmica envolvendo a castração química do protagonista Alan Turing e alguns erros históricos em relação à invenção da máquina (que teria sido originalmente criado por poloneses e então aperfeiçoada por Turing), mas acredito que este pode ser o Oscar consolador do filme, já que corre sério risco de sair da cerimônia de mãos vazias.

O roteirista Graham Moore que adaptou a saga de Alan Turing para os cinemas em O Jogo da Imitação (photo by nydailynews.com)

O roteirista Graham Moore que adaptou a saga de Alan Turing para os cinemas em O Jogo da Imitação (photo by nydailynews.com)

Seguem os vencedores do WGA 2015:

CINEMA

ROTEIRO ORIGINAL: Wes Anderson, Hugo Guinness (O Grande Hotel Budapeste)

ROTEIRO ADAPTADO: Graham Moore (O Jogo da Imitação)

DOCUMENTÁRIO: Brian Knappenberger (O Menino da Internet: A História de Aaron Swartz)

TELEVISÃO

SÉRIE DE TV – DRAMA: Nic Pizzolatto (True Detective)

SÉRIE DE TV – COMÉDIA: Pamela Adlon, Louis C.K. (Louie)

SÉRIE DE TV NOVA: Nic Pizzolatto (True Detective)

SÉRIE ORIGINAL: Melissa Carter (Deliverance Creek)

SÉRIE ADAPTADA: Jane Anderson; Baseado no romance de Elizabeth Strout (Olive Kitteridge)

SHORT FORM NEW MEDIA – ORIGINAL: “Episode 113: Rachel” (High Maintenance), escrito por Katja Blichfeld & Ben Sinclair; helpingyoumaintain.com

ANIMAÇÃO: Brian Kelley (The Simpsons) – Episódio: “Brick Like Me”

EPISODIC DRAMA: Robert King, Michelle King (The Good Wife) – Episódio: “The Last Call”

EPISODIC COMEDY: Louis C.K. (Louie) – Episódio: “So Did the Fat Lady”

COMEDY / VARIETY (INCLUDING TALK) – SERIES: Kevin Avery, Tim Carvell, Dan Gurewitch, Geoff Haggerty, Jeff Maurer, John Oliver, Scott Sherman, Will Tracy, Jill Twiss, Juli Weiner (Last Week Tonight with John Oliver)

COMEDY / VARIETY – MUSIC, AWARDS, TRIBUTES – SPECIALS: 71st Annual Golden Globe Awards, escrito por Barry Adelman; Special Material by Alex Baze, Dave Boone, Robert Carlock, Tina Fey, Jon Macks, Sam Means, Seth Meyers, Amy Poehler, Mike Shoemaker; NBC

QUIZ AND AUDIENCE PARTICIPATION: Hollywood Game Night, escrito por Grant Taylor, Alex Chauvin, Ann Slichter; NBC

DAYTIME DRAMA: General Hospital, escrito por Ron Carlivati, Anna Theresa Cascio, Suzanne Flynn, Kate Hall, Elizabeth Korte, Daniel James O’Connor, Elizabeth Page, Katherine Schock, Scott Sickles, Chris Van Etten; ABC

CHILDREN’S SCRIPT – EPISODIC AND SPECIALS: “Haunted Heartthrob” (Haunted Hathaways), Written by Bob Smiley; Nickelodeon

DOCUMENTARY SCRIPT – CURRENT EVENTS: “United States of Secrets: The Program (Part One)” (Frontline); PBS; escrito por Michael Kirk & Mike Wiser; PBS

DOCUMENTARY SCRIPT – OTHER THAN CURRENT EVENTS: “League of Denial: The NFL’s Concussion Crisis” (Frontline), escrito por Michael Kirk & Mike Wiser; PBS

TV NEWS SCRIPT – REGULARLY SCHEDULED, BULLETIN, OR BREAKING REPORT: “Nelson Mandela: A Man Who Changed the World” (World News with Diane Sawyer), escrito por Diane Sawyer, Lisa Ferri, Dave Bloch; ABC News

TV NEWS SCRIPT – ANALYSIS, FEATURE, OR COMMENTARY: “Nowhere to Go” (60 Minutes), escrito por Scott Pelley, Oriana Zill de Granados, Michael Rey; CBS

Tilda Swinton se transformando em Madame D em O Grande Hotel Budapeste (photo by hollywoodreporter.com)

Tilda Swinton se transformando em Madame D em O Grande Hotel Budapeste (photo by hollywoodreporter.com)

E o sindicato dos maquiadores também divulgou seus vencedores no último dia 14. Sem nenhum concorrente de peso no campo da maquiagem, sobrou para o veterano Rick Baker, que recebeu o prêmio honorário, fazer um discurso emocionante: “Não posso dizer o quanto isso significa pra mim. Estou fazendo maquiagem há 54 anos. Comecei aos 10 anos. Determinei que se eu trabalhasse bastante, poderia ser tão bom quanto meus ídolos: Lon Chaney, Jack Pierce, Dick Smith. Por toda minha vida quis ser um maquiador. Dediquei minha vida a isso, e acho que isso significa que não desperdicei meu tempo fazendo isso.”

Rick Baker é o grande recordista de Oscars de Melhor Maquiagem, com 12 indicações e 7 vitórias por Um Lobisomem Americano em Londres, Um Hóspede do Barulho, Ed Wood, O Professor Aloprado, Homens de Preto, O Grinch e O Lobisomem. Infelizmente, ele não está concorrendo este ano.

Homenageado pela Hollywood Makeup Artists, Rick Baker posa ao lado do diretor John Landis (photo by makeupmag.com)

Homenageado pela Hollywood Makeup Artists, Rick Baker posa ao lado do diretor John Landis (photo by makeupmag.com)

Também homenageados na noite estavam a hairstylist Kathryn Blondell, e o diretor Guillermo Del Toro, que recebeu o Distinguished Artisan Award por sua contribuição à maquiagem através de seus filmes como Hellboy e O Labirinto do Fauno.

Quanto à competição em si, os grandes vencedores foram O Grande Hotel Budapeste, Guardiões da Galáxia e Birdman. Os dois primeiros concorrem ao Oscar com Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo, pelo nariz prostético de Steve Carell. O Oscar deve ficar entre Guardiões e O Grande Hotel. Enquanto o primeiro exibe maquiagem de seres extraterrestres como Drax e as tinta verde de Gamorra e azul de Nebula, o segundo basicamente capricha no visual envelhecido de Tilda Swinton como Madame D e nos incontáveis bigodes dos personagens da trama.

Segue lista completa dos vencedores:

CINEMA

MAQUIAGEM CONTEMPORÂNEA: Elizabeth Yianni-Georgiou (Guardiões da Galáxia)

CABELO CONTEMPORÂNEO: Jerry Popolis, Kat Drazen (Birdman)

MAQUIAGEM DE ÉPOCA E/OU DE PERSONAGEM: Frances Hannon, Julie Dartnell (O Grande Hotel Budapeste)

CABELO DE ÉPOCA E/OU DE PERSONAGEM: Frances Hannon, Julie Dartnell (O Grande Hotel Budapeste)

MAQUIAGEM DE EFEITOS ESPECIAIS: David White (Guardiões da Galáxia)

SÉRIES DE TELEVISÃO

MAQUIAGEM CONTEMPORÂNEA: Tracey Anderson, Michelle Garbin, Sabine Roller-Taylor (Sons of Anarchy)

CABELO CONTEMPORÂNEO: Mary Guerrero, Kimi Messina, Jennifer Guerrero-Mazursky (Dancing with the Stars)

MAQUIAGEM DE ÉPOCA E/OU DE PERSONAGEM: Magi Vaughan, Erika Ökvist (Downton Abbey)

CABELO DE ÉPOCA E/OU DE PERSONAGEM: Magi Vaughan, Adam James Phillips (Downton Abbey)

MAQUIAGEM DE EFEITOS ESPECIAIS: Greg Nicotero, Jake Garber (The Walking Dead)

MINISSÉRIES OU FILMES PARA TV

MAQUIAGEM CONTEMPORÂNEA: Gail Kennedy, Joanne Preece, Gunther Schetterer (Fargo)

CABELO CONTEMPORÂNEO: Claire Pritchard-Jones, Sarah Astley-Hughes (Sherlock)

MAQUIAGEM DE ÉPOCA E/OU DE PERSONAGEM: Eryn Krueger Mekash, Kim Ayers (American Horror Story: Freak Show)

CABELO DE ÉPOCA E/OU DE PERSONAGEM: Monte C. Haught, Michelle Ceglia (American Horror Story: Freak Show)

MAQUIAGEM DE EFEITOS ESPECIAIS: Eryn Krueger Mekash, Michael Mekash, Christopher Nelson (American Horror Story: Freak Show)

COMERCIAIS OU VIDEOCLIPES

MAQUIAGEM: Scott Stoddard, Michael Ornelaz (DirecTV)

CABELO: Dian Bethune Coble (Progressive Commercial)

PRODUÇÕES TEATRAIS

MAQUIAGEM: Sarah B. Wolfe (Kinky Boots)

CABELO: Brandon Bolton (Motown The Musical, National Tour)

PRODUÇÕES TEATRAIS

MAQUIAGEM: Sarah B. Wolfe (Kinky Boots) CABELO: Brandon Bolton (Motown The Musical, National Tour)

‘Invencível’, ‘Birdman’ e ‘Sr. Turner’ entre os indicados do ASC 2015

Brasão da ASC: American Society of Cinematographers (photo by btlnews.com)

Brasão da ASC: American Society of Cinematographers (photo by btlnews.com)

ROGER DEAKINS E EMMANUEL LUBEZKI FIGURAM ENTRE OS FAVORITOS

Chegou a vez do sindicato dos fotógrafos (ou diretores de fotografia) divulgar seus cinco indicados a Melhor de 2014. A ASC (American Society of Cinematographers) premia os melhores da área desde 1987, quando Jordan Cronnenweth ganhou por Peggy Sue, Seu Passado a Espera. De lá pra cá, tem sido um prêmio de extrema importância do meio, mas que não tem tido muita sincronia com o ganhor do Oscar. Dos últimos cinco vencedores do ASC, apenas 2 repetiram o feito no prêmio da Academia: Wally Pfister em 2010 por A Origem, e Emmanuel Lubezki no ano passado por Gravidade. Dá a entender que essa diferença de vencedor vem do fato da categoria de fotografia ser muitas vezes tratada como mais uma simplesmente para somar ao total de Oscars do Melhor Filme do ano do que pelo próprio mérito e qualidade técnica.

O vencedor do ASC de 2014, Lubezki, retorna este ano com uma produção bem mais modesta do que Gravidade, mas sua fotografia parece ter mais vida em Birdman do que na ficção científica. Como já citei inúmeras vezes aqui, sou mais a favor de uma fotografia mais artesanal e/ou manual, e contra esse excesso de efeitos digitais de manipulação na pós-produção como aconteceu em As Aventuras de Pi, tanto que na minha opinião, o Oscar de 2013 deveria ter ido para Roger Deakins, por seu trabalho excepcional em 007 – Operação Skyfall do que o filme de Ang Lee.

Felizmente, ele retorna este ano na lista do ASC por seu trabalho no filme de guerra, Invencível. E, se confirmada, será nada menos que sua 12ª indicação ao Oscar e SEM VITÓRIA! Claro que não defendo uma vitória no Oscar simplesmente por acúmulo de indicações sem vitória, senão Peter O’Toole e Richard Burton teriam seus Oscars faz tempo, mas acredito que Deakins apenas não teve sorte, pois das 11 vezes em que concorreu, no mínimo, poderia ter ganhado em duas oportunidades: pela belíssima fotografia PB de O Homem que Não Estava Lá e o já citado espetáculo de imagens de 007 – Operação Skyfall, mas perdeu por filmes do momento. Como Emmanuel Lubezki ganhou há um ano, e os demais concorrentes não têm o mesmo gabarito dele, estou crente que Roger Deakins finalmente leva seu Oscar este ano. Estou fazendo campanha desde já!

Os indicados ao 29th Annual ASC Awards são:

– Roger Deakins (Invencível)
– Óscar Faura (O Jogo da Imitação)
– Emmanuel Lubezki (Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância))
– Dick Pope (Sr. Turner)
– Robert D. Yeoman (O Grande Hotel Budapeste)

Roger Deakins (Invencível)

Roger Deakins (Invencível) – photo by outnow.ch

Óscar Faura (O Jogo da Imitação) - photo by outnow.ch

Óscar Faura (O Jogo da Imitação) – photo by outnow.ch

Emmanuel Lubezki (Birdman) - photo by outnow.ch

Emmanuel Lubezki (Birdman) – photo by outnow.ch

Dick Pope (Sr. Turner) - photo by outnow.ch

Dick Pope (Sr. Turner) – photo by outnow.ch

Robert D. Yeoman (O Grande Hotel Budapeste) - photo by outnow.ch

Robert D. Yeoman (O Grande Hotel Budapeste) – photo by outnow.ch

Estes indicados representam uma fabulosa lista selecionada por uma rica gama de trabalhos deste ano. É espetacular como estes diretores de fotgrafia mais uma vez redefiniram os limites do que fazemos.”, disse o presidente da ASC, Richard Crudo.

Esta é a 13ª indicação de Deakins, sendo que ele levou três prêmios anteriormente por 007 – Operação Skyfall, O Homem que Não Estava Lá e Um Sonho de Liberdade. O mesmo número de Lubezki, que ganhou por Gravidade, A Árvore da Vida e Filhos da Esperança. Já Dick Pope foi indicado antes por O Ilusionista, enquanto os demais nunca haviam sido indicados.

O vencedor será conhecido no dia 15 de janeiro em evento que acontecerá no Hyatt Regency Century Plaza em Los Angeles.

‘Gravidade’ e ‘Ela’ confirmam favoritismo no ASC e WGA

Cena belíssima de filmada com perfeição por Emmanuel Lubezki em Gravidade

Cena belíssima de filmada com perfeição por Emmanuel Lubezki em Gravidade (photo by johslikesmovies.tumblr.com)

Brasão da ASC: American Society of Cinematographers (photo by btlnews.com)

Brasão da ASC: American Society of Cinematographers (photo by btlnews.com)

O fato é que o diretor de fotografia mexicano Emmanuel Lubezki já vem merecendo o Oscar faz tempo. Suas parcerias com Alfonso Cuarón, Tim Burton e Terrence Malick estão rendendo obras-primas em matéria de iluminação e enquadramentos. Seu trabalho em si já vale o ingresso. Olhem suas indicações no Oscar:

1996: A Princesinha
2000: A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça
2006: O Novo Mundo
2007: Filhos da Esperança
2012: A Árvore da Vida

Com este novo trabalho em Gravidade, Lubezki consegue avanços tecnológicos que impressionam até James Cameron. Juntamente com o diretor, ele buscou meios técnicos para retratar a sensação do espaço de forma verossímil, tanto que foi considerado um 2001: Uma Odisséia no Espaço moderno, com os atores flutuando em frente à câmera, conciliando perfeitamente os efeitos digitais inseridos posteriormente.

Na opinião deste cinéfilo, ele já deveria ter sido reconhecido pelo Oscar em suas últimas duas indicações, mas foi batido por Robert Richardson (por A Invenção de Hugo Cabret em 2012) e Guillermo Navarro (por O Labirinto do Fauno em 2007). Com a alta dos filmes em 3D (Avatar e As Aventuras de Pi ganharam o Oscar da categoria) e os números elevados nas bilheterias, Lubezki só não ganha seu primeiro Oscar se acontecer uma tragédia grega.

WGA: Writers Guild Awards 2013 (logo in theartsyfilmblog.com)

WGA: Writers Guild Awards 2013 (logo in theartsyfilmblog.com)

Já no WGA (Writers Guild), Spike Jonze coleciona mais um prêmio pelo roteiro original de Ela. Ganhou o Globo de Ouro e o Critics’ Choice Award. Sua vitória significa a melhor prévia de todas, afinal, bateu os mesmos concorrentes que terá no Oscar: Eric Warren Singer e David O. Russell (Trapaça), Woody Allen (Blue Jasmine), Craig Borten e Melisa Wallack (Clube de Compras Dallas) e Bob Nelson (Nebraska). Além disso, sua ausência na categoria de direção deve indicar uma compensação como roteirista.

Bastante humilde em seu discurso de agradecimento, Jonze disse: “É uma alta honra vinda de escritores. É como um prêmio pela dor. Uma dor específica que escritores conhecem. Os altos e baixos de se sentar ali sozinho. Agradeço a vocês por isso”. Spike Jonze já foi indicado como Melhor Diretor pelo fantástico Quero Ser John Malkovich em 2000, e este ano, além de roteiro, está indicado como compositor de canção e produtor.

Por outro lado, na categoria de Roteiro Adaptado, houve uma surpresa. Aproveitando-se da ausência do favorito John Ridley (12 Anos de Escravidão), Billy Ray faturou o prêmio por Capitão Phillips. Em seu discurso de agradecimento, ele diz que está “em dívida com o próprio Capitão Richard Phillips, que sobreviveu a algo que ele provavelmente teria o matado”. Com filmes como Volcano – A Fúria, Plano de Vôo e Jogos Vorazes em sua filmografia, Ray tem se especializado em retratar dramas em filmes de ação e o prêmio WGA deve lhe dar mais visibilidade no mercado.

À esquerda, Spike Jonze com seu WGA award. E Billy Ray por Capitão Phillips (photo by blogs.diariodonordeste.com.br)

À esquerda, Spike Jonze com seu WGA award por Ela. E Billy Ray por Capitão Phillips (photo by blogs.diariodonordeste.com.br)

Na categoria Documentário, a vencedora foi Sarah Polley por Histórias que Contamos, que vinha coletando inúmeros prêmios da crítica, mas sequer foi indicada ao Oscar. Polley já foi indicada anteriormente pelo roteiro adaptado de Longe Dela (2006).