‘O Som ao Redor’ representará o Brasil no Oscar 2014! Confira representantes de outros países

Cena de O Som ao Redor, de Kleber Mendonça Filho

Cena de O Som ao Redor, de Kleber Mendonça Filho

Nesta sexta-feira, dia 20 de setembro, o Ministério da Cultura anunciou a escolha de O Som ao Redor, Kleber Mendonça Filho como representante do Brasil para concorrer a uma das 5 cobiçadas vagas do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

A seleção do filme representa mais do que uma vitória para o diretor, uma vez que, no início do ano, ele abriu uma discussão contra o diretor-executivo da Globo Filmes, Cadu Rodrigues, com a seguinte declaração: “A Globo Filmes faz mal à idéia de cultura no Brasil, atrofia o conceito de diversidade no cinema brasileiro e adestra um público cada vez mais dopado para reagir a um cinema institucional e morto”. Entre os 13 derrotados, estavam três produções da Globo Filmes: Faroeste Caboclo, Gonzaga: De Pai para Filho e O Tempo e o Vento.

Confira os 14 filmes que participaram da votação:

Faroeste Caboclo, de Rene Sampaio: a melhor aposta da Globo Filmes perdeu

Faroeste Caboclo, de René Sampaio: a melhor aposta da Globo Filmes perdeu

1) Cine Holliúdy
2) Colegas
3) Cores
4) Elena
5) Faroeste Caboclo
6) Gonzaga: De Pai para Filho
7) Meu Pé de Laranja Lima
8) O Dia que Durou 21 Anos
9) O Que se Move
10) O Som ao Redor
11) O Tempo e o Vento
12) Porto dos Mortos
13) Uma História de Amor e Fúria
14) Xico Stokinger

Existe uma espécie de abismo entre produções caras da Globo Filmes e as várias independentes, que costumam ficar em cartaz de uma a duas semanas em São Paulo, tanto em relação ao orçamento e divulgação, quanto à qualidade fílmica. Apesar da declaração de Kléber, um crítico de cinema que estreou como diretor, ser um pouco radical, tem sua pertinência no cenário cultural do país. Como boa parte dos filmes da Globo se assemelham a telefilmes ou até novelas (tecnicamente inferior e roteiros ralos), ele quis fazer um apelo para que haja mais diversidade.

Embora não tenha uma bilheteria de sucesso, O Som ao Redor (ou Neighbouring Sounds, como é conhecido fora do país) tinha um trunfo na manga: a crítica internacional. Foi premiado na Mostra Internacional de São Paulo de 2012, no Festival de Nova York 2013, no Festival de Roterdã de 2012 e foi considerado um dos 10 melhores filmes de 2012 pelo jornal The New York Times.

Pôster internacional de O Som ao Redor (photo by www.diversita.blog.br)

Pôster internacional de O Som ao Redor (photo by http://www.diversita.blog.br)

Segundo a distribuidora, Vitrine Filmes, o longa foi lançado em onze países até o momento. No Brasil, entrou em cartaz no dia 4 de janeiro deste ano e foi assistido por 100 mil pessoas nos cinemas, número que pode se multiplicar se resolverem relançar o filme.

Além disso, trata-se de uma produção pernambucana que foge da ponte Rio-São Paulo e discute a questão da insegurança numa comunidade em Recife com a contratação de uma empresa de segurança privada. Vale a pena dar uma olhada e ver que o Cinema nacional pode surpreender com uma perspectiva diferenciada sem perder seu poder de crítica social. Confira o trailer abaixo:

“Essa indicação sempre traz mais visibilidade ao filme. É muito cedo para dizer se vai ganhar ou se chegará a ser escolhido [como um dos finalistas da categoria de melhor filme de língua estrangeira]. Eu nunca fico esperando um prêmio, mas muita coisa boa aconteceu com esse filme. Eu não descartaria essa possibilidade [de vencer o Oscar]”, disse Kleber Mendonça Filho ao jornal Folha de S. Paulo.

“Acho que ‘O Som ao Redor’ é um filme muito pessoal, relativamente pequeno, que teve uma repercussão muito grande aqui e também fora do Brasil, então eu fico tranquilo. Se acontecer, beleza. Eu achava que fosse um filme quase paroquial, local, mas foi a partir de Roterdã [o filme ganhou o prêmio da crítica internacional no festival, em 2012] que entendi que o filme parecia ter um caráter universal.”

O diretor pernambucano Kleber Mendonça Filho (photo by www.posfacio.com.br)

O diretor pernambucano Kleber Mendonça Filho (photo by http://www.posfacio.com.br)

Se O Som ao Redor se tornar um dos 5 finalistas, esta será a quinta indicação do Brasil na categoria de Filme Estrangeiro. As outras quatro foram em: 1999 com Central do Brasil, 1998 com O Que é Isso, Companheiro?, 1996 com O Quatrilho e em 1963 com O Pagador de Promessas.

O Brasil esteve entre os indicados também quando Cidade de Deus conquistou 4 nomeações: Melhor Diretor, Roteiro Adaptado, Montagem e Fotografia em 2004. Mesmo não se tratando de produções brasileiras, vale lembrar também o Oscar de Canção Original para Diários de Motocicleta, de Walter Salles, e Oscar de Melhor Ator para William Hurt por O Beijo da Mulher Aranha em 1986, do diretor argentino radicado no Brasil Hector Babenco.

Mas quais as chances de O Som ao Redor conquistar essa vaga? Claro que isso não dependerá apenas da qualidade do filme, mas da divulgação e da promoção em solo americano. Como já ganhou alguns prêmios, pode haver um pouco mais de facilidade para atrair o público e os votantes da Academia. Porém, vale a pena ressaltar que a concorrência está crescendo e se formando.

O representante romeno, Child’s Pose, venceu o Urso de Ouro, e o chileno Gloria foi reconhecido por alguns prêmios no último Festival de Berlim e sua atriz, Paulina García recebeu o prêmio de performance feminina. Já o mexicano Heli, rendeu o prêmio de Direção para Amat Escalante no Festival de Cannes, que também indicou o holandês Borgman para a Palma de Ouro. Aliás, uma pena: Blue is the Warmest Color, de Abdellatif Kechiche, que ganhou a Palma de Ouro esse ano não poderá representar a França por uma bobagem de data de estréia permitida no regulamento da Academia…

Outro país que perde muito devido ao regulamento arcaico da Academia de escolher apenas um representante por nação é a Espanha. Tudo bem que a comédia Amantes Passageiros teria poucas chances de figurar na lista de indicados, mas por Almodóvar ter muito prestígio na Academia (ele venceu dois Oscars), alguns consideraram sua ausência um ultraje. Além disso, ele já foi preterido na seleção pelo ótimo A Pele que Habito em 2011.

Nomes consagrados do Cinema merecem destaque: o chinês Wong Kar-Wai representará Taiwan por The Grandmaster, que abriu o Festival de Berlim. Trata-se de uma excelente oportunidade da Academia poder premiar um dos maiores diretores da atualidade (claro que levando em consideração que o filme seja bom também, e não apenas pela “grife”); o mestre polonês Andrzej Wajda volta a concorrer o prêmio por Walesa (lembrando que os votantes judeus adoram filmes poloneses); Vencedor do Oscar de Filme Estrangeiro por Terra de Ninguém em 2002, Danis Tanovic pode voltar ao tapete vermelho por An Episode in the Life of an Iron Picker; Outro diretor que tem grandes chances de retornar é o iraniano Asghar Farhadi (vencedor do Oscar por A Separação) com o filme The Past, que rendeu o prêmio de atriz para a bela Bérénice Bejo.

Meu favorito da lista até o momento é o representante da Dinamarca: A Caça (Jagten), de Thomas Vinterberg. A trama gira em torno de um professor de uma creche, que se torna vítima de uma acusação de abuso sexual infantil e tem sua vida destruída. A produção já possui um dos melhores históricos em premiações: foi indicado ao BAFTA de Melhor Filme em Língua Estrangeira, à Palma de Ouro em Cannes, de onde saiu com o prêmio de melhor ator para Mads Mikkelsen (em ótima performance).

Confira os representantes do países:

AFEGANISTÃO: Wajma (An Afghan Love Story), de Barmak Akram
ÁFRICA DO SUL: Four Corners, de Ian Gabriel
ALBÂNIA: Agon, de Robert Budina
ALEMANHA: Two Lives, de Georg Maas
ARÁBIA SAUDITA: O Sonho de Wadjda, de Haifaa Al Mansour
ARGENTINA: Wakolda, de Lucía Puenzo
AUSTRÁLIA: The Rocket, de Kim Mordaunt
ÁUSTRIA: The Wall, de Julian Polsler
AZERBAIJÃO: Steppe Man, de Shamil Aliyev
BANGLADESH: Television, de Mostofa Sarwar Farooki
BÉLGICA: Broken Circle Breakdown, de Felix Van Groeningen
BÓSNIA E HERZEGOVINA: An Episode in the Life of an Iron Picker, de Danis Tanovic
BRASIL: O Som ao Redor, de Kleber Mendonça Filho
BULGÁRIA: The Colour of the Chameleon, de Emil Hristov
CAMBOJA: The Missing Picture, de Rithy Panh
CANADÁ: Gabrielle, de Louise Archambault
CAZAQUISTÃO: The Old Man, de Ermek Tursunov
CHADE: GriGris, de Mahamat-Saleh Haroun
CHILE: Gloria, de Sebastián Lelio
CHINA: Back to 1942, de Feng Xiaogang
COLÔMBIA: La Playa DC, de Juan Andrés Arango Garcia
CORÉIA DO SUL: Juvenile Offender, de Kang Yi-kwan
CROÁCIA: Halima’s Path, de Arsen A. Ostojic
DINAMARCA: A Caça (Jagten), de Thomas Vinterberg
EGITO: Winter of Discontent, de Ibrahim El-Batout
EQUADOR: Porcelain Horse, Javier Andrade
ESLOVÁQUIA: My Dog Killer, de Mira Fornay
ESLOVÊNIA: Class Enemy, de Rok Biček
ESPANHA: 15 Years Plus a Day, de Gracia Querejeta
ESTÔNIA: Free Range, de Veiko Õunpuu
FRANÇA: Renoir, de Gilles Bourdos
FILIPINAS: Transit, de Hannah Espia
FINLÂNDIA: Disciple, de Ulrika Bengts
GEÓRGIA: In Bloom, de Nana Ekvtimishvili e Simon Gros
GRÃ-BRETANHA: Metro Manila, de Sean Ellis
GRÉCIA: Boy Eating the Bird’s Food, de Ektoras Lygizos
HOLANDA: Borgman, de Alex van Warmerdam
HONG KONG: The Grandmaster, de Wong Kar-wai
HUNGÁRIA: The Notebook, de Janosz Szasz
ÍNDIA: The Good Road, de Gyan Correa
INDONÉSIA: Sang Kiai, de Rako Prijanto
IRÃ: The Past, de Asghar Farhadi
ISLÂNDIA: Of Horses and Men, de Benedikt Erlingsson
ISRAEL: Bethlehem, de Yuval Adler
ITÁLIA: The Great Beauty, de Paolo Sorrentino
JAPÃO: The Great Passage, de Ishii Yûya
LETÔNIA: Mother I Love You, de Janis Nords
LÍBANO: Ghadi, de Amin Dora
LITUÂNIA: Conversations on Serious Topics, de Giedre Beinoriute
LUXEMBURGO: Blind Spot, de Christophe Wagner
MARROCOS: God’s Horses, de Nabil Ayouch
MÉXICO: Heli, de Amat Escalante
MOLDÁVIA: All God’s Children, de Adrian Popovici
MONTENEGRO: Bad Destiny, de Draska Djurovic
NEPAL: Soongava: Dance of the Orchids, de Subarna Thapa
NORUEGA: I Am Yours, de Iram Haq
NOVA ZELÂNDIA: White Lies, de Dana Rotberg
PALESTINA: Omar, de Hany Abu-Assad
PAQUISTÃO: Zinda Bhaag, de Meenu Gaur e Farjad Nabi
PERU: The Cleaner, de Adrian Saba
POLÔNIA: Walesa, de Andrzej Wajda
PORTUGAL: Lines of Wellington, de Valeria Sarmiento
REINO UNIDO: Metro Manila, de Sean Ellis
REPÚBLICA DOMINICANA: Who’s the Boss?, de Ronni Castillo
REPÚBLICA TCHECA: Burning Bush, de Agnieszka Holland
ROMÊNIA: Child’s Pose, de Calin Peter Netzer
RÚSSIA: Stalingrad, de Fedor Bondarchuk
SÉRVIA: Circles, de Srdan Golubovic
SINGAPURA: Ilo Ilo, de Anthony Chen
SUÉCIA: Eat Sleep Die, de Gabriela Pichler
SUÍÇA: More Than Honey, de Markus Imhoof
TAILÂNDIA: Countdown, de Nattawut Poonpiriya
TAIWAN: Soul, de Chung Mong-Hong
TURQUIA: The Butterfly’s Dream, de Yilmaz Erdogan
UCRÂNIA: Paradjanov, de Serge Avedikian e Olena Fetisova
URUGUAI: Anina, de Alfredo Soderguit
VENEZUELA: Breach in the Silence, de Luis Rodríguez e Andrés Rodríguez

O vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro de 2013 foi o austríaco Amor, de Michael Haneke. As indicações ao Oscar 2014 serão divulgadas no dia 16 de janeiro.

Cena do representante holandês Borgman (photo by www.OutNow.CH)

Cena do representante holandês Borgman (photo by http://www.OutNow.CH)

Anúncios

Golden Globe Nominations 2011 (Indicações ao Globo de Ouro)

69º Globo de Ouro

Apesar de todos os outros prêmios de críticos e organizações dizerem que o Globo de Ouro não serve mais como parâmetro para o Oscar, é imposível não associar ambos mesmo que as escolhas não sejam mais tão iguais como alguns décadas atrás. Para quem desconhece a premiação, uma das coisas mais bacanas é que a Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood (que comanda o Globo de Ouro) apresenta duas divisões: Drama e outra de Comédia ou Musical, para as categorias de atuação e filmes. Eu sei que isso pode soar ridículo se levarmos em conta que hoje não há mais como dividir os filmes como uma locadora fazia no século XX através de gênero, mas certamente isso possibilita que mais filmes sejam indicados e, consequentemente, mais divulgados e vistos. Atitude também tomada pela Academia, que desde 2010, resolveu indicar 10 filmes para Melhor Filme, fato que não ocorria desde 1944.

Enfim, as indicações saíram nesta quinta-feira, dia 15, e já é possível tirar algumas conclusões. A primeira coisa que se percebe ao ver as indicações é a total ausência do filme A Árvore da Vida e de seu diretor consagrado Terrence Mallick. O filme ganhou a Palma de Ouro em Cannes e vinha coletando alguns prêmios de críticos americanos, mas não passou do corte desta vez. Além disso, pesou o fato de que o filme é daquele tipo “ame ou odeie”, e parece que os membros da Associção foram mais no “Odeie”. É claro que se for pensar bem, os atores de A Árvore da Vida, Brad Pitt e Jessica Chastain, foram indicados como Melhor Ator – Drama e Melhor Atriz Coadjuvante, contudo por outros filmes: O Homem que Mudou o Jogo (Moneyball) e Histórias Cruzadas (The Help).

Outro que ficou completamente fora da festa foi o drama Extremely Loud and Incredibly Close (ainda sem título traduzido), dirigido por Stephen Daldry (Billy Elliot e As Horas). Trata-se de uma história de um menino de 9 anos que procura uma fechadura em New York que encaixa a chave deixada por seu pai, que morreu no atentado terrorista de 11 de Setembro. Levando em consideração o diretor e a história, o trailer já anuncia um drama meio meloso, ainda mais se tratando do atentado, além disso, dá a impressão de que o final é daqueles repletos de moral e mensagem de “ame o próximo”. O filme vinha sendo bastante cogitado para a temporada de premiações, pois além do diretor consagrado, as estrelas são Tom Hanks e Sandra Bullock, ambos vencedores de Oscar.

Nesta edição, os recordistas em número de indicações são: O Artista (The Artist), liderando com 6. Os Descendentes (The Descendants) e Histórias Cruzadas (The Help) vêm logo atrás com 5 indicações cada. A produção francesa O Artista vêm conquistando a crítica com sua história de conversão de cinema mudo para o falado nos anos 20 de Hollywood, além de apresentar um espetáculo visual através de fotografia preto-e-branco e direção de arte. Dessa forma, sua vitória já pode ser considerada certa como Melhor Filme – Comédia ou Musical.

O Artista

Os Descendentes

Histórias Cruzadas

Uma surpresa acabou sendo as 4 indicações para o drama político Tudo Pelo Poder (The Ides of March), dirigido por George Clooney (triplamente indicado: como roteirista e diretor, além de ator por Os Descendentes). O longa-metragem tenta recontar o caso amoroso entre o então presidente americano Bill Clinton com a estagiária Monica Lewinski, ocorrido no final dos anos 90, mas com uma dose de ficção e nomes fictícios, claro. Tudo Pelo Poder estava perdendo fôlego nos últimos meses nos prêmios de críticos, mas agora com o reconhecimento do Globo de Ouro, pode ser que ganhe mais espaço no Oscar.

Já o épico drama de guerra dirigido por Steven Spielberg, War Horse (ainda sem título brasileiro), foi apontado por uma penca de críticos e especialistas do site oscarcentral.com como o favorito da temporada. Ok, é compreensível que qualquer filme de Spielberg já seja um papa-prêmios, ainda mais um filme de guerra. Mas quando fui ver o trailer, achei muito estúpido. Perdoe-me o mestre Spielberg (sou fã de Tubarão, Encurralado e os primeiros trabalhos dele), mas por que ele foi aceitar dirigir um filme sobre um cavalo na guerra? Olhem a sinopse e me digam se gostariam de ver: “O jovem Albert se alista no Exército para a Segunda Guerra Mundial depois que seu amado cavalo, Joey, é vendido para a Cavalaria. A jornada cheia de esperança de Albert o leva para fora da Inglaterra e Europa quando a guerra estoura”. Ainda estão aí? Eu já estava dormindo faz tempo… Vi o trailer agora há pouco e na hora me veio à cabeça aquela draga de filme chamado Seabiscuit – Alma de Herói (2003). Alguém aí se lembra? Além disso, dá vontade de vomitar ao ver aqueles longos planos de câmera lenta cobertos por aquela trilha melosa do John Williams para ressaltar o espírito equino de guerra! Já deve ter gente querendo me jogar pedra, mas não estou querendo desmerecer o trabalho de ninguém e posso estar errado porque ainda não vi o filme, mas pelo trailer, parece que estão querendo transformar o cavalo do filme num candidato à presidência americana! Felizmente, só foi indicado a Melhor Filme e Melhor Trilha Musical.

Além das indicações para Os Descendentes e O Artista, gostei que o Globo de Ouro reconheceu o ator Christopher Plummer pelo filme Toda Forma de Amor, em que vive um recém-viúvo que se descobre gay e com doença terminal. Como eu disse no post anterior, não gosto quando a Academia premia alguém simplesmente por tentar compensar derrotas anteriores ou anos de carreira sem uma indicação, mas quando o artista ganha por puro mérito. E parece que Plummer chegou a seu merecido ápice como ator.

Tilda Swinton

Também já estou torcendo pela atriz Tilda Swinton por sua performance em Precisamos Falar Sobre o Kevin. Sempre digo em conversas com amigos que um bom ator ou atriz não é somente aquele que sabe atuar, mas que sabe escolher projetos que propiciem novos desafios com profundidade. E a inglesa Swinton se encaixa nesse perfil. Tirando o blockbuster As Crônicas de Nárnia: o Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa, que serviu para pagar suas contas e atendido pedido do filho, suas escolhas têm coerência, seja pelo papel, seja pelo diretor ou pelo elenco.

Morgan Freeman

Lembrando também que o veterano ator Morgan Freeman receberá o prêmio Cecil B. DeMille pelo conjunto da obra. Freeman que teve seu auge nos anos 80 e 90 com filmes como Conduzindo Miss Daisy (1989), Um Sonho de Liberdade (1994) e Seven – Os Sete Crimes Capitais (1995), passou a se tornar coadjuvante de luxo de alguns filmes grandes como Batman – O Cavaleiro das Trevas (2008)e Menina de Ouro (2004) pelo qual ganhou seu único Oscar, sem esquecer que é dono de uma voz idolatrada por documentaristas para ser o narrador como no sucesso A Marcha dos Pinguins (2005). Receber o prêmio Cecil B. DeMille certamente é uma honra, levando-se em consideração que nomes como Jack Nicholson, Elizabeth Taylor, Harrison Ford e Steven Spielberg já receberam.

A 69ª edição do Globo de Ouro será transmitido pelo canal pago Sony no dia 15 de Janeiro de 2012.

Segue a lista dos indicados ao Globo de Ouro:

Melhor Filme – Drama

Os Descendentes

Histórias Cruzadas

A Invenção de Hugo Cabret

Tudo pelo Poder

O Homem Que Mudou o Jogo

War Horse

Melhor Filme – Musical ou Comédia

O Artista

Missão Madrinha de Casamento

50%

Meia-Noite em Paris

My Week with Marilyn

Melhor Ator – Drama

George Clooney  (Os Descendentes)

Leonardo DiCaprio (J. Edgar)

Michael Fassbender (Shame)

Ryan Gosling (Tudo pelo Poder)

Brad Pitt (O Homem Que Mudou o Jogo)

Melhor Atriz – Drama

Glenn Close (Albert Nobbs)

Viola Davis (Histórias Cruzadas)

Rooney Mara (Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres)

Meryl Streep (A Dama de Ferro)

Tilda Swinton (Precisamos Conversar Sobre o Kevin)

Melhor Ator – Musical ou Comédia

Jean Dujardin (O Artista)

Brendan Gleeson (O Guarda)

Joseph Gordon-Levitt (50%)

Ryan Gosling (Amor a Toda Prova)

Owen Wilson (Meia-Noite em Paris)

Melhor Atriz – Musical ou Comédia

Jodie Foster (Carnage)

Charlize Theron (Jovens Adultos)

Kristen Wiig (Missão Madrinha de Casamento)

Michelle Williams (My Week with Marilyn)

Kate Winslet (Carnage)

Melhor Ator Coadjuvante

Kenneth Branagh (My Week with Marilyn)

Albert Brooks (Drive)

Jonah Hill (O Homem Que Mudou o Jogo)

Viggo Mortensen (Um Método Perigoso)

Christopher Plummer (Toda Forma de Amor)

Melhor Atriz Coadjuvante

Bérénice Bejo (O Artista)

Jessica Chastain (Histórias Cruzadas)

Janet McTeer (Albert Nobbs)

Octavia Spencer (Histórias Cruzadas)

Shailene Woodley (Os Descendentes)

Melhor Diretor

Woody Allen (Meia-Noite em Paris)

George Clooney (Tudo Pelo Poder)

Michel Hazanavicius (O Artista)

Alexander Payne (Os Descendentes)

Martin Scorsese (A Invenção de Hugo Cabret)

Melhor Roteiro

Michel Hazanavicius (O Artista)

Alexander Payne, Nat Faxon, Jim Rash (Os Descendentes)

George Clooney, Grant Heslov, Beau Willimon (Tudo Pelo Poder)

Woody Allen (Meia-Noite em Paris)

Steven Zaillian, Aaron Sorkin, Stan Chervin (O Homem que Mudou o Jogo)

 

Melhor Canção

Brian Byrne, Glenn Close(“Lay Your Head Down”) – Albert Nobbs

Elton John, Bernie Taupin(“Hello Hello”) – Gnomeu e Julieta

Mary J. Blige, Thomas Newman, Harvey Mason Jr., Damon Thomas(“The Living Proof”) – Histórias Cruzadas

Chris Cornell(“The Keeper”) – Redenção

Madonna, Julie Frost, Jimmy Harry(“Masterpiece”) – W.E. – O Romance do Século

Melhor Trilha Musical

Ludovic Bource (O Artista)

Trent Reznor, Atticus Ross (Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres)

Howard Shore (A Invenção de Hugo Cabret)

John Williams (War Horse)

Abel Korzeniowski (W.E. – O Romance do Século)

 

Melhor Animação

As Aventuras de Tintim

Operação Presente

Carros 2

Gato de Botas

Rango

Melhor Filme Estrangeiro

Jin líng shí san chai (China)

In the Land of Blood and Honey (EUA)

O Garoto de Bicicleta (Bélgica)

A Separação (Irã)

A Pele que Habito (Espanha)