‘Trapaça’ sai na frente com o SAG de Melhor Elenco rumo ao Oscar 2014

Bradley Cooper encabeça elenco de Trapaça e agradece David O. Russell (photo by jenniferlawrencedaily.tumblr.com)

Bradley Cooper encabeça elenco de Trapaça e agradece David O. Russell (photo by jenniferlawrencedaily.tumblr.com)

TRAPAÇA VENCE MELHOR ELENCO E 12 ANOS DE ESCRAVIDÃO TEM SUA PRIMEIRA GRANDE DERROTA

OK. Se essa corrida de cavalos estava empatada entre 12 Anos de Escravidão e Trapaça, agora o segundo está um pouco na frente com a vitória do SAG Award de Melhor Elenco. Trata-se de uma vitória importante, principalmente para seu diretor David O. Russell, que vem perdendo em todos os prêmios para Alfonso Cuarón (Gravidade). O ator Bradley Cooper dedicou a estatueta ao ele num discurso bastante emotivo ao resgatar a vontade de ser ator sob sua direção. Claro que a vitória nessa categoria não significa garantia de Melhor Filme no Oscar, mas ajuda na campanha do filme até o dia 02 de Março, dia da cerimônia da Academia.

Analisando friamente, esse prêmio foi concedido de forma politicamente correta. Como nenhum dos atores (Christian Bale, Amy Adams e Jennifer Lawrence) ganhou o SAG individualmente, o prêmio de Melhor Elenco caiu como uma luva para recompensar as boas atuações. Enquanto isso, 12 Anos de Escravidão teve de se contentar com o prêmio de coadjuvante.

Essa rivalidade entre os filmes tem se mostrado acirrada na categoria de Atriz Coadjuvante entre Jennifer Lawrence e Lupita Nyong’o. Enquanto Lawrence ganhou o Globo de Ouro, Nyong’o virou o jogo com as vitórias no Critics’ Choice Awards e agora este SAG. Muito emocionada e humilde, ela agradeceu toda a equipe e familiares, fechando com um: “Pai, o senhor conhece Brad Pitt? Vou estar num filme com ele! – Não conheço pessoalmente, mas já fico feliz que você conseguiu um emprego”. E felizmente Lawrence escolhe um vestido bem mais apresentável do que aquele do Globo de Ouro…

Jennifer Lawrence e Lupita Nyong'o reforçam o fair play da categoria coadjuvante (photo by jenniferlawrencedailly.tumblr.com)

Jennifer Lawrence e Lupita Nyong’o reforçam o fair play da categoria coadjuvante. (photo by jenniferlawrencedaily.tumblr.com)

Tem sido muito divertido acompanhar Jennifer Lawrence na temporada de premiação. As caras e bocas dela são tão espontâneas que fica impossível não rir

Tem sido muito divertido acompanhar Jennifer Lawrence na temporada de premiação. As caras e bocas dela são tão espontâneas que fica impossível não rir (gif by mattsgifs.tumblr.com)

Entre os homens, Jared Leto confirmou seu favoritismo como coadjuvante por Clube de Compras Dallas. Havia uma certa pressão na categoria devido à presença de James Gandolfini, indicado postumamente por À Procura do Amor, mas a coragem de Leto em encarnar um transexual num drama sobre Aids falou mais alto. É muito fácil cair no caricato quando se interpreta um personagem de sexo trocado como nas inúmeras comédias, então sua performance eleva a qualidade desses papéis.

Jared Leto e sua 1ª vitória por sua 1ª indicação no SAG (photo by nyongoss.tumblr.com)

Jared Leto e sua 1ª vitória por sua 1ª indicação no SAG (photo by nyongoss.tumblr.com)

Do mesmo nível de coragem, Matthew McConaughey estava nitidamente feliz com seu prêmio. A um passo do Oscar? A seu favor, além do Globo, SAG e Critics’ Choice, ele tem o ano de 2012, quando atuou em Magic Mike, Bernie – Quase um Anjo e Amor Bandido e sequer foi lembrado pela Academia. Sim, os votantes não se esquecem que esqueceram. McConaughey é um ator em extrema ascensão em Hollywood. Ele deixou as comédias românticas ralas e os altos salários de lado e procurou testar seus limites como ator. Foi buscar papéis melhores, e mesmo que menores, tratou-os como protagonistas. E foi assim que ele chegou ao papel de Clube de Compras Dallas e tem recebido tanto reconhecimento, batendo até o veterano Bruce Dern. Espero que ele não se acomode com os prêmios e continue sua busca por desafios, inclusive no próximo filme de Christopher Nolan, Interstellar, que estréia este ano.

Matthew McConaughey foi até Netuno para explicar a ótima sensação de conseguir um papel bom (photo by Kevork Djansezian/Getty Images)

Matthew McConaughey foi até Netuno para explicar a ótima sensação de conseguir um papel bom (photo by Kevork Djansezian/Getty Images)

Também coletando todos os prêmios, a australiana Cate Blanchett demonstrou bom humor: “Para aqueles que votaram em mim, obrigada! E para aqueles que não, melhor sorte no ano que vem!” Cate agradeceu a inspiração de seu diretor Woody Allen pela criação de personagens femininas excepcionais, não esquecendo de mencionar os atores com quem trabalhou: “Sally (Hawkins) estou sozinha aqui sem você. Metade desse prêmio é seu! A parte do pênis…” Apesar da categoria estar bem acirrada, Blanchett deve conquistar seu segundo Oscar, mas o primeiro como atriz principal. Seria a primeira a ganhar o Oscar de Melhor Atriz sob a direção de Woody Allen depois de Diane Keaton em Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (1977)!

Cate Blanchett depois de alguns drinques fez discurso bem humorado (Kevork Djansezian/Getty Images)

Cate Blanchett depois de alguns drinques fez discurso bem humorado (Kevork Djansezian/Getty Images)

Muito interessante a escolha de Rita Moreno como homenageada. Uma entre quatro personalidades que conquistou o Oscar, Grammy, Emmy e Tony Award. Nascida em Porto Rico, ela se mudou aos 5 anos para Nova York, onde anos mais tarde conseguiu pequenos papéis em produções independentes até as pontas em grandes produções como os musicais Cantando na Chuva e O Rei e Eu, até o papel de sua vida: a latina Anita no grande Amor Sublime Amor. Quebrou tabus como a primeira latina a ganhar o Oscar de atuação. Repleta de vitalidade aos 82 anos, ela comprova que a alegria faz parte de sua vida ao cantar em seu discurso de agradecimento: “So let the music play as long as there’s a song to sing and I will be younger than spring…” – uma artista completa que falta hoje em dia.

Sobre o clipe In Memorian, é triste lembrar que Peter O’Toole, Joan Fontaine, Richard Griffiths, Eleanor Parker, Eileen Brennan, James Gandolfini e Juanita Moore nos abandonaram.

Confira a lista completa dos vencedores:

PRÊMIOS DO CINEMA

MELHOR ELENCO (BEST FILM ENSEMBLE)
Trapaça (American Hustle)
Amy Adams, Christian Bale, Louis C.K., Bradley Cooper, Paul Herman, Jack Huston, Jennifer Lawrence, Alessandro Nivola, Michael Peña, Jeremy Renner, Elisabeth Röhm, Shea Whigham

MELHOR ATOR (BEST ACTOR)
Matthew McConaughey (Clube de Compras Dallas)

MELHOR ATRIZ (BEST ACTRESS)
Cate Blanchett (Blue Jasmine)

MELHOR ATOR COADJUVANTE (BEST SUPPORTING ACTOR)
Jared Leto (Clube de Compras Dallas)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE (BEST SUPPORTING ACTRESS)
Lupita Nyong’o (12 Anos de Escravidão)

MELHOR EQUIPE DE DUBLÊS (BEST STUNT ENSEMBLE)
O Grande Herói (Lone Survivor)

PRÊMIOS DA TV

MELHOR ELENCO DE TV- DRAMA
Breaking Bad
Michael Bowen, Betsy Brandt, Bryan Cranston, Lavell Crawford, Tait Fletcher, Laura Fraser, Anna Gunn, Matthew T. Metzler, RJ Mitte, Dean Norris, Bob Odenkirk, Aaron Paul, Jesse Plemons, Steven Michael Quezada, Kevin Rankin, Patrick Sane

MELHOR ATOR DE TV – DRAMA
Bryan Cranston (Breaking Bad)

MELHOR ATRIZ DE TV – DRAMA
Maggie Smith (Downton Abbey)

MELHOR ELENCO DE TV – COMÉDIA
Modern Family
Julie Bowen, Ty Burrell, Aubrey Anderson Emmons, Jesse Tyler Ferguson, Nolan Gould, Sarah Hyland, Ed O’Neill, Rico Rodriguez, Eric Stonestreet, Sofia Vergara, Ariel Winter

MELHOR ATOR DE TV – COMÉDIA
Ty Burrell (Modern Family)

MELHOR ATRIZ DE TV – COMÉDIA
Julia Louis-Dreyfus (Veep)

MELHOR ATOR  – FILME PARA TV OU MINISSÉRIE
Michael Douglas (Minha Vida com Liberace)

MELHOR ATRIZ – FILME PARA TV OU MINISSÉRIE
Helen Mirren (Phil Spector)

MELHOR EQUIPE DE DUBLÊS DE TV
Game of Thrones

Num discurso que beira o "já sabia", Julia Louis-Dreyfus descontrai ao errar o discurso duas vezes, agradecendo o Globo de Ouro e o Oscar (photo by wool-grill.tumblr.com)

Num discurso que beira o “já sabia”, Julia Louis-Dreyfus descontrai ao errar o discurso duas vezes, agradecendo o Globo de Ouro e o Oscar (photo by wool-grill.tumblr.com)

Anúncios

’12 Years a Slave’ lidera o SAG Awards com 4 indicações

12 Years a Slave abocanhou quatro indicações no SAG (photo by www.elfilm.com)

12 Years a Slave abocanhou quatro indicações no SAG (photo by http://www.elfilm.com)

COM APENAS 20 INDICAÇÕES INDIVIDUAIS,
MUITOS NOMES FICARAM DE FORA DA COMPETIÇÃO

Seguindo a cola do Independent Spirit Awards, o SAG Awards (Screen Actors Guild) apostou suas fichas no drama 12 Years a Slave, de Steve McQueen, reconhecido em quatro das cinco categorias: Melhor Ator (Chiwetel Ejiofor), Atriz Coadjuvante (Lupita Nyong’o), Ator Coadjuvante (Michael Fassbender) e Melhor Elenco, prêmio que valoriza ainda mais o trabalho de direção de McQueen, que deve concorrer ao Oscar de Melhor Diretor.

Com os atores bem encaminhados, 12 Years a Slave tem tudo para obter ainda alto número de indicações ao Oscar. Por se tratar de uma produção de época, a inclusão nas categorias de Fotografia, Direção de Arte e Figurino é praticamente automática. O roteiro adaptado por John Ridley também já figura entre os favoritos do WGA (Writers Guild of America). No mínimo, o filme deve somar nove indicações.

Voltando ao SAG, logo atrás de 12 Years a Slave, temos Álbum de Família, Dallas Buyers Club e O Mordomo da Casa Branca, todos com 3 indicações cada. Aliás, a forte presença dos três filmes surpreendeu os especialistas, que previam maior participação de O Lobo de Wall Street (Leonardo DiCaprio, Jonah Hill e elenco totalmente ignorados), Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum (Oscar Isaac, Carey Mulligan, John Goodman e elenco esnobados) e Os Suspeitos (Hugh Jackman, Jake Gyllenhaal e elenco).

Na categoria de Ator, a ausência mais sentida foi a do veterano Robert Redford, que venceu recentemente o NYFCC por sua performance em All is Lost. Além de DiCaprio, Joaquin Phoenix (Ela) e Michael B. Jordan (Fruitvale Station: A Última Parada) foram cortados. Na ala feminina, Bérénice Bejo, Adèle Exarchopoulos, Greta Gerwig, Julie Delpy e Octavia Spencer vão ficar para repescagem. Contudo, ao contrário dos anos anteriores, 2013 sofre com o excesso de bons filmes e atuações, tornando impossível o reconhecimento de todos os merecedores nos grandes prêmios como Globo de Ouro e Oscar.

Curiosamente, enquanto esses atores ficaram de fora, a cantora Mariah Carey recebeu sua segunda indicação de Melhor Elenco no SAG. Ela foi indicada anteriormente em 2010 por Preciosa – Uma História de Esperança, do mesmo diretor Lee Daniels. Aliás, considero O Mordomo da Casa Branca um filme super valorizado pela Weinstein Company. Se apenas Forest Whitaker fosse indicado, já estaria de bom tamanho.

Mariah Carey vive uma escrava em O Mordomo da Casa Branca (photo by www.elfilm.com)

Sim, ela está entre os indicados: Mariah Carey vive uma escrava em O Mordomo da Casa Branca (photo by http://www.elfilm.com)

Apesar dos indicados terem saído na frente, todos os ausentes da lista do SAG não devem se descabelar. Suas chances ainda existem, já que o SAG deixou de ser o parâmetro quase perfeito do Oscar. Até o ano passado, cerca de 18 a 19 dos 20 indicados do SAG migravam para o Oscar. Já nesse ano, apenas 14 passaram do corte.

Vencedor de cinco SAGs pelo trabalho na série televisiva The Sopranos, o recém-falecido ator James Gandolfini recebeu uma indicação póstuma pela comédia À Procura do Amor. Apesar de ter uma elogiada interpretação, alguns creditam esse reconhecimento à sua morte em junho deste ano aos 51 anos, tirando a chance de outros trabalhos serem premiados como Bradley Cooper (Trapaça), Will Forte (Nebraska), John Goodman (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum), Jonah Hill (O Lobo de Wall Street) e Tom Hanks (Walt nos Bastidores de Mary Poppins). Mas pelo menos, Hanks recebeu indicação por Capitão Phillips.

Ao lado de Julie-Louis Dreyfuss, James Gandolfini recebe uma indicação póstuma no SAG e Independent Spirit (photo by www.outnow.ch)

Ao lado de Julia Louis-Dreyfus, James Gandolfini recebe uma indicação póstuma no SAG e Independent Spirit pela comédia À Procura do Amor (photo by http://www.outnow.ch)

Em relação aos prêmios da TV, destaque para o drama Breaking Bad e as comédias The Big Bang Theory e Modern Family com três indicações cada. As ausências mais comentadas foram das séries da Netflix: House of Cards e Orange is the New Black como Melhor Elenco, além de American Horror Story, Glee e Girls. Como no cinema, os trabalhos da TV também se excederam na quantidade e qualidade, o que acaba causando eliminações inevitáveis.

Confira o vídeo do anúncio dos indicados do 20º SAG Awards, apresentado pelos atores Clark Gregg e Sasha Alexander:

PRÊMIOS DO CINEMA

MELHOR ELENCO (BEST FILM ENSEMBLE)
12 Years a Slave
Benedict Cumberbatch, Paul Dano, Garret Dillahunt, Chiwetel Ejiofor, Michael Fassbender, Paul Giamatti, Scoot, McNairy, Lupita Nyong’o, Adepero Oduye, Sarah Paulson, Brad Pitt, Michael Kenneth Williams, Alfre Woodward
Trapaça (American Hustle)
Amy Adams, Christian Bale, Louis C.K., Bradley Cooper, Paul Herman, Jack Huston, Jennifer Lawrence, Alessandro Nivola, Michael Peña, Jeremy Renner, Elisabeth Röhm, Shea Whigham
Álbum de Família (August: Osage County)
Abigail Breslin, Chris Cooper, Benedict Cumberbatch, Juliette Lewis, Margo Martindale, Ewan McGregor, Dermot Mulroney, Julianne Nicholson, Julia Roberts, Sam Shepard, Meryl Streep, Misty Upham
Dallas Buyers Club
Jennifer Garner, Matthew McConaughey, Jared Leto, Denis O’Hare, Dallas Roberts, Steve Zahn
O Mordomo da Casa Branca (The Butler)
Mariah Carey, John Cusack, Jane Fonda, Cuba Gooding Jr., Terrence Howard, Lenny Kravitz, James Marsden, David Oyelowo, Alex Pettyfer, Vanessa Redgrave, Alan Rickman, Liev Schreiber, Forest Whitaker, Robin Williams, Oprah Winfrey

MELHOR ATOR (BEST ACTOR)
Bruce Dern (Nebraska)
Chiwetel Ejiofor (12 Years a Slave)
Tom Hanks (Capitão Phillips)
Matthew McConaughey (Dallas Buyers Club)
Forest Whitaker (O Mordomo da Casa Branca)

MELHOR ATRIZ (BEST ACTRESS)
Cate Blanchett (Blue Jasmine)
Sandra Bullock (Gravidade)
Judi Dench (Philomena)
Meryl Streep (Álbum de Família)
Emma Thompson (Walt nos Bastidores de Walt Disney)

MELHOR ATOR COADJUVANTE (BEST SUPPORTING ACTOR)
Barkhad Abdi (Capitão Phillips)
Daniel Bruhl (Rush: No Limite da Emoção)
Michael Fassbender (12 Years a Slave)
James Gandolfini (À Procura do Amor)
Jared Leto (Dallas Buyers Club)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE (BEST SUPPORTING ACTRESS)
Jennifer Lawrence (Trapaça)
Lupita Nyong’o (12 Years a Slave)
Julia Roberts (Álbum de Família)
June Squibb (Nebraska)
Oprah Winfrey (O Mordomo da Casa Branca)

MELHOR EQUIPE DE DUBLÊS (BEST STUNT ENSEMBLE)
All is Lost
Velozes e Furiosos 6 (Fast & Furious 6)
Lone Survivor
Rush: No Limite da Emoção (Rush)
Wolverine – Imortal (The Wolverine)

PRÊMIOS DA TV

MELHOR ELENCO DE TV- DRAMA
Boardwalk Empire
Patricia Arquette, Margot Bingham, Steve Buscemi, Brian Geraghty, Stephen Graham, Erik La Ray Harvey, Jack Huston, Ron Livingston, Domenick Lombardozzi, Gretchen Moll, Ben Rosenfield, Paul Sparks, Michael Stuhlbarg, Nisi Sturgis, Jacob Ware, Shea Whigham, Michael Kenneth Williams, Jeffrey Wright
Breaking Bad
Michael Bowen, Betsy Brandt, Bryan Cranston, Lavell Crawford, Tait Fletcher, Laura Fraser, Anna Gunn, Matthew T. Metzler, RJ Mitte, Dean Norris, Bob Odenkirk, Aaron Paul, Jesse Plemons, Steven Michael Quezada, Kevin Rankin, Patrick Sane
Downton Abbey
Hugh Bonneville, Laura Carmichael, Jim Carter, Brendan Coyle, Michelle Dockery, Kevin Doyle, Jessica Brown Findlay, Siobhan Finneran, Joanne Froggatt, Rob James-Collier, Allen Leech, Phyllis Logan, Elizabeth McGovern, Sophie McShera, Matt Milne, Lesley Nicol, Amy Nuttall, David Robb, Maggie Smith, Ed Speleers, Dan Stevens, Cara Theobold, Penelope Wilton
Game of Thrones
Alfie Allen, John Bradley, Oona Chaplin, Gwendoline Christie, Emilia Clarke, Nikolaj Coster-Waldau, Mackenzie Crook, Charles Dance, Joe Dempsie, Peter Dinklage, Natalie Dormer, Nathalie Emmanuel, Michelle Fairley, Jack Gleeson, Iain Glen, Kit Harington, Lena Headey, Isaac Hempstead Wright, Kristofer Hivju, Paul Kaye, Sibel Kekilli, Rose Leslie, Rochard Madden, Rory McCann, Michael McElhatton, Ian McElhinney, Philip McGinley, Hannah Murray, Iwan Rheon, Sophie Turner, Carice Van Houten, Maisie Williams
Homeland
F. Murray Abraham, Sarita Choudhury, Claire Danes, Rupert Friend, Tracy Letts, Damian Lewis, Mandy Patinkin, Morgan Saylor

MELHOR ATOR DE TV – DRAMA
Steve Buscemi (Boardwalk Empire)
Bryan Cranston (Breaking Bad)
Jeff Daniels (The Newsroom)
Peter Dinklage (Game of Thrones)
Kevin Spacey (House of Cards)

MELHOR ATRIZ DE TV – DRAMA
Claire Danes (Homeland)
Anna Gunn (Breaking Bad)
Jessica Lange (American Horror Story: Coven)
Maggie Smith (Downton Abbey)
Kerry Washington (Scandal)

MELHOR ELENCO DE TV – COMÉDIA
30 Rock
Scott Adsit, Alec Baldwin, Katrina Bowden, Kevin Brown, Grizz Chapman, Tina Fey, Judah Friedlander, Jane Krakowski, John Lutz, James Marsden, Jack McBrayer, Tracy Morgan, Keith Powell
Arrested Development
Will Arnett, Jason Bateman, John Beard, Michael Cera, David Cross, Portia de Rossi, Isla Fisher, Tony Hale, Ron Howard, Liza Minnelli, Alia Shawkat, Jeffrey Tambor, Jessica Walter, Henry Winkler
The Big Bang Theory
Mayim Bialik, Kaley Cuoco, Johnny Galecki, Simon Helberg, Kunal Nayyar, Jim Parsons, Melissa Rauch
Modern Family
Julie Bowen, Ty Burrell, Aubrey Anderson Emmons, Jesse Tyler Ferguson, Nolan Gould, Sarah Hyland, Ed O’Neill, Rico Rodriguez, Eric Stonestreet, Sofia Vergara, Ariel Winter
Veep
Sufe Bradshaw, Anna Chlumsky, Gary Cole, Kevin Dunn, Tony Hale, Julia Louis-Dreyfus, Reid Scott, Timothy Simons, Matt Walsh

MELHOR ATOR DE TV – COMÉDIA
Alec Baldwin (30 Rock)
Jason Bateman (Arrested Development)
Ty Burrell (Modern Family)
Don Cheadle (House of Lies)
Jim Parsons (The Big Bang Theory)

MELHOR ATRIZ DE TV – COMÉDIA
Mayim Bialik (The Big Bang Theory)
Julie Bowen (Modern Family)
Edie Falco (Nurse Jackie)
Tina Fey (30 Rock)
Julia Louis-Dreyfus (Veep)

MELHOR ATOR  – FILME PARA TV OU MINISSÉRIE
Matt Damon (Behind the Candelabra)
Michael Douglas (Behind the Candelabra)
Jeremy Irons (The Hollow Crown)
Rob Lowe (Killing Kennedy)
Al Pacino (Phil Spector)

MELHOR ATRIZ – FILME PARA TV OU MINISSÉRIE
Angela Bassett (Betty and Coretta)
Helena Bonham Carter (Burton and Taylor)
Holly Hunter (Top of the Lake)
Helen Mirren (Phil Spector)
Elisabeth Moss (Top of the Lake)

MELHOR EQUIPE DE DUBLÊS DE TV
Boardwalk Empire
Breaking Bad
Game of Thrones
Homeland
The Walking Dead

Lembrando que a 20º SAG Awards homenageará a atriz porto-riquenha Rita Moreno com o prêmio Lifetime Achievement. Ela foi uma das primeiras latinas a ganhar notoriedade e respeito na indústria americana, quando reinava o preconceito racial. Em 1962, Moreno foi a primeira atriz hispânica a ganhar o Oscar pelo musical Amor, Sublime Amor, que faz uma releitura do clássico de William Shakespeare, Romeu & Julieta.

Aos 30 anos, Rita Moreno se torna a primeira latina a ganhar um Oscar (photo by www.toptenz.net)

Aos 30 anos, Rita Moreno se torna a primeira latina a ganhar um Oscar (photo by http://www.toptenz.net)

O SAG Awards 2014 será transmitido ao vivo pelo canal TNT no dia 18 de janeiro.

Vencedores do SAG Awards 2013

(photo by newswhip.com)

Jessica Chastain em seu exuberante Alexander McQueen (photo by newswhip.com)

Se houvesse prêmio de Melhor Traje, eu daria para Jessica Rabbit… quero dizer, Jessica Chastain! No ano passado, a atriz já roubou a cena no tapete vermelho, e agora volta a ser o centro das atenções. Bom, mas vamos aos fatos:

Como analisado anteriormente, a edição deste ano do SAG Awards fugiu um pouco à regra. Normalmente, dos 20 atores indicados ao SAG, 17 a 19 passam para a lista do Oscar, mas devido à surpresa que a Academia tinha em mente, apenas 14 foram indicados também ao Oscar.

Logo de cara, a ausência de Christoph Waltz na categoria de coadjuvante já alterou um resultado. Como não havia favoritos depois de Waltz, o prêmio foi parar nas mãos de Tommy Lee Jones por Lincoln. Bom, não literalmente, porque o ator não estava presente. Sua vitória pode representar uma certa ameaça ao favoritismo de Waltz no Oscar, até mesmo porque ganhou recentemente por Bastardos Inglórios em 2010.

Se ainda havia algum resquício de duelo entre Sally Field e Anne Hathaway, a vitória da última como coadjuvante praticamente confirma o favoritismo dela no Oscar. Apesar da experiência de Field e o fato de ser querida também por sua performance na série Brothers & Sisters, o talento musical de Hathaway causou burburinho de premiação desde que ela fez testes para o papel. Podemos considerar sua vitória no Oscar como certa e espero que esse reconhecimento lhe sirva como inspiração para novos desafios.

Na categoria de atriz, havia uma disputa entre as vencedoras do Globo de Ouro de Melhor Atriz – Drama e Melhor Atriz – Comédia. O SAG escolheu o carisma e a humanidade da personagem defendida por Jennifer Lawrence em O Lado Bom da Vida. É impossível ficar indiferente ao seu trabalho como a inconstante Tiffany. Por motivos óbvios de atraso no Brasil, ainda não vi A Hora Mais Escura, mas pelo que li e vi, a atuação de Chastain é necessariamente fria por razões de contexto, afinal, ela é agente da CIA na caça a Bin Laden.

Jennifer Lawrence em discurso emocionado (photo by awardsdaily.com)

Jennifer Lawrence em discurso emocionado (photo by awardsdaily.com)

Apesar de Daniel Day-Lewis ter recebido quase todos os prêmios de Melhor Ator na temporada, eu ainda achava que havia alguma possibilidade da Academia rejeitá-lo por este ser seu terceiro Oscar. Explico: Até o momento, não há nenhum ator que tenha conseguido três Oscars de Melhor Ator. Temos alguns que conseguiram dois, como Spencer Tracy, Jack Nicholson e Tom Hanks, mas nunca três. E para a Academia quebrar um recorde, tem que haver uma boa causa. E esta performance elogiadíssima de Day-Lewis como o presidente Abraham Lincoln é uma delas. Vale lembrar que se ele vencer, será o primeiro ator ou atriz a ganhar um Oscar sob direção de Steven Spielberg.

Daniel Day-Lewis, humilde como sempre, recebendo seu segundo SAG (photo by reuters in ibtimes.com)

Daniel Day-Lewis, humilde como sempre, recebendo seu segundo SAG (photo by reuters in ibtimes.com)

E não tem mais jeito. A Academia terá que reconhecer Argo. Depois de ganhar o Globo de Ouro e o Producers Guild of America, o filme de Ben Affleck tem tudo pra levar Melhor Filme. Pelo menos, Affleck também é um dos produtores do filme, e deve sair com esse Oscar de “consolação”.

Ben Affleck recebe e discursa pelo prêmio de Melhor Elenco por Argo (photo by hollywoodreporter.com)

Ben Affleck recebe e discursa pelo prêmio de Melhor Elenco por Argo (photo by hollywoodreporter.com)

Antes da cerimônia começar, houve uma premiação muito informal no tapete vermelho. As categorias novas de Melhor Equipe de Dublês para Cinema e TV tiveram seus vencedores anunciados ali mesmo diante de dois repórteres que faziam entrevistas com celebridades. Embora tenha gostado da criação de um prêmio para dublês, achei um pouco falta de consideração tratar esse reconhecimento como se fosse pela porta dos fundos. Espero que alguém dê esse toque para a organização do evento e eles possam incluir esses prêmios na festa.

Segue lista completa (inclusive com Melhor Equipe de Dublê):

MELHOR EQUIPE DE DUBLÊ – CINEMA

 007 – Operação Skyfall

MELHOR EQUIPE DE DUBLÊ – TV

Game of Thrones

MELHOR ELENCO

Argo

MELHOR ATOR

Daniel Day-Lewis (Lincoln)

MELHOR ATRIZ

• Jennifer Lawrence (O Lado Bom da Vida)

MELHOR ATOR COADJUVANTE

Tommy Lee Jones (Lincoln)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Anne Hathaway (Os Miseráveis)

PRÊMIOS DE TELEVISÃO

MELHOR ELENCO – COMÉDIA

Modern Family

MELHOR ELENCO – DRAMA

Downton Abbey

MELHOR ATOR – COMÉDIA

Alec Baldwin (30 Rock)

MELHOR ATRIZ – COMÉDIA

Tina Fey (30 Rock)

MELHOR ATOR – DRAMA

• Bryan Cranston (Breaking Bad)

MELHOR ATRIZ – DRAMA

• Claire Danes (Homeland)

MELHOR ATOR – FILME DE TV OU MINI-SÉRIE

• Kevin Costner (Hatfields & McCoys)

MELHOR ATRIZ – FILME DE TV OU MINI-SÉRIE

• Julianne Moore (Virada no Jogo)

PRÊMIO PELO CONJUNTO DA OBRA

Dick Van Dyke

Bryan Cranston recebeu dois prêmios: Melhor Elenco por Argo e Melhor Ator de TV - Drama por Breaking Bad, batendo o favorito Damian Lewis de Homeland (photo by digitalspy.com)

Bryan Cranston recebeu dois prêmios: Melhor Elenco por Argo e Melhor Ator de TV – Drama por Breaking Bad, batendo o favorito Damian Lewis de Homeland (photo by digitalspy.com)

Calendário para o Oscar 2013 e Feliz Ano Novo!

Caros amigos e cinéfilos, este é meu último post de 2012. Vou passar alguns dias agradáveis na bela cidade de Florianópolis, SC. Devo retornar no dia 04 de janeiro. Gostaria de aproveitar a oportunidade para agradecer a todos que seguem o blog, comentaram, leram ou simplesmente deram uma passada por aqui! Não sabem o quanto a visita de vocês é preciosa para mim, pois venho realizando este trabalho há apenas um ano somente na base do Google, que também possibilita a divulgação mundo afora. Gostaria de agradecer a Bia Fumagalli, que me incentivou muito a criar este espaço no WordPress. “Quem diria que isto duraria mais de um ano?”.

Bom, como muitos estão aqui para acompanhar a trajetória para o Oscar 2013, relacionei de forma cronológica as datas importantes no mundo do cinema. Espero conseguir reportar tudo de forma mais rápida possível a todos os cinéfilos.

Calendário 2013:

03/01: Indicações ao Producers Guild Awards e Writers Guild Awards

08/01: Indicações ao Directors Guild of America

09/01: Indicações ao BAFTA Film Awards

10/01: Indicações ao Oscar 2013 (Em 2012, acompanhei a transmissão ao vivo pelo canal GloboNews, mas já conferi pela CNN Internacional e Telecine)

13/ 01: Globo de Ouro 2013 (Transmissão da cerimônia ao vivo pelo canal Sony ou TNT)

26/01: Producers Guild Awards

27/01: Screen Actors Guild Awards (Transmissão da cerimônia ao vivo pelo canal TNT)

02/02: Directors Guild of America Awards

10/02: BAFTA Film Awards

17/02: Writers Guild Awards

23/02: Independent Spirit Awards

24/02: Oscar 2013 (Transmissão da cerimônia ao vivo pelo canal TNT)

Infelizmente, o cronograma do Oscar acaba atrasando algumas estréias aqui no Brasil. As distribuidoras que compram os direitos preferem exibir os filmes depois das indicações ao Oscar em janeiro para facilitar na divulgação na mídia. A mensagem “Indicado ao Oscar 2013” no cartaz do filme colabora bastante nas bilheterias.

Dessa forma, fica impossível analisar os melhores filmes produzidos em 2012, pois muitos deles ainda permancem inalcançáveis. Felizmente, com o crescimento da internet, acredito que é mera questão de tempo para que esse cenário mude.

Este ano, posso destacar algumas produções que me agradaram de alguma forma e, claro, outras que foram uma decepção. Como fã de quadrinhos, vi um sonho ser concretizado quando vi na tela grande o filme Os Vingadores. Cara… ver Homem de Ferro, Capitão América, Thor, Hulk, Gavião Arqueiro e Viúva Negra juntos num filme muito bem escrito foi algo digno de nota! Claro que alguns vão discordar de mim, mas como há muitos produtores que ainda acham que adaptar uma história em quadrinhos para o cinema é garantia de sucesso, conferir um bom e divertido filme como esse é uma grande vitória.

Banner promocional que divulgou Os Vingadores mundo afora (foto por Beyondhollywood.com)

Banner promocional que divulgou Os Vingadores mundo afora (foto por Beyondhollywood.com)

Outra característica do cinema atual é a mesmice. Está cada vez mais raro encontrar um filme criativo e inovador nos cinemas, pois essa arte depende demais do sucesso comercial. Para os artistas de verdade, felizmente, existem os festivais de cinema como o de Cannes e Veneza, que premiam os candidatos mais notáveis. Em Cannes, o filme francês Holy Motors pode ter saído de mãos abanando, mas certamente foi um sopro de criatividade que há muito não se via. O diretor Leos Carax se desprende das regras convencionais para intrigar o espectador através do olhar. Quantas vezes você já não disse: “Já vi esse tipo de filme várias vezes”? Se você viu ou ver Holy Motors, essa frase nem vai passar pela cabeça…

Aqui em São Paulo, felizmente existe a Mostra de Cinema, que ocorre todo mês de outubro. Apesar de perder em diversidade para o Festival do Rio, a Mostra ainda traz bons filmes que percorreram outros festivais internacionais e/ou foram reconhecidos pela crítica. Dos filmes que consegui ver na Mostra, o filme dinamarquês A Caça, de Thomas Vinterberg, foi o melhor. Além da ótima performance de Mads Mikkelsen (que lhe rendeu o prêmio de ator em Cannes), o tema do engano de acusação de abuso sexual é destrinchado de forma cruel. Não é um filme fácil de digerir, mas a análise se mostra pertinente nos dias atuais de preconceito.

Mads Mikkelsen numa atuação corajosa em A Caça (foto por OutNow.CH)

Mads Mikkelsen numa atuação corajosa em A Caça (foto por OutNow.CH)

Se houvesse prêmio de filme mais fofo do ano, este seria Moonrise Kingdom. Sabe aqueles romances infantis que não se vê há tempos no cinema? De bom, só consigo me recordar de Meu Primeiro Amor, com o casal Anna Chlumsky e Macaulay Culkin. Claro que, por se tratar de um filme de Wes Anderson, nem tudo são flores. Existe um tipo de humor negro muito peculiar que pode não contaminar a todos os espectadores, mas como amor é um tema universal, acredito que a grande maioria que vá assistir deve se apaixonar pelo filme.

Como fã de James Bond, devo incluir 007 – Operação Skyfall. Fiquei feliz que os produtores Barbara Broccoli e Michael G. Wilson finalmente contrataram profissionais renomados como o diretor Sam Mendes, o diretor de fotografia Roger Deakins, o compositor Thomas Newman e o ator Javier Bardem. Chega de economizar aonde não se deve! Com o sucesso comercial e de crítica, o filme deve manter o patamar de qualidade elevado para os próximos filmes. Torço para que ganhe Melhor Fotografia e Melhor Canção para Adele no Oscar 2013.

Está pronto para as decepções? Quando surgiu a idéia do prequel de Alien – O Oitavo Passageiro, confesso que fiquei curioso, ainda mais que Ridley Scott assumiria a cadeira de diretor, mas preferi não criar nenhum tipo de expectativa por se tratar de um projeto de orçamento altíssimo que dependeria bastante da opinião de produtores. A idéia de viajar ao espaço com intuito de tentar descobrir a origem da raça humana me pareceu fantástica, mas não sei o que houve na execução: se foram opiniões demais ou se ficaram presos demais ao primeiro Alien (ou os dois). Os furos no roteiro parecem buracos negros e, aqueles que leram o roteiro original do projeto disseram que o resultado ficou muito aquém da concepção. Não estou dizendo que o filme é ruim. Na verdade, é interessante pela atmosfera, mas acabou se tornando uma decepção pelo filme que poderia ter sido. Vale ressaltar também a ótima atuação de Michael Fassbender como o ciborgue David. Só não vou malhar o Ridley Scott porque ele tá enferrujado e, além disso, o irmão dele, Tony Scott, cometeu suicídio esse ano.

Michael Fassbender em cena de Prometheus, que apenas prometeu... (foto por OutNow.CH)

Michael Fassbender em cena de Prometheus, que apenas prometeu… (foto por OutNow.CH)

Quanto ao Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, bem… as notícias das 12 pessoas mortas na sessão nos EUA foi bem mais relevante. Claro que depois do sucesso grandioso de Batman: O Cavaleiro das Trevas, as expectativas ficaram extremanente altas para o terceiro filme do personagem. Mas que falta faz Heath Ledger como Coringa… O Batman é chato pra caramba. A Mulher-Gato da Anne Hathaway é totalmente sem graça e nada sexy. O Bane do Tom Hardy só agita e não tem um bom propósito. O que sobra? Bons efeitos sonoros e efeitos visuais!

Hollywood já adora uma refilmagem. E com o surgimento do 3D, ficou inevitável fazerem um reboot do Homem-Aranha nos cinemas. Mas não podiam esperar mais um pouco? Afinal, passaram-se apenas cinco anos depois de Homem-Aranha 3! O presunto nem esfriou direito e já trocaram a equipe e os atores. Como fã do herói aracnídeo, protestei a troca de Sam Raimi por Marc Webb (que sequer tinha um filme de ação no currículo!) e Tobey Maguire por Andrew Garfield. Não me entendam mal. Não estou dizendo que Webb e Garfield sejam péssimos, mas Raimi e Maguire pegaram tão bem a atmosfera e o universo do personagem, que fica difícil de elogiar numa inevitável comparação! De forma resumida, minha principal crítica a O Espetacular Homem-Aranha é a ausência de humor. Acredito que os produtores queriam fazer do Aranha um herói mais sério como o Batman, mas seriedade definitivamente não é com o Homem-Aranha. E não houve química entre Garfield e Emma Stone (Gwen Stacy).

Martin Sheen, Sally Field e Andrew Garfield formam a nova família Parker em O Espetacular Homem-Aranha

Martin Sheen, Sally Field e Andrew Garfield formam a nova família Parker em O Espetacular Homem-Aranha (foto por OutNow.CH)

E assim fecho meu último post de 2012. Espero que 2013 haja mais bons filmes que enalteçam o Cinema como forma de Arte do que “produtos comerciais de qualidade duvidosa”. Próspero Ano Novo para todos! E obrigado!

Indicações ao SAG Awards 2013

SAG Awards

SAG Awards

Depois de dois meses de especulações, a corrida para o Oscar 2013 nas categorias de atuação está finalmente se definindo. O prêmio do SAG (Screen Actors Guild), o sindicato dos atores, é o melhor parâmetro para o Oscar. Quem leva o prêmio, está com “uma mão na taça”.

Claro que, como as vagas são muito limitadas, muita gente que estava no meio do burburinho ficou de fora. Na ala masculina, o caso mais claro é a ausência de Joaquin Phoenix, que deve ter ficado de fora por causa de seu temperamento, pois sua atuação foi muito bem elogiada até agora. Numa entrevista, ele teria dito: “O Oscar é uma besteira… e não quero participar mais disso. Não acredito nisso. É uma cenoura, mas com o pior gosto que já provei em toda a minha vida. É totalmente subjetivo. Colocar as pessoas contra as outras… É a coisa mais estúpida do mundo.” Claro que isso repercutiu bastante em Hollywood e muitos já diziam que o ator teria cavado seu próprio túmulo.Phoenix, que já fora indicado em 2001 por Gladiador e em 2006 por Johnny e June, talvez tenha azedado por ter perdido nas duas oportunidads. Não sabemos se isso seria uma estratégia, mas se for, já funcionou. Sim, em 1971, George C. Scott veio com o mesmo discurso de bad boy e levou o Oscar por Patton – Rebelde ou Herói?. Não foi receber no palco pra ser coerente, mas levou!

Ou é muito louco ou é muito inteligente. Joaquin Phoenix faz pouco caso do Oscar em entrevista.

Ou é muito louco ou é muito inteligente. Joaquin Phoenix faz pouco caso do Oscar em entrevista.

E o Matthew McConaughey? Ele vinha ganhando importantes prêmios da crítica como coadjuvante por Magic Mike, mas a indicação ao SAG que carimbaria sua passagem para o tapete vermelho do Oscar não veio. Claro que as possibilidades ainda são boas, mas a vitória ficou bem mais longe, ainda mais que outros concorrentes cresceram como Robert De Niro e Javier Bardem.

Já na ala feminina, a veterana Emmanuelle Riva foi a ausência mais sentida. Apesar de não ser americana, nem inglesa, esta atriz francesa vinha chamando atenção pelo trabalho em Amour. Embora tenha sido ignorada pelo Screen Actors Guild, acredito bastante em sua indicação ao Oscar pelo prestígio que ela tem como artista. Sem contar que ela se tornaria a atriz mais velha a ser indicada ao prêmio.

Do lado totalmente oposto, a atriz-mirim Quvenzhané Wallis ficou de fora por motivos meio fúteis. Segundo as regras do SAG, apenas atores sindicalizados podem receber tal honraria, e Wallis e Dwight Henry, que contracena com ela, não eram filiados antes das filmagens de Indomável Sonhadora.

Quvenzhané Wallis: barrada por uma regra. O SAG Awards perde em qualidade.

Quvenzhané Wallis: barrada por uma regra. O SAG Awards perde em qualidade.

Na categoria de coadjuvante, Amy Adams foi substituída por Nicole Kidman. Digo isso porque Kidman nem vinha sendo tão cotada para premiações, ao contrário de Adams. Mas acredito que esse jogo vai virar, porque Amy Adams é muito querida pela Academia e há um bom tempo vem merecendo esse reconhecimento.

Particularmente, gostei das indicações de Jessica Chastain e Helen Mirren. Apesar de não ter visto ambas as performances, são dois talentos em extrema ascensão hoje. Chastain é uma gema novíssima em Hollywood. Em 2011, estrelou em vários filmes como A Árvore da Vida, Histórias Cruzadas e O Abrigo, confirmando a diversidade como um de seus talentos. E Dame Helen Mirren dispensa comentários. Cada papel seu ganha tridimensionalidade com seu trabalho, e ao viver a mulher de Alfred Hitchcock, Alma Reville, ela traz mais humor negro ao projeto biográfico do diretor.

Jessica Chastain em A Hora Mais Escura

Jessica Chastain em A Hora Mais Escura

MELHOR ATOR

Bradley Cooper (O Lado Bom da Vida)

Daniel Day-Lewis (Lincoln)

John Hawkes (The Sessions)

Hugh Jackman (Les Misérables)

Denzel Washington (Flight)

MELHOR ATRIZ

Jessica Chastain (A Hora Mais Escura)

Marion Cotillard (Ferrugem e Osso)

Jennifer Lawrence (O Lado Bom da Vida)

Helen Mirren (Hitchcock)

Naomi Watts (O Impossível)

MELHOR ATOR COADJUVANTE

Alan Arkin (Argo)

Javier Bardem (007 – Operação Skyfall)

Robert De Niro (O Lado Bom da Vida)

Philip Seymour Hoffman (The Master)

Tommy Lee Jones (Lincoln)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Sally Field (Lincoln)

Anne Hathaway (Les Misérables)

Helen Hunt (The Sessions)

Nicole Kidman (The Paperboy)

Maggie Smith (O Exótico Hotel Marigold)

MELHOR ELENCO

Argo

O Exótico Hotel Marigold

Les Misérables

Lincoln

O Lado Bom da Vida

 

A cerimônia de entrega do SAG Awards será transmitida pelo canal TNT no dia 21 de janeiro de 2013.

O elenco senil de O Exótico Hotel Marigold

O elenco senil de O Exótico Hotel Marigold

Vencedores do LAFCA 2012

LAFCA: Los Angeles Film Critics Association

LAFCA: Los Angeles Film Critics Association

Juntamente com  National Board of Review e o New York Film Critics Circle (NYFCC), o Los Angeles Film Critics Association fecha a poderosa trinca de reconhecimento da crítica norte-americana. Contudo, diferentemente dos outros, os estudiosos da costa oeste costumam ser bem mais democráticos ao incluir com maior ênfase os filmes estrangeiros na eleição, e não como visitantes em uma única categoria.

Por esse motivo que prefiro o reconhecimento deles, pois acredito que o cinema está globalizado demais para se limitar em categorias com regras rígidas como a Academia ou o Globo de Ouro costuma fazer. É claro que por se tratarem de prêmios dados em solo americano, têndem a favorecer o “cinema local”. Mas aí já seria uma outra discussão xiita…

Depois de duas vitórias, o longa sobre a caçada a Bin Laden, Zero Dark Thirty, ficou apenas com um 2º lugar na direção para Kathryn Bigelow e Melhor Montagem para Dylan Tichenor e William Goldenberg. Aliás, este último também ficou com o 2º lugar pelo filme Argo, de Ben Affleck. Desta vez, o grande vencedor é um filme co-produzido entre Áustria, França e Alemanha (eu avisei que Los Angeles adora estrangeiros): Amour, de Michael Haneke.

Amour, Michael Haneke. Surpresa no LAFCA?

Amour, Michael Haneke: Melhor Filme e Melhor Atriz para Emmanuelle Riva (foto por OutNow.CH)

O filme geriátrico de Haneke vem conquistando todos os críticos por onde passa, desde o Festival de Cannes, de onde saiu com a Palma de Ouro. Recentemente, também levou quatro prêmios principais no European Film Awards. O casal de atores franceses também têm grandes chances nessa corrida para o Oscar, especialmente a veterana Emmanuelle Riva, que venceu o prêmio de Melhor Atriz no LAFCA. Sua vitória confirma o favoritismo de estrangeiras nessa categoria: Em 2011 e 2010, as sul-coreanas Jeong-hie Yun e Hye-ja Kim venceram por Poesia e Mother – A Busca Pela Verdade, respectivamente, em 2009 foi a vez da belga Yolande Moreau por Séraphine, em 2007 foi a supremacia da francesa Marion Cotillard (Piaf – Um Hino ao Amor), além das duas inglesas Sally Hawkins (Simplesmente Feliz) e Helen Mirren (A Rainha).

E depois de andar sumido entre as premiações depois do Festival de Veneza, o filme sobre as origens da Cientologia, The Master, volta em destaque, ganhando Melhor Diretor (Paul Thomas Anderson), Melhor Ator (Joaquin Phoenix), Melhor Atriz Coadjuvante (Amy Adams), Melhor Direção de Arte (Jack Fisk e David Crank), além de dois prêmios de 2º lugar: Fotografia (Mihai Malaimare Jr) e Trilha Musical (Jonny Greenwood). Com esse reconhecimento, The Master volta a ganhar alguns pontos e pode conquistar algumas indicações ao Oscar, ainda mais por se tratar de uma história que se passa algumas décadas atrás, rendendo um trabalho mais minucioso de direção de arte e figurino.

Joaquin Phoenix em The Master. Filme ainda levou Diretor para Paul Thomas Anderson, Atriz Coadjuvante para Amy Adams entre outros.

Joaquin Phoenix em The Master. Filme ainda levou Diretor para Paul Thomas Anderson, Atriz Coadjuvante para Amy Adams entre outros, dando novo fôlego ao longa (foto por OutNow.CH)

Apesar de ter levado apenas o prêmio de Melhor Atriz para Jennifer Lawrence e um 2º lugar de Roteiro, O Lado Bom da Vida é daqueles filmes que chega de mansinho, como quem não quer nada, e vai conquistando o público e seu espaço na cerimônia do Oscar. Claro que não é o tipo de produção que leva vários prêmios por ser um filme tipicamente contemporâneo, mas tem grandes chances nas categorias principais de Filme, Direção, Roteiro, Ator e Atriz que, aliás, Bradley Cooper levou Melhor Ator no National Board of Review e agora, Jennifer Lawrence finalmente leva seu reconhecimento.

Outro filme que cresce ainda mais com a divulgação dos premiados do LAFCA é o independente Indomável Sonhadora. Levou Melhor Ator Coadjuvante (Dwight Henry), Melhor Trilha Musical (Dan Romer e Benh Zeitlin) e o New Generation para o diretor Zeitlin. Um fato curioso é que os atores (Dwight Henry e a pequena Quvenzhané Wallis) não poderão concorrer no SAG Awards porque ambos não eram sindicalizados antes da participação do filme e isso deve enfraquecer um pouco a votação na Academia (sim, o pessoal às vezes é muito chato).

Particularmente, fiquei feliz com quatro reconhecimentos:

1. Melhor Fotografia para Roger Deakins por 007 – Operação Skyfall. Além do trabalho excepcional, a fotografia de Deakins foi reconhecida por um filme da série de James Bond! Isso comprova que bons trabalhos são bem vistos independente do tipo de filme. Felizmente, depois do reboot com Daniel Craig, a série ganhou ares sérios e de qualidade com Sam Mendes e Marc Forster na direção. Mas acima de tudo, que isso sirva de lição para os produtores Barbara Broccoli e Michael G. Wilson que não adianta só ter a fama do agente secreto, mas é necessário contratar bons profissionais em todos os departamentos, incluindo o de fotografia. Viu só? Valeu a pena.

Talvez a cena mais linda visualmente em 007 - Operação Skyfall. Belo trabalho de Roger Deakins.

Talvez a cena mais linda visualmente em 007 – Operação Skyfall. Belo trabalho de Roger Deakins (foto por OutNow.CH)

2 e 3. Melhor Filme Estrangeiro para Holy Motors, de Leos Carax e 2º Lugar de Ator para Denis Lavant. Depois de ser ignorado no Festival de Cannes, este belo trabalho non-sense que contém todos os gêneros merecia este reconhecimento. Infelizmente, não deve figurar no Oscar por não ser representante nem da França, nem da Alemanha, países que co-produziram o filme. O protagonista vivido por Lavant também merece uma indicação por papéis múltiplos: vai de milionário, passando por uma mendiga de rua, o maluco que vive nos esgotos Merde até um senhor idoso à beira da morte. Como aprecio experimentos e inovações no Cinema, Holy Motors pra mim foi um sopro de criatividade em meio à mesmice de hoje.

Holy Motors, de Leos Carax. Reconhecimento merecido para um sopro de criatividade.

Holy Motors, de Leos Carax. Reconhecimento merecido para um sopro de criatividade (foto pot OutNow.CH)

4. Apesar de 2º lugar, adorei a premiação da Direção de Arte de Moonrise Kingdom. Como Tim Burton, o diretor Wes Anderson têm um estilo pessoal muito forte refletido no design do filme. Os cenários da trama contribuem demais para o romance infantil de Sam e Suzy.

O design de Moonrise Kingdom é um personagem à parte no filme (foto por OutNow.CH)

O design de Moonrise Kingdom é um personagem à parte no filme (foto por OutNow.CH)

A ausência mais notada foi a da mega-produção Lincoln, de Steven Spielberg. Os atores Daniel Day-Lewis e Sally Field venceram no NYFCC, mas não levou nenhum prêmio de Melhor Filme ou Diretor até o momento. Tem grandes chances nas categorias consideradas técnicas como Fotografia, Montagem, Direção de Arte e Figurino.

Segue a lista completa dos vencedores do LAFCA:

 

MELHOR FILME: Amour, de Michael Haneke

2º Lugar: The Master, de Paul Thomas Anderson

 

MELHOR DIRETOR: Paul Thomas Anderson (The Master)

2º Lugar: Kathryn Bigelow (Zero Dark Thirty)

 

MELHOR ATOR: Joaquin Phoenix (The Master)

2º Lugar: Denis Lavant (Holy Motors)

 

MELHOR ATRIZ: Jennifer Lawrence (O Lado Bom da Vida) e Emmanuelle Riva (Amour)

 

MELHOR ATOR COADJUVANTE: Dwight Henry (Indomável Sonhadora)

2º Lugar: Christoph Waltz (Django Livre)

 

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Amy Adams (The Master)

2º Lugar: Anne Hathaway (Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge/ Les Misérables)

 

MELHOR ROTEIRO: Chris Terrio (Argo)

2º Lugar: David O. Russel (O Lado Bom da Vida)

 

MELHOR FOTOGRAFIA: Roger Deakins (007 – Operação Skyfall)

2º Lugar: Mihai Malaimare Jr (The Master)

 

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE: Jack Fisk e David Crank (The Master)

2º Lugar: Adam Stockhausen (Moonrise Kingdom)

 

MELHOR MONTAGEM: Dylan Tichenor e William Goldenberg (Zero Dark Thirty)

2º Lugar: William Goldenberg (Argo)

 

MELHOR TRILHA MUSICAL: Dan Romer e Benh Zeitlin (Indomável Sonhadora)

2º Lugar: Jonny Greenwood (The Master)

 

MELHOR FILME ESTRANGEIRO: Holy Motors, de Leos Carax

2º Lugar: Footnote, de Joseph Cedar

 

MELHOR DOCUMENTÁRIO: The Gatekeepers, de Dror Moreh

2º Lugar: Searching for Sugar Man, de Malik Bendjelloul

 

MELHOR ANIMAÇÃO: Frankenweenie, de Tim Burton

2º Lugar: It’s Such a Beautiful Day, de Don Hertzfeldt

 

NEW GENERATION: Benh Zeitlin por Indomável Sonhadora

 

CONJUNTO DA OBRA: Frederick Wiseman

PRÊMIO PARA FILMES OU VÍDEOS EXPERIMENTAIS DOUGLAS EDWARDS: Leviathan, de Lucien Castaing-Taylor e Verena Paravel

Prévia do Oscar 2013: Ator Coadjuvante

O último vencedor da categoria, Christopher Plummer, por Toda Forma de Amor.

Criada em 1937, a categoria de Melhor Ator Coadjuvante passou a suprir a demanda de atores hollywoodianos que mereciam reconhecimento, mesmo não estrelando uma produção. O maior vencedor foi o americano Walter Brennan, que levou para casa três vezes o prêmio por Meu Filho é Meu Rival (1936), Kentucky (1938) e A Última Fronteira (1940). Normalmente, vence aquele que tem um papel que costuma roubar a cena, como aconteceu com Sean Connery em Os Intocáveis (1987) ou Christoph Waltz em Bastardos Inglórios (2009). A categoria, que antes era considerada menos importante, passou a ganhar relevância quando atores do quilate de Walter Huston (O Tesouro de Sierra Madre, 1948), George Sanders (A Malvada, 1950), Jack Lemmon (Mister Roberts, 1955) e Peter Ustinov (Spartacus, 1960) se sagraram vencedores.

Vencedor de três Oscars de coadjuvante: Walter Brennan. Além de ter atuado em muitos westerns, trabalhou com grandes atores como Humphrey Bogart, Lauren Bacall, Gary Cooper e John Wayne.

Nas últimas décadas, as categorias de coadjuvante serviram como reduto de atores renomados. Nos bastidores, a estratégia da Academia seria de compensar atores de peso que não ganharam em oportunidades prévias. Claro que oficialmente, ninguém vai confirmar essa informação, mas a vitória de Morgan Freeman por Menina de Ouro em 2005 é um exemplo disso, pois o ator fora indicado em outras três vezes, mas nunca levou a estatueta. Essa leitura da premiação acredita que as chances de ele levar Melhor Ator (principal) nos próximos anos seriam pequenas e que, por isso, sua vitória como coadjuvante seria uma forma de garantir que Freeman encerre sua carreira como vencedor do Oscar.

Morgan Freeman em Menina de Ouro: Oscar de coadjuvante. Antes tarde do que nunca?

Com certeza, muitos fãs de Morgan Freeman vão discordar dessa opinião, mas as mesmas pessoas sabem que ele mereceu mais por Conduzindo Miss Daisy ou Um Sonho de Liberdade. Particularmente, sou contra esse sistema de compensação, pois pode desbancar a melhor performance do ano que, nesse ano, deveria ter ido para Thomas Haden Church (Sideways – Entre Umas e Outras) ou Clive Owen (Closer – Perto Demais).

Claro que adoraria ver atores veteranos e consagrados ganhando o Oscar pela primeira vez como aconteceu com Christopher Plummer este ano, mas nem sempre a maré está a favor deles. Nesses casos, existe o Oscar Honorário, que costuma premiar profissionais do cinema que nunca tiveram a oportunidade de levar a estatueta pra casa. Vencedores recentes atestam: James Earl Jones, Eli Wallach, Lauren Bacall e o compositor italiano Ennio Morricone, todos foram previamente indicados mas nunca venceram nas respectivas categorias.

Este ano, temos fortes candidatos vencedores do Oscar. Alan Arkin, Robert De Niro, Philip Seymour Hoffman, Russell Crowe e Tommy Lee Jones podem voltar ao tapete vermelho como indicados. O retorno mais triunfal seria o de Robert De Niro, que teve sua época de glória nas décadas de 70, 80 e 90, mas que não figura na lista há vinte anos (!). Tem também indicados prévios, mas que nunca ganharam e agora podem ter a chance de ouro como Leonardo DiCaprio, que concorreu três vezes, e em 2013, pode finalmente passar para o time dos Academy Award Winners.

Apesar de ainda estar cedo para favoritismos, Robert De Niro está na frente pelo sucesso de Silver Linings Playbook. O filme de David O. Russell vem arrancando aplausos pelos festivais que passa, especialmente o de Toronto (Canadá), de onde saiu com o prêmio People’s Choice Award. Particularmente, mesmo que ainda não tenha conferido sua performance, gostaria que esse retorno de De Niro fosse coroado para que sirva de incentivo ao ator para escolher projetos mais ousados e não somente pelo alto cachê, como vinha fazendo nas últimas duas décadas. Contudo, Philip Seymour Hoffman pode ser a pedra no meio do caminho com sua presença magnética no novo filme de Paul Thomas Anderson, The Master, que já lhe rendeu o prêmio Volpi Cup de Melhor Ator (juntamente com Joaquin Phoenix) no último Festival de Veneza.

Alan Arkin em Argo

ALAN ARKIN (Argo)

Muita gente conhece Alan Arkin como o vovô maconheiro e tutor da pequena Olive de Pequena Miss Sunshine, papel pelo qual ele ganhou seu único Oscar em 2007, batendo o favorito Eddie Murphy de Dreamgirls, mas este ator americano de 78 anos é um veterano em Hollywood, tendo participado de alguns clássicos como a comédia de guerra de Norman Jewison, Os Russos Estão Chegando! Os Russos Estão Chegando! (1966) e no suspense Um Clarão nas Trevas (1967), ao lado de Audrey Hepburn. Chegou a atuar no filme brasileiro indicado ao Oscar de Filme Estrangeiro, O que é isso, Companheiro? (1997), de Bruno Barreto.

Nessa idade e já com um Oscar em casa, alguns críticos já aposentavam Alan Arkin, mas com Argo, ele prova que tem muito ainda a ensinar e mostrar. Ele interpreta o produtor de Hollywood, Lester Siegel, que ajuda o maquiador John Chambers na missão de vender um filme fictício para encobrir a saída de seis americanos do Irã durante a Revolução Iraniana em 1980. Ao lado de John Goodman, que vive Chambers, Alan Arkin rouba a cena com seu humor escrachado repleto de palavrões, muito semelhante ao revoltado vovô de Miss Sunshine.

É claro que o fato de Arkin já ter ganhado o Oscar recentemente implica em perda de pontos na corrida, afinal os votantes certamente consideram o histórico do ator. Mas se os votos se dividirem entre Robert De Niro e Philip Seymour Hoffman, Alan Arkin viria logo em seguida para roubar a cena na cerimônia.

Russell Crowe em Les Misérables

RUSSELL CROWE (Les Miserábles)

Depois de um início fenomenal em seus primeiros anos de Hollywood com três indicações ao Oscar, Russell Crowe deu uma relaxada. Quer dizer, ainda trabalha em projetos ambiciosos e com diretores consagrados como Ridley Scott e Peter Weir, mas suas atuações deram uma estabilizada. Em O Informante, Crowe engordou para interpretar Jeffrey Wigand. Já em Gladiador, ganhou massa muscular e fez cara de mau. A Academia reconheceu oficialmente seu esforço, premiando-o com o Oscar de Melhor Ator em 2001 pelo épico Gladiador.

Talvez, com esta adaptação musical do clássico literário de Victor Hugo, Russell Crowe volte aos holofotes pelas performances na tela, e não pelos escândalos de porrada em papparazzi ou que bateu na pobre esposa. Na mega-produção, o ator neozelandês dá vida ao Inspetor Javert, que fica na cola do protagonista Jean Valjean (Hugh Jackman).

Particularmente, nunca ouvi nenhuma faixa da banda australiana de Russell Crowe, 30 Odd Foot of Grunts. Mas pelos comentários, vale aquele bom e velho ditado: “Como cantor, Russell Crowe é um ótimo ator”. E pelo que me informei, não há playbacks nas canções, tanto que os atores cantavam ao vivo no set usando um fone que tocava piano para manter o ritmo. A música era acrescentada na montagem final. Será que Crowe se saiu bem ou todo mundo aplaudia por educação e com medo de levar um soco? Só vendo mesmo, mas se ele não se saiu no mínimo bem, esquece a indicação…

Robert De Niro em cena de Silver Linings Playbook

ROBERT DE NIRO (Silver Linings Playbook)

Que Robert De Niro não precisa provar mais nada pra ninguém, isso todo mundo já sabe. Afinal, não é qualquer ator que fez Taxi Driver (1976), O Poderoso Chefão: Parte II (1974), Touro Indomável (1980), Os Bons Companheiros (1990) e aterrorizou como o presidiário Max Cady em Cabo do Medo (1991). Tem dois Oscars na bagagem, mas um terceiro pode estar por vir.

Com Silver Linings Playbook, o veterano de Hollywood pode ressuscitar na temporada de prêmios. Ele faz o pai protetor e conselheiro de Pat (Bradley Cooper), que acaba de sair de uma instituição psicológica depois de pegar sua mulher traindo. Pelo trailer, já é possível ver que De Niro já se desvencilha da típica atuação de mafioso ou gângster que praticamente impregnou sua pele, crédito do ótimo diretor de atores David O. Russell.

O retorno de Robert De Niro aos bons papéis era há muito aguardada, pois o ator passou por duas décadas de filmes medianos e alguns claramente para poder pagar as contas como a comédia As Aventuras de Rocky & Bullwinkle (podem falar o que quiser do filme, mas está nítido que o contrato foi gordo).

Aí você vai se perguntar: “Mas se o De Niro já tem dois Oscars, por que ele ganharia um terceiro?”. Realmente, se levarmos em consideração o histórico vitorioso, existem outros atores da nova geração que são tão merecedores quanto ele. Mas Hollywood e sua comunidade admiram Robert De Niro e gostariam de vê-lo no topo depois de tanto tempo. Muitos acreditam que o grande ator ainda existe, mas que não teve as devidas oportunidades nas últimas duas décadas. Infelizmente, só vamos poder comprovar o potencial do papel em fevereiro, quando está prevista a estréia no Brasil.

Leonardo DiCaprio em Django Livre

LEONARDO DiCAPRIO (Django Livre)

Desde que estrelou Titanic como o pobretão galã Jack e se tornou pôster de milhões de quartos de menininhas, Leo DiCaprio decidiu virar o disco e se tornar um ator de respeito. Sua tática era formar parcerias com profissionais consagrados como forma de aprendizado e se destacar como ator e não apenas ídolo teen. Como cinéfilo, admiro bastante sua disposição para mover montanhas, mas ainda não me convenci de que ele é um bom ator. DiCaprio é esforçado: aprendeu o sotaque sul-africano para filmar Diamante de Sangue, tomou uma nova aparência mais nojenta em O Aviador e mais velha em J. Edgar, mas ainda não apresenta algumas nuances e tonalidade de voz diferenciada. Ele precisa trabalhar mais o interior do que o exterior. Pode-se dizer que Leonardo DiCaprio é um diamante bruto que precisa ser esculpido.

Creio que o diretor Martin Scorsese também pensou o mesmo a respeito dele. Contratou-o para filmar Gangues de Nova York (2002), O Aviador (2004), Os Infiltrados (2006) e A Ilha do Medo (2010). Claro que depois do curso intensivo de Scorsese, Leo ficou melhor, tanto que conseguiu mais duas indicações ao Oscar (a primeira foi aos 19 anos como coadjuvante por Gilbert Grape – Aprendiz de um Sonhador) por O Aviador e Diamante de Sangue.

Agora, em sua primeira participação num filme de Quentin Tarantino, as esperanças se renovam, ainda mais que o diretor conseguiu um Oscar de coadjuvante para Christoph Waltz em Bastardos Inglórios há dois anos. No western Django Livre, Leonardo DiCaprio interpreta o vilão, no caso, o proprietário de terras brutal de Mississipi, Calvin Candie, que tem posse da mulher do herói Django (Jamie Foxx). As expectativas sempre são altas quando se fala de um filme de Tarantino. Espera-se que a performance de DiCaprio também esteja no mesmo nível.

John Goodman em Argo

JOHN GOODMAN (Argo)

Para o público brasileiro em geral, John Goodman ficou marcado por viver Fred Flinstone nos cinemas e dar sua voz ao personagem Sully na animação Monstros S.A.. Chegou a cantar a canção “If I Didn’t Have You”, que venceu o Oscar para Randy Newman em 2002. Mas para os cinéfilos de carteirinha, o ator robusto ficará marcado eternamente pelo papel de Walter Sobchak, o sem-noção traumatizado da Guerra do Vietnã na comédia de humor negro O Grande Lebowski (1998), dos irmãos Coen.

De lá pra cá, além das participações nos filmes dos Coen, Goodman tem sido escalado para papéis menores que exigem uma presença de tela. Foi assim no blockbuster Speedy Racer, na comédia Os Delírios de Consumo de Becky Bloom e no último vencedor do Oscar, O Artista. Com o sucesso de Argo, espera-se que ele finalmente consiga sua primeira indicação ao Oscar e consequentemente, melhores ofertas de papéis.

No filme de Ben Affleck, John Goodman se destaca em todas as cenas em que aparece como o maquiador de Hollywood, John Chambers. É realmente uma pena que seu personagem não tenha mais tempo de tela, porque sua atuação merecia mais alguns minutos. Apesar da curta duração, uma indicação a Goodman se mostra bastante plausível devido ao reconhecimento da figura de Chambers com um Oscar Honorário pelas próteses inovadoras de O Planeta dos Macacos (1968).

Philip Seymour Hoffman em The Master

PHILIP SEYMOUR HOFFMAN (The Master)

Philip Seymour Hoffman começou a atuar em filmes no começo dos anos 90. Felizmente, nunca foi do tipo galã, então teve que ralar bastante para conquistar seu lugar ao sol. Mesmo em papéis menores, teve oportunidade de conhecer e atuar com grandes atores como Paul Newman, Al Pacino, James Woods e Ellen Burstyn, buscando construir seu próprio estilo de interpretação. Na maioria de seus trabalhos, percebe-se que Hoffman prioriza a atuação mais contida, mesmo com seu trabalho premiado pela Academia em Capote (2005), em que teve que copiar alguns trejeitos típicos do romancista Truman Capote, ele procurou reprimir a sexualidade de seu personagem.

Além do aprendizado com referências de Hollywood, outro fator notável na carreira de Hoffman foi o início de uma parceria forte com o jovem cineasta norte-americano Paul Thomas Anderson que, aos 26 anos, realizou seu primeiro longa, Jogada de Risco (1996). Com o diretor, Philip Seymour Hoffman voltou a trabalhar em Boogie Nights – Prazer Sem Limites (1997), Magnólia (1999), Embriagado de Amor (2002) e agora no tão aguardado The Master, no qual dá vida ao filósofo carismático Lacaster Dodd, que seria baseado na figura do criador da Cientologia, L. Ron Hubbard.

Pelo filme, Philip Seymour Hoffman já ganhou o Volpi Cup de Melhor Ator (compartilhado com seu colega Joaquin Phoenix) no último Festival de Veneza, de onde Paul Thomas Anderson também saiu premiado como Melhor Diretor. Hoffman já foi indicado três vezes ao Oscar: Melhor Ator por Capote (2005), Melhor Ator Coadjuvante por Jogos do Poder (2007) e Dúvida (2008), tendo levado pelo primeiro.

Tommy Lee Jones em Lincoln

TOMMY LEE JONES (Lincoln)

Muita gente conhece Tommy Lee Jones como o agente K da trilogia de Homens de Preto, que com sua expressão de pedra, contrabalanceou muito bem com o humor mais extrovertido de Will Smith. Contudo, Jones já possui uma extensa filmografia, que começou lá em 1970 no bem-sucedido romance Love Story – Uma História de Amor, num papel menor. Apesar de ganhar notoriedade ao atuar ao lado de Sissy Spacek na biografia da cantora country Loretta Lynn em 1980, Tommy Lee Jones só teve seu talento reconhecido nos anos 90, quando trabalhou com Oliver Stone no aclamado JFK – A Pergunta que Não Quer Calar e no polêmico Assassinos por Natureza. Em 1995, ganhou seu único Oscar de coadjuvante pelo thriller policial O Fugitivo, no qual interpreta o agente do FBI Samuel Gerard que tem a missão de perseguir Kimble (Harrison Ford), acusado de matar sua própria esposa.

Como muitos atores, Tommy desfrutou de seu sucesso tardio em Hollywood e assinou contrato para alguns filmes blockbusters como o fraco Volcano (1997) e no carnavalesco Batman Eternamente (1995), em que deu vida ao vilão Duas-Caras. Mais recentemente, estrelou o western pós-moderno dos irmãos Coen, Onde os Fracos Não Têm Vez (2007), foi indicado ao Oscar pela atuação no policial No Vale das Sombras (2007) e em 2005, ganhou o prêmio de ator no Festival de Cannes pelo ótimo Três Enterros, primeiro longa sob sua direção.

2012 foi um ano cheio para Tommy Lee Jones. Quatro produções em que participou estrearam este ano: Lincoln, Homens de Preto 3, Emperor e Um Divã Para Dois. Além do sucesso comercial de Homens de Preto 3, sua atuação na comédia romântica Um Divã Para Dois ao lado de Meryl Streep já havia chamado a atenção da crítica, o que certamente aumenta as chances de indicação pelo filme político de Steven Spielberg. Em Lincoln, ele interpreta o vice-presidente abolicionista Thadeus Stevens, que tem suma-importância como o braço direito do presidente. Na grande produção de época de Spielberg, existem vários bons atores em papéis secundários como David Strathairn, Jackie Earle Haley, John Hawkes, Joseph Gordon-Levitt, James Spader e Hal Holbrook, mas pelas críticas, Tommy Lee Jones deve representar todo o elenco secundário masculino no Oscar.

William H. Macy em The Sessions

WILLIAM H. MACY (The Sessions)

Este ator franzino norte-americano parece ter nascido para papéis secundários. Hollywood nunca lhe deu uma real oportunidade de protagonista, mas já trabalhou com diretores renomados como Woody Allen (A Era do Rádio e Neblina e Sombras), Rob Reiner (Fantasmas do Passado), Paul Thomas Anderson (Boogie Nights – Prazer Sem Limites e Magnólia), Barry Levinson (Mera Coincidência) e os irmãos Coen (Fargo), pelo qual conseguiu sua única indicação ao Oscar, como coadjuvante, claro. Na TV, William H. Macy teve mais sorte ao estrelar o filme televisivo De Porta em Porta, no qual se destaca como o vendedor ambulante com problemas mentais Bill Porter.

Casado com a atriz Felicity Huffman, da série de TV Desperate Housewives, William H. Macy tem enorme carinho por colegas de trabalho, pois costuma emprestar seu carisma para seus papéis. Desta vez, ele interpreta um padre, que enfrenta uma questão eticamente controversa. No filme independente The Sessions, seu amigo e fiel Mark O’Brien (John Hawkes) tem condições médicas delicadas e pouco tempo de vida, o que o leva a querer perder sua virgindade antes que o pior aconteça. Como padre e conselheiro, ele tenta guiar Mark pelo melhor caminho sem afetar sua fé.

No último Festival de Sundance, o filme ganhou o prêmio de público e um reconhecimento especial do júri pela atuação do elenco todo. Dependendo de como vai se sair entre os prêmios da crítica americana como o National Board of Review, New York Film Critics Circle e o Los Angeles Film Critics Association, William H. Macy tem boas chances de aparecer na lista de Melhor Ator Coadjuvante em 2013. Seria sua segunda indicação ao Oscar.

Matthew McConaughey em Magic Mike

MATTHEW McCONNAUGHEY (Magic Mike)

Galã de segunda linha, Matthew McConnaughey costuma estrelar comédias românticas com atrizes regulares como Sarah Jessica Parker e Kate Hudson, tanto que o público feminino o conhece como o conquistador de Como Perder um Homem em 10 Dias (2003). Mas de vez em quando, o ator decide participar de alguns projetos mais ambiciosos como a ficção científica Contato (1997), o filme de época de Spielberg, Amistad (1997) e ganhou certo prestígio ao interpretar advogados em Tempo de Matar (1996) e em O Poder e a Lei (2011).

Trabalhando com o diretor Steven Soderbergh (vencedor do Oscar por Traffic) em Magic Mike, McConnaughey faz o papel de Dallas, um veterano do mundo do striptease masculino no clube de mulheres. Ele rouba a cena ao passar seus ensinamentos eróticos para o jovem Mike (Channing Tatum) e, claro, em seus shows que levam as mulheres ao delírio.

Com tantas performances boas nessa categoria, McConnaughey corre por fora nessa competição. Contudo, como a maioria dos relacionados já foi indicada ou ganhou um Oscar, existe uma possibilidade do ator ser o único a conquistar a primeira indicação. A votantes femininas podem dar uma mãozinha.

 

POSSÍVEIS SURPRESAS

As categorias de coadjuvante costumam ser as mais imprevisíveis. Na reta final, surge alguém para roubar a vaga garantida de outro ator. Este ano, o veterano sueco Max von Sydow (Tão Forte e Tão Perto) foi a surpresa, passando uma rasteira em Albert Brooks (Drive) e Armie Hammer (J. Edgar), ambos indicados ao Globo de Ouro e SAG Awards, respectivamente. Alguns sites como IndieWire, colocaram alguns nomes que podem figurar como supresa na lista final. Confira:

– Javier Bardem (007 – Operação Skyfall)

– Don Cheadle (Flight)

– James D’Arcy (Hitchcock)

– Michael Fassbender (Prometheus)

– James Gandolfini (O Homem da Máfia)

– Dwight Henry (Indomável Sonhadora)

– Hal Holbrook (Promised Land)

– Ewan McGregor (O Impossível)

– Ian McKellen (O Hobbit – Uma Jornada Inesperada)

– Guy Pearce (Os Infratores)

Também considero baixas as possibilidades desses atores entrarem na lista, mas adoraria ver Michael Fassbender ser incluso de última hora por Prometheus, uma vez que o ator alemão já merecia uma indicação este ano pelo drama independente Shame. Além de seu ciborgue David ser muito convincente e deixar todo o resto do elenco no chão, ele demonstra a calma na fala mansa e pausada, e ainda empresta um carisma que às vezes se mostra mais humano do que os personagens humanos. Com certeza, um grande ator em extrema ascensão que merece ser reconhecido pela Academia, que só tem a ganhar com sua inclusão na categoria.

Michael Fassbender como o ciborgue David em Prometheus

Como fã de James Bond, seria uma grata surpresa ver Javier Bardem e seu vilão Raoul Silva de 007 – Operação Skyfall indicado ao Oscar, mas acho bastante improvável pelo papel ser parecido com o Coringa de Heath Ledger. Entretanto, o mega sucesso das bilheterias do 23º filme de Bond pode mexer na corrida.

Argo (Argo), de Ben Affleck (2012)

Argo, de Ben Affleck. Fortíssimo candidato ao Oscar 2013.

TERCEIRO FILME DE BEN AFFLECK RESGATA HUMOR POLÍTICO

Apesar de ser inspirada em fatos verídicos, a história de Argo contém elementos fictícios que simplificam o contexto de forma que qualquer espectador possa entender e embarcar na arriscada missão. Desde que estreou nos EUA em outubro, vem conquistando elogios da crítica e tem se tornado um dos fortes candidatos ao Oscar.

Logo no início, somos apresentados a uma breve história do Irã, passando pela desavença causada pelo exílio do Xá e a revolta do povo xiita liderado pelo aiatolá Khomeini para invadir a embaixada americana no Teerã com o objetivo de levar o líder político a julgamento. Nesse cenário de caos e barbárie, seis funcionários da embaixada conseguem escapar a tempo e se refugiam na casa do embaixador canadense. Com a pressão política devastando o país, a CIA se vê obrigada a retirá-los do solo iraniano antes que haja uma tragédia e comprometa o diplomata canadense.

Os seis americanos na casa do embaixador canadense.

Incontáveis idéias surgem das cabeças do alto escalão, sendo uma delas conseguir documentos de professores estrangeiros. Nesse momento conturbado, surge o agente Tony Mendez (Ben Affleck), especializado em exfiltração. Numa noite, ao falar com o filho que mora com a mãe por telefone, ele assiste a um dos filmes da série O Planeta dos Macacos e dali nasce o plano mirabolante. Mendez precisa convencer as autoridades do aeroporto do Irã que seus seis refugiados são parte de uma equipe de filmagem canadense para o falso filme de ficção científica intitulado Argo, que teria vindo ao país para pesquisar locações para os cenários de desertos.

Como o agente desconhece o universo fílmico, é enviado para Los Angeles, mais precisamente em Hollywood, onde conhece o maquiador John Chambers (artista verídico, falecido em 2001), vivido por John Goodman, e o produtor fictício Lester Siegel (Alan Arkin). Nessa parte que Argo mais cresce, pois explora o paralelo entre a vida e a arte, e a CIA e Hollywood. Chambers e Siegel brilham na tela ao criticar Hollywood e seu mercenarismo. São deles os melhores diálogos do roteiro de Chris Terrio, jovem escritor nova-iorquino que deve ter inúmeras oportunidades depois do sucesso de Argo.

Quando a idéia vira realidade. Chambers (Goodman), Siegel (Arkin) e Mendez (Affleck) se reunem para discutir a “Opção Hollywood”

Como se tratava de uma operação altamente confidencial, pela mídia, os refugiados conseguiram escapar graças aos esforços do Canadá, que ganharam o crédito do salvamento das vidas. Só depois de 17 anos que o então presidente americano Bill Clinton tornou público todo o planejamento originado na CIA, em parceria com Hollywood, e o cabeça Tony Mendez, que ganhou dinheiro depois ao publicar um livro. Mas ao contrário do que muitos pensam, o roteiro de Chris Terrio nada tem a ver com o livro de Mendez, pois é baseado no artigo de Joshuah Bearman, publicado na revista Wired.

Outra fato que parece ter alguma influência ou ligação com Argo seria o exílio do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, na embaixada do Equador em Londres. O abrigo político de Assange, que se iniciou em junho deste ano, ainda continua sem solução. Infelizmente, com a popularidade do filme de Affleck, a estratégia de  sair disfarçado como membro de equipe de filmagem já está batida. Agora vai ter que ser bem mais criativo pra sair de lá…

Julian Assange, fundador do WikiLeaks, exilado na embaixada do Equador. Devido ao vazamento de informações confidenciais de alguns governos, muitos querem entregá-lo às autoridades…

… já outros querem a sua liberdade. O protesto homenageia a graphic novel de Alan Moore, V de Vingança, protagonizada pelo anti-herói anarquista V.

Em seu terceiro longa como diretor, Ben Affleck confirma maturidade com uma trama política, pela qual consegue extrair críticas a Hollywood, aos governos americano e iraniano e ainda entregar um filme tenso do começo ao fim. Com o roteiro altamente abrangedor, ele desvia das armadilhas e salta com leveza entre os gêneros do drama, comédia e suspense, resultando num filme coerente, que agrada a todos os públicos. Sem contar que enquanto cuida desses aspectos, ainda dirige a si mesmo de forma convincente. Affleck queria Brad Pitt para o papel de Tony Mendez, mas como ele estava bastante atarefado, acabou protagonizando.

Em se tratando de atuação, depois de sua aclamada estréia na direção com Medo da Verdade (Gone Baby Gone), Ben Affleck voltou a surpreender os críticos com o drama policial Atração Perigosa (The Town, 2010). Além dos elogios, os filmes renderam duas indicações ao Oscar: Melhor Atriz Coadjuvante para Amy Ryan por Medo da Verdade, e Melhor Ator Coadjuvante para Jeremy Renner por Atração Perigosa.

Mesmo que tenha convencido a todos de suas qualidades no quesito direção de atores, Ben Affleck ainda permanece uma grata surpresa, afinal, ele mesmo nunca se firmou como um dos bons. Na carreira de atuação, Affleck teve algumas performances razoáveis nos filmes de Kevin Smith (Barrados no Shopping, Procura-se Amy e Dogma), participou de alguns filmes em destaque como Shakespeare Apaixonado (1998) e chegou a ganhar o Volpi Cup de Melhor Ator no Festival de Veneza por Hollywoodland – Bastidores da Fama (2006) ao interpretar o ator que foi o Super-Homem na TV, George Reeves. Contudo, a carreira de ator para Affleck não deslanchava porque tentaram vendê-lo como galã nos filmes Armageddon (1998), Pearl Harbor (2001), na refilmagem do sucesso estrelado por Harrison Ford, A Soma de Todos os Medos (2002) e até como o herói da Marvel no fracasso Demolidor – O Homem Sem Medo (2003).

Ben Affleck ao lado de Matt Damon (a esquerda). Vencedores do Oscar de Melhor Roteiro Original por Gênio Indomável (1997).

Embora a estratégia tenha fracassado, especialmente no filme Contato de Risco (2003) quando Ben atingiu o fundo do poço ao lado da então namorada Jennifer Lopez, ele aprendeu bastante com bons diretores. Além do já citado Kevin Smith, Ben Affleck pôde observar de camarote o método de trabalho de Gus Van Sant (Gênio Indomável, pelo qual ganhou o Oscar de Roteiro Original com Matt Damon), Michael Bay (sim, aprendeu como não fazer filmes com Armageddon e Pearl Harbor), John Madden (Shakespeare Apaixonado) e com o falecido John Frankenheimer (sequências de ação e tensão em Jogo Duro). Dessa diversidade de projetos e estilos, Affleck foi criando seu próprio métodos de trabalho que acaba sintetizando muitas das qualidades que ele presenciou nos sets de filmagem, além das suas próprias referências pessoais.

Vale ressaltar que nesses três primeiros filmes, ele soube escolher minuciosamente seu elenco, tarefa nada fácil para um diretor novato. Aí entra também seu trabalho como ator, pois ao longo de sua experiência, pôde ver e conhecer melhor os atores com quem poderia trabalhar no futuro. Logo em seu primeiro projeto, conseguiu escalar Morgan Freeman. Já no segundo, convenceu os veteranos Pete Postlethwaite e Chris Cooper a embarcar na história de ladrões de banco de Atração Perigosa. Em Argo, a façanha se repete devido ao seu alto comprometimento profissional. Alan Arkin, John Goodman e Bryan Cranston fazem parte de um forte grupo que tem grandes chances de ganhar o prêmio de Melhor Elenco (Ensemble Cast in a Movie) do SAG Awards em 2013.

Ben Affleck dirige John Goodman (a esquerda). O jovem diretor vem confirmando seu talento para trabalhar com atores.

O sucesso de Ben Affleck na cadeira de diretor também possibilita novas parcerias por trás das câmeras. Além da diretora de arte Sharon Seymour, que trabalhou nas três produções, Affleck conseguiu colaborações importantes como a do compositor Harry Gregson-Williams e agora com Alexandre Desplat, o montador William Goldenberg (que trabalha frequentemente com Michael Mann), os produtores George Clooney e Grant Heslov para dar mais tranquilidade ao diretor, e apesar de não ter repetido, conseguiu três excelentes diretores de fotografia na ordem: John Toll, Robert Elswitt e Rodrigo Prieto.

Curiosamente, Argo, antes intitulado Escape from Tehran (Fuga de Teerã) estava previsto para ser dirigido por George Clooney e co-escrito por Grant Heslov em 2007 devido ao sucesso de crítica que foi Boa Noite e Boa Sorte (2005). Mas algumas complicações surgiram e o projeto ficou encalhado até 2011, quando Ben Affleck foi apadrinhado por Clooney e desenvolveu o filme com a Warner Bros.

A aposta deu certo. Argo estreou em primeiro lugar nos EUA e se manteve na mesma posição por mais quatro semanas, tendo faturado até o momento, mais de 76 milhões de dólares só em solo americano, fato que só favorece indicações ao Oscar, pois a Academia costuma premiar produções que tiveram pelo menos um sucesso razoável nas bilheterias.

Ainda na questão do Oscar, Alan Arkin e John Goodman podem se tornar indicados na categoria de Melhor Ator Coadjuvante. Infelizmente, seus papéis têm pouco tempo na tela, o que pode atrapalhar no favoritismo, mas certamente ambos roubam a cena por seu lado cômico que satiriza Hollywood. Arkin já venceu na mesma categoria em 2007 pela comédia independente Pequena Miss Sunshine e Goodman pode finalmente ter sua primeira indicação por interpretar uma figura importante como John Chambers, que ficou mundialmente conhecido por ter criado as próteses dos macacos de O Planeta dos Macacos e ter ganhado um Oscar Honorário de Maquiagem em 1969 (a categoria de Melhor Maquiagem foi criada apenas em 1981, quando Rick Baker venceu pelo primoroso trabalho em Um Lobisomem Americano em Londres).

John Chambers (a esquerda) ao lado de sua criação de O Planeta dos Macacos, que lhe renderia um Oscar Honorário de Maquiagem.

Além de Melhor Filme, Argo pode conseguir a primeira indicação para Melhor Diretor para coroar a maturidade de Ben Affleck que, a esse ponto, não passa mais desapercebido pela temporada de premiações. Também deve obter indicações nas categorias Melhor Roteiro Original (Chris Terrio), Melhor Fotografia (Rodrigo Prieto), Melhor Montagem (William Goldenberg) e Melhor Trilha Musical (Alexandre Desplat), podendo totalizar oito indicações. Sem contar as chances no Globo de Ouro, que acontece no dia 13 de janeiro.

Argo é um filme bem dirigido, atuado e com qualidades técnicas, especialmente o roteiro e a montagem. Mas para a avaliação ainda conto o fato do filme trazer questões políticas de volta ao cenário hollywoodiano. E não se trata de mais um filme político chato e quadrado, senão não estaria fazendo o sucesso comercial que vem fazendo. E vem num momento curioso em que o vídeo Inocência dos Muçulmanos, que causou enorme rebuliço no Oriente Médio, ainda estremece a delicada relação entre os EUA e o Irã.

AVALIAÇÃO: MUITO BOM

Jodie Foster receberá prêmio Cecil B. DeMille no Globo de Ouro 2013

Jodie Foster no tapete vermelho do Globo de Ouro deste ano

Enquanto a Academia tem o Oscar Honorário, a Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood tem o prêmio Cecil B. DeMille, uma honraria que reconhece o conjunto da obra de um artista de cinema, que existe desde 1952, quando foi concedido ao próprio diretor Cecil B. DeMille, conhecido pelos filmes-espetáculo como Os Dez Mandamentos (1956) e O Maior Espetáculo da Terra (1952).

Em sua longa jornada, o Cecil B. DeMille Award já consagrou inúmeras carreiras de grandes nomes como Walt Disney, Fred Astaire, Judy Garland, James Stewart, John Wayne, Jack Nicholson, Martin Scorsese e Charlton Heston, o mais novo a receber o prêmio aos 42 anos. A homenageada de 2013, a atriz americana Jodie Foster será a segunda mais nova aos 50 anos de idade.

Apesar da idade, Foster iniciou sua carreira artística muito nova. Quando ainda era um bebê de 3 anos, estrelou comerciais na TV do protetor solar Coppertone. Aos 7, participou do programa humorístico de TV, o The Doris Day Show, e aos 9, estrelava seu primeiro filme ao lado de Michael Douglas em Napoleon e Samantha (1972), de Bernard McEveety.

Segue trecho do programa de TV Ellen, no qual Jodie Foster fica um pouco constrangida com o comercial de Coppertone:

Aos 12 anos, escolheu uma opção que mudaria sua vida para sempre. Foi escalada para viver a prostituta Iris em Taxi Driver (1976), dirigido por Martin Scorsese e atuando ao lado de um promissor Robert De Niro. Era espantoso ver a performance de uma garota tão jovem num papel tão sério e intenso. A Academia concordou e Jodie recebeu sua primeira indicação ao Oscar.

No início dos anos 80, enquanto a atriz estava cursando a universidade de Yale, um maluco e fã obcecado por Jodie Foster, John Hinckley, atirou no então presidente americano Ronald Reagan só para impressioná-la. A idéia surgiu de Taxi Driver, no qual Travis Bickle (De Niro) tenta matar um político para impressionar uma moça. Pelos boatos, Hinckley assistiu ao filme quinze vezes seguidamente. Antes do atentado, mandava cartas com poemas para a residência da atriz para que ela o notasse. Depois de ser preso, permanece internado numa clínica psiquiátrica mantido sob vigilância.

Após esse período negro, Foster ressurgiu para o mundo aos 26 anos, quando seu trabalho em Acusados chamou a atenção dos críticos. No filme, ela vive a jovem Sarah Tobias, que se torna vítima de um brutal estupro num bar por três homens. Contudo, Acusados não se trata de um filme comum. Pela personagem de Foster ter um histórico conturbado (foi presa por porte de drogas), e pelo fato de estar bêbada e se insinuar dançando para um homem igualmente bêbado no bar, o julgamento ganha proporções maiores, ainda mais que os acusados têm fortes conexões na justiça.

Jodie Foster em Acusados (1988): primeiro Oscar

Além da escolha ousada do projeto, Jodie Foster impressionou com a fragilidade da condição humana pela dificuldade de se expressar na corte. Sua personagem se vê obrigada a amadurecer e criar responsabilidade por seus atos. Como a mensagem do filme é bem difícil de entender, a performance da atriz se mostra fundamental para que o público entenda que os acusados do filme são apenas figurantes do crime. Por este trabalho, Jodie Foster recebeu sua segunda indicação e saiu vencedora do Oscar de Melhor Atriz em 1989.

Em 1991, outro ano de sua ascensão, Foster estrelou a adaptação do best-seller de Thomas Harris, O Silêncio dos Inocentes, que lhe rendeu seu segundo Oscar de atriz. Curiosamente, ela não foi a primeira opção do diretor Jonathan Demme, que preferia Michelle Pfeiffer, com quem havia trabalhado em De Caso com a Máfia (1988). Então, Demme recorreu à sugestão do roteirista Ted Tally.

Jodie Foster em O Silêncio dos Inocentes: prova de que beleza e inteligência podem coexistir

Para interpretar a agente do FBI, Clarice Starling, a atriz passou por um curso intensivo com agentes reais, como mostrado durante o filme. Com isso, deu credibilidade ao seu papel, que se encontra num caso de superação ao investigar os assassinatos de Buffalo Bill com a ajuda de Hannibal Lecter (Anthony Hopkins, em momento de extrema inspiração).

Ainda naquele ano, Jodie decidiu se aventurar na cadeira de diretora. Com roteiro original de Scott Frank, o filme Mentes que Brilham trata da trajetória de uma criança superdotada. Conhecida por seu alto QI, Jodie Foster se identificou com o menino da história e apostou no projeto que, embora tenha recebido boas críticas, não foi tão bem nas bilheterias.

Jodie Foster ao lado do pequeno Adam Hann-Byrd em Mentes que Brilham, estréia de Foster na direção

Em 1994, teve destaque ao interpretar a eremita Nell, que vivia afastada na selva. Em entrevista com James Lipton no programa Inside the Actors Studio, Jodie revelou que Nell foi seu melhor trabalho como atriz, uma vez que a personagem havia criado uma linguagem completamente nova e se comunicava com todo o seu corpo e expressão. Por este papel, ganhou o SAG Award, recebeu sua quarta indicação ao Oscar, mas perdeu para Jessica Lange (Céu Azul),

Nas décadas seguintes, já consagrada, Jodie Foster embarcou em produções mais comerciais como Maverick (1993), Contato (1997), O Quarto do Pânico (2002) e Plano de Vôo (2005), mas por mais que sejam voltados ao grande público, todos apresentam bons roteiros.

Apesar de ter cara de blockbuster, Plano de Vôo é um bom suspense que aborda a questão da paranóia americana, terrorismo e racismo.

Em 2013, a atriz retornará às telas de cinema com Elysium, novo filme de Neill Blomkamp, diretor da inovadora ficção científica indicada ao Oscar de Melhor Filme, Distrito 9. No elenco, além de Matt Damon, contam com a presença de dois brasileiros: Wagner Moura e Alice Braga.

Jodie Foster receberá o Cecil B. DeMille award durante cerimônia de premiação do Globo de Ouro 2013, que ocorre no dia 13 de janeiro.

No Globo de Ouro, a atriz já soma sete indicações:

1977: Indicada a Melhor Atriz – Comédia ou Musical por Se Eu Fosse Minha Mãe

1989: Vencedora de Melhor Atriz – Drama por Acusados

1992: Vencedora de Melhor Atriz – Drama por O Silêncio dos Inocentes

1995: Indicada a Melhor Atriz – Drama por Nell

1998: Indicada a Melhor Atriz – Drama por Contato

2008: Indicada a Melhor Atriz – Drama por Valente

2012: Indicada a Melhor Atriz – Comédia ou Musical por Deus da Carnificina

Indicados ao 18º Screen Actors Guild Awards

SAG Awards

Eu sei que a esta altura do campeonato, todo mundo já está de saco cheio de ler sobre premiações, de NYFCC, de LAFCA, de Globo de Ouro… Calma! Só faltam 57 prêmios até o Oscar. Estamos apenas começando! O Screen Actors Guild Awards, ou SAG Awards, é um dos prêmios mais recentes da indústria do Cinema. Apesar do Sindicato dos Atores ser bastante antigo, seu prêmio só começou a ser distribuído em 1995. Antes disso, só reconhecia atores pelo conjunto da obra, como Barbara Stanwyck, James Stewart, Gregory Peck, Edward G. Robinson, Charlton Heston, Katharine Hepburn e James Cagney.

É claro que o Sindicato ainda reconhece atores consagrados pela carreira, mas desde a criação de seus prêmios para os melhores do ano, passou a ser o melhor parâmetro para as categorias de atuação e até para direção para o Oscar, pois o SAG Awards criou uma categoria de Best Ensemble, ou seja, elege o melhor conjunto de atores, o que normalmente significa qual elenco foi melhor dirigido.

Duvida? Vejamos. Este ano, O Discurso do Rei levou o prêmio de Ensemble. Quem ganhou melhor diretor no Oscar? Tom Hooper, diretor de O Discurso do Rei. Em 2009, Quem Quer Ser um Milionário? foi reconhecido no SAG e seu diretor Danny Boyle como Melhor Diretor no Oscar. Em 2008, foi a vez de Onde os Fracos Não Têm Vez coincidir elenco e diretor. Então, nos últimos 4 anos, 3 vencedores da categoria levaram Melhor Diretor. Portanto, fique de olhos abertos para isso no próximo bolão do Oscar!

Cowboys & Aliens: Concorrendo como Melhor Equipe de Dublês

Vale a pena ressaltar que desde 2008, o SAG também passou a reconhecer os melhores trabalhos de equipes de dublês. Os dublês podem não se expressar com seus rostos, mas seus corpos compõem as performances de atores, na maioria das vezes em cenas de ação ou simplesmente como dublês de corpo para aquelas cenas de nudez em que o ator ou atriz não têm o corpo exigido para o papel. Obviamente, os vencedores da categoria são filmes de ação: O Ultimato Bourne, Batman – O Cavaleiro das Trevas, Star

Trek, A Origem. Alguns anos atrás, tentaram incluir a categoria no Oscar, mas acho que o conservadorismo de pedra dos membros falou mais alto. Apesar de achar que a cerimônia em si já está longa demais, sou favorável a essa inclusão, afinal a profissão de dublê praticamente nasceu junto com o Cinema.

Este ano, Cowboys & Aliens, Os Agentes do Destino, Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2, Transformers –  O Lado Oculto da Lua e X-Men: Primeira Classe estão na disputa. Quem é o favorito? Ninguém. Todos têm chances iguais de ganhar. Porém, aposto no filme do Harry Potter pelo número grande de dublês e pelas várias cenas de ação.

Bom, mas voltando aos indicados, para quem acompanhou a trajetória dos prêmios concedidos anteriormente, não há nenhuma grande surpresa. Talvez a maior seja a indicação de Demián Bichir. Nascido na Cidade do México, o ator já pode ser considerado um veterano, pois já atua desde 1985 em produção mexicanas, ganhando destaque no cult Perdita Durango (1997), ao lado de Javier Bardem, Rosie Perez e James Gandolfini, além disso, em 2001, na comédia espanhola Sem Notícias de Deus, atuou com Penélope Cruz e Victoria Abril. Apesar de sua extensa filmografia, foi com os dois filmes de Steven Soderbergh, Che e Che 2: A Guerrilha (2008), interpretando ninguém menos que Fidel Castro, que Demián chamou a atenção da mídia (e não Rodrigo Santoro, como a imprensa brasileira dizia…). Foi indicado por um drama social intitulado A Better Life (sem título em português e previsão de estréia no Brasil, claro), em que vive um jardineiro em Los Angeles que tenta afastar seu filho de gangues de drogas e agentes da imigração.

Apesar do mundo de premiação de Cinema ser um pouco como futebol em termos de imprevisibilidade de resultados, Demián Bichir tem 1% de chance de vitória e já pode ser considerado, literalmente, o patinho feio da categoria, pois temos competindo: George Clooney, Brad Pitt, Leonardo DiCaprio (só faltou Tom Cruise para deixar a mulherada babando na frente da TV) e o ainda desconhecido do grande público mas que não deixa a desejar, Jean Dujardin. Boa sorte, Demián Bichir! Você vai precisar.

Demián Bichir: Quem é o feio aqui?

Para Melhor Conjunto de Elenco, apesar de fortes candidatos como Os Descendentes e O Artista disputarem com pequenas surpresas como Missão Madrinha de Casamento e Meia-Noite em Paris, o prêmio deve ficar entre os dois favoritos, ou seja, Alexander Payne contra Michel Hazanavicius.

Confira as indicações ao SAG Awards, que será transmitido pelo canal pago TNT no dia 29 de janeiro de 2012.

* Apenas uma curiosidade: Quando você achou que veria uma Primeira-Dama francesa indicada como atriz? Nicolas Sarkozy deve estar orgulhoso.

Outstanding Performance by a Male Actor in a Leading Role
DEMIÁN BICHIR / Carlos Galindo – “A BETTER LIFE” (Summit Entertainment)
GEORGE CLOONEY / Matt King – “THE DESCENDANTS” (Fox Searchlight Pictures)
LEONARDO DiCAPRIO / J. Edgar Hoover – “J. EDGAR” (Warner Bros. Pictures)
JEAN DUJARDIN / George – “THE ARTIST” (The Weinstein Company)
BRAD PITT / Billy Beane – “MONEYBALL” (Columbia Pictures)

Outstanding Performance by a Female Actor in a Leading Role
GLENN CLOSE  / Albert Nobbs – “ALBERT NOBBS” (Roadside Attractions)
VIOLA DAVIS / Aibileen Clark – “THE HELP” (DreamWorks Pictures / Touchstone Pictures)
MERYL STREEP / Margaret Thatcher – “THE IRON LADY” (The Weinstein Company)
TILDA SWINTON / Eva – “WE NEED TO TALK ABOUT KEVIN” (Oscilloscope Laboratories)
MICHELLE WILLIAMS / Marilyn Monroe – “MY WEEK WITH MARILYN” (The Weinstein Company)

Outstanding Performance by a Male Actor in a Supporting Role
KENNETH BRANAGH / Sir Laurence Olivier – “MY WEEK WITH MARILYN” (The Weinstein Company)
ARMIE HAMMER / Clyde Tolson – “J. EDGAR” (Warner Bros. Pictures)
JONAH HILL / Peter Brand – “MONEYBALL” (Columbia Pictures)
NICK NOLTE / Paddy Conlon – “WARRIOR” (Lionsgate)
CHRISTOPHER PLUMMER / Hal – “BEGINNERS” (Focus Features)

Outstanding Performance by a Female Actor in a Supporting Role
BÉRÉNICE BEJO / Peppy – “THE ARTIST” (The Weinstein Company)
JESSICA CHASTAIN / Celia Foote – “THE HELP” (DreamWorks Pictures / Touchstone Pictures)
MELISSA McCARTHY / Megan – “BRIDESMAIDS” (Universal Pictures)
JANET McTEER / Hubert Page – “ALBERT NOBBS” (Roadside Attractions)
OCTAVIA SPENCER / Minny Jackson – “THE HELP” (DreamWorks Pictures / Touchstone Pictures)

Outstanding Performance by a Cast in a Motion Picture
THE ARTIST (The Weinstein Company)
BÉRÉNICE BEJO / Peppy
JAMES CROMWELL / Clifton
JEAN DUJARDIN / George
JOHN GOODMAN / Al Zimmer
PENELOPE ANN MILLER / Doris

BRIDESMAIDS (Universal Pictures)
ROSE BYRNE / Helen
JILL CLAYBURGH / Annie’s Mom
ELLIE KEMPER / Becca
MATT LUCAS  / Gil
MELISSA McCARTHY / Megan
WENDI McLENDON-COVEY / Rita
CHRIS O’DOWD / Rhodes
MAYA RUDOLPH / Lillian
KRISTEN WIIG / Annie

THE DESCENDANTS (Fox Searchlight Pictures)
BEAU BRIDGES / Cousin Hugh
GEORGE CLOONEY / Matt King
ROBERT FORSTER / Scott Thorson
JUDY GREER  / Julie Speer
MATTHEW LILLARD  / Brian Speer
SHAILENE WOODLEY  / Alexandra King

THE HELP (DreamWorks Pictures / Touchstone Pictures)
JESSICA CHASTAIN / Celia Foote
VIOLA DAVIS / Aibileen Clark
BRYCE DALLAS HOWARD / Hilly Holbrook
ALLISON JANNEY / Charlotte Phelan
CHRIS LOWELL / Stuart Whitworth
AHNA O’REILLY / Elizabeth Leefolt
SISSY SPACEK / Missus Walters
OCTAVIA SPENCER / Minny Jackson
MARY STEENBURGEN / Elaine Stein
EMMA STONE / Skeeter Phelan
CICELY TYSON / Constantine Jefferson
MIKE VOGEL / Johnny Foote

MIDNIGHT IN PARIS (Sony Pictures Classics)
KATHY BATES / Gertrude Stein
ADRIEN BRODY / Salvador Dali
CARLA BRUNI / Museum Guide
MARION COTILLARD / Adriana
RACHEL McADAMS / Inez
MICHAEL SHEEN / Paul
OWEN WILSON / Gil

Outstanding Performance by a Stunt Ensemble in a Motion Picture
THE ADJUSTMENT BUREAU (UNIVERSAL PICTURES)
COWBOYS & ALIENS (UNIVERSAL PICTURES)
HARRY POTTER AND THE DEATHLY HALLOWS: PART 2 (WARNER BROS. PICTURES)
TRANSFORMERS: DARK OF THE MOON (PARAMOUNT PICTURES)
X-MEN: FIRST CLASS (20TH CENTURY FOX)