22 FILMES DISPUTAM A VAGA DO BRASIL NO OSCAR 2019

the_great_mystical_circus__o_grande_circo_mistico_still_1

Bruna Linzmeyer em cena de O Grande Circo Místico, de Cacá Diegues (pic by The Hollywood Reporter)

COMEÇA A SELEÇÃO PARA REPRESENTANTE BRASILEIRO

Nessa última sexta-feira, dia 24, foram divulgadas as 22 produções que vão disputar a vaga de representante brasileiro pela categoria de Filme em Língua Estrangeira no Oscar 2019.

São 18 ficções e 4 documentários que seguem abaixo em ordem alfabética:

  • Além do Homem
    Dir: Willy Biondani
  • Alguma Coisa Assim
    Dir: Esmir Filho
  • O Animal Cordial
    Dir: Gabriela Amaral Almeida
  • Antes que eu me Esqueça
    Dir: Tiago Arakilian
  • Aos Teus Olhos
    Dir: Carolina Jabor
  • As Boas Maneiras
    Dir:  Marco Dutra e Juliana Rojas
  • Benzinho
    Dir: Gustavo Pizzi
  • Canastra Suja
    Dir: Caio Soh
  • O Caso do Homem Errado
    Dir: Camila de Moraes
  • Como é Cruel Viver Assim
    Dir: Julia Rezende
  • Dedo na Ferida
    Dir: Silvio Tendler
  • O Desmonte do Monte
    Dir: Sinai Sganzerla
  • Encantados
    Dir: Tizuka Yamasaki
  • Entre Irmãs
    Dir: Breno Silveira
  • Ex-Pajé
    Dir: Luiz Bolognesi
  • Ferrugem
    Dir: Aly Muritiba
  • O Grande Circo Místico
    Dir: Cacá Diegues
  • Não Devore Meu Coração!
    Dir: Filipe Bragança
  • Paraíso Perdido
    Dir: Monique Gardenberg
  • Talvez uma História de Amor
    Dir: Rodrigo Bernardo
  • Unicórnio
    Dir: Eduardo Nunes
  • Yonlu
    Dir: Hique Montanari

À princípio, não há nenhum grande favorito como Cidade de Deus ou Tropa de Elite 2, mas alguns títulos já se sobressaem devido a seu histórico internacional. O Grande Circo Místico já larga na frente por ter passagem na mostra não-competitiva no Festival de Cannes deste ano, além, claro, da fama do diretor Cacá Diegues que, embora nunca tenha sido indicado ao Oscar, competiu pela Palma de Ouro em três ocasiões nos anos 80. O drama com temática circense remete ao vencedor do Oscar de Melhor Filme de 1952, O Maior Espetáculo da Terra, de Cecil B. DeMille, e conta com um bom elenco encabeçado por Bruna Linzmeyer, Jesuíta Barbosa, Juliano Cazarré, Mariana Ximenes e o francês Vincent Cassel.

Com passagens por festivais argentino, colombiano, francês, americano, suíço e espanhol, As Boas Maneiras também tem ótimas chances de ser selecionado. Além da crescente campanha internacional, o filme é do gênero terror e fantasia, que ficaram em alta depois de Corra! e A Forma da Água terem levado o Oscar este ano, e por ter uma autenticidade brasileira representada pela história folclórica do lobisomem. A dupla de diretores, Marco Dutra e Juliana Rojas, ainda está buscando se aperfeiçoar a cada filme, mas já é possível verificar um toque de personalidade no trabalho.

As-Boas-Maneiras

Marjorie Estiano e Isabél Zuaa em cena de As Boas Maneiras (pic by Omelete)

Acredito que a vaga deva ficar com uma dessas duas produções pelos motivos citados, porém vale destacar aqui Aos Teus Olhos e O Animal Cordial pela repercussão que ambos tiveram pela temática. Enquanto o primeiro aborda a questão do abuso sexual (em alta em Hollywood), o segundo abre uma discussão sobre a essência do ser humano em situações extremas.

OAnimalCordial_28.png

Murilo Benício e Luciana Paes em cena de O Animal Cordial (pic by revistapreview.com.br)

Também estou lendo ótimas críticas de Benzinho (que acabou de levar 4 Kikitos no Festival de Gramado, incluindo o de Melhor Atriz para a elogiada atuação de Karine Telles) e o próprio vencedor de Melhor Filme em Gramado, Ferrugem.

Adriana-e-Karine-cred-Bianca-Aun.jpg

Adriana Esteves e Karine Teles em cena de Benzinho, que concedeu os Kikitos de Coadjuvante e Atriz para ambas (pic by Cebola Verde)

Não sou de ligar muito para essa questão politicamente correta, mas o jornal Folha de S. Paulo levantou que dos 22 filmes, nove são dirigidos por mulheres. De repente, por causa dos movimentos feministas como o #MeToo, esse fator pode ajudar na campanha internacional. A matéria do jornal também destacou a ausência do filme de maior bilheteria aqui, Nada a Perder, a cinebiografia do Edir Macedo, dono da Igreja Universal. Talvez aquele suposto esquema da própria Igreja comprar vários ingressos e distribuir para os fiéis (que não comparecem às salas) tenham o desqualificado para esta seleção.

De qualquer forma, para a comissão que se encarregará da seleção do representante brasileiro, meu conselho é: não se guie pelos gostos da Academia, que seria o filme dramático do Holocausto e Segunda Guerra Mundial. Primeiro porque já tentamos e não fomos bem-sucedidos, segundo porque a própria Academia está mudando com a adição de tantos membros novos, e por último, porque o cinema brasileiro precisa simplesmente levar o seu melhor filme para Hollywood, independente de histórico, premiações e elenco. Digo isso, principalmente, porque o Brasil nunca levou o Oscar, e as chances de ganhar são baixas, então por que não prestigiar o melhor filme pelo menos?

aosteusolhos_creditodanielchiacos200836

No centro, Daniel de Oliveira faz o professor de natação acusado de assédio em Aos Teus Olhos (pic by vejasp)

Não posso julgar qual a melhor produção para selecionar, pois não vi todos os 22 filmes, mas gosto da idéia de As Boas Maneiras ser o representante por ter esse tom próprio (e não padronizado) de fábula com drama social brasileiro. O filme tem seus defeitos, sim, mas acredito que contém algum diferencial que os membros da Academia esperam ver, afinal eles são obrigados a assistir a mais de 90 filmes estrangeiros para votar.

Só para constar: Caso o representante seja aprovado para a pré-lista de nove filmes, será o primeiro desde 2006, quando O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias foi pré-selecionado. E caso esteja entre os 5 indicados da categoria, será o primeiro desde Central do Brasil, que concorreu em 1999.

Anúncios

ACADEMIA ANUNCIA NOVA CATEGORIA DE ‘FILME POPULAR’

oscars080918

UM DIA APÓS A REELEIÇÃO DO PRESIDENTE DA ACADEMIA, JOHN BAILEY, INSTITUIÇÃO DE 90 ANOS ANUNCIA MUDANÇAS DRÁSTICAS EM BUSCA DE AUDIÊNCIAS MELHORES

Ok, vamos aos fatos: Nesta quarta-feira, dia 08, a Academia anunciou algumas mudanças na premiação.

  1. Uma nova categoria será criada para filmes populares.
  2. A data da cerimônia em 2020 será no dia 09 de Fevereiro (e não mais no final do mês ou em Março)
  3. Estão planejando uma cerimônia de três horas mais acessível globalmente.

Certo, como diria Jack o Estripador, vamos por partes! A decisão 2, a mais fácil de discutir, é sobre a antecipação do calendário de premiações. Como todos sabem, a temporada de premiações começa em dezembro e termina com o Oscar. Como vão antecipar um mês, a tendência é que todos os demais prêmios também façam o mesmo. Então, existem boas possibilidades do Globo de Ouro ser em dezembro, o SAG em janeiro e o Critics’ Choice Awards em novembro. Sim, daqui a pouco vão entregar prêmios em Julho!

Já no item 3, parece que algumas categorias serão apresentadas durante o intervalo, editadas e exibidas em seguida a fim de encurtar a cerimônia, que hoje quase chega nas 4 horas. Realmente, o show é longo, ainda mais pra quem está no fuso horário em que temos que madrugar para assistir até o Oscar de Melhor Filme, mas não sei se falo como cineasta nessas horas, mas acho sacanagem tirar a glória daquele curta-metragista que passou dois anos fazendo um filme, ganhar um Oscar e passar um clipe em que ele aparece por 3 segundos. E outra coisa que precisa ser levada em consideração: o Oscar é uma vez por ano! Pô, um evento anual com vários filmes e artistas envolvidos. Custa tanto assim pra humanidade 4 horas da sua vida e paciência?? (Não responda!)

90th Academy Awards - Oscars Show – Hollywood

Do Oscar deste ano, poderiam cortar o discurso chato e longo do Gary Oldman.

Por exemplo, eu poderia dizer: “Por que não cortam aqueles clipes de filmes que apresentam todo ano?” Porque eu adoro! Ou “Por que não eliminam as performances musicais das canções indicadas?” Porque eu adoro! (Tirando aquele ano em que a Beyoncé cantou todas as músicas indicadas). Aí o que mais tem pra cortar? Vão cortar o In Memoriam? Não dá! É uma bela e singela homenagem aos mortos, que inclusive honrou nosso documentarista Eduardo Coutinho. A única coisa que me irrita frequentemente são aquelas piadinhas sem graça que os apresentadores têm que atuar (muito mal) antes de entregar o prêmio. Tem atores que se saem tão mal nesse quesito que nos faz questionar se merece ser chamado de ator!

Há alguns anos atrás, quase 10 anos na verdade, o Oscar teve uma idéia genial: migrar os Oscars Honorários, Irving G. Thalberg e Jean Hersholt Humanitarian Award para uma festa chamada Governors Ball, que ocorre no mês de novembro que antecede a temporada. Nesse esquema, todo mundo sai ganhando. Os homenageados podem discursar por meia hora, os atores cotados para o Oscar podem desfilar no tapete vermelho e fazer aquela campanha, e o melhor de tudo: reduzem consideravelmente a duração da cerimônia do Oscar, pelo menos um bloco inteiro. Então, o que quero dizer com isso? Ao invés de inferiorizarem categorias menores em intervalos, por que não inseri-los no Governors Ball? Por mim, continuaria do jeito que está, mas eu entendo que a cerimônia é dispendiosa e necessita de cortes para não se arrastar demais.

Donald Sutherland Oscar

O ator veterano Donald Sutherland recebeu a honraria do Oscar Honorário no Governors Ball em novembro de 2017.

E por último, o item 1, o mais polêmico. Um Oscar para Filmes Populares. Na hora, dá vontade de parar de assistir ao Oscar para sempre! O que dizer dessa barbaridade? Isso é pior do que cota! A Academia está dizendo em alto e bom som: “Filmes blockbusters jamais serão os vencedores do Oscar de Melhor Filme!”. Mas enfim, antes de criticar ferozmente, vamos analisar a seguinte questão: “O que eles denominam como Filme Popular?” É aquele que ultrapassa a barreira dos 100 milhões de dólares nas bilheterias americanas? Se for, filmes como La La Land, Dunkirk e os vencedores do Oscar de Melhor Filme Titanic e Gladiador não estariam qualificados. Ou filme popular é aquele que você não precisa usar o cérebro como um Transformers, Crepúsculo, Jogos Vorazes ou filmes do Adam Sandler? Se for isso, esse prêmio já existe e se chama Framboesa de Ouro! Afinal, o que a Academia entende como Filme Popular?

Oscar Titanic

James Cameron, Kate Winslet e Jon Landau celebram as 11 vitórias do Oscar de Titanic em 1998

Vamos começar do início. A audiência da cerimônia do Oscar está caindo gradativamente nos últimos anos. De forma bruta, desde 1998, há cada vez menos espectadores na frente da televisão. Por se tratar de um evento anual televisivo, necessita de audiência para que o show continue, então de alguns anos pra cá, algumas estratégias foram adotadas como a expansão de indicados a Melhor Filme em 2010 (inicialmente foi de 5 para 10, e nos últimos anos, segue uma regra de votação que sempre acaba resultando em 8 ou 9 indicados), a já citada migração dos prêmios honorários para uma festa à parte, e agora essa nova categoria de Filme Popular.

Entretanto, essa estratégia é um tiro no pé, pois além de causar esse estardalhaço com justificativa, não existe qualquer garantia de que o público jovem vá se interessar em assistir ao Oscar só porque Jurassic World, Vingadores: Guerra Infinita ou Missão: Impossível ganharam o Oscar! Isso nitidamente é fruto de interesses comerciais de grandes estúdios que apenas denigre a imagem da Academia.

avengers_oscars.0

Thanos, de Vingadores: Guerra Infinita, com chances de Oscar de Filme Popular em 2019. (art by Polygon)

Falando nisso, muitos membros da Academia se sentiram esnobados pois sequer foram consultados sobre essas mudanças. Entre os que se manifestaram estão o diretor Adam McKay, que ganhou o Oscar de Roteiro Adaptado por A Grande Aposta. Ele tuitou: “Outras novas categorias: Melhor Alienígena Feminina, Melhor Lançamento de Faca…”. Já o ator Rob Lowe foi mais profético: “A indústria do cinema morreu hoje com o anúncio do Oscar de Filme Popular”.

Parece uma questão boba, mas não é. Se premiarem Vingadores com o Oscar de Filme Popular, por exemplo, o que teremos como Melhor Filme? Um filme de Jean-Luc Godard? Pelo menos um Paul Thomas Anderson pra cima, né? Se vamos ter uma categoria pra filmes de menor qualidade fílmica, a lógica seria manter alto nível na categoria principal. Vamos colocar uns dois filmes europeus, dos irmãos Dardenne, e do Peter Greenaway, quem sabe uns profundos do chinês Jia Zhangke?

Alguns defendem que uma das justificativas desse Oscar é para premiar o Pantera Negra, adaptação dos quadrinhos da Marvel que bateu inúmeros recordes de bilheteria nos EUA e mundo afora, e que ainda satisfez todos que são politicamente corretos. Particularmente, sou fã da Marvel, mas não achei esse filme tudo isso filmicamente falando, mas por que não simplesmente indicá-lo a Melhor Filme então? Não seria mais fácil e honroso para o filme e sua equipe? E digo mais: Se ganhar o Oscar de Melhor Filme, aí você terá a audiência elevada, porque seria algo inédito nos 90 anos de história do prêmio.

fashion-red-carpet-black-panther-90th-academy-awards

Chadwick Boseman com elenco de Pantera Negra no tapete vermelho do Oscar 2018

Como cineasta e cinéfilo, eu entendo que o Oscar é um prêmio da indústria e que não dá pra se guiar por ele no quesito qualidade. Mas peraí! Existem, sim, inúmeros filmaços indicados ao longo dessas nove décadas. Só para citar alguns: Cidadão Kane, Vinhas da Ira, Casablanca, Um Lugar ao Sol, Psicose, 2001: Uma Odisséia no Espaço, O Poderoso Chefão, Amadeus, O Silêncio dos Inocentes, A Viagem de Chihiro… eu mesmo descobri vários filmes ótimos por causa do Oscar. Portanto, conceder um Oscar é uma honraria, sim, e não deveria se curvar aos interesses comerciais, sejam dos estúdios ou da audiência da cerimônia. Independente do que sejam esses filmes populares, não existe motivo nenhum pra haver essa divisão. Por pior que o filme seja, ele continua sendo cinema. Em alguns casos até sangra a garganta de dizer isso, mas são cinema! Por que premiá-los como um sub-cinema? Se eles são merecedores de Melhor Filme, premiem! Se eles são merecedores apenas do Oscar de Efeitos Sonoros, premiem apenas esse! Cazzo!!

Do fundo do coração, espero que eles repensem melhor essa categoria. Não é nem um pouco feio voltar atrás numa decisão ruim! Alguns gêneros como Terror, Ação e Ficção Científica realmente são muito esnobados pela Academia, mas eles não precisam de uma nova categoria, mas sim, de oportunidades nas que já existem. Por exemplo: Por que não terem indicado a excelente trilha musical de Invocação do Mal na categoria de Trilha Original? Por que não indicar Rua Cloverfield 10 como Roteiro Original e Ator Coadjuvante para John Goodman? Por que não indicar David Robert Mitchell como Melhor Diretor por Corrente do Mal? Tenho certeza de que se essas inclusões (merecidas) tivessem ocorrido ao longo dos anos, ninguém aqui estaria reclamando que determinados gêneros são excluídos e que precisam de uma categoria própria.

APOSTAS PARA O OSCAR 2018: O ANO DO FEMINISMO

Oscars.jimmy-kimmel.1818

Um dos vários cartazes da 90ª edição do Oscar com o host Jimmy Kimmel

AINDA SE RECUPERANDO DO #OSCARSSOWHITE, ACADEMIA TENTA LIDAR COM A QUESTÃO DO FEMINISMO E DOS ASSÉDIOS SEXUAIS NESTA 90ª EDIÇÃO

“It’s a wonderful night for Oscar! Oscar! Oscar! Who will win?” – É assim que Billy Crystal sempre abria seus monólogos do Oscar.  Que filme vai ganhar? Este ano, o mistério está ainda maior depois da surpresa de Moonlight no ano passado. Afinal, que mensagem a Academia quer passar este ano? Ou seria apenas uma questão de sistema de votação?

Pra quem acompanhou as notícias de Hollywood em 2017, as denúncias de assédio e abuso predominaram as manchetes, causando um enorme rebuliço e até a expulsão do produtor e lobbista do Oscar, Harvey Weinstein. Com isso, todas as mulheres que trabalham na indústria reagiram ferozmente e levantaram a bandeira do movimento Time’s Up por uma indústria mais segura e igualitária para o sexo feminino. Há poucos dias, foi anunciado que a cerimônia do Oscar dedicará um momento para o movimento tamanha sua repercussão.

Pra ser bem sincero, estou com receio de que se Lady Bird, único representante entre os nove indicados a Melhor Filme dirigido por uma mulher, não levar nenhum prêmio, as ativistas subam ao palco e causem destruição em massa! Mas, brincadeiras à parte, o Oscar deste ano está bastante dividido, especialmente entre quatro filmes: Três Anúncios Para um Crime, A Forma da Água, Corra! e Lady Bird, algo muito raro em anos recentes do evento. Com isso, espera-se que novamente o anúncio de Melhor Filme seja o mais esperado da noite, que curiosamente, contará novamente com a dupla de atores Warren Beatty e Faye Dunaway, que protagonizaram a gafe do envelope.

faye-dunaway-warren-beatty-47c69605-7ecc-4c96-a6e9-94166bf70ff8.jpg

Volta tudo: Faye Dunaway e Warren Beatty querem se redimir da gafe do envelope errado (pic US Weekly)

Falando em apresentadores, a Academia anunciou listas dos encarregados da tarefa. Assim como o momento pede, são nomes bem diversos que vão dos mais famosos como Viola Davis e Emma Stone até desconhecidos do grande público como Kumail Nanjiani,  Eiza González e Eugenio Derbez. De estrelas de outras épocas como Jane Fonda, Rita Moreno e Eva Marie Saint até as recentes como Gal Gadot, Ansel Elgort e Oscar Isaac.

HOST PELA SEGUNDA VEZ: JIMMY KIMMEL

Assim que confirmaram que Jimmy Kimmel seria host novamente, tive a impressão de que estavam tentando compensá-lo pela lambança do envelope do ano passado, afinal, ser host quando tudo corre bem é uma coisa, agora ser host quando rola uma gafe enorme dessas, precisa ter muita calma e sangue frio para contornar a situação.

Mas deixando essa lambança de lado, Kimmel fez um bom trabalho como host, desde seu monólogo de abertura, apontando críticas políticas a Trump, até sua interação com algumas celebridades na platéia, com direito a doces jogados com mini-pára-quedas. Porém pecou com seu quadro de “pegadinha” com os turistas, que adentraram o Dolby Theater ao vivo e interagiram eternamente com alguns atores na primeira fileira. Aquilo custou um tempo precioso e não funcionou.

E continuo com a minha campanha para a volta de Jon Stewart como host em 2019, ou a estréia de Jim Carrey. Seria fantástico! Mas até lá, vou torcer para que Jimmy faça uma ótima apresentação e eleve a audiência em decadência do Oscar.

A 90ª EDIÇÃO DO OSCAR: O QUE PODE ACONTECER

Nesta edição especial de 90 anos do Oscar, podemos presenciar momentos históricos como o primeiro Oscar para Roger Deakins após 14 indicações. Outros momentos podem acontecer sobre o palco e que podem fazer história: primeira vitória de um diretor negro (se Jordan Peele levar por Corra!), primeira vitória de uma pessoa transgênero (se Yance Ford levar Melhor Documentário por Strong Island), primeira mulher negra a ganhar o Oscar de Roteiro Adaptado (se Dee Rees levar por Mudbound), primeira mulher a vencer Melhor Fotografia (se Rachel Morrison ganhar por Mudbound), a vencedora mais velha a ganhar o Oscar (se Agnès Varda conquistar Melhor Documentário por Visages, Villages aos 89 anos), o vencedor mais velho nas categorias de atuação (se Christopher Plummer receber seu segundo Oscar por Todo o Dinheiro do Mundo aos 88 anos), vencedor mais novo de Melhor Ator (se Timothée Chalamet ganhar por Me Chame Pelo Seu Nome aos 22 anos), primeiro ator a ganhar 4 estatuetas de Melhor Ator (se Daniel Day-Lewis vencer por Trama Fantasma).

MELHOR FILME

  • Me Chame Pelo Seu Nome (Call Me By Your Name)
  • O Destino de uma Nação (Darkest Hour)
  • Dunkirk (Dunkirk)
  • Corra! (Get Out)
  • Lady Bird: A Hora de Voar (Lady Bird)
  • Trama Fantasma (Phantom Thread)
  • The Post: A Guerra Secreta (The Post)
  • A Forma da Água (The Shape of Water)
  • Três Anúncios Para um Crime (Three Billboards Outside Ebbing, Missouri)

DEVE GANHAR: A Forma da Água
DEVERIA GANHAR: Corra!
ZEBRA: The Post: A Guerra Secreta

ESNOBADO: Projeto Flórida

Embora A Forma da Água tenha ganhado os principais prêmios da temporada que indicam forte favoritismo como o PGA (sindicato de produtores), a corrida está bem aberta nesta categoria, principalmente por causa do sistema de votação que permite que filmes “rankiados” na média possam ultrapassar os melhores posicionados como aconteceu ano passado com Moonlight. Além disso, nesta era politicamente correta, pesa bastante a mensagem que a Academia quer passar com seu vencedor de Melhor Filme.

E nesse quesito, Três Anúncios Para um Crime é o que mais se aproxima pela temática da impunidade relacionado a crimes sexuais. Logo em seguida, viria Lady Bird, por ser o único aqui dirigido e escrito por uma cineasta mulher (Greta Gerwig). Contudo, a meu ver, pelo sistema de votação, acredito no potencial de Corra! surpreender na noite e ser coroado o Melhor Filme do Ano, até porque é o melhor filme (e mais ousado) e se ganhar, ninguém ficaria insatisfeito.

Particularmente, adoraria também que Trama Fantasma fosse o coelho da cartola, mas acho muito pouco provável sua vitória, mesmo que seu diretor, Paul Thomas Anderson, seja finalmente reconhecido na categoria de Diretor.

A seguir, vou comentar um pouco de cada um dos nove filmes indicados. Eles estão listados por ordem de preferência pessoal, do pior para o melhor:

THE POST: A GUERRA SECRETA
Em poucas palavras: o pior filme de Spielberg em décadas. Nitidamente, vemos que ele fez o filme nas coxas, não tendo o costumeiro cuidado que ele tem em filmes históricos. Tudo isso pra poder aproveitar o momento de crítica ao governo Trump que é contra a liberdade de imprensa. Assim, faltou emoção, faltou catarse, faltou empatia com qualquer personagem, faltou praticamente tudo. Nem Meryl Streep merecia indicação…

The Post

O DESTINO DE UMA NAÇÃO
Joe Wright se consagrou com Orgulho e Preconceito e Desejo e Reparação, dois filmes de época. Mas, este O Destino de uma Nação não tem a mesma leveza dos filmes anteriores. É pesado, repleto de diálogos, monólogos e preso demais aos fatos históricos. Embora tenha um visual interessante pela fotografia de Bruno Delbonnel, Wright entrega uma cinebiografia quadrada que outros diretores menos talentosos poderiam entregar.

The Darkest Hour

DUNKIRK
No geral, não achei que a ausência de um protagonista tenha funcionado, mesmo entendendo os motivos para isso. Porém, o que mais valorizo em Dunkirk é um amadurecimento de Christopher Nolan. Se antes ele fazia filmes extremamente verborrágicos e didáticos, ele procurou fazer justamente o oposto neste trabalho: poucos diálogos e menos explicações. E ele é um dos poucos diretores que sempre buscam fazer algo novo e feito para ser visto numa sala de cinema, de preferência com as caixas de som “bombando”.

DUNKIRK EDDIE_

LADY BIRD
Pra quem já assistiu aos filmes de John Hughes, que dissecou como poucos o universo juvenil, conferir Lady Bird parece mais uma versão com a geração dos anos 90. Aqui temos uma jovem perdida em seus sonhos enquanto luta para entender sua realidade. Honestamente, não entendi o alvoroço em volta do nome de Greta Gerwig, mas por causa de alguns momentos do filme, como a cena na loja de departamentos, é possível ver um futuro promissor na carreira dela.

Lady Bird 2

TRÊS ANÚNCIOS PARA UM CRIME
Pra quem tem humor negro e aprecia algumas coisas absurdas e non-sense, Três Anúncios soa como um respiro de originalidade no cenário. Embora tenha defeitos no roteiro e arcos um pouco difíceis de engolir, o filme de Martin McDonagh pegou carona no momento pró-feminismo ao abordar a história de uma mulher que busca justiça no caso não solucionado do assassinato de sua filha.

Three Billboards Frances Peter Dinklage_

A FORMA DA ÁGUA
Versão romântica e com final feliz de O Monstro da Lagoa Negra (1954). Guillermo del Toro concebe uma visão bastante romântica dessa história de amor inter-racial (?) entre uma mulher muda e uma criatura aquática presa. Claro que você consegue enxergar sob um viés político se trocarmos a muda por uma americana e a criatura por um mexicano sendo deportado por Trump, mas consigo ver mais como uma grande história de redenção de excluídos da sociedade: além da muda e da criatura, temos um homossexual idoso e uma faxineira negra.

the shape of water sally hawkins_

ME CHAME PELO SEU NOME
Pra ser bem honesto, nunca pensei que este filme chegaria à festa do Oscar. Não que seja um filme ruim ou não merecedor de tamanha atenção, mas a Academia dificilmente reconhece produções com aspecto mais europeu e dirigido por um italiano (Luca Guadagnino). Mas essa história de um caso amoroso entre dois jovens conquistou o público, especialmente com o monólogo de encerramento por Michael Stuhlbarg. Assim como em outros filmes de Guadagnino, ele toma o tempo necessário para você entrar naquele universo e também utiliza metáforas que o cinema americano não usaria.

CALL ME BY YOUR NAME 3

TRAMA FANTASMA
Quando se assiste ao trailer deste filme, não se cria expectativa alguma, pra não dizer que cria ânimo para vê-lo. Mas não estamos falando de qualquer cineasta, mas de Paul Thomas Anderson, um cineasta que parece à prova de filmes ruins em sua cinematografia. Aqui ele faz um belíssimo estudo das relações humanas através de dois personagens de comportamentos desagradáveis e que precisam aprender a lidar um com o outro. Além de todos os atores em sintonia e em estado de graça, a trilha de Jonny Greenwood acentua as cenas e concede um tom clássico ao filme. Em Trama Fantasma, existem tantas nuances que é impossível apreciar tudo numa única sessão.

Phantom Thread Day-Lewis Vicky.jpg

CORRA!
Quantos filmes você já não assistiu com a temática do racismo? Inúmeros, certo? Todos se tornam clichês se comparados à trama de Jordan Peele em Corra!. Colocar dois personagens discutindo e se xingando por causa da cor da pele é coisa de amadores. Peele se utiliza de convenções sociais para gerar um impasse entre um rapaz negro e a família branca de sua namorada. Jordan não apenas atualiza o filme de Sidney Poitier, Adivinhe Quem Vem Para Jantar, mas consegue atingir as vísceras do racismo.

get out movie 2

MELHOR DIRETOR

  • Paul Thomas Anderson (Trama Fantasma)
  • Guillermo del Toro (A Forma da Água)
  • Greta Gerwig (Lady Bird: A Hora de Voar)
  • Christopher Nolan (Dunkirk)
  • Jordan Peele (Corra!)
get-out-mit-jordan-peele-und-betty-gabriel.jpg

Jordan Peele (Corra!) pic by moviepilot.de

DEVE GANHAR: Guillermo del Toro (A Forma da Água)
DEVERIA GANHAR: Jordan Peele (Corra!)
ZEBRA: Paul Thomas Anderson (Trama Fantasma)

ESNOBADO: Sean Baker (Projeto Flórida)

É muito raro na história da Academia, o diretor que levou o prêmio do sindicato de diretores (DGA) não levar a estatueta do Oscar em seguida. Mais especificamente, esse fato ocorreu apenas sete vezes, portanto, o mexicano Guillermo del Toro já é tecnicamente o vencedor. Se confirmado esse reconhecimento, ele será o terceiro mexicano a vencer nesta categoria em menos de dez anos (!), seguido por Alfonso Cuarón e Alejandro G. Iñárritu. Dá-lhe, México!

Del Toro consegue criar esse universo de fantasia com atmosfera bem romântica, calcada na ótima trilha de Alexandre Desplat, na direção de arte, na fotografia e nas referências cinematográficas, ficando impossível de não reconhecer como um filme dele. Mas pra mim, Jordan Peele fez tudo isso e teve a ousadia que faltou para os outros: ele teceu uma crítica racial formidável em forma de filme de terror e ficção científica como grandes mestres fizeram no passado como John Carpenter. Nem ligo pra essa coisa de primeiro diretor negro a ganhar o Oscar, e ficarei extremamente feliz se ele ganhar.

MELHOR ATOR

  • Timothée Chalamet (Me Chame Pelo Seu Nome)
  • Daniel Day-Lewis (Trama Fantasma)
  • Daniel Kaluuya (Corra!)
  • Gary Oldman (O Destino de uma Nação)
  • Denzel Washington (Roman J. Israel, Esq.)
Timothée Chalamet Call me

Timothée Chalamet (Me Chame Pelo Seu Nome)

DEVE GANHAR: Gary Oldman (O Destino de uma Nação)
DEVERIA GANHAR: Timothée Chalamet (Me Chame Pelo Seu Nome)
ZEBRA: Denzel Washington (Roman J. Israel, Esq.)

ESNOBADO: James Franco (O Artista do Desastre), Robert Pattinson (Bom Comportamento)

Ok, que Gary Oldman é um dos melhores atores de sua geração não há dúvida ou discordância, mas é realmente toda essa unanimidade por O Destino de uma Nação? Sabemos que a fórmula das cinebiografias aliada a uma boa maquiagem já proporciona ótima vantagem no Oscar, mas toda vez que via Oldman dando berros como Winston Churchill, achava que estava beirando o caricato. De novo: eu entendo que isso vende no Oscar e que ele merece um Oscar pela carreira, mas e como fica Timothée Chalamet, que entregou a melhor performance masculina do ano? Espera ele ser indicado por um filme bobo e dar o Oscar pra compensar por essa derrota? Ok, o Oscar pode ser prematuro e estragar a carreira dele se formos pensar em consequências pessimistas, mas ele merece pela naturalidade de suas expressões, diálogos e mudança de idiomas.

Dois adendos rápidos: Daniel Day-Lewis traz novamente uma ótima performance. É doloroso saber que este pode ser seu último filme, já que anunciou aposentadoria. Mas nem por isso, apoio votação nele porque vai se retirar do cinema, mas pela performance em si, repleta de nuances.

E o que dizer de James Franco fora da corrida por causa de denúncias? Justo? Injusto? Foi realmente uma pena ele ser excluído por esse motivo. Sua interpretação-imitação de Tommy Wiseau é excelente, e o filme O Artista do Desastre se baseia demais na atuação dele. Ah, e se tivesse que exclui-lo mesmo, poderiam tê-lo substituído por algum material mais fresco como Robert Pattison em Bom Comportamento.

MELHOR ATRIZ

  • Sally Hawkins (A Forma da Água)
  • Frances McDormand (Três Anúncios Para um Crime)
  • Margot Robbie (Eu, Tonya)
  • Saoirse Ronan (Lady Bird: A Hora de Voar)
  • Meryl Streep (The Post: A Guerra Secreta)
Sally Hawkins The Shape of Water 2.jpg

Sally Hawkins (A Forma da Água) pic by cine.gr

 

DEVE GANHAR: Frances McDormand (Três Anúncios Para um Crime)
DEVERIA GANHAR: Sally Hawkins (A Forma da Água)
ZEBRA: Meryl Streep (The Post: A Guerra Secreta)

ESNOBADO: Brooklynn Prince (Projeto Flórida), Daniela Vega (Uma Mulher Fantástica)

Certamente foi um ano excepcional para as atrizes. E esse movimento Time’s Up pode e deve proporcionar mais papéis de protagonismo para elas, o que me agrada muito devido à atual escassez de papéis mais interessantes no cinema (porque na TV tem sobrando…). Pra quem acompanhou a temporada, Frances McDormand já levou esse Oscar. Mas devo lembrar que este será seu segundo Oscar, e poucas atrizes conseguiram esse feito. Muitos votantes utilizam esse critério na hora de votar: “Fulana já ganhou antes”. E curiosamente, o papel de Midred Hayes muito lembra a policial Marge Gundersson de Fargo. Particularmente, não vi nenhuma interpretação nova na carreira de McDormand. Pra mim, ela ganhará por puro carisma e torcida.

Das indicadas, a melhor performance foi de Sally Hawkins. E não é só porque ela interpreta uma mulher muda, e teve que aprender linguagem de sinais. Não. Ela consegue personificar uma mulher solitária que se apaixona e nunca desiste de uma vida melhor. Quem consegue fingir amor por um ser aquático sem cair no ridículo? Hawkins consegue e com certa ousadia, pois não teme expôr sua nudez e desejo carnal.

Não me entendam mal. Sou fã de Meryl Streep, tanto que assisti The Post só por causa dela no cinema. Contudo, mais uma vez, ela não mereceu uma nova indicação. Tudo bem que ela consegue dar maior profundidade à sua personagem que vive num universo masculino, mas o filme não ajuda em nenhum momento. Não sou muito a favor de indicar crianças por causa das altas expectativas, mas trocaria fácil Meryl Streep pela pequena-prodígio Brooklynn Prince de Projeto Flórida, ou a atriz chilena Daniela Vega por Uma Mulher Fantástica. E não, não estou selecionando por ser transgênero, mas pela performance corajosa mesmo.

MELHOR ATOR COADJUVANTE

  • Willem Dafoe (Projeto Flórida)
  • Woody Harrelson (Três Anúncios Para um Crime)
  • Richard Jenkins (A Forma da Água)
  • Christopher Plummer (Todo o Dinheiro do Mundo)
  • Sam Rockwell (Três Anúncios Para um Crime)
Willem Dafoe Florida.jpg

Willem Dafoe (Projeto Flórida)

DEVE GANHAR: Sam Rockwell (Três Anúncios Para um Crime)
DEVERIA GANHAR: Willem Dafoe (Projeto Flórida)
ZEBRA: Woody Harrelson (Três Anúncios Para um Crime)

ESNOBADO: Steve Carell (A Guerra dos Sexos)

Das categorias de atuação, é a que menos me agrada. Mas confesso que não assisti a Todo o Dinheiro do Mundo, então vou deixar o Christopher Plummer longe da crítica. Dos quatro, todos têm alguma deficiência, seja de interpretação ou de profundidade de papel. Por exemplo, Sam Rockwell está bem, mas o arco de seu personagem com essa suposta redenção não rolou pra mim. Já Willem Dafoe é a performance que mais me agrada, porém sinto que faltou uma cena que pudesse entregar um pouco mais sobre quem era seu personagem ou como ele chegou ali. Mas resumindo: adoraria ver o Dafoe ganhar.

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

  • Mary J. Blige (Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississipi)
  • Allison Janney (Eu, Tonya)
  • Lesley Manville (Trama Fantasma)
  • Laurie Metcalf (Lady Bird: A Hora de Voar)
  • Octavia Spencer (A Forma da Água)
Laurie Metcalf Lady Bird 3

Laurie Metcalf (Lady Bird) pic by cine.gr

 

DEVE GANHAR: Allison Janney (Eu, Tonya)
DEVERIA GANHAR: Laurie Metcalf (Lady Bird)
ZEBRA: Octavia Spencer (A Forma da Água)

ESNOBADO: Holly Hunter (Doentes de Amor)

Sou meio suspeito pra falar de Holly Hunter, porque costumo gostar de quase tudo o que ela faz, inclusive como dubladora em Os Incríveis, mas a interpretação dela em Doentes de Amor faz toda a diferença para a personagem dela, que poderia muito bem ser esquecível se fosse outra atriz. Holly cria alguns maneirismos e tiques para sua personagem sem gerar alarde exagerado. Prefiro ela a Octavia Spencer que, apesar de fazer uma personagem de alívio cômico em A Forma da Água, parece repetir o mesmo personagem em todo novo trabalho.

Pra mim, a grande atuação de coadjuvante deste ano é de Laurie Metcalf. Ela não usa maquiagem transformadora, não apresenta sotaques de caipira, nem tem cenas de gritaria, porque não precisa disso para mostrar suas habilidades naturais de interpretação. Ela faz a aquela mãe que toda adolescente já teve, que guarda para si suas dores e sonhos, é protetora e zela pelo bem-estar dos filhos. Se Lesley Manville ganhar, também seria um Oscar mais do que merecido. E se Allison Janney ganhar por Eu, Tonya, será a confirmação de que maquiagem e papel excêntrico sempre ganham.

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL

  • Kumail Nanjiani, Emily V. Gordon (Doentes de Amor)
  • Jordan Peele (Corra!)
  • Greta Gerwig (Lady Bird: A Hora de Voar)
  • Guillermo del Toro, Vanessa Taylor (A Forma da Água)
  • Martin McDonagh (Três Anúncios Para um Crime)
Get Out table

Cena de Corra! (pic by cine.gr)

DEVE GANHAR: Martin McDonagh (Três Anúncios Para um Crime)
DEVERIA GANHAR: Jordan Peele (Corra!)
ZEBRA: Kumail Nanjiani, Emily V. Gordon (Doentes de Amor)

ESNOBADO: Adrian Molina, Matthew Aldrich (Viva: A Vida é uma Festa)

Provavelmente o Oscar que deve definir qual filme leva o maior prêmio da noite: Melhor Filme. Se Jordan Peele levar, Corra! deve ganhar Filme, Greta Gerwig com Lady Bird e Martin McDonagh com Três Anúncios. Esperamos que Jordan Peele vença aqui pela sua originalidade, claro.

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO

  • James Ivory (Me Chame Pelo Seu Nome)
  • Scott Neustadter, Michael H. Weber (O Artista do Desastre)
  • Scott Frank, James Mangold, Michael Green (Logan)
  • Aaron Sorkin (A Grande Jogada)
  • Dee Rees, Virgil Williams (Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississippi)
call-me-by-your-name-mit-armie-hammer

Cena de Me Chame Pelo Seu Nome

DEVE GANHAR: James Ivory (Me Chame Pelo Seu Nome)
DEVERIA GANHAR: James Ivory (Me Chame Pelo Seu Nome)
ZEBRA: Aaron Sorkin (A Grande Jogada)

Quando o votante encarar essa categoria na cédula de votação, ele deve pensar: “Logan? Oscar para quadrinhos? Nem pensar… O Artista do Desastre? Depois de tantas denúncias… Aaron Sorkin não ganhou uns anos atrás por Rede Social? Mudbound… não vi! Não quero dar roteiro para Me Chame Pelo Seu Nome, mas é melhorzinho aqui e leva pelo menos um prêmio.” Resumindo a ópera, não há competição contra o roteiro de James Ivory, que aliás, foi indicado três vezes como diretor e nunca levou. Só espero que Timothée Chalamet esteja por perto para ajudá-lo a subir no palco como fez no WGA.

MELHOR FOTOGRAFIA

  • Roger Deakins (Blade Runner 2049)
  • Bruno Delbonnel (O Destino de uma Nação)
  • Hoyte Van Hoytema (Dunkirk)
  • Rachel Morrison (Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississippi)
  • Dan Laustsen (A Forma da Água)
Blade Runner 2049_

Fotografia de Roger Deakins em Blade Runner 2049

DEVE GANHAR: Blade Runner 2049
DEVERIA GANHAR: Blade Runner 2049
ZEBRA: Dunkirk

ESNOBADO: Sayombhu Mukdeeprom (Me Chame Pelo Seu Nome)

Depois de “apenas” 14 indicações, finalmente parece ter chegado a vez de Roger Deakins subir ao palco. Mas engana-se aquele que pensa que o diretor de fotografia está sendo reconhecido pelo conjunto da obra, como em muitos casos, mas pelo trabalho excepcional no visual de Blade Runner 2049. Como já citei aqui em posts anteriores, era um desafio enorme fazer a fotografia desta sequência do cultuado original de 1982, Blade Runner: O Caçador de Andróides, pois era necessário respeitar a identidade visual criada por Jordan Cronenweth (diretor de fotografia) e ainda criar sua própria. Um Oscar para Deankins mataria três coelhos numa só cajadada: seria uma forma de reconhecer o filme original de 1982 (que não levou nada na época), de reconhecer esta sequência bastante elogiada pela crítica, e de reconhecer o trabalho de um dos maiores diretores de fotografia das últimas décadas.

MELHOR MONTAGEM

  • Paul Machliss, Jonathan Amos (Em Ritmo de Fuga)
  • Lee Smith (Dunkirk)
  • Tatiane S. Riegel (Eu, Tonya)
  • Sidney Wolinsky (A Forma da Água)
  • Jon Gregory (Três Anúncios Para um Crime)
Bodega Bay

Cena de Dunkirk (pic by cine.gr)

DEVE GANHAR: Dunkirk
DEVERIA GANHAR: Dunkirk
ZEBRA: Três Anúncios Para um Crime

ESNOBADO: Ronald Bronstein, Benny Safdie (Bom Comportamento)

Lee Smith deveria ganhar só por ter editado um filme do Christopher Nolan com menos de duas horas de duração! Há quanto tempo você não via um filme do diretor tão econômico na duração? Mas além do tempo, a edição de Lee Smith conseguiu gerar tensão do início ao fim, seja na praia, na embarcação ou dentro do avião pilotado por Tom Hardy. Vale lembrar que o montador foi previamente indicado duas vezes, mas nunca levou.

Como o BAFTA anda prevendo os vencedores de Montagem (previu a vitória de Whiplash e Até o Último Homem), pode ser que Em Ritmo de Fuga conquiste seu Oscar também. E pra mim, uma montagem que ficou faltando aqui foi do independente Bom Comportamento.

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

  • Sarah Greenwood, Katie Spencer (A Bela e a Fera)
  • Dennis Gassner, Alessandra Querzola (Blade Runner 2049)
  • Sarah Greenwood, Katie Spencer (O Destino de uma Nação)
  • Nathan Crowley, Gary Fettis (Dunkirk)
  • Paul D. Austerberry, Shane Vieau, Jeffrey A. Melvin (A Forma da Água)
blade-runner-2049-mit-ryan-gosling-und-sylvia-hoeks

Cena de Blade Runner 2049

DEVE GANHAR: A Forma da Água
DEVERIA GANHAR: Blade Runner 2049
ZEBRA: A Bela e a Fera

ESNOBADO: Assassinato no Expresso Oriente

Tenho uma dura crítica a fazer em relação a Direção de Arte e Figurino. Fui contra à decisão da Academia de indicar o filme A Bela e a Fera em ambas as categorias, porque são Production Design e Costume Design, ou seja, estão reconhecendo o design desses dois setores. E o grande problema é que essas versões live-action das animações da Disney copiam tudo dos originais; não apenas o roteiro, mas os cenários e os figurinos. Se queriam premiar o design mesmo, tinham que premiar os artistas das animações. E isso é extremamente preocupante porque a Disney está filmando uma série de versões live-action como Mulan e O Rei Leão.

Enfim, após esse breve desabafo,  a competição está acirrada entre Blade Runner 2049 e A Forma da Água, pois ambos saíram vencedores no prêmio do sindicato de Diretores de Arte. O primeiro venceu como Fantasia, e o segundo levou como Filme de Época. Qualquer um vencendo o Oscar, será um prêmio bem dado e merecido. Contudo, acredito que A Forma da Água leva pra ganhar aquela “gordurinha” proporcional às 13 indicações.

MELHOR FIGURINO

  • Jacqueline Durran (A Bela e a Fera)
  • Jacqueline Durran (O Destino de uma Nação)
  • Mark Bridges (Trama Fantasma)
  • Luis Sequeira (A Forma da Água)
  • Consolata Boyle (Victoria e Abdul: O Confidente da Rainha)
Phantom Thread Vicky

Cena de Trama Fantasma com Vicky Krieps (pic by outnow.ch)

DEVE GANHAR: Trama Fantasma
DEVERIA GANHAR: Trama Fantasma
ZEBRA: Victoria e Abdul

ESNOBADO: Alexandra Byrne (Assassinato no Expresso Oriente)

Acho que ninguém tira esse segundo Oscar de Mark Bridges (ele venceu por O Artista). Vamos aos fatos: Trama Fantasma é um filme sobre roupas e moda. Quando as vestimentas são importantes para a trama, costuma ganhar muitos pontos. Foi assim que Memórias de uma Gueixa, A Jovem Rainha Vitória e A Duquesa levaram seus Oscars de Figurino.

A única concorrente que pode ameaçar o favoritismo de Bridges é Jacqueline Durran, que este ano concorre com dois filmes: A Bela e a Fera e O Destino de uma Nação, ou seja, os votos dela certamente vão se dividir e possibilitar ainda maior vantagem de favorito.

MELHOR MAQUIAGEM E CABELO

  • Arjen Tuiten (Extraordinário)
  • Kazuhiro Tsuji, David Malinowski, Lucy Sibbick (O Destino de uma Nação)
  • Daniel Phillips, Loulia Sheppard (Victoria e Abdul: O Confidente da Rainha)
Wonder.jpg

Jacob Tremblay em cena de Extraordinário (pic by cine.gr)

DEVE GANHAR: O Destino de uma Nação
DEVERIA GANHAR: Extraordinário
ZEBRA: Victoria e Abdul

ESNOBADO: Eu, Tonya

Não é a primeira vez que falo isso aqui no blog, mas eu sinto falta daqueles filmes de criaturas como Um Lobisomem Americano em Londres e A Mosca, em que o excepcional trabalho de maquiagem de transformação era de encher os olhos. Infelizmente, com o passar do tempo, esse talento foi cada vez mais desvalorizado por produtores de Hollywood, que queriam reduzir custos e fazer tudo numa computação gráfica barata.

Dos três indicados, não gosto de nenhum de fato. Mas me parece que a maquiagem de Extraordinário está melhor executada e a interpretação do jovem Jacob Tremblay consegue se destacar mesmo debaixo dela. Já a maquiagem de O Destino de uma Nação não está ruim, mas fica mais perceptível de que é uma pessoa maquiada pra ficar mais velha.

Eu tiraria Victoria e Abdul da jogada e o substituiria por Eu, Tonya. Acredito que sua maquiagem consegue caracterizar melhor as personagens no melhor estilo início dos anos 90, e a performance de Allison Janney muito se deve à maquiagem, e o processo de “enfeiamento” de Margot Robbie também contribui com o aspecto biográfico.

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL

  • Hans Zimmer (Dunkirk)
  • Jonny Greenwood (Trama Fantasma)
  • Alexandre Desplat (A Forma da Água)
  • John Williams (Star Wars: Os Últimos Jedi)
  • Carter Burwell (Três Anúncios Para um Crime)
Phantom Thread

Vicky Krieps e Daniel Day-Lewis em cena de Trama Fantasma (pic by cineimage.ch)

DEVE GANHAR: A Forma da Água
DEVERIA GANHAR: Trama Fantasma
ZEBRA: Três Anúncios Para um Crime

ESNOBADO: Michael Abels (Corra!), Daniel Lopatin (Bom Comportamento), Michael Giacchino (Planeta dos Macacos: A Guerra)

Vamos ser honestos? Não tem trilha mais bela deste ano do que a de Jonny Greenwood. Suas composições são tão bonitas e clássicas que também podem muito bem ser apreciadas além do filme Trama Fantasma. Sua parceria com o diretor Paul Thomas Anderson já deveria ter rendido um Oscar pelo menos, principalmente por Sangue Negro, portanto sua primeira indicação é mais do que merecida.

Contudo, a trilha de Alexandre Desplat pontua tão bem a atmosfera fantasiosa e lúdica de A Forma da Água, que é praticamente impossível de não conceder um segundo Oscar para o compositor francês. Sua composição aqui se utiliza de sons que remetem ao universo aquático, e a Academia adora sons bem específicos que destacam a trilha nos filmes.

Não desmerecendo o trabalho de Carter Burwell, e nem de John Williams, mas eu os substituiria pelo frescor das trilhas de Michael Abels e Daniel Lopatin. O primeiro criou uma música sensacional para a atmosfera de estranhamento de Corra!, principalmente para as sequências de hipnose. Já o segundo coordenou o ritmo frenético e empolgante de Bom Comportamento. Duas ausências injustificáveis.

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

  • “Mighty River” (Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississippi)
  • “Mystery of Love” (Me Chame Pelo Seu Nome)
  • “Remember Me” (Viva: A Vida é uma Festa)
  • “Stand Up for Something” (Marshall)
  • “This is Me” (O Rei do Show)

DEVE GANHAR: “This is Me”
DEVERIA GANHAR: “This is Me”
ZEBRA: “Stand Up for Something”

ESNOBADO: “Visions of Gideon” (Me Chame Pelo Seu Nome)

Esses dias atrás, quando vi Mudbound, pensei: “A Mary J. Blige está bem como atriz, mas pouca gente está falando dela. Quem sabe ela não surpreende na categoria de Canção?” A música “Mighty River” não é tão empolgante, mas caiu bem no filme de Dee Rees. Será que vão compensar a artista e o filme?

A única chance disso acontecer é se os votos de “Remember Me” e “This is Me” se dividirem. Particularmente, vejo “This is Me” como a grande favorita, especialmente pelo “making of” divulgado no YouTube (link acima), mas a canção também é de extrema importância para a trama de Viva: A Vida é uma Festa. O grande contra de O Rei do Show é que só foi indicado para Canção.

Só um adendo: a canção “Stand Up for Something” é a nona indicação da ótima compositora Diane Warren, responsável por grandes hits como “Because You Loved Me”, “How do I Live” e “I Don’t Want to Miss a Thing”. Infelizmente, acho bem improvável sua vitória aqui, mas acredito que ela vai acabar ganhando seu Oscar com direito a uma salva de palmas de pé do público.

MELHOR SOM

  • Em Ritmo de Fuga
  • Blade Runner 2049
  • Dunkirk
  • A Forma da Água
  • Star Wars: Os Últimos Jedi
Dunkirk 4.jpg

Cena de Dunkirk (pic by cine.gr)

DEVE GANHAR: Dunkirk
DEVERIA GANHAR: Dunkirk
ZEBRA: A Forma da Água

Normalmente, a regra que funciona nesta categoria é: o filme mais barulhento ganha. Então sempre temos filmes de guerra e ação aqui. Só para citar vencedores mais recentes: Até o Último Homem e Mad Max: Estrada da Fúria. Este ano, o candidato que mais se encaixa nesse perfil é Dunkirk, que apresenta sons de tiros, explosões, barcos, aviões, enfim, um festival sonoro pra quem viu numa sala de cinema de boa qualidade como o IMAX. Existe uma chance mínima de Em Ritmo de Fuga surpreender aqui, mas como disse, mínima.

MELHORES EFEITOS SONOROS

  • Em Ritmo de Fuga
  • Blade Runner 2049
  • Dunkirk
  • A Forma da Água
  • Star Wars: Os Últimos Jedi
Dunkirk Tom Hardy.jpg

Cena de Tom Hardy em Dunkirk (pic by cine.gr)

DEVE GANHAR: Dunkirk
DEVERIA GANHAR: Dunkirk
ZEBRA: A Forma da Água

Richard King é o grande nome desta categoria. É um senhorzinho de óculos que consegue recriar em estúdio os melhores efeitos sonoros da atualidade. Foi assim que ele ganhou dois Oscars por Mestre dos Mares e Batman: O Cavaleiro das Trevas. Essa sua parceria com o diretor Christopher Nolan lhe proporciona sempre novos desafios com grandes potenciais para o Oscar. Esse seu novo trabalho em Dunkirk é fenomenal! Seu design de som é o grande responsável pela tensão contínua do filme, e não a trilha musical de Hans Zimmer, como muitos creditam.

MELHORES EFEITOS VISUAIS

  • Blade Runner 2049
  • Guardiões da Galáxia Vol. 2
  • Kong: A Ilha da Caveira
  • Planeta dos Macacos: A Guerra
  • Star Wars: Os Últimos Jedi
planet-der-affen-survival (1).jpg

Andy Serkis como Caesar em Planeta dos Macacos: A Guerra (pic by moviepilot.de)

DEVE GANHAR: Planeta dos Macacos: A Guerra
DEVERIA GANHAR: Planeta dos Macacos: A Guerra
ZEBRA: Kong: A Ilha da Caveira

Apesar de Blade Runner 2049 ser praticamente uma criação toda feita em computação gráfica, não há outro trabalho mais bem feito e bem integrado aos atores do que Planeta dos Macacos: A Guerra. Muitos podem defender que se ganhar o Oscar, será pra compensar a falta de estatuetas por toda a trilogia, mas a verdade é que o segundo filme já deveria ter sido premiado antes. E isso só aumenta as chances deste terceiro e último ato. Além disso, uma vitória nesta categoria, valoriza, e muito, os esforços descomunais do ator Andy Serkis, responsável por outras criaturas digitais como o Gollum e King Kong.

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

  • Corpo e Alma
  • O Insulto
  • Sem Amor
  • The Square: A Arte da Discórdia
  • Uma Mulher Fantástica
una-mujer-fantastica-mit-francisco-reyes-und-daniela-vega.jpg

Daniela Vega em cena de Uma Mulher Fantástica (pic by cine.gr)

DEVE GANHAR: The Square
DEVERIA GANHAR: Uma Mulher Fantástica
ZEBRA: Corpo e Alma

ESNOBADO: Em Pedaços (ALEMANHA)

O fato mais curioso desta categoria é que o favorito até as indicações ao Oscar era o alemão Em Pedaços, de Fatih Akin, que levou o Globo de Ouro e o Critics’ Choice Awards, mas todo esse histórico vitorioso se esvaiu quando ficou de fora da lista oficial. E agora? Qual era o segundo favorito? Muitos estão defendendo que o Chile vencerá seu primeiro Oscar com Uma Mulher Fantástica, mas tenho minhas dúvidas por causa do alto conservadorismo dos votantes, que não vêem com muito bons olhos esse universo LGBT do filme. Claro que adoraria estar enganado e ver Sebastián Lélio no palco, mas acho que o representante sueco, The Square, tem mais chances por ter vencido a Palma de Ouro em Cannes e por abordar o universo das Artes e exposições.

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Com Amor, Van Gogh
  • O Poderoso Chefinho
  • O Touro Ferdinando
  • The Breadwinner
  • Viva: A Vida é uma Festa
COCO

Cena da animação da Pixar, Viva: A Vida é uma Festa 

DEVE GANHAR: Viva: A Vida é uma Festa
DEVERIA GANHAR: Viva: A Vida é uma Festa
ZEBRA: O Touro Ferdinando

ESNOBADO: Mary and the Witch’s Flower

Uma das categorias mais sem surpresa do ano é esta. O novo filme da Pixar, Viva: A Vida é uma Festa, é uma obra visualmente impecável, tem um excelente timing político, já que aborda e homenageia a cultura mexicana (Trump quer construir o muro na fronteira do México) e ainda tem um forte elemento emocional nas últimas cenas que dificilmente não conquista o votante. Depois de ganhar seu primeiro Oscar pelo excelente Toy Story 3, o diretor Lee Unkrich demonstra que tem muito talento para criação também, algo que o estúdio estava precisando urgentemente após tantas sequências. Só não gostei do título brasileiro, mas ao mesmo tempo, entendo o porquê de abandonarem o título original Coco.

Achei bacana ver o cineasta brasileiro Carlos Saldanha novamente indicado ao Oscar (ele havia sido indicado pelo curta Gone Nutty em 2004), mas seu filme aqui nesta categoria é o azarão.

MELHOR DOCUMENTÁRIO

  • Abacus: Pequeno o Bastante Para Condenar
  • Visages Villages
  • Strong Island
  • Ícaro
  • Últimos Homens em Aleppo
Visages Villages JR

Cena de Visages Villages com JR e Agnès Varda (pic by cine.gr)

DEVE GANHAR: Últimos Homens em Aleppo
DEVERIA GANHAR: Visages Villages
ZEBRA: Abacus: Pequeno o Bastante Para Condenar

ESNOBADO: Jane

A grande questão desta categoria é: será que Agnès Varda, que recebeu o Oscar Honorário em novembro, vai ganhar seu primeiro Oscar competitivo? Acredito que seria o primeiro caso nos 90 anos da Academia: um homenageado ganhar no mesmo ano uma estatueta. A verdade é que o documentário dela, feito com JR, Visages Villages, é um tocante retrato de pessoas comuns da França. Como num road movie, a cineasta busca histórias de vida enquanto o artista tira fotos das pessoas e as cola em muros, casas e monumentos. O resultado visual é impressionante.

Dentre os excluídos desta lista, destaco o documentário da cientista Jane Goodall, que fez carreira cuidando de chimpanzés. O filme conquistou inúmeros prêmios na temporada, mas ficou para trás na pré-seleção do Oscar.

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA

  • Edith+Eddie
  • Heaven is a Traffic Jam on the 405
  • Heroin(e)
  • Knife Skills
  • Traffic Stop

DEVE GANHAR: Heroin(e)
DEVERIA GANHAR: Edith+Eddie
ZEBRA: Knife Skills

Pelo que andei lendo, o curta Heroin(e) está com uma forte campanha por parte da Netflix para ganhar esse Oscar. O documentário acompanha três mulheres tentando quebrar o ciclo da droga. Não sei se a campanha surtirá efeito, mas Edith+Eddie é um bom candidato pelo seu tema: a relação inter-racial mais antiga dos EUA.

MELHOR CURTA-METRAGEM

  • DeKalb Elementary
  • The Eleven O’Clock
  • My Nephew Emmett
  • The Silent Child
  • Watu Wote: All of Us

DEVE GANHAR: DeKalb Elementary
DEVERIA GANHAR: Watu Wote: All of Us
ZEBRA: The Nephew Emmett

O curta DeKalb Elementary ganha vantagem por abordar um tema polêmico e bastante atual nos EUA: o controle de armas de fogo. No filme, acompanhamos um rapaz bem instável psicologicamente invadindo salas de aula com um rifle. Infelizmente não consegui conferir o curta por indisponibilidade, mas acredito que o tema já deva chamar a atenção de muitos votantes da Academia.

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO

  • Dear Basketball
  • Garden Party
  • LOU
  • Negative Space
  • Revolting Rhymes

DEVE GANHAR: Dear Basketball
DEVERIA GANHAR: Garden Party
ZEBRA: LOU

O curta de animação baseado no poema do jogador de basquete, Kobe Bryant, já vinha crescendo desde que estava na pré-seleção da categoria. No Oscar luncheon, Bryant foi uma das figuras mais ovacionadas quando chamada para a foto oficial. E basquete nos EUA é a mesma coisa que futebol aqui no Brasil: uma obsessão. Vi o curta pelo YouTube e ele tem traços de lápis que remetem a rascunho, acompanhado de narração em off do próprio jogador.

COMEMORAÇÃO

Vamos às satisfações pessoais? Se Roger Deakins e Jordan Peele ganharem o Oscar, já me dou por satisfeito. Agora se Jonny Greenwood e a canção “This is Me” ganharem os respectivos Oscars de Trilha Musical e Canção Original, vou ter orgasmos múltiplos. Agora, se Paul Thomas Anderson, Timothée Chalamet e Laurie Metcalf ganharem, aí eu atinjo o nirvana! Vou passar o resto de 2018 num eterno chá de cogumelo.

Bom, independente dos resultados, que todos tenham uma ótima noite de Oscar!

***

A 90ª cerimônia do Oscar terá transmissão ao vivo pela TNT no dia 04 de março a partir das 21h, horário de Brasília.

ONDE E QUANDO ACOMPANHAR OS INDICADOS AO OSCAR 2018

oscarnominations012318

Os Nove Filmes indicados a Melhor Filme no Oscar 2018

VARIEDADE DE TÍTULOS JÁ REFLETE EXPANSÃO DOS MEMBROS DA ACADEMIA

Normalmente, quando se pensa em filmes do Oscar, logo vêm à mente grandes produções baseadas em fatos verídicos ou em grandes personalidades da História, com estrelas hollywoodianas inquestionáveis, certo? Até os anos 90, você não poderia estar mais correto. Mas nos últimos anos, esse perfil lógico tem mudado um pouco, e este ano, apenas dois dos nove filmes indicados a Melhor Filme carregam essa tradição: O Destino de uma Nação e The Post: A Guerra Secreta.

Hollywood tem procurado mais sintonia com o mundo moderno e suas questões. Deixou de premiar apenas por qualidade ou opiniões subjetivas para também reconhecer reflexões da atualidade nas produções concorrentes. Foi dessa forma que foram decididos os últimos dois vencedores do Oscar: Spotlight (2015) por abordar a questão de abusos de padres, e Moonlight (2016) que acompanhou a vida de um protagonista negro e homossexual em três fases.

Hoje, para você votar certo no filme que vai vencer o Oscar naquele bolão, é preciso pensar na relevância da produção diante do cenário social. A Academia não quer mais eleger filmes com pouco a dizer sobre os dias de hoje, por isso, sob essa perspectiva, os seguintes candidatos se sobressaem:

Três Anúncios Para um Crime
Temos uma mãe como protagonista buscando justiça pelo assassinato de sua filha numa pequena cidade do Missouri. Em tempos de impunidades, esse espírito de cobrança da personagem vem conquistando o público e os votos.

Lady Bird
Uma adolescente vive ano de incertezas quanto à sua vida profissional, estudantil e amorosa. Se fosse em outros tempos, essa trama à la John Hughes passaria desapercebida pelo Oscar, mas o grande diferencial aqui é que o filme foi escrito e dirigido por uma mulher: Greta Gerwig. Lady Bird tem sido o grande representante feminino num momento em que as mulheres têm o poder em Hollywood.

Corra!
Um rapaz negro é apresentado para os pais da namorada branca. É com essa trama simples que mergulhamos num pesadelo para qualquer minoria. Embora tenha elementos de humor negro, suspense e ficção científica, o filme de Jordan Peele (aliás, o primeiro negro a ser triplamente indicado: Filme, Diretor e Roteiro Original) certamente vai angariar muito votos da comunidade negra que está longe de esquecer o #OscarSoWhite.

Me Chame Pelo Seu Nome
Embora esteja mais pra uma história de amor e amadurecimento emocional, o novo filme de Luca Guadagnino dialoga com o universo LGBT já que seus personagens centrais vivem um relacionamento homo-afetivo. Esta adaptação do romance de André Aciman conquistou boa parte dos prêmios da crítica e pode surpreender no Oscar.

MARATONA ATÉ A CERIMÔNIA

Nada de pânico! A 90ª cerimônia do Oscar é só no dia 04 de março. Você tem aí mais de um mês ainda, e contará com a ajuda do blog Cinema, Oscar e Afins para conseguir assistir a muitos indicados e acompanhar a cerimônia manjando bastante.

Ao contrário dos últimos anos, já temos vários filmes indicados ao Oscar disponíveis pra assistir em casa, inclusive dois candidatos a Melhor Filme: Corra! e Dunkirk, que foram lançados no primeiro semestre de 2017, provando que qualidade resiste ao tempo. Claro que assistir a produções feitas para a tela grande como Dunkirk e Blade Runner 2049 em casa não é a mesma coisa, mesmo pra quem tem aquelas TVs de 200 polegadas, mas pra quem quer acompanhar a cerimônia sem boiar, vale conferir.

Nas salas de cinema (pelo menos de SP), temos outros fortes concorrentes como O Destino de uma Nação, que pode finalmente dar o Oscar para Gary Oldman, e Me Chame Pelo Seu Nome que tem boas chances de conquistar o Oscar de Roteiro Adaptado. Pelas categorias técnicas, vale a pena conferir o novo Star Wars: Os Últimos Jedi, que concorre em quatro categorias, inclusive em Trilha Musical (a 51ª indicação ao Oscar do mestre compositor John Williams).

Já no mês de fevereiro, vai haver uma grande concentração das estréias dos filmes do Oscar como Lady Bird, Três Anúncios Para um Crime, Trama Fantasma e o recordista de indicações A Forma da Água, que você consegue matar 13 indicações numa única sessão!

Mas como sempre menciono nesses posts anuais do Oscar, não posso legalmente recomendar alguém a assistir aos filmes baixando arquivos da internet, porque infringe as leis do audiovisual. Por outro lado, frequentar os cinemas hoje é um programa caro. Esses dias atrás mesmo fui comprar um ingresso e custou quase 40 reais! Isso sem contar estacionamento do shopping. Enfim, cada um sabe o que faz! Mas se sobrar um dinheirinho pra ir ao cinema, recomendo aos leitores assistirem a nova animação da Pixar, Coco (ou como ficou traduzida de forma politicamente correta Viva: A Vida é uma Festa). O trabalho digital é tão rico em detalhes que apenas numa tela grande é possível admirar com propriedade, além disso, tem um dos finais mais tocantes da Pixar, com direito a aquele chorinho escondido no escurinho da sala.

AH! E tem alguns curtas indicados ao Oscar como a animação Dear Basketball e LOU que estão disponíveis no YouTube. E o documentário-curta Heroin(e) está no acervo da Netflix.

null

Cena do curta de animação Dear Basketball escrito pelo jogador Kobe Bryant

DISPONÍVEIS EM BLU-RAY/DVD/ON DEMAND

A BELA E A FERA (Beauty and the Beast)
2 indicações: DIREÇÃO DE ARTE e FIGURINO.

BLADE RUNNER 2049 (Blade Runner 2049)
5 indicações: FOTOGRAFIA, DIREÇÃO DE ARTE, SOM, EFEITOS SONOROS e EFEITOS VISUAIS.

CORRA! (Get Out)
4 indicações: FILME, DIRETOR (Jordan Peele), ATOR (Daniel Kaluuya), ROTEIRO ORIGINAL (Jordan Peele).

DOENTES DE AMOR (The Big Sick)
1 indicação: ROTEIRO ORIGINAL

DUNKIRK (Dunkirk)
8 indicações: FILME, DIRETOR (Christopher Nolan), FOTOGRAFIA, MONTAGEM, DIREÇÃO DE ARTE, TRILHA MUSICAL, SOM e EFEITOS SONOROS.

EM RITMO DE FUGA (Baby Driver)
3 indicações: MONTAGEM, SOM e EFEITOS SONOROS.

GUARDIÕES DA GALÁXIA VOL. 2 (Guardians of the Galaxy Vol. 2)
1 indicaçõa: EFEITOS VISUAIS

KONG: A ILHA DA CAVEIRA (Kong: Skull Island)
1 indicação: EFEITOS VISUAIS

LOGAN (Logan)
1 indicação: ROTEIRO ADAPTADO

PLANETA DOS MACACOS: A GUERRA (War for the Planet of the Apes)
1 indicação: EFEITOS VISUAIS

O PODEROSO CHEFINHO (The Boss Baby)
1 indicação: LONGA DE ANIMAÇÃO

BABY DRIVER

Ansel Elgort, Eiza González, Jon Hamm e Jon Bernthal em cena de Em Ritmo de Fuga (pic by imdb.com)

DISPONÍVEL NO NETFLIX

HEROIN(E)
1 indicação: DOCUMENTÁRIO-CURTA

ÍCARO (Icarus)
1 indicação: DOCUMENTÁRIO

STRONG ISLAND
1 indicação: DOCUMENTÁRIO

ICARUS

Cena do documentário Ícaro sobre doping no esporte (pic by imdb.com)

FILMES EM CARTAZ NOS CINEMAS – com base na programação de São Paulo

O ARTISTA DO DESASTRE (The Disaster Artist)
1 indicação: ROTEIRO ADAPTADO.

COM AMOR, VAN GOGH (Loving Vincent)
1 indicação: LONGA DE ANIMAÇÃO

CORPO E ALMA (On Body and Soul)
1 indicação: FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

O DESTINO DE UMA NAÇÃO (Darkest Hour)
6 indicações: FILME, ATOR (Gary Oldman), FOTOGRAFIA, DIREÇÃO DE ARTE, FIGURINO e MAQUIAGEM.

EXTRAORDINÁRIO (Wonder)
1 indicação: MAQUIAGEM

ME CHAME PELO SEU NOME (Call Me By Your Name)
4 indicações: FILME, ATOR (Timothée Chalamet), ROTEIRO ADAPTADO e CANÇÃO ORIGINAL (“Mystery of Love”)

UMA MULHER FANTÁSTICA (Una Mujer Fantástica)
1 indicação: FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

O REI DO SHOW (The Greatest Showman)
1 indicação: CANÇÃO ORIGINAL (“This is Me”)

STAR WARS: OS ÚLTIMOS JEDI (Star Wars: The Last Jedi)
4 indicações: TRILHA MUSICAL, SOM, EFEITOS SONOROS e EFEITOS VISUAIS.

THE POST: A GUERRA SECRETA (The Post)
2 indicações: FILME e ATRIZ (Meryl Streep)

THE SQUARE: A ARTE DA DISCÓRDIA (The Square)
1 indicação: FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

O TOURO FERDINANDO (Ferdinand)
1 indicação: LONGA DE ANIMAÇÃO

VISAGES, VILLAGES
1 indicação: DOCUMENTÁRIO

VIVA: A VIDA É UMA FESTA (Coco)
2 indicações: LONGA DE ANIMAÇÃO e CANÇÃO ORIGINAL (“Remember Me”)

disaster artist.jpg

Dave Franco e James Franco em O Artista do Desastre: só sobrou a indicação para Roteiro Adaptado (pic by imdb.com)

PREVISÃO DE ESTRÉIA – Datas previstas para São Paulo, que podem sofrer alterações de acordo com as distribuidoras

01/02: DESAMOR (Nelyubov)
1 indicação: FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

01/02: A FORMA DA ÁGUA (The Shape of Water)
13 indicações: FILME, DIRETOR (Guillermo del Toro), ATRIZ (Sally Hawkins), ATOR COADJUVANTE (Richard Jenkins), ATRIZ COADJUVANTE (Octavia Spencer), ROTEIRO ORIGINAL, FOTOGRAFIA, MONTAGEM, DIREÇÃO DE ARTE, FIGURINO, TRILHA MUSICAL, SOM e EFEITOS SONOROS.

01/02: TODO O DINHEIRO DO MUNDO (All the Money in the World)
1 indicação: ATOR COADJUVANTE (Christopher Plummer)

15/02: EU, TONYA (I, Tonya)
3 indicações: ATRIZ (Margot Robbie), ATRIZ COADJUVANTE (Allison Janney) e MONTAGEM.

15/02: LADY BIRD: É HORA DE VOAR (Lady Bird)
5 indicações: FILME, DIRETORA (Greta Gerwig), ATRIZ (Saoirse Ronan), ATRIZ COADJUVANTE (Laurie Metcalf), ROTEIRO ORIGINAL.

15/02: MUDBOUND: LÁGRIMAS SOBRE O MISSISSIPI (Mudbound)
4 indicações: ATRIZ COADJUVANTE (Mary J. Blige), ROTEIRO ADAPTADO, FOTOGRAFIA e CANÇÃO ORIGINAL (“Might River”)

15/02: TRÊS ANÚNCIOS PARA UM CRIME (Three Billboards Outside Ebbing, Missouri)
7 indicações: FILME, ATRIZ (Frances McDormand), ATOR COADJUVANTE (Woody Harrelson), ATOR COADJUVANTE (Sam Rockwell), ROTEIRO ORIGINAL, MONTAGEM, TRILHA MUSICAL.

22/02: A GRANDE JOGADA (Molly’s Game)
1 indicação: ROTEIRO ADAPTADO

22/02: TRAMA FANTASMA (Phantom Thread)
6 indicações: FILME, DIRETOR (Paul Thomas Anderson), ATOR (Daniel Day-Lewis), ATRIZ COADJUVANTE (Lesley Manville), FIGURINO e TRILHA MUSICAL.

01/03: PROJETO FLÓRIDA (The Florida Project)
1 indicação: ATOR COADJUVANTE (Willem Dafoe)

Phantom Thread

Daniel Day-Lewis e Lesley Manville em cena de Trama Fantasma: dupla indicada (pic by imdb.com)

FORA DE CARTAZ E AGUARDANDO LANÇAMENTO EM BLU-RAY/DVD

VICTORIA E ABDUL: O CONFIDENTE DA RAINHA (Victoria & Abdul)
2 indicações: FIGURINO e MAQUIAGEM.

victoria and abdul

SEM PREVISÃO DE ESTRÉIA (mas se você tem uma boa conexão de internet…)

ABACUS: SMALL ENOUGH TO JAIL
1 indicação: DOCUMENTÁRIO

THE BREADWINNER
1 indicação: LONGA DE ANIMAÇÃO

O INSULTO (L’Insulte)
1 indicação: FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

ROMAN J. ISRAEL, ESQ.
1 indicação: ATOR (Denzel Washington)

LAST MEN IN ALEPPO
1 indicação: DOCUMENTÁRIO

MARSHALL
1 indicação: CANÇÃO ORIGINAL (“Stand Up for Something”)

breadwinner

Animação produzida por Angelina Jolie, The Breadwinner (pic by imdb.com)

***

A cerimônia da 90ª edição do Oscar será no dia 04 de Março, e transmitida pelo canal pago TNT. Pra quem costuma acompanhar pela Globo, vale lembrar que eles sempre priorizam aquele programão chamado “Big Brother Brasil”.

RETROSPECTIVA 2017: BASTIDORES SEXUAIS DE HOLLYWOOD

ANO FICOU MARCADO POR ESCÂNDALOS SEXUAIS E A EXPANSÃO DA DISNEY

Saudações aos cinéfilos de plantão! Mais um ano se passou e gostaria de entediá-los com meu resumão com os filmes. Bom, primeiramente, quero agradecer a todos que curtiram, fizeram comentários ou mesmo deram aquela breve passada no blog e na página do Facebook. Continuo não ganhando nem um centavo, mas todos os feedbacks certamente são gratificantes, então obrigado!

META DE 2017 E SUAS CONSEQUÊNCIAS

Este ano tracei como meta assistir mais daqueles filmes que quando você fala que não viu, a pessoa reage com um: “Não acredito que você não assistiu!”. Então, vi alguns clássicos pela primeira vez como o neo-realista italiano Humberto D. (1952), de Vittorio De Sica, e o tocante e singelo clássico japonês de Yasujirô Ozu, Era uma Vez em Tóquio (1953). Também incluí filmes cults como Scanners – Sua Mente Pode Destruir (um David Cronenberg “tosqueira” que ficou mais marcado pela cena da cabeça que explode) e Tomates Verdes Fritos (que honestamente não entendi toda essa aura que o transformou em cult).

Dos diretores renomados, alguns filmes me surpreendi positivamente como Razão e Sensibilidade (1995), de Ang Lee (que achava que seria um drama de época sonolento), e Arizona Nunca Mais (1987), dos irmãos Coen, quando o humor deles era mais non-sense. Já outros como A Cidade dos Amaldiçoados (1995), de John Carpenter, foi bem doído assistir até o final pelo cúmulo do ridículo das cenas (Christopher Reeve mentalizando um muro de tijolos pra bloquear a telepatia das crianças foi a cena mais “chá de cogumelo” que vi este ano).

PIORES DO ANO NO CINEMA

Todo ano eu assisto a filmes que penso: “Onde eles estavam com a cabeça?”. Normalmente, são filmes cujos produtores se acham criativos demais a ponto de não necessitarem de um diretor competente por trás das câmeras. Dá pra citar dois exemplos de como Hollywood ainda tem muito a aprender:

A MÚMIA. Se essa era a idéia de revival dos monstros clássicos da Universal, o estúdio deveria urgentemente rever seus conceitos. Claramente, quiseram criar uma espécie de universo onde a Múmia poderia interagir com o Drácula, Frankenstein e Lobisomem em futuros longas, assim como a Marvel Studios planejou e executou, mas nem todo mundo tem a visão, organização e planejamento de Kevin Feige (produtor da Marvel).

mumie-mit-tom-cruise-jake-johnson-und-annabelle-wallis.jpg

No centro, Annabelle Wallis com Jake Johnson e Tom Cruise em cena de A Múmia (pic by moviepilot.de)

Primeiramente, Tom Cruise não tem o carisma de Brendan Fraser (que protagonizou A Múmia de 1999), e muito menos tem qualquer química com sua colega Annabelle Wallis. Sofia Boutella como uma versão feminina da múmia soou promissor nos trailers, mas o resultado final acabou comprometido com as demais escolhas equivocadas, assim como o diretor Alex Kurtzman, que só tinha uma comédia desconhecida no currículo. Felizmente, o filme foi mal nas bilheterias e deve brecar esse plano insosso da Universal.

A TORRE NEGRA. Acho bacana resgatarem um grande autor de terror como Stephen King para os cinemas, mas definitivamente esta adaptação de sua obra não funcionou em nenhum aspecto. Sinceramente não entendi o motivo de contratarem o diretor dinamarquês Nikolaj Arcel. Eles queriam uma atmosfera de filme europeu num filme nitidamente blockbuster? E embora Idris Elba e Matthew McConaughey se esforcem, é impossível se importar com seus personagens, muito menos o jovem Tom Taylor que pareceu mais perdido do que os próprios produtores.

dark tower der-dunkle-turm-mit-idris-elba-und-tom-taylor

Idris Elba e Tom Taylor tentam alguma química em A Torre Negra (pic by moviepilot.de)

Ainda falando sobre Stephen King, achei muuuito bacana ver seu romance “It” sendo tão destacado após tantos anos da primeira adaptação para a televisão. Este novo It: A Coisa se tornou o filme de terror mais visto de todos os tempos, ultrapassando o recorde anterior de O Exorcista (1973) que era de 232 milhões de dólares. Contudo, apesar dos números gordos que certamente vão engrenar mais filmes de terror, o filme está longe de ser uma obra-prima como muitos classificaram. Se tivessem explorado mais os personagens adultos, que são mais assustadores do que o próprio palhaço Pennywise, e reduzissem o excesso de efeitos visuais na figura dele, a performance de Bill Skarsgård poderia causar mais calafrios.

IT es-mit-finn-wolfhard-jaeden-lieberher-wyatt-oleff-chosen-jacobs-jeremy-ray-taylor-jack-dylan-grazer-und-sophia-lillis.jpg

Crianças procuram pelo palhaço Pennywise em cena de It: A Coisa (pic by moviepilot.de)

E de uma forma geral, as sequências e refilmagens integraram a parte ruim da safra do ano. Hoje existe um excesso de continuações e reboots que empobrece o cinema, e que se continuar nesse ritmo, os filmes originais passarão a ser raridade no circuito. Citando apenas os que vi no cinema: O Chamado 3, Jogos Mortais: Jigsaw, Alien: Covenant (uma franquia excelente mas que enfraqueceu demais com esta nova produção), Annabelle 2: A Criação do Mal, e até mesmo Guardiões da Galáxia Vol. 2, que pecou no excesso de gags e esqueceu da trama principal.

INDO CONTRA A CORRENTE

Apesar de Hollywood ainda produzir boas continuações como Logan e Thor: Ragnarok, é nesse cenário de escassez de originalidade que temos que valorizar os novos trabalhos de Darren Aronofsky (Mãe!) e Christopher Nolan (Dunkirk). Curiosamente, ambos os filmes tiveram recepções do tipo ame ou odeie, mas é inegável o esforço que os diretores fizeram para entregar algo novo, fresco e com alguma mensagem, concorde você ou não.

mother-mit-jennifer-lawrence-und-javier-bardem

E o filme doideira do ano vai para Mãe!, de Darren Aronofsky (pic by moviepilot.de)

Apesar de ter cedido dirigir a sequência Blade Runner 2049, Denis Villeneuve é garantia de vermos algo no mínimo com um olhar diferente. A Chegada é uma das ficções científicas mais criativas dos últimos anos, principalmente no uso de recursos cinematográficos como a montagem não-linear.

E falando em originalidade, não posso deixar de citar o melhor filme que vi nos cinemas: Corra!, de Jordan Peele. Pra começar, este é um filme que nunca imaginei que veria um dia. Trata-se de um filme extremamente corajoso ao lidar com o tema do racismo, ainda mais no gênero do terror e da ficção científica. E isso só foi possível graças a Jordan Peele que, em entrevista, confessou que queria fazer um filme em que pudesse passar a péssima sensação de ser uma minoria. Antigamente, havia mais filmes assim, em que o diretor queria abordar temas polêmicos em tramas de terror e ficção científica como O Enigma do Outro Mundo (1982), de John Carpenter.

Quando soube que Robert Pattison estava bem cotado pra ganhar o prêmio de interpretação masculina em Cannes por Bom Comportamento (Good Time), fiquei pensando se não seria exagero da mídia, afinal estamos falando daquele rapaz sem graça daqueles filmes mais sem graça ainda do Crepúsculo. Pelo visto suas duas colaborações com o diretor canadense David Cronenberg, Cosmópolis e Mapas Para as Estrelas, fizeram muito bem para desinflar seu ego e mostrar que ele tem potencial. Nesse filme dos irmãos Benny e Josh Safdie, Pattison vive um ladrão de bancos que, após uma tentativa frustrada de assalto, precisa resgatar seu irmão antes que ele volte para a prisão. Além do ator, o filme foi uma grata surpresa. Muito bem dirigido, montado e com uma ótima trilha musical de Daniel Lopatin, Bom Comportamento consegue gerar tensão do início ao fim e nunca se torna previsível.

good-time-mit-robert-pattinson

Robert Pattison em cena de Bom Comportamento (pic by moviepilot.de)

OSCAR 2017: A CERIMÔNIA QUE NÃO ACABOU

A cerimônia do Oscar ficou tão marcada com a lambança histórica de troca de envelopes e anúncio de filme errado que às vezes você até esquece qual indicado ganhou Melhor Filme, o que acabou apagando um pouco o brilho da vitória de Moonlight: Sob a Luz do Luar. Esse deslize diminuiu o fato da Academia premiar pela primeira vez em seus 89 anos um filme sobre homossexualismo e composto por um elenco totalmente negro.

moonlight-mistake-la-la-land-oscars-2017-4c9f107a-c74f-4680-91fd-44a0df7cd59c

Gafes do Oscar: Warren Beatty e Jimmy Kimmel com caras de “O que eu vou falar agora??”

Claro, é importante quebrar barreiras e desbravar novos mares, mas deixando essa parte politicamente correta de lado, não considero Moonlight um bom filme. Barry Jenkins reuniu uma série de clichês de homossexualismo e de vício de drogas, colocou uma fotografia mais estilizada com câmera lenta, e uma estrutura narrativa convencional em três tempos da vida do protagonista. As melhores qualidades do filme são a trilha de Nicholas Britell e Mahershala Ali, que ficou muito limitado no primeiro terço do filme. Quer ver filme bom de homossexualismo? Veja O Segredo de Brokeback Mountain, veja Weekend, veja Azul é a Cor Mais Quente, veja Antes do Anoitecer, veja Morte em Veneza, enfim, são tantas opções melhores…

ISABELLE HUPPERT. Antes quero deixar claro que sou e sempre fui contra aqueles Oscars concedidos com intenção de compensar derrotas anteriores ou várias indicações sem vitórias, pois esses prêmios costumam gerar novas injustiças e transformar tudo num ciclo vicioso. Francamente, achava que Isabelle Huppert nem seria indicada por Elle por se tratar de uma performance corajosa num filme igualmente ousado, mas já que ela foi indicada, por que não premiá-la? A grande maioria dos críticos americanos a reconheceu como a melhor performance feminina do ano, mas no Oscar resolveram premiar a America’s sweetheart Emma Stone em La La Land, que certamente terá inúmeras outras oportunidades de ganhar uma estatueta.

emma_stone_oscar_2017_winner-wide

Emma Stone e seu Oscar de Atriz por La La Land

Claro que também fiquei indignado com a ausência de Elle na categoria de Filme em Língua Estrangeira. Além do filme ser muito bom, a Academia perdeu uma excelente oportunidade de premiar Paul Verhoeven, um diretor holandês que muito contribuiu para Hollywood nos anos 80 e 90, com clássicos modernos como RoboCop – O Policial do Futuro, Instinto Selvagem O Vingador do Futuro. Se depois viessem com Oscar Honorário, se fosse Verhoeven, eu nem me daria ao trabalho de comparecer à cerimônia.

paul-verhoeven-elle-cannes-interview-20160522-snap

Isabelle Huppert e o diretor Paul Verhoeven divulgam Elle no tapete vermelho de Cannes (pic by LA Times)

EXPANDE MONOPÓLIO DA DISNEY

Lembra lá no colégio, quando seu professor de História te ensinou sobre as consequências do monopólio? Que, como não há forte concorrência, a empresa controla o mercado? Como eu havia comentado há dois anos e já me preocupava com essa situação fora de controle, a Disney já comprou a Pixar, a Marvel, a Lucas Films (Star Wars) e agora a Fox e suas derivadas Twentieth Century Fox, Fox Searchlight e FX, essa última em especial se tornou referências em séries mais ousadas como American Horror Story e Fargo, material que não vemos na Disney.

Disney-Fox

Inicialmente, os fãs da Marvel comemoraram o fato de vários personagens poderem participar do mesmo universo dos filmes da Marvel/Disney, como Deadpool e os X-Men. Sim, pelo lado dos fãs de quadrinhos, é uma ótima notícia pela integração, mas é justamente aí que reside uma grande preocupação. Será possível um filme como Deadpool, repleto de sangue, palavrões, humor negro e sexo, sob o comando da empresa-família Disney? Se os figurões da Disney forem espertos, eles mantém o logo da Fox e continuarão produzindo filmes para o público adulto como Logan, já que foi comprovado o sucesso comercial e de crítica.

Mas não se trata apenas desse microcosmo da Marvel. Toda forma de Arte precisa de diversidade para sobreviver, por isso, quanto menos pasteurizada for a safra de novos filmes, o cinema terá vida longa.

OS ASSÉDIOS DE HOLLYWOOD

Embora muitos acreditem que o terremoto começou com o produtor Harvey Weinstein, Hollywood já ficou em estado de alerta com relatos de assédio envolvendo o último vencedor do Oscar de Melhor Ator, Casey Affleck, que teria tratado com machismo colegas de trabalho chamando-as de “vacas” e chegando a mostrar seu órgão genital para Amanda White, produtora de seu mockumentary  I’m Still Here.

Obviamente, o caso de Harvey Weinstein, dono da ex-distribuidora Miramax e atual Weinstein Co., é o mais grave de todos. Ele teria assediado mais de oitenta mulheres (segundo o USA Today), com destaque para atrizes como Ashley Judd (que foi a primeira a erguer a mão), Asia Argento, Rosanna Arquette, Kate Beckinsale, Cara Delevingne, Claire Forlani, Romola Garai, Heather Graham, Eva Green, Daryl Hannah, Salma Hayek, Angelina Jolie, Rose McGowan, Lupita Nyong’o, Mira Sorvino e Gwyneth Paltrow. Seus avanços normalmente seguiam uma tática de chamar a vítima até seu quarto de hotel, onde ele já a esperava trajado com roupão de banho, oferecia e pedia massagens e forçava beijos. Caso as vítimas se recusassem, ele as ameaçava dizendo que “acabaria com a carreira delas”. E elas sabiam que ele tinha poder para isso.

harvey-weinstein-et-les-actrices-qui-l-ont-accuse-de_2585648_667x333

O produtor Harvey Weinstein à esquerda com algumas de suas vítimas (montage by Archy World News)

Nessa confusão toda, sobrou até pra Meryl Streep, que foi acusada de saber dos abusos e não reportar, assim como Matt Damon, que teria ajudado a encobrir um dos escândalos a pedido de Weinstein em 2004. Primeiramente, muita calma nessa hora. Como jogaram merda no ventilador, é preciso apurar tudo antes de sair acusando todo mundo, pois carreiras e vidas estão em jogo.

Todas essas acusações mexeram demais com a indústria, tanto que a Academia decidiu expulsar o produtor Harvey Weinstein de sua associação. Ele foi indicado ao Oscar de Melhor Filme por Gangues de Nova York em 2003, e ganhou o Oscar em 1999 por Shakespeare Apaixonado. Inclusive acredito na teoria da conspiração que o Oscar de Melhor Atriz para Gwyneth Paltrow foi comprado com o intuito de fazê-la esquecer do “incidente” (talvez só assim pra explicar como ela bateu Cate Blanchett e Fernanda Montenegro naquele ano…). Pode ser que mais membros envolvidos na polêmica sejam futuramente expulsos também.

Depois de Weinstein, o caso mais em evidência foi do ator Kevin Spacey. Sua vida se tornou um inferno depois que o ator Anthony Rapp, da série Star Trek: Discovery, revelou que aos 14 anos, ele foi abusado por Spacey depois de uma festa. Em resposta pelo Twitter, Kevin Spacey pediu desculpas, mas sugeriu que seu comportamento inapropriado teria acontecido por ele ser gay. Obviamente, a declaração não caiu bem e deixou a comunidade gay em fúria. Em seguida, vieram outras acusações envolvendo jovens atores de seu grupo teatral britânico Old Vic. Vendo a bola de neve crescer rapidamente, a Netflix logo anunciou que cancelaria série House of Cards, protagonizada por Spacey, enquanto o diretor Ridley Scott decidiu apagar todas as cenas já filmadas com Spacey e substitui-lo por Christopher Plummer no filme All the Money in the World. Estava anunciado o fim da carreira de Kevin Spacey, que teria se internado numa espécie de clínica de reabilitação.

kevin-spacey scandal

Envolvido em escândalos, o ator Kevin Spacey foi retirado integralmente do filme de Ridley Scott, All the Money in the World (montage by Digital Spy)

Tendo o mesmo comportamento inapropriado, o diretor Bryan Singer foi recentemente demitido da produção de Bohemian Rhapsody, filme biográfico do vocalista do Queen, Freddie Mercury. Inicialmente, inventaram uma desculpa de que ele tinha problemas familiares, mas novas acusações surgiram contra ele e assim estava justificada sua demissão. Segundo relatos, Singer oferecia papéis a jovens atores (incluindo menores) em troca de sexo.

Ao longo dos últimos meses, várias acusações surgiram contra outros profissionais da área de cinema e de TV. Para citar os mais importantes: o diretor e produtor Brett Ratner, os atores e vencedores do Oscar Dustin HoffmanRichard Dreyfuss (que teriam provocado e oferecido propostas indecentes), e os atores de séries Jeffrey Tambor (de Transparent, que tem futuro incerto) e Louis C.K. (de Louie, que também não deve continuar e ainda cancelou futuros projetos). Todos se afastaram dos holofotes e devem esperar a poeira abaixar um pouco.

 

Alguns especialistas acreditam que o Oscar 2018 pode dar preferência às mulheres devido aos acontecimentos. Portanto, podem pintar candidatas e vencedoras mulheres em categorias normalmente dominadas por homens como Direção e Fotografia. Eu, particularmente, sou contra essa tendência de premiar de acordo com os tempos como aconteceu com Moonlight, que mais foi premiado como forma de protesto contra o governo de Trump do que pelos próprios méritos.

CRÍTICAS

Vamos às listas do ano, começando com os melhores vistos nos cinemas.

TOP 5 MELHORES DO ANO NO CINEMA

5. Bom Comportamento (Good Time/ 2017)
Dir: Benny Safdie, Josh Safdie

4. Custódia (Jusqu’à la garde/ 2017)
Dir: Xavier Legrand

3. Ao Cair da Noite (It Comes at Night/ 2017)
Dir: Trey Edward Shults

2. A Qualquer Custo (Hell or High Water/ 2016)
Dir: David Mackenzie

1. Corra! (Get Out/ 2017)
Dir: Jordan Peele

GET OUT Allison-Williams

Daniel Kaluuya e Allison Williams em cena de Corra!

TOP 5 MELHORES EM MÍDIA DIGITAL

5. Your Name (Kimi no na wa/ 2016)
Dir: Makoto Shinkai

4. Desamor (Loveless/ 2017)
Dir: Andrey Zvyagintsev

3. Pais e Filhos (Soshite chichi ni naru / 2013)
Dir: Hirokazu Kore-eda

2. El Topo (El Topo/ 1970)
Dir: Alejandro Jodorowsky

1. Era uma vez em Tóquio (Tôkyô monogatari/ 1953)
Dir: Yasujirô Ozu

Tokyo Monogatari

Era uma Vez em Tóquio, de Yasujirô Ozu. Pic by imdb.com

IN MEMORIAN

Comparado ao ano passado, é possível dizer que tivemos poucas perdas no mundo do cinema. Particularmente, pra mim foi muito difícil dizer adeus a um dos melhores diretores que Hollywood produziu: o americano Jonathan Demme. Como sou fã incondicional de O Silêncio dos Inocentes, e considero Filadélfia um marco contra o preconceito da Aids, tenho um carinho enorme pelos seus filmes.

jonathan-demme-obituary-slide-9JFF-superJumbo

O diretor Jonathan Demme com a atriz Jodie Foster em set de O Silêncio dos Inocentes (pic by The New York Times)

Outra perda irreparável para os cinéfilos fãs de terror foi o mestre George Romero, conhecido como o pai dos zumbis que hoje estrelam vários filmes, séries e quadrinhos. Apesar de admirar seus trabalhos com os mortos-vivos, gostaria de ter visto mais filmes de outras temáticas como o ótimo Martin (1978), no qual um rapaz acredita que é um vampiro.

Perdemos os vencedores do Oscar: Martin Landau, vencedor do Oscar de Coadjuvante pela excepcional performance como Bela Lugosi em Ed Wood (1994); e o diretor John G. Avildsen, considerado o diretor dos filmes de esporte e montagem Rocky, um Lutador (1976) e Karatê Kid (1984).

Grandes atores indicados ao Oscar também partiram: John Hurt (por O Expresso da Meia-Noite e O Homem Elefante), Mary Tyler Moore (por Gente Como a Gente); Sam Shepard (por Os Eleitos). E nomes que serão lembrados por seu talento e carisma: Harry Dean StantonBill PaxtonJerry LewisAdam West (o eterno Batman da série de TV), Roger Moore (o ator que mais interpretou James Bond), e o músico Chris Cornell (criou a trilha e canção de 007 – Cassino Royale).

FELIZ ANO NOVO!

Embora nosso querido governo pise cada vez mais em nós, seja criando mais leis inúteis, seja criando mais impostos para cobrir seus próprios roubos, ou pior: soltando presos corruptos como faz um certo ministro do Supremo, precisamos tocar nossas vidas. 2018 é uma grande incógnita na política, e tenho muito receio de que o PT volte ao poder e de uma possível ascensão da extrema direita.

Que em 2018, sejam lançados mais filmes de qualidade, filmes alternativos e por que não filmes nacionais melhores? O cinema brasileiro parece ter perdido aquele gás dos anos 2000 e se rendido a comédias típicas de televisão. Bingo: O Rei das Manhãs foi uma boa surpresa de Daniel Rezende, mas precisamos de mais.

ALEJANDRO G. IÑÁRRITU RECEBERÁ PRÊMIO ESPECIAL NO OSCAR 2018 POR CURTA DE REALIDADE VIRTUAL

carne-y-anera-poster

Pôster do curta de realidade virtual de Alejandro González Iñárritu (pic by indiewire.com)

ACADEMIA RECONHECE AVANÇO REVOLUCIONÁRIO EM CURTA DE IÑÁRRITU

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas anunciou um prêmio especial para uma instalação de realidade virtual intitulada Carne y Arena (Virtually Present, Physically Invisible), realizada pelo cineasta mexicano Alejandro G. Iñárritu, “em reconhecimento de uma experiência visionária e poderosa em narrativa.”

O curta-metragem com duração de sete minutos procura reproduzir a sensação de um imigrante ilegal na fronteira entre México e EUA através de realidade aumentada. Além de óculos de realidade virtual, o espectador andaria sobre areia simulando o deserto americano, interagiria com outros dez imigrantes mexicanos até ser abordado por agentes da fronteira americana. Tudo isso com um áudio 3D de extrema qualidade e com ventos reproduzidos na instalação simulando um helicóptero. A produção teve estréia mundial no último Festival de Cannes e atualmente é exibida no Museu de Arte de Los Angeles.

Carne-y-Arena-180-uhd

Instalação de realidade virtual para exibição de Carne y Arena no Festival de Cannes (pic by theasc.com)

 

Carne-y-Arena-border-wall-on-left.jpg

O presidente da Academia, John Bailey, declarou que “a arte multimídia e a experiência cinematográfica de Iñárritu é uma aventura profundamente emocional e fisicamente imersiva no mundo dos migrantes que atravessam o deserto do sudoeste americano sob o amanhecer. Mais até do que um avanço criativo na forma ainda emergente da realidade virtual, ele nos liga visceralmente às realidades sócio-políticas da controversa fronteira mexicana.”

carney-arena-cannes

Imagem still do curta Carne y Arena em realidade virtual (pic by Evening Standard)

 

Com tamanha repercussão de Carne y Arena em Cannes, e agora através do Oscar, o futuro do cinema passa a ser ainda mais discutido em termos de tecnologia e linguagem. Inúmeros sites especializados discutem as consequências do projeto ambicioso de Iñárritu, já que interfere diretamente na forma de exibição de um filme e no modo como o espectador assiste e sente o filme.

Após muito se discutir este ano sobre a longevidade das salas de cinema devido aos custos, instalações como essa podem dar sobrevida ao cinema como uma experiência que nos tira de nossos lares. Já aconteceu em 2009 com a alta do 3D do Avatar de James Cameron, e agora pode se repetir com esse novo advento. Claro que no momento só existem especulações, mas Carne y Arena pode e deve render muitos desdobramentos.

Por enquanto, o prêmio especial do Oscar será concedido no dia 11 de novembro na 9ª cerimônia anual do Governors Awards para o diretor Alejandro González Iñárritu e seu diretor de fotografia Emmanuel Lubezki, que idealizaram o projeto. Enquanto o primeiro venceu dois Oscars de direção consecutivos, o segundo se tornou o primeiro a conquistar 3 Oscars consecutivos de Fotografia por Gravidade, Birdman e O Regresso.  Lembrando que o Governos Awards deste ano terá homenagens para os cineastas americano Charles Burnett, e à belga Agnès Varda, o diretor de fotografia Owen Roizman e o ator Donald Sutherland.

alejandro-gonzalez-inarritu-emmanuel-chivo-lubezki_4424439ab4d7c2ec11c3f399b0262d03.nbcnews-ux-2880-1000

Da esquerda pra direita, o diretor Alejandro G. Iñárritu e o diretor de fotografia Emmanuel Lubezki posam para fotos no Festival de Cannes, quando Carne y Arena foi exibido. (pic by Revista Escenarios)

Curiosamente, o prêmio especial é uma raridade na história do Oscar, concedido apenas em 17 ocasiões em quase 90 anos. Na última ocasião, a Academia reconheceu o longa de animação Toy Story em 1996, já que ainda não havia a categoria de Longa de Animação, que só surgiria em 2002.

***

O Oscar 2018 está marcado para o dia 04 de março.

ACADEMIA CONVIDA NOVO RECORDE DE 774 MEMBROS

new-academy.png

Novos membros da Academia: o diretor de Corra, Jordan Peele, a atriz israelense Gal Gadot e Dwayne Johnson, o The Rock. Pic by Variety

PRESIDENTE ELEVA A INTERNACIONALIDADE DO OSCAR

Pra quem achava que aquele negócio de #OscarsSoWhite seria fogo de palha, a presidente da Academia, Cheryl Boone Isaacs, quer provar o contrário antes que seu mandato termine. Ela e a Academia convidaram 774 novos membros, um número recorde que quebrou o anterior de 683 em 2016.

Embora tenha começado por causa da “falta de diversidade” mais focada em artistas negros, a presidente observou que seria uma oportunidade imperdível de expandir os horizontes de uma instituição mega conservadora, e assim, resolveu aderir à globalização, convidando inúmeros profissionais de vários países.

Nesta nova safra, temos representantes de um total de 57 países, sendo 39% desses novos membros mulheres. Inclusive, sete departamentos convidaram mais mulheres do que homens. São eles: Atores, Diretores de Casting, Figurinistas, Designers, Documentaristas, Executivos e Montadores. São números bastante expressivos para a história da Academia, que tinha como média de membros homens brancos com idade entre 50 e 60 anos. Claro que isso não se muda da noite para o dia, mas estamos assistindo aos esforços colossais de uma presidente empenhada em trazer mais igualdade ao maior prêmio do Cinema.

Preciso sempre ressaltar que sou contra qualquer tipo de cota racial. Acho que essa medida vai contra justamente seus supostos objetivos de fazer justiça. Na minha opinião, quando se dá uma vaga para um artista só pelo fato de ser negro, estamos automaticamente afirmando que ele é incapaz de conseguir a vaga pelos próprios esforços. Pensando aqui no Brasil, para aqueles que pensam que ao conceder uma vaga de faculdade para um negro estamos compensando a época de escravidão, estão redondamente enganados. O passado não pode ser reparado dessa forma, mas ele deve ser usado como lição para que o presente e o futuro não repitam os mesmos erros.

Abordei esse assunto, porque discordo quando dizem que a Academia precisa indicar atores negros todos os anos como se fosse uma obrigação. Fizeram o maior auê em 2015 e 2016 porque dentre os 20 indicados não havia um ator ou atriz negros. A Academia é uma instituição que valoriza as Artes, não um sistema de cotas raciais. E vale lembrar que em 2014, a mesma Academia havia premiado como Melhor Filme o drama 12 Anos de Escravidão, além de premiar seu roteirista e sua atriz (Lupita Nyong’o) negros. Então, estou aqui criticando essa filosofia do politicamente correto que se instaurou de tal forma, que quem contraria é tratado como homem das cavernas ou filho do capeta. A Academia indica as performances que considera melhores, sejam de atores brancos, negros ou amarelos. Aliás, sou amarelo e não fico enchendo o saco porque a Academia não indicou atores asiáticos.

Enfim, a abertura para novos 774 membros não significa necessariamente que a Academia favorecerá artistas e produções feitas por minorias, mas trará maiores chances para que concorram e eventualmente ganhem a estatueta. E claro, reduzir gradativamente o conservadorismo que reina na Academia. Esse conservadorismo que preferiu premiar O Discurso do Rei no lugar de A Rede Social, e Crash – No Limite no lugar de O Segredo de Brokeback Mountain, só pra citar dois.

E torço especialmente para que a inclusão de cineastas internacionais como o diretor japonês Takashi Miike, o britânico Guy Ritchie, o sul-coreano Kim Ki-duk, o filipino Lav Diaz e o visionário chileno Alejandro Jodorowsky possibilite uma revolução na categoria de Filme em Língua Estrangeira, que há décadas premia longas com temática de 2ª Guerra Mundial e Holocausto.

Claro que a Academia não se esqueceu do Cinema Brasileiro e convidou profissionais daqui como o diretor de fotografia Walter Carvalho (Central do Brasil e Lavoura Arcaica), a lenda Nelson Pereira dos Santos, que dirigiu Vidas Secas, o cearense Karim Aïnouz (Madame Satã e O Céu de Suely)e Kléber Mendonça Filho, que recentemente esteve em Cannes com Aquarius. E o único ator brasileiro da lista Rodrigo Santoro.

Se esses novos membros vão votar em suas respectivas nacionalidades ou cores de pele, aí é com o critério e a consciência de cada um. A presidente apenas está abrangendo o número de possibilidades para os Oscars seguintes.

Veja lista completa dos 774 membros (os nomes com asterisco foram convidados por mais de um departamento):

ATORES
Riz Ahmed – “Rogue One: A Star Wars Story,” “Nightcrawler”
Debbie Allen – “Fame,” “Ragtime”
Elena Anaya – “Wonder Woman,” “The Skin I Live In”
Aishwarya Rai Bachchan – “Jodhaa Akbar,” “Devdas”
Amitabh Bachchan – “The Great Gatsby,” “Kabhi Khushi Kabhie Gham…”
Monica Bellucci – “Spectre,” “Bram Stoker’s Dracula”
Gil Birmingham – “Hell or High Water,” “Twilight” series
Nazanin Boniadi – “Ben-Hur,” “Iron Man”
Daniel Brühl – “The Zookeeper’s Wife,” “Inglourious Basterds”
Maggie Cheung – “Hero,” “In the Mood for Love”
John Cho – “Star Trek” series, “Harold & Kumar” series
Priyanka Chopra – “Baywatch,” “Barfi!”
Matt Craven – “X-Men: First Class,” “A Few Good Men”
Terry Crews – “The Expendables” series, “Draft Day”
Warwick Davis – “Rogue One: A Star Wars Story,” “Harry Potter” series
Colman Domingo – “The Birth of a Nation,” “Selma”
Adam Driver – “Silence,” “Star Wars: The Force Awakens”
Joel Edgerton – “It Comes at Night,” “Loving”
Chris Evans – “Captain America” series, “Snowpiercer”
Luke Evans – “Beauty and the Beast,” “The Girl on the Train”
Fan Bingbing – “I Am Not Madame Bovary,” “Cell Phone”
Elle Fanning – “The Beguiled,” “20th Century Women”
Golshifteh Farahani – “Paterson,” “AboutElly”
Anna Faris – “Scary Movie” series, “Brokeback Mountain”
Tom Felton – “A United Kingdom,” “Harry Potter” series
Rebecca Ferguson – “The Girl on the Train,” “Mission: Impossible – Rogue Nation”
Lou Ferrigno – “The Incredible Hulk,” “Hercules”
Gal Gadot – “Wonder Woman,” “Fast & Furious” series
Charlotte Gainsbourg – “Norman: The Moderate Rise and Tragic Fall of a New York Fixer,” “Melancholia”
Jeff Garlin – “Safety Not Guaranteed,” “WALL-E”
Spencer Garrett – “Public Enemies,” “Thank You for Smoking”
Domhnall Gleeson – “Star Wars: The Force Awakens,” “Ex Machina”
Sharon Gless – “The Star Chamber,” “Airport 1975”
Donald Glover – “The Martian,” “Magic Mike XXL”
Judy Greer – “Jurassic World,” “13 Going on 30”
Rupert Grint – “Moonwalkers,” “Harry Potter” series
Noel Gugliemi – “Lowriders,” “The Fast and the Furious”
Jon Hamm – “Baby Driver,” “The Town”
Armie Hammer – “The Birth of a Nation,” “The Social Network”
Naomie Harris – “Moonlight,” “Skyfall”
Leila Hatami – “A Separation,” “Leila”
Anne Heche – “Rampart,” “DonnieBrasco”
Lucas Hedges – “Manchester by the Sea,” “Moonrise Kingdom”
Chris Hemsworth – “Thor” series, “Rush”
Ciarán Hinds – “Silence,” “Munich”
Aldis Hodge – “Hidden Figures,” “Straight Outta Compton”
Bryce Dallas Howard – “Jurassic World,” “The Help”
Bonnie Hunt – “The Green Mile,” “Jerry Maguire”
Jiang Wen – “Rogue One: A Star Wars Story,” “Let the Bullets Fly”
Dwayne Johnson – “Moana,” “Central Intelligence”
Leslie Jones – “Ghostbusters,” “Masterminds”
Keegan-Michael Key – “Don’t Think Twice,” “Keanu”
Aamir Khan – “3 Idiots,” “Lagaan”
Irrfan Khan – “Life of Pi,” “Slumdog Millionaire”
Salman Khan – “Sultan,” “Bajrangi Bhaijaan”
Rinko Kikuchi – “Pacific Rim,” “Babel”
Zoë Kravitz – “Divergent” series, “Mad Max: Fury Road”
Sanaa Lathan – “Out of Time,” “Love and Basketball”
Carina Lau – “Infernal Affairs 2,” “Days of Being Wild”
Tony Leung – “The Grandmaster,” “Lust, Caution”
Rami Malek – “Short Term 12,” “The Master”
Leslie Mann – “Funny People,” “Knocked Up”
Kate McKinnon – “Ghostbusters,” “Office Christmas Party”
Sienna Miller – “The Lost City of Z,” “American Sniper”
Janelle Monáe – “Hidden Figures,” “Moonlight”
Michelle Monaghan – “Patriots Day,” “Gone Baby Gone”
Viggo Mortensen – “Captain Fantastic,” “The Lord of the Rings” series
Ruth Negga – “Loving,” “Warcraft”
Franco Nero – “The Lost City of Z,” “Django”
Elizabeth Olsen – “Avengers: Age of Ultron,” “Martha Marcy May Marlene”
Deepika Padukone – “xXx: Return of Xander Cage,” “Piku”
Sarah Paulson – “Blue Jay,” “12 Years a Slave”
Robert Picardo – “Hail, Caesar!,” “TheMeddler”
Amy Poehler – “Inside Out,”“Sisters”
Chris Pratt – “Guardians of the Galaxy” series, “Jurassic World”
Zachary Quinto – “Star Trek” series, “Snowden”
Édgar Ramírez – “The Girl on the Train,” “Joy”
Phylicia Rashad – “Creed,” “For Colored Girls”
Margot Robbie – “Suicide Squad,” “The Wolf of Wall Street”
Maya Rudolph – “Maggie’s Plan,” “Bridesmaids”
Hiroyuki Sanada – “Life,” “The Twilight Samurai”
Henry G. Sanders – “Selma,” “Whiplash”
Rodrigo Santoro – “300,” “Love Actually”
Rade Šerbedžija – “Harry Potter and the Deathly Hallows Part 1,” “The Quiet American”
Nestor Serrano – “The Insider,” “Lethal Weapon 2”
Amanda Seyfried – “Les Misérables,” “Mean Girls”
Molly Shannon – “Other People,” “Me and Earl and the Dying Girl”
Anna Deavere Smith – “Rachel Getting Married,” “Philadelphia”
Hailee Steinfeld – “The Edge of Seventeen,” “True Grit”
Kristen Stewart – “Café Society,” “Twilight” series
Omar Sy – “Inferno,” “The Intouchables”
Wanda Sykes – “Snatched,” “Evan Almighty”
Channing Tatum – “Hail, Caesar!,” “Foxcatcher”
Aaron Taylor-Johnson – “Nocturnal Animals,” “Kick-Ass”
Lauren Tom – “The Joy Luck Club,” “Cadillac Man”
Jeanne Tripplehorn – “The Firm,” “Basic Instinct”
Paz Vega – “Kill the Messenger,” “Sex and Lucía”
Dee Wallace – “Grand Piano,” “E.T. The Extra-Terrestrial”
Ming-Na Wen – “Mulan,” “The Joy Luck Club”
Betty White – “You Again,” “The Proposal”
Rebel Wilson – “Pitch Perfect” series, “Bridesmaids”
Mary Elizabeth Winstead – “10 Cloverfield Lane,” “Swiss Army Man”
BD Wong – “Mulan,” “Jurassic Park”
Shailene Woodley – “The Spectacular Now,” “The Descendants”
Donnie Yen – “Rogue One: A Star Wars Story,” “Ip Man”

DIRETORES DE CASTING
PoPing AuYeung – “Crouching Tiger, Hidden Dragon: Sword of Destiny,” “Man of Tai Chi”
Yael Aviv – “A Borrowed Identity,” “Miral”
Constance Demontoy – “Elle,” “Monsieur Lazhar”
Corinna Glaus – “Aloys,” “Night Train to Lisbon”
Lindsay Graham – “The Magnificent Seven,” “Suicide Squad”
Kimberly Hardin – “Hustle & Flow,” “Friday”
Richard Hicks – “Hell or High Water,” “Gravity”
Priscilla John – “Logan,” “Captain America: The First Avenger”
Valorie Massalas – “The Wedding Ringer,” “Gods and Monsters”
Reg Poerscout-Edgerton – “Crooked House,” “Kingsman: The Secret Service”
Johanna Ray – “Snowpiercer,” “Inglourious Basterds”
Jamie Sparer Roberts – “Moana,” “Frozen”
Anna Maria Sambucco – “Youth,” “The Great Beauty”
Harika Uygur – “Mustang,” “Three Monkeys”
Francesco Vedovati – “I Am Love,” “The Last Kiss”

DIRETORES DE FOTOGRAFIA
José Luis Alcaine – “The Skin I Live In,” “Volver”
Affonso Beato – “Love in the Time of Cholera,” “The Queen”
Walter Carvalho – “Carandiru,” “Central Station”
Chung-Hoon Chung – “Me and Earl and the Dying Girl,” “Stoker”
Kiko de la Rica – “Blancanieves,” “Sex and Lucía”
Crystel Fournier – “A Place on Earth,” “Tomboy”
Robert Hardy – “Ex Machina,” “Boy A”
Camilla Hjelm Knudsen – “Land of Mine,” “Little Soldier”
Dan Laustsen – “John Wick: Chapter 2,” “Crimson Peak”
James Laxton – “Moonlight,” “Medicine for Melancholy”
Ernesto Pardo – “Tempestad,” “The Naked Room (El Cuarto Desnudo)”
Linus Sandgren – “La La Land,” “Joy”
André Turpin – “Mommy,” “It’s Not Me, I Swear!”
Zhao Xiaoding – “The Flowers of War,” “House of Flying Daggers”

FIGURINISTAS
Renée April – “Arrival,” “The Red Violin”
Erin Benach – “Loving,” “Blue Valentine”
Suzy Benzinger – “Café Society,” “Blue Jasmine”
Arjun Bhasin – “Three Generations,” “Monsoon Wedding”
Diana Cilliers – “The Last Face,” “District 9”
Michele Clapton – “Queen of the Desert,” “Separate Lies”
Bina Daigeler – “The Zookeeper’s Wife,” “Only Lovers Left Alive”
Julian Day – “Inferno,” “Brighton Rock”
Jenny Eagan – “Beasts of No Nation,” “Now You See Me”
Steven Noble – “A Monster Calls,” “Under the Skin”
Karen Patch – “Seven Psychopaths,” “The Royal Tenenbaums”
Monique Prudhomme – “The Imaginarium of Doctor Parnassus,” “Best in Show”
Trish Summerville – “The Hunger Games: Catching Fire,” “The Girl with the Dragon Tattoo”
Melissa Toth – “Manchester by the Sea,” “Eternal Sunshine of the Spotless Mind”

DESIGNERS
Javier Ameijeiras – “Black Nativity,” “Extremely Loud & Incredibly Close”
Toni Barton – “The Big Wedding,” “Sherlock Holmes”
Danielle Berman – “The Fate of the Furious,” “Memento”
Kelly Berry – “Maze Runner: The Scorch Trials,” “Spy”
Stefania Cella – “Black Mass,” “The Great Beauty”
Ellen Christiansen – “The Wolf of Wall Street,” “Across the Universe”
Jim Clay – “Woman in Gold,” “Captain Corelli’s Mandolin”
Beverley Dunn – “Pirates of the Caribbean: Dead Men Tell No Tales,” “The Great Gatsby”
Brad Einhorn – “Hail, Caesar!,” “A Time to Kill”
Antxón Gómez – “Julieta,” “Che”
Regina Graves – “Café Society,” “The Taking of Pelham 123”
Isabelle Guay – “Arrival,” “The Revenant”
Paul Hotte – “Arrival,” “300”
Elston Howard – “Jack Reacher: Never Go Back,” “Ray”
Helen Jarvis – “Monuments Men,” “Rise of the Planet of the Apes”
Tina Jones – “Belle,” “The Last King of Scotland”
Kathy Lucas – “The Divergent Series: Allegiant,” “Foxcatcher”
Naomi Shohan – “Winter’s Tale,” “American Beauty”
Carl Sprague – “Infinitely Polar Bear,” “The Royal Tenenbaums”
Jon Gary Steele – “Burlesque,” “American History X”
Patrick M. Sullivan, Jr. – “J. Edgar,” “Memoirs of a Geisha”
Karen J. TenEyck – “Alice through the Looking Glass,” “The Master”
Shane Andrew Vieau – “Suicide Squad,” “Juno”
David Wasco – “La La Land,” “Pulp Fiction”
Elizabeth Wilcox – “The BFG,” “Rise of the Planet of the Apes”

DIRETORES
Fatih Akin – “In the Fade,” “The Edge of Heaven”
Adolfo Aristarain – “Common Places,” “A Place in the World”
David Ayer – “Suicide Squad,” “Fury”
Nabil Ayouch – “Horses of God,” “Ali Zaoua”
Siddiq Barmak * – “Opium War,” “Osama”
Aida Begić * – “Children of Sarajevo,” “Snow”
Emmanuelle Bercot – “Standing Tall,” “On My Way”
Martin Butler – “Tanna,” “Contact”
Patricia Cardoso – “Real Women Have Curves,” “The Water Carrier”
Peter Ho-Sun Chan – “Dragon,” “Perhaps Love”
Derek Cianfrance – “The Light between Oceans,” “Blue Valentine”
Pedro Costa – “Horse Money,” “Blood”
Garth Davis – “Lion”
Bentley Dean – “Tanna,” “Contact”
Lav Diaz * – “A Lullaby to the Sorrowful Mystery,” “Norte, the End of History”
Carlos Diegues – “Orfeu,” “Bye Bye Brazil”
Nelson Pereira dos Santos * – “How Tasty Was My Little Frenchman,” “Barren Lives”
Nana Dzhordzhadze – “27 Missing Kisses,” “A Chef in Love”
Ildikó Enyedi * – “Simon Magus,” “My Twentieth Century”
Amat Escalante – “The Untamed,” “Heli”
Safi Faye * – “Mossane,” “Lettre Paysanne”
Tom Ford – “Nocturnal Animals,” “A Single Man”
Goutam Ghose * – “Dekha,”“Paar”
Jessica Hausner – “Amour Fou,” “Lourdes”
Joanna Hogg – “Archipelago,” “Exhibition”
Hannes Holm – “A Man Called Ove,” “Behind Blue Skies”
Ann Hui – “A Simple Life,” “Summer Snow”
Christine Jeffs – “Sunshine Cleaning,” “Sylvia”
Barry Jenkins * – “Moonlight,” “Medicine for Melancholy”
Alejandro Jodorowsky * – “The Holy Mountain,” “El Topo”
Kim Ki-duk * – “3-Iron,” “Spring, Summer, Fall, Winter…and Spring”
Zacharias Kunuk – “Searchers,” “The Fast Runner (Atanarjuat)”
Mohammed Lakhdar-Hamina * – “Chronicle of the Years of Embers,” “The Winds of the Aures”
David Mackenzie – “Hell or High Water,” “Starred Up”
Sharon Maguire – “Incendiary,” “Bridget Jones’s Diary”
Theodore Melfi – “Hidden Figures,” “St. Vincent”
Kleber Mendonça Filho – “Aquarius,” “Neighboring Sounds”
Brillante Mendoza – “Thy Womb,” “Kinatay”
Márta Mészáros * – “Diary for My Children,” “Adoption”
Takashi Miike – “13 Assassins,” “Ichi the Killer”
Orlando Montiel – “The Son of No One,” “A Guide to Recognizing Your Saints”
Jocelyn Moorhouse – “The Dressmaker,” “Proof”
Kira Muratova – “The Tuner,” “The Asthenic Syndrome”
Héctor Olivera – “El Mural,” “Funny Dirty Little War”
Idrissa Ouedraogo * – “Tilaï,” “Yaaba”
Jordan Peele * – “Get Out”
Mohammad Rasoulof * – “Manuscripts Don’t Burn,” “Goodbye”
Eran Riklis * – “The Human Resources Manager,” “Lemon Tree”
Arturo Ripstein – “Deep Crimson,” “The Beginning and the End”
Guy Ritchie – “Sherlock Holmes,” “Lock, Stock and Two Smoking Barrels”
Anthony Russo – “Captain America: Civil War,” “Captain America: The Winter Soldier”
Joseph Russo – “Captain America: Civil War,” “Captain America: The Winter Soldier”
Mrinal Sen * – “The Case Is Closed,” “In Search of Famine”
Cate Shortland – “Lore,” “Somersault”
Peter Sollett – “Freeheld,” “Raising Victor Vargas”
Juan Carlos Tabío – “Guantanamera,” “Strawberry and Chocolate”
Rawson Marshall Thurber – “Central Intelligence,” “Dodgeball: A True Underdog Story”
Johnnie To – “Election,” “Exiled”
Tran Anh Hung * – “Norwegian Wood,” “The Scent of Green Papaya”
Pablo Trapero – “The Clan,” “Lion’s Den”
Athina Rachel Tsangari – “Chevalier,” “Attenberg”
Paula van der Oest – “Black Butterflies,” “Zus & Zo”
Susanna White – “Our Kind of Traitor,” “Nanny McPhee Returns”
Martin Zandvliet * – “Land of Mine,” “A Funny Man”

DOCUMENTARISTAS
Ricardo Acosta – “Sembene!,” “Marmato”
John Akomfrah – “The Stuart Hall Project,” “The Nine Muses”
Natalia Almada – “The Night Watchman (El Velador),” “The General”
Mirra Bank – “The Only Real Game,” “LastDance”
Geof Bartz – “A Girl in the River: The Price of Forgiveness,” “Crisis Hotline: Veterans Press 1”
Diane Becker – “We Are X,” “Jujitsu-ing Reality”
Edet Belzberg – “Watchers of the Sky,” “Children Underground”
Don Bernier – “An Inconvenient Sequel: Truth to Power,” “Audrie & Daisy”
Ruby Chen – “Plastic China,” “The Rocking Sky”
S. Leo Chiang – “Out Run,” “Mr. Cao Goes to Washington”
John Davey – “In Jackson Heights,” “National Gallery”
Keiko Deguchi * – “God Knows Where I Am,” “Captivated The Trials of Pamela Smart”
Abigail E. Disney – “The Armor of Light,” “Pray the Devil Back to Hell”
Ezra Edelman – “O.J.: Made in America,” “Cutie and the Boxer”
Bob Eisenhardt – “Meru,” “Shut Up & Sing”
Diana El Jeiroudi – “The Mulberry House,” “Dolls – A Woman from Damascus”
Jihan El-Tahri – “Nasser,” “Cuba: An African Odyssey”
Geeta Gandbhir – “Which Way Is the Front Line from Here? The Life and Time of Tim Hetherington,” “Music by Prudence”
Lina Gopaul – “The Stuart Hall Project,” “The Nine Muses”
Nadia Hallgren – “Motherland,” “Trapped”
Nick Higgins – “The Crash Reel,” “First Position”
John Hoffman – “Rancher, Farmer, Fisherman,” “LaLee’s Kin: The Legacy of Cotton”
Tabitha Jackson – “20,000 Days on Earth,” “The Imposter”
Kristi Jacobson – “Solitary,” “A Place at the Table”
Janus Billeskov Jansen * – “The Act of Killing,” “Burma VJ”
Judy Kibinge – “Wagalla – The Story of a Massacre,” “Headlines in History”
Brian Knappenberger – “Nobody Speak: Trials of the Free Press,” “The Internet’s Own Boy”
Dan Krauss – “Extremis,” “The Death of Kevin Carter: Casualty of the Bang Bang Club”
Penny Lane – “Nuts!,” “Our Nixon”
Grace Lee – “American Revolutionary: The Evolution of Grace Lee Boggs,” “The Grace Lee Project”
Lisa Leeman – “Awake: The Life of Yogananda,” “One Lucky Elephant”
Audrey Marrs – “Inside Job,” “No End in Sight”
Hilla Medalia – “Dancing in Jaffa,” “Web Junkie”
Jonas Mekas – “Reminiscences of a Journey to Lithuania,” “The Brig”
Justine Nagan – “Abacus: Small Enough to Jail,” “Life Itself”
Joanna Natasegara – “The White Helmets,” “Virunga”
Marilyn Ness – “Cameraperson,” “Trapped”
Peter Nicks – “The Force,” “The Waiting Room”
Orwa Nyrabia – “Return to Homs,” “Dolls – A Woman from Damascus”
Alanis Obomsawin – “Hi-Ho Mistahey!,” “Kanehsatake: 270 Years of Resistance”
Eva Orner – “Chasing Asylum,” “Taxi to the Dark Side”
Heloísa Passos – “Manda Bala (Send a Bullet),” “Viva Volta”
Anand Patwardhan – “Jai Bhim Comrade,” “Pitra, Putra Aur Dharamyuddha (Father, Son and Holy War)”
Leanne Pooley – “Beyond the Edge,” “The Topp Twins: Untouchable Girls”
Gianfranco Rosi – “Fire at Sea,” “Sacro Gra”
AJ Schnack – “Speaking Is Difficult,” “We Always Lie to Strangers”
Fisher Stevens – “Before the Flood,” “The Cove”
Jean-Marie Téno – “Lieux Saints (Sacred Places),” “Chef! (Chief!)”
Ben Tsiang – “The Chinese Mayor,” “Go Grandriders”
Orlando von Einsiedel – “The White Helmets,” “Virunga”
Aaron Wickenden – “Best of Enemies,” “Finding Vivian Maier”
Marina Zenovich – “Water & Power: A California Heist,” “Roman Polanski: Wanted and Desired”

EXECUTIVOS
Hussain Amarshi
Robert Bakish
Glen Basner
David Beaubaire
Dori Begley
Jonathan Berg
Gillian E. Bohrer
Jim Burke
Elizabeth Cantillon
Jeff Clanagan
Stuart Ford
Nancy Gerstman
Andrea Giannetti
Kira Goldberg
Julie Goldstein
Peter Goldwyn
Carla Hacken *
Mike Hopkins
Matt Jackson
Zygi Kamasa
Scott Kennedy
Charles D. King
Eda Kowan
Niija Kuykendall
Winnie Lau
Miky Lee
Helen Lee-Kim
Peter Levinsohn
Alison Lima
Laurie May
Tendo Nagenda
DanTram Nguyen
Rachel O’Connor
Hengameh Panahi
Eric Paquette
John Penotti
Abhijay Prakash
Elizabeth Raposo
Shari Redstone
Emily Russo
Erin Siminoff
Alison Thompson
Michael Wright

MONTADORES
Spencer Averick – “13th,” “Selma”
Alexandre de Franceschi – “Lion,” “Bright Star”
Keiko Deguchi * – “God Knows Where I Am,” “Fur: An Imaginary Portrait of Diane Arbus”
Tracy Granger – “Still Life,” “Boys Don’t Cry”
Sabine Hoffman – “Maggie’s Plan,” “Elvis & Nixon”
Edie Ichioka – “The Boxtrolls,” “Toy Story 2”
Janus Billeskov Jansen * – “The Hunt,” “The Act of Killing”
Céline Kélépikis – “The Red Turtle,” “Now or Never”
Melissa Kent – “American Pastoral,” “The Age of Adaline”
Juan Carlos Macías – “Wild Horses,” “The Official Story”
Jim May – “Goosebumps,” “The Chronicles of Narnia: The Lion, the Witch and the Wardrobe”
Fredrik Morheden – “A Man Called Ove,” “The New Country”
Christopher Murrie * – “Kubo and the Two Strings,” “Coraline”
Tania Michel Nehme – “Tanna,” “Charlie’s Country”
Tia Nolan – “Annie,” “Friends with Benefits”
Anne Østerud – “The Hunt,” “The Girl with the Dragon Tattoo”
Gregory Perler – “Sing,” “Despicable Me”
Jacopo Quadri – “Fire at Sea,” “The Dreamers”
Fabienne Rawley – “Zootopia,” “MonsterHouse”
Jake Roberts – “Hell or High Water,”“Brooklyn”
Hayedeh Safiyari – “The Salesman,” “A Separation”
Nat Sanders – “Moonlight,” “Short Term 12”
Per Sandholt – “Land of Mine,” “A Funny Man”
Suzanne Spangler – “Imperial Dreams,” “Smashed”
Molly Malene Stensgaard – “Land of Mine,” “Melancholia”
Alexandra Strauss – “I Am Not Your Negro,” “A Pigeon Sat on a Branch Reflecting on Existence”
Christian Wagner – “The Fate of the Furious,” “Furious Seven”
Monika Willi – “Amour,” “The Piano Teacher”
Kate Williams – “The Whole Truth,” “Frozen River”
Dan Zimmerman – “The Dark Tower,” “The Maze Runner”
Lucia Zucchetti – “Their Finest,” “The Queen”
Eric Zumbrunnen – “Her,” “Adaptation”
Makeup Artists and Hairstylists
Richard Alonzo – “Star Trek Beyond,” “Alice in Wonderland”
Alessandro Bertolazzi – “Suicide Squad,” “Fury”
Christine Beveridge – “The Monuments Men,” “Under the Skin”
Felicity Bowring – “Gold,” “Tinker, Tailor, Soldier, Spy”
Jerry DeCarlo – “Carol,” “Julie & Julia”
Patricia DeHaney – “Sully,” “Interstellar”
Naomi Donne – “Cinderella,” “Philomena”
Linda Dowds – “RoboCop,” “Rampart”
Audrey Doyle – “Legend,” “Mad Max: Fury Road”
Tina Earnshaw – “The Promise,” “Titanic”
Rick Findlater – “L’Odyssée (The Odyssey),” “The Hobbit: An Unexpected Journey”
Paul Gooch – “Miss Peregrine’s Home for Peculiar Children,” “Maleficent”
Fae Hammond – “Fantastic Beasts and Where to Find Them,” “The Legend of Tarzan”
Miia Kovero – “Inherent Vice,” “The Master”
Michael Marino – “American Pastoral,” “The Wrestler”
Frances Mathias – “Saving Mr. Banks,” “Beginners”
Christopher Nelson – “Suicide Squad,” “Frank Miller’s Sin City”
Elaine Offers – “The Kids Are All Right,” “Far from Heaven”
Conor O’Sullivan – “The Dark Knight,” “Saving Private Ryan”
Daniel Phillips – “Florence Foster Jenkins,” “The Queen”
Luigi Rocchetti – “Ben-Hur,” “The Nativity Story”
Morag Ross – “Hugo,” “The Aviator”
Nikoletta Skarlatos – “Free State of Jones,” “The Hunger Games: Mockingjay (Parts 1 & 2)”
Vittorio Sodano – “Il Divo,” “Apocalypto”
Shane Thomas – “The Dressmaker,” “Hacksaw Ridge”
Kenneth Walker – “Loving,” “For Colored Girls”
Kerry Warn – “The Great Gatsby,” “Australia”
Carla White – “Hands of Stone,” “August: Osage County”
Ann Pala Williams – “Live by Night,” “Click”
Jeremy Woodhead – “Doctor Strange,” “Snowpiercer”

TRILHA MUSICAL
Mark Adler – “Merchants of Doubt,” “Food, Inc.”
Edesio Alejandro – “La Pared de las Palabras,” “Suite Habana”
Nancy Allen – “Collateral Beauty,” “Black Swan”
David Amram – “The Manchurian Candidate,” “Splendor in the Grass”
Craig Armstrong – “Snowden,” “The Great Gatsby”
Angelo Badalamenti – “Mulholland Drive,” “Cousins”
Nicholas Britell – “Moonlight,” “The Big Short”
Nick Cave – “Hell or High Water,” “The Road”
Jordan Corngold – “War Dogs,” “Bridge of Spies”
Warren Ellis – “Hell or High Water,” “The Road”
Lisa Gerrard – “Jane Got a Gun,” “Layer Cake”
Justin Hurwitz – “La La Land,” “Whiplash”
Jimmy Jam – “Akeelah and the Bee,” “Poetic Justice”
Todd Kasow – “Miles Ahead,” “Inside Llewyn Davis”
Abel Korzeniowski – “Nocturnal Animals,” “A Single Man”
Mica Levi – “Jackie,” “Under the Skin”
Terry Lewis – “Akeelah and the Bee,” “Poetic Justice”
Lin-Manuel Miranda – “Moana,” “Star Wars: The Force Awakens”
Atli Örvarsson – “The Edge of Seventeen,” “The Mortal Instruments: City of Bones”
Benj Pasek – “La La Land,” “Trolls”
Justin Paul – “La La Land,” “Trolls”
Laurent Perez Del Mar – “The Red Turtle,” “Fear(s) of the Dark”
Jocelyn Pook – “Augustine,” “William Shakespeare’s The Merchant of Venice”
Laura Rossi – “Unfinished Song,” “London to Brighton”
Philip Sheppard – “Love, Marilyn,” “The Tillman Story”
Stephen James Taylor – “Southside with You,” “Why Do Fools Fall in Love”
Justin Timberlake – “The Book of Love,” “Trolls”
Benjamin Wallfisch – “Hidden Figures,” “Lights Out”
Debbie Wiseman – “Middletown,” “Wilde”

PRODUTORES
Khadija Alami – “Insoumise (Rebellious Girl),” “Itar El-Layl (Narrow Frame of Midnight)”
Joshua Astrachan – “Paterson,” “Short Term 12”
Fred Berger – “The Autopsy of Jane Doe,” “La La Land”
Jason Michael Berman – “Burning Sands,” “The Birth of a Nation”
Moritz Borman – “Snowden,” “W.”
Karin Chien – “Circumstance,” “The Exploding Girl”
Michael Costigan – “Ghost in the Shell,” “A Bigger Splash”
Pablo Cruz – “Cesar Chavez,” “Miss Bala”
Mel Eslyn – “Lamb,” “The One I Love”
Howard Gertler – “How to Survive a Plague,” “Shortbus”
Aaron L. Gilbert – “Beatriz at Dinner,” “The Birth of a Nation”
Mindy Goldberg – “Low Down,” “Junebug”
Carla Hacken * – “The Book of Henry,” “Hell or High Water”
Jordan Horowitz – “La La Land,” “The Kids Are All Right”
Lars Knudsen – “American Honey,” “Beginners”
Juan de Dios Larraín – “Jackie,” “No”
Sophia Lin – “Z for Zachariah,” “Take Shelter”
Michel Merkt – “Elle,” “Toni Erdmann”
Bertha Navarro – “Pan’s Labyrinth,” “The Devil’s Backbone”
Alex Orlovsky – “The Place beyond the Pines,” “Blue Valentine”
Adele Romanski – “Moonlight,” “Morris from America”
Robert Salerno – “Nocturnal Animals,” “We Need to Talk about Kevin”
Jeffrey Sharp – “The Yellow Birds,” “You Can Count on Me”
Nansun Shi – “Flying Swords of Dragon Gate,” “A Simple Life”
Gabrielle Tana – “Philomena,” “The Invisible Woman”
Jenno Topping – “Hidden Figures,” “Miss Peregrine’s Home for Peculiar Children”
Frida Torresblanco – “Rudo y Cursi,” “Pan’s Labyrinth”
Jay Van Hoy – “Complete Unknown,” “Ain’t Them Bodies Saints”
Julie Yorn – “Hell or High Water,” “The Other Woman”
Public Relations
Clive Baillie
Michael Brown
Matt Cowal
Tomy Drissi
Sonya Y. Ede-Williams
Lynne Frank
Jonathan Garson
Peter Giannascoli
Marvin Gray
Simon Hewlett
Melissa Holloway
Angela Johnson
Wellington Love
Michelle Marks
Bill Neil
Douglas Neil
Angela Paura
Heather Johnson Phillips
Tom Piechura
Pamela Rodi
Ivette Rodriguez
Jeff Sanderson
Jerry Schmitz
Lauren Schwartz
Carol Sewell
Michael Singer
Afrat Spalding
Kristin Stark
Maggie Todd
Norman Wang
Bumble Ward
Joe Whitmore
Lea Yardum
Kevin Allen Yoder

LONGAS E CURTAS DE ANIMAÇÃO
Sélim Azzazi – “Ennemis Intérieurs,” “Enterrez Nos Chiens (Bury Our Dogs)”
Matt Baer – “The Croods,” “How to Train Your Dragon”
Kyle Balda – “Despicable Me 3,” “Minions”
Aske Bang – “Silent Nights,” “The Stranger”
Jacquie Barnbrook – “Live Music,” “The ChubbChubbs!”
Claude Barras – “My Life as a Zucchini,” “Banquise (Icefloe)”
Eric Beckman – “When Marnie Was There,” “Song of the Sea”
Jared Bush * – “Zootopia,” “Moana”
Carlos E. Cabral – “Big Hero 6,” “Frozen”
Giacun Caduff – “La Femme et le TGV,” “2B or Not 2B”
John K. Carr – “How to Train Your Dragon 2,” “Over the Hedge”
Jeeyun Sung Chisholm – “Ice Age: Collision Course,” “The Peanuts Movie”
Jericca Cleland – “Ratchet & Clank,” “Arthur Christmas”
Andrew Coats – “Smash and Grab,” “Borrowed Time”
John Cohen – “The Angry Birds Movie,” “Despicable Me”
Lindsey Collins – “Finding Dory,” “WALL-E”
Devin Crane – “Megamind,” “Monsters vs Aliens”
Ricardo Curtis – “The Book of Life,” “Dr. Seuss’ Horton Hears a Who”
Richard Daskas – “Turbo,” “Sinbad: Legend of the Seven Seas”
Kristof Deák – “Sing,” “Losing It”
Jason Deamer – “Piper,” “Monsters University”
David DeVan – “Finding Dory,” “Brave”
Walt Dohrn – “Trolls,” “Mr. Peabody & Sherman”
Rob Dressel – “Moana,” “Big Hero 6”
Stefan Eichenberger – “Heimatland (Wonderland),” “Parvaneh”
David Eisenmann – “Pearl,” “Toy Story 3”
Patrik Eklund – “Seeds of the Fall,” “Instead of Abracadabra”
Steve Emerson * – “Kubo and the Two Strings,” “The Boxtrolls”
Lise Fearnley – “Me and My Moulton,” “The Danish Poet”
Mathias Fjellström – “Seeds of the Fall,” “Instead of Abracadabra”
Arish Fyzee – “The Pirate Fairy,”“Planes”
Juanjo Giménez – “Timecode,” “Maximum Penalty”
Andrew Gordon – “Monsters University,” “Presto”
Jinko Gotoh – “The Little Prince,” “9”
Eric Guillon – “Sing,” “The Secret Life of Pets”
Lou Hamou-Lhadj – “Borrowed Time,” “Day & Night”
John Hill – “Turbo,” “Shrek Forever After”
Steven “Shaggy” Hornby – “How to Train Your Dragon 2,” “Rise of the Guardians”
Steven Clay Hunter – “Brave,” “The Incredibles”
Alessandro Jacomini – “Big Hero 6,” “Tangled”
Christopher Jenkins – “Home,” “Surf’s Up”
Sean D. Jenkins – “Wreck-It Ralph,” “Bolt”
Phil Johnston * – “Zootopia,” “Wreck-ItRalph”
Oliver Jones * – “Kubo and the Two Strings,” “ParaNorman”
Mohit Kallianpur – “Frozen,” “Tangled”
Max Karli – “My Life as a Zucchini,” “Victoria”
Michael Kaschalk – “Big Hero 6,” “Paperman”
Karsten Kiilerich – “Albert,” “When Life Departs”
Timothy Lamb – “Trolls,” “Mr. Peabody & Sherman”
Gina Warr Lawes – “Zootopia,” “Kung Fu Panda 2”
Sang Jun Lee – “Rio 2,” “Epic”
Meg LeFauve – “The Good Dinosaur,” “Inside Out”
Jenny Lerew – “Mr. Peabody & Sherman,” “Flushed Away”
Brad Lewis – “Storks,” “Ratatouille”
Carl Ludwig – “Rio,” “Ice Age”
Andrew Okpeaha MacLean – “Feels Good,” “Sikumi (On the Ice)”
MaryAnn Malcomb – “Free Birds,” “Spirit: Stallion of the Cimarron”
Anders Mastrup – “Albert,” “When Life Departs”
Moon Molson – “The Bravest, the Boldest,” “Crazy Beats Strong Every Time”
Dave Mullins – “Cars 2,” “Up”
Michelle Murdocca – “Hotel Transylvania,” “Open Season”
Christopher Murrie * – “Kubo and the Two Strings,” “Coraline”
Ramsey Naito – “The Boss Baby,” “The SpongeBob SquarePants Movie”
Damon O’Beirne – “Kung Fu Panda 3,” “Rise of the Guardians”
Hyrum Virl Osmond – “Moana,” “Frozen”
Greg Pak – “Happy Fun Room,” “Super Power Blues”
James Palumbo – “Ice Age: Collision Course,” “Ice Age: Continental Drift”
Christine Panushka – “The Content of Clouds,” “The Sum of Them”
Pierre Perifel – “Rise of the Guardians,” “Kung Fu Panda 2”
Jeffrey Jon Pidgeon – “Monsters University,” “Up”
David Pimentel – “Moana,” “Big Hero 6”
Elvira Pinkhas – “Ice Age: Collision Course,” “Rio 2”
Kori Rae – “Monsters University,” “Tokyo Mater”
Mahesh Ramasubramanian – “Home,” “Madagascar 3: Europe’s Most Wanted”
Ferenc Rofusz – “Gravitáció (Gravitation),” “The Fly”
Vicki Saulls – “The Peanuts Movie,” “Ice Age: Continental Drift”
Brad Schiff * – “Kubo and the Two Strings,” “The Boxtrolls”
William Schwab – “Frozen,” “Wreck-It Ralph”
Gina Shay – “Trolls,” “Shrek Forever After”
Jeff Snow – “Over the Hedge,” “The Road to El Dorado”
Peter Sohn – “The Good Dinosaur,” “Partly Cloudy”
Debra Solomon – “My Kingdom,” “Getting Over Him in 8 Songs or Less”
David Soren – “Captain Underpants: The First Epic Movie,” “Turbo”
Cara Speller – “Pear Cider and Cigarettes,” “Pearl”
Peggy Stern – “Chuck Jones: Memories of Childhood,” “The Moon and the Son: An Imagined Conversation”
Michael Stocker – “Finding Dory,” “Toy Story 3”
Arianne Sutner – “Kubo and the Two Strings,”“ParaNorman”
Ennio Torresan – “Turbo,” “Till Sbornia Takes Us Apart”
Géza M. Toth – “Mama,” “Maestro”
Anna Udvardy – “Sing,” “Deep Breath”
Wayne Unten – “Frozen,” “Tick Tock Tale”
Theodore Ushev – “Blind Vaysha,” “Gloria Victoria”
Robert Valley – “Pear Cider and Cigarettes,” “Shinjuku”
Timo von Gunten – “La Femme et le TGV,” “Mosquito”
Gil Zimmerman – “How to Train Your Dragon 2,” “Puss in Boots”
Marilyn Zornado – “Old-Time Film,” “Mona Lisa Descending a Staircase”

SOM
Peter Albrechtsen – “The Happiest Day in the Life of Olli Mäki,” “The Girl with the Dragon Tattoo”
Christopher Assells – “John Wick: Chapter 2,” “Spectre”
David Bach – “13 Hours: The Secret Soldiers of Benghazi,” “Suicide Squad”
Sylvain Bellemare – “Arrival,” “Incendies”
Miriam Biderman – “Don’t Call Me Son,” “The Second Mother”
Charlotte Buys – “Call Me Thief,” “White Wedding”
Charlie Campagna – “Blade Runner 2049,” “Nocturnal Animals”
Harry Cohen – “The Fate of the Furious,” “The Hateful Eight”
Mohammad Reza Delpak – “The Salesman,” “A Separation”
Yann Delpuech – “The Founder,” “Saving Mr. Banks”
José Luis Díaz – “Wild Tales,” “The Secret in Their Eyes”
Jesse K-D. Dodd – “The Fate of the Furious,” “Jurassic World”
Amrit Pritam Dutta – “Kochadaiiyaan,” “Slumdog Millionaire”
Ezra Dweck – “Black Mass,” “Metallica Through the Never”
William Files – “Deadpool,” “Star Wars: The Force Awakens”
Bernard Gariépy Strobl – “Arrival,” “War Witch”
Mariusz Glabinski – “The Wall,” “The Fifth Estate”
Peter Grace – “Hacksaw Ridge,” “The Square”
Gu Changning – “Monk Comes Down the Mountain,” “Caught in the Web”
Robert Hein – “Café Society,” “Blue Jasmine”
Douglas Jackson – “Logan,” “Schindler’s List”
Jonathan Klein – “Live by Night,” “Argo”
Claude La Haye – “Arrival,” “The Red Violin”
Robert Mackenzie – “Hacksaw Ridge,” “The Grandmaster”
Tony Martinez – “Carol,” “Revolutionary Road”
Steve A. Morrow – “La La Land,” “Up in the Air”
Jean-Paul Mugel – “Jackie,” “Paris, Texas”
Cheryl Nardi – “Captain America: Civil War,” “Brave”
Al Nelson – “Alice through the Looking Glass,” “Jurassic World”
Marc Orts – “A Monster Calls,” “Che”
Daniel Pagan – “All Eyez on Me,” “Frost/Nixon”
Geoffrey Patterson – “Transformers: Revenge of the Fallen,” “Twister”
Margit Pfeiffer – “Batman v Superman: Dawn of Justice,” “Warrior”
Becki Ponting – “Philomena,” “Atonement”
Andy Potvin – “The Hunger Games: Catching Fire,” “Life of Pi”
Richard Quinn – “Rogue One: A Star Wars Story,” “Gone Girl”
Jacob Ribicoff – “Manchester by the Sea,” “The Wrestler”
Robert L. Sephton – “Smurfs: The Lost Village,” “Remember the Titans”
Guntis Sics – “Kong: Skull Island,” “Moulin Rouge”
Jane Tattersall – “Barney’s Version,” “American Psycho”
Steven Ticknor – “Spider-Man: Homecoming,” “The Lincoln Lawyer”
Derek Vanderhorst – “Hidden Figures,” “The Ides of March”
Bryon E. Williams – “Kubo and the Two Strings,” “The Hunger Games: Mockingjay (Parts 1 & 2)”
Katy Wood – “Guardians of the Galaxy Vol. 2,” “True Grit”
Andy Wright – “Hacksaw Ridge,” “Ponyo”

EFEITOS VISUAIS
Arundi Asregadoo – “The Legend of Tarzan,” “The Revenant”
Steve Begg – “Spectre,” “Casino Royale”
Félix Bergés – “A Monster Calls,” “The Impossible”
Angus Bickerton – “Victor Frankenstein,” “Dark Shadows”
Jason Billington – “Deepwater Horizon,”“Avatar”
Nafees Bin Zafar – “Kung Fu Panda 3,” “How to Train Your Dragon 2”
Rod Bogart – “John Carter,” “Brave”
Cosmas Paul Bolger, Jr. – “Frozen,” “The Day the Earth Stood Still”
Pierre Buffin – “The Divergent Series: Allegiant,” “Life of Pi”
Sonja Burchard – “Rise of the Guardians,” “The Curious Case of Benjamin Button”
Mark Byers – “Hidden Figures,” “The Sea of Trees”
Mike Chambers – “Alice through the Looking Glass,” “Inception”
Vincent Cirelli – “Doctor Strange,” “Captain America: Civil War”
Brian Cox – “The Wolverine,” “The Chronicles of Narnia: The Voyage of the Dawn Treader”
Joyce Cox * – “The Jungle Book,” “Avatar”
Jan Philip Cramer – “Independence Day: Resurgence,” “Deadpool”
Janelle Croshaw – “Tron: Legacy,” “The Curious Case of Benjamin Button”
Denise Davis – “Pixels,” “X-Men: FirstClass”
Brennan Doyle – “Marvel’s The Avengers,” “Transformers: Dark of the Moon”
Pauline Duvall – “Deadpool,” “Star Trek Beyond”
Christopher D. Edwards * – “Guardians of the Galaxy Vol. 2,” “Doctor Strange”
Steve Emerson * – “Kubo and the Two Strings,” “The Boxtrolls”
Doug Epps – “Mars Needs Moms,” “Disney’s A Christmas Carol”
Conny Fauser – “Tomorrowland,” “Iron Man”
Paul Giacoppo – “Rogue One: A Star Wars Story,” “Pacific Rim”
Joachim Grüninger – “The Impossible,” “John Rabe”
Rhonda C. Gunner – “The Amazing Spider-Man 2,” “Wrath of the Titans”
Craig Hammack – “Deepwater Horizon,” “Tomorrowland”
Jonathan Harb – “The Hunger Games: Mockingjay – Part 1,” “Elysium”
Darren Hendler – “Furious Seven,” “Maleficent”
Erik Henry – “Dead Man Down,” “The Expendables 2”
David Hodgins – “Transformers: Dark of the Moon,” “2012”
Matt Johnson – “Into the Woods,” “X-Men: First Class”
Oliver Jones * – “Kubo and the Two Strings,”“ParaNorman”
Nikos Kalaitzidis – “The Fate of the Furious,” “X-Men: Days of Future Past”
Daniel Kramer – “Ghostbusters,” “Edge of Tomorrow”
Francois Lambert – “Ant-Man,” “Pirates of the Caribbean: Dead Man’s Chest”
Mohen Leo – “Rogue One: A Star Wars Story,” “Deepwater Horizon”
John M. Levin – “Jurassic World,” “Lucy”
Jacqui Lopez – “Elysium,” “The Great Gatsby”
Fumi Mashimo – “Avengers: Age of Ultron,” “The Mummy: Tomb of the Dragon Emperor”
Glen McIntosh – “The Mummy,” “Jurassic World”
Keith Francis Miller – “Wonder Woman,” “Batman v Superman: Dawn of Justice”
Mohsen Mousavi – “Independence Day: Resurgence,” “The Amazing Spider-Man”
Colette Mullenhoff – “Doctor Strange,” “Captain America: The Winter Soldier”
Peter Muyzers – “Elysium,” “District 9”
Kenneth Nakada – “Fantastic Four,” “Life of Pi”
Steve Nichols – “Suicide Squad,” “Guardians of the Galaxy”
David Niednagel – “X-Men: Days of Future Past,” “Transformers: Dark of the Moon”
Brett Northcutt – “Lucy,” “Pirates of the Caribbean: On Stranger Tides”
Danielle Plantec – “Immortals,” “Hereafter”
Darren Michael Poe – “The Hateful Eight,” “Godzilla”
Nordin Rahhali – “Fantastic Beasts and Where to Find Them,” “Iron Man 3”
Philippe Rebours – “Avengers: Age of Ultron,” “Avatar”
Jay Redd – “Alice through the Looking Glass,” “Men in Black 3”
Jonathan Rothbart – “Deadpool,” “Avatar”
Brad Schiff * – “Kubo and the Two Strings,” “ParaNorman”
J.D. Schwalm – “The Fate of the Furious,” “The Jungle Book”
Thomas J. Smith – “Argo,” “Contagion”
Jason Snell – “Deepwater Horizon,” “Now You See Me”
Robert Stadd – “War Dogs,” “Public Enemies”
Paul Story – “The Jungle Book,” “Dawn of the Planet of the Apes”
Ryan Tudhope – “Deadpool,” “Looper”
Robert Weaver – “Teenage Mutant Ninja Turtles: Out of the Shadows,” “Star Trek Into Darkness”
Louis Zutavern – “The Dictator,” “Elf”

ESCRITORES
Karim Aïnouz – “Love for Sale,” “Madame Satã”
Rakhshan Bani-Etemad – “Under the Skin of the City,” “The May Lady”
Siddiq Barmak * – “Opium War,” “Osama”
Aida Begić * – “Children of Sarajevo,” “Snow”
Jeremy Brock – “True Crimes,” “The Last King of Scotland”
Jared Bush * – “Zootopia,” “Moana”
John Collee – “Tanna,” “Master and Commander: The Far Side of the World”
Buddhadeb Dasgupta – “The Wrestlers,” “The Red Door”
Kenneth Angelo Daurio, Jr. – “The Secret Life of Pets,” “Despicable Me”
Luke Davies – “Lion,” “Life”
Mohamed Diab – “Clash,” “Cairo 678”
Lav Diaz * – “A Lullaby to the Sorrowful Mystery,” “Norte, the End of History”
Katie Dippold – “Snatched,” “Ghostbusters”
Nelson Pereira dos Santos * – “How Tasty Was My Little Frenchman,” “Barren Lives”
Ildikó Enyedi * – “Simon Magus,” “My Twentieth Century”
Safi Faye * – “Mossane,” “Lettre Paysanne”
Feng Xiaogang – “If You Are the One,” “A World without Thieves”
Paz Alicia Garciadiego – “Bleak Street,” “Deep Crimson”
Bahman Ghobadi – “Turtles Can Fly,” “A Time for Drunken Horses”
Goutam Ghose * – “Shankhachil,” “Paar”
Eric Heisserer – “Arrival,” “Lights Out”
Barry Jenkins * – “Moonlight,” “Medicine for Melancholy”
Alejandro Jodorowsky * – “The Holy Mountain,” “El Topo”
Phil Johnston * – “Zootopia,” “Wreck-It Ralph”
Kim Ki-duk * – “3-Iron,” “Spring, Summer, Fall, Winter…and Spring”
Mohammed Lakhdar-Hamina * – “Chronicle of the Years of Embers,” “The Winds of the Aures”
Brit Marling – “The East,” “Another Earth”
Márta Mészáros * – “Diary for My Children,” “Adoption”
Mike Mills – “20th Century Women,” “Beginners”
Idrissa Ouedraogo * – “Tilaï,” “Yaaba”
Éva Pataki – “The Seventh Room,” “Diary for My Loves”
Cinco Paul – “The Secret Life of Pets,” “DespicableMe”
Jordan Peele * – “Get Out,” “Keanu”
Simon Pegg – “Run Fat Boy Run,” “Shaun of the Dead”
Mohammad Rasoulof * – “Manuscripts Don’t Burn,” “Goodbye”
Eran Riklis * – “Lemon Tree,” “The Syrian Bride”
Céline Sciamma – “My Life as a Zucchini,” “Tomboy”
Mrinal Sen * – “The Case Is Closed,” “In Search of Famine”
Taylor Sheridan – “Hell or High Water,” “Sicario”
Sooni Taraporevala – “Mississippi Masala,” “Salaam Bombay!”
Tran Anh Hung * – “Norwegian Wood,” “The Scent of Green Papaya”
Joss Whedon – “Marvel’s The Avengers,” “The Cabin in the Woods”
William Wheeler – “Queen of Katwe,” “The Reluctant Fundamentalist”
Yau Nai-hoi – “Three,” “Election”
Mauricio Zacharias – “Little Men,” “Love Is Strange”
Martin Zandvliet * – “Land of Mine,” “A Funny Man”
Members-at-Large
Pippa Anderson
Margaret Bodde
Dan Bradley
Brooke Breton
Chris Brigham
Jill Brooks
Stephen Broussard
Stephen Campanelli
Joyce Cox *
Charles Croughwell
Andrew Z. Davis
Steve M. Davison
Bill Draper
Mitch Dubin
Christopher D. Edwards *
Mickey Giacomazzi
Richard Glasser
Jeffrey W. Harlacker
Thomas R. Harper
Jill Hopper
Craig Hosking
Gary Hymes
Andrea Kalas
Jeanie King
Natasha Léonnet
Todd London
Erika McKee
Mary McLaglen
Ujwal Narayan Nirgudkar
Cyndi Ochs
Howard Paar
Darwyn Peachey
Louis Phillips
Susan Pickett
Thomas Poole
Darrin Prescott
Bérénice Robinson
Lee Rosenthal
Rebekah Rudd
P. Scott Sakamoto
Dana Sano
William O. Schultz
Ellen H. Schwartz
William Sherak
Brian Smrz
John Stoneham, Jr.
David Taritero
Garrett Warren
Raymond Yeung
Associates
Rowena Arguelles
Peter Benedek
Jim Berkus
George Freeman
Harry Gold
Scott Greenberg
Brandt Joel
Keya Khayatian
Richard Klubeck
Jessica Lacy
Jon Levin
Rhonda Price
Hylda Queally
Philip Raskind
Stephanie Ritz
Rajendra Roy
Mick Sullivan

***

Com a adição, a Academia conta atualmente com 7.461 membros votantes.

Cannes & Almodóvar vs. Netflix & TILDA SWINTON!

okja cannes

Equipe do filme Okja, da Netflix, no Festival de Cannes. No centro, o diretor Bong Joon-ho ao lado da atriz Tilda Swinton e Jake Gyllenhaal. Pic by AFP.com

EM SEGUNDO DIA DO FESTIVAL, NETFLIX CAUSA GRANDE ALVOROÇO

Sim, tá rolando uma treta em Cannes! E a musa Tilda Swinton calou a boca do povo! Por isso venho aqui pra compartilhar com vocês não apenas a treta, mas toda uma discussão sobre o futuro do cinema como o conhecemos hoje.

Vamos pela cronologia dos fatos:

1 – NETFLIX NA SELEÇÃO OFICIAL DE CANNES

Dentre os indicados à Palma de Ouro, havia duas produções de streaming da Netflix competindo pela primeira vez na história do evento: The Meyerowitz Stories, de Noah Baumbach; e Okja, do sul-coreano Bong Joon-ho.

OKJA

Cena do filme Okja, de Bong Joon-ho. Pic by cine.gr

2 – INCÔMODO ENTRE OS DISTRIBUIDORES DE CINEMA NA FRANÇA

Como se trata de um festival bastante tradicional, obviamente que os inúmeros distribuidores de cinema não gostaram nem um pouco do início da invasão da Netflix em Cannes, já que as produções não serão exibidas nas salas de cinema comercialmente, apenas pela plataforma da própria Netflix. Mais do que deixar de lucrar, os distribuidores estão enfurecidos com a possibilidade da profissão se tornar obsoleta num futuro não muito distante.

3 – OS ORGANIZADORES TOMAM PROVIDÊNCIAS

Com a insatisfação dos distribuidores no ouvido, os organizadores se viram obrigados a tomar providências para agradar gregos e troianos. Assim, passou a exigir que os filmes de streaming sejam exibidos em salas de cinema para que possam competir a partir de 2018.

4 – NETFLIX REAGE COM SENSATEZ

Depois de sofrer retaliações, a Netflix poderia reclamar ou se espernear, mas tem ciência do ótimo impacto de ter produções selecionadas e por isso, anunciou que está estudando a possibilidade de lançar seus filmes em algumas salas selecionadas.

5 – ALMODÓVAR USUFRUI DE SUA AUTORIDADE

Como presidente do júri deste ano, o cineasta Pedro Almodóvar, resolveu fazer declaração sobre o assunto, mas de forma intimidatória: “Não concederei não apenas a Palma de Ouro, mas qualquer outro prêmio para um filme que não poderei ver na tela grande”. Embora o júri seja formado por outros artistas como os atores Will Smith, Jessica Chastain, Fan Bingbing, e os cineastas Paolo Sorrentino, Park Chan-wook, Maren Ade e Agnès Jaoui, além do compositor Gabriel Yared, o presidente sempre tem a palavra final, portanto, existe forte possibilidade desses dois filmes da Netflix saírem de mãos abanando apenas por causa de seu formato.

Jury Press Conference - The 70th Annual Cannes Film Festival

À direita, o presidente do júri Pedro Almodóvar em coletiva de imprensa. Pic by The Upcoming

6 – TILDA SWINTON CALA A BOCA DE ALMODÓVAR

Durante a conferência do filme em Cannes, a atriz do filme Okja, a britânica Tilda Swinton, rebateu a declaração do presidente do júri Pedro Almodóvar: “NÃO VIEMOS AQUI PELOS PRÊMIOS”. Cadê aquela musiquinha do “Turn down for what” com os óculos escuros pra Tilda Swinton???

tilda-jake.jpg.size.custom.crop.1086x724

Tilda Swinton responde às perguntas dos jornalistas em coletiva de Okja em Cannes. Ao fundo, Jake Gyllenhaal. (pic by thestar.com)

ADENDO: A EXIBIÇÃO DE ‘OKJA’ EM CANNES

Depois de toda essa discussão, até parece que sabotaram a exibição do longa Okja! Após alguns minutos de exibição, o filme foi interrompido por problemas técnicos. Alguns membros da imprensa estrangeira aproveitaram para vaiar, mas o diretor Bong Joon-ho soube ter jogo de cintura após o término da sessão, quando disse: “Fiquei feliz pelos problemas técnicos. Assim vocês tiveram a oportunidade de ver duas vezes a sequência de abertura!”.

ANÁLISE PERTINENTE EM RELAÇÃO AO FUTURO DO CINEMA

Bom, mas tirando a sarrafada da Tilda Swinton, o que é necessário entender aqui é que a Netflix é o FUTURO. Simples. Para quem acompanha cinema, sabe que houve uma queda significativa de conteúdo nas salas de exibição. Os estúdios não querem mais arriscar em novas idéias, e preferem ficar limitados a adaptações de quadrinhos, refilmagens e sequências, pois as chances de prejuízo são praticamente inexistentes. Claro que não estou criticando esses filmes de estúdio (eu mesmo sou fã dos filmes da Marvel), mas cinema não deve ficar restrito a essas produções. Cinema é uma arte que precisa sempre se reinventar para poder sobreviver.

E a Netflix está providenciando isso. Há pouco tempo, eles deixaram de ser uma mera plataforma de exibição para produzir conteúdo. Começaram com as séries de TV , que logo conquistaram o grande público como as pioneiras House of Cards e Orange is the New Black, e agora estão fazendo grandes contratos com diretores renomados e renegados do cinema como os já citados Bong Joon-ho e Noah Baumbach. Esses mesmos diretores sabem que estão perdendo espaço nas salas de cinema e por isso, estão buscando alternativas para produzirem seus filmes. Vale lembrar que recentemente o diretor David Lynch anunciou sua aposentadoria de filmes, concentrando seus esforços na série Twin Peaks. Quem sabe ele não consegue retornar com a ajuda da Netflix também?

netflix screen-shot-2013-11-13-at-8-05-16-am

Tela da Netflix com destaque para a série House of Cards, sucesso absoluto de crítica e público. 

Quando o Festival de Cannes impõe restrições à Netflix, ele está adiando o futuro. Mesmo sendo cinéfilo que gosta de frequentar salas de cinema, não dá pra simplesmente ignorar uma plataforma tão promissora. Logo de cara, já desbancou as locadoras do mundo todo, e agora a tendência é aposentar as salas de cinema.

ÉPOCA DE TRANSIÇÃO

Embora a Netflix seja o futuro, ele não vem da noite para o dia. É necessário um período de adaptação do público e até mesmo da crítica. Acredito que o ideal nesse caso seja que a Netflix inicialmente disponibilize seus filmes em salas selecionadas de cinema, e que retire suas produções dos cinemas gradativamente. Hoje, podem lançar um filme para 200 salas nos EUA. Daqui a 6 meses, 150 salas, e assim sucessivamente. E o público que vai decidir isso. Se hoje pagam bem pra assistir mega-produções da Disney nos cinemas, eles podem elevar os números positivos das produções de streaming.

Voltando ao discurso do Almodóvar, ele lança sua opinião para que possamos refletir sobre essas mudanças. “Plataformas digitais são um novo meio de oferecer trabalho, o que é interessante e positivo. Mas elas não devem tomar o lugar de formatos existentes. Elas não deveriam mudar os hábitos dos espectadores. Essa é a grande questão do debate.”, declarou o diretor.

Realmente, assistir a um filme na tela grande do cinema é uma experiência de outro nível. A tela grande consegue aprimorar a experiência de ver um filme, e até mesmo melhorar a qualidade daquele filme meio capenga. É verdade. E tem uma questão primordial nesse modo de assistir a um filme: a concentração do espectador. Na sala de cinema, além da imagem e áudio de qualidades, existe o foco. Não há interrupções de telefone, barulho ou mesmo de distrações dentro da sala de cinema, que certamente existem em casa. Então, nesse sentido, o Almodóvar tem razão.

Mas pra ele, que já é um cineasta de renome que frequenta os festivais e sempre tem público nos cinemas, é mais fácil condenar a Netflix. Mas e praquele diretor em começo de carreira? Ou mesmo praquele que foi esquecido pelos grandes estúdios como o já citado David Lynch? Hoje, eles têm duas alternativas: Ou imploram por financiamento por leis de incentivo ou eles cedem para o streaming que vai produzir os filmes e vão oferecer para milhões de espectadores via plataforma.

O próprio diretor Bong Joon-ho ressaltou sua experiência de ter trabalhado com a Netflix: “Eu amei ter trabalhado com a Netflix. Eles me deram muito apoio. O orçamento para este filme foi considerável. Dar esse tipo de orçamento para um diretor não é muito comum.” A Netflix concedeu 50 milhões de dólares para a produção de Okja. Uma boa grana para quem teve astros como Tilda Swinton, Jake Gyllenhaal, Lily Collins e Paul Dano, sem contar com os efeitos especiais.

Enfim, fechando a discussão, nada desse debate todo justifica Pedro Almodóvar fechar as portas para as duas produções por causa da plataforma! Por isso, adorei Tilda Swinton, que ressaltou o privilégio de estar em Cannes, e de lembrar que o real intuito do filme é ser visto e passar sua mensagem. Os prêmios são mera consequência.

***

A 70ª edição do Festival de Cannes termina dia 28 de maio, quando serão anunciados os vencedores.

ACADEMIA BUSCA SE RECOMPOR APÓS GAFE HISTÓRICA DO OSCAR 2017

PWC 1

O indivíduo vai distribuir apenas envelopes no Oscar e resolve tweetar… (pic by Andrew Walker/REX/ Shutterstock)

PWC brian-cullinan-tweet

… posta foto da Emma Stone pra ficar bem na fita com a galera… (pic by Brian Cullinan)

Fred Berger

… e depois vê a cagada que cometeu (pic by Chris Pizzello/Invision/AP)

ACADEMIA ANUNCIA ALGUMAS MEDIDAS POUCO EFICIENTES

Bom, nessa altura do campeonato, o mundo inteiro já sabe o que realmente aconteceu nos bastidores do Oscar e o anúncio de Melhor Filme: o responsável pela entrega dos envelopes, Brian Cullinan (nas fotos acima), estava tão distraído com o Twitter e tirando foto com Emma Stone, que acabou entregando o envelope errado. O tempo pode passar, mas a vergonha por esse erro crasso (não me venham com “Errar é humano”!) perdurará por toda a eternidade. Obviamente, a esperança da Academia é que esse acontecimento seja esquecido o mais breve possível, mas se depender das providências anunciadas…

Recentemente, os organizadores da Academia detalharam novos protocolos que evitariam uma nova catástrofe. Na teoria. Eles vão contratar um terceiro contador para checar os votos e entregar os envelopes. Esse novo contador saberá com antecedência os vencedores e poderá alertar o diretor da cerimônia em caso de falha. Além, claro, de dispensar Brian Cullinan e Martha Ruiz, os dois responsáveis do Oscar desse ano, e também vai proibir o uso de celulares nos bastidores.

Olha, são medidas válidas, mas não tem uma real efetividade para coibir erros. Pra mim, basicamente houve uma falha do funcionário que estava mais preocupado com sua popularidade no Twitter do que checar se o envelope estava correto. Não precisa ter mais uma pessoa pra checar envelopes. Isso até uma criança conseguiria fazer sozinha.

Contando com uma parceria que dura décadas, a empresa responsável pela contagem de votos e confecção dos envelopes, Pricewaterhouse Coopers, não foi punida pelo erro. Apenas seus dois funcionários foram demitidos. Com certeza, alguém tem costas quentes com a Academia.

Enfim, a maior gafe dos últimos anos foi concretizada, a Academia e a Pricewaterhouse pediram desculpas, mas uma das piores consequências foi sobre a relação entre Faye Dunaway e Warren Beatty, que apresentaram e anunciaram o Oscar de Melhor Filme para La La Land. Segundo relatos, já havia um certo tom de inimizade desde os tempos de Bonnie & Clyde – Uma Rajada de Balas (1967), que certamente se agravaram depois que Beatty inocentemente cedeu o envelope errado para Dunaway ler sem qualquer tipo de aviso. É triste que um acontecimento desse possa causar esse trauma a duas estrelas hollywoodianas que passaram dos 70 anos. Correm sério risco de morrerem brigados…

CATEGORIA DE ANIMAÇÃO PARA QUEM PAGAR MAIS

E agora a pior notícia até o momento: a Academia anunciou uma mudança que pode e deve distanciar produções menores da categoria de Longa de Animação. Abriu a votação de indicados para todos os membros da Academia, ao invés de ficar restrita ao comitê de Animação. Não querendo generalizar, mas convenhamos que a maioria dos membros da Academia não tem conhecimento mais profundo sobre animação, e deve ficar limitada a assistir apenas às grandes animações.

A razão dessa mudança certamente partiu de reclamações de grandes estúdios como Dreamworks, Disney e Pixar, que costumam gastar milhões, faturar alto nas bilheterias, mas que estão insatisfeitos e indignados que suas produções perdem vaga no Oscar para animações independentes pequenas até de outros países como A Tartaruga Vermelha, Minha Vida de Abobrinha e no ano passado, o brasileiro O Menino e o Mundo.

84th Academy Awards Nominations Announcement

Indicados ao Oscar de Longa de Animação do Oscar 2012. Competição sadia entre grandes e pequenos (pic by Just Jared)

Esse povo insatisfeito com a “injustiça” no Oscar, resolveu mexer os pauzinhos e a Academia está acatando. É realmente uma lástima essa alteração, pois de todas as categorias do Oscar, esta era a mais internacional (tirando, obviamente a de Melhor Filme Estrangeiro) e diversificada em termos de artistas, histórias e tamanho de produção. Se mais pessoas votarem, as chances dos menores ficarem de fora são maiores, pois quem não trabalha na área de animação, fica mais suscetível ao gosto popular e da publicidade dos grandes estúdios.

Particularmente, eu já estava indignado que a última animação estrangeira a vencer o Oscar foi A Viagem de Chihiro em 2002! Imagina agora com menos estrangeiros competindo? Enfim, é um passo dado para trás pela Academia, que se rende mais aos interesses econômicos do que artísticos.

Também vale ressaltar que a Academia passou a proibir que documentários extensos como o vencedor deste ano, O.J.: Made in America, sejam elegíveis nos próximos anos. Para quem não sabe, o documentário vencedor tinha mais de oito horas de duração, ou seja, tinha um formato original para televisão (em episódios).

CALENDÁRIO DO OSCAR ATÉ 2020

A Academia também anunciou o calendário de seus eventos para os próximos quatro anos.

OSCAR 2018: 04/03/18

OSCAR 2019: 24/02/19

OSCAR 2020: 23/02/20

OSCAR 2021: 28/02/21

A cerimônia de 2018 foi a única movida para o mês de março para que não coincida com os jogos olímpicos de inverno da Coréia do Sul, que encerram no dia 25 de fevereiro.

Apesar da gafe desse ano, os produtores do evento, Michael De Luca e Jennifer Todd, estão bem cotados para retornar em 2018, e com isso, existem grandes chances de Jimmy Kimmel voltar como host. Para a próxima edição, a Academia já divulgou as principais datas:

Os produtores do Oscar 2017: Jennifer Todd e Michael De Luca devem retornar em 2018. Pic by The New York Times

11/11/2017 (sábado)
Governors Awards

05/01/2018 (sexta)
Início da votação de indicados

12/01/2018 (sexta)
Término de votação de indicados

23/01/2018 (terça)
Anúncio dos Indicados ao Oscar

05/02/2018 (segunda)
Almoço dos Indicados ao Oscar (Oscar Luncheon)

10/02/2018 (sábado)
Scientific and Technical Awards

20/02/2018 (terça)
Início da votação final

27/02/2018 (terça)
Término da votação final

28/02/2018 (quarta)
The Oscar Concert

04/03/2018 (domingo)
90ª cerimônia do Oscar

APOSTAS PARA O OSCAR 2017: O Ano de ‘LA LA LAND’

Pôster oficial do Oscar 2017, com o host Jimmy Kimmel

Pôster oficial do Oscar 2017, com o host Jimmy Kimmel

EM SUA 89ª EDIÇÃO, O OSCAR PODE VOLTAR A PREMIAR UM MUSICAL APÓS 14 ANOS

Yes, it’s Oscar time! Infelizmente, este ano coincidiu com o Carnaval, este evento anual que é responsável por ruas públicas urinadas, e com isso, a Globo, que é detentora dos direitos de transmissão, não deve passar ao vivo porque o Carnaval é mais importante, né gente? Primeiro vem o Carnaval, em segundo o Big Brother e se sobrar tempo, vem o Oscar. Aí eu pergunto: Por que não deixar outra emissora aberta transmitir? Porque a Globo não gosta de concorrência.

Enfim, felizmente, o Oscar pode contar com a TNT, que aliás, iniciará sua transmissão a partir das 21h, horário de Brasília, quando teremos o famoso tapete vermelho e as entrevistas. Para quem ouve a faixa de áudio com tradução simultânea, poderá contar com os comentários de Rubens Ewald Filho e Domingas Person. Como a tradução mais atrapalha do que ajuda, prefiro sempre ouvir em áudio original em inglês.

HOST: JIMMY KIMMEL

É difícil prevermos se um host mandará bem ou não no Oscar, por isso, os produtores do evento costumam fazer apostas mais seguras, convidando profissionais que lidam com humor de stand up como Chris Rock ou que tenham os próprios talk shows como David Letterman. Das poucas vezes que arriscaram, os resultados foram desastrosos: em 2010, a dupla Steve Martin e Alec Baldwin; e em 2011, a dupla mais sem química de todas Anne Hathaway e James Franco. Honestamente, até hoje não entendo quem teve a brilhante idéia de fazer essa combinação.

Os produtores desta 89ª cerimônia, Michael de Luca e Jennifer Todd, foram no safe bet (aposta segura) com Jimmy Kimmel. Seu talk show, o Jimmy Kimmel Live!, trabalha bem com sátiras de filmes e assim como o Oscar, é transmitido ao vivo, o que lhe garante experiência nos possíveis imprevistos. Além disso, Kimmel já foi host do Emmy Awards duas vezes. Espero que ele faça uma ótima apresentação, porque 3 horas de show tem que saber não deixar a peteca cair! Mas se dependesse de mim, pediria o retorno de Jon Stewart (ele seria perfeito nesse momento de turbulências políticas de Trump!), ou se fosse pra “estrear” alguém, chamaria Jim Carrey, que sempre foi muito bem nas apresentações de prêmios do Oscar e Globo de Ouro.

A 89ª EDIÇÃO DO OSCAR

Após conferir todos os nove filmes indicados a Melhor Filme, consegui chegar a um veredito pessoal. Claro que alguns vão concordar e outros podem discordar, afinal, estamos falando de Arte, que pode ser interpretada de acordo com cada espectador. De todos os nove, se eu fosse membro da Academia, votaria no western moderno A Qualquer Custo. Trata-se de um filme bem realizado, com uma direção segura e minimalista de David Mackenzie (que infelizmente não foi indicado), todo o elenco apresenta performances acima da média, inclusive os quase figurantes em cena, os personagens são ricos e complexos, e gera reflexão enquanto expõe o país do pós-crise econômica e nos diverte com suas piadas politicamente incorretas proferidas pelo personagem Marcus Hamilton (Jeff Bridges). Não entendi como Ben Foster não estava entre os indicados a Ator Coadjuvante.

hell-or-high-water-mit-chris-pine-und-ben-foster

A Qualquer Custo (Hell or High Water)

Mas ao mesmo tempo, entendo o hype em torno de La La Land, que concorre a 14 Oscars. Primeiramente, é um dos bons exemplares do gênero musical, que predominava na Hollywood dos anos 50 e 60. Fazer um musical bem feito hoje em dia é para poucos. Não contamos mais com Fred Astaire, Ginger Rogers e Gene Kelly pra ajudar o musical a brilhar. Mas acima da qualidade fílmica em si, o filme de Damien Chazelle merece os láureos da temporada por saber dialogar sobre o sonho artístico. E não precisa ter feito faculdade ou trabalhado com Artes pra ser pego por La La Land, afinal, quem nunca teve o sonho de viver de Arte? Fazer um filme, pintar quadros, fazer exposições com suas fotos, ser cantor! Depois de conferirmos La La Land, é possível entender um pouco melhor os percalços de cada aspirante a artista, seja em Hollywood, seja na Índia.

la-la-land-mit-ryan-gosling-und-emma-stone

La La Land: Cantando Estações (La La Land)

Se A Chegada vencesse o Oscar de Melhor Filme, não seria nada injusto. Primeiramente, porque o gênero da ficção científica sempre foi considerado como Filme B pela Academia, tanto que nunca foi premiado como Melhor Filme em 88 anos de história. E em segundo lugar, o filme de Denis Villeneuve é mais do que um mero sci-fi. Aproveitando-se de uma história de invasão alienígena, ele cria uma análise do poder da comunicação entre povos como antítese da guerra. Em tempos de extrema direita de Donald Trump, em que imigrantes estão sendo deportados por pertencerem à religião muçulmana e de sete países do Oriente Médio, percebe-se claramente que está havendo uma falta de comunicação entre as nações. Embora tenha seu diretor indicado, a campanha do filme perdeu um pouco de sua força quando sua protagonista vivida por Amy Adams foi excluída da categoria de Melhor Atriz.

arrival-mit-amy-adams

A Chegada (Arrival)

Entre os filmes indies, o novo filme de Kenneth Lonergan, Manchester à Beira-Mar, foi um dos grandes destaques da temporada. Favorito nas categorias de Roteiro Original e Ator, o longa realmente tem seus maiores méritos justamente nesses dois campos. Com ampla experiência em peças, Lonergan consegue tecer uma história poderosa sobre perdas e traumas familiares, sem cair nos chavões dramáticos do subgênero. Mesmo numa história sobre luto, ele consegue criar momentos de ótimo humor negro, elemento esse que casou muito bem com a performance introspectiva de Casey Affleck. Na verdade, o elenco todo está bem equilibrado, já que Lucas Hedges se contrapõe a Affleck com sua energia, e Michelle Williams consegue extrair um pouco do passado tenebroso com sua sensibilidade.

manchesterbythesea_affleckhedgescropped_0

Manchester à Beira-Mar (Manchester by the Sea)

 

Quanto ao filme de guerra Até o Último Homem, acredito que a indicação em si teve dois propósitos. Primeiramente, a Academia sempre gosta de preencher uma cota de filme de mocinho. A história verídica do soldado que nunca pegou numa arma, mas salvou várias vidas tinha de ser contada. E em segundo, a Academia gosta de perdoar artistas numa tentativa de causar uma redenção. Foi assim com problemáticos como Robert Downey Jr. e Sean Penn. Aqui é Mel Gibson, que nos últimos anos, soltou declarações polêmicas anti-semitas em situações constrangedoras, como quando foi pego bêbado pela polícia. Acho um bom filme, consistente, bem filmado por Gibson, mas peca pelo excesso nítido de Cristianismo. Daria pra dizer que é um filme patrocinado pela Igreja Cristã de tantas menções bíblicas e a forte inclinação do protagonista vivido por Andrew Garfield.

hacksaw-ridge-mit-andrew-garfield

Até o Último Homem (Hacksaw Ridge)

Em relação a Lion: Uma Jornada Para Casa e Um Limite Entre Nós, vejo um problema grave de adaptação. Vamos partir do princípio fundamental de que Cinema, Literatura e Teatro são formas de Arte distintas entre si. Cada meio de comunicação tem suas características muito próprias que precisam ser respeitadas para que funcionem. Nem tudo o que funcionou no livro vai funcionar no filme, assim como tudo o que funcionou numa peça vai funcionar no filme. Embora sejam duas histórias que precisavam ser contadas (Lion é sobre um rapaz indiano que encontra sua mãe biológica depois de vários anos, e Um Limite Entre Nós faz um belo estudo sobre a vida suburbana num bairro negro nos anos 60), faltou alguém que lapidasse as coisas que não funcionam em cinema.

lion-mit-nicole-kidman-rooney-mara-david-wenham-dev-patel-und-divian-ladwa

Lion: Uma Jornada Para Casa (Lion)

Em Lion, o segundo ato é totalmente ineficiente. Temos um ótimo começo e um ótimo final, mas o desenvolvimento da trama simplesmente nos faz engolir alguns acontecimentos por serem verídicos. Além disso, a personagem de Rooney Mara, apesar de ser real também, poderia ter sido cortada por completo, pois além de um papel mal escrito, não ajuda em nada a avançar a trama. Já em Um Limite Entre Nós, não tem como assistir ao filme sem pensar na peça de teatro. Eu mesmo ficava imaginando a história toda encenada num palco. Claro que não se trata apenas de um cenário confinando os personagens, mas a história toda se baseia em texto (diálogos bem defendidos pelos atores, especialmente Viola Davis, que tem dois monólogos), e Cinema é texto transformado em ação. Até movimentos de câmera foram economizados e a adaptação ficou essa coisa pobre. O texto original de August Wilson merecia um tratamento melhor pras telas. Honestamente, não entendi alguns críticos defendendo reconhecimento de Denzel Washington como diretor…

fences-2

Um Limite Para Nós (Fences)

Falando em coisas que não entendi foi o alto reconhecimento para Moonlight: Sob a Luz do Luar, começando pelo roteiro de Barry Jenkins. Ele reúne temas fortes e polêmicos como homossexualidade e drogas, mas os trata de forma superficial, quase estereotipada. Temos uma mãe viciada que maltrata seu filho, que passa a ser cuidado por um ex-traficante, e ao amadurecer, descobre-se homossexual e sofre bullying por sua opção sexual. Essa reunião de elementos me pareceu muito didática com soluções muito simples, algo comum para diretores em processo de formação. Obviamente, há méritos isolados como a atuação de Mahershala Ali, que merecia mais tempo de filme, e a trilha musical de Nicholas Britell, mas no geral considero uma produção superestimada, e muito provavelmente só está em alta por pegar carona com a polêmica do #OscarSoWhite. A Academia precisava eleger um filme que pudesse responder às críticas que sofreu ano passado e optou por este. Contudo, quero deixar bem claro que não estou criticando Moonlight por seus temas (antes que venham comentários politicamente corretos), mas a forma como os temas foram trabalhados. Já vi e gostei de inúmeros filmes que abordam o mesmo universo, porém de um jeito mais maduro e consistente como o Querelle, do Fassbinder, por exemplo, ou os mais recentes como Mistérios da Carne, Direito de AmarWeekend. Pode ser que lá pra frente Barry Jenkins se torne um bom diretor, pois tem potencial, mas por enquanto é cedo demais para tanto.

moonlight-mit-mahershala-ali-und-alex-r-hibbert

Moonlight: Sob a Luz do Luar (Moonlight)

E por último, apesar de ser mega convencional, Estrelas Além do Tempo funciona. De todos os filmes de temática negra é o que mais sabe valorizar a raça com personagens fortes e uma história sensacional e verídica de moças negras que ajudaram a NASA a levar John Glenn ao espaço com seus conhecimentos técnicos.É uma fórmula batida? Sim, mas está bem aplicada. Não sei se merecia o posto de indicado a Oscar de Melhor Filme, mas pelo menos é honesto. Não entendi bem a indicação isolada para Octavia Spencer, já que todas as atrizes estão bem, embora Taraji P. Henson tenha o papel mais tridimensional por ser a protagonista de fato. Enfim, é uma história edificante que a Academia adora reconhecer, mesmo sendo quadrado.

hidden-figures-unerkannte-heldinnen-mit-octavia-spencer-taraji-p-henson-und-janelle-monae-1

Estrelas Além do Tempo (Hidden Figures)

MELHOR FILME

  • A Chegada (Arrival)
  • Um Limite Entre Nós (Fences)
  • Até o Último Homem (Hacksaw Ridge)
  • A Qualquer Custo (Hell or High Water)
  • Estrelas Além do Tempo (Hidden Figures)
  • La La Land: Cantando Estações (La La Land)
  • Lion: Uma Jornada Para Casa (Lion)
  • Manchester à Beira-Mar (Manchester by the Sea)
  • Moonlight: Sob a Luz do Luar (Moonlight)
La La Land: A Última Estação (La La Land)

La La Land: Cantando Estações (La La Land), de Damien Chazelle

DEVE GANHAR: La La Land
DEVERIA GANHAR: La La Land
ZEBRA: A Qualquer Custo

ESNOBADO: Animais Noturnos

Este ano, a Academia decidiu praticamente reproduzir a lista de indicados do PGA (sindicato de produtores), com a única exceção de Deadpool, injustamente excluído. Embora o filme do personagem da Marvel tenha se saído bem na temporada, com participações no Critics’ Choice, Globo de Ouro e no próprio PGA, não conseguiu furar o bloqueio do conservadorismo dos votantes da Academia. Eles ainda têm aversão a adaptações de quadrinhos, mesmo depois de ser severamente criticada com a não-indicação de Batman: O Cavaleiro das Trevas em 2009.

Se Histórias em Quadrinhos ainda é um subgênero que não merece o respeito da Academia, por que não indicar Animais Noturnos? Apesar de se tratar apenas do segundo longa de Tom Ford (que merecia uma indicação de Roteiro Adaptado), o filme é marcante pela tensão das cenas. Teria sido tenso demais para os corações dos votantes mais idosos?

Quanto aos resultados, de acordo com o histórico da temporada, o musical La La Land deve ganhar sem maiores sustos, já que levou o Globo de Ouro, o PGA e o BAFTA. Como a Academia adora premiar filmes que tem como tema Hollywood (O Artista, por exemplo) e o universo dos atores (Birdman), o musical é nada mais, nada menos do que a junção das duas coisas. A única ameaça atende pelo nome de Moonlight, que pode surpreender no caso dos quase 7 mil membros decidirem responder às críticas racistas do ano passado.

MELHOR DIRETOR

  • Damien Chazelle (La La Land)
  • Mel Gibson (Até o Último Homem)
  • Barry Jenkins (Moonlight)
  • Kenneth Lonergan (Manchester à Beira-Mar)
  • Denis Villeneuve (A Chegada)

la-la-land-mit-emma-stone-und-damien-chazelle

DEVE GANHAR: Damien Chazelle (La La Land)
DEVERIA GANHAR: Denis Villeneuve (A Chegada)
ZEBRA: Mel Gibson (Até o Último Homem)

ESNOBADO: David Mackenzie (A Qualquer Custo)

Após as vitórias no Critics’ Choice, Globo de Ouro e no próprio sindicato de diretores (DGA), fica praticamente impossível Damien Chazelle não levar seu primeiro Oscar aos 32 anos, e se tornar o mais jovem profissional a ganhar nesta categoria. “Ah, mas ele não é muito jovem para ganhar?” – alguns podem se questionar. Sim, ele pode ter a idade de um artista em formação, mas para quem viu La La Land, sabe que estava diante de um trabalho altamente profissional e excepcional. Como um bom discípulo de Quentin Tarantino, ele se apoiou em inúmeras referências que vão desde Amor Sublime Amor até Os Guarda-Chuvas do Amor, já que apostar no gênero consagrado por ícones do cinema, tinha altas probabilidades de ser um projeto fracassado.

A zebra ficou com Mel Gibson, porque ele foi o elemento surpresa da categoria e também porque foi o único da lista que fora indicado previamente (e ganhou por Coração Valente em 1996). Sua indicação já foi vista por muitos como um perdão aceito pela Academia em relação às declarações anti-semitas dele. A respeito da direção dele, acho que ele pecou em dois aspectos: o excesso de Cristianismo (o filme parece patrocinado pela Igreja), e a questão da unidade, já que a primeira e a segunda metade são filmes bem diferentes.

hell-or-high-water-mit-david-mackenzie

David Mackenzie

Apesar dos diretores ausentes mais comentados serem Tom Ford (Animais Noturnos) e Garth Davis (Lion), meu voto de maior ausência aqui vai para a direção mais minimalista e eficiente de David Mackenzie. Bastante conciso, ele consegue contar uma boa história, dirigir muito bem todos os seus atores (desde os protagonistas até os quase-figurantes) e ainda construir um poderoso reflexo da crise econômica que desolou os EUA sem soar piegas. Responsável por bons dramas independentes desde os anos 90, uma indicação aqui não apenas reconheceria sua filmografia, mas poderia proporcionar projetos ainda mais ambiciosos e até lhe dar carta branca com o estúdio.

MELHOR ATOR

  • Casey Affleck (Manchester à Beira-Mar)
  • Andrew Garfield (Até o Último Homem)
  • Ryan Gosling (La La Land)
  • Viggo Mortensen (Capitão Fantástico)
  • Denzel Washington (Um Limite Entre Nós)
Segundo críticos, Casey Affleck entrega a performance de sua vida em Manchester à Beira-Mar (photo by moviepilot.de)

Segundo críticos, Casey Affleck entrega a performance de sua vida em Manchester à Beira-Mar (photo by moviepilot.de)

DEVE GANHAR: Denzel Washington (Um Limite Entre Nós)
DEVERIA GANHAR: Casey Affleck (Manchester à Beira-Mar)
ZEBRA: Viggo Mortensen (Capitão Fantástico)

ESNOBADO: Adam Driver (Paterson)

Quando a temporada começou, Casey Affleck ganhou importantes prêmios de Ator como o National Board of Review, o NYFCC e o Globo de Ouro, mas nas últimas semanas, teve seu reinado ameaçado com a vitória de Denzel Washington no SAG Awards. Como todos sabem, uma vitória no sindicato de atores é meio Oscar ganho, pois boa parte dos votantes do sindicato também votam na Academia. O único porém nessa história é que Denzel nunca havia vencido o SAG em 22 anos de existência, fato que teria colaborado com sua primeira vitória.

Já no Oscar, vale lembrar que o ator já conquistou duas estatuetas: Coadjuvante por Tempo de Glória em 1990 e Ator por Dia de Treinamento em 2002, e se ganhar a terceira, juntar-se-á um seleto grupo de atores que inclui Jack Nicholson e Meryl Streep. Particularmente, não acho que ele mereça tudo isso, pois vejo que ele tem algumas limitações como ator, começando com suas escolhas restritas de papéis, normalmente de personagens arrogantes e rebeldes. E para quem conferiu Manchester à Beira-Mar, sabe que estava diante de uma performance contida e repleta de nuances, que apenas o cinema poderia proporcionar. Infelizmente, levantaram um suposto incidente envolvendo atitudes machistas de Casey Affleck em set de filmagens, que podem prejudicar seu favoritismo. E, honestamente, ele poderia se ajudar nas premiações, sendo mais alegre e grato. Já que ele é ator, poderia pelo menos fingir que realmente gostou de ser reconhecido!

MELHOR ATRIZ

  • Isabelle Huppert (Elle)
  • Ruth Negga (Loving)
  • Natalie Portman (Jackie)
  • Emma Stone (La La Land)
  • Meryl Streep (Florence: Quem é Essa Mulher?)
Emma Stone em cena do musical La La Land: Cantando Estações (photo by tumblr.com)

Emma Stone em cena do musical La La Land: Cantando Estações (photo by tumblr.com)

DEVE GANHAR: Emma Stone (La La Land: Cantando Estações)
DEVERIA GANHAR: Isabelle Huppert (Elle)
ZEBRA: Meryl Streep (Florence: Quem é Essa Mulher?)

ESNOBADA: Amy Adams (A Chegada)

Após ganhar o Globo de Ouro, o SAG e o BAFTA, Emma Stone só perde seu primeiro Oscar em caso de tragédia surpreendente, que particularmente, gostaria que ocorresse. Obviamente, ela merece uma série de elogios em relação à sua performance, sua voz cantada e principalmente seu carisma, tanto que se tornou a nova America’s sweetheart. Definitivamente, sua melhor cena é aquela em que canta “Audition (The Fools Who Dream)”, pois ao mesmo tempo em que canta, ela expõe a última chama do sonho dela de atuar.

Além do carisma, Emma tem vantagem em dois campos: o papel e a nacionalidade. Sim, ela interpreta uma atriz que tenta alcançar seu objetivo, e sim, ela é americana. Com essas armas, ela deverá bater a melhor atriz em competição: Isabelle Huppert, que além de ser francesa, interpreta uma personagem bastante complexa que não espera a identificação do público em Elle. Embora seja a melhor atuação feminina, ganhando vários prêmios da crítica, inclusive americana, quando se trata de Oscar, parece que o patriotismo fala mais alto. Em 89 anos de história, a Academia premiou apenas três atores que atuaram em língua estrangeira: os italianos Sophia Loren e Roberto Benigni, e a francesa Marion Cotillard. Em caso de vitória de Huppert, o Oscar ganharia muito em credibilidade.

E a ausência mais comentada do Oscar 2017 foi a de Amy Adams. Esta seria sua sexta indicação ao Oscar, mas talvez por questão de timing, resolveram substitui-la com Meryl Streep após aquele grandioso discurso de agradecimento no Globo de Ouro contra Trump. Considero Adams uma boa atriz, mas torço para que ela busque se desafiar mais em papéis que nada se assemelham à figura dela, e ela possa mostrar ao público um tom de voz, um jeito de caminhar, uns trejeitos mais diferentes ou até apelar pra uma maquiagem mais forte para alguém dizer “aquela é a Amy Adams”? Pode soar como uma estratégia barata e superficial, mas funciona e esse pode ser o caminho para o primeiro Oscar dela.

MELHOR ATOR COADJUVANTE

  • Mahershala Ali (Moonlight)
  • Jeff Bridges (A Qualquer Custo)
  • Lucas Hedges (Manchester à Beira-Mar)
  • Dev Patel (Lion)
  • Michael Shannon (Animais Noturnos)
Mahershala Ali em cena de Moonlight (photo by moviepilot.de)

Mahershala Ali em cena de Moonlight (photo by moviepilot.de)

DEVE GANHAR: Mahershala Ali (Moonlight)
DEVERIA GANHAR: Jeff Bridges (A Qualquer Custo)
ZEBRA: Lucas Hedges (Manchester à Beira-Mar)

ESNOBADO: John Goodman (Rua Cloverfield, 10) e Ben Foster (A Qualquer Custo)

Nessa categoria, nunca houve um favorito de fato, tanto que o que mais teve relevância  na temporada, Aaron Taylor-Johnson, sequer foi indicado ao Oscar por Animais Noturnos. Na indecisão, Mahershala Ali se tornou um favorito depois que ganhou o SAG e fez um belo e propício discurso sobre ter origens muçulmanas perante a decisão xenófoba do presidente Donald Trump.

Embora muitos falem que Jeff Bridges foi Jeff Bridges em A Qualquer Custo, gosto da atuação dele. Claro que ele não se transforma, e seu tom de voz é aquele mesmo de Coração Louco, mas ele assume tão bem a personalidade politicamente incorreta do Texas Ranger Marcus que suas falas são memoráveis. E a atuação dele cresce com minúcias como a pausa silenciosa dele após ser atendido por uma garçonete arrogante, ou ele soltar uma comemoração tímida após acertar um tiro.

10-cloverfield-lane-mit-john-goodman

John Goodman

Além dos indicados, dois nomes não poderiam ter ficado de fora dessa lista: John Goodman e Ben Foster. O primeiro, mais conhecido por personagens bonzinhos como Fred Flinstone e até na dublagem de Sully na animação Monstros S.A., jogou tudo para o alto ao assumir o papel do sinistro Howard, que mantém a ordem em seu abrigo subterrâneo. E não se trata apenas de uma mudança radical de tipos de papéis, mas ele consegue segurar o filme todo nas costas mesmo sob a pele de um ser desprezível em Rua Cloverfield, 10. Acreditava que a Academia não perderia essa oportunidade de reconhecê-lo pela primeira vez, mas creio que seu papel bem pesado acabou o tirando da disputa. Uma pena.

E quanto a Ben Foster, alguns anos atrás, fiz uma matéria sobre atores promissores e o incluí nessa lista: https://cinemaoscareafins.wordpress.com/2012/07/19/nova-geracao-de-atores/. Apesar de pegar uns papéis de seres meio estranhos e

Ben Foster

Ben Foster

violentos, ele consegue se transformar sem deixar rastros como faz grandes atores como Daniel Day-Lewis. Aqui no western moderno de A Qualquer Custo, ele atua como o irmão que foi preso e largou a família na mão em tempos difíceis. Um personagem complexo e anti-herói, mas que Foster oferece uma empatia tão grande que fica difícil não torcer por ele até o final. Também seria sua primeira indicação, mas… é mera questão de tempo para Ben Foster pisar o tapete vermelho.

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

  • Viola Davis (Um Limite Entre Nós)
  • Naomie Harris (Moonlight)
  • Nicole Kidman (Lion)
  • Octavia Spencer (Estrelas Além do Tempo)
  • Michelle Williams (Manchester à Beira-Mar)
Viola Davis em cena de Um Limite Entre Nós (pic by moviepilot.de)

Viola Davis em cena de Um Limite Entre Nós (pic by moviepilot.de)

DEVE GANHAR: Viola Davis (Um Limite Entre Nós)
DEVERIA GANHAR: Viola Davis (Um Limite Entre Nós)
ZEBRA: Octavia Spencer (Estrelas Além do Tempo)

ESNOBADAS: Laura Linney (Animais Noturnos)

Viola Davis está simplesmente imbatível em Um Limite Entre Nós. Além de expôr suas entranhas em dois monólogos, ela consegue dobrar Denzel Washington no meio e a única que consegue fazer aquele personagem chato calar a boca. Na internet, muitos pediam a indicação de Viola como Melhor Atriz, mas infelizmente, como ela mesma defendeu, sua personagem é secundária no filme. Talvez na peça, pelo qual ela ganhou o Tony Award, tenha sido mais protagonista, mas no filme ela fica em segundo plano. Mas para quem conhece o talento da atriz sabe que um Oscar como Melhor Atriz não tardará em sua carreira. Ela sim, ao contrário de Denzel, merece estar no mesmo panteão de atores que ganharam 3 Oscars…

As demais concorrentes da categoria também têm pouco tempo de tela, principalmente Michelle Williams que está em três cenas curtas em Manchester à Beira-Mar. Claro que uma atuação boa pode durar dois minutos como aconteceu com Laura Linney em Animais Noturnos, mas para vencer esta estatueta, a personagem tem de apresentar uma profundidade e relevância um pouco maior, algo que faltou para Octavia Spencer em Estrelas Além do Tempo.

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL

  • Taylor Sheridan (A Qualquer Custo)
  • Damien Chazelle (La La Land)
  • Yorgos Lanthimos e Efthymis Filippou (O Lagosta)
  • Kenneth Lonergan (Manchester à Beira-Mar)
  • Mike Mills (Mulheres do Século 20)
manchester-by-the-sea-michelle-williams-casey-affleck

Michelle Williams discute com Casey Affleck em uma das cenas mais fortes do drama escrito por Kenneth Lonergan (pic by moviepilot.de)

DEVE GANHAR: Kenneth Lonergan (Manchester à Beira-Mar)
DEVERIA GANHAR: Taylor Sheridan (A Qualquer Custo)
ZEBRA: Mike Mills (Mulheres do Século 20)

ESNOBADO: Shane Black e Anthony Bagarozzi (Dois Caras Legais)

O dramaturgo Kenneth Lonergan criou um roteiro que poderia servir como base para uma ótima peça de teatro, com personagens tridimensionais e cenas poderosas. Soube adaptar para o cinema com atuações minuciosas e flashbacks que guardam o segredo da trama. Com isso, levou boa parte dos prêmios de roteiro e pode ser o único Oscar do filme Manchester à Beira-Mar.

Contudo, a categoria de Roteiro Original é uma das mais fortes do ano e temos competidores de respeito que poderiam facilmente sair vitoriosos. Se formos levar em conta a originalidade, O Lagosta seria o melhor sem sombra de dúvidas. Tendo como cenário um clima futurista, a dupla Yorgos Lanthimos e Efthymis Filippou cria todo um sistema que pune o ser humano solteiro transformando-no em um animal de sua escolha. Além da criatividade, o roteiro permite um questionamento mais profundo do amor como sentimento mais humano ou se seria apenas uma convenção da sociedade.

Embora a seleção esteja em alto nível aqui, ainda defendo o roteiro de Taylor Sheridan de A Qualquer Custo, no qual temos uma trama simples, com personagens ricos, diálogos memoráveis e algo que aprecio bastante: a crítica social e econômica. Os personagens centrais são irmãos que assaltam o mesmo banco que lhes rouba dinheiro em hipotecas. Vemos uma Texas devastada pela crise econômica preenchida por casas à venda e outdoors anunciando empréstimos. E é o único dos concorrentes que eu assistiria várias vezes.

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO

  • Eric Heisserer (A Chegada)
  • August Wilson (Um Limite Entre Nós)
  • Allison Schroeder e Theodore Melfi (Estrelas Além do Tempo)
  • Luke Davis (Lion)
  • Barry Jenkins (Moonlight)

arrival-mit-amy-adams-1

DEVE GANHAR: Barry Jenkins (Moonlight)
DEVERIA GANHAR: Eric Heisserer (A Chegada)
ZEBRA: August Wilson (Um Limite Entre Nós)

ESNOBADO: Tom Ford (Animais Noturnos)

Ao contrário da categoria vizinha Original, aqui os concorrentes deixam a desejar e assim, abre caminho para Barry Jenkins provavelmente levar seu Oscar de consolação por não conseguir levar Melhor Filme e Diretor por Moonlight. Ok, acho bacana o Jenkins ser reconhecido pela dupla função roteirista/diretor, provando que Hollywood tem lugar para todas as raças, religiões e nacionalidades, MAS se for pra premiar o melhor mesmo aqui, o ideal seria entregar o Oscar para Eric Heisserer por A Chegada.

Por seu vasto e extenso histórico, o gênero da ficção científica sempre buscou fazer críticas sociais num cenário de invasão alienígena, desde os filmes de Roger Corman, portanto, o roteiro de A Chegada mantém essa tradição ao apontar a falha de comunicação entre os povos que gera conflitos intermináveis. Como ressalta a personagem central de Amy Adams, “a linguagem é a fundação da civilização”. Eric Heisserer nos introduz a esse cenário de interação com seres de outro espaço para nos contar um pouco mais sobre nós mesmos.

Só lembrando que caso August Wilson vença por seu roteiro de Um Limite Sobre Nós, será um Oscar póstumo, já que ele faleceu em 2005. E mais um adendo: Cadê Tom Ford nessa categoria?? O homem sabe escrever roteiro e costurar um terno impecável. Quer mais o quê, Academia?

MELHOR FOTOGRAFIA

  • Bradford Young (A Chegada)
  • Linus Sandgren (La La Land)
  • Greig Fraser (Lion)
  • James Laxton (Moonlight)
  • Rodrigo Prieto (Silêncio)
lion-mit-sunny-pawar

A fotografia de Greig Fraser em Lion (pic by moviepilot.de)

DEVE GANHAR: Linus Sandgren (La La Land)
DEVERIA GANHAR: Greig Fraser (Lion: Uma Jornada Para Casa)
ZEBRA: Rodrigo Prieto (Silêncio)

ESNOBADO: Seamus McGarvey (Animais Noturnos)

Embora a fotografia de Linus Sandgren seja a mais chamativa pela sua paleta de cores, acredito que a composição de luzes foi melhor trabalhada por Greig Fraser no drama Lion. Na verdade, tudo é tão belamente fotografado que até nos esquecemos que se trata de um filme triste de perdas. Existem cenas naturais como as montanhas com borboletas e cenas com luz artificial como as das estações de trem, que torna a fotografia de Fraser mais eclética.

Não ficaria nem um pouco chateado se Rodrigo Prieto levasse o Oscar, porque vale já pelos enquadramentos. E também porque seria um ótimo consolo para o filme de Martin Scorsese, Silêncio, que recebeu apenas essa indicação.

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

  • Patrice Vermette, Paul Hotte (A Chegada)
  • Stuart Craig, Anna Pinnock (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
  • Jess Gonchor, Nancy Haigh (Ave, César!)
  • David Wasco, Sandy Reynolds-Wasco (La La Land)
  • Guy Hendrix Dyaz, Gene Sardena (Passageiros)
passengers.jpg

Direção de Arte de Passageiros (pic by cine.gr)

DEVE GANHAR: La La Land
DEVERIA GANHAR: Passageiros
ZEBRA: Ave, César!

ESNOBADO: Seong-hie Ryu (A Criada)

Em se tratando de design de criação, as duas ficções científicas, Passageiros e A Chegada, estão à frente das demais. Particularmente, a direção de arte de Passageiros se mostra mais relevante pelo fato do filme todo se passar dentro de uma espaçonave. Embora seja composta por referências espaciais de outros filmes, como as câmaras criogênicas da franquia Alien, a arte conceitual futurista da nave merece elogios.

Agora, em termos de reprodução, a arte de La La Land nos remete aos anos dourados de Hollywood ao exibir os ambientes de sets de filmagem, e cria cenários bem feitos como o jazz club.

Contudo, nenhum trabalho foi mais majestoso do que o filme sul-coreano A Criada, que reproduz as várias construções da Coréia dos anos 30. Por apresentar uma trama repleta de sexo e violência, não imaginava que passaria pelo crivo conservador da Academia, mas acreditava que poderia ser indicado nas categorias técnicas como Arte e Figurino. Ponto negativo para a Academia, já que preferiu reconhecer trabalhos menos competentes por serem americanos e britânicos.

MELHOR MONTAGEM

  • Joe Walker (A Chegada)
  • John Gilbert (Até o Último Homem)
  • Jake Roberts (A Qualquer Custo)
  • Tom Cross (La La Land)
  • Joi McMillon, Nat Sanders (Moonlight)
arrival-mit-jeremy-renner-und-amy-adams

Amy Adams e Jeremy Renner em cena de A Chegada (pic by moviepilot.de)

DEVE GANHAR: Tom Cross (La La Land)
DEVERIA GANHAR: Joe Walker (A Chegada)
ZEBRA: Jake Roberts (A Qualquer Custo)

ESNOBADO: Jae-Bum Kim e Sang-Beong Kim (A Criada)

Qual foi a montagem mais trabalhosa de todos os indicados? Respondo na lata: La La Land. Os cortes tinham que ser precisos para que a música não parasse, e ditasse o ritmo do filme. Embora haja ótimos planos-sequência (quando não há cortes), o trabalho de Tom Cross merece respeito pela complexidade de sua edição. Talvez por ter vencido um Oscar há dois anos por Whiplash: Em Busca da Perfeição, ele pode ser preterido, e aí poderia entrar Joe Walker em cena por A Chegada.

Por utilizar flash-forwards (adiantamento de trechos que se passam depois na linha do tempo), a montagem de Joe Walker se mostra mais fresca que as demais. Ele soube casar muito bem os trechos que precisava adiantar no momento certo da trama para que o público pudesse entender o que estava havendo sem subestimá-lo. De uma forma geral também, a edição acompanha a tensão na sequência final, em que uma guerra está iminente. Walker foi indicado por 12 Anos de Escravidão, mas não levou o Oscar, e deveria ter sido indicado por Sicario no ano passado.

Lembrei também da montagem de A Criada, pois cria três linhas narrativas (devido aos três personagens) que fazem a trama avançar com surpreendentes revelações. A edição me fez lembrar de Rashomon, de Akira Kurosawa, que cria três sequências diferentes para um mesmo ato.

MELHOR FIGURINO

  • Joanna Johnston (Aliados)
  • Colleen Atwood (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
  • Consolata Boyle (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Madeline Fontaine (Jackie)
  • Mary Zophres (La La Land)
jackie-mit-natalie-portman-1

Figurino ensanguentado de Jackie (pic by moviepilot.de)

DEVE GANHAR: Mary Zophres (La La Land)
DEVERIA GANHAR: Madeline Fontaine (Jackie)
ZEBRA: Joanna Johnston (Aliados)

ESNOBADO: Sang-gyeong Jo (A Criada)

Toda vez que eu via o trailer de Jackie, eu já imaginava: “Esse filme vai ganhar o Oscar de Figurino!”, porque aquelas roupas da ex-primeira dama Jacqueline Kennedy eram muito chamativas. Normalmente, prefiro mais criações do que recriações, mas aqui houve uma pesquisa tão ampla que os figurinos passaram a ser parte fundamental da trama. Quando as roupas apresentam uma importância na história e não apenas algo ilustrativo, elas costumam render um Oscar como Memórias de uma Gueixa ou Maria Antonieta.

Mas acredito que este ano, a quantidade de figurinos pode ser mais crucial para a vitória de Mary Zophres. Ela foi responsável pelas roupas coloridas de La La Land. Embora o foco sejam os vestidos da personagem de Emma Stone, é evidente o trabalho de cores nos figurinos de personagens secundários e figurantes. Aliado à direção de arte e fotografia, o figurino ajuda Damien Chazelle a contar sua história de sonhos Hollywoodianos.

MELHOR MAQUIAGEM E CABELO

  • Um Homem Chamado Ove
  • Star Trek: Sem Fronteiras
  • Esquadrão Suicida
star-trek-beyond-mit-sofia-boutella.jpg

Sofia Boutella sob forte maquiagem em Star Trek: Sem Fronteiras (pic by moviepilot.de)

DEVE GANHAR: Star Trek: Sem Fronteiras
DEVERIA GANHAR: Star Trek: Sem Fronteiras
ZEBRA: Um Homem Chamado Ove

ESNOBADO: Invocação do Mal 2, A Bruxa e qualquer filme de gênero com maquiagem

Honestamente? Depois que o mestre Rick Baker se aposentou, a categoria de Maquiagem ficou meio chocha. É como assistir à Fórmula 1 depois de perder Ayrton Senna. Pra mim, maquiagem de cinema não é um pózinho na cara, um bigode mal colado ou uma peruca. Maquiagem é prótese e transformação criativa! É atores dormindo na cadeira depois de oito horas de maquiagem! E nesse quesito, o único que se encaixa é a maquiagem de Star Trek: Sem Fronteiras. Temos personagens com cara de gremlins for christ sake!

E mais uma coisa: a categoria de Maquiagem tem um papel fundamental no Oscar, porque se tornou o único refúgio dos filmes de terror e ficção científica, que nunca encontram lugar nas categorias principais. Se for pra premiar uma monocelha da Frida Kahlo ou uns bigodes de Os Miseráveis, melhor extinguir a categoria…

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL

  • Mica Levi (Jackie)
  • Justin Hurwitz (La La Land)
  • Dustin O’Halloran, Hauschka (Lion)
  • Nicholas Britell (Moonlight)
  • Thomas Newman (Passageiros)
LLL d 04 _0756.NEF

O compositor Justin Hurwitz dá uns toques para Ryan Gosling no piano em La La Land

DEVE GANHAR: Justin Hurwitz (La La Land)
DEVERIA GANHAR: Justin Hurwitz (La La Land)
ZEBRA: Thomas Newman (Passageiros)

ESNOBADO: Abel Korzeniowski (Animais Noturnos)

Primeiramente, fiquei feliz com a indicação de Mica Levi. Embora esteja em início de carreira no cinema (esta é sua segunda trilha), ela já demonstra bastante personalidade em suas composições. Como vivemos há décadas com trilhas que buscam apenas evocar emoção no espectador, Mica traz novos ares ao trazer experimentalismo nas notas musicais. Não deve levar o prêmio por causa da excelência de Justin Hurwitz que traz a alma de La La Land, mas sua indicação certamente representa uma porta aberta para seu trabalho.

Gente, estou com pena do Thomas Newman. Esta é a sua 14ª indicação ao Oscar sem nenhuma vitória! Claro que a indicação já é uma honra e tal, mas daqui a pouco o homem nem vai mais pra cerimônia! Olha, Thomas, vai na fé que logo seu dia chega! Assim como chegou para Randy Newman, que levou 16 indicações pra ganhar a primeira.

E sinceramente, não entendi por que preteriram a rica trilha de Abel Korzeniowski em Animais Noturnos. As composições conseguem acentuar a estranheza do filme de Tom Ford do início ao fim. Algumas faixas como a “Wayward Sisters” me lembraram o glamour aliado à tensão das trilhas de Pino Donaggio, costumeiro colaborador dos filmes do Brian De Palma. Uma lástima sequer concorrer ao Oscar…

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

  • “Audition (The Fools Who Dream)”, de Justin Hurwitz, Benj Pasek, Justin Paul (La La Land)
  • “Can’t Stop the Feeling”, de Justin Timberlake, Max Martin, Shellback (Trolls)
  • “City of Stars”, de Justin Hurwitz, Benj Pasek, Justin Paul (La La Land)
  • “The Empty Chair”, de J. Ralph, Sting (Jim: The James Foley Story)
  • “How Far I’ll Go”, de Lin-Manuel Miranda (Moana: Um Mar de Aventuras)
lalalandaudition

Emma Stone em cena de Audition (The Fools Who Dream)

DEVE GANHAR: “City of Stars”
DEVERIA GANHAR: “Audition (The Fools Who Dream)”
ZEBRA: “The Empty Chair”

ESNOBADO: “Drive it Like You Stole it” (Sing Street)

Como se avalia se uma canção merece um Oscar? Muita gente apenas avalia a canção em si, e muitas vezes votam apenas pelo artista/intérprete, mas o que faz uma canção vencedora é capturar a alma do filme, ajustar o tom certo. Servem como uma extensão do filme que perdura mesmo dias depois que você assistiu ao filme. Foi assim como “Glory” de Selma: Uma Luta Pela Igualdade, por exemplo, ou “Falling Slowly” de Apenas Uma Vez.

As canções de La La Land preenchem esses requisitos. Embora “City of Stars” tenha sido eleita a mais queridinha, fico com a “Audition (The Fools Who Dream)” porque só toca uma vez no filme e ela, aliada à interpretação de Emma Stone, permanece na sua cabeça, martelando a alma do musical que homenageia todos os sonhadores.

Não entendi o porquê da canção pop de Sing Street ter ficado de fora. É uma espécie de “That Thing You Do” de adolescentes. Teria Justin Timberlake preenchido a cota de canções pop do ano?

MELHOR SOM

  • A Chegada
  • Até o Último Homem
  • La La Land
  • Rogue One: Uma História Star Wars
  • 13 Horas: Os Soldados Secretos de Benghazi
la-la-land-mit-ryan-gosling

Ryan Gosling ao piano em La La Land (pic by moviepilot.de)

DEVE GANHAR: La La Land
DEVERIA GANHAR: La La Land
ZEBRA: 13 Horas: Os Soldados Secretos de Benghazi

Musicais sempre levam vantagem nessa categoria. Basta olhar as premiações de Chicago, DreamGirls e até Whiplash, que envolve música. Os demais parecem estar fazendo mais figuração.

Uma notícia de última hora: a indicação para Greg P. Russell por 13 Horas: Os Soldados Secretos de Benghazi foi revogada. A Academia identificou que ele fazia lobby entre companheiros e colegas no departamento de Som. O filme em si continua concorrendo, mas o profissional não.

MELHORES EFEITOS SONOROS

  • A Chegada
  • Horizonte Profundo: Desastre no Golfo
  • Até o Último Homem
  • La La Land
  • Sully: O Herói do Rio Hudson
arrival-mit-amy-adams-1

Comunicação visual e sonora em A Chegada (pic by moviepilot.de)

DEVE GANHAR: A Chegada
DEVERIA GANHAR: A Chegada 
ZEBRA: Sully: O Herói do Rio Hudson

Para quem não conhece essa categoria, os efeitos sonoros são aqueles criados em estúdio, e que não foram captados nas filmagens. Então filmes que tenham elementos de explosão e tiros costumam levar esse prêmio. Casos clássicos são de Pearl Harbor, Os Incríveis, King Kong e Cartas de Iwo Jima. Contudo, A Chegada pode ser um diferencial devido aos sons alienígenas, que são essenciais no filme.

MELHORES EFEITOS VISUAIS

  • Horizonte Profundo: Desastre no Golfo
  • Doutor Estranho
  • Mogli: O Menino Lobo
  • Kubo e as Cordas Mágicas
  • Rogue One: Uma História Star Wars
the-jungle-book-mit-neel-sethi.jpg

O menino Neel Sethi em cena de Mogli: O Menino Lobo (pic by moviepilot.de)

DEVE GANHAR: Mogli: O Menino Lobo
DEVERIA GANHAR: Mogli: O Menino Lobo
ZEBRA: Horizonte Profundo: Desastre no Golfo

Os efeitos de Doutor Estranho e Kubo e as Cordas Mágicas são merecedores desse prêmio, mas os efeitos de Mogli: O Menino Lobo são mais vistosos e cruciais para o bom funcionamento do filme de Jon Favreau. Sem eles, o filme realmente não existiria e eles revolucionam a técnica de animais falantes que vão desde Dr. Dolittle (1967) até Babe – O Porquinho Atrapalhado (1995).

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

  • Terra de Minas, de Martin Zandvliet (DINAMARCA)
  • Um Homem Chamado Ove, de Hannes Holm (SUÉCIA)
  • O Apartamento, de Asghar Farhadi (IRÃ)
  • Tanna, de Martin Butler, Bentley Dean (AUSTRÁLIA)
  • Toni Erdmann, de Mare Ade (ALEMANHA)
toni-erdmann_-4

Cena estranha de Toni Erdmann, representante alemão no Oscar. (photo by critic.de)

DEVE GANHAR: Toni Erdmann
ZEBRA: Tanna

ESNOBADO: Elle, de Paul Verhoeven (FRANÇA)

Depois que o favorito Elle foi desqualificado ainda em dezembro, o caminho para o Oscar ficou bem mais fácil para o alemão Toni Erdmann. Sua história de relacionamento complicado entre pai e filha certamente tocou o coração dos votantes e tem tudo para levar a estatueta. O sucesso do filme de Maren Ade vai se expandir com o recente anúncio de que Toni Erdmann será refilmado e estrelado por Jack Nicholson, que não faz um filme desde Os Infiltrados (2006).

O único concorrente que poderia dar trabalho a Toni Erdmann seria o filme iraniano O Apartamento. Embora tenha participado ativamente da temporada de premiações, o filme não ganhou nenhum prêmio de destaque e, além disso seu diretor levou o Oscar há cinco anos com o ótimo A Separação, porém, com a recente nota de que o diretor Asghar Farhadi não comparecerá ao evento por causa do bloqueio do presidente americano Donald Trump aos países do Oriente Médio, alguns especialistas passaram a defender uma possível segunda vitória para o Irã na categoria.

Sei lá, acho que cansei de falar sobre essa categoria que parece congelada num conservadorismo eterno. Quando Elle foi desqualificado, não tive ânimo para ver os indicados. Americanos têm aversão a ver filmes legendados em pleno século XXI, então fica difícil a maioria provar que viu os cinco filmes indicados, aí acaba prevalecendo o gosto dos idosos pra filmes de Segunda Guerra Mundial e água com açúcar.

MELHOR ANIMAÇÃO

  • Kubo e as Cordas Mágicas (Kubo and the Two Strings)
  • Moana: Um Mar de Aventuras (Moana)
  • Minha Vida de Abobrinha (Ma vie de Courgette)
  • A Tartaruga Vermelha (Le Tortue Rouge)
  • Zootopia (Zootopia)
kubo-06

Cena da animação Kubo e as Cordas Mágicas, de Travis Knight (photo by moviepilot.de)

DEVE GANHAR: Zootopia
DEVERIA GANHAR: Kubo e as Cordas Mágicas
ZEBRA: A Tartaruga Vermelha

ESNOBADO: Your Name (Kimi no na wa.)

Desde que foi criada em 2002, a categoria de Animação é a mais internacional e globalizada de todas, pois não fica limitada às produções americanas. Como o gênero é trabalhoso demais (algumas levam mais de cinco anos para ficar prontas), não há inúmeros lançamentos por ano, e por isso, a Academia recorre às animações estrangeiras para preencher as vagas. Embora essa estratégia soe muito cômoda, é graças a ela que os trabalhos dos animadores mundo afora pode ganhar muito mais atenção e ter seus devidos reconhecimentos.

Apesar da democracia globalizada nas indicações, em termos de vitórias, a coisa muda de figura. Nesses 14 anos de existência, a Academia premiou apenas UMA animação estrangeira: a japonesa A Viagem de Chihiro (2001), de Hayao Miyazaki.

Da competição, torço para os dois estrangeiros Minha Vida de Abobrinha que tem ótima técnica de stop motion, e A Tartaruga Vermelha, que dispensa diálogos para contar uma bela história de sobrevivência. Acho bacana a trama de conspirações de Zootopia, mas prefiro o visual de Kubo, cujo estúdio, Laika Entertainment, vem merecendo o primeiro Oscar há tempos, vide: Coraline e o Mundo Secreto, ParaNorman e Os Boxtrolls.

MELHOR DOCUMENTÁRIO

  • Fogo no Mar (Fire at Sea)
  • Eu Não Sou seu Negro (I Am Not Your Negro)
  • Life, Animated
  • O.J.: Made in America
  • A 13ª Emenda (The 13th)

DEVE GANHAR: O.J.: Made in America
ZEBRA: Life, Animated

ESNOBADOS: The Eagle Huntress, Weiner

Eu juro que queria ver O.J.: Made in America, mas depois que vi a duração de mais de sete horas, deixei pra depois. Bom, a Academia tem três ótimos indicados sobre a temática negra: O.J.: Made in America, Eu Não Sou Seu Negro e A 13ª Emenda. Acredito que em caso de vitória de qualquer um desses, promete ser um dos melhores discursos da noite.

O documentário A 13ª Emenda, dirigido por Ava DuVernay de Selma, busca as respostas de hoje em séculos atrás no escravismo. Por que os negros formam a maior parte da população carcerária? E por que o sistema carcerário não funciona? Assim como fez Michael Moore no vencedor do Oscar Tiros em Columbine, ela destrincha o passado para explicar o presente. Seria um belo prêmio para compensá-la da ausência por Selma em 2015.

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA

  • Extremis
  • 4.1 Miles
  • Joe’s Violin
  • Watani: My Homeland
  • The White Helmets

MELHOR CURTA-METRAGEM

  • Ennemis Intérieurs
  • La Femme et le TGV
  • Mindenki
  • Timecode
  • Silent Nights

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO

  • Blind Vaysha
  • Borrowed Time
  • Pear Cider and Cigarettes
  • Pearl
  • Piper

***

COMEMORAÇÃO

Pra mim, se Isabelle Huppert ganhar como Melhor Atriz, esse Oscar já valeu. Até esqueço das injustiças! E em segundo lugar, se A Qualquer Custo ou O Lagosta vencerem como Roteiro Original, já posso entrar em feliz hibernação até o Oscar 2018.

Bom, independente dos resultados, que todos tenham uma ótima noite de Oscar!

***

A 89ª cerimônia do Oscar terá transmissão ao vivo pela TNT a partir das 21h, horário de Brasília.