‘THE SQUARE’, do sueco Ruben Östlund, vence a Palma de Ouro em Cannes 2017. NETFLIX sai de mãos abanando.

170528-cannes-312p-rs_8471f0095981e1aaf0639c5a54ae25dd.nbcnews-ux-2880-1000.jpg

No centro, o diretor Ruben Ostlund comemora sua vitória como se fosse um gol de final de campeonato. Ao fundo, o presidente do júri Pedro Almodóvar. Pic by NBC News

NO ANIVERSÁRIO DE 70 ANOS, CANNES PREMIA JOVEM DIRETOR QUE JÁ HAVIA SE DESTACADO POR FORÇA MAIOR

Após uma forte expectativa de que o festival iria conceder sua segunda Palma de Ouro para uma mulher, o prêmio máximo ficou com o diretor sueco Ruben Östlund, mantendo a neozelandesa Jane Campion como a única vencedora feminina da história do festival.

Apesar de não ter sido o filme da competição mais elogiado pela imprensa estrangeira, The Square ganhou pontos com os membros do júri ao apresentar uma sátira do mundo das Artes, em que o protagonista é um diretor de um museu, que está desesperado para fazer sucesso e pra isso, recebe uma nova instalação chamada “The Square” para promovê-lo.

170521123541-the-square-film-still-5-exlarge-169.jpg

Cena de The Square, de Ruben Ostlund.

O presidente do júri Almodóvar explicou sua escolha após a entrega dos prêmios: “É contemporâneo, é sobre a ditadura de ser politicamente correto. Eles vivem num inferno paranormal por causa disso.” Essa justificativa me atiçou um pouco a curiosidade para conferir o filme, já que sou crítico desses tempos politicamente corretos em que vivemos. Mas independente de ter sido premiado ou não, a voz do diretor Robert Östlund é uma das mais originais dos últimos tempos. Quem viu seu último filme, Força Maior, sobre uma tragédia natural que afeta uma família, sabe do que estou falando. Ele tem um humor bastante peculiar.

As fortes concorrentes femininas, a americana Sofia Coppola e a escocesa Lynne Ramsay, ficaram com os prêmios de Direção e Roteiro, respectivamente. Coppola se torna a segunda diretora a vencer esse prêmio depois da russa Yuliya Solntseva com A Epopéia dos Anos de Fogo, de 1961. “Agradeço ao júri por esta honra… Agradeço ao meu pai, que me ensinou a escrever e dirigir e por compartilhar seu amor por cinema, e para minha mãe por me encorajar a ser uma artista,” agradeceu Coppola através de nota lida pela diretora Maren Ade, já que não estava presente na cerimônia de premiação. Ade, que é membro do júri, aproveitou para “agradecer a Jane Campion por ser uma modelo e por apoiar as cineastas mulheres.”

PRÊMIOS DE INTERPRETAÇÃO

Ao contrário de Sofia, os atores Diane Kruger e Joaquin Phoenix, que ganharam os prêmios de interpretação, estiveram na cerimônia de apresentação e foram bastante aplaudidos. Em In the Fade, a atriz alemã interpreta uma mulher que, depois de ter seu marido e filho mortos num ataque de bomba terrorista, planeja uma vingança. Muito comovida, a atriz alemã subiu ao palco e fez seu discurso: “Fatih [Akin], meu irmão, obrigada por me dar essa chance… você me deu a força que eu não sabia que tinha em mim. Eu não posso aceitar este prêmio sem pensar em ninguém que já foi impactado por um ato de terrorismo, pessoas que estão tentando colher os cacos e continuar suas vidas. Por favor, saibam que vocês não estão esquecidos. Obrigada.”

Diane Kruger gettyimages-689411410.jpg

Diane Kruger agradece pelo prêmio de interpretação feminina em ‘In the Fade’ (pic by Alberto Pizzoli/ Getty Images)

Já pelo prêmio de interpretação masculina, o sempre controverso Joaquin Phoenix veio até Cannes para receber a honraria. Nada contra o ator, que aliás sou fã de seu trabalho, mas ele deveria se decidir de vez se gosta ou não de premiações. Ou ele vai para sorrir e ser agradecido, ou fica em casa com a cara emburrada, e não o contrário! Desse jeito, fica a impressão de que ele atua como ‘bad boy’ para impulsionar sua imagem de durão e psicótico.

DA7pv-QV0AABrSi

Mas enfim, no filme You Were Never Really Here, ele faz uma espécie veterano de guerra à la Taxi Driver, que tenta a todo custo salvar uma menina do tráfico de sexo. À princípio, parece um papel de alguém bastante perturbado, o que se encaixa perfeitamente no rótulo que Hollywood adora botar nos atores. Tem seu lado positivo, já que o ator domina o tipo de personagem e pode elevá-lo ainda mais, porém tem seu lado negativo, pois existe uma iminente ameaça do ator ficar limitado demais.

You Were Never Really Here.jpg

Joaquin Phoenix com a jovem Ekaterina Samsonov em cena de You Were Never Really Here, de Lynne Ramsay (pic by cine.gr)

Em relação ao Oscar, vale lembrar que desde 2007, 22 performances que tiveram sua estréia em Cannes acabaram sendo indicadas ou premiadas pela Academia no ano seguinte. Dando maior precisão aos dados estatísticos, desses 22 atores, treze foram mulheres e nove foram homens, contudo, apenas Rooney Mara (por Carol) transformou seu prêmio de atriz em indicação ao Oscar, enquanto 4 vencedores de Ator em Cannes foram ao Oscar: Christoph Waltz (Bastardos Inglórios), Javier Bardem (Biutiful), Jean Dujardin (O Artista), e Bruce Dern (Nebraska).

PRÊMIO DE 70º ANIVERSÁRIO

A cada década, o festival tem a liberdade de criar um prêmio especial. Este ano, eles prestigiaram a atriz Nicole Kidman, já que ela participa de quatro projetos distintos em Cannes: os filmes O Estranho que Nós Amamos, The Killing of a Sacred Deer, How to Talk to Girls at Parties e a série Top of the Lake, que está na segunda temporada, reconhecendo assim sua versatilidade.

SURPRESAS E DECEPÇÕES

Dentre os nomes mais citados pela imprensa estrangeira e pela crítica que mereceria o prêmio de ator estava o de Robert Pattison. Sim, aquele rapaz que já foi um vampiro que brilhava no sol naquela saga politicamente correta de Stephenie Meyer. Parece que ele está buscando novos desafios depois de ter trabalhado com o diretor David Cronenberg em Cosmópolis em 2012. Sua atuação foi bastante elogiada no drama sobre roubo de bancos intitulado Good Time. Acabou perdendo o prêmio para Joaquin Phoenix, mas pode se tornar um nome forte para a próxima temporada de premiações.

good-time-mit-robert-pattinson

Robert Pattison em Good Time, dos irmãos Safdie (pic by moviepilot.de)

Outro que está tentando (com bem menos afinco) mudar sua imagem é Adam Sandler. Esse comediante americano que estrela trocentos filmes do Netflix está em The Meyerowitz Stories: New and Selected, do diretor Noah Baumbach, que inclusive já tentou fazer um filme mais sério com o comediante Ben Stiller em O Solteirão (2010). Este novo trabalho é uma comédia de família disfuncional, mas com nomes de peso como Dustin Hoffman e Emma Thompson. A atuação deles foi elogiada, mas a de Sandler acabou sendo mais comentada e por isso mesmo, estava entre os candidatos ao prêmio. Pode soar radical demais, mas a única performance interessante que vi de Sandler foi em Embriagados de Amor (2002), quando foi dirigido por Paul Thomas Anderson. Naquele papel, ele apresentava uns tiques nervosos de uma pessoa extremamente perturbada pelas irmãs mais velhas. Mas depois ele fez apenas comédias do tipo besteirol que deixavam de explorar esse seu lado. De qualquer forma, acredito na redenção de qualquer ator, contanto que ele ou ela busquem se desafiar. E se diretores do calibre de Cronenberg e P.T. Anderson viram algo de bom nesses atores, significa que devemos olhar com mais atenção.

No campo das surpresas, a própria Palma de Ouro não deixa de ser uma. The Square estava entre os mais elogiados, mas estava meio longe de ser uma unanimidade. Entre os mais bem cotados estavam Happy End, de Michael Haneke; Loveless, de Andrey Zvyagintsev; The Killing of a Sacred Deer, de Yorgos Lanthimos; 120 battements par minute, de Robin Campillo; e You Were Never Really Here, de Lynne Ramsay. Excetuando o primeiro, todos os demais foram reconhecidos com prêmios, o que mostra certa sintonia do júri em relação à crítica.

NETFLIX E A DIFICULDADE DE ACEITAÇÃO

Após receber inúmeras vaias nas sessões de Okja e Wonderstruck, ambas produções da Netflix, era esperado que a plataforma de streaming mais conhecida no mundo fosse sair sem nenhum prêmio do evento. O próprio presidente do júri, Pedro Almodóvar, havia afirmado que “não premiaria um filme que não vai ser exibido na tela grande”. O Festival de Cannes completou 70 anos de existência, e com isso, há muita tradição envolvida que não se muda da noite para o dia. Inicialmente surpresa pelo convite, a Netflix sofreu um um cerco ferrenho por parte dos exibidores franceses, já que perderiam dinheiro com a não-exibição dos filmes em salas de cinema. Essa discussão está apenas no começo e deve ser assunto para as próximas edições, não só de Cannes, mas de outros grandes festivais, que terão que lidar com a produção de conteúdo da Netflix.

Adam-Sandler.jpg

À direita, o diretor Noah Baumbach com os atores Adam Sandler e Dustin Hoffman no set de The Meyerowitz Stories

VITÓRIA BRASILEIRA EM CANNES

Embora o Brasil não tivesse representantes na competição oficial, por outro lado, participou da mostra da Semana da Crítica e saiu com dois prêmios. Gabriel e a Montanha, do jovem Fellipe Gamarano Barbosa, levou o Prêmio Visionário e o Gan Foundation que fornecerá um apoio enorme para a distribuição na França. O prêmio foi concedido pelo presidente do júri da Semana da Crítica, o conterrâneo Kléber Mendonça Filho. Parabéns à equipe do filme!

Gabriel e a Montanha.jpg

Os atores Caroline Abras e João Pedro Zappa em cena de Gabriel e a Montanha, de Fellipe Gamarano Barbosa. Pic by cineuropa.org

NOTAS PESSOAIS

Fiquei bastante feliz que Taylor Sheridan, que ficou conhecido por roteirizar o western moderno A Qualquer Custo (Hell or High Water), foi premiado como Melhor Diretor da mostra Un Certain Regard logo em sua primeira investida na cadeira de diretor em Wind River. O filme centra num assassinato que ocorreu numa reserva indígena, e é estrelado por Jeremy Renner e Elisabeth Olsen.

Também dos filmes premiados em Cannes, estou ansioso pra conferir os novos trabalhos de Andrey Zvyagintsev (ele tem uma visão bastante dura, porém realista, vide O Retorno e Leviatã), Lynne Ramsay (é uma diretora extremamente detalhista, e que consegue enxergar poesia onde não há) e Yorgos Lanthimos (seu nome vem sendo atrelado a um cinema de conteúdo criativo que vem desde Dente Canino e que se consagrou com O Lagosta).

VENCEDORES DO 70º FESTIVAL DE CANNES

PALMA DE OURO
Ruben Östlund – The Square

GRANDE PRÊMIO DO JÚRI
Robin Campillo – 120 Beats Per Minute

PRÊMIO DO JÚRI
Andrey Zvyagintsev – Loveless

DIRETOR
Sofia Coppola – O Estranho que Nós Amamos

ATOR
Joaquin Phoenix – You Were Never Really Here

ATRIZ
Diane Kruger – In the Fade

ROTEIRO
Yorgos Lanthimos – The Killing of a Sacred Deer
Lynne Ramsay – You Were Never Really Here

CAMERA D’OR
Léonor Sérraille – Jeune Femme

PALMA DE OURO PARA CURTA-METRAGEM
Qiu Yang – A Gentle Night

PRÊMIO ESPECIAL DE 70º ANIVERSÁRIO
Nicole Kidman

MOSTRA UN CERTAIN REGARD

UN CERTAIN REGARD
Mohammad Rasoulof – A Man of Integrity

ATRIZ
Jasmine Trinca – Fortunata

NARRATIVA POÉTICA
Mathieu Amalric – Barbara

DIRETOR
Taylor Sheridan – Wind River

PRÊMIO DO JÚRI
Michel Franco – April’s Daughter

MOSTRA SEMANA DA CRÍTICA

GRANDE PRÊMIO: Emmanuel Gras – Makala
PRÊMIO VISIONÁRIO: Fellipe Gamarano Barbosa – Gabriel and the Mountain
Leica Cine Discovery Prize for Short Film: Laura Ferrés – Los Desheredados
Gan Foundation Support for Distribution Award: Fellipe Gamarano Barbosa – Gabriel and the Mountain

SACD Award: Léa Mysius – Ava
Canal+ Award: Aleksandra Terpińska – The Best Fireworks

DIRECTOR’S FORTNIGHT

Art Cinema Award: Chloé Zhao – The Rider
SACD Award: Claire Denis – Let the Sunshine In, Philippe Garrel – Lover for a Day
Europa Cinemas Label Award: Jonas Carpignano – A Ciambra
Illy Prize for Short Film: Benoit Grimalt – Back to Genoa City

Anúncios

‘Game of Thrones’ quebra recorde com 12 Emmys

Elenco e equipe de Game of Thrones posa para fotos após vitória histórica no Emmy (photo by radiotimes.com)

Elenco e equipe de Game of Thrones posa para fotos após vitória histórica no Emmy (photo by radiotimes.com)

SÉRIE QUE CONQUISTOU TODA UMA LEGIÃO DE FÃS FINALMENTE CONQUISTA SEU EMMY

Bom, provavelmente não sou a pessoa mais indicada para falar e destrinchar as incontáveis séries de TV que competiram pelo Emmy, porque não acompanho de fato as séries e minisséries de forma aprofundada. Vários amigos já me recomendaram zilhões de séries como a própria Game of Thrones, mas não tenho muita paciência, especialmente para aquelas com episódios de quase uma hora de duração que parecem nunca ter fim. Não tenho a mínima dúvida de que esses trabalhos premiados pelo Emmy apresentam qualidade indiscutível, e que provavelmente vou gostar quando assistir, mas tenho que acumular uma boa dose de persistência antes.

Independente da minha expertise em séries, deu pra notar que houve algumas mudanças na premiação que refletem um mercado em constante transformação. Primeiramente, os principais vencedores Game of Thrones, Veep e Olive Kitteridge são produções da HBO, canal pago americano, que superou as séries mais tradicionais da TV aberta como Modern Family. Quanto aos filhos do streaming, as séries conquistaram prêmios coadjuvantes, mas já demonstram maior força a cada ano. Prova disso foi a vitória de Jeffrey Tambor por Transparent do streaming Amazon, e a de Uzo Aduba como Coadjuvante por Orange is the New Black, da Netflix.

Jeffrey Tambor com seu Emmy e ao lado direito, caracterizado como seu personagem pela série Transparent (photo by syracuse.com)

Jeffrey Tambor com seu Emmy e ao lado direito, caracterizado como seu personagem pela série Transparent (photo by syracuse.com)

Apesar da extrema popularidade de Game of Thrones, para muitos especialistas em premiações, a vitória expressiva da série foi considerada uma surpresa. Outras surpresas respondem pelo nome de Regina King, vencedora de Melhor Atriz Coadjuvante por American Crime, batendo as favoritas Kathy Bates e Sarah Paulson por American Horror Story: Freak Show; Tony Hale, que venceu por Veep como Coadjuvante; e a vitória de The Voice por sua nona temporada batendo a franco-favorita Amazing Race.

Assim como o Oscar, o Emmy também gosta de deixar o reconhecimento para o último momento. Se a Academia premiou o terceiro e último O Senhor dos Anéis. o Emmy deixou o ator Jon Hamm esperar até a última temporada de Mad Men para lhe reconhecer. Nos últimos anos, ele foi batido por nomes como Bryan Cranston (Breaking Bad), Jeffrey Daniels (The Newsroom), Damian Lewis (Homeland) e Kyle Chandler (Friday Night Lights), comprovando também que a concorrência foi bastante acirrada.

Jon Hamm posa para fotos no backstage com seu primeiro e último Emmy por Mad Men (photo by latimes.com)

Jon Hamm posa para fotos no backstage com seu primeiro e último Emmy por Mad Men (photo by latimes.com)

Em clima de despedida também foi a premiação do programa The Daily Show With Jon Stewart. Ele encerrou sua participação iniciada em 1999 pelo canal Comedy Central e cede lugar ao humorista sul-africano Trevor Noah. Sem planos de carreira após a aposentadoria do The Daily Show, espero que Jon Stewart abra a possibilidade de retornar como host do Oscar 2016! Na minha opinião, foi um dos melhores hosts dos últimos anos e merece retornar com sua língua afiada.

O apresentador e humorista Jon Stewart agradece por todos os anos no Daily Show (photo by variety.com)

O apresentador e humorista Jon Stewart agradece por todos os anos no Daily Show (photo by variety.com)

Embora a noite tenha sido da série Game of Thrones, houve um discurso que arrepiou muitos espectadores. Viola Davis se tornou a primeira atriz negra a ganhar o Emmy de Melhor Atriz de Série Dramática por seu trabalho em How to Get Away With Murder. Ciente do momento histórico de sua vitória, ela começa citando Harriet Tubman, o famoso ativista que lutou pela abolição da escravidão nos EUA: “Em minha cabeça, vejo uma linha, vejo campos verdes e flores adoráveis e mulheres brancas lindas, com seus braços estendidos para mim. Mas parece que não consigo chegar lá, não importa como. Não consigo superar esta linha”. E as frases que ficaram super marcadas de seu discurso: “A única coisa que separa os mulheres negras de qualquer outra raça é oportunidade. Você não consegue ganhar um Emmy por papéis que simplesmente não existem”.


Viola Davis derrotou outras fortes candidatas na categoria

O jornal Folha de S. Paulo citou em matéria alguns estudos estatísticos que revelam que realmente os negros são minoria, tanto na frente como atrás das câmeras em trabalhos para a televisão nos EUA. Não costumo abrir discussões sobre porcentagens de negros, amarelos e índios em ocupações, pois sou contra cotas raciais e não consigo enxergar talento e profissionalismo baseado em cor, sexo ou religião, até mesmo porque a Arte está acima disso, mas como boa parte da História humana, os homens brancos sempre foram dominantes, ainda vai levar muito tempo pra quebrar tabus tão seculares. Viola Davis declarou no Los Angeles Times que “[…] em breve, a frase ‘a primeira negra a…’ deixará de existir”. É uma previsão otimista, mas espero que ela esteja certa.

VENCEDORES DO 67º EMMYS

MELHOR SÉRIE DRAMÁTICA
Game of Thrones

MELHOR SÉRIE DE COMÉDIA
Veep

ATOR EM SÉRIE DRAMÁTICA
Jon Hamm (Mad Men)

ATRIZ EM SÉRIE DRAMÁTICA
Viola Davis (How to Get Away With Murder)

ROTEIRO – SÉRIE DRAMÁTICA
David Benioff, D.B. Weiss (Game of Thrones) pelo episódio “Mother’s Mercy”

ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE DRAMÁTICA
Uzo Aduba (Orange is the New Black)

DIREÇÃO – SÉRIE DRAMÁTICA
David Nutter (Game of Thrones) pelo episódio “Mother’s Mercy”

ATOR COADJUVANTE EM SÉRIE DRAMÁTICA
Peter Dinklage (Game of Thrones)

MELHOR PROGRAMA DE VARIEDADES
The Daily Show With Jon Stewart

MELHOR SÉRIE DE COMÉDIA DE ESQUETES
Inside Amy Schumer

MELHOR TELEFILME
Bessie

MELHOR MINISSÉRIE
Olive Kitteridge

ATRIZ – MINISSÉRIE OU TELEFILME
Frances McDormand (Olive Kiiteridge)

ATOR – MINISSÉRIE OU TELEFILME
Richard Jenkins (Olive Kitteridge)

DIREÇÃO – MINISSÉRIE OU TELEFILME
Lisa Cholodenko (Olive Kitteridge)

ATOR COADJUVANTE EM MINISSÉRIE OU TELEFILME
Bill Murray (Olive Kitteridge)

ATRIZ COADJUVANTE EM MINISSÉRIE OU TELEFILME
Regina King (American Crime)

ROTEIRO – MINISSÉRIE, TELEFILME OU ESPECIAL DE DRAMA
Jane Anderson (Olive Kitteridge)

MELHOR PROGRAMA DE REALITY
The Voice

MELHOR HOST EM PROGRAMA DE REALITY
Jane Lynch (Hollywood Game Night)

ATRIZ EM SÉRIE DE COMÉDIA
Julia Louis-Dreyfus (Veep)

ATOR EM SÉRIE DE COMÉDIA
Jeffrey Tambor (Transparent)

DIREÇÃO – SÉRIE DE COMÉDIA
Jill Soloway (Transparent) pelo episódio “Best New Girl”

ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE DE COMÉDIA
Allison Janney (Mom)

ROTEIRO – SÉRIE DE COMÉDIA
Simon Blackwell, Armando Iannucci, Tony Roche (Veep) pelo episódio “Election Night”

ATOR CODJUVANTE EM SÉRIE DE COMÉDIA
Tony Hale (Veep)

ROTEIRO – SÉRIE DE VARIEDADES
The Daily Show With Jon Stewart

DIREÇÃO – SÉRIE DE VARIEDADES
Chuck O’Neil (The Daily Show With Jon Stewart)

ATRIZ CONVIDADA EM SÉRIE DE COMÉDIA
Joan Cusack (Shameless)

ATOR CONVIDADO EM SÉRIE DE COMÉDIA
Bradley Whitford (Transparent)

ATRIZ CONVIDADA EM SÉRIE DRAMÁTICA
Margo Martindale (The Americans)

ATOR CONVIDADO EM SÉRIE DRAMÁTICA
Reg E. Cathey (House of Cards)

Julia Louis-Dreyfus com seu sexto Emmy na mão (photo by usatoday.com)

Julia Louis-Dreyfus com seu sexto Emmy na mão (photo by usatoday.com)

‘Boyhood’ fatura 3 prêmios e é o grande vencedor do Globo de Ouro 2015

Da esquerda para a direita: Patricia Arquette, Lorelei Linklater, Richard Linklater, Ellar Coltrane e Ethan Hawke com os três Globos de Ouro em mãos (photo by trbimg.com)

Da esquerda para a direita: Patricia Arquette, Lorelei Linklater, Richard Linklater, Ellar Coltrane e Ethan Hawke com os três Globos de Ouro em mãos (photo by trbimg.com)

‘BIRDMAN’ E ‘A TEORIA DE TUDO’ CONQUISTAM 2 PRÊMIOS CADA E FORTALECEM SUAS CAMPANHAS RUMO AO OSCAR

Em termos de resultado, a 72ª edição do Globo de Ouro pode ser dividida em duas partes: a previsível de cinema e a imprevisível de TV. Os atores mais cotados de cinema levaram seus prêmios: Eddie Redmayne, Julianne Moore, Michael Keaton, Amy Adams, J.K. Simmons e Patricia Arquette, além de Richard Linklater como diretor. Só achei que os prêmios de roteiro e filme-comédia seriam invertidos: O Grande Hotel Budapeste levaria roteiro e Birdman levaria filme, mas de qualquer modo, foi um merecidíssimo prêmio para Wes Anderson. Provavelmente, a maior surpresa na parte de cinema tenha sido a vitória da sequência Como Treinar o Seu Dragão 2, já que Uma Aventura Lego vinha conquistando quase todos os prêmios da temporada de Melhor Animação, e em menor escala, a vitória do compositor Johann Johannsson pela trilha de A Teoria de Tudo, uma vez que Antonio Sanchez tinha as melhores chances por Birdman, mesmo tendo sido desqualificado da categoria no Oscar.

Pela TV, já pelo fato dos membros da Hollywood Foreign Press Association terem dado uma repaginada nos indicados, acabou proporcionando maiores oportunidades de surpresa. Séries que todo ano estavam indicadas foram deixadas de lado como The Big Bang TheoryModern Family, permitindo a inclusão de novas como a vencedora Transparent, e Jane the Virgin e Sillicon Valley. Aliás, a série Transparent, da Amazon, fez história ao se tornar a primeira série online a ganhar o Globo de Ouro de Melhor Série. As séries da Netflix como House of Cards e Orange is the New Black falharam nesse quesito, mas pelo menos Kevin Spacey conquistou seu almejado prêmio de ator pela primeira. As maiores surpresas foram as vitórias de The Affair como Melhor Série – Drama, sua atriz Ruth Wilson, e a atriz coadjuvante Joanne Froggatt por Downton Abbey. A minissérie Fargo também surpreendeu ao bater favoritos como True Detective e o filme para tv The Normal Heart, mas a verdade é que Fargo sempre recebeu ótimos elogios, mas ninguém premiava. Coube ao Globo de Ouro recompensá-los numa noite em que os criadores do filme original estavam presentes: Joel Coen, Ethan Coen, Frances McDormand e William H. Macy.

FESTA BEM AMENA COM LAMPEJOS DE OUSADIA

Não sei o que houve com as hostesses Tina Fey e Amy Poehler. Quer dizer, elas fizeram suas piadas na apresentação como aquelas envolvendo a saga da Sony com a Coréia do Norte e o filme A Entrevista, e até polêmicas das acusações de estupro de Bill Cosby, mas ao longo da festa, não vimos novas inserções delas. Teriam sido proibidas? Aí, a organização colocou umas piadas tão sem graça para os apresentadores dos prêmios lerem ao vivo que o show foi decaindo muito rapidamente. Quando vi Ricky Gervais subindo ao palco pra apresentar, pensei: “Pronto, finalmente alguém pra levantar o ânimo!”, mas não sei se mandaram Ricky maneirar no tom, mas ele realmente pegou leve… Uma pena! Ele zombou do “momento John Travolta”, quando o ator introduziu a cantora Idina Menzel com “Adele Nazeem” no Oscar do ano passado: “Eu assisto (à gafe) toda hora no Youtube!”. Então, sobrou para o ator Jeremy Renner soltar a pérola masculina da noite. Quando apresentava o prêmio ao lado da mega decotada Jennifer Lopez, ao abrir o envelope ela falou: “Eu abro porque tenho as unhas” – “E os globos de ouro também”, completou o auspicioso Renner.

Tina Fey e Amy Poehler com Margaret Cho caracterizada como uma serva norte-coreana (photo by foxnews.com)

Tina Fey e Amy Poehler com Margaret Cho caracterizada como uma serva norte-coreana (photo by foxnews.com)

Seguem algumas pérolas da dupla Fey e Poehler:

Tina Fey: Tonight we celebrate all the television shows that we know and love, as well as all the movies that North Korea was OK with. (Hoje, celebramos todos os shows da tv que conhecemos e amamos, assim como todos os filmes que a Coréia do Norte permitiu).

Amy Poehler: Patricia Arquette in “Boyhood” proves that “there are still great roles for women over 40- as long as you get hired when you’re under 40” (Patricia Arquette em Boyhood prova que ainda há grandes papéis para mulheres acima dos 40 – contanto que você seja contratada antes dos 40) – referindo-se ao fato de que as filmagens de Boyhood começaram há 12 anos.

Amy Poehler: In “Into the Woods,” Cinderella runs from her prince, Rapunzel is thrown from a tower for her prince and Sleeping Beauty just thought she was getting coffee with Bill Cosby” (Em “Caminhos da Floresta”, Cinderela de seu príncipe, Rapunzel é jogada de sua torre para seu príncipe e A Bela Adormecida pensou que ia tomar um café com Bill Cosby). Elas até chegam a fazer algumas imitações de Cosby pra amenizar o ambiente, mas o dano já estava feito.

Mas a melhor da noite foi: George Clooney married Amal Amaluddin this year. “Amal is a human rights lawyer who worked on the Enron case, was an adviser to Kofi Anan regarding Syria and was selected for a three person UN commission regarding war violations in the Gaza Strip. So tonight her husband is getting a lifetime achievement award,”. (George Clooney se casou com Amal Amaluddin este ano. “Amal é uma advogada de direitos humanos que trabalhou no caso Enron, foi conselheira de Kofi Anan sobre a Síria e foi eleita para uma comissão de três pessoas das Nações Unidas para os casos de violações de guerra na Faixa de Gaza. Então, esta noite seu marido vai ganhar um prêmio pela carreira!”

George Clooney com sua esposa Amal Amal (photo by John Shearer/ Invision/AP)

George Clooney com sua esposa Amal Amaluddin (photo by John Shearer/ Invision/AP)

Houve até um bom momento de descontração na brincadeira do “Would you rather” (Você prefere):
– Colin Farrell ou Colin Firth? Edward Norton ou Mark Ruffalo? Chris Pine ou Chris Pine! – Tina interrompe. Richard Linklater ou Alejandro Iñárritu? Amy escolhe Iñárritu: “Um take, duas horas direto sem parar”, enquanto Tina prefere Linklater: “Cinco minutos uma vez por ano”

Houve uma ou outra manifestação mais polêmica como o discurso de Common na vitória de Melhor Canção por Selma, filme sobre a conquista dos direitos civis nos anos 60. Em seu discurso, ele cita momentos importantes na História como a senhora negra que se recusou a mudar de lugar no ônibus até casos recentes como os dois negros mortos por policiais brancos na tentativa de engrandecer uma película somente por questões raciais e não por méritos artísticos. Assim como também houve uma outra citação do atentado terrorista na França contra o semanário Charlie Hebdo. Ao apresentar o prêmio de atriz coadjuvante, o ator Jared Leto aproveitou o momento e fez uma citação em homenagem, e George Clooney ostentava um bóton no smoking com os mesmos dizeres com os dizeres “Je suis Charlie”. O presidente da HFPA, Theo Kingma, fez questão de defender a liberdade de expressão, seja na Coréia do Norte ou em Paris, e foi aplaudido de pé por todos.

EFEITOS DO GLOBO DE OURO

Assim como muitos especialistas já levantaram, o resultado do Globo de Ouro já não serve mais como melhor parâmetro para o que vai acontecer no Oscar. Dos últimos 10 anos, apenas 4  vencedores de Melhor Filme no Globo de Ouro repetiram o feito no prêmio da Academia. Atores que ganharam o Globo de Ouro podem nem ser indicado ao Oscar como Paul Giamatti por Minha Versão do Amor em 2011, e Colin Farrell (Na Mira do Chefe) e Sally Hawkins (Simplesmente Feliz) em 2009. E até em categorias mais técnicas não há garantias de presença no Oscar: o compositor Alex Ebert venceu o Globo de Ouro em 2014 por Até o Fim e sequer foi indicado pela Academia. Claro que os vencedores terão suas respectivas campanhas nitidamente fortalecidas para os prêmios seguintes como o Critics’ Choice Awards, SAGs e o BAFTA, mas até o dia 15 de janeiro, dia do anúncio das indicações ao Oscar, ninguém está realmente garantido, abrindo espaço para surpresas, sejam positivas ou negativas.

Falando em negativas, o jornal americano The New York Post teria publicado uma reportagem em que lista casos que envolvem corrupção na compra de prêmios e indicações. Dentre os casos citados estão as três indicações do fracasso total O Turista, estrelado por Angelina Jolie e Johnny Depp (ambos indicados nas categorias de comédia ou musical) – tanto que o host da noite Ricky Gervais citou que a HFPA teria os indicado apenas para tê-los no tapete vermelho; e a indicação para Melhor Filme – Comédia ou Musical e vitória de Melhor Canção para Burlesque, um musical bastante criticado e sequer visto pelo público. Confira matéria de Lou Lumenick: http://nypost.com/2015/01/09/are-the-golden-globes-becoming-as-credible-as-the-oscars/

Amy Adams, Michael Keaton e Julianne Moore podem ter garantido suas indicações ao Oscar. Podem. (photo by absnews.com)

Amy Adams, Michael Keaton e Julianne Moore podem ter garantido suas indicações ao Oscar. Podem. (photo by absnews.com)

Rumo ao Oscar, o vencedor de Melhor Filme – Drama, Boyhood: Da Infância à Juventude, caminha firme e forte, já que levou também os prêmios de Diretor e Atriz Coadjuvante, além de ter sido indicado a Roteiro, afinal, são categorias-base para todo vencedor de Melhor Filme no Oscar, sem contar toda a história fascinante dos bastidores de 12 anos de filmagens. Quanto aos atores, Julianne Moore parece uma aposta cada vez mais certa para o Oscar. Aclamada por público e crítica como uma das melhores atrizes desta geração, e depois de ser indicada quatro vezes ao Oscar sem vitória, este deve ser o ano dela. Acredito que o único obstáculo em seu caminho pode ser ela mesma. Se a Academia indicá-la como coadjuvante também por Mapa Para as Estrelas, os votos podem se dividir e ela pode ser novamente perdedora em dose dupla como foi em 2003, quando estava indicada por Longe do Paraíso como atriz, e por As Horas como coadjuvante.

J.K. Simmons e Patricia Arquette estão cada vez mais fortes como coadjuvantes, contudo não dá pra descartar ainda Mark Ruffalo e Edward Norton, caso o filme de Simmons, Whiplash: Em Busca da Perfeição, não se saia bem nas indicações. Já Arquette, por mais que possa ter Meryl Streep competindo, deve ser a porta-voz ou representante de todo o elenco de Boyhood. Gostei da vitória de Amy Adams por Grandes Olhos, o que pode lhe garantir uma nova indicação ao Oscar consecutiva, mas as chances reais de vitória seriam praticamente nulas. Por mais talentosa que Adams seja, acredito que lhe falta um personagem que sirva como um real desafio que exija mudanças físicas para então ganhar seu Oscar. Vejam os casos de Charlize Theron e Matthew McConaughey: nunca tinham sido indicados e ganharam na primeira chance por terem passado por processos de transformação física. Não sei se Amy tem contrato vitalício com marcas de cosméticos que a impeçam de ficar feia ou algo do tipo, mas ela deveria pensar nessa hipótese. A categoria de Ator é a mais aberta até o momento. Por mais que Michael Keaton e Eddie Redmayne tenham ganhado o Globo de Ouro, não há nem garantias de que eles estarão na lista do Oscar, tamanha a concorrência. Temos Jake Gyllenhaal, Benedict Cumberbatch, Ralph Fiennes, David Oyelowo, Steve Carell, Joaquin Phoenix e Bill Murray pelo menos na cola.

Patricia Arquette e J.K. Simmons ganham como coadjuvantes (photo by intoday.in)

Patricia Arquette e J.K. Simmons ganham como coadjuvantes (photo by intoday.in)

Entre todos os filmes que receberam mais indicações, O Jogo da Imitação foi o maior perdedor. Presente em 5 categorias e como a maior aposta da Weinstein Company, o filme falhou em conquistar qualquer Globo de Ouro, nem um de consolação. Será que eles conseguem virar o jogo até o dia 22 de fevereiro?

A ELEITA

Não vou comentar os vestidos das moças. Prefiro falar das donas dos vestidos. E a melhor pela quinquagésima vez é Jessica Chastain. Essa mulher é um raio de sol. Só não esqueci que ela foi indicada para atriz coadjuvante por O Ano Mais Violento, porque foi uma pena que ela não subiu ao palco pra se apresentar.

Jessica Chastain no tapete vermelho (photo by usmagazine.com)

Jessica Chastain no tapete vermelho (photo by usmagazine.com)

Seguem os vencedores do Globo de Ouro:

CINEMA

MELHOR FILME – DRAMA
Boyhood: Da Infância à Juventude (Boyhood)

MELHOR FILME – COMÉDIA OU MUSICAL
O Grande Hotel Budapeste (The Grand Budapest Hotel)

MELHOR ATOR – DRAMA
Eddie Redmayne (A Teoria de Tudo)

MELHOR ATRIZ – DRAMA
Julianne Moore (Para Sempre Alice)

MELHOR ATRIZ – COMÉDIA OU MUSICAL
Amy Adams (Grandes Olhos)

MELHOR ATOR – COMÉDIA OU MUSICAL
Michael Keaton (Birdman)

MELHOR DIRETOR
Richard Linklater (Boyhood: Da Infância à Juventude)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Patricia Arquette (Boyhood: Da Infância à Juventude)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
J.K. Simmons (Whiplash: Em Busca da Perfeição)

MELHOR ROTEIRO
Alejandro González Iñárritu, Nicolás Giacobone, Alexander Dinelaris, Armando Bo (Birdman)

MELHOR ANIMAÇÃO
Como Treinar Seu Dragão 2 (How to Train Your Dragon 2)

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
Leviatã (Leviafan), de Andrey Zvyagintsev – RÚSSIA

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Glory” por John Legend, Common (Selma)

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
Johann Johannsson (A Teoria de Tudo)

TELEVISÃO

Equipe por trás da série vencedora The Affair (photo by ibtimes.com)

Equipe por trás da série vencedora The Affair (photo by ibtimes.com)

MELHOR SÉRIE DRAMÁTICA
The Affair

MELHOR ATOR EM SÉRIE DRAMÁTICA
Kevin Spacey (House of Cards)

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DRAMÁTICA
Ruth Wilson (The Affair)

MELHOR MINISSÉRIE OU TELEFILME
Fargo

MELHOR SÉRIE DE COMÉDIA
Transparent

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU TELEFILME
Joanne Froggatt (Downton Abbey)

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU TELEFILME
Matt Bomer (The Normal Heart)

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DE COMÉDIA
Gina Rodriguez (Jane the Virgin)

A bela Gina Rodriguez ganhou por Jane the Virgin (photo by nationalpost.com)

A bela Gina Rodriguez ganhou por Jane the Virgin. Definitivamente, a segunda colocada da lista das eleitas. (photo by nationalpost.com)

MELHOR ATOR EM SÉRIE DE COMÉDIA
Jeffrey Tambor (Transparent)

MELHOR ATRIZ EM MINISSÉRIE OU TELEFILME
Maggie Gyllenhaal (The Honorable Woman)

MELHOR ATOR EM MINISSÉRIE OU TELEFILME
Billy Bob Thornton (Fargo)

As indicações ao Oscar 2015 serão anunciadas ao vivo neste dia 15 de janeiro e a cerimônia ocorre no dia 22 de fevereiro.

‘Sniper Americano’ e ‘O Abutre’ conseguem indicação no PGA Awards 2015

Novo filme de Clint Eastwood, Sniper Americano, consegue adentrar na festa da PGA (photo by outnow.ch)

Novo filme de Clint Eastwood, Sniper Americano, consegue adentrar na festa da PGA (photo by outnow.ch)

PRODUÇÕES ATÉ OUTRORA COADJUVANTES GANHAM DESTAQUE NA TEMPORADA DE PREMIAÇÕES

Seguindo o bonde dos sindicatos, o PGA, Producers Guild of America, anunciou seus indicados a Melhor Produção de 2014. A lista inclui os grandes favoritos da temporada como Boyhood, Birdman, O Jogo da Imitação e O Grande Hotel Budapeste, mas também alavanca produções que eram consideradas coadjuvantes como Whiplash: Em Busca da Perfeição e O Abutre, ambos só vinham conquistando indicações e prêmios de Ator Coadjuvante para J.K. Simmons e Ator para Jake Gyllenhaal, respectivamente.

Porém, se for pra destacar apenas uma surpresa, esta se chama Sniper Americano. O novo filme de Clint Eastwood conseguiu uma arrancada heróica depois de ficar semanas excluído dos prêmios dos críticos e do próprio Critics’ Choice Awards (sim, porque indicação para Melhor Filme de Ação e Melhor Ator em Filme de Ação não conta!). Certamente, esta indicação pode contribuir para a quinta indicação ao Oscar para Clint Eastwood (ele venceu o prêmio pelo National Board of Review) e a terceira indicação de Bradley Cooper que, se não conseguir o feito, será pela altíssima concorrência na categoria de Melhor Ator. O filme tem previsão de estréia no Brasil para 19 de fevereiro, bem no fim de semana do Oscar 2015.

Cena de O Abutre, com performance assombrosa de Jake Gyllenhaal (photo by cinemagia.ro)

Cena de O Abutre, com performance assombrosa de Jake Gyllenhaal (photo by cinemagia.ro)

A ausência mais comentada foi a do filme Selma, sobre a conquista dos direitos civis por Martin Luther King. Segundo fontes da Variety, o estúdio responsável pela campanha, Paramount, enviou cópias do filme em DVD para os votantes da Academia, mas se esqueceu dos sindicatos, tanto que o filme foi excluído do SAG Awards, com direito à gente cri-cri reclamando que não havia negros na lista de indicados (referindo-se à exclusão do ator David Oyelowo pelo mesmo filme). Para quem não participa do processo de votação, parece até que as coisas fluem naturalmente: que todos os votantes dos sindicatos e da Academia vão se dispor a ir aos cinemas em que todos os filmes concorrentes estão em exibição para avaliá-los com o devido cuidado para então decidirem seus votos. Ledo engano e pura ilusão.

A mesma matéria da Variety ainda lembra que em 1993, o diretor Steven Spielberg foi contra o envio de cópias VHS de seu A Lista de Schindler, pois fazia questão que os votantes assistissem ao filme na telona do cinema. Mas os tempos mudaram, e as campanhas não podem mais se dar a esse luxo de aguardar a boa vontade dos votantes comparecerem às salas de projeção. As cópias, que eles chamam de “screeners” são hoje essenciais para angariar votos. Foi assim que aquela draga de Crash – No Limite ganhou o Oscar de Melhor Filme em 2006, pois como já estava disponível em DVD, foi distribuído incansavelmente aos membros da Academia bem antes do término do prazo de votação.

Outras ausências sentidas são do filme de guerra de