ROTEIROS de ‘PARASITA’ e ‘JOJO RABBIT’ SÃO os VENCEDORES do WGA

 

IMG_3829

Taika Waititi e Bong Joon Ho com seus prêmios do WGA (pic by @neonrated)

FILMES GANHAM PRÊMIOS COM ASTERISCOS

Na noite deste sábado, dia 1º de fevereiro, o sindicato de roteiristas (WGA) entregou seus prêmios de Cinema e de TV.

Seguem os vencedores destacados na cor azul:

ROTEIRO ORIGINAL

  • 1917, de Sam Mendes e Krysty Wilson-Cairns
  • Fora de Série (Booksmart), de Emily Halpern, Sarah Haskins, Susanna Fogel e Katie Silberman
  • Entre Facas e Segredos (Knives Out), de Rian Johnson
  • História de um Casamento (Marriage Story), de Noah Baumbach
  • Parasita (Parasite), de Bong Joon Ho e Han Jin Won

ROTEIRO ADAPTADO

  • Um Lindo Dia na Vizinhança (A Beautiful Day in the Neighborhood), de Micah Fitzerman-Blue e Noah Harpster – inspirado no artigo “Can You Say… Hero?”, por Tom Junod
  • O Irlandês (The Irishman), de Steven Zaillian – baseado no livro “I Heard You Paint Houses”, de Charles Brandt
  • Jojo Rabbit, de Taika Waititi – baseado no livro “Caging Skies”, de Christine Leunens
  • Coringa (Joker), de Todd Phillips e Scott Silver – baseado nos personagens da DC Comics
  • Adoráveis Mulheres (Little Women), de Greta Gerwig – baseado no romance de Louisa May Alcott

ROTEIRO DE DOCUMENTÁRIO

  • Citizen K, de Alex Gibney
  • Foster, de Mark Jonathan Harris
  • The Inventor: Out for Blood in Silicon Valley, de Alex Gibney
  • Joseph Pulitzer: Voice of the People, de Robert Seidman e Oren Rudavsky
  • The Kingmaker, de Lauren Greenfield
Design sem nome

Cenas de Parasita e Jojo Rabbit, que venceram os prêmios de roteiro

A vitória de Taika Waititi dá um novo fôlego para seu Jojo Rabbit, já que bateu três dos seus quatro concorrentes ao Oscar, faltando apenas Anthony McCarten de Dois Papas. Vencedor do prêmio do público no último Festival de Toronto, a sátira do Nazismo também levou os prêmios dos sindicatos de Montagem (Comédia ou Musical) e Figurino (de Época). Com essa campanha vitoriosa, é provável que Jojo Rabbit saia do Oscar com pelo menos uma estatueta… mas qual?

Até antes desta premiação, Greta Gerwig era a favorita por sua adaptação de Adoráveis Mulheres, mas Taika Waititi pode se tornar uma ameaça com o WGA vencido. Lembrando que a votação do Oscar se encerra apenas no dia 04 de Fevereiro (terça-feira), o que permite mudanças de escolhas de última hora.

lITTLE wOMEN

Cena de Adoráveis Mulheres, de Greta Gerwig (pic by IMDb)

Já na categoria de Roteiro Original, embora a premiação de Bong Joon Ho e Han Jin Won por Parasita ajude a manter o filme na mente dos votantes, é preciso se ater ao fato de que Quentin Tarantino não concorria com Era Uma Vez em… Hollywood, já que ele não é membro do sindicato. E mais importante: Tarantino já ganhou o Oscar (por Django Livre) mesmo nem concorrendo ao WGA. Será que a história de 2013 vai se repetir aqui? E se for o caso, Bong Joon Ho vai levar apenas o Oscar de Melhor Filme Internacional? Porque o DGA praticamente sacramentou a vitória de Sam Mendes como Melhor Diretor…

Once Upon 2

Cena de Era Uma Vez em… Hollywood (pic by IMDb)

Em seu discurso de agradecimento, o diretor e roteirista sul-coreano disse: “Vocês entenderam a estrutura e nossa história e as nuances de nossos diálogos. É surpreendente!”, e depois fechou com uma declaração anti-Trump: “Algumas pessoas constroem barreiras mais altas. Nós, escritores, nós amamos destrui-las.”

A categoria de Documentário acaba não interferindo na corrida pelo Oscar, pois nenhum dos indicados aqui estão na lista final da Academia. Mas vale lembrar que o vencedor Alex Gibney, já venceu o Oscar por Táxi Para a Escuridão em 2008.

Pra quem ficou curioso, segue a tabela dos últimos dez anos comparando o WGA e o Oscar:

ANO WGA ORIGINAL OSCAR ORIGINAL WGA ADAPTADO OSCAR ADAPTADO
2019 Oitava Série Green Book Poderia Me Perdoar? Infiltrado na Klan
2018 Corra! Corra! Me Chame Pelo seu Nome Me Chame Pelo seu Nome
2017 Moonlight Manchester à Beira-Mar A Chegada Moonlight
2016 Spotlight Spotlight A Grande Aposta A Grande Aposta
2015 O Grande Hotel Budapeste Birdman O Jogo da Imitação O Jogo da Imitação
2014 Ela Ela Capitão Phillips 12 Anos de Escravidão
2013 A Hora Mais Escura Django Livre Argo Argo
2012 Meia-Noite em Paris Meia-Noite em Paris Os Descendentes Os Descendentes
2011 A Origem O Discurso do Rei A Rede Social A Rede Social
2010 Guerra ao Terror Guerra ao Terror Amor Sem Escalas Preciosa

Normalmente, o WGA acerta pelo menos um dos vencedores do Oscar de Roteiro, mas por exemplo, no ano passado, tivemos duas divergências, algo que foi raro nos anos anteriores.

No final das contas, o resultado do WGA não ajuda em nada nas previsões, pois Era Uma Vez em… Hollywood não estava concorrendo, e na categoria de Roteiro Adaptado, é provável que muitos votantes (especialmente as mulheres) optem por Greta Gerwig como forma de protesto pela ausência de mulheres na categoria de Direção.

Succession

Cena da série Succession, da HBO (pic by IMDb)

Confira os vencedores das categorias de TV:

TELEVISION

Drama series
“Succession” (HBO)

Comedy series
“Barry,” written by Alec Berg, Duffy Boudreau, Bill Hader, Emily Heller, Jason Kim, Taofik Kolade, Elizabeth Sarnoff (HBO)

New Series
“Watchmen” (HBO)

Long Form Original
“Chernobyl,” written by Craig Mazin (HBO)

Long Form Adapted
“Fosse/Verdon” (FX)

Short Form New Media
“Special,” written by Ryan O’Connell (Netflix)

Animation
“Thanksgiving of Horror” (“The Simpsons”) (FOX)

Episodic Drama
“Tern Haven” (“Succession”), written by Will Tracy (HBO)

Episodic Comedy
“Pilot” (“Dead to Me”), written by Liz Feldman (Netflix)

Comedy/Variety Talk Series
“Last Week Tonight with John Oliver” (HBO)

Comedy/Variety Sketch Series
“Full Frontal with Samantha Bee Presents: Not the White House Correspondents’ Dinner Part 2” (TBS)

Comedy/Variety Specials
“I Think You Should Leave with Tim Robinson” (Netflix)

Daytime
“The Young and the Restless,” written by Amanda L. Beall, Jeff Beldner, Sara Bibel, Matt Clifford, Annie Compton, Christopher Dunn, Sara Endsley, Janice Ferri Esser, Mellinda Hensley, LynnMartin, Anne Schoettle, Natalie Minardi Slater, Teresa Zimmerman (CBS) WINNER

Documentary Script — Other than Current Events
“Right to Fail” (Frontline), written by Tom Jennings (PBS)

Documentary Script — Current Events
“Trump’s Trade War” (Frontline), written by Rick Young (PBS)

News Script — Analysis, Feature or Commentary
“Fly Like An Eagle” (60 Minutes), written by Katie Kerbstat Jacobson, Scott Pelley, Nicole Young (CBS)

News Script — Regularly Scheduled, Bulletin or Breaking Report
“Terror in America: The Massacres in El Paso and Dayton” (Special Edition of the CBS Evening News with Norah O’Donnell), written by Jerry Cipriano, Joe Clines, Bob Meyer (CBS)

Quiz and Audience Participation
“Are You Smarter Than a 5th Grader?,” head writer Bret Calvert, writers Seth Harrington, Rosemarie DiSalvo (Nickelodeon)

Children’s Episodic, Longform and Specials
“Remember Black Elvis?” (Family Reunion), written by Howard Jordan, Jr. (Netflix)


A 92ª cerimônia do Oscar acontece no dia 09 de Fevereiro. Não esqueça de participar de nosso Bolão do Oscar.

E AÍ? VAI TER HOST no OSCAR 2020?

Design sem nome (30).jpg

COM CALENDÁRIO BASTANTE APERTADO, AS CHANCES DE UM ÚNICO HOST CAEM A CADA DIA

Vamos direto aos fatos. A audiência da cerimônia do Oscar vinha caindo por quatro anos consecutivos até alcançar a pior marca da história de 18.9, o que representa aproximadamente 26 milhões de telespectadores. No Oscar deste ano, houve um aumento de 14% conquistando a marca de 21.6, cerca de 30 milhões de telespectadores.

Seguindo a lógica, parece muito óbvio que o caminho seja manter o evento sem um host ou hostess, certo? Não necessariamente. Na última cerimônia do Emmy, prêmio da televisão, não houve host também e a audiência caiu drasticamente 32% em relação ao ano anterior. Portanto, os representantes da Academia e da rede de TV ABC estão se reunindo para avaliar as melhores opções num curto espaço de tempo.

Segundo matéria da Variety, eles praticamente descartaram a possibilidade de um host. Ano passado, Kevin Hart foi anunciado em 04 de Dezembro e já era considerado uma data apertada para a cerimônia no final de Fevereiro, imagina agora que estamos em 19 de Dezembro, e a cerimônia foi adiantada para 09 de Fevereiro? Não haveria tempo hábil para recrutar uma equipe para preparar as atrações e piadas.

Certamente, muitos defendem a sequência de um Oscar sem host, porque estão mais preocupados com a duração do evento ao vivo, mas nessas reuniões estariam discutindo a possibilidade de duplas ou até time de hosts formados por celebridades. Para quem acompanha há pouco tempo a cerimônia da Academia, as duplas são casos recentes e desastrosos: em 2010, Steve Martin fez dupla com Alec Baldwin, e em 2011, James Franco e Anne Hathaway foram aquela tragédia, que foi ainda mais reforçada com a vitória inacreditável de O Discurso do Rei sobre A Rede Social.

james franco anne hathaway

James Franco e Anne Hathaway no Oscar 2011: fundo do poço? (pic by VanityFair.com)

 

Já para quem acompanhou o Oscar há mais tempo, essa estratégia de times não são novas. Em 1975, Sammy Davis Jr., Bob Hope, Shirley MacLaine e Frank Sinatra dividiram as tarefas de host. Em 1983, foram Richard Pryor, Liza Minnelli, Dudley Moore e Walter Matthau, e em 1987, Paul Hogan, Chevy Chase e Goldie Hawn.

Oscars 1983.jpg

4 Hosts em 1983: Walter Matthau, Liza Minnelli, Dudley Moore e Richard Pryor (pic by IMDb)

Na verdade, se eles forem espertos, poderiam reconvocar o trio que abriu o Oscar 2019 para essa tarefa: Tina Fey, Amy Poehler e Maya Rudolph. Apesar de apenas apresentarem o Oscar de Atriz Coadjuvante, elas fizeram um mini-monólogo (ou seria triólogo?) com ótimas piadas antes de abrir o envelope.

Sempre fui a favor de Jim Carrey (que roubou a cena no último Globo de Ouro com a piada de sentar na distante seção de TV) ou Sacha Baron Cohen como hosts do Oscar, porque têm excelente timing e experiência com tv ao vivo, mas pensando nessa filosofia, eles formariam uma dupla excepcional, não? Ou Steve Carell e Kristen Wiig, que arrebentaram no Globo de Ouro com a piada da primeira animação no cinema? Ou que tal Chris Rock com Jack Black e Will Ferrell? Existem combinações diversas que podem suprir com sobras as necessidades do tamanho do evento, PORÉM sem essa de caça às bruxas. Se começarem a vasculhar contas de Twitter, um comentário no Facebook, uma piada anotada num guardanapo ou um sussuro no carro, não haverá mais hosts, pois ninguém tem ficha 100% limpa. Claro que Kevin Hart pisou na bola com aqueles tweets homofóbicos (onde estava o agente dele pra pedir pra ele apagar?), mas aquele ultimato da Academia do tipo “ou você pede desculpas publicamente ou não queremos que você seja o nosso host” soou ainda mais ridículo. Bastava uma reunião simples com desligamento.

Enfim, o Globo de Ouro parece ser a única premiação televisionada sem esse tipo de perrengue, já que Ricky Gervais está de volta pela quinta vez! Particularmente, votaria para Gervais no Oscar também, mas a instituição é muito careta pras piadas politicamente incorretas dele.

73rd Annual Golden Globe Awards - Season 73

Ricky Gervais já está comprometido ao Globo de Ouro 2020 (pic by Variety)

E você? Gostou do Oscar 2019 sem um host? Preferiu aquele show genérico do Queen com Adam Lambert de abertura? E se tivesse que escolher o host, a hostess ou os hosts? Quem ganharia seu voto?


A cerimônia do 92º Oscar será no dia 09 de Fevereiro, e as indicações anunciadas em 13 de Janeiro.

ACADEMIA CONVIDA NOVO RECORDE DE 774 MEMBROS

new-academy.png

Novos membros da Academia: o diretor de Corra, Jordan Peele, a atriz israelense Gal Gadot e Dwayne Johnson, o The Rock. Pic by Variety

PRESIDENTE ELEVA A INTERNACIONALIDADE DO OSCAR

Pra quem achava que aquele negócio de #OscarsSoWhite seria fogo de palha, a presidente da Academia, Cheryl Boone Isaacs, quer provar o contrário antes que seu mandato termine. Ela e a Academia convidaram 774 novos membros, um número recorde que quebrou o anterior de 683 em 2016.

Embora tenha começado por causa da “falta de diversidade” mais focada em artistas negros, a presidente observou que seria uma oportunidade imperdível de expandir os horizontes de uma instituição mega conservadora, e assim, resolveu aderir à globalização, convidando inúmeros profissionais de vários países.

Nesta nova safra, temos representantes de um total de 57 países, sendo 39% desses novos membros mulheres. Inclusive, sete departamentos convidaram mais mulheres do que homens. São eles: Atores, Diretores de Casting, Figurinistas, Designers, Documentaristas, Executivos e Montadores. São números bastante expressivos para a história da Academia, que tinha como média de membros homens brancos com idade entre 50 e 60 anos. Claro que isso não se muda da noite para o dia, mas estamos assistindo aos esforços colossais de uma presidente empenhada em trazer mais igualdade ao maior prêmio do Cinema.

Preciso sempre ressaltar que sou contra qualquer tipo de cota racial. Acho que essa medida vai contra justamente seus supostos objetivos de fazer justiça. Na minha opinião, quando se dá uma vaga para um artista só pelo fato de ser negro, estamos automaticamente afirmando que ele é incapaz de conseguir a vaga pelos próprios esforços. Pensando aqui no Brasil, para aqueles que pensam que ao conceder uma vaga de faculdade para um negro estamos compensando a época de escravidão, estão redondamente enganados. O passado não pode ser reparado dessa forma, mas ele deve ser usado como lição para que o presente e o futuro não repitam os mesmos erros.

Abordei esse assunto, porque discordo quando dizem que a Academia precisa indicar atores negros todos os anos como se fosse uma obrigação. Fizeram o maior auê em 2015 e 2016 porque dentre os 20 indicados não havia um ator ou atriz negros. A Academia é uma instituição que valoriza as Artes, não um sistema de cotas raciais. E vale lembrar que em 2014, a mesma Academia havia premiado como Melhor Filme o drama 12 Anos de Escravidão, além de premiar seu roteirista e sua atriz (Lupita Nyong’o) negros. Então, estou aqui criticando essa filosofia do politicamente correto que se instaurou de tal forma, que quem contraria é tratado como homem das cavernas ou filho do capeta. A Academia indica as performances que considera melhores, sejam de atores brancos, negros ou amarelos. Aliás, sou amarelo e não fico enchendo o saco porque a Academia não indicou atores asiáticos.

Enfim, a abertura para novos 774 membros não significa necessariamente que a Academia favorecerá artistas e produções feitas por minorias, mas trará maiores chances para que concorram e eventualmente ganhem a estatueta. E claro, reduzir gradativamente o conservadorismo que reina na Academia. Esse conservadorismo que preferiu premiar O Discurso do Rei no lugar de A Rede Social, e Crash – No Limite no lugar de O Segredo de Brokeback Mountain, só pra citar dois.

E torço especialmente para que a inclusão de cineastas internacionais como o diretor japonês Takashi Miike, o britânico Guy Ritchie, o sul-coreano Kim Ki-duk, o filipino Lav Diaz e o visionário chileno Alejandro Jodorowsky possibilite uma revolução na categoria de Filme em Língua Estrangeira, que há décadas premia longas com temática de 2ª Guerra Mundial e Holocausto.

Claro que a Academia não se esqueceu do Cinema Brasileiro e convidou profissionais daqui como o diretor de fotografia Walter Carvalho (Central do Brasil e Lavoura Arcaica), a lenda Nelson Pereira dos Santos, que dirigiu Vidas Secas, o cearense Karim Aïnouz (Madame Satã e O Céu de Suely)e Kléber Mendonça Filho, que recentemente esteve em Cannes com Aquarius. E o único ator brasileiro da lista Rodrigo Santoro.

Se esses novos membros vão votar em suas respectivas nacionalidades ou cores de pele, aí é com o critério e a consciência de cada um. A presidente apenas está abrangendo o número de possibilidades para os Oscars seguintes.

Veja lista completa dos 774 membros (os nomes com asterisco foram convidados por mais de um departamento):

ATORES
Riz Ahmed – “Rogue One: A Star Wars Story,” “Nightcrawler”
Debbie Allen – “Fame,” “Ragtime”
Elena Anaya – “Wonder Woman,” “The Skin I Live In”
Aishwarya Rai Bachchan – “Jodhaa Akbar,” “Devdas”
Amitabh Bachchan – “The Great Gatsby,” “Kabhi Khushi Kabhie Gham…”
Monica Bellucci – “Spectre,” “Bram Stoker’s Dracula”
Gil Birmingham – “Hell or High Water,” “Twilight” series
Nazanin Boniadi – “Ben-Hur,” “Iron Man”
Daniel Brühl – “The Zookeeper’s Wife,” “Inglourious Basterds”
Maggie Cheung – “Hero,” “In the Mood for Love”
John Cho – “Star Trek” series, “Harold & Kumar” series
Priyanka Chopra – “Baywatch,” “Barfi!”
Matt Craven – “X-Men: First Class,” “A Few Good Men”
Terry Crews – “The Expendables” series, “Draft Day”
Warwick Davis – “Rogue One: A Star Wars Story,” “Harry Potter” series
Colman Domingo – “The Birth of a Nation,” “Selma”
Adam Driver – “Silence,” “Star Wars: The Force Awakens”
Joel Edgerton – “It Comes at Night,” “Loving”
Chris Evans – “Captain America” series, “Snowpiercer”
Luke Evans – “Beauty and the Beast,” “The Girl on the Train”
Fan Bingbing – “I Am Not Madame Bovary,” “Cell Phone”
Elle Fanning – “The Beguiled,” “20th Century Women”
Golshifteh Farahani – “Paterson,” “AboutElly”
Anna Faris – “Scary Movie” series, “Brokeback Mountain”
Tom Felton – “A United Kingdom,” “Harry Potter” series
Rebecca Ferguson – “The Girl on the Train,” “Mission: Impossible – Rogue Nation”
Lou Ferrigno – “The Incredible Hulk,” “Hercules”
Gal Gadot – “Wonder Woman,” “Fast & Furious” series
Charlotte Gainsbourg – “Norman: The Moderate Rise and Tragic Fall of a New York Fixer,” “Melancholia”
Jeff Garlin – “Safety Not Guaranteed,” “WALL-E”
Spencer Garrett – “Public Enemies,” “Thank You for Smoking”
Domhnall Gleeson – “Star Wars: The Force Awakens,” “Ex Machina”
Sharon Gless – “The Star Chamber,” “Airport 1975”
Donald Glover – “The Martian,” “Magic Mike XXL”
Judy Greer – “Jurassic World,” “13 Going on 30”
Rupert Grint – “Moonwalkers,” “Harry Potter” series
Noel Gugliemi – “Lowriders,” “The Fast and the Furious”
Jon Hamm – “Baby Driver,” “The Town”
Armie Hammer – “The Birth of a Nation,” “The Social Network”
Naomie Harris – “Moonlight,” “Skyfall”
Leila Hatami – “A Separation,” “Leila”
Anne Heche – “Rampart,” “DonnieBrasco”
Lucas Hedges – “Manchester by the Sea,” “Moonrise Kingdom”
Chris Hemsworth – “Thor” series, “Rush”
Ciarán Hinds – “Silence,” “Munich”
Aldis Hodge – “Hidden Figures,” “Straight Outta Compton”
Bryce Dallas Howard – “Jurassic World,” “The Help”
Bonnie Hunt – “The Green Mile,” “Jerry Maguire”
Jiang Wen – “Rogue One: A Star Wars Story,” “Let the Bullets Fly”
Dwayne Johnson – “Moana,” “Central Intelligence”
Leslie Jones – “Ghostbusters,” “Masterminds”
Keegan-Michael Key – “Don’t Think Twice,” “Keanu”
Aamir Khan – “3 Idiots,” “Lagaan”
Irrfan Khan – “Life of Pi,” “Slumdog Millionaire”
Salman Khan – “Sultan,” “Bajrangi Bhaijaan”
Rinko Kikuchi – “Pacific Rim,” “Babel”
Zoë Kravitz – “Divergent” series, “Mad Max: Fury Road”
Sanaa Lathan – “Out of Time,” “Love and Basketball”
Carina Lau – “Infernal Affairs 2,” “Days of Being Wild”
Tony Leung – “The Grandmaster,” “Lust, Caution”
Rami Malek – “Short Term 12,” “The Master”
Leslie Mann – “Funny People,” “Knocked Up”
Kate McKinnon – “Ghostbusters,” “Office Christmas Party”
Sienna Miller – “The Lost City of Z,” “American Sniper”
Janelle Monáe – “Hidden Figures,” “Moonlight”
Michelle Monaghan – “Patriots Day,” “Gone Baby Gone”
Viggo Mortensen – “Captain Fantastic,” “The Lord of the Rings” series
Ruth Negga – “Loving,” “Warcraft”
Franco Nero – “The Lost City of Z,” “Django”
Elizabeth Olsen – “Avengers: Age of Ultron,” “Martha Marcy May Marlene”
Deepika Padukone – “xXx: Return of Xander Cage,” “Piku”
Sarah Paulson – “Blue Jay,” “12 Years a Slave”
Robert Picardo – “Hail, Caesar!,” “TheMeddler”
Amy Poehler – “Inside Out,”“Sisters”
Chris Pratt – “Guardians of the Galaxy” series, “Jurassic World”
Zachary Quinto – “Star Trek” series, “Snowden”
Édgar Ramírez – “The Girl on the Train,” “Joy”
Phylicia Rashad – “Creed,” “For Colored Girls”
Margot Robbie – “Suicide Squad,” “The Wolf of Wall Street”
Maya Rudolph – “Maggie’s Plan,” “Bridesmaids”
Hiroyuki Sanada – “Life,” “The Twilight Samurai”
Henry G. Sanders – “Selma,” “Whiplash”
Rodrigo Santoro – “300,” “Love Actually”
Rade Šerbedžija – “Harry Potter and the Deathly Hallows Part 1,” “The Quiet American”
Nestor Serrano – “The Insider,” “Lethal Weapon 2”
Amanda Seyfried – “Les Misérables,” “Mean Girls”
Molly Shannon – “Other People,” “Me and Earl and the Dying Girl”
Anna Deavere Smith – “Rachel Getting Married,” “Philadelphia”
Hailee Steinfeld – “The Edge of Seventeen,” “True Grit”
Kristen Stewart – “Café Society,” “Twilight” series
Omar Sy – “Inferno,” “The Intouchables”
Wanda Sykes – “Snatched,” “Evan Almighty”
Channing Tatum – “Hail, Caesar!,” “Foxcatcher”
Aaron Taylor-Johnson – “Nocturnal Animals,” “Kick-Ass”
Lauren Tom – “The Joy Luck Club,” “Cadillac Man”
Jeanne Tripplehorn – “The Firm,” “Basic Instinct”
Paz Vega – “Kill the Messenger,” “Sex and Lucía”
Dee Wallace – “Grand Piano,” “E.T. The Extra-Terrestrial”
Ming-Na Wen – “Mulan,” “The Joy Luck Club”
Betty White – “You Again,” “The Proposal”
Rebel Wilson – “Pitch Perfect” series, “Bridesmaids”
Mary Elizabeth Winstead – “10 Cloverfield Lane,” “Swiss Army Man”
BD Wong – “Mulan,” “Jurassic Park”
Shailene Woodley – “The Spectacular Now,” “The Descendants”
Donnie Yen – “Rogue One: A Star Wars Story,” “Ip Man”

DIRETORES DE CASTING
PoPing AuYeung – “Crouching Tiger, Hidden Dragon: Sword of Destiny,” “Man of Tai Chi”
Yael Aviv – “A Borrowed Identity,” “Miral”
Constance Demontoy – “Elle,” “Monsieur Lazhar”
Corinna Glaus – “Aloys,” “Night Train to Lisbon”
Lindsay Graham – “The Magnificent Seven,” “Suicide Squad”
Kimberly Hardin – “Hustle & Flow,” “Friday”
Richard Hicks – “Hell or High Water,” “Gravity”
Priscilla John – “Logan,” “Captain America: The First Avenger”
Valorie Massalas – “The Wedding Ringer,” “Gods and Monsters”
Reg Poerscout-Edgerton – “Crooked House,” “Kingsman: The Secret Service”
Johanna Ray – “Snowpiercer,” “Inglourious Basterds”
Jamie Sparer Roberts – “Moana,” “Frozen”
Anna Maria Sambucco – “Youth,” “The Great Beauty”
Harika Uygur – “Mustang,” “Three Monkeys”
Francesco Vedovati – “I Am Love,” “The Last Kiss”

DIRETORES DE FOTOGRAFIA
José Luis Alcaine – “The Skin I Live In,” “Volver”
Affonso Beato – “Love in the Time of Cholera,” “The Queen”
Walter Carvalho – “Carandiru,” “Central Station”
Chung-Hoon Chung – “Me and Earl and the Dying Girl,” “Stoker”
Kiko de la Rica – “Blancanieves,” “Sex and Lucía”
Crystel Fournier – “A Place on Earth,” “Tomboy”
Robert Hardy – “Ex Machina,” “Boy A”
Camilla Hjelm Knudsen – “Land of Mine,” “Little Soldier”
Dan Laustsen – “John Wick: Chapter 2,” “Crimson Peak”
James Laxton – “Moonlight,” “Medicine for Melancholy”
Ernesto Pardo – “Tempestad,” “The Naked Room (El Cuarto Desnudo)”
Linus Sandgren – “La La Land,” “Joy”
André Turpin – “Mommy,” “It’s Not Me, I Swear!”
Zhao Xiaoding – “The Flowers of War,” “House of Flying Daggers”

FIGURINISTAS
Renée April – “Arrival,” “The Red Violin”
Erin Benach – “Loving,” “Blue Valentine”
Suzy Benzinger – “Café Society,” “Blue Jasmine”
Arjun Bhasin – “Three Generations,” “Monsoon Wedding”
Diana Cilliers – “The Last Face,” “District 9”
Michele Clapton – “Queen of the Desert,” “Separate Lies”
Bina Daigeler – “The Zookeeper’s Wife,” “Only Lovers Left Alive”
Julian Day – “Inferno,” “Brighton Rock”
Jenny Eagan – “Beasts of No Nation,” “Now You See Me”
Steven Noble – “A Monster Calls,” “Under the Skin”
Karen Patch – “Seven Psychopaths,” “The Royal Tenenbaums”
Monique Prudhomme – “The Imaginarium of Doctor Parnassus,” “Best in Show”
Trish Summerville – “The Hunger Games: Catching Fire,” “The Girl with the Dragon Tattoo”
Melissa Toth – “Manchester by the Sea,” “Eternal Sunshine of the Spotless Mind”

DESIGNERS
Javier Ameijeiras – “Black Nativity,” “Extremely Loud & Incredibly Close”
Toni Barton – “The Big Wedding,” “Sherlock Holmes”
Danielle Berman – “The Fate of the Furious,” “Memento”
Kelly Berry – “Maze Runner: The Scorch Trials,” “Spy”
Stefania Cella – “Black Mass,” “The Great Beauty”
Ellen Christiansen – “The Wolf of Wall Street,” “Across the Universe”
Jim Clay – “Woman in Gold,” “Captain Corelli’s Mandolin”
Beverley Dunn – “Pirates of the Caribbean: Dead Men Tell No Tales,” “The Great Gatsby”
Brad Einhorn – “Hail, Caesar!,” “A Time to Kill”
Antxón Gómez – “Julieta,” “Che”
Regina Graves – “Café Society,” “The Taking of Pelham 123”
Isabelle Guay – “Arrival,” “The Revenant”
Paul Hotte – “Arrival,” “300”
Elston Howard – “Jack Reacher: Never Go Back,” “Ray”
Helen Jarvis – “Monuments Men,” “Rise of the Planet of the Apes”
Tina Jones – “Belle,” “The Last King of Scotland”
Kathy Lucas – “The Divergent Series: Allegiant,” “Foxcatcher”
Naomi Shohan – “Winter’s Tale,” “American Beauty”
Carl Sprague – “Infinitely Polar Bear,” “The Royal Tenenbaums”
Jon Gary Steele – “Burlesque,” “American History X”
Patrick M. Sullivan, Jr. – “J. Edgar,” “Memoirs of a Geisha”
Karen J. TenEyck – “Alice through the Looking Glass,” “The Master”
Shane Andrew Vieau – “Suicide Squad,” “Juno”
David Wasco – “La La Land,” “Pulp Fiction”
Elizabeth Wilcox – “The BFG,” “Rise of the Planet of the Apes”

DIRETORES
Fatih Akin – “In the Fade,” “The Edge of Heaven”
Adolfo Aristarain – “Common Places,” “A Place in the World”
David Ayer – “Suicide Squad,” “Fury”
Nabil Ayouch – “Horses of God,” “Ali Zaoua”
Siddiq Barmak * – “Opium War,” “Osama”
Aida Begić * – “Children of Sarajevo,” “Snow”
Emmanuelle Bercot – “Standing Tall,” “On My Way”
Martin Butler – “Tanna,” “Contact”
Patricia Cardoso – “Real Women Have Curves,” “The Water Carrier”
Peter Ho-Sun Chan – “Dragon,” “Perhaps Love”
Derek Cianfrance – “The Light between Oceans,” “Blue Valentine”
Pedro Costa – “Horse Money,” “Blood”
Garth Davis – “Lion”
Bentley Dean – “Tanna,” “Contact”
Lav Diaz * – “A Lullaby to the Sorrowful Mystery,” “Norte, the End of History”
Carlos Diegues – “Orfeu,” “Bye Bye Brazil”
Nelson Pereira dos Santos * – “How Tasty Was My Little Frenchman,” “Barren Lives”
Nana Dzhordzhadze – “27 Missing Kisses,” “A Chef in Love”
Ildikó Enyedi * – “Simon Magus,” “My Twentieth Century”
Amat Escalante – “The Untamed,” “Heli”
Safi Faye * – “Mossane,” “Lettre Paysanne”
Tom Ford – “Nocturnal Animals,” “A Single Man”
Goutam Ghose * – “Dekha,”“Paar”
Jessica Hausner – “Amour Fou,” “Lourdes”
Joanna Hogg – “Archipelago,” “Exhibition”
Hannes Holm – “A Man Called Ove,” “Behind Blue Skies”
Ann Hui – “A Simple Life,” “Summer Snow”
Christine Jeffs – “Sunshine Cleaning,” “Sylvia”
Barry Jenkins * – “Moonlight,” “Medicine for Melancholy”
Alejandro Jodorowsky * – “The Holy Mountain,” “El Topo”
Kim Ki-duk * – “3-Iron,” “Spring, Summer, Fall, Winter…and Spring”
Zacharias Kunuk – “Searchers,” “The Fast Runner (Atanarjuat)”
Mohammed Lakhdar-Hamina * – “Chronicle of the Years of Embers,” “The Winds of the Aures”
David Mackenzie – “Hell or High Water,” “Starred Up”
Sharon Maguire – “Incendiary,” “Bridget Jones’s Diary”
Theodore Melfi – “Hidden Figures,” “St. Vincent”
Kleber Mendonça Filho – “Aquarius,” “Neighboring Sounds”
Brillante Mendoza – “Thy Womb,” “Kinatay”
Márta Mészáros * – “Diary for My Children,” “Adoption”
Takashi Miike – “13 Assassins,” “Ichi the Killer”
Orlando Montiel – “The Son of No One,” “A Guide to Recognizing Your Saints”
Jocelyn Moorhouse – “The Dressmaker,” “Proof”
Kira Muratova – “The Tuner,” “The Asthenic Syndrome”
Héctor Olivera – “El Mural,” “Funny Dirty Little War”
Idrissa Ouedraogo * – “Tilaï,” “Yaaba”
Jordan Peele * – “Get Out”
Mohammad Rasoulof * – “Manuscripts Don’t Burn,” “Goodbye”
Eran Riklis * – “The Human Resources Manager,” “Lemon Tree”
Arturo Ripstein – “Deep Crimson,” “The Beginning and the End”
Guy Ritchie – “Sherlock Holmes,” “Lock, Stock and Two Smoking Barrels”
Anthony Russo – “Captain America: Civil War,” “Captain America: The Winter Soldier”
Joseph Russo – “Captain America: Civil War,” “Captain America: The Winter Soldier”
Mrinal Sen * – “The Case Is Closed,” “In Search of Famine”
Cate Shortland – “Lore,” “Somersault”
Peter Sollett – “Freeheld,” “Raising Victor Vargas”
Juan Carlos Tabío – “Guantanamera,” “Strawberry and Chocolate”
Rawson Marshall Thurber – “Central Intelligence,” “Dodgeball: A True Underdog Story”
Johnnie To – “Election,” “Exiled”
Tran Anh Hung * – “Norwegian Wood,” “The Scent of Green Papaya”
Pablo Trapero – “The Clan,” “Lion’s Den”
Athina Rachel Tsangari – “Chevalier,” “Attenberg”
Paula van der Oest – “Black Butterflies,” “Zus & Zo”
Susanna White – “Our Kind of Traitor,” “Nanny McPhee Returns”
Martin Zandvliet * – “Land of Mine,” “A Funny Man”

DOCUMENTARISTAS
Ricardo Acosta – “Sembene!,” “Marmato”
John Akomfrah – “The Stuart Hall Project,” “The Nine Muses”
Natalia Almada – “The Night Watchman (El Velador),” “The General”
Mirra Bank – “The Only Real Game,” “LastDance”
Geof Bartz – “A Girl in the River: The Price of Forgiveness,” “Crisis Hotline: Veterans Press 1”
Diane Becker – “We Are X,” “Jujitsu-ing Reality”
Edet Belzberg – “Watchers of the Sky,” “Children Underground”
Don Bernier – “An Inconvenient Sequel: Truth to Power,” “Audrie & Daisy”
Ruby Chen – “Plastic China,” “The Rocking Sky”
S. Leo Chiang – “Out Run,” “Mr. Cao Goes to Washington”
John Davey – “In Jackson Heights,” “National Gallery”
Keiko Deguchi * – “God Knows Where I Am,” “Captivated The Trials of Pamela Smart”
Abigail E. Disney – “The Armor of Light,” “Pray the Devil Back to Hell”
Ezra Edelman – “O.J.: Made in America,” “Cutie and the Boxer”
Bob Eisenhardt – “Meru,” “Shut Up & Sing”
Diana El Jeiroudi – “The Mulberry House,” “Dolls – A Woman from Damascus”
Jihan El-Tahri – “Nasser,” “Cuba: An African Odyssey”
Geeta Gandbhir – “Which Way Is the Front Line from Here? The Life and Time of Tim Hetherington,” “Music by Prudence”
Lina Gopaul – “The Stuart Hall Project,” “The Nine Muses”
Nadia Hallgren – “Motherland,” “Trapped”
Nick Higgins – “The Crash Reel,” “First Position”
John Hoffman – “Rancher, Farmer, Fisherman,” “LaLee’s Kin: The Legacy of Cotton”
Tabitha Jackson – “20,000 Days on Earth,” “The Imposter”
Kristi Jacobson – “Solitary,” “A Place at the Table”
Janus Billeskov Jansen * – “The Act of Killing,” “Burma VJ”
Judy Kibinge – “Wagalla – The Story of a Massacre,” “Headlines in History”
Brian Knappenberger – “Nobody Speak: Trials of the Free Press,” “The Internet’s Own Boy”
Dan Krauss – “Extremis,” “The Death of Kevin Carter: Casualty of the Bang Bang Club”
Penny Lane – “Nuts!,” “Our Nixon”
Grace Lee – “American Revolutionary: The Evolution of Grace Lee Boggs,” “The Grace Lee Project”
Lisa Leeman – “Awake: The Life of Yogananda,” “One Lucky Elephant”
Audrey Marrs – “Inside Job,” “No End in Sight”
Hilla Medalia – “Dancing in Jaffa,” “Web Junkie”
Jonas Mekas – “Reminiscences of a Journey to Lithuania,” “The Brig”
Justine Nagan – “Abacus: Small Enough to Jail,” “Life Itself”
Joanna Natasegara – “The White Helmets,” “Virunga”
Marilyn Ness – “Cameraperson,” “Trapped”
Peter Nicks – “The Force,” “The Waiting Room”
Orwa Nyrabia – “Return to Homs,” “Dolls – A Woman from Damascus”
Alanis Obomsawin – “Hi-Ho Mistahey!,” “Kanehsatake: 270 Years of Resistance”
Eva Orner – “Chasing Asylum,” “Taxi to the Dark Side”
Heloísa Passos – “Manda Bala (Send a Bullet),” “Viva Volta”
Anand Patwardhan – “Jai Bhim Comrade,” “Pitra, Putra Aur Dharamyuddha (Father, Son and Holy War)”
Leanne Pooley – “Beyond the Edge,” “The Topp Twins: Untouchable Girls”
Gianfranco Rosi – “Fire at Sea,” “Sacro Gra”
AJ Schnack – “Speaking Is Difficult,” “We Always Lie to Strangers”
Fisher Stevens – “Before the Flood,” “The Cove”
Jean-Marie Téno – “Lieux Saints (Sacred Places),” “Chef! (Chief!)”
Ben Tsiang – “The Chinese Mayor,” “Go Grandriders”
Orlando von Einsiedel – “The White Helmets,” “Virunga”
Aaron Wickenden – “Best of Enemies,” “Finding Vivian Maier”
Marina Zenovich – “Water & Power: A California Heist,” “Roman Polanski: Wanted and Desired”

EXECUTIVOS
Hussain Amarshi
Robert Bakish
Glen Basner
David Beaubaire
Dori Begley
Jonathan Berg
Gillian E. Bohrer
Jim Burke
Elizabeth Cantillon
Jeff Clanagan
Stuart Ford
Nancy Gerstman
Andrea Giannetti
Kira Goldberg
Julie Goldstein
Peter Goldwyn
Carla Hacken *
Mike Hopkins
Matt Jackson
Zygi Kamasa
Scott Kennedy
Charles D. King
Eda Kowan
Niija Kuykendall
Winnie Lau
Miky Lee
Helen Lee-Kim
Peter Levinsohn
Alison Lima
Laurie May
Tendo Nagenda
DanTram Nguyen
Rachel O’Connor
Hengameh Panahi
Eric Paquette
John Penotti
Abhijay Prakash
Elizabeth Raposo
Shari Redstone
Emily Russo
Erin Siminoff
Alison Thompson
Michael Wright

MONTADORES
Spencer Averick – “13th,” “Selma”
Alexandre de Franceschi – “Lion,” “Bright Star”
Keiko Deguchi * – “God Knows Where I Am,” “Fur: An Imaginary Portrait of Diane Arbus”
Tracy Granger – “Still Life,” “Boys Don’t Cry”
Sabine Hoffman – “Maggie’s Plan,” “Elvis & Nixon”
Edie Ichioka – “The Boxtrolls,” “Toy Story 2”
Janus Billeskov Jansen * – “The Hunt,” “The Act of Killing”
Céline Kélépikis – “The Red Turtle,” “Now or Never”
Melissa Kent – “American Pastoral,” “The Age of Adaline”
Juan Carlos Macías – “Wild Horses,” “The Official Story”
Jim May – “Goosebumps,” “The Chronicles of Narnia: The Lion, the Witch and the Wardrobe”
Fredrik Morheden – “A Man Called Ove,” “The New Country”
Christopher Murrie * – “Kubo and the Two Strings,” “Coraline”
Tania Michel Nehme – “Tanna,” “Charlie’s Country”
Tia Nolan – “Annie,” “Friends with Benefits”
Anne Østerud – “The Hunt,” “The Girl with the Dragon Tattoo”
Gregory Perler – “Sing,” “Despicable Me”
Jacopo Quadri – “Fire at Sea,” “The Dreamers”
Fabienne Rawley – “Zootopia,” “MonsterHouse”
Jake Roberts – “Hell or High Water,”“Brooklyn”
Hayedeh Safiyari – “The Salesman,” “A Separation”
Nat Sanders – “Moonlight,” “Short Term 12”
Per Sandholt – “Land of Mine,” “A Funny Man”
Suzanne Spangler – “Imperial Dreams,” “Smashed”
Molly Malene Stensgaard – “Land of Mine,” “Melancholia”
Alexandra Strauss – “I Am Not Your Negro,” “A Pigeon Sat on a Branch Reflecting on Existence”
Christian Wagner – “The Fate of the Furious,” “Furious Seven”
Monika Willi – “Amour,” “The Piano Teacher”
Kate Williams – “The Whole Truth,” “Frozen River”
Dan Zimmerman – “The Dark Tower,” “The Maze Runner”
Lucia Zucchetti – “Their Finest,” “The Queen”
Eric Zumbrunnen – “Her,” “Adaptation”
Makeup Artists and Hairstylists
Richard Alonzo – “Star Trek Beyond,” “Alice in Wonderland”
Alessandro Bertolazzi – “Suicide Squad,” “Fury”
Christine Beveridge – “The Monuments Men,” “Under the Skin”
Felicity Bowring – “Gold,” “Tinker, Tailor, Soldier, Spy”
Jerry DeCarlo – “Carol,” “Julie & Julia”
Patricia DeHaney – “Sully,” “Interstellar”
Naomi Donne – “Cinderella,” “Philomena”
Linda Dowds – “RoboCop,” “Rampart”
Audrey Doyle – “Legend,” “Mad Max: Fury Road”
Tina Earnshaw – “The Promise,” “Titanic”
Rick Findlater – “L’Odyssée (The Odyssey),” “The Hobbit: An Unexpected Journey”
Paul Gooch – “Miss Peregrine’s Home for Peculiar Children,” “Maleficent”
Fae Hammond – “Fantastic Beasts and Where to Find Them,” “The Legend of Tarzan”
Miia Kovero – “Inherent Vice,” “The Master”
Michael Marino – “American Pastoral,” “The Wrestler”
Frances Mathias – “Saving Mr. Banks,” “Beginners”
Christopher Nelson – “Suicide Squad,” “Frank Miller’s Sin City”
Elaine Offers – “The Kids Are All Right,” “Far from Heaven”
Conor O’Sullivan – “The Dark Knight,” “Saving Private Ryan”
Daniel Phillips – “Florence Foster Jenkins,” “The Queen”
Luigi Rocchetti – “Ben-Hur,” “The Nativity Story”
Morag Ross – “Hugo,” “The Aviator”
Nikoletta Skarlatos – “Free State of Jones,” “The Hunger Games: Mockingjay (Parts 1 & 2)”
Vittorio Sodano – “Il Divo,” “Apocalypto”
Shane Thomas – “The Dressmaker,” “Hacksaw Ridge”
Kenneth Walker – “Loving,” “For Colored Girls”
Kerry Warn – “The Great Gatsby,” “Australia”
Carla White – “Hands of Stone,” “August: Osage County”
Ann Pala Williams – “Live by Night,” “Click”
Jeremy Woodhead – “Doctor Strange,” “Snowpiercer”

TRILHA MUSICAL
Mark Adler – “Merchants of Doubt,” “Food, Inc.”
Edesio Alejandro – “La Pared de las Palabras,” “Suite Habana”
Nancy Allen – “Collateral Beauty,” “Black Swan”
David Amram – “The Manchurian Candidate,” “Splendor in the Grass”
Craig Armstrong – “Snowden,” “The Great Gatsby”
Angelo Badalamenti – “Mulholland Drive,” “Cousins”
Nicholas Britell – “Moonlight,” “The Big Short”
Nick Cave – “Hell or High Water,” “The Road”
Jordan Corngold – “War Dogs,” “Bridge of Spies”
Warren Ellis – “Hell or High Water,” “The Road”
Lisa Gerrard – “Jane Got a Gun,” “Layer Cake”
Justin Hurwitz – “La La Land,” “Whiplash”
Jimmy Jam – “Akeelah and the Bee,” “Poetic Justice”
Todd Kasow – “Miles Ahead,” “Inside Llewyn Davis”
Abel Korzeniowski – “Nocturnal Animals,” “A Single Man”
Mica Levi – “Jackie,” “Under the Skin”
Terry Lewis – “Akeelah and the Bee,” “Poetic Justice”
Lin-Manuel Miranda – “Moana,” “Star Wars: The Force Awakens”
Atli Örvarsson – “The Edge of Seventeen,” “The Mortal Instruments: City of Bones”
Benj Pasek – “La La Land,” “Trolls”
Justin Paul – “La La Land,” “Trolls”
Laurent Perez Del Mar – “The Red Turtle,” “Fear(s) of the Dark”
Jocelyn Pook – “Augustine,” “William Shakespeare’s The Merchant of Venice”
Laura Rossi – “Unfinished Song,” “London to Brighton”
Philip Sheppard – “Love, Marilyn,” “The Tillman Story”
Stephen James Taylor – “Southside with You,” “Why Do Fools Fall in Love”
Justin Timberlake – “The Book of Love,” “Trolls”
Benjamin Wallfisch – “Hidden Figures,” “Lights Out”
Debbie Wiseman – “Middletown,” “Wilde”

PRODUTORES
Khadija Alami – “Insoumise (Rebellious Girl),” “Itar El-Layl (Narrow Frame of Midnight)”
Joshua Astrachan – “Paterson,” “Short Term 12”
Fred Berger – “The Autopsy of Jane Doe,” “La La Land”
Jason Michael Berman – “Burning Sands,” “The Birth of a Nation”
Moritz Borman – “Snowden,” “W.”
Karin Chien – “Circumstance,” “The Exploding Girl”
Michael Costigan – “Ghost in the Shell,” “A Bigger Splash”
Pablo Cruz – “Cesar Chavez,” “Miss Bala”
Mel Eslyn – “Lamb,” “The One I Love”
Howard Gertler – “How to Survive a Plague,” “Shortbus”
Aaron L. Gilbert – “Beatriz at Dinner,” “The Birth of a Nation”
Mindy Goldberg – “Low Down,” “Junebug”
Carla Hacken * – “The Book of Henry,” “Hell or High Water”
Jordan Horowitz – “La La Land,” “The Kids Are All Right”
Lars Knudsen – “American Honey,” “Beginners”
Juan de Dios Larraín – “Jackie,” “No”
Sophia Lin – “Z for Zachariah,” “Take Shelter”
Michel Merkt – “Elle,” “Toni Erdmann”
Bertha Navarro – “Pan’s Labyrinth,” “The Devil’s Backbone”
Alex Orlovsky – “The Place beyond the Pines,” “Blue Valentine”
Adele Romanski – “Moonlight,” “Morris from America”
Robert Salerno – “Nocturnal Animals,” “We Need to Talk about Kevin”
Jeffrey Sharp – “The Yellow Birds,” “You Can Count on Me”
Nansun Shi – “Flying Swords of Dragon Gate,” “A Simple Life”
Gabrielle Tana – “Philomena,” “The Invisible Woman”
Jenno Topping – “Hidden Figures,” “Miss Peregrine’s Home for Peculiar Children”
Frida Torresblanco – “Rudo y Cursi,” “Pan’s Labyrinth”
Jay Van Hoy – “Complete Unknown,” “Ain’t Them Bodies Saints”
Julie Yorn – “Hell or High Water,” “The Other Woman”
Public Relations
Clive Baillie
Michael Brown
Matt Cowal
Tomy Drissi
Sonya Y. Ede-Williams
Lynne Frank
Jonathan Garson
Peter Giannascoli
Marvin Gray
Simon Hewlett
Melissa Holloway
Angela Johnson
Wellington Love
Michelle Marks
Bill Neil
Douglas Neil
Angela Paura
Heather Johnson Phillips
Tom Piechura
Pamela Rodi
Ivette Rodriguez
Jeff Sanderson
Jerry Schmitz
Lauren Schwartz
Carol Sewell
Michael Singer
Afrat Spalding
Kristin Stark
Maggie Todd
Norman Wang
Bumble Ward
Joe Whitmore
Lea Yardum
Kevin Allen Yoder

LONGAS E CURTAS DE ANIMAÇÃO
Sélim Azzazi – “Ennemis Intérieurs,” “Enterrez Nos Chiens (Bury Our Dogs)”
Matt Baer – “The Croods,” “How to Train Your Dragon”
Kyle Balda – “Despicable Me 3,” “Minions”
Aske Bang – “Silent Nights,” “The Stranger”
Jacquie Barnbrook – “Live Music,” “The ChubbChubbs!”
Claude Barras – “My Life as a Zucchini,” “Banquise (Icefloe)”
Eric Beckman – “When Marnie Was There,” “Song of the Sea”
Jared Bush * – “Zootopia,” “Moana”
Carlos E. Cabral – “Big Hero 6,” “Frozen”
Giacun Caduff – “La Femme et le TGV,” “2B or Not 2B”
John K. Carr – “How to Train Your Dragon 2,” “Over the Hedge”
Jeeyun Sung Chisholm – “Ice Age: Collision Course,” “The Peanuts Movie”
Jericca Cleland – “Ratchet & Clank,” “Arthur Christmas”
Andrew Coats – “Smash and Grab,” “Borrowed Time”
John Cohen – “The Angry Birds Movie,” “Despicable Me”
Lindsey Collins – “Finding Dory,” “WALL-E”
Devin Crane – “Megamind,” “Monsters vs Aliens”
Ricardo Curtis – “The Book of Life,” “Dr. Seuss’ Horton Hears a Who”
Richard Daskas – “Turbo,” “Sinbad: Legend of the Seven Seas”
Kristof Deák – “Sing,” “Losing It”
Jason Deamer – “Piper,” “Monsters University”
David DeVan – “Finding Dory,” “Brave”
Walt Dohrn – “Trolls,” “Mr. Peabody & Sherman”
Rob Dressel – “Moana,” “Big Hero 6”
Stefan Eichenberger – “Heimatland (Wonderland),” “Parvaneh”
David Eisenmann – “Pearl,” “Toy Story 3”
Patrik Eklund – “Seeds of the Fall,” “Instead of Abracadabra”
Steve Emerson * – “Kubo and the Two Strings,” “The Boxtrolls”
Lise Fearnley – “Me and My Moulton,” “The Danish Poet”
Mathias Fjellström – “Seeds of the Fall,” “Instead of Abracadabra”
Arish Fyzee – “The Pirate Fairy,”“Planes”
Juanjo Giménez – “Timecode,” “Maximum Penalty”
Andrew Gordon – “Monsters University,” “Presto”
Jinko Gotoh – “The Little Prince,” “9”
Eric Guillon – “Sing,” “The Secret Life of Pets”
Lou Hamou-Lhadj – “Borrowed Time,” “Day & Night”
John Hill – “Turbo,” “Shrek Forever After”
Steven “Shaggy” Hornby – “How to Train Your Dragon 2,” “Rise of the Guardians”
Steven Clay Hunter – “Brave,” “The Incredibles”
Alessandro Jacomini – “Big Hero 6,” “Tangled”
Christopher Jenkins – “Home,” “Surf’s Up”
Sean D. Jenkins – “Wreck-It Ralph,” “Bolt”
Phil Johnston * – “Zootopia,” “Wreck-ItRalph”
Oliver Jones * – “Kubo and the Two Strings,” “ParaNorman”
Mohit Kallianpur – “Frozen,” “Tangled”
Max Karli – “My Life as a Zucchini,” “Victoria”
Michael Kaschalk – “Big Hero 6,” “Paperman”
Karsten Kiilerich – “Albert,” “When Life Departs”
Timothy Lamb – “Trolls,” “Mr. Peabody & Sherman”
Gina Warr Lawes – “Zootopia,” “Kung Fu Panda 2”
Sang Jun Lee – “Rio 2,” “Epic”
Meg LeFauve – “The Good Dinosaur,” “Inside Out”
Jenny Lerew – “Mr. Peabody & Sherman,” “Flushed Away”
Brad Lewis – “Storks,” “Ratatouille”
Carl Ludwig – “Rio,” “Ice Age”
Andrew Okpeaha MacLean – “Feels Good,” “Sikumi (On the Ice)”
MaryAnn Malcomb – “Free Birds,” “Spirit: Stallion of the Cimarron”
Anders Mastrup – “Albert,” “When Life Departs”
Moon Molson – “The Bravest, the Boldest,” “Crazy Beats Strong Every Time”
Dave Mullins – “Cars 2,” “Up”
Michelle Murdocca – “Hotel Transylvania,” “Open Season”
Christopher Murrie * – “Kubo and the Two Strings,” “Coraline”
Ramsey Naito – “The Boss Baby,” “The SpongeBob SquarePants Movie”
Damon O’Beirne – “Kung Fu Panda 3,” “Rise of the Guardians”
Hyrum Virl Osmond – “Moana,” “Frozen”
Greg Pak – “Happy Fun Room,” “Super Power Blues”
James Palumbo – “Ice Age: Collision Course,” “Ice Age: Continental Drift”
Christine Panushka – “The Content of Clouds,” “The Sum of Them”
Pierre Perifel – “Rise of the Guardians,” “Kung Fu Panda 2”
Jeffrey Jon Pidgeon – “Monsters University,” “Up”
David Pimentel – “Moana,” “Big Hero 6”
Elvira Pinkhas – “Ice Age: Collision Course,” “Rio 2”
Kori Rae – “Monsters University,” “Tokyo Mater”
Mahesh Ramasubramanian – “Home,” “Madagascar 3: Europe’s Most Wanted”
Ferenc Rofusz – “Gravitáció (Gravitation),” “The Fly”
Vicki Saulls – “The Peanuts Movie,” “Ice Age: Continental Drift”
Brad Schiff * – “Kubo and the Two Strings,” “The Boxtrolls”
William Schwab – “Frozen,” “Wreck-It Ralph”
Gina Shay – “Trolls,” “Shrek Forever After”
Jeff Snow – “Over the Hedge,” “The Road to El Dorado”
Peter Sohn – “The Good Dinosaur,” “Partly Cloudy”
Debra Solomon – “My Kingdom,” “Getting Over Him in 8 Songs or Less”
David Soren – “Captain Underpants: The First Epic Movie,” “Turbo”
Cara Speller – “Pear Cider and Cigarettes,” “Pearl”
Peggy Stern – “Chuck Jones: Memories of Childhood,” “The Moon and the Son: An Imagined Conversation”
Michael Stocker – “Finding Dory,” “Toy Story 3”
Arianne Sutner – “Kubo and the Two Strings,”“ParaNorman”
Ennio Torresan – “Turbo,” “Till Sbornia Takes Us Apart”
Géza M. Toth – “Mama,” “Maestro”
Anna Udvardy – “Sing,” “Deep Breath”
Wayne Unten – “Frozen,” “Tick Tock Tale”
Theodore Ushev – “Blind Vaysha,” “Gloria Victoria”
Robert Valley – “Pear Cider and Cigarettes,” “Shinjuku”
Timo von Gunten – “La Femme et le TGV,” “Mosquito”
Gil Zimmerman – “How to Train Your Dragon 2,” “Puss in Boots”
Marilyn Zornado – “Old-Time Film,” “Mona Lisa Descending a Staircase”

SOM
Peter Albrechtsen – “The Happiest Day in the Life of Olli Mäki,” “The Girl with the Dragon Tattoo”
Christopher Assells – “John Wick: Chapter 2,” “Spectre”
David Bach – “13 Hours: The Secret Soldiers of Benghazi,” “Suicide Squad”
Sylvain Bellemare – “Arrival,” “Incendies”
Miriam Biderman – “Don’t Call Me Son,” “The Second Mother”
Charlotte Buys – “Call Me Thief,” “White Wedding”
Charlie Campagna – “Blade Runner 2049,” “Nocturnal Animals”
Harry Cohen – “The Fate of the Furious,” “The Hateful Eight”
Mohammad Reza Delpak – “The Salesman,” “A Separation”
Yann Delpuech – “The Founder,” “Saving Mr. Banks”
José Luis Díaz – “Wild Tales,” “The Secret in Their Eyes”
Jesse K-D. Dodd – “The Fate of the Furious,” “Jurassic World”
Amrit Pritam Dutta – “Kochadaiiyaan,” “Slumdog Millionaire”
Ezra Dweck – “Black Mass,” “Metallica Through the Never”
William Files – “Deadpool,” “Star Wars: The Force Awakens”
Bernard Gariépy Strobl – “Arrival,” “War Witch”
Mariusz Glabinski – “The Wall,” “The Fifth Estate”
Peter Grace – “Hacksaw Ridge,” “The Square”
Gu Changning – “Monk Comes Down the Mountain,” “Caught in the Web”
Robert Hein – “Café Society,” “Blue Jasmine”
Douglas Jackson – “Logan,” “Schindler’s List”
Jonathan Klein – “Live by Night,” “Argo”
Claude La Haye – “Arrival,” “The Red Violin”
Robert Mackenzie – “Hacksaw Ridge,” “The Grandmaster”
Tony Martinez – “Carol,” “Revolutionary Road”
Steve A. Morrow – “La La Land,” “Up in the Air”
Jean-Paul Mugel – “Jackie,” “Paris, Texas”
Cheryl Nardi – “Captain America: Civil War,” “Brave”
Al Nelson – “Alice through the Looking Glass,” “Jurassic World”
Marc Orts – “A Monster Calls,” “Che”
Daniel Pagan – “All Eyez on Me,” “Frost/Nixon”
Geoffrey Patterson – “Transformers: Revenge of the Fallen,” “Twister”
Margit Pfeiffer – “Batman v Superman: Dawn of Justice,” “Warrior”
Becki Ponting – “Philomena,” “Atonement”
Andy Potvin – “The Hunger Games: Catching Fire,” “Life of Pi”
Richard Quinn – “Rogue One: A Star Wars Story,” “Gone Girl”
Jacob Ribicoff – “Manchester by the Sea,” “The Wrestler”
Robert L. Sephton – “Smurfs: The Lost Village,” “Remember the Titans”
Guntis Sics – “Kong: Skull Island,” “Moulin Rouge”
Jane Tattersall – “Barney’s Version,” “American Psycho”
Steven Ticknor – “Spider-Man: Homecoming,” “The Lincoln Lawyer”
Derek Vanderhorst – “Hidden Figures,” “The Ides of March”
Bryon E. Williams – “Kubo and the Two Strings,” “The Hunger Games: Mockingjay (Parts 1 & 2)”
Katy Wood – “Guardians of the Galaxy Vol. 2,” “True Grit”
Andy Wright – “Hacksaw Ridge,” “Ponyo”

EFEITOS VISUAIS
Arundi Asregadoo – “The Legend of Tarzan,” “The Revenant”
Steve Begg – “Spectre,” “Casino Royale”
Félix Bergés – “A Monster Calls,” “The Impossible”
Angus Bickerton – “Victor Frankenstein,” “Dark Shadows”
Jason Billington – “Deepwater Horizon,”“Avatar”
Nafees Bin Zafar – “Kung Fu Panda 3,” “How to Train Your Dragon 2”
Rod Bogart – “John Carter,” “Brave”
Cosmas Paul Bolger, Jr. – “Frozen,” “The Day the Earth Stood Still”
Pierre Buffin – “The Divergent Series: Allegiant,” “Life of Pi”
Sonja Burchard – “Rise of the Guardians,” “The Curious Case of Benjamin Button”
Mark Byers – “Hidden Figures,” “The Sea of Trees”
Mike Chambers – “Alice through the Looking Glass,” “Inception”
Vincent Cirelli – “Doctor Strange,” “Captain America: Civil War”
Brian Cox – “The Wolverine,” “The Chronicles of Narnia: The Voyage of the Dawn Treader”
Joyce Cox * – “The Jungle Book,” “Avatar”
Jan Philip Cramer – “Independence Day: Resurgence,” “Deadpool”
Janelle Croshaw – “Tron: Legacy,” “The Curious Case of Benjamin Button”
Denise Davis – “Pixels,” “X-Men: FirstClass”
Brennan Doyle – “Marvel’s The Avengers,” “Transformers: Dark of the Moon”
Pauline Duvall – “Deadpool,” “Star Trek Beyond”
Christopher D. Edwards * – “Guardians of the Galaxy Vol. 2,” “Doctor Strange”
Steve Emerson * – “Kubo and the Two Strings,” “The Boxtrolls”
Doug Epps – “Mars Needs Moms,” “Disney’s A Christmas Carol”
Conny Fauser – “Tomorrowland,” “Iron Man”
Paul Giacoppo – “Rogue One: A Star Wars Story,” “Pacific Rim”
Joachim Grüninger – “The Impossible,” “John Rabe”
Rhonda C. Gunner – “The Amazing Spider-Man 2,” “Wrath of the Titans”
Craig Hammack – “Deepwater Horizon,” “Tomorrowland”
Jonathan Harb – “The Hunger Games: Mockingjay – Part 1,” “Elysium”
Darren Hendler – “Furious Seven,” “Maleficent”
Erik Henry – “Dead Man Down,” “The Expendables 2”
David Hodgins – “Transformers: Dark of the Moon,” “2012”
Matt Johnson – “Into the Woods,” “X-Men: First Class”
Oliver Jones * – “Kubo and the Two Strings,”“ParaNorman”
Nikos Kalaitzidis – “The Fate of the Furious,” “X-Men: Days of Future Past”
Daniel Kramer – “Ghostbusters,” “Edge of Tomorrow”
Francois Lambert – “Ant-Man,” “Pirates of the Caribbean: Dead Man’s Chest”
Mohen Leo – “Rogue One: A Star Wars Story,” “Deepwater Horizon”
John M. Levin – “Jurassic World,” “Lucy”
Jacqui Lopez – “Elysium,” “The Great Gatsby”
Fumi Mashimo – “Avengers: Age of Ultron,” “The Mummy: Tomb of the Dragon Emperor”
Glen McIntosh – “The Mummy,” “Jurassic World”
Keith Francis Miller – “Wonder Woman,” “Batman v Superman: Dawn of Justice”
Mohsen Mousavi – “Independence Day: Resurgence,” “The Amazing Spider-Man”
Colette Mullenhoff – “Doctor Strange,” “Captain America: The Winter Soldier”
Peter Muyzers – “Elysium,” “District 9”
Kenneth Nakada – “Fantastic Four,” “Life of Pi”
Steve Nichols – “Suicide Squad,” “Guardians of the Galaxy”
David Niednagel – “X-Men: Days of Future Past,” “Transformers: Dark of the Moon”
Brett Northcutt – “Lucy,” “Pirates of the Caribbean: On Stranger Tides”
Danielle Plantec – “Immortals,” “Hereafter”
Darren Michael Poe – “The Hateful Eight,” “Godzilla”
Nordin Rahhali – “Fantastic Beasts and Where to Find Them,” “Iron Man 3”
Philippe Rebours – “Avengers: Age of Ultron,” “Avatar”
Jay Redd – “Alice through the Looking Glass,” “Men in Black 3”
Jonathan Rothbart – “Deadpool,” “Avatar”
Brad Schiff * – “Kubo and the Two Strings,” “ParaNorman”
J.D. Schwalm – “The Fate of the Furious,” “The Jungle Book”
Thomas J. Smith – “Argo,” “Contagion”
Jason Snell – “Deepwater Horizon,” “Now You See Me”
Robert Stadd – “War Dogs,” “Public Enemies”
Paul Story – “The Jungle Book,” “Dawn of the Planet of the Apes”
Ryan Tudhope – “Deadpool,” “Looper”
Robert Weaver – “Teenage Mutant Ninja Turtles: Out of the Shadows,” “Star Trek Into Darkness”
Louis Zutavern – “The Dictator,” “Elf”

ESCRITORES
Karim Aïnouz – “Love for Sale,” “Madame Satã”
Rakhshan Bani-Etemad – “Under the Skin of the City,” “The May Lady”
Siddiq Barmak * – “Opium War,” “Osama”
Aida Begić * – “Children of Sarajevo,” “Snow”
Jeremy Brock – “True Crimes,” “The Last King of Scotland”
Jared Bush * – “Zootopia,” “Moana”
John Collee – “Tanna,” “Master and Commander: The Far Side of the World”
Buddhadeb Dasgupta – “The Wrestlers,” “The Red Door”
Kenneth Angelo Daurio, Jr. – “The Secret Life of Pets,” “Despicable Me”
Luke Davies – “Lion,” “Life”
Mohamed Diab – “Clash,” “Cairo 678”
Lav Diaz * – “A Lullaby to the Sorrowful Mystery,” “Norte, the End of History”
Katie Dippold – “Snatched,” “Ghostbusters”
Nelson Pereira dos Santos * – “How Tasty Was My Little Frenchman,” “Barren Lives”
Ildikó Enyedi * – “Simon Magus,” “My Twentieth Century”
Safi Faye * – “Mossane,” “Lettre Paysanne”
Feng Xiaogang – “If You Are the One,” “A World without Thieves”
Paz Alicia Garciadiego – “Bleak Street,” “Deep Crimson”
Bahman Ghobadi – “Turtles Can Fly,” “A Time for Drunken Horses”
Goutam Ghose * – “Shankhachil,” “Paar”
Eric Heisserer – “Arrival,” “Lights Out”
Barry Jenkins * – “Moonlight,” “Medicine for Melancholy”
Alejandro Jodorowsky * – “The Holy Mountain,” “El Topo”
Phil Johnston * – “Zootopia,” “Wreck-It Ralph”
Kim Ki-duk * – “3-Iron,” “Spring, Summer, Fall, Winter…and Spring”
Mohammed Lakhdar-Hamina * – “Chronicle of the Years of Embers,” “The Winds of the Aures”
Brit Marling – “The East,” “Another Earth”
Márta Mészáros * – “Diary for My Children,” “Adoption”
Mike Mills – “20th Century Women,” “Beginners”
Idrissa Ouedraogo * – “Tilaï,” “Yaaba”
Éva Pataki – “The Seventh Room,” “Diary for My Loves”
Cinco Paul – “The Secret Life of Pets,” “DespicableMe”
Jordan Peele * – “Get Out,” “Keanu”
Simon Pegg – “Run Fat Boy Run,” “Shaun of the Dead”
Mohammad Rasoulof * – “Manuscripts Don’t Burn,” “Goodbye”
Eran Riklis * – “Lemon Tree,” “The Syrian Bride”
Céline Sciamma – “My Life as a Zucchini,” “Tomboy”
Mrinal Sen * – “The Case Is Closed,” “In Search of Famine”
Taylor Sheridan – “Hell or High Water,” “Sicario”
Sooni Taraporevala – “Mississippi Masala,” “Salaam Bombay!”
Tran Anh Hung * – “Norwegian Wood,” “The Scent of Green Papaya”
Joss Whedon – “Marvel’s The Avengers,” “The Cabin in the Woods”
William Wheeler – “Queen of Katwe,” “The Reluctant Fundamentalist”
Yau Nai-hoi – “Three,” “Election”
Mauricio Zacharias – “Little Men,” “Love Is Strange”
Martin Zandvliet * – “Land of Mine,” “A Funny Man”
Members-at-Large
Pippa Anderson
Margaret Bodde
Dan Bradley
Brooke Breton
Chris Brigham
Jill Brooks
Stephen Broussard
Stephen Campanelli
Joyce Cox *
Charles Croughwell
Andrew Z. Davis
Steve M. Davison
Bill Draper
Mitch Dubin
Christopher D. Edwards *
Mickey Giacomazzi
Richard Glasser
Jeffrey W. Harlacker
Thomas R. Harper
Jill Hopper
Craig Hosking
Gary Hymes
Andrea Kalas
Jeanie King
Natasha Léonnet
Todd London
Erika McKee
Mary McLaglen
Ujwal Narayan Nirgudkar
Cyndi Ochs
Howard Paar
Darwyn Peachey
Louis Phillips
Susan Pickett
Thomas Poole
Darrin Prescott
Bérénice Robinson
Lee Rosenthal
Rebekah Rudd
P. Scott Sakamoto
Dana Sano
William O. Schultz
Ellen H. Schwartz
William Sherak
Brian Smrz
John Stoneham, Jr.
David Taritero
Garrett Warren
Raymond Yeung
Associates
Rowena Arguelles
Peter Benedek
Jim Berkus
George Freeman
Harry Gold
Scott Greenberg
Brandt Joel
Keya Khayatian
Richard Klubeck
Jessica Lacy
Jon Levin
Rhonda Price
Hylda Queally
Philip Raskind
Stephanie Ritz
Rajendra Roy
Mick Sullivan

***

Com a adição, a Academia conta atualmente com 7.461 membros votantes.

Critics’ Choice elege ‘Spotlight’ como Melhor Filme

spotlight critics choice gettyimages-505440458_-_h_2016

À esquerda, o produtor Steve Golin e o elenco de ‘Spotlight – Segredos Revelados’, que venceu o prêmio de Melhor Filme (photo by hollywoodreporter.com)

‘MAD MAX’ CONQUISTOU 9 PRÊMIOS, INCLUINDO O DE MELHOR DIRETOR PARA GEORGE MILLER

Como postei aqui anteriormente, o Critics’ Choice Awards, apelidado carinhosamente por mim de “A Bolha Assassina” por abranger todas as categorias possíveis, representa uma penca de críticos dos EUA e do Canadá. Agora a questão é: “Eles votam guiados por suas análises críticas ou tentam acertar os futuros vencedores do Oscar?”. Como as edições anteriores comprovam, o prêmio previu 11 vencedores de Melhor Filme dos últimos 15 anos, uma estatística bastante expressiva.

Como já discutido no blog, hoje existem muitos prêmios que buscam ser o melhor parâmetro para o Oscar, principalmente depois que o Globo de Ouro deixou o posto, mas não sabemos até quando a Academia deixará de ser previsível dessa forma, pois sabe que, por mais que tenha seu prestígio único, depende de audiência para sua cerimônia, e para isso, precisa de elementos-surpresa para atrair a atenção do público e da mídia. No entanto, até esse dia chegar, o Critics’ Choice continua sendo um bom termômetro e este ano, elegeu Spotlight – Segredos Revelados como Melhor Filme do ano, batendo os favoritos O Regresso e Mad Max: Estrada da Fúria. Seria um indicativo?

The 21st Annual Critics' Choice Awards - Show

Rachel McAdams recebe o prêmio de Elenco, representando seus colegas do filme Spotlight – Segredos Revelados. (Photo by Kevin Winter/Getty Images – Just Jared)

Sim, a vitória do drama sobre os crimes sexuais de padres católicos no Critics’ Choice demonstra um forte poder de reação do filme após definhar nos prêmios de sindicatos e no Globo de Ouro, onde perdeu para O Regresso. Por outro lado, vale lembrar que esses mesmos críticos foram na onda do momento e elegeram O Segredo de Brokeback Mountain, A Rede Social e Boyhood: Da Infância à Juventude, que depois padeceram para Crash – No Limite, O Discurso do Rei e Birdman, respectivamente, no Oscar. Particularmente nesses casos, prefiro os votos dos críticos, principalmente no ano em que o mega-maniqueísta Crash – Limite levou o Oscar.

O mesmo vale para categorias de atuação, onde alguns tinham todo o favoritismo a seu lado, mas não confirmaram seu predomínio no Oscar. Foram os casos de Eddie Murphy (Dreamgirls: Em Busca de um Sonho), Mickey Rourke (O Lutador) e Lauren Bacall (O Espelho tem Duas Faces) pra citar uns exemplos. Portanto, favoritos deste ano como Leonardo DiCaprio (O Regresso) e Sylvester Stallone (Creed: Nascido Para Lutar) podem, sim, perder seus tronos nessas seis semanas seguintes.

Sylvester Stallone critics-choice-awards-20160117-002

Desta vez, Sylvester Stallone não se esqueceu de mencionar o diretor de Creed: Nascido Para Lutar, Ryan Coogler (photo by chicagotribune.com)

Como estratégia, o Critics’ Choice insere seu prêmio bem na semana do anúncio das indicações ao Oscar. Trata-se de uma boa oportunidade de já conferir muitos dos recém-indicados ao Oscar andando no tapete vermelho e ter uma possível prévia dos vencedores e seus discursos de agradecimento. Sim, se os discursos forem chatos e longos, muitos chegam a mudar seus votos na hora da eleição na Academia. Ninguém quer outra Greer Garson… Dos vencedores das categorias de cinema, o único vencedor que não está incluso na festa do Oscar é a canção “See You Again”, do filme Velozes & Furiosos 7. Sem contar, claro, as categorias inexistentes no Oscar como Atriz de Comédia, Ator e Atriz de Filme de Ação, Ficção Científica etc.

Outro diferencial em relação à cerimônia do Oscar, que muitos apoiam, é a desnecessidade de apresentar os prêmios técnicos a fim de agilizar o evento. Num clipe de curtíssima duração, foram anunciados vários vencedores como Fotografia, Direção de Arte, Figurino etc, cuja maioria foi vencida por Mad Max. Tinha prêmios que foram anunciados do lado de fora da festa por repórteres como Melhor Animação! Tudo bem que querem reduzir a duração do evento, mas desse forma?

Eu acredito que a cerimônia do Oscar precisa dar uma recauchutada, mas não voto nas exclusões dessas categorias. Acho um crime! Por exemplo, muitos vencedores do Oscar de Curta-Metragem mal conseguem alguma projeção mesmo aparecendo na televisão, imagina se forem apenas mencionados! Se for pra limar alguma coisa, por que não reduzir as piadinhas dos apresentadores (que ninguém dá risada)?

Talvez essa indiferença do Critics’ Choice em categorias técnicas tenha causado a ausência de diretores também. Nas vitórias de Ex-Machina: Instinto Artificial como Melhor Filme de Ficção Científica e na de Mad Max: Estrada da Fúria como Filme de Ação e Melhor Diretor, Alex Garland e George Miller não estavam presentes.

Se bem que achei o nível de ausências muito alto. Corrijam-me se estiver enganado: Mark Ruffalo, Michael Keaton, Brie Larson, Tom Hardy, Charlize Theron e Leonardo DiCaprio, o único que teve direito a um discurso de agradecimento pré-filmado vendido como transmissão ao vivo via satélite. Achei um pouco desrespeitoso para os concorrentes de Leo, que compareceram ao evento sem saber que iriam perder.

Dos presentes, o discurso mais aplaudido foi do pequeno Jacob Tremblay, que levou o prêmio de Melhor Jovem Ator ou Atriz por sua performance em O Quarto de Jack. Sem alcançar direito o microfone, ele teve a ajuda do apresentador para logo em seguida dizer: “Este é o melhor dia da minha vida!”. Mencionou o alto nível de talento de seus colegas da categoria, agradeceu o elenco e a equipe do filme e terminou com: “Já sei onde colocar esse prêmio: na prateleira, ao lado da minha (espaçonave) Millenium Falcon”. Pena que ele não terá essa oportunidade no Oscar, já que ficou de fora da competição.

 

Seguem os vencedores do 21º Critics’ Choice Awards:

CINEMA

FILME
Spotlight – Segredos Revelados (Spotlight)

ATOR
Leonardo DiCaprio (O Regresso)

ATRIZ
Brie Larson (O Quarto de Jack)

ATOR COADJUVANTE
Sylvester Stallone (Creed: Nascido Para Lutar)

ATRIZ COADJUVANTE
Alicia Vikander (A Garota Dinamarquesa)

DIRETOR: George Miller (Mad Max: Estrada da Fúria)

COMÉDIA
A Grande Aposta (The Big Short)

ATOR EM COMÉDIA
Christian Bale (A Grande Aposta)

ATRIZ EM COMÉDIA
Amy Schumer (Descompensada)

ROTEIRO ORIGINAL
Josh Singer e Tom McCarthy (Spotlight – Segredos Revelados)

ROTEIRO ADAPTADO
Charles Randolph e Adam McKay (A Grande Aposta)

ELENCO
Spotlight – Segredos Revelados

JOVEM ATOR OU ATRIZ
Jacob Tremblay (O Quarto de Jack)

TERROR OU FICÇÃO CIENTÍFICA
Ex-Machina: Instinto Artificial (Ex Machina)

FILME DE AÇÃO
Mad Max: Estrada da Fúria (Mad Max: Fury Road)

LONGA DE ANIMAÇÃO
Divertida Mente (Inside Out)

ATOR EM FILME DE AÇÃO
Tom Hardy (Mad Max: Estrada da Fúria)

ATRIZ EM FILME DE AÇÃO
Charlize Theron (Mad Max: Estrada da Fúria)

FOTOGRAFIA
Emmanuel Lubezki (O Regresso)

DIREÇÃO DE ARTE
Colin Gibson (Mad Max: Estrada da Fúria)

MONTAGEM
Margaret Sixel (Mad Max: Estrada da Fúria)

FIGURINO
Jenny Beavan (Mad Max: Estrada da Fúria)

MAQUIAGEM E CABELO
Mad Max: Estrada da Fúria

EFEITOS VISUAIS
Mad Max: Estrada da Fúria

CANÇÃO
“See You Again” (Velozes & Furiosos 7)

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
Filho de Saul (Saul Fia)

DOCUMENTÁRIO
Amy (Amy)

TRILHA MUSICAL
Ennio Morricone (Os 8 Odiados)

TELEVISÃO

SÉRIE DE COMÉDIA
Master of None

SÉRIE DRAMÁTICA
Mr. Robot

ATOR EM SÉRIE DRAMÁTICA
Rami Malek (Mr. Robot)

ATRIZ EM SÉRIE DRAMÁTICA
Carrie Coon (The Leftovers)

ATOR EM SÉRIE DE COMÉDIA
 Jeffrey Tambor (Transparent)

ATRIZ EM SÉRIE DE COMÉDIA
Rachel Bloom (Crazy Ex-Girlfriend)

ATOR COADJUVANTE EM SÉRIE DE COMÉDIA
Andre Braugher (Brooklyn Nine-Nine)

ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE DE COMÉDIA
Mayim Bialik (The Big Bang Theory)

FILME FEITO PARA TV OU MINISSÉRIE
Fargo

ATOR EM FILME FEITO PARA TV OU MINISSÉRIE
Idris Elba (Luther)

ATRIZ EM FILME FEITO PARA TV OU MINISSÉRIE
Kirsten Dunst (Fargo)

ATOR COADJUVANTE EM SÉRIE DRAMÁTICA
Christian Slater (Mr. Robot)

ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE DRAMÁTICA
Constance Zimmer (UnREAL)

ATOR OU ATRIZ CONVIDADO EM SÉRIE DRAMÁTICA
Margo Martindale (The Good Wife)

ATOR OU ATRIZ CONVIDADO EM SÉRIE DE COMÉDIA
Timothy Olyphant (The Grinder)

REALITY SHOW – COMPETIÇÃO
The Voice

ATOR COADJUVANTE EM FILME FEITO PARA TV OU MINISSÉRIE
Jesse Plemons (Fargo)

ATRIZ COADJUVANTE EM FILME FEITO PARA TV OU MINISSÉRIE
Jean Smart (Fargo)

SÉRIE ANIMADA
BoJack Horseman

HOST DE REALITY SHOW
James Lipton (Inside the Actors)

REALITY SHOW ESTRUTURADO
Shark Tank

TALK SHOW
Last Week Tonight with John Oliver

REALITY SHOW NÃO-ESTRUTURADO
Anthony Bourdain: Parts Unknown

OUTROS

MVP AWARD: Amy Schumer

GENIUS AWARD : Industrial Light and Magic

‘Perdido em Marte’ compete pelo Eddie Awards 2016 com ‘Mad Max’, ‘O Regresso’ e ‘Sicario’

Emily Blunt como a agente Kate Macer em Sicario: Terra de Ninguém (photo by cinemagia.ro)

Emily Blunt como a agente Kate Macer em Sicario: Terra de Ninguém (photo by cinemagia.ro)

A CATEGORIA DE DRAMA AINDA RECONHECEU ‘STAR WARS’, DEIXANDO ‘SPOTLIGHT’ DE FORA

Oláááá! Primeiramente, Feliz Ano Novo para todos que acompanham o blog! Espero que tenham passado bem a virada!

Bom, começo o ano de 2016 com o anúncio dos indicados ao Eddie Awards, o prêmio do sindicato dos montadores/editores. Como o Globo de Ouro, as categorias se dividem em Dramática e Comédia ou Musical, além, claro, de Documentário e Animação. Curiosamente, essa divisão por gêneros vem causando divergências entre os prêmios, uma vez que algumas produções não se encaixam exatamente como Drama ou Comédia. Minha sugestão oficial seria unificar em uma única categoria, porém uma consequência direta disso poderia ser a desvalorização das comédias, que naturalmente perderiam espaço na temporada de premiações. E a outra sugestão, a não-oficial, seria criar uma nova categoria intitulada “Dramédia”, mas como não é considerado nem gênero…

Nessa questão, o filme Perdido em Marte tem sofrido uma peculiaridade esquizofrênica. No Globo de Ouro, atendendo a uma campanha disposta a ganhar prêmios, foi classificado como Comédia. Como compete com filmes de menor expressão como Descompensada e A Espiã que Sabia de Menos, suas chances são infinitamente melhores do que se estivesse competindo como Drama. Mas aqui no Eddie Awards, o sindicato incluiu a ficção científica de Ridley Scott como Drama. O montador Pietro Scalia, vencedor do Oscar por Falcão Negro em Perigo em 2002, não terá vida fácil ao concorrer com Stephen Mirrione (O Regresso) e Joe Walker (Sicario: Terra de Ninguém).

Matt Damon e sua plantação de batatas em Perdido em Marte (photo by cinemagia.ro)

Matt Damon e sua plantação de batatas em Perdido em Marte (photo by cinemagia.ro)

Ainda sobre a categoria Drama, trata-se do primeiro reconhecimento de algum sindicato para o mega-blockbuster Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força. O novo filme da saga estelar tem números impressionantes em apenas 3 semanas de exibição nos EUA, batendo recorde atrás de recorde, com mais de 700 milhões de dólares apenas em solo americano.

Star Wars ficou com a vaga de um forte candidato ao Oscar: o drama jornalístico Spotlight – Segredos Revelados. Com um roteiro consistente e corajoso, a montagem costuma ser reconhecida juntamente, mas não foi o caso do filme de Tom McCarthy.

Kylo Ren em confronto com Finn e Rey em Star Wars: Episódio VII - O Despertar da Força (photo by cinemagia.ro)

Kylo Ren em confronto com Finn e Rey em Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força (photo by cinemagia.ro)

Curiosamente, a última produção que levou o Oscar de Melhor Filme sem contar com uma indicação ao ACE (Eddie Awards) foi Conduzindo Miss Daisy, há 26 anos, fato este que pode influenciar na trajetória de Spotlight no Oscar. Já entre os vencedores de Melhor Filme sem contar com a indicação de montagem, temos um hiato de 33 anos, de Birdman de 2015 ao Gente Como a Gente em 1981.

Pela categoria de Comédia ou Musical, o franco-favorito é A Grande Aposta. Sua trama de crise financeira, que também é forte candidata ao Oscar de Roteiro Adaptado, permite o entrelaçamento de vários personagens, o que evidencia o complexo trabalho da montagem. Entre os demais concorrentes, Joy: O Nome do Sucesso e Eu, Você e a Garota que Vai Morrer são os destaques.

Cena de vários personagens em A Grande Aposta (photo by cinemagia.ro)

Cena de vários personagens em A Grande Aposta (photo by cinemagia.ro)

Já na categoria de Animação, dois filmes da Pixar competem com Anomalisa, enquanto entre os documentários, temos três fortes candidatos sobre músicos, Amy, Cobain: Montage of Heck e The Wrecking Crew, competindo com um sobre a religião da Cientologia (Going Clear: Scientology and the Prison of Belief) e outro sobre a figura política da jovem Malala.

Só para constar, nos 5 anos anteriores, o ACE previu apenas dois vencedores do Oscar: William Goldenberg (Argo) e Angus Wall e Kirk Baxter (A Rede Social), mesmo contando vencedores das duas categorias.

Pelas categorias de televisão e streaming, séries que costumam marcar presença no Globo de Ouro e Emmy concorrem por seus episódios. Comédias como Silicon Valley e Veep, e dramas como Games of Thrones e Better Call Saul foram indicadas.

Seguem os indicados para o 66º Eddie Awards:

CINEMA

Melhor Montagem – Drama
– Margaret Sixel (Mad Max: Estrada da Fúria)
– Pietro Scalia (Perdido em Marte)
– Stephen Mirrione (O Regresso)
– Joe Walker (Sicario: Terra de Ninguém)
– Maryann Brandon & Mary Jo Markey (Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força)

Melhor Montagem – Comédia ou Musical
– Dan Lebental & Colby Parker, Jr. (Homem-Formiga)
– Hank Corwin (A Grande Aposta)
– Jay Cassidy, Alan Baumgarten, Christopher Tellefsen & Tom Cross (Joy: O Nome do Sucesso)
– David Trachtenberg (Eu, Você e a Garota que Vai Morrer)
– William Kerr & Paul Zucker (Descompensada)

Melhor Montagem – Animação
– Garret Elkins (Anomalisa)
– Kevin Nolting (Divertida Mente)
– Stephen Schaffer (O Bom Dinossauro)

Melhor Montagem – Documentário
– Chris King (Amy)
– Joe Beshenkovsky & Brett Morgen (Cobain: Montage of Heck)
– Andy Grieve (Going Clear: Scientology and the Prison of Belief)
– Greg Finton, Brian Johnson & Brad Fuller (He Named me Malala)
– Claire Scanlon (The Wrecking Crew)

Leonardo DiCaprio em cena de O Regresso (photo by cinemagia.ro)

Leonardo DiCaprio em cena de O Regresso (photo by cinemagia.ro)

TELEVISÃO

Melhor Montagem – Série de Episódios de Meia-Hora
– Nick Paley (Inside Amy Schumer – Episódio: 12 Angry Men)
– Brian Merken (Silicon Valley – Episódio: Two Days of the Condor)
– Gary Dollner (Veep – Episódio: Election Night)

Melhor Montagem – Série de Episódios de Uma Hora com Comercial
– Kelley Dixon (Better Call Saul – Episódio: Five-O)
– Skip Macdonald (Better Call Saul – Episódio: Uno)
– Skip Macdonald & Curtis Thurber (Fargo – Episódio: Did You Do This? No, You Did It!)
– Scott Vickrey (The Good Wife – Episódio: Restrain)
– Tom Wilson (Mad Men – Episódio: Person to Person)

Melhor Montagem – Série de Episódios de Uma Hora Sem Comercial
– Katie Weiland (Game of Thrones – Episódio: The Dance of Dragons)
– Tim Porter (Game of Thrones – Episódio: Hardhome)
– Harvey Rosenstock (Homeland – Episódio: The Tradition of Hospitality)
– Lisa Bronwell (House of Cards – Episódio: Chapter 39)
– Mary Ann Bernard (The Knick – Episódio: Wonderful Surprises)

Melhor Montagem – Minisséries ou Telefilmes
– Brian A. Kates (Bessie)
– Maysie Hoy (Dolly Parton’s Coat of Many Colors)
– William Turro (Orange is the New Black – Episódio: Trust No Bitch (episódio de 90 minutos))

Melhor Montagem – Séries Não-Roteirizadas
– Hunter Gross (Anthony Bourdain: Parts Unknown – Episódio: Bay Area)
– Josh Earl & Ben Bulatao (Deadliest Catch – Episódio: Zero Hour)
– Eric Driscoll, Nik Jamgocyan, Chris Kirkpatrick, David Michael Maurer, Greg McDonald, Marcus Miller & Alexandria Scott (Whale Wars – Episódio: The Darkest Hour)

Melhor Montagem – Documentário Televisivo
– Joshua L. Pearson (Keith Richards: Under the Influence)
– Richard Hankin, Zac Stuart-Pontier, Caitlyn Greene, Shelby Siegel (The Jinx: The Life and Deaths of Robert Durst – Chapter 1)
– Chris A. Peterson (The Seventies: The United State vs. Nixon)

Bob Odenkirk como Jimmy McGill em cena de Better Call Saul (photo by cinemagia.ro)

Bob Odenkirk como Jimmy McGill em cena de Better Call Saul (photo by cinemagia.ro)

O 66º Eddie Awards acontece no dia 29 de janeiro. E o Oscar 2016 no dia 28 de fevereiro.

‘Perdido em Marte’ conquista Melhor Filme no Hollywood Film Awards 2015

Com sua melhor feição estilo carrancuda, o diretor Ridley Scott recebe o prêmio de Melhor Filme das mãos do ator Russell Crowe (photo by twitter.com)

Com sua melhor feição estilo carrancuda, o diretor Ridley Scott recebe o prêmio de Melhor Filme das mãos do ator Russell Crowe (photo by twitter.com)

PRIMEIRO PRÊMIO HOLLYWOODIANO APONTA FORTES CANDIDATOS AO OSCAR

Nesse último dia 1º de novembro, segundo o próprio Hollywood Film Awards, “a temporada de premiações foi oficialmente aberta”. Trata-se realmente do primeiro reconhecimento aos filmes com potencial para Oscar: em Outubro! Em sua 19ª edição (um prêmio relativamente novo no cenário), esta foi a forma que o HFA arranjou para obter algum destaque na concorridíssima temporada de premiações Daqui a pouco, vão ter prêmios de cinema a partir de agosto!

Claro que é muito cedo para dar alguma vantagem aos premiados do HFA, mas certamente já ajuda a esquentar a campanha dos filmes concorrentes. No ano passado, o prêmio conseguiu prever as vitórias de Julianne Moore (Para Sempre Alice) como Melhor Atriz, Emmanuel Lubezki (Birdman) como Melhor Fotografia e Milena Canonero (O Grande Hotel Budapeste) como Melhor Figurino no Oscar. Não é lá das melhores estatísticas em termos de coincidir com o prêmio da Academia, mas talvez nem seja esse o propósito aqui. O melhor filme do ano passado foi Garota Exemplar, que sequer figurou na lista do Oscar, ficando apenas com a indicação de Melhor Atriz para Rosamund Pike.

Este ano, o vencedor de Melhor Filme foi a ficção científica de Ridley Scott, Perdido em Marte. Além de ter recebido elogios da crítica, a bilheteria do filme ultrapassou os 100 milhões de dólares só nos EUA, e ao contrário do filme sociopata Garota Exemplar, tem uma mensagem muito otimista, mesmo se tratando de uma ficção científica. Isso conquista pontos com os votantes da Academia, vide a vitória de O Discurso do Rei sobre A Rede Social em 2011, por exemplo. Perdido em Marte deve conquistar muitas indicações técnicas como Som, Efeitos Sonoros, Efeitos Visuais, além de Direção de Arte e Fotografia. Agora, se Ridley Scott for indicado pra Diretor, prepare-se para cenas de cara fechada dele. Lembro quando ele perdeu o Oscar de direção por Gladiador em 2001 para Steven Soderbergh (Traffic). Foi por muito pouco que ele não foi embora no discurso de agradecimento do concorrente. O desconforto foi tanto que a Academia resolveu lhe compensar ao indicá-lo no ano seguinte para o regular Falcão Negro em Perigo. Infelizmente foi uma ação que coroou um mau perdedor.

Mark Watney (Matt Damon) e sua plantação de batatas em Perdido em Marte (photo by cine.gr)

Mark Watney (Matt Damon) e sua plantação de batatas em Perdido em Marte (photo by cine.gr)

Falando em diretor, o vencedor da categoria foi o inglês Tom Hooper. Conhecido por O Discurso do Rei e o musical Os Miseráveis, ele retorna com um drama sobre identidade sexual em A Garota Dinamarquesa. Apesar de considerá-lo um bom profissional, acreditava que se alguém fosse ganhar um prêmio pelo filme, este seria o ator Eddie Redmayne por viver a personagem central. É daqueles papéis que já nascem com peso de ouro como o aidético vivido por Tom Hanks em Filadélfia.

Entre os atores, a maior surpresa foi a vitória de Jane Fonda pelo filme Youth, do italiano Paolo Sorrentino. Muito se falava da boa campanha de Melhor Ator Coadjuvante para Michael Caine, que acabou não sobrando espaço para a atriz veterana. Os demais vencedores: Benicio Del Toro, Carey Mulligan e Will Smith já tinham boas chances na temporada, mas Smith certamente conta com um ótimo trunfo: seu papel em Concussion é do tipo Davi vs. Golias, do mesmo naipe de Erin Brokovich – Uma Mulher de Talento, que rendeu o Oscar para Julia Roberts. Ele interpreta um médico neuropatologista que descobre um trauma cerebral pela primeira vez num jogador de futebol americano. Se for indicado, será a terceira indicação de Will Smith.

Will Smith em cena com Gugu Mbatha-Raw em Concussion (photo by cine.gr)

Will Smith em cena com Gugu Mbatha-Raw em Concussion (photo by cine.gr)

Com exceção dos filmes Velozes & Furiosos 7, Straight Outta Compton: A História do N.W.A. e A Descompensada, todos os demais têm chances bem reais de avançar na temporada de premiações rumo à lista de indicações da Academia. Mad Max: Estrada da Fúria deve dominar as categorias técnicas, e filmes com potencial de Melhor Filme como Spotlight, Ponte dos Espiões, As Sufragistas, A Garota Dinamarquesa e o próprio Perdido em Marte já têm presença praticamente garantida no tapete vermelho. Portanto, se a intenção do Hollywood Film Awards era dar o pontapé inicial, foi muito bem sucedido.

Seguem os vencedores da 19ª edição do HFA:

MELHOR FILME
Perdido em Marte (The Martian), de Ridley Scott

MELHOR DIRETOR
Tom Hooper (A Garota Dinamarquesa)

MELHOR ATOR
Will Smith (Concussion)

MELHOR ATRIZ
Carey Mulligan (As Sufragistas)

Carey Mulligan aceita o prêmio de Atriz por As Sufragistas (Photo by Kevin Winter/Getty Images)

Carey Mulligan aceita o prêmio de Atriz por As Sufragistas (Photo by Kevin Winter/Getty Images)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Benicio Del Toro (Sicario: Terra de Ninguém)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Jane Fonda (Youth)

MELHOR ELENCO
Kurt Russell, Jennifer Jason Leigh, Channing Tatum, Bruce Dern, Tim Roth, Michael Madsen, Walton Goggins, Demian Bichir (Os 8 Odiados)

MELHOR ROTEIRO
Tom McCarthy, Josh Singer (Spotlight)

MELHOR FOTOGRAFIA
Janusz Kaminski (Ponte dos Espiões)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
Colin Gibson (Mad Max: Estrada da Fúria)

MELHOR MONTAGEM
David Rosenbloom (Aliança do Crime)

MELHOR FIGURINO
Sandy Powell (Cinderela)

MELHOR TRILHA MUSICAL
Alexandre Desplat (A Garota Dinamarquesa) (As Sufragistas)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“See You Again”, de Wiz Khalifa, Charlie Puth (Velozes & Furiosos 7)


Confira videoclipe de Wiz Khalifa 

MELHOR SOM
Gary Rydstrom (Ponte dos Espiões)

MELHOR MAQUIAGEM
Lesley Vanderwalt (Mad Max: Estrada da Fúria)

MELHORES EFEITOS VISUAIS
Tim Alexander (Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros)

MELHOR ANIMAÇÃO
Divertida Mente (Inside Out), de Pete Docter

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Amy, de Asif Kapadia

MELHOR ATRIZ REVELAÇÃO
Alicia Vikander (A Garota Dinamarquesa)

MELHOR ATOR REVELAÇÃO
Joel Edgerton (Aliança do Crime)

MELHOR DIRETOR REVELAÇÃO
Adam McKay (The Big Short)

MELHOR ELENCO REVELAÇÃO
Corey Hawkins, O’Shea Jackson Jr. e Jason Mitchell (Straight Outta Compton: A História do N.W.A.)

PRÊMIO NEW HOLLYWOOD
Saoirse Ronan (Brooklyn)

PRÊMIO BLOCKBUSTER HOLLYWOOD
Velozes & Furiosos 7, de James Wan

PRÊMIO HOLLYWOOD DE COMÉDIA
Amy Schumer (Descompensada)

PRÊMIO PELO CONJUNTO DA OBRA
Robert De Niro

O homenageado Robert De Niro na cerimônia da Hollywood Film Awards (photo by telegraph.co.uk)

O homenageado Robert De Niro na cerimônia da Hollywood Film Awards (photo by telegraph.co.uk)

PRIMEIRO PREVIEW OSCAR 2016

QUEM ESTARÁ NO TAPETE VERMELHO EM 2016?

Sim, estamos no mês de agosto, ainda a 6 meses da cerimônia do Oscar 2016, mas já está rolando um burburinho de algumas produções que liberaram seus press releases e trailers. Muitos dos candidatos presentes nesse post foram baseados no histórico dos nomes envolvidos (sejam atores, diretores e equipe técnica) e indicações anteriores, uma vez que a Academia tem o costume de favorecer os artistas que já foram nomeados, mas nunca levaram a estatueta como é o caso do ator Johnny Depp. Muito querido pelo público, ele já teve três oportunidades de ganhar, mas nunca levou, assim como Leonardo DiCaprio, que pode ter sua sexta indicação com o trabalho do diretor Alejandro González Iñárritú.

No geral, muitos trabalhos candidatos beberam da fonte das histórias verídicas, uma vez que a Academia tem um perfil que valoriza temas e tramas calcadas na realidade. Só para citar alguns exemplos mais recentes, temos 12 Anos de Escravidão, Argo e O Discurso do Rei. As cinebiografias também estão em alta, pois sempre proporcionam papéis de maior profundidade e com capacidade para se destacar na temporada de premiações, como é o caso de Tom Hiddleston que interpreta o cantor e compositor Hanks Williams em I Saw the Light, ou Eddie Redmayne, que encorpora Lili Elbe, uma das primeiras pessoas a passar por cirurgia de troca de sexo em The Danish Girl.

CRÍTICOS FAZEM AS PRIMEIRAS TRIAGENS

Quando estamos nesse período do ano, o burburinho (o chamado Oscar buzz) corre solto e há listas e mais listas de vários tipos possíveis de indicados, que muitas vezes refletem o desejo dos próprios autores dessas mesmas listas. Portanto, a coisa só começa a ficar séria mesma quando os críticos americanos passam a eleger seus melhores do ano.

O primeiro a revelar sua lista é o National Board of Review (NBR). Apesar de não ter coincidido seus vencedores com o do Oscar, a organização fundada em 1909 busca ser fiel aos seus princípios e acaba elegendo grandes filmes como A Hora Mais Escura, A Invenção de Hugo Cabret e A Rede Social.

Já o New York Film Critics Circle (NYFCC) e o Los Angeles Film Critics Association (LAFCA) costumam ter maior porcentagem de acerto, mas ultimamente tem sido mais pelas categorias de atuação. Esses críticos abrem caminho para que os grandes prêmios como o Critics’ Choice Awards e o Globo de Ouro possam avaliar melhor o que houve de melhor em cinema no ano. Para eles, não importa muito o histórico da equipe ou do elenco, mas a produção em si, gerando uma votação livre de hábitos e círculos viciosos.

PREVISÃO PARA 2016

Ao contrário dos previews anteriores, resolvi simplificar e gerar as possíveis indicações por filme, e não por categoria. Claro que devem existir mais alguns filmes com chance, mas seria praticamente impossível relacionar todos aqui. Algumas vezes, os favoritos ao Oscar surgem na reta final e acabam surpreendendo como aconteceu com quando O Discurso do Rei tomou a dianteira de A Rede Social pouco antes do Oscar.

Então, sem mais delongas, vamos aos possíveis indicados ao Oscar 2016 (em ordem aleatória):

OS OITO ODIADOS (The Hateful Eight)
Dir: Quentin Tarantino

Os Oito Odiados: (photo by blogbusters.ch)

Os Oito Odiados: Kurt Russell, Jennifer Jason Leigh e Bruce Dern na primeira foto. Samuel L. Jackson na segunda e Michael Madsen na terceira. (photo by blogbusters.ch)

Sinopse: Numa Wyoming pós-Guerra Civil, caçadores de recompensa buscam abrigo durante nevasca, mas acabam se envolvendo numa trama de traição e decepção. Eles sobreviverão?

Deve receber indicação: Roteiro Original (Quentin Tarantino), Fotografia (Robert Richardson), Trilha Musical Original (Ennio Morricone)

Dúvida: Filme, Diretor (Quentin Tarantino), Ator Coadjuvante (Bruce Dern), Ator Coadjuvante (Samuel L. Jackson), Montagem (Fred Raskin), Figurino (Courtney Hoffman) e Maquiagem

Quentin Tarantino vive sua segunda ascensão junto à Academia. Depois de estourar com Pulp Fiction – Tempo de Violência em 1994, vencendo o Oscar de Roteiro Original, passou por um ostracismo com os dois volumes de Kill Bill (2003 e 2004) e À Prova de Morte (2007), que não receberam nenhuma indicação, e voltou ao topo com Bastardos Inglórios (2009) e Django Livre (2012), ganhando seu segundo Oscar pelo roteiro do último. Assim, existem altas expectativas para que este oitavo longa de sua autoria esteja na lista de indicações da Academia. Logo de cara, seu roteiro já figura como quase uma indicação unânime. O diretor de fotografia Robert Richardson, que já levou 3 Oscars, aparece logo atrás, assim como Ennio Morricone, mundialmente famoso por suas trilhas de western spaghetti que fez em parceria com o diretor Sergio Leone. O compositor italiano foi indicado 5 vezes, mas só ganhou o Oscar Honorário em 2007, e a Academia gosta de premiar os artistas mesmo após a honraria, como foi o caso do ator Paul Newman.

Sem Christoph Waltz, que levou dois Oscars de coadjuvante pelos últimos trabalhos de Tarantino, o diretor conta com a experiência do veterano Bruce Dern, que passou por um momento revival graças ao filme Nebraska, de Alexander Payne, que lhe rendeu sua segunda indicação ao Oscar em 2014. Se seu papel como General Sandy Smithers for consistente, pode se tornar material de Oscar. No elenco, alguns nomes também podem virar ouro como Demian Bichir (indicado ao Oscar de Melhor Ator em 2012 por Uma Vida Melhor), e os colaboradores assíduos Samuel L. Jackson e Tim Roth, e até a meio sumida Jennifer Jason Leigh.

O REGRESSO (The Revenant)
Dir: Alejandro González Iñárritú

Leonardo DiCaprio em cena de O Regresso (photo by outnow.ch)

Leonardo DiCaprio em cena de O Regresso (photo by outnow.ch)

Sinopse: Em 1820, o fronteiriço Hugh Glass (Leonardo DiCaprio) busca vingança contra aqueles que deixaram-no para morrer num ataque de ursos.

Deve receber indicação: Filme, Diretor (Alejandro G. Iñárritú), Ator (Leonardo DiCaprio), Fotografia (Emmanuel Lubezki), Montagem (Stephen Mirrione), Direção de Arte (Jack Fisk), Som e Efeitos Sonoros.

Dúvida: Ator Coadjuvante (Tom Hardy), Roteiro Adaptado (Alejandro G. Iñárritú e Mark L. Smith), Figurino (Jacqueline West)

Depois de ter conquistado o Oscar com Birdman este ano, o diretor mexicano Alejandro González Iñárritú tem cartucho pra gastar. Ele retorna com a mesma equipe técnica vencedora com uma saga de vingança e de época, que praticamente garante a presença do filme nas categorias de fotografia e direção de arte. No ano passado, rolaram alguns memes sobre a impossibilidade de DiCaprio ganhar o Oscar que considero meio exageradas. Primeiramente, o ator teve apenas 4 indicações, número relativamente baixo se comparado a Peter O’Toole, que saiu derrotado em 8 ocasiões, e Richard Burton em 7. E em segundo lugar, DiCaprio evoluiu bastante desde o começo de sua parceria com o diretor Martin Scorsese. Particularmente, acho as performances dele exageradas. Se ele souber ser mais contido, terá mais chances de agradar e cansar menos o público com suas expressões de nervosismo e gritos esporádicos. Esse seu estilo casou bem com o papel de Jordan Belfort em O Lobo de Wall Street, e por isso considero sua melhor atuação, mas nem sempre servirá para outros tipos de papéis.

Apesar de incluir o filme nas principais categorias, ainda tenho minhas dúvidas. Pelo trailer, pareceu ser mais um filme de ação do que um épico que agrade a todos. Caso o filme não tenha uma pegada mais social, dificilmente será abraçado pela Academia, restando apenas as categorias mais técnicas. Com o pano de fundo com índios, pode ser comparado a Dança com Lobos, mas o filme de Kevin Costner, que conquistou 7 estatuetas em 1991, tinha como foco o comportamento social entre povos indígenas e o homem branco, não meramente a ação.

ALIANÇA DO CRIME (Black Mass)
Dir: Scott Cooper

Benedict Cumberbatch atua com um Johnny Depp quase irreconhecível em Aliança do Crime (photo by outnow.ch)

Benedict Cumberbatch atua com um Johnny Depp quase irreconhecível em Aliança do Crime (photo by outnow.ch)

Sinopse: Cinebiografia de Whitey Bulger, um dos criminosos mais procurados de South Boston, que acabou se tornando informante do FBI.

Deve receber indicação: Melhor Ator (Johnny Depp), Maquiagem

Dúvida: Filme, Diretor (Scott Cooper), Ator Coadjuvante (Benedict Cumberbatch), Ator Coadjuvante (Joel Edgerton), Montagem (David Rosenbloom)

Essa transformação de Johnny Depp vem sendo comentada pela mídia especializada há um bom tempo, no mesmo nível de repercussão de Meryl Streep como Margareth Thatcher (A Dama de Ferro), Kate Winslet como Hannah Schmidt (O Leitor) e Jamie Foxx como Ray Charles (Ray), o que certamente colabora na campanha do ator para sua primeira estatueta depois de três indicações anteriores (Piratas do Caribe: A Maldição do Pérola Negra, Em Busca da Terra do Nunca e Sweeney Todd: O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet).

Apesar do diretor meio desconhecido (Scott Cooper dirigiu apenas Coração Louco, que rendeu o Oscar para Jeff Bridges, e Tudo por Justiça), Aliança do Crime é impulsionado pela força de seu elenco, formado por Benedict Cumberbatch, Kevin Bacon, Joel Edgerton, Juno Temple e Peter Sarsgaard.

CAROL
Dir: Todd Haynes

Cate Blanchett em Carol, de Todd Haynes. (photo by Weinstein Co. through variety.com)

Cate Blanchett em Carol, de Todd Haynes. (photo by Weinstein Co. through variety.com)

Sinopse: A jovem Therese conhece a elegante Carol, recém-divorciada. As duas percebem que têm muito em comum, e logo um romance se desenvolve entre elas. Para fugir aos olhares dos moradores locais, elas decidem fazer uma viagem pelos EUA, mas percebem que um detetive está seguindo os seus passos.

Deve receber indicação: Diretor (Todd Haynes), Atriz (Cate Blanchett), Atriz Coadjuvante (Rooney Mara), Figurino (Sandy Powell)

Dúvida: Filme, Roteiro Adaptado (Phyllis Nagy)

O filme se tornou um estouro no último Festival de Cannes e a imprensa estrangeira logo colocou Blanchett como favorita ao prêmio de interpretação feminina. Contudo, o júri presidido pelos irmãos Coen não foi na onda, e o prêmio foi parar nas mãos de Rooney Mara (mais cotada como coadjuvante pelo mesmo filme). Ela dividiu o prêmio com Emmanuelle Bercot (Mon Roi).

Com a distribuidora Weinstein Company por trás da campanha, o filme deve conseguir sem grandes dificuldades as indicações para as atrizes, mas devido ao tom lésbico, ainda é cedo pra garantir lugar entre os acadêmicos do Oscar.

THE DANISH GIRL
Dir: Tom Hooper

Eddie Redmayne caracterizado como a Danish Girl (photo by cine.gr)

Eddie Redmayne caracterizado como a Danish Girl (photo by cine.gr)

Sinopse: Nos anos 20 na Dinamarca, a artista Gerda Wegener pintou seu marido, Einar Wegener, como uma mulher. Depois que a pintura ganhou popularidade, ele começou a mudar sua aparência para feminina e adotar o nome Lili Elbe. Com o apoio da esposa, ele se tornou o primeiro homem a passar por cirurgia de troca de sexo.

Deve receber indicação: Ator (Eddie Redmayne), Atriz Coadjuvante (Alicia Vikander), Trilha Musical Original (Alexandre Desplat), Direção de Arte (Eve Stewart), Figurino (Paco Delgado)

Dúvida: Filme, Diretor (Tom Hooper), Roteiro Adaptado (Lucinda Coxon)

Eddie Redmayne acaba de ganhar o Oscar de Melhor Ator por sua impecável reprodução de Stephen Hawking em A Teoria de Tudo, e agora volta como outra figura importante utilizando mais um processo de transformação. Alguns mais exaltados já estão apostando no segundo Oscar consecutivo, o que o colocaria no mesmo patamar de Spencer Tracy e Tom Hanks, os únicos a ganhar Oscar de Ator consecutivamente.

Claro que ajuda o fato de contar com um diretor vencedor do Oscar, Tom Hooper, que venceu por O Discurso do Rei. O diretor foi responsável por 5 indicações de atores até o momento, e duas vitórias: Colin Firth (O Discurso do Rei) e Anne Hathaway (Os Miseráveis).

JOY: O NOME DO SUCESSO (Joy)
Dir: David O. Russell

Cena com Jennifer Lawrence em Joy (photo by cine.gr)

Cena com Jennifer Lawrence em Joy (photo by cine.gr)

Sinopse: O filme acompanha a trajetória de sucesso da criadora da Ingenious Designs, Joy Mangano, além da história de sua família por quatro gerações até se tornar a fundadora e matriarca de uma poderosa dinastia de família de negócios.

Deve receber indicação: Filme, Diretor (David O. Russell), Atriz (Jennifer Lawrence), Ator Coadjuvante (Bradley Cooper), Ator Coadjuvante (Robert De Niro), Roteiro Original (David O. Russell e Annie Mumolo)

Dúvida: Figurino (Michael Wilkinson)

Ok, vamos contabilizar. Em 2011, O Vencedor recebeu 7 indicações ao Oscar e levou dois de Coadjuvante para Christian Bale e Melissa Leo. Em 2013, O Lado Bom da Vida recebeu 8 indicações e levou Melhor Atriz para Jennifer Lawrence. Em 2014, Trapaça acumulou 10 indicações, mas não levou nada. Todos os últimos filmes de David O. Russel foram indicados a Melhor Filme e Melhor Diretor, portanto não dá pra esperar menos deste Joy: O Nome do Sucesso, que conta com muitos dos mesmos atores e da mesma equipe técnica.

Vendo o trailer, não dá pra esperar muita coisa do filme, mas Russell está em alta com a Academia, e mesmo que as vitórias ainda não venham, certamente as indicações já estão encaminhadas.

PONTE DOS ESPIÕES (Bridge of Spies)
Dir: Steven Spielberg

Em primeiro plano, Tom Hanks vive o advogado James Donovan em Ponte de Espiões (photo by outnow.ch)

Em primeiro plano, Tom Hanks vive o advogado James Donovan em Ponte dos Espiões (photo by outnow.ch)

Sinopse: Um advogado é recrutado pela CIA durante a Guerra Fria para resgatar um piloto detido na União Soviética.

Deve receber indicação: Filme, Diretor (Steven Spielberg), Ator (Tom Hanks), Roteiro Original (Matt Charman, Joel Coen e Ethan Coen), Fotografia (Janusz Kaminski), Montagem (Michael Khan). Trilha Musical Original (Thomas Newman), Direção de Arte (Adam Stockhausen), Efeitos Sonoros

Dúvida: Ator Coadjuvante (Alan Alda), Atriz Coadjuvante (Amy Ryan) e Figurino (Kasia Walicka-Maimone)

Steven Spielberg e Tom Hanks já trabalharam juntos em O Resgate do Soldado Ryan (1998), Prenda-me Se For Capaz (2002) e O Terminal (2005). Em 1999, Spielberg levou seu segundo Oscar e Hanks uma indicação pelo filme de guerra, portanto as chances são boas de sucesso na Academia com este Ponte dos Espiões.

Trata-se da primeira vez que Spielberg dirige um roteiro escrito pelos irmãos Coen, o que deve facilitar as coisas na campanha. Além disso, se Spielberg está entre os indicados, toda sua trupe técnica deve comparecer e preencher as vagas de indicações como aconteceu em seus últimos filmes: Cavalo de Guerra (2011) e Lincoln (2012).

SNOWDEN
Dir: Oliver Stone

Joseph Gordon-Levitt como Edward Snowden, em Snowden (photo by outnow.ch)

Joseph Gordon-Levitt como Edward Snowden, em Snowden (photo by outnow.ch)

Sinopse: Agente da CIA, Edward Snowden, vaza uma série de informações confidenciais para a imprensa, causando sua deserção na Rússia até os dias de hoje.

Deve receber indicação: Ator (Joseph Gordon-Levitt) e Roteiro Adaptado (Kieran Fitzgerald)

Dúvida: Diretor (Oliver Stone), Atriz Coadjuvante (Shailene Woodley) e Fotografia (Anthony Dod Mantle)

Pró: Novo filme de Oliver Stone. Contra: Quando foi a última vez que um filme de Oliver Stone repercutiu tanto? JFK – A Pergunta que Não Quer Calar (1991)? Assassinos por Natureza (1994)? Claro que Stone sempre terá prestígio junto à Academia por suas vitórias com Platoon (1986) e Nascido em Quatro de Julho (1989), mas nas últimas décadas, tem caído no esquecimento, principalmente depois do fiasco de Alexandre (2004).

Mas com este Snowden, um tema bastante polêmico que o diretor sabe tirar de letra, Oliver Stone pode finalmente ter seu retorno triunfal. Se a Academia gostar do filme, certamente estará na lista de diretores, caso contrário, a indicação pode ficar apenas com o ator Joseph Gordon-Levitt, que seria sua primeira. Vale lembrar que Gordon-Levitt tem outro trabalho em destaque neste ano por A Travessia (veja mais abaixo), o que sempre ajuda na hora de descolar a primeira indicação ao Oscar.

  • A estréia de Snowden foi adiada para Maio de 2016, portanto, fora do próximo Oscar.

TRUMBO
Dir: Jay Roach

Bryan Cranston caracterizado como o roteirista Dalton Trumbo (photo by elfilm.com)

Bryan Cranston caracterizado como o roteirista Dalton Trumbo (photo by elfilm.com)

Sinopse: A carreira bem-sucedida do roteirista em Hollywood é comprometida quando ele é inserido na lista negra do senador Joseph McCarthy nos anos 40 por suspeita de ser comunista.

Deve receber indicação: Ator (Bryan Cranston), Atriz Coadjuvante (Helen Mirren)

Dúvida: Filme, Roteiro Adaptado (John McNamara)

Por se tratar de uma receita básica que funciona no Oscar, Trumbo está aqui na lista: 1º filme biográfico. 2º sobre roteirista de Hollywood, que foi inclusive vencedor do Oscar usando pseudônimos 3º porque foi perseguido por estar na lista negra do McCarthismo 4º e contando com a ajuda de um ator em extrema ascensão depois da série de TV Breaking Bad. “Só” por esses motivos o filme tem lugar cativo nas previsões.

O único, porém maior problema, é o nome fraco na direção. Não que Jay Roach, responsável pelas trilogias de comédia Austin Powers e Entrando Numa Fria não tenha seu talento, mas à princípio não era o nome mais apropriado para assumir este projeto mais sério. Só pra exemplificar, se Ron Howard, Bennett Miller ou mesmo George Clooney estivesse por trás da câmera, Trumbo já figuraria como franco-favorito ao Oscar 2016.

FREEHELD
Dir: Peter Sollett

Ellen Page e Julianne Moore em cena de Freeheld

Ellen Page e Julianne Moore em cena de Freeheld

Sinopse: A policial Laurel Hester (Julianne Moore) e sua companheira Stacie (Ellen Page) lutam na justiça para conseguir os benefícios de pensão para Hester quando ela é diagnosticada com câncer terminal.

Deve receber indicação: Atriz (Julianne Moore), Atriz Coadjuvante (Ellen Page)

Dúvida: Ator Coadjuvante (Michael Shannon)

Baseado em um documentário-curta vencedor do Oscar em 2008, Freeheld tem a fórmula para se destacar na temporada de premiações: drama, doença terminal, opção sexual e ótimo elenco. Mas estaria a Academia aberta a um filme de temática lésbica? A última produção que apresentava lesbianismo, Minhas Mães e Meu Pai, foi até indicada a Melhor Filme em 2011, mas não levou nada. Indicar é relativamente fácil, mas ganhar é outros quinhentos…

Toda vez que lembro desse conservadorismo teimoso, vem à mente a derrota de O Segredo de Brokeback Mountain diante do maniqueísta e bidimensional Crash – No Limite em 2006. De qualquer forma, a expectativa é de que pelo menos as atrizes sejam reconhecidas por suas performances. Não ajuda o fato do diretor ser praticamente desconhecido, mas Julianne Moore acaba de ganhar seu primeiro Oscar e pode, com este papel, ganhar seu segundo consecutivo e ainda puxar a segunda indicação da jovem Ellen Page como coadjuvante.

STEVE JOBS
Dir: Danny Boyle

Michael Fassbender como Steve Jobs (photo by cine.gr)

Michael Fassbender como Steve Jobs (photo by cine.gr)

Sinopse: A vida e o legado de Steve Jobs, baseado na biografia de Walter Isaacson.

Deve receber indicação: Ator (Michael Fassbender), Atriz Coadjuvante (Kate Winslet), Roteiro Adaptado (Aaron Sorkin)

Dúvida: Filme, Diretor (Danny Boyle), Ator Coadjuvante (Jeff Daniels)

Quando o filme biográfico Jobs saiu em 2013, havia uma especulação de que Ashton Kutcher poderia ser indicado ao Oscar. Mas esse burburinho só rendeu durante o período em que a foto dele foi divulgada já como Steve Jobs, pois havia uma semelhança bem considerável entre ambos, mas logo acabou quando a crítica viu o filme e sua interpretação. Dois anos depois, um novo filme sobre o criador da Apple surge no horizonte, mas com uma equipe técnica infinitamente superior: Danny Boyle na direção, Scott Rudin na produção, Aaron Sorkin (A Rede Social) no roteiro e Guy Hendrix Dyas (A Origem) na direção de arte. Com esses nomes, o filme Steve Jobs automaticamente se tornou um forte candidato ao Oscar.

Particularmente, por mais que Michael Fassbender seja um dos melhores atores dessa geração, ainda tenho minhas ressalvas se ele foi a melhor opção pra dar vida ao inventor, já que é alemão e não se parece quase nada com a figura pública (talvez um trabalho de maquiagem bem feito teria ajudado…), mas torço para que ele possa surpreender positivamente. Claro que a presença da vencedora do Oscar, Kate Winslet, no elenco ajuda e muito na campanha do filme na temporada de premiações.

SR. HOLMES (Mr. Holmes)
Dir: Bill Condon

Ian McKellen como Sherlock Holmes em Mr. Holmes (photo by outnow.ch)

Ian McKellen como Sherlock Holmes em Mr. Holmes (photo by outnow.ch)

Sinopse: O já aposentado Sherlock Holmes destrincha seu passado quando tenta desvendar um mistério não solucionado envolvendo uma bonita mulher.

Deve receber indicação: Ator (Ian McKellen), Atriz Coadjuvante (Laura Linney)

Dúvida: Roteiro Adaptado (Jeffrey Hatcher), Direção de Arte (Martin Childs), Trilha Musical Original (Carter Burwell)

Logo que foi anunciado o filme de Sherlock Holmes com Ian McKellen, já previa uma indicação para o ator britânico. McKellen foi roubado na cara dura em 1999, quando perdeu para o pastelão do Roberto Benigni (A Vida é Bela), por sua atuação magnânima em Deuses e Monstros. Depois disso, tornou-se muito popular ao assumir papéis icônicos da cultura pop: o mutante Magneto nos filmes dos X-Men e o mago Gandalf nas trilogias de O Hobbit e O Senhor dos Anéis, por qual recebeu sua segunda indicação ao Oscar em 2002, mas perdeu pra um inspirado Jim Broadbent em Iris.

Claro que, se o filme for bom e sua performance estiver à altura de seu talento, trata-se de uma excelente oportunidade de premiar com um Oscar um dos melhores atores vivos. Sr. Holmes se torna ainda mais especial por reprisar a parceria do ator com o diretor Bill Condon, com quem trabalhou em Deuses e Monstros. No elenco, Laura Linney tem tudo pra receber sua 4ª indicação.

AS SUFRAGISTAS (Suffragette)
Dir: Sarah Gavron

Carey Mulligan (centro) em cena de protesto de Suffragette (photo by cine.gr)

Carey Mulligan (centro) e Helena Bonham Carter (à direita) em cena de protesto de As Sufragistas (photo by cine.gr)

Sinopse: O filme retrata um dos primeiros movimentos feministas contra o Estado machista e opressor. As integrantes do movimento viram seus protestos pacíficos resultarem em nada para então partir para a violência, o que ameaçava suas vidas, seus empregos e suas famílias.

Deve receber indicação: Atriz (Carey Mulligan), Atriz Coadjuvante (Meryl Streep), Atriz Coadjuvante (Helena Bonham Carter)

Dúvida: Filme, Roteiro Original (Abi Morgan), Trilha Musical Original (Alexandre Desplat), Montagem (Barney Pilling), Figurino (Jane Petrie), Direção de Arte (Alice Normington)

Lembram-se do discurso pró-igualdade para as mulheres de Patricia Arquette no Oscar deste ano? E do apoio incondicional de Meryl Streep (“Yes! Yes!”) da poltrona? Pois é, o movimento feminista em alta ganha mais um reforço com este filme de época no qual a luta das mulheres se tornou um marco na história. E com Streep no elenco, o filme tem tudo pra se destacar na temporada de premiações do Globo de Ouro, Oscar, BAFTA e SAG.

Por mais que a diretora seja meio desconhecida, acho bacana tanto a diretora quanto a roteirista serem mulheres, afinal ninguém melhor do que as próprias mulheres pra contar uma história de luta feminista. A roteirista Abi Morgan pode conseguir sua primeira indicação após destaque por Shame e A Dama de Ferro. Já Carey Mulligan, que brilhou como a estudante inocente de Educação, precisa cumprir seu papel de jovem promessa de Hollywood. Como se trata de uma produção de época, são esperadas indicações de direção de arte e figurino.

NOCAUTE (Southpaw)
Dir: Antoine Fuqua

Jake Gyllenhaal como o boxeador Billy Hope com o treinador Tick Wills (Forest Whitaker) em cena de Southpaw (photo by outnow.ch)

Jake Gyllenhaal como o boxeador Billy Hope com o treinador Tick Wills (Forest Whitaker) em cena de Nocaute (photo by outnow.ch)

Sinopse: O boxeador Billy Hope procura o treinador Tick Wills para colocá-lo de volta aos trilhos depois que perde sua mulher num trágico acidente e sua filha para o serviço de proteção à criança.

Deve receber indicação: Ator (Jake Gyllenhaal), Trilha Musical Original (James Horner)

Dúvida: Ator Coadjuvante (Forest Whitaker), Montagem (John Refoua), Canção Original (Eminem)

Depois da inacreditável ausência de Jake Gyllenhaal na lista de atores indicados a Melhor Ator este ano por O Abutre, a Academia automaticamente está em dívida com o ator, que já foi indicado como Coadjuvante por O Segredo de Brokeback Mountain. Além disso, chama atenção sua transformação do esquelético videomaker de O Abutre para este atlético e forte boxeador de Nocaute, que lembra a flexibilidade de Edward Norton que passou do forte neo-nazista de A Outra História Americana para o franzino de Clube da Luta. Essas transformações costumam ser a base de uma boa campanha para o Oscar. Claro que se o filme também for bom, as chances de vitória são ainda maiores. Já quando o filme não colabora, as chances caem drasticamente. Em 2000, o filme Hurricane – O Furacão conseguiu conquistar apenas a indicação de Denzel Washington, que acabou perdendo para Kevin Spacey (Beleza Americana), porque o filme de Sam Mendes era bem mais consistente.

Vale lembrar que este é um dos últimos trabalhos do compositor James Horner, que morreu numa queda de avião no final de junho. E por se tratar de um filme de boxe, as chances da trilha musical e da montagem se destacarem são ótimas. Resta saber se o filme de Antoine Fuqua (Dia de Treinamento) vai agradar à crítica.

SICARIO: TERRA DE NINGUÉM (Sicario)
Dir: Dennis Villeneuve

Em segundo plano, da esquerda para a direita: Emily Blunt, Josh Brolin e Benicio Del Toro em cena de Sicario: Terra de Ninguém (photo by cine.gr)

Em segundo plano, da esquerda para a direita: Emily Blunt, Josh Brolin e Benicio Del Toro em cena de Sicario: Terra de Ninguém (photo by cine.gr)

Sinopse: Uma agente idealista do FBI é designada pelo governador numa força-tarefa contra as drogas na área da fronteira dos EUA com o México.

Deve receber indicação: Atriz (Emily Blunt), Fotografia (Roger Deakins), Trilha Musical Original (Jóhann Jóhannsson), Montagem (Joe Walker)

Dúvida: Ator Coadjuvante (Benicio Del Toro), Ator Coadjuvante (Josh Brolin)

A sinopse me lembrou O Silêncio dos Inocentes ao ter como protagonista uma jovem agente do FBI em formação encarando um universo bem sombrio. E o diretor canadense Dennis Villeneuve já demonstrou que conhece bem esse território sombrio com Os Suspeitos (2013). O filme concorreu à Palma de Ouro no último Festival de Cannes e por muitos críticos foi considerado um “soco no estômago” por suas cenas fortes. Por esse mesmo motivo, não deve concorrer ao Oscar de Melhor Filme, porque os acadêmicos têm aversão à violência.

Mas se a campanha for boa, o diretor pode ser recompensado em sua categoria. E quem sabe a fotografia de Roger Deakins não ganha seu primeiro Oscar depois de 12 indicações? Já dentre os atores, apesar de contar com Benicio Del Toro (vencedor de Ator Coadjuvante por Traffic) e Josh Brolin (indicado para Ator Coadjuvante por Milk – A Voz da Igualdade), o maior destaque do filme é Emily Blunt, que passa por uma experiência transformadora como a agente do FBI, podendo finalmente conquistar sua primeira indicação.

A TRAVESSIA (The Walk)
Dir: Robert Zemeckis

Cena de A Travessia com Joseph Gordon-Levitt e Charlotte Le Bon (photo by outnow.ch)

Cena de A Travessia com Joseph Gordon-Levitt e Charlotte Le Bon (photo by outnow.ch)

Sinopse: A trajetória do artista francês Phillippe Petit para cruzar as Torres Gêmeas sobre um cabo de aço em 1974.

Quem deve receber indicação: Ator (Joseph Gordon-Levitt), Roteiro Adaptado (Robert Zemeckis e Christopher Browne)

Dúvida: Filme, Diretor (Robert Zemeckis), Ator Coadjuvante (Ben Kingsley), Trilha Musical Original (Alan Silvestri)

Apesar de Forrest Gump: O Contador de Histórias ter ganhado 6 Oscars há mais de 20 anos, o diretor Robert Zemeckis sempre terá um prestígio na Academia e por isso mesmo, seus filmes têm lugar cativo no burburinho do Oscar. Em 2013, seu filme O Vôo recebeu duas indicações (Melhor Ator para Denzel Washington e Roteiro Original), o que significa que Zemeckis está buscando retorno triunfal. Com este novo projeto baseado na história real de Phillippe Petit, que caminhou sobre um cabo de aço entre as duas Torres Gêmeas, ele pode ter sua chance.

A história verídica já foi tema do documentário O Equilibrista (Man on Wire), que venceu o Oscar de Melhor Documentário em 2009, o que concede maior credibilidade ao filme. Se Zemeckis souber captar bem o lado emocional da história, o filme pode conquistar o público e a crítica. Para ajudá-lo nessa difícil tarefa, ele conta com o veterano Ben Kingsley no elenco e o jovem Joseph Gordon-Levitt como o protagonista Petit.

O CORAÇÃO DO MAR (In the Heart of the Sea)
Dir: Ron Howard

Chris Hemsworth em cena de O Coração do Mar (photo by cine.gr)

Chris Hemsworth em cena de O Coração do Mar (photo by cine.gr)

Sinopse: Baseado em história ocorrida em 1820, sobre embarcação que é caçada por baleia durante 90 dias em alto mar. Adaptação de livro de Nathaniel Philbrick que teria inspirado o clássico literário Moby Dick.

Quem deve receber indicação: Fotografia (Anthony Dod Mantle), Montagem (Daniel P. Hanley e Mike Hill) e Som.

Dúvida: Filme, Diretor (Ron Howard)

Após ganhar prestígio com o Oscar de direção e filme com Uma Mente Brilhante em 2002, Ron Howard se tornou nome relevante a cada novo trabalho, e assim acabou novamente indicado ao Oscar de direção com Frost/Nixon em 2009 e foi bem cotado por Rush: No Limite da Emoção em 2014, mas tenho minhas dúvidas se ele retorna ao tapete vermelho com um filme de aventura estrelado por Chris Hemsworth.

Embora o elenco tenha nomes razoáveis como Cillian Murphy, Ben Wishaw e o novo Homem-Aranha, Tom Holland, acredito que O Coração do Mar ficará limitado às categorias mais técnicas, a menos que sua bilheteria seja extremamente expressiva e colabore em sua campanha vitoriosa.

SPOTLIGHT
Dir: Tom McCarthy

Da esquerda pra direita: Michael Keaton, Liv Schreiber, Mark Ruffalo, Rachel McAdams... em Spotlight (photo by outnow.ch)

Da esquerda pra direita: Michael Keaton, Liv Schreiber, Mark Ruffalo, Rachel McAdams, John Slattery e Brian d’Arcy James em Spotlight (photo by outnow.ch)

Sinopse: A verdadeira história de como o jornal The Boston Globe desvendou o escândalo de abuso de crianças e encoberto pela igreja Arquidiocese local que estremeceu a Igreja Católica toda.

Deve receber indicação: Roteiro Original (Tom McCarthy e Josh Singer)

Dúvida: Filme, Diretor (Tom McCarthy), Ator (Mark Ruffalo), Trilha Musical Original (Howard Shore)

O roteiro do filme foi baseado numa história verídica que gerou uma matéria que venceu o prestigiado prêmio Pullitzer, fato que já chama a atenção por si só. Esse tipo de história costuma atrair bons nomes para os papéis porque são criados a partir de heróis reais como uma Erin Brockovich, por exemplo, que desmantelou toda uma grande corporação ao descobrir que contaminavam a água de sua cidade.

Dessa forma, temos Mark Ruffalo como o protagonista e Michael Keaton como seu parceiro. Ruffalo é um nome que vem em ascensão há anos e só não conseguirá sua terceira indicação se o páreo da categoria de Melhor Ator estiver muito duro. Quanto a Keaton, acredito que corre bem por fora, mas já é extremamente gratificante vê-lo em grandes produções novamente após tantos anos no ostracismo.

ESPECIALISTA EM CRISE (Our Brand is Crisis)
Dir: David Gordon Green

Sandra Bullock filma cena em Porto Rico (photo by www.laineygossip.com)

Sandra Bullock filma cena em Porto Rico (photo by http://www.laineygossip.com)

Sinopse: Baseado no documentário homônimo sobre o uso de estratégias políticas de campanha americanas na América do Sul.

Deve receber indicação: Filme, Diretor (David Gordon Green), Atriz (Sandra Bullock), Roteiro Original (Peter Straughan)

Dúvida: Ator Coadjuvante (Billy Bob Thornton), Atriz Coadjuvante (Zoe Kazan), Montagem (Colin Patton)

Mais um filme com temática política pode ganhar espaço no Oscar 2016. Além de Spotlight e Suffragette, o filme procura revelar os bastidores da política e a forma como alavancam os candidatos desejados. Curiosamente, assim como Freeheld (citado acima), Especialista em Crise também é uma ficção baseada num documentário.

O roteiro de Peter Straughan (indicado para Roteiro Adaptado em 2012 por O Espião que Sabia Demais) busca destrinchar esse universo do vale-tudo das campanhas políticas na América do Sul contando com o promissor diretor David Gordon Green (vencedor do prêmio de Direção no Festival de Berlim 2013 por Prince Avalanche ), elenco encabeçado por Sandra Bullock e Billy Bob Thornton, e um ótimo ímã para o Oscar: George Clooney como produtor. Ter nomes de celebridades na produção muitas vezes é recompensado pela Academia, como aconteceu com Brad Pitt em 2014 por 12 Anos de Escravidão.

TRUTH
Dir: James Vanderbilt

Cate Blanchett em cena com Robert Reford em Truth (photo by collider.com)

Cate Blanchett em cena com Robert Reford em Truth (photo by collider.com)

Sinopse: Durante seus últimos dias como âncora no noticiário CBS News, Dan Rather apresenta uma notícia falsa sobre como o então presidente Bush se apoiou no privilégio e nas conexões familiares para evitar convocação militar para lutar na Guerra do Vietnã, o que lhe custou seu emprego e de sua superiora Mary Mapes.

Deve receber indicação: Ator (Robert Redford), Atriz Coadjuvante (Cate Blanchett) e Roteiro Adaptado (James Vanderbilt)

Dúvida: Montagem (Richard Francis-Bruce)

Seguindo a linha de candidatos ao Oscar de temática política, Truth pode surpreender e conquistar seu espaço, ainda mais por contar com dois nomes de peso junto à Academia: os atores Cate Blanchett, que ganhou seu segundo Oscar em 2014 por Blue Jasmine, e o veterano Robert Redford, que merecia uma indicação por sua atuação no ótimo Até o Fim (2013).

Ainda no elenco, nomes como Dennis Quaid, Bruce Greenwood e Elisabeth Moss (em ascensão depois da série Mad Men) podem colaborar para um número maior de indicações dependendo da profundidade de seus papéis. Como se trata da estréia na direção do conhecido roteirista do brilhante Zodíaco (2007), James Vanderbilt, sua melhor chance no Oscar está na categoria que lhe consagrou.

DIVERTIDA MENTE (Inside Out)
Dir: Pete Docter

As emoções Tristeza, Raiva, Medo, Nojinho e Alegria em cena de Divertida Mente (photo by outnow,ch)

As emoções Tristeza, Raiva, Medo, Nojinho e Alegria em cena de Divertida Mente (photo by outnow,ch)

Sinopse: Depois de se mudar com seus pais para San Francisco, as emoções da jovem Riley (Alegria, Tristeza, Nojinho, Raiva e Medo) entram em conflito sobre a melhor forma de explorar a nova cidade, casa e escola.

Deve receber indicação: Animação

Dúvida: Roteiro Original (Meg LeFauve, Josh Cooley e Pete Docter) e Trilha Musical Original (Michael Giacchino)

Assim como Monstros S.A., a idéia bastante original não segura um longa-metragem, pelo menos não da forma como foi escrito. Alguns trabalhos da Pixar apresentam esse obstáculo na hora de desenvolver uma história que se desenvolva, e não apenas se desenrole. Por questões de histórico, acredito que consegue facilmente uma indicação ao Oscar de Animação. Depois de perder o Oscar duas vezes consecutivas para produções da Disney (Frozen: Uma Aventura Congelante e Operação Big Hero), a Pixar está tentando recuperar seu posto de supremacia.

Dependendo da competição, o roteiro pode ser, sim, indicado ao Oscar, assim como de outras animações anteriores foram como de Procurando Nemo, Up – Altas Aventuras e Toy Story 3, mas geralmente o que ocorre é o filme ganhando apenas Melhor Animação. E se o roteiro praticamente perfeito de Toy Story 3 não ganhou, dificilmente outro não ganhará também. Já a trilha do compositor Michael Giacchino pode ser reconhecida, mas as chances de vitória são pequenas, ainda mais que já levou a estatueta por Up – Altas Aventuras.

MACBETH: AMBIÇÃO E GUERRA (Macbeth)
Dir: Justin Kurzel

O casal Macbeth: Michael Fassbender e Marion Cotillard na adaptação de Shakespeare (photo by cine.gr)

O casal Macbeth: Michael Fassbender e Marion Cotillard na adaptação de Shakespeare (photo by cine.gr)

Sinopse: Macbeth, um duque da Escócia, recebe a profecia das três bruxas que um dia ele se tornará rei da Escócia. Consumido por ambição e impulsionado à ação por sua esposa, Macbeth assassina seu rei e toma controle do trono.

Deve receber indicação: Figurino (Jacqueline Durran)

Dúvida: Ator (Michael Fassbender) e Atriz (Marion Cotillard)

Clássico de Shakespeare, a adaptação de Macbeth chegou no último Festival de Cannes como o filme responsável por premiar a dupla de atores centrais: o alemão Michael Fassbender e a francesa Marion Cotillard, ambos nomes em alta tanto na Europa quanto em Hollywood (ele foi indicado ao Oscar de Coadjuvante por 12 Anos de Escravidão e ela recebeu sua segunda indicação de Atriz por Dois Dias, Uma Noite), mas não foi isso que aconteceu na Riviera Francesa.

Apesar do filme de Justin Kurzel não ter levado nada, pode ter sua segunda chance na campanha ao Oscar, já que vai ser alavancada pela Weinstein Company. Contudo, se Fassbender for indicado, suas chances são bem maiores pelo filme de Danny Boyle, Steve Jobs. Posso estar enganado, mas pela experiência que tenho em Oscar, esse filme está com cheiro de uma única indicação: Melhor Figurino.

I SAW THE LIGHT
Dir: Marc Abraham

Tom Hiddleston caracterizado como o cantor Hank Williams (photo by outnow.ch)

Tom Hiddleston caracterizado como o cantor Hank Williams (photo by outnow.ch)

Sinopse: Cinebiografia do cantor e compositor de country norte-americano Hank Williams.

Deve receber indicação: Ator (Tom Hiddleston)

Dúvida: Atriz Coadjuvante (Elizabeth Olsen), Roteiro Adaptado (Marc Abraham)

A Academia adora cinebiografia de cantores e compositores, especialmente os americanos. Basta olhar a presença de filmes como O Destino Mudou Sua Vida (1980), Ray (2004) e Johnny & June (2005). Contando com esse histórico positivo, o ator britânico Tom Hiddleston, conhecido mundialmente por viver o papel do vilão Loki nos filmes da Marvel, tem boas chances na aparecer na lista por retratar uma figura emblemática da música. Curiosamente, como não foi aposta unânime para o papel, além de se empenhar bastante no sotaque americano, tocou piano para o elenco e a equipe durante as filmagens e todos os dias, como forma de extrema gratidão, ele cumprimentava cada membro da equipe, do encarregado da limpeza até seus colegas de atuação.

Elizabeth Olsen, que já trabalhou com Hiddleston em Vingadores: Era de Ultron, interpretará sua primeira esposa, Audrey Mae Williams, que pode lhe render sua primeira indicação ao Oscar. Como Marc Abraham é um diretor praticamente novato, suas chances residem mais na categoria de roteiro, por ter adaptado a biografia escrita por Colin Escott.

MAD MAX: ESTRADA FÚRIA (Mad Max: Fury Road)
Dir: George Miller

Tom Hardy e Charlize Theron em cena de Mad Max: Estrada da Fúria (photo by outnow.ch)

Tom Hardy e Charlize Theron em cena de Mad Max: Estrada da Fúria (photo by outnow.ch)

Sinopse: Furiosa, uma mulher que se rebela contra seu tirano numa pós-Apocalíptica Austrália, vai em busca de sua terra natal com a ajuda de um grupo de prisioneiras, um adorador psicótico e um andarilho chamado Max.

Deve receber indicação: Fotografia (John Seale), Direção de Arte (Colin Gibson), Figurino (Jenny Beavan), Maquiagem, Som, Efeitos Sonoros

Dúvida: Filme, Diretor (George Miller), Roteiro Original (George Miller, Brendan McCarthy e Nick Lauthoris)

Quarta parte de uma quadrilogia? Sequência? Prequel? Reboot? Ninguém sabe ao certo o que essa loucura chamada Mad Max: Estrada da Fúria é, mas todos concordam com sua qualidade técnica impecável e acima de tudo: sua audácia. Há quanto tempo não vemos um filme politicamente incorreto assim feito por um estúdio nos cinemas? Nos últimos anos (pra não dizer na última década), o cinema de estúdio tem sido tomado por produtores que visam apenas o lucro, mas sem coragem alguma para arriscar em novas visões. Claro que o trabalho de Mad Max não é novidade alguma, mas joga na tela imagens que dizem: “Isso é cinema. Vocês se esqueceram?”

Além da qualidade técnica merecedora de todas as indicações, felizmente a produção australiana colheu ótimos frutos nas bilheterias mundias, fato que ajuda muito na composição das indicações ao Oscar. Contudo, acredito que o responsável por tudo isso pode nem sequer ser reconhecido com uma mera indicação, seja como diretor ou como roteirista. Curiosamente, George Miller já ganhou um Oscar por, acreditem, Melhor Animação com Happy Feet: O Pingüim em 2007. Anteriormente, ele havia sido indicado pelo Roteiro Original de O Óleo de Lorenzo em 1993, e pelo Roteiro Adaptado e Produção (Melhor Filme) de Babe – O Porquinho Atrapalhado em 1996. Vamos torcer para que os votantes da Academia dêem um tempo no conservadorismo e reconheçam o talento e a audácia de Miller. Seria utopia demais?

À BEIRA MAR (By the Sea)
Dir: Angelina Jolie

Angelina Jolie com o marido Brad Pitt ao fundo em cena de À Beira Mar. É a primeira vez que a atriz dirige a si mesma. (Photo by outnow.ch)

Angelina Jolie com o marido Brad Pitt ao fundo em cena de À Beira Mar. É a primeira vez que a atriz dirige a si mesma. (Photo by outnow.ch)

Sinopse: Nos anos 70 na França, conforme a ex-dançarina Vanessa e seu marido escritor Roland viajam pelo país juntos, eles se distanciam um do outro, até pararem numa cidade costeira onde eles passam a se aproximar dos habitantes locais.

Deve receber indicação: Fotografia (Christian Berger)

Dúvida: Diretor (Angelina Jolie), Atriz Coadjuvante (Mélanie Laurent), Trilha Musical Original (Gabriel Yared)

Após ser ignorada pela Academia depois de forte burburinho por seu trabalho anterior Invencível (Unbroken), Angelina Jolie lança seu terceiro longa na direção com os holofotes sobre a possível campanha no Oscar 2016. Honestamente, só incluí o filme aqui por causa da comentada e discutida exclusão dela na premiação deste ano, porque se depender do filme em si, não se trata de material para Oscar.

Claro que se ela quiser, Jolie pode se beneficiar de seu filme anterior e tentar sua primeira indicação como diretora, mas acho meio difícil com um romance. A seu favor estão a presença dela mesma  e do marido, Brad Pitt, no elenco, assim como a trilha de Gabriel Yared (vencedor do Oscar por O Paciente Inglês) e do diretor de fotografia austríaco e colaborador assíduo do diretor Michael Haneke, Christian Berger (indicado por A Fita Branca).

THE LAST FACE
Dir: Sean Penn

O diretor Sean Penn conversa com a jovem Adèle Exarchopoulos em set de The Last Face (photo by filmaffinity.com)

O diretor Sean Penn conversa com a jovem Adèle Exarchopoulos em set de The Last Face (photo by filmaffinity.com)

Sinopse: A diretora de uma agência internacional de ajuda humanitária na África conhece um carismático médico que trabalha na causa. Ele se divide entre o amor por ela e seu trabalho.

Deve receber indicação: Fotografia (Barry Ackroyd)

Dúvida: Diretor (Sean Penn), Montagem (Jay Cassidy)

Assim como outros atores que se tornaram diretores, Sean Penn busca experiência em nomes profissionais como o diretor de fotografia Barry Ackroyd (indicado por Guerra ao Terror) e o montador Jay Cassidy (três vezes indicado) com quem já trabalhou no cult Na Natureza Selvagem. Desta vez, ele também escalou sua própria mulher, Charlize Theron, que vive uma nova ascensão depois de seu desatque como Furiosa em Mad Max: Estrada da Fúria, o que certamente ajuda o filme a alavancar.

No elenco, Penn ainda conta com Javier Bardem como o médico, e os coadjuvantes Jean Renno, e a jovem talentosa francesa Adèle Exarchopoulos, de Azul é a Cor Mais Quente. Apesar de todos os fatores positivos, The Last Face ainda pode se tornar aqueles filmes que tinha tudo pra chegar ao Oscar, mas morre na praia.

PERDIDO EM MARTE (The Martian)
Dir: Ridley Scott

Da esquerda pra direita: Matt Damon, Jessica Chastain, Kate Mara e Sebastian Stan em cena de Perdido em Marte (photo by outnow.ch)

Da esquerda pra direita: Matt Damon, Jessica Chastain, Sebastian Stan, Kate Mara e Aksel Hennie em cena de Perdido em Marte (photo by outnow.ch)

Sinopse: Depois de uma missão em Marte, o astronauta Mark Watney é considerado morto depois de ter sido abandonado por colegas, mas ele está vivo e sozinho no planeta. Com pouquíssimos recursos, ele deve usar todas as suas habilidades e seu conhecimento para enviar um sinal para a Terra para dizer que está vivo.

Deve receber indicação: Filme, Diretor (Ridley Scott), Ator (Matt Damon), Atriz Coadjuvante (Jessica Chastain), Roteiro Adaptado (Drew Goddard), Fotografia (Dariusz Wolski), Direção de Arte (Arthur Max), Montagem (Pietro Scalia), Trilha Musical Original (Harry Gregson-Williams), Som, Efeitos Sonoros e Efeitos Visuais.

Dúvida: Figurino (Janty Yates)

Até pouco tempo atrás, Perdido em Marte era considerado uma incógnita, mas depois do lançamento de seu trailer, o filme ganhou novo status e pode ser muito bem o recordista de indicações ao Oscar 2016. Após trabalhos abaixo da média do veterano Ridley Scott (reconhecido mundialmente pelos clássicos Alien: O Oitavo Passageiro e Blade Runner: O Caçador de Andróides) pode finalmente voltar à tona com um projeto mais respeitável. Sinceramente, espero que a execução seja infinitamente superior ao de Prometheus, que tinha tudo pra ser um estouro.

Elenco e equipe Ridley Scott tem de primeiro nível: vencedores e indicados ao Oscar de baciada. E ainda conta com atores experientes que acabaram de trabalhar em outro filme de temática espacial, Interestelar: Matt Damon e Jessica Chastain. O roteiro, escrito pelo jovem promissor Drew Goddard (de O Segredo da Cabana), foi baseado no livro best-seller The Martian, de Andy Weir. Resta saber se o filme refletirá suas expectativas nas bilheterias e se a Academia está aberta a premiar uma ficção científica depois de bater na trave com Gravidade em 2014.

EU, VOCÊ E A GAROTA QUE VAI MORRER (Me and Earl and the Dying Girl)
Dir: Alfonso Gomez-Rejon

Olivia Cooke, Thomas Mann e RJ Cyler posam para foto de Me and Earl and the Dying Girl (photo by outnow.ch)

Olivia Cooke, Thomas Mann e RJ Cyler posam para foto de Me and Earl and the Dying Girl (photo by outnow.ch)

Sinopse: O estudante Greg, que passa a maior parte de seu tempo fazendo filmes de paródia com seu amigo Earl, tem sua vida mudada quando ele passa a fazer amizade com Rachel, uma colega de classe que acaba de ser diagnosticada com leucemia.

Deve receber indicação: Roteiro Adaptado (Jesse Andrews)

Dúvida: Filme

Sensação do último Festival de Sundance, Eu, Você e a Garota que Vai Morrer já chama atenção pelo seu título inusitado que mistura drama com comédia e humor negro. O filme independente tem um clima leve que muito se assemelha a (500) Dias com Ela e Juno, tanto que o trailer se apropria dos mesmos títulos para atrair o interesse do público.

Não sei se se trata de uma previsão otimista ou pessimista, mas o filme tem mais cara de indicado e até vencedor do Globo de Ouro de Melhor Filme – Comédia ou Musical, mas no Oscar teria que se contentar com uma única indicação de Roteiro Adaptado. Este ano, outro sucesso de público com temática de doença entre jovens, A Culpa é das Estrelas, acabou ficando de fora do Oscar.

BROOKLYN
Dir: John Crowley

Saoirse Ronan e Emory Cohen em cena de Brooklyn (photo by cine.gr)

Saoirse Ronan e Emory Cohen em cena de Brooklyn (photo by cine.gr)

Sinopse: Nos anos 50, a jovem imigrante irlandesa Eilis Lacey se muda para os EUA, onde conhece e se envolve com um rapaz americano, mas devido a um tragédia familiar, precisa voltar ao seu país, onde acaba conhecendo outro amor.

Deve receber indicação: Atriz (Saoirse Ronan), Roteiro Adaptado (Nick Hornby)

Dúvida: Fotografia (Yves Bélanger) e Trilha Musical Original (Michael Brook)

Incluí o filme na lista por ter sido alvo de burburinho por parte de alguns sites especializados e também por ser adaptação do best-seller de Colm Tóibín, mas tenho minhas dúvidas se esse filme vai chegar ao tapete vermelho. Ele tem uma pinta de filme bonito e até com seus devidos momentos emotivos que fazem um candidato, mas não tem muito pedigree. John Crowley é um diretor que ficou conhecido pelo filme independente Rapaz A, de 2007, mas depois não deslanchou nada relevante.

Saoirse Ronan pode conseguir sua segunda indicação, desta vez como Melhor Atriz, principalmente por seu empenho no sotaque irlandês de sua personagem. E pelo visto, o escritor Nick Hornby está se empenhando a escrever roteiros agora. Depois de Educação (2009), ele fez o roteiro de Livre (2014) e agora deste Brooklyn. Pode receber sua segunda indicação também.

STAR WARS: EPISÓDIO VII – O DESPERTAR DA FORÇA (Star Wars: Episode VII – The Force Awakens)
Dir: J.J. Abrams

Daisy Ridley corre em cena de Star Wars: Episódio VII - O Despertar da Força (photo by (outnow.ch)

Daisy Ridley corre em cena de Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força (photo by (outnow.ch)

Sinopse: Continuação da saga de George Lucas na galáxia muito distante.

Deve receber indicação: Maquiagem, Som, Efeitos Sonoros e Efeitos Visuais

Dúvida: Direção de Arte (Rick Carter), Trilha Musical Original (John Williams)

Mais um filme de Star Wars lançado 10 anos após o último, mas com uma diferença bastante relevante: a Lucas Film foi comprada pela Disney. Aliás, o que não é comprado pela Disney?? A empresa comprou também a Pixar e a Marvel, o que pode causar uma padronização (pra não dizer pasteurização) do cinema comercial como o conhecemos.

Felizmente, o diretor J.J. Abrams tem um bom feeling pra franquias como pudemos constatar no reboot de Star Trek (2009), mas não creio numa revolução, até mesmo porque a Disney está mais preocupada em vender seus produtos do que fazer um filme consistente, então provavelmente o diretor não tem carta branca pra tudo, muito menos para o corte final do filme. Claro que este novo Star Wars vai criar novos recordes de bilheteria e muito provavelmente terá presença garantida nas categorias mais técnicas do Oscar.

RICKI AND THE FLASH: DE VOLTA PARA CASA (Ricki and the Flash)
Dir: Jonathan Demme

Mamie Gummer e Meryl Streep, filha e mãe na vida real e na ficção em cena de Ricki and the Flash: De Volata Para Casa (photo by outnow.ch)

Mamie Gummer e Meryl Streep, filha e mãe na vida real e na ficção em cena de Ricki and the Flash: De Volata Para Casa (photo by outnow.ch)

Sinopse: Ricki, que desistiu de tudo por seu sonho de se tornar uma estrela do rock, retorna para casa e procura fazer as coisas certas com sua família.

Deve receber indicação: Atriz (Meryl Streep)

Dúvida: Ator Coadjuvante (Kevin Kline), Roteiro Original (Diablo Cody), Canção Original

Assim que vi a primeira foto de Meryl Streep caracterizada como uma roqueira dos anos 80 em decadência, logo associei a…? Sim, o Oscar! Esta seria sua 20ª indicação, um recorde que demoraria muito pra ser ultrapassado! Porém, andei lendo alguns rumores de que Meryl Streep não participaria de nenhum campanha do filme para o Oscar.

Independente de seus supostos motivos, a atriz tem tudo para conseguir no mínimo uma indicação ao Globo de Ouro de Melhor Atriz – Comédia ou Musical. Curiosamente, sua filha na vida real, Mamie Gummer, interpreta sua filha no filme.

GRANDMA
Dir: Paul Weitz

Lily Tomlin em primeiro plano e Julie Garner ao fundo em cena de Grandma (photo by latimes.com)

Lily Tomlin em primeiro plano e Julie Garner ao fundo em cena de Grandma (photo by latimes.com)

Sinopse: Declarada misantropa, Elle Reid tem sua bolha protetora estourada quando sua neta de 18 anos aparece precisando de ajuda. As duas partem numa viagem que as obrigará a confrontar passado e futuro.

Deve receber indicação: Atriz (Lily Tomlin)

Dúvida: Ator Coadjuvante (Sam Elliott), Roteiro Original (Paul Weitz)

Típica dramédia em que dois personagens são obrigados a conviver e acabam descobrindo um sentimento mútuo durante uma road trip. Claro que o filme independente Grandma não tem maiores pretensões na temporada de premiações, mas só o fato de trazer de volta a veterana Lily Tomlin ao centro do palco já é algo digno de nota. Se ela receber indicação, será sua segunda depois da de Coadjuvante por Nashville em 1976! Esse tipo de retorno a Academia costuma reconhecer, então Tomlin tem grandes chances.

Assim como outra veterana Meryl Streep, Lily Tomlin também tem ótima chance de ser premiada pelo Globo de Ouro de Melhor Atriz – Comédia ou Musical, podendo trazer junto o ator Sam Elliott.

007 CONTRA SPECTRE (Spectre)
Dir: Sam Mendes

Daniel Craig como James Bond em cena de 007 Contra Spectre (photo by outnow.ch)

Daniel Craig como James Bond em cena de 007 Contra Spectre (photo by outnow.ch)

Sinopse: Uma mensagem criptografada do passado de Bond o envia numa trilha para desvendar uma organização criminosa. Enquanto M luta contra forças políticas para manter o serviço secreto vivo, James Bond investiga a SPECTRE.

Deve receber indicação: Trilha Musical Original (Thomas Newman), Canção Original, Som e Efeitos Sonoros

Dúvida: Fotografia (Hoyte Van Hoytema), Montagem (Lee Smith)

O prestigiado diretor Sam Mendes retorna pela segunda vez à cadeira de direção da franquia 007, mas desta vez não conta com um colaborador que faz a diferença: o diretor de fotografia Roger Deakins, que fez um trabalho estupendo em 007 – Operação Skyfall. Contudo, ele será substituído por outro bom profissional (Hoyte Van Hoytema) e contará com o retorno do compositor Thomas Newman, que foi indicado pelo filme anterior de Bond.

Aliás, 007 – Operação Skyfall ganhou o primeiro Oscar de Canção Original da série toda, criada em 1962 com 007 Contra o Satânico Dr. No, portanto existe uma expectativa em relação à canção de abertura deste novo trabalho. Independente do músico ou banda que interprete a nova canção (alguns sites indicaram Ellie Goulding), 007 Contra Spectre deve ser mais um sucesso arrebatador e deve conquistar indicações técnicas e quem sabe mais uma de canção…

Mesmo que tenha poucas chances no Oscar, vale lembrar que Christoph Waltz (vencedor de duas estatuetas por Bastardos Inglórios e Django Livre) está no elenco. Ele interpreta Oberhauser, o líder da organização Spectre. Por 007 – Operação Skyfall, Javier Bardem chegou a ser indicado para o SAG de Coadjuvante por interpretar o vilão Silva.

CINDERELA (Cinderella)
Dir: Kenneth Branagh

No centro, Cate Blanchett como a Madrasta em cena de Cinderela (photo by outnow.ch)

No centro, Cate Blanchett como a Madrasta em cena de Cinderela (photo by outnow.ch)

Sinopse: Versão live-action da fábula da Cinderela, a Gata Borralheira que sofre nas mãos da madrasta e das meia-irmãs até ter sua sorte mudada com a ajuda de uma fada.

Deve receber indicação: Direção de Arte (Dante Ferretti) e Figurino (Sandy Powell)

Dúvida: Atriz Coadjuvante (Cate Blanchett), Trilha Musical Original (Patrick Doyle)

Depois do sucesso comercial de Malévola no ano passado, a Disney resolveu apostar as fichas nas adaptações em live-action de muitas animações consagradas por ela mesma. Então, depois desse Cinderela, estão nos planos a versão de Mulan e A Bela e a Fera, ou seja, acabaram as idéias até para animações novas…

Felizmente, a Academia sabe reconhecer qualidades técnicas mesmo em refilmagens. O próprio Malévola foi indicado este ano para Figurino, o que favorece a inclusão de Cinderela na lista de indicações, especialmente no Figurino caprichado da veterana Sandy Powell e do primoroso trabalho de production design do italiano Dante Ferretti, que já ganhou 3 Oscars. Já os rumores de uma indicação para Cate Blanchett como a Madrasta chegaram a ser comentados em alguns sites, mas seria bem improvável.

—–

Alguns trabalhos não devem alçar vôos mais altos na temporada, mas pode sobrar uma vaguinha em uma ou outra categoria, portanto, os filmes seguintes são listados de forma mais simples:

MILES AHEAD
Dir: Don Cheadle

Don Cheadle como o músico Miles Davis em Miles Ahead (photo by jazzmusic.in)

Don Cheadle como o músico Miles Davis em Miles Ahead (photo by jazzmusic.in)

Cinebiografia do músico Miles Davis.

Melhor chance: Ator (Don Cheadle), Trilha Musical Original (Herbie Hancock)
Forçando a barra: Ator Coadjuvante (Ewan McGregor)

HOMEM-FORMIGA (Ant-Man)
Dir: Peyton Reed

Paul Rudd como o herói em Homem-Formiga (photo by outnow.ch)

Paul Rudd como o herói em Homem-Formiga (photo by outnow.ch)

Adaptação dos quadrinhos de Scott Lang e seu alter-ego, o super-herói Homem-Formiga. Ele deve ajudar seu mentor Hank Pym a roubar uma armadura que ajudou a criar.

Melhor chance: Efeitos Visuais
Forçando a barra: Efeitos Sonoros

VINGADORES: ERA DE ULTRON (Avengers: Age of Ultron)
Dir: Joss Whedon

Homem de Ferro em ação contra o Hulk em Vingadores: Era de Ultron (photo by cinemagia.ro)

Homem de Ferro em ação contra o Hulk em Vingadores: Era de Ultron (photo by cinemagia.ro)

Tony Stark e Bruce Banner criam um programa chamado Ultron para dar paz ao mundo, mas os planos dão errado e os Vingadores precisam evitar que ele destrua o planeta.

Melhor chance: Efeitos Visuais
Forçando a barra: Som e Efeitos Sonoros

JURASSIC WORLD: O MUNDO DOS DINOSSAUROS (Jurassic World)
Dir: Colin Trevorrow

Chris Pratt trabalha com os velociraptors em Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros (photo by outnow.ch)

Chris Pratt trabalha com os velociraptors em Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros (photo by outnow.ch)

Quarta parte iniciada com Jurassic Park: O Parque dos Dinossauros (1993). Com o parque finalmente aberto ao público e funcionando, as coisas começam a dar errado quando criam um dinossauro geneticamente modificado para atrair mais pessoas.

Melhor chance: Efeitos Visuais e Som
Forçando a barra: Trilha Musical Original (Michael Giacchino) e Efeitos Sonoros

LONGE DESTE INSENSATO MUNDO (Far from the Madding Crowd)
Dir: Thomas Vinterberg

Carey Mulligan em cena de Longe Deste Insensato Mundo (photo by outnow.ch)

Carey Mulligan em cena de Longe Deste Insensato Mundo (photo by outnow.ch)

Baseado no clássico romance homônimo de Thomas Hardy, o filme se passa na Inglaterra Vitoriana, onde a jovem Bathsheba Everdene atrai três homens diferentes: um criador de ovelhas, um sargento e um próspero e maduro bacharel.

Melhor chance: Figurino (Janett Patterson)
Forçando a barra: Atriz (Carey Mulligan)

O QUARTO DE JACK (Room)
Dir: Lenny Abrahamson

Brie Larson como a mãe em cena de Room (photo by outnow.ch)

Brie Larson como a mãe em cena de Room (photo by outnow.ch)

História contemporânea sobre o amor entre mãe e filho. O jovem Jack não conhece nada do mundo, exceto pelo quarto em que nasceu e foi criado.

Melhor chance: Atriz (Brie Larson)
Forçando a barra: Atriz Coadjuvante (Joan Allen)

O FIM DA TURNÊ (The End of the Tour)
Dir: James Ponsoldt

Jesse Eisenberg como o repórter e o Jason Segel como David Foster Wallace em cena de The End of the Tour (photo by elfilm.com)

Jesse Eisenberg como o repórter e o Jason Segel como David Foster Wallace em cena de The End of the Tour (photo by elfilm.com)

A história de uma entrevista que durou 5 dias entre o repórter da Rolling Stone, David Lipsky, e o aclamado autor David Foster Wallace, que aconteceu logo depois da publicação do romance dele chamado “Infinite Jest” em 1996.

Melhor chance: Roteiro Adaptado (Donald Margulies)
Forçando a barra: Ator (Jason Segel)

*** As indicações ao Oscar 2016 serão anunciadas no dia 14 de janeiro.

‘Boyhood’ e ‘O Grande Hotel Budapeste’ conquistam o Eddie Awards 2015

Oito momentos da vida de Ellar Coltrane em Boyhood: Da Infância à Juventude, vencedor do Eddie Award (photo by http://staticvosf5b.lavozdelinterior.com.ar/sites/default/files/styles/landscape_642_366/public/nota_periodistica/boy)

Oito momentos da vida de Ellar Coltrane em Boyhood: Da Infância à Juventude, vencedor do Eddie Award (photo by http://staticvosf5b.lavozdelinterior.com.ar/sites/default/files/styles/landscape_642_366/public/nota_periodistica/boy)

INDICADOS AO OSCAR DE MONTAGEM IMPULSIONAM SUA CAMPANHA

O sindicato de editores, ACE (American Cinema Editors), elegeu Boyhood: Da Infância à Juventude e O Grande Hotel Budapeste como melhores montagens nas categorias de Drama e Comédia ou Musical, respectivamente. Trata-se de um grande passo rumo ao Oscar, pois o vencedor do Eddie Awards costuma ser eleito também o Melhor Filme pela Academia pelo menos em sete oportunidades nos últimos 12 anos. E segundo as estatísticas favoráveis, dos últimos 34 anos, todo vencedor do Oscar de Melhor Filme recebeu indicação ao Eddie.

Claro que, por mais que esses números sejam promissores, não garantem estatueta nenhuma. Veja o caso por exemplo do ano passado: Christopher Rouse (Capitão Phillips) venceu com louvor o Eddie, mas perdeu para a enxurrada de prêmios de Gravidade. Embora ambos tenham trabalhado bem a questão da tensão, os cortes foram mais eficientes no sequestro do navio pelos piratas somalianos. E em 2012, Kevin Tent levou o Eddie por Os Descendentes, mas foi a dupla Kirk Baxter e Angus Wall que ganhou seu segundo Oscar consecutivo por Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres depois de faturar por A Rede Social.

A editora Sandra Adair de Boyhood (photo by austinchronicle.com)

A editora Sandra Adair de Boyhood (photo by austinchronicle.com)

Tanto Boyhood quanto O Grande Hotel Budapeste estão concorrendo ao Oscar de Montagem. Enquanto Sandra Adair teve de comprimir material bruto de 12 anos em um pouco menos de 3 horas de filme com o acerto de não inserir divisão de anos, Barney Pilling fez uma bela compilação de personagens sem perder o ritmo e extraindo humor de seus cortes. Se um desses trabalhos sair com o Oscar, a categoria estará bem representada, assim como o belo trabalho de edição de Tom Cross, por Whiplash: Em Busca da Perfeição. Como o filme é sobre música, ele se guia pela mesma para criar jump cuts para sincronizar as imagens com o áudio, mas de forma imperceptível.

Pela categorias de Animação, o Eddie foi para Uma Aventura Lego, enquanto de Documentário, Citizenfour se consagrou como o melhor, elevando um pouco mais suas chances no Oscar de Melhor Documentário. Gostaria de aproveitar e fazer uma espécie de crítica, pois a Academia não inclui montagens de documentários e animações na categoria. Talvez pela comodidade, só reconhece edições de ficções (dramas, comédias, musicais, policiais, suspenses etc), acumulando o reconhecimento todo desses dois gêneros para os Oscars de Melhor Documentário e Melhor Longa de Animação. Sei que tem muita gente que acha que a edição de documentário é tudo igual (estilo entrevista e imagens de arquivo), mas existem trabalhos bem inventivos do gênero como o dinamismo de Kurt Engfehr de Tiros em Columbine (2002), que utiliza até animação para explicar a História das armas nos EUA. Ou o mais recente O Ato de Matar (2012), que ousa ao reencenar o massacre da Indonésia em gêneros cinematográficos.

tumblr_nhksvp6Rg01r1uz65o1_1280

Segue lista completa dos vencedores do Eddie Awards 2015:

MELHOR MONTAGEM – DRAMA
Sandra Adair (Boyhood: Da Infância à Juventude)

MELHOR MONTAGEM –  COMÉDIA OU MUSICAL
Barney Pilling (O Grande Hotel Budapeste)

MELHOR MONTAGEM – ANIMAÇÃO
David Burrows, Chris McKay (Uma Aventura Lego)

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO
Mathilde Bonnefoy (Citizenfour)

Edward Snowden em Citizenfour (photo by outnow.ch)

Edward Snowden em Citizenfour (photo by outnow.ch)

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO (TELEVISÃO)
Erik Ewers (The Roosevelts: An Intimate History) – Episódio 3: The Fire of Life

MELHOR MONTAGEM – SÉRIE DE TV DE MEIA-HORA
Anthony Boys (Veep) – Episódio: “Special Relationship”

MELHOR MONTAGEM – SÉRIE DE TV DE UMA HORA COM COMERCIAL
Yan Miles (Sherlock) – Episódio: “His Last Vow”

MELHOR MONTAGEM – SÉRIE DE TV DE UMA HORA SEM COMERCIAL
Affonso Gonçalvez (True Detective) – Episódio: “Who Goes There”

MELHOR MONTAGEM – MINISSÉRIE OU FILME FEITO PARA TV
Adam Penn (The Normal Heart)

MELHOR MONTAGEM – SÉRIES NÃO ROTEIRIZADAS
Hugo Gross (Anthony Bourdain: Parts Unknown) – Episódio: “Iran”

MELHOR MONTAGEM DE ESTUDANTE
Johnny Sepulveda (Video Symphony)

‘Boyhood’, ‘Birdman’ e ‘Garota Exemplar’ competem pelo Eddie Awards 2015

Ethan Hawke (Boyhood: Da Infância à Juventude) - photo by elfilm.com

Ellan Coltrane e Ethan Hawke em Boyhood: Da Infância à Juventude – photo by elfilm.com

PRÊMIO DO SINDICATO JÁ PINCELA OS POSSÍVEIS INDICADOS AO OSCAR

Primeiramente, Feliz Ano Novo para todos! Espero que tenham passado bem as festas de fim de ano. Como fiquei em São Paulo este ano, acabei vendo dois filmes no cinema que recomendo: o sombrio O Abutre, com atuação assombrosa de Jake Gyllenhaal, e o clichê porém simpático A Família Bélier, que traz uma mensagem bastante positiva de amadurecimento para começar bem o ano.

Bom, o ano mal começou e o sindicato de editores já lançou seus indicados para 2015. Assim como o Globo de Ouro, os filmes são dividos entre as categorias de Drama e Comédia ou Musical, até mesmo porque a montagem possui estilos diferentes de acordo com o gênero. Aliás, adoraria ver uma categoria exclusiva para filmes de terror, ou pelo menos algo como Terror ou Ação. O Eddie Awards ainda apresenta categorias de Animação, Documentário e relativos à televisão.

Pela categoria Drama, houve um empate pela segunda vez na história do prêmio, pois houve seis indicados. A grande favorita é Sandra Adair pelo filme Boyhood: Da Infância à Juventude, afinal, ela cortou um material bruto de nada menos do que 12 anos! Mas independente do seu esforço de uma década, seu trabalho é digno de reconhecimento, pois suas quase 3 horas de duração não pesam como muitos pensam antes de assistir ao filme. A passagem do tempo não é interrompida por letreiros ou telas pretas, mas flui como um rio. Particularmente, só não acho perfeita porque eu reduziria a sequência da faculdade do protagonista Mason, que pouco acrescenta no contexto.

Mas Boyhood não pode relaxar, pois tem fortes concorrentes na categoria, especialmente Kirk Baxter (Garota Exemplar), que levou dois Oscars consecutivos por A Rede Social e Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres, e William Goldenberg (O Jogo da Imitação), que faturou a estatueta em 2013 por Argo.

Rosamund Pike em momento Amazing Amy de Garota Exemplar (photo by elfilm.com)

Rosamund Pike em momento Amazing Amy de Garota Exemplar (photo by elfilm.com)

Já pela categoria de Comédia ou Musical, as águas parecem mais calmas para Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância), pois além da força de sua campanha rumo ao Oscar de Melhor Filme, apresenta alternância entre cenas de realidade e devaneios do personagem de Michael Keaton, que denota facilmente a força da montagem. Quanto à concorrência, por se tratar de um filme de ação, Guardiões da Galáxia pode representar algum perigo. Como não vi Birdman ainda, concederia o prêmio a O Grande Hotel Budapeste, pelo ótimo ritmo obtido pela combinação entre os cortes, roteiro e atuação do elenco.

Edward Norton em cena de O Grande Hotel Budapeste (photo by cinemagia.ro)

Edward Norton em cena de O Grande Hotel Budapeste (photo by cinemagia.ro)

Entre as três animações indicadas, apesar da explosão que foi Uma Aventura Lego, acredito que Operação Big Hero pode levar o prêmio pelo ritmo mais frenético. Quanto aos documentários, Citizenfour tem se destacado por contar a trajetória de Edward Snowden através de uma entrevista.

Quanto aos fatos curiosos, embora não tenha uma acertividade tão alta (dos últimos 5 anos, acertou 3 em relação ao Oscar), o Eddie Awards é considerado um bom precursor do prêmio da Academia, pois segundo nota deles: “Nenhum filme ganhou o Oscar de Melhor Filme sem ter recebido pelo menos uma indicação ao Eddie desde ‘Gente Como a Gente’ em 1981”. O Eddie Awards existe desde 1962.

 Já entre os indicados de produções de televisão, a ótima série da HBO, True Detective, desponta como uma das favoritas justamente por seu tratamento de cinema na montagem de seus episódios não-lineares.

Segue lista dos indicados ao 65º Eddie Awards:

MELHOR MONTAGEM – DRAMA
– Joel Cox, Gary Roach (Sniper Americano)
– Sandra Adair (Boyhood: Da Infância à Juventude)
– Kirk Baxter (Garota Exemplar)
– William Goldenberg (O Jogo da Imitação)
– John Gilroy (O Abutre)
– Tom Cross (Whiplash: Em Busca da Perfeição)

MELHOR MONTAGEM – COMÉDIA OU MUSICAL
– Douglas Crise, Stephen Mirrione (Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância))
– Fred Raskin, Hughes Winborne, Craig Wood (Guardiões da Galáxia)
– Wyatt Smith (Caminhos da Floresta)
– Leslie Jones (Vício Inerente)
– Barney Pilling (O Grande Hotel Budapeste)

MELHOR MONTAGEM – ANIMAÇÃO
 Tim Mertens (Operação Big Hero)
– Edie Ichioka (Os Boxtrolls)
– David Burrows, Chris McKay (Uma Aventura Lego)

Operação Big Hero, da Disney (photo by cinemagia.ro)

Operação Big Hero, da Disney (photo by cinemagia.ro)

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO
– Mathilde Bonnefoy (Citizenfour)
– Aaron Wickenden (A Fotografia Oculta de Vivian Maier)
– Elisa Bonora (Glen Campbell: I’ll Be Me)

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO (TELEVISÃO)
– John Duffy, Michael O’Halloran, Eric Lea (Cosmos: A SpaceTime Odyssey: Standing Up in the Milky Way)
– Troy Takaki, Joey Vigour (Pauly Shore Stands Alone)
– Erik Ewers (The Roosevelts: An Intimate History: Episode 3 / The Fire of Life)

MELHOR MONTAGEM – SÉRIE DE TV DE MEIA-HORA
– Brian Merken, Tim Roche (Sillicon Valley) – Episódio: “Optimal Tip to Tip Efficiency”
– Anthony Boys (Veep) – Episódio: “Special Relationship”
– Catherine Haight (Transparent) – Episódio: “Piloto”

MELHOR MONTAGEM – SÉRIE DE TV DE UMA HORA COM COMERCIAL
– Scott Powell (24 Horas) – Episódio: “10pm to 11am
– Christopher Gay (Mad Men) – Episódio: “Waterloo”
– Elena Maganini, Michael Ornstein (Madam Secretary) – Episódio: “Piloto”
– Yan Miles (Sherlock) – Episódio: “His Last Vow”
– Scott Vickrey (The Good Wife) – Episódio: “A Few Words”

MELHOR MONTAGEM – SÉRIE DE TV DE UMA HORA SEM COMERCIAL
– Affonso Gonçalves (True Detective) – Episódio: “Who Goes There”
– Alex Hall (True Detective) – Episódio: “The Secret Fate of All Life”
– Byron Smith (House of Cards) – Episódio: “Chapter 14”

Woody Harrelson e Matthew McConaughey em cena de True Detective, série da HBO (photo by cinemagia.ro)

Woody Harrelson e Matthew McConaughey em cena de True Detective, série da HBO (photo by cinemagia.ro)

MELHOR MONTAGEM – MINISSÉRIE OU FILME FEITO PARA TV
– Regis Kumble (Fargo) – Episódio: “Buridan’s Ass”
– Jeffrey M. Werner (Olive Kitteridge) – Episódio: “A Different Road”
– Adam Penn (The Normal Heart)

MELHOR MONTAGEM – SÉRIES NÃO ROTEIRIZADAS
– Hunter Gross (Anthony Bourdain: Parts Unknown) – Episódio: “Iran”
– Josh Earl, Johnny Bishop (Deadliest Catch) – Episódio: “Lost At Sea”
– Joe Langford, Nick Carew (Vice) – Episódio: “Greenland is Melting & Bonded Labor”

O Eddie Awards será entregue no dia 30 de janeiro em cerimônia no hotel Beverly Hilton.

Retrospectiva 2014: Meu ano com os filmes


O host do Oscar 2015, Neil Patrick Harris, em sua mensagem de fim de ano

Primeiramente, gostaria de agradecer ao pessoal que visita o blog, acompanha os posts com paciência e comenta. Trata-se do melhor incentivo que recebo, uma vez que escrevo aqui puramente por paixão ao ofício e à Arte do Cinema. O post de hoje é o último do ano de 2014. Achei uma boa idéia fazer uma espécie de retrospectiva do ano em relação aos principais acontecimentos e aos filmes vistos. Gostaria também de convidar a todos pra escrever sobre os seus favoritos (ou piores) de 2014.

OSCAR 2014

A Academia fez história ao premiar 12 Anos de Escravidão como Melhor Filme. Trata-se do primeiro produzido e dirigido por um negro (Steve McQueen), assim como escrito por um roteirista negro (John Ridley) a ganhar o Oscar. Curiosamente, esse fato ocorre no mesmo ano em que há uma crise nos conflitos raciais nos EUA, originada por morte de negros por policiais brancos, prova de que o racismo está longe de ter fim, mesmo em pleno século XXI. Não sei se a escolha da Academia teve maior embasamento político, mas meu voto iria para O Lobo de Wall Street. Depois que Martin Scorsese ganhou finalmente seu Oscar em 2007, ele se libertou das amarras do academicismo e passou a alçar vôos mais ambiciosos. De lá pra cá, ele dirigiu o ousado terror noir de A Ilha do Medo, a carta de amor ao Cinema de A Invenção de Hugo Cabret e este libertino O Lobo de Wall Street, pelo qual ele teve finalmente sua recompensa em apostar em Leonardo DiCaprio. É um raríssimo caso em que o Oscar continuou iluminando a carreira já vitoriosa de um vencedor.

Quanto aos resultados, eu tiraria o Oscar de montagem de Gravidade e daria para Capitão Philips, por conseguir manter a tensão do início ao fim claustrofóbico. O Oscar de maquigem também teria outro dono na minha opinião, pois Clube de Compras Dallas tem mais do esforço dos atores do que maquiagem propriamente dita. E gostaria que o Oscar de coadjuvante fosse para a graciosa June Squibb por Nebraska. Pode parecer que estou preferindo Squibb a Lupita Nyong’o simplesmente pela idade, mas eu realmente considero sua interpretação mais consistente. Ela é o ponto de equilíbrio entre os personagens do filho (Will Forte) e o pai (Bruce Dern) sem deixar de perder o senso de humor e a ternura. Eu também gostaria que Judi Dench vencesse seu segundo Oscar por Philomena, mas Cate Blanchett estava tão imbatível em Blue Jasmine que parecia missão impossível.

June Squibb em cena de Nebraska (photo by cinemagia.ro)

June Squibb em cena de Nebraska (photo by cinemagia.ro)

MARATONA JAMES BOND

Fui introduzido ao universo de James Bond pelo meu pai, que assistia aos filmes de Sean Connery nos cinemas. Na adolescência, cheguei a juntar minha mesada pra comprar a coleção de VHS que saiu nas bancas e fui conhecendo filme por filme. Como comprei a coleção em blu-ray no final do ano passado, achei uma ótima oportunidade pra fazer uma maratona James Bond neste ano e em ordem cronológica de lançamento.

Claro que os melhores filmes permanecem aqueles estrelados por Sean Connery. Meu pai e meu irmão gostam de Moscou Contra 007. Já eu prefiro 007 Contra o Satânico Dr. No pelo frescor na espionagem ou 007 Contra Goldfinger por ser bem icônico na saga, mas confesso que se eu pudesse eleger apenas um, meu favorito hoje seria 007 – Cassino Royale. Gosto da estrutura do filme, que segue as pistas até chegar aos peixes grandes. Os personagens estão bem definidos: dos vilões Mollaka, que pratica le parkour no início do filme, Le Chiffre, que conta com a força da presença de Mads Mikkelsen, a incógnita Vesper Lynd feita pela igualmente misteriosa Eva Green, e o que dizer de Daniel Craig? Admito que quando soube da escolha dele como 6º Bond, tive minhas dúvidas, mas que logo se dissiparam nos primeiros minutos do filme. Meu pai, fã de Connery, não gosta de Craig: “Ele é muito burucutu, sem charme”. Sim, no filme ele é meio sem noção, mas temos que lembrar que se trata de um reboot na franquia. O personagem icônico está em sua primeira missão como agente com permissão para matar e seus deslizes são mais do que comuns e perdoáveis. Daniel Craig tornou o personagem palpável, com direito a cometer erros, vulnerável e humano. É ali também que descobrimos por que ele se tornou tão desconfiado em relação às mulheres.

Indubitavelmente, depois de sua inserção no universo de Bond, a saga do espião nos cinemas definitivamente subiu de nível. Deixou de ser aquelas aventuras que só tinham o intuito de mostrar belas mulheres e locações para acrescentar à cultura mundial. Infelizmente, sofreu com a greve de roteiristas em 007 – Quantum of Solace, mas com 007 – Operação Skyfall, com a colaboração do diretor Sam Mendes, o diretor de fotografia Roger Deakins e o diretor de arte Dennis Gassner, a parte técnica foi para patamares nunca explorados, tanto que o filme recebeu indicações ao Oscar de fotografia, e o ganhou o BAFTA de Melhor Filme Britânico.

Um fato curioso é que este ano, três atores que viveram vilões na saga James Bond partiram: Richard Kiel, que interpretou Jaws, o vilão que virou mocinho (007 – O Espião que Me Amava e 007 Contra o Foguete da Morte). Gottfried John, o frio Coronel Ourumov (007 Contra GondenEye). E Geoffrey Holder, o imortal Barão Samedi (Com 007 Viva e Deixe Morrer).

Do topo da esquerda em sentido horário:  Sean Connery, George Lazenby, Roger Moore, Daniel Craig, Pierce Brosnan e Timothy Dalton (photo by thekliqnation.com)

Do topo da esquerda em sentido horário: Sean Connery, George Lazenby, Roger Moore, Daniel Craig, Pierce Brosnan e Timothy Dalton (photo by thekliqnation.com)

MARVEL NAS MÃOS CERTAS E ERRADAS

Como fã declarado da Marvel Comics do tipo que colecionava quadrinhos do Homem-Aranha e X-Men, vou aos cinemas ver as adaptações com um sorriso enorme no rosto, pois na época em que acompanhava as histórias, pensava que esse dia jamais chegaria. Este ano, o maior prazer foi assistir à sequência Capitão América: O Soldado Invernal, tanto que fui duas vezes ao cinema. A grande fórmula do sucesso do produtor Kevin Feige tem sido o acerto na hora de contratar os diretores, roteiristas e atores. Nada de ficar cedendo às pressões dos executivos dos estúdios para chamar celebridades ou diretores com pedigree. Os diretores Anthony Russo e Joe Russo também acertaram ao abordar o resgate do Capitão América ao século XXI como um grande filme de espionagem dos anos 70 como Três Dias de Condor.

Robert Redford e Chris Evans em cena de Capitão América: O Soldado Invernal (photo by cinemagia.ro)

Robert Redford e Chris Evans em cena de Capitão América: O Soldado Invernal (photo by cinemagia.ro)

Inteligentemente, a Marvel Studios não vive apenas de sequências para não ver a fonte de renda secar. Para isso, ela fez uma aposta de alto risco com a adaptação de Guardiões da Galáxia, pois são personagens considerados de segunda linha da editora, e por isso, tinham tudo para ser um possível fracasso comercial. A aposta se estendeu até na escolha do protagonista: o jovem Chris Pratt, que até então era ator de segundo escalão e coadjuvante da série de comédia Parks & Recreation, felizmente deu bastante certo como Peter Quill, vulgo Star Lord. Após tamanho sucesso nas bilheterias, a sequência já está confirmada para 2017, e Pratt ainda conseguiu papel de protagonista no próximo Jurassic World.

Integrantes excêntricos do grupo Guardiões da Galáxia. (photo by outnow.ch)

Integrantes excêntricos do grupo Guardiões da Galáxia. (photo by outnow.ch)

Infelizmente (mesmo!), como a Marvel Comics faliu nos anos 90, ela se viu obrigada a vender os direitos autorais de seus personagens para grandes estúdios como Fox e Sony, o que impossibilita os tão aguardados crossovers nas telas e geram incontáveis novas adaptações de qualidade duvidosa. Digamos que a Marvel Studios, que originou sucessos como a trilogia do Homem de Ferro e Os Vingadores, cria os filmes com planejamento e respeito ao público e aos milhares de fãs mundo afora. Já a Sony e Fox estão mais interessadas em pegar carona na alta dos super-heróis, tanto que fizeram reboots do Homem-Aranha apenas 5 anos depois de Homem-Aranha 3 (estrelado por Tobey Maguire) e dos mutantes X-Men com X-Men: Primeira Classe, retratando a juventude dos personagens nos anos 60 e, agora com X-Men: Dias de um Futuro Esquecido, praticamente apagaram toda a história passada nos filmes anteriores por causa das viagens no tempo.

Para o grande público, talvez quem produz o filme não faça diferença, mas os números nas bilheterias são mais uma prova de que quando as adaptações são bem pensadas, bem filmadas e bem finalizadas, o sucesso é mera consequência e os filmes entram para a História do Cinema.

NETFLIX E OUTRAS ALTERNATIVAS

Depois da dificuldade que passei ano passado em encontrar títulos no mercado legal (precisava assistir a A Hora Mais Escura pra escrever um artigo antes do Oscar), tive que recorrer a outros meios “não tão legais assim”. Este ano, descobri um bom site chamado Toca dos Cinéfilos, que dispõe de um ótimo acervo de filmes em streaming. De lá, assisti finalmente ao filme romeno vencedor da Palma de Ouro, 4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias, que estava procurando há tempos. Claro que não apresenta a melhor qualidade de imagem de áudio e vídeo, mas na atual conjuntura, “é o que tem pra hoje”. Não recomendo aos cinéfilos assistir aos filmes nesses sites por se tratar de um crime previsto em lei, mas com a péssima distribuição de filmes e os altos impostos cobrados em mídias digitais como DVDs e Blu-Rays aqui no Brasil, não tem como desestimular as pessoas a procurar outras alternativas.

Hoje em dia, um ingresso de cinema não sai por menos de 25 reais nos shoppings, sem contar o estacionamento e aqueles combos de pipoca de ouro. Enquanto isso, o filme polonês favorito ao Oscar de Filme em Língua Estrangeira, Ida, está disponível nesse site. Claro que em qualidade inferior e dublado num francês meio sofrível, mas quem não tem cão..

4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias (photo by outnow.ch)
4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias (photo by outnow.ch)

Já no Netflix, confesso que mais revi do que assisti novos filmes. Um Príncipe em Nova York, Um Tira no Jardim de Infância e Os Garotos Perdidos foram alguns desses títulos, que não via há um bom tempo. Mas a maior surpresa ficou por conta de um achado: O Destino Mudou sua Vida, de Michael Apted. Como sempre fui atrás dos filmes que ganharam o Oscar, procurei por este que rendeu a estatueta de Melhor Atriz para Sissy Spacek por vários anos, mas nunca tinha visto cópia em VHS ou DVD. A performance de Spacek é digna de nota, pois ela abrange a personagem real Loretta Lynn da adolescência até a idade adulta no auge da carreira de cantora country, além de cantar com sua própria voz. A atriz bateu outros nomes de peso como Gena Rowlands, Ellen Burstyn e Mary Tyler Moore naquele ano de 1981. E curiosamente, Tommy Lee Jones faz o marido Doolittle Lynn; mesmo bem mais novo, já tinha aquela cara de carrancudo!

Tommy Lee Jones e Sissy Spacek em O Destino Mudou Sua Vida (photo by outnow.ch)

Tommy Lee Jones e Sissy Spacek em O Destino Mudou Sua Vida (photo by outnow.ch)

CRÍTICAS POSITIVAS E NEGATIVAS

Pra não dizer que só fui na base da ilegalidade, comprei o DVD da ficção científica Sob a Pele, de Jonathan Glazer, mesmo este disponível em streaming. Provavelmente é o filme mais estranho que vi este ano. Por mais que tenha sentido falta de uma coerência ou até mesmo uma questão de unidade, foi um dos filmes que mais se destacaram pelo frescor de suas imagens, aliadas a uma trilha igualmente bizonha com direito a tema de sedução. Acredito que são esses filmes que almejam inovações que fazem do cinema uma Arte que atravessa as décadas e se mantém no topo, porque se dependesse de produtores atuais que só pensam em números de bilheteria, o Cinema seria um entretenimento acéfalo do tipo “Pão e Circo”.

Cena de Sob a Pele (photo by cinemagia.ro)

Cena de Sob a Pele (photo by cinemagia.ro)

Apesar de não bater muito bem da cabeça, os filmes de Lars von Trier seguem na mesma linha de inovação, do tipo “ame ou odeie”. Este ano, vi os dois volumes do filme Ninfomaníaca. Assim como os filmes de Kill Bill, de Tarantino, a divisão tornou o primeiro volume em algo mais episódico e de humor mais acertivo, já o segundo é mais sóbrio com a busca pelo prazer ultrapassando os limites físicos e psicológicos que lembram o néo-clássico de Nagisa Oshima, O Império dos Sentidos (1976). Como o diretor dinamarquês iniciou sua carreira com filmes esteticamente perfeitos como Elemento de um Crime (1984) e Europa (1991), e depois pegou carona no Movimento Dogma 95 que não permitia recursos técnicos básicos como iluminação, resultando em Os Idiotas (1998) e Dançando no Escuro (2000), ele teve uma interessante experiência na mistura da estética com a narrativa. Seus últimos filmes são provas concretas desse aprendizado: Dogville (2003), Anticristo (2009), Melancolia (2011) e esses dois Ninfomaníaca. Em 2011, foi banido do Festival de Cannes quando declarou que “entendia Hitler” e se dizia anti-semita, mas independente de suas posições políticas, seus filmes já podem ser considerados eventos.

Cena de Ninfomaníaca Vol. 2 - Versão do Diretor (photo by outnow.ch)

Cena de Ninfomaníaca Vol. 2 – Versão do Diretor (photo by outnow.ch)

Já em relação aos filmes mais mainstream, meu voto de melhor do ano vai para Boyhood: Da Infância à Juventude. Gosto de praticamente tudo: do projeto de 12 anos, da paixão dos profissionais envolvidos por tanto tempo, do roteiro “sem história”, dos personagens centrais em constante transformação, da expectativa da mãe sobre a vida: “É isso? Eu esperava mais…”. É um filme intimista que explora a relação que temos com o tempo e com as pessoas que amamos. A gente fica tão ligado em histórias e tramas mirabolantes, que esquecemos o poder de um olhar tão atento aos detalhes como o de Richard Linklater. Não vi todos os possíveis concorrentes, mas espero que Boyhood consiga suas indicações e até ganhe o Oscar de Melhor Filme.

Da esquerda para a direita: Lorelei Linklater, Ethan Hawke e Ellar Coltrane em Boyhood: Da Infância à Juventude (photo by elfilm.com)

Da esquerda para a direita: Lorelei Linklater, Ethan Hawke e Ellar Coltrane em Boyhood: Da Infância à Juventude (photo by elfilm.com)

Quanto às bombas do ano, meu voto vai para o novo Godzilla. Quando se erra no tom, nem trazendo Tom Cruise, Brad Pitt, Julia Roberts, Meryl Streep… quer dizer, Meryl Streep não. Ela é à prova de fracassos! Não sou fanático por filmes de monstros, mas gostei do sul-coreano O Hospedeiro (2006) e achei interessante o Cloverfield: Monstro (2008), por exemplo, mas essa nova versão do monstro nuclear nipônico não acrescenta em nada na história originada nos anos 50. Quanto ao tom, se fosse mantido o mesmo do início do filme em que Juliette Binoche e Bryan Cranston realmente vivem personagens envolvidos numa tragédia, certamente o filme seria outro. Se tem uma receita certa para filmes de monstros, é que se deve valorizar muito mais os personagens do que o monstro em si. E fiquei com pena da Sally Hawkins, que por mais que tenha ganhado seu salário, não passou de uma tradutora de japonês de Ken Watanabe: um desperdício de talento.

Godzilla: Enquanto Bryan Cranston esteve na tela, o filme era "assistível". Depois eu queria meu dinheiro de volta! (photo by outnow.ch)

Godzilla: Enquanto Bryan Cranston esteve na tela, o filme era “assistível”. Depois eu queria meu dinheiro de volta! (photo by outnow.ch)

Gostaria de aproveitar pra fazer um comentário à parte em relação ao filme Garota Exemplar. Quando soube que o livro seria adaptado para o cinema pelas mãos de David Fincher, não hesitei em comprar o livro e ler, afinal, ele é o melhor diretor pra cuidar de personagens psicóticos (Seven: Os Sete Crimes Capitais, Clube da Luta e Zodíaco), mas fiquei um pouco desapontado com o resultado final. Desde o sucesso de A Rede Social (2010), o estilo visual de Fincher não mudou quase nada nos filmes seguintes: Millennium: Os Homens que Não Amavam as Mulheres (2011) e agora Garota Exemplar. Mesmo não se tratando de um trilogia, o diretor realizou uma espécie de “pasteurização” em todos os departamentos: fotografia com cores frias, direção de arte, trilha musical com poucas notas e uma montagem frenética que beira o automático. Embora Garota Exemplar seja uma boa adaptação do best-seller de Gillian Flynn, o diretor poderia rever seus conceitos para o próximo projeto antes que se torne repetitivo demais.

FILMES NA 38ª MOSTRA INTERNACIONAL DE CINEMA DE SÃO PAULO

Toda vez que a Mostra de Cinema vai vender pacotes de filmes, estou fora da cidade! Felizmente, desde o ano passado, o evento passou a contar com a evolução das vendas de ingresso pela internet. Pra quem trabalha o dia todo e não tem como ficar trocando ingressos durante o dia, a internet é uma mão na roda. Depois de muita análise da programação, consegui pegar algumas sessões interessantes como a de Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo. O novo filme de Bennett Miller foi indicado à Palma de Ouro em Cannes e saiu com o prêmio de Direção. O trio de atores está excepcional: Steve Carell impressiona por sua frieza nas expressões e em sua movimentação lenta, como se estivesse num transe; Channing Tatum como uma força incontrolável e sem direção, com olhar misterioso e perdido; e Mark Ruffalo consegue cativar como o irmão mais velho de Tatum com carisma e seriedade sem fazer muito esforço, já que tem um talento natural para se transformar nos personagens.

Channing Tatum e Mark Ruffallo trabalham no novo filme de Bennett Miller (photo by outnow.ch)

Channing Tatum e Mark Ruffallo trabalham no novo filme de Bennett Miller, Foxcatcher (photo by outnow.ch)

Também destaco o filme russo Leviatã, que faz uma ótima metáfora religiosa da história de Jó com uma leitura política da Rússia de hoje, sem abrir mão do humor ácido e politicamente incorreto. Adoraria ver a reação do presidente Vladimir Putin ao ver esse filme! É um belo tapa na cara da república ditatorial que ele vem criando. Gostaria que houvesse mais filmes assim aqui no Brasil, pois já que os políticos são intocáveis, nada melhor do que um tapa bem dado em quem governa e rouba este país. Por Leviatã, o diretor Andrey Zvyagintsev foi merecidamente premiado pelo roteiro em Cannes, e está concorrendo ao Globo de Ouro de Filme Estrangeiro.

Cena de A Pequena Morte (photo by outnow.ch)

Cena de A Pequena Morte (photo by outnow.ch)

Já na repescagem da Mostra, apostei no filme australiano A Pequena Morte e me surpreendi bastante. Já que o título se refere à pequena morte do orgasmo, o filme conta com várias histórias de casais com problemas sexuais que habitam o mesmo bairro. Como num filme de Robert Altman, os personagens cruzam entre si durante suas jornadas particulares, formando um mosaico irresistível de humor refinado, que nunca vi antes numa comédia americana. Aliás, vi o filme no CineSesc da rua Augusta e nessa noite, estava caindo um temporal dos infernos. Como a sala não tinha gerador, a projeção foi interrompida umas cinco vezes! O público só ficou mesmo porque o filme valia a pena. Não deve ter previsão de estréia por aqui, pra variar, então o jeito é vasculhar na internet…

ATOS SELVAGENS NO CINEMA

Enquanto o filme começava na sala do shopping Bourbon, um casal chegou atrasado e segundo relatos da minha prima, que sentou ao lado, não parava de fazer comentários do tipo: “Ah isso é típico de argentino!”. Fato que irritou também o casal de idosos que estava sentado logo na fileira de trás, que passou a dar uns “chutes amigáveis” na poltrona na mulher falastrona pra ver se se toca, mas o nível de ignorância foi tamanha, que a mulher passou a gritar com palavras de baixo calão para a senhora, que ficou perplexa. A discussão durou cerca de 2 minutos, e nesse momento, o público ficou mais interessado no relato selvagem da realidade do que do próprio filme que trata de personagens em situação limite.

Relatos Selvagens é formado por seis segmentos não-interligados entre si, mas que possuem personagens à beira de um ataque de nervos em comum, então são muitas situações envolvendo vingança e momentos críticos. Como é um tema universal, fica muito fácil de se identificar com as histórias. Em especial, a história denominada “Bombita”, estrelada por Ricardo Darín, ele tem seu carro guinchado por ter estacionado em local proibido mal sinalizado. Indignado com a lei má aplicada, ele enfrenta a burocracia a seu modo. Tenho certeza de que todo brasileiro se identificou e torceu pelo personagem.

Cena da última história do argentino Relatos Selvagens (photo by cine.gr)

Cena da última história do argentino Relatos Selvagens (photo by cine.gr)

Quanto à barbarie dentro das salas de cinema, tive outra experiência negativa ao assistir o terror Annabelle. Eu já sabia que encararia público mais mal comportado e “aborrecente”, por isso mesmo, meus amigos e eu decidimos pegar a última sessão de uma segunda-feira. Eu até pensei em deixar pra ver em casa, mas além de terror ser um gênero propício para cinema, o filme estava batendo recordes de bilheteria no Brasil, sendo o mais visto no gênero da História! Depois que o filme terminou, vi o quão baixo está o nível mínimo de exigência do público brasileiro. Que filme ruim! Roteiro fraquíssimo com personagens fúteis em cenas que não avançam a história e sequer assustam. Como se não bastasse o horror do filme, tinha o horror da sala de cinema pra aturar. Havia dois casais do tipo início de relacionamento, em que o macho quer impressionar a fêmea explicando os acontecimentos com narração à la Galvão Bueno. Felizmente, meu amigo é mais cri-cri do que eu, ele conseguiu impôr silêncio a um dos casais com um pedido educado, mas o outro não quis nem saber. Achava que estava na sala da casa deles, e nem quis saber!

Quando eu reclamo bastante aqui que o público não sabe se comportar na sala de cinema, não é exagero da minha parte. Tem muita gente que acha que tem o direito de conversar, falar alto, deixar o celular ligado e atender (!), comer alimentos impróprios para uma sala fechada como McDonald’s (a sala inteira passa a cheirar queijo) e, se abordada por outro espectador incomodado, ainda se defende dizendo que está pagando para ver o filme! Teve momentos na minha vida, em que eu era mais revoltado e chegava a discutir ou pelo menos lançar um sucinto “Shhh”, mas depois de tanto presenciar reações ignorantes e até agressivas, passei a deixar de lado. Procuro me concentrar no filme ao máximo, e caso o papagaio seja incansável, procuro um outra poltrona livre para me mudar.

‘A ENTREVISTA’ ENTRE EUA, HOLLYWOOD E CORÉIA DO NORTE

A saga do filme A Entrevista começou alguns meses atrás, mas como continua tendo desdobramentos, preferi aguardar algum desfecho para me pronunciar aqui. Resumidamente, o estúdio Sony sofreu um ataque de hackers em novembro, causando desdobramentos desagradáveis. Primeiramente, e-mails entre executivos foram expostos, revelando orçamentos de produções, salários de artistas e expondo conversas pessoais contendo críticas e ofensas a algumas celebridades como Angelina Jolie. O produtor Scott Rudin teria classificado a atriz e diretora como “mimada e pouco talentosa” numa troca de e-mails com a produtora Amy Pascal.

Cena de A Entrevista com James Franco (centro) e Seth Rogen (à direita). Photo by outnow.ch

Cena de A Entrevista com James Franco (centro) e Seth Rogen (à direita). Photo by outnow.ch

Até aí, tudo bem. Não houve consequências desastrosas, mas apenas situações embaraçosas. Contudo, o vazamento ganhou proporções colossais quando o grupo por trás do ataque passou a ameaçar os EUA se a Sony resolvesse lançar o filme de comédia A Entrevista: “Mostraremos claramente que os locais de exibição de ‘A Entrevista’ no dia da estréia terão um destino amargo… O mundo verá em breve que filme ruim fez a Sony Pictures. O mundo estará repleto de medo. Lembrem-se do 11 de setembro de 2001. Recomendamos que fiquem longe dos cinemas”. Aí o negócio ficou feio e a Sony decidiu cancelar o lançamento previsto para o Natal. A decisão não agradou o presidente Barack Obama, que em seu discurso, diz que não negocia com terroristas e que baixar a cabeça é abrir mão da liberdade de expressão que tanto o país lutou para conquistar. Houve um disse-que-me-disse entre a Sony e os exibidores. O estúdio alegou que os cinemas abortaram a exibição, enquanto os cinemas defendem que a Sony que cancelou o lançamento.

A bem da verdade é que não dá pra arriscar vidas inocentes, ainda mais depois do 11 de setembro, mas também não podemos ferir a liberdade que nos é tão essencial hoje. Em minha humilde opinião, adiaria o lançamento por umas duas semanas até conseguir rastrear o sinal dos hackers; e não simplesmente cancelar. Muito se falou que o governo norte-coreano estaria por trás do ataque e das ameaças, mas nada foi realmente provado. Acho inadmissível o governo da maior potência do mundo não conseguir identificar a origem das ameaças. Se o ex-funcionário da NSA, Edward Snowden, nos ensinou é que todos podem ser vigiados pela Inteligência norte-americana. Onde estão os responsáveis? Meu palpite é que são um bando de nerds hackers gordinhos escondidos numa casa num estado americano.

Ativistas? ONG? Teorias conspiratórias republicanas que almejam uma guerra entre EUA e Coréia do Norte para vender mais armamento bélico? Depois do fascínio pelo personagem anárquico do Coringa em Batman: O Cavaleiro das Trevas, não duvido nem um pouco que se tratam de pessoas que querem ver apenas o circo pegar fogo.

Por enquanto, o resultado final é feliz. O filme foi lançado em salas selecionadas e está faturando alto, até mesmo pela curiosidade do público depois das notícias. Apesar de ter faturado 3 milhões de dólares nas salas, está rendendo mais de 15 milhões em serviços online. Engraçado que depois de um incidente desses, se os resultados melhorarem ainda mais, os executivos podem lançar mais filmes online.

DESPEDIDAS

No Oscar 2015, a homenagem In Memorian deverá tomar mais tempo. Foram tantos artistas e profissionais que nos deixaram este ano, que a lista é extensa. Remanescentes e lendas da era de ouro do Cinema como Lauren Bacall, Shirley Temple e Mickey Rooney se foram, assim como grandes nomes indicados ao Oscar como James Garner, Bob Hoskins, Ruby Dee, Juanita Moore, e o diretor Paul Mazursky. Entre os vencedores do prêmio da Academia, perdemos o grande diretor Mike Nichols (vencedor por A Primeira Noite de um Homem em 1968), o diretor Richard Attenborough (vencedor por Gandhi) e que curiosamente, é mais conhecido por ter vivido o criador do parque dos dinossauros, o Dr. Hammond em Jurassic Park, e a perda precoce do documentarista Malik Bendjelloul, vencedor de Melhor Documentário por Procurando Sugar Man em 2013, aos 36 anos por suicídio.

Aliás, infelizmente, o suicídio foi pauta nas mortes dos atores Robin Williams e Philip Seymour Hoffman. Enquanto o primeiro sofria de um quadro de depressão, o segundo estava lutando contra as drogas, mas ambos estavam necessitando de ajuda urgentemente. A morte de Robin Williams acabou chamando mais a atenção da mídia pela disparidade, tanto que muitos se perguntavam: “Como um ator e comediante que vivia fazendo papéis cômicos se enforca por depressão?”. Se olharmos com atenção a escolha de papéis dele, só tem tristeza: o pediatra de crianças especiais de Patch Adams – O Amor é Contagioso, o mendigo de O Pescador de Ilusões, o pai que não consegue ficar com os filhos em Uma Babá Quase Perfeita, e o que dizer do médico que morre para resgatar sua esposa do inferno em Amor Além da Vida!? Já dá pra ficar deprê só de ver os filmes, imagine vivenciar esses personagens por meses?

A morte de Philip Seymour Hoffman me lembrou a perda de Heath Ledger. Dois talentos recentemente descobertos que logo partiram deixando um legado que muitos batalham a carreira toda e não conseguem. O mais triste foi ler no jornal: “Ator de ‘Jogos Vorazes’ morre aos 46 anos”. O cara estrela Boogie Nights – Prazer Sem Limites, O Grande Lebowski, Magnólia, O Talentoso Ripley, A Última Noite, A Família Savage, Jogos do Poder, Sinédoque Nova York, Dúvida, O Mestre e vence o Oscar por Capote, e termina como ator de Jogos Vorazes. Que triste…

Philip Seymour Hoffman com seu Oscar por Capote (photo by post-gazette.com)

Philip Seymour Hoffman com seu Oscar por Capote (photo by post-gazette.com)

Também gostaria de citar o ator e diretor Harold Ramis, que ficou mais conhecido como Egon dos Caça-Fantasmas e diretor de Feitiço do Tempo; e do grande Eli Wallach, que viveu o inesquecível Tuco do grande western spaghetti Três Homens em Conflito, de Sergio Leone. E hoje foi anunciada a morte da atriz Luise Rainer aos 104 anos. Ela ganhou dois Oscars consecutivos de Melhor Atriz por Ziegfeld – O Criador de Estrelas e Terra dos Deuses na década de 30.

FELIZ 2015!

Gostaria de desejar um próspero ano novo para todos os cinéfilos mundo afora. Que em 2015, haja mais compreensão e menos corrupção. Não defendo nenhum partido, mas só nesse escândalo da Petrobrás, foram roubados 10 bilhões de reais. Imaginem o que esse dinheiro poderia fazer para a educação do nosso país? Recentemente, assisti ao Noites de Cabíria, de Federico Fellini. Nele, a personagem de Giulietta Masina vive uma prostituta que sofre o filme todo, mas sempre mantém a esperança de uma vida melhor. E é esse filme que recomendo para aqueles que acreditam que o futuro pode ser, sim, melhor! Forte abraço a todos e Feliz 2015!

Giulietta Masina como a personagem Cabiria (photo by cineyteatro.es)

Giulietta Masina como a personagem Cabiria (photo by cineyteatro.es)

 

%d blogueiros gostam disto: