‘HOMEM-ARANHA NO ARANHAVERSO’ ACUMULA 7 PRÊMIOS no ANNIE AWARDS

SpiderMan into the Spiderverse 020.jpg

Sete Annies para Homem-Aranha no Aranhaverso: um prêmio para cada versão aracnídea (pic by OutNow.CH)

No último fim de semana, aconteceu o 46º Annie Awards, considerado o Oscar das animações. Apesar dos recordistas de indicações terem sido Os Incríveis 2 e WiFi Ralph: Quebrando a Internet, foi a surpreendente animação da Sony Homem-Aranha no Aranhaverso que levou a melhor, conquistando todos os sete Annies a que estava indicado!

A escalada da animação do personagem da Marvel começou no final do ano passado, quando as bilheterias estouraram, seguida pelas vitórias no Globo de Ouro e no Critics’ Choice Awards, e há poucos dias venceu o Eddie Awards de montagem. O Annie apenas confirmou seu favoritismo, concedendo o maior prêmio da noite para Homem-Aranha no Aranhaverso.

Isso significa que o filme já garantiu o Oscar? Se fosse ano passado, poderíamos praticamente garantir, mas as regras da categoria mudaram. A partir deste ano, para eleger o Melhor Longa de Animação, os votos serão preferenciais como na votação de Melhor Filme, ou seja, o trabalho que apresentar a melhor média de notas vencerá. E isso pode ser um baita revés para o aracnídeo, pois muitos votantes idosos devem preferir animações mais conservadoras como WiFi Ralph.

Pela categoria de Animação Independente, o vencedor foi o japonês Mirai, de Mamoru Hosoda, que recentemente foi indicado ao Oscar pela primeira vez. Apesar de não ser uma produção do Studio Ghibli de Hayao Miyazaki, as animações nipônicas costumam ter lugar cativo nesta categoria do Oscar. Só está faltando mesmo mais estatuetas, já que a única animação em língua estrangeira a vencer em 17 anos foi A Viagem de Chihiro em 2002. Mirai concorria com a animação brasileira intitulada Tito e os Pássaros, que já tem data de lançamento marcada para março em Portugal e abril na França, mas sequer tem previsão no Brasil. Que pena.

Mirai 002

Cena de Mirai, vencedor do Annie de Longa de Animação Independente (pic by OutNow.CH)

Vencedores do 46º Annie Awards:

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Homem-Aranha no Aranhaverso (Spider-Man: Into the Spider-Verse), Sony Pictures Animation

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO INDEPENDENTE

  • Mirai, Studio Chizu

MELHOR PRODUÇÃO ANIMADA ESPECIAL

  • O Retorno de Mary Poppins

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO

  • Weekends

MELHORES EFEITOS ANIMADOS EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Cesar Velazquez, Marie Tollec, Alexander Moaveni, Peter DeMund, Ian J. Coony (Wifi Ralph: Quebrando a Internet)

MELHOR ANIMAÇÃO DE PERSONAGEM EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • David Han (Homem-Aranha no Aranhaverso), Personagens: múltiplos

MELHOR ANIMAÇÃO DE PERSONAGEM EM FILME LIVE ACTION

  • Chris Sauve, James Baxter, Sandro Cleuzo (O Retorno de Mary Poppins)

MELHOR DESIGN DE PERSONAGENS EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Shiyoon Kim (Homem-Aranha no Aranhaverso) Personagens: Uncle Aaron, Rio, Peter, Miles, King Pin, Gwen, Aunt May, Goblin, Jefferson

MELHOR DIREÇÃO DE LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Bob Persichetti, Rodney Rothman e Peter Ramsey (Homem-Aranha no Aranhaverso)

MELHOR TRILHA MUSICAL EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Michael Giacchino (Os Incríveis 2)

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Justin K. Thompson (Homem-Aranha no Aranhaverso)

MELHOR STORYBOARD EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Dean Kelly (Os Incríveis 2)

MELHOR DUBLAGEM EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Bryan Cranston (Ilha de Cachorros) Personagem: Chief

MELHOR ROTEIRO EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Phil Lord e Rodney Rothman (Homem-Aranha no Aranhaverso)

MELHOR MONTAGEM EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Bob Fisher, Andrew Levinton, Vivek Sharma (Homem-Aranha no Aranhaverso)
bryan-craston-isle-of-dogs-social

Bryan Cranston venceu o Annie de Melhor Dublagem em Longa de Animação por Ilha dos Cachorros (pic by OutNow.CH)

***

A 91ª cerimônia do Oscar acontece no dia 24 de fevereiro.

 

Anúncios

ACADEMIA ANUNCIA NOVA CATEGORIA DE ‘FILME POPULAR’

oscars080918

UM DIA APÓS A REELEIÇÃO DO PRESIDENTE DA ACADEMIA, JOHN BAILEY, INSTITUIÇÃO DE 90 ANOS ANUNCIA MUDANÇAS DRÁSTICAS EM BUSCA DE AUDIÊNCIAS MELHORES

Ok, vamos aos fatos: Nesta quarta-feira, dia 08, a Academia anunciou algumas mudanças na premiação.

  1. Uma nova categoria será criada para filmes populares.
  2. A data da cerimônia em 2020 será no dia 09 de Fevereiro (e não mais no final do mês ou em Março)
  3. Estão planejando uma cerimônia de três horas mais acessível globalmente.

Certo, como diria Jack o Estripador, vamos por partes! A decisão 2, a mais fácil de discutir, é sobre a antecipação do calendário de premiações. Como todos sabem, a temporada de premiações começa em dezembro e termina com o Oscar. Como vão antecipar um mês, a tendência é que todos os demais prêmios também façam o mesmo. Então, existem boas possibilidades do Globo de Ouro ser em dezembro, o SAG em janeiro e o Critics’ Choice Awards em novembro. Sim, daqui a pouco vão entregar prêmios em Julho!

Já no item 3, parece que algumas categorias serão apresentadas durante o intervalo, editadas e exibidas em seguida a fim de encurtar a cerimônia, que hoje quase chega nas 4 horas. Realmente, o show é longo, ainda mais pra quem está no fuso horário em que temos que madrugar para assistir até o Oscar de Melhor Filme, mas não sei se falo como cineasta nessas horas, mas acho sacanagem tirar a glória daquele curta-metragista que passou dois anos fazendo um filme, ganhar um Oscar e passar um clipe em que ele aparece por 3 segundos. E outra coisa que precisa ser levada em consideração: o Oscar é uma vez por ano! Pô, um evento anual com vários filmes e artistas envolvidos. Custa tanto assim pra humanidade 4 horas da sua vida e paciência?? (Não responda!)

90th Academy Awards - Oscars Show – Hollywood

Do Oscar deste ano, poderiam cortar o discurso chato e longo do Gary Oldman.

Por exemplo, eu poderia dizer: “Por que não cortam aqueles clipes de filmes que apresentam todo ano?” Porque eu adoro! Ou “Por que não eliminam as performances musicais das canções indicadas?” Porque eu adoro! (Tirando aquele ano em que a Beyoncé cantou todas as músicas indicadas). Aí o que mais tem pra cortar? Vão cortar o In Memoriam? Não dá! É uma bela e singela homenagem aos mortos, que inclusive honrou nosso documentarista Eduardo Coutinho. A única coisa que me irrita frequentemente são aquelas piadinhas sem graça que os apresentadores têm que atuar (muito mal) antes de entregar o prêmio. Tem atores que se saem tão mal nesse quesito que nos faz questionar se merece ser chamado de ator!

Há alguns anos atrás, quase 10 anos na verdade, o Oscar teve uma idéia genial: migrar os Oscars Honorários, Irving G. Thalberg e Jean Hersholt Humanitarian Award para uma festa chamada Governors Ball, que ocorre no mês de novembro que antecede a temporada. Nesse esquema, todo mundo sai ganhando. Os homenageados podem discursar por meia hora, os atores cotados para o Oscar podem desfilar no tapete vermelho e fazer aquela campanha, e o melhor de tudo: reduzem consideravelmente a duração da cerimônia do Oscar, pelo menos um bloco inteiro. Então, o que quero dizer com isso? Ao invés de inferiorizarem categorias menores em intervalos, por que não inseri-los no Governors Ball? Por mim, continuaria do jeito que está, mas eu entendo que a cerimônia é dispendiosa e necessita de cortes para não se arrastar demais.

Donald Sutherland Oscar

O ator veterano Donald Sutherland recebeu a honraria do Oscar Honorário no Governors Ball em novembro de 2017.

E por último, o item 1, o mais polêmico. Um Oscar para Filmes Populares. Na hora, dá vontade de parar de assistir ao Oscar para sempre! O que dizer dessa barbaridade? Isso é pior do que cota! A Academia está dizendo em alto e bom som: “Filmes blockbusters jamais serão os vencedores do Oscar de Melhor Filme!”. Mas enfim, antes de criticar ferozmente, vamos analisar a seguinte questão: “O que eles denominam como Filme Popular?” É aquele que ultrapassa a barreira dos 100 milhões de dólares nas bilheterias americanas? Se for, filmes como La La Land, Dunkirk e os vencedores do Oscar de Melhor Filme Titanic e Gladiador não estariam qualificados. Ou filme popular é aquele que você não precisa usar o cérebro como um Transformers, Crepúsculo, Jogos Vorazes ou filmes do Adam Sandler? Se for isso, esse prêmio já existe e se chama Framboesa de Ouro! Afinal, o que a Academia entende como Filme Popular?

Oscar Titanic

James Cameron, Kate Winslet e Jon Landau celebram as 11 vitórias do Oscar de Titanic em 1998

Vamos começar do início. A audiência da cerimônia do Oscar está caindo gradativamente nos últimos anos. De forma bruta, desde 1998, há cada vez menos espectadores na frente da televisão. Por se tratar de um evento anual televisivo, necessita de audiência para que o show continue, então de alguns anos pra cá, algumas estratégias foram adotadas como a expansão de indicados a Melhor Filme em 2010 (inicialmente foi de 5 para 10, e nos últimos anos, segue uma regra de votação que sempre acaba resultando em 8 ou 9 indicados), a já citada migração dos prêmios honorários para uma festa à parte, e agora essa nova categoria de Filme Popular.

Entretanto, essa estratégia é um tiro no pé, pois além de causar esse estardalhaço com justificativa, não existe qualquer garantia de que o público jovem vá se interessar em assistir ao Oscar só porque Jurassic World, Vingadores: Guerra Infinita ou Missão: Impossível ganharam o Oscar! Isso nitidamente é fruto de interesses comerciais de grandes estúdios que apenas denigre a imagem da Academia.

avengers_oscars.0

Thanos, de Vingadores: Guerra Infinita, com chances de Oscar de Filme Popular em 2019. (art by Polygon)

Falando nisso, muitos membros da Academia se sentiram esnobados pois sequer foram consultados sobre essas mudanças. Entre os que se manifestaram estão o diretor Adam McKay, que ganhou o Oscar de Roteiro Adaptado por A Grande Aposta. Ele tuitou: “Outras novas categorias: Melhor Alienígena Feminina, Melhor Lançamento de Faca…”. Já o ator Rob Lowe foi mais profético: “A indústria do cinema morreu hoje com o anúncio do Oscar de Filme Popular”.

Parece uma questão boba, mas não é. Se premiarem Vingadores com o Oscar de Filme Popular, por exemplo, o que teremos como Melhor Filme? Um filme de Jean-Luc Godard? Pelo menos um Paul Thomas Anderson pra cima, né? Se vamos ter uma categoria pra filmes de menor qualidade fílmica, a lógica seria manter alto nível na categoria principal. Vamos colocar uns dois filmes europeus, dos irmãos Dardenne, e do Peter Greenaway, quem sabe uns profundos do chinês Jia Zhangke?

Alguns defendem que uma das justificativas desse Oscar é para premiar o Pantera Negra, adaptação dos quadrinhos da Marvel que bateu inúmeros recordes de bilheteria nos EUA e mundo afora, e que ainda satisfez todos que são politicamente corretos. Particularmente, sou fã da Marvel, mas não achei esse filme tudo isso filmicamente falando, mas por que não simplesmente indicá-lo a Melhor Filme então? Não seria mais fácil e honroso para o filme e sua equipe? E digo mais: Se ganhar o Oscar de Melhor Filme, aí você terá a audiência elevada, porque seria algo inédito nos 90 anos de história do prêmio.

fashion-red-carpet-black-panther-90th-academy-awards

Chadwick Boseman com elenco de Pantera Negra no tapete vermelho do Oscar 2018

Como cineasta e cinéfilo, eu entendo que o Oscar é um prêmio da indústria e que não dá pra se guiar por ele no quesito qualidade. Mas peraí! Existem, sim, inúmeros filmaços indicados ao longo dessas nove décadas. Só para citar alguns: Cidadão Kane, Vinhas da Ira, Casablanca, Um Lugar ao Sol, Psicose, 2001: Uma Odisséia no Espaço, O Poderoso Chefão, Amadeus, O Silêncio dos Inocentes, A Viagem de Chihiro… eu mesmo descobri vários filmes ótimos por causa do Oscar. Portanto, conceder um Oscar é uma honraria, sim, e não deveria se curvar aos interesses comerciais, sejam dos estúdios ou da audiência da cerimônia. Independente do que sejam esses filmes populares, não existe motivo nenhum pra haver essa divisão. Por pior que o filme seja, ele continua sendo cinema. Em alguns casos até sangra a garganta de dizer isso, mas são cinema! Por que premiá-los como um sub-cinema? Se eles são merecedores de Melhor Filme, premiem! Se eles são merecedores apenas do Oscar de Efeitos Sonoros, premiem apenas esse! Cazzo!!

Do fundo do coração, espero que eles repensem melhor essa categoria. Não é nem um pouco feio voltar atrás numa decisão ruim! Alguns gêneros como Terror, Ação e Ficção Científica realmente são muito esnobados pela Academia, mas eles não precisam de uma nova categoria, mas sim, de oportunidades nas que já existem. Por exemplo: Por que não terem indicado a excelente trilha musical de Invocação do Mal na categoria de Trilha Original? Por que não indicar Rua Cloverfield 10 como Roteiro Original e Ator Coadjuvante para John Goodman? Por que não indicar David Robert Mitchell como Melhor Diretor por Corrente do Mal? Tenho certeza de que se essas inclusões (merecidas) tivessem ocorrido ao longo dos anos, ninguém aqui estaria reclamando que determinados gêneros são excluídos e que precisam de uma categoria própria.

ACADEMIA BUSCA SE RECOMPOR APÓS GAFE HISTÓRICA DO OSCAR 2017

PWC 1

O indivíduo vai distribuir apenas envelopes no Oscar e resolve tweetar… (pic by Andrew Walker/REX/ Shutterstock)

PWC brian-cullinan-tweet

… posta foto da Emma Stone pra ficar bem na fita com a galera… (pic by Brian Cullinan)

Fred Berger

… e depois vê a cagada que cometeu (pic by Chris Pizzello/Invision/AP)

ACADEMIA ANUNCIA ALGUMAS MEDIDAS POUCO EFICIENTES

Bom, nessa altura do campeonato, o mundo inteiro já sabe o que realmente aconteceu nos bastidores do Oscar e o anúncio de Melhor Filme: o responsável pela entrega dos envelopes, Brian Cullinan (nas fotos acima), estava tão distraído com o Twitter e tirando foto com Emma Stone, que acabou entregando o envelope errado. O tempo pode passar, mas a vergonha por esse erro crasso (não me venham com “Errar é humano”!) perdurará por toda a eternidade. Obviamente, a esperança da Academia é que esse acontecimento seja esquecido o mais breve possível, mas se depender das providências anunciadas…

Recentemente, os organizadores da Academia detalharam novos protocolos que evitariam uma nova catástrofe. Na teoria. Eles vão contratar um terceiro contador para checar os votos e entregar os envelopes. Esse novo contador saberá com antecedência os vencedores e poderá alertar o diretor da cerimônia em caso de falha. Além, claro, de dispensar Brian Cullinan e Martha Ruiz, os dois responsáveis do Oscar desse ano, e também vai proibir o uso de celulares nos bastidores.

Olha, são medidas válidas, mas não tem uma real efetividade para coibir erros. Pra mim, basicamente houve uma falha do funcionário que estava mais preocupado com sua popularidade no Twitter do que checar se o envelope estava correto. Não precisa ter mais uma pessoa pra checar envelopes. Isso até uma criança conseguiria fazer sozinha.

Contando com uma parceria que dura décadas, a empresa responsável pela contagem de votos e confecção dos envelopes, Pricewaterhouse Coopers, não foi punida pelo erro. Apenas seus dois funcionários foram demitidos. Com certeza, alguém tem costas quentes com a Academia.

Enfim, a maior gafe dos últimos anos foi concretizada, a Academia e a Pricewaterhouse pediram desculpas, mas uma das piores consequências foi sobre a relação entre Faye Dunaway e Warren Beatty, que apresentaram e anunciaram o Oscar de Melhor Filme para La La Land. Segundo relatos, já havia um certo tom de inimizade desde os tempos de Bonnie & Clyde – Uma Rajada de Balas (1967), que certamente se agravaram depois que Beatty inocentemente cedeu o envelope errado para Dunaway ler sem qualquer tipo de aviso. É triste que um acontecimento desse possa causar esse trauma a duas estrelas hollywoodianas que passaram dos 70 anos. Correm sério risco de morrerem brigados…

CATEGORIA DE ANIMAÇÃO PARA QUEM PAGAR MAIS

E agora a pior notícia até o momento: a Academia anunciou uma mudança que pode e deve distanciar produções menores da categoria de Longa de Animação. Abriu a votação de indicados para todos os membros da Academia, ao invés de ficar restrita ao comitê de Animação. Não querendo generalizar, mas convenhamos que a maioria dos membros da Academia não tem conhecimento mais profundo sobre animação, e deve ficar limitada a assistir apenas às grandes animações.

A razão dessa mudança certamente partiu de reclamações de grandes estúdios como Dreamworks, Disney e Pixar, que costumam gastar milhões, faturar alto nas bilheterias, mas que estão insatisfeitos e indignados que suas produções perdem vaga no Oscar para animações independentes pequenas até de outros países como A Tartaruga Vermelha, Minha Vida de Abobrinha e no ano passado, o brasileiro O Menino e o Mundo.

84th Academy Awards Nominations Announcement

Indicados ao Oscar de Longa de Animação do Oscar 2012. Competição sadia entre grandes e pequenos (pic by Just Jared)

Esse povo insatisfeito com a “injustiça” no Oscar, resolveu mexer os pauzinhos e a Academia está acatando. É realmente uma lástima essa alteração, pois de todas as categorias do Oscar, esta era a mais internacional (tirando, obviamente a de Melhor Filme Estrangeiro) e diversificada em termos de artistas, histórias e tamanho de produção. Se mais pessoas votarem, as chances dos menores ficarem de fora são maiores, pois quem não trabalha na área de animação, fica mais suscetível ao gosto popular e da publicidade dos grandes estúdios.

Particularmente, eu já estava indignado que a última animação estrangeira a vencer o Oscar foi A Viagem de Chihiro em 2002! Imagina agora com menos estrangeiros competindo? Enfim, é um passo dado para trás pela Academia, que se rende mais aos interesses econômicos do que artísticos.

Também vale ressaltar que a Academia passou a proibir que documentários extensos como o vencedor deste ano, O.J.: Made in America, sejam elegíveis nos próximos anos. Para quem não sabe, o documentário vencedor tinha mais de oito horas de duração, ou seja, tinha um formato original para televisão (em episódios).

CALENDÁRIO DO OSCAR ATÉ 2020

A Academia também anunciou o calendário de seus eventos para os próximos quatro anos.

OSCAR 2018: 04/03/18

OSCAR 2019: 24/02/19

OSCAR 2020: 23/02/20

OSCAR 2021: 28/02/21

A cerimônia de 2018 foi a única movida para o mês de março para que não coincida com os jogos olímpicos de inverno da Coréia do Sul, que encerram no dia 25 de fevereiro.

Apesar da gafe desse ano, os produtores do evento, Michael De Luca e Jennifer Todd, estão bem cotados para retornar em 2018, e com isso, existem grandes chances de Jimmy Kimmel voltar como host. Para a próxima edição, a Academia já divulgou as principais datas:

Os produtores do Oscar 2017: Jennifer Todd e Michael De Luca devem retornar em 2018. Pic by The New York Times

11/11/2017 (sábado)
Governors Awards

05/01/2018 (sexta)
Início da votação de indicados

12/01/2018 (sexta)
Término de votação de indicados

23/01/2018 (terça)
Anúncio dos Indicados ao Oscar

05/02/2018 (segunda)
Almoço dos Indicados ao Oscar (Oscar Luncheon)

10/02/2018 (sábado)
Scientific and Technical Awards

20/02/2018 (terça)
Início da votação final

27/02/2018 (terça)
Término da votação final

28/02/2018 (quarta)
The Oscar Concert

04/03/2018 (domingo)
90ª cerimônia do Oscar

16 animações disputam vaga no Oscar 2016

Cena de Hotel Transilvânia 2, uma das 16 animações inscritas para o Oscar de Melhor Longa de Animação (photo by cine.gr)

Cena de Hotel Transilvânia 2, uma das 16 animações inscritas para o Oscar de Melhor Longa de Animação (photo by cine.gr)

SE TODOS SE QUALIFICAREM, TEREMOS 5 INDICADOS NA CATEGORIA

As animações inscritas são:
  • Anomalisa
    Dir: Charlie Kaufman, Duke Johnson
  • The Boy and the Beast (Bakemono no ko)
    Dir: Mamoru Hosoda
  • O Menino e o Mundo
    Dir: Alê Abreu
  • O Bom Dinossauro (The Good Dinossaur)
    Dir: Peter Sohn
  • Cada um na Sua Casa (Home)
    Dir: Tim Johnson
  • Hotel Transilvânia 2 (Hotel Transylvania 2)
    Dir: Genndy Tartakovsky
  • Divertida Mente (Inside Out)
    Dir: Pete Docter
  • Kahlil Gibran’s The Prophet
    Dir: Roger Allers
  • The Laws of the Universe – Part 0 (UFO Gakuen no Himitsu)
    Dir: Isamu Imakake
  • Minions
    Dir: Kyle Balda, Pierre Coffin
  • Moomins on the Riviera (Muumit Rivieralla)
    Dir: Xavier Picard, Hanna Hemilä
  • Snoopy & Charlie Brown: Peanuts, o Filme (The Peanuts Movie)
    Dir: Steve Martino
  • Apenas um Show: O Filme (Regular Show: The Movie)
    Dir: J.G. Quintel
  • Shaun: O Carneiro (Shaun the Sheep Movie)
    Dir: Mark Burton, Richard Starzak
  • Bob Esponja: Um Herói Fora d’Água (The SpongeBob Movie: Sponge out of Water)
    Dir: Paul Tibbitt, Mike Mitchell
  • Quando Estou com Marnie (Omoide no Mânî) 
    Dir: Hiromasa Yonebayashi

Dentre os trabalhos, certamente um dos mais interessantes é a primeira animação do diretor e roteirista Charlie Kaufman, conhecido por suas histórias criativas de Quero Ser John Malkovich e Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças. Neste trabalho de stop-motion, acompanhamos a vida de um homem aleijado por sua própria vida mundana. Pela sinopse, não se trata de um filme destinado ao público infantil, o que pode reduzir consideravelmente suas chances de vitória, mas sua indicação é dada como certa pela maioria dos críticos, afinal, tem a assinatura de Kaufman (que já ganhou o Oscar de Melhor Roteiro Original em 2005) e a categoria sempre apresenta nomes de diretores mais autorais como Tim Burton (A Noiva-Cadáver), Hayao Miyazaki (A Viagem de Chihiro) e Wes Anderson (O Fantástico Sr. Raposo). E é o único inscrito que concorreu ao Leão de Ouro em Veneza.

Cena de Anomalisa, de Charlie Kaufman e Duke Johnson (photo by trailer.apple.com)

Cena de Anomalisa, de Charlie Kaufman e Duke Johnson (photo by trailer.apple.com)

Este ano, temos uma curiosidade inédita. É a primeira vez que dois trabalhos da Pixar estão competindo: Divertida Mente e O Bom Dinossauro. Após um hiato raro de dois anos sem aparecer na categoria com filmes menos expressivos como Carros 2 e Universidade Monstros, a Pixar resolveu lançar dois filmes no mesmo ano para não ter erro. Entre os dois, Divertida Mente larga na frente por seu nível de criatividade ao criar personagens que representam as emoções, mas peca pela história fraca. Já O Bom Dinossauro tem uma premissa interessante de “E se o asteróide que extinguiu os dinossauros não tivesse acertado a Terra?”, possibilitando a convivência entre os dinossauros e os humanos.

As emoções Tristeza, Raiva, Medo, Nojinho e Alegria em cena de Divertida Mente (photo by outnow,ch)

As emoções Tristeza, Raiva, Medo, Nojinho e Alegria em cena de Divertida Mente (photo by outnow,ch)

Aproveitando o assunto da Pixar, o futuro da companhia preocupa um pouco. Outrora berço de filmes super criativos, o planejamento dos próximos anos inclui inúmeras sequências como Procurando Dory, Os Incríveis 2, Carros 3 e Toy Story 4! Claro que essas continuações devem ter suas qualidades e devem render rios de dinheiro, mas pra um estúdio que cresceu através de sua criatividade, o reinado pode estar ameaçado.

Cena de O Bom Dinossauro, de Peter Sohn (photo by outnow.ch)

Cena de O Bom Dinossauro, de Peter Sohn (photo by outnow.ch)

Vale ressaltar que todo ano, a Academia gosta de deixar pelo menos uma vaga para uma produção estrangeira. Parece até cota estrangeira, mas convenhamos que existem tantos trabalhos impecáveis fora do circuito americano que se fosse fazer justiça, teria pelo menos 3 animações estrangeiras todo ano na categoria! Então, nessa lógica, a animação japonesa Quando Estou com Marnie (Omoide no Mânî), de Hiromasa Yonebayashi, deve preencher a vaga praticamente cativa nipônica de Hayao Miyazaki e Isao Takahata. Trata-se de uma história bem emotiva de uma garota que se muda para uma casa no interior, onde fica obcecada por uma menina que vive numa mansão ao lado que pode ou não existir. E tem o selo de qualidade do Studio Ghibli, de Miyazaki.

Cena de Quando Estou com Marnie, de Hiromasa Yonebayashi (photo by cine.gr)

Cena de Quando Estou com Marnie, de Hiromasa Yonebayashi (photo by cine.gr)

Claro que a vaga estrangeira também pode ser ocupada por uma animação brasileira. Sim, brasileira! O Menino e o Mundo (The Boy and the World), de Alê Abreu, é a segunda animação nacional inscrita para o Oscar. Em 2014, Uma História de Amor e Fúria, de Luiz Bolognesi, estava entre os inscritos, mas não conseguiu conquistar a indicação. Quem sabe não é desta vez? O trabalho de Alê Abreu possui um estilo bastante gráfico que remete ao traço de lápis de cor para retratar a busca de um menino pelo pai.

Cena de O Menino e o Mundo, de Alê Abreu (photo by cine.gr)

Cena de O Menino e o Mundo, de Alê Abreu (photo by cine.gr)

E a Academia sempre gosta de reservar uma vaga para produções mais destinadas ao público infantil que foi bem nas bilheterias como Minions, Hotel Transilvânia 2 e Snoopy & Charlie Brown: Peanuts, o Filme (sim, com este título nacional apelativo!), afinal, animações assim garantem maior audiência para a Academia. Lembrando que o filme anterior da série Minions, Meu Malvado Favorito 2, foi indicado ao Oscar de Longa de Animação e de Melhor Canção Original por ‘Happy’.

Cena de Minions, de Kyle Balda e Pierre Coffin (photo by cine.gr)

Cena de Minions, de Kyle Balda e Pierre Coffin (photo by cine.gr)

Não querendo ser pessimista, nem julgar trabalhos sem conferir, acredito que um ou outro trabalho inscrito será desqualificado, o que acarretaria num total de 3 indicados em 2016 que, na minha opinião, seriam:

  • Divertida Mente (Inside Out)
  • Anomalisa
  • Quando Estou com Marnie (Omoide no Mânî)

As indicações ao Oscar 2016 serão anunciadas no dia 14 de janeiro.

Spike Lee, Debbie Reynolds e Gena Rowlands serão homenageados no Governors Awards

Spike Lee, Debbie Reynolds e Gena Rowlands serão os homenageados deste ano (photo by elperiodico.com.do)

Spike Lee, Debbie Reynolds e Gena Rowlands serão os homenageados deste ano (photo by elperiodico.com.do)

ACADEMIA HONRA TRÊS INDICADOS QUE NUNCA VENCERAM

Para quem assiste à cerimônia do Oscar e não é lá muito cinéfilo, algumas categorias técnicas e/ou menores tais como Efeitos Sonoros ou Curta-Metragem de Animação podem ser um tédio interminável, ainda mais quando o vencedor sobe ao palco achando que tem que agradecer todas as pessoas que conheceu na vida. Aliás, há uns dois anos, já ouço rumores de que os organizadores do evento estariam interessados em limar essas categorias justamente para dar mais ritmo ao show e atrair mais audiência televisiva, que vem caindo nos últimos anos. E há 7 anos, em 2009, a Academia tomou uma decisão sábia nesse sentido: retirou o Oscar Honorário da cerimônia.

Calma. Não me interpretem mal! Sou cinéfilo e adoro as homenagens, especialmente com profissionais tão talentosos e experientes como os que ganharam a honraria como Stanley Donen e Robert Altman, mas em termos práticos, digamos assim, foi uma decisão acertada, pois era nesses momentos nostálgicos que o telespectador comum trocava de canal ou ia pra cama mais cedo. Além disso, com a criação do Governors Awards, um evento paralelo ao Oscar que ocorre em novembro, é possível fazer a homenagem com o devido respaldo e tempo (sem precisar tocar musiquinha pra expulsar o veterano do palco). E ao contrário do Oscar Honorário, que costumava honrar apenas um por ano, o Governors emplaca pelo menos três de uma vez! E com a festa separada, cada homenageado tem seu devido tempo com seu apresentador exclusivo.

Pra quem não conhece, veja o vídeo da homenagem ao mestre da animação Hayao Miyazaki no Governors Awards 2014, feito por John Lasseter, e em seguida, o discurso de Miyazaki:

Não existe uma regra específica para quem pode ser homenageado como o fato de nunca ter ganhado o Oscar. Prova disso foi o próprio diretor Hayao Miyazaki, que em 2002, mesmo ausente da cerimônia, venceu o Oscar de Melhor Longa de Animação por A Viagem de Chihiro. Mas, coincidência ou não, este ano, todos os artistas saudados nunca ganharam uma estatueta. Eles são: Spike Lee, Debbie Reynolds e Gena Rowlands. Eles foram os mais bem votados entre os membros da Academia na eleição que ocorreu no último dia 25. Não haverão receptores para os prêmios especiais Jean Hersholt Humanitarian Award e Irving G. Thalberg, destino a produtores.

DEBBIE REYNOLDS

Debbie Reynolds com Gene Kelly no filme Cantando na Chuva (photo by thetimes.co.uk)

Debbie Reynolds com Gene Kelly no filme Cantando na Chuva (photo by thetimes.co.uk)

Para o público cinéfilo, Debbie Reynolds será eternizada por sua performance como a atriz Kathy Selden no clássico musical Cantando na Chuva (1952). Além de seu talento como atriz, ela demonstrou habilidade na dança que muitos duvidaram. Afinal, não era qualquer uma que conseguiria acompanhar os passos de Gene Kelly e Donald O’Connor. Já para o público nerd, ela será sempre a mãe da Princesa Leia, a atriz Carrie Fisher, da cinessérie Star Wars, que terá a franquia reativada este ano com Star Wars: Episódio VII: O Despertar da Força.

Foi indicada uma vez para Melhor Atriz em 1965 por A Inconquistável Molly, mas perdeu para Julie Andrews (Mary Poppins). Curiosamente, recebeu o Lifetime Achievement Award no SAG este ano.

SPIKE LEE

Spike Lee em cena de Faça a Coisa Certa, escrito e dirigido por ele (photo by theodysseyonline.com)

Spike Lee em cena de Faça a Coisa Certa, escrito e dirigido por ele (photo by theodysseyonline.com)

Um dos primeiros filmes que assisti de Spike Lee foi Faça a Coisa Certa (1989). O que era aquele filme? Aquela obra transpirava criatividade e tinha uma voz única que pouco vi no cinema. Merecia o Oscar de Melhor Filme, que acabou indo para outro longa sobre racismo (Conduzindo Miss Daisy), mas beeeem mais light e conservador. Spike Lee, norte-americano negro, é um artista que trouxe orgulho à comunidade negra por sua defesa e retrato de personagens de seus filmes, sejam eles ficcionais ou verídicos como o lendário Malcolm X, impecavelmente interpretado por Denzel Washington. Porém, nos últimos anos, talvez exceto pelo bom O Plano Perfeito (2006), suas produções se tornaram menos relevantes. E pra piorar, caiu no meu conceito quando comprou briga com o diretor Quentin Tarantino por ele ter usado o termo “nigger” (crioulo) – muito comum na Mississipi racista – no filme Django Livre (2012). Parecia atitude de ex-Big Brother querendo causar pra aparecer na mídia… Uma pena.

Foi indicado ao Oscar duas vezes. Em 1990, pelo Roteiro Original de Faça a Coisa Certa. E em 1998, pelo Documentário 4 Little Girls.

GENA ROWLANDS

Gena Rowlands em cena de Uma Mulher Sob Influência (photo by crimsonkimono.com)

Gena Rowlands em cena de Uma Mulher Sob Influência (photo by crimsonkimono.com)

Quando se vê o conjunto de trabalho de Gena Rowlands, é de se espantar como ela não ganhou seu merecido Oscar. Tudo bem que a maioria de suas performances estão em produções independentes que, nos anos 70 e 80 eram menos vistos do que hoje, mas felizmente a Academia está tentando reparar essa enorme injustiça ao lhe fazer esta bela homenagem. Para o público de hoje, ela é mais conhecida como a versão idosa da protagonista do romance Diário de uma Paixão (2004) ou do filme de terror A Chave Mestra (2005), mas houve um tempo em que ela era a rainha dos filmes independentes ao lado do marido e diretor John Cassavetes.

Aliás, Cassavetes é considerado por muitos o pai do cinema independente americano, inclusive tendo um prêmio em seu nome no prestigiado Independent Spirit Awards. O casal fez ao todo dez filmes juntos, tendo como highlights justamente aqueles por qual ela recebeu indicação ao Oscar: Uma Mulher Sob Influência em 1975 e Gloria em 1981. Rowlands tornou suas personagens fortes em mulheres fortes, porém com uma sensibilidade que pouco se via.

Seguem os vencedores do Governors Awards desde sua criação em 2009:

2009: Lauren Bacall, John Calley, Roger Corman, Gordon Willis

2010: Jean-Luc Godard, Kevin Brownlow, Francis Coppola, Eli Wallach

2011: James Earl Jones, Dick Smith, Oprah Winfrey

2012: Jeffrey Katzenberg, Hal Needham, D.A. Pennebaker, George Stevens Jr.

2013: Angelina Jolie, Angela Lansbury, Steve Martin, Piero Tosi

2014: Harry Belafonte, Jean-Claude Carrière, Maureen O’Hara, Hayao Miyazaki

A cerimônia do 7º Governors Awards será no dia 14 de novembro.

‘Birdman’ e ‘O Grande Hotel Budapeste’ lideram indicações ao Oscar 2015!

oscars-2014-shorts

OS NÚMEROS DO OSCAR 2015

Os recordistas em indicações desta 87ª edição do Oscar são Birdman e O Grande Hotel Budapeste, ambos com nove cada. Ao contrário do que vinha acontecendo nos anos anteriores em que a Academia indicava 9 produções, este ano decidiu preencher apenas 8 vagas das 10 disponíveis. Curiosamente, o filme sobre Direitos Civis, Selma, conquistou apenas a indicação de Filme e de Canção Original. Por outro lado, o mega-ascendente Sniper Americano coletou um total de 6 indicações, mas seu diretor Clint Eastwood não foi incluso na categoria de Direção, enfraquecendo bastante as chances de vitória da produção como Melhor Filme. Enquanto que Foxcatcher conseguiu a proeza de resgatar Bennett Miller pra Melhor Diretor (pra muitos ele já era considerado carta fora do baralho), mas falhou na indicação a Melhor Filme! Pô, não poderiam ter indicado o filme também e ocupado a nona vaga?

Michael Keaton e Emma Stone em cena de Birdman: ambos foram indicados para ator e atriz coadjuvante. (photo by outnow.ch)

Michael Keaton e Emma Stone em cena de Birdman: ambos foram indicados para ator e atriz coadjuvante. (photo by outnow.ch)

Apesar de contar apenas com 6 indicações, Boyhood ainda permanece como um dos grandes favoritos a conquistar o Oscar de Filme e Direção. Também não dá pra descartar as oito indicações de O Jogo da Imitação, ainda mais que seu diretor Morten Tyldum foi indicado a Diretor.

Vale sempre ressaltar que Meryl Streep está de volta! Ela é a super-recordista em termos de indicações no Oscar das categorias de atuação, pois esta é sua 19ª indicação. Ela concorre como coadjuvante por Caminhos da Floresta, mas não é a favorita.

Meryl Streep (Caminhos da Floresta) - photo by elfilm.com

19ª indicação ao Oscar: só pode ser Meryl Streep (Caminhos da Floresta) – photo by elfilm.com

ANÚNCIO DOS INDICADOS

Pra quem não conseguiu acompanhar ao vivo, segue link do YouTube do canal oficial do Oscar:

Pela primeira vez, o anúncio abrangeu todas as 24 categorias e por isso, foi dividido em duas partes. Enquanto os diretores Alfonso Cuarón e J.J. Abrams se encarregaram das categorias mais técnicas, o ator Chris Pine e a presidente da Academia, Cheryl Boone Isaacs, encarregaram-se das categorias principais.

SURPRESAS

Com a ascensão de Sniper Americano, não seria uma mega-surpresa ver o nome de Bradley Cooper na categoria de Ator. Sinceramente, acho que fiquei mais surpreso ao ver a exclusão de Clint Eastwood como Diretor do que a inclusão de Cooper como Ator. Bom, a Academia adora Bradley, tanto que esta é sua terceira indicação consecutiva! Ele concorreu por O Lado Bom da Vida e Trapaça, ambos sob direção de David O. Russell. Muitos críticos afirmam que este é seu melhor trabalho, pois foi o papel que mais exigiu transformação física e psicológica por parte do ator.

Novo filme de Clint Eastwood, Sniper Americano, consegue adentrar na festa da PGA (photo by outnow.ch)

Bradley Cooper por Sniper Americano (photo by outnow.ch)

Fiquei bastante feliz pela inclusão de Marion Cotillard como Melhor Atriz. Ela recebe sua segunda indicação, e a primeira depois de sua vitória em 2008 por Piaf – Um Hino ao Amor, sob direção dos irmãos belgas Jean-Pierre e Luc Dardenne, figuras frequentes no Festival de Cannes. Havia forte possibilidade também de ela ser indicada pela interpretação em O Imigrante, de James Gray. A sua inclusão também me agradou pela consequente exclusão de Jennifer Aniston (Cake: Uma Razão Para Viver), que vinha sendo indicada para os principais prêmios como SAG e Globo de Ouro.

Marion Cotillard (Dois Dias, Uma Noite) - photo by outnow.ch

Marion Cotillard (Dois Dias, Uma Noite) – photo by outnow.ch

Apesar de ainda não ter conferido O Ano Mais Violento, novo trabalho da atriz Jessica Chastain, não gostei da sua exclusão para dar lugar à Laura Dern (Livre). Assisti a Livre na última Mostra de Cinema de SP e achei seu papel muito ralo e de importância mais simbólica para a protagonista vivida por Reese Whitherspoon. Havia possibilidade de Rene Russo ser indicada como coadjuvante também, o que me agradaria mais do que Dern, mas a Academia preferiu a formação de dupla indicação para as atrizes de Livre, talvez pelo sucesso de Clube de Compras Dallas do mesmo diretor Jean-Marc Vallée.

Como já citado anteriormente, a inclusão de Bennett Miller foi uma surpresa também, pois depois que ele ganhou o prêmio de Direção no último Festival de Cannes, em maio de 2014, ele pouco frequentou as listas de Melhor Diretor da temporada. Esta é sua segunda indicação ao Oscar – foi indicado por Capote em 2006 – mas como seu filme, Foxcatcher, não foi indicado a Melhor Filme, tem poucas chances de conquistar a estatueta, talvez até menores do que o mais desconhecido norueguês Morten Tyldum, pois O Jogo da Imitação está entre os Melhores Filmes.

Bennett Miller (Foxcatcher)

Bennett Miller (Foxcatcher)

Bacana também lembrar que o documentário sobre o fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado, O Sal da Terra, foi indicado. Dirigido pelo veterano Wim Wenders com a colaboração do filho de Sebastião, Juliano Ribeiro Salgado, o documentário terá forte concorrência com o favorito CitizenFour (sobre Edward Snowden) e A Fotografia Oculta de Vivian Maier.

Wim Wenders com o fotógrafo Sebastião Salgado (photo by outnow.ch)

Wim Wenders com o fotógrafo Sebastião Salgado (photo by outnow.ch)

Não que se trate exatamente de uma surpresa, mas adorei a indicação do argentino Relatos Selvagens como Melhor Filme em Língua Estrangeira. Apesar do franco-favoritismo do polonês Ida e do russo Leviatã, a presença do argentino representa o cinema latino, e muito bem. Para quem ainda não viu, Relatos Selvagens permanece em cartaz em algumas salas aqui em São Paulo. Imperdível. Particularmente, entre os indicados, considero o russo Leviatã o melhor filme por melhor captar o espírito da Rússia atual de Vladimir Putin de forma inteligente.

Também cito aqui a dupla indicação merecida de Alexandre Desplat na categoria de Trilha Musical Original. Ele concorre por O Grande Hotel Budapeste e O Jogo da Imitação. Estas são suas sétima e oitava indicações ao Oscar sem vitória até o momento. Será que finalmente vai chegar a vez de Desplat? A última vez que um compositor foi indicado por dois filmes no mesmo ano foi em 2006, com John Williams concorrendo por Memórias de uma Gueixa e Munique. Ele perdeu para Gustavo Santaolalla por O Segredo de Brokeback Mountain, ou seja, não é garantia de nada…

AUSÊNCIAS

Acho que se fosse para nomear apenas uma ausência marcante, esta seria a de Jake Gyllenhaal por O Abutre. Tudo bem que o filme é sombrio demais para alguns membros votantes da Academia mais conservadores, mas é inegável o esforço do ator para se transformar nesse paparazzi de tragédias. Como atores que perdem peso costumam ser indicados e até ganhar o Oscar (vide Matthew McConaughey ano passado), acreditava-se que Jake iria tirar de letra esta sua segunda indicação. Felizmente, como prêmio de consolo, seu diretor Dan Gilroy, recebeu sua indicação para Melhor Roteiro Original, mas acho muito pouco para um dos filmes mais comentados de 2014.

Jake Gyllenhaal (O Abutre) - photo by outnow.ch

Jake Gyllenhaal (O Abutre) – photo by outnow.ch

A animação Uma Aventura Lego estava ganhando quase todos os prêmios, exceto o Globo de Ouro, que acabou nas mãos de Como Treinar o seu Dragão 2, então era praticamente certeza sua indicação na categoria. Não foi o que aconteceu e o filme ficou apenas com uma indicação para Melhor Canção Original. Para minha alegria e dos amantes do cinema 2D e nipônico, O Conto da Princesa Kaguya conseguiu seu lugar ao sol, comprovando que a categoria tem forte influência internacional desde seu segundo ano, quando A Viagem de Chihiro ganhou o Oscar. Inconformado com a exclusão de Uma Aventura lego, o diretor Phil Lord postou em seu twitter:

A quase total ausência de Selma pode ser considerada uma surpresa, pois apesar de não terem entregue as cópias para os sindicatos, os responsáveis pela campanha não se esqueceram dos membros da Academia. Contudo, há uma polêmica envolvendo erros históricos envolvendo o então presidente Lyndon B. Johnson, que certamente prejudicou a escalada do filme no Oscar. Resultado final: 2 indicações – Filme e Canção Original. Campanha pífia. Sua diretora Ava DuVernay, que tinha chances de ser tornar a primeira mulher negra na categoria, e o ator David Oyelowo foram ignorados no anúncio dos indicados. Acredito que Selma só conseguiu a indicação de Melhor Filme pela força e influência de Oprah Winfrey, que é produtora do longa.

Mal as indicações saíram do forno e já estou vendo algumas manifestações na internet de racismo e falta de diversidade por parte da Academia, como as de Brent Lang (http://variety.com/2015/film/news/oscar-nomination-selma-snub-diversity-1201405804/). Só porque os membros decidiram não votar para a diretora Ava DuVernay, muita gente já acredita que se trata de racismo. Peraí! Vamos com calma. Se até Clint Eastwood, que é um dos melhores diretores da atualidade não está na lista, por que DuVernay não pode ficar de fora também? Eu tinha postado aqui anteriormente que achava que a Academia não perderia a oportunidade de fazer história ao indicar a primeira afro-americana na categoria de Direção, mas se não foi desta vez, e ela manter o bom trabalho, tenho certeza de que ela será reconhecida dentro de poucos anos. O fato de David Oyelowo não estar na lista também não indica racismo; talvez os votantes não gostaram da atuação dele e do sotaque britânico-americanizado dele para viver o líder Martin Luther King. E daí que não houve negros indicados? Não teve nenhum asiático (como o Miyavi por exemplo, por Invencível) e não estou aqui reclamando da minha “cota asiática”. A Academia tem uma história bonita com a raça negra. Como George Clooney ressaltou em seu discurso de agradecimento por Syriana – A Indústria do Petróleo em 2006, a Academia deu o Oscar para Hattie McDaniel por …E o Vento Levou em 1940, quando negros se sentavam nos fundos dos cinemas! Enfim… acho muita tempestade em copo d’água, ainda mais em se tratando de uma Arte, que não enxerga raça, cor, sexo e religião. Aliás, a exclusão de Angelina Jolie (Invencível) como diretora no Oscar caminha na mesma direção. Poxa, é apenas o segundo filme dirigido por ela! Vamos com calma que ela tem muito a evoluir também. Não dá pra ignorar também que Angelina tem muitos críticos como o produtor Scott Rudin que a chamou de “minimamente talentosa” naqueles e-mails vazados da Sony por hackers.

Confira os indicados ao Oscar 2015:

MELHOR FILME
* Sniper Americano (American Sniper)
* Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância) (Birdman)
* Boyhood: Da Infância à Juventude (Boyhood)
* O Grande Hotel Budapeste (The Grand Budapest Hotel)
* O Jogo da Imitação (The Imitation Game)
* Selma (Selma)
* A Teoria de Tudo (The Theory of Everything)
* Whiplash: Em Busca da Perfeição (Whiplash)

MELHOR DIRETOR
* Wes Anderson (O Grande Hotel Budapeste)
* Alejandro González Iñárritu (Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância))
* Richard Linklater (Boyhood: Da Infância à Juventude)
* Bennett Miller (Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo)
* Morten Tyldum (O Jogo da Imitação)

MELHOR ATOR
* Steve Carell (Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo)
* Bradley Cooper (Sniper Americano)
* Benedict Cumberbatch (O Jogo da Imitação)
* Michael Keaton (Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância))
* Eddie Redmayne (A Teoria de Tudo)

MELHOR ATRIZ
* Marion Cotillard (Dois Dias, Uma Noite)
* Felicity Jones (A Teoria de Tudo)
* Julianne Moore (Para Sempre Alice)
* Rosamund Pike (Garota Exemplar)
* Reese Witherspoon (Livre)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
* Robert Duvall (O Juiz)
* Ethan Hawke (Boyhood: Da Infância à Juventude)
* Edward Norton (Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância))
* Mark Ruffalo (Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo)
* J.K. Simmons (Whiplash: Em Busca da Perfeição)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
* Patricia Arquette (Boyhood: Da Infância à Juventude)
* Laura Dern (Livre)
* Keira Knightley (O Jogo da Imitação)
* Emma Stone (Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância))
* Meryl Streep (Caminhos da Floresta)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
* Alejandro González Iñárritu, Nicolás Giacobone, Alexander Dinelaris, Armando Bo (Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância))
* Richard Linklater (Boyhood: Da Infância à Juventude)
* E. Max Frye, Dan Futterman (Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo)
* Wes Anderson, Hugo Guinness (O Grande Hotel Budapeste)
* Dan Gilroy (O Abutre)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
* Jason Hall (Sniper Americano)
* Paul Thomas Anderson (Vício Inerente)
* Graham Moore (O Jogo da Imitação)
* Anthony McCarten (A Teoria de Tudo)
* Damien Chazelle (Whiplash: Em Busca da Perfeição)

MELHOR FOTOGRAFIA
* Emmanuel Lubezki (Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância))
* Robert D. Yeoman (O Grande Hotel Budapeste)
* Lukasz Zal, Ryszard Lenczewski (Ida)
* Dick Pope (Sr. Turner)
* Roger Deakins (Invencível)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
* Adam Stockhausen e Anna Pinnock (O Grande Hotel Budapeste)
* Maria Djurkovic e Tatiana Macdonald (O Jogo da Imitação)
* Nathan Crowley e Gary Fettis (Interestelar)
* Dennis Gassner e Anna Pinnock (Caminhos da Floresta)
* Suzie Davies e Charlotte Watts (Sr. Turner)

MELHOR MONTAGEM
* Joel Cox e Gary D. Roach (Sniper Americano)
* Sandra Adair (Boyhood: Da Infância à Juventude)
* William Goldenberg (O Jogo da Imitação)
* Barney Pilling (O Grande Hotel Budapeste)
* Tom Cross (Whiplash: Em Busca da Perfeição)

MELHOR FIGURINO
* Milena Canonero (O Grande Hotel Budapeste)
* Mark Bridges (Vício Inerente)
* Colleen Atwood (Caminhos da Floresta)
* Anna B. Sheppard (Malévola)
* Jacqueline Durran (Sr. Turner)

MELHOR MAQUIAGEM E CABELO
* Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo
* O Grande Hotel Budapeste
* Guardiões da Galáxia

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
* Alexandre Desplat (O Grande Hotel Budapeste)
* Alexandre Desplat (O Jogo da Imitação)
* Jóhann Jóhannsson (A Teoria de Tudo)
* Gary Yershon (Sr. Turner)
* Hans Zimmer (Interestelar)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
* “Everything is Awesome”, de Shawn Patterson (Uma Aventura Lego)
* “Glory”, de John Stephens e Lonnie Lynn (Selma)
* “Grateful”, de Diane Warren (Beyond the Lights)
* “I’m Not Gonna Miss You”, de Glen Campbell e Julian Raymond (Glen Campbell… I’ll Be Me)
* “Lost Stars”, de Gregg Alexander e Danielle Brisebois (Mesmo Se Nada Der Certo)

MELHOR SOM
* John Reitz, Gregg Rudloff e Walt Martin (Sniper Americano)
* Jon Taylor, Frank A. Montaño e Thomas Varga (Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)
* Gary A. Rizzo, Gregg Landaker e Mark Weingarten (Interestelar)
* Jon Taylor, Frank A. Montaño e David Lee (Invencível)
* Craig Mann, Ben Wilkins e Thomas Curley (Whiplash: Em Busca da Perfeição)

MELHORES EFEITOS SONOROS
* Alan Robert Murray e Bub Asman (Sniper Americano)
* Martin Hernández e Aaron Glascock (Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância))
* Brent Burge e Jason Canovas (O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos)
* Richard King (Interestelar)
* Becky Sullivan e Andrew DeCristofaro (Invencível)

MELHORES EFEITOS VISUAIS
* Capitão América: O Soldado Invernal
* Planeta dos Macacos: O Confronto
* Guardiões da Galáxia
* Interestelar
* X-Men: Dias de um Futuro Esquecido

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
* Ida, de Pawel Pawlikowski (POLÔNIA)
* Leviatã, de Andrey Zvyagintsev (RÚSSIA)
* Tangerines, de Zaza Urushadze (ESTÔNIA)
* Timbuktu, de Abderrahmane Sissako (MAURITÂNIA)
* Relatos Selvagens, de Damián Szifrón (ARGENTINA)

MELHOR ANIMAÇÃO
* Operação Big Hero
* Os Boxtrolls
* Como Treinar o seu Dragão 2
* The Song of the Sea
* O Conto da Princesa Kaguya

MELHOR DOCUMENTÁRIO
* CitizenFour
* A Fotografia Oculta de Vivian Maier
* Last Days in Vietnam
* O Sal da Terra
* Virunga

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA
* Crisis Hotline: Veterans Press 1
* Joanna
* Our Curse
* The Reaper (La Parka)
* White Earth

MELHOR CURTA-METRAGEM
* Aya
* Boogaloo and Graham
* Butter Lamp (La Lampe au Beurre de Yak)
* Parvaneh
* The Phone Call

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
* The Bigger Picture
* The Dam Keeper
* O Banquete (Feast)
* Me and My Moulton
* A Single Life

A cerimônia do Oscar 2015 acontece no dia 22 de fevereiro, com transmissão ao vivo pelo canal pago TNT.

19 Animações disputam 5 indicações no Oscar 2014

Universidade Monstros: vaga cativa no Oscar 2014

Universidade Monstros: vaga cativa no Oscar 2014

“Regrinha número 1: Reserve uma das vagas para a PIXAR.” Foi assim que comecei o post do ano passado sobre o mesmo tópico. A Academia acaba de fazer a pré-seleção das animações que podem ser indicadas para Melhor Animação em 2014. E, como de costume, a PIXAR está na lista e deve figurar entre os cinco finalistas. Se há um ano não acreditei na vitória de Valente (da PIXAR), este ano não vou duvidar de uma possível vitória de Universidade Monstros, ainda mais que não há favoritos na corrida e o Oscar pode querer compensar aquela derrota de Monstros S.A. em 2002 para Shrek. Sem contar as estatísticas: são 7 Oscars para a PIXAR em 12 anos.

E quais as outras quatro animações que podem concorrer? Vamos à lista das 19 produções:

Tá Chovendo Hambúrguer 2 (Cloudy with a Chance of Meatballs 2), de Cody Cameron e Kris Pearn – EUA
Os Croods (The Croods), de Kirk De Micco e Chris Sanders – EUA
Meu Malvado Favorito 2 (Despicable Me 2), de Pierre Coffin e Chris Renaud – EUA
Reino Escondido (Epic), de Chris Wedge – EUA
Ernest & Celestine (Ernest et Célestine), de Stéphane Aubier, Vincent Patar e Benjamin Renner – FRANÇA
The Fake (Saibi), de Sang-ho Yeon – CORÉIA DO SUL
Bons de Bico (Free Birds), de Jimmy Hayward – EUA
Frozen: Uma Aventura Congelante (Frozen), de Chris Buck e Jennifer Lee – EUA
Khumba (Khumba), de Anthony Silverston – ÁFRICA DO SUL
The Legend of Sarila (La Légende de Sarila), de Nancy Florence Savard – CANADÁ
A Letter to Momo (Momo e no tegami), de Hiroyuki Okiura – JAPÃO
Universidade Monstros (Monsters University), de Dan Scanlon – EUA
O Apostolo (O Apóstolo), de Fernando Cortizo – ESPANHA
Aviões (Planes), de Klay Hall – EUA
Puella Magi Madoka Magica the Movie Part III: The Rebellion Story (Gekijôban Mahou Shojo Madoka Magica Shinpen: Hangyaku no Monogatari), de Yukihiro Miyamoto e Akiyuki Shinbo – JAPÃO
Uma História de Amor e Fúria (Rio: 2096 A Story of Love and Fury), de Luiz Bolognesi – BRASIL
Os Smurfs 2 (The Smurfs 2), de Raja Gosnell – EUA
Turbo (Turbo), de David Soren – EUA
The Wind Rises (Kaze Tachinu), de Hayao Miyazaki – JAPÃO

Apesar da predominância de animações norte-americanas (dez), ainda temos trabalhos de outros três continentes. Com muita tradição no gênero, o Japão possui três representantes, mas deve participar oficialmente do Oscar através de The Wind Rises, mais nova obra de arte do mestre Hayao Miyazaki. Seu estilo de animação mais artesanal se tornou um dos poucos redutos da animação bidimensional do cinema mundial, rendendo-lhe prêmios importantes como o Urso de Ouro em Berlim e o próprio Oscar em 2003 com A Viagem de Chihiro. Se sua nomeação se consolidar, esta será sua terceira indicação ao Oscar (concorreu também com O Castelo Animado).

Vale destacar a presença do brasileiro Luiz Bolognesi, já que seu Uma História de Amor e Fúria é a primeira animação nacional a dar importante passo ao Oscar. Até então, o nome brasileiro mais próximo era o de Carlos Saldanha, que co-dirigiu A Era do Gelo 2 e Rio. Embora Bolognesi seja mais conhecido como o roteirista da diretora Laís Bodanzky (Bicho de Sete Cabeças e As Melhores Coisas do Mundo), o cineasta se mostra bastante versátil, pois também já se aventurou no gênero documentário. Uma História de Amor e Fúria foca no romance de um herói imortal e sua amada Janaína por 600 anos, abrangendo a colonização do Brasil, escravidão, regime militar e o futuro de 2096.

Cena de Uma História de Amor e Fúria (photo by www.outnow.ch)

Cena de Uma História de Amor e Fúria: dublagem de Camila Pitanga e Selton Mello (photo by http://www.outnow.ch)

Sem quase nenhuma tradição em animação (até na TV a série animada Peixonauta é algo muito recente), o Cinema brasileiro ainda sofre com precariedade tecnológica, por isso, só o fato desse trabalho ter alcançado o público das salas de cinema já é uma vitória. A pré-seleção do Oscar apenas coroou a trajetória do filme de Luiz Bolognesi. Minha única crítica ficaria a respeito da técnica de movimento. Como os movimentos são mais duros, fica a impressão de que economizaram nos in-betweens. Ademais, os traços dos personagens são compostos por linhas simples, que lembram O Príncipe do Egito (1998), e possui um trabalho de cores que soube explorar as diferentes épocas que a trama se passa. Desejo sorte à animação brasileira, mas vejo poucas chances de classificação.

Apesar do histórico curto da categoria de animação, o Oscar demonstrou que aprecia trabalhos internacionais. Além de França e Japão, recentemente as animações espanhola Chico & Rita e a co-produzida pela Irlanda The Secret of Kells foram indicadas. Portanto, existe forte probabilidade de uma produção estrangeira entrar no páreo (além da japonesa de Miyazaki). Por apresentarem um apelo mais artístico, o francês Ernest & Celestine e a espanhola O Apóstolo largam na frente, com ligeira vantagem para o primeiro, pois conquistou prêmio em Cannes e César.

Traços e cores já comprovam qualidade da animação francesa Ernest & Celestine (photo by www.outnow.ch)

Traços e cores já comprovam qualidade da animação francesa Ernest & Celestine (photo by http://www.outnow.ch)

Entretanto, o espanhol O Apóstolo não fica muito atrás, principalmente por se tratar do único representante que utilizou a técnica stop-motion com marionetes.

Além da técnica de stop motion, O Apóstolo também capricha na fotografia (photo by www.elfilm.com)

Além da técnica de stop motion, O Apóstolo também capricha na fotografia (photo by http://www.elfilm.com)

Este ano, ao contrário dos anos anteriores, não há um diretor mais conhecido com filmografia live-action que esteja se aventurando em animação como Gore Verbinski (Rango) e George Miller (Happy Feet – O Pingüim), mas há nomes previamente indicados na categoria como Chris Wedge (A Era do Gelo), Chris Sanders (Lilo & Stitch), Jennifer Lee (Kung Fu Panda 2) e Chris Buck (Tá Dando Onda), o que deve lhes proporcionar maiores chances.

Por enquanto, minhas apostas para os cinco indicados são:

♣ Os Croods (The Croods), de Kirk De Micco e Chris Sanders
♣ Ernest & Celestine (Ernest et Célestine), de Stéphane Aubier, Vincent Patar e Benjamin Renner
Universidade Monstros (Monsters University), de Dan Scanlon
O Apostolo (O Apóstolo), de Fernando Cortizo
The Wind Rises (Kaze Tachinu), de Hayao Miyazaki

Gostaria muito que três produções estrangeiras estivessem concorrendo pelo Oscar, mas acho um pouco improvável. Os grandes estúdios devem pressionar os membros da Academia a votar em Frozen: Uma Aventura Congelante, Meu Malvado Favorito 2, Turbo e Reino Escondido, utilizando como argumentos a costumeira bilheteria e a audiência da cerimônia do Oscar, enquanto o Cinema como Arte perde espaço no cenário.

Documentário italiano ‘Sacro GRA’ leva o Leão de Ouro 2013

Gianfranco Rosi com o Leão de Ouro (photo by news.geliyoo.com)

Gianfranco Rosi com o Leão de Ouro (photo by news.geliyoo.com)

Após um hiato de 15 anos, uma produção italiana vence o prêmio máximo de Veneza. A última vez que a Itália saiu vencedora em casa foi em 1998, com Assim é que se Ria, de Gianni Amelio, que concorria este ano também por L’Intrepido. Além dessa quebra de tabu, Sacro GRA é o primeiro documentário a vencer o mais tradicional festival do mundo.

Sua vitória foi considerada uma grande surpresa pela mídia internacional, pois trata-se de um filme simples que visa registrar a vida de pessoas que residem ao largo do rodoanel que circunda a cidade de Roma. Porém o retrato dessa realidade se mostrou singelo o suficiente para conquistar o júri. Será mesmo?

O diretor Gianfranco Rosi capta imagens d rodoanel de Sacro GRA (photo by sacrogra.it)

O diretor Gianfranco Rosi capta imagens d rodoanel de Sacro GRA (photo by http://www.sacrogra.it)

Pelas cotações, Philomena, de Stephen Frears, era considerado o grande favorito a conquistar o Leão de Ouro, mas saiu apenas com o prêmio de roteiro. Apesar de ter uma história verídica com elementos emotivos e com humor britânico excepcional, não é bem o tipo de filme que o presidente do júri, Bernardo Bertolucci, curte. Vide seus filmes como O Último Imperador e O Último Tango em Paris. O diretor prefere uma linguagem mais artística, o que levanta a questão da pressão italiana para premiar o documentário conterrâneo.

Contudo, essa preferência de Bertolucci prevaleceu nos demais prêmios. Conquistando o Leão de Prata de Melhor Diretor para Alexandros Avranas, a produção grega Miss Violence se mostra mais ousada ao narrar uma história de suicídio no núcleo de uma família desequilibrada que, aliás, lembra outra família estranha de outra produção grega intitulada Dente Canino (Kynodontas, 2009), que foi indicada ao Oscar de Filme Estrangeiro. Miss Violence também ganhou o Volpi Cup de Melhor Ator para Themis Panou, que interpreta o patriarca da família.

Cena de Miss Violence, de Alexandros Avranas (photo by www.outnow.ch)

Cena de Miss Violence, de Alexandros Avranas (photo by http://www.outnow.ch)

Curiosamente, as produções Jiaoyou (Stray Dogs) e Die Frau des Polizisten (The Police Officer’s Wife), que ganharam o Grande Prêmio do Júri e Prêmio Especial do Júri respectivamente, também dialogam com violência doméstica. Enquanto o primeiro abusa de longos planos-sequência ao estilo de Tsai Ming-Liang, o segundo vai na contramão ao fragmentar seus 175 minutos de duração em 59 (sim, 59!) capítulos da história da mulher que sofre nas mãos do marido policial.

Suposta família feliz na produção alemã Die Frau des Polizisten (The Police Officer’s Wife) (photo by www.outnow.ch)

Suposta família feliz na produção alemã Die Frau des Polizisten (The Police Officer’s Wife) (photo by http://www.outnow.ch)

Outra surpresa foi a vitória da atriz Elena Cotta pelo filme Via Castellana Bandiera, da italiana Emma Dante. Aos 82 anos, a atriz possui larga experiência na TV e se mostrou motivada a continuar sua carreira no cinema. Ela bateu a favoritíssima ao prêmio Volpi Cup de Melhor Atriz, a britânica Judi Dench. Apesar de sua derrota, Dench ainda deve figurar na lista final do Oscar 2014, principalmente por se tratar de um papel mais tenro e orgânico que a Academia costuma celebrar.

Elena Cotta recebe o Volpi Cup (photo by Tiziana Fabi/ AFP)

Elena Cotta recebe o Volpi Cup (photo by Tiziana Fabi/ AFP)

Embora estivessem em maior número na competição oficial, os filmes norte-americanos levaram apenas um prêmio (de consolação) para o jovem ator Tye Sheridan pelo filme Joe, de David Gordon Green. Vale também citar o comentário-pérola de Bernardo Bertolucci na divulgação dos vencedores. Ao comentar o documentário de Errol Morris, The Unknown Known, centrado na figura do Secretário de Defesa do ex-presidente George W. Bush, Donald Rumsfeld, responsável pela invasão ao Iraque em 2003:

“Vendo aquele sorriso permanente no rosto de um responsável por centenas de milhares de mortos, cogitamos dar-lhe o prêmio de melhor ator. Ou talvez de melhor atriz. Mas achamos que não era bem o caso.”

Diretor de Sob a Névoa da Guerra, Errol Morris, não conseguiu o mesmo feito de extrair algumas verdades e erros de Rumsfeld como conseguiu com Robert McNamara, Secretário de Defesa americano em episódios como a Crise dos Mísseis nos anos 60 e a Guerra do Vietnã nos 70. Alguns alegam que ainda não houve distanciamento de tempo suficiente para que Rumsfeld se confessasse num documentário e desse a perder sua reputação. Já outros alegam que ele simplesmente não tem maturidade para assumir erros.

O secretário de Defesa, Donald Rumsfeld, responsável pela invasão ao Iraque, ainda tenta negar sua culpa mesmo após 10 anos (photo by www.outnow.ch)

O Secretário de Defesa, Donald Rumsfeld, responsável pela invasão ao Iraque, ainda tenta negar sua culpa mesmo após 10 anos no documentário The Unknown Known (photo by http://www.outnow.ch)

Pela mídia em geral, a seleção do Festival de Veneza foi considerada “mediana”. Procurei acompanhar as notícias dos jornais a respeito dos filmes e realmente não detectei nenhum destaque ou franco-favorito, mesmo o Philomena de Stephen Frears. Criei uma certa expectativa em torno do futurista The Zero Theorem, de Terry Gilliam, mas não sobrou nenhum prêmio para a produção.

Em meio a esse marasmo, a notícia que mais me deixou estarrecido foi o boato da aposentadoria do mestre da animação Hayao Miyazaki. Concorrendo com Kaze tachinu (The Wind Rises), o diretor japonês teria declarado que este seria seu último filme, e que a aposentadoria seria oficializada em Tóquio ainda este ano. Trata-se de uma péssima notícia para os amantes da animação e do cinema em geral, afinal, Hayao Miyazaki é um dos raros sobreviventes da técnica de animação em 2D num mundo dominado por animações geradas em computador.

Além do 2D ser mais humano por natureza, o cineasta conseguia imprimir alma aos seus personagens, influenciando uma geração inteira de animadores, inclusive muitos que trabalham na Pixar. Por exemplo, seu O Castelo Animado (2005) nitidamente inspirou Up – Altas Aventuras (2009). Sem seus trabalhos, o cinema regride para as mesmices de personagens e universos. Não sei se existe algum problema de saúde, mas espero que mestre Miyazaki volte atrás em sua decisão. Ele ganhou o Oscar e o Urso de Ouro com A Viagem de Chihiro (2001).

Hayao Miyazaki diante do pôster de Ponyo: Uma Amizade que Veio do Mar

Hayao Miyazaki diante do pôster de Ponyo: Uma Amizade que Veio do Mar (photo by blog.animamundi.com.br)

Segue lista dos vencedores de Veneza 2013:

Leão de Ouro: Sacro Gra, de Gianfranco Rosi
Grande Prêmio do Júri: Stray Dogs, de Tsai Ming-Liang
Leão de Prata de Direção: Alexandros Avranas, por Miss Violence
Coppa Volpi de Melhor Ator: Themis Panou, por Miss Violence
Coppa Volpi de Melhor Atriz: Elena Cotta (Via Castellana Bandiera)
Prêmio Marcello Mastroianni de Revelação: Tye Sheridan (Joe)
Roteiro: Steve Coogan e Jeff Pope (Philomena)
Prêmio especial do Júri: Die Frau des Polizisten (The Police Officer’s Wife)
Prêmio Luigi de Laurentiis para filme de estréia: White Shadow, de Noaz Deshe

Mostra paralela Orizzonti

Melhor filme: Eastern Boys, de Robin Campillo
Melhor Diretor: Uberto Pasolini (Still Life)
Prêmio Especial do Júri: Ruin, Michael Cody e Courtin Wilson
Gran Prix: Fish and Cat, de Sharam Mokri

21 Animações inscritas para o Oscar 2013

O diretor Tim Burton trabalhando num dos moldes da animação Franknweenie, provável candidato a favorito ao Oscar 2013 (photo by Enterntainment Weekly)

Inscrições encerradas. O Oscar 2013 já fechou com 21 animações que se tornarão cinco finalistas. Vendo os concorrentes, dá pra fazer uma breve análise de quem tem maiores chances de chegar ao tapete vermelho. Apesar da categoria de Melhor Animação ser a mais nova da premiação com seus 11 aninhos, é possível distinguir um certo padrão nos indicados.

Regrinha número 1: Reserve uma das vagas para a PIXAR. Se lançaram um filme produzido pela Pixar, pode incluí-lo na lista. E os números são impressionantes. Dos dez vencedores do Oscar de animação, a Pixar levou o ouro seis vezes! Concorreu em oito oportunidades e perdeu em apenas duas ocasiões: Em 2002, Monstros S.A. para o imbatível Shrek. E em 2007, Carros foi batido por Happy Feet – O Pinguim. A Pixar só não chegou na reta final em uma única vez, este ano, porque Carros 2 foi nitidamente feito pra ganhar dinheiro e agradar um dos chefes da produtora e diretor do próprio filme: John Lasseter.

Procurando Nemo (2003), de Andrew Stanton. Vencedor pela Pixar em 2004 foi relançado nas salas de cinema este ano no formato 3D.

Em 2013, a Pixar deve voltar a concorrer pelo novo trabalho Valente, de Mark Andrews e Brenda Chapman. Não sei se tentaram ir na onda do sucesso de Como Treinar Seu Dragão, mas a temática viking não fez o sucesso que se esperava. Por se tratar de uma animação com o selo da Pixar, a bilheteria costuma ficar garantida e a vaga no Oscar também, mas deve se tornar a terceira derrota da produtora.

Regrinha número 2: Traga material estrangeiro para a categoria. O segundo Oscar de animação foi para o pioneiro Hayao Miyazaki e seu belíssimo filme A Viagem de Chihiro. Nos anos seguintes, a Academia pegou esse costume de tentar trazer sempre produções internacionais, valorizando a categoria, os artistas responsáveis e a audiência na TV. Além do Japão de Miyazaki, que voltou a concorrer em 2006 com O Castelo Animado, a França se destacou com As Bicicletas de Belleville e O Mágico, ambos de Sylvain Chomet, com Persepolis, de Marjane Satrapi e Vincent Paronnaud, e este ano com o espanhol Chico & Rita, de Tono Errando, Javier Mariscal e Fernando Trueba, e o francês Um Gato em Paris, de Jean-Loup Felicioli e Alain Gagnol.

As Bicicletas de Belleville (2003), de Sylvain Chomet, marcou a estréia da França na categoria. Merecia o Oscar.

Independente dos motivos comerciais e de audiência do Oscar, a presença da diversidade internacional ressalta a qualidade de trabalhos feitos fora do território americano, dominado pela técnica de 3D (animações tridimensionais como as da Pixar). As animações cresceram bastante com o 3D, mas pra mim, o 2D tem muito mais charme.

Regrinha número 3: Não se trata exatamente de um regra, mas uma tendência. Nos últimos anos, alguns diretores de filmes com atores vêm se aventurando no gênero da animação. O primeiro diretor sem tradição com desenho a ganhar o Oscar da categoria foi George Miller com Happy Feet – O Pinguim em 2007. Miller ficou mais conhecido pela trilogia do violento Mad Max, estrelada pelo jovem Mel Gibson. Este ano, o vencedor Rango foi dirigido por Gore Verbinski, cuja filmografia inclui Piratas do Caribe – A Maldição do Pérola Negra e O Chamado.

Quando as pessoas ainda estavam na onda “fofa” dos pinguins de A Marcha dos Pinguins, Happy Feet – O Pinguim (2006), de George Miller, foi o vencedor da categoria por causa de sua alta bilheteria. Mas quem realmente merecia era A Casa Monstro, de Gil Kenan.

Em 2013, Tim Burton pode se juntar a essa tendência. Embora tenha realizado alguns curtas de animação (como o próprio curta Frankenweenie, de 1984, que dá origem ao longa) e o longa Noiva-Cadáver (2005), que lhe rendeu a primeira e única indicação ao Oscar, o diretor ficou bem mais marcado por trabalhos com atores como Edward Mãos-de-Tesoura (1990), Ed Wood (1994) e A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça (1999).

DOS CONCORRENTES DE 2013

Como a Academia fez a pré-seleção com 21 candidatos, isso significa que haverão cinco finalistas. Para que isso aconteça, é necessário o mínimo de 16 produções. Abaixo disso, a categoria teria apenas 3 finalistas.

Obviamente, não conferi todos os 21 filmes, mas dei uma olhada em cada um e cheguei a algumas conclusões. Primeiro, vamos conferir a lista das 21 animações, em ordem alfabética:

Frankenweenie, de Tim Burton: Favorito ao Oscar 2013.

Delhi Safari, de Nikhil Advani (Índia)

Detona Ralph (Wreck-It Ralph), de Rich Moore (EUA)

A Era do Gelo 4 (Ice Age Continental Drift), de Steve Martino e Mike Thurmeier (EUA)

Frankenweenie (Frankenweenie), de Tim Burton (EUA)

From Up on Poppy Hill (Kokuriko-zaka Kara), de Goro Miyazaki (Japão)

O Gato do Rabino (Le Chat du Rabbin), de Antoine Delesvaux e Joann Sfar (França/ Áustria)

Hey Krishna (Krishna Aur Kans), de Vikram Veturi (Índia)

Hotel Transilvânia (Hotel Transylvania), de Genndy Tartakovsky (EUA)

A Liar’s Autobiography: The Untrue Story of Monty Python’s Graham Chapman, de Bill Jones, Jeff Simpson e Ben Timlett (Reino Unido)

O Lorax: Em Busca da Trúfula Perdida (Dr. Seuss’ The Lorax), de Chris Renauld (EUA)

Madagascar 3: Os Procurados (Madagascar 3: Europe’s Most Wanted), de Eric Darnell, Tom McGrath e Conrad Vernon (EUA)

The Mystical Laws (Shinpi no hô), de Isamu Imakake (Japão)

A Origem dos Guardiões (Rise of the Guardians), de Peter Ramsey (EUA)

The Painting (Le Tableau), de Jean-François Laguionie (França)

ParaNorman (ParaNorman), de Chris Butler e Sam Fell (EUA)

Piratas Pirados! (The Pirates! Band of Misfits), de Peter Lord (Reino Unido/ EUA)

Tinker Bell: O Segredo das Fadas (Secret of the Wings), de Roberts Gannaway e Peggy Holmes (EUA)

Valente (Brave), de Mark Andrews e Brenda Chapman (EUA)

Walter & Tandoori’s Christmas (Le Noël de Walter et Tandoori), de Sylvain Viau (Canadá)

Zambezia, de Wayne Thornley (África do Sul)

Zarafa, de Rémi Bezançon e Jean-Christophe Lie (França/ Bélgica)

Piratas Pirados!, de Peter Lord: animação de massinha muito bem representado.

Como realizador, só o fato de ter seu filme lançado numa sala de cinema já seria motivo de orgulho. Imagine então tê-lo nessa lista! Apesar da quantidade de animações lançadas em um ano ser bem inferior ao de filmes com atores (live-action), ainda assim, trata-se de uma seleção oficial da Academia. Contudo, alguns desses trabalhos não devem seguir adiante na classificação como são os casos de Tinker Bell: O Segredo das Fadas e Walter & Tandoori’s Christmas, por se tratarem de filmes mais comuns.

Voltando ao tema da diversidade internacional, acho muito bacana ver uma produção sul-africana na lista. Apesar de Zambezia parecer um clone genérico de Madagascar, vale pelo incentivo aos artistas do continente africano, que têm orçamento bastante reduzido. As animações indianas Delhi Safari e Hey Krishna também não vão muito longe no âmbito visual, mas para quem achava que a Índia só tinha musicais à la Bollywood, aí está a prova de que existe diversidade em todos os países.

Tirando Frankenweenie e Valente, que já são presença certa entre os indicados pelos motivos citados no início do post, não existem mais favoritismos. Porém, por se tratar da única animação feita com massinha, Piratas Pirados! tem boas chances de concorrer. Além de reforçar a diversidade, a Academia já comprovou que gosta dessa técnica de stop-motion ao premiar Wallace & Grommit – A Batalha dos Vegetais, de Steve Box e Nick Park, em 2006.

Detona Ralph pode se tornar uma grata surpresa na lista pelo sucesso de público.

Outro detalhe que faz diferença é a bilheteria da animação. Nesse quesito, Detona Ralph, que conta com vários personagens do universo do video-game, estreou semana passada em primeiro lugar nos EUA, com 49 milhões de dólares. É lógico que os números não se comparam a uma estréia da Pixar, que costuma superar os 100 milhões, mas devemos considerar como um sucesso grande nessa reta final. Vale lembrar que o simpático Hotel Transilvânia está na sua sexta semana em cartaz e já faturou 137 milhões.

Não acredito que a Academia vá compensar com uma indicação as sequências A Era do Gelo 4 e Madagascar 3 – Os Procurados, mas não podemos ignorar que Shrek 2 e Kung Fu Panda 2 já foram finalistas. Isso acabaria abrindo uma bela brecha para que a produção com visual mais caprichado entre na roda: o francês The Painting (Le Tableau), que mexe com pinturas e surrealismo. Por mais que não agrade alguns votantes, é inegável a qualidade estética da animação de Jean-François Laguionie, um veterano que já dirigiu sete curtas e quatro longas. Deve e merece ser indicado. Veja a foto abaixo e tente discordar:

The Painting (Le Tableau): um espetáculo visual que merece maior exposição internacional

Ainda vale citar alguns trabalhos que podem surpreender como o japonês From Up on Poppy Hill, dirigido pelo filho de Hayao Miyazaki, Goro Miyazaki. O Gato do Rabino seria uma segunda opção para a França, caso The Painting não passe, ainda mais que contém elementos da religião judaica, muito forte entre os votantes da Academia. Eu também citaria ParaNorman pelo sucesso que fez em solo americano, mas talvez o fato de ter algumas semelhanças mórbidas com Frankenweenie atrapalhe na seleção.

E pra fechar, gostaria muito de ver o alternativo britânico A Liar’s Autobiography: The Untrue Story of Monty Python’s Graham Chapman entre os indicados. A animação que mistura várias técnicas diferentes como 2D, 3D, pintura e colagem pra contar a história de Graham Chapman, criador do grupo de humor Monty Phyton já vale pela idéia genial. Resta saber se os votantes têm a cabeça aberta para algo mais incomum, pois infelizmente, a maioria ainda acredita que animação é obrigatoriamente material infanto-juvenil. Vamos crescer, né?

A Liar’s Autobiography: The Untrue Story of Monty Python’s Graham Chapman: uma das cenas que contém colagem. Será que cola na Academia?

Então, sem mais delongas, minha lista de palpites ficaria assim: (Seria uma mistura das minhas apostas com o que gostaria de ver na categoria)

Detona Ralph

Frankenweenie

The Painting

Piratas Pirados!

Valente

Valente: aposta certa da Pixar, mas não detém o favoritismo desta vez