‘FIRST REFORMED’ e ‘A FAVORITA’ LARGAM NA FRENTE no GOTHAM AWARDS

 

First Reformed

Ethan Hawke em First Reformed, com 3 indicações no Gotham Awards (pic by myfilm.gr)

DRAMA DE PAUL SCHRADER E COMÉDIA HISTÓRICA DE YORGOS LANTHIMOS SÃO OS DESTAQUES DOS INDEPENDENTES

Na última quinta-feira, dia 18, foi dada a largada oficial da temporada de premiações com o anúncio dos indicados do Gotham Awards. Apesar de estar apenas em sua 28ª edição, o prêmio concedido pelo IFP (Independent Filmmaker Project) foca em produções independentes. algo que o Independent Spirit Awards costumava fazer até os anos 90, quando ainda não era o precursor do Oscar.

Com três indicações, First Reformed, de Paul Schrader, lidera a corrida pelas categorias Filme, Roteiro e Ator (Ethan Hawke). A Favorita, de Yorgos Lanthimos, empata tecnicamente, pois além de indicações de Filme e Roteiro, recebeu um prêmio especial de Elenco pelo trio Olivia Colman, Rachel Weisz e Emma Stone como forma de compensá-las pela ausência nas categorias de atuação.

Rachel Weisz, Olivia Colman, Emma Stone

Rachel Weisz, Olivia Colman e Emma Stone em premiere de A Favorita. Trio recebeu o prêmio de Elenco no Gotham Awards. Pic by Firstpost

Aliás, sobre a categoria de atriz, temos um embate interessante de veteranas: Glenn Close, que já vinha conquistando espaço nas campanhas para sua sétima indicação ao Oscar, e Michelle Pfeiffer, que após décadas desde sua última indicação ao Oscar em 1993, pode finalmente voltar aos holofotes do tapete vermelho. Curiosamente, ambas são atrizes que se destacaram na década de 90, e depois foram perdendo força no cinema.

Elas competem pelo prêmio de Atriz do Gotham com Toni Collette. A atriz australiana recebeu merecidos elogios pela intensa performance no terror psicológico Hereditário, de Ari Aster, que também compete como Diretor Estreante. Alguns acreditam que ela será indicada pela Academia pela segunda vez (curiosamente, a primeira vez também foi com um filme de terror: O Sexto Sentido), pois os tempos mudaram, e os filmes de gênero não sofrem tanto com o conservadorismo como antigamente.

Toni Collette Hereditary

Toni Collette intensa em Hereditário: 2 indicações para o Gotham (pic by IMDb)

Falando em gênero, a edição anterior do Gotham premiou Corra! em três categorias: Roteiro, Prêmio do Público e Diretor Estreante para Jordan Peele, resultando no Oscar de Roteiro Original; assim como o prêmio de Melhor Filme que foi para Me Chame Pelo Seu Nome, que terminou com o Oscar de Roteiro Adaptado, ou seja, Gotham Awards está no mapa da temporada de premiações.

Também gostaria de destacar as duas indicações para a “dramédia” Eighth Grade (que deve se chamar Oitava Série aqui no Brasil). Trata-se da estréia de Bo Burnham, que era youtuber, e decidiu dirigir um filme sobre essa fase complicada da adolescência e sua relação com a tecnologia. Existe um certo frescor na linguagem narrativa de Burnham, muito auxiliado pela ótima performance da jovem Elsie Fisher.

Elsie Fisher Eighth Grade

Elsie Fisher em cena de Eighth Grade: 2 indicações para o Gotham Awards (pic by imdb.com)

Ainda sem título no Brasil, vale destacar o drama First Reformed, escrito e dirigido por Paul Schrader. No centro da trama, temos um padre, vivido pelo consistente Ethan Hawke, lutando contra seus ideais religiosos após um incidente com o marido de uma fiel de sua igreja. Cheguei a comentar no Letterboxd, que se tratava do primeiro filme em vários anos que tínhamos um padre protagonista sem lidar com questões típicas como pedofilia, exorcismo, demônios ou assédio sexual, o que já é digno de nota.

Badalado pela vitória no Oscar 2017 por Moonlight, o novo filme do diretor Barry Jenkins, If Beale Street Could Talk, foi reconhecido em duas categorias aqui: Filme e Atriz Revelação para Kiki Layne, que faz a esposa que tem seu marido preso por engano. De temática negra ou afro, o filme deve crescer bastante ainda pelas campanhas, assim como The Green Book, que ficou de fora do Gotham.

MELHOR FILME
First Reformed
A Favorita (The Favorite)
Madeline de Madeline (Madeline’s Madeline)
If Beale Street Could Talk
Domando o Destino (The Rider)

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Bisbee ‘17
Hale County This Morning, This Evening
Minding the Gap
Shirkers
Won’t You Be My Neighbor?

PRÊMIO BINGHAM RAY PARA DIRETOR ESTREANTE
Bo Burnham (Oitava Série)
Ari Aster (Hereditário)
Boots Riley (Sorry to Bother You)
Crystal Moselle (Skate Kitchen)
Jennifer Fox (O Conto)

MELHOR ROTEIRO
Deborah Davis, Tony McNamara (A Favorita)
Cory Finley (Thoroughbreds)
Paul Schrader (First Reformed)
Tamara Jenkins (Mais uma Chance)
Andrew Bujalski (Support the Girls)

MELHOR ATOR
Adam Driver (Infiltrado na Klan)
Ben Foster (Não Deixe Rastros)
Richard E. Grant (Poderia me Perdoar?)
Ethan Hawke (First Reformed)
Lakeith Stanfield (Sorry to Bother You)

MELHOR ATRIZ
Glenn Close (The Wife)
Toni Collette (Hereditário)
Kathryn Hahn (Mais uma Chance)
Regina Hall (Support the Girls)
Michelle Pfeiffer (Where is Kyra?)

ATOR OU ATRIZ REVELAÇÃO
Thomasin Harcourt (Não Deixe Rastros)
Helena Howard (A Madeline de Madeline)
Kiki Layne (If Beale Street Could Talk)
Elsie Fisher (Oitava Série)
Yalitza Aparicio (Roma)

SÉRIE REVELAÇÃO – EPISÓDIOS LONGOS
Alias Grace
Big Mouth
The End of the F***ing World
Killing Eve
Pose
Sharp Objects

SÉRIE REVELAÇÃO – EPISÓDIOS CURTOS
195 Lewis
Cleaner Daze
Distance
The F Word
She’s the Ticket

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI PARA PERFORMANCE DE ELENCO
Olivia Colman, Emma Stone, Rachel Weisz (A Favorita)

***

A 28ª edição do Gotham Awards acontecerá no dia 26 de novembro em Nova York.

Anúncios

COMO ESPERADO, ‘PANTERA NEGRA’ REINA NO MTV MOVIE & TV AWARDS

214605824-santa-monica-ca-june-16-l-r-actors-winston-duke-chadwick-boseman-and-michael-b-jordan-a

Os atores de Pantera Negra aceitam o prêmio de Melhor Filme: Winston Duke, Chadwick Boseman e Michael B. Jordan (pic by standard.co.uk)

PREMIAÇÃO POP ELEGE FILME AFRO COMO MELHOR DO ANO

A edição 2018 do MTV Movie & TV Awards não reservou nenhuma surpresa. Aliás, surpresa nunca foi muito a praia desse prêmio, já que não é transmitido ao vivo e ainda correm boatos que os vencedores são previamente avisados para que confirmem presença. Este ano, a organização acertou na programação, já que realizou o evento no sábado e transmitiu na segunda-feira seguinte, dia que possibilitou maior audiência televisiva.

Falando em audiência, o fato de Tiffany Haddish ter sido a hostess parece ter colaborado com os números positivos. Em alta desde seu prêmio de Atriz Coadjuvante no New York Film Critics Circle no final de 2017 por Viagem das Garotas, ela tem aproveitado bem suas chances para elevar seu status de personalidade debochada e politicamente incorreta. Foi assim naquele (desastroso) anúncio de indicados do Oscar ao lado de Andy Serkis, e ao apresentar um prêmio na cerimônia do Oscar ao lado de Maya Rudolph. Particularmente, acho o humor dela bem forçado, mas se o público gosta, ela tem que aproveitar mesmo a chance.

tiffany-haddish-speaks-onstage-during-the-2018-mtv-movie-a

A bola da vez: Tiffany Haddish como hostess do MTV Movie & TV Awards (pic by standard.co.uk)

Bom, pra quem não é muito familiarizado com o MTV, o prêmio tem o objetivo explícito de agradar às massas, uma vez que seus votos são populares via internet. E não, o público estrangeiro (fora dos EUA) não pode votar; eu já tentei. Acredite! Eu ainda sou saudosista da época em que o prêmio reconhecia produções mais ousadas e de ótima qualidade como O Exterminador do Futuro 2, Pulp Fiction e Seven. Na verdade, são filmes que mereciam até o Oscar de Filme, mas por não terem a veia conservadora que a Academia requer, não foram premiados nas principais categorias.

Nesta edição, Pantera Negra levou 4 baldinhos de pipoca: Filme, Atuação em Filme, Herói e Vilão, com destaque para Chadwick Boseman, que subiu ao palco três vezes. Quando aceitou o prêmio de Herói, ele chamou James Shaw Jr., seu convidado, para agradecê-lo por proteger civis contra um atirador que abriu fogo num restaurante Waffle House em Tennesse no mês passado.

Em relação ao prêmio de Melhor Beijo, esta é a terceira vez que temos um casal masculino levando a categoria depois de O Segredo de Brokeback Mountain (2005) e Moonlight: Sob a Luz do Luar (2016). Pena que o filme Com Amor, Simon seja bobinho e politicamente correto demais.

Falando em bobo demais, tudo bem que o MTV Movie é um prêmio cômico e despretensioso, mas poderiam extinguir essa categoria ridícula de Melhor Atuação Assustada? Por que não substituir por um Melhor Filme de Terror ou Ficção Científica? Ou indo na onda, Melhor Morte? Pelo menos premiaria-se um modo criativo de matar um personagem!

MTV GENERATION AWARD

Seria uma espécie de Oscar Honorário. Na teoria. Nos últimos anos, premiaram Robert Downey Jr., Mark Wahlberg, Will Smith, Johnny Depp, Sandra Bullock, Tom Cruise e Reese Witherspoon. Ok, pra geração de hoje, eles já são veteranos, que começaram suas carreiras nos anos 80 e 90. Mas este ano elegeram Chris Pratt. Chris Pratt? O cara acabou de ficar famoso com Guardiões da Galáxia e Jurassic World! Duvido que não encontraram algum ator ou atriz que merecesse esse reconhecimento! Ano que vem vão entregar o prêmio para o menino Jacob Tremblay!

Chris Pratt MTVAwards1906bJPG

Chris Pratt discursa como homenageado do MTV Generation Award (pic by standard.co.uk)

RESUMO DA ÓPERA

O MTV Movie & TV Awards premia Pantera Negra como o primeiro filme com elenco todo negro. Claro que é uma conquista muito importante, especialmente para o público que jamais imaginou que este dia chegaria. Mas claramente o cinema está sob o regime politicamente correto, e o problema reside no esquecimento das características do cinema como Arte: roteiro, fotografia, montagem ou mesmo construção de personagens sólidos.

MTVAwards Stranger Things 1906f

Elenco de Stranger Things sobe ao palco para receber o prêmio de Melhor Show (pic standard.co.uk)

VENCEDORES DO MTV MOVIE & TV AWARDS 2018:

MELHOR FILME
– Vingadores: Guerra Infinita (Avengers: Infinity War)
* Pantera Negra (Black Panther)
– Viagem das Garotas (Girls Trip)
– It: A Coisa (It)
– Mulher-Maravilha (Wonder Woman)

MELHOR SHOW
– 13 Reasons Why
– Game of Thrones
– Grown-ish
– Riverdale
* Stranger Things

MELHOR ATUAÇÃO EM FILME
* Chadwick Boseman (Pantera Negra)
– Timothée Chalamet (Me Chame Pelo Seu Nome)
– Ansel Elgort (Em Ritmo de Fuga)
– Daisy Ridley (Star Wars: Os Últimos Jedi)
– Saoirse Ronan (Lady Bird)

MELHOR ATUAÇÃO EM SHOW
* Millie Bobby Brown (Stranger Things)
– Darren Criss (The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story)
– Katherine Langford (13 Reasons Why)
– Issa Rae (Insecure)
– Maisie Williams (Game of Thrones)

MELHOR HERÓI
* Chadwick Boseman (Pantera Negra)
– Emilia Clarke (Game of Thrones)
– Gal Gadot (Mulher-Maravilha)
– Grant Gustin (The Flash)
– Daisy Ridley (Star Wars: Os Últimos Jedi)

MELHOR VILÃO
– Josh Brolin (Vingadores: Guerra Infinita)
– Adam Driver (Star Wars: Os Últimos Jedi)
* Michael B. Jordan (Pantera Negra)
– Aubrey Plaza (Legion)
– Bill Skarsgard (It: A Coisa)

MELHOR BEIJO
– Gina Rodriguez e Justin Baldoni (Jane the Virgin)
* Nick Robinson e Keiynan Lonsdale (Com Amor, Simon)
– Olivia Cooke e Tye Sheridan (Jogador Nº 1)
– KJ Apa e Camila Mendes (Riverdale)
– Finn Wolfhard e Millie Bobby Brown (Stranger Things)

MELHOR ATUAÇÃO ASSUSTADA
– Talitha Bateman (Annabelle 2: A Criação do Mal)
– Emily Blunt (Um Lugar Silencioso)
– Sophia Lillis (It: A Coisa)
– Cristin Milioti (Black Mirror)
* Noah Schnapp (Stranger Things)

MELHOR EQUIPE

– Chadwick Boseman, Lupita Nyong’o, Danai Gurira, Letitia Wright (Pantera Negra)
* Finn Wolfhard, Sophia Lillis, Jaeden Lieberher, Jack Dylan Grazer, Wyatt Oleff, Jeremy Ray Taylor, Chosen Jacobs (It: A Coisa)
– Dwayne Johnson, Kevin Hart, Jack Black, Karen Gillan, Nick Jonas (Jumanji: Bem-Vindo à Selva)
– Tye Sheridan, Olivia Cooke, Philip Zhao, Win Morisaki, Lena Waithe (Jogador Nº 1)
– Gaten Matarazzo, Finn Wolfhard, Caleb McLaughlin, Noah Schnapp, Sadie Sink (Stranger Things)

MELHOR ATUAÇÃO CÔMICA
– Jack Black (Jumanji: Bem-Vindo à Selva)
* Tiffany Haddish (Viagem das Garotas)
– Dan Levy (Schitt’s Creek)
– Kate McKinnon (Saturday Night Live)
– Amy Schumer (Sexy por Acidente)

LADRA/ÃO DE CENAS
– Tiffany Haddish (Viagem das Garotas)
– Dacre Montgomery (Stranger Things)
* Madelaine Petsch (Riverdale)
– Taika Waititi (Thor: Ragnarok)
– Letitia Wright (Pantera Negra)

MELHOR LUTA
– Charlize Theron vs. Daniel Hargrave, Greg Rementer (Atômica)
– Scarlett Johansson, Danai Gurira, Elizabeth Olsen vs. Carrie Coon (Vingadores: Guerra Infinita)
– Chadwick Boseman vs. Winston Duke (Pantera Negra)
– Mark Ruffalo vs. Chris Hemsworth (Thor: Ragnarok)
* Gal Gadot vs. soldados alemães (Mulher-Maravilha)

MELHOR DOCUMENTÁRIO MUSICAL
Can’t Stop, Won’t Stop: A Bad Boy Story
Demi Lovato: Simply Complicated
Gaga: Five Foot Two
Jay-Z’s “Footnotes for 4:44
The Defiant Ones

MELHOR REALITY SHOW/FRANQUIA
* The Kardashians
Love & Hip Hop
Real Housewives
RuPaul’s Drag Race
Vanderpump Rules

‘PANTERA NEGRA’ LIDERA INDICAÇÕES AO MTV MOVIE & TV AWARDS

Black Panther.jpg

Chadwick Boseman luta contra Michael B. Jordan em cena de Pantera Negra. Ambos concorrem em categorias distintas no MTV Movie & TV Awards. Pic by outnow.ch

PRODUÇÕES POLITICAMENTE CORRETAS E SUCESSOS DE BILHETERIA PREDOMINAM

Ok, provavelmente você, cinéfilo que tem mais de 30 anos, deve estar se perguntando: “Pra que vou querer saber de MTV Movie Awards em 2018?”. Bem, não se sinta sozinho nessa qutão. Todo ano, quando vejo os filmes indicados, e me lembro dos primeiros anos do prêmio lá no início dos anos 90, quando havia Pulp Fiction, O Exterminador do Futuro 2, Seven e Instinto Selvagem, bate uma depressão instantânea e me pergunto: “O que houve?”. Mesmo premiando filmes mais “pops”, o MTV sempre buscava algo mais ousado ou com conteúdo.

Alguns anos atrás, os filmes premiados passaram a ser Crepúsculo, Transformers e Jogos Vorazes. A premiação deixou de ser o perfil jovem adulto ou adulto para se tornar apenas jovem, justamente o público que passou a consumir mais cinema. E hoje? Hoje o MTV Movie and TV Awards mira o mesmo público, mas passou a englobar os seguidores de séries de TV e streaming, e também passou a seguir a onda do politicamente correto, que está engordando as bilheterias mundiais.

Claro que os sucessos comerciais como Vingadores: Guerra Infinita e It: A Coisa não podiam ficar de fora, afinal trata-se de um prêmio para o público jovem, mas agora estão reconhecendo trabalhos que seguem a nova ordem étnica e sexual com Pantera Negra, Mulher-Maravilha e Viagem das Garotas, ou seja, filmes protagonizados por negros e mulheres com histórias bastante pertinentes aos seus universos.

Wonder Woman 2018.jpg

Gal Gadot e Connie Nielsen em cena de Mulher-Maravilha. Pic by cine.gr

Portanto, se você se questiona por que deve acompanhar o MTV Movie & TV Awards hoje é justamente para entender essas mudanças do mercado cinematográfico, essa evolução das questões raciais e de gênero que tendem a crescer muito na próxima década, e testemunhar as próprias mudanças do cinema como Arte. Uma arte que tem se tornado um veículo inestimável para dar voz às então minorias.

DAS INDICAÇÕES

No total, Pantera Negra foi o recordista de indicações com sete: Filme, Atuação, Herói (ambos por Chadwick Boseman), Ladrão de Cena (Letitia Wright), Vilão (Michael B. Jordan), Time e Luta. Além dos números impressionantes de bilheteria, o filme da Marvel foi abraçado pelo público justamente por apresentar um protagonista negro, contra um vilão negro, e num país fictício chamado Wakanda, onde os negros não sofreram com escravidão e se tornou a nação mais evoluída tecnologicamente.

Claro que, em menor escala, vale citar a inclusão da comédia Viagem das Garotas, com um elenco de quatro atrizes negras: Regina Hall, Queen Latifah, Jada Pinkett Smith e Tiffany Haddish, que causou no Oscar deste ano, e será a hostess desta edição do MTV Movie Awards. Aliás, será um bom teste para vermos se ela se sairá bem caso seja cotada para o Oscar.

Girls Trip MTV

Regina Hall, Jada Pinket Smith, Queen Latifah e Tiffany Haddish em Viagem das Garotas. Pic by outnow.ch

Como muitos já sabem, a categoria de atuação é sem gêneros desde o ano passado, misturando atores e atrizes, e os trabalhos de cinema e TV se misturam em várias categorias como Beijo, Time e Vilão. Só não entendi o porquê voltaram a reduzir para 5 o número de indicados por categoria, já que resolveram expandir os horizontes. Será possível faltar um indicado extra com tantos concorrentes?

Dentre as categorias novas desta edição estão Ladrão de Cenas (uma forma mais informal de reconhecer coadjuvantes), Documentário de Música (com temas do universo musical, que aliás é bem apropriado por se tratar de MTV) e a volta do Performance Mais Assustada (atuações em produções de terror ou suspense, que considero desnecessária. Por que não Melhor Produção de Terror?).

Pelo lado da TV, a série Stranger Things é a recordista com seis indicações. A jovem Millie Bobby Brown continua se destacando e foi novamente indicada por sua performance como Eleven. As séries Riverdale, Game of Thrones e 13 Reasons Why estão entre os indicados.

Millie Bobby Brown Stranger Things

Novamente indicada por Stranger Things, Millie Bobby Brown em cena> Pic by outnow.ch

Apesar de constarem na lista refugos do Oscar como Timothée Chalamet e Saoirse Ronan, não acredito que eles tenham chances reais de vitória aqui.

Segue a lista de indicados deste ano (em laranja, os votos do blog):

MELHOR FILME
* Vingadores: Guerra Infinita (Walt Disney Studios Motion Pictures)
* Pantera Negra (Walt Disney Studios Motion Pictures)
* Viagem das Garotas (Universal Pictures)
* IT: A Coisa (New Line Cinema)
* Mulher-Maravilha (Warner Bros. Pictures)

MELHOR SÉRIE
13 Reasons Why (Netflix)
* Game of Thrones (HBO)
* grown-ish (Freeform)
* Riverdale (The CW)
* Stranger Things (Netflix)

MELHOR PERFORMANCE DE CINEMA
Chadwick Boseman (Pantera Negra)
* Timothée Chalamet (Me Chame Pelo Seu Nome)
* Ansel Elgort (Em Ritmo de Fuga)
* Daisy Ridley (Star Wars: Os Últimos Jedi)
* Saoirse Ronan (Lady Bird: A Hora de Voar)

MELHOR PERFORMANCE DE SÉRIE
Millie Bobby Brown (Stranger Things)
* Darren Criss (The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story)
* Katherine Langford (13 Reasons Why)
* Issa Rae (Insecure)
* Maisie Williams (Game of Thrones)

MELHOR HERÓI/HEROÍNA
* Chadwick Boseman (Pantera Negra)
Emilia Clarke (Game of Thrones)
* Gal Gadot (Mulher-Maravilha)
* Grant Gustin (The Flash)
* Daisy Ridley (Star Wars: Os Últimos Jedi)

MELHOR VILÃO
* Josh Brolin (Vingadores: Guerra Infinita)
Adam Driver (Star Wars: Os Últimos Jedi)
* Michael B. Jordan (Pantera Negra)
* Aubrey Plaza (Legion)
* Bill Skarsgard (IT: A Coisa)

MELHOR BEIJO
* Gina Rodriguez e Justin Baldoni (Jane the Virgin)
Nick Robinson e Keiynan Lonsdale (Com Amor, Simon)
* Olivia Cooke e Tye Sheridan (Jogador Nº 1)
* KJ Apa e Camila Mendes (Riverdale)
* Finn Wolfhard e Millie Bobby Brown (Stranger Things)

PERFORMANCE MAIS ASSUSTADA
* Talitha Bateman (Annabelle 2: A Criação do Mal)
Emily Blunt (Um Lugar Silencioso)
* Sophia Lillis (IT: A Coisa)
* Cristin Milioti (Black Mirror)
* Noah Schnapp (Stranger Things)

MELHOR TIME
* Chadwick Boseman, Lupita Nyong’o, Danai Gurira, Letitia Wright (Pantera Negra)
Finn Wolfhard, Sophia Lillis, Jaeden Lieberher, Jack Dylan Grazer, Wyatt Oleff, Jeremy Ray Taylor, Chosen Jacobs (IT: A Coisa)
* Dwayne Johnson, Kevin Hart, Jack Black, Karen Gillan, Nick Jonas (Jumanji: Bem-Vindo à Selva)
* Tye Sheridan, Olivia Cooke, Philip Zhao, Win Morisaki, Lena Waithe (Jogador Nº 1)
* Gaten Matarazzo, Finn Wolfhard, Caleb McLaughlin, Noah Schnapp, Sadie Sink (Stranger Things)

MELHOR PERFORMANCE DE COMÉDIA
* Jack Black (Jumanji: Bem-Vindo à Selva)
Tiffany Haddish (Viagem das Garotas)
* Dan Levy (Schitt’s Creek)
* Kate McKinnon (Saturday Night Live)
* Amy Schumer (Sexy por Acidente)

LADRÃO DE CENA
* Tiffany Haddish (Viagem das Garotas)
* Dacre Montgomery (Stranger Things)
* Madelaine Petsch (Riverdale)
* Taika Waititi (Thor: Ragnarok)
* Letitia Wright (Pantera Negra)

MELHOR LUTA
* Charlize Theron vs. Daniel Hargrave, Greg Rementer (Atômica)
Scarlett Johansson, Danai Gurira, Elizabeth Olsen vs. Carrie Coon (Vingadores: Guerra Infinita)
* Chadwick Boseman vs. Winston Duke (Pantera Negra)
* Mark Ruffalo vs. Chris Hemsworth (Thor: Ragnarok)
* Gal Gadot vs. German Soldiers (Mulher-Maravilha)

MELHOR DOCUMENTÁRIO DE MÚSICA
* Can’t Stop, Won’t Stop: A Bad Boy Story
* Demi Lovato: Simply Complicated
* Gaga: Five Foot Two
* Jay-Z’s “Footnotes for 4:44”
* The Defiant Ones

MELHOR REALITY SHOW/FRANQUIA
* The Kardashians
* Love & Hip Hop
* Real Housewives
* RuPaul’s Drag Race
* Vanderpump Rules

***

A cerimônia ocorrerá no dia 18 de junho. Em 2017, a MTV brasileira transmitiu a cerimônia ao vivo, portanto deve seguir a tendência.

Com 4 prêmios, ‘Moonlight’ é o Melhor Filme segundo o LAFCA 2016

Mahershala Ali em cena de Moonlight, de Barry Jenkins (pic by moviepilot.de)

Mahershala Ali em cena de Moonlight, de Barry Jenkins (pic by moviepilot.de)

APÓS SER COADJUVANTE NAS PREMIAÇÕES ANTERIORES, MOONLIGHT CONQUISTA MELHOR FILME

É… a Associação de Críticos de Los Angeles resolveu dar uma chacoalhada e mudou a cara de muitas categorias. Por exemplo: Moonlight levava Melhor Diretor, Ator Coadjuvante, Fotografia, mas na hora de ganhar Melhor Filme, ora perdia para La La Land, ora para Manchester à Beira-Mar.

É difícil vermos quais críticos estão ousando mais ou apenas indo na onda sem conferir os filmes em si, mas independente dessa distribuição de prêmios entre essas três produções, o musical La La Land me parece um pouco à frente por se tratar de um musical vistoso e com atores inspirados. Por outro lado, Moonlight tem Barry Jenkins, que tem ganhado os prêmios de diretor, que costuma estar atrelado ao Melhor Filme.

Uma das poucas categorias que se mantiveram fiéis à artista foi Melhor Atriz, que novamente elegeu Isabelle Huppert. Depois de faturar o prêmio pelo círculo de críticos de Nova York, a francesa segue firme em busca de sua primeira indicação ao Oscar. Claro que ainda é cedo pra cravar alguma certeza, principalmente porque é difícil a Academia premiar atores estrangeiros falando seu próprio idioma no papel (as únicas atrizes que conseguiram esse feito foram Sophia Loren em 1962 e Marion Cotillard em 2008), e também porque o filme pelo qual ela deve concorrer, Elle, é uma produção francesa polêmica devido à reação da personagem dela pós-estupro.

Isabelle Huppert em cena de Elle, de Paul Verhoeven (photo by cine.gr)

Isabelle Huppert em cena de Elle, de Paul Verhoeven (photo by cine.gr)

Particularmente, considero sua interpretação a melhor que vi deste ano até o momento, e só citei essa polêmica porque o povo votante da Academia tem fama de careta e conservador. Enfim, Isabelle Huppert tem uma concorrência ferrenha pela frente, que praticamente está definida: Amy Adams (que levou o National Board of Review), Ruth Negga, Natalie Portman, Emma Stone e Annette Bening. A atriz Rebecca Hall ficou com o prêmio de 2º lugar no LAFCA pelo drama Christine, mas acho que ela morre na praia.

Ainda sobre os atores, os críticos de Los Angeles têm o excelente hábito de premiar interpretações estrangeiras. Além de Huppert como Atriz, elegeram o japonês Issei Ogata como 2º melhor coadjuvante pelo filme Silêncio, de Martin Scorsese. Como a categoria ainda não está bem definida, ele pode conseguir uma vaga indo na onda do #OscarSoWhite.

Cena do novo filme de Martin Scorsese, estrelado por Andrew Garfield (photo by cine.gr)

Issei Ogata (à direita) com Andrew Garfield em cena de Silêncio, de Martin Scorsese (photo by cine.gr)

E pra quem achava que apenas Casey Affleck venceria como Melhor Ator, eis que surge o primeiro grande prêmio para Adam Driver pelo drama Paterson, onde ele interpreta um motorista de ônibus que escreve poesia nas horas vagas. Vale lembrar que o ator também estrela o filme de Scorsese, além, claro, de ser o vilão Kylo Ren da nova franquia de Star Wars.

Adam Driver em Paterson, de Jim Jarmusch (pic by moviepilot.de)

Adam Driver em Paterson, de Jim Jarmusch (pic by moviepilot.de)

Achei interessante a premiação de dois filmes que estavam sendo esquecidos na temporada. O Lagosta, de grego Yorgos Lanthimos, que faturou o prêmio de roteiro, e a animação japonesa Your Name, que saiu vitoriosa de sua categoria, que vinha sendo dominada por Kubo e as Cordas Mágicas ou Zootopia.

Contudo, minha maior satisfação foi ver as duas vitórias do filme sul-coreano The Handmaiden como Melhor Filme em Língua Estrangeira e Melhor Design de Produção (Direção de Arte), que reconheceu a belíssima reconstrução dos anos 30 de uma Coréia invadida pelos japoneses. Infelizmente, o longa não foi selecionado por sua comissão para representar a Coréia. Parece que a presidente coreana Park Geun-hye andou dando uma de Michel Temer, e cortou a verba pra artistas que eram contra sua política (como é o cineasta Park Chan-wook) e selecionaram um filme mais convencional de ação, The Age of Shadows, para mandar ao Oscar. Ficaram de picuinha e perderam uma excelente oportunidade de conquistar a primeira indicação ao Oscar do país… uma pena. Pelo que andei lendo, a presidente deve renunciar em breve.

the-handmaiden-mit-min-hee-kim-und-jin-woong-jo

Cena do longa sul-coreano The Handmaiden, de Park Chan-wook (pic by moviepilot.de)

VENCEDORES DO LAFCA 2016:

MELHOR FILME: Moonlight
2º lugar: La La Land: Cantando Estações

MELHOR DIRETOR: Barry Jenkins (Moonlight)
2º lugar: Damien Chazelle (La La Land: Cantando Estações)

MELHOR ATOR: Adam Driver (Paterson)
2º Casey Affleck (Manchester à Beira-Mar)

MELHOR ATRIZ: Isabelle Huppert (Elle) (O Que Está por Vir)
2º lugar: Rebecca Hall (Christine)

MELHOR ATOR COADJUVANTE: Mahershala Ali (Moonlight)
2º lugar: Issei Ogata (Silêncio)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Lily Gladstone (Certain Women)
2º lugar: Michelle Williams (Manchester à Beira-Mar)

MELHOR ROTEIRO: Yorgos Lanthimos, Efthymis Filippou (O Lagosta)
2º lugar: Kenneth Lonergan (Manchester à Beira-Mar)

MELHOR FOTOGRAFIA: James Laxton (Moonlight)
2º lugar: Linus Sandgren (La La Land: Cantando Estações)

MELHOR MONTAGEM: Bret Granato, Maya Mumma, Ben Sozanski (O.J.: Made in America)
2º lugar: Tom Cross (La La Land: Cantando Estações)

MELHOR TRILHA MUSICAL: Justin Hurwitz, Benj Pasek, Justin Paul (La La Land: Cantando Estações)
2º lugar: Mica Levi (Jackie)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE: Ryu Seong-Hee (The Handmaiden)
2º lugar: David Wasco (La La Land: Cantando Estações)

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA: The Handmaiden, de Park Chan-Wook
2º lugar: Toni Erdmann, de Maren Ade

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO: Your Name (Kimi no na wa), de Makoto Shinkai
2º lugar: The Red Turtle

MELHOR DOCUMENTÁRIO: I Am Not Your Negro
2º lugar: O.J.: Made in America

PRÊMIO DOUGLAS EDWARDS PARA FILME EXPERIMENTAL: The Illinois Parables, de Deborah Stratman

PRÊMIO NEW GENERATION: Trey Edwards Shults e Krisha Fairchild (Krisha)

PRÊMIO PELO CONJUNTO DA OBRA: Shirley MacLaine

Cena da animação Your Name, de

Cena da animação Your Name, de Makoto Shinkai (pic by moviepilot.de)

‘American Honey’ e ‘Moonlight’ largam na frente no Independent Spirit Awards 2017

Sasha Lane e Shia LaBeouf em cena de American Honey, de Andrea Arnold, que conquistou seis indicações no Independent Spirit Awards (photo by moviepilot.de)

Sasha Lane e Shia LaBeouf em cena de American Honey, de Andrea Arnold, que conquistou seis indicações no Independent Spirit Awards (photo by moviepilot.de)

PREMIAÇÃO DE CINEMA INDEPENDENTE DÁ A LARGADA COM FORTES CANDIDATOS AO OSCAR

Pra quem acha que o Independent Spirit Awards é um mero coadjuvante na temporada de premiações, o blog lembra que os últimos três vencedores de Melhor Filme no Oscar saíram vitoriosos dessa premiação: Spotlight, Birdman e 12 Anos de Escravidão. Isso comprova que Hollywood e a Academia estão em sintonia em tempos de crise financeira, já que os filmes indicados ao Independent Spirit precisam ter um gasto máximo de 20 milhões de dólares. No ramo cinematográfico, muitos defendem que quanto menos dinheiro houver na produção, mais criatividade se vê na tela. Diante desse regulamento, algumas produções mais caras que estavam no burburinho do Oscar ficaram de fora como Animais Noturnos, o musical La La Land: Cantando Estações, Lion e Sete Minutos Depois da Meia-Noite. Contudo, esses mesmos filmes continuam com ótimas chances de chegar ao prêmio da Academia em fevereiro, inclusive seus atores.

O anúncio das indicações, que aconteceu no último dia 22, foi feito pelos atores Jenny Slate e Edgar Ramirez. Segue link com vídeo:

American Honey e Moonlight foram recordistas desta 32ª edição ao conquistar seis indicações cada. O primeiro, um road movie dirigido pela competente Andrea Arnold, foi indicado à Palma de Ouro no festival de Cannes, fez com que Shia LaBeouf desse a volta por cima após escândalos de plágio, e revelou o talento da novata Sasha Lane. Enquanto o segundo, um drama sobre a vida de um rapaz negro num bairro barra-pesada de Miami, teve boa passagem pelo Festival de Toronto e, embora tenha boas chances de ter atores indicados ao Oscar, nenhum deles foi reconhecido aqui, levando o prêmio Robert Altman para o elenco todo. Seria o futuro vencedor do SAG Awards de Ensemble Cast?

Mahershala Ali em cena de Moonlight (photo by moviepilot.de)

Mahershala Ali em cena de Moonlight, vencedor do prêmio Robert Altman (photo by moviepilot.de)

Manchester à Beira-Mar vem logo em seguida com cinco indicações. Curiosamente, seu diretor Kenneth Lonnergan ficou de fora de sua categoria, mas pelo menos está entre os melhores roteiros. Os atores Casey Affleck e Lucas Hedges garantiram suas vagas como Ator e Ator Coadjuvante, respectivamente, mas a veterana Michelle Williams foi esquecida como Coadjuvante. Mas alguém aqui duvida que ela conseguirá sua quarta indicação ao Oscar? Entre outras ausências sentidas nas categorias de atuação estão Jeff Bridges (A Qualquer Custo), Joel Edgerton (Loving), Sally Field (My Name is Doris), Adam Driver (Paterson), Kristen Stewart (Certain Women) e Rebecca Hall (Christine).

Michelle Williams em cena de Manchester à Beira-Mar. Sua ausência na categoria de Atriz Coadjuvante foi uma das mais sentidas. (photo by moviepilot.de)

Michelle Williams em cena de Manchester à Beira-Mar. Sua ausência na categoria de Atriz Coadjuvante foi uma das mais sentidas. (photo by moviepilot.de)

Com tantas premiações que estão por vir, acho bacana o Independent Spirit Awards conceder espaço para produções menores que dificilmente terão chances num Globo de Ouro, por exemplo. O próprio American Honey estava fadado ao esquecimento depois de Cannes, mas depois desse recorde de indicações no Independent, acredito que o filme de Arnold conseguirá melhor projeção e reconhecimento.

Falando em reconhecimento, o filme brasileiro Aquarius conseguiu o seu. Passando por cima de qualquer política mesquinha que o impediu de concorrer ao Oscar, o filme do pernambucano Kléber Mendonça Filho foi indicado para Melhor Filme Internacional ao lado de produções da Grécia (Chevalier), França (Três Lembranças da Minha Juventude), Alemanha (Toni Erdmann) e Irã (Sob a Sombra). Vale lembrar que entre esses indicados, apenas os filmes alemão e o grego podem concorrer ao Oscar de Filme em Língua Estrangeira.

Além de Aquarius, temos outro artista brasileiro reconhecido pelo Independent Spirit: o roteirista Mauricio Zacharias pelo drama de Ira Sachs, Melhores Amigos. Ele concorre com fortes candidatos: Kenneth Lonergan (Manchester à Beira-Mar), Taylor Sheridan (A Qualquer Custo), Mike Mills (20th Century Women) e Barry Jenkins (Moonlight).

Indicados ao 32º Independent Spirit Awards:

Melhor Filme
American Honey
Chronic
Jackie
Manchester à Beira-Mar (Manchester by the Sea)
Moonlight

Melhor Diretor
Andrea Arnold (American Honey)
Barry Jenkins (Moonlight)
Pablo Larraín (Jackie)
Jeff Nichols (Loving)
Kelly Reichardt (Certain Women)

Melhor Filme de Estréia
The Childhood of a Leader
The Fits
Other People
Swiss Army Man
A Bruxa

Melhor Ator
Casey Affleck (Manchester à Beira-Mar)
David Harewood (Free in Deed)
Viggo Mortensen (Capitão Fantástico)
Jesse Plemons (Other People)
Tim Roth (Chronic)

Melhor Atriz
Annette Bening (20th Century Women)
Isabelle Huppert (Elle)
Sasha Lane (American Honey)
Ruth Negga (Loving)
Natalie Portman (Jackie)

Melhor Ator Coadjuvante
Ralph Fiennes (A Bigger Splash)
Ben Foster (A Qualquer Custo)
Lucas Hedges (Manchester à Beira-Mar)
Shia LaBeouf (American Honey)
Craig Robinson (Morris from America)

Melhor Atriz Coadjuvante
Edwina Findley (Free in Deed)
Paulina Garcia (Melhores Amigos)
Lily Gladstone (Certain Women)
Riley Keough (American Honey)
Molly Shannon (Other People)

Melhor Roteiro
A Qualquer Custo
Melhores Amigos
Manchester à Beira-Mar
Moonlight
20th Century Women

Melhor Roteiro de Estreante
Barry
Christine
Jean of the Joneses
Other People
A Bruxa

Mehor Filme Internacional
Aquarius (Brasil)
Chevalier (Grécia)
Três Lembranças da Minha Juventude (França)
Toni Erdmann (Alemanha)
Under the Shadow (Irã)

Melhor Documentário
13th
Cameraperson
I Am Not Your Negro
O.J.: Made in America
Sonita
Under the Sun

Melhor Fotografia
American Honey
Childhood
Free in Deed
Eyes of My Mother
Moonlight

Melhor Montagem
A Qualquer Custo
Jackie
Manchester à Beira-Mar
Moonlight
Swiss Army Man

Prêmio John Cassavetes
Free in Deed
Hunter Gatherer
Lovesong
Nakom
Spa Night

Prêmio Robert Altman
“Moonlight”

Prêmio Piaget Producers
Lisa Kjerulff
Jordana Mollick
Melody C. Roscher
Craig Shilowich

Truer Than Fiction Award
Kristi Jacobson (Solitary)
Sara Jordeno (Kiki)
Nanfu Wang (Holligan Sparrow)

Someone to Watch Award
Andrew Ahn (Spa Night)
Claire Carre (Embers)
Anna Rose Holmer (The Fits)
Ingrid Jungermann (Women Who Kill)

No topo, as atrizes Greta Gerwig e Annette Bening foram indicadas ao Independent Spirit Awards. Elas posam com Lucas Jade Zumann, Elle Fanning e Billy Crudup. (photo by cine.gr)

No topo, a atriz Annette Bening foi indicada ao Independent Spirit Awards por 20th Century Women. Ela posa com Greta Gerwig, Lucas Jade Zumann, Elle Fanning e Billy Crudup. (photo by cine.gr)

***

O 32º Spirit Awards acontecerá no dia 25 de fevereiro, tradicionalmente um dia antes da cerimônia do Oscar.

Ken Loach conquista sua segunda Palma de Ouro com ‘I, Daniel Blake’ em Cannes 2016

Ken Loach se mostra triunfante com sua segunda Palma de Ouro por I, Daniel Blake (photo by publico.pt)

Ken Loach se mostra triunfante com sua segunda Palma de Ouro por I, Daniel Blake (photo by publico.pt)

DIRETOR BRITÂNICO VENCEU EM 2006 COM ‘VENTOS DA LIBERDADE’

Num ano repleto de diretores renomados na competição oficial, deu Ken Loach mais uma vez! Agora ele se junta a um seleto grupo de cineastas que tem duas Palmas de Ouro no currículo: Michael Haneke, Francis Ford Coppola, Emir Kusturica, Bille August, Shohei Imamura, Alf Sjoberg e os irmãos belgas Jean-Pierre e Luc Dardenne.

Seu mais novo filme retrata um entrave sócio-trabalhista de um carpinteiro de meia-idade que não pode mais trabalhar depois de um acidente, mas luta para conseguir seus benefícios do governo. Pela sinopse, parece aqueles filmes de forte crítica social que permearam a década de 70 como os do italiano Elio Petri, mas vale lembrar que a própria filmografia de Loach possui pinceladas de cunho social. Segundo a crítica, I, Daniel Blake seria seu melhor trabalho, justamente por amadurecer essa vertente. Contudo, parece que o lado emocional falou mais alto na decisão do júri.

Mesmo sem justificar suas escolhas, o presidente do júri, George Miller, definiu a seleção com três qualidades: “inteligência, ferocidade e beleza”. No geral, a mídia estrangeira ficou desapontada com uma escolha conservadora vinda de um autor tão inovador como Miller. Entre os indicados, os críticos apontaram alguns favoritos como a ‘dramédia’ sobre pai e filha Toni Erdmann, da alemã Maren Ade; o suspense Elle, de Paul Verhoeven; e o romance coreano The Handmaiden, de Park Chan-wook. Curiosamente, nenhum deles recebeu um prêmio de consolação sequer!

O Grande Prêmio do Júri (o segundo lugar da edição) acabou nas mãos do prodígio canadense Xavier Dolan por seu It’s Only the End of the World, um drama que destrincha uma família disfuncional. Por conquistar prêmios em Cannes desde 2009, mas sempre batendo na trave, havia altas expectativas de que este seria o ano de Dolan, mas seu novo trabalho não foi uma unanimidade no festival, chegando a ser vaiado numa das sessões.

O jovem canadense Xavier Dolan (27) ganha seu prêmio mais importante em Cannes, o Grande Prêmio do Júri, por Juste la fin du monde (photo by thestar.com)

O jovem canadense Xavier Dolan (27) ganha seu prêmio mais importante em Cannes, o Grande Prêmio do Júri, por Juste la fin du monde (photo by thestar.com)

Vencedor do mesmo prêmio no ano anterior por Filho de Saul, o diretor László Nemes saiu em defesa de Dolan: “Fiquei admirado ao ver o filme. Todos nós sentimos que era uma jornada tocante. Quando começou, você podia sentir as escolhas muito específicas do diretor.” Vale destacar que esta é a primeira vez que Xavier Dolan trabalha com atores de nome, no caso, Marion Cotillard, Léa Seydoux e Vincent Cassel.

Antes que um ser politicamente correto reclame, houve uma mulher premiada em Cannes (excetuando, obviamente, a categoria de Atriz)! E foi novamente a diretora britânica Andrea Arnold com seu American Honey, um road movie estrelado por um sempre polêmico Shia LaBeouf. Trata-se de sua terceira vitória com o Prêmio do Júri, vencido anteriormente por Marcas da Vida (Red Road) e Aquário (Fish Tank). Considero seu estilo bastante intenso, que me lembra a direção de atores de Mike Leigh.

E pra quem aguardava por premiações para atores conhecidos como Adam Driver (o Kylo Ren do novo Star Wars), Shia LaBeouf, Joel Edgerton, Marion Cotillard ou Kristen Stewart, ficou a expectativa, pois o júri reconheceu atores menos conhecidos: a filipina Jaclyn Jose de Ma’Rosa, de Brillante Mendoza; e o iraniano Shahab Hosseini de The Salesman, de Asghar Farhadi. Esta é a segunda performance sob direção de Farhadi a ganhar prêmio em Cannes; em 2014, a argentina Bérénice Bejo ganhou por O Passado. The Salesman foi o único a ganhar dois prêmios principais, já que venceu como Melhor Roteiro também.

Jaclyn Jose posa com seu prêmio de Performance Feminina por Ma'Rosa (photo by preen.inquirer.net)

Jaclyn Jose posa com seu prêmio de Performance Feminina por Ma’Rosa (photo by preen.inquirer.net)

O iraniano Shahab Hosseini ganha Performance Masculina por The Salesman (photo by themalaimailonline.com)

O iraniano Shahab Hosseini ganha Performance Masculina por The Salesman (photo by themalaimailonline.com)

Aliás, pelo burburinho, Joel Edgerton e Ruth Negga já deram o start inicial para a campanha para o Oscar 2017 por suas interpretações no drama Loving, de Jeff Nichols. Trata-de de uma história de amor interracial na Virginia de 1958, onde o casal foi preso por simplesmente se casar. Além do prestígio do diretor Nichols, a performance de Edgerton foi bastante elogiada em Cannes e, depois de todo aquele estardalhaço no Oscar por “falta de diversidade”, a Academia vai fazer um baita esforço para incluir negros, amarelos, índios, anões, albinos e imigrantes ilegais. O vilão Kylo Ren (Adam Driver) também conquistou pontos para o ano que vem por sua atuação em Paterson.

E na categoria de Diretor, houve o único empate da cerimônia, que ocorreu entre o romeno Cristian Mungiu, por The Graduation, e o francês Olivier Assayas, por Personal Shopper. Enquanto Mungiu recebeu seu terceiro prêmio (venceu a Palma de Ouro por 4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias, e Roteiro por Além das Montanhas), Assayas recebeu seu primeiro prêmio após 5 indicações à Palma de Ouro! Seu filme também foi vaiado, mas ele é muito querido na crítica.

Romanian director Cristian Mungiu (R) and French director Olivier Assayas talk on stage wafter being awarded with the Best Director prize, respectively for the film "Graduation (Bacalaureat)" and "Personal Shopper" during the closing ceremony of the 69th Cannes Film Festival in Cannes, southern France, on May 22, 2016. / AFP PHOTO / ALBERTO PIZZOLI

Vencedores de Melhor Diretor em Cannes: à esquerda, Olivier Assayas (Personal Shopper) discursa ao lado de Cristian Mungiu  (Graduation). Photo by ALBERTO PIZZOLI

E o Brasil continuará mais um ano com apenas a Palma de Ouro de Anselmo Duarte por O Pagador de Promessas (1962). Aquarius, de Kleber Mendonça Filho, saiu de mãos abanando do festival. A passagem do filme brasileiro ficou marcada pelos protestos dos atores e da equipe no tapete vermelho contra o Impeachment da “presidenta” Dilma Roussef. Dentre os vários cartazes com dizeres em inglês e francês, havia um que dizia que “54 milhões de votos (que reelegeram a Dilma) foram queimados” e que “a democracia havia dado lugar a um golpe”. Não gosto muito de ficar falando de política com tantos intolerantes à solta na internet, mas só queria dizer que somente numa democracia, esses mesmos 54 milhões de eleitores também têm o direito de mudar de posição após um péssimo governo petista. Eu mesmo conheço alguns que se arrependeram de seus votos, e pra isso também serve o Impeachment, afinal, de que outra forma a sociedade poderia destituir um presidente antes do fim de seu mandato? E vale lembrar que o vice-presidente Michel Temer veio no mesmo pacote do PT, então não adianta reclamar. Temos que torcer para que ele faça um bom governo e consiga aprovar medidas para salvar a nossa economia.

Equipe do filme Aquarius com cartazes contra o Impeachment (photo by cinema.uol.com.br)

Equipe do filme Aquarius com cartazes contra o Impeachment (photo by cinema.uol.com.br)

Vale destacar que o cinema brasileiro foi agraciado com uma menção honrosa na categoria de curta-metragem para A Moça que Dançou com o Diabo, de João Paulo Miranda Maria, e com o Olho de Ouro para o documentário Cinema Novo, de Eryk Rocha.

Seguem os vencedores desta 69ª edição do Festival de Cannes:

PALMA DE OURO
I, Daniel Blake
Dir: Ken Loach

GRANDE PRÊMIO DO JÚRI
It’s Only the End of the World
Dir: Xavier Dolan

PRÊMIO DO JÚRI
Andrea Arnold (American Honey)

DIRETOR
Olivier Assayas (Personal Shopper) & Cristian Mungiu (Graduation)

ATOR
Shahab Hosseini (The Salesman)

ATRIZ
Jaclyn Jose (Ma ‘Rosa)

ROTEIRO
Asghar Farhadi (The Salesman)

OUTROS PRÊMIOS

PALMA HONORÁRIA
Jean-Pierre Léaud

CAMERA D’Or
Divines
Dir: Houda Benyamina

PALMA DE OURO DE CURTA
Timecode
Dir: Juanjo Jimenez

MENÇÃO ESPECIAL CURTA
The Girl Who Danced With the Devil
Dir: João Paulo Miranda Maria

Ecumenical Jury Prize
It’s Only the End of the World
Dir: Xavier Dolan

PRÊMIO OLHO DE OURO
Cinema Novo
Dir: Eryk Rocha

UN CERTAIN REGARD

PRÊMIO UN CERTAIN REGARD
The Happiest Day in the Life of Olli Mäki
Dir: Juho Kuosmanen

PRÊMIO DO JÚRI
Harmonium
Dir: Koji Fukada

DIRETOR
Matt Ross (Captain Fantastic)

ROTEIRO
Delphine e Muriel Coulin (The Stopover)

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI
Michael Dudok de Wit (The Red Turtle)

DIRECTORS’ FORTNIGHT

PRÊMIO ART CINEMA
Wolf and Sheep
Dir: Shahrbanoo Sadat

PRÊMIO Society of Dramatic Authors and Composers
The Together Project
Dir: Solveig Anspach

Europa Cinemas Label
Mercernary
Dir: Sacha Wolff

CRITICS’ WEEK

GRANDE PRÊMIO
Mimosas
Dir: Oliver Saxe

PRÊMIO VISIONÁRIO
Album
Dir: Mehmet Can Mertoğlu

PRÊMIO Society of Dramatic Authors and Composers
Diamond Island
Dir: Day Chou

FIPRESCI

COMPETIÇÃO
Toni Erdmann
Dir: Maren Ade

Un Certain Regard
Dogs
Dir: Bogdan Mirică

Critics’ Week
Raw
Dir: Julia Ducournau

‘Star Wars’ conquista o MTV Movie Awards 2016 e uma nova geração de fãs

BURBANK, CALIFORNIA - APRIL 09: Writer/director J.J. Abrams and actress Daisy Ridley (both C) accept the Movie of the Year award for 'Star Wars: The Force Awakens' with co-hosts Kevin Hart (L) and Dwayne Johnson (R) onstage during the 2016 MTV Movie Awards at Warner Bros. Studios on April 9, 2016 in Burbank, California. MTV Movie Awards airs April 10, 2016 at 8pm ET/PT. (Photo by Kevork Djansezian/Getty Images)

No centro, o diretor J.J. Abrams e a atriz Daisy Ridley recebem o prêmio de Melhor Filme do Ano por Star Wars: O Despertar da Força ao lado dos hosts da premiação Kevin Hart e Dwayne Johnson no MTV Movie Awards 2016 (Photo by Kevork Djansezian/Getty Images)

PRIMEIRO FILME DA NOVA TRILOGIA STAR WARS DOMINA PREMIAÇÃO DE VOTO PÚBLICO

Vocês se lembram daquela atração da Rede Globo chamada Intercine? Eles davam duas opções de filmes para passar na noite seguinte, aí o público ligava e eles anunciavam o vencedor com maior número de votos. Não sei se é porque sempre sou desconfiado, mas sempre achei uma farsa! Pra mim, as ligações eram pra medir a audiência e, no fim, eles passavam o filme que eles bem queriam!

Quando eu falo sobre MTV Movie Awards, imagino algo do tipo ou senão uma cena bizarra: Um monte daqueles nerds gordinhos sentados à frente do computador, votando incessantemente para seus filmes favoritos: O Senhor dos Anéis, Batman e Star Wars. Só deram um break naqueles anos em que a Saga Crepúsculo ganhou…

Nesta edição, Star Wars: O Despertar da Força levou 3 baldinhos de pipoca dourada, incluindo Melhor Filme do Ano. Em seguida, Deadpool e A Escolha Perfeita 2 levaram dois prêmios cada. No geral, os prêmios foram bem distribuídos, como se não quisessem desagradar nenhum concorrente. E falando em desagradar, ficaram com tanto receio de que Will Smith boicotasse o MTV Movie Awards que resolveram lhe dar o Generation Award, uma espécie de prêmio pelo conjunto da obra. A que ponto chegamos com essa coisa do #OscarSoWhite… lamentável.

Will Smith e seu consolo pelo Oscar racista... (photo by youtube.com)

Will Smith e seu consolo pelo Oscar racista… (photo by youtube.com)

No post anterior, eu havia colocado minhas preferências na cor laranja. A maioria dos meus votos foram para Deadpool. Não que o filme tenha sido brilhante, mas de todas as adaptações de quadrinhos, esta é a única que tira sarro de si mesma, explorando suas próprias deficiências como o baixo orçamento que teria impedido a participação de mais personagens dos X-Men. E é um filme Rated R, ou seja, tem sangue (quando foi a última vez que você viu sangue nessas adaptações?), tem violência gratuita, tem muitos palavrões e tem sexo. E com Morena Baccarin fica ainda melhor!

Ryan Reynolds vence como Comedic Performance por Deadpool (photo by estrelando.com.br)

Ryan Reynolds vence como Comedic Performance por Deadpool (photo by estrelando.com.br)

A vitória de Star Wars: O Despertar da Força indica que a saga estelar criada por George Lucas continua firme e forte em seu reinado no universo geek, mesmo após quase 40 anos do primeiro filme de 1977. Mesmo tendo um potencial avassalador, vale lembrar que este filme só saiu depois que a Disney comprou os direitos da Lucasfilm. Para os fãs mais xiitas, podem reclamar e espernear contra essa pasteurização da Disney, mas temos que dar o braço a torcer. Eles conseguiram uma das maiores bilheterias de todos os tempos, conquistaram uma nova horda de fãs dessas gerações atuais e ainda vão lucrar muito com novos filmes, produtos e atrações temáticas nos inúmeros parques de diversão.

Achei muita sacanagem o Mad Max: Estrada da Fúria ficar de fora da competição de Melhor Filme do Ano. Tenho certeza de que se tivesse colocado o filme de George Miller na votação, ele teria grandes chances de vitória. Mas enfim, o longa levou um merecidíssimo prêmio de Female Performance para Charlize Theron e sua Furiosa.

Charlize Theron aceita seu baldinho de pipoca por Mad Max: Estrada da Fúria (photo by Getty Images)

Charlize Theron aceita seu baldinho de pipoca por Mad Max: Estrada da Fúria (photo by Getty Images)

Apesar do tom bem mais light do MTV Movie Awards e até de sua decadência nas últimas duas décadas, dá pra notar que ainda é um reconhecimento importante do público, que lota as salas de cinema, por isso acho bacana a presença dos artistas indicados. Os fãs querem ver seus ídolos no tapete vermelho ou pela televisão, então para quem não compareceu, acho um pouco falta de consideração. Se fosse um Oscar, aí teria tempo na agenda…

Seguem todos os vencedores do MTV Movie Awards 2016:

MOVIE OF THE YEAR (Filme do Ano)
· Vingadores: Era de Ultron (Avengers: Age of Ultron)
· Creed: Nascido Para Lutar (Creed)
· Deadpool (Deadpool)
· Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros (Jurassic World)
· Star Wars: O Despertar da Força (Star Wars: The Force Awakens)
· Straight Outta Compton: A História do N.W.A. (Straight Outta Compton)

TRUE STORY (História Verídica)
· Um Homem Entre Gigantes (Concussion)
· Joy: O Nome do Sucesso (Joy)
· Steve Jobs (Steve Jobs)
· Straight Outta Compton: A História do N.W.A. (Straight Outta Compton)
· A Grande Aposta (The Big Short)
· O Regresso (The Revenant)

DOCUMENTÁRIO
·
Amy
· Cartel Land
· He Named Me Malala
· The Hunting Ground
· The Wolfpack
· What Happened, Miss Simone?

BEST FEMALE PERFORMANCE (Performance Feminina)
· Alicia Vikander (Ex-Machina: Instinto Artificial)
· Anna Kendrick (A Escolha Perfeita 2)
· Charlize Theron (Mad Max: Estrada da Fúria)
· Daisy Ridley (Star Wars: O Despertar da Força)
· Jennifer Lawrence (Joy: O Nome do Sucesso)
· Morena Baccarin (Deadpool)

BEST MALE PERFORMANCE (Performance Masculina)
· Chris Pratt (Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros)
· Leonardo DiCaprio (O Regresso)
· Matt Damon (Perdido em Marte)
· Michael B. Jordan (Creed: Nascido Pra Lutar)
· Ryan Reynolds (Deadpool)
· Will Smith (Um Homem Entre Gigantes)

BREAKTHROUGH PERFORMANCE (Revelação)
· Amy Schumer (Descompensada)
· Brie Larson (O Quarto de Jack)
· Daisy Ridley (Star Wars: O Despertar da Força)
· Dakota Johnson (Cinquenta Tons de Cinza)
· John Boyega (Star Wars: O Despertar da Força)
· O’Shea Jackson Jr. (Straight Outta Compton: A História do N.W.A.)

Daisy Ridley aceita o prêmio de Melhor Revelação pelo papel de Rey em Star Wars (photo by Getty Images)

Daisy Ridley aceita o prêmio de Melhor Revelação pelo papel de Rey em Star Wars (photo by Getty Images)

BEST COMEDIC PERFORMANCE (Performance cômica)
· Amy Schumer (Descompensada)
· Kevin Hart (Policial em Apuros 2)
· Melissa McCarthy (A Espiã que Sabia de Menos)
· Rebel Wilson (A Escolha Perfeita 2)
· Ryan Reynolds (Deadpool)
· Will Ferrell (O Durão)

BEST ACTION PERFORMANCE (Performance de Ação)
· Chris Pratt (Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros)

· Dwayne Johnson (Terremoto: A Falha de San Andreas)
· Jennifer Lawrence (Jogos Vorazes: A Esperança – O Final)
· John Boyega (Star Wars: O Despertar da Força)
· Ryan Reynolds (Deadpool)
· Vin Diesel (Velozes & Furiosos 7)

BEST HERO (Herói)
· Charlize Theron (Mad Max: Estrada da Fúria)
· Chris Evans (Vingadores: Era de Ultron)
· Daisy Ridley (Star Wars: O Despertar da Força)
· Dwayne Johnson (Terremoto: A Falha de San Andreas)
· Jennifer Lawrence (Jogos Vorazes: A Esperança – O Final)
· Paul Rudd (Homem-Formiga)

BEST VILLAIN (Vilão)
· Adam Driver (Star Wars: O Despertar da Força)

· Ed Skrein (Deadpool)
· Hugh Keays-Byrne (Mad Max: Estrada da Fúria)
· James Spader (Vingadores: Era de Ultron)
· Samuel L. Jackson (Kingsman: Serviço Secreto)
· Tom Hardy (O Regresso)

BEST VIRTUAL PERFORMANCE (Performance Virtual)
· Amy Poehler (Divertida Mente)

· Andy Serkis (Star Wars: O Despertar da Força)
· Jack Black (Kung Fu Panda 3)
· James Spader (Vingadores: Era de Ultron)
· Lupita Nyong’o (Star Wars: O Despertar da Força)
· Seth MacFarlane (Ted 2)

ENSEMBLE CAST (Elenco)
· Vingadores: Era de Ultron
· Velozes & Furiosos 7
· A Escolha Perfeita 2
· Star Wars: O Despertar da Força
· Jogos Vorazes: A Esperança – O Final
· Descompensada

BEST KISS (Beijo)
· Amy Schumer & Bill Hader (Descompensada)
· Dakota Johnson & Jamie Dornan (Cinquenta Tons de Cinza)
· Leslie Mann & Chris Hemsworth (Férias Frustradas)
· Margot Robbie & Will Smith (Golpe Duplo)
· Morena Baccarin & Ryan Reynolds (Deadpool)
· Rebel Wilson & Adam DeVine (A Escolha Perfeita 2)

BEST FIGHT (Luta)
· Deadpool (Ryan Reynolds) vs. Ajax (Ed Skrein) – Deadpool

· Hugh Glass (Leonardo DiCaprio) vs. A Ursa – O Regresso
· Imperator Furiosa (Charlize Theron) vs. Max Rockatansky (Tom Hardy) – Mad Max: Estrada da Fúria
· Homem de Ferro (Robert Downey Jr.) vs. Hulk (Mark Ruffalo) – Vingadores: Era de Ultron
· Rey (Daisy Ridley) vs. Kylo Ren (Adam Driver) – Star Wars: O Despertar da Força
· Susan Cooper (Melissa McCarthy) vs. Lia (Nargis Fakhri) – A Espiã que Sabia de Menos)

‘Star Wars’ domina as indicações ao MTV Movie Awards 2016

MTV Movie Awards 2016

MTV Movie Awards 2016 (photo by hfmagazineonline.com)

PREMIAÇÃO DE VOTO PÚBLICO SE RENDE AOS BLOCKBUSTERS

Depois do Oscar, nada melhor do que o MTV Movie Awards pra dar aquela relaxada! Nada de filmes sérios ou que exijam neurônios demais predominam pelas 14 categorias. Se bem que neste ano, eles resolveram acrescentar três categorias com cara de prêmio dos críticos: True Story (Baseado em fatos verídicos), Documentário e Ensemble Cast (Elenco). E felizmente, excluíram outras categorias bem inúteis como o Shirtless Performance e o WTF Moment.

E imitando a “bolha assassina” do Critics’ Choice Awards, agora todas as categorias têm 6 indicados cada, e com isso, mais filmes são reconhecidos e com maior número de indicações. Campeão de bilheteria, Star Wars: O Despertar da Força foi o recordista desta edição com 11 indicações, puxando a tendência na qual os filmes mais vistos pelo público conseguem maior visibilidade na premiação, vide a presença de Vingadores: Era de Ultron, Jurassic World e o recente Deadpool, que se tornou o filme com censura Rated R mais visto das últimas décadas.

Cena do recordista de indicações Star Wars: O Despertar da Força (photo by cinemagia.ro)

Cena do recordista de indicações Star Wars: O Despertar da Força (photo by cinemagia.ro)

Eu gosto da indicação de Deadpool, não apenas por se de uma boa adaptação de quadrinhos, mas que também prova para os produtores caretas de Hollywood, que é possível fazer um filme de super-herói para um público adulto, com qualidades e ainda sair lucrando! Só pela ousadia de sair do arquétipo, já deveria ganhar todos os prêmios. Mas deve sair pelo menos com o de Melhor Beijo pela ótima química de Ryan Reynolds e a belíssima Morena Baccarin.

Altas químicas rolam entre Ryan Reynolds e Morena Baccarin em Deadpool (photo by cinemagia.ro)

Altas químicas rolam entre Ryan Reynolds e Morena Baccarin em Deadpool (photo by cinemagia.ro)

Igualmente pela ousadia, outro filme que merece todos os prêmios é Mad Max: Estrada da Fúria. Infelizmente e curiosamente, o filme de George Miller, que acaba de conquistar 6 Oscars, sequer foi indicado a Melhor Filme. Acho muito estranha essa ausência, já que foi um filme bem idolatrado pelo público jovem e internauta. Acredito que deve levar o prêmio de Female Performance para Charlize Theron.

Trocaria facilmente a vaga de Vingadores: Era de Ultron por Mad Max. Apesar dos números expressivos de bilheteria, é uma sequência muito fraca, com um roteiro ralo (cadê as belas tiradas do nível do primeiro filme, Joss Whedon?) e sequências de ação pouco empolgantes. Parecia que o filme todo estava ligado no piloto automático! Como fã da Marvel Comics, achei uma grande pena que o filme, que tinha tudo para ser um dos melhores, não correspondeu às expectativas.

E não poderia deixar de destacar que todos aqueles “excluídos” do #OscarSoWhite ganharam abrigo e compaixão do MTV Movie Awards como Straight Outta Compton, que foi indicado a Melhor Filme, e o chorão do boicotador Will Smith. Não sei quanto a vocês, mas peguei um bode do Will Smith! Na categoria de Melhor Ator, temos também o merecido reconhecimento de Michael B. Jordan por Creed: Nascido Para Lutar. Curiosamente, teve apenas duas indicações: Melhor Filme e Ator.

Isso merece uma comemoração: Will Smith conseguiu um indicação! E pode levar seu baldinho de pipoca dourada! (photo by cinemagia.ro)

Isso merece uma comemoração: Will Smith conseguiu um indicação! E pode levar seu baldinho de pipoca dourada! (photo by cinemagia.ro)

A ausência mais sentida na minha opinião foi do pequeno talento Jacob Tremblay, que no mínimo, merecia uma indicação de Melhor Revelação por O Quarto de Jack, e não sua companheira de tela, Brie Larson, que já é conhecida há alguns anos. Outra importante mancada do MTV Movie Awards foi deixar de lado Spotlight – Segredos Revelados na categoria séria do True Story.

Ao contrário do ano passado, não consegui votar para os meus favoritos nesta edição. O site da MTV acusa que não está disponível para a minha localização. Cinéfilos do Terceiro Mundo não têm vez! De qualquer forma, para quem estiver interessado na cerimônia, ela acontece no dia 10 de abril, com a apresentação dos hosts Dwayne Johnson (o The Rock) e Kevin Hart (não sei de onde acham tanta graça nele), e deve ser transmitido ao vivo pelo canal da MTV Brasil.

Assinalei meus “votos” na cor laranja na lista de indicados, que segue abaixo:

MOVIE OF THE YEAR (Filme do Ano)
· Vingadores: Era de Ultron (Avengers: Age of Ultron)
· Creed: Nascido Para Lutar (Creed)
· Deadpool (Deadpool)
· Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros (Jurassic World)
· Star Wars: O Despertar da Força (Star Wars: The Force Awakens)
· Straight Outta Compton: A História do N.W.A. (Straight Outta Compton)

TRUE STORY (História Verídica)
· Um Homem Entre Gigantes (Concussion)
· Joy: O Nome do Sucesso (Joy)
· Steve Jobs (Steve Jobs)
· Straight Outta Compton: A História do N.W.A. (Straight Outta Compton)
· A Grande Aposta (The Big Short)
· O Regresso (The Revenant)

DOCUMENTÁRIO
· Amy
· Cartel Land
· He Named Me Malala
· The Hunting Ground
· The Wolfpack
· What Happened, Miss Simone?

BEST FEMALE PERFORMANCE (Performance Feminina)
· Alicia Vikander (Ex-Machina: Instinto Artificial)
· Anna Kendrick (A Escolha Perfeita 2)
· Charlize Theron (Mad Max: Estrada da Fúria)
· Daisy Ridley (Star Wars: O Despertar da Força)
· Jennifer Lawrence (Joy: O Nome do Sucesso)
· Morena Baccarin (Deadpool)

BEST MALE PERFORMANCE (Performance Masculina)
· Chris Pratt (Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros)
· Leonardo DiCaprio (O Regresso)
· Matt Damon (Perdido em Marte)
· Michael B. Jordan (Creed: Nascido Pra Lutar)
· Ryan Reynolds (Deadpool)
· Will Smith (Um Homem Entre Gigantes)

BREAKTHROUGH PERFORMANCE (Revelação)
· Amy Schumer (Descompensada)
· Brie Larson (O Quarto de Jack)
· Daisy Ridley (Star Wars: O Despertar da Força)
· Dakota Johnson (Cinquenta Tons de Cinza)
· John Boyega (Star Wars: O Despertar da Força)
· O’Shea Jackson Jr. (Straight Outta Compton: A História do N.W.A.)

BEST COMEDIC PERFORMANCE (Performance cômica)
· Amy Schumer (Descompensada)
· Kevin Hart (Policial em Apuros 2)
· Melissa McCarthy (A Espiã que Sabia de Menos)
· Rebel Wilson (A Escolha Perfeita 2)
· Ryan Reynolds (Deadpool)
· Will Ferrell (O Durão)

BEST ACTION PERFORMANCE (Performance de Ação)
· Chris Pratt (Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros)
· Dwayne Johnson (Terremoto: A Falha de San Andreas)
· Jennifer Lawrence (Jogos Vorazes: A Esperança – O Final)
· John Boyega (Star Wars: O Despertar da Força)
· Ryan Reynolds (Deadpool)
· Vin Diesel (Velozes & Furiosos 7)

BEST HERO (Herói)
· Charlize Theron (Mad Max: Estrada da Fúria)
· Chris Evans (Vingadores: Era de Ultron)
· Daisy Ridley (Star Wars: O Despertar da Força)
· Dwayne Johnson (Terremoto: A Falha de San Andreas)
· Jennifer Lawrence (Jogos Vorazes: A Esperança – O Final)
· Paul Rudd (Homem-Formiga)

BEST VILLAIN (Vilão)
· Adam Driver (Star Wars: O Despertar da Força)
· Ed Skrein (Deadpool)
· Hugh Keays-Byrne (Mad Max: Estrada da Fúria)
· James Spader (Vingadores: Era de Ultron)
· Samuel L. Jackson (Kingsman: Serviço Secreto)
· Tom Hardy (O Regresso)

BEST VIRTUAL PERFORMANCE (Performance Virtual)
· Amy Poehler (Divertida Mente)
· Andy Serkis (Star Wars: O Despertar da Força)
· Jack Black (Kung Fu Panda 3)
· James Spader (Vingadores: Era de Ultron)
· Lupita Nyong’o (Star Wars: O Despertar da Força)
· Seth MacFarlane (Ted 2)

ENSEMBLE CAST (Elenco)
· Vingadores: Era de Ultron
· Velozes & Furiosos 7
· A Escolha Perfeita 2
· Star Wars: O Despertar da Força
· Jogos Vorazes: A Esperança – O Final
· Descompensada

BEST KISS (Beijo)
· Amy Schumer & Bill Hader (Descompensada)
· Dakota Johnson & Jamie Dornan (Cinquenta Tons de Cinza)
· Leslie Mann & Chris Hemsworth (Férias Frustradas)
· Margot Robbie & Will Smith (Golpe Duplo)
· Morena Baccarin & Ryan Reynolds (Deadpool)
· Rebel Wilson & Adam DeVine (A Escolha Perfeita 2)

BEST FIGHT (Luta)
· Deadpool (Ryan Reynolds) vs. Ajax (Ed Skrein) – Deadpool
· Hugh Glass (Leonardo DiCaprio) vs. A Ursa – O Regresso
· Imperator Furiosa (Charlize Theron) vs. Max Rockatansky (Tom Hardy) – Mad Max: Estrada da Fúria
· Homem de Ferro (Robert Downey Jr.) vs. Hulk (Mark Ruffalo) – Vingadores: Era de Ultron
· Rey (Daisy Ridley) vs. Kylo Ren (Adam Driver) – Star Wars: O Despertar da Força
· Susan Cooper (Melissa McCarthy) vs. Lia (Nargis Fakhri) – A Espiã que Sabia de Menos)

Mesmo abaixo da média, Vingadores: Era de Ultron conseguiu conquistar X indicações (photo by outnow.ch)

Mesmo abaixo da média, Vingadores: Era de Ultron conseguiu conquistar 6 indicações (photo by outnow.ch)

Sueco ‘A Pigeon Sat on a Branch Reflecting on Existence’ vence o Leão de Ouro 2014, mas não empolga a mídia

O diretor sueco Roy Andersson posa com seu Leão de Ouro (photo by bbc.com)

O diretor sueco Roy Andersson posa com seu Leão de Ouro (photo by bbc.com)

AUSÊNCIA DE NOMES DE PESO TIRAM DESTAQUE DE EVENTO

Como foi reportado no post anterior sobre Veneza, o presidente do festival, Alberto Barbera, fracassou em trazer dois nomes de peso para a competição: David Fincher e Paul Thomas Anderson. E isso pode ter minado as chances de brilho do festival mais antigo de cinema, pois, se seus trabalhos recentes, Garota Exemplar e Inherent Vice, respectivamente, tivessem marcado presença, a premiação certamente sofreria alterações drásticas e o impacto da premiação seria bem maior na mídia. Claro que nomes por si só não garantem nenhum prêmio (exceto os honorários), mas boa parte da crítica estrangeira comentou a ausência de nomes fortes na disputa pelo Leão de Ouro.

Dos nomes mais famosinhos indicados: Fatih Akin, Alejandro González Iñárritu, David Gordon Green, Xavier Beauvois e Andrew Niccol, todos saíram de mãos abanando. De acordo com o júri presidido pelo compositor francês Alexandre Desplat, e composto por Joan Chen, Philip Gröning, Jessica Hausner, Jhumpa Lahiri, Sandy Powell, Tim Roth, Elia Suleiman e Carlo Verdone, nenhum dos trabalhos dos diretores citados acima merecia um reconhecimento, comprovando que nem sempre reputações fazem diferença na votação.

Aliás, o diretor do filme vencedor A Pigeon Sat on a Branch Reflecting on Existence, Roy Andersson, dirigiu alguns longas, curtas e documentários desde as décadas de 60 e 70, mas sem grandes repercussões; tanto que seus trabalhos mais conhecidos são Songs from the Second Floor (2000) e Vocês, os Vivos (2007). Em seu dicurso de agradecimento, Andersson citou o clássico neo-realista italiano Ladrões de Bicicletas (1948) como grande inspiração para se tornar um cineasta. Não se sabe se essa afirmação é verdade (devido aos diferentes estilos dos diretores) ou se Andersson queria puxar uma sardinha para o cinema da casa.

Em A Pigeon, temos dois protagonistas que pegam a estrada para vender produtos cômicos como um saco de risadas e máscaras. Durante o percurso, topam com histórias de outros personagens secundários como um homem que morre depois de pedir um lanche e logo em seguida, a garçonete pergunta aos demais clientes quem gostaria de usufruir do mesmo lanche pago. Além desse humor negro, o diretor abusa de planos-sequência e uma palheta de cores pálida, como se houvesse esse distanciamento com a realidade.

Cena de A PIgeon Sat on a Branch Reflecting on Existence (photo by outnow.ch)

Cena de A Pigeon Sat on a Branch Reflecting on Existence (photo by outnow.ch)

Já o Leão de Prata para Melhor Diretor foi para o russo Andrey Konchalovskiy por The Postman’s White Nights. A produção aborda um vilarejo real isolado numa ilha russa, onde só se é possível chegar e sair de barco, pilotado pelo carteiro, cuja esposa o abandona. No local, os habitantes vivem numa espécie de era neolítica, onde não há tecnologia, governo e empregos. Com larga experiência em documentários, Andrey utilizou habitantes reais da ilha como personagens, dando um tom documental ao trabalho final.

Andrey Konchalovskiy com seu Leão de Prata (photo by http://pipocamoderna.virgula.uol.com.br)

Andrey Konchalovskiy com seu Leão de Prata (photo by http://pipocamoderna.virgula.uol.com.br)

Curiosamente, o diretor já teve uma passagem pelo cinema norte-americano nas décadas de 80 e 90, quando dirigiu seu maior sucesso: Expresso Para o Inferno (1985), rendendo indicações ao Oscar para os atores Jon Voight e Eric Roberts, além de Melhor Montagem. Também chegou a dirigir Sylvester Stallone e Kurt Russell no filme de ação Tango & Cash – Os Vingadores (1989).

Nas categorias de atuação, os Volpi Cups foram concedidos para os atores centrais do filme italiano Hungry Hearts, de Saverio Costanzo: o americano Adam Driver e a italiana Alba Rohrwacher. Eles fazem um casal que se encontra por acaso em Nova York, iniciam um relacionamento sério e têm uma filha. Contudo, o cenário de felicidade muda radicalmente quando a mãe passa a apresentar sinais de doença mental e o pai receia pelas consequências na criação e nutrição do bebê.

Adam Driver e Ala Rohrwacher em cena de Hungry Hearts (photo by movieplot.com)

Adam Driver e Ala Rohrwacher em cena de Hungry Hearts (photo by movieplot.com)

O prêmio deve alavancar ainda mais a já promissora carreira de Adam Driver. Além de já ter trabalhado com os irmãos Coen em Inside Llewyn Davis: Balada de um Homem Comum e Clint Eastwood em J. Edgar, está sob a direção de Martin Scorsese em Silence (2015) e será um personagem importante do novo filme da saga Star Wars, sob o comando de J.J. Abrams. Ele não esteve presente na premiação, pois estava no Festival de Toronto, justamente promovendo o filme.

Pela repercussão na mídia, talvez a melhor escolha para Leão de Ouro tivesse sido para o documentário The Look of Silence, do mesmo diretor de O Ato de Matar, indicado ao Oscar este ano. Assim como em seu filme anterior, Joshua Oppenheimer aborda o genocídio da Indonésia através de um encontro de uma família de sobreviventes com o assassino de um de seus membros. Através das entrevistas, o diretor busca uma espécie de remorso do entrevistado pelas barbaridades que cometera no passado sangrento da ditadura de Suharto.

Entrevista de documentário The Look of Silence (photo by outnow.ch)

Entrevista de documentário The Look of Silence (photo by outnow.ch)

Embora Birdman não tenha conquistado nenhum prêmio, devo recordar que no mesmo Festival de Veneza do ano passado, Gravidade abriu o evento e também não levou nenhum prêmio. Porém, poucos meses depois, saiu da cerimônia do Oscar com sete estatuetas, incluindo Melhor Diretor para o mexicano Alfonso Cuarón.

VENCEDORES DO 71º FESTIVAL DE VENEZA:

LEÃO DE OURO
A Pigeon Sat On A Branch Reflecting On Existence
Dir: Roy Andersson

LEÃO DE PRATA DE DIREÇÃO
Andrey Konchalovskiy (The Postman’s White Nights)

GRANDE PRÊMIO DO JÚRI
The Look Of Silence
Dir: Joshua Oppenheimer

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI
Sivas
Dir: Kaan Mujdeci

VOLPI CUP DE MELHOR ATOR
Adam Driver (Hungry Hearts)

VOLPI CUP DE MELHOR ATRIZ
Alba Rohrwacher (Hungry Hearts)

PRÊMIO MARCELLO MASTROIANNI PARA JOVEM ATOR
Romain Paul (The Last Hammer Blow)

MELHOR ROTEIRO
Rakhshan e Farid Mostafavi (Tales)

LEÃO DO FUTURO LUIGI DE LAURENTIIS
Court
Dir: Chitanya Tamhane

MOSTRA HORIZONTES:

MELHOR FILME
Court
Dir: Chitanya Tamhane

MELHOR DIRETOR
Naji Abu Nowar (Theeb)

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI
Belluscone
Dir: Franco Maresco

PRÊMIO ESPECIAL PARA MELHOR ATOR OU ATRIZ
Emir Hadzihafizbegovic (These Are The Rules)

PRÊMIO HORIZONTES PARA MELHOR CURTA-METRAGEM
Maryam
Dir: Sidi Saleh

PRÊMIOS CLÁSSICOS DE VENEZA:

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Animata Resistenza
Dir: Francesco Montagner, Alberto Girotto

MELHOR FILME RESTAURADO
Um Dia Muito Especial (Una Giornata Particolare, 1977)
Dir: Ettore Scola

A atriz italiana Alba Rohrwacher com seu Volpi Cup de Melhor Atriz por Hungry Hearts (photo by http://pipocamoderna.virgula.uol.com.br)

A atriz italiana Alba Rohrwacher com seu Volpi Cup de Melhor Atriz por Hungry Hearts (photo by http://pipocamoderna.virgula.uol.com.br)

 

Com 13 indicações cada, ’12 Years a Slave’ e ‘Trapaça’ também lideram Critics’ Choice Awards 2014

Critics' Choice Awards 2014 (art by clevver.com)

Critics’ Choice Awards 2014 (art by clevver.com)

Enquanto o Globo de Ouro foi perdendo seu posto de parâmetro para o Oscar na última década, o Critics’ Choice Awards tem conquistado mais acertos do que erros em relação ao prêmio da Academia. Além disso, ao contrário do Globo de Ouro, o Critics’ também premia Melhor Fotografia, Montagem, Figurino e outras categorias mais técnicas, servindo como melhor termômetro. E vale lembrar que se trata de um prêmio praticamente recém-nascido, em seu 19º ano.

Só para exemplificar, nos últimos quatro anos, o Critics’ Choice acertou três vencedores de Melhor Filme: Argo, O Artista e Guerra ao Terror, além de atores como Daniel Day-Lewis, Colin Firth, Natalie Portman, Jeff Bridges e Sandra Bullock.

Embora seja apenas um festival sem prêmios competitivos, seria injustiça não mencionar o canadense Toronto International Film Festival (TIFF), cujo People’s Choice Award vem reconhecendo e fortalecendo os candidatos a Melhor Filme no Oscar. Nos últimos anos, O Discurso do Rei e Quem Quer Ser um Milionário? coincidiram as láureas com a Academia, sendo que ano passado, Argo estava entre os três finalistas.

Para quem não conhece o Critics’ Choice Awards, trata-se de um reconhecimento extremamente abrangente. Premiam os usuais Filme, Diretor, Ator, Atriz, Filme Estrangeiro… tem Melhor Elenco (marca do SAG Awards), Filme de Ação, Filme de Comédia (Globo de Ouro), Filme de Terror ou Ficção Científica (MTV Movie Award?) e ainda, Ator/Atriz em Filme de Ação e Ator/Atriz em Filme de Comédia. Só faltou Melhor Animal em Filme! Ainda bem que o prêmio não é feito de ouro, senão faltaria na reserva mundial.

Jennifer Lawrence recebendo uma das duas estatuetas que ganhou este ano por O Lado Bom da Vida e Jogos Vorazes (photo by http://fotosnoticiasartistasmuitomais.blogspot.com.br/2013/02/com-oscar-jennifer-lawrence-encerra.html)

Jennifer Lawrence recebendo uma das duas estatuetas que ganhou este ano por O Lado Bom da Vida e Jogos Vorazes (photo by http://fotosnoticiasartistasmuitomais.blogspot.com.br/2013/02/com-oscar-jennifer-lawrence-encerra.html)

Este ano, os recordistas com 13 indicações cada foram 12 Years a Slave e Trapaça, repetindo a façanha conquistada no Globo de Ouro com 7 para cada. Logo em seguida, Gravidade abocanhou 10 indicações e deve ganhar pelo menos Melhor Filme de Terror/Ficção Científica como consolo.

Outro fato curioso sobre o Critics é que eles indicam seis trabalhos nas categorias principais, tornando mais difícil aquele candidato esquecido. Especificamente nesta edição, as seis vagas estão muito bem preenchidas, principalmente entre os atores. Robert Redford e Christian Bale (ignorados pelo SAG), Brie Larson (apesar de ignorada por SAG e Globo de Ouro, concorre pelo Independent Spirit!), Bradley Cooper (ignorado pelo SAG) e até o póstumo James Gandolfini (ignorado pelo Globo). Vale ressaltar a indicação da voz de Scarlett Johansson em Ela como atriz coadjuvante. Será que tem chances no Oscar?

A bela Scarlett Johansson no último Festival de Roma, de onde saiu com o prêmio de Atriz por Ela

A bela Scarlett Johansson no último Festival de Roma, de onde saiu com o prêmio de Atriz por Ela

Mesmo assim, há um ou outro deixado de lado: Joaquin Phoenix (Ela), Tom Hanks (Walt nos Bastidores de Mary Poppins), Michael B. Jordan e Octavia Spencer (Fruitvale Station: A Última Parada). Ei! São 6 indicados, não 10.

Confira as 500 categorias do Critics’ Choice:

MELHOR FILME
Trapaça (American Hustle)
Capitão Phillips (Captain Phillips)
Dallas Buyers Club
Gravidade (Gravity)
Ela (Her)
Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum (Inside Llewyn Davis)
Nebraska
Walt nos Bastidores de Mary Poppins (Saving Mr. Banks)
12 Years a Slave
O Lobo de Wall Street (The Wolf of Wall Street)

MELHOR ATOR
Christian Bale (Trapaça)
Bruce Dern (Nebraska)
Chiwetel Ejiofor (12 Years a Slave)
Tom Hanks (Capitão Phillips)
Matthew McConaughey (Dallas Buyers Club)
Robert Redford (All Is Lost)

MELHOR ATRIZ
Cate Blanchett (Blue Jasmine)
Sandra Bullock (Gravidade)
Judi Dench (Philomena)
Brie Larson (Short Term 12)
Meryl Streep (Álbum de Família)
Emma Thompson (Walt nos Bastidores de Mary Poppins)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Barkhad Abdi (Capitão Phillips)
Daniel Bruhl (Rush: No Limite da Emoção)
Bradley Cooper (Trapaça)
Michael Fassbender (12 Years a Slave)
James Gandolfini (À Procura do Amor)
Jared Leto (Dallas Buyers Club)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Scarlett Johansson (Ela)
Jennifer Lawrence (Trapaça)
Lupita Nyong’o (12 Years a Slave)
Julia Roberts (Álbum de Família)
June Squibb (Nebraska)
Oprah Winfrey (O Mordomo da Casa Branca)

MELHOR ATOR/ATRIZ JOVEM
Asa Butterfield (Ender’s Game – O Jogo do Exterminador)
Adèle Exarchopoulos (Azul é a Cor Mais Quente)
Liam James (O Verão da Minha Vida)
Sophie Nelisse (A Menina que Roubava Livros)
Tye Sheridan (Amor Bandido)

O jovem talento Tye Sheridan concorre por Amor Bandido (photo by www.cine.gr)

O jovem talento Tye Sheridan concorre por Amor Bandido (photo by http://www.cine.gr)

MELHOR ELENCO
Trapaça
Álbum de Família
O Mordomo da Casa Branca
Nebraska
12 Years a Slave
O Lobo de Wall Street

MELHOR DIRETOR
Alfonso Cuaron (Gravidade)
Paul Greengrass (Capitão Phillips)
Spike Jonze (Ela)
Steve McQueen (12 Years a Slave)
David O. Russell (Trapaça)
Martin Scorsese (O Lobo de Wall Street)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
Eric Singer, David O. Russell (Trapaça)
Woody Allen (Blue Jasmine)
Spike Jonze (Ela)
Joel Coen, Ethan Coen (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum)
Bob Nelson (Nebraska)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Tracy Letts (Álbum de Família)
Richard Linklater, Julie Delpy, Ethan Hawke (Antes da Meia-Noite)
Billy Ray (Capitão Phillips)
Steve Coogan, Jeff Pope (Philomena)
John Ridley (12 Years a Slave)
Terence Winter (O Lobo de Wall Street)

MELHOR FOTOGRAFIA
Emmanuel Lubezki (Gravidade)
Bruno Delbonnel (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum)
Phedon Papamichael (Nebraska)
Roger Deakins (Os Suspeitos)
Sean Bobbitt (12 Years a Slave)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
Andy Nicholson, Rosie Goodwin (Gravidade)
Catherine Martin, Beverley Dunn (O Grande Gatsby)
K.K. Barrett, Gene Serdena (Ela)
Dan Hennah, Ra Vincent (O Hobbit: A Desolação de Smaug)
Adam Stockhausen, Alice Baker (12 Years a Slave)

MELHOR MONTAGEM
Alan Baumgarten, Jay Cassidy, Crispin Struthers (Trapaça)
Christopher Rouse (Capitão Phillips)
Alfonso Cuarón, Mark Sanger (Gravidade)
Daniel P. Hanley, Mike Hill (Rush: No Limite da Emoção)
Joe Walker (12 Years a Slave)
Thelma Schoonmaker (O Lobo de Wall Street)

MELHOR FIGURINO
Michael Wilkinson (Trapaça)
Catherine Martin (O Grande Gatsby)
Bob Buck, Lesley Burkes-Harding, Ann Maskrey, Richard Taylor (O Hobbit: A Desolação de Smaug)
Daniel Orlandi (Walt nos Bastidores de Mary Poppins)
Patricia Norris (12 Years a Slave)

MELHOR MAQUIAGEM
Trapaça
O Hobbit: A Desolação de Smaug
O Mordomo da Casa Branca
Rush: No Limite da Emoção
12 Years a Slave

MELHORES EFEITOS VISUAIS
Gravidade
OHobbit: A Desolação de Smaug
Homem de Ferro 3
Círculo de Fogo
Além da Escuridão – Star Trek

MELHOR ANIMAÇÃO
Os Croods (The Croods)
Meu Malvado Favorito (Despicable Me 2)
Frozen: Uma Aventura Congelante (Frozen)
Universidade Monstros (Monsters University)
Vidas ao Vento (The Wind Rises)

A animação Os Croods deve conquistar uma das cinco vagas do Oscar (photo by www.elfilm.com)

A animação Os Croods deve conquistar uma das cinco vagas do Oscar (photo by http://www.elfilm.com)

MELHOR FILME DE AÇÃO
Jogos Vorazes: Em Chamas (The Hunger Games: Catching Fire)
Homem de Ferro 3 (Iron Man 3)
Lone Survivor
Rush: No Limite da Emoção (Rush)
Além da Escuridão – Star Trek (Star Trek Into Darkness)

MELHOR ATOR EM FILME DE AÇÃO
Henry Cavill (Homem de Aço)
Robert Downey Jr. (Homem de Ferro 3)
Brad Pitt (Guerra Mundial Z)
Mark Wahlberg (Lone Survivor)

MELHOR ATRIZ EM FILME DE AÇÃO
Sandra Bullock (Gravidade)
Jennifer Lawrence (Jogos Vorazes: Em Chamas)
Evangeline Lilly (O Hobbit: A Desolação de Smaug)
Gwyneth Paltrow (Homem de Ferro 3)

MELHOR COMÉDIA
Trapaça (American Hustle)
À Procura do Amor (Enough Said)
As Bem-Armadas (The Heat)
É o Fim (This Is the End)
O Verão da Minha Vida (The Way Way Back)
Heróis de Ressaca (The World’s End)

MELHOR ATOR EM COMÉDIA
Christian Bale (Trapaça)
Leonardo DiCaprio (O Lobo de Wall Street)
James Gandolfini (À Procura do Amor)
Simon Pegg (Heróis de Ressaca)
Sam Rockwell (O Verão da Minha Vida)

MELHOR ATRIZ EM COMÉDIA
Amy Adams (Trapaça)
Sandra Bullock (As Bem-Armadas)
Greta Gerwig (Frances Ha)
Julia Louis-Dreyfus (À Procura do Amor)
Melissa McCarthy (As Bem-Armadas)

Melissa McCarthy e Sandra Bullock disputam o prêmio de Atriz em Comédia por As Bem-Armadas (photo by ww.outnow.ch)

Melissa McCarthy e Sandra Bullock disputam o prêmio de Atriz em Comédia por As Bem-Armadas (photo by ww.outnow.ch)

MELHOR FILME DE FICÇÃO CIENTÍFICA/TERROR
Invocação do Mal (The Conjuring)
Gravidade (Gravity)
Além da Escuridão – Star Trek (Star Trek into Darkness)
Guerra Mundial Z (World War Z)

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
Azul é a Cor Mais Quente (La Vie d’Adèle)
A Grande Beleza (La Grande Bellezza)
A Caça (Jagten)
The Past (Le Passé)
O Sonho de Wadjda (Wadjda)

Cena de O Sonho de Wadjda, que concorre como Filme Estrangeiro pela Arábia Saudita (photo by www.outnow.ch)

Cena de O Sonho de Wadjda, que concorre como Filme Estrangeiro pela Arábia Saudita (photo by http://www.outnow.ch)

MELHOR DOCUMENTÁRIO
O Ato de Matar (The Act of Killing)
Blackfish
Stories We Tell
Tim’s Vermeer
20 Feet from Stardom

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Atlas” – Coldplay (Jogos Vorazes: Em Chamas)
“Happy” – Pharrell Williams (Meu Malvado Favorito 2)
“Let It Go” – Robert Lopez, Kristen Anderson-Lopez (Frozen: Uma Aventura Congelante)
“Ordinary Love” – U2 (Mandela: Long Walk to Freedom)
“Please Mr. Kennedy” – Justin Timberlake/Oscar Isaac/Adam Driver (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum)
“Young and Beautiful” – Lana Del Rey (O Grande Gatsby)

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
Steven Price (Gravidade)
Arcade Fire (Ela)
Thomas Newman (Walt nos Bastidores de Mary Poppins)
Hans Zimmer (12 Years a Slave)

Os vencedores serão anunciados no dia 16 de janeiro de 2014. Quatro dias após o anúncio dos indicados ao Oscar.

* A animação de Hayao Miyazaki, The Wind Rises, estava com o título brasileiro O Vento Está Soprando, mas a distribuidora que adquiriu os direitos de exibição resolveu alterar para Vidas ao Vento.

Vidas ao Vento, de Hayao Miyazaki, ganhou novo título nacional e concorre como melhor Animação (photo by www.elfilm.com)

Vidas ao Vento, de Hayao Miyazaki, ganhou novo título nacional e concorre como melhor Animação (photo by http://www.elfilm.com)