‘ERA UMA VEZ EM… HOLLYWOOD’ e ‘PARASITA’ LEVAM o ADG

 

Once Upon 2

Filmagem de Era Uma Vez em… Hollywood com Al Pacino, Leonardo DiCaprio e Robert Richardson cuidando da câmera no set. Pic by IMDb

SINDICATO DE DIRETORES DE ARTE RECONHECE A RECONSTRUÇÃO DOS ANOS 60 DE TARANTINO E CONTEMPORANEIDADE DE PARASITA

Na noite deste sábado, 01/02, o Sindicato de Diretores de Arte divulgou seus vencedores em Los Angeles. Pela categoria de Filme de Época, Barbara Ling foi a vencedora por Era Uma Vez em… Hollywood com toda aquela recriação da Hollywood do fim dos anos 60. Não apenas pela perfeição em seu trabalho, mas também pelo tamanho colossal dos designs retratados dessa época como estúdios (onde foram gravados os westerns estrelados pelo personagem de Leonardo DiCaprio), trailers, cinemas, aquela vila de hippies, e as próprias ruas em que Cliff Booth (Brad Pitt) anda com seu carro. Ling é a favorita para levar o Oscar, e caso vença, será o primeiro Oscar de Direção de Arte na filmografia de Tarantino.

Pela categoria de Design Contemporâneo, Lee Ha-Jun venceu por Parasita. Muita gente fala apenas da mansão da família Park, que realmente é uma personagem em si com todos aqueles cômodos refinados, construídos especialmente para o filme, mas temos que lembrar também da casa e do bairro da família Kim. Criar um ambiente sujo é mais difícil do que parece. Quando vemos a casa deles, que fica abaixo do horizonte da rua, parece que realmente é um lugar que foi habitado com aquele banheiro apertado, cheio de goteiras e infiltrações, e objetos nitidamente usados, faz com que a gente acredite que a equipe de filmagem filmou um lugar pronto. E sem contar que a sequência da enchente foi toda produzida (sim, também parece muito real).

Parasita

O banheiro da casa da família Kim em Parasita (pic by IMDb)

E pela categoria de Filme de Fantasia, a Marvel levou por Vingadores: Ultimato, o que foi uma surpresa pela concorrência de Ad Astra, Aladdin, Dumbo, Malévola e Star Wars (aliás, uma categoria toda dominada pela Disney, que comprou a Fox recentemente). Não que os trabalhos indicados aqui primem por criatividade e originalidade, porque são recriações live actions e sequências (com exceção de Ad Astra), mas Vingadores também não apresenta muitos cenários novos. Temos uma sequência no Japão, algumas cenas do pós-estalar de dedos de Thanos, a casa de campo de Tony Stark… mas enfim, claro que são trabalhos igualmente fenomenais. É que normalmente primamos mais pela criatividade, ainda mais em produções de fantasia e ficção científica que podem nos oferecer algo inovador.

Bom, e no quesito corrida para o Oscar, obviamente Era Uma Vez em… Hollywood e Parasita largam na frente. Em 23 anos de ADG, foram 15 acertos que combinaram com o Oscar. Claro que acertar pelo menos um de três categorias fica mais fácil, mas o sindicato de Diretores de Arte costuma ficar alinhado com a Academia. Segue tabela comparativa abaixo dos últimos cinco anos:

ANO ÉPOCA FANTASIA/SCI-FI CONTEMP OSCAR
2018 A Favorita Pantera Negra Podres de Ricos Pantera Negra
2017 A Forma da Água Blade Runner 2049 Logan A Forma da Água
2016 Estrelas Além do Tempo Passageiros La La Land La La Land
2015 O Regresso Mad Max: Estrada da Fúria Perdido em Marte Mad Max: Estrada da Fúria
2014 O Grande Hotel Budapeste Guardiões da Galáxia Birdman O Grande Hotel Budapeste

Na 24ª cerimônia do ADG, também houve uma homenagem póstuma a Syd Mead com o prêmio Cameron Menzies. Ele foi responsável pelo conceito artístico de obras-primas da ficção científica como Blade Runner (1982), Tron: Uma Odisséia Eletrônica (1982), Aliens, o Resgate (1986), Elysium (2013) e do último Blade Runner: 2049 (2016). Ele morreu no último mês de dezembro, quando tinha 86 anos. O diretor Denis Villeneuve apresentou o prêmio com as seguintes palavras: “Ele era um futurista e explorador visual. Ele era influente e criou design de filmes revolucionários.”

Nas categorias de TV, os grandes vencedores foram Chernobyl, Russian Doll, The Big Bang Theory e The Umbrella Academy. Veja os vencedores abaixo:

CINEMA

FILME DE ÉPOCA
Era uma Vez em… Hollywood – Barbara Ling

FANTASIA OU FICÇÃO CIENTÍFICA
Vingadores: Ultimato – Charles Wood

CONTEMPORÂNEO
Parasita – Lee Ha-Jun

ANIMAÇÃO
Toy Story 4 – Bob Pauley

TV/ STREAMING

ONE-HOUR PERIOD OR FANTASY SINGLE-CAMERA SERIES
The Marvelous Mrs. Maisel: ‘Ep. 305, Ep. 308,’” Bill Groom

ONE-HOUR CONTEMPORARY SINGLE-CAMERA SERIES
“The Umbrella Academy: ‘We Only See Each Other at Weddings and Funerals,’” Mark Worthington

TELEVISION MOVIE OR LIMITED SERIES
“Chernobyl,” Luke Hull

HALF HOUR SINGLE-CAMERA SERIES
“Russian Doll: ‘Nothing in This World is Easy,’” Michael Bricker

MULTI-CAMERA SERIES
“The Big Bang Theory: ‘The Stockholm Syndrome,’ ‘The Conference Valuation,’ ‘The Propagation Proposition,’” John Shaffner

SHORT FORMAT: WEB SERIES, MUSIC VIDEO OR COMMERCIAL
MedMen: “The New Normal,” James Chinlund

VARIETY, REALITY OR EVENT SPECIAL
“Drunk History: “Are You Afraid of the Drunk?” Monica Sotto 

ACADEMIA DIVULGA PRÉ-LISTA de NOVE CATEGORIAS. BRASIL FICA de FORA da DISPUTA de FILME INTERNACIONAL

amigos.jpg

A PRÉ-SELEÇÃO ESTREITA A COMPETIÇÃO COM ALGUMAS SURPRESAS

É com pesar que informamos que A Vida Invisível, de Karim Aïnouz, não avançou para a próxima fase do Oscar. Com uma boa campanha promovida pela Amazon Studios nos EUA, havia altas expectativas de indicação, já que o filme ganhou o prestigiado Un Certain Regard no Festival de Cannes e conquistou uma indicação ao Independent Spirit.

Para muitos especialistas, a ausência no Globo de Ouro foi fundamental para sua derrocada. Já para nós da página, o adiantamento de um mês da cerimônia pode ter causado uma bagunça no calendário, mas acima de tudo acreditamos no velho conservadorismo da Academia. Embora tenha havido o ingresso de inúmeros membros novos na instituição nos últimos anos, as regras para votar para os filmes desta categoria internacional não mudaram, assim como os votantes: velhinhos, judeus e com tempo de sobra para poder assistir aos candidatos estrangeiros numa sessão vespertina, por exemplo.

O resultado disso? Dentre os dez filmes pré-selecionados, três se passam na Segunda Guerra Mundial ou dialogam com o Holocausto, temas favoritos dessa faixa etária e étnica dos votantes. Claro que podem ser filmes ótimos, mas a aposta nesses temas batidos todos os anos frustram aqueles que buscam uma renovação dos filmes selecionados. E já que essa filosofia e regulamento não mudam, parece que existe uma fábrica de filmes de Segunda Guerra e Nazismo todos os anos ao redor do globo, porque eles sabem que suas chances de serem premiados com o Oscar são maiores. Só para citar alguns exemplos mais recentes que venceram: Ida, O Filho de Saul, Os Falsários e A Vida é Bela.

A pré-seleção desta categoria é dividida entre os votantes e uma comissão especial desde 2009. São 7 filmes selecionados pelos votantes, e três pela comissão, que foi criada para evitar que filmes de alta relevância no cenário internacional e premiados fiquem de fora da competição, como aconteceu com o romeno 4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias em 2008. À princípio, parece-nos que Parasita, Dor e Glória e Atlantique foram as escolhas da comissão, e os demais foram votados.

amigos (1).jpg

MELHOR FILME INTERNACIONAL

  • The Painted Bird – REPÚBLICA TCHECA
    Dir: Václav Marhoul
  • Truth and Justice – ESTÔNIA
    Dir: Tanel Toom
  • Les Misérables – FRANÇA
    Dir: Ladj Ly
  • Aqueles que Ficaram (Those Who Remained) – HUNGRIA
    Dir: Barnabás Tóth
  • Honeyland – MACEDÔNIA DO NORTE
    Dir: Tamara Kotevska e Ljubomir Stefanov
  • Corpus Christi – POLÔNIA
    Dir: Jan Komasa
  • Uma Mulher Alta (Beanpole) – RÚSSIA
    Dir: Kantemir Bagalov
  • Atlantique – SENEGAL
    Dir: Mati Diop
  • Parasita – CORÉIA DO SUL
    Dir: Bong Joon-Ho
  • Dor e Glória – ESPANHA
    Dir: Pedro Almodóvar

Desta seleção, cinco filmes tinham um histórico de premiações e participações de festivais que praticamente os asseguravam na pré-lista: Parasita, Dor e Glória, Honeyland, Atlantique e Les Misérables. Já entre os esnobados, destaque para o colombiano Monos, o italiano O Traidor, o argelino Papicha, o palestino O Paraíso Deve Ser Aqui, nosso brasileiro A Vida Invisível, e o japonês Weathering With You, que ainda pode concorrer na categoria de Melhor Longa de Animação. Aliás, o representante da Macedônia do Norte, Honeyland, pode acabar indicado em duas categorias: Filme Internacional e Documentário.

E para os milhões de cinéfilos desapontados com a não-inclusão de A Vida Invisível, fica a história de superação dos cineastas brasileiros, de poder fazer cinema de qualidade e identidade mesmo em tempos sombrios de extinção da Ancine, órgão que regulamentava o cinema nacional. O grande cinema não é necessariamente aquele que ganha prêmios, mas aquele que conquista e cativa o público. E felizmente, não houve falcatruas na seleção da comissão desta vez como em 2016 com Aquarius fora. Se seríamos indicados com Bacurau? Quem sabe? O importante é enviar um bom filme todo ano.

CHANCES EM OUTRAS CATEGORIAS

Embora não tenha sido o selecionado pela comissão francesa, Retrato de uma Jovem em Chamas pode ser indicado a Melhor Fotografia, Figurino e por que não Roteiro? Já Dor e Glória tem grandes chances também com Antonio Banderas como Melhor Ator, Pedro Almodóvar na disputa de Direção e até Direção de Arte.

Contudo, o grande estrangeiro que pode e deve dominar as indicações é o sul-coreano Parasita. Após conquistar de forma unânime a Palma de Ouro em Cannes, o filme conquistou vários outros prêmios, inclusive o de Melhor Filme pelos críticos de Los Angeles (LAFCA), Melhor Filme em Língua Estrangeira pelos críticos de Nova York (NYFCC) e pelo National Board of Review (NBR), além de ser indicado ao Globo de Ouro, Critics’ Choice e até Elenco no SAG Awards, coisa que não acontecia com um filme estrangeiro desde o italiano A Vida é Bela. Como já postamos aqui antes, Parasita é o Roma deste ano, porém com um grande diferencial: não é da Netflix, motivo pelo qual Green Book pode ter conseguido uma vantagem entre a ala mais conservadora da Academia. A questão que fica é: Parasita tem chances reais se ganhar o Oscar de Melhor Filme também, e se tornar o primeiro filme em língua estrangeira a vencer o maior prêmio da noite?


A Academia também afunilou os candidatos de outras oito categorias: Documentário, Documentário-Curta, Curta-Metragem, Curta de Animação, Maquiagem e Cabelo, Trilha Original, Canção Original e Efeitos Visuais, o que encerra inúmeras campanhas publicitárias dos desclassificados e intensifica as selecionadas.

DOCUMENTÁRIO

  • Advocate
  • American Factory
  • The Apollo
  • Apollo 11
  • Aquarela
  • The Biggest Little Farm
  • The Cave
  • Democracia em Vertigem (The Edge of Democracy)
  • For Sama
  • The Great Hack
  • Honeyland
  • Knock Down the House
  • Maiden
  • Midnight Family
  • One Child Nation

Com 159 produções inscritas, a categoria ficou limitada a 15 documentários. Entre os favoritos da lista: American Factory, Apollo 11, For Sama, Honeyland e One Child Nation podem conquistar as cinco indicações finais. Igualmente imprevisível como a categoria de Filme Internacional, o anúncio das indicações devem reservar surpresas como a inclusão de The Biggest Little Farm, Knock Down the House e até do brasileiro Democracia em Vertigem, de Petra Costa, que ganhou o título internacional de The Edge of Democracy, e está disponível no catálogo da Netflix. Particularmente, não gostamos tanto assim do documentário por ele desviar seu foco da que da democracia para defender um lado mais emotivo, mas ficamos feliz por esse reconhecimento da cineasta e sua equipe.

DOCUMENTÁRIO-CURTA

  • After Maria
  • Fire in Paradise
  • Ghosts of Sugar Land
  • In the Absence
  • Learning to Skateboard in a Warzone (If You’re a Girl)
  • Life Overtakes Me
  • The Nightcrawlers
  • St. Louis Superman
  • Stay Close
  • Walk Run Cha-Cha

Foram 69 inscrições que agora se resumem a dez curtas de documentário.

MAQUIAGEM E CABELO

  • O Escândalo
  • Meu Nome é Dolemite
  • Downton Abbey
  • Coringa
  • Judy: Muito Além do Arco-Íris
  • Adoráveis Mulheres
  • Malévola: Dona do Mal
  • 1917
  • Era uma Vez em…Hollywood
  • Rocketman

Haverá a exibição de um clipe de sete minutos de duração contendo todos os trabalhos pré-selecionados para que os membros do Departamento de Maquiagem possa reavaliar e eleger os cinco finalistas.

TRILHA MUSICAL ORIGINAL

Fifteen scores will advance in the original score category. One hundred seventy scores were eligible in the category. Members of the Music Branch vote to determine the shortlist and the nominees.

  • Alan Silvestri (Vingadores: Ultimato)
  • Theodore Shapiro (O Escândalo)
  • Alex Weston (The Farewell)
  • Marco Beltrami e Buck Sanders (Ford vs Ferrari)
  • Christophe Beck (Frozen 2)
  • Michael Giacchino (Jojo Rabbit)
  • Hildur Guðnadóttir (Coringa)
  • Nicholas Britell (O Rei)
  • Alexandre Desplat (Adoráveis Mulheres)
  • Randy Newman (História de um Casamento)
  • Daniel Pemberton (Brooklyn: Sem Pai Nem Mãe)
  • Thomas Newman (1917)
  • Alberto Iglesias (Dor e Glória)
  • John Williams (Star Wars: A Ascensão de Skywalker)
  • Michael Abels (Nós)

Foram 170 composições inscritas na categoria, e agora restam quinze na competição. Destaque para a possível disputa entre os primos Randy Newman (História de um Casamento) e Thomas Newman (1917), mas enquanto Randy já levou dois Oscars de Canção por Monstros S.A. e Toy Story 3, Thomas ainda não levou a estatueta depois de um recorde de 14 indicações. Será que agora vai?

Além dos dois, destaque para os favoritos Alexandre Desplat por Adoráveis Mulheres, a islandesa Hildur Guðnadóttir por Coringa, Michael Abels por Nós e John Williams, que pode conquistar sua 52ª indicação ao Oscar (!) por Star Wars: A Ascensão Skywalker.

CANÇÃO ORIGINAL

  • “Speechless” (Aladdin)
  • “Letter To My Godfather” (The Black Godfather)
  • “I’m Standing With You” (Superação: O Milagre da Fé)
  • “Da Bronx” (The Bronx USA)
  • “Into The Unknown” (Frozen 2)
  • “Stand Up” (Harriet)
  • “Catchy Song” (Uma Aventura Lego 2)
  • “Never Too Late” (O Rei Leão)
  • “Spirit” from (O Rei Leão)
  • “Daily Battles” (Brooklyn: Sem Pai Nem Mãe)
  • “A Glass of Soju” (Parasita)
  • “(I’m Gonna) Love Me Again” (Rocketman)
  • “High Above The Water” (Toni Morrison: As Muitas que Eu sou)
  • “I Can’t Let You Throw Yourself Away” (Toy Story 4)
  • “Glasgow” (As Loucuras de Rose)

Quinze canções avançam dentre um total de 75 inscritas. Não sabemos se o musical Cats vai obter qualquer outra indicação (talvez de Efeitos Visuais?), mas sua grande chance com canção original foi pro espaço. A canção “Beautiful Ghosts” composta por Taylor Swift e Andrew Lloyd Webber, que foi indicada ao Globo de Ouro, sequer passou para a pré-seleção.

Pelo que acompanhamos até o momento, as canções “Speechless” (Aladdin), “Glasgow” (As Loucuras de Rose), “Spirit” (O Rei Leão), “(I’m Gonna) Love Me Again” (Rocketman) e “Stand Up” (Harriet) têm boas chances de indicação, mas parece que o Oscar deve ir para “Into the Unknown” de Frozen 2. Com cinco canções pré-selecionadas, a Disney deve levar o ouro para casa.

A curiosidade aqui é a inclusão da música coreana “A Glass of Soju” (Um Copo de Soju), que é tocada nos créditos finais, e cantada pelo jovem ator Woo-sik Choi que protagoniza o filme, que expressa as saudades que o personagem nutre pelo pai.

CURTA DE ANIMAÇÃO

  • Dcera (Daughter)
  • Hair Love
  • He Can’t Live without Cosmos
  • Hors Piste
  • Kitbull
  • Memorable
  • Mind My Mind
  • The Physics of Sorrow
  • Sister
  • Uncle Thomas: Accounting for the Days

92 curtas de animação foram inscritos e restam apenas dez.

CURTA-METRAGEM

  • Brotherhood
  • The Christmas Gift
  • Little Hands
  • Miller & Son
  • Nefta Football Club
  • The Neighbors’ Window
  • Refugee
  • Saria
  • A Sister
  • Sometimes, I Think about Dying

Foram 191 curtas inscritos ao todo, e agora apenas dez continuam na disputa.

EFEITOS VISUAIS

  • Alita: Anjo de Combate
  • Vingadores: Ultimato
  • Capitã Marvel
  • Cats
  • Projeto Gemini
  • O Irlandês
  • O Rei Leão
  • 1917
  • Star Wars: A Ascensão Skywalker
  • O Exterminador do Futuro: Destino Sombrio

amigos (2).jpg

Assim como na categoria de Maquiagem, haverá um video-clipe, mas este com dez minutos de duração, contendo cenas selecionadas para reavaliação do Departamento de Efeitos Visuais desses dez selecionados para a escolha dos cinco indicados.

Por enquanto, os filmes que estão na frente da disputa são: Star Wars: A Ascensão Skywalker, O Rei Leão, Vingadores: Ultimato, O Irlandês e Alita: Anjo de Combate ou 1917. O curioso desta categoria será a disputa interna entre Martin Scorsese (O Irlandês) com a Marvel Studios (Vingadores: Ultimato) após aquela discussão do cineasta sobre a Marvel ser cinema ou não.

E vamos ver se a Academia concede pelo menos Oscar para esta nova trilogia de Star Wars, porque a última dos episódios I, II e III, também saiu de mãos abanando.

amigos (3).jpg


 

A votação do Oscar começa no dia 02 de janeiro e o anúncio se dará no dia 13 do mesmo mês. A cerimônia do 92º Academy Awards será no dia 09 de Fevereiro.

‘ERA UMA VEZ EM… HOLLYWOOD’, ‘ALADDIN’ e ‘JOJO RABBIT’ se DESTACAM nos PRÊMIOS dos SINDICATO DE DIREÇÃO DE ARTE e FIGURINO

Design sem nome (14).jpg

DIREÇÃO DE ARTE DE FILME DE ÉPOCA

RECONSTITUIÇÕES DE ÉPOCA AINDA SÃO OS MAIS FORTES, MAS  CONTEMPORÂNEOS PODEM SURPREENDER

Logo de cara, é possível perceber que o sindicato de Diretores de Arte (ADG) resolveu fazer uma mudança pontual. Para acolher melhor a boa safra de 2019, elevou seu número de indicados por categoria de cinco para seis, o que possibilitou o reconhecimento de trabalhos louváveis como Ford vs Ferrari, que já valeria pelos seus carros de época.

O curioso que, mesmo com essa abrangência maior, o design de produção da nova versão de Adoráveis Mulheres ficou de fora. Normalmente, quando vemos filmes de época como Orgulho e Preconceito, A Favorita ou A Garota Dinamarquesa automaticamente os incluímos na disputa como fortes candidatos, já que a Academia tem uma devoção por reconstruções de séculos passados.

E para o azar do filme de Greta Gerwig, o histórico recente do sindicato em relação ao Oscar é 100%. Pelo menos um dos vencedores das três categorias acabou levando o Oscar de Direção de Arte. Claro que pode haver uma reviravolta, ainda mais porque Adoráveis Mulheres teve um lançamento meio tardio na temporada, o que pode explicar sua ausência, e vale ressaltar que Jess Gonchor, responsável pelo design de produção, já foi indicado ao Oscar duas vezes por Ave, César! e Bravura Indômita.

Apesar da força das reconstituições de época na categoria do Oscar, trabalhos contemporâneos vistos em Entre Segredos e Facas, Nós e John Wick 3 são dignos de nota. Contudo, o candidato com mais chances é o sul-coreano Parasita. Aquela mansão da família Park não apenas serve para abrigar os personagens, mas é também uma personagem importante na trama. Também vale parabenizar o trabalho na casa da família Kim, localizada na área mais pobre da cidade. É possível notar que não são apenas sujeiras colocadas cuidadosamente, mas parece que realmente vive uma família com baixo poder aquisitivo naquele local.

ANO ÉPOCA FANTASIA/SCI-FI CONTEMP OSCAR
2018 A Favorita Pantera Negra Podres de Ricos Pantera Negra
2017 A Forma da Água Blade Runner 2049 Logan A Forma da Água
2016 Estrelas Além do Tempo Passageiros La La Land La La Land
2015 O Regresso Mad Max: Estrada da Fúria Perdido em Marte Mad Max: Estrada da Fúria
2014 O Grande Hotel Budapeste Guardiões da Galáxia Birdman O Grande Hotel Budapeste

Pelas categorias televisivas, destaque para a série novíssima da Disney Plus, The Mandalorian, que seria um spin-off do universo Star Wars, e que está causando um bafafá enorme nas redes sociais por causa da versão baby de Yoda.

E, como era de se esperar, a última temporada de Game of Thrones foi reconhecida pelos altos custos de produção. Outras séries que obtiveram êxito foram The Handmaid’s Tale, Chernobyl, The Crown e The Marvelous Mrs. Maisel.

Confira todos os indicados nas seções de cinema e TV. Assinalamos em vermelho nossas apostas para indicação ao Oscar de Direção de Arte:

CINEMA

FILME DE ÉPOCA

  • François Audouy (Ford vs Ferrari)
  • Bob Shaw (O Irlandês)
  • Ra Vincent (Jojo Rabbit)
  • Mark Friedberg (Coringa)
  • Dennis Gassner (1917)
  • Barbara Ling (Era uma Vez em… Hollywood)

FILME DE FANTASIA

  • Kevin Thompson (Ad Astra)
  • Gemma Jackson (Aladdin)
  • Charles Wood (Vingadores: Ultimato)
  • Rick Heinrichs (Dumbo)
  • Patrick Tatopoulos (Malévola: Dona do Mal)
  • Rick Carter, Kevin Jenkins (Star Wars: A Ascensão Skywalker)

FILME CONTEMPORÂNEO

  • Jade Healy (Um Lindo Dia na Vizinhança)
  • Kevin Kavanaugh (John Wick 3 – Parabellum)
  • David Crank (Entre Facas e Segredos)
  • Lee Ha-Jun (Parasita)
  • Ruth De Jong (Nós)

FILME DE ANIMAÇÃO

  • Max Boas (Abominável)
  • Michael Giaimo (Frozen 2)
  • Pierre-Olivier Vincent (Como Treinar o seu Dragão 3)
  • James Chinlund (O Rei Leão)
  • Bob Pauley (Toy Story 4)

TV/STREAMING

SÉRIE DE ÉPOCA OU FANTASIA – UMA HORA COM CÂMERA ÚNICA

“A Series of Unfortunate Events: ‘Penultimate Peril: Part 1,’” Bo Welch
“The Crown: ‘Aberfan,’” Martin Childs
“Game of Thrones: ‘The Bells,’” Deborah Riley
“The Mandalorian: ‘Chapter One,’” Andrew L. Jones
“The Marvelous Mrs. Maisel: ‘Ep. 305, Ep. 308,’” Bill Groom

SÉRIE CONTEMPORÂNEA – UMA HORA COM CÂMERA ÚNICA

“Big Little Lies: ‘What Have They Done?’ ‘The Bad Mother,’ ‘I Want to Know,’” John Paino
“The Boys: ‘The Female of the Species,’” Dave Blass
“Euphoria: ‘The Trials and Tribulations of Trying to Pee While Depressed,’ ‘And Salt the Earth Behind You,’” Kay Lee
“The Handmaid’s Tale: ‘Mayday,’” Elizabeth Williams
“The Umbrella Academy: ‘We Only See Each Other at Weddings and Funerals,’” Mark Worthington

MINISSÉRIE OU FILME PARA TV

“Black Mirror: ‘Striking Vipers,’” Anne Beauchamp
“Catch-22,” David Gropman
“Chernobyl,” Luke Hull
“Deadwood,” Maria Caso
“Fosse/Verdon,” Alex DiGerlando

SÉRIE DE MEIA HORA COM CÂMERA ÚNICA

“Barry: ‘ronny/lily,’” Tyler B. Robinson
“Fleabag: ‘Ep. 5,’” Jonathan Paul Green
“GLOW: ‘Up, Up, Up,’” Todd Fjelsted
“The Good Place: ‘Employee of the Bearimy,’ ‘Help Is Other People,’” Ian Phillips
“Russian Doll: ‘Nothing in This World is Easy,’” Michael Bricker

SÉRIE DE MULTI-CÂMERAS

“The Big Bang Theory: ‘The Stockholm Syndrome,’ ‘The Conference Valuation,’ ‘The Propagation Proposition,’” John Shaffner
“The Cool Kids: ‘Vegas, Baby!’” Stephan Olson
“Family Reunion: ‘Remember Black Elvis?’” Aiyanna Trotter
“No Good Nick: ‘The Italian Job,’” Kristan Andrews
“Will & Grace: ‘Family, Trip,’ ‘The Things We Do for Love,’ ‘Conscious Coupling,’” Glenda Rovello

FORMATO CURTO: WEB SÉRIES, VÍDEO MUSICAL OU COMERCIAL

Apple: “It’s Tough Out There,” Quito Cooksey
Ariana Grande, Miley Cyrus, Lana Del Rey: “Don’t Call Me Angel,” Emma Fairley
MedMen: “The New Normal,” James Chinlund
Portal for Facebook: “A Very Muppet Portal Launch,” Alex DiGerlando
Taylor Swift: “Lover,” Kurt Gefke

VARIEDADES, REALITY OU EVENTO ESPECIAL

“Drunk History: “Are You Afraid of the Drunk?” Monica Sotto
“91st Oscars,” David Korins
“Rent: Live,” Jason Sherwood
“Saturday Night Live: ‘1764 Emma Stone,’ ‘1762 Sandra Oh,’ ‘1760 John Mulaney,’” Keith Raywood, Akira Yoshimura, Joe DeTullio, Eugene Lee
“Taylor Swift Reputation Stadium Tour,” Tamlyn Wright, Baz Halpin

A cerimônia do 24º ADG está marcada para o dia 1º de Fevereiro.


Design sem nome (15).jpg

FIGURINOS DE ÉPOCA: Rocketman, Meu Nome é Dolemite, Era uma Vez em… Hollywood, Jojo Rabbit e Downton Abbey

PRIMEIRA FIGURINISTA NEGRA A GANHAR O OSCAR, RUTH CARTER, PODE VENCER NOVAMENTE

Se no sindicato de Diretores de Arte, a sintonia com a Academia está alta, não podemos dizer o mesmo do sindicato de Figurinistas (CDG: Costume Designers Guild). Nos últimos cinco anos, três acertos. Parece razoável, certo? Porém, o prêmio possui três categorias distintas que poderiam reconhecer os mesmos trabalhos do Oscar.

E nos dois casos em que houve divergência, particularmente apreciamos mais os figurinos premiados pelo Oscar: Trama Fantasma e Animais Fantásticos do que os premiados do CDG. Veja tabela abaixo com histórico recente combinado:

Dentre os indicados, o nome mais forte parece ser de Ruth E. Carter, colaboradora assídua de Spike Lee, e que se tornou a primeira negra a vencer o Oscar de Figurino com Pantera Negra. Com a disputa ainda em aberto, o trabalho dela em Meu Nome é Dolemite pode angariar votos mesmo se tratando de uma produção da Netflix (muitos votantes são conservadores em relação à streaming). Se Eddie Murphy conseguir uma indicação como ator, sua campanha melhora ainda mais, e ela pode ganhar dois Oscars consecutivos.

ANO ÉPOCA FANTASIA/SCI-FI CONTEMP OSCAR
2018 A Favorita Pantera Negra Podres de Ricos Pantera Negra
2017 A Forma da Água Mulher-Maravilha Eu, Tonya Trama Fantasma
2016 Estrelas Além do Tempo Doutor Estranho La La Land Animais Fantásticos e Onde Habitam
2015 A Garota Dinamarquesa Mad Max: Estrada da Fúria Beasts of No Nation Mad Max: Estrada da Fúria
2014 O Grande Hotel Budapeste Caminhos da Floresta Birdman O Grande Hotel Budapeste

Contando com os figurinos extravagantes e característicos de Elton John, o trabalho de Julian Day pode ser reconhecido por Rocketman, que vem logo atrás na disputa. Como no filme da Netflix, se Taron Egerton for indicado a Melhor Ator, a campanha do filme melhora e suas chances aumentam.

O trabalho de figurino de Era uma Vez em… Hollywood não chega a impressionar, mas Arianne Phillips é um nome previamente indicado ao Oscar e deve elevar o número de indicações do filme de Tarantino.

Embora não gostamos da idéia de reconhecer designs recicladas das animações, o live-action da Disney de Aladdin ganhou um sopro de criatividade nos figurinos estonteantes da princesa Jasmine, interpretada por Naomi Scott.

Design sem nome (16).jpg

FIGURINO FANTASIA/SCI-FI: Capitã Marvel, Aladdin, Malévola: Dona do Mal, Star Wars: A Ascensão Skywalker e Vingadores: Ultimato

Assinalamos em vermelho nossas apostas para conseguir uma indicação ao Oscar de Melhor Figurino. Ficamos na dúvida entre Jojo Rabbit e Downton Abbey, mas apesar do último ser uma espécie de episódio alongado da série britânica, os votantes da Academia sempre apreciaram figurinos de época com glamour (vide O Grande Gatsby, por exemplo).

CINEMA

FILME CONTEMPORÂNEO

  • Arjun Bhasin (Um Lindo Dia na Vizinhança)
  • Mitchell Travers (As Golpistas)
  • Jenny Eagan (Entre Facas e Segredos)
  • Ellen Mirojnick (A Lavanderia)
  • Shiona Turini (Queen & Slim)

FILME DE ÉPOCA

  • Ruth E. Carter (Meu Nome é Dolemite)
  • Anna Mary Scott Robbins (Downton Abbey)
  • Mayes C. Rubeo (Jojo Rabbit)
  • Arianne Phillips (Era uma Vez em… Hollywood)
  • Julian Day (Rocketman)

FILME DE FICÇÃO CIENTÍFICA/FANTASIA

  • Michael Wilkinson (Aladdin)
  • Judianna Makovsky (Vingadores: Ultimato)
  • Sanja M. Hays (Capitã Marvel)
  • Ellen Mirojnick (Malévola: Dona do Mal)
  • Michael Kaplan (Star Wars: A Ascensão Skywalker)

TV/STREAMING

SÉRIE CONTEMPORÂNEA

  • Big Little Lies: “She Knows” – Alix Friedberg
  • Fleabag: “2.1” – Ray Holman
  • Killing Eve: “Desperate Times” – Charlotte Mitchell
  • Russian Doll: “Superiority Complex” – Jennifer Rogien
  • Schitt’s Creek: “The Dress” – Debra Hanson

SÉRIE DE ÉPOCA

  • Chernobyl: “Please Remain Calm” – Odile Dicks-Mireaux
  • The Crown: “Cri De Coeur” – Amy Roberts
  • Fosse/Verdon: “Life is a Cabaret” – Melissa Toth & Joseph La Corte
  • GLOW: “Freaky Tuesday” – Beth Morgan
  • The Marvelous Mrs. Maisel: “It’s Comedy or Cabbage” – Donna Zakowska

SÉRIE DE FICÇÃO CIENTÍFICA/FANTASIA

  • Carnival Row: “Aisling” –  Joanna Eatwell
  • Game of Thrones: “The Iron Throne” – Michele Clapton
  • The Handmaid’s Tale: “Household” – Natalie Bronfman
  • A Series of Unfortunate Events: “Penultimate Peril: Part 2” – Cynthia Summers
  • Watchmen: “It’s Summer and We’re Running Out of Ice” – Sharen Davis

SÉRIE DE REALITY SHOW, VARIEDADES E TV AO VIVO

  • Dancing with the Stars: “First Elimination” – Daniella Gschwendtner & Steven Norman Lee
  • The Late Late Show with James Corden: “Crosswalk the Musical: Aladdin” – Lauren Shapiro
  • The Masked Singer: “Season Finale: And the Winner Takes It All and Takes It Off” – Marina Toybina
  • RuPaul’s Drag Race: “Whatcha Unpackin?” – Zaldy for RuPaul
  • Saturday Night Live: “Sandra Oh / Tame Impala” – Tom Broecker & Eric Justian

SHOWS DE CURTA DURAÇÃO

  • Katy Perry: “Small Talk” music video – Phoenix Mellow
  • Kohler Verdera Voice Smart Mirror: “Mirror, Mirror” commercial – Ami Goodheart
  • Lil Nas X: “Old Town Road” music video – Catherine Hahn
  • Madonna: “God Control” music video – B. Åkerlund
  • United Airlines: “Star Wars Wing Walker” commercial – Christopher Lawrence

A 22ª edição do prêmio do sindicato acontece no dia 28 de Janeiro.

‘STAR WARS’, ‘O REI LEÃO’, ‘VINGADORES’ e ‘O IRLANDÊS’ ESTÃO na PRÉ-LISTA para EFEITOS VISUAIS

Design sem nome (5).jpg

VINTE FILMES SE TORNAM ELEGÍVEIS PARA PASSAREM PARA A SHORTLIST DE DEZ

A comitê da divisão de Efeitos Visuais da Academia divulgou 20 produções elegíveis que disputarão as 5 vagas na categoria. Até o final do mês, haverá uma última shortlist com apenas dez filmes para que os votantes confiram os clipes dos efeitos antes de eleger os cinco finalistas.

  • Ad Astra: Rumo às Estrelas (Ad Astra)
  • The Aeronauts
  • Aladdin (Aladdin)
  • Alita: Anjo de Combate (Alita: Battle Angel)
  • Vingadores: Ultimato (Avengers: Endgame)
  • Capitã Marvel (Captain Marvel)
  • Cats
  • Dumbo (Dumbo)
  • Velozes e Furiosos: Hobbs & Shaw (Fast and Furious Presents: Hobbs & Shaw)
  • Ford vs Ferrari (Ford v Ferrari)
  • Projeto Gemini (Gemini Man)
  • O Irlandês (The Irishman)
  • Jumanji: Próxima Fase (Jumanji: The Next Level)
  • O Rei Leão (The Lion King)
  • MIB: Homens de Preto Internacional (Men in Black: International)
  • Midway – Batalha em Alto-Mar (Midway)
  • 1917
  • Homem-Aranha: Longe de Casa (Spider-Man: Far from Home)
  • Star Wars: A Ascensão Skywalker (Star Wars: The Rise of Skywalker)
  • O Exterminador do Futuro: Destino Sombrio (Terminator: Dark Fate)

Design sem nome (6).jpg

Apesar da categoria sempre ter suas cartas marcadas como a indicação de Star Wars (só indicam, nunca mais premiaram) e os filmes da Marvel (devem dar prioridade a Vingadores: Ultimato, mas não devem premiar também), os Efeitos Visuais deste ano foram marcados pelos efeitos de rejuvenescimento e envelhecimento em O Irlandês, Projeto Gemini, Capitã Marvel, e pode colocar Martin Scorsese contra a Marvel, depois dos comentários do cineasta que os filmes da Marvel não eram cinema.

Design sem nome (7).jpg

Embora esteja concorrendo com Dumbo e Aladdin, a Disney deve investir pesado na campanha de O Rei Leão para Efeitos Visuais, além de Canção Original, já que não se qualificou como Longa de Animação, e nem deve ser indicado a Melhor Filme.

Design sem nome (8).jpg

Para a última vaga, estamos na dúvida entre 1917 e Cats, mas como houve um gasto expressivo com os efeitos (que seriam uma combinação de efeitos digitais e efeitos práticos) na adaptação do musical, apostamos em Cats.

Design sem nome (9).jpg

Nos últimos anos, os vencedores do Oscar de Efeitos Visuais foram O Primeiro Homem, Blade Runner 2049, Mogli: O Menino LoboEx Machina, Interestelar, Gravidade, As Aventuras de Pi, A Invenção de Hugo Cabret, A Origem, Avatar e O Curioso Caso de Benjamin Button.

 

A BARREIRA DO BILHÃO: O Cinema das Bilheterias Massivas

jaws-box-office-lines

Filas que dobram o quarteirão de Tubarão, considerado o primeiro blockbuster da história do Cinema (pic by johnrieber.com)

O SITE IMDb FEZ UM LEVANTAMENTO DAS 44 PRODUÇÕES QUE SUPERARAM A BARREIRA DE UM BILHÃO DE DÓLARES NAS BILHETERIAS

O sucesso comercial de um filme nem sempre justifica a qualidade dele, ou vice-versa. Muitas vezes um excelente filme passa quase em branco nos cinemas para depois conquistar seu público em fitas VHS e DVD como aconteceu com Blade Runner (1982) e Um Sonho de Liberdade (1994). Esta matéria procura entender o mercado cinematográfico e confirma que os grandes estúdios não querem mais dar nenhuma chance ao fracasso e ao prejuízo.

“O QUE A MARVEL FAZ NÃO É CINEMA”

As palavras do diretor Martin Scorsese ecoaram relevantemente no último mês. Houve debates, discussões e reinterpretações por parte de cineastas, atores, crítica e público, mas a verdade é que os filmes da Marvel estão incomodando muitos profissionais da área, que perderam consideravelmente seu espaço no circuito comercial .

irishman-prem

No centro, Martin Scorsese promove seu novo filme O Irlandês pela Netflix, ao lado de Al Pacino e Robert De Niro (pic by Empire)

Partindo do princípio básico que Cinema é uma história bem contada (até mesmo os filmes experimentais têm sua narrativa), a Marvel consegue cativar seu público através de suas histórias. Claro que o elenco tem seu carisma, os efeitos visuais e sonoros são excelentes, mas é a narrativa que atrai o público para as salas, mantendo vivo o hábito das salas de projeção.

Responsável pelo planejamento da Marvel Studios, o produtor Kevin Feige soube extrair o melhor da linguagem e material dos quadrinhos e transformá-lo em uma longa série de filmes que beiram o espetáculo. Foi alguém que teve visão e soube explorá-la de forma estupenda. E, como se tratam de produções de alto custo, o estúdio, produtores e investidores, buscam retorno financeiro elevado, não apenas nas bilheterias, mas todo um marketing inteligente que vai de parques temáticos da Disney, video-games, brinquedos e até produtos escolares como cadernos e canetas.

O sucesso comercial é tão colossal, que seria impossível não ficar admirado e invejado (que o diga a DC Comics que falhou por vários anos até acertar com Aquaman). E é nessa categoria que se encaixa o comentário de Scorsese. Assim como outros diretores atuantes, ele busca seu espaço para exibir seus novos trabalhos, mas diante do cenário dominado por filmes de super-heróis, ele se viu obrigado a bater a porta da Netflix e pedir dinheiro e espaço na plataforma de streaming para seu novo O Irlandês.

Não é vergonha alguma se render à Netflix e ao streaming. Muito pelo contrário! São formas alternativas de produção de filmes (que muitas vezes não encontram meios de venda nos cinemas) e de exibição, afinal quantas casas a Netflix não alcança mundialmente? Quando estudei Cinema e lia muitos livros a respeito, todos diziam que o mais importante era seu filme alcançar o público. De que adianta ter feito um filmaço se ninguém o assiste? E o que importa se o filme não está na tela grande com caixas de som THX e DTS? Melhor ser visto num computador ou tablet do que nunca visto! Claro que o ideal seria que TODOS os filmes tivessem seu espaço no circuito comercial, mas seria algo economicamente inviável, infelizmente.

ESTRATÉGIAS PARA CONQUISTAR MAIS PÚBLICO

Mesmo a Disney ou Marvel, que são extremamente bem-sucedidos, buscam estratégias para chamar mais público. Recentemente, os grandes estúdios estão mirando cada vez mais o mercado chinês, já que se trata do maior público mundial. Para conquistá-lo, os produtores chegam a fazer versões específicas dos filmes para esse público, como aconteceu com Homem de Ferro 3, no qual a personagem chinesa interpretada por BingBing Fan sequer aparece na versão original. A franquia Transformers, que aparece duas vezes aqui, contratou a atriz Bingbing Li para viver uma das personagens em Transformers: A Era da Extinção.

Para filmar Vingadores: Era de Ultron e Pantera Negra, a Marvel optou por selecionar a Coréia do Sul como locação pelo custo mais baixo e para tentar conquistar mais espaço nas bilheterias do país, já que a nação asiática é uma das raras em que as produções nacionais arrecadam mais do que as norte-americanas. Vale lembrar que escalaram a atriz sul-coreana Claudia Kim para viver a personagem cientista Dra. Helen Cho.

E, claro, as campanhas publicitárias contam com a presença dos astros dos filmes. Robert Downey Jr. foi à China para divulgar Homem de Ferro 3. Todos os Vingadores foram à Coréia do Sul prestigiar o público. Tom Holland e Jake Gyllenhaal vieram ao evento da CCXP aqui no Brasil para divulgar Homem-Aranha: Longe de Casa em 2018, e este ano, o elenco de Star Wars: A Ascensão Skywalker marcará presença no mesmo evento, confirmando que o Brasil também é um mercado enorme para as grandes produções.

avengerskoreahead

Premiere de Vingadores: Ultimato na Coréia do Sul, com as presenças dos diretores Anthony e Joe Russo, o produtor Kevin Feige, e os atores Robert Downey Jr., Brie Larson e Jeremy Renner (pic by vitalthrills.com)

Não deixa de ser uma estratégia também a aquisição da Twentieth Century Fox pela Disney, que já tinha outras grandes corporações em seu bolso: a Marvel Studios, a LucasFilm e a Pixar Animations. Completando, na semana passada, a empresa lançou a sua própria plataforma de streaming intitulada Disney Plus, que disponibiliza filmes e séries de todos esses selos. Apesar de ainda estar em seu início, em breve deve competir com a Netflix e até ultrapassá-la em números de usuários.

disney plus_1.0

Plataforma de streaming da Disney Plus contendo produções da Disney, Pixar, Marvel, Star Wars e até National Geographic (pic by Polygon)

Tais fatores ajudam a explicar melhor os números de bilheteria desses 44 filmes que ultrapassaram a barreira de 1 bilhão de dólares, e explicam o medo que muitos profissionais da área têm do monopólio desenfreado da Disney.

GALINHA DE OVOS DE OURO

Todo grande estúdio tem sua própria galinha de ovos de ouro. No caso da Universal, eles têm nesta lista o sétimo e o oitavo filme da franquia Velozes & Furiosos. Vocês acham que eles vão parar por aí? Com um elenco relativamente mais barato e sequências de ação com automóveis, os filmes mostraram sobrevida mesmo com a saída de Paul Walker (falecido em 2013). A cada nova produção, a fórmula é a mesma: prover novas sequências de ação com carros e contratar algum nome de destaque como Charlize Theron. E no caso da nova trilogia de Jurrasic World, bastam novos tipos de dinossauros, inclusive os mutados geneticamente, e novos personagens para servirem de refeição aos animais pré-históricos.

Outra franquia que, honestamente, não vejo como conseguem atrair tanto público para assistir aos filmes é a dos Transformers! Bom, a Paramount sabe muito bem como, e pretende manter assim. O diretor Michael Bay pode não ser uma unanimidade entre cinéfilos, mas se derem uns 200 milhões de orçamento, espera-se que ele arrecade cinco vezes mais. São casos que exemplificam o famoso “em time que está ganhando não se mexe”. Por um lado temos outros artistas e cinéfilos que reclamam da mesmice, como Scorsese, por outro temos um público fiel às franquias que querem ainda mais.

Pelo lado da Pixar, as animações são sempre garantia de sucesso comercial. Apesar de ter primado pela criatividade e originalidade na década anterior com Os Incríveis, Ratatouille e Wall-E, nos últimos anos deram uma relaxada para se apoiarem nas sequências lucrativas: Carros 2, Carros 3, Os Incríveis 2, Toy Story 4, Procurando Dory e Universidade Monstros. Mesmo assim, duas dessas sequências ultrapassaram um bilhão nas bilheterias.

Aliás, as animações são um segmento naturalmente lucrativo, independente se é original ou sequência, porque são filmes destinados ao público infantil, que obriga os pais ou tios a levarem as crianças aos cinemas. Se o filme não se limitar ao universo infantil, pode conquistar os adultos também como aconteceu com Up – Altas AventurasZootopia e Homem-Aranha no Aranha-Verso, que conquistaram o Oscar de Melhor Animação também.

E para aqueles que defendem que a Academia só premia os sucessos de bilheteria, vale lembrar que apenas dois filmes nesta lista do bilhão venceram o Oscar de Melhor Filme: O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei (2003) e Titanic (1997), curiosamente ambos os filmes conquistaram onze estatuetas, mantendo um recorde histórico ao lado de Ben-Hur (1959).

ACORDO COM DIRETORES

Os grandes estúdios estão cada vez mais rígidos a fechados para novos projetos. Eles não trocam o certo pelo duvidoso, pois isto representaria um alto risco que eles não estão dispostos a correr. Por outro lado, se você lhes trouxe um bom lucro através de seu filme anterior, é muito mais fácil eles abrirem os bolsos para seu próximo projeto como uma forma de retribuição.

Olhando a lista dos 44 filmes, vemos alguns diretores que marcaram presença mais de uma vez. Christopher Nolan é um deles. O diretor britânico rendeu mais de dois bilhões com suas duas sequências do Batman de Christian Bale. Como forma de agradecimento e até investimento mais arriscado, a Warner Bros. deu carta branca (e montanhas de dinheiro) para que ele realizasse seus projetos mais pessoais como O Grande Truque (2006), A Origem (2010), Interestelar (2014) e Dunkirk (2017). Hoje, Nolan é visto como sinônimo de sucesso garantido, independente do projeto que ele toque, um privilégio cada vez mais raro no sistema industrial.

O diretor malaio James Wan também aparece duas vezes nessa lista em duas franquias diferentes, Velozes & Furiosos e Aquaman, o que certamente lhe rendeu sinal verde com bom orçamento para que ele continue filmando seus ótimos filmes de terror como Invocação do Mal, Sobrenatural e atualmente está filmando Malignant, que tem estréia marcada para 2020.

São as regras do jogo no Cinema que fazem as engrenagens rodarem e produzirem grandes sucessos. Vamos à lista dos 44 filmes mais bem-sucedidos em ordem crescente:

44. The Dark Knight43. Joker42.The Hobbit

41. Zootopia40. Alice in Wonderland39. Star Wars Episode I38. Finding Dory37. Kurassic Park36. Despicable Me 335. Pirates of the Caribbean On Stranger Tides34. Aladdin33. Rogue One32. Pirates of the Caribbean Dead Mans Chest31. Toy Story 330. Toy Story 429. The Dark Knight Rises28. Transformers Age of Extinction27. Skyfall26. The Lord of the Rings25. Transformers Dark of the Moon24. Captain Marvel23. SpiderMan Far from Home22. Aquaman21. Captain America Civil War20. Minions19. Iron Man 318. Fate of the Furious17. The Incredibles 216. Beauty and the Beast15. Frozen14. Jurassic World Fallen Kingdom13. Star Wars The Last Jedi12. Harry Potter and the Deathly Hallows part 211. Black Panther10. Avengers Age of Ultron9. Furious Seven8. The Avengers7. The Lion King6. Jurassic World5. Avengers Infinity War4. Star Wars The Force Awakens3. Titanic2. Avatar1. Avengers Endgame

‘Ela’, de Spike Jonze, fatura o National Board of Review 2013

Joaquin Phoenix no futurista Ela, de Spike Jonze, que faturou o National Board of Review (photo by www.cine.gr)

Joaquin Phoenix no futurista Ela, de Spike Jonze, que faturou o National Board of Review (photo by http://www.cine.gr)

Como já foi dito no post anterior, se depender da quantidade de filmes candidatos ao Oscar, 10 indicados a Melhor Filme pode ser pouco para a demanda. Logo depois de Trapaça conquistar o New York Film Critics Circle (NYFCC), o novo filme de Spike Jonze, Ela (Her), vence as duas principais categorias: Filme e Diretor.

Até ontem, o filme era considerado um dos vários candidatos em potencial, mas nenhuma unanimidade, tanto que seu burburinho mais alto até então era a polêmica vitória de Scarlett Johansson como Melhor Atriz no Festival de Roma. Explico: a trama de Ela se passa num futuro hi-tech, no qual o escritor Theodore (Joaquin Phoenix) desenvolve um sentimento pela voz feminina de seu sistema operacional, feita por Johansson.

Li alguns artigos a respeito da “polêmica” e o problema parece ser premiar uma interpretação em que o ator não surge na tela. Não acredito que a origem da discussão seja Scarlett Johansson, pois se a crítica tem elogiado, ela deve ter conseguido criar profundidade e humanismo apenas com suas cordas vocais. Mesmo que fosse a voz de Meryl Streep, haveria uma polemicazinha, afinal, não existe a cultura de reconhecer trabalhos de interpretação vocal nas grandes premiações.

Scarlett Johansson ao lado do diretor Spike Jonze no último Festival de Roma (photo by )

Scarlett Johansson ao lado do diretor Spike Jonze no último Festival de Roma (photo by Vittorio Zunino Celotto/Getty Images)

Atualmente, existem apenas prêmios específicos para trabalhos de dublagem como o Voice Acting no Annie Awards. No Oscar, já houve tentativas fracassadas de incluírem dublagens nas categorias de atuação. Robin Williams como o Gênio em Aladdin (1992), e mais recentemente, Ellen DeGeneres como a Dori de Procurando Nemo (2003) geraram debates sobre suas inclusões como indicados à estaueta. Curiosamente, o Oscar já foi concedido às performances quase sem nenhum diálogo como Marlee Matlin em Filhos do Silêncio (1986) e no ano passado para Jean Dujardin em O Artista.

No final de novembro, foi anunciado que a voz de Scarlett era inelegível para concorrer ao Globo de Ouro, mas ela ainda pode disputar na categoria de atriz coadjuvante por seu papel em Como Não Perder Essa Mulher. Sem divulgar as razões, a Hollywood Foreign Press Association simplesmente vetou, mas até agora, poderá concorrer no SAG Awards e até no Oscar (quem diria!). Mas, convenhamos, as chances são quase nulas diante do conservadorismo da Academia.

Felizmente, os prêmios de críticos não têm dessas firulas. E também não há preconceitos com gêneros como ficção científica. O filme de Spike Jonze faz um interessante estudo sobre o futuro próximo enquanto nos tenta contar algo sobre o nosso tempo. Formado na escola de videoclipes, o diretor tem uma necessidade constante de inovação na linguagem e estrutura narrativa. Foi assim com Quero Ser John Malkovich (1999), Adaptação (2002) e Onde Vivem os Monstros (2009). Seu prêmio de Melhor Diretor serve como ótimo estímulo para que ele continue amadurecendo e se reinventando, algo essencial para a sobrevivência do Cinema.

Ao contrário dos demais prêmios de críticos, o National Board of Review também cria listas de top 10 e top 5 que permitem maior visibilidade de outros filmes não-premiados. Os favoritos ao Oscar estão lá:

– 12 Years a Slave
– Fruitvale Station: A Última Parada (Fruitvale Station)
– Gravidade (Gravity)
– Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum (Inside Llewyn Davis)
– Lone Survivor
– Nebraska
– Os Suspeitos (Prisoners)
– Walt nos Bastidores de Mary Poppins (Saving Mr. Banks)
– A Vida Secreta de Walter Mitty (The Secret Life of Walter Mitty)
– O Lobo de Wall Street (The Wolf of Wall Street)

Tratado como zebra, o filme Lone Survivor, de Peter Berg, pode continuar surpreendendo até o anúncio das indicações ao Oscar (photo by www.elfilm.com)

Tratado como zebra, o filme Lone Survivor, de Peter Berg, pode continuar surpreendendo até o anúncio das indicações ao Oscar (photo by http://www.elfilm.com)

Esse bônus também favorece algumas produções estrangeiras, que podem nem ter sido qualificadas para a categoria de Melhor Filme Estrangeiro no Oscar.

Além das Montanhas (Dupa Dealuri), de Cristian Mungiu – ROMÊNIA
Gloria (idem), de Sebastián Lelio – CHILE
The Grandmaster (Yi dai zong shi), de Wong Kar-Wai – HONG KONG
Seqüestro (Kapringen), de Tobias Lindholm – DINAMARCA
A Caça (Jagten), de Thomas Vinterberg – DINAMARCA

A produção dinamarquesa Sequestro pode não representar o país no Oscar, mas recebe reconhecimento dos críticos (photo by www.elfilm.com)

A produção dinamarquesa Sequestro pode não representar o país no Oscar, mas recebe reconhecimento dos críticos (photo by http://www.elfilm.com)

Entre as categorias de atuação, nenhum dos premiados do NYFCC voltou nessa lista, comprovando que não há favoritismos até o momento. Bruce Dern e Will Forte foram premiados ator e coadjuvante, respectivamente, pelo novo filme de Alexander Payne, Nebraska. Dern, que já havia vencido o prêmio de interpretação masculina em Cannes, renova suas chances no Oscar, tornando-o uma figurinha praticamente carimbada.

Vencedora do Oscar de Atriz por Retorno a Hoawards End, a inglesa Emma Thompson pode ter seu retorno triunfal no tapete vermelho graças ao filme Walt nos Bastidores de Mary Poppins, onde ela faz a autora do livro que deu origem ao filme musical. Depois de sua última indicação ao Oscar em 1996 por Razão e Sensibilidade, Thompson se tornou uma coadjuvante de luxo em grandes produções como a série Harry Potter e protagonizou filmes infantis como Nanny McPhee – A Babá Encantada.

Emma Thompson como a autora P.L. Travers em Walt nos Bastidores de Mary Poppins (photo by www.cine.gr)

Emma Thompson como a autora P.L. Travers em Walt nos Bastidores de Mary Poppins (photo by http://www.cine.gr)

Vencedora do Oscar de coadjuvante por Histórias Cruzadas, Octavia Spencer pode conquistar sua segunda indicação pelo drama Fruitvale Station: A Última Parada, que ainda conquistou mais dois prêmios: Diretor Estreante para Ryan Coogler e Revelação para Michael B. Jordan.

Ainda nas categorias de atuação, o Melhor Elenco foi para Os Suspeitos, de Denis Villeneuve. Hugh Jackman, Jake Gyllenhaal, Viola Davis, Terrence Howard, Melissa Leo e Paul Dano formam um elenco respeitável, porém alguns papéis não sustentam uma indicação como coadjuvante no Oscar.

Fechando, o iraniano Asghar Farhadi conquista o prêmio de Filme Estrangeiro, enquanto O Vento Está Soprando e Stories We Tell ganharam mais um prêmio de Animação e Documentário, respectivamente, e caminham fortalecidos para o Los Angeles Film Critics Association Awards (LAFCA), que divulgará sua lista no próximo dia 08.

Confira lista completa dos vencedores:

MELHOR FILME: Ela (Her)

MELHOR DIRETOR: Spike Jonze (Ela)

MELHOR ATOR: Bruce Dern (Nebraska)

MELHOR ATRIZ: Emma Thompson (Walt nos Bastidores de Mary Poppins)

MELHOR ATOR COADJUVANTE: Will Forte (Nebraska)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Octavia Spencer (Fruitvale Station: A Última Parada)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL: Joel Coen e Ethan Coen (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO: Terence Winter (O Lobo de Wall Street)

MELHOR ANIMAÇÃO: O Vento Está Soprando, de Hayao Miyazaki

ATOR REVELAÇÃO: Michael B. Jordan (Fruitvale Station: A Última Parada)

ATRIZ REVELAÇÃO: Adèle Exarchopoulos (Azul é a Cor Mais Quente)

MELHOR DIRETOR ESTREANTE: Ryan Coogler (Fruitvale Station: A Última Parada)

MELHOR FILME ESTRANGEIRO: The Past, de Asghar Farhadi

MELHOR DOCUMENTÁRIO: Stories We Tell, de Sarah Polley

PRÊMIO William K. Everson Film History: George Stevens, Jr.

MELHOR ELENCO: Os Suspeitos (Prisoners), de Denis Villeneuve

Spotlight Award: Colaboração de carreira entre Martin Scorsese e Leonardo DiCaprio

PRÊMIO NBR Freedom of Expression: O Sonho de Wadjda, de Haifaa Al-Mansour

PRÊMIO Creative Innovation in Filmmaking: Gravidade, de Alfonso Cuarón

Top 10 Filmes (em ordem alfabética):

12 Years a Slave, Fruitvale Station: A Última Parada, Gravidade, Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum, Lone Survivor, Nebraska, Os Suspeitos, Walt nos Bastidores de Mary Poppins, A Vida Secreta de Walter Mitty, O Lobo de Wall Street

Top 5 Filmes Estrangeiros (em ordem alfabética):

– Além das Montanhas
– Gloria
– The Grandmaster
– O Seqüestro
– A Caça

Top 5 Documentários (em ordem alfabética):

– 20 Feet from Stardom
– O Ato de Matar
– After Tiller
– Casting By
– The Square

Top 10 Filmes Independentes (em ordem alfabética):

– Ain’t Them Bodies Saints
– Dallas Buyers Club
– In a World…
– Mother of George
– Muito Barulho por Nada (Much Ado About Nothing)
– Amor Bandido (Mud)
– O Lugar Onde Tudo Termina (The Place Beyond the Pines)
– Short Term 12
– Sightseers
– The Spectacular Now

O simpático e comovente Muito Barulho por Nada foi bem lembrado pelo NBR (photo by www.elfilm.com)

O simpático e comovente Muito Barulho por Nada foi bem lembrado pelo NBR (photo by http://www.elfilm.com)

%d blogueiros gostam disto: