PODCAST CINEMA OSCAR e AFINS – EPISÓDIO 4: INDICADOS ao OSCAR 2021

Neste dia 20/03, lançamos mais um episódio do nosso podcast, agora em nova hospedagem da Anchor, e disponível no Spotify. Na companhia de Hugo Cancela, discutimos sobre as indicações da Academia, dando destaque para algumas surpresas como LaKeith Stanfield, Thomas Vinterberg e Steven Yeun.

Confira o episódio 4 pelos links abaixo.

Pelo SPOTIFY:

E pelo nosso novo serviço de hospedagem ANCHOR:

A 93ª cerimônia do Oscar está agendada para o dia 25 de Abril, e será transmitida pelo canal pago TNT.

ONDE e QUANDO ACOMPANHAR os INDICADOS ao OSCAR 2021

EM ASCENSÃO DURANTE PANDEMIA, SERVIÇOS DE STREAMING CONCENTRAM BOA PARTE DOS INDICADOS AO OSCAR 2021

Ao contrários dos anos anteriores e por causa da pandemia, a maioria dos títulos indicados ao Oscar já está disponível em plataformas de streaming há algumas semanas e até meses. Sabe o que isso significa? Que você não tem desculpas para não acompanhar os filmes desta temporada.

Outra coisa bacana desta edição é que não houve uma concentração de indicações em poucos filmes. Com exceção às 10 indicações de MANK, todos os demais acumularam no máximo 6 indicações cada. Isso representa um aumento no número de produções reconhecidas pela Academia e que podem ter maior visibilidade por causa da indicação. Só pra ilustrar e comparar, na edição de 2019 tivemos 52 filmes (incluindo curtas), em 2020 tivemos 53 filmes, e este ano tivemos 56 filmes.

Alguns filmes têm data de lançamento nos cinemas como MEU PAI, BELA VINGANÇA e NOMADLAND em Abril, mas tudo pode mudar por causa das fases vermelhas e roxas da pandemia que acometem quase todos os estados brasileiros. As datas descritas abaixo são uma previsão das distribuidoras, mas não deixe de acompanhar a programação por jornais ou aplicativos de ingressos. E, claro, se puder ficar em casa, aguente mais um pouco antes da vacinação. Recomendamos que vá assistindo aos filmes disponíveis em streaming até ser mais seguro sair, e sempre de máscara. Cuidem-se!

Com o crescimento e popularização das plataformas de streaming, retiramos a seção de DVDs e Blu-Rays. Infelizmente, a mídia física tem a tendência de reduzir drasticamente a produção até se tornar um objeto de luxo e para colecionadores. Particularmente, sempre gostamos muito dos discos (especialmente da Criterion Collection) porque podemos assistir aos filmes a hora que queremos sem depender de direitos de exibição das plataformas, mas pensando pelo lado ecológico, ficamos aliviados que essa produção vai cair.

Confira a situação atual de todos os filmes indicados ao Oscar 2021. Faremos uma busca pelos curtas-metragens disponíveis de graça online ao longo dos próximos dias.

DISPONÍVEIS na NETFLIX

A CAMINHO DA LUA (Over the Moon)
1 indicação: Longa de Animação.

O CÉU DA MEIA-NOITE (The Midnight Sky)
1 indicação: Efeitos Visuais.

CRIP CAMP: REVOLUÇÃO PELA INCLUSÃO (Crip Camp)
1 indicação: Documentário.

DESTACAMENTO BLOOD (Da 5 Bloods)
1 indicação: Trilha Original.

ERA UMA VEZ UM SONHO (Hillbilly Elegy)
2 indicações: Atriz Coadjuvante (Glenn Close) e Maquiagem e Penteado.

FESTIVAL EUROVISION DE CANÇÃO: A SAGA DE SIGRIT E LARS (Eurovision Song Contest: The Story of Fire Saga)
1 indicação: Canção Original (“Husavik”)

MANK (Mank)
10 indicações: Filme, Direção, Ator (Gary Oldman), Atriz Coadjuvante (Amanda Seyfried), Fotografia, Design de Produção, Figurino, Maquiagem e Penteado, Trilha Original e Som.

PIECES OF A WOMAN
1 indicação: Atriz (Vanessa Kirby)

PROFESSOR POLVO (My Octopus Teacher)
1 indicação: Documentário.

RELATOS DO MUNDO (News of the World)
4 indicações: Fotografia, Design de Produção, Trilha Original e Som.

ROSA E MOMO (The Life Ahead)
1 indicação: Canção Original (“Io Sì (Seen)”)

OS 7 DE CHICAGO (The Trial of the Chicago 7)
6 indicações: Filme, Ator Coadjuvante (Sacha Baron Cohen), Roteiro Original, Fotografia, Montagem e Canção Original (“Hear My Voice).

SHAUN, O CARNEIRO: O FILME – A FAZENDA CONTRA-ATACA (A Shaun the Sheep Movie: Farmageddon)
1 indicação: Longa de Animação.

O TIGRE BRANCO (The White Tiger)
1 indicação: Roteiro Adaptado

A VOZ SUPREMA DO BLUES (Ma Rainey’s Black Bottom)
5 indicações: Ator (Chadwick Boseman), Atriz (Viola Davis), Design de Produção, Figurino e Maquiagem e Penteado.

14/04: AMOR E MONSTROS (Love and Monsters)
1 indicação: Efeitos Visuais.

MANK (2020) Lily Collins as Rita Alexander and Gary Oldman as Herman Mankiewicz. NETFLIX

DISPONÍVEIS na AMAZON PRIME VIDEO

BORAT: FITA DE CINEMA SEGUINTE (Borat: Subsequent Moviefilm)
2 indicações: Atriz Coadjuvante (Maria Bakalova) e Roteiro Adaptado.

UMA NOITE EM MIAMI… (One Night in Miami)
3 indicações: Ator Coadjuvante (Leslie Odom Jr.), Roteiro Adaptado e Canção Original (“Speak Now”).

O SOM DO SILÊNCIO (Sound of Metal)
6 indicações: Filme, Ator (Riz Ahmed), Ator Coadjuvante (Paul Raci), Roteiro Original, Montagem e Som.

TIME (Time)
1 indicação: Documentário.

Eli Goree stars in ONE NIGHT IN MIAMI Photo: Patti Perret/Amazon Studios

DISPONÍVEIS no DISNEY PLUS

DOIS IRMÃOS: UMA JORNADA FANTÁSTICA (Onward)
1 indicação: Longa de Animação.

O GRANDE IVAN (The One and Only Ivan)
1 indicação: Efeitos Visuais.

MULAN (Mulan)
2 indicações: Figurino e Efeitos Visuais.

SOUL (Soul)
2 indicações: Trilha Original e Longa de Animação.

Soul

DISPONÍVEIS no APPLE TV +

GREYHOUND: NA MIRA DO INIMIGO (Greyhound)
1 indicação: Som.

WOLFWALKERS
1 indicação: Longa de Animação.

DISPONÍVEIS no NOW (NET)

EMMA. (Emma.)
2 indicações: Figurino e Maquiagem e Penteado.

TENET (Tenet)
2 indicações: Design de Produção e Efeitos Visuais.

DISPONÍVEIS na GLOBOPLAY

AGENTE DUPLO (The Mole Agent)
1 indicação: Documentário.

DISPONÍVEIS no TELECINE

EMMA. (Emma.)
2 indicações: Figurino e Maquiagem e Penteado.

FILMES EM CARTAZ nos CINEMAS de SÃO PAULO

JUDAS E O MESSIAS NEGRO (Judas and the Black Messiah)
6 indicações: Filme, Ator Coadjuvante (Daniel Kaluuya), Ator Coadjuvante (LaKeith Stanfield), Roteiro Original, Fotografia e Canção Original (“Fight for You”).

PINÓQUIO (Pinocchio)
2 indicações: Figurino e Maquiagem e Penteado.

PREVISÃO de ESTREIA nos CINEMAS

25/03: DRUK – MAIS UMA RODADA (Another Round)
2 indicações: Direção e Filme Internacional (Dinamarca)

08/04: BELA VINGANÇA (Promising Young Woman)
5 indicações: Filme, Direção, Atriz (Carey Mulligan), Roteiro Original e Montagem.

08/04: MEU PAI (The Father)
6 indicações: Filme, Ator (Anthony Hopkins), Atriz Coadjuvante (Olivia Colman), Roteiro Adaptado, Montagem e Design de Produção.

15/04: NOMADLAND (Nomadland)
6 indicações: Filme, Direção, Atriz (Frances McDormand), Roteiro Adaptado, Fotografia e Montagem.

20/04: QUO VADIS, AIDA? (plataformas digitais)
1 indicação: Filme Internacional (Bósnia e Herzegovina).

Agosto: O HOMEM QUE VENDEU SUA PELE (The Man Who Sold His Skin)
1 indicação: Filme Internacional (Tunísia)

SEM PREVISÃO (apelo aos torrents)

BETTER DAYS
1 indicação: Filme Internacional (Hong Kong).

COLLECTIVE
2 indicações: Documentário e Filme Internacional (Romênia).

OS ESTADOS UNIDOS VS. BILLIE HOLIDAY (The United States vs. Billie Holiday)
1 indicação: Atriz (Andra Day)

MINARI (Minari)
6 indicações: Filme, Direção, Ator (Steven Yeun), Atriz Coadjuvante (Yuh-Jung Youn), Roteiro Original e Trilha Original.

CURTAS PELA INTERNET

A Concerto is a Conversation
Documentário -Curta

COLETTE
Documentário-Curta

FEELING THROUGH
Curta-Metragem

DO NOT SPLIT (YouTube)
Documentário-Curta

UMA CANÇÃO PARA LATASHA (Netflix)
Documentário-Curta

SE ALGO ACONTECER… TE AMO (Netflix)
Curta de Animação

TOCA (Burrow) (Disney Plus)
Curta de Animação

THE LETTER ROOM (Vimeo – PAGO)
Curta-Metragem

INDISPONÍVEIS (Apenas teasers ou trailers online)

HUNGER WARD
Documentário-Curta

Genius Loci
Curta de Animação

YES-PEOPLE
Curta de Animação

OPERA
Curta de Animação

THE PRESENT
Curta-Metragem

TWO DISTANT STRANGERS
Curta-Metragem

WHITE EYE
Curta-Metragem

ACADEMIA DIVULGA SHORTLISTS de NOVE CATEGORIAS. BRASIL FICA DE FORA em FILME INTERNACIONAL

‘BABENCO: ALGUÉM TEM QUE OUVIR O CORAÇÃO E DIZER PAROU’ NÃO CONSEGUE SE QUALIFICAR NEM COMO FILME INTERNACIONAL, NEM COMO DOCUMENTÁRIO

A Academia anunciou as nove pré-listas da próxima edição do Oscar. Foram 15 pré-selecionados nas categorias de Documentário, Filme Internacional, Trilha Musical Original e Canção Original, enquanto foram 10 pré-selecionados nas categorias de Maquiagem e Penteado, Efeitos Visuais, Documentário-Curta, Curta-Metragem e Curta de Animação. Apenas os filmes dessas listas poderão seguir adiante na disputa para conquistar indicações nessas categorias, que serão divulgadas no próximo dia 15 de Março.

Mais uma vez, o Cinema Brasileiro não participa da categoria de Filme Internacional do Oscar desde 1999 com Central do Brasil. A estratégia do Comitê que selecionou o filme representante do Brasil até tinha uma coerência: eleger o documentário sobre o cineasta argentino naturalizado brasileiro Hector Babenco, que ganhou um prêmio especial na penúltima edição do Festival de Veneza, para ter chances em duas frentes: Melhor Filme Internacional e Melhor Documentário. O objetivo ideal seria repetir o feito do filme da Macedônia do Norte, Honeyland, em 2020 mas no final, o filme de Bárbara Paz não conseguiu nem uma, nem outra indicação. Curiosamente, os representantes da Romênia, Collective, e do Chile, Agente Duplo, podem conseguir essa dobradinha de Filme Internacional e Documentário, pois ambos estão na pré-lista.

A última vez que o Brasil esteve presente na pré-lista foi lá no longínquo ano de 2007, quando O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias avançou, mas não conseguiu a indicação. Claro que a Ancine está decadente no governo Bolsonaro, mas é importante ressaltar que a seleção foi mal planejada. Bacurau foi preterido por A Vida Invisível pelo comitê em 2019, contudo com o lançamento do filme nos EUA em Março de 2020 pela Kino Lorber, o filme de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles vem conquistando prêmios e indicações importantes nesta temporada como o dos críticos de Nova York do NYFCC e Independent Spirit Awards, mas agora não pode participar desta seleção. Está faltando uma profissionalização para fazer uma seleção mais bem sintonizada e com o devido planejamento de campanha publicitária em território americano, senão o Cinema Brasileiro permanecerá fora da festa por mais alguns anos.

Abaixo, seguem as pré-listas das nove categorias e um breve panorama e comentário.

DOCUMENTÁRIO

  • 76 Days (MTV Documentary Films) – Dir: Weixi Chen, Hao Wu, Anonymous
  • Até o Fim: A Luta Pela Democracia (All In: The Fight for Democracy) (Amazon Studios) – Dir: Lisa Cortes, Liz Garbus
  • Boys State (Apple TV Plus) – Dir: Amanda McBaine, Jesse Moss
  • Collective (Magnolia Pictures and Participant) – Dir: Alexander Nanau
  • Crip Camp: Revolução Pela Inclusão (Crip Camp) (Netflix) – Dir: James Lebrecht, Nicole Newnham
  • As Mortes de Dick Johnson (Dick Johnson Is Dead) (Netflix) – Dir: Kirsten Johnson
  • Gunda (Neon) – Dir: Viktor Kosakovskiy
  • MLK/FBI (IFC Films) – Dir: Sam Pollard
  • Agente Duplo (The Mole Agent) (Gravitas Ventures) – Dir: Maite Alberdi
  • Professor Polvo (My Octopus Teacher) (Netflix) – Dir: Pippa Ehrlich, James Reed
  • Notturno (Neon) – Dir: Gianfranco Rosi
  • The Painter and the Thief (Neon) – Dir: Benjamin Ree
  • Time (Amazon Studios) – Dir: Garrett Bradley
  • The Truffle Hunters (Sony Pictures Classics) – Dir: Michael Dweck, Gregory Kershaw
  • Bem-Vindo à Chechênia (Welcome to Chechnya) (HBO) – Dir: David France

Como mencionado em post anterior, houve um recorde histórico de inscritos este ano com 238 documentários, número muito impulsionado pelo crescimento das plataformas digitais e da pandemia. Caso essa crescente permaneça, é possível que a Academia eleve o número de indicados da categoria de 5 para 10 nos próximos anos.

Dos 15 pré-selecionados, vale destacar que oito foram dirigidos por mulheres e de várias etnias e comunidades. Sobre a disputa, podemos dizer que se trata da categoria mais competitiva de todas daqui, e que independentemente dos cinco indicados, todos serão bem representados. Por enquanto, Time é o que vem conquistando mais prêmios e deve figurar entre os finalistas, seguido de perto por Collective. Contudo, tanto Collective quanto Agente Duplo podem ter votos anulados já que competem também como Filme Internacional.

FILME INTERNACIONAL

  • Druk – Mais uma Rodada (Another Round) (Dinamarca) – Dir: Thomas Vinterberg
  • Better Days (Hong Kong) – Dir: Derek Tsang
  • Charlatan (República Tcheca) – Dir: Agnieszka Holland
  • Collective (Romênia) – Dir: Alexander Nanau
  • Dear Comrades! (Rússia) – Dir: Andrey Konchalovskiy
  • I’m No Longer Here (México) – Dir: Fernando Frias
  • Hope (Noruega) – Dir: Maria Sødahl
  • La Llorona (Guatemala) – Dir: Jayro Bustamante
  • The Mole Agent (Chile) – Dir: Maite Alberdi
  • Night of the Kings (Costa do Marfim) – Dir: Philippe Lacôte
  • Quo Vadis, Aida? (Bósnia e Herzegovina) – Dir: Jasmila Žbanić
  • Sun Children (Irã) – Dir: Majid Majidi
  • Two of Us (França) – Dir: Filippo Meneghetti
  • A Sun (Taiwan) – Dir: Chung Mong-hong
  • The Man Who Sold His Skin (Tunísia) – Dir: Kaouther Ben Hania

Filmes de 93 países foram elegíveis este ano, igualando o recorde anterior. O que a Academia ainda não deixou claro é a quantidade mínima de filmes vistos para um membro da Academia estar apto a votar nesta categoria. Seriam 30? 40? 50? Talvez nunca saberemos. Felizmente, mesmo sem o comitê especial que “salva” os filmes mais conceituados da crítica, a pré-seleção mandou bem, com raras exceções, sendo uma delas a exclusão do filme do Lesoto, Isto Não é um Enterro, É uma Ressureição, e o filme espanhol A Trincheira Infinita. É uma pena também que o filme português Vitalina Varela não está na lista. Embora não tenha muito o perfil do Oscar, merecia estar pelo menos na pré-lista.

Em relação às chances, Druk – Mais uma Rodada, da Dinamarca, parece já ter uma vaga garantida, não apenas pela seleção no último Festival de Cannes, mas pelo prestígio que a parceria entre Thomas Vinterberg e Mads Mikkelsen tem. Apostaria também nas indicações de Quo Vadis, Ainda? (Bósnia e Herzegovina) e Night of the Kings (Costa do Marfim). Particularmente, gostaríamos que o filme guatemalteco La Llorona chegasse à cerimônia por apresentar uma mistura inusitada de elementos sobrenaturais com críticas políticas. E pra última vaga, a expectativa é do documentário Collective, da Romênia, mas pode ir para o mexicano I’m No Longer Here.

MAQUIAGEM E PENTEADO

  • Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa (Birds of Prey and the Fantabulous Emancipation of One Harley Quinn) (Warner Bros)
  • Emma (Focus Features)
  • The Glorias (Roadside Attractions and LD Entertainment)
  • Era uma Vez um Sonho (Hillbilly Elegy) (Netflix)
  • Uma Invenção de Natal (Jingle Jangle: A Christmas Journey (Netflix)
  • Os Pequenos Vestígios (The Little Things) (Warner Bros)
  • A Voz Suprema do Blues (Ma Rainey’s Black Bottom) (Netflix)
  • Mank (Netflix)
  • Uma Noite em Miami… (One Night in Miami) (Amazon Studios)
  • Pinóquio (Pinocchio) (Roadside Attractions)

Dos dez filmes, quatro são da Netflix. Com a ausência de Os 7 de Chicago, automaticamente A Voz Suprema do Blues assume o favoritismo. Outros quatro que podem ser indicados são Mank, Emma, Os Pequenos Vestígios e Aves de Rapina, já que Esquadrão Suicida chegou a ganhar o Oscar de Maquiagem. Ainda não descartaríamos Era uma Vez um Sonho, caso a Academia queira fazer uma dupla indicação com Glenn Close como Coadjuvante.

Particularmente, sentimos falta daquela maquiagem transformativa de criaturas fantasiosas que costumavam frequentar a categoria nos anos 80 e 90, que Rick Baker fazia de olhos vendados. Hoje em dia, a maquiagem tem seguido a linha discreta dos efeitos visuais, o que não é de todo ruim. O problema é quando a maquiagem parece básica demais pra estar entre os indicados ou até mesmo ganhar.

TRILHA MUSICAL ORIGINAL

  • Ammonite (Neon) – Dustin O’Halloran, Volker Bertelmann
  • Blizzard of Souls (Film Movement) – Lolita Ritmanis
  • Destacamento Blood (Da 5 Bloods) (Netflix) – Terence Blanchard
  • O Homem Invisível (The Invisible Man) (Universal Pictures) – Benjamin Wallfisch
  • Uma Invenção de Natal (Jingle Jangle: A Christmas Journey) (Netflix) – John Debney
  • Rosa e Momo (The Life Ahead (La Vita Davanti a Se) (Netflix) – Gabriel Yared
  • Os Pequenos Vestígios (The Little Things) (Warner Bros) – Thomas Newman
  • Mank (Netflix) – Trent Reznor, Atticus Ross
  • O Céu da Meia-Noite (The Midnight Sky) (Netflix) – Alexandre Desplat
  • Minari (A24) – Emile Mosseri
  • Mulan (Walt Disney Pictures) – Henry Gregson-Williams
  • Relatos do Mundo (News of the World) (Universal Pictures) – James Newton Howard
  • Soul (Pixar) – Jon Batiste, Trent Reznor, Atticus Ross
  • Tenet (Warner Bros) – Ludwig Göransson
  • Os 7 de Chicago (The Trial of the Chicago 7) (Netflix) – Daniel Pemberton

Nesta edição, 136 trilhas foram inscritas e elegíveis, e agora restam 15 composições no pote. Não sei se essa pré-lista abre espaço para muitas surpresas no anúncio das indicações, mas fico feliz com a inclusão de Benjamin Wallfisch por O Homem Invisível. Sua trilha que acentua a paranóia da protagonista faz uma baita diferença no filme de Leigh Whannell. Felizmente não tem John Williams este ano por Star Wars, senão ele teria uma vaga cativa.

Nossos palpites são: Soul, Mank, Tenet, Relatos do Mundo e O Céu da Meia-Noite. Talvez Minari fique com a vaga de James Newton Howard ou Alexandre Desplat, caso os votantes queiram dar uma inovada. E reforçando: Se Thomas Newman for indicado novamente, com certeza será outra derrota em seu vasto histórico sem vitórias, então talvez seja o caso de nem indicá-lo (?).

CANÇÃO ORIGINAL

  • “Turntables” de Até o Fim: A Luta Pela Democracia (Amazon Studios)
  • “See What You’ve Done” de Belly of the Beast (Independent Lens)
  • “Wuhan Flu” de Borat: Fita de Cinema Seguinte (Amazon Studios)
  • “Husavik” de Festival Eurovision da Canção: A Saga de Sigrit e Lars (Netflix)
  • “Never Break” de Vozes que Inspiram (Netflix)
  • “Make It Work” de Uma Invenção de Natal (Netflix)
  • “Fight For You” de Judas e o Messias Negro (Warner Bros)
  • “lo Sì (Seen)” de Rosa e Momo (Netflix)
  • “Rain Song” de Minari (A24)
  • “Show Me Your Soul” de Mr. Soul! (Shoes in the Bed Productions)
  • “Loyal Brave True” de Mulan (Walt Disney Pictures)
  • “Free” de O Grande Ivan (Disney Plus)
  • “Speak Now” de Uma Noite em Miami… (Amazon Studios)
  • “Green” de Som do Silêncio (Amazon Studios)
  • “Hear My Voice” de Os 7 de Chicago (Netflix)

105 canções foram inscritas e agora restam 15 na disputa. Dos mais reconhecidos até o momento, as canções de Os 7 de Chicago, Uma Noite em Miami…, Rosa e Momo e Judas e o Messias Negro são as que têm maiores chances de concretizar indicações. Seria engraçado ver Sacha Baron Cohen fazendo uma performance de “Wuhan Flu”, de Borat: Fita de Cinema Seguinte, mas está com cara de que vai rolar uma indicação para aquela canção de letras inspiradoras porém sem musicalidade de documentários, no caso, Até o Fim: A Luta Pela Democracia, ainda mais que a canção de Andra Day em The United States vs. Billie Holiday já ficou pelo caminho.

EFEITOS VISUAIS

  • Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa (Birds of Prey and the Fantabulous Emancipation of One Harley Quinn) (Warner Bros)
  • Bloodshot (Lionsgate)
  • Problemas Monstruosos (Love and Monsters) (Paramount Pictures)
  • Mank (Netflix)
  • O Céu da Meia-Noite (The Midnight Sky) (Netflix)
  • Mulan (Walt Disney Pictures)
  • O Grande Ivan (The One and Only Ivan) (Disney Plus)
  • Soul (Pixar)
  • Tenet (Warner Bros)
  • Bem-Vindo à Chechênia (Welcome to Chechnya) (HBO)

O comitê executivo de Efeitos Visuais será convidado a conferir um trecho de 10 minutos desses dez filmes pré-selecionados no dia 06 de Março para decidirem os cinco indicados. Nos últimos anos, a Academia tem premiado filmes com efeitos bem mais discretos e que servem a narrativa sem chamar muita atenção. Foram os casos vitoriosos de O Primeiro Homem e 1917. Nesse sentido, Mank se encaixa bem já que usou efeitos para reconstruir a Hollywood dos anos 30, e em uma escala um pouco maior, temos O Céu da Meia-Noite, que usou a tecnologia para criar estações espaciais e o próprio espaço sideral. Já em termos de efeitos exibicionistas que sempre marcam presença na categoria, a indicação de Tenet é dada como 99% certa.

A presença mais curiosa da lista é do documentário Bem-Vindo à Chechênia. Afinal, por que um documentário estaria indicado a Efeitos Visuais? Simples. Por se tratar de um filme sobre pessoas gays perseguidas na Rússia, os efeitos digitais foram utilizados para aplicar o chamado Deep Fake, trocando o verdadeiro rosto das vítimas para não serem identificadas pelo governo russo. Acredito que seria indicado mais pelo uso criativo e efetivo da tecnologia.

Já entre os excluídos, dá pra destacar o filme de submarinos Greyhound: Na Mira do Inimigo e até o Sonic: O Filme, que trocou bem o design do porco-espinho. Mas a grande injustiça aqui foi a ausência de O Homem Invisível. Totalmente injustificável, pois os efeitos caíram como uma luva no thriller de paranóia.

CURTA DE ANIMAÇÃO

  • Burrow
  • Genius Loci
  • If Anything Happens I Love You
  • Kapaemahu
  • Opera
  • Out
  • The Snail and the Whale
  • To Gerard
  • Traces
  • Yes-People

96 curtas animados foram inscritos, incluindo o brasileiro Umbrella, que acabou ficando de fora. O candidato com maior visibilidade aqui certamente é If Anything Happens I Love You, que está na plataforma da Netflix, é conta com a produtora Laura Dern.

DOCUMENTÁRIO-CURTA

  • Abortion Helpline, This Is Lisa
  • Call Center Blues
  • Colette
  • A Concerto Is a Conversation
  • Do Not Split
  • Hunger Ward
  • Hysterical Girl
  • A Love Song for Latasha
  • The Speed Cubers
  • O Que Sophia Loren Faria? (What Would Sophia Loren Do?)

De 114 documentários-curtas inscritos, restaram dez na disputa. Embora a Academia tenha uma preferência por curtas envolvendo crianças, adolescentes ou pessoas doentes, já arrisco a dizer que O Que Sophia Loren Faria? já apresenta todas as justificativas para estar entre os indicados: história de superação, envolve uma atriz internacional, faz uma ode ao cinema, conta com a publicidade da Netflix, e ainda tem trechos do Oscar.

CURTA-METRAGEM

  • Bittu
  • Da Yie
  • Feeling Through
  • The Human Voice
  • The Kicksled Choir
  • The Letter Room
  • The Present
  • Two Distant Strangers
  • The Van
  • White Eye

Desses dez pré-selecionados, o que tem as maiores chances de longe é o curta The Human Voice, já que é dirigido pelo cineasta espanhol Pedro Almodóvar e estrelado por Tilda Swinton. Filmado durante a pandemia, o curta foi exibido no último Festival de Veneza.

______________________________________________________________________________________
O anúncio dos indicados ao Oscar 2021 será no dia 15 de Março.

RETROSPECTIVA 2020: CINEMA vs. PANDEMIA

PANDEMIA NOS MOSTROU COMO O CINEMA E AS ARTES SÃO FUNDAMENTAIS PARA A HUMANIDADE

Olá a todos! Chegou aquele momento que consigo escrever o post mais pessoal do ano, no qual consigo expor melhor algumas idéias e opiniões. Antigamente, eu costumava fazer isso com mais frequência, mas com o passar dos anos, vi que as opiniões próprias estavam sendo apedrejadas de forma brutal na internet. Cada vez mais havia menos espaço e paciência para ler ou ouvir o que o outro tem a dizer, e muitos adotaram a política da tolerância zero, e isso justifica a polarização política que vivemos.

Este ano, a pandemia mudou bastante as nossas vidas, e vimos o quão frágil somos diante de uma ameaça biológica. Apesar de entender que uma quarentena bem-sucedida 100% seja impossível, ainda mais em cidades grandes, fiquei estupefato ao ver o quanto algumas pessoas estão pouco se lixando para a saúde coletiva. Desde discussões por não querer usar uma máscara até festas clandestinas que certamente contribuíram enormemente para o aumento de casos e mortes.

Voltando mais ao nosso tema de Cinema, gostaria de aproveitar e fazer um desabafo. Muitos indivíduos, como eu, que optaram por estudar e trabalhar no ramo artístico muitas vezes são humilhadas e tachadas de vagabundas aqui no Brasil. Para muitas pessoas, profissão boa mesmo é advogado, engenheiro, arquiteto, médico… Quantas vezes não fomos marginalizados por várias dessas pessoas, parentes e até família por nossas escolhas! A pandemia pode ter sido horrível em inúmeros aspectos, mas ela fez com que muitos percebessem a importância do Cinema e das artes em geral.

Em plena quarentena, trabalhando de home office, milhões ficaram aprisionados em casa, e nesse cenário, os filmes e séries que podemos acompanhar nos trazem diversão, entretenimento, assunto novo e uma distração perante um cenário caótico. Por isso, não menospreze e valorize aqueles que decidiram se dedicar às artes. São eles que continuam trabalhando para prover conteúdo novo todos os dias para que desfrutemos no conforto de nossos lares.

Eu mesmo poderia ter desistido de manter o blog, a página do Facebook e o perfil do Instagram, mas foi justamente esse trabalho que me permitiu manter minha sanidade em tempos de quarentena. A partir de Maio, comecei a recomendar dois filmes por semana no intuito de trazer um pouco de alegria, diversão e distração em tempos difíceis. Como não li nenhuma reclamação até o momento, espero conseguir manter esse quadro pelo menos até a vacinação alcançar a maioria da população.

OSCAR 2020: HISTÓRICO!

Como já rolou em muitos memes, o ano de 2020 começou muito bem com a vitória de Parasita, mas depois descambou com a pandemia e o fechamento das salas de cinema… talvez melhorando apenas nos últimos meses do ano com a vitória de Joe Biden na Casa Branca e o início da vacinação. Particularmente, fiquei bastante feliz com os 4 Oscars conquistados pelo filme sul-coreano, ainda mais num ano bastante competitivo com grandes concorrentes como Dor e Glória, O Irlandês, História de um Casamento e Era uma Vez em… Hollywood, e sem contar que tudo levava a crer que 1917 seria o grande vencedor após levar o DGA, PGA e o BAFTA. O discurso do diretor Bong Joon Ho após levar o Oscar de Direção foi o melhor momento da noite, principalmente por ele saudar a importância que Martin Scorsese para novos cineastas.

Talvez impulsionado pela derrota de Roma perante Green Book no ano anterior, a Academia sentiu necessidade de votar mais consciente, e claramente o filme de Bong Joon Ho era disparado o melhor filme do ano após vencer a Palma de Ouro em Cannes. Parasita quebrou inúmeros tabus, dentre eles o fato de nenhum filme em língua estrangeira ter conquistado o Oscar de Melhor Filme em 92 anos de Oscar, e obviamente nenhum filme levar a dobradinha Melhor Filme e Filme Internacional. A vitória de Parasita no Oscar também representa um protesto contra o governo xenófobo de Trump (que chegou a zombar da vitória no palanque), e principalmente que é possível fazer filmes em nossos próprios países e sermos reconhecidos pela Academia nas categorias principais, e não somente como Filme Estrangeiro.

Em relação aos demais resultados, preferi Klaus a Toy Story 4 como Melhor Longa de Animação, Parasita a Ford vs. Ferrari como Melhor Montagem, e Honeyland a Indústria Americana como Melhor Documentário. Apesar de não haver bem melhores opções, todas as quatro categorias de atuação me decepcionaram pela previsibilidade, já que todos ganharam Globo de Ouro, SAG e BAFTA, o que nos faz repensar novas formas para que a Academia não fique tão refém dos prêmios anteriores. Apesar de gostar de Brad Pitt no filme de Tarantino, teria votado para Joe Pesci por O Irlandês pra ganhar seu segundo Oscar de Coadjuvante.

PANDEMIA: CINEMAS FECHADOS

Em Março, os cinemas de todo o mundo começaram a fechar suas portas. Na época, pouco se sabia sobre o vírus, e ninguém usava máscara ainda. Inicialmente, não senti muita falta de cinema porque Março e Abril são meses que não frequento muito as salas pelo tipo de filme que costuma estrear: aqueles blockbusters que interessam para grupos mais jovens como Dois Irmãos, Bloodshot, Um Lugar Silencioso II e Mulan, mas com o passar dos meses, passei a ficar preocupado com os lançamentos mais interessantes do 2º semestre de 2020. Enquanto isso, foi curioso ver o ressurgimento do filme Contágio (2011), de Steven Soderbergh, nas plataformas de streaming sendo altamente visto, revisto e comentado dadas as semelhanças da trama com o real vírus da Covid que se espalha a partir da China e dá origem a uma onda de contágio mundial e o desespero da ciência em buscar uma vacina.

Com as salas de cinemas fechadas, os serviços de streaming foram bastante valorizados. Embora a Netflix lançasse suas produções novas como Resgate, Destacamento Blood, The Old Guard, e mais recentemente os candidatos ao Oscar Os 7 de Chicago, Mank e A Voz Suprema do Blues, foi definitivamente um ano pra assistir aqueles filmes que você tinha botado na watchlist há anos, mas nunca achava tempo para conferir.

Em Novembro, foi a vez da Disney Plus chegar ao Brasil e oferecer títulos de seu gigantesco acervo, já que nos últimos anos engoliu (comprou o estúdios) a Pixar, a Marvel Studios, Lucasfilms e Fox. Embora a maioria das pessoas já tenha visto boa parte desse catálogo, que estava presente nos concorrentes poucos meses antes, um dos grandes atrativos de assinar esse serviço foi a dublagem clássica de inúmeras animações e filmes infantis para entreter tanto o público infantil quanto o adulto.

Vale destacar também o retorno dos cinemas de Drive In, que marcaram a época romântica dos nossos pais e avós. A partir de Junho, as telas grandes passaram a marcar presença em estacionamentos de shoppings e em locais de eventos como o Memorial da América Latina em São Paulo. A programação inicial era composta por clássicos como Apocalypse Now, 2001: Uma Odisséia no Espaço e O Iluminado, mas aproveitavam para incluir filmes de grande sucesso nas bilheterias como Mad Max: Estrada da Fúria, Matrix, Kill Bill, além de filmes brasileiros como Turma da Mônica: Laços. Claro que acaba sendo uma barreira para quem não tem carro, mas demonstra o quanto as pessoas já sentiam falta das telas grandes.

FESTIVAL de CANNES CANCELADO

Por ter acontecido no início do ano, o Festival de Berlim e o Oscar não sofreram alterações bruscas por causa da pandemia, mas o evento francês não teve a mesma sorte. O presidente Thierry Fremaux até tentou fazer o festival acontecer e segurou até o último minuto, mas tudo o que conseguiu foi manter o mercado de venda de filmes através de reuniões online com compradores de distribuidoras.

No início de Junho, com o evento já cancelado de forma presencial, eles divulgaram uma lista de 56 filmes que fariam parte da seleção oficial, mas sem estipular quais disputariam a Palma de Ouro ou o Un Certain Regard, por exemplo. O intuito era conceder o selo oficial de Cannes para que esses filmes pudessem ser melhor promovidos em campanhas de marketing e que pudessem automaticamente fazer parte da seleção dos festivais de Telluride e Toronto.

O Brasil foi representado pelo filme Casa de Antiguidades, de João Paulo Miranda Maria, e por isso se tornou um forte candidato a ser o representante do Brasil no Oscar 2021, mas em Novembro, o comitê da Academia Brasileira de Cinema optou pelo filme Babenco – Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou, da estreante Bárbara Paz. Apesar de ser um documentário em preto-e-branco sobre o cineasta Hector Babenco, o objetivo dessa escolha parece ter sido a classificação automática para disputar o Oscar de Melhor Documentário. Vamos aguardar pra ver se essa previsão se realiza e termos o segundo documentário brasileiro consecutivo disputando o Oscar após Democracia em Vertigem.

…E O VENTO LEVOU BANIDO do STREAMING

Em junho, o serviço de streaming da HBO Max foi pressionado pela onda de protestos contra o racismo e por um artigo escrito pelo roteirista John Ridley (que venceu o Oscar por 12 Anos de Escravidão) no jornal Los Angeles Times a retirar do catálogo o clássico de 1939 …E o Vento Levou, de Victor Fleming. Segundo Ridley, o filme “perpetua alguns dos estereótipos mais dolorosos das pessoas de cor”. Entendemos os protestos por causa da morte de George Floyd, mas faltou alguém explicar para o roteirista revoltado que o filme foi feito nos anos 30, adaptado de um livro sobre o período da Guerra da Secessão, e que bani-lo agora não ajuda em absolutamente nada, como também piora a polarização política no país e no mundo. Infelizmente, a História não se apaga com uma borracha, então ela deve servir para nos lembrar sempre das atrocidades do passado para que não voltem a se repetir. Manter essas obras nos proporciona diálogos e debates de conscientização, além de estimular novas obras sob a perspectiva da cultura negra.

Certamente foi um episódio muito triste de 2020 que demonstrou a fragilidade de um estúdio perante a opinião pública. É preciso debater, conversar sobre o assunto, e não simplesmente banir ou censurar. Como as demais artes, o Cinema existe para proporcionar reflexão e empatia.

LANÇAMENTO SIMULTÂNEO da WARNER no HBO MAX

Aproveitando a pisada de bola da HBO Max no episódio de …E o Vento Levou, a Warner Bros cometeu outra atrocidade na base do impulso. Com a Netflix lançando inúmeros produções próprias e a Disney Plus estreando lançamentos blockbusters como Mulan direto no streaming por causa das salas de cinema fechadas, a Warner se sentiu pressionada a tomar uma decisão, e esta foi: lançar simultaneamente os grandes lançamentos de 2021 na plataforma HBO Max. Com a pandemia ainda longe de acabar nos EUA, o estúdio não quis manter Godzilla vs. Kong, Matrix 4, O Esquadrão Suicida, Duna e Tom & Jerry por mais tempo na geladeira e decidiu oferecer essa opção doméstica para seus assinantes.

O problema foi que não consultaram os diretores desses filmes antes de baterem o martelo, e assim Denis Villeneuve, que já teve seu Duna prorrogado para 2021, ficou pistola com os executivos do estúdio por não querer seu filme de proporções épicas lançado na telinha. Claro que, à princípio, essa postura parece resultado de um preciosismo estético do diretor apenas, mas trata-se de grana! Sim, nos contratos assinados, existe uma porcentagem maior caso os filmes atinjam uma meta de espectadores nos cinemas, e isso seria perdido caso o streaming competisse com as salas. A única exceção ao caso por enquanto foi a sequência Mulher-Maravilha 1984, que foi lançado recentemente nos cinemas. Com expectativas de ultrapassar a barreira de 1 bilhão de dólares na bilheteria mundial, o estúdio se sentiu na obrigação de manter o lançamento exclusivo nas telas grandes.

Não querendo abrir uma discussão interminável aqui, mas não considero a decisão da Warner de toda ruim. Há vários anos, o cinema tem perdido uma batalha contra a ascensão da TV com suas séries milionárias e mais recentemente, contra o crescimento dos serviços de streaming. O ingresso do cinema é caro para a maioria da população mundial, o que dificulta o crescimento da bilheteria (com exceção dos filmes da Disney-Marvel-Pixar-Star Wars-Fox), e com o passar dos anos, cinema tem se tornado cada vez mais um programa de luxo. Em São Paulo mesmo, se você leva sua namorada ou namorado para ver um filme numa sala de shopping, você paga uns 60 reais por 2 ingressos (podendo chegar a 150 se for filme 3D), paga entre 20 a 40 reais de estacionamento e mais uns 40 reais de refrigerante e pipoca.

As salas de cinema não vão deixar de existir, como muitos profetizaram, mas deverão passar por algumas modificações para manter seu público fiel, começando pela redução do valor de ingresso. E não se trata apenas de preços, tem muita gente que trabalha bastante ou cuida de filhos e não tem tempo hábil para se programar para ir ao cinema. O streaming veio para ajudar essa fatia do público que consome cinema. O único porém que vemos no momento é a nossa situação de refém dos serviços de streaming. Por exemplo, se quisermos assistir Mulan, temos que assinar o Disney Plus. Se quisermos ver o lançamento A Voz Suprema do Blues, temos que ter Netflix. Para ver o novo filme do Borat, temos que assinar Prime Video e etc. Se formos assinar tudo, gastaríamos mais do que indo ao cinema, portanto sugiro que você tenha amigos que possa fazer um compartilhamento de senhas: o Pedro assina Netflix, a Mônica assina Prime, a Viviane assina Disney Plus, entende?

CRÍTICAS

META 2020

Não estipulei nenhuma meta específica, mas eu queria ultrapassar a marca de 268 filmes assistidos em 2019 pelo menos. Com a quarentena, acabou ficando mais fácil bater essa meta, mas confesso que na reta final do ano, tive mais dificuldades de manter a frequência semanal de filmes. Até o momento, 280 filmes, ou seja, meta batida.

Dentre alguns títulos que finalmente consegui assistir estão alguns clássicos como A Batalha da Argel (1966), O Medo Consome a Alma (1974) e Paixões que Alucinam (1963) que me fizeram lembrar porque o Cinema me encantou.

PIORES DO ANO

TOP 5 PIORES LANÇAMENTOS DO ANO

5. ROSA E MOMO (La Vita Davanti a Sé/ The Life Ahead). Dir: Edoardo Ponti
Claro que é sempre bom contarmos com o retorno de uma grande estrela do passado como Sophia Loren. Além de ela ter se tornado a primeira atriz a vencer o Oscar por uma atuação em língua estrangeira por Duas Mulheres em 1962, já trabalhou com grandes mestres do ofício como Ettore Scola, Vittorio De Sica, Charles Chaplin e Anthony Mann. Porém aqui temos uma refilmagem de Madame Rosa (197), repleta de clichês de vítimas de Holocausto, que poderia ter se aprofundado na questão da imigração ilegal na Europa para revitalizar a história antiga, mas que prefere oferecer cenas fúteis na tentativa de promover Loren para uma nova indicação ao Oscar. O diretor Edoardo Ponti, que é filho da atriz, até consegue extrair bons momentos no início, mas depois é ladeira abaixo. Nem a boa química entre Loren e o jovem Ibrahima Gueye salva o filme.

4. O DILEMA DAS REDES (The Social Dilemma). Dir: Jeff Orlowski
O fato de ser um documentário feito pela Netflix para ser exibido somente nas plataformas digitais não implica que o filme tenha permissão ou liberdade para ser um documentário ralo e descartável. A impressão que tive é que os realizadores estavam mais do que satisfeitos com a escolha do tema (o alarmante impacto das redes sociais no controle da humanidade), e por isso mesmo, não fizeram questão de desenvolvê-lo mais a fundo. Além de entrevistarem apenas pessoas que tinham uma versão da história, não apresentou possíveis e palatáveis soluções para o problema. Filmar umas duas sessões parlamentares onde o tema é discutido superficialmente não ajuda em nada, assim como aquelas dramatizações chulas da família que proíbe o uso de celular à mesa.

3. OS NOVOS MUTANTES (The New Mutants). Dir: Josh Boone
Trata-se de um projeto natimorto. Bem antes de seu lançamento, houve tantos problemas que já fizeram com que prevíssemos uma tragédia anunciada. Primeiro, não entendi a contratação de Josh Boone como diretor. Só porque ele dirigiu A Culpa é da Estrelas que tem personagens com problemas de saúde? Se confiavam tanto no talento dele, por que refilmar as cenas após o término das filmagens? Além disso, a Fox já estava em negociações para ser vendida para a Disney, que tinha zero de interesse em tocar esse projeto, já que certamente fará sua própria versão de filmes de mutantes do universo dos X-Men. Como se não bastasse, o filme apanhou da pandemia no calendário, pois foi adiado. A Disney só lançou mesmo porque teve pena, porque sabia que era quase impossível recuperar o investimento.

2. HOLLY SLEPT OVER. Dir: Joshua Friedlander
Lembra quando havia o Cine Privé na Band? Soft porns que apresentavam uma trama escrita por um adolescente com ebulição de hormônios com cenas que existiam somente para justificar desejo e sexo? Aqui temos um casal com problemas matrimoniais que recebe a visita de uma amiga, personificada pela bela Nathalie Emmanuel. Claro que botam ela para ser a amiga do ménage a trois. Consegue ser pior do que os vídeos do Porn Hub… ouvi dizer rs.

1. O GRITO (The Grudge). Dir: Nicolas Pesce
Todo mundo já sabe que estamos vivendo ainda em tempos de remakes, reboots e sequências, porém essa falta de criatividade costuma vir acompanhada de pelo menos uma razão, nem que seja o dinheiro das bilheterias. No caso de O Grito, nem isso é possível contabilizar. Na falta de uma trama minimamente convincente e sem lógica, inserem inúmeros jump scares gratuitos pra pelo menos não terem o público reclamando da falta de sustos de um filme de terror.

MELHORES DO ANO

5. PALM SPRINGS (Palm Springs). Dir: Max Barbacow
Depois de fazer um tremendo sucesso em Sundance, esta comédia caiu nas graças do público quando estreou no serviço de streaming da Hulu nos EUA. O roteiro pega a mesma premissa de time loop de O Feitiço do Tempo (1993) e expande esse universo com a colaboração essencial da personagem feminina Sarah. Enquanto a química do casal Nyles e Sarah nos diverte, o filme tem muito a nos dizer sobre as diferenças de maturidade entre os homens e as mulheres, especialmente como eles estão deslocados no tempo.

4. O REI DE STATEN ISLAND (The King of Staten Island). Dir: Judd Apatow
Apesar de se tratar de uma comédia, este novo filme de Apatow tem uma profundidade bastante humana por se basear na vida pessoal do ator Pete Davidson, que perdeu seu pai bombeiro aos 7 anos enquanto ele salvava vidas no 11 de Setembro. Não sabia que ele tinha veia cômica há anos no Saturday Night Live, então me surpreendi com o humor natural do ator. Todos os personagens secundários apresentam boas atuações, o que reforça o tratamento sério do tema do deslocamento de geração do protagonista. Indo mais à fundo, isso cria uma ligação mais forte com o meu livro favorito “O Apanhador no Campo de Centeio”, de J.D. Salinger.

3. FIRST COW. Dir: Kelly Reichardt
Este foi o terceiro filme que vi de Kelly Reichardt, então já tinha aderido à direção minimalista dela, assim como o trabalho das temáticas femininas em universos masculinos. Dá pra dizer que Reichardt é uma das melhores diretoras mulheres da atualidade justamente por saber trabalhar o feminino sem fazer muito barulho e levantar a bandeira muito alto. Aqui ela escolhe um personagem chinês para dizer que a América foi feita por estrangeiros, e um cozinheiro desvalorizado pela própria equipe, para contar uma história de amizade, de política social e de amor à natureza. Definitivamente é um filme para se ver mais de uma vez, porque é possível pegar significados e simbolismos em pequenos detalhes.

2. A ASSISTENTE (The Assistant). Dir: Kitty Green
Quando fiquei sabendo desse filme no último Festival de Sundance, previa um filme bastante oportunista ao ir na onda do #MeToo e da recente prisão do produtor Harvey Weinstein, esperando ainda um filme repleto de escândalos e discussões acaloradas que Hollywood adora. Mas encontrei um filme bastante lúcido, com uma direção minimalista e atuações bem discretas. Esse trabalho de sutilezas serve justamente para tornar a mensagem ainda mais poderosa. A diretora nos mostra que os assédios no ambiente de trabalho começam nas pequenas coisas, nos pequenos detalhes e vão se tornando uma bola de neve. Definitivamente um filme que reflete bem os nossos tempos e comprova que há muito a se fazer ainda para mudar esse cenário.

1.O HOMEM INVISÍVEL (The Invisible Man). Dir: Leigh Whannell
A primeira vez que vi o nome de Leigh Whannell foi nos filmes de James Wan, Jogos Mortais e Sobrenatural, como roteirista. Quando vi sua estréia na direção em Sobrenatural: A Origem, pensei: “Esse cara estragou a franquia”. Isso só foi mudar depois que vi Upgrade, três anos mais tarde. Ali, Whannell demonstrava personalidade numa ficção científica com poucos recursos. Quando assisti a O Homem Invisível, vi que aquele diretor promissor havia se firmado. Não apenas conseguiu ótimo retorno nas bilheterias (que só não foi maior por causa da pandemia), mas finalmente revitalizou o universo dos monstros clássicos da Universal Pictures que há tantos anos o estúdio almejava. No roteiro, Leigh trouxe a trama original dos anos 30 para algo bastante contemporâneo: um relacionamento abusivo. Com a invisibilidade do traje do vilão, o diretor soube explorar os vazios das cenas como combustível para a paranóia na cabeça de Cecilia (uma inspirada Elisabeth Moss). Um filme que revitaliza uma história clássica, conta com ótimas cenas e atuações, e dialoga perfeitamente com nossos tempos de #MeToo.

TOP 5 MELHORES em MÍDIA DIGITAL OU STREAMING

5. TAMPOPO: OS BRUTOS TAMBÉM COMEM SPAGHETTI (Tampopo, 1985). Dir: Jûzo Itami
Imaginem um western sobre cozinhar e a arte de comer. São histórias divertidas que exploram a relação dos personagens com a comida, principalmente de Tampopo, que quer revitalizar seu restaurante com a ajuda de um caminhoneiro.

4. O REFLEXO DO MAL (The Reflecting Skin, 1990). Dir: Philip Ridley
Talvez o filme mais esquisito que vi este ano, mas que tem uma aura muito bonita vindo dos personagens e de suas situações do pós-guerra. Passado num ambiente rural dos anos 50, um menino acredita que sua vizinha viúva é uma vampira e é responsável pelo desaparecimento de crianças na região. Fotografia lindíssima de Dick Pope com atuação tocante de Lindsay Duncan.

3. UM CAMINHO PARA DOIS (Two for the Road, 1967). Dir: Stanley Donen
Quando se olha o pôster e vê Audrey Hepburn beijando Albert Finney, é impossível não querer achar que se trata de mais uma comédia romântica boba, mas estamos falando de Stanley Donen, um dos diretores mais marcantes da Hollywood dos anos 50 e 60. Acompanhamos o casal improvável Joanna e Mark numa viagem e imediatamente nos apaixonamos por eles, porque o roteiro e a montagem explora as ironias do casal em flashbacks. Hepburn e Finney tornam tudo mais apaixonante tamanho o carisma que eles compartilham do início ao fim. Impossível não se identificar e se emocionar com as situações que o casal passa ao longo do filme.

2. A BATALHA DE ARGEL (La Battaglia di Algeri, 1966). Dir: Gillo Pontecorvo
É impressionante a forma como Pontecorvo filmou essa história sobre o crescimento dos movimentos que lutam pela independência da Argélia nos anos 50. Temos a impressão de que o diretor realmente se infiltrou numa guerrilha e está filmando um documentário. Seu trabalho com atores não-profissionais também é formidável. Com a colaboração da ótima trilha de Ennio Morricone, existe uma tensão crescente do início ao fim. Até hoje, A Batalha de Argel é uma referência para o cinema de conflitos sociais.

  1. ONDE FICA A CASA DO MEU AMIGO? (Khane-ye doust kodjast?, 1987). Dir: Abbas Kiarostami
    Honestamente, nunca fui muito fã do cinema iraniano, mas este filme de Kiarostami demonstra com muita simplicidade e bom humor o povo iraniano. Com uma história boba de um menino que precisa devolver o caderno que pegou sem querer de seu amigo, acompanhamos sua jornada, que se assemelha à Odisséia de Homero, enquanto topamos com personagens inusitados que explicitam o conservadorismo extremo interferindo na educação infantil. É impossível não torcer pelo jovem protagonista, já que o ator mirim que o interpreta, Babek Ahmed Poor, é introvertido mas bem carismático. Um filme com uma carga humana altíssima que pode ser apreciado por qualquer país ou cultura e enxergar o poder que o Cinema tem como fonte de empatia.

IN MEMORIAM

Relembrando as pessoas que perdemos em 2020, é impossível não lamentar a morte de milhares de vítimas da Covid-19. Aqui no Brasil, estamos beirando os 200 mil mortos. Porém, o mais alarmante é ver a desumanidade de inúmeras pessoas em redes sociais, espalhando fake news, desacreditando a ciência (não vou nem mencionar os “terraplanistas”), fazendo festas e espalhando um vírus altamente contagioso sem ligar para a saúde coletiva, nem mesmo da própria família. Não vou prolongar a crítica, mas gostaria de homenagear os profissionais da saúde que estão se arriscando para salvar vidas (muitas das quais não querem tomar vacina) ao redor do mundo, e conceder meus profundos sentimentos às famílias que perderam entes queridos nessa pandemia.

Essa sessão In Memoriam parece desnecessária, mas acho importante relembrar artistas e profissionais do Cinema que perdemos. Eles não estão mais conosco, mas seus trabalhos certamente contribuíram e sempre vão contribuir para o nosso desenvolvimento como seres humanos. Gostaria de começar pela realeza de Hollywood. Este ano perdemos dois ícones da era de ouro: Olivia de Havilland e Kirk Douglas. Ela foi a última atriz viva do elenco do clássico …E o Vento Levou, acumulou 5 indicações ao Oscar e levou 2 estatuetas de Melhor Atriz por Só Resta uma Lágrima e Tarde Demais. Foi de extrema importância nos anos 40 quando enfrentou o estúdio Warner Bros. que queria controlá-la ao suspendê-la por 6 meses e ainda descontar esse período do pagamento. Havilland foi à corte e venceu a batalha contra o estúdio, beneficiando inúmeros outros atores que tinham contratos longos. Já Kirk demonstrou um enorme senso de justiça e moral em tempos complicados de McCarthismo e Guerra Fria. O ator fez questão de dar créditos a roteiristas que tinham seus nomes na Lista Negra e eram obrigado a inventarem pseudônimos para continuarem trabalhando. Sua influência e insistência pesaram na decisão e os condenados voltaram a ter dignidade no ofício. Em 1996, Kirk Douglas acabou ganhando o Oscar Honorário por sua força moral e criativa em Hollywood, e claro, por ter sido indicado 3 vezes sem nunca ter levado a estatueta.

Não apenas cinéfilos, mas músicos ao redor do mundo ficaram entristecidos pela morte do maestro italiano Ennio Morricone. Honestamente, não acredito que haverá outro compositor como ele. Desde o início da carreira, ele buscou desafiar os paradigmas do gênero western com instrumentos pouco ortodoxos como guitarra elétrica, sinos, gaitas e até as vozes femininas, e isso fez com que seu nome se tornasse sinônimo de um western moderno. Além de Sergio Leone, trabalhou com inúmeros diretores de prestígio como Brian De Palma, Pier Paolo Pasollini, Gillo Pontecorvo, Giuseppe Tornatore, John Carpenter e Terrence Malick, obteve 6 indicações ao Oscar, ganhou pela última por Os Oito Odiados, além do Oscar Honorário concedido em 2007. Suas composições engrandecem qualquer filme e conseguem a proeza de serem independentes de seus filmes e agradarem qualquer músico ou fã de música.

Dentre os atores que perdemos este ano, destaco Sir Sean Connery que imortalizou o agente secreto britânico James Bond e não se contentou em ser um ator de um papel só; o sueco Max von Sydow que ficou marcado pela parceria com o mestre Ingmar Bergman e pelo personagem do Padre Merrin em O Exorcista (é incrível como todas as suas aparições evidenciam sua credibilidade na tela); e Chadwick Boseman, que apesar de ser eternamente lembrado como o Pantera Negra, demonstrou uma vivacidade digna de orgulho diante de um câncer que estava enfrentando. Se você assistir a qualquer filme com o ator, perceberá que ele trata seu personagem como se fosse seu último. Aliás, seu derradeiro papel em A Voz Suprema do Blues pode lhe conceder um Oscar póstumo em 2021. Entre outras perdas irreparáveis de atores, lembro Brian Dennehy, Shirley Knight, Irrfan Kahn, Michel Piccoli, Ian Holm e Diana Rigg.

Já entre os diretores que perdemos, destaque para Terry Jones (que dirigiu e co-dirigiu os filmes da trupe Monty Python), Alan Parker (dividido entre filmes musicais e de violência extrema), Jirí Menzel (diretor tcheco que trabalhou com a sátira e contornou a censura), Kim Ki-duk (sul-coreano que conquistou crítica e público com personagens calados), e Joel Schumacher, que apesar de ter sido marcado injustamente pelos mamilos nos uniformes de Batman & Robin, é carinhosamente lembrado por cults da juventude como O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas, Os Garotos Perdidos e Linha Mortal. Lembramos também dos roteiristas Ronald Harwood (O Pianista) e Buck Henry (A Primeira Noite de um Homem), os diretores de fotografia Allen Daviau (E.T. o Extraterrestre) e Michael Chapman (Taxi Driver e Touro Indomável), e o diretor de arte Peter Lamont (Titanic e 007: O Espião que me Amava).

José Mojica Marins, o nosso querido Zé do Caixão, a diretora Suzana Amaral e a atriz Nicette Bruno foram as grandes perdas do nosso Cinema Brasileiro. Lembramos também aqui as perdas lastimáveis da juíza Ruth Bader Ginsburg, que lutou pelos direitos femininos e estrelou o documentário RBG, o cartunista argentino Quino que criou a amada personagem Mafalda, o jogador de basquete Kobe Bryant que ganhou o Oscar de curta de animação sobre sua vida Dear Basketball, e o autor britânico John le Carré, que inspirou inúmeros filmes como O Espião que Saiu do Frio (1965), O Jardineiro Fiel (2005) e O Espião que Sabia Demais (2011).

VOTOS PARA 2021

No ano passado, desejei um ano de mais empatia e vou continuar nessa tecla. É preciso reduzir essa polarização que tanto nos divide, pois fica parecendo que somos de torcidas de clubes de futebol inimigas. Quantas vezes não li este ano em redes sociais: “Adivinha pra quem ele votou”, “Como não votei em ladrão, não falo com você”, “Alugo vagas de quarto, exceto para quem votou no Bozo” etc. Não é porque a pessoa tem uma opinião política que não seja a sua que ela será sua inimiga. Existem pessoas muito boas de ambos os lados e estamos recusando qualquer contato por termos nossos preconceitos. Claro que não é uma tarefa fácil, mas peço para que todos possamos praticar a nossa civilidade, conversando, trocando idéias, e acima de tudo, respeitando o outro, pois você estará respeitando a si mesmo também.

Desejo um Feliz Natal e Próspero Ano Novo para todos que seguem o blog, a página do Facebook e o nosso Instagram. Agradeço muito por terem me acompanhado neste ano difícil de 2020, mas espero que possamos manter nosso trabalho e nossa apreciação pelos filmes que tanto amamos. Cuidem-se bem, pensem nas suas famílias e no próximo que logo sairemos dessa situação juntos!

OSCAR 2021: As PREVISÕES da VARIETY

SEGUNDO PREVISÕES, DIVERSIDADE NÃO FALTARÁ ENTRE OS INDICADOS

Em recentes postagens do site americano Variety, o especialista Clayton Davis lançou suas primeiras previsões para a próxima edição do Oscar, que vale lembrar, acontecerá em 25 de Abril, e os filmes lançados até 28 de Fevereiro estarão elegíveis. Portanto, até lá, os estúdios podem remanejar as datas de estréias como aconteceu com o novo filme de Steven Spielberg, a refilmagem de West Side Story, que ficou para 2021 (talvez para abafar a denúncia de abuso sexual do ator Ansel Elgort). Existe ainda risco de algumas produções serem adiadas para 2021 como Mulher-Maravilha 1984.

Na categoria de Filme Internacional, as deduções são ainda maiores, já que a maioria dos países ainda não selecionou seus representantes para o Oscar. Casa de Antiguidades, de João Paulo Miranda Maria, larga na frente porque estava na seleção oficial do Festival de Cannes deste ano, mesmo não havendo o evento fisicamente.

Seguem todas as categorias previstas de autoria de Clayton Davis do número 1 ao número 10 para que você tenha uma noção do que pode vir nesta temporada de premiações. Caso tenha curiosidade de ver os nomes restantes, acesse o site da Variety:
https://variety.com/feature/2021-oscars-predictions-academy-awards-nominations-1234764774/

MELHOR FILME
1. Nomadland
2. Os 7 de Chicago (The Trial of the Chicago 7)
3. One Night in Miami
4. Mank
5. The Father
6. News of the World
7. Ma Rainey’s Black Bottom
8. Destacamento Blood (Da 5 Bloods)
9. Judas e o Messias Negro (Judas and the Black Messiah)
10. Minari

MELHOR DIREÇÃO
1. Chloé Zhao (Nomadland)
2. David Fincher (Mank)
3. Aaron Sorkin (Os 7 de Chicago)
4. Regina King (One Night in Miami)
5. Florian Zeller (The Father)

6. Paul Greengrass (News of the World)
7. Shaka King (Judas e o Messias Negro)
8. George C. Wolfe (Ma Rainey’s Black Bottom)
9. Spike Lee (Destacamento Blood)
10. Lee Isaac Chung (Minari)

MELHOR ATOR
1. Anthony Hopkins (The Father)
2. Delroy Lindo (Destacamento Blood)
3. Gary Oldman (Mank)
4. Tom Hanks (News of the World)
5. Daniel Kaluuya (Judas e o Messias Negro)

6. Steven Yeun (Minari)
7. Riz Ahmed (Sound of Metal)
8. Dev Patel (The Personal History of David Copperfield)
9. Jesse Plemons (Estou Pensando em Acabar com Tudo)
10. Ben Affleck (The Way Back)

MELHOR ATRIZ
1. Michelle Pfeiffer (French Exit)
2. Vanessa Kirby (Pieces of a Woman)
3. Frances McDormand (Nomadland)
4. Viola Davis (Ma Rainey’s Black Bottom)
5. Jennifer Hudson (Respect)

6. Kate Winslet (Ammonite)
7. Andra Day (The United States vs. Billie Holiday)
8. Carey Mulligan (Promising Young Woman)
9. Sophia Loren (The Life Ahead)
10. Amy Adams (Hillbilly Elegy)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
1. David Strathairn (Nomadland)
2. Chadwick Boseman (Ma Rainey’s Black Bottom)
3. Bill Murray (On the Rocks)
4. Leslie Odom Jr. (One Night in Miami)
5. Lakeith Stanfield (Judas e o Messias Negro)

6. Sacha Baron Cohen (Os 7 de Chicago)
7. Frank Langella (Os 7 de Chicago)
8. Mark Rylance (Os 7 de Chicago)
9. Kingsley Ben-Adir (One Night in Miami)
10. Shia LaBeaouf (Pieces of a Woman)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
1. Olivia Colman (The Father)
2. Amanda Seyfried (Mank)
3. Saiorse Ronan (Ammonite)
4. Audra McDonald (Respect)
5. Ellen Burstyn (Pieces of a Woman)

6. Glenn Close (Hillbilly Elegy)
7. Helena Zengel (News of the World)
8. Swankie (Nomadland)
9. Kristin Scott Thomas (Rebecca)
10. Meryl Streep (The Prom)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
1. Jack Fincher (Mank)
2. Aaron Sorkin (Os 7 de Chicago)
3. Lee Isaac Chung (Minari)
4. Will Berson, Shaka King, Keith Lucas, Kenny Lucas (Judas e o Messias Negro)
5. Emerald Fennell (Promising Young Woman)

6. Pete Docter, Mike Jones, Kemp Powers (Soul)
7. Eliza Hitman (Never Rarely Sometimes Always)
8. Danny Bilson, Paul De Meo, Kelvin Willmott, Spike Lee (Destacamento Blood)
9. Julia Hart, Jordan Horowitz (I’m Your Woman)
10. Tracey Scott Wilson, Callie Khouri (Respect)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
1. Chloé Zhao (Nomadland)
2. Kemp Powers (One Night in Miami)
3. Christopher Hampton (The Father)
4. Ruben Santiago-Hudson (Ma Rainey’s Black Bottom)
5. Luke Davies, Paul Greengrass (News of the World)

6. Charlie Kaufman (Estou Pensando em Acabar com Tudo)
7. Kelly Reichardt, Jonathan Raymond (First Cow)
8. Ramin Bahrani (The White Tiger)
9. Patrick deWitt (French Exit)
10. Suza-Lori Parks (The United States vs. Billie Holiday)

MELHOR FOTOGRAFIA
1. Joshua James Richards (Nomadland)
2. Erik Messerchmidt (Mank)
3. Darius Wolski (News of the World)
4. Phedon Papamichael (Os 7 de Chicago)
5. Tami Reiker (One Night in Miami)

6. Linus Sandgren (Sem Tempo Para Morrer)
7. Hoyte van Hoytema (Tenet)
8. Newton Thomas Sigel (Destacamento Blood)
9. Sean Bobbitt (Judas e o Messias Negro)
10. Mandy Walker (Mulan)

MELHOR MONTAGEM
1. Alan Baumgarten (Os 7 de Chicago)
2. Kirk Baxter (Mank)
3. William Goldenberg (News of the World)
4. Chloé Zhao (Nomadland)
5. Tariq Anwar (One Night in Miami)

6. Yorgos Lamprinos (Tha Father)
7. Andrew Mondshein (Ma Rainey’s Black Bottom)
8. Kristan Sprague (Judas e o Messias Negro)
9. Adam Gough (Destacamento Blood)
10. Tom Cross, Elliot Graham (Sem Tempo Para Morrer)

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO
1. Donald Graham Burt, Jan Pascale (Mank)
2. David Crank, Elizabeth Keenan (News of the World)
3. Cristina Casali, Charlotte Dirickx (The Personal History of David Copperfield)
4. Grant Major, Anne Kuljian (Mulan)
5. Mark Ricker, Karen O’Hara, Diana Stoughton (Ma Rainey’s Black Bottom)

6. Shane Valentino, Andrew Baseman (Os 7 de Chicago)
7. Sarah Finlay, Sophie Hervieu (Ammonite)
8. Page Buckner, Janessa Hitsman (One Night in Miami)
9. Sam Lisenco, Rebecca Brown (Judas e o Messias Negro)
10. Molly Hughes, Merissa Lombardo (Hillbilly Elegy)

MELHOR FIGURINO
1. Suzie Harman, Robert Worley (The Personal History of David Copperfield)
2. Trish Summerville (Mank)
3. Ruth E. Carter (Um Príncipe em Nova York 2)
4. Ann Roth (Ma Rainey’s Black Bottom)
5. Francine Jamison-Tanchuck (One Night in Miami)

6. Alexandra Byrne (Emma)
7. Mark Bridges (News of the World)
8. Michael O’Connor (Ammonite)
9. Bina Daigeler (Mulan)
10. Paco Delgado (Morte no Nilo)

MELHOR MAQUIAGEM E CABELO
1. Respect
2. Mank
3. Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa
4. Um Príncipe em Nova York
5. Os 7 de Chicago

6. Morte no Nilo
7. Ammonite
8. Mulan
9. News of the World
10. Judas e o Messias Negro

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
1. Trent Reznor, Atticus Ross (Soul)
2. Trent Reznor, Atticus Ross (Mank)
3. Daniel Pemberton (Os 7 de Chicago)
4. Terence Blanchard (Destacamento Blood)
5. James Newton Howard (News of the World)

6. Kris Bowers (The United States vs. Billie Holiday)
7. Terence Blanchard (One Night in Miami)
8. Volker Bertelmann, Dustin O’Halloran (Ammonite)
9. Steven Price (A Caminho da Lua)
10. Kris Bowers (Respect)

MELHORES EFEITOS VISUAIS
1. Tenet
2. Greyhound: Na Mira do Inimigo
3. Free Guy: Assumindo o Controle
4. Mulan
5. Mulher-Maravilha 1984

6. Morte no Nilo
7. Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa
8. Dolittle
9. O Chamado da Floresta
10. Soul

MELHOR SOM
1. Os 7 de Chicago
2. Tenet
3. News of the World
4. Sound of Metal
5. O Homem Invisível

6. Sem Tempo Para Morrer
7. Destacamento Blood
8. Mulher-Maravilha 1984
9. The United States vs. Billie Holiday
10. Respect

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO
1. Soul
2. A Caminho da Lua (Over the Moon)
3. Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica (Onward)
4. Wolfwalkers
5. Os Croods 2: Uma Nova Era (The Croods: A New Age)

6. Super Conectados (Connected)
7. Lupin III: O Primeiro (Lupin III: The First)
8. Trolls 2 (Trolls: World Tour)
9. A Liga de Monstros (Rumble)
10. Os Irmãos Willoughby (The Willoughbys)

MELHOR FILME INTERNACIONAL
1. Another Round – Dinamarca
2. The Disciple – Índia
3. The Life Ahead – Itália
4. Casa de Antiguidades – Brasil
5. Night of the Kings – Costa do Marfim

ACADEMIA MUDA as REGRAS DE ELEGIBILIDADE para MELHOR FILME

Novos padrões de inclusão da Academia

Ainda em resposta à polêmica do #OscarsSoWhite, que apontava a ausência total de atores negros, latinos ou asiáticos nas 20 vagas das 4 categorias de atuação em 2015, a Academia anunciou nesta terça-feira, dia 08, uma mudança um pouco mais radical na tentativa de proporcionar mais discussão sobre a diversidade no cinema.

Pelas cerimônias de 2022 e 2023, as produções que estiverem dispostas a competir como Melhor Filme terão que enviar um formulário confidencial de padrões de inclusão da Academia, mas somente a partir de 2024, os filmes terão que preencher DOIS de QUATRO dos novos requisitos:

PADRÃO A: REPRESENTAÇÃO, TEMAS E NARRATIVAS
Para atingir este padrão, o filme precisa se adequar a um dos seguintes critérios:

A1. Atores principais ou coadjuvantes
Pelo menos um dos atores principais ou coadjuvantes significativos pertencer a um grupo de etnia ou raça sub-representados:
• Asiático
• Hispânico / latino
• Negro / Afro-americano
• Indígena / Nativo Americano / Nativo do Alasca
• Oriente Médio / Norte da África
• Havaiano nativo ou outro ilhéu do Pacífico
• Outra raça ou etnia sub-representada

A2. Elenco geral
Pelo menos 30% de todos os atores em papéis secundários e menores pertencerem a pelo menos dois dos seguintes grupos:
• Mulheres
• Grupo racial ou étnico
• LGBTQ +
• Pessoas com deficiências cognitivas ou físicas, ou surdas ou com deficiência auditiva

A3. Enredo principal / assunto
O(s) enredo(s) principal(is), tema ou narrativa do filme serem centrados em um(s) grupo(s) sub-representado(s).
• Mulheres
• Grupo racial ou étnico
• LGBTQ +
• Pessoas com deficiências cognitivas ou físicas, ou surdas ou com deficiência auditiva

PADRÃO B: LIDERANÇA CRIATIVA E EQUIPE DE PROJETO
Para atingir o Padrão B, o filme deve atender a UM dos critérios abaixo:

B1. Liderança criativa e chefes de departamento
Pelo menos duas das seguintes posições de liderança criativa e chefes de departamento – diretor de casting, diretor de fotografia, compositor, figurinista, diretor, montador, cabeleireiro, maquiador, produtor, desenhista de produção, decorador de set, som, supervisor de efeitos visuais, escritor – serem dos seguintes grupos sub-representados:
• Mulheres
• Grupo racial ou étnico
• LGBTQ +
• Pessoas com deficiências cognitivas ou físicas, ou surdas ou com deficiência auditiva

Pelo menos uma dessas posições deve pertencer ao seguinte grupo racial ou étnico sub-representado:
• Asiático 
• Hispânico / latino
• Negro / Afro-americano
• Indígena / Nativo Americano / Nativo do Alasca
• Oriente Médio / Norte da África
• Havaiano nativo ou outro ilhéu do Pacífico
• Outra raça ou etnia sub-representada

B2. Outras funções importantes
Pelo menos seis outros membros/ equipes e cargos técnicos (excluindo Assistentes de Produção) serem de um grupo racial ou étnico sub-representado. Essas posições incluem, mas não estão limitadas a Primeiro Assistente de Direção, Gaffer, Supervisor de Roteiro etc.

B3. Composição geral da equipe
Pelo menos 30% da equipe do filme ser dos seguintes grupos sub-representados:
• Mulheres
• Grupo racial ou étnico
• LGBTQ +
• Pessoas com deficiências cognitivas ou físicas, ou surdas ou com deficiência auditiva

PADRÃO C: ACESSO E OPORTUNIDADES DA INDÚSTRIA
Para atingir o Padrão C, o filme deve atender AMBOS os critérios abaixo:

C1. Aprendizagem remunerada e oportunidades de estágio
A distribuidora ou financiadora do filme pagou aprendizagens ou estágios para grupos dos seguintes grupos sub-representados e atenderem aos critérios abaixo:
• Mulheres
• Grupo racial ou étnico
• LGBTQ +
• Pessoas com deficiências cognitivas ou físicas, ou surdas ou com deficiência auditiva

Os principais estúdios/distribuidores são obrigados a ter aprendizagens/estágios remunerados e contínuos, incluindo grupos sub-representados (também deve incluir grupos raciais ou étnicos) na maioria dos seguintes departamentos: produção/desenvolvimento, produção física, pós-produção, música, efeitos visuais , aquisições, negócios, distribuição, marketing e publicidade.

Os mini-grandes estúdios/distribuidores independentes devem ter um mínimo de dois aprendizes/estagiários dos grupos sub-representados acima (pelo menos um de um grupo racial ou étnico sub-representado) em pelo menos um dos seguintes departamentos: produção/desenvolvimento, produção física , pós-produção, música, efeitos visuais, aquisições, negócios, distribuição, marketing e publicidade.

C2. Oportunidades de treinamento e desenvolvimento de habilidades (equipe)
A companhia de produção, distribuição e/ou financiamento do filme deve oferecer oportunidades de treinamento e/ou trabalho para o desenvolvimento de habilidades abaixo da linha para pessoas dos seguintes grupos sub-representados:
• Mulheres
• Grupo racial ou étnico
• LGBTQ +
• Pessoas com deficiências cognitivas ou físicas, ou surdas ou com deficiência auditiva

PADRÃO D: DESENVOLVIMENTO DE PÚBLICO
Para atingir este padrão, o filme deve atender aos critérios abaixo:

D1. Representação em marketing, publicidade e distribuição
O estúdio e/ou empresa de cinema terem vários executivos seniores internos dentre os seguintes grupos sub-representados (deve incluir indivíduos de grupos raciais ou étnicos sub-representados) em suas equipes de marketing, publicidade e/ou distribuição.
• Mulheres
• Grupo racial ou étnico
• Asiática
• Hispânico / latino
• Negro / afro-americano
• Indígena / Nativa americana / Nativa do Alasca
• Oriente Médio / Norte da África
• Havaiano nativo ou outro ilhéu do Pacífico
• Outra raça ou etnia sub-representada
• LGBTQ +
• Pessoas com deficiências cognitivas ou físicas, ou surdas ou com deficiência auditiva

Todas as categorias, exceto Melhor Filme, serão mantidas de acordo com seus requisitos de elegibilidade atuais. Os filmes nas categorias de longa-metragem de animação, documentário, filme internacional) inscritos para Melhor Filme serão tratados separadamente.

O Academy Aperture 2025 é a próxima fase da iniciativa de equidade e inclusão da Academy, promovendo os esforços contínuos da organização para promover a inclusão na indústria do entretenimento e aumentar a representação de seus membros e da comunidade cinematográfica em geral.

O Presidente da Academia David Rubin ao lado da CEO Dawn Hudson. Photo by Jordan Strauss/Invision/AP/Shutterstock (10552613bo)

Segundo a Academia, esses novos padrões foram criados para encorajar uma representação mais justa na tela e fora dela para melhor refletir a diversidade do público que frequenta as salas de cinema. As regras foram inspiradas nos padrões de diversidade da British Film Institute (BFI) usados para conceder verbas para as produções e também para algumas categorias do prêmio BAFTA. O sindicato de produtores (PGA) também foi consultado antes do anúncio das novas regras. “Acreditamos que a inclusão desses novos padrões será um catalisador para uma mudança duradoura e essencial em nossa indústria”, defendeu a CEO da Academia Dawn Hudson.

Essas exigências só serão obrigatórias a partir de 2024 (filmes de 2023) para que haja tempo para as produções se prepararem para preencher os requisitos necessários.

DA DISCUSSÃO

Por se tratar de uma mudança que diverge pensamentos, lemos vários comentários de reação de cinéfilos a respeitos dos novos padrões. 

Felizmente, boa parte acredita que essas mudanças serão muito benéficas para a indústria e refletirão nos filmes. Já aqueles que discordaram, em sua maioria, defendem que o Oscar deveria exigir apenas qualidade, independente de qual etnia ou grupo social trabalhou no filme.

De fato, a Academia jamais deveria ser responsabilizada por não haver atores negros indicados, por exemplo, pois a instituição apenas avalia os filmes lançados, nunca participando das produções dos mesmos. Contudo, por ter um papel importante na indústria cinematográfica, está fazendo o possível para estimular maior participação de grupos étnicos, de orientação sexual ou mesmo de mulheres. Com esta nova exigência, a Academia espera dar aquele empurrãozinho para que os profissionais envolvidos numa produção repensem na hora de contratar um artista ou profissional para sua equipe, sem, claro, abrir mão de qualidade.

Claro que tais mudanças não impedem necessariamente um novo Oscar de Melhor Filme para um ‘Crash’ ou ‘Green Book’ como muitos esperam, pois dependem da votação dos membros, mas dificultam novas edições sem atores não-brancos indicados, e de quebra, ajudam o Cinema a se tornar uma arte mais universal.

O CINEMA PÓS-CORONAVÍRUS: Um Breve Panorama

sala-de-cinema-uci

Sala de cinema da rede UCI vazia (pic by Revista Veja)

DISTRIBUIÇÃO DE FILMES É AFETADA DIRETAMENTE. QUAIS AS MEDIDAS A TOMAR AGORA?

Desde que o Coronavírus causou uma paralisação na China, que inclusive cancelou o seu Ano Novo Chinês, as salas de cinemas passaram a fechar gradativamente, barrando os filmes de todos os lugares, especialmente de Hollywood, que depende cada vez mais do mercado chinês.

Os lançamentos de filmes como Sonic, Jojo Rabbit e Dolittle foram adiados indefinidamente por lá. E agora? Se forem lançados depois de algumas semanas, a pirataria certamente já terá prejudicado as bilheterias, restando a opção de disponibilizar esses filmes diretamente para plataformas de streaming como Netflix e Amazon Prime. Independente da escolha, apenas uma margem do lucro será afetada, já que se tratam de produções já lançadas anteriormente.

Em se tratando de futuros lançamentos, os grandes estúdios como a Disney, que tem a possibilidade de adiar os lançamentos, não pensaram muito e logo adiaram estréias grandiosas e promissoras como o live action de Mulan, que estava previsto para o final de Março, e agora segue sem data definida. Em seguida, a MGM e a Universal adiaram o 25º filme de James Bond, 007 Sem Tempo Para Morrer, de Abril para Novembro. Embora a justificativa oficial dos estúdios tenha sido a preocupação com a saúde pública, todos sabemos que o verdadeiro motivo são as prováveis perdas nas bilheterias ao redor do mundo. Inclusive, no caso do filme de Bond, alguns chegaram a especular uma teoria da conspiração de que o filme teria sido mal recebido em sessões testes com público, e por isso teriam que refazer ou até mesmo refilmar algumas cenas.

Mulan

Mulan: antes previsto para 27 de Março, agora adiado indefinidamente pela Disney (pic by IMDb)

Recentemente, enquanto a Paramount adiou o lançamento de Um Lugar Silencioso: Parte II, e a Disney e a Marvel Studios adiaram indefinidamente o lançamento de Viúva Negra, que estava previsto para 1º de Maio, a Universal quebrará a janela de lançamentos e disponibilizará a animação Trolls 2 diretamente para locação on demand. Embora a sequência de Trolls não seja um filme super aguardado, esta decisão pode causar atritos com as redes de cinema.

Trolls 2

Universal Studios: Trolls 2 ficará disponível para Video on Demand Premium (pic by IMDb)

Falando em salas de cinema, elas foram fechando em efeito dominó em inúmeros países, pois a transmissão do vírus seria mais fácil em aglomerações e em recintos fechados. Na verdade, a cultura mundial foi bastante abalada, pois as peças de teatro também foram canceladas ou adiadas, encontros literários, eventos como o SXSW (South by Southwest) nos EUA, campeonatos esportivos de todos os tipos e tamanhos, chegando a reuniões de negócios e podendo ainda afetar o Festival de Cannes, que ainda segue com a data prevista para Maio. Embora cause prejuízos aos filmes e ao mercado francês, estamos quase certos de que o festival também será adiado. Imaginamos que o presidente do júri deste ano, Spike Lee, já esteja mexendo os pauzinhos pra que isso aconteça.

E o que fazer diante desse cenário pós-apocalíptico? Seguindo as orientações da OMS (Organização Mundial da Saúde), as pessoas estão ficando em casa, fazendo home office, evitando transporte público, ou em caso de sintomas, de quarentena. Embora compreendamos a real necessidade dessas mudanças drásticas em nossas rotinas, ficamos aqui preocupadíssimos com os impactos globais nas economias, como já vimos nas bolsas e a alta do dólar, até o comércio em geral. Vai chegar um momento em que o comerciante precisará fechar seu estabelecimento, não apenas por motivos de saúde, mas pela falta de consumidores como em shoppings e em ruas do centro. Contudo, as contas nunca param de chegar: aluguel, condomínio, energia elétrica, água, gás, internet, o salário do seu funcionário, alimentação! Quem vai cobrir esse rombo enorme sem entrada de renda?

Por enquanto, a previsão de retorno à “normalidade” está prevista para daqui a duas semanas a um mês, mas e se a pandemia durar mais tempo do que o previsto? Enfim, apesar de noticiarmos matérias relacionadas a Cinema e cultura em geral, ficamos extremamente apreensivos com o aumento de casos no Brasil, enquanto nosso presidente mantém seu discurso alinhado com Donald Trump de que tudo não passa de exagero da mídia. Se até os próprios colegas políticos de Bolsonaro estão contaminados com o vírus, como o General Mourão, que choque de realidade seria necessário para mudar o discurso e providenciar medidas de contenção pelo país?

Voltando ao Cinema, alguns estúdios já estão remediando a situação para evitar perdas maiores. Então filmes como O Homem InvisívelThe Hunt, que já haviam sido lançados nos cinemas, passaram a ficar disponíveis em VOD (Video on Demand) nos EUA por aproximadamente 20 dólares em plataformas de streaming. Obviamente, essas medidas alternativas revoltaram alguns exibidores, mas ao mesmo tempo, eles entendem que foram necessárias. Aqui, de mãos atadas, a rede Cinemark já anunciou uma política de demissão voluntária, por exemplo.

Invisible Man

O Homem Invisível já disponível para locação online por 20 dólares (pic by IMDb)

O curioso desse cenário é que o streaming, tão odiado por vários conservadores no ramo, está se tornando a salvação dos lançamentos de cinema. Tudo bem, à princípio, não acreditamos que o Mulan ou o filme do 007 serão lançados diretamente via streaming, mas não sabemos como a contenção do vírus estará daqui a alguns meses.

Se o Cinema já vinha lutando para atrair o público às salas de exibição, agora vai ficar cada vez mais difícil. Essa mudança obrigatória na distribuição de filmes deve acelerar a conversa sobre o tabu que é streaming. A tão criticada Netflix por puristas pode ser uma salvação para quem quiser assistir aos lançamentos nessas primeiras semanas, mas se a pandemia persistir por mais tempo, o comportamento cultural pode se tornar rotina e as salas de cinema podem se tornar um nicho para amantes do cinema, assim como prevíamos que aconteceria, mas daqui a uma década ou mais.

A boa notícia é de que supostamente a primeira sala de cinema na China foi reaberta nesta semana. Na Coréia do Sul, onde foi reportado o maior número de casos confirmados, os recuperados da doença estariam ultrapassando o número de novos casos. Se a Ásia está começando a melhorar a situação, tudo indica que a Europa deve acompanhar a redução de casos em breve, e depois as Américas. Tudo vai depender da política de contenção dos países e claro, da colaboração das pessoas ao lavar bem as mãos, alimentar-se bem para elevar a imunidade, e evitar aglomerações.

E uma curiosidade extra é que filmes com temática apocalíptica voltaram ao topo das listas, sendo encabeçadas por Contágio (2011), de Steven Soderbergh, que vem sendo chamado de profeta! No filme, uma mulher retorna de viagem de Hong Kong com uma doença semelhante a uma gripe e morre. No mesmo dia, seu filho também morre. E em pouco tempo, o vírus se espalha pelo mundo e causa uma pandemia, exatamente como está acontecendo agora. Nove anos depois de ser lançado, o filme de Soderbergh foi o mais baixado no iTunes.

Contagion

Gwyneth Paltrow em Contágio, onde interpreta a primeira vítima do novo vírus de Hong Kong (pic by IMDb)

Entre outros filmes mais procurados no momento estão Epidemia (1995), O Enigma de Andrômeda (1971), O Iluminado (1980), Os 12 Macacos (1995), Filhos da Esperança (2006), Eu Sou a Lenda (2007), O Nevoeiro (2007), Ensaio Sobre a Cegueira (2008), Vírus (2009), Sentidos do Amor (2011), e inúmeros de temática zumbi como Extermínio (2002), Extermínio 2 (2007), Madrugada dos Mortos (2004). Quase todos são ótimos filmes que revelam a verdadeira natureza humana diante de uma situação de calamidade pública. Recomendamos também Pânico nas Ruas (1950), de Elia Kazan, que foi todo filmado em locação em New Orleans para conferir uma estética documental.

Além da curiosidade de analisarmos as previsões certeiras dos filmes, podemos esperar que esta fase virulenta e altamente contagiosa inspirará inúmeros novos filmes. Por enquanto, estamos aqui na torcida para que tudo volte ao normal o mais breve possível para que não haja mais mortes. Cuidem-se bem e respeite a saúde do próximo!

APOSTAS PARA o OSCAR 2020: 2º ROUND de CINEMA vs NETFLIX

Oscars-pic

Pôster da 92ª edição do Oscar

PELO SEGUNDO ANO CONSECUTIVO, UM FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA PODE LEVAR O OSCAR DE MELHOR FILME

Além da briga entre Cinema e Netflix continuar este ano, a busca pelo Oscar de Melhor Filme por um filme de língua estrangeira permanece. Em 2019, apesar de toda uma alta expectativa, Roma falhou e o prêmio foi para o mais tradicional Green Book, que sofreu críticas ainda maiores após a consagração.

Nesta edição, o cenário ficou mais interessante. Desta vez, não temos um filme estrangeiro e em preto-e-branco concorrendo pela Netflix (Roma), agora tem a alta cúpula de Hollywood, bitch! A Netflix resolveu apelar e trouxe O Irlandês, História de um Casamento e Dois Papas, pensando: “Agora vai!” Bem… lá no início da temporada de premiações, o filme de Martin Scorsese chegou a figurar como favorito, ganhando o National Board of Review e o New York Film Critics Circle (NYFCC), e o drama conjugal de Noah Baumbach levou o prêmio do Gotham Awards. Estava tudo caminhando nos conformes para o presidente da Netflix, Ted Sarandos, mas… a temporada de premiações é longa (vai de setembro a fevereiro), e muita coisa pode mudar nesses meses.

Nesse período, já vimos O Segredo de Brokeback Mountain ceder o topo para Crash, e A Rede Social ceder o topo para O Discurso do Rei. Aí que entra o poder uma boa campanha publicitária (Harvey Weinstein era o expert no assunto) e questões pessoais como preconceito e má informação. No primeiro caso, é nítido o prevalecimento do preconceito contra o homossexualismo do filme de Ang Lee, e no segundo, uma campanha que certamente elevou o lado mais conservador da Academia de que seria imaturo premiar um filme sobre o Facebook.

E houve alguma mudança nesse cenário? A verdade é que a Academia está passando por transformações hoje. Nos últimos anos, a ex-presidente da Academia, Cheryl Boone Isaacs, abriu as portas da Academia para cerca de 2.500 novos membros de várias etnias, várias nações e mulheres de todo o mundo, fazendo parte das consequências do protesto #OscarsSoWhite, mas a grande maioria permanece sendo o perfil homem branco e mais velho, o que poderia explicar o conservadorismo predominante. Mas é preciso ter um pouco mais de paciência com o Oscar. Se um filme mais conservador ganhar, não significa que toda a instituição é conservadora. Eleger o vencedor do Oscar é uma eleição democrática; vence aquele que obteve maior número de votos.

Se o filme estrangeiro Parasita não ganhar este ano, vamos bater palmas do mesmo jeito, porque o filme de Bong Joon Ho já é um filme extremamente vitorioso. Até ano passado, NENHUM filme coreano conseguiu chegar ao Oscar! Nem sequer na categoria de Filme Internacional! O mais próximo disso foi a inclusão na shortlist de Em Chamas, mas foi só. Parasita recebeu 6 indicações ao Oscar, incluindo Melhor Filme. Nem o diretor imaginava que seu filme conseguiria tanto prestígio assim. Se não ganhar o prêmio principal da noite, não tem problema. Ele já terá amadurecido mais essa idéia para os próximos filmes de língua estrangeira.

Se a Netflix não ganhar Melhor Filme, provavelmente significa que a maioria ainda tem receio do crescimento da empresa ligado a uma possível queda do sistema de grandes estúdios, e o medo de perder o emprego. E tem toda aquela questão da preferência do filme ser exibido em salas de cinema do que na TV de casa. Obviamente que também preferimos que todos os filmes pudessem ser exibidos nos cinemas, mas não há espaço para todos. Então, entre não passar nos cinemas e passar na TV e alcançar um bom público, preferimos que chegue ao espectador! Sobre as chances de O Irlandês, temos absoluta certeza de que se ele tivesse sido exibido nos cinemas comerciais de todo o mundo, ele seria o franco-favorito do Oscar.

PODCAST

Pela primeira vez, lançamos um episódio de podcast. Mas calma! Não se animem tanto, pois foi um trabalho extremamente amador. Se você nunca ouviu um podcast, pode ser que sua experiência seja menos dolorosa kk Agora, se já conhece, você aguenta uns 5 minutos no máximo!

Estamos buscando novas alternativas para o blog, a página do Facebook e o Instagram @cinemaoscareafins . Vamos ver até onde isso vai dar! Desde já, agradecemos o seu apoio! É muito importante pra nós!

SEGUNDO ANO DE OSCAR SEM HOST

A audiência da edição passada teria crescido um pouco em relação ao ano anterior, ou pelo menos se estabilizada, mas a justificativa teria sido a curiosidade do público em saber como seria uma cerimônia do Oscar sem um host, algo que não acontecia desde a década de 80. Mas e agora neste segundo ano sem host? A curiosidade já passou, mas aparentemente o público se dividiu sobre a ausência de um apresentador.

Nossa opinião sempre foi clara desde o início: preferimos um host, uma hostess ou até mais de um host, contanto que haja um. Não que seja algo essencial para o Oscar, mas havendo um bom host (tem que saber escolher bem), ele ou ela vai saber brincar com os filmes indicados de uma forma leve ou até meio ácida, fazer aquela ponte entre os filmes e os acontecimentos da atualidade, dar unidade à cerimônia de três horas, evitar dar mais espaço para os apresentadores dos prêmios que costumam vir com aquela piadinha rala e sem graça antes de abrir o envelope, e, se o host (ess) se sair bem, será mais um assunto pra conversa do dia seguinte entre colegas e amigos.

Em nossa humilde opinião, a última edição do Oscar só começou a ficar interessante a partir da apresentação de “Shallow” de Bradley Cooper e Lady Gaga. Antes estava tudo muito mecânico: entram apresentadores, piadinha, “e o Oscar vai para…”. Isso um Powerpoint já resolvia bem.

No ano passado, na ausência de um host, a Academia trouxe a banda Queen pra abrir o evento ao vivo, com Adam Lambert fazendo cover. Este ano, os organizadores da cerimônia, decidiram apostar na nova sensação da música Billie Eilish, que recentemente venceu os 4 principais Grammys. Ainda não se sabe qual música ela vai cantar, mas entendemos que a Academia está buscando atrair um público mais jovem para a transmissão.

Billie Eilish

Billie Eilish no Oscar 2020

92ª EDIÇÃO: O QUE PODE ACONTECER

1º filme em língua estrangeira a ganhar Melhor Filme
Sim, Parasita pode se tornar o primeiro filme todo legendado a levar o prêmio principal da noite. Claro que as chances ficaram pequenas após as vitórias de 1917 no PGA e no DGA, mas as vitórias expressivas do filme sul-coreano no sindicato de montadores e de atores (SAG) podem causar uma reviravolta de última hora.

1º filme da Netflix a ganhar Melhor Filme
Ainda na mesma luta de Roma, os filmes O Irlandês e História de um Casamento representam duas chances do estúdio de streaming a conquistar o prêmio pela primeira vez. Apesar de agora contar com o apoio importante de nomes como Martin Scorsese, Robert De Niro e Al Pacino, ainda existe uma parte conservadora muito grande na Academia que considera a Netflix o fim dos cinemas como os conhecemos hoje.

1ª vitória da Coréia do Sul
Parasita pode ser o responsável por seis conquistas inéditas na história do Oscar, já que é o primeiro filme coreano que participa da premiação em 92 anos. Então o filme pode fincar a bandeira do país asiático em seis categorias: Filme, Diretor, Roteiro Original, Montagem, Design de Produção e Filme Internacional. Além disso, o documentário-curta coreano In the Absence pode se tornar o primeiro a vencer na categoria.

MELHOR FILME

  • FORD VS FERRARI (Ford V Ferrari)
  • O IRLANDÊS (The Irishman)
  • JOJO RABBIT (Jojo Rabbit)
  • CORINGA (Joker)
  • ADORÁVEIS MULHERES (Little Women)
  • HISTÓRIA DE UM CASAMENTO (Marriage Story)
  • 1917 (1917)
  • ERA UMA VEZ EM… HOLLYWOOD (Once Upon a Time… in Hollywood)
  • PARASITA (Gisaengchung)

DEVE GANHAR: Parasita
DEVERIA GANHAR: Parasita
SE ROLAR, É ZEBRA: Ford vs Ferrari

NÃO RECEBEU O CONVITE: Jóias Brutas (Uncut Gems)

Parasite sag

A família Kim de Parasita (pic by IMDb)

Sim, vamos apostar alto, e com todas as nossas fichas para a quebra de tabu. Parasita vai vencer o Oscar de Melhor Filme e se tornar o primeiro filme em língua estrangeira na história da Academia… na segunda-feira, a gente volta aqui com o rabinho entre as pernas e diz: “A gente se empolgou demais” kkk

MELHOR DIREÇÃO

  • Martin Scorsese (O Irlandês)
  • Todd Phillips (Coringa)
  • Sam Mendes (1917)
  • Quentin Tarantino (Era Uma Vez em… Hollywood)
  • Bong Joon Ho (Parasita)

DEVE GANHAR: Sam Mendes (1917)
DEVERIA GANHAR: Bong Joon Ho (Parasita)
SE ROLAR, É ZEBRA: Todd Phillips (Coringa)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Benny e Josh Safdie (Jóias Brutas)

Sam Mendes 1917 2

Sam Mendes passa instruções para seus atores Dean-Charles Chapman e George McKay em set de 1917 (pic by OutNow,CH)

Depois da vitória de Mendes no DGA, ficou bem difícil pra qualquer outro indicado. São apenas sete divergências entre o DGA e a Academia. E Sam Mendes se encaixa no perfil “experiência cinematográfica” dos vencedores recentes Alejandro G. Iñárritu e Alfonso Cuarón.

MELHOR ATRIZ

  • Cynthia Erivo (Harriet)
  • Scarlett Johansson (História de um Casamento)
  • Saoirse Ronan (Adoráveis Mulheres)
  • Charlize Theron (O Escândalo)
  • Renée Zellweger (Judy: Muito Além do Arco-Íris)

DEVE GANHAR: Renée Zellweger (Judy: Muito Além do Arco-Íris)
DEVERIA GANHAR: Renée Zellweger (Judy: Muito Além do Arco-Íris)
SE ROLAR, É ZEBRA: Saoirse Ronan (Adoráveis Mulheres)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Lupita Nyong’o (Nós), Jessie Buckley (As Loucuras de Rose)

Renée Zellwegger Judy 4

Renée Zellweger como Judy Garland em seu camarim (pic by OutNow.CH)

Infelizmente, a melhor performance do ano sequer foi indicada. Com Lupita Nyong’o fora do páreo, ficou mais fácil para Renée Zellweger conquistar sua segunda estatueta do Oscar, e a primeira como Atriz principal. Embora não apresente nada de muito novo, Zellweger incorpora a estrela da era de ouro de Hollywood, Judy Garland, com todos os trejeitos, e acaba se parecendo bastante com a figura real graças ao trabalho de maquiagem e de cabelo, além do figurino.

Depois de tantos anos na pele da Viúva Negra da Marvel, foi uma grata surpresa ver Scarlett Johansson mostrando seu talento num papel dramático mais profundo. Que venham mais projetos desse naipe para que ela continue sua ascensão menos comercial.

MELHOR ATOR

  • Antonio Banderas (Dor e Glória)
  • Leonardo DiCaprio (Era Uma Vez em… Hollywood)
  • Adam Driver (História de um Casamento)
  • Joaquin Phoenix (Coringa)
  • Jonathan Pryce (Dois Papas)

DEVE GANHAR: Joaquin Phoenix (Coringa)
DEVERIA GANHAR: Joaquin Phoenix (Coringa)
SE ROLAR, É ZEBRA: Jonathan Pryce (Dois Papas)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Adam Sandler (Jóias Brutas), Christian Bale (Ford Vs Ferrari)

Joaquin Phoenix Joker 2

Joaquin Phoenix fazendo sua pintura de guerra em Coringa (pic by OutNow.CH)

Claro que cada um tem direito a opinar, mas em nossa visão, teríamos Adam Sandler e Christian Bale nos lugares de Leonardo DiCaprio e Jonathan Pryce. De qualquer forma, independente de quais atores estivessem indicados, este é o ano de Joaquin Phoenix. Em seu histórico, temos três indicações sem vitória (sendo que já merecia ter levado por O Mestre em 2013), com o ator atingindo seu ápice como Coringa. A adaptação dos quadrinhos foi um sucesso nas bilheterias, o que proveu apoio popular na campanha do Oscar.

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

  • Kathy Bates (O Caso Richard Jewell)
  • Laura Dern (História de um Casamento)
  • Scarlett Johansson (Jojo Rabbit)
  • Florence Pugh (Adoráveis Mulheres)
  • Margot Robbie (O Escândalo)

DEVE GANHAR: Laura Dern (História de um Casamento)
DEVERIA GANHAR: Scarlett Johansson (Jojo Rabbit)
SE ROLAR, É ZEBRA: Kathy Bates (O Caso Richard Jewell)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Jennifer Lopez (As Golpistas), Taylor Russell (Waves)

Laura Dern Marriage Story 3

Laura Dern tirando seu casaco na corte em História de um Casamento (pic by IMDb)

Laura Dern está muito bem como a advogada Nora Fanshaw. Rouba todas as cenas em que está, porém são poucas as cenas. Assim, a personagem dela não tem tanta profundidade, mas certamente chama a atenção nos poucos minutos em que aparece.

MELHOR ATOR COADJUVANTE

  • Tom Hanks (Um Lindo Dia na Vizinhança)
  • Anthony Hopkins (Dois Papas)
  • Al Pacino (O Irlandês)
  • Joe Pesci (O Irlandês)
  • Brad Pitt (Era Uma Vez em… Hollywood)

DEVE GANHAR: Brad Pitt (Era Uma Vez em… Hollywood)
DEVERIA GANHAR: Joe Pesci (O Irlandês)
SE ROLAR, É ZEBRA: Tom Hanks (Um Lindo Dia na Vizinhança)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Willem Dafoe (O Farol), Song Kang Ho (Parasita), Shia LaBeouf (Honey Boy), Noah Jupe (Honey Boy)

Once

Brad Pitt como Cliff Booth em Era Uma Vez em… Hollywood (pic by OutNow.CH)

Uma categoria bastante disputada este ano, que facilmente poderia incluir Willem Dafoe ou Song Kang Ho. Embora Brad Pitt mal tenha suado a camisa (apenas a tirou em cima do telhado!), ele é o franco-favorito numa campanha que contou muito com seu carisma pessoal e o prestígio que ele tem perante seus companheiros de profissão, que certamente se perguntaram: “Como assim Brad Pitt não tem um Oscar de atuação ainda?”. E assim como nós, estamos ansiosos por mais um discurso bem humorado do ator.

Já em termos de atuação, ninguém melhor do que Joe Pesci, que rouba todas as suas cenas com um único olhar. Ao contrário de papéis anteriores, o ator está extremamente contido, trabalhando apenas com detalhes e nuances. Martin Scorsese merecia um prêmio só por ter resgatado este homem da aposentadoria.

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL

  • Entre Facas e Segredos, Rian Johnson
  • História de um Casamento, Noah Baumbach
  • 1917, Sam Mendes e Krysty Wilson-Cairns
  • Era Uma Vez em… Hollywood, Quentin Tarantino
  • Parasita, Bong Joon Ho e Han Jin Won

DEVE GANHAR: Bong Joon Ho e Han Jin Won (Parasita)
DEVERIA GANHAR: Bong Joon Ho e Han Jin Won (Parasita)
SE ROLAR, É ZEBRA: Rian Johnson (Entre Facas e Segredos)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Emily Halpern, Sarah Haskins, Susanna Fogel e Katie Silberman (Fora de Série)

parasite 2

Roteiro Original para Parasita, que venceu o BAFTA e o WGA (pic by OutNow.CH)

Até pouco tempo atrás, Tarantino era o grande favorito nesta categoria, já que não levaria o prêmio como diretor. Contudo, com a ascensão de Sam Mendes, que venceu o DGA, o prêmio de Roteiro Original foi a forma encontrada para que Bong Joon Ho não saísse da noite sem nenhum prêmio individual (o Oscar de Filme Internacional seria para a Coréia do Sul). Essa tendência começou no sindicato de Roteiristas (WGA) e perdurou até o BAFTA.

Retiraríamos o roteiro previsível e repleto de artifícios de 1917 e colocaríamos o roteiro da comédia juvenil Fora de Série (Booksmart). Temos certeza de que, assim como os filmes de terror, os filmes teenagers sofrem enorme preconceito da Academia, que enxerga o filme de estréia de Olivia Wilde como uma comédia bobinha.

Se houvesse uma surpresa na categoria, seria bacana ver Rian Johnson subir ao palco pelo roteiro de Entre Facas e Segredos. Ele ressuscita o subgênero do “Quem Matou?” com muita elegância e humor. E seria bacana pra mostrar à Disney que Johnson é bom demais pra Star Wars.

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO

  • O Irlandês, Steven Zaillian
  • Jojo Rabbit, Taika Waititi
  • Coringa, Todd Phillips, Scott Silvers
  • Adoráveis Mulheres, Greta Gerwig
  • Dois Papas, Anthony McCarten

DEVE GANHAR: Taika Waititi (Jojo Rabbit)
DEVERIA GANHAR: Steven Zaillian (O Irlandês)
SE ROLAR, É ZEBRA: Anthony McCarten (Dois Papas)

NÃO RECEBEU O CONVITE: J.C. Lee e Julius Onah (Luce)

jojo rabbit 2

Roteiro Adaptado para Jojo Rabbit, que venceu o BAFTA e o WGA (pic by OutNow.CH)

Até pouco tempo atrás, nossa aposta segura para Roteiro Adaptado era Greta Gerwig, mas depois do WGA e BAFTA concederem o prêmio para Taika Waititi, temos nossas dúvidas. Além dos prêmios, se Taika perder, existe um sério risco de Jojo Rabbit não levar nada na noite, enquanto Adoráveis Mulheres, já tem um Oscar praticamente garantido de Figurino. Claro que não é a mesma coisa, mas deixaria de ser um filme indicado ao Oscar para ser um filme vencedor do Oscar.

Por outro lado, existe toda uma política para que Greta vença como Roteiro Adaptado. Primeiramente, depois dos protestos sobre a ausência de mulheres na categoria de Direção, muitos votantes se sentiram obrigados a “compensar” isso ao elegê-la como a melhor roteirista. Mas claro que essa estratégia não tem nada combinado oficialmente, ainda mais numa instituição com cerca de 8 mil membros. Será que a maioria das mulheres vai realmente votar em Greta Gerwig? Até o momento, seu filme passa longe de ser uma unanimidade no quesito roteiro…

MELHOR FOTOGRAFIA

  • O Irlandês, Rodrigo Prieto
  • Coringa, Lawrence Sher
  • O Farol, Jarin Blaschke
  • 1917, Roger Deakins
  • Era Uma Vez em… Hollywood, Robert Richardson

DEVE GANHAR: Roger Deakins (1917)
DEVERIA GANHAR: Roger Deakins (1917) ou Jarin Blaschke (O Farol)
SE ROLAR, É ZEBRA: Rodrigo Prieto (O Irlandês)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Phedon Papamichael (Ford Vs Ferrari), Jasper Wolf (Monos)

038

Roger Deakins em set de 1917 com uma equipe de filmagem maior que muito elenco (pic by OutNow.CH)

Se fotografia fosse apenas iluminação e enquadramento, este Oscar seria de Jarin Blaschke. Num preto-e-branco soberbo, com formato praticamente quadrado, sua fotografia ajuda a situar e narrar a história dos dois marinheiros em O Farol. Mas quando entra o quesito movimento de câmera também, Roger Deakins mostra porque é o melhor diretor de fotografia vivo.

Em seu trabalho, temos beleza plástica, com cores e enquadramentos, movimentação de todos os tipos, e com gruas especiais. É uma fotografia extremamente pensada, planejada e executada à perfeição. Deakins prova para todos os outros diretores de fotografia que ele ainda consegue se superar. Segundo Oscar merecidíssimo.

MELHOR MONTAGEM

  • Ford Vs Ferrari, Andrew Buckland e Michael McCusker
  • O Irlandês, Thelma Schoonmaker
  • Jojo Rabbit, Tom Eagles
  • Coringa, Jeff Groth
  • Parasita, Jinmo Yang

DEVE GANHAR: Parasita
DEVERIA GANHAR: Parasita
SE ROLAR, É ZEBRA: Coringa

NÃO RECEBEU O CONVITE: Benny Safdie e Ronald Bronstein (Joias Brutas)

Parasite 3

O plano do pêssego exemplifica o melhor da montagem de Parasita (pic by IMDb)

Com um roteiro bastante preciso como o de Parasita, fica um pouco mais fácil observar o trabalho de montagem de Jinmo Yang, que entrelaça linhas temporais com cortes sutis. Na sequência do plano do pêssego, vemos como a montagem funciona à perfeição.

O trabalho de montagem de Thelma Schoonmaker em O Irlandês deve ter sido o mais trabalhoso. Pra chegar num corte final de três horas e meia, imaginamos o quanto de material bruto ela não teve que lapidar. Com a edição dela, a duração do filme parece cair uma hora. Mas pra muitos, aquela meia hora final ficou um pouco arrastada.

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

  • O Irlandês, Bob Shaw e Regina Graves
  • Jojo Rabbit, Ra Vincent e Nora Sopková
  • 1917, Dennis Gassner e Lee Sandales
  • Era Uma Vez em… Hollywood, Barbara Ling e Nancy Haigh
  • Parasita, Lee Ha Jun e Cho Won Woo

DEVE GANHAR: Era Uma Vez em… Hollywood
DEVERIA GANHAR: Parasita
SE ROLAR, É ZEBRA: O Irlandês

NÃO RECEBEU O CONVITE: Dor e Glória, Midsommar

Once Upon 3

Cena entre Brad Pitt e Leo DiCaprio em Era Uma Vez em… Hollywood com a direção de arte de Barbara Ling (pic by OutNow.CH)

Claro que é muito nítido o trabalho de recriação de direção de arte de Era Uma Vez em… Hollywood, pois a Los Angeles volta para o final dos anos 60, e temos o estúdio de cinema em que o protagonista, vivido por Leonardo DiCaprio, atua num western.

Apesar da mansão da família Park ser um personagem à parte, o trabalho de direção de arte de Parasita é muito sutil no bairro mais humilde da família Kim. Fazer com que tudo pareça locação é uma tarefa mais complicada, ainda mais quando há uma enchente.

MELHOR FIGURINO

  • O Irlandês, Christopher Peterson e Sandy Powell
  • Jojo Rabbit, Mayes C. Rubeo
  • Coringa, Mark Bridges
  • Adoráveis Mulheres, Jacqueline Durran
  • Era Uma Vez em… Hollywood, Arianne Phillips

DEVE GANHAR: Adoráveis Mulheres
DEVERIA GANHAR: Adoráveis Mulheres
SE ROLAR, É ZEBRA: O Irlandês

NÃO RECEBEU O CONVITE: Midsommar, Meu Nome é Dolemite, Rocketman

Little W

A típica cena pra garantir uma indicação ao Oscar de figurino em Adoráveis Mulheres (pic by OutNow.CH)

Não sei o que houve nessa categoria. Tudo bem, entendemos que os uniformes dos nazistas em Jojo Rabbit passaram por modificações para se adequarem ao ponto de vista infantil do protagonista, mas nos parece um exagero toda essa atenção.

O próprio trabalho de figurino de Jacqueline Durran em Adoráveis Mulheres não é dos melhores. Ele se destaca por ser de época, mas de longe, parece meio genérico. Citamos aí acima três trabalhos melhores de figurino que esqueceram de indicar nesta categoria. O comitê de Figurinistas da Academia, que seleciona os indicados, pisaram feio na bola este ano.

MELHOR MAQUIAGEM E CABELO

  • O Escândalo, Kazu Hiro, Anne Morgan e Vivian Baker
  • Coringa, Nicki Ledermann e Kay Georgiou
  • Judy: Muito Além do Arco-Íris, Jeremy Woodhead
  • Malévola: Dona do Mal, Paul Gooch, Arjen Tuiten e David White
  • 1917, Naomi Donne, Tristan Versluis e Rebecca Cole

DEVE GANHAR: O Escândalo
DEVERIA GANHAR: O Escândalo
SE ROLAR, É ZEBRA: Malévola: Dona do Mal

NÃO RECEBEU O CONVITE: Rocketman

Bombshell

Charlize Theron e John Lithgow em cena de O Escândalo (pic by OutNow.CH)

Esta é a primeira vez na história que a categoria possui 5 indicados, mas mesmo assim está difícil selecionar um que realmente mereça o prêmio. A maquiagem de Kazu Hiro em O Escândalo é a que mais chamou a atenção até o momento pela transformação de Charlize Theron na âncora da Fox News Megyn Kelly. O rosto da atriz passou por algumas técnicas para abaixar a linha dos olhos dela e uso de prótese. Se for pra premiar com o Oscar quem deixou a Charlize Theron estranha à perfeição, deveriam ter dado o Oscar para o maquiador de Monster (2003).

No campo da sutileza, preferimos o trabalho de maquiagem em Renée Zellweger para se tornar Judy Garland. São alguns detalhes que fizeram toda a diferença.

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL

  • Coringa, Hildur Guðnadóttir
  • Adoráveis Mulheres, Alexandre Desplat
  • História de um Casamento, Randy Newman
  • 1917, Thomas Newman
  • Star Wars: A Ascensão Skywalker, John Williams

DEVE GANHAR: Coringa
DEVERIA GANHAR: Coringa
SE ROLAR, É ZEBRA: Star Wars: A Ascensão Skywalker

NÃO RECEBEU O CONVITE: Michael Abels (Nós), Daniel Lopatin (Jóias Brutas), Dan Levy (Perdi Meu Corpo), Mica Levi (Monos)

Joker

A cena de transformação no banheiro elevada pela trilha musical (pic by OutNow.CH)

É triste vermos um bom compositor como Thomas Newman indicado 15 vezes sem nunca ter levado o Oscar. Será mesmo que nas 15 vezes ele não merecia? Em nossa opinião, o melhor trabalho dele foi em Beleza Americana, sua 4ª indicação. O que prejudicou um pouco sua campanha foi o destaque que Sam Mendes deu à música em determinadas cenas, fazendo soar como um mero artifício emocional.

Por outro lado, a trilha de Hildur Guðnadóttir consegue crescer com o filme Coringa, e colabora demais com a atuação de seu protagonista Arthur Fleck (Joaquin Phoenix), exemplificada na cena do banheiro (ouça um pouco em nosso podcast!).

E apesar de gostarmos das trilhas de John Williams e Randy Newman, consideramos outras opções como Michael Abels em Nós e Daniel Lopatin em Joias Brutas.

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

  • “I Can’t Let You Throw Yourself Away”, Toy Story 4 (escrita por Randy Newman)
  • “I’m Gonna Love Again”, Rocketman (escrita por Elton John e Bernie Taupin)
  • “I’m Standing With You”, Superação: O Milagre da Fé (escrita por Diane Warren)
  • “Into the Unknown”, Frozen 2 (escrita por Kristen Anderson-Lopez e Robert Lopez)
  • “Stand Up”, Harriet (escrita por Cynthia Erivo e Joshuah Brian Campbell)

DEVE GANHAR: “I’m Gonna Love Me Again”(Rocketman)
DEVERIA GANHAR: “I’m Gonna Love Me Again”(Rocketman)
SE ROLAR, É ZEBRA: “I Can’t Let You Throw Yourself Away”(Toy Story 4)

NÃO RECEBEU O CONVITE: “Glasgow (No Place Like Home)” de As Loucuras de Rose

rocketman

Taron Egerton em cena de Rocketman, indicado a Melhor Canção Original (pic by OutNow.CH)

O Oscar de Melhor Canção para Toy Story 3 já havia sido um pouco exagerado, pois se parecia com a canção do primeiro filme, mas naquele ano, a concorrência estava abaixo da média. Portanto, não entendemos a indicação da canção desse Toy Story 4… que poderia ter cedido espaço para a canção de As Loucuras de Rose, e de quebra dar aquela força para a atriz Jessie Buckley, que canta a canção na última sequência do filme.

Apesar da força da canção “Stand Up” de Harriet, e toda a polêmica envolvendo a recusa de Cynthia Erivo cantar no BAFTA em protesto, acreditamos que a Academia prefere Elton John levando seu segundo Oscar da carreira por seu filme autobiográfico Rocketman.

MELHOR MIXAGEM DE SOM

  • Ad Astra, Gary Rydstrom, Tom Johnson e Mark Ulano
  • Ford Vs Ferrari, Paul Massey, David Giammarco, Steven Morrow
  • Coringa, Tom Ozanich, Dean A. Zupancic e Tod A. Maitland
  • 1917, Mark Taylor e Stuart Wilson
  • Era Uma Vez em… Hollywood, Michael Minkler, Christian P. Minkler e Mark Ulano

DEVE GANHAR: Ford vs Ferrari
DEVERIA GANHAR: 1917
SE ROLAR, É ZEBRA: Coringa

NÃO RECEBEU O CONVITE: Vingadores: Ultimato

Ford v Ferrari

Christian Bale e Matt Damon em Ford vs Ferrari (pic by OutNow.CH)

Pra quem conferiu Ford vs Ferrari numa boa sala de cinema, sabe que o som te transporta diretamente para os autódromos das corridas. Embora o filme tenha boas chances de levar o Oscar de Montagem, acreditamos que se o filme da Disney/Fox levar um Oscar, este será de Melhor Som.

MELHORES EFEITOS SONOROS

  • Ford Vs Ferrari, Donald Sylvester
  • Coringa, Alan Robert Murray
  • 1917, Oliver Tarney, Rachael Tate
  • Era Uma Vez em… Hollywood, Wylie Stateman
  • Star Wars: A Ascensão Skywalker, Matthew Wood, David Acord

DEVE GANHAR: 1917
DEVERIA GANHAR: 1917
SE ROLAR, É ZEBRA: Star Wars: A Ascensão Skywalker

NÃO RECEBEU O CONVITE: John Wick 3: Parabellum

1917

Sequência da trincheira em 1917 (pic by OutNow.CH)

Dunkirk, Mad Max: Estrada da Fúria e Sniper Americano são alguns dos últimos vencedores desta categoria. Se você ouvir muitos tiros ou explosões no filme, aposte suas fichas neste filme.  No caso, os melhores efeitos foram de 1917. Pra quem conseguiu conferir o filme numa sala de cinema com sistema de som profissional como o THX, com certeza pulou da poltrona a cada tiro (como eu e o senhor do meu lado fizemos).

MELHORES EFEITOS VISUAIS

  • Vingadores: Ultimato, Dan DeLeeuw, Russell Earl, Matt Aitken e Daniel Sudick
  • O Irlandês, Pablo Helman, Leandro Estebecorena, Nelson Sepulveda, Stephen Grabli
  • O Rei Leão, Robert Legato, Adam Valdez, Andrew R. Jones, Elliot Newman
  • 1917, Guillaume Rocheron, Greg Butler, Dominic Tuohy
  • Star Wars: A Ascensão Skywalker, Neal Scanlan, Patrick Tubach, Dominic Tuohy e Roger Guyett

DEVE GANHAR: 1917
DEVERIA GANHAR: O Rei Leão
SE ROLAR, É ZEBRA: Star Wars: A Ascensão Skywalker

NÃO RECEBEU O CONVITE: Alita: Anjo de Combate

1917 VFX

Os bonecos de corpos em decomposição fazem parte dos efeitos visuais, além das transições sutis de cortes de 1917 (pic by OutNow.CH)

Acho que a Academia mudou um pouco o perfil dos vencedores desta categoria. Antes, tudo que saltava aos olhos ganhava o Oscar de Efeitos Especiais. Hoje eles buscam um perfil mais discreto e mais eficiente para a narrativa, como os últimos vencedores Ex-Machina e O Primeiro Homem. Então, nesse aspecto, 1917 tem as maiores chances de vitória, embora os efeitos de O Rei Leão serem impressionantes pelo realismo dos animais.

MELHOR DOCUMENTÁRIO

  • Indústria Americana, Steven Bognar, Julia Reichert e Jeff Reichert
  • The Cave, Feras Fayyad, Kirstine Barfod e Sigrid Dyekjær
  • Democracia em Vertigem, Petra Costa, Joanna Natasegara, Shane Boris e Tiago Pavan
  • For Sama, Waad Al-Kateab e Edward Watts
  • Honeyland, Ljubomir Stefanov, Tamara Kotevska e Atanas Georgiev

DEVE GANHAR: Honeyland
DEVERIA GANHAR: Honeyland
SE ROLAR, É ZEBRA: The Cave

NÃO RECEBEU O CONVITE: Apollo 11, One Child Nation, Virando a Mesa do Poder

Honeyland

Cenas belíssimas de Honeyland e sua narrativa ficcional (pic by OutNow.CH)

Todos retratam e analisam muito bem suas temáticas aqui, sem sombra de dúvidas. Porém, Honeyland faz isso com beleza plástica (a fotografia, que levou três anos, ganhou o prêmio Spotlight do sindicato de diretores de fotografia) e ainda aplica uma narrativa que beira a ficção para analisarmos como o Capitalismo é destrutivo no ecossistema.

Mas se o Oscar considerar que um voto para Indústria Americana for um voto para os Obamas, que produziram este documentário, então teremos a produção da Netflix vencendo aqui.

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA

  • In the Absence, Seung-jun Yi e Gary Byung-Seok Kam
  • Learning to Skateboard in a Warzone (If You’re a Girl), Carol Dysinger e Elena Andreicheva
  • A Vida em Mim, Kristine Samuelson, John Haptas
  • St. Louis Superman, Sami Khan, Smriti Mundhra
  • Walk Run Cha-Cha, Laura Nix, Colette Sandstedt

DEVE GANHAR: Learning to Skateboard in a Warzone (If You’re a Girl)
DEVERIA GANHAR: In the Absence
SE ROLAR, É ZEBRA: A Vida em Mim

Learning to Skateboard

Cena de Learning to Skateboard in a War Zone (If You’re a Girl). Pic by IMDb

Crianças oprimidas por uma dura realidade é um prato cheio nesta categoria, e um voto da Academia é considerado um apoio às causas humanitárias. Além disso, o BAFTA e o Festival de Tribeca já premiaram este curta há pouco tempo.

O retrato de uma tragédia nos mares da Coréia do Sul expõe uma grande insatisfação com o governo e sua burocracia estúpida no ótimo documentário In the Absence, que pode surpreender aqui.

MELHOR CURTA-METRAGEM

  • Brotherhood, Meryam Joobeur e Maria Gracia Turgeon
  • Nefta Football Club, Yves Piat e Damien Megherbi
  • The Neighbors’ Window, Marshall Curry
  • Saria, Bryan Buckley e Matt Lefebvre
  • A Sister, Delphine Girard

DEVE GANHAR: The Neighbors’Window
DEVERIA GANHAR: Brotherhood
SE ROLAR, É ZEBRA: Saria

My Neighbors window

My Neighbors’ Window (pic by IMDb)

Brotherhood tem a história mais intensa dos cinco indicados e também é o mais bem filmado. Porém, em se tratando de curtas, o pessoal da Academia curte bastante uma virada com tom de moral no final. Basta lembrarmos do último vencedor da categoria Skin, para votarmos em My Neighbors’ Window.

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO

  • Dcera (Daughter), Daria Kashcheeva
  • Hair Love, Matthew A. Cherry, Karen Rupert Toliver
  • Kitbull, Rosana Sullivan e Kathryn Hendrickson
  • Mémorable, Bruno Collet e Jean-François Le Corre
  • Sister, Siqi Song

DEVE GANHAR: Hair Love
DEVERIA GANHAR: Mémorable
SE ROLAR, É ZEBRA: aqui qualquer um pode ganhar

Hair Love

Curta de animação Hair Love com a dublagem de Issa Rae (pic by IMDb)

Alguns preconceitos nesta categoria ainda perduram. Muitos consideram que a melhor animação é aquela mais colorida e fofinha, de preferência com personagens infantis ou animais. Por isso mesmo, consideramos Hair Love e KitBull como os favoritos. Não que sejam necessariamente inferiores, mas pra quem viu Mémorable, sabe que ali tem qualidade técnica impressionante e emoções mais sutis.

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Como Treinar o seu Dragão 3 (How to Train Your Dragon: The Hidden World), Dean DeBlois, Bradford Lewis e Bonnie Arnold
  • Perdi Meu Corpo (J’ai Perdu Mon Corps), Jérémy Clapin e Marc Du Pontavice
  • Klaus (Klaus), Sergio Pablos, Jinko Gotoh e Marisa Roman
  • Link Perdido (Missing Link), Chris Butler, Arianne Sutner e Travis Knight
  • Toy Story 4 (Toy Story 4), Josh Cooley, Mark Nielsen e Jonas Rivera

DEVE GANHAR: Klaus
DEVERIA GANHAR: Klaus
SE ROLAR, É ZEBRA: Como Treinar o seu Dragão 3

NÃO RECEBEU O CONVITE: O Tempo com Você, de Makoto Shinkai

Klaus

Cena de Klaus, da Netflix (pic by OutNow.CH)

Você sabia que um 2/3 dos 19 Oscars de Animação foi pra Disney ou Pixar? Claro que a maioria desses prêmios foi super merecida como Os Incríveis, Ratatouille e Wall-E, mas nem sempre eles entregam o melhor trabalho de animação. Neste ano, a Disney veio de Frozen 2, e a Pixar de Toy Story 4, duas sequências de franquias.  E a má recepção da sequência de Frozen a tirou da disputa.

Klaus pode não ser um trabalho formidável, principalmente em termos de criatividade no roteiro, mas ele emociona tão bem quanto os melhores trabalhos da Pixar. E o BAFTA e o Annie Awards concordam com isso, tanto que deram o prêmio de animação para Klaus. Um Oscar para Klaus definitivamente colocaria a Netflix no mapa da animação.

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

  • Corpus Christi – POLÔNIA
  • Honeyland – MACEDÔNIA DO NORTE
  • Os Miseráveis (Les Miserábles) – FRANÇA
  • Dor e Glória (Dolor y GLoria) – ESPANHA
  • Parasita (Gisaengchung) – CORÉIA DO SUL

DEVE GANHAR: Parasita
DEVERIA GANHAR: Parasita
SE ROLAR, É ZEBRA: Corpus Chisti

NÃO RECEBEU O CONVITE: Monos (Colômbia)

Parasite_Filmstill1

Cena do WiFi de Parasita (Pic by CineImage.ch)

Ao lado do prêmio para Joaquin Phoenix como Melhor Ator, este prêmio de Melhor Filme Internacional é daqueles com 99,99% de certeza para o filme sul-coreano. Claro que o filme de Almodóvar, Dor e Glória, é belo e poético, mas é inegável a unanimidade de Parasita nesta categoria desde sua vitória da Palma de Ouro em Cannes. Esta é a primeira indicação para a Coréia do Sul e tudo leva a crer que será de cara a primeira vitória também.

Mais do que uma simples vitória de Oscar, Parasita conseguiu o feito de puxar o olhar do mundo para o cinema de seu país, que vinha de uma ascensão desde o início dos anos 2000 com filmes como OldBoy (2003), Casa Vazia (2004), O Hospedeiro (2006), A Criada (2016) e Em Chamas (2018).

É uma pena que não houve espaço para um filme da América da Latina, especialmente da Colômbia, que também está em franca ascensão com os filmes de Ciro Guerra, e agora Alejandro Landes e seu sufocante Monos.


A 92ª cerimônia do Oscar acontece a partir das 22h na TNT e… no GloboPlay, e sei lá quando depois do BBB na Globo.

OSCAR 2020: INDICADOS a MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

27th Annual Elton John AIDS Foundation Academy Awards Viewing Party Sponsored By IMDb And Neuro Drinks Celebrating EJAF And The 91st Academy Awards - Inside

Elton John com Taron Egerton numa apresentação especial (pic by Adoro Cinema)

HORA DE CONHECER AS CINCO CANÇÕES INDICADAS AO OSCAR

Embora muitos dos espectadores que assistem ao Oscar utilizem as apresentações das músicas para fazer aquele break para o banheiro ou para buscar aquele snack na geladeira, sempre existem aqueles que amam as performances dos artistas.

Dentre as canções esnobadas que vinham sendo reconhecidas na temporada estão “Spirit” (O Rei Leão), “Beautiful Ghosts” (Cats) e “Speechless” (Aladdin), mas foi a ausência de “Glasgow (No Place Like Home)” do filme As Loucuras de Rose que realmente nos deixou decepcionadíssimos. Uma canção leve, bonita e que carrega todo o espírito do filme britânico sobre uma mulher que sonha em cantar em Nashville. A Academia perdeu uma excelente oportunidade de “compensar” a esnobada atriz Jessie Buckley ao dar a chance de ela se apresentar no palco. Uma pena. Vamos colocar o link dela no final do post para aqueles que se interessaram.

Voltando aos indicados deste ano, os cinco que vão se apresentar já confirmaram presença e já devem estar ensaiando para a cerimônia do dia 09 de Fevereiro. Conheça um pouco sobre as canções que estão concorrendo ao prêmio, vencido por “Shallow” no ano passado.

“I Can’t Let You Throw Yourself Away”  (Toy Story 4)
Música e letras por Randy Newman

Dos cinco indicados, esta foi a maior surpresa da categoria, pois a canção não vinha figurando em nenhuma lista de canções até aquele momento. Curiosamente, com esta indicação, todos os quatro filmes de Toy Story receberam indicações ao Oscar: “You’ve Got a Friend in Me” (Toy Story), “When She Loved Me” (Toy Story 2), “We Belong Together” (Toy Story 3) – que acabou levando o Oscar pelo mesmo Randy Newman – e esta nova canção. Claro que a canção é fofinha e animada como a anterior, mas ainda não entendemos essa indicação. As chances de vitória são mínimas.

“(I’m Gonna) Love Me Again” (Rocketman)
Música por Elton John e letras por Bernie Taupin

Apesar do clima triste presente em muitas cenas envolvendo família, a canção casa perfeitamente com as sequências oníricas e coloridas. E como o próprio Taupin disse, “não se trata de apenas mais uma canção de Elton John, mas uma canção feita para seu filme autobiográfico”. Entre os prêmios mais importantes, já levou o Globo de Ouro e o Critics’ Choice Awards. Com esta única indicação para Rocketman (merecia Melhor Ator, Figurino e Maquiagem), a canção pode ganhar mais força na votação. Vale lembrar que Elton John já ganhou um Oscar em 1995 pela canção “Can You Feel the Love Tonight” de O Rei Leão. E embora nada tenha sido confirmado ainda, existe a possibilidade do ator Taron Egerton, que interpretou Elton John, acompanhá-lo na apresentação no palco, o que seria gratificante para o ator, que foi esnobado.

“I’m Standing With You” (Superação: O Milagre da Fé)
Música e letras por Diane Warren. A atriz Chrissy Metz cantará a canção.

Dentre os recordistas de indicações de artistas sem vitória, temos a compositora Diane Warren que, este ano, recebeu sua 11ª indicação por Superação: O Milagre da Fé. Trata-se de uma adaptação de um livro sobre uma mãe que ora para que seu filho de 14 anos sobreviva a um afogamento. Praticamente todos os anos, a Academia gosta de indicar uma canção nesse estilo mais religioso ou espiritual, mas uma vitória aqui seria, com o perdão da palavra, um milagre. Warren teve seu auge nos anos 90 com as canções “Because You Loved Me”, “How do I Live” e “I Don’t Want to Miss a Thing”.

“Into the Unknown” (Frozen 2)
Música e letras por Kristen Anderson-Lopez e Robert Lopez. Cantada por Idina Menzel e Aurora

Definitivamente não tem a mesma pegada de “Let it Go” do primeiro filme, mas os compositores Kristen Anderson-Lopez e Robert Lopez são bons nesse ofício. Já ganharam dois Oscars, por Frozen e Viva: A Vida é uma Festa (Remember Me”), sem contar toda a longeva tradição das canções da Disney no Oscar. Alguns podem votar na canção para compensar a ausência de Frozen 2 na categoria de Longa de Animação, mas acreditamos que não será o suficiente. Esperamos que desta vez, pelo menos, acertem o nome da Idina Menzel antes de ela se apresentar, principalmente se for John Travolta.

“Stand Up” (Harriet)
Música e letras por Joshuah Brian Campbell e Cynthia Erivo

Não sei se vocês vão se lembrar, mas esta canção muito lembra “Mighty River”, cantada pela também indicada ao Oscar Mary J. Blige pelo drama Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississippi, que concorreu como Melhor Canção em 2018. Ambas são provenientes de filmes sobre escravidão, porém Harriet se passa no século XIX. Já considerávamos esta canção uma das favoritas ao prêmio, mas sua campanha ganhou mais força ainda quando Cynthia Erivo se recusou a apresentar a canção na cerimônia do BAFTA, quando a organização tentou “compensar” a falta de atores negros indicados nas categorias de atuação. Embora um pouco radical, sua decisão andou repercutindo nessa reta final do Oscar, e agora resta saber se vai gerar consequências positivas. E já que as chances de Erivo levar Melhor Atriz, pode ser que ela leve pela canção. De qualquer forma, “Stand Up” é uma bela canção. Pena que a personagem não canta durante o filme.

A 92ª cerimônia do Oscar acontece no dia 09 de Fevereiro, a partir das 22h (horário de Brasília)


E como prometido, o link de “Glasgow (No Place Like Home)”:

BOLÃO do OSCAR 2020!!

BOLÃO OSCAR 2020

Prêmios do Bolão Oscar 2020: 1 blu-ray de Toy Story 4, 1 DVD de Quanto Mais Quente Melhor e O Livro de Cinema

A página CINEMA, OSCAR E AFINS traz pelo segundo ano consecutivo o BOLÃO do OSCAR. Em 2019, contamos com quase 700 inscritos pelo Brasil, e na ocasião, o vencedor acertou 19 das 24 categorias.

O regulamento está no cabeçalho do formulário (no link abaixo), mas é importante destacar que o participante deverá:

1. CURTIR a nossa página do Facebook (se já segue, certifique-se que CURTE) E/OU SEGUIR o nosso perfil no INSTAGRAM @cinemaoscareafins (Caso vc ganhe e não tenha cumprido este item, o segundo lugar ganha o bolão)

2. Não esqueça de PREENCHER seu NOME COMPLETO e ENDEREÇO de E-MAIL no formulário, pois é a forma mais fácil de contatá-lo(a) em caso de vitória

3. Maior número de acertos nas 24 categorias VENCE o BOLÃO. Em caso de EMPATE, vence quem postou PRIMEIRO e claro, CUMPRIU o REGULAMENTO.

Adoraremos se você marcar, indicar ou recomendar este bolão para amigos, parentes, namorados e ficantes, pois nos ajuda muito a divulgar o nosso trabalho!

Este ano, os prêmios para o vencedor são:
1 BLU-RAY do filme TOY STORY 4
1 DVD do filme QUANTO MAIS QUENTE MELHOR (Some Like it Hot)
1 ENCICLOPÉDIA intitulada O LIVRO DO CINEMA, da editora GLOBO LIVROS

Divulgaremos o mais breve possível o vencedor ou vencedora.
Boa sorte e um ótimo Oscar para todos!

FORMULÁRIO DO BOLÃO DO OSCAR 2020

Aceitaremos o envio dos formulários até o dia 09 de fevereiro às 16h (horário de Brasília). A 92ª cerimônia do Oscar será no dia 09/02 a partir das 22h, e será transmitida pela TNT.

 

%d blogueiros gostam disto: