ENQUANTO ‘OS 7 DE CHICAGO’ VENCE o EDDIE, ‘MANK’ GANHA o ASC

FILME DE TRIBUNAL GANHA UMA SOBREVIDA NA RETA FINAL PARA O OSCAR

Se existia uma forte tendência de que o filme de Aaron Sorkin saísse de mãos vazias da próxima cerimônia do Oscar, depois da vitória de Melhor Elenco no SAG e agora no Sindicato de Editores, o céu parece menos nebuloso. Alan Baumgarten bateu dois de seus quatro concorrentes ao Oscar: O Som do Silêncio e Nomadland, além de Minari e Mank.

Obviamente, esta vitória é muito importante para a campanha de Os 7 de Chicago, que vinha desacreditado até o mês de Março, mas que agora cresce na última semana antes do Oscar. O prêmio de Montagem pode não ser tão determinante para eleger o vencedor de Melhor Filme como nos anos 70, mas certamente mantém o filme na disputa, ainda mais se levarmos em consideração a relação do Eddie com o Oscar nos últimos 15 anos.

Foram 10 vencedores em comum, mas vale ressaltar que nos últimos 10 anos, foram 5 vencedores em comum, lembrando que no ano passado, a montagem de Parasita levou o Eddie, mas não ganhou o Oscar, mas mesmo assim o filme de Bong Joon Ho levou o Oscar de Melhor Filme.

ANOEDDIE DRAMAEDDIE COMÉDIAOSCAR de MONTAGEM
2021Os 7 de ChicagoPalm Springs?
2020ParasitaJojo RabbitFord vs. Ferrari
2019Bohemian RhapsodyA FavoritaBohemian Rhapsody
2018DunkirkEu, TonyaDunkirk
2017A ChegadaLa La LandAté o Último Homem
2016Mad Max: Estrada da FúriaA Grande ApostaMad Max: Estrada da Fúria
2015BoyhoodO Grande Hotel BudapesteWhiplash
2014Capitão PhillipsTrapaçaGravidade
2013ArgoO Lado Bom da VidaArgo
2012O ArtistaOs DescendentesA Invenção de Hugo Cabret
2011A Rede SocialAlice no País das MaravilhasA Rede Social
2010Guerra ao TerrorSe Beber, Não Case!Guerra ao Terror
2009Quem Quer Ser um Milionário?WALL-EQuem Quer Ser um Milionário?
2008O Ultimato BourneSweeney ToddO Ultimato Bourne
2007BabelDreamgirlsOs Infiltrados
2006Crash: No LimiteJohnny & JuneCrash: No Limite
2005O AviadorRayO Aviador

Até semana passada, o grande favorito desta categoria era O Som do Silêncio, que venceu o BAFTA da categoria. E agora? Seria esta vitória de Os 7 de Chicago mero fogo de palha ou o poderio financeiro da Netflix está fazendo a diferença agora no final da temporada?

Particularmente, teria votado na montagem de Meu Pai, que além de muito eficiente no que se refere a ritmo, proporciona excelentes momentos e valoriza o roteiro de Florian Zeller e Christopher Hampton. Já o trabalho de Baumgarten em Os 7 de Chicago é praticamente resgatar flashbacks dos personagens que estão sendo julgados no tribunal, entregando uma montagem correta e que afasta o filme de um marasmo enorme. Entre Os 7 de Chicago e O Som do Silêncio, prefiro a montagem do último porque apresenta um diferencial que é valorizar o trabalho sonoro, que proporciona uma experiência sensorial ao público.

E devo ressaltar que a derrota da montagem de Bela Vingança na categoria de Comédia ou Musical praticamente sepulta as chances do filme de Emerald Fennell sonhar com algo maior no Oscar. Se ganhasse, poderia haver uma possibilidade (nem que fosse mínima) de levar Melhor Filme. De qualquer forma, a vitória de Palm Springs é merecida por explorar bem a questão do time looping da trama.

Já a vitória de Professor Polvo praticamente sacramenta sua vitória no Oscar de Melhor Documentário. Quero acreditar que não vai levar, mas depois de tantos prêmios importantes e a campanha da Netflix, realmente é quase impossível perder a estatueta. Apesar do relato emotivo da relação do homem com o polvo, não o consideraria entre os melhores documentários do ano, mas muita gente abraçou a ideia do filme e isso impulsionou os votos.

CONFIRA A LISTA DE VENCEDORES DAS CATEGORIAS DE CINEMA DO 71º ACE AWARDS:

MONTAGEM – DRAMA

  • MANK – Kirk Baxter
  • MINARI – Harry Yoon
  • NOMADLAND – Chloé Zhao
  • O SOM DO SILÊNCIO – Mikkel E.G. Nielsen
  • OS 7 DE CHICAGO – Alan Baumgarten

MONTAGEM – COMÉDIA

  • BORAT: FITA DE CINEMA SEGUINTE – James Thomas, Craig Alpert, Mike Giambra
  • EU ME IMPORTO – Mark Eckersley
  • ON THE ROCKS – Sarah Flack
  • PALM SPRINGS – Matthew Friedman, Andrew Dickler
  • BELA VINGANÇA – Frédéric Thoraval

MONTAGEM – ANIMAÇÃO

  • OS CROODS 2: UMA NOVA ERA – James Ryan
  • DOIS IRMÃOS: UMA JORNADA FANTÁSTICA – Catherine Apple
  • A CAMINHO DA LUA – Edie Ichioka
  • SOUL – Kevin Nolting
  • WOLFWALKERS – Darragh Byrne, Richie Cody, Darren Holmes

MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO

  • ATÉ O FIM: A LUTA PELA DEMOCRACIA – Nancy Novack
  • AS MORTES DE DICK JOHNSON – Nels Bangerter
  • THE DISSIDENT – Scott D. Hanson, James Leche, Wyatt Rogowski, Avner Shiloah
  • PROFESSOR POLVO – Pippa Ehrlich, Dan Schwalm
  • O DILEMA DAS REDES – Davis Coombe

MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO (NÃO LANÇADO EM CINEMA)

  • BEASTIE BOYS STORY – Jeff Buchanan, Zoe Schack
  • THE BEE GEES: HOW CAN YOU MEND A BROKEN HEART – Derek Boonstra, Robert A. Martinez
  • THE LAST DANCE – Chad Beck, Devin Concannon, Abhay Sofsky, Ben Sozanski
  • SEDUCED: INSIDE THE NXIVM CULT – Inbal B. Lessner, Alex Jablonski, Gillian McCarthy, Matthew Moul, Chris A. Peterson

_________________________________________________________________________

SINDICATO DE DIRETORES DE FOTOGRAFIA SURPREENDE COM VITÓRIA DE ‘MANK’

Em cerimônia virtual, o American Society of Cinematographers (ASC) resolveu dar uma apimentada na disputa de Melhor Fotografia, concedendo o principal prêmio para Erik Messerschmdit, de MANK, batendo o favorito Joshua James Richards de Nomadland.

Mank foi o primeiro trabalho de Messerschmidt para longa de cinema. Sua parceria com o diretor David Fincher foi tão boa na série de TV Mindhunter, que foi resgatada para esse projeto bem pessoal do diretor, baseado no roteiro do falecido pai dele, Jack Fincher. Vendo o filme pela tela do notebook, a fotografia em preto-e-branco de Mank passa um pouco mais desapercebida, pois é um trabalho mais minucioso, que se alinha bem com os efeitos visuais, mas não chega a encher os olhos como a de Nomadland, que explora o cenário de belezas naturais americanas.

Apesar da vitória, não acreditamos que Mank vá surpreender no Oscar da categoria, ainda mais se o Oscar de Fotografia for uma base para a vitória de Melhor Filme para Nomadland, mas tudo é possível, ainda mais se considerarmos a tabela abaixo dos últimos 5 anos, em que houve apenas três vencedores em comum: as duas vitórias de Roger Deakins por Blade Runner 2049 e 1917, e a de Emmanuel Lubezki por O Regresso.

ANOASCOSCAR
202019171917
2019Guerra FriaRoma
2018Blade Runner 2049Blade Runner 2049
2017Lion: Uma Jornada Para CasaLa La Land
2016O RegressoO Regresso

Nas demais categorias, que não interferem no Oscar pois não estão entre os indicados, o filme francês Nós Duas levou o prêmio Spotlight para filmes de menor projeção e/ou independentes, e The Truffle Hunters levou a Melhor Fotografia de Documentário.

Confira os VENCEDORES (em negrito) DO 35º ASC:

FOTOGRAFIA – CINEMA

  • Erik Messerschmidt (Mank)
  • Phedon Papamichael (Os 7 de Chicago)
  • Joshua James Richards (Nomadland)
  • Newton Thomas Sigel (Cherry)
  • Dariusz Wolski (Relatos do Mundo)

PRÊMIO SPOTLIGHT

  • Katelin Arizmendi (Swallow)
  • Aurélien Marra (Nós Duas)
  • Andrey Naidenov (Dear Comrades!)

FOTOGRAFIA – DOCUMENTÁRIO

  • Viktor Kosakovskiy, Egil Håskjold Larsen (Gunda)
  • Gianfranco Rosi (Notturno)
  • Michael Dweck, Gregory Kershaw (The Truffle Hunters)

Com ‘NOMADLAND’, CHLOÉ ZHAO se torna 2ª MULHER a VENCER o DGA

VENCEDORA DE QUASE TODOS OS PRÊMIOS DA TEMPORADA, CHINESA CONFIRMA FAVORITISMO AO OSCAR

A cerimônia virtual da 73ª edição do prêmio do Sindicato de Diretores (DGA) aconteceu neste sábado (10) e já praticamente sacramentou a vitória de Chloé Zhao no Oscar ao vencer MELHOR DIREÇÃO. É claro que nada está realmente garantido, afinal o DGA também tem suas raras diferenças com a Academia, como no ano passado em que Sam Mendes ganhou no Sindicato e viu Bong Joon Ho levar o Oscar, mas estamos falando de uma campanha irretocavelmente vitoriosa da cineasta chinesa, e que ainda conta com o fator diversidade que tanto a Academia está em busca.

Como muitos já sabem, Zhao tem tudo para se tornar a 2ª mulher a ganhar o Oscar de Direção após Kathryn Bigelow em 2010, e claro, a 1ª asiática. Particularmente, apoiamos cada vez mais a inclusão de cineastas mulheres nesta categoria que já foi predominantemente masculina por várias décadas. E não apenas por diversidade, mas também pela visão diferente que elas podem oferecer aos filmes.

Ajuda ainda mais o fato de Chloé Zhao ser uma figura bastante humilde e carismática. Ao aceitar o prêmio através do Zoom, ela dirigiu um elogio a cada um de seus colegas de profissão. Para Emerald Fennell, ela disse: “Você tem um controle absurdo do seu ofício, e com um voz tão única. Mal posso esperar para ver qual a próxima jornada instigante que você nos levará.” Para Lee Isaac Chung: Seu filme “me tocou num nível muito pessoal.” Após chamar Aaron Sorkin de “poeta”, ela acrescentou: “Pude sentir meu coração pulsar quando eu assisti ao seu filme.” E Zhao classificou todos os filmes de David Fincher como uma “master class,” e ainda soltou um “E você também é super engraçado, acabei de descobrir!”

Já na categoria de DIRETOR ESTREANTE, houve uma pequena surpresa. Havia uma expectativa de que Regina King levaria esse prêmio de consolação por não ter conseguido uma indicação ao Oscar por Uma Noite em Miami, mas foi Darius Marder que levou esse reconhecimento por O Som do Silêncio. No agradecimento, ele expressou o desejo de encontrar seus colegas indicados assim que a pandemia acabar: “Eu os saúdo com um copo plástico do hotel.” Com certeza é um grande passo na carreira de Marder, que até então era conhecido apenas por ser roteirista do filme O Lugar Onde Tudo Termina (2012), de Derek Cianfrance. No filme, ele oferece ao público a traumática experiência do baterista Ruben quando ele perde sua audição, retirando e distorcendo o som do próprio filme.

Não querendo jogar água no chopp de Marder, que merecia o prêmio, nosso voto teria sido para Florian Zeller, que realizou uma fantástica adaptação de uma peça teatral (algo que costuma ser monótono e limitado no cinema) para o cinema. Meu Pai acompanha a decadência do octogenário Anthony que sofre de demência e vai se esquecendo de tudo gradativamente. Com um uso inteligente da montagem, fotografia e direção de arte, o jovem diretor nos transmite o desespero dessa situação do início ao fim, e dirigiu seus atores (especialmente Anthony Hopkins) de forma brilhante, concisa e que foge dos estereótipos.

Para MELHOR DIREÇÃO DE DOCUMENTÁRIO, a dupla Michael Dweck e Gregory Kershaw levou por The Truffle Hunters, que acompanha um grupo de idosos italianos na caça às trufas, que são frutas do gênero dos fungos que são encontradas debaixo da terra próximas às raízes de algumas árvores como o carvalho e salgueiro. “Fizemos este filme porque nos deparamos com um mundo que parecia um conto de fadas, e queríamos traduzir isso de uma forma cinematográfica. Queríamos celebrar a alegria e a beleza que ainda existem neste mundo”, defendeu Kershaw. Pena que o documentário sequer foi indicado ao Oscar, mas não custa lembrar que estamos numa temporada bastante competitiva no gênero.

Nas categorias televisivas, Homeland e The Flight Attendant levaram os prêmios de Série Dramática e de Comédia, respectivamente, enquanto a mega-sucesso The Queen’s Gambit levou o prêmio de Direção de Minissérie.

VENCEDORES DO DGA AWARDS:

DIREÇÃO
Chloé Zhao (Nomadland)

DIREÇÃO ESTREANTE
Darius Marder (O Som do Silêncio)

DIREÇÃO DE DOCUMENTÁRIO
Michael Dweck, Gregory Kershaw (The Truffle Hunters)

DIREÇÃO DE SÉRIE DRAMÁTICA
Leslie Linka Glatter (Homeland), episódio: “Prisoners of War”

DIREÇÃO DE SÉRIE DE COMÉDIA
Susanna Fogel (The Flight Attendant), episódio: “In Case of Emergency”

DIREÇÃO DE MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Scott Frank (The Queen’s Gambit)

DIREÇÃO DE PROGRAMA DE VARIEDADES/TALK SHOW/ESPORTES – ESPECIAIS
Thomas Schlamme (A West Wing Special to Benefit When We All Vote)

DIREÇÃO DE PROGRAMA DE VARIEDADES/TALK SHOW/ESPORTES – REGULARES
Don Roy King (Saturday Night Live) episódio: “Dave Chappelle, Foo Fighters”

DIREÇÃO DE REALITY SHOW
Joseph Guidry (Full Bloom) episódio: “Petal to the Metal”

DIREÇÃO DE PROGRAMA INFANTIL 
Amy Schatz (We Are the Dream: The Kids of the Oakland MILK Oratorical Fest)

DIREÇÃO DE COMERCIAL
Melina Matsoukas (Prettybird)

________________________________________________________________________________________________________________

INDICADOS AO OSCAR DE DESIGN DE PRODUÇÃO, MANK E TENET SÃO RECONHECIDOS NO ADG

Em cerimônia híbrida, o Sindicato de Diretores de Arte (ADG) premiou suas quatro categorias de Cinema. O Oscar de Design de Produção costuma premiar filmes de época em que esse trabalho é mais vistoso, portanto a vitória da reconstrução da Hollywood dos anos 30/40 de Mank já larga na frente pela estatueta, e deve retirar a forte possibilidade do filme de David Fincher sair de mãos vazias da cerimônia do Oscar. Claro que existem chances para os demais concorrentes A Voz Suprema do Blues e Mulan, mas se tornam definitivamente menores após essa vitória de Mank.

De vez em quando, trabalhos de filmes de fantasia e ficção científica levam o Oscar. Só pra citar exemplos recentes: A Forma da Água e Pantera Negra, portanto a vitória de Tenet ainda o credencia para estragar a festa de Mank. Mas ao contrário dos filmes anteriores de Christopher Nolan, este não teve o mesmo prestígio entre a crítica e o público.

Dentre os indicados na categoria de Animação, embora Soul realmente tenha feito uma direção de arte muito bonita e competente, adoraríamos que Wolfwalkers tivesse levado esse prêmio. Só aquela belíssima floresta com habitada por lobos com árvores retorcidas merecia esse reconhecimento, sem falar na palheta de cores de encher os olhos. Nessa altura do campeonato, fica difícil o filme menor surpreender no Oscar contra a gigante Disney/Pixar, mas estaremos torcendo até o final na categoria de Longa de Animação.

Filme de Época

Donald Graham Burt (Mank)

Fantasia

Nathan Crowley (Tenet)

Filme Contemporâneo

Wynn Thomas (Destacamento Blood)

Animação

Steve Pilcher (Soul)

‘BORAT’ e ‘BELA VINGANÇA’ VENCEM o PRÊMIO do SINDICATO de ROTEIRISTAS

SEQUÊNCIA DE COMÉDIA SUPERA UMA NOITE EM MIAMI E A VOZ SUPREMA DO BLUES

A 73ª edição do Writers Guild of America aconteceu neste último domingo (21) numa cerimônia virtual e mais curta apresentada por Kal Penn. Embora tenha sua importância no extenso calendário de premiações, este prêmio apresenta inúmeras ressalvas quando se trata de previsão do Oscar.

Décadas atrás, o WGA apontava com bastante precisão quais roteiros iriam vencer o Oscar nas categorias de Roteiro Original e Roteiro Adaptado selecionando os mesmos filmes, mas nos últimos anos, devido ao seu regulamento altamente restritivo, o prêmio tem se tornado cada vez mais ultrapassado. Uma de suas regras é proibir a participação de filmes em língua estrangeira, o que inviabiliza a ascensão de filmes globais como o oscarizado Parasita, e este ano, Minari.

Mas talvez a regra que mais prejudica a projeção do WGA seja a obrigatoriedade dos roteiristas serem filiados ao sindicato. Outros prêmios de sindicato indicam e premiam mesmo aqueles que não são filiados, mas o de Roteiristas tenta ser bem mais protetivo, mas acaba causando o efeito contrário. Este ano, Chloé Zhao, que adaptou o livro para o road movie Nomadland, não pôde concorrer por não ser um membro do sindicato, mas mesmo com a vitória de Borat no WGA, ainda tem as melhores chances de conquistar o Oscar. Aí perguntamos: “Será que essa regra tem mais aumentado ou diminuído o número de filiados nos últimos anos?”

