Nova tentativa de tiroteio na sessão de A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2

A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2: Quase esse cenário romântico virou um filme do Schwarzenegger.

Na manhã do dia 15 de novembro, a polícia americana prendeu um rapaz de 20 anos, chamado Blaec Lammers, que teria planejado um tiroteio em massa numa sessão do filme A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2. Sim, você já viu esse filme (e não, não estou me referindo ao carnaval de vampiros e lobisomens).

A polícia recebeu a ligação da mãe de Lammers na quinta, dia 14, dizendo que estava preocupada, pois seu filho não estava tomando seus medicamentos e havia comprado fuzis similares àqueles usados no recente massacre durante sessão de Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, no cinema de Colorado. O rapaz foi encontrado num restaurante de fast food Sonic e levado pela viatura.

Já na delegacia, à princípio ele alegou que as armas seriam utilizadas para caça, porém ao entrarem na discussão sobre as tragédias recentes nos EUA, ele admitiu que tinha “muito em comum com os atiradores”.

Blaec Lammers, 20 anos: enquadrado por ameaça terrorista.

“Lammers afirmou que era quieto, do tipo solitário e que recentemente tinha comprado armas de fogo… e que tinha pensamentos homicidas”, relatou um detetive. Em seguida, confessou que tinha intenção de atirar nas pessoas no cinema de sua cidade Bolivar, no estado do Missouri neste sábado, dia 16.

Num segundo pensamento, teria receio de ficar sem munição, então iria mudar seu plano para o supermercado Wal-Mart, onde ele poderia facilmente quebrar o vidro dos balcões, pegar mais balas e continuar atirando na polícia.

Ele foi acusado de agressão em primeiro grau, ação penal armado e fazer uma ameaça terrorista.

Curiosamente, Blaec Lammers já fora preso em 2009 depois que afirmou que queria esfaquear um funcionário do Wal-Mart até a morte e seguir outros funcionários .

Tudo bem que o atendimento no Wal-Mart é ruim, mas uma cuspida na cara já seria o suficiente, não? Não, mas falando sério agora, os EUA têm um longo  e problemático histórico de gente maluca que sai atirando da noite pro dia. Como já visitei o país, chego a deduzir que pode se tratar da cultura individualista deles. Geralmente, esses atiradores também tiveram traumas na infância que têndem a se agravar nos anos seguintes.

Mas nada seria dos loucos se não houvesse tantas armas e munições ao alcance de todos. No documentário de Michael Moore, Tiros em Columbine (2002), ele confirma a extrema facilidade de adquirir uma arma, seja em lojas ou supermercados (no início do documentário, o diretor encena uma compra de arma num banco!). Essa facilidade se assemelha a uma criança comprando cigarro, cerveja e Playboy aqui no Brasil…

O documentarista Michael Moore sai feliz com sua arma recém-comprada em Tiros em Columbine (2002), vencedor do Oscar.

Recentemente reeleito, o presidente Barack Obama deveria endurecer a política de venda de armas nos EUA. Entendo que a sociedade americana, especialmente a que reside nos estados centrais e republicanos, tem uma cultura antiga e tradicional com as caças, afinal, eles interpretam a atividade como um ritual de passagem do menino para o homem, mas algumas tradições devem cair pelo bem maior das pessoas.

Os EUA já enfrentam uma onda de racismo extremo que começou depois dos ataques do 11 de Setembro de 2001, portanto, esse tipo de tragédia pode e deve ser evitado pelas autoridades.

Aqui no Brasil, o caso mais semelhante foi o do rapaz Wellington Menezes de Oliveira, da cidade de Realengo, no Rio de Janeiro, que voltou à sua escola e atirou em alunos. A mídia cobriu o incidente e rotulou como caso de bullying, que dividiu a população. Alguns acreditam que os traumas devem ser tratados na escola e outros, mais céticos, acham que todo mundo já enfrentou traumas e xingamentos, e nem por isso saem atirando por aí.

Parentes das vítimas da escola municipal de Realengo, RJ.

Este é o segundo caso envolvendo tiroteio nos cinemas só neste ano nos EUA. Apesar da ameça não ter se consumado, se não fosse a mãe de Lammers, as estatísticas de vítimas fatais teriam aumentado. O primeiro aconteceu em julho, numa sala de cinema no Colorado, quando James Holmes se armou até os dentes, matando 12 espectadores.

O atirador de Colorado, James Holmes, em corte. Seu cabelo alaranjado seria uma homenagem ao personagem anarquista Coringa de Batman: O Cavaleiro das Trevas. Photo by Getty Images.

Meu receio é que esses casos nos cinemas se multipliquem e causem um rebuliço tão grande que levaria políticos a adotar detectores de metal nas filas dos cinemas ou em caso mais extremo, acabarem com as exibições. Ok, a economia dos EUA não deixaria essa última opção se consolidar, mas com certeza, a frequência dos espectadores deve cair com esses ataques. A qualidade dos filmes nos cinemas já não ajuda, ainda tem que levar em conta os malucos que acham que a realidade é um Counter Strike eterno…

Anúncios

007 – Operação Skyfall (Skyfall), de Sam Mendes (2012)

007 – Operação Skyfall

Após um longo hiato de quatro anos, finalmente a franquia mais lucrativa do cinema retorna às telas do cinema. 007 – Operação Skyfall acabou sofrendo esse atraso devido ao processo de falência do estúdio MGM (Metro Goldwyn Meyer), mas agora os produtores asseguraram que esse equívoco não voltará a acontecer, lembrando que Daniel Craig já assinou novo contrato para mais dois filmes com lançamento previsto para 2014 e 2016, com produção e filmagens acontecendo simultaneamente, dando a entender que se tratam de filmes sequenciais.

Com a aproximação da data comemorativa de 50 anos de James Bond, os produtores da série Barbara Broccoli e Michael G. Wilson buscavam algo grandioso que causasse uma reformulação. Para isso, chamaram o vencedor do Oscar de direção por Beleza Americana, Sam Mendes, para comandar o show. Em entrevista, Mendes revela que só passou a aceitar a idéia de dirigir um filme de Bond depois que o diretor Marc Forster foi convocado para assumir 007 – Quantum of Solace (2008), uma vez que Forster tem raízes mais autorais com uma filmografia que inclui o forte drama A Última Ceia (que rendeu o Oscar de melhor atriz para Halle Berry) e o drama O Caçador de Pipas, baseado no best-seller de Khaled Hosseini.

Sam Mendes (a esq.) dirigindo Daniel Craig na sequência inicial

Essa preocupação de Sam Mendes se mostra bastante pertinente, pois os diretores que assumem os filmes costumam ter esse rótulo de marionete dos produtores, não tendo qualquer poder e palavra final, algo considerado um terror pra diretores autorais como Mendes. Além desse aspecto, ele declarou numa entrevista ao site The Playlist que antes de aceitar a proposta, não considerava um desafio atraente. “Eu nunca fui interessado e não acho que vi todos os filmes com o Pierce Brosnan. Mas quando Daniel Craig foi escalado em 007 – Cassino Royale (2006), passei a me interessar porque ele era um amigo com quem trabalhei em Estrada Para a Perdição (2001). Inicialmente não considerei uma boa escolha, mas aí eu vi o filme e mudei de idéia, e até fiquei ansioso para ver o próximo. Fiquei levemente desapontado com 007 – Quantum of Solace, contudo acho que existem coisas boas numa boa olhada. Mas quando encontrei Daniel e ele me perguntou se eu estava interessado ou não, fui pego de surpresa dizendo sim de forma rápida. Foi apenas um bom timing.”

Com a contratação do diretor acertada, seus colaboradores assíduos tomaram as posições em seus respectivos departamentos. Assim, a série ganhou muito em qualidade, especialmente na trilha musical, com Thomas Newman substituindo David Arnold, e a fotografia belíssima de Roger Deakins, indicado nove vezes ao Oscar, mas sem nenhuma vitória. Aliás, não é exagero algum afirmar com certeza que o trabalho de fotografia de Deakins é o melhor de toda a série (23 filmes). Todas as sequências são imageticamente deslumbrantes, em especial ao clímax que se passa na Escócia, quando o vilão Silva destrói um casarão com granadas (foto abaixo).

O vilão Silva num belíssimo contra-luz do diretor de fotografia Roger Deakins

Para o roteiro, os frequentes Neal Purvis e Robert Wade, que trabalham em conjunto desde 007 – O Mundo Não é o Bastante (1999), receberam suporte final do competente John Logan, indicado ao Oscar três vezes por Gladiador (2000), O Aviador (2004) e o recente A Invenção de Hugo Cabret (2011). Seu trabalho deu muito mais consistência ao trabalho da dupla, além de diálogos marcantes entre Bond e seu algoz, mas vale ressaltar que algumas idéias principais foram copiadas de Batman – O Cavaleiro das Trevas (2008), de Christopher Nolan, principalmente no fato do vilão Raoul Silva ser um anarquista cibernético e em seguida se deixar ser preso de forma planejada para que pudesse fazer mais estrago e atingir seu objetivo como fez o Coringa de Heath Ledger.

Para acompanhar a influência de Nolan, o diretor Sam Mendes confirmou a importância que o segundo filme da trilogia de Batman para a realização de 007 – Operação Skyfall. “Estamos agora numa indústria onde os filmes são muito pequenos ou muito grandes e não há quase nada no meio. E seria uma tragédia se todos os filmes sérios fossem muito pequenos e todos os filmes pipoca fossem muito grandes e não tivessem nada a dizer. E o que Nolan provou é que você pode fazer um filme enorme que seja emocionante e divertido, e ao mesmo tempo, ter um monte de coisas a dizer sobre o mundo em que vivemos. E olha que Batman – O Cavaleiro das Trevas nem se passa em nosso mundo! Parecia que o filme era sobre o nosso mundo pós-11 de setembro, discutindo sobre nossos medos e por que eles existiam e achei que aquilo era incrivelmente corajoso e interessante. Isso ajudou a me dar a confiança para assumir este filme em direções que, sem Batman, não poderia ter sido possível. E não seria necessário temer uma reação negativa do público, pois dá pra se apoiar no tom negro do filme de Nolan que faturou zilhões de dólares nas bilheterias. Quer dizer, é possível fazer um filme mais obscuro que as pessoas querem ver.”

Além da base anarquista e a obsessão por destruição do Coringa, o vilão Raoul Silva apresenta como base outra personalidade contemporânea fortíssima: Julian Assange, o porta-voz do site WikiLeaks. Em 2006, o jornalista australiano e ciberativista se tornou o editor-chefe da WikiLeaks, um site de denúncias e vazamentos, responsável pela publicação de documentos secretos do governo do Quênia, de resíduos tóxicos na África, e a forte denúncia sobre o tratamento dado aos prisioneiros da Prisão de Guantánamo, que ele obtém como hacker de sites de algumas nações. Com ninguém satisfeito com a invasão de Assange, ele perdeu a cidadania sueca e desde junho desse ano, foi obrigado a se refugiar na embaixada do Equador em Londres, onde vive até hoje sob fortes ameaças. O vilão de Bond pegou emprestado o visual loiro e sua estratégia de vazar a identidade secreta de agentes britânicos infiltrados em facções terroristas no Youtube.

O vilão Raoul Silva (Javier Bardem). No detalhe, Julian Assange.

Com esse perfil cibernético, o personagem de Silva poderia facilmente ser um homem mais franzino, mas como os fãs da série preferem vilões que Bond possa ter uma luta corpo-a-corpo equilibrada, chamaram o encorpado Javier Bardem, que certamente ganhou o papel depois de assustar a todos com seu personagem Anton Chigurh de Onde os Fracos Não Têm Vez (2007), dos irmãos Coen. Curiosamente, Bardem é o primeiro ator espanhol a interpretar o vilão principal do agente 007 e ele o fez com maestria. Seu Raoul Silva aparece na tela a partir da segunda metade do filme e mesmo assim consegue aparentar uma constante ameaça. Pelas qualidades citadas acima, já entraria para a galeria dos vilões de Bond mais memoráveis, mas existe uma outra vertente que o torna ainda mais interessante: seu lado homo-erótico. Sim, James Bond tem um antagonista homossexual! Obviamente, essa opção sexual do vilão fica apenas sugerida e nunca explícita por se tratar de um filme altamente comercial, no entanto, em sua primeira aparição, Silva senta em frente a Bond amarrado numa cadeira e abre sua camisa para checar seus ferimentos (foto abaixo), enquanto profere palavras de duplo sentido.

James Bond encara Raoul Silva pela primeira vez com um diálogo picante

Para este fã de James Bond, o fato do vilão ter tendências homossexuais não impressiona. Aliás, até torna as coisas mais interessantes! Mas a resposta que James dá a uma indireta de Silva causou certo furor na minha sessão, repleta de fanáticos pelo agente secreto. (Para quem não viu o filme e não quer saber, não leia o fim deste parágrafo). Quando Silva sugere que Bond experimente uma nova experiência sexual, ele retruca um inesperado “e quem disse que é a minha primeira vez?”, deduzindo que o agente secreto mais mulherengo da história do cinema seria bissexual! 50 anos de Bond e os roteiristas entregam uma faceta totalmente inédita do personagem de Ian Fleming. Aliás, estaria ele rolando em seu caixão depois dessa? Com certeza, muitos fãs machistas adoradores da masculinidade extrema de Connery ficaram pasmos e irritados.

Apenas uma curiosidade em relação ao homossexualismo de Silva, apesar de muitos acreditarem que se trata do primeiro vilão gay da série, os assassinos mercenários Mr. Kidd e Mr. Wint foram os primeiros em 007 – Os Diamantes São Eternos (1971), estrelado por Sean Connery. Contudo, o homossexualismo da dupla se mostra mais uma amizade colorida e inofensiva. Em defesa de seu personagem, Javier Bardem comentou que o sexualismo exposto demonstraria poder diante de um oponente forte como Bond: “A cena era mais sobre colocar outra pessoa em uma situação muito desconfortável, tanto que até James Bond não saberia como resolver”.

Há muito tempo não víamos um vilão de Bond com fortes características sexuais. O último foi a sádica Xenia Onnatop, interpretada por Famke Janssen em 007 Contra GoldenEye (1995). Ela tinha orgasmos múltiplos ao matar pessoas e tinha como golpe favorito torcer suas pernas em volta do abdômen da vítima e asfixiá-la. Com tamanhas qualidades, ficou marcada na história de Bond como uma das melhores vilãs.

Seguindo com as comemorações dos 50 anos, existem algumas boas referências dos filmes anteriores como o automóvel Aston Martin DB5, com assento do passageiro ejetável, utilizado em 007 Contra Goldfinger, e principalmente na reformulação das personagens clássicas e fixas da série como o chefe de Bond, M, sua secretária Miss Moneypenny, e o que a maioria dos fãs estavam aguardando: o retorno do mestre-quarteleiro Q.

Na cena de introdução de Q, Ben Wishaw e Daniel Craig têm um diálogo bastante esclarecedor a respeito dos novos tempos tecnológicos, defendendo muito bem o motivo do personagem reaparecer tão jovem (o ator que viveu Q, Desmond Llewelyn estreou em Moscou Contra 007 (1963) com quase 50 anos de idade). Assim que Q se apresenta com aquele look nerd (óculos, penteado meio emo e aparência franzina), 007 não se aguenta e responde: “Você deve estar brincando.”

Apesar do diálogo esclarecedor, por se tratar de uma série antiga, houve críticas à juventude de um personagem conhecido como um senhor mais experiente e conservador. Contudo, como mostrado em A Rede Social, a nova geração de nerds realmente se mostra muito poderosa no mundo de hoje.

Ben Wishaw como o novo Q, armeiro do MI6. Começando com uma Walther PPK e um rádio transmissor.

Além da forte presença de M (Judi Dench), 007 – Operação Skyfall faz bonito na escalação das Bond girls. Ao contrário da época de Sean Connery e Roger Moore, as mulheres deixaram há muito de serem figuras frágeis e dóceis. Nesta produção, duas personagens femininas tridimensionais integram o hall das Bond girls como uma das melhores duplas dos últimos anos. A atriz francesa Bérénice Marlohe vive a misteriosa Sévérine, que presencia um assassinato e se torna peça chave no quebra-cabeça que James Bond deve seguir. Com um olhar bastante forte e sensual, Marlohe demonstra a fragilidade necessária para atrair Bond, deixando sua marca no filme, mesmo que em poucas cenas.

Bérénice Marlohe como a misteriosa Sévérine

Por este lado da lei, temos outra Bond girl excepcional, a britânica Naomie Harris. Ela teve seu primeiro papel de destaque no terror de zumbis moderno de Extermínio (2002), de Danny Boyle, e nos anos seguintes, atuou em alguns filmes de ação em destaque como Piratas do Caribe: O Baú da Morte (2006), Piratas do Caribe: No Fim do Mundo (2007), Miami Vice (2006) e curiosamente em O Ladrão de Diamantes (2004), estrelado pelo então James Bond, Pierce Brosnan. Com maior experiência em ação, Harris foi escalada para viver a agente novata Eve, que tem participação fundamental na sequência inicial.

Naomie Harris como Eve

Como se trata de um personagem altamente sexual, vale ressaltar aqui que em 007 – Operação Skyfall, James Bond tem relações com três mulheres, algo que nunca aconteceu desde que Daniel Craig assumiu o smoking. Seria um sinal de retomada até nesse quesito? Felizmente, os produtores souberam escolher belíssimas atrizes. Bérénice Marlohe, Naomie Harris e Tonia Sotiropoulou formam a grande beleza do filme.

Aliás, ainda no assunto da presença feminina, a cantora de sucesso Adele compôs a música-tema homônima Skyfall, que foi lançada na internet no dia 05 de outubro, quando Bond completava 50 anos. Além de já ter alavancado um grande sucesso nas paradas, sendo uma das mais compradas no iTunes, a canção remete ao tom mais clássico das músicas de 007, especialmente Shirley Bassey e sua majestosa Goldfinger. Pelo sucesso da canção, da intérprete Adele e do filme nas bilheterias, existe uma forte possibilidade de ser indicada a Melhor Canção Original no Oscar 2013, fato que não acontece desde 1982, quando For Your Eyes Only de Sheena Easton (007 – Somente Para Seus Olhos) foi indicada ao Oscar. Segue vídeo com a música de Adele abaixo:

Contudo, a figura feminina mais importante certamente é M. Sua personagem se encontra sob forte pressão neste filme e representa as mudanças necessárias para entender o mundo de hoje do pós-11 de setembro sob o olhar da segurança da sociedade.

Judi Dench como a chefe operacional M

Após o atentado, muitos se questionam se as autoridades estão realmente preparadas para esse novo tipo de ameaça. Esse constante e contínuo medo assola toda a população, que teme novos atentados pelo mundo todo. E este novo filme de 007 traz essa questão à tona, colocando uma ultrapassada porém experiente M numa audição com uma jovem Ministra de Defesa, respondendo à pergunta: “Qual o papel de agentes secretos no século XXI?”. Devido aos recentes erros que M cometeu, dá a entender que ela está defasada para o cargo, porém, ela defende a importância e o valor de seus espiões subordinados diante da invisibilidade do inimigo de hoje, pois não tem nação ou bandeira para identificá-lo. Esse cenário repleto de paranóia e racismo é o pano de fundo dos últimos filmes de James Bond, que sempre primaram em refletir características da sociedade de sua época. 007 – Operação Skyfall adiciona mais um importante capítulo deste início do século XXI.

O 23º filme de Bond vale por tudo isso, mas o fato de alguns elementos principais terem sido quase um plágio de Batman – O Cavaleiro das Trevas me incomodou um pouco. Além disso, pecou pela quebra de ritmo no meio do filme (cabiam mais umas duas sequências de ação) e a sequência final com o vilão Silva se tornou morosa e desgastante pra pouca novidade. Também acrescento que a personagem de Albert Finney, o velho Kincade, ficou mal aproveitado.

Skyfall deu um passo importante na série. Os produtores provaram que estão dispostos a largar o conservadorismo de vez e inserir James Bond em seu devido lugar no século XXI. Esperamos que o nível de qualidade do diretor escolhido para a próxima aventura esteja do mesmo nível de Sam Mendes, assim como os atores principais. Valeu também pela inclusão de Ralph Fiennes, pois os filmes ganham uma credibilidade notória com sua presença.

Avaliação: BOM

A equipe principal responsável por 007 – Operação Skyfall. Da esquerda para a direita: Javier Bardem, Bérénice Marlohe, Sam Mendes, Judi Dench, Daniel Craig, Naomie Harris e os produtores Barbara Broccoli e Michael G. Wilson (photo by Sony Pictures realeasing)

Os Vingadores (The Avengers), de Joss Whedon (2012)

Os Vingadores – The Avengers

Marvel Comics triunfa nas bilheterias

Sou um pouco suspeito para compor uma avaliação do filme dos Vingadores, afinal, desde minha adolescência fui leitor e colecionador assíduo dos quadrinhos da Marvel Comics. Depois de tantos anos acompanhando as histórias e os vários personagens da editora norte-americana, assistir a esse filme no cinema IMAX lotado é um sonho concretizado como fã da Marvel.

Cerca de 9 anos atrás, eu havia escrito uma resenha intitulada “Quando a Marvel Comics conquistaria as bilhterias” (confira através do link: http://www.mnemocine.com.br/oficina/winton3.htm). Nela, acreditava que os filmes da Marvel tinham atingido seu auge, com lançamentos das adaptações de X-Men e Homem-Aranha, mas ao conferir o filme Os Vingadores, esse auge pode ainda estar por vir.

O filme tem batido todos os recordes de bilheteria, tanto nos EUA como internacionalmente, incluindo o Brasil, onde nesse fim de semana do dia 25 de maio, atingiu a histórica marca de R$ 104 milhões, superando os já impressionantes números de Tropa de Elite 2 e Avatar. E, até o momento, ocupa o 4º lugar da bilheteria mundial com a soma de US$ 1.184 bilhão, atrás apenas de Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2 (3º), Titanic (2º) e Avatar (1º). A pergunta que fica é: até onde os produtores de Hollywood querem chegar? Num mercado cinematográfico cada vez mais covarde, encontrar um material rentável como os heróis da Marvel tem feito muitos produtores sonharem mais alto com as cifras. Com certeza, no mínimo uma trilogia já está programada para os próximos anos, além de filmes solos dos personagens.

Só para constar, vamos aos lançamentos já confirmados e com previsão de lançamento, lembrando que tudo deve ser em 3D: (quem não aguenta mais assistir a filmes com aqueles óculos engordurados levanta a mão!)  o/

–  O Espetacular Homem-Aranha (03 de julho de 2012): Apesar de achar um pouco cedo para um revival do personagem nos cinemas (Homem-Aranha 3 foi lançado em 2007), pelo trailer, pode ser que funcione com novos atores e uma nova trama envolvendo o desaparecimento dos pais de Peter Parker e o vilão Lagarto. Gosto do jovem ator Andrew Garfield, mas superar Tobey Maguire vai ser bem difícil. E Marc Webb, conhecido por dirigir a ótima comédia romântica (500) Dias com Ela, também é uma aposta para um blockbuster de ação. Confira o trailer abaixo:

Homem de Ferro 3 (2013): Desta vez, conta com Sir Ben Kingsley como o vilão Mandarim e será dirigido desta vez por Shane Black, famoso roteirista da série Máquina Mortífera e mais recentemente o policial Beijos e Tiros, com o mesmo Robert Downey Jr.

Thor 2 (2013): A boa notícia desta sequência é a contratação do diretor Alan Taylor, um dos criadores da série de TV Game of Thrones, que certamente dará um aspecto mais medieval às batalhas épicas do personagem nórdico.

The Wolverine (2013): Para quem viu a cena depois dos créditos finais de X-Men Origens: Wolverine, sabe que esta sequência se passará no Japão, fazendo uma adaptação de uma das sagas mais importantes do personagem, envolvendo o vilão Samurai de Prata. Hugh Jackman já está escalado, obviamente, e o bom diretor James Mangold de Os Indomáveis.

Capitão América 2 (2014): Ainda sem diretor, o filme quer focar na reflexão do lugar que o Capitão América teria na sociedade moderna pós-11 de setembro.

Deadpool (2014): Talvez o personagem mais falastrão da Marvel Comics, Deadpool já fez o papel de vilão no filme X-Men Origens: Wolverine (2009). Infelizmente, ainda vão apostar no ator Ryan Reynolds, que recentemente estrelou a bomba Lanterna Verde.

Ant-Man (2014): Apesar da pouca fama do Homem-Formiga, este filme já pode ser considerado um dos mais esperados, pois terá uma veia mais cômica. Prova disso é a contratação do diretor Edgar Wright, responsável pela comédia de zumbis Todo Mundo Quase Morto e do hi-tech Scott Pilgrim contra o Mundo. Para quem desconhece, Homem-Formiga é o bioquímico Hank Pym que inventa uma substância que o faz mudar de tamanho. Como a sequência abaixo mostra, ele sabe usar seus poderes sabiamente.

Homem-Formiga nem pisca: “Ms. Marvel, Ms. Marvel… nunca tinha ouvido falar em você. Mas deixa eu te contar um segredo… Você é minha heroína favorita de todos os tempos!”

Ainda sem título oficial, a sequência de X-Men: Primeira Classe já foi anunciada e a atriz Jennifer Lawrence (Mística) já assinou.

Mas, para quem acompanhou todo o planejamento da produtora, sabe que o sucesso do filme Os Vingadores começou lá atrás quando Nick Fury bateu a porta de Tony Stark no primeiro filme do Homem de Ferro em 2008 na cena pós-crédito. A partir daí, todo filme dos personagens da Marvel tinha uma cena “escondida” após os créditos que fazia essa ligação com outros filmes que seriam lançados. Aliás, este filme também apresenta uma cena secreta que aponta uma dica para o possível vilão da sequência, portanto, fiquem atentos e não saiam da sala de cinema antes da hora.

OK, todos os personagens haviam sido introduzidos ao público do cinema: Homem de Ferro, Hulk, Thor, Capitão América, Viúva Negra e Gavião Arqueiro (estes dois últimos como coadjuvantes). O agente especial Nick Fury (Samuel L. Jackson) reuniu todos, mas quem iria dirigir o filme? Quando se pensa num blockbuster dessa dimensão, a responsabilidade inevitavelmente acaba pressionando na escolha do diretor. Muitos colocariam na lista de possiblidades nomes de peso como James Cameron, Bryan Singer ou mesmo Zack Snyder (que vai dirigir o novo filme do Super-Homem), mas a Marvel tomou a decisão certa: chamou o especialista em quadrinhos Joss Whedon.

Joss Whedon dirigindo a Viúva Negra de Scarlett Johansson

Além de ter escrito a série Buffy – A Caçadora de Vampiros, Whedon já foi indicado ao Oscar pelo roteiro de Toy Story (1994) e em 2005, dirigiu a boa ficção científica Serenity, mas o que mais conta aqui são suas raízes como roteirista de quadrinhos. Ele alavancou as vendas de uma das franquias mais importantes da Marvel Comics: The Astonishing X-Men dando profundidade emocional aos personagens e os diálogos geniais que se tornaram sua marca. Foi assim que ele soube explorar o potencial de cada personagem que tinha nas mãos e pensou como um fã também. Prova disso é uma cena de briga que envolve o Homem de Ferro e Thor, que pode não colaborar para o avanço da história, mas satisfaz a sede de milhares de leitores de quadrinhos.

Uma das obras de Astonishing X-Men assinadas por Whedon. Dá pra ver o nome dele lá no canto inferior?

Como na série 007, nos filmes da Marvel são os produtores que mandam. Então, buscaram um diretor que não queira interferir no material com seu estilo: o chamado operário-padrão. Como o estilo de Joss Whedon tem essa forte característica que é o trabalho nos diálogos, ele entrega um blockbuster bem feito com o diálogo nitidamente como a melhor qualidade do filme.

Como roteirista, Whedon foi bastante democrático ao distribuir suas falas igualitariamente para todos os personagens centrais. Talvez soe como algo sem importância, mas essa tarefa, além de ingrata pelo elevado número de personagens na tela, precisa dar ritmo à trama. Com 2 horas e 20 minutos, ele busca priorizar os diálogos às cenas de ação, conseguindo uma interação entre os heróis que abriria caminho para o nascimento da equipe dos Vingadores.

Quanto aos personagens e elenco, gostaria de tecer alguns comentários. Primeiramente, Mark Ruffalo se mostrou muito mais ator do que os intérpretes anteriores de Bruce Banner: Eric Bana e Edward Norton. Ele rouba todas as cenas em que aparece; isso é fato. Se eu fosse produtor da Marvel, já teria engatilhado um filme novo do Hulk com Ruffalo.

Mark Ruffalo (à esquerda) convence bem como o cientista Bruce Banner

Talvez a Viúva Negra e o Gavião Arqueiro não consigam sustentar um filme solo sozinhos, mas como uma dupla, podem funcionar muito bem. As cenas e a subtrama que envolve ambos num episódio anterior dá pano para a manga e, segundo boatos, a Marvel estaria pensando nesse projeto. Recentemente, vi no desenho animado dos Vingadores (que passa de manhã na Globo) e percebi que a dupla também atuava junto nos episódios. E Jeremy Renner também se destaca ao mostrar carisma e seriedade para o papel.

Segundo os desdobramentos do filme, a sequência pode acontecer no espaço sideral. Há indícios de que novos membros sejam incluídos na equipe como o Homem-Formiga e até uma posível participação do Homem-Aranha. Nesse sentido, o filme abre inúmeras portas para projetos mais ambiciosos. Já que rendeu, por que não investir mais?, pensaria qualquer produtor. Então, caro leitor do blog, prepare-se para uma enxurrada de adaptações de quadrinhos. Vão desenterrar até aquele personagem que morreu na segunda edição!

Mas voltando ao filme, apesar dos personagens, diálogos e atores serem o destaque, o aspecto que mais me chamou a atenção foi a mensagem sócio-política. Após os ataques terroristas do 11 de setembro, os Estados Unidos ainda estão se reerguendo desse golpe duro. E, como nenhuma nação, eles sabem usar o cinema como uma arte incentivadora. Foi assim após a derrota na Guerra do Vietnã nas décadas de 70 e 80: vários filmes trouxeram uma mensagem de apoio e alento aos soldados que lutaram uma guerra com objetivos claramente políticos e outros inúmeros criticaram ferozmente a perda de vidas.

Quer eliminar uns terroristas? Chame o Capitão América!

Esta imagem acima ilustra perfeitamente essa analogia do filme com o ataque terrorista. Vemos uma Nova York em destroços coberta por fumaça. No meio, o herói que simboliza o patriotismo americano surge como resposta. No lugar dos seguidores do Al-Qaeda, temos alienígenas que não têm respeito pela vida. Do outro lado, um grupo formado por heróis vindos de várias partes do globo como a russa Natascha Romanova (Viúva Negra) unindo-se para enfrentar os invasores.

Obviamente, esta mensagem é explícita. E, concordando ou não, sempre considero ótimo um pouco de conteúdo político em filmes de grande orçamento, afinal, já passou o tempo em que blockbusters tinham que ser só 100% ação e efeitos visuais. Os Vingadores faz isso e ainda diverte todos os tipos de espectadores. Por isso, está batendo recordes de bilheteria merecidamente.

E como fã da Marvel, torço para que a editora-produtora seja ainda mais reconhecida por suas criações. Seus personagens têm uma conexão tão forte com a realidade que possiblita maior identificação com os leitores. E isso se encaixa perfeitamente em roteiros para cinema. Vida longa à Marvel Comics!

Galeria de personagens da Marvel Comics: vai faltar roteirista em Hollywood.