2018 começando com EDDIE AWARDS, PGA e WGA

get out movie 2.jpg

Corra!, de Jordan Peele, presente nas três listas citadas: Eddie, PGA e WGA (pic by imdb.com)

PRÊMIOS DE SINDICATO VÃO REVELANDO SEUS CANDIDATOS NUM ANO BEM DIVERSIFICADO

Hello, pessoal! Feliz Ano Novo! Espero que todos tenham passado bem a virada e que este ano de 2018 seja de recuperação econômica (que o termo “crise” fique no passado) e que a eleição de novembro passe a limpo esta tão corrupta política brasileira.

Como de costume, o primeiro post do ano serve para revelar os indicados ao Eddie Awards, que é o prêmio do sindicato de montadores, mas com o PGA (Producers Guild of America) se antecipando, e o Writers Guild na cola, matarei TRÊS coelhos com uma só cajadada.

ace-eddie-awards

EDDIE AWARDS

Como já citei aqui em outras ocasiões, a montagem costuma ser mais valorizada em filmes de ação como Mad Max: Estrada da Fúria, ou em narrativas não-lineares como o vencedor do ano passado A Chegada.

Assim como no Globo de Ouro, o Eddie tem duas categorias: Drama e Comédia ou Musical. Na teoria, essa divisão possibilita que as comédias não caiam no esquecimento da temporada de premiações, mas na prática, montagem de qualidade não tem gêneros. Particularmente, considero essa divisão muito prejudicial para os filmes de terror, que têm a obrigação de apresentar uma boa montagem, pois não são comédias ou musicais, e têm dificuldade de bater os dramas.

Enfim, neste ano, a categoria de drama tem como destaque Blade Runner 2049, montado pelo último vencedor Joe Walker, e Dunkirk que tem como méritos as sequências de bombardeio e o fato de ser o primeiro filme de Christopher Nolan com duração abaixo de duas horas desde Insônia (2002). Ambos competem com as montagens de The Post: A Guerra Secreta, A Grande Jogada e A Forma da Água.

Já pela categoria de comédia, a surpresa ficou por conta da inclusão de Três Anúncios Para um Crime, que vinha competindo como drama em outras premiações, inclusive no Globo de Ouro. Claro que, para quem conhece a filmografia, o diretor Martin McDonagh tem um forte apelo para comédias de humor negro, por isso seu trabalho pode ser interpretado de formas diferentes nessa questão de gênero.

Porém, o favorito desta categoria continua sendo Eu, Tonya, que tem colecionado prêmios e indicações importantes, seguido bem de perto por Em Ritmo de Fuga e Corra!, uma vez que apresentam boas cenas de ação e tensão. Curiosamente, Lady Bird, o mais legítimo representante da verve da comédia corre por fora.

I Tonya

Margot Robbie em cena de Eu, Tonya, que concorre como montagem – comédia ou musical (pic by imdb.com)

Em animação, o novo trabalho da Pixar, Viva: A Vida é uma Festa deve ser premiado, enquanto na ala dos documentários, já que um dos favoritos Faces Places (Visages, Villages) da Agnès Varda não está na lista, talvez o filme sobre protestos de Los Angeles, LA 92, fature o prêmio.

Pelas categorias televisivas, destaque para Better Call Saul e Fargo em Drama, e Curb Your Enthusiasm em Comédia.

INDICADOS AO EDDIE AWARDS:

MELHOR MONTAGEM – DRAMA
* Joe Walker (Blade Runner 2049)
* Lee Smith (Dunkirk)
* Alan Baumgarten, Josh Schaeffer, Elliot Graham (A Grande Jogada)
* Michael Kahn, Sarah Broshar (The Post: A Guerra Secreta)
* Sidney Wolinsky (A Forma da Água)

MELHOR MONTAGEM – COMÉDIA OU MUSICAL
* Jonathan Amos, Paul Machliss (Em Ritmo de Fuga)
* Gregory Plotkin (Corra!)
* Tatiana S. Riegel (Eu, Tonya)
* Nick Houy (Lady Bird: É Hora de Voar)
* Jon Gregory (Três Anúncios Para um Crime)

MELHOR MONTAGEM – ANIMAÇÃO
* Steve Bloom (Viva: A Vida é uma Festa)
* Clair Dodgson (Meu Malvado Favorito 3)
* David Burrows, Matt Villa, John Venzon (LEGO Batman: O Filme)

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO
* Aaron I. Butler (Cries From Syria)
* Joe Beshenkovsky, Will Znidaric, Brett Morgen (Jane)
* Ann Collins (Joan Didion: The Center Will Not Hold)
* TJ Martin, Scott Stevenson, Dan Lindsay (LA 92)

 

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO DE TV
* Lasse Järvi, Doug Pray (The Defiant Ones — Ep: Part 1)
* Will Znidaric (Five Came Back — Ep: The Price of Victory)
* Inbal Lessner (The Nineties” — Ep: Can We All Get Along?)
* Ben Sozanski, ACE, Geeta Gandbhir; Andy Grieve (Rolling Stone: Stories from the Edge — Ep: 01)

Best Edited Comedy Series for Commercial Television
* John Peter Bernardo, Jamie Pedroza (Black-ish — Ep: Lemons)
* Kabir Akhtar, Kyla Plewes (Crazy Ex-Girlfriend — Ep: Josh’s Ex-Girlfriend Wants Revenge)
* Heather Capps, Ali Greer, Jordan Kim (Portlandia — Ep: Amore)
* Peter Beyt (Will & Grace — Ep: Grandpa Jack)

Best Edited Comedy Series for Non-Commercial Television
MELHOR MONTAGEM DE SÉRIES DE COMÉDIA DE EPISÓDIOS DE MEIA-HORA

* Steven Rasch (Curb Your Enthusiasm — Ep: Fatwa!)
* Jonathan Corn (Curb Your Enthusiasm — Ep: The Shucker)
* William Turro (Glow — Ep: Pilot)
* Roger Nygard, Gennady Fridman (Veep — Ep: Chicklet)

MELHOR MONTAGEM DE SÉRIES DRAMÁTICAS DE EPISÓDIOS DE UMA HORA – COM COMERCIAL
* Skip Macdonald (Better Call Saul — Ep: Chicanery)
* Kelley Dixon, Skip Macdonald (Better Call Saul — Ep: Witness)
* Henk Van Eeghen (Fargo — Ep: Aporia)
* Andrew Seklir (Fargo — Ep: Who Rules the Land of Denial)

MELHOR MONTAGEM DE SÉRIES DRAMÁTICAS DE EPISÓDIOS DE UMA HORA – SEM COMERCIAL
* David Berman (Big Little Lies — Ep: You Get What You Need)
* Tim Porter (Game of Thrones — Ep: Beyond the Wall)
* Julian Clarke, Wendy Hallam Martin (The Handmaid’s Tale — Ep: Offred)
* Kevin D. Ross (Stranger Things — Ep: The Gate)

MELHOR MONTAGEM DE MINISSÉRIES OU FILMES PARA TV
* Adam Penn, Ken Ramos (Feud — Ep: Pilot)
* James D. Wilcox (Genius: Einstein — Ep: Chapter One)
* Ron Patane (The Wizard of Lies)

MELHOR MONTAGEM – SÉRIES NÃO-ROTEIRIZADAS
* Rob Butler, Ben Bulatao (Deadliest Catch — Ep: Lost at Sea)
* Reggie Spangler, Ben Simoff, Kevin Hibbard, Vince Oresman (Leah Remini: Scientology and the Aftermath — Ep: The Perfect Scientology Family)
* Tim Clancy, Cameron Dennis, John Chimples, Denny Thomas (VICE News Tonight — Ep: Charlottesville: Race & Terror)

A cerimônia do Eddie Awards acontece no dia 26 de janeiro.

***

PGA

PRODUCERS GUILD OF AMERICA (PGA)

Normalmente o filme que está na lista do PGA já tem um pé na categoria de Melhor Filme no Oscar, mas obviamente um ou outro filme deve ficar de fora. Ano passado, dos 10 indicados ao PGA, apenas Deadpool não conseguiu chegar ao tapete vermelho. Não que Deadpool precise de indicações ao Oscar, mas seria bacana ver um trabalho mais ousado e para adultos como candidato.

Seguindo a lógica e tradição, dessa nova lista, aliás, de ONZE filmes, Mulher-Maravilha deve ser o excluído da vez, mesmo num ano considerado das mulheres após os escândalos sexuais de Hollywood. Particularmente, não gosto do filme da Patty Jenkins e considero todos esses elogios e prêmios “overlooked”, mas de novo: Mulher-Maravilha não precisa de indicação ao Oscar, ainda mais depois desse sucesso estrondoso nas bilheterias.

wonder woman.jpg

Chris Pine, Gal Gadot e Lucy Davis em cena de Mulher-Maravilha (pic by imdb.com)

Bom, antes de analisar à fundo, melhor revelar os onze candidatos primeiro. Aqui vão:

MELHOR PRODUÇÃO FÍLMICA:

DOENTES DE AMOR (The Big Sick)
Produtores: Judd Apatow, Barry Mendel

ME CHAME PELO SEU NOME (Call Me By Your Name)
Produtores: Peter Spears, Luca Guadagnino, Emilie Georges, Marco Morabito

DUNKIRK (Dunkirk)
Produtores: Emma Thomas, Christopher Nolan

CORRA! (Get Out)
Produtores: Sean McKittrick, Edward H. Hamm Jr., Jason Blum, Jordan Peele

EU, TONYA (I, Tonya)
Produtores: Bryan Unkeless, Steven Rogers, Margot Robbie, Tom Ackerley

LADY BIRD: É HORA DE VOAR (Lady Bird)
Produtores: Scott Rudin, Eli Bush, Evelyn O’Neill

A GRANDE JOGADA (Molly’s Game)
Producers: Mark Gordon, Amy Pascal, Matt Jackson

THE POST: A GUERRA SECRETA (The Post)
Produtores: Amy Pascal, Steven Spielberg, Kristie Macosko Krieger

A FORMA DA ÁGUA (The Shape Of Water)
Produtores: Guillermo del Toro, J. Miles Dale

TRÊS ANÚNCIOS PARA UM CRIME (Three Billboards Outside Ebbing, Missouri)
Produtores: Graham Broadbent, Pete Czernin, Martin McDonagh

MULHER-MARAVILHA (Wonder Woman)
Produtores: Charles Roven, Richard Suckle, Zack Snyder e Deborah Snyder

OK, vamos falar mal! Não, já falei de Mulher-Maravilha… haha
Bom, a lista não tem lá grandes surpresas. Temos os filmes que não podiam faltar devido ao seu bom histórico na temporada de premiações como The Post, A Forma da Água, Três Anúncios Para um Crime, Dunkirk, Lady Bird e Corra!.

Em termos de surpresas esperadas estão a inclusão de Me Chame Pelo Seu Nome e Doentes de Amor. O primeiro por duas questões: primeiro, o filme tem decaído um pouco desde seu início arrasador com os prêmios dos críticos de Los Angeles e do Independent Spirit Awards, e segundo porque ainda é um filme LGBT que precisa quebrar a barreira do conservadorismo desses prêmios. Já o segundo teve seu melhor momento quando foi lembrado em categorias principais no Critics’ Choice Awards, mas falhou miseravelmente para estar entre os indicados a Melhor Filme – Comédia ou Musical no Globo de Ouro.

Agora, de surpresa-surpresa mesmo foi a inclusão de A Grande Jogada, que vinha sendo lembrado apenas por sua atriz Jessica Chastain e um ou outro prêmio de roteiro, que foi escrito por um dos mestres do fast dialogue Aaron Sorkin. Se esse feito se repetir no Oscar, Chastain terá grandes chances de conquistar sua terceira indicação, mesmo tendo fortes candidatas pela frente como Meryl Streep, Frances McDormand, Saoirse Ronan e Sally Hawkins. E, claro, o já citado Mulher-Maravilha, cuja inclusão mais me soa como uma atitude de “fazer a média”, ainda mais por ser o 11º filme da lista ou plus one.

Molly's Game.jpg

Kevin Costner contracena com Jessica Chastain em A Grande Jogada (pic by imdb.com)

DOS EXCLUÍDOS

que mais senti falta foi Projeto Flórida, de Sean Baker. Tudo bem que o filme não é uma unanimidade como os favoritos, mas não li nenhuma crítica negativa que pudesse desqualificá-lo… E se formos levar em conta o contexto atual, o filme dialoga com a questão das minorias e imigrantes. Não dava pra entrar nessa lista?

Tem outro filme que supostamente era pra estar aqui, porque parece que filmes de guerra são feitos pra ganhar prêmios, que é O Destino de uma Nação. Antes de começar a temporada, todo mundo falava que esse filme ganharia o Oscar e daria finalmente o Oscar para Gary Oldman. Quando começaram os prêmios da crítica, o filme sumiu do radar, e aí as pessoas se questionavam: “Será que nem o Oscar pro Gary, vai??”. Eu sei que o ator merece há tempos uma estatueta, mas começo a ter minhas dúvidas também se ele tem mesmo toda essa chance.

E também vale citar o Mudbound, que de mais relevante conquistou uma indicação ao SAG de Melhor Elenco. Tem elementos da questão racial que estão no topic trend de Hollywood, e dirigido por uma mulher negra. Pode ser o filme a roubar a cadeira de Mulher-Maravilha no Oscar.

MELHOR PRODUÇÃO DE ANIMAÇÃO:

O PODEROSO CHEFINHO (The Boss Baby)
Producer: Ramsey Naito

VIVA: A VIDA É UMA FESTA (Coco)
Producer: Darla K. Anderson

MEU MALVADO FAVORITO 3 (Despicable Me 3)
Producers: Chris Meledandri, Janet Healy

O TOURO FERDINANDO (Ferdinand)
Producers: Lori Forte, Bruce Anderson

LEGO BATMAN: O FILME (The Lego Batman Movie)
Producers: Dan Lin, Phil Lord e Christopher Miller

Na categoria de animação, não tem muito o que falar. A Pixar deve conquistar mais um PGA com este belo exemplar de inclusão de imigrantes que é Viva: A Vida é uma Festa. Sem um possível estraga-festa que poderia ser Com Amor, Van Gogh, o caminho parece bem livre para o estúdio da Disney rumo a mais um PGA.

Coco pixar.jpg

Viva: A Vida é uma Festa concorre no PGA (pic by imdb.com)

MELHOR PRODUÇÃO DE DOCUMENTÁRIO:

CHASING CORAL

CITY OF GHOSTS

CRIES FROM SYRIA

EARTH: ONE AMAZING DAY

JANE

JOSHUA: TEENAGER VS. SUPERPOWER

THE NEWSPAPERMAN: THE LIFE AND TIMES OF BEN BRADLEE

Entre os documentários, o mais frequente nas premiações tem sido o novo filme de Agnès Varda, Visage, Villages, mas com ele ausente aqui, Jane, o filme sobre a especialista em primatas Jane Goodall pode se sobressair.

Jane documentary.jpg

Imagem de arquivo do documentário Jane, estrelado por Jane Goodall (pic by imdb.com)

Os vencedores serão anunciados no próximo dia 20 no Hotel Beverly Hilton.

***

wga-awards-logo-2009

WRITERS GUILD AWARDS (WGA)

De todos esses prêmios de sindicatos, o mais chato, rígido e insignificante é o dos roteiristas. Além de ter uma série de regras desqualificatórias que acabam eliminando todos os anos importantes concorrentes, não aceitam roteiros de animações na competição. Sim, como se os roteiros de animações fossem coisa de criança.

Não à toa, roteiristas consagrados como Quentin Tarantino torcem o nariz, não é membro desse sindicato e mesmo assim, consegue ser indicado e ganhar Oscar como o fez em 2013 por Django Livre. Bom, claro que cada sindicato com seus estatutos, mas acho que poderiam pelo menos incluir uma categoria para animações. Se até o Oscar criou um prêmio para os longas de animação desde 2002, por que não o Writers Guild também?

Este ano, talvez o roteiro mais premiado até o momento foi um dos desclassificados: Três Anúncios Para um Crime, de Martin McDonagh. Com isso, teria menos chances no Oscar? Não. Além do já citado Tarantino, em 2015, o roteiro de Birdman venceu como Original depois de ter sido inelegível pelo WGA.

Felizmente, a safra de roteiros originais de 2017 pode suprir a ausência de Três Anúncios. O roteiro de Jordan Peele por Corra! compete com fortes concorrentes como Lady Bird, de Greta Gerwig, A Forma da Água, de Guillermo del Toro e Vanessa Taylor, além de Doentes de Amor, de Kumail Nanjiani, e Eu, Tonya, de Steven Rogers. Ainda dá pra citar o roteiro de Trama Fantasma, de Paul Thomas Anderson, que vinha recebendo prêmios, mas foi preterido aqui.

Já na categoria de Adaptações, curiosamente, roteiros que eram considerados certos como The Post: A Guerra Secreta e até Extraordinário ficaram de fora por motivo de escolha mesmo. Como no ano passado, quando o roteiro de Deadpool concorreu, temos outro roteiro adaptado dos quadrinhos dos X-Men na lista: Logan, escrito por Scott Frank, James Mangold e Michael Green. Não tem a originalidade e ousadia de seu antecessor, mas vale a lembrança de outro bem-sucedido filme para o público mais adulto.

Logan.jpg

Dafne Keen, Patrick Stewart e Hugh Jackman em cena de Logan, que concorre como Roteiro Adaptado no WGA (pic by imdb.com)

Entre as adaptações, os favoritos O Artista do Desastre, de Scott Neustadter e Michael H. Weber, e A Grande Jogada, de Aaron Sorkin estão concorrendo com Me Chame Pelo Seu Nome, de James Ivory (que aos 89 anos conquista sua primeira indicação ao WGA), Mudbound, de Virgil Williams e Dee Rees, além do já citado Logan.

Na categoria de documentários, temos o veterano Alex Gibney concorrendo com No Stone Unturned, além de Jane, citado nos parágrafos de PGA acima, que está pré-selecionado para o Oscar.

ROTEIRO ORIGINAL
* Emily V. Gordon & Kumail Nanjiani (Doentes de Amor)
* Jordan Peele (Corra!)
* Steven Rogers (Eu, Tonya)
* Greta Gerwig (Lady Bird)
* Guillermo del Toro e Vanessa Taylor (A Forma da Água)

ROTEIRO ADAPTADO
* James Ivory; Baseado no romance de André Aciman (Me Chame Pelo Seu Nome)
* Scott Neustadter e Michael H. Weber; Baseado no livro “The Disaster Artist: My Life Inside the Room, the Greatest Bad Movie Ever Made” de Greg Sestero e Tom Bissell (O Artista do Desastre)
* Scott Frank, James Mangold e Michael Green; Baseado nos personagens dos quadrinhos de X-Men (Logan)
* Aaron Sorkin; Baseado no livro de Molly Bloom (A Grande Jogada)
* Virgil Williams e Dee Rees; Baseado no romance de Hillary Jordan (Mudbound)

ROTEIRO DE DOCUMENTÁRIO
* Theodore Braun (Betting on Zero)
* Brett Morgen (Jane)
* Alex Gibney (No Stone Unturned)
* Barak Goodman (Oklahoma City)

A 70ª edição do WGA está marcada para o dia 11 de fevereiro.

Anúncios

‘Deadpool’ disputa o WGA com ‘A Chegada’ e ‘Animais Noturnos’

Brianna Hildebrand e Ryan Reynolds em cena de Deadpool (pic by moviepilot.de)

Brianna Hildebrand e Ryan Reynolds em cena de Deadpool (pic by moviepilot.de)

PRÊMIO DO SINDICATO DE ROTEIRISTAS RECONHECE OUTRA ADAPTAÇÃO DE QUADRINHOS

Para quem acompanha cinema, sabe que os maiores sucessos comerciais nos últimos anos têm sido as adaptações de histórias em quadrinhos, seja da Marvel, ou seja da DC. É um filão extremamente rentável, porque ao mesmo tempo em que entretém o público mais jovem (que é a grande maioria dos espectadores dos cinemas hoje), consegue atrair os adultos que leram os quadrinhos décadas atrás. Entre os maiores sucessos comerciais de 2016, estavam as adaptações de HQ: Esquadrão Suicida, Batman vs. Superman: A Origem da Justiça e Capitão América: Guerra Civil, contudo, o único ousado foi Deadpool, que manteve as piadas de humor negro, o sexo e a violência (sim, tem sangue na tela), e a censura para maiores de 16 anos (reduzindo consideravelmente a renda nas bilheterias) em prol de qualidade.

Essa coragem em peitar a censura por acreditarem no material tem sido recompensada nas premiações. Venceu o Critics’ Choice Awards de Melhor Comédia e Melhor Ator em Comédia (Ryan Reynolds), foi indicado ao Globo de Ouro nas mesmas categorias, e agora foi lembrado pelo Writers Guild Awards. Será que sobra uma indicaçãozinha no Oscar? Deadpool concorre com pesos-pesados como A Chegada e Animais Noturnos.

Amy Adams em cena de Animais Noturnos (pic by moviepilot.de)

Amy Adams em cena de Animais Noturnos (pic by moviepilot.de)

Embora, o WGA seja bem rígido quanto ao regulamento, eliminado alguns concorrentes importantes anualmente, também apresenta uma boa estatística de acerto em relação ao Oscar. São 16 acertos em 22 anos na categoria de Roteiro Adaptado, e 14 na categoria de Roteiro Original. No ano passado, Spotlight – Segredos Revelados e A Grande Aposta levaram o prêmio do sindicato e levaram as estatuetas da Academia. Vale ressaltar também que Deadpool é a segunda adaptação de quadrinhos indicada. A anterior havia sido Guardiões da Galáxia em 2015.

Entre as exclusões devido ao regulamento estão as de LionMogli: O Menino Lobo e O Lagosta (que levou o LAFCA) na categoria de Roteiro Original, e de Florence: Quem é Essa Mulher? e Zootopia na categoria de Roteiro Adaptado. A maioria dessas ausências se deve aos próprios roteiristas, que decidiram não se filiar ao sindicato. Claro que há alguns casos em que o vencedor do Oscar de Roteiro nem era filiado ao WGA como Quentin Tarantino (por Django Livre) e Alejandro González Iñárritu e sua trupe (por Birdman), mas são mais raros de acontecer.

Já entre os ausentes que os membros do WGA simplesmente não gostaram estão Silêncio (o filme de Scorsese realmente não está agradando), Até o Último Homem, Capitão Fantástico e Jackie (que levou o prêmio no Festival de Veneza).

Só uma última curiosidade: os dramas Loving e Moonlight, aqui concorrentes como Roteiro Original, tiveram sua classificação alterada para Roteiro Adaptado perante a Academia. Enquanto o primeiro teria sido baseado num documentário de 2011, o segundo teria como base uma história biográfica pré-existente.

Seguem os indicados do Writers Guild Awards:

ROTEIRO ORIGINAL

  • Taylor Sheridan (A Qualquer Custo)
  • Damien Chazelle (La La Land)
  • Jeff Nichols (Loving)
  • Kenneth Lonergan (Manchester à Beira-Mar)
  • Barry Jenkins, Story by Tarell McCraney (Moonlight)

ROTEIRO ADAPTADO

  • Eric Heisserer (A Chegada); Baseado na história “História da sua Vida” de Ted Chiang
  • Rhett Reese & Paul Wernick (Deadpool); Baseado nos quadrinhos dos X-Men
  • August Wilson (Cercas); Baseado em sua peça
  • Allison Schroeder e Theodore Melfi (Estrelas Além do Tempo); Baseado no livro de Margot Lee Shetterly
  • Tom Ford (Animais Noturnos); Baseado no romance “Tony and Susan”, de Austin Wright

ROTEIRO DE DOCUMENTÁRIO

  • Jeff Feuerzeig (Author: The JT LeRoy Story)
  • Robert Kenner e Eric Schlosser, história por Brian Pearle e Kim Roberts (Command and Control); Baseado no livro “Command and Control”, de Eric Schlosser
  • Alex Gibney (Zero Days)
Cena do documentário Zero Days, de Alex Gibney (pic by moviepilot.de)

Cena do documentário Zero Days, de Alex Gibney (pic by moviepilot.de)

***

O WGA (Writers Guild of America) anunciará seus vencedores em 19 de fevereiro em Beverly Hills. E as indicações ao Oscar saem no dia 24 de janeiro.

‘Spotlight’ e ‘A Grande Aposta’ vencem o WGA 2016

spotlight-889839l-1600x1200-n-469e0dd8

Cena de Spotlight – Segredos Revelados (photo by cinemagia.ro)

FAVORITOS BATEM METADE DE SEUS CONCORRENTES AO OSCAR

Dentre os inúmeros prêmios de sindicatos, o Writers Guild of America (sindicato dos roteiristas) é o que costuma viver num universo paralelo ao Oscar. Não que seja independente ou cínico, mas por ter as regras mais rígidas, acaba excluindo vários trabalhos considerados elegíveis por outros.

Entre várias regras do regulamento está a obrigação do roteirista ser membro ou afiliado ao sindicato para concorrer, e isso elimina um dos maiores roteiristas da atualidade: Quentin Tarantino, que mesmo não sendo membro do WGA, é indicado e vence na categoria de Roteiro Original no Oscar. Como nenhum dos lados se mostra desconfortável com esse quadro, o WGA permanece firme e forte com suas convicções. Talvez por essa desunião que a categoria seja uma das mais frequentes grevistas dos últimos anos.

Nesta 68ª edição, no entanto, os favoritos nas categorias do Oscar não só eram elegíveis, como também venceram: Spotlight – Segredos Revelados e A Grande Aposta ganharam como Roteiro Original e Roteiro Adaptado, respectivamente. Os vencedores, votados por mais de 12 mil membros, foram anunciados em cerimônia que ocorreu nesse último dia 13 de fevereiro.

spotlight-big-short-wga-awards

Josh Singer aceita o prêmio de Roteiro Original do WGA por Spotlight – Segredos Revelados (photo by latimes.com)

O drama jornalístico Spotlight bateu seus concorrentes ao Oscar: Ponte dos Espiões e Straight Outta Compton: A História do N.W.A., além de Sicario: Terra de Ninguém e a comédia Descompensada. Já a comédia sobre a crise financeira de 2008, A Grande Aposta, venceu os indicados ao Oscar Carol e Perdido em Marte, além de Steve Jobs e Trumbo – Lista Negra.

Em discurso, Adam McCarthy agradeceu a produtora Open Road “por nos deixar fazer o filme que queríamos” e citou a tragédia de “milhares que perderam suas casas e milhares que perderam seus empregos”, enquanto Josh Singer agradeceu à colunista do jornal Boston Globe, Ellen McNamara, por ser a primeira a escrever sobre os escândalos de abuso e do sobrevivente dos abusos Phil Saviano, que estava presente no evento.

68th Annual Writers Guild Awards, show, West Coast Ceremony, Los Angeles, America - 13 Feb 2016

Adam McKay posa com seu WGA award por Roteiro Adaptado por A Grande Aposta. (photo by Rob Latour/Variety/REX/Shutterstock)

 

Mesmo com essas exclusões devido ao regulamento, o WGA ainda consegue ser um bom parâmetro em relação ao Oscar. Nos últimos 21 anos, foram 15 acertos na categoria de Roteiro Adaptado, e 13 de Roteiro Original. No ano passado, O Jogo da Imitação venceu o WGA de Roteiro Adaptado e o Oscar, enquanto O Grande Hotel Budapeste ficou apenas com o WGA de Roteiro Original, sendo derrotado em seguida no Oscar por Birdman, cujo roteiro não era elegível pela Academia por seus roteiristas não serem afiliados ao WGA.

Pela categoria de Roteiro de Documentário, Alex Gibney levou o prêmio por Going Clear: Scientology and the Prison of Belief. Ele dedicou o prêmio “às pessoas dispostas a se pronunciar contra os abusos dos direitos humanos”, incluindo Paul Haggis (diretor de Crash – No Limite), membro do WGA e ex-cientologista. A vitória de Gibney, infelizmente, nada significa para a corrida ao Oscar, já que sequer foi indicado.

Pelos trabalhos televisivos, Mad Men, Veep e Mr. Robot foram os grandes vencedores, além da aclamada minissérie Fargo. E o prêmio Screen Laurel pelo conjunto da obra foi para Elaine May, conhecida pelos roteiros de O Céu Pode Esperar (1987), Tootsie (1982) e Segredos do Poder (1998).

Seguem os vencedores do 68º Writers Guild of America:

CINEMA

ROTEIRO ORIGINAL
• “Spotlight,” Written by Josh Singer & Tom McCarthy; Open Road Films

ROTERIO ADAPTADO
• “The Big Short,” Screenplay by Charles Randolph and Adam McKay; Based on the Book by Michael Lewis; Paramount Pictures

ROTEIRO DE DOCUMENTÁRIO
“Going Clear: Scientology and the Prison of Belief,” Written by Alex Gibney; HBO Documentary Films 

TELEVISÃO E NOVAS MÍDIAS

SÉRIE DE DRAMA
• “Mad Men,” Written by Lisa Albert, Semi Chellas, Jonathan Igla, Janet Leahy, Erin Levy, Tom Smuts, Robert Towne, Matthew Weiner, Carly Wray; AMC 

SÉRIE DE COMÉDIA
• “Veep,” Written by Simon Blackwell, Jon Brown, Kevin Cecil, Roger Drew, Peter Fellows, Neil Gibbons, Rob Gibbons, Sean Gray, Callie Hersheway, Armando Iannucci, Sean Love, Ian Martin, Georgia Pritchett, David Quantick, Andy Riley, Tony Roche, Will Smith; HBO

NOVA SÉRIE
• “Mr. Robot,” Written by Kyle Bradstreet, Kate Erickson, Sam Esmail, David Iserson, Randolph Leon, Adam Penn, Matt Pyken; USA 

LONG FORM ORIGINAL
• “Saints & Strangers,” Written by Seth Fisher, Walon Green, Chip Johannessen, Eric Overmyer; National Geographic Channel 

LONG FORM ADAPTED
• “Fargo,” Written by Steve Blackman, Bob DeLaurentis, Noah Hawley, Ben Nedivi, Matt Wolpert, Based on the film Fargo; FX 

SHORT FORM NEW MEDIA – ORIGINAL
• “Back to Reality” (Weight), Written by Daryn Strauss; weighttheseries.com

SHORT FORM NEW MEDIA – ADAPTED
• “Chapter Two: Phoebe” (Heroes Reborn: Dark Matters), Written by Zach Craley; nbc.com

ANIMAÇÃO
• “Housetrap” (Bob’s Burgers), Written by Dan Fybel; Fox 

EPISODIC DRAMA
• “Uno” (Better Call Saul), Written by Vince Gilligan & Peter Gould; AMC

EPISODIC COMEDY
“Sand Hill Shuffle” (Silicon Valley), Written by Clay Tarver; HBO

COMEDY / VARIETY (INCLUDING TALK) – SERIES
• “Real Time with Bill Maher,” Writers: Scott Carter, Adam Felber, Matt Gunn, Brian Jacobsmeyer, Jay Jaroch, Chris Kelly, Bill Maher, Billy Martin, Danny Vermont; HBO  

COMEDY / VARIETY – SKETCH SERIES
• “Inside Amy Schumer,” Head Writer: Jessi Klein Writers: Hallie Cantor, Kim Caramele, Kyle Dunnigan, Jon Glaser, Kurt Metzger, Christine Nangle, Dan Powell, Tami Sagher, Amy Schumer; Comedy Central 

COMEDY / VARIETY – MUSIC, AWARDS, TRIBUTES – SPECIALS
• Jimmy Kimmel Live: 10th Annual After The Oscars Special, Written by Jack Allison, Tony Barbieri, Jonathan Bines, Joelle Boucai, Greg Dorris, Gary Greenberg, Josh Halloway, Sal Iacono, Eric Immerman, Jimmy Kimmel, Bess Kalb, Jeff Loveness, Molly McNearney, Danny Ricker, Joe Strazzullo, Bridger Winegar; ABC  

QUIZ AND AUDIENCE PARTICIPATION
• “Hollywood Game Night,” Head Writer: Grant Taylor; Writers: Michael Agbabian, Alex Chauvin, Ann Slichter, Dwight D. Smith; NBC 

DAYTIME DRAMA
• “General Hospital,” Writers: Ron Carlivati, Anna Theresa Cascio, Andrea Archer Compton, Suzanne Flynn, Kate Hall, Elizabeth Korte, Daniel James O’Connor, Elizabeth Page, Jean Passanante, Katherine Schock, Scott Sickles, Chris Van Etten; ABC

CHILDREN’S SCRIPT – EPISODIC AND SPECIALS
“Gortimer, Ranger and Mel vs. The Endless Night” (Gortimer Gibbon’s Life on Normal Street), Written by Gretchen Enders & Aminta Goyel; Amazon Studios  

CHILDREN’S SCRIPT – LONG FORM OR SPECIAL
“Descendants,” Written by Josann McGibbon & Sara Parriott; Disney Channel  

DOCUMENTARY SCRIPT – CURRENT EVENTS
• “American Terrorist” (Frontline), Written by Thomas Jennings; PBS  

DOCUMENTARY SCRIPT – OTHER THAN CURRENT EVENTS
• “The Great Math Mystery” (Nova), Written by Daniel McCabe; PBS  

TV NEWS SCRIPT – REGULARLY SCHEDULED, BULLETIN, OR BREAKING REPORT
  “Cuba” (60 Minutes), Written by Scott Pelley, Nicole Young, Oriana Zill de Granados, Andy Court and Robert Anderson; CBS News  WINNER

TV NEWS SCRIPT – ANALYSIS, FEATURE, OR COMMENTARY
• “The Storm After the Storm” (60 Minutes), Written by Sharyn Alfonsi, Michael Rey and Oriana Zill de Granados; CBS News 

RÁDIO

RADIO DOCUMENTARY
• “Marking the End of Vietnam: 40 Years Later,” Written by Andrew Evans; ABC News Radio

RADIO NEWS SCRIPT—REGULARLY SCHEDULED, BULLETIN, OR BREAKING REPORT
• “Remembering New York Icons,” Written by Thomas A. Sabella; CBS Radio News

RADIO NEWS SCRIPT – ANALYSIS, FEATURE, OR COMMENTARY
• “Passages,” Written by Gail Lee; CBS Radio News

PROMOCIONAIS

ON-AIR PROMOTION (TELEVISION, NEW MEDIA OR RADIO)
• “The McCarthys and Under the Dome Promos,” Written by Erial Tompkins; CBS

VIDEOGAME

OUTSTANDING ACHIEVEMENT IN VIDEOGAME WRITING
• Rise of the Tomb Raider, Lead Narrative Designer John Stafford; Narrative Designer Cameron Suey; Lead Writer Rhianna Pratchett; Additional Writer Philip Gelatt; Microsoft

WGA indica roteiros de ‘Spotlight’, ‘A Grande Aposta’, ‘Steve Jobs’ e ‘Perdido em Marte’

steve-jobs-513195l-1600x1200-n-ee157e6d

Michael Fassbender e Mackenzie Moss em cena de Steve Jobs (photo by cinemagia.ro)

MESMO COM EXCLUSÕES HABITUAIS, WGA INDICA FORTES ROTEIROS

Como em todo ano, o Writers Guild of America (WGA), sindicato dos roteiristas, costuma eliminar inúmeros candidatos por questões burocráticas como a não-filiação do roteirista à organização. Este ano, houve 61 roteiros originais e 51 adaptados sobreviventes ao corte do WGA.

Entre os eliminados de Roteiro Original estão Os 8 Odiados, O Filho de Saul, As Sufragistas, 99 Homes, Ex-Machina: Instinto Artificial, Divertida Mente e Mad Max: Estrada da Fúria. Mesmo fora do WGA, os roteiros de Quentin Tarantino (Os 8 Odiados) e da trupe da Pixar por Divertida Mente são os que conseguem manter as chances altas no Oscar.

Já entre os de Roteiro Adaptado, foram desqualificados 45 Anos, Eu, Você e a Garota que Vai Morrer, Brooklyn, A Garota Dinamarquesa e os possíveis sobreviventes para o Oscar: O Quarto de Jack e Anomalisa.

Mesmo com tantas exclusões, a taxa de acerto do WGA em relação ao Oscar permanece alta. Dos últimos 21 anos, 15 vencedores coincidiram como Melhor Roteiro Original, e 13 como Melhor Roteiro Adaptado.

Com tantos cortes também é possível ver algumas produções menores sendo reconhecidas aqui como são os casos de Straight Outta Compton: A História do N.W.A. e Descompensada na categoria de Roteiro Original, enquanto na de Adaptado, temos a inclusão de Trumbo – Lista Negra.

trainwreck-334557l-1600x1200-n-e4ee6aa3

Amy Schumer e Bill Hader em cena de Descompensada (photo by cinemagia.ro)

Os favoritos aos prêmios permanecem na briga aqui também: Ponte dos Espiões, Spotlight – Segredos Revelados, A Grande Aposta, Perdido em Marte e Steve Jobs devem seguir na lista da Academia.

SEGUE A LISTA DOS INDICADOS AO 68º WRITERS GUILD OF AMERICA:

ROTEIRO ORIGINAL
* Matt Charman, Ethan Coen e Joel Coen (Ponte dos Espiões)
* Taylor Sheridan (Sicario: Terra de Ninguém)
* Josh Singer e Tom McCarthy (Spotlight – Segredos Revelados)
* Jonathan Herman e Andrea Berloff; História de S. Leigh Savidge, Alan Wenkus e Andrea Berloff (Straight Outta Compton: A História do N.W.A.)
* Amy Schumer (Descompensada)

ROTEIRO ADAPTADO
* Charles Randolph e Adam McKay; Baseado no livro de Michael Lewis (A Grande Aposta)
* Phyllis Nagy; Baseado no romance ‘The Price of Salt’ de Patricia Highsmith (Carol)
* Drew Goddard; Baseado no romance homônimo de Andy Weir (Perdido em Marte)
* Aaron Sorkin; Baseado no livro de Walter Isaacson (Steve Jobs)
* John McNamara; Baseado na biografia de Bruce Cook (Trumbo – Lista Negra)

ROTEIRO DE DOCUMENTÁRIO
* Robert Cohen (Being Canadian)
* Alex Gibney (Going Clear: Scientology and the Prison of Belief)
* Brett Morgen (Cobain: Montage of Heck)
* Amy J. Berg (Prophet’s Prey)

Going Clear Scientology

Centro de Cientologia mostrada no documentário Going Clear: Scientology and the Prison of Belief (photo by outnow.ch)

Os vencedores do WGA serão anunciados em cerimônia que acontecerá no dia 13 de fevereiro.

‘Gravidade’ e ’12 Anos de Escravidão’ fazem o 1º empate na história do PGA Awards

Os produtores David Heyman (à esquerda) e Alfonso Cuarón recebem o PGA de Melhor Filme (photo by AFP in www.channelnewsasia.com)

Os produtores de Gravidade: David Heyman (à esquerda) e Alfonso Cuarón recebem o PGA de Melhor Filme (photo by AFP in http://www.channelnewsasia.com)

CONSIDERADO MELHOR PARÂMETRO PARA VENCEDOR DO OSCAR DE MELHOR FILME, O PGA FICA NO EMPATE HISTÓRICO

 

Pra quem acha que 12 Anos de Escravidão já garantiu seu Oscar de Melhor Filme, o PGA (Producers Guild of America) resolveu bagunçar essa previsibilidade. Pela primeira vez em 25 anos de história, o prêmio foi concedido a duas produções: Gravidade e 12 Anos de Escravidão.

 

Ao lado delas, concorriam Trapaça, Blue Jasmine, Capitão Phillips, Clube de Compras Dallas, Ela, Nebraska, Walt nos Bastidores de Mary Poppins e O Lobo de Wall Street. Exceto por Blue Jasmine e Walt nos Bastidores, todas as demais produções também competem pelo prêmio no Oscar, o que torna a vitória ainda mais importante.

Considerado o melhor parâmetro para prever qual filme ganhará o Oscar, o PGA acertou 17 vezes em 24 anos,  tendo previsto os últimos seis vencedores do Oscar.

Com o SAG de Melhor Elenco, concedido no último domingo para Trapaça, a corrida pelo Oscar de Melhor Filme pode trazer alguma surpresa, pois esse empate não define nada. 12 Anos de Escravidão tem sido ovacionado pela crítica e tem vencido mais prêmios até o momento, enquanto Gravidade possui a maior bilheteria mundial entre os indicados, com mais de 600 milhões de dólares, e o apoio popular que abraçou o filme espacial. Já Trapaça possui um elenco super qualificado e seu diretor David O. Russell já vem batendo na trave há alguns anos com O Vencedor (2010) e O Lado Bom da Vida (2012).

Brad Pitt recebe o prêmio PGA como produtor de 12 Anos de Escravidão (photo by www.abclocal.go.com)

Brad Pitt recebe o prêmio PGA como produtor de 12 Anos de Escravidão (photo by http://www.abclocal.go.com)

Ao contrário de toda essa briga, a categoria de Melhor Animação tem sido bem tranqüila. A super-produção da Disney, Frozen: Uma Aventura Congelante, venceu o PGA. Tirando um ou outro prêmio da crítica para o japonês Vidas ao Vento, a vitória de Frozen tem sido uma unanimidade até o momento.

E na categoria de documentário, ficou mais fácil para We Steal Secrets: The Story of WikiLeaks, de Alex Gibney, ganhar o prêmio com as ausências dos maiores concorrentes: Histórias que Contamos e O Ato de Matar.

Já em televisão, Breaking Bad continua coletando todos os prêmios fechando com chave de ouro a série, e Modern Family foi reconhecida como Melhor Produção de Comédia. Veja lista completa abaixo:

 

MELHOR FILME (empate)
Gravidade (Gravity)
Produtores: Alfonso Cuarón, David Heyman

12 Anos de Escravidão (12 Years a Slave)
Produtores: Anthony Katagas, Jeremy Kleiner, Steve McQueen, Brad Pitt, Dede Gardner

MELHOR ANIMAÇÃO
Frozen: Uma Aventura Congelante (Frozen)
Produtor: Peter Del Vecho

MELHOR DOCUMENTÁRIO
We Steal Secrets: The Story of WikiLeaks
Produtores: Alexis Bloom, Alex Gibney, Marc Shmuger

MELHOR SÉRIE DE TV Drama:
Breaking Bad
Produtores: Melissa Bernstein, Sam Catlin, Bryan Cranston, Vince Gilligan, Peter Gould, Mark Johnson, Stewart Lyons, Michelle MacLaren, George Mastras, Diane Mercer, Thomas Schnauz, Moira Walley-Beckett

MELHOR MINISSÉRIE OU FILME PARA TV:
Minha Vida com Liberace (Behind the Candelabra)
Produtores: Susan Ekins, Gregory Jacobs, Michael Polaire, Jerry Weintraub

MELHOR SÉRIE DE TV Comédia:
Modern Family
Produtores: Paul Corrigan, Abraham Higginbotham, Ben Karlin, Elaine Ko, Steven Levitan, Christopher Lloyd, Jeffrey Morton, Dan O’Shannon, Jeffrey Richman, Chris Smirnoff, Brad Walsh, Bill Wrubel, Danny Zuker

MELHOR PROGRAMA DE TV NÃO-FICÇÃO:
Anthony Bourdain: Parts Unknown
Produtores: Anthony Bourdain, Christopher Collins, Lydia Tenaglia, Sandra Zweig

MELHOR PROGRAMA DE ENTRETENIMENTO AO VIVO E ENTREVISTA:
The Colbert Report
Produtores: Meredith Bennett, Stephen T. Colbert, Richard Dahm, Paul Dinello, Barry Julien, Matt Lappin, Emily Lazar, Tanya Michnevich Bracco, Tom Purcell, Jon Stewart

MELHOR PROGRAMA DE COMPETIÇÃO:
The Voice
Produtores: Stijn Bakkers, Mark Burnett, John de Mol, Chad Hines, Lee Metzger, Audrey Morrissey, Jim Roush, Kyra Thompson, Nicolle Yaron, Mike Yurchuk, Amanda Zucker

MELHOR PROGRAMA DE ESPORTE:
SportsCenter (ESPN)

MELHOR PROGRAMA INFANTIL:
Vila Sésamo (Sesame Street)

MELHOR SÉRIE DIGITAL:
Wired: What’s Inside

STANLEY KRAMER AWARD:
Fruitvale Station: A Última Parada (Fruitvale Station)
Produtores: Ryan Coogler, Nina Yang Bongiovi, Forest Whitaker

‘Gravidade’ lidera competição acirrada no BAFTA com 11 indicações

BAFTA_MBRAND_SML_NEG4

FICÇÃO CIENTÍFICA QUE VINHA PERDENDO ESPAÇO CRESCE NA HORA CERTA

Depois do predomínio de Trapaça e 12 Anos de Escravidão nas últimas premiações, chegou a vez de Gravidade se destacar, liderando com 11 indicações ao BAFTA. E essa ascensão não poderia vir em melhor hora, afinal, estamos às vésperas das indicações ao Oscar, o que pode influenciar os membros da Academia. Além disso, ao contrário do Globo de Ouro e SAG, o BAFTA possui quase todas as mesmas categorias técnicas do Oscar, servindo como melhor parâmetro.

A ficção científica de Alfonso Cuarón conquistou vaga nas categorias de Fotografia, Montagem, Direção de Arte, Som e Efeitos Visuais, fato que deve se repetir no Oscar. Assim como Titanic, Avatar e O Senhor dos Anéis, o filme apresenta inovações em diversos campos de produção fílmica. Os efeitos vistos na tela foram considerados “infilmáveis” há poucos anos. Ajuda bastante o fato do filme contar com a performance de Sandra Bullock, que traz um toque humano à história do acidente espacial.

Sandra Bullock em cena de Gravidade (photo by www.elfilm.com)

Sandra Bullock em cena de Gravidade (photo by http://www.elfilm.com)

Como previsto, logo atrás de Gravidade, 12 Anos de Escravidão e Trapaça obtiveram 10 indicações cada, e Capitão Phillips com 9, o que já deve assegurar suas vagas entre os indicados a Melhor Filme no Oscar. Outra produção que deu importante passo foi Philomena, de Stephen Frears, ao ser indicado para Filme, Roteiro Adaptado, Atriz (Judi Dench) e, obviamente, Melhor Filme Britânico.

Matt Damon com jeitão de paquito em Behind the Candelabra: indicação ao BAFTA (photo by www.outnow.ch)

Matt Damon com jeitão de paquito em Minha Vida com Liberace: indicação ao BAFTA (photo by http://www.outnow.ch)

Talvez a maior surpresa tenha sido as 5 indicações para o filme feito para a TV Minha Vida com Liberace (Behind the Candelabra), de Steven Soderbergh. Indicado à Palma de Ouro, ao Globo de Ouro, e vencedor do último Emmy, a produção da HBO conseguiu um espaço considerável, principalmente se levarmos em consideração a inclusão de Matt Damon como coadjuvante, pois tira um dos nomes mais fortes da categoria: Jared Leto.

Aliás, o Clube de Compras Dallas perdeu alguns pontos por sua total ausência no BAFTA. Apesar de terem sido indicados ao SAG e Globo de Ouro, a campanha dos atores Matthew McConaughey e Jared Leto pode sofrer turbulências para o prêmio da Academia.

Até poucos anos atrás, eu não dava muito valor ao BAFTA. “Um genérico do Oscar que serve de consolo”, pensava eu. Nada disso. Eu estava fazendo um levantamento das coincidências (sim, eu gasto algumas horas nesse negócio) e os números são impressionantes. Em 2013, de 19 categorias, houve 14 acertos iguais ao Oscar. Já em 2012, houve 13; e em 2011, 10 acertos, ou seja, estão dando uma bela polida nessa bola de cristal britânica.

O Lobo de Wall Street: Será que os velhinhos vão gostar? (photo by www.elfilm.com)

O Lobo de Wall Street: Será que os velhinhos vão gostar? (photo by http://www.elfilm.com)

A Academia Britânica também não se importou com as supostas polêmicas do novo filme de Martin Scorsese, O Lobo de Wall Street. Recebeu 4 indicações: Diretor, Ator (Leonardo DiCaprio), Roteiro Adaptado e Montagem. Mesmo assim, ainda acredito que os velhinhos da Academia (americana) vão encrencar com a “putaria” do filme e tirar tanto Scorsese quanto DiCaprio da jogada.

Bom, por mais justo que o BAFTA procure ser, é inevitável que puxem a sardinha pro lado deles e dêem um pouco mais de preferência aos conterrâneos. Assim, Judi Dench, Emma Thompson e Sally Hawkins podem ter se beneficiado nesse ano tão concorrido.

O BAFTA anunciará seus vencedores no dia 16 de fevereiro. Stephen Fry será o host da noite.

Veja o vídeo do anúncio dos indicados (apresentado pelos atores Helen McCrory e Luke Evans) e confira a lista completa em seguida:


FILME

12 ANOS DE ESCRAVIDÃO Anthony Katagas, Brad Pitt, Dede Gardner, Jeremy Kleiner, Steve McQueen
TRAPAÇA Charles Roven, Richard Suckle, Megan Ellison, Jonathan Gordon
CAPITÃO PHILLIPS Scott Rudin, Dana Brunetti, Michael De Luca
GRAVIDADE Alfonso Cuaron, David Heyman
PHILOMENA Gabrielle Tana, Steve Coogan, Tracey Seaward

DIRETOR
12 ANOS DE ESCRAVIDÃO Steve McQueen
TRAPAÇA David O. Russell
CAPITÃO PHILLIPS Paul Greengrass
GRAVIDADE Alfonso Cuarón
O LOBO DE WALL STREET Martin Scorsese

ROTEIRO ORIGINAL
TRAPAÇA Eric Warren Singer, David O. Russell
BLUE JASMINE Woody Allen
GRAVIDADE Alfonso Cuarón, Jonás Cuarón
INSIDE LLEWYN DAVIS Joel Coen, Ethan Coen
NEBRASKA Bob Nelson

ROTEIRO ADAPTADO
12 ANOS DE ESCRAVIDÃO John Ridley
MINHA VIDA COM LIBERACE Richard LaGravenese
CAPITÃO PHILLIPS Billy Ray
PHILOMENA Steve Coogan, Jeff Pope
O LOBO DE WALL STREET Terence Winter

ATOR
BRUCE DERN Nebraska
CHIWETEL EJIOFOR 12 Anos de Escravidão
CHRISTIAN BALE Trapaça
LEONARDO DICAPRIO O Lobo de Wall Street
TOM HANKS Capitão Phillips

ATRIZ
AMY ADAMS Trapaça
CATE BLANCHETT Blue Jasmine
EMMA THOMPSON Walt nos Bastidores de Mary Poppins
JUDI DENCH Philomena
SANDRA BULLOCK Gravidade

ATOR COADJUVANTE
BARKHAD ABDI Capitão Phillips
BRADLEY COOPER Trapaça
DANIEL BRÜHL Rush: No Limite da Emoção
MATT DAMON Minha Vida com Liberace
MICHAEL FASSBENDER 12 Anos de Escravidão

ATRIZ COADJUVANTE
JENNIFER LAWRENCE Trapaça
JULIA ROBERTS Álbum de Família
LUPITA NYONG’O 12 Anos de Escravidão
OPRAH WINFREY O Mordomo da Casa Branca
SALLY HAWKINS Blue Jasmine

TRILHA MUSICAL ORIGINAL
12 ANOS DE ESCRAVIDÃO Hans Zimmer
A MENINA QUE ROUBAVA LIVROS John Williams
CAPITÃO PHILLIPS Henry Jackman
GRAVIDADE Steven Price
WALT NOS BASTIDORES DE MARY POPPINS Thomas Newman

FOTOGRAFIA
12 ANOS DE ESCRAVIDÃO Sean Bobbitt
CAPITÃO PHILLIPS Barry Ackroyd
GRAVIDADE Emmanuel Lubezki
INSIDE LLEWYN DAVIS Bruno Delbonnel
NEBRASKA Phedon Papamichael

MONTAGEM
12 ANOS DE ESCRAVIDÃO Joe Walker
CAPITÃO PHILLIPS Christopher Rouse
GRAVIDADE Alfonso Cuarón, Mark Sanger
RUSH: NO LIMITE DA EMOÇÃO Dan Hanley, Mike Hill
O LOBO DE WALL STREET Thelma Schoonmaker

DIREÇÃO DE ARTE
12 ANOS DE ESCRAVIDÃO Adam Stockhausen, Alice Baker
TRAPAÇA Judy Becker, Heather Loeffler
MINHA VIDA COM LIBERACE Howard Cummings
GRAVIDADE Andy Nicholson, Rosie Goodwin, Joanne Woodlard
O GRANDE GATSBY Catherine Martin, Beverley Dunn

FIGURINO
TRAPAÇA Michael Wilkinson
MIDA VIDA COM LIBERACE Ellen Mirojnick
O GRANDE GATSBY Catherine Martin
THE INVISIBLE WOMAN Michael O’Connor
WALT NOS BASTIDORES DE MARY POPPINS Daniel Orlandi

MAQUIAGEM E CABELO
TRAPAÇA Evelyne Noraz, Lori McCoy-Bell
MINHA VIDA COM LIBERACE Kate Biscoe, Marie Larkin
O MORDOMO DA CASA BRANCA Debra Denson, Beverly Jo Pryor, Candace Neal
O GRANDE GATSBY Maurizio Silvi, Kerry Warn
O HOBBIT: A DESOLAÇÃO DE SMAUG Peter Swords King, Richard Taylor, Rick Findlater

SOM
ALL IS LOST Richard Hymns, Steve Boeddeker, Brandon Proctor, Micah Bloomberg, Gillian Arthur
CAPITÃO PHILLIPS Chris Burdon, Mark Taylor, Mike Prestwood Smith, Chris Munro, Oliver Tarney
GRAVIDADE Glenn Freemantle, Skip Lievsay, Christopher Benstead, Niv Adiri, Chris Munro
INSIDE LLEWYN DAVIS Peter F. Kurland, Skip Lievsay, Greg Orloff
RUSH: NO LIMITE DA EMOÇÃO Danny Hambrook, Martin Steyer, Stefan Korte, Markus Stemler, Frank Kruse

EFEITOS VISUAIS
GRAVIDADE Tim Webber, Chris Lawrence, David Shirk, Neil Corbould, Nikki Penny
O HOBBIT: A DESOLAÇÃO DE SMAUG Joe Letteri, Eric Saindon, David Clayton, Eric Reynolds
HOMEM DE FERRO 3 Bryan Grill, Christopher Townsend, Guy Williams, Dan Sudick
CÍRCULO DE FOGO Hal Hickel, John Knoll, Lindy De Quattro, Nigel Sumner
ALÉM DA ESCURIDÃO: STAR TREK Ben Grossmann, Burt Dalton, Patrick Tubach, Roger Guyett

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
O ATO DE MATAR Joshua Oppenheimer, Signe Byrge Sorensen
AZUL É A COR MAIS QUENTE Abdellatif Kechiche, Brahim Chioua, Vincent Maraval
A GRANDE BELEZA Paolo Sorrentino, Nicola Giuliano, Francesca Cima
METRO MANILA Sean Ellis, Mathilde Charpentier
O SONHO DE WADJDA Haifaa Al-Mansour, Gerhard Meixner, Roman Paul

DOCUMENTÁRIO
O ATO DE MATAR Joshua Oppenheimer
THE ARMSTRONG LIE Alex Gibney
BLACKFISH: FÚRIA ANIMAL Gabriela Cowperthwaite
TIM’S VERMEER Teller, Penn Jillette, Farley Ziegler
WE STEAL SECRETS: THE STORY OF WIKILEAKS Alex Gibney

ANIMAÇÃO
MEU MALVADO FAVORITO 2 Chris Renaud, Pierre Coffin
FROZEN: UMA AVENTURA CONGELANTE Chris Buck, Jennifer Lee
UNIVERSIDADE MONSTROS Dan Scanlon

FILME BRITÂNICO
GRAVIDADE Alfonso Cuaron, David Heyman, Jonas Cuaron
MANDELA: LONG WALK TO FREEDOM Justin Chadwick, Anant Singh, David M. Thompson, William Nicholson
PHILOMENA Stephen Frears, Gabrielle Tana, Steve Coogan, Tracey Seaward, Jeff Pope
RUSH: NO LIMITE DA EMOÇÃO Ron Howard, Andrew Eaton, Peter Morgan
WALT NOS BASTIDORES DE MARY POPPINS John Lee Hancock, Alison Owen, Ian Collie, Philip Steuer, Kelly Marcel, Sue Smith
THE SELFISH GIANT: Clio Barnard, Tracy O’Riordan

ESTRÉIA DE UM ESCRITOR, DIRETOR OU PRODUTOR BRITÂNICO
COLIN CARBERRY (Roteirista), GLENN PATTERSON (Roteirista) Good Vibrations
KELLY MARCEL (Roteirista) Walt nos Bastidores de Mary Poppins
KIERAN EVANS (Diretor/Roteirista) Kelly + Victor
PAUL WRIGHT (Diretor/Roteirista), POLLY STOKES (Produtor) For Those in Peril
SCOTT GRAHAM (Diretor/Roteirista) Shell

CURTA DE ANIMAÇÃO BRITÂNICO
EVERYTHING I CAN SEE FROM HERE Bjorn-Erik Aschim, Friederike Nicolaus, Sam Taylor
I AM TOM MOODY Ainslie Henderson
SLEEPING WITH THE FISHES James Walker, Sarah Woolner, Yousif Al-Khalifa

CURTA-METRAGEM BRITÂNICO
ISLAND QUEEN Ben Mallaby, Nat Luurtsema
KEEPING UP WITH THE JONESES Megan Rubens, Michael Pearce, Selina Lim
ORBIT EVER AFTER Chee-Lan Chan, Jamie Stone, Len Rowles
ROOM 8 James W. Griffiths, Sophie Venner
SEA VIEW Anna Duffield, Jane Linfoot

Começando bem 2014: indicados ao DGA, PGA e WGA

Que tal menos filmes em 3D em 2014? (photo by

Que tal menos filmes em 3D em 2014? (photo by http://www.dailyfinance.com)

Ooooiii, pessoal! Feliz Ano Novo pra todos! Chego de volta a São Paulo e vejo uma caixa de entrada de e-mail abarrotada de mensagens de premiações e indicações louquinhas pra serem abertas e discutidas. Ao contrário do que fiz em outros anos, vou juntar tudo em apenas um post, porque estou no espírito de férias ainda! Não, não… brincadeirinha! Com uma safra tão rica de produções, é interessante ver as escolhas de três sindicatos que apontam os grandes favoritos ao Oscar.

DGA images

Dentre eles, o mais acertivo continua sendo o DGA (Directors Guild of America). Em apenas sete (!) vezes, o vencedor não coincidiu com o vencedor do Oscar de direção. Até o ano passado, quando Ben Affleck ficou estranhamente de fora da categoria, o último vencedor do DGA que não repetiu a façanha no Oscar foi Rob Marshall (Chicago) em 2003! Este ano, o páreo estava duríssimo. Não tinha como não deixar de lado alguns nomes consagrados. Assim, Alexander Payne (Nebraska), Spike Jonze (Ela) e Joel e Ethan Coen (Inside Llewyn Davis) foram eliminados por um nariz de diferença. Confira os selecionados:

DIRECTORS GUILD AWARDS

AlfonsoCuaron.ashxAlfonso Cuarón (Gravidade)
O diretor mexicano é um ótimo exemplo de como um profissional estrangeiro consegue atingir maturidade na indústria americana. Cuarón sempre primou por sua marca imagética. Seja um filme poético como A Princesinha, um blockbuster (Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban), um road movie pós-moderno (E Sua Mãe Também) ou criando um novo marco tecnológico (Gravidade), o diretor de fotografia e colaborador assíduo, Emmanuel Lubezki, foi sempre fundamental em sua escrita. Seria uma grata surpresa uma dupla vitória neste Oscar: direção para Cuarón e o merecidíssimo de fotografia para Lubezki.

Paul Greengrass (Capitão Phillips)PaulGreengrass.ashx
Descoberto pelo ótimo drama Domingo Sangrento, que lhe rendeu o Urso de Ouro em 2002, o britânico Greengrass criou um nicho no cinema contemporâneo no qual ele pode trabalhar a linguagem documental numa ficção, gerando uma veracidade que espanta e emociona o público. Ele conseguiu essa proeza em Vôo United 93 na recriação do atentado terrorista do 11 de setembro e nesse episódio de pirataria moderna de Capitão Phillips, criando uma tensão interminável. Também emprestou seu estilo à série de ação e espionagem de Jason Bourne em A Supremacia Bourne e O Ultimato Bourne, que obrigou os produtores de James Bond a repensar a criação de Ian Fleming.

Steve McQueen (12 Anos de Escravidão)SteveMcQueen.ashx
Artista plástico premiado, este diretor britânico, que compartilha o mesmo nome artístico do ator Steve McQueen, está em extrema ascensão em apenas seu terceiro longa. Como bom entendedor do poder da imagem para uma história, ele busca aqueles enquadramentos que possam dizer algo sobre o filme que vemos. Em Shame, por exemplo, ele usa e abusa das linhas urbanas do cenário para contar um pouco mais sobre o personagem viciado em sexo numa cidade que ostenta a civilidade. Sendo um negro e com um filme sobre escravidão na manga, Steve McQueen corre na frente, afinal, eles adorariam a manchete: “O primeiro diretor afro-americano a ganhar um Oscar”. Sinceramente, espero que ele ganhe por méritos profissionais, e não raciais, pois trata-se de uma voz singular no cinema contemporâneo.

David O. Russell (Trapaça)DavidORussell.ashx
“Há um parafuso faltando aqui”, pensava eu ao falar de David O. Russell, na época em que vi Três Reis (1999) e Huckabees: A Vida é uma Comédia (2004). Não que isso seja ruim. Muito pelo contrário! Ele tinha um senso de humor bastante incomum que me atraía, mas eu sentia que ele não conseguiria decolar em Hollywood apenas com aquilo. Felizmente, nosso David O. Russell amadureceu seu cinema e nos entregou ótimos filmes como os recentes O Vencedor (2010) e O Lado Bom da Vida (2012). De longe, concordo, são filmes que você não dá nada. Não tem uma grandiosidade de um gladiador ou um grande navio afundando, mas ele explora tão bem a humanidade das histórias simples que fica impossível não lhe dar crédito. Além disso, tem se tornado um dos melhores diretores de atores dos últimos anos. Já conquistou sete indicações e três Oscars de atuação de seus elencos: Melissa Leo, Christian Bale e Jennifer Lawrence. Tem tudo pra conquistar mais com Trapaça e pode se tornar a grande surpresa da categoria.

scorsesewolf.ashxMartin Scorsese (O Lobo de Wall Street)
O que dizer de Marty? Nem posso dizer que ele é como vinho, que fica melhor a cada ano, pois também dirigiu obras-primas como Taxi Driver (1976) e Touro Indomável (1980) no passado. Mas definitivamente não existe diretor mais apaixonado por Cinema do que Scorsese. Isso já estava provado nas incontáveis entrevistas e no apoio às restaurações de películas antigas e perdidas no tempo. Ele comprovou essa paixão numa tocante homenagem à Sétima Arte e a Georges Méliès em A Invenção de Hugo Cabret. Talvez a polêmica sobre sexo e drogas de O Lobo de Wall Street atrapalhe na conquista de mais uma indicação ao Oscar, mas se ele está nesta lista, não acredito que seja favorecimento nenhum. Martin Scorsese cria filmes atemporais.

Ainda está cedo para previsões de vitória, mas até o momento, Alfonso Cuarón e Steve McQueen dividem a ponta, com David O. Russell cheirando o cangote deles logo atrás. E o vencedor tem 99% de vitória no Oscar, pois não creio em duas exceções consecutivas na história do DGA.

PGA headerJá o sindicato de Produtores teve uma tarefa mais fácil. Ou pelo menos, menos árdua do que o DGA, afinal poderiam selecionar 10 produções. Contudo, com uma grande variedade de candidatos de boa qualidade, dez vagas também não deram conta de tudo.

Vale destacar a importante marca para a produtora Megan Ellison (da Annapurna Pictures). Ela foi a única a conquistar duas indicações com Trapaça e Ela. Megan poderia ter conquistado três, mas Foxcatcher foi adiado para 2014. No ano passado, ela produziu dois filmes de qualidade e que ainda geraram discussão acalorada na mídia e na temporada de premiações: O Mestre e A Hora Mais Escura. Numa Hollywood dominada por produtores covardes e que só pensam em lucro, a presença de Megan Ellison me enche de esperança. Claro que ninguém é de ferro. Ela vai produzir o reboot de uma nova trilogia de O Exterminador do Futuro, que começa em 2015. Mas mesmo assim, acredito que ela não fará apenas pelas bilheterias. Guardem o nome dela, pois mais conquistas importantes estão por vir.

A produtora Megan Ellison (à dir) ao lado da diretora Kathryn Bigelow e da bela atriz Jessica Chastain na festa do Globo de Ouro 2013. (photo by www.vanityfair.com)

A produtora Megan Ellison (à dir) ao lado da diretora Kathryn Bigelow e da bela atriz Jessica Chastain na festa do Globo de Ouro 2013. (photo by http://www.vanityfair.com)

MELHORES PRODUTORES – LONGAS-METRAGENS

Trapaça (American Hustle)
Blue Jasmine (idem)
Capitão Phillips (Captain Phillips)
Clube de Compras Dallas (Dallas Buyers Club)
Gravidade (Gravity)
Ela (Her)
Nebraska
Walt nos Bastidores de Mary Poppins (Saving Mr. Banks)
12 Anos de Escravidão (12 Years a Slave)
O Lobo de Wall Street (The Wolf of Wall Street)

Em 2011, o PGA decidiu estender seus indicados para 10 fixos, o que não ocorre no Oscar, onde pode haver de 5 a 10. Vale ressaltar também o alto índice de acertos de vencedores em relação à Academia. Em seus 24 aninhos de existência, o PGA elegeu 17 vezes o vencedor de Melhor Filme no Oscar, incluindo os recentes Argo e O Artista. A última divergência ocorreu em 2007, quando Pequena Miss Sunshine perdeu para Os Infiltrados.

Para a edição de 2014, as ausências mais sentidas foram Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum e Fruitvale Station: A Última Parada pela alta participação nas últimas listas de críticos. Mas vale citar também Álbum de Família, All is Lost e Philomena, que conseguiu uma indicação ao Globo de Ouro.

Dentre os 10 candidatos, Trapaça, 12 Anos de Escravidão e Gravidade largam na frente, mas Ela pode roubar o show sem grandes dificuldades por ser querido pela crítica. Por outro lado, se pensarmos em bilheteria, Gravidade tem todas as cartas por ter faturado mais de 600 milhões de dólares mundo afora, muito longe dos 208 milhões do segundo lugar Capitão Phillips. No Oscar, eu ainda acho que Gravidade deverá se concentrar nos prêmios mais técnicos como fotografia, montagem e som.

Gravidade: no páreo para o DGA e PGA (photo by www.beyondhollywood.com)

Gravidade: no páreo para o DGA e PGA (photo by http://www.beyondhollywood.com)

MELHORES PRODUTORES – ANIMAÇÕES

Os Croods (The Croods)
Meu Malvado Favorito 2 (Despicable Me 2)
Reino Escondido (Epic)
Frozen: Uma Aventura Congelante (Frozen)
Universidade Monstros (Monsters University)

Sem um dos grandes favoritos fora do páreo por não pertencer ao sindicato americano, a animação japonesa Vidas ao Vento, de Hayao Miyazaki, a categoria conta apenas com produções de grandes estúdios como Disney, Pixar, Dreamworks e Universal. Porém, essa ausência não deve reduzir as chances de Miyazaki conseguir sua segunda estatueta do Oscar. Ainda não conferi Frozen, mas premiaria Os Croods pela alta abrangência de público-alvo de sua história de uma família das cavernas se adaptando às mudanças na Terra.

Os Croods: caminho mais livre para o PGA (photo by www.beyondhollywood.com)

Os Croods: caminho mais livre para o PGA (photo by http://www.beyondhollywood.com)

MELHORES PRODUTORES – DOCUMENTÁRIOS

A Place at the Table
Far Out Isn’t Far Enough
Life According to Sam
We Steal Secrets: The Story of WikiLeaks
Which Way is the Front Line From Here? The Life and Time of Tim Hetherington

Com o documentário História que Contamos, de Sarah Polley, fora da competição, o grande favorito fica sendo We Steal Secrets, que aborda a história do WikiLeaks do exilado Julian Assange. Conta muito a favor ter o diretor Alex Gibney, de Um Táxi Para a Escuridão, que ganhou o Oscar em 2008. Infelizmente, não há previsão de estréia no Brasil para a maioria dos documentários, o que dificulta a análise dessa categoria.

Julian Assange no documentário de Alex Gibney (photo by www.elfilm.com)

Julian Assange no documentário de Alex Gibney (photo by http://www.elfilm.com)

Dos três sindicatos, o WGA é o menos badalado. Mas não porque se trataria de um prêmio menor, mas suas regras inviabilizam indicações de trabalhos pertinentes. Como os demais prêmios, ele exige a filiação do profissional ao sindicato, mas também a exigência da produção do filme sob a sua jurisdição, o que implica em mais regras que eliminam bons candidatos.

Desse modo, as estatísticas de acerto são bem menores. Os excluídos pela regra deste ano incluem: John Ridley (12 Anos de Escravidão), Steve Coogan e Jeff Pope (Philomena), Ryan Coogler (Fruitvale Station: A Última Parada), Peter Morgan (Rush: No Limite da Emoção) e Abdellatif Kechiche e Ghalia Lacroix (Azul é a Cor Mais Quente). Já os trabalhos originais incluem: Alfonso Cuarón e Jonas Cuarón (Gravidade), Joel e Ethan Coen (Inside Llewyn Davis), Kelly Marcel e Sue Smith (Walt nos Bastidores de Mary Poppins) e Jason Reitman (Refém da Paixão).

Claro que se levarmos em consideração que a Academia também premia roteiros desclassificados pela WGA, essas exclusões não pesariam tanto na temporada. Só para citar um exemplo, o roteiro de Quentin Tarantino para Django Livre foi cortado da WGA, mas ganhou o Oscar.

ROTEIRO ORIGINAL

Eric Singer, David O. Russell (Trapaça)
Woody Allen (Blue Jasmine)
Craig Borten, Melisa Wallack (Clube de Compras Dallas)
Spike Jonze (Ela)
Bob Nelson (Nebraska)

ROTEIRO ADAPTADO

Tracy Letts (Álbum de Família)
Richard Linklater, Ethan Hawke, Julie Delpy (Antes da Meia-Noite)
Billy Ray (Capitão Phillips)
Peter Berg (O Grande Herói)
Terence Winter (O Lobo de Wall Street)

O diretor e roteirista Richard Linklater entre os atores e roteiristas Julie Delpy e Ethan Hawke no set de Antes da Meia-Noite (photo by www.elfilm.com)

O diretor e roteirista Richard Linklater entre os atores e roteiristas Julie Delpy e Ethan Hawke no set de Antes da Meia-Noite (photo by http://www.elfilm.com)

ROTEIRO DE DOCUMENTÁRIO

David Riker, Jeremy Scahill (Guerras Sujas)
Sara Lukinson, Michael Stevens (Herblock: The Black & the White)
Janet Tobias, Paul Laikin (No Place on Earth)
Sarah Polley (Histórias que Contamos)
Alex Gibney (We Steal Secrets: The Story of WikiLeaks)

Indicados ao BAFTA Rising Star de 2014 (photo by www.empireonline.com)

Indicados ao BAFTA Rising Star de 2014, do topo da esquerda à direita: Dane DeHaan, Lupita Nyong’o, Léa Seydoux, Will Poulter e George MacKay (photo by http://www.empireonline.com)

Também gostaria de aproveitar o post para divulgar os indicados ao Rising Star do BAFTA, concedido a um ator ou atriz revelação que se destacou no ano. Vencedores recentes incluem Juno Temple, Tom Hardy e Kristen Stewart. Porém, vale lembrar que os vencedores são eleitos pelo público, o que quase sempre resulta em vitória injusta. Talentos como Michael Fassbender, Carey Mulligan e Alicia Vikander já concorreram, mas perderam em edições anteriores. Particularmente, tenho certa aversão às escolhas do público como no MTV Movie Awards. Se dependesse dos votos na internet, os melhores filmes de todos os tempos seriam Star Wars e O Senhor dos Anéis para toda a eternidade…

Dane DeHaan
George MacKay
Lupita Nyong’o
Will Poulter
Léa Seydoux

* Fique atento às datas: O PGA divulga seus vencedores no dia 19 de janeiro. O DGA no dia 25, enquanto o WGA fica para o dia 1º de fevereiro.

‘Trapaça’ conquista 3 prêmios no NYFCC 2013

Vencedora do prêmio de coadjuvante, Jennifer Lawrence (à esquerda) divide cena com Amy Adams em Trapaça (photo by ww.elfilm.com)

Vencedora do prêmio de coadjuvante, Jennifer Lawrence (à esquerda) divide cena com Amy Adams em Trapaça (photo by ww.elfilm.com)

A New York Film Critics Circle, formada por críticos nova-iorquinos, divulgou sua lista anual de premiados:

FILME: Trapaça (American Hustle)
DIRETOR: Steve McQueen (12 Years a Slave)
ATOR: Robert Redford (All is Lost)
ATRIZ: Cate Blanchett (Blue Jasmine)
ATOR COADJUVANTE: Jared Leto (Dallas Buyers Club)
ATRIZ COADJUVANTE: Jennifer Lawrence (Trapaça)
ROTEIRO: Eric Singer, David O. Russell (Trapaça)
FOTOGRAFIA: Bruno Delbonnel (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum)
FILME ESTRANGEIRO: Azul é a Cor Mais Quente (La Vie d’Adèle), de Abdellatif Kechiche (França)
DOCUMENTÁRIO: Stories We Tell, de Sarah Polley
ANIMAÇÃO: O Vento Está Soprando, de Hayao Miyazaki
PRIMEIRO FILME: Fruitvale Station: A Última Parada, de Ryan Coogler

Os três prêmios para Trapaça surpreendeu aqueles que acompanhavam a corrida do Oscar 2014, que tinha como favoritos 12 Years a Slave, de Steve McQueen, e Gravidade, de Alfonso Cuarón. Como o editor da Variety, Tim Gray, comentou: “…the critics prizes take the pressure off each of the films as the One To Beat (os prêmios dos críticos tiram a pressão dos filmes considerados favoritos)”.

No set de 12 Years a Slave, o diretor britânico Steve McQueen faturou o prêmio de Diretor (photo by www.collider.com)

No set de 12 Years a Slave, o diretor britânico Steve McQueen faturou o prêmio de Diretor (photo by http://www.collider.com)

Além dessa virtude, os críticos têm como objetivo lembrar a variedade de bons filmes que têm chances reais de chegar ao Oscar de Melhor Filme, principalmente com 10 indicados, evitando aqueles casos de franco-favoritismo que papa mais de 10 estatuetas como fizeram os recordistas Ben-Hur e Titanic. Além dos filmes já citados, temos Nebraska, de Alexander Payne, O Lobo de Wall Street, de Martin Scorsese, Álbum de Família, de John Wells, Capitão Phillips, de Paul Greengrass, O Mordomo da Casa Branca, de Lee Daniels, e Inside Llewyn Davis, de Joel e Ethan Coen, só para citar alguns.

Apesar da vitória no NYFCC significar pontuação na corrida para o Oscar, vale ressaltar que os críticos nova-iorquinos não estão tão em sintonia com a Academia. Nos últimos 10 anos, apenas em quatro vezes os Melhores Filmes coincidiram: em 2011 com O Artista, 2009: Guerra ao Terror, 2007: Onde os Fracos Não Têm Vez, e 2003: O Senhor dos Anéis – O Retorno do Rei. Sem contar os atores que nem chegam a ser indicados no Oscar como os vencedores do ano passado de Melhor Atriz e Ator Coadjuvante, respectivamente: Rachel Weisz (Amor Profundo) e Matthew McConaughey (Magic Mike).

Como Trapaça teve sua premiere agora nos EUA, (sim, o Brasil não tem pressa nenhuma. Estréia marcada para fevereiro de 2014!), alguns talvez façam a leitura de que o NYFCC estaria tentando compensar a ausência total de O Lado Bom da Vida, do mesmo diretor David O. Russell, da última edição. Em 2012, eles premiaram o polêmico A Hora Mais Escura, de Kathryn Bigelow. Como o filme foi acusado erroneamente de fazer apologia à tortura e gerou uma série de discussões, talvez eles quiseram deixar polêmicas de lado e apostaram em David O. Russell, que sempre fez filmes mais light. Apesar de ter ter sido premiado como diretor, recebeu a honraria de Melhor Roteiro juntamente com o colaborador Eric Singer.

Embora a vitória de Jennifer Lawrence tenha possibilidade de também se encaixar na leitura de compensação por 2012, comprova que a jovem continua no topo de Hollywood aos 23 anos. Ela sabe aliar com maestria o sonho de todo ator: sucesso de crítica e público. Seu outro trabalho de 2013, a seqüência Jogos Vorazes: Em Chamas já conquistou 300 milhões de dólares apenas em sua segunda semana nos EUA. Como a corrida da categoria de coadjuvante está relativamente mais fraca, Lawrence deve figurar entre as indicadas do Oscar 2014, mas como já ganhou este ano, não deve ter muitas chances.

No geral, a premiação do NYFCC foi bastante democrática. Lembrou bons trabalhos de 2013 como a direção de Steve McQueen em 12 Years a Slave. Apesar deste ser apenas seu terceiro longa, o diretor britânico vem conquistando muito prestígio da ala artística americana depois dos aclamados Fome (2008) e Shame (2011). O NYFCC consagra o talento e a versatilidade de Cate Blanchett, que vive uma socialite falida no novo filme de Woody Allen, Blue Jasmine, e resgata o veterano da atuação e charme em pessoa Robert Redford, por sua interpretação em All is Lost, um drama de ação em que um marinheiro encara sua mortalidade após a colisão de seu barco em alto mar.

Aos 77 anos, Robert Redford é o único ator do segundo longa do jovem J.C. Chandor, All is Lost (photo by www.elfilm.com)

Aos 77 anos, Robert Redford é o único ator do segundo longa do jovem J.C. Chandor, All is Lost (photo by http://www.elfilm.com)

Assim como eles, o ator Jared Leto, que ficou conhecido por Réquiem Para um Sonho (2001) e retornou de um afastamento de quatro anos dos cinemas, deve conquistar uma indicação pela ousadia de seu papel em Dallas Buyers Club. Na produção independente, Leto dá vida a Rayon, um gay travesti que ajuda o protagonista Ron Woodroof (Matthew McConaughey) a encontrar uma cura para o HIV em meados da década de 80. Além do homossexualismo e do travestismo já chamarem atenção para o papel, o ator também perdeu cerca de 13 quilos para viver Rayon, o que deve lhe garantir auto-publicidade até março.

Já na categoria de Filme Estrangeiro, é uma pena que Azul é a Cor Mais Quente não possa disputar o Oscar. Infelizmente, as regras arcaicas da Academia desqualificaram o filme vencedor da Palma de Ouro por estrear na França após o prazo permitido. Assim, um dos filmes mais aclamados da temporada fica de fora da categoria, mas dependendo do lobby, talvez conquista uma indicação para Direção (Abdellatif Kechiche) e Atriz (Adèle Exarchopoulos).

Vencedor da Palma de Ouro e do prêmio do NYFCC, Azul é a Cor Mais Quente está fora da corrida pelo Oscar de Filme Estrangeiro. Porém a bela Adèle Exarchopoulos pode ser uma surpresa (photo by www.elfilm.com)

Vencedor da Palma de Ouro e do prêmio do NYFCC, Azul é a Cor Mais Quente está fora da corrida pelo Oscar de Filme Estrangeiro. Porém a bela Adèle Exarchopoulos pode ser uma surpresa (photo by http://www.elfilm.com)

O prêmio de Melhor Fotografia para Bruno Delbonnel deve reforçar a campanha para sua 4ª indicação ao Oscar. Após ter sido indicado por O Fabuloso Destino de Amélie Poulain (2001), Eterno Amor (2004) e Harry Potter e o Enigma do Príncipe (2009), o diretor de fotografia francês pode vencer, caso o franco-favorito mexicano Emmanuel Lubezki não figurar na lista por Gravidade. E, espero que a vitória da animação japonesa O Vento Está Soprando também se transforme em indicação e segundo Oscar para o mestre Hayao Miyazaki. Considerado um ano fraco para animações dos grandes estúdios, Miyazaki e seu Studio Ghibli podem se consagrar mais uma vez na Academia.

O diretor de fotografia francês Bruno Delbonnel dá o toque artístico ao visual de Inside Llewyn Davis, dos irmãos Coen (photo by www.elfilm.com)

O diretor de fotografia francês Bruno Delbonnel dá o toque artístico ao visual de Inside Llewyn Davis, dos irmãos Coen (photo by http://www.elfilm.com)

O prêmio de Primeiro Filme acabou indo para Fruitvale Station: A Última Parada, que visa não apenas o merecimento do diretor Ryan Coogler, mas de todo o elenco formado por Michael B. Jordan, Melonie Diaz, Octavia Spencer e Chad Michael Murray. A produção independente foi bastante aplaudida no último Festival de Cannes, e mais recentemente, recebeu 3 indicações ao Independent Spirit Awards. Com a benção do lobby de Harvey Weinstein, o filme pode surpreender ainda mais espaço nessa corrida ao Oscar.

E como Melhor Documentário, um trabalho singelo da diretora e atriz canadense Sarah Polley intitulado Stories We Tell. Ao contrário da maioria dos documentários que visa temas polêmicos, ela opta por um trabalho mais intimista ao atuar como entrevistadora num experimento que busca identificar mitos e verdades sobre sua família. Aliás, o documentário foi pré-selecionado para competir no Oscar de Melhor Documentário.

A diretor e atriz canadense Sarah Polley foi premiada por seu documentário intimista (photo by www.outnow.ch)

A diretor e atriz canadense Sarah Polley foi premiada por seu documentário intimista (photo by http://www.elfilm.com)

Veja lista dos 15 semi-finalistas:

– O Ato de Matar (The Act of Killing), de Joshua Oppenheimer
– The Armstrong Lie, de Alex Gibney
– Blackfish, de Gabriela Cowperthwaite
– The Crash Reel, de Lucy Walker
– Cutie and the Boxer, de Zachary Heinzerling
– Dirty Wars, de Rick Rowley
– First Cousin Once Removed, de Alan Berliner
– God Loves Uganda, de Roger Ross Williams
– Life According to Sam, de Sean Fine, Andrea Nix
– Pussy Riot: A Punk Prayer, de Mike Lerner, Maxim Pozdorovkin
– The Square, de Jehane Noujaim
– Stories We Tell, de Sarah Polley
– Tim’s Vermeer, de Teller
– 20 Feet from Stardom, de Morgan Neville
– Which Way Is the Front Line from Here? The Life and Time of Tim Hetherington, de Sebastian Junger

The Armstrong Lie, de Alex Gibney, destrincha os altos e baixos do campeão Lance Armstrong que venceu 7 Tour de France, mas perdeu após exame anti-dopping (photo by www.outnow.ch)

The Armstrong Lie, de Alex Gibney, destrincha os altos e baixos do campeão Lance Armstrong que venceu 7 Tour de France, mas perdeu após exame anti-dopping (photo by http://www.outnow.ch)

‘Argo’ vence prêmios dos sindicatos de roteiristas e montadores

WGA: Writers Guild Awards 2013 (logo in theartsyfilmblog.com)

WGA: Writers Guild Awards 2013 (logo in theartsyfilmblog.com)

Mais dois prêmios divulgaram suas lista de vencedores: O Writers Guild of America (WGA) e o American Cinema Editors (Eddie). Enquanto o reconhecimento dos escritores se divide nas categorias Roteiro Original, Roteiro Adaptado e Documentário, o dos montadores abrange mais filmes ao criar as categorias de Musical ou Comédia,  Drama, Documentário e Animação.

Writers Guild of America

ROTEIRO ORIGINAL

• Mark Boal (A Hora Mais Escura)

– Rian Johnson (Looper: Assassinos do Futuro)

– Paul Thomas Anderson (O Mestre)

– Wes Anderson, Roman Coppola (Moonrise Kingdom)

– John Gatlins (O Vôo)

ROTEIRO ADAPTADO

• Chris Terrio (Argo)

– David Magee (As Aventuras de Pi)

– David O. Russell (O Lado Bom da Vida)

– Tony Kushner (Lincoln)

– Stephen Chbosky (As Vantagens de ser Invisível)

DOCUMENTÁRIO

– Ken Burns, David MacMahon, Sarah Burns (Central Park Five)

• Malik Bendjelloul (Searching for Sugar Man)

– Kirby Dick (The Invisible War)

– Alex Gibney (Mea Maxima Culpa: Silence in the House of God)

– Brian Knappenberger (We Are Legion: The Story of the Hacktivists)

– Billy McMillin, Amy Berg (West of Memphis)

O WGA costuma servir de parâmetro para as respectivas categorias no Oscar. Em 2012, os vencedores coincidiram: Woody Allen levando Roteiro Original por Meia-Noite em Paris, e Alexander Payne, Nat Faxon e Jim Rash conquistaram Roteiro Adaptado por Os Descendentes. Contudo, essa bola de cristal se quebra quando um roteirista não é filiado ao sindicato como aconteceu em 2011, quando David Seidler sequer foi indicado ao WGA, mas ganhou o Oscar por O Discurso do Rei.

O vencedor do WGA award de Melhor Roteiro Original, Mark Boal, por A Hora Mais Escura (photo by usatoday.com)

O vencedor do WGA award de Melhor Roteiro Original, Mark Boal, por A Hora Mais Escura (photo by usatoday.com)

Este ano, essa divergência pode se repetir, uma vez que Quentin Tarantino (Django Livre) nem consta na lista do WGA, mas pode levar o Oscar devido às controvérsias do filme A Hora Mais Escura, vencedor.

Apesar dessa importante vitória, há um receio de que as acusações de apologia à tortura possam atrapalhar a campanha de A Hora Mais Escura. O roteirista Mark Boal, também produtor do filme, tem buscado reverter o quadro com incontáveis entrevistas ao lado da diretora Kathryn Bigelow. Em nenhum momento o filme condiz com a tortura, mas nem por isso deixaria de retratá-la por ser uma parte das buscas ao inimigo nº 1 dos EUA.

Essa oposição, encabeçada pelos senadores John McCain (candidato do partido republicano à presidência norte-americana em 2008) e Diane Feirstein, acusa o filme de retratar uma mentira. Para eles, interrogatórios sob tortura com o objetivo de conseguir pistas valiosas sobre o paradeiro do líder terrorista Osama Bin Laden nunca aconteceram, e que os EUA nunca sujaram suas mãos para obterem pistas concretas essa caça que perdurou por mais de 10 anos.

Vencedor por Argo, Chris Terrio, com seu WGA award (photo by filmofilia.com)

Vencedor por Argo, Chris Terrio, com seu WGA award (photo in filmofilia.com by Getty Images)

Outro roteirista que se beneficiou bastante com esta vitória em relação ao Oscar foi Chris Terrio. A categoria de Roteiro Adaptado está acirradíssima, pois os candidatos a Melhor Filme do Oscar estão em disputa (Lincoln e O Lado Bom da Vida). Explorando uma excelente história verídica do resgate de seis diplomatas americanos do Irã, o roteirista estreante conseguiu manter a tensão do acontecimento sem deixar o filme pesado e chato.

Particularmente, acredito que o filme seria perfeito se mostrasse mais a produção do filme falso “Argo”. Assim como aconteceu na realidade, “Argo” nem deve ter iniciado as filmagens, mas como se trata de um filme inspirado em fatos reais, Chris Terrio poderia ter explorado mais essa inusitada situação de Hollywood no Irã filmando uma ficção científica. Mas Terrio já merece seu prêmio e espero que consiga repetir o feito na cerimônia da Academia.

Vencedor por Searching for Sugar Man, o diretor Malik Bendjelloul recebe prêmio WGA (photo by imdb.com)

Vencedor por Searching for Sugar Man, o diretor Malik Bendjelloul recebe prêmio WGA (photo by imdb.com)

Na categoria de documentário, Malik Benjelloul conquista outro importante prêmio rumo ao Oscar. Seu Searching Sugar Man vem comovendo crítica e público com sua busca pelo músico dos anos 70, Rodriguez, na África do Sul. Se ainda há alguma chance para os demais indicados, agora são mínimas.

O prêmio do Sindicato de Montadores, o famoso Eddie (de Editors) - photo by goldderby.com

O prêmio do Sindicato de Montadores, o famoso Eddie (de Editors) – photo by goldderby.com

American Cinema Editors

O Eddie Wards se trata também de um ótimo parâmetro para sua categoria no Oscar. Com exceção do ano anterior, quando Os Descendentes e O Artista perderam para Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres,  o vencedor coincide desde 2002.

Indicado ao Oscar em outras duas oportunidades por O Informante (1999) e Seabiscuit – Alma de Herói (2003), mas sem nenhuma vitória, o editor William Goldenberg tem mais duas chances de levar a estatueta por A Hora Mais Escura e Argo, levando o Eddie pelo último. Sua montagem oferece dinâmica ao moroso trabalho de resgate dos americanos do Irã, colabora bastante para o equilíbrio no misto de gêneros que a trama abrange, e gera muita tensão na sequência final, mesmo que o público já saiba do final da história.

Momento de tensão em Argo (photo by BeyondHollywood.com)

Momento de tensão em Argo (photo by BeyondHollywood.com)

Única comédia a conquistar uma vaga no Oscar, O Lado Bom da Vida bateu seus concorrentes mais fortes: Os Miseráveis e Moonrise Kingdom no Eddie Awards, porém tem chances mínimas na disputa da Academia.

Pelo ótimo uso da montagem para criar humor, o trabalho de Andrew Weisblum foi muito mais importante para Moonrise Kingdom. O timing cômico gerado a partir de cortes secos merecia mais destaque nessas premiações e no próprio Oscar.

Já os prêmios das categorias Documentário e Animação só reforçam o favoritismo dos filme Searching for Sugar Man e Detona Ralph, respectivamente. Apesar de Detona Ralph ter conquistado boa parte dos reconhecimentos da categoria, ainda acredito que Frankenweenie pode ser uma excelente oportunidade de premiar um diretor tão criativo e querido como Tim Burton.

Seguem filmes indicados e premiados:

MELHOR MONTAGEM – DRAMA

– William Goldenberg, Dyaln Tichenor (A Hora Mais Escura)

• William Goldenberg (Argo)

– Michael Khan (Lincoln)

– Stuart Baird (007 – Operação Skyfall)

– Tim Squyres (As Aventuras de Pi)

MELHOR MONTAGEM – COMÉDIA OU MUSICAL

– Jeff Freeman (Ted)

• Crispin Struthers, Jay Cassidy (O Lado Bom da Vida)

– Chris Dickens, Melanie Oliver (Os Miseráveis)

– Andrew Weisblum (Moonrise Kingdom)

– Chris Gill (O Exótico Hotel Marigold)

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO

– Mark Magidson, Ron Fricke (Samsara)

• Malik Bendjelloul (Searching for Sugar Man)

– Billy McMillin (West of Memphis)

MELHOR MONTAGEM – ANIMAÇÃO

– Joyce Arrastia (A Origem dos Guardiões)

– Robert Grahamjones, David Suther, Nicholas C.  Smith (Valente)

– Mark Solomon, Chris Lebenzon (Frankenweenie)

• Tim Mertens (Detona Ralph)

Cena do documentário premiado Searching for Sugar Man (photo by OutNow.CH)

Cena do documentário premiado Searching for Sugar Man (photo by OutNow.CH)

A 85ª cerimônia do Oscar será transmitida ao vivo pelo canal pago TNT no dia 24 de fevereiro.

Indicados ao Producers Guild e Writers Guild 2013

Adoro quando crianças prestam atenção aos filmes! Não, esta é uma criança holandesa... (Foto por Robin Utrecht/EFE)

Adoro quando crianças prestam atenção aos filmes! Não, esta é uma criança holandesa… (Foto por Robin Utrecht/EFE)

Primeiramente, Feliz Ano Novo para todos! Happy New Year for everyone! Que 2013 seja infinitamente superior ao ano passado, especialmente na parte financeira, na qualidade crítica dos filmes em cartaz e na educação e bom senso dos frequentadores das salas de cinema! Bom, dito isso, vamos aos negócios!

Mal o ano começou e os sindicatos dos produtores e dos escritores divulgaram a lista de indicados ao prêmio. Em relação ao primeiro, em condições normais, os filmes presentes nessa lista costumam ter meio caminho andado para uma vaga na categoria Melhor Filme no Oscar.

O Producers Guild Awards já premia as produções fílmicas desde 1990. Seguindo as estatísticas, o reconhecimento serve como um bom parâmetro: dos 23 filmes premiados, 16 levaram o Oscar de Melhor Filme.

Curiosamente, os vencedores dos últimos cinco anos, repetiram o feito no Oscar: Onde os Fracos Não Têm Vez, Quem Quer Ser um Milionário?, Guerra ao Terror, O Discurso do Rei, e O Artista. Tudo leva a crer que o vencedor deste ano sairá com as duas estatuetas.

Segue a lista dos dez indicados ao PGA:

– Argo (Argo)

– Indomável Sonhadora (Beasts of the Southern Wild)

– Django Livre (Django Unchained)

– Os Miseráveis (Les Misérables)

– As Aventuras de Pi (Life of Pi)

– Lincoln (Lincoln)

– Moonrise Kingdom (Moonrise Kingdom)

– O Lado Bom da Vida (Silver Linings Playbook)

– 007 – Operação Skyfall (Skyfall)

– A Hora Mais Escura (Zero Dark Thirty)

Olhando a lista, duas grandes surpresas podem ser notadas. Apesar do filme ser bom, 007 – Operação Skyfall faz parte de uma franquia de 23 filmes que nunca foi muito popular em premiações, até mesmo porque houve épocas em que o personagem ficou caricato e supérfluo. Os filmes do agente secreto sempre ficaram restritas às categorias técnicas como de Melhores Efeitos Sonoros e Melhor Canção. Contudo, como 007 – Operação Skyfall foi o primeiro da série a ultrapassar a barreira do bilhão nas bilheterias internacionais e tem sido bem elogiado pelos trabalhos do diretor Sam Mendes e do elenco, o filme pode conquistar mais do que indicações técnicas e canção (para Adele).

Com Daniel Craig, os filmes de James Bond atingiram um novo patamar nas bilheterias e com a crítica, sem abrir mão da tradição de Ian Fleming (foto por BeyondHollywood.com)

Com Daniel Craig, os filmes de James Bond atingiram um novo patamar nas bilheterias e com a crítica, sem abrir mão da tradição de Ian Fleming (foto por BeyondHollywood.com)

Por outro lado, a ausência de The Master deve ter sido bastante discutida entre os críticos e especialistas. De acordo c0m a temporada de premiação, o novo filme de Paul Thomas Anderson é típico daqueles “ame ou odeie”, o que não é novidade na curta filmografia do diretor. Anderson tem um estilo bastante frio e incomum, mas mesmo um cinéfilo descontente conseguiria distinguir alguma qualidade em seu trabalho. Alguns acreditam que o fato de ele mexer no tema (sagrado) da Cientologia, pode ter afundado seu barco antes de chegar ao Oscar (teoria da conspiração que também acredito). Resta saber se as prováveis indicações de seus atores Joaquin Phoenix, Philip Seymour Hoffman e Amy Adams podem resgatar o prestígio da produção no tapete vermelho.

Podem Joaquin Phoenix e os demais atores salvar The Master do esquecimento? (foto por BeyondHollywood.com)

Podem Joaquin Phoenix e os demais atores salvar The Master do esquecimento? (foto por BeyondHollywood.com)

Pode soar um comentário vazio, mas a lista do PGA se mostra bem consistente. Qualquer um dos dez têm chances reais de vitória. Entretanto, acho que o prêmio deve ficar entre Argo, Lincoln e A Hora Mais Escura, de acordo com o histórico de críticas e premiações.

Já o Writers Guild of America tem um histórico meio conturbado com a Academia. No WGA, regras rígidas desqualificam alguns roteiros que podem ganhar o Oscar em seguida. Em 2011, o roteiro de O Discurso do Rei sequer figurou na lista de indicados do WGA, mas levou Melhor Roteiro Original no Oscar. Além disso outros roteiros foram inelegíveis naquele ano simplesmente porque não foram escritos por membros do sindicato de roteiristas: Toy Story 3, Inverno da Alma e Namorados Para Sempre. Em 2012, felizmente os vencedores coincidiram: Roteiro Original para Woody Allen (Meia-Noite em Paris) e Roteiro Adaptado para Alexander Payne, Nat Faxon e Jim Rash (Os Descendentes).

Seguem as listas dos indicados deste ano:

INDICADOS A ROTEIRO ORIGINAL

  • John Gatins (Flight)
  • Rian Johnson (Looper: Assassinos do Futuro)
  • Paul Thomas Anderson (The Master)
  • Wes Anderson & Roman Coppola (Moonrise Kingdom)
  • Mark Boal (A Hora Mais Escura)

INDICADOS A ROTEIRO ADAPTADO

  • Chris Terrio (Argo); Baseado numa seleção de The Master of Disguise por Antonio J. Mendez e o artigo na revista Wired “The Great Escape” por Joshuah Bearman
  • David Magee (As Aventuras de Pi); baseado no romance de Yann Martel
  • Tony Kushner (Lincoln); baseado em partes do livro Team of Rivals: The Political Genius of Abraham Lincoln de Doris Kearns Goodwin
  • Stephen Chbosky (As Vantagens de Ser Invisível); baseado em seu livro
  • David O. Russell (O Lado Bom da Vida); baseado no romance de Matthew Quick

INDICADOS A ROTEIRO DE DOCUMENTÁRIO

  • Sarah Burns, David McMahon e Ken Burns (The Central Park Five)
  • Kirby Dick (The Invisible War)
  • Alex Gibney (Mea Maxima Culpa: Silence in the House of God)
  • Malik Bendejelloul (Searching for Sugar Man)
  • Brian Knappenberger (We Are Legion: The Story of the Hacktivists)
  • Amy Berg & Billy McMillin (West of Memphis)

Na categoria de Roteiro Original, a briga deve ficar entre Paul Thomas Anderson (The Master) e Mark Boal (A Hora Mais Escura). Se o primeiro ganhar (assumindo que até lá o filme tenha conquistado várias indicações ao Oscar), Anderson pode finalmente comemorar seu primeiro Oscar da carreira. Agora, se Boal sair vitorioso, tem grandes chances de conquistar seu segundo Oscar (depois de Guerra ao Terror). O roteiro de A Hora Mais Escura sofreu alterações brutas devido à morte de Osama Bin Laden, uma vez que o projeto visava analisar a demora na captura do terrorista mais procurado do mundo.

Kathryn Bigelow ao lado do roteirista Mark Boal, responsáveis pela transformação do roteiro de A Hora Mais Escura (foto por OutNow.CH)

Kathryn Bigelow ao lado do roteirista Mark Boal, responsáveis pela transformação do roteiro de A Hora Mais Escura (foto por OutNow.CH)

Já em Roteiro Adaptado, Chris Terrio (Argo) e David O. Russell (O Lado Bom da Vida) saem na frente dos demais. O grande crédito do primeiro foi revirar o baú e encontrar essa história verídica fantástica. Só os fatos da história impressionam e carregariam um bom filme. Já o segundo consiste em transformar uma história aparentemente banal de relacionamentos humanos em algo excepcional com a ajuda de um elenco afiado.

Os personagens de John Goodman e Ben Affleck tramam  resgate dos diplomatas no Irã (foto por OutNow.CH)

Os personagens de John Goodman e Ben Affleck tramam resgate dos diplomatas no Irã em Argo (foto por OutNow.CH)

Em relação aos documentários, The Central Park Five tem boas chances por abordar um tema polêmico de acusação criminal sustentada por racismo em 1989. Mas vale ressaltar que a busca do paradeiro de um músico dos anos 70 de Searching for Sugar Man vem conquistando vários prêmios da categoria.

Cena do documentário Searching for Sugar Man, que procura respostas do paradeiro de um artista outrora consagrado (foto por OutNow.CH)

Cena do documentário Searching for Sugar Man, que procura respostas do paradeiro de um artista outrora consagrado (foto por OutNow.CH)

Aparentemente, os roteiros de Les Misérables e Django Livre ficaram de fora por questões de votação, e não por serem inelegíveis. Mas não devem ficar de fora do Oscar 2013…

Os vencedores do Producers Guild Awards serão anunciados no dia 26 de janeiro. Enquanto o Writers Guild divulgará a lista no dia 17 de fevereiro.