Apesar de ter sido indicado ao Oscar de Roteiro Adaptado, a vitória de Borat: Fita de Cinema Seguinte foi surpreendente, já que havia concorrentes de peso como A Voz Suprema do Blues, Relatos do Mundo, O Tigre Branco e principalmente Uma Noite em Miami, que parecia o favorito. No Oscar, a história tende a ser diferente, pois o roteiro da comédia de Sacha Baron Cohen enfrenta o roteiro de Meu Pai e do já citado Nomadland. Em seu discurso, Cohen agradeceu sua equipe composto por mais oito escritores e ao político e aliado de Trump: “Rudolph Giuliani, who did everything we hoped for”. (Rudolph Giuliani, que fez tudo o que esperávamos).

Vencedora na categoria de Roteiro Original, Emerald Fennell fez o típico discurso que é tão benéfico para o WGA que parece encomendado: “It’s such a big deal to me that I’m a member of this organization.” (É de extrema importância pra mim que eu seja membro desta organização). Mas claro, ela está fazendo o jogo estratégico para encaminhar a estatueta do Oscar de Roteiro Original por Bela Vingança, porque suas chances na Direção são irrisórias diante do extremo favoritismo de Chloé Zhao. E com isso, o segundo Oscar para Aaron Sorkin (Os 7 de Chicago) tem se tornado cada vez mais distante de acontecer, felizmente, porque em pouco tempo será um filme esquecido.

Mais uma vez, nenhum dos indicados na categoria de Roteiro de Documentário vingou no Oscar, tornando irrelevante o vencedor da categoria.

CONFIRA LISTA DOS VENCEDORES DO WGA:

ROTEIRO ORIGINAL
Emerald Fennell (Bela Vingança)

ROTEIRO ADAPTADO
Sacha Baron Cohen, Anthony Hines, Dan Swimer, Peter Baynham, Erica Rivinoja, Dan Mazer, Jena Friedman, Lee Kern, Nina Pedrad (Borat: Fita de Cinema Seguinte)

ROTEIRO DE DOCUMENTÁRIO
Mark Monroe e Bryan Fogel (The Dissident)

Veja tabela comparativa do WGA em relação ao Oscar nos últimos 10 anos (vencedores que coincidiram em negrito)

ANOWGA ORIGINALOSCAR ORIGINALWGA ADAPTADOOSCAR ADAPTADO
2020ParasitaParasitaJojo RabbitJojo Rabbit
2019Oitava SérieGreen BookPoderia Me Perdoar?Infiltrado na Klan
2018Corra!Corra!Me Chame Pelo seu NomeMe Chame Pelo seu Nome
2017MoonlightManchester à Beira-MarA ChegadaMoonlight
2016SpotlightSpotlightA Grande ApostaA Grande Aposta
2015O Grande Hotel BudapesteBirdmanO Jogo da ImitaçãoO Jogo da Imitação
2014ElaElaCapitão Phillips12 Anos de Escravidão
2013A Hora Mais EscuraDjango LivreArgoArgo
2012Meia-Noite em ParisMeia-Noite em ParisOs DescendentesOs Descendentes
2011A OrigemO Discurso do ReiA Rede SocialA Rede Social

A 93ª cerimônia do Oscar será no dia 25 de Abril, com transmissão da TNT.

‘MANK’ LIDERA INDICAÇÕES ao OSCAR 2021. THOMAS VINTERBERG e LAKEITH STANFIELD são as GRANDES SURPRESAS

PELA PRIMEIRA VEZ, DUAS DIRETORAS SÃO INDICADAS EM MESMA EDIÇÃO

O anúncio dos indicados ao Oscar estava previamente agendado para às 10h19, horário de Brasília, mas com a entrada do horário de verão nos EUA, o evento ao vivo foi antecipado para às 9h19. Muitos canais online que queriam cobrir o anúncio em lives também sofreram com essa mudança de última hora. Conforme combinado, o casal Priyanka Chopra e Nick Jonas dividiram essa responsabilidade em duas partes. Ela ficou bastante feliz pela indicação a Melhor Roteiro Original para o filme O Tigre Branco, no qual estrela ao lado de Adarsh Gourav. Poderiam ter caprichado um pouco mais na arte e inserido fotos dos filmes e atores indicados, mas preferiram apenas o texto. Confira o anúncio em vídeo do YouTube abaixo:

NÚMEROS DO OSCAR

Como previsto, Mank foi o filme que mais acumulou indicações nesta 93ª edição do Oscar, com 10. Com 6 indicações cada, seis filmes empataram: MEU PAI, JUDAS E O MESSIAS NEGRO, MINARI, NOMADLAND, O SOM DO SILÊNCIO e OS 7 DE CHICAGO. Todos os filmes acima foram indicados a Melhor Filme ao lado de BELA VINGANÇA que recebeu 5 indicações.

Num ano marcado pela pandemia, a NETFLIX foi a recordista pelo segundo ano consecutivo com 35 indicações. Em 2020, a companhia de streaming havia acumulado 24 indicações.

Esta foi a última vez que a categoria de MELHOR FILME terá número de indicados flexível dependendo do número de votos. Foi combinado que a partir da próxima edição, teremos sempre DEZ filmes indicados a Melhor Filme, como foi em 2010 e 2011. O objetivo é aumentar a visibilidade de mais filmes que tragam maior diversidade ao Oscar (e por que não audiência?). Este ano, tivemos oito indicados, e tivemos ausência de três indicados ao PGA: Borat: Fita de Cinema Seguinte, A Voz Suprema do Blues e Uma Noite em Miami.

HISTÓRICOS

Depois de 93 anos, finalmente temos duas diretoras indicadas na categoria de DIREÇÃO: Emerald Fennell por Bela Vingança e CHLOÉ ZHAO por Nomadland. Elas se tornaram apenas a SEXTA e SÉTIMA mulheres indicadas nesta categoria. Enquanto Zhao se tornou a primeira diretora não-branca indicada e foi a primeira mulher a receber 4 indicações (Filme, Direção, Roteiro Adaptado e Montagem), Fennell foi a terceira mulher a acumular 3 indicações (Filme, Direção e Roteiro Original). Havia a possibilidade de Regina King também integrar essa acirrada competição por Uma Noite em Miami, mas sua possível vaga foi “roubada” pelo dinamarquês THOMAS VINTERBERG por Druk – Mais uma Rodada.

Pela primeira vez, tivemos NOVE ATORES NÃO-BRANCOS indicados nas 4 categorias: Chadwick Boseman, Riz Ahmed (primeiro descendente de Paquistanês indicado), Steven Yeun e Yuh-Jung Youn (primeiros atores sul-coreanos), Andra Day, Viola Davis, Daniel Kaluuya, LaKeith Stanfield e Leslie Odom Jr.

CHADWICK BOSEMAN se tornou apenas o sétimo ator a receber indicação póstuma. O jovem ator, que faleceu em Agosto de 2020 aos 43 anos, junta-se a nomes consagrados como James Dean (Vidas Amargas e Assim Caminha a Humanidade) e os vencedores do Oscar Peter Finch (Rede de Intrigas) e Heath Ledger (Batman – O Cavaleiro das Trevas). Ele é o primeiro ator negro a ser indicado postumamente.

SURPRESAS E AUSÊNCIAS

Talvez a maior surpresa desta edição tenha sido a indicação de LaKeith Stanfield. Se ele fosse indicado para Melhor Ator já seria uma surpresa, mas como foi indicado a Ator Coadjuvante, foi um CHOQUE! Mais uma vez vemos aquela manipulação entre as categorias de atuação, mas de forma mais descarada aqui, afinal, se Stanfield e Kaluuya são Coadjuvantes, quem é o protagonista em Judas e o Messias Negro??

A segunda maior surpresa foi a de Thomas Vinterberg na Melhor Direção. Embora ele tivesse sido recentemente indicado ao BAFTA, poucos previram outra indicação a não ser na categoria de Filme Internacional pela Dinamarca. Havia uma chance mínima também para uma indicação de Melhor Ator para Mads Mikkelsen, mas a disputa estava acirradíssima. Num ano conturbado, com Minari levando vários prêmios de Filme em Língua Estrangeira, mas não podendo concorrer ao Oscar da categoria por ser uma produção americana, e Bacurau excluído por ter competido em 2020, Druk – Mais uma Rodada foi se firmando como favorito.

Ainda sobre a categoria de Filme Internacional, embora imprevisível este ano, podemos considerar surpresas as indicações do filme de Hong Kong, Better Days, e da Tunísia, The Man Who Sold His Skin. Havia uma expectativa de indicações para o filme La Llorona, da Guatemala, Nós Duas, da França, e até A Sun, de Taiwan. Romênia e Tunísia comemoram suas primeiras indicações ao Oscar.

Voltando às categorias de atuação, e GLENN CLOSE? Ela se tornou a terceira pessoa a ter a mesma performance indicada para o Oscar e para o Framboesa de Ouro! Se ganhar o Oscar, torna-se a primeira a conquistar esse feito. E se perder, será sua oitava derrota sem nenhuma vitória. Pra sorte dela, não existe uma franco-favorita na categoria (Yuh-Jung Youn é a mais cotada), então pode ser que ela ganhe, mas será aquela vitória com bastante ressalva por causa do Framboesa. E se perder, será a atriz recordista de indicações sem vitória, igualando o recorde histórico do já falecido Peter O’Toole.

Depois de muita pressão por não terem indicado SONG KANG HO ano passado por Parasita, STEVEN YEUN se torna o primeiro ator sul-coreano indicado ao Oscar por Minari. Quando se fala sobre #OscarsSoWhite, é mais comum discutirmos a ausência de atores negros, então ficamos contentes com a inclusão de dois atores asiáticos numa só edição, já que YUH-JUNG YOUN também foi reconhecida na categoria de Atriz Coadjuvante. Ela tem tudo para representar Minari no palco, pois a disputa entre as atrizes está bastante confusa ainda. Aliás, o SAG que será no próximo dia 04 de Abril, deve esclarecer melhor as reais chances dos atores até o final da temporada.

Com uma boa safra de performances, muitos atores acabaram sendo esnobados, mas felizmente nenhuma dessas ausências pode ser considerada um absurdo ou um ultraje. Melhor Ator: Delroy Lindo (Destacamento Blood) e Tahar Rahim (The Mauritanian); Melhor Atriz: Amy Adams (Era uma Vez um Sonho), Sophia Loren (Rosa e Momo) e Zendaya (Malcolm & Marie); Melhor Ator Coadjuvante: Chadwick Boseman (Destacamento Blood), Alan Kim (Minari), Bill Murray (On the Rocks) e Jared Leto (Os Pequenos Vestígios); Melhor Atriz Coadjuvante: Jodie Foster (The Mauritanian), Helena Zengel (Relatos do Mundo) e Dominique Fishback (Judas e o Messias Negro). Desses acima, gostaríamos de ter visto indicações para Tahar Rahim que está fantástico em The Mauritanian, e para Alan Kim, que conquista o coração de todos em Minari. Já das atuações que foram esnobadas por todos, mas adoraríamos ver aqui é a de Elisabeth Moss em O Homem Invisível, que também merecia indicação pelos efeitos visuais.

Dentre outras boas surpresas, destacamos a dupla indicação do filme romeno COLLECTIVE para DOCUMENTÁRIO e FILME INTERNACIONAL, repetindo o raro feito de Honeyland na última edição, que saiu sem nenhuma estatueta. A categoria de Documentário está bem representada também por AGENTE DUPLO, CRIP CAMP, TIME e PROFESSOR POLVO. Na categoria de Longa de Animação, gostamos da entrada do simpático trabalho de stop motion SHAUN, O CARNEIRO: O FILME – A FAZENDA CONTRA-ATACA, mas esperávamos que ele tomasse o lugar do fraco A CAMINHO DA LUA, para que a sequência Croods 2: Uma Nova Era fosse indicada.

Comemoramos duas ausências que indicam uma queda nas chances de Melhor Filme. A primeira para JACK FINCHER pelo roteiro de MANK. O filme de David Fincher pode ser perfeito em muitos aspectos técnicos, principalmente Fotografia e Som, mas seu roteiro, escrito décadas atrás, não chega a empolgar para um filme de bastidores de Hollywood e de Cidadão Kane. E a segunda seria a de AARON SORKIN na categoria de DIREÇÃO por OS 7 DE CHICAGO. Sorkin ainda precisa comer muito arroz e feijão para se tornar um bom diretor, então ficamos felizes por sua substituição na categoria. Ambas as ausências enfraquecem as campanhas dos filmes para ganhar o Oscar de Melhor Filme, afinal, indicações para direção e roteiro costumam ser essenciais para levar o prêmio principal da noite.

CONFIRA TODOS OS INDICADOS AO 93º ACADEMY AWARDS:

FILME
Meu Pai (The Father)
Judas e o Messias Negro (Judas and the Black Messiah)
Mank (Mank)
Minari (Minari)
Nomadland (Nomadland)
Bela Vingança (Promising Young Woman)
O Som do Silêncio (Sound of Metal)
Os 7 de Chicago (The Trial of the Chicago 7)

DIREÇÃO
* Thomas Vinterberg (Druk – Mais uma Rodada)
* David Fincher (Mank)
* Lee Isaac Chung (Minari)
* Emerald Fennell (Bela Vingança)
Chloé Zhao (Nomadland)

ATOR
*
Riz Ahmed (O Som do Silêncio)
* Chadwick Boseman (A Voz Suprema do Blues)
* Anthony Hopkins (Meu Pai)
* Gary Oldman (Mank)
* Steven Yeun (Minari)

ATRIZ
* Viola Davis (A Voz Suprema do Blues)
* Andra Day (Estados Unidos vs. Billie Holiday)
* Vanessa Kirby (Pieces of a Woman)
* Frances McDormand (Nomadland)
* Carey Mulligan (Bela Vingança)

ATOR COADJUVANTE
* Sacha Baron Cohen
(Os 7 de Chicago)
* Daniel Kaluuya (Judas e o Messias Negro)
* Leslie Odom Jr. (Uma Noite em Miami)
* Paul Raci (O Som do Silêncio)
* LaKeith Stanfield (Judas e o Messias Negro)

ATRIZ COADJUVANTE
* Maria Bakalova
(Borat: Fita de Cinema Seguinte)
* Glenn Close (Era uma Vez um Sonho)
* Olivia Colman (Meu Pai)
* Amanda Seyfried (Mank)
* Yuh-Jung Youn (Minari)

ROTEIRO ORIGINAL
* Judas e o Messias Negro – Will Berson, Shaka King, Keith Lucas, Kenneth Lucas 
Minari – Lee Isaac Chung 
* Bela Vingança – Emerald Fennell
O Som do Silêncio – Abraham Marder, Darius Marder, Derek Cianfrance 
Os 7 de Chicago – Aaron Sorkin

ROTEIRO ADAPTADO
*
Borat: Fita de Cinema Seguinte – Peter Baynham, Sacha Baron Cohen, Jena Friedman, Anthony Hines, Lee Kern, Dan Mazer, Nina Pedrad, Erica Rivinoja, Dan Swimer 
Meu Pai – Christopher Hampton, Florian Zeller
Nomadland – Chloé Zhao
Uma Noite em Miami – Kemp Powers 
O Tigre Branco – Ramin Bahrani

FOTOGRAFIA
Judas e o Messias Negro – Sean Bobbitt
Mank – Erik Messerschmidt
Relatos do Mundo – Dariusz Wolski
Nomadland – Joshua James Richardson
Os 7 de Chicago – Phedon Papamichael

MONTAGEM
Meu Pai – Yorgos Lamprinos
* Nomadland – Chloé Zhao 
* Bela Vingança – Frédéric Thoraval 
* O Som do Silêncio – Mikkel E.G. Nielsen
* Os 7 de Chicago – Alan Baumgarten

DESENHO DE PRODUÇÃO
Meu Pai – Peter Francis, Cathy Featherstone
A Voz Suprema do Blues – Mark Ricker, Karen O’Hara, Diana Stoughton 
Mank – Donald Graham Burt, Jan Pascale
Relatos do Mundo – David Crank, Elizabeth Keenan
* Tenet – Nathan Crowley, Kathy Lucas

FIGURINO
*
Emma. – Alexandra Byrne
A Voz Suprema do Blues – Ann Roth
Mank – Trish Summerville
Mulan – Bina Daigeler
Pinóquio – Massimo Cantini Parrini

MAQUIAGEM E PENTEADO
* Emma. – Marese Langan
* Era uma Vez um Sonho – Eryn Krueger Mekash, Patricia Dehaney, Matthew Mungle 
A Voz Suprema do Blues – Matiki Anoff, Mia Neal, Larry M. Cherry
* Mank – Kimberley Spiteri, Gigi Williams 
* Pinóquio – Dalia Colli, Anna Kieber, Sebastian Lochmann, Stephen Murphy 

TRILHA MUSICAL ORIGINAL
Destacamento Blood – Terence Blanchard
* Mank – Trent Reznor, Atticus Ross
Minari – Emile Mosseri
Relatos do Mundo – James Newton Howard
Soul – Trent Reznor, Atticus Ross, Jon Batiste

CANÇÃO ORIGINAL
* “Fight for You” – JUDAS E O MESSIAS NEGRO
Música por H.E.R. and Dernst Emile II; Letra por H.E.R. e Tiara Thomas
* “Hear my Voice” – OS 7DE CHICAGO
Música por Daniel Pemberton; Letra por Daniel Pemberton e Celeste Waite
* “Husavik” – FESTIVAL EUROVISION DA CANÇÃO: A SAGA DE SIGRIT E LARS
Música e letra por Savan Kotecha, Fat Max Gsus e Rickard Göransson
* “Io Sì (SeEn)” – ROSA E MOMO
Música por Diane Warren; Letra por Diane Warren e Laura Pausini
* “Speak Now” – UMA NOITE EM MIAMI…
Música e letra por Leslie Odom, Jr. e Sam Ashworth

SOM
Greyhound: Na Mira do Inimigo – Odin Benitez, Jason King, Christian P. Minkler, Michael Minkler, Jeff Sawyer
Mank – Ren Klyce, Jeremy Molod, David Parker, Nathan Nance, Drew Kunin 
Relatos do Mundo – John Pritchett, Mike Prestwood Smith, William Miller, Oliver Tarney, Michael Fentum
Soul – Coya Elliott, Ren Klyce, David Parker, Vince Caro
* O Som do Silêncio – Phillip Bladh, Nicolas Becker, Jaime Baksht, Michelle Couttolenc, Carlos Cortés, Carolina Santana

EFEITOS VISUAIS
* PROBLEMAS MONSTRUOSOS
*
O Céu da Meia-Noite – Matt Kasmir, Chris Lawrence, Dave Watkins, Max Solomon 
Mulan – Sean Faden, Anders Langlands, Seth Maury, Steve Ingram
O Grande Ivan – Nick Davis, Greg Fisher, Ben Jones, Santiago Colomo Martinez 
Tenet – Andrew Jackson, Andrew Lockley, Scott R. Fisher, Mike Chambers 

LONGA DE ANIMAÇÃO
* Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica
* A Caminho da Lua
* SHAUN, O CARNEIRO: O FILME – A FAZENDA CONTRA-ATACA
* Soul
* Wolfwalkers

DOCUMENTÁRIO
* Collective
* Crip Camp: REVOLUÇÃO PELA INCLUSÃ
O
* Agente Duplo
* Professor Polvo
* Time

FILME INTERNACIONAL
Druk – Mais uma Rodada – Dinamarca
Better Days – Hong Kong
Collective – Romênia
The Man Who Sold his Skin – Tunísia
Quo Vadis, Aida? – Bósnia e Herzegovina

CURTA-METRAGEM
* Feeling Through
* The Letter Room
* The Present
* Two Distant Strangers
* White Eye

CURTA DE ANIMAÇÃO
* Burrow
* Genius Loci
* Se Algo Acontecer… Te Amo
* Opera
* Yes-People

DOCUMENTÁRIO-CURTA
* Colette
* A Concerto is a Conversation
* Do Not Split
* Hunger Ward
* UMA CANÇÃO PARA Latasha

____________________________________________________________________________________
A 93ª cerimônia do Oscar está marcada para o dia 25 de Abril.

‘NOMADLAND’ e ‘ROCKS’ LIDERAM as INDICAÇÕES ao BAFTA 2021

APÓS ESCÂNDALO DO #BAFTASOWHITE EM 2020, ACADEMIA BRITÂNICA SURPREENDE EM INÚMERAS CATEGORIAS

Quando não tivemos nenhuma diretora indicada ou nenhum ator ou atriz negros indicados na última edição do BAFTA, a Academia Britânica reuniu membros e comissão (incluindo o Príncipe William) por sete meses e decidiu fazer mudanças urgentes. Dentre elas, houve aumento de 5 para 10 filmes indicados na categoria de Melhor Filme Britânico, a divulgação de uma pré-lista extensa de possíveis indicados que expandiria as opções reconhecidas, e o convite para 1.000 novos membros votantes pertencentes à classes minoritárias ou sub-representadas. Nas categorias de atuação e direção, o número de indicados também cresceu de 5 para 6, possibilitando maior justiça.

Como é possível ver nas indicações deste ano, as mudanças logo surtiram efeito. Ao ler a lista de indicados, parecia que estávamos diante do BAFTA antigo que se perdeu depois dos anos 90, quando tinha personalidade própria e não estava buscando prever os filmes do Oscar. Pelo lado positivo, realmente houve maior inclusão de etnias e nacionalidades, o que possibilitou o reconhecimento de produções menores que não contavam com orçamentos para fazer campanhas publicitárias. Parece que os votantes realmente fizeram uma seleção própria, ao contrários dos anos anteriores em que iam muito no automático das outras premiações, fazendo alterações mínimas.

E pelo lado negativo, como toda mudança, há exclusões que não devem agradar aqueles que dão preferência a nomes mais famosos e figurinhas carimbadas da temporada. A ausência mais sentida entre os atores é de Carey Mulligan, que há dois dias levou o prêmio de Melhor Atriz por Bela Vingança no Critics’ Choice Awards. Na categoria de Direção, foram 4 mulheres entre os 6 indicados, mas com a exceção de Chloé Zhao que vinha marcando presença em todas as listas, nenhuma das outras 3 estavam na expectativa: Shannon Murphy (Dente de Leite), Jasmila Žbanić (Quo Vadis, Aida?) e Sarah Gavron (Rocks). Os ausentes masculinos David Fincher e Aaron Sorkin deram lugar a Lee Isaac-Chung (Minari) e Thomas Vinterberg (Druk – Mais uma Rodada).

Após uma década publicando notícias das temporadas de premiações, vejo essa mudança no BAFTA como muito mais positiva. Muitas vezes, as premiações parecem mais uma casa de apostas e estatísticas do que um reconhecimento dos filmes e dos profissionais da área de Cinema. Há muitos anos, vimos vários filmes de qualidade duvidosa ganhando prêmios importantes porque contaram com campanhas milionárias ou um padrinho influente como o hoje preso Harvey Weinstein. Os prêmios não apenas servem para reconhecer um trabalho bem feito, mas para ajudar aqueles cineastas emergentes a conquistar mais espaço com projetos mais ousados que estúdios conservadores não querem apostar mais por pensarem exclusivamente em lucros. Quais filmes ou profissionais vão ganhar o BAFTA é uma questão subjetiva de cada membro votante, mas ao ver essa diversidade de títulos na lista de indicados já me deixa bastante esperançoso.

NÚMEROS DO BAFTA 2021

Os recordistas desta edição, Nomadland e Rocks, acumularam sete indicações cada. Enquanto o road movie de Chloé Zhao foi indicado para Melhor Filme, Direção, Atriz (Frances McDormand), Roteiro Adaptado, Fotografia, Montagem e Som, o drama familiar de Sarah Gavron disputa Melhor Filme Britânico, Melhor Estreia de Diretor, Produtor ou Roteirista Britânico, Direção, Roteiro Original, Atriz (Bukky Bakray), Atriz Coadjuvante (Kosar Ali) e Casting.

Logo em seguida, com seis indicações cada, temos Meu Pai, Mank, Minari e Bela Vingança. Dentre eles, a queda de Mank é bastante chamativa para um filme que tinha perspectivas de ser o recordista de indicações, alavancado pela Netflix. Havia uma expectativa de 10 ou 11 indicações para o filme de David Fincher, mas teve que se contentar com apenas 6, sendo ausência em categorias-chave como Ator (Gary Oldman), Atriz Coadjuvante (Amanda Seyfried) e Direção para o próprio Fincher.

A Escavação e The Mauritanian acumularam 5 indicações cada. Curiosamente, Jodie Foster, que havia ganhado o Globo de Ouro de Atriz Coadjuvante ficou de fora, enquanto Tahar Rahim foi reconhecido como Melhor Ator.

AUSÊNCIAS

São tantas que poderíamos fazer uma lista só com os nomes que ficaram de fora: Carey Mulligan (Bela Vingança), Gary Oldman e Amanda Seyfried (Mank), Sacha Baron Cohen (Borat: Fita de Cinema Seguinte e Os 7 de Chicago), Viola Davis (A Voz Suprema do Blues), Delroy Lindo (Destacamento Blood), Olivia Colman (Meu Pai), Glenn Close (Era uma Vez um Sonho), Steven Yeun (Minari), Helena Zengel (Relatos do Mundo) e Jodie Foster (The Mauritanian).

SURPRESAS

Houve várias inclusões já citadas acima que surpreenderam como o próprio recordista Rocks. Citamos também a indicação dos atores Mads Mikkelsen (Druk – Mais uma Rodada), Radha Blank (The Forty-Year-Old Version), Wunmi Mosaku (O Que Ficou Para Trás), Dominique Fishback (Judas e o Messias Negro), Barry Keoghan (Calm With Horses), Clarke Peters (Destacamento Blood) e Alan Kim (Minari).

Existe uma expectativa mínima de que essas indicações do BAFTA influenciem de alguma forma a votação de indicados ao Oscar que começou dia 07 e termina amanhã, dia 10. Para aqueles que deixaram para votar de última hora, o BAFTA ainda pode fazer alguma diferença, mas só o fato de ter recuperado um pouco da identidade original já nos deixa satisfeitos. Lembrando que, devido à pandemia, a cerimônia será dividida em duas partes. A primeira divulgará os vencedores das categorias técnicas, e a segunda os vencedores das categorias principais, nos dias 10 e 11 de Abril, respectivamente.

CONFIRA TODOS OS INDICADOS DA 74ª EDIÇÃO DO BAFTA:

FILME

MEU PAI Philippe Carcassonne, Jean-Louis Livi, David Parfitt
THE MAURITANIAN TBC
NOMADLAND Mollye Asher, Dan Janvey, Frances McDormand, Peter Spears, Chloé Zhao
BELA VINGANÇA Ben Browning, Emerald Fennell, Ashley Fox, Josey McNamara
OS 7 DE CHICAGO Stuart Besser, Marc Platt

FILME BRITÂNICO

CALM WITH HORSES Nick Rowland, Daniel Emmerson, Joe Murtagh
A ESCAVAÇÃO Simon Stone, Gabrielle Tana, Moira Buffini
MEU PAI Florian Zeller, Philippe Carcassone, Jean-Louis Livi, David Parfitt, Christopher Hampton
O QUE FICOU PARA TRÁS Remi Weekes, Martin Gentles, Edward Kings, Roy Lee
LIMBO Ben Sharrock, Irune Gurtubai, Angus Lamont
THE MAURITANIAN Kevin Macdonald, Rory Haines, Sohrab Noshirvani, M.B. Traven
MOGUL MOWGLI Bassam Tariq, Riz Ahmed, Thomas Benski, Bennett McGhee
BELA VINGANÇA Emerald Fennell, Ben Browning, Ashley Fox, Josey McNamara
ROCKS Sarah Gavron, Ameenah Ayub Allen, Faye Ward, Theresa Ikoko, Claire Wilson
SAINT MAUD Rose Glass, Andrea Cornwell, Oliver Kassman

ESTREIA DE DIRETOR, ROTEIRISTA OU PRODUTOR BRITÂNICO

O QUE FICOU PARA TRÁS Remi Weekes (Writer/Director)
LIMBO Ben Sharrock (Writer/Director), Irune Gurtubai (Producer) [also produced by Angus Lamont]
MOFFIE Jack Sidey (Writer/Producer) [also written by Oliver Hermanus and produced by Eric Abraham]
ROCKS Theresa Ikoko, Claire Wilson (Writers)
SAINT MAUD Rose Glass (Writer/Director), Oliver Kassman (Producer) [also produced by Andrea Cornwell]

FILME EM LÍNGUA NÃO-INGLESA

DRUK – MAIS UMA RODADA Thomas Vinterberg, Sisse Graum Jørgensen
DEAR COMRADES! Andrei Konchalovsky, Alisher Usmanov
LES MISÉRABLES Ladj Ly
MINARI Lee Isaac Chung, Christina Oh
QUO VADIS, AIDA? Jasmila Žbanić, Damir Ibrahimovich

DOCUMENTÁRIO

COLLECTIVE Alexander Nanau
DAVID ATTENBOROUGH: A LIFE ON OUR PLANET Alastair Fothergill, Jonnie Hughes, Keith Scholey
THE DISSIDENT Bryan Fogel, Thor Halvorssen
MY OCTOPUS TEACHER Pippa Ehrlich, James Reed, Craig Foster
THE SOCIAL DILEMMA Jeff Orlowski, Larissa Rhodes

LONGA DE ANIMAÇÃO

DOIS IRMÃOS: UMA JORNADA FANTÁSTICA Dan Scanlon, Kori Rae
SOUL Pete Docter, Dana Murray
WOLFWALKERS Tomm Moore, Ross Stewart, Paul Young

DIREÇÃO

DRUK – MAIS UMA RODADA Thomas Vinterberg
DENTE DE LEITE Shannon Murphy
MINARI Lee Isaac Chung
NOMADLAND Chloé Zhao
QUO VADIS, AIDA? Jasmila Žbanić
ROCKS Sarah Gavron

ROTEIRO ORIGINAL

DRUK – MAIS UMA RODADA Tobias Lindholm, Thomas Vinterberg
MANK Jack Fincher
BELA VINGANÇA Emerald Fennell
ROCKS Theresa Ikoko, Claire Wilson
OS 7 DE CHICAGO Aaron Sorkin

ROTEIRO ADAPTADO

A ESCAVAÇÃO Moira Buffini
MEU PAI Christopher Hampton, Florian Zeller
THE MAURITANIAN Rory Haines, Sohrab Noshirvani, M.B. Traven
NOMADLAND Chloé Zhao
THE WHITE TIGER Ramin Bahrani

ATRIZ

BUKKY BAKRAY Rocks
RADHA BLANK The Forty-Year-Old Version
VANESSA KIRBY Pieces of a Woman
FRANCES McDORMAND Nomadland
WUNMI MOSAKU O Que Ficou Para Trás
ALFRE WOODARD Clemency

ATOR

RIZ AHMED O Som do Silêncio
CHADWICK BOSEMAN A Voz Suprema do Blues
ADARSH GOURAV The White Tiger
ANTHONY HOPKINS Meu Pai
MADS MIKKELSEN Druk – Mais uma Rodada
TAHAR RAHIM The Mauritanian

ATRIZ COADJUVANTE

NIAMH ALGAR Calm With Horses
KOSAR ALI Rocks
MARIA BAKALOVA Borat: Fita de Cinema Seguinte
DOMINIQUE FISHBACK Judas e o Messias Negro
ASHLEY MADEKWE County Lines
YUH-JUNG YOUN Minari

ATOR COADJUVANTE

DANIEL KALUUYA Judas e o Messias Negro
BARRY KEOGHAN Calm With Horses
ALAN KIM Minari
LESLIE ODOM JR. Uma Noite em Miami…
CLARKE PETERS Destacamento Blood
PAUL RACI O Som do Silêncio

TRILHA ORIGINAL

MANK Trent Reznor, Atticus Ross
MINARI Emile Mosseri
RELATOS DO MUNDO James Newton Howard
BELA VINGANÇA Anthony Willis
SOUL Jon Batiste, Trent Reznor, Atticus Ross

CASTING

CALM WITH HORSES Shaheen Baig
JUDAS E O MESSIAS NEGRO Alexa L. Fogel
MINARI Julia Kim
BELA VINGANÇA Lindsay Graham Ahanonu, Mary Vernieu
ROCKS Lucy Pardee

FOTOGRAFIA

JUDAS E O MESSIAS NEGRO Sean Bobbitt
MANK Erik Messerschmidt
THE MAURITANIAN Alwin H. Küchler
RELATOS DO MUNDO Dariusz Wolski
NOMADLAND Joshua James Richards

MONTAGEM

MEU PAI Yorgos Lamprinos
NOMADLAND Chloé Zhao
BELA VINGANÇA Frédéric Thoraval
O SOM DO SILÊNCIO Mikkel E.G. Nielsen
OS 7 DE CHICAGO Alan Baumgarten

DESIGN DE PRODUÇÃO

A ESCAVAÇÃO Maria Djurkovic, Tatiana Macdonald
MEU PAI Peter Francis, Cathy Featherstone
MANK Donald Graham Burt, Jan Pascale
RELATOS DO MUNDO David Crank, Elizabeth Keenan
REBECCA Sarah Greenwood, Katie Spencer

FIGURINO

AMMONITE Michael O’Connor
A ESCAVAÇÃO Alice Babidge
EMMA. Alexandra Byrne
A VOZ SUPREMA DO BLUES Ann Roth
MANK Trish Summerville

MAQUIAGEM E PENTEADO

A ESCAVAÇÃO Jenny Shircore
ERA UMA VEZ UM SONHO Patricia Dehaney, Eryn Krueger Mekash, Matthew Mungle
A VOZ SUPREMA DO BLUES Matiki Anoff, Larry M. Cherry, Sergio Lopez-Rivera, Mia Neal
MANK Kimberley Spiteri, Gigi Williams
PINÓQUIO Mark Coulier

SOM

GREYHOUND: NA MIRA DO INIMIGO TBC
RELATOS DO MUNDO Michael Fentum, William Miller, Mike Prestwood Smith, John Pritchett, Oliver Tarney
NOMADLAND Sergio Diaz, Zach Seivers, M. Wolf Snyder
SOUL Coya Elliott, Ren Klyce, David Parker
O SOM DO SILÊNCIO Jaime Baksht, Nicolas Becker, Phillip Bladh, Carlos Cortés, Michelle Couttolenc

EFEITOS VISUAIS ESPECIAIS

GREYHOUND: NA MIRA DO INIMIGO Pete Bebb, Nathan McGuinness, Sebastian von Overheidt
O CÉU DA MEIA-NOITE Matt Kasmir, Chris Lawrence, David Watkins
MULAN Sean Faden, Steve Ingram, Anders Langlands, Seth Maury
O GRANDE IVAN Santiago Colomo Martinez, Nick Davis, Greg Fisher
TENET Scott Fisher, Andrew Jackson, Andrew Lockley

CURTA BRITÂNICO DE ANIMAÇÃO

THE FIRE NEXT TIME Renaldho Pelle, Yanling Wang, Kerry Jade Kolbe
THE OWL AND THE PUSSYCAT Mole Hill, Laura Duncalf
THE SONG OF A LOST BOY Daniel Quirke, Jamie MacDonald, Brid Arnstein

‘MANK’ LIDERA CRITICS’ CHOICE AWARDS DOMINADO por NETFLIX

NETFLIX CONQUISTA MARCA DE QUATRO FILMES INDICADOS A MELHOR FILME

Ok, não é lá uma grande novidade, mas quem não conseguia enxergar a Netflix predominando as premiações desta temporada bem atípica da pandemia? Além das produções de outros estúdios terem sofrido com adiamentos, a plataforma de streaming foi beneficiada com o fechamento de salas de cinema e, claro, com seus próprios investimentos certeiros.

Não é nada surpreendente também que o novo filme de David Fincher, Mank, tenha sido o recordista de indicações, já que se trata de um filme de época, tecnicamente impecável e com pedigree. Foram 12 indicações ao Critics’ Choice, e no Oscar são esperadas umas 10 indicações, mesmo com queda na campanha publicitária nas últimas semanas. A nosso ver, Mank tem tudo para ser um novo A Invenção de Hugo Cabret, que desponta como um dos favoritos, mas acaba limitado aos Oscars mais técnicos, ainda mais que Gary Oldman e Amanda Seyfried não estão ganhando prêmios importantes, e ela sequer foi reconhecida no SAG.

Ainda sobre Netflix, foram ao todo 46 indicações nas categorias de Cinema. Além das 12 de Mank, temos 8 para A Voz Suprema do Blues, 6 de Destacamento Blood e 6 de Os 7 de Chicago. A grande surpresa fica por conta do 2º lugar da A24, que acumulou 14 indicações, sendo 10 para Minari. O drama familiar coreano teve a mesma proeza de ser indicado para Melhor Filme, Melhor Filme em Língua Estrangeira e Melhor Elenco como o fenômeno Parasita ano passado, mas ao contrário do filme de Bong Joon-Ho, teve duas indicações individuais para seus atores Steven Yeun e Yuh-Jung Youn como Ator e Atriz Coadjuvante, respectivamente.

Chadwick Boseman repete sua dobradinha do SAG e novamente conquista duas indicações por A Voz Suprema do Blues e Destacamento Blood. Caso isso se repita no Oscar, será o primeiro ator a ter dupla indicação póstuma. Além de Boseman, Andra Day foi reconhecida em duas categorias: Melhor Atriz e Canção Original por The United States vs. Billie Holiday, enquanto a dupla de compositores Trent Raznor e Atticus Ross na mesma categoria de Trilha Original por Soul e Mank. Vale ainda citar a querida Olivia Colman, indicada para Atriz Coadjuvante por Meu Pai e Atriz de Série Dramática por The Crown.

Para quem acompanha o blog há alguns anos, nós apelidamos carinhosamente o Critics’ Choice Awards de “Bolha Assassina”, porque a cada ano que passa ela cria novas categorias e abre mais vagas para indicados, expandindo-se como aquela gosma rosa alienígena. Embora isso signifique uma falta de critério e seletividade, claro que é ótimo para os filmes e artistas constarem nessas listas para ganharem o devido reconhecimento. Uma das coisas que nos incomoda no Critics’ é a constante e crescente vontade de se tornar um mero precursor genérico do Oscar. Prefere tentar adivinhar quem vai levar a estatueta da Academia do que selecionar seus próprios favoritos. Isso sem contar aquela sacanagem de apresentar prêmios no tapete vermelho e nos intervalos que nos faz questionar “Então pra que tanta categoria se não tem tempo para apresentar devidamente?”. Mas enfim, esse coração de mãe do Critics’ ajudou em algumas categorias bem disputadas como Melhor Ator, que teve OITO indicados, e Direção e Atriz que tiveram SETE indicados cada.

CONFIRA TODOS OS INDICADOS DE CINEMA AO 26º CRITICS’ CHOICE AWARDS:

MELHOR FILME

  • Destacamento Blood (Da 5 Bloods) (Netflix)
  • A Voz Suprema do Blues (Ma Rainey’s Black Bottom) (Netflix)
  • Mank (Mank) (Netflix)
  • Minari (A24)
  • Relatos do Mundo (News of the World) (Universal Pictures)
  • Nomadland (Searchlight Pictures)
  • Uma Noite em Miami… (One Night in Miami) (Amazon Studios)
  • Bela Vingança (Promising Young Woman) (Focus Features)
  • O Som do Silêncio (Sound of Metal) (Amazon Studios)
  • Os 7 de Chicago (The Trial of the Chicago 7) (Netflix)

MELHOR DIREÇÃO

  • Lee Isaac Chung (Minari) (A24)
  • Emerald Fennell (Bela Vingança) (Focus Features)
  • David Fincher (Mank) (Netflix)
  • Spike Lee (Destacamento Blood) (Netflix)
  • Regina King (Uma Noite em Miami…) (Amazon Studios)
  • Aaron Sorkin (Os 7 de Chicago) (Netflix)
  • Chloé Zhao (Nomadland) (Searchlight Pictures)

MELHOR ATOR

  • Ben Affleck (O Caminho de Volta) (Warner Bros)
  • Riz Ahmed (O Som do Silêncio) (Amazon Studios)
  • Chadwick Boseman (A Voz Suprema do Blues) (Netflix)
  • Tom Hanks (Relatos do Mundo) (Universal Pictures)
  • Anthony Hopkins (Meu Pai) (Sony Pictures Classics)
  • Delroy Lindo (Destacamento Blood) (Netflix)
  • Gary Oldman (Mank) (Netflix)
  • Steven Yeun (Minari) (A24)

MELHOR ATRIZ

  • Viola Davis (A Voz Suprema do Blues) (Netflix)
  • Andra Day (The United States vs. Billie Holiday) (Hulu)
  • Sidney Flanigan (Nunca Raramente Às Vezes Sempre) (Focus Features)
  • Vanessa Kirby (Pieces of a Woman) (Netflix)
  • Frances McDormand (Nomadland) (Searchlight Pictures)
  • Carey Mulligan (Bela Vingança) (Focus Features)
  • Zendaya (Malcolm & Marie) (Netflix)

MELHOR ATOR COADJUVANTE

  • Chadwick Boseman (Destacamento Blood) (Netflix)
  • Sacha Baron Cohen (Os 7 de Chicago) (Netflix)
  • Daniel Kaluuya (Judas e o Messias Negro) (Warner Bros)
  • Bill Murray (On the Rocks) (A24/Apple TV Plus)
  • Leslie Odom Jr. (Uma Noite em Miami…) (Amazon Studios)
  • Paul Raci (O Som do Silêncio) (Amazon Studios)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

  • Maria Bakalova (Borat: Fita de Cinema Seguinte) (Amazon Studios)
  • Ellen Burstyn (Pieces of a Woman) (Netflix)
  • Glenn Close (Era uma Vez um Sonho) (Netflix)
  • Olivia Colman (Meu Pai) (Sony Pictures Classics)
  • Amanda Seyfried (Mank) (Netflix)
  • Yuh-Jung Youn (Minari) (A24)

MELHOR ATOR OU ATRIZ JUVENIL

  • Ryder Allen (Palmer) (Apple TV Plus)
  • Ibrahima Gueye (Rosa e Momo) (Netflix)
  • Alan Kim (Minari) (A24)
  • Talia Ryder (Nunca Raramente Às Vezes Sempre) (Focus Features)
  • Caoilinn Springall (O Céu da Meia-Noite) (Netflix)
  • Helena Zengel (Relatos do Mundo) (Universal Pictures)

MELHOR ELENCO

  • Destacamento Blood (Netflix)
  • Judas e o Messias Negro (Warner Bros)
  • A Voz Suprema do Blues (Netflix)
  • Minari (A24)
  • Uma Noite em Miami… (Amazon Studios)
  • Os 7 de Chicago (Netflix)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL

  • Mank (Netflix) – Jack Fincher
  • Minari (A24) – Lee Isaac Chung
  • Nunca Raramente Às Vezes Sempre (Focus Features) – Eliza Hittman
  • Bela Vingança (Focus Features) – Emerald Fennell
  • O Som do Silêncio (Amazon Studios) – Darius Marder, Abraham Marder
  • Os 7 de Chicago (Netflix) – Aaron Sorkin

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO

  • Meu Pai (Sony Pictures Classics) – Christopher Hampton, Florian Zeller
  • First Cow (A24) – Jonathan Raymond, Kelly Reichardt
  • A Voz Suprema do Blues (Netflix) – Ruben Santiago-Hudson
  • Relatos do Mundo (Universal Pictures) – Luke Davies, Paul Greengrass
  • Nomadland (Searchlight Pictures) – Chloé Zhao
  • Uma Noite em Miami… (Amazon Studios) – Kemp Powers

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO

  • Emma (Focus Features) – Kave Quinn, Stella Fox
  • A Voz Suprema do Blues (Netflix) – Mark Ricker, Karen O’Hara, Diana Stoughton
  • Mank (Netflix) – Donald Graham Burt, Jan Pascale
  • Relatos do Mundo (Universal Pictures) – David Crank, Elizabeth Keenan
  • A História Pessoal de David Copperfield (Searchlight Pictures) – Cristina Casali, Charlotte Dirickx
  • Tenet (Warner Bros) – Nathan Crowley, Kathy Lucas

MELHOR FOTOGRAFIA

  • Destacamento Blood (Netflix) – Newton Thomas Sigel
  • First Cow (A24) – Christopher Blauvelt
  • Mank (Netflix) – Erik Messerschmidt
  • Minari (A24) – Lachlan Milne
  • Relatos do Mundo (Universal Pictures) – Dariusz Wolski
  • Nomadland (Searchlight Pictures) – Joshua James Richards
  • Tenet (Warner Bros) – Hoyte Van Hoytema

MELHOR FIGURINO

  • Emma (Focus Features) – Alexandra Byrne
  • A Voz Suprema do Blues (Netflix) – Ann Roth
  • Mank (Netflix) – Trish Summerville
  • Mulan (Walt Disney Pictures) – Bina Daigeler
  • A História Pessoal de David Copperfield (Searchlight Pictures) – Suzie Harman, Robert Worley
  • Bela Vingança (Focus Features) – Nancy Steiner

MELHOR MONTAGEM

  • Meu Pai (Sony Pictures Classics) – Yorgos Lamprinos
  • Mank (Netflix) – Kirk Baxter
  • Nomadland (Searchlight Pictures) – Chloé Zhao
  • O Som do Silêncio (Amazon Studios) – Mikkel E.G. Nielsen
  • Tenet (Warner Bros) – Jennifer Lame
  • Os 7 de Chicago (Netflix) – Alan Baumgarten

MELHOR MAQUIAGEM E PENTEADO

  • Emma (Focus Features)
  • Era uma Vez um Sonho (Netflix)
  • A Voz Suprema do Blues (Netflix)
  • Mank (Netflix)
  • Bela Vingança (Focus Features)
  • The United States vs. Billie Holiday (Hulu)

MELHORES EFEITOS VISUAIS

  • Greyhound: Na Mira do Inimigo (Apple TV Plus)
  • O Homem Invisível (The Invisible Man) (Universal Pictures)
  • Mank (Netflix)
  • O Céu da Meia-Noite (The Midnight Sky) (Netflix)
  • Mulan (Walt Disney Pictures)
  • Tenet (Warner Bros)
  • Mulher-Maravilha 1984 (Wonder Woman 1984) (Warner Bros)

MELHOR TRILHA

  • O Céu da Meia-Noite (Netflix) – Alexandre Desplat
  • Mank (Netflix) – Trent Reznor, Atticus Ross
  • Minari (A24) – Emile Mosseri
  • Relatos do Mundo (Universal Pictures) – James Newton Howard
  • Soul (Pixar) – Jon Batiste, Trent Reznor, Atticus Ross
  • Tenet (Warner Bros) – Ludwig Göransson

MELHOR CANÇÃO

  • Festival Eurovision da Canção: A Saga de Sigrit e Lars (Netflix) – “Husavik (My Home Town)”
  • Rosa e Momo (Netflix) – “Io Si (Seen)”
  • Judas e o Messias Negro (Warner Bros) – “Fight for You”
  • Uma Noite em Miami… (Amazon Studios) – “Speak Now”
  • The Outpost (Chicken Soup for the Soul Entertainment) – “Everybody Cries”
  • The United States vs. Billie Holiday (Hulu) – “Tigress & Tweed”

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRO

  • Druk – Mais uma Rodada (Samuel Goldwyn Films)
  • Collective (Magnolia Pictures)
  • La Llorona (Shudder)
  • Rosa e Momo (Netflix)
  • Minari (A24)
  • Two Of Us (Magnolia Pictures)

MELHOR COMÉDIA

  • Borat: Fita de Cinema Seguinte (Borat: Subsequent Moviefilm) (Amazon Studios)
  • The Forty-Year-Old Version (Netflix)
  • O Rei de Staten Island (The King of Staten Island) (Universal Pictures)
  • On the Rocks (A24/Apple TV+)
  • Palm Springs (Hulu/NEON)
  • A Festa de Formatura (The Prom) (Netflix)

_________________________________________________________________________________________
A 26ª cerimônia híbrida do Critics’ Choice Awards acontecerá no próximo dia 07 de Março.

‘NOMADLAND’ VENCE o GOTHAM AWARDS

CERIMÔNIA HÍBRIDA CONSAGRA A DIRETORA CHLOÉ ZHAO

A 30ª cerimônia do Gotham Awards aconteceu nesta última segunda-feira e foi transmitida ao vivo pela página do Facebook da IFP (Independent Filmmaker Project). Primeira premiação de 2021, o evento foi um híbrido entre apresentadores no palco do teatro em Nova York e as lives diretamente da casa dos indicados. Apesar de alguns delays nítidos principalmente na hora da revelação dos vencedores das categorias, foi uma cerimônia rápida, light e que pôde nos dar uma idéia do que pode acontecer nos próximos prêmios televisionados. Há poucas semanas, a Academia havia anunciado que o Oscar ocorrerá normalmente no final de Abril, mas só vamos ter certeza com o progresso da vacinação nos EUA até lá.

Nos últimos anos, o Gotham Awards tem se tornado uma alternativa para o predomínio do Independent Spirit Awards, que até alguns anos atrás vinha estreitando laços demais com o Oscar. O objetivo do IFP é conseguir abrir a temporada de premiações com filmes e nomes pouco conhecidos para justamente promovê-los e valorizar assim o cinema mais independente americano. Para esta 30ª edição, o recado estava dado logo nas indicações: 5 filmes indicados a Melhor Filme dirigidos por mulheres. Após um 2020 repleto de exclusões na categoria de Direção como Greta Gerwig, Alma Har’el e Mati Diop, espera-se um 2021 com maior participação feminina, começando bem com os prêmios de Melhor Filme e Prêmio do Público para o road movie Nomadland, da chinesa Chloé Zhao. Curiosamente, ela já havia vencido o Gotham de Melhor Filme em 2018 com seu longa anterior Domando o Destino (The Rider).

Até o momento, Zhao tem sido praticamente uma unanimidade nos prêmios de Direção. Além do Gotham, ela já havia faturado os prestigiados LAFCA e NYFCC, e mais recentemente o National Society of Film Critics, sem contar o Leão de Ouro no Festival de Veneza. Não querendo fazer previsões proféticas tão cedo, mas o caminho dela rumo ao Oscar (que seria o 2º para uma mulher e o 1º para uma asiática) parece bem tranquilo, uma vez que nomes como Aaron Sorkin, David Fincher e Spike Lee não vêm conquistando a crítica de forma tão unânime.

Nas categorias de atuação, a vitória de Kingsley Ben-Adir como Ator Revelação por One Night in Miami pode ajudá-lo na campanha de Ator Coadjuvante no Oscar, e por que não puxar todo o filme de Regina King ao tapete vermelho? Na categoria de Melhor Atriz, Nicole Beharie venceu por sua performance em Miss Juneteenth. Embora consideremos difícil uma indicação ao Oscar, esperamos que esta vitória consiga lhe proporcionar melhor papéis de protagonista, pois sua carreira tem sido marcada apenas por personagens secundários. Já na categoria de Melhor Ator, muitos esperavam o prêmio para Chadwick Boseman, mas ele ficou apenas com um prêmio especial de tributo recebido por sua esposa, e a vitória foi para outro forte concorrente na temporada: Riz Ahmed, como o baterista surdo de O Som do Silêncio.

Entre os prêmios concedidos, foram curiosos os DOIS empates nas categorias de Documentário e Roteiro. Na primeira, Time dividiu a honraria com A Thousand Cuts, enquanto na segunda, os roteiros de The Forty-Year-Old Version e Fourteen saíram vitoriosos. Particularmente, gostamos bastante da premiação de Diretor Revelação para Andrew Patterson por A Vastidão da Noite. Com um orçamento bastante apertado, ele consegue entregar uma bela ficção científica que tem um clima bem Twilight Zone, com direito a planos-sequência e sutilezas que faltam em grandes produções.

Além do tributo a Chadwick Boseman, a IFP fez outras homenagens que paralelamente reconheciam as obras atuais como para Viola Davis (A Voz Suprema do Blues), o diretor britânico Steve McQueen (os 5 filmes da série Small Axe), o criador de séries Ryan Murphy (que lançou Festa de Formatura na Netflix) e para todo o elenco de Os 7 de Chicago: Sacha Baron Cohen, Eddie Redmayne, Yahya Abdul-Mateen II, Jeremy Strong, Mark Rylance, Joseph Gordon-Levitt, Michael Keaton, Frank Langella e John Carroll Lynch, dando uma forcinha também para o diretor e roteirista Aaron Sorkin.

Estamos apenas no início de mais uma temporada de premiações, portanto se seu favorito ou aquele filme que você espera ser premiado ainda não deu as caras, não se preocupe que ainda tem muito chão até o dia 25 de Abril, quando o Oscar 2021 acontecer, seja presencialmente ou de forma híbrida com lives.

CONFIRA TODOS OS VENCEDORES DO 30º GOTHAM AWARDS:

MELHOR FILME

  • The Assistant
  • First Cow
  • Never Rarely Sometimes Always
  • Nomadland
  • Relic

MELHOR DOCUMENTÁRIO

  • 76 Days
  • City Hall
  • A Thousand Cuts
  • Time

MELHOR FILME INTERNACIONAL

  • Bacurau
  • Uma Mulher Alta (Beanpole)
  • Cuties (Mignonnes)
  • Identifying Features
  • Martin Eden
  • Wolfwalkers

PRÊMIO BINGHAM RAY DE DIRETOR REVELAÇÃO

  • Radha Blank, “The Forty-Year-Old Version”
  • Channing Godfrey Peoples, “Miss Juneteenth”
  • Alex Thompson, “Saint Frances”
  • Carlo Mirabella-Davis, “Swallow”
  • Andrew Patterson, “A Vastidão da Noite”

MELHOR ROTEIRO

  • Má Educação – Mike Makowsky
  • First Cow – Jon Raymond, Kelly Reichardt
  • The Forty-Year-Old Version – Radha Blank
  • Fourteen – Dan Sallitt
  • “A Vastidão da Noite” – James Montague, Craig Sanger

MELHOR ATOR

  • Riz Ahmed, “O Som do Silêncio”
  • Chadwick Boseman, “A Voz Suprema do Blues”
  • Jude Law, “The Nest”
  • John Magaro, “First Cow”
  • Jesse Plemons, “Estou Pensando em Acabar com Tudo”

MELHOR ATRIZ

  • Nicole Beharie, “Miss Juneteenth”
  • Jessie Buckley, “Estou Pensando em Acabar com Tudo”
  • Carrie Coon, “The Nest”
  • Frances McDormand, “Nomadland”
  • Yuh-Jung Youn, “Minari”

MELHOR ATOR OU ATRIZ REVELAÇÃO

  • Jasmine Batchelor, “The Surrogate”
  • Kingsley Ben-Adir, “One Night in Miami…”
  • Sidney Flanigan, “Never Rarely Sometimes Always”
  • Orion Lee, “First Cow”
  • Kelly O’Sullivan, “Saint Frances”

SÉRIE REVELAÇÃO – FORMATO LONGA (acima de 40 minutos)

  • The Great
  • Immigration Nation
  • P-Valley
  • Unorthodox
  • Watchmen

SÉRIE REVELAÇÃO – FORMATO CURTO (abaixo de 40 minutos)

  • Betty
  • Dave
  • I May Destroy You
  • Taste the Nation
  • Work in Progress

PRÊMIO DO PÚBLICO

  • “Nomadland” – Chloé Zhao, diretora; Frances McDormand, Peter Spears, Mollye Asher, Dan Janvey, Chloé Zhao, producers (Searchlight Pictures)

OSCAR 2021: As PREVISÕES da VARIETY

SEGUNDO PREVISÕES, DIVERSIDADE NÃO FALTARÁ ENTRE OS INDICADOS

Em recentes postagens do site americano Variety, o especialista Clayton Davis lançou suas primeiras previsões para a próxima edição do Oscar, que vale lembrar, acontecerá em 25 de Abril, e os filmes lançados até 28 de Fevereiro estarão elegíveis. Portanto, até lá, os estúdios podem remanejar as datas de estréias como aconteceu com o novo filme de Steven Spielberg, a refilmagem de West Side Story, que ficou para 2021 (talvez para abafar a denúncia de abuso sexual do ator Ansel Elgort). Existe ainda risco de algumas produções serem adiadas para 2021 como Mulher-Maravilha 1984.

Na categoria de Filme Internacional, as deduções são ainda maiores, já que a maioria dos países ainda não selecionou seus representantes para o Oscar. Casa de Antiguidades, de João Paulo Miranda Maria, larga na frente porque estava na seleção oficial do Festival de Cannes deste ano, mesmo não havendo o evento fisicamente.

Seguem todas as categorias previstas de autoria de Clayton Davis do número 1 ao número 10 para que você tenha uma noção do que pode vir nesta temporada de premiações. Caso tenha curiosidade de ver os nomes restantes, acesse o site da Variety:
https://variety.com/feature/2021-oscars-predictions-academy-awards-nominations-1234764774/

MELHOR FILME
1. Nomadland
2. Os 7 de Chicago (The Trial of the Chicago 7)
3. One Night in Miami
4. Mank
5. The Father
6. News of the World
7. Ma Rainey’s Black Bottom
8. Destacamento Blood (Da 5 Bloods)
9. Judas e o Messias Negro (Judas and the Black Messiah)
10. Minari

MELHOR DIREÇÃO
1. Chloé Zhao (Nomadland)
2. David Fincher (Mank)
3. Aaron Sorkin (Os 7 de Chicago)
4. Regina King (One Night in Miami)
5. Florian Zeller (The Father)

6. Paul Greengrass (News of the World)
7. Shaka King (Judas e o Messias Negro)
8. George C. Wolfe (Ma Rainey’s Black Bottom)
9. Spike Lee (Destacamento Blood)
10. Lee Isaac Chung (Minari)

MELHOR ATOR
1. Anthony Hopkins (The Father)
2. Delroy Lindo (Destacamento Blood)
3. Gary Oldman (Mank)
4. Tom Hanks (News of the World)
5. Daniel Kaluuya (Judas e o Messias Negro)

6. Steven Yeun (Minari)
7. Riz Ahmed (Sound of Metal)
8. Dev Patel (The Personal History of David Copperfield)
9. Jesse Plemons (Estou Pensando em Acabar com Tudo)
10. Ben Affleck (The Way Back)

MELHOR ATRIZ
1. Michelle Pfeiffer (French Exit)
2. Vanessa Kirby (Pieces of a Woman)
3. Frances McDormand (Nomadland)
4. Viola Davis (Ma Rainey’s Black Bottom)
5. Jennifer Hudson (Respect)

6. Kate Winslet (Ammonite)
7. Andra Day (The United States vs. Billie Holiday)
8. Carey Mulligan (Promising Young Woman)
9. Sophia Loren (The Life Ahead)
10. Amy Adams (Hillbilly Elegy)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
1. David Strathairn (Nomadland)
2. Chadwick Boseman (Ma Rainey’s Black Bottom)
3. Bill Murray (On the Rocks)
4. Leslie Odom Jr. (One Night in Miami)
5. Lakeith Stanfield (Judas e o Messias Negro)

6. Sacha Baron Cohen (Os 7 de Chicago)
7. Frank Langella (Os 7 de Chicago)
8. Mark Rylance (Os 7 de Chicago)
9. Kingsley Ben-Adir (One Night in Miami)
10. Shia LaBeaouf (Pieces of a Woman)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
1. Olivia Colman (The Father)
2. Amanda Seyfried (Mank)
3. Saiorse Ronan (Ammonite)
4. Audra McDonald (Respect)
5. Ellen Burstyn (Pieces of a Woman)

6. Glenn Close (Hillbilly Elegy)
7. Helena Zengel (News of the World)
8. Swankie (Nomadland)
9. Kristin Scott Thomas (Rebecca)
10. Meryl Streep (The Prom)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
1. Jack Fincher (Mank)
2. Aaron Sorkin (Os 7 de Chicago)
3. Lee Isaac Chung (Minari)
4. Will Berson, Shaka King, Keith Lucas, Kenny Lucas (Judas e o Messias Negro)
5. Emerald Fennell (Promising Young Woman)

6. Pete Docter, Mike Jones, Kemp Powers (Soul)
7. Eliza Hitman (Never Rarely Sometimes Always)
8. Danny Bilson, Paul De Meo, Kelvin Willmott, Spike Lee (Destacamento Blood)
9. Julia Hart, Jordan Horowitz (I’m Your Woman)
10. Tracey Scott Wilson, Callie Khouri (Respect)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
1. Chloé Zhao (Nomadland)
2. Kemp Powers (One Night in Miami)
3. Christopher Hampton (The Father)
4. Ruben Santiago-Hudson (Ma Rainey’s Black Bottom)
5. Luke Davies, Paul Greengrass (News of the World)

6. Charlie Kaufman (Estou Pensando em Acabar com Tudo)
7. Kelly Reichardt, Jonathan Raymond (First Cow)
8. Ramin Bahrani (The White Tiger)
9. Patrick deWitt (French Exit)
10. Suza-Lori Parks (The United States vs. Billie Holiday)

MELHOR FOTOGRAFIA
1. Joshua James Richards (Nomadland)
2. Erik Messerchmidt (Mank)
3. Darius Wolski (News of the World)
4. Phedon Papamichael (Os 7 de Chicago)
5. Tami Reiker (One Night in Miami)

6. Linus Sandgren (Sem Tempo Para Morrer)
7. Hoyte van Hoytema (Tenet)
8. Newton Thomas Sigel (Destacamento Blood)
9. Sean Bobbitt (Judas e o Messias Negro)
10. Mandy Walker (Mulan)

MELHOR MONTAGEM
1. Alan Baumgarten (Os 7 de Chicago)
2. Kirk Baxter (Mank)
3. William Goldenberg (News of the World)
4. Chloé Zhao (Nomadland)
5. Tariq Anwar (One Night in Miami)

6. Yorgos Lamprinos (Tha Father)
7. Andrew Mondshein (Ma Rainey’s Black Bottom)
8. Kristan Sprague (Judas e o Messias Negro)
9. Adam Gough (Destacamento Blood)
10. Tom Cross, Elliot Graham (Sem Tempo Para Morrer)

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO
1. Donald Graham Burt, Jan Pascale (Mank)
2. David Crank, Elizabeth Keenan (News of the World)
3. Cristina Casali, Charlotte Dirickx (The Personal History of David Copperfield)
4. Grant Major, Anne Kuljian (Mulan)
5. Mark Ricker, Karen O’Hara, Diana Stoughton (Ma Rainey’s Black Bottom)

6. Shane Valentino, Andrew Baseman (Os 7 de Chicago)
7. Sarah Finlay, Sophie Hervieu (Ammonite)
8. Page Buckner, Janessa Hitsman (One Night in Miami)
9. Sam Lisenco, Rebecca Brown (Judas e o Messias Negro)
10. Molly Hughes, Merissa Lombardo (Hillbilly Elegy)

MELHOR FIGURINO
1. Suzie Harman, Robert Worley (The Personal History of David Copperfield)
2. Trish Summerville (Mank)
3. Ruth E. Carter (Um Príncipe em Nova York 2)
4. Ann Roth (Ma Rainey’s Black Bottom)
5. Francine Jamison-Tanchuck (One Night in Miami)

6. Alexandra Byrne (Emma)
7. Mark Bridges (News of the World)
8. Michael O’Connor (Ammonite)
9. Bina Daigeler (Mulan)
10. Paco Delgado (Morte no Nilo)

MELHOR MAQUIAGEM E CABELO
1. Respect
2. Mank
3. Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa
4. Um Príncipe em Nova York
5. Os 7 de Chicago

6. Morte no Nilo
7. Ammonite
8. Mulan
9. News of the World
10. Judas e o Messias Negro

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
1. Trent Reznor, Atticus Ross (Soul)
2. Trent Reznor, Atticus Ross (Mank)
3. Daniel Pemberton (Os 7 de Chicago)
4. Terence Blanchard (Destacamento Blood)
5. James Newton Howard (News of the World)

6. Kris Bowers (The United States vs. Billie Holiday)
7. Terence Blanchard (One Night in Miami)
8. Volker Bertelmann, Dustin O’Halloran (Ammonite)
9. Steven Price (A Caminho da Lua)
10. Kris Bowers (Respect)

MELHORES EFEITOS VISUAIS
1. Tenet
2. Greyhound: Na Mira do Inimigo
3. Free Guy: Assumindo o Controle
4. Mulan
5. Mulher-Maravilha 1984

6. Morte no Nilo
7. Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa
8. Dolittle
9. O Chamado da Floresta
10. Soul

MELHOR SOM
1. Os 7 de Chicago
2. Tenet
3. News of the World
4. Sound of Metal
5. O Homem Invisível

6. Sem Tempo Para Morrer
7. Destacamento Blood
8. Mulher-Maravilha 1984
9. The United States vs. Billie Holiday
10. Respect

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO
1. Soul
2. A Caminho da Lua (Over the Moon)
3. Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica (Onward)
4. Wolfwalkers
5. Os Croods 2: Uma Nova Era (The Croods: A New Age)

6. Super Conectados (Connected)
7. Lupin III: O Primeiro (Lupin III: The First)
8. Trolls 2 (Trolls: World Tour)
9. A Liga de Monstros (Rumble)
10. Os Irmãos Willoughby (The Willoughbys)

MELHOR FILME INTERNACIONAL
1. Another Round – Dinamarca
2. The Disciple – Índia
3. The Life Ahead – Itália
4. Casa de Antiguidades – Brasil
5. Night of the Kings – Costa do Marfim

APOSTAS PARA O OSCAR 2018: O ANO DO FEMINISMO

Oscars.jimmy-kimmel.1818

Um dos vários cartazes da 90ª edição do Oscar com o host Jimmy Kimmel

AINDA SE RECUPERANDO DO #OSCARSSOWHITE, ACADEMIA TENTA LIDAR COM A QUESTÃO DO FEMINISMO E DOS ASSÉDIOS SEXUAIS NESTA 90ª EDIÇÃO

“It’s a wonderful night for Oscar! Oscar! Oscar! Who will win?” – É assim que Billy Crystal sempre abria seus monólogos do Oscar.  Que filme vai ganhar? Este ano, o mistério está ainda maior depois da surpresa de Moonlight no ano passado. Afinal, que mensagem a Academia quer passar este ano? Ou seria apenas uma questão de sistema de votação?

Pra quem acompanhou as notícias de Hollywood em 2017, as denúncias de assédio e abuso predominaram as manchetes, causando um enorme rebuliço e até a expulsão do produtor e lobbista do Oscar, Harvey Weinstein. Com isso, todas as mulheres que trabalham na indústria reagiram ferozmente e levantaram a bandeira do movimento Time’s Up por uma indústria mais segura e igualitária para o sexo feminino. Há poucos dias, foi anunciado que a cerimônia do Oscar dedicará um momento para o movimento tamanha sua repercussão.

Pra ser bem sincero, estou com receio de que se Lady Bird, único representante entre os nove indicados a Melhor Filme dirigido por uma mulher, não levar nenhum prêmio, as ativistas subam ao palco e causem destruição em massa! Mas, brincadeiras à parte, o Oscar deste ano está bastante dividido, especialmente entre quatro filmes: Três Anúncios Para um Crime, A Forma da Água, Corra! e Lady Bird, algo muito raro em anos recentes do evento. Com isso, espera-se que novamente o anúncio de Melhor Filme seja o mais esperado da noite, que curiosamente, contará novamente com a dupla de atores Warren Beatty e Faye Dunaway, que protagonizaram a gafe do envelope.

faye-dunaway-warren-beatty-47c69605-7ecc-4c96-a6e9-94166bf70ff8.jpg

Volta tudo: Faye Dunaway e Warren Beatty querem se redimir da gafe do envelope errado (pic US Weekly)

Falando em apresentadores, a Academia anunciou listas dos encarregados da tarefa. Assim como o momento pede, são nomes bem diversos que vão dos mais famosos como Viola Davis e Emma Stone até desconhecidos do grande público como Kumail Nanjiani,  Eiza González e Eugenio Derbez. De estrelas de outras épocas como Jane Fonda, Rita Moreno e Eva Marie Saint até as recentes como Gal Gadot, Ansel Elgort e Oscar Isaac.

HOST PELA SEGUNDA VEZ: JIMMY KIMMEL

Assim que confirmaram que Jimmy Kimmel seria host novamente, tive a impressão de que estavam tentando compensá-lo pela lambança do envelope do ano passado, afinal, ser host quando tudo corre bem é uma coisa, agora ser host quando rola uma gafe enorme dessas, precisa ter muita calma e sangue frio para contornar a situação.

Mas deixando essa lambança de lado, Kimmel fez um bom trabalho como host, desde seu monólogo de abertura, apontando críticas políticas a Trump, até sua interação com algumas celebridades na platéia, com direito a doces jogados com mini-pára-quedas. Porém pecou com seu quadro de “pegadinha” com os turistas, que adentraram o Dolby Theater ao vivo e interagiram eternamente com alguns atores na primeira fileira. Aquilo custou um tempo precioso e não funcionou.

E continuo com a minha campanha para a volta de Jon Stewart como host em 2019, ou a estréia de Jim Carrey. Seria fantástico! Mas até lá, vou torcer para que Jimmy faça uma ótima apresentação e eleve a audiência em decadência do Oscar.

A 90ª EDIÇÃO DO OSCAR: O QUE PODE ACONTECER

Nesta edição especial de 90 anos do Oscar, podemos presenciar momentos históricos como o primeiro Oscar para Roger Deakins após 14 indicações. Outros momentos podem acontecer sobre o palco e que podem fazer história: primeira vitória de um diretor negro (se Jordan Peele levar por Corra!), primeira vitória de uma pessoa transgênero (se Yance Ford levar Melhor Documentário por Strong Island), primeira mulher negra a ganhar o Oscar de Roteiro Adaptado (se Dee Rees levar por Mudbound), primeira mulher a vencer Melhor Fotografia (se Rachel Morrison ganhar por Mudbound), a vencedora mais velha a ganhar o Oscar (se Agnès Varda conquistar Melhor Documentário por Visages, Villages aos 89 anos), o vencedor mais velho nas categorias de atuação (se Christopher Plummer receber seu segundo Oscar por Todo o Dinheiro do Mundo aos 88 anos), vencedor mais novo de Melhor Ator (se Timothée Chalamet ganhar por Me Chame Pelo Seu Nome aos 22 anos), primeiro ator a ganhar 4 estatuetas de Melhor Ator (se Daniel Day-Lewis vencer por Trama Fantasma).

MELHOR FILME

  • Me Chame Pelo Seu Nome (Call Me By Your Name)
  • O Destino de uma Nação (Darkest Hour)
  • Dunkirk (Dunkirk)
  • Corra! (Get Out)
  • Lady Bird: A Hora de Voar (Lady Bird)
  • Trama Fantasma (Phantom Thread)
  • The Post: A Guerra Secreta (The Post)
  • A Forma da Água (The Shape of Water)
  • Três Anúncios Para um Crime (Three Billboards Outside Ebbing, Missouri)

DEVE GANHAR: A Forma da Água
DEVERIA GANHAR: Corra!
ZEBRA: The Post: A Guerra Secreta

ESNOBADO: Projeto Flórida

Embora A Forma da Água tenha ganhado os principais prêmios da temporada que indicam forte favoritismo como o PGA (sindicato de produtores), a corrida está bem aberta nesta categoria, principalmente por causa do sistema de votação que permite que filmes “rankiados” na média possam ultrapassar os melhores posicionados como aconteceu ano passado com Moonlight. Além disso, nesta era politicamente correta, pesa bastante a mensagem que a Academia quer passar com seu vencedor de Melhor Filme.

E nesse quesito, Três Anúncios Para um Crime é o que mais se aproxima pela temática da impunidade relacionado a crimes sexuais. Logo em seguida, viria Lady Bird, por ser o único aqui dirigido e escrito por uma cineasta mulher (Greta Gerwig). Contudo, a meu ver, pelo sistema de votação, acredito no potencial de Corra! surpreender na noite e ser coroado o Melhor Filme do Ano, até porque é o melhor filme (e mais ousado) e se ganhar, ninguém ficaria insatisfeito.

Particularmente, adoraria também que Trama Fantasma fosse o coelho da cartola, mas acho muito pouco provável sua vitória, mesmo que seu diretor, Paul Thomas Anderson, seja finalmente reconhecido na categoria de Diretor.

A seguir, vou comentar um pouco de cada um dos nove filmes indicados. Eles estão listados por ordem de preferência pessoal, do pior para o melhor:

THE POST: A GUERRA SECRETA
Em poucas palavras: o pior filme de Spielberg em décadas. Nitidamente, vemos que ele fez o filme nas coxas, não tendo o costumeiro cuidado que ele tem em filmes históricos. Tudo isso pra poder aproveitar o momento de crítica ao governo Trump que é contra a liberdade de imprensa. Assim, faltou emoção, faltou catarse, faltou empatia com qualquer personagem, faltou praticamente tudo. Nem Meryl Streep merecia indicação…

The Post

O DESTINO DE UMA NAÇÃO
Joe Wright se consagrou com Orgulho e Preconceito e Desejo e Reparação, dois filmes de época. Mas, este O Destino de uma Nação não tem a mesma leveza dos filmes anteriores. É pesado, repleto de diálogos, monólogos e preso demais aos fatos históricos. Embora tenha um visual interessante pela fotografia de Bruno Delbonnel, Wright entrega uma cinebiografia quadrada que outros diretores menos talentosos poderiam entregar.

The Darkest Hour

DUNKIRK
No geral, não achei que a ausência de um protagonista tenha funcionado, mesmo entendendo os motivos para isso. Porém, o que mais valorizo em Dunkirk é um amadurecimento de Christopher Nolan. Se antes ele fazia filmes extremamente verborrágicos e didáticos, ele procurou fazer justamente o oposto neste trabalho: poucos diálogos e menos explicações. E ele é um dos poucos diretores que sempre buscam fazer algo novo e feito para ser visto numa sala de cinema, de preferência com as caixas de som “bombando”.

DUNKIRK EDDIE_

LADY BIRD
Pra quem já assistiu aos filmes de John Hughes, que dissecou como poucos o universo juvenil, conferir Lady Bird parece mais uma versão com a geração dos anos 90. Aqui temos uma jovem perdida em seus sonhos enquanto luta para entender sua realidade. Honestamente, não entendi o alvoroço em volta do nome de Greta Gerwig, mas por causa de alguns momentos do filme, como a cena na loja de departamentos, é possível ver um futuro promissor na carreira dela.

Lady Bird 2

TRÊS ANÚNCIOS PARA UM CRIME
Pra quem tem humor negro e aprecia algumas coisas absurdas e non-sense, Três Anúncios soa como um respiro de originalidade no cenário. Embora tenha defeitos no roteiro e arcos um pouco difíceis de engolir, o filme de Martin McDonagh pegou carona no momento pró-feminismo ao abordar a história de uma mulher que busca justiça no caso não solucionado do assassinato de sua filha.

Three Billboards Frances Peter Dinklage_

A FORMA DA ÁGUA
Versão romântica e com final feliz de O Monstro da Lagoa Negra (1954). Guillermo del Toro concebe uma visão bastante romântica dessa história de amor inter-racial (?) entre uma mulher muda e uma criatura aquática presa. Claro que você consegue enxergar sob um viés político se trocarmos a muda por uma americana e a criatura por um mexicano sendo deportado por Trump, mas consigo ver mais como uma grande história de redenção de excluídos da sociedade: além da muda e da criatura, temos um homossexual idoso e uma faxineira negra.

the shape of water sally hawkins_

ME CHAME PELO SEU NOME
Pra ser bem honesto, nunca pensei que este filme chegaria à festa do Oscar. Não que seja um filme ruim ou não merecedor de tamanha atenção, mas a Academia dificilmente reconhece produções com aspecto mais europeu e dirigido por um italiano (Luca Guadagnino). Mas essa história de um caso amoroso entre dois jovens conquistou o público, especialmente com o monólogo de encerramento por Michael Stuhlbarg. Assim como em outros filmes de Guadagnino, ele toma o tempo necessário para você entrar naquele universo e também utiliza metáforas que o cinema americano não usaria.

CALL ME BY YOUR NAME 3

TRAMA FANTASMA
Quando se assiste ao trailer deste filme, não se cria expectativa alguma, pra não dizer que cria ânimo para vê-lo. Mas não estamos falando de qualquer cineasta, mas de Paul Thomas Anderson, um cineasta que parece à prova de filmes ruins em sua cinematografia. Aqui ele faz um belíssimo estudo das relações humanas através de dois personagens de comportamentos desagradáveis e que precisam aprender a lidar um com o outro. Além de todos os atores em sintonia e em estado de graça, a trilha de Jonny Greenwood acentua as cenas e concede um tom clássico ao filme. Em Trama Fantasma, existem tantas nuances que é impossível apreciar tudo numa única sessão.

Phantom Thread Day-Lewis Vicky.jpg

CORRA!
Quantos filmes você já não assistiu com a temática do racismo? Inúmeros, certo? Todos se tornam clichês se comparados à trama de Jordan Peele em Corra!. Colocar dois personagens discutindo e se xingando por causa da cor da pele é coisa de amadores. Peele se utiliza de convenções sociais para gerar um impasse entre um rapaz negro e a família branca de sua namorada. Jordan não apenas atualiza o filme de Sidney Poitier, Adivinhe Quem Vem Para Jantar, mas consegue atingir as vísceras do racismo.

get out movie 2

MELHOR DIRETOR

  • Paul Thomas Anderson (Trama Fantasma)
  • Guillermo del Toro (A Forma da Água)
  • Greta Gerwig (Lady Bird: A Hora de Voar)
  • Christopher Nolan (Dunkirk)
  • Jordan Peele (Corra!)

get-out-mit-jordan-peele-und-betty-gabriel.jpg

Jordan Peele (Corra!) pic by moviepilot.de

DEVE GANHAR: Guillermo del Toro (A Forma da Água)
DEVERIA GANHAR: Jordan Peele (Corra!)
ZEBRA: Paul Thomas Anderson (Trama Fantasma)

ESNOBADO: Sean Baker (Projeto Flórida)

É muito raro na história da Academia, o diretor que levou o prêmio do sindicato de diretores (DGA) não levar a estatueta do Oscar em seguida. Mais especificamente, esse fato ocorreu apenas sete vezes, portanto, o mexicano Guillermo del Toro já é tecnicamente o vencedor. Se confirmado esse reconhecimento, ele será o terceiro mexicano a vencer nesta categoria em menos de dez anos (!), seguido por Alfonso Cuarón e Alejandro G. Iñárritu. Dá-lhe, México!

Del Toro consegue criar esse universo de fantasia com atmosfera bem romântica, calcada na ótima trilha de Alexandre Desplat, na direção de arte, na fotografia e nas referências cinematográficas, ficando impossível de não reconhecer como um filme dele. Mas pra mim, Jordan Peele fez tudo isso e teve a ousadia que faltou para os outros: ele teceu uma crítica racial formidável em forma de filme de terror e ficção científica como grandes mestres fizeram no passado como John Carpenter. Nem ligo pra essa coisa de primeiro diretor negro a ganhar o Oscar, e ficarei extremamente feliz se ele ganhar.

MELHOR ATOR

  • Timothée Chalamet (Me Chame Pelo Seu Nome)
  • Daniel Day-Lewis (Trama Fantasma)
  • Daniel Kaluuya (Corra!)
  • Gary Oldman (O Destino de uma Nação)
  • Denzel Washington (Roman J. Israel, Esq.)

Timothée Chalamet Call me

Timothée Chalamet (Me Chame Pelo Seu Nome)

DEVE GANHAR: Gary Oldman (O Destino de uma Nação)
DEVERIA GANHAR: Timothée Chalamet (Me Chame Pelo Seu Nome)
ZEBRA: Denzel Washington (Roman J. Israel, Esq.)

ESNOBADO: James Franco (O Artista do Desastre), Robert Pattinson (Bom Comportamento)

Ok, que Gary Oldman é um dos melhores atores de sua geração não há dúvida ou discordância, mas é realmente toda essa unanimidade por O Destino de uma Nação? Sabemos que a fórmula das cinebiografias aliada a uma boa maquiagem já proporciona ótima vantagem no Oscar, mas toda vez que via Oldman dando berros como Winston Churchill, achava que estava beirando o caricato. De novo: eu entendo que isso vende no Oscar e que ele merece um Oscar pela carreira, mas e como fica Timothée Chalamet, que entregou a melhor performance masculina do ano? Espera ele ser indicado por um filme bobo e dar o Oscar pra compensar por essa derrota? Ok, o Oscar pode ser prematuro e estragar a carreira dele se formos pensar em consequências pessimistas, mas ele merece pela naturalidade de suas expressões, diálogos e mudança de idiomas.

Dois adendos rápidos: Daniel Day-Lewis traz novamente uma ótima performance. É doloroso saber que este pode ser seu último filme, já que anunciou aposentadoria. Mas nem por isso, apoio votação nele porque vai se retirar do cinema, mas pela performance em si, repleta de nuances.

E o que dizer de James Franco fora da corrida por causa de denúncias? Justo? Injusto? Foi realmente uma pena ele ser excluído por esse motivo. Sua interpretação-imitação de Tommy Wiseau é excelente, e o filme O Artista do Desastre se baseia demais na atuação dele. Ah, e se tivesse que exclui-lo mesmo, poderiam tê-lo substituído por algum material mais fresco como Robert Pattison em Bom Comportamento.

MELHOR ATRIZ

  • Sally Hawkins (A Forma da Água)
  • Frances McDormand (Três Anúncios Para um Crime)
  • Margot Robbie (Eu, Tonya)
  • Saoirse Ronan (Lady Bird: A Hora de Voar)
  • Meryl Streep (The Post: A Guerra Secreta)

Sally Hawkins The Shape of Water 2.jpg

Sally Hawkins (A Forma da Água) pic by cine.gr

 

DEVE GANHAR: Frances McDormand (Três Anúncios Para um Crime)
DEVERIA GANHAR: Sally Hawkins (A Forma da Água)
ZEBRA: Meryl Streep (The Post: A Guerra Secreta)

ESNOBADO: Brooklynn Prince (Projeto Flórida), Daniela Vega (Uma Mulher Fantástica)

Certamente foi um ano excepcional para as atrizes. E esse movimento Time’s Up pode e deve proporcionar mais papéis de protagonismo para elas, o que me agrada muito devido à atual escassez de papéis mais interessantes no cinema (porque na TV tem sobrando…). Pra quem acompanhou a temporada, Frances McDormand já levou esse Oscar. Mas devo lembrar que este será seu segundo Oscar, e poucas atrizes conseguiram esse feito. Muitos votantes utilizam esse critério na hora de votar: “Fulana já ganhou antes”. E curiosamente, o papel de Midred Hayes muito lembra a policial Marge Gundersson de Fargo. Particularmente, não vi nenhuma interpretação nova na carreira de McDormand. Pra mim, ela ganhará por puro carisma e torcida.

Das indicadas, a melhor performance foi de Sally Hawkins. E não é só porque ela interpreta uma mulher muda, e teve que aprender linguagem de sinais. Não. Ela consegue personificar uma mulher solitária que se apaixona e nunca desiste de uma vida melhor. Quem consegue fingir amor por um ser aquático sem cair no ridículo? Hawkins consegue e com certa ousadia, pois não teme expôr sua nudez e desejo carnal.

Não me entendam mal. Sou fã de Meryl Streep, tanto que assisti The Post só por causa dela no cinema. Contudo, mais uma vez, ela não mereceu uma nova indicação. Tudo bem que ela consegue dar maior profundidade à sua personagem que vive num universo masculino, mas o filme não ajuda em nenhum momento. Não sou muito a favor de indicar crianças por causa das altas expectativas, mas trocaria fácil Meryl Streep pela pequena-prodígio Brooklynn Prince de Projeto Flórida, ou a atriz chilena Daniela Vega por Uma Mulher Fantástica. E não, não estou selecionando por ser transgênero, mas pela performance corajosa mesmo.

MELHOR ATOR COADJUVANTE

  • Willem Dafoe (Projeto Flórida)
  • Woody Harrelson (Três Anúncios Para um Crime)
  • Richard Jenkins (A Forma da Água)
  • Christopher Plummer (Todo o Dinheiro do Mundo)
  • Sam Rockwell (Três Anúncios Para um Crime)

Willem Dafoe Florida.jpg

Willem Dafoe (Projeto Flórida)

DEVE GANHAR: Sam Rockwell (Três Anúncios Para um Crime)
DEVERIA GANHAR: Willem Dafoe (Projeto Flórida)
ZEBRA: Woody Harrelson (Três Anúncios Para um Crime)

ESNOBADO: Steve Carell (A Guerra dos Sexos)

Das categorias de atuação, é a que menos me agrada. Mas confesso que não assisti a Todo o Dinheiro do Mundo, então vou deixar o Christopher Plummer longe da crítica. Dos quatro, todos têm alguma deficiência, seja de interpretação ou de profundidade de papel. Por exemplo, Sam Rockwell está bem, mas o arco de seu personagem com essa suposta redenção não rolou pra mim. Já Willem Dafoe é a performance que mais me agrada, porém sinto que faltou uma cena que pudesse entregar um pouco mais sobre quem era seu personagem ou como ele chegou ali. Mas resumindo: adoraria ver o Dafoe ganhar.

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

  • Mary J. Blige (Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississipi)
  • Allison Janney (Eu, Tonya)
  • Lesley Manville (Trama Fantasma)
  • Laurie Metcalf (Lady Bird: A Hora de Voar)
  • Octavia Spencer (A Forma da Água)

Laurie Metcalf Lady Bird 3

Laurie Metcalf (Lady Bird) pic by cine.gr

 

DEVE GANHAR: Allison Janney (Eu, Tonya)
DEVERIA GANHAR: Laurie Metcalf (Lady Bird)
ZEBRA: Octavia Spencer (A Forma da Água)

ESNOBADO: Holly Hunter (Doentes de Amor)

Sou meio suspeito pra falar de Holly Hunter, porque costumo gostar de quase tudo o que ela faz, inclusive como dubladora em Os Incríveis, mas a interpretação dela em Doentes de Amor faz toda a diferença para a personagem dela, que poderia muito bem ser esquecível se fosse outra atriz. Holly cria alguns maneirismos e tiques para sua personagem sem gerar alarde exagerado. Prefiro ela a Octavia Spencer que, apesar de fazer uma personagem de alívio cômico em A Forma da Água, parece repetir o mesmo personagem em todo novo trabalho.

Pra mim, a grande atuação de coadjuvante deste ano é de Laurie Metcalf. Ela não usa maquiagem transformadora, não apresenta sotaques de caipira, nem tem cenas de gritaria, porque não precisa disso para mostrar suas habilidades naturais de interpretação. Ela faz a aquela mãe que toda adolescente já teve, que guarda para si suas dores e sonhos, é protetora e zela pelo bem-estar dos filhos. Se Lesley Manville ganhar, também seria um Oscar mais do que merecido. E se Allison Janney ganhar por Eu, Tonya, será a confirmação de que maquiagem e papel excêntrico sempre ganham.

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL

  • Kumail Nanjiani, Emily V. Gordon (Doentes de Amor)
  • Jordan Peele (Corra!)
  • Greta Gerwig (Lady Bird: A Hora de Voar)
  • Guillermo del Toro, Vanessa Taylor (A Forma da Água)
  • Martin McDonagh (Três Anúncios Para um Crime)

Get Out table

Cena de Corra! (pic by cine.gr)

DEVE GANHAR: Martin McDonagh (Três Anúncios Para um Crime)
DEVERIA GANHAR: Jordan Peele (Corra!)
ZEBRA: Kumail Nanjiani, Emily V. Gordon (Doentes de Amor)

ESNOBADO: Adrian Molina, Matthew Aldrich (Viva: A Vida é uma Festa)

Provavelmente o Oscar que deve definir qual filme leva o maior prêmio da noite: Melhor Filme. Se Jordan Peele levar, Corra! deve ganhar Filme, Greta Gerwig com Lady Bird e Martin McDonagh com Três Anúncios. Esperamos que Jordan Peele vença aqui pela sua originalidade, claro.

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO

  • James Ivory (Me Chame Pelo Seu Nome)
  • Scott Neustadter, Michael H. Weber (O Artista do Desastre)
  • Scott Frank, James Mangold, Michael Green (Logan)
  • Aaron Sorkin (A Grande Jogada)
  • Dee Rees, Virgil Williams (Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississippi)

call-me-by-your-name-mit-armie-hammer

Cena de Me Chame Pelo Seu Nome

DEVE GANHAR: James Ivory (Me Chame Pelo Seu Nome)
DEVERIA GANHAR: James Ivory (Me Chame Pelo Seu Nome)
ZEBRA: Aaron Sorkin (A Grande Jogada)

Quando o votante encarar essa categoria na cédula de votação, ele deve pensar: “Logan? Oscar para quadrinhos? Nem pensar… O Artista do Desastre? Depois de tantas denúncias… Aaron Sorkin não ganhou uns anos atrás por Rede Social? Mudbound… não vi! Não quero dar roteiro para Me Chame Pelo Seu Nome, mas é melhorzinho aqui e leva pelo menos um prêmio.” Resumindo a ópera, não há competição contra o roteiro de James Ivory, que aliás, foi indicado três vezes como diretor e nunca levou. Só espero que Timothée Chalamet esteja por perto para ajudá-lo a subir no palco como fez no WGA.

MELHOR FOTOGRAFIA

  • Roger Deakins (Blade Runner 2049)
  • Bruno Delbonnel (O Destino de uma Nação)
  • Hoyte Van Hoytema (Dunkirk)
  • Rachel Morrison (Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississippi)
  • Dan Laustsen (A Forma da Água)

Blade Runner 2049_

Fotografia de Roger Deakins em Blade Runner 2049

DEVE GANHAR: Blade Runner 2049
DEVERIA GANHAR: Blade Runner 2049
ZEBRA: Dunkirk

ESNOBADO: Sayombhu Mukdeeprom (Me Chame Pelo Seu Nome)

Depois de “apenas” 14 indicações, finalmente parece ter chegado a vez de Roger Deakins subir ao palco. Mas engana-se aquele que pensa que o diretor de fotografia está sendo reconhecido pelo conjunto da obra, como em muitos casos, mas pelo trabalho excepcional no visual de Blade Runner 2049. Como já citei aqui em posts anteriores, era um desafio enorme fazer a fotografia desta sequência do cultuado original de 1982, Blade Runner: O Caçador de Andróides, pois era necessário respeitar a identidade visual criada por Jordan Cronenweth (diretor de fotografia) e ainda criar sua própria. Um Oscar para Deankins mataria três coelhos numa só cajadada: seria uma forma de reconhecer o filme original de 1982 (que não levou nada na época), de reconhecer esta sequência bastante elogiada pela crítica, e de reconhecer o trabalho de um dos maiores diretores de fotografia das últimas décadas.

MELHOR MONTAGEM

  • Paul Machliss, Jonathan Amos (Em Ritmo de Fuga)
  • Lee Smith (Dunkirk)
  • Tatiane S. Riegel (Eu, Tonya)
  • Sidney Wolinsky (A Forma da Água)
  • Jon Gregory (Três Anúncios Para um Crime)

Bodega Bay

Cena de Dunkirk (pic by cine.gr)

DEVE GANHAR: Dunkirk
DEVERIA GANHAR: Dunkirk
ZEBRA: Três Anúncios Para um Crime

ESNOBADO: Ronald Bronstein, Benny Safdie (Bom Comportamento)

Lee Smith deveria ganhar só por ter editado um filme do Christopher Nolan com menos de duas horas de duração! Há quanto tempo você não via um filme do diretor tão econômico na duração? Mas além do tempo, a edição de Lee Smith conseguiu gerar tensão do início ao fim, seja na praia, na embarcação ou dentro do avião pilotado por Tom Hardy. Vale lembrar que o montador foi previamente indicado duas vezes, mas nunca levou.

Como o BAFTA anda prevendo os vencedores de Montagem (previu a vitória de Whiplash e Até o Último Homem), pode ser que Em Ritmo de Fuga conquiste seu Oscar também. E pra mim, uma montagem que ficou faltando aqui foi do independente Bom Comportamento.

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

  • Sarah Greenwood, Katie Spencer (A Bela e a Fera)
  • Dennis Gassner, Alessandra Querzola (Blade Runner 2049)
  • Sarah Greenwood, Katie Spencer (O Destino de uma Nação)
  • Nathan Crowley, Gary Fettis (Dunkirk)
  • Paul D. Austerberry, Shane Vieau, Jeffrey A. Melvin (A Forma da Água)

blade-runner-2049-mit-ryan-gosling-und-sylvia-hoeks

Cena de Blade Runner 2049

DEVE GANHAR: A Forma da Água
DEVERIA GANHAR: Blade Runner 2049
ZEBRA: A Bela e a Fera

ESNOBADO: Assassinato no Expresso Oriente

Tenho uma dura crítica a fazer em relação a Direção de Arte e Figurino. Fui contra à decisão da Academia de indicar o filme A Bela e a Fera em ambas as categorias, porque são Production Design e Costume Design, ou seja, estão reconhecendo o design desses dois setores. E o grande problema é que essas versões live-action das animações da Disney copiam tudo dos originais; não apenas o roteiro, mas os cenários e os figurinos. Se queriam premiar o design mesmo, tinham que premiar os artistas das animações. E isso é extremamente preocupante porque a Disney está filmando uma série de versões live-action como Mulan e O Rei Leão.

Enfim, após esse breve desabafo,  a competição está acirrada entre Blade Runner 2049 e A Forma da Água, pois ambos saíram vencedores no prêmio do sindicato de Diretores de Arte. O primeiro venceu como Fantasia, e o segundo levou como Filme de Época. Qualquer um vencendo o Oscar, será um prêmio bem dado e merecido. Contudo, acredito que A Forma da Água leva pra ganhar aquela “gordurinha” proporcional às 13 indicações.

MELHOR FIGURINO

  • Jacqueline Durran (A Bela e a Fera)
  • Jacqueline Durran (O Destino de uma Nação)
  • Mark Bridges (Trama Fantasma)
  • Luis Sequeira (A Forma da Água)
  • Consolata Boyle (Victoria e Abdul: O Confidente da Rainha)

Phantom Thread Vicky

Cena de Trama Fantasma com Vicky Krieps (pic by outnow.ch)

DEVE GANHAR: Trama Fantasma
DEVERIA GANHAR: Trama Fantasma
ZEBRA: Victoria e Abdul

ESNOBADO: Alexandra Byrne (Assassinato no Expresso Oriente)

Acho que ninguém tira esse segundo Oscar de Mark Bridges (ele venceu por O Artista). Vamos aos fatos: Trama Fantasma é um filme sobre roupas e moda. Quando as vestimentas são importantes para a trama, costuma ganhar muitos pontos. Foi assim que Memórias de uma Gueixa, A Jovem Rainha Vitória e A Duquesa levaram seus Oscars de Figurino.

A única concorrente que pode ameaçar o favoritismo de Bridges é Jacqueline Durran, que este ano concorre com dois filmes: A Bela e a Fera e O Destino de uma Nação, ou seja, os votos dela certamente vão se dividir e possibilitar ainda maior vantagem de favorito.

MELHOR MAQUIAGEM E CABELO

  • Arjen Tuiten (Extraordinário)
  • Kazuhiro Tsuji, David Malinowski, Lucy Sibbick (O Destino de uma Nação)
  • Daniel Phillips, Loulia Sheppard (Victoria e Abdul: O Confidente da Rainha)

Wonder.jpg

Jacob Tremblay em cena de Extraordinário (pic by cine.gr)

DEVE GANHAR: O Destino de uma Nação
DEVERIA GANHAR: Extraordinário
ZEBRA: Victoria e Abdul

ESNOBADO: Eu, Tonya

Não é a primeira vez que falo isso aqui no blog, mas eu sinto falta daqueles filmes de criaturas como Um Lobisomem Americano em Londres e A Mosca, em que o excepcional trabalho de maquiagem de transformação era de encher os olhos. Infelizmente, com o passar do tempo, esse talento foi cada vez mais desvalorizado por produtores de Hollywood, que queriam reduzir custos e fazer tudo numa computação gráfica barata.

Dos três indicados, não gosto de nenhum de fato. Mas me parece que a maquiagem de Extraordinário está melhor executada e a interpretação do jovem Jacob Tremblay consegue se destacar mesmo debaixo dela. Já a maquiagem de O Destino de uma Nação não está ruim, mas fica mais perceptível de que é uma pessoa maquiada pra ficar mais velha.

Eu tiraria Victoria e Abdul da jogada e o substituiria por Eu, Tonya. Acredito que sua maquiagem consegue caracterizar melhor as personagens no melhor estilo início dos anos 90, e a performance de Allison Janney muito se deve à maquiagem, e o processo de “enfeiamento” de Margot Robbie também contribui com o aspecto biográfico.

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL

  • Hans Zimmer (Dunkirk)
  • Jonny Greenwood (Trama Fantasma)
  • Alexandre Desplat (A Forma da Água)
  • John Williams (Star Wars: Os Últimos Jedi)
  • Carter Burwell (Três Anúncios Para um Crime)

Phantom Thread

Vicky Krieps e Daniel Day-Lewis em cena de Trama Fantasma (pic by cineimage.ch)

DEVE GANHAR: A Forma da Água
DEVERIA GANHAR: Trama Fantasma
ZEBRA: Três Anúncios Para um Crime

ESNOBADO: Michael Abels (Corra!), Daniel Lopatin (Bom Comportamento), Michael Giacchino (Planeta dos Macacos: A Guerra)

Vamos ser honestos? Não tem trilha mais bela deste ano do que a de Jonny Greenwood. Suas composições são tão bonitas e clássicas que também podem muito bem ser apreciadas além do filme Trama Fantasma. Sua parceria com o diretor Paul Thomas Anderson já deveria ter rendido um Oscar pelo menos, principalmente por Sangue Negro, portanto sua primeira indicação é mais do que merecida.

Contudo, a trilha de Alexandre Desplat pontua tão bem a atmosfera fantasiosa e lúdica de A Forma da Água, que é praticamente impossível de não conceder um segundo Oscar para o compositor francês. Sua composição aqui se utiliza de sons que remetem ao universo aquático, e a Academia adora sons bem específicos que destacam a trilha nos filmes.

Não desmerecendo o trabalho de Carter Burwell, e nem de John Williams, mas eu os substituiria pelo frescor das trilhas de Michael Abels e Daniel Lopatin. O primeiro criou uma música sensacional para a atmosfera de estranhamento de Corra!, principalmente para as sequências de hipnose. Já o segundo coordenou o ritmo frenético e empolgante de Bom Comportamento. Duas ausências injustificáveis.

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

  • “Mighty River” (Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississippi)
  • “Mystery of Love” (Me Chame Pelo Seu Nome)
  • “Remember Me” (Viva: A Vida é uma Festa)
  • “Stand Up for Something” (Marshall)
  • “This is Me” (O Rei do Show)

DEVE GANHAR: “This is Me”
DEVERIA GANHAR: “This is Me”
ZEBRA: “Stand Up for Something”

ESNOBADO: “Visions of Gideon” (Me Chame Pelo Seu Nome)

Esses dias atrás, quando vi Mudbound, pensei: “A Mary J. Blige está bem como atriz, mas pouca gente está falando dela. Quem sabe ela não surpreende na categoria de Canção?” A música “Mighty River” não é tão empolgante, mas caiu bem no filme de Dee Rees. Será que vão compensar a artista e o filme?

A única chance disso acontecer é se os votos de “Remember Me” e “This is Me” se dividirem. Particularmente, vejo “This is Me” como a grande favorita, especialmente pelo “making of” divulgado no YouTube (link acima), mas a canção também é de extrema importância para a trama de Viva: A Vida é uma Festa. O grande contra de O Rei do Show é que só foi indicado para Canção.

Só um adendo: a canção “Stand Up for Something” é a nona indicação da ótima compositora Diane Warren, responsável por grandes hits como “Because You Loved Me”, “How do I Live” e “I Don’t Want to Miss a Thing”. Infelizmente, acho bem improvável sua vitória aqui, mas acredito que ela vai acabar ganhando seu Oscar com direito a uma salva de palmas de pé do público.

MELHOR SOM

  • Em Ritmo de Fuga
  • Blade Runner 2049
  • Dunkirk
  • A Forma da Água
  • Star Wars: Os Últimos Jedi

Dunkirk 4.jpg

Cena de Dunkirk (pic by cine.gr)

DEVE GANHAR: Dunkirk
DEVERIA GANHAR: Dunkirk
ZEBRA: A Forma da Água

Normalmente, a regra que funciona nesta categoria é: o filme mais barulhento ganha. Então sempre temos filmes de guerra e ação aqui. Só para citar vencedores mais recentes: Até o Último Homem e Mad Max: Estrada da Fúria. Este ano, o candidato que mais se encaixa nesse perfil é Dunkirk, que apresenta sons de tiros, explosões, barcos, aviões, enfim, um festival sonoro pra quem viu numa sala de cinema de boa qualidade como o IMAX. Existe uma chance mínima de Em Ritmo de Fuga surpreender aqui, mas como disse, mínima.

MELHORES EFEITOS SONOROS

  • Em Ritmo de Fuga
  • Blade Runner 2049
  • Dunkirk
  • A Forma da Água
  • Star Wars: Os Últimos Jedi

Dunkirk Tom Hardy.jpg

Cena de Tom Hardy em Dunkirk (pic by cine.gr)

DEVE GANHAR: Dunkirk
DEVERIA GANHAR: Dunkirk
ZEBRA: A Forma da Água

Richard King é o grande nome desta categoria. É um senhorzinho de óculos que consegue recriar em estúdio os melhores efeitos sonoros da atualidade. Foi assim que ele ganhou dois Oscars por Mestre dos Mares e Batman: O Cavaleiro das Trevas. Essa sua parceria com o diretor Christopher Nolan lhe proporciona sempre novos desafios com grandes potenciais para o Oscar. Esse seu novo trabalho em Dunkirk é fenomenal! Seu design de som é o grande responsável pela tensão contínua do filme, e não a trilha musical de Hans Zimmer, como muitos creditam.

MELHORES EFEITOS VISUAIS

  • Blade Runner 2049
  • Guardiões da Galáxia Vol. 2
  • Kong: A Ilha da Caveira
  • Planeta dos Macacos: A Guerra
  • Star Wars: Os Últimos Jedi

planet-der-affen-survival (1).jpg

Andy Serkis como Caesar em Planeta dos Macacos: A Guerra (pic by moviepilot.de)

DEVE GANHAR: Planeta dos Macacos: A Guerra
DEVERIA GANHAR: Planeta dos Macacos: A Guerra
ZEBRA: Kong: A Ilha da Caveira

Apesar de Blade Runner 2049 ser praticamente uma criação toda feita em computação gráfica, não há outro trabalho mais bem feito e bem integrado aos atores do que Planeta dos Macacos: A Guerra. Muitos podem defender que se ganhar o Oscar, será pra compensar a falta de estatuetas por toda a trilogia, mas a verdade é que o segundo filme já deveria ter sido premiado antes. E isso só aumenta as chances deste terceiro e último ato. Além disso, uma vitória nesta categoria, valoriza, e muito, os esforços descomunais do ator Andy Serkis, responsável por outras criaturas digitais como o Gollum e King Kong.

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

  • Corpo e Alma
  • O Insulto
  • Sem Amor
  • The Square: A Arte da Discórdia
  • Uma Mulher Fantástica

una-mujer-fantastica-mit-francisco-reyes-und-daniela-vega.jpg

Daniela Vega em cena de Uma Mulher Fantástica (pic by cine.gr)

DEVE GANHAR: The Square
DEVERIA GANHAR: Uma Mulher Fantástica
ZEBRA: Corpo e Alma

ESNOBADO: Em Pedaços (ALEMANHA)

O fato mais curioso desta categoria é que o favorito até as indicações ao Oscar era o alemão Em Pedaços, de Fatih Akin, que levou o Globo de Ouro e o Critics’ Choice Awards, mas todo esse histórico vitorioso se esvaiu quando ficou de fora da lista oficial. E agora? Qual era o segundo favorito? Muitos estão defendendo que o Chile vencerá seu primeiro Oscar com Uma Mulher Fantástica, mas tenho minhas dúvidas por causa do alto conservadorismo dos votantes, que não vêem com muito bons olhos esse universo LGBT do filme. Claro que adoraria estar enganado e ver Sebastián Lélio no palco, mas acho que o representante sueco, The Square, tem mais chances por ter vencido a Palma de Ouro em Cannes e por abordar o universo das Artes e exposições.

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Com Amor, Van Gogh
  • O Poderoso Chefinho
  • O Touro Ferdinando
  • The Breadwinner
  • Viva: A Vida é uma Festa

COCO

Cena da animação da Pixar, Viva: A Vida é uma Festa 

DEVE GANHAR: Viva: A Vida é uma Festa
DEVERIA GANHAR: Viva: A Vida é uma Festa
ZEBRA: O Touro Ferdinando

ESNOBADO: Mary and the Witch’s Flower

Uma das categorias mais sem surpresa do ano é esta. O novo filme da Pixar, Viva: A Vida é uma Festa, é uma obra visualmente impecável, tem um excelente timing político, já que aborda e homenageia a cultura mexicana (Trump quer construir o muro na fronteira do México) e ainda tem um forte elemento emocional nas últimas cenas que dificilmente não conquista o votante. Depois de ganhar seu primeiro Oscar pelo excelente Toy Story 3, o diretor Lee Unkrich demonstra que tem muito talento para criação também, algo que o estúdio estava precisando urgentemente após tantas sequências. Só não gostei do título brasileiro, mas ao mesmo tempo, entendo o porquê de abandonarem o título original Coco.

Achei bacana ver o cineasta brasileiro Carlos Saldanha novamente indicado ao Oscar (ele havia sido indicado pelo curta Gone Nutty em 2004), mas seu filme aqui nesta categoria é o azarão.

MELHOR DOCUMENTÁRIO

  • Abacus: Pequeno o Bastante Para Condenar
  • Visages Villages
  • Strong Island
  • Ícaro
  • Últimos Homens em Aleppo

Visages Villages JR

Cena de Visages Villages com JR e Agnès Varda (pic by cine.gr)

DEVE GANHAR: Últimos Homens em Aleppo
DEVERIA GANHAR: Visages Villages
ZEBRA: Abacus: Pequeno o Bastante Para Condenar

ESNOBADO: Jane

A grande questão desta categoria é: será que Agnès Varda, que recebeu o Oscar Honorário em novembro, vai ganhar seu primeiro Oscar competitivo? Acredito que seria o primeiro caso nos 90 anos da Academia: um homenageado ganhar no mesmo ano uma estatueta. A verdade é que o documentário dela, feito com JR, Visages Villages, é um tocante retrato de pessoas comuns da França. Como num road movie, a cineasta busca histórias de vida enquanto o artista tira fotos das pessoas e as cola em muros, casas e monumentos. O resultado visual é impressionante.

Dentre os excluídos desta lista, destaco o documentário da cientista Jane Goodall, que fez carreira cuidando de chimpanzés. O filme conquistou inúmeros prêmios na temporada, mas ficou para trás na pré-seleção do Oscar.

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA

  • Edith+Eddie
  • Heaven is a Traffic Jam on the 405
  • Heroin(e)
  • Knife Skills
  • Traffic Stop

DEVE GANHAR: Heroin(e)
DEVERIA GANHAR: Edith+Eddie
ZEBRA: Knife Skills

Pelo que andei lendo, o curta Heroin(e) está com uma forte campanha por parte da Netflix para ganhar esse Oscar. O documentário acompanha três mulheres tentando quebrar o ciclo da droga. Não sei se a campanha surtirá efeito, mas Edith+Eddie é um bom candidato pelo seu tema: a relação inter-racial mais antiga dos EUA.

MELHOR CURTA-METRAGEM

  • DeKalb Elementary
  • The Eleven O’Clock
  • My Nephew Emmett
  • The Silent Child
  • Watu Wote: All of Us

DEVE GANHAR: DeKalb Elementary
DEVERIA GANHAR: Watu Wote: All of Us
ZEBRA: The Nephew Emmett

O curta DeKalb Elementary ganha vantagem por abordar um tema polêmico e bastante atual nos EUA: o controle de armas de fogo. No filme, acompanhamos um rapaz bem instável psicologicamente invadindo salas de aula com um rifle. Infelizmente não consegui conferir o curta por indisponibilidade, mas acredito que o tema já deva chamar a atenção de muitos votantes da Academia.

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO

  • Dear Basketball
  • Garden Party
  • LOU
  • Negative Space
  • Revolting Rhymes

DEVE GANHAR: Dear Basketball
DEVERIA GANHAR: Garden Party
ZEBRA: LOU

O curta de animação baseado no poema do jogador de basquete, Kobe Bryant, já vinha crescendo desde que estava na pré-seleção da categoria. No Oscar luncheon, Bryant foi uma das figuras mais ovacionadas quando chamada para a foto oficial. E basquete nos EUA é a mesma coisa que futebol aqui no Brasil: uma obsessão. Vi o curta pelo YouTube e ele tem traços de lápis que remetem a rascunho, acompanhado de narração em off do próprio jogador.

COMEMORAÇÃO

Vamos às satisfações pessoais? Se Roger Deakins e Jordan Peele ganharem o Oscar, já me dou por satisfeito. Agora se Jonny Greenwood e a canção “This is Me” ganharem os respectivos Oscars de Trilha Musical e Canção Original, vou ter orgasmos múltiplos. Agora, se Paul Thomas Anderson, Timothée Chalamet e Laurie Metcalf ganharem, aí eu atinjo o nirvana! Vou passar o resto de 2018 num eterno chá de cogumelo.

Bom, independente dos resultados, que todos tenham uma ótima noite de Oscar!

***

A 90ª cerimônia do Oscar terá transmissão ao vivo pela TNT no dia 04 de março a partir das 21h, horário de Brasília.

OSCAR 2018: ‘A FORMA DA ÁGUA’ LIDERA COM 13 INDICAÇÕES. MARTIN MCDONAGH FICA DE FORA COMO DIRETOR POR ‘TRÊS ANÚNCIOS PARA UM CRIME’

oscars-logo

ANÚNCIO DAS INDICAÇÕES

Não sei porque nos últimos dois anos, a Academia tem inventado moda no anúncio dos indicados. Não tem muito segredo: coloquem alguém para falar em voz alta, um monitor atrás com as imagens dos filme indicados e pronto!

Fizeram uma série de mini curtinhas com atores sintetizando as especificações de cada categoria, mas na hora do anúncio, não se deram nem o trabalho de inserir imagens no telão dos filmes indicados.

Mas o pior de tudo foi a escolha dos apresentadores. Os atores Andy Serkis e Tiffany Haddish não têm química alguma, e mais grave ainda: Haddish errava a pronúncia de vários nomes dos indicados. Pô, peraí! Não podiam colocar alguém menos analfabeto? Ou pelo menos que tivesse treinado para se apresentar? Não sei como os indicados se sentiram, mas se eu fosse indicado, não gostaria que errassem meu nome de forma tão esculachada como aconteceu ao vivo.

Obviamente, o público presente no local do anúncio era formado por jornalistas, mas pelas risadas bem forçadas pras piadas sem graça da Tiffany Haddish, parecia que eram figurantes contratados pra dar risada como naquelas gravações de sitcoms.

OSCAR EM NÚMEROS

Como esperado, o recordista de indicações desta edição foi A Forma da Água com 13. Bem depois, vem Três Anúncios Para um Crime com sete indicações. Aliás, ambos são filmes da Fox Searchlight, que totalizou 20 indicações. E agora? Será que a Fox terá o mesmo respeito e liberdade sendo propriedade da Disney?

Dunkirk, da Warner Bros., conquistou oito respeitáveis indicações, inclusive para Filme e Diretor. Com seis indicações, O Destino de uma Nação e Trama Fantasma também tiveram boa aceitação.

Favoritos durante a primeira metade da temporada de premiações tiveram que se contentar com menos indicações: cinco para Lady Bird, quatro para Corra! e quatro para Me Chame Pelo Seu Nome.

Não é exatamente uma novidade, mas Meryl Streep conquistou sua 21ª indicação ao Oscar, batendo um novo recorde que parece inalcançável. The Post: A Guerra Secreta foi indicado a Melhor Filme, mas falhou em ser reconhecido pra Diretor, Ator (Tom Hanks), Roteiro, Montagem e Trilha Musical, portanto suas chances são bastante remotas neste ano.

E um fato super interessante desta edição: como não víamos há muito tempo, filmes de gênero estão bem representados. Além das 13 indicações para a FANTASIA A Forma da Água, temos o TERROR de Corra! (o último terror indicado a Melhor Filme foi Cisne Negro em 2011), temos a adaptação de HQ de Logan e temos as cinco indicações para a FICÇÃO CIENTÍFICA de Blade Runner 2049.

SURPRESAS E MARCAS HISTÓRICAS

As surpresas nas atuações ficaram nas categorias de Coadjuvantes. Christopher Plummer, que havia sido indicado ao Globo de Ouro, foi reconhecido aqui também por Todo o Dinheiro do Mundo, no qual substituiu às pressas o acusado de abusos contra menores Kevin Spacey. A indicação única para o filme no Oscar representa um prêmio de consolação para Ridley Scott, que lutou duramente contra o estúdio para refilmar as cenas de Spacey com Plummer.

Já na categoria feminina, a surpresa foi Lesley Manville por Trama Fantasma. Mais conhecida por filmes britânicos menores e por ter trabalhado com um dos melhores diretores de atores no cinema, Mike Leigh, em Um Ano Mais. Esta é sua primeira indicação ao Oscar.

Aliás, o novo filme de Paul Thomas Anderson foi aquele filme que chegou atrasado e já sentou na janelinha. A previsão era de que Trama Fantasma conquistasse no máximo umas três indicações: Ator (Daniel Day-Lewis), Figurino e Trilha Musical, mas acabou coletando Atriz Coadjuvante, Diretor para Anderson e Melhor Filme!

Rachel Morrison se tornou a primeira diretora de fotografia mulher a ser indicada ao Oscar de Melhor Fotografia em 90 anos de história. Ela concorre pelo filme Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississipi, que já estava concorrendo também ao ASC, prêmio do sindicato de Diretores de Fotografia, onde ela também foi a pioneira. Felizmente, seu trabalho foi reconhecido por méritos, e não por motivos politicamente corretos, como muitos podem pensar.

rachel-morrison-mudbound

A primeira diretora de fotografia indicada ao Oscar, Rachel Morrison, por Mudbound.

E Greta Gerwig se tornou a quinta mulher indicada na categoria de Direção por Lady Bird, assim como Jordan Peele se tornou o quinto negro a ser indicado na categoria por Corra!. E Christopher Nolan finalmente conseguiu conquistar sua primeira indicação de Diretor no Oscar por Dunkirk após duas indicações como roteirista por Amnésia e A Origem, e como produtor por A Origem.

Outra surpresa desta edição ficou por conta da indicação de Roteiro Adaptado de Logan. Como todos sabem, a Academia nunca levou à sério filmes baseados em quadrinhos de super-heróis, tanto que eles ficam limitados às categorias de efeitos visuais, efeitos sonoros, maquiagem… (única exceção feita ao Oscar de Heath Ledger, que incorporou Coringa em Batman: O Cavaleiro das Trevas), portanto uma indicação para Roteiro certamente é uma surpresa agradável. Apesar de ser baseado em HQ, Logan mais parece um filme futurista de ficção científica, o que certamente contribuiu para esse reconhecimento. Além disso, a Academia pode ter pensado em compensar a ausência de Deadpool no ano passado na mesma categoria.

Logan_

Hugh Jackman e Dafne Keen em cena de Logan, indicado ao Oscar de Roteiro Adaptado. pic by imdb.com

AUSÊNCIAS

A ausência mais sentida aqui foi de Martin McDonagh na categoria de Diretor. Embora seu roteiro tenha sido indicado, ele havia sido reconhecido pelo DGA, prêmio do sindicato de diretores. Sua ausência nessa categoria pode significar um enfraquecimento de Três Anúncios Para um Crime na votação de Melhor Filme, já que é um fato muito raro um filme ganhar o prêmio máximo da noite e sequer ter seu diretor indicado. A última vez que isso aconteceu foi em 2013, quando Ben Affleck foi “esquecido” por Argo numa trapalhada no calendário da Academia. O filme acabou levando Melhor Filme numa tentativa de compensar o erro. Antes disso, isso só aconteceu em 1990, quando Conduzindo Miss Daisy levou Melhor Filme sem seu diretor indicado.

martin mcdonagh three billboards.jpeg

Martin McDonagh dirige Woody Harrelson em cena de Três Anúncios Para um Crime: indicação apenas pelo Roteiro Original

Embora muitos achem surpresa a ausência de James Franco como Melhor Ator por O Artista do Desastre, eu tinha certeza de que ele ficaria de fora por causa dos escândalos recentes de assédio de cinco mulheres logo depois do Globo de Ouro. Se a Academia tem pegado pesado nessa questão, expulsando inclusive o produtor Harvey Weinstein da associação, seria estranho e incoerente se indicassem Franco agora. Além disso, acredito que se ele fosse indicado, não haveria muito clima pro ator no tapete vermelho ou mesmo durante a cerimônia. Muitas mulheres iriam destratá-lo ou ignorá-lo. Resta saber se os roteiristas do filme vão aguentar o interrogatório sobre ele no evento. Minha opinião? Indicação para Franco já! Além da atuação, ele dirigiu o filme (garimpou ouro no filme de Tommy Wiseau, The Room). A Academia deveria reconhecer o trabalho. Deixem os pudicos julgarem o lado pessoal.

james-franco-the-artist-bts.jpg

No centro, James Franco dirige O Artista do Desastre. Sua indicação como Ator naufragou após as cinco denúncias de abuso. Pic by Variety

Ok, a tailandesa Hong Chau não foi indicada por Pequena Grande Vida. E daí? Acontece. E não somente porque ela é asiática ou oriental. Ela foi substituída por uma grande atriz, Lesley Manville, então não vejo nenhum problema. Se o pessoal do politicamente correto ficar resmungando por causa disso, tem que se tratar numa clínica psicológica. Se eu que sou asiático não estou ligando pra isso, por que alguém que não é deveria perder as estribeiras?? Vale lembrar que o novo filme de Alexander Payne recebeu péssimas críticas e talvez por isso, Hong Chau tenha ficado de fora.

Bom, a ausência de Tom Hanks aqui também não me surpreende. Ele pode ter recebido indicações do Globo de Ouro e do Critics’ Choice, que costumam ser puxa-sacos de celebridades, mas na Academia as coisas são diferentes: são os colegas de profissão de Hanks que votam nos indicados. Portanto, conclui-se de que não sou somente eu que pensa que Tom Hanks tem interpretado a si mesmo nos nas últimas duas décadas. Ele pode ter um carisma fenomenal, mas sua capacidade de atuação não é a mesma dos anos 90.

Vale a pena ressaltar aqui as ausências dos coadjuvantes de Me Chame Pelo Seu Nome: Armie Hammer e Michael Stuhlbarg. Ambos foram indicados pelo Critics’ Choice, e Hammer também foi reconhecido pelo Globo de Ouro. Hammer tem uma boa presença no filme, e Stuhlbarg é mais reconhecido pelo monólogo final sobre se apaixonar, contudo, para ser indicado ao Oscar, acho que faltaram mais cenas desses personagens, algo que dissesse ao espectador que são táteis e tridimensionais.

call me by your name table_

Ao fundo, os coadjuvantes Michael Stuhlbarg e Armie Hammer em cena de Me Chame Pelo seu Nome com Amira Casar e Timothée Chalamet. Pic by imdb.com

E pelamor de deus, não me venham com esse papo de “ausência relevante” de Mulher-Maravilha! A Academia pode ter errado muuuuito nas últimas décadas, mas felizmente soube enxergar que o filme da heroína amazona dirigido por Patty Jenkins nada mais é do que hype momentâneo que pegou carona com o movimento feminista, apoiado por seu sucesso de bilheteria.

MINHA TORCIDA

Sobre os filmes de 2017, cansei de falar que o melhor filme foi Corra!, de Jordan Peele. Um filme que soube abordar o tema do racismo como nenhum outro, sabendo dosar drama, humor negro e tensão na medida certa. E isso tudo é mérito total de Peele, que escreveu o roteiro baseado no sentimento horrível que ele tinha de se sentir acuado como minoria. Não sei se tem chances reais de ganhar uma estatueta, mas ponto pra Academia que incluiu esta pérola do cinema nas indicações.

get out daniel kaluuya_

Racismo tratado como nunca em Corra!, de Jordan Peele (pic by imdb.com)

Gostei também de ver Timothée Chalamet indicado como Ator por Me Chame Pelo Seu Nome. Esse menino prodígio tem um grande futuro no cinema! Se o filme não foi tão bem aceito pela Academia, pelo menos foi indicado a Melhor Filme.

Não sou da onda politicamente correta, mas foi bacana ver Greta Gerwig indicada. Muitas e muitas mulheres, sejam artistas ou cinéfilas, elogiaram bastante Lady Bird por saber retratar como nunca o universo feminino e suas incertezas da juventude. Não sei se tem chances de levar Diretor, mas pode levar Roteiro Original. Gostaria que o filme levasse Atriz Coadjuvante para Laurie Metcalf, mas o favoritismo de Allison Janney chega a espantar.

Só mais um adendo que não vi ninguém comentar até agora. Se indicaram a Direção de Arte e Figurino de A Bela e a Fera, deveriam ter indicado os artistas que fizeram essas funções no longa de animação homônimo de 1991, já que esse live-action é uma cópia deslavada. Como os próprios nomes em inglês dizem: Production Design e Costume Design, ou seja, estão reconhecendo o design, que veio da animação. Não sou purista, nem nada do tipo, mas acho hipocrisia reconhecer o mesmo trabalho duas vezes. Só espero que não ganhe nenhuma estatueta, porque daí seria demais…

INDICADOS AO 90th ACADEMY AWARDS:

MELHOR FILME
* Me Chame Pelo Seu Nome (Call me by Your Name)
* O Destino de uma Nação (Darkest Hour)
* Dunkirk (Dunkirk)
* Corra! (Get Out)
* Lady Bird: É Hora de Voar (Lady Bird)
* Trama Fantasma (Phantom Thread)
* The Post: A Guerra Secreta (The Post)
* A Forma da Água (The Shape of Water)
* Três Anúncios Para um Crime (Three Billboards Outside Ebbing, Missouri)

MELHOR DIRETOR
* Christopher Nolan (Dunkirk)
* Jordan Peele (Corra!)
* Greta Gerwig (Lady Bird)
* Paul Thomas Anderson (Trama Fantasma)
* Guillermo del Toro (A Forma da Água)

MELHOR ATOR
* Timothée Chalamet (Me Chame Pelo Seu Nome)
* Daniel Day-Lewis (Trama Fantasma)
* Daniel Kaluuya (Corra!)
* Gary Oldman (O Destino de uma Nação)
* Denzel Washington (Roman J. Israel, Esq.)

MELHOR ATRIZ
* Sally Hawkins (A Forma da Água)
* Frances McDormand (Três Anúncios Para um Crime)
* Margot Robbie (Eu, Tonya)
* Saoirse Ronan (Lady Bird)
* Meryl Streep (The Post: A Guerra Secreta)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
* Willem Dafoe (Projeto Flórida)
* Woody Harrelson (Três Anúncios Para um Crime)
* Richard Jenkins (A Forma da Água)
* Christopher Plummer (Todo o Dinheiro do Mundo)
* Sam Rockwell (Três Anúncios Para um Crime)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
* Mary J. Blige (Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississipi)
* Allison Janney (Eu, Tonya)
* Lesley Manville (Trama Fantasma)
* Laurie Metcalf (Lady Bird)
* Octavia Spencer (A Forma da Água)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
* Kumail Nanjiani, Emily V. Gordon (Doentes de Amor)
* Jordan Peele (Corra!)
* Greta Gerwig (Lady Bird)
* Guillermo del Toro e Vanessa Taylor (A Forma da Água)
* Martin McDonagh (Três Anúncios Para um Crime)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
* James Ivory (Me Chame Pelo Seu Nome)
* Scott Neustadter, Michael H. Weber (O Artista do Desastre)
* Scott Frank, James Mangold, Michael Green (Logan)
* Aaron Sorkin (A Grande Jogada)
* Virgil Williams, Dee Rees (Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississipi)

MELHOR FOTOGRAFIA
* Roger Deakins (Blade Runner 2049)
* Bruno Delbonel (O Destino de uma Nação)
* Hoyte van Hoytema (Dunkirk)
* Rachel Morrison (Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississipi)
* Dan Laustsen (A Forma da Água)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
* Sarah Greenwood, Katie Spencer (A Bela e a Fera)
* Dennis Gassner, Alessandra Querzola (Blade Runner 2049)
* Sarah Greenwood, Katie Spencer (O Destino de uma Nação)
* Nathan Crowley, Gary Fettis (Dunkirk)
* Paul D. Austerberry, Shane Vieau, Jeffrey A. Melvin (A Forma da Água)

MELHOR MONTAGEM
* Paul Machliss, Jonathan Amos (Em Ritmo de Fuga)
* Lee Smith (Dunkirk)
* Tatiana S. Riegel (Eu, Tonya)
* Sidney Wolinsky (A Forma da Água)
* John Gregory (Três Anúncios Para um Crime)

MELHOR FIGURINO
* Jacqueline Durran (A Bela e a Fera)
* Luis Sequeira (A Forma da Água)
* Jacqueline Durran (O Destino de uma Nação)
* Mark Bridges (Trama Fantasma)
* Consolata Boyle (Victoria e Abdul: O Confidente da Rainha)

MELHOR MAQUIAGEM E CABELO
* Kazuhiro Tsuji, David Malinowski, Lucy Sibbick (O Destino de uma Nação)
* Daniel Phillips, Loulia Sheppard (Victoria e Abdul: O Confidente da Rainha)
* Arjen Tuiten (Extraordinário)

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
* Hans Zimmer (Dunkirk)
* Jonny Greenwood (Trama Fantasma)
* Alexandre Desplat (A Forma da Água)
* John Williams (Star Wars: Os Últimos Jedi)
* Carter Burwell (Três Anúncios Para um Crime)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
* “Mighty River”, de Raphael Saadiq, Mary J. Blige, Taura Stinson (Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississipi)
* “Mystery of Love”, de Sufjan Stevens (Me Chame Pelo Seu Nome)
* “Remember Me”, de Kristen Anderson-Lopez, Robert Lopez (Viva: A Vida é uma Festa!)
* “Stand up for Something”, de Common, Diane Warren (Marshall)
* “This is Me”, de Benj Pasek, Justin Paul (O Rei do Show)

MELHOR SOM
* Tim Cavagin, Mary H. Ellis, Julian Slater (Em Ritmo de Fuga)
* Ron Bartlett, Doug Hemphill, Mac Ruth (Blade Runner 2049)
* Gregg Landaker, Gary Rizzo, Mark Weingarten (Dunkirk)
* Christian T. Cooke, Glen Gauthier, Brad Zoern (A Forma da Água)
* Michael Semanick, David Parker, Stuart Wilson, Ren Klyce (Star Wars: Os Últimos Jedi)

MELHORES EFEITOS SONOROS
* Julian Slater (Em Ritmo de Fuga)
* Mark A. Mangini, Theo Green (Blade Runner 2049)
* Richard King, Alex Gibson (Dunkirk)
* Nathan Robitaille, Nelson Ferreira (A Forma da Água)
* Matthew Wood, Ren Klyce (Star Wars: Os Últimos Jedi)

MELHORES EFEITOS VISUAIS
* John Nelson, Ger Jeff White, Scott Benza, Michael MeiardusNefzer, Paul Lambert, Richard R. Hoover (Blade Runner 2049)
* Christopher Townsend, Guy Williams, Jonathan Fawkner, Daniel Sudick (Guardiões da Galáxia Vol. 2)
* Stephen Rosenbaum, Jeff White, Scott Benza, Michael Meinardus (Kong: A Ilha da Caveira)
* Ben Morris, Michael Mulholland, Neal Scanlan, Chris Corbould (Star Wars: Os Últimos Jedi)
* Joe Letteri, Daniel Barrett, Dan Lemmon, Joel Whist (Planeta dos Macacos: A Guerra)

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
* Uma Mulher Fantástica (CHILE)
* O Insulto (LÍBANO)
* Desamor (RÚSSIA)
* Corpo e Alma (HUNGRIA)
* The Square: A Arte da Discórdia (SUÉCIA)

MELHOR ANIMAÇÃO
* O Poderoso Chefinho (The Boss Baby)
* The Breadwinner
* Viva: A Vida é uma Festa! (Coco)
* O Touro Ferdinando (Ferdinand)
* Com Amor, Van Gogh (Loving Vincent)

MELHOR DOCUMENTÁRIO
* Abacus: Small Enough to Jail
* Faces Places
* Ícaro
* Last Men in Aleppo
* Strong Island

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA
* Edith + Eddie
* Heaven is a Traffic Jam on the 405
* Heroin(e)
* Knife Skills
* Traffic Stop

MELHOR CURTA-METRAGEM
* DeKalb Elementary
* The Eleven O’Clock
* My Nephew Emmett
* The Silent Child
* Watu Wote: All of Us

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
* Dear Basketball
* Garden Party
* LOU
* Negative Space
* Revolting Rhymes Part One

***

A 90ª cerimônia do Oscar está marcada para o dia 04 de março.

%d blogueiros gostam disto: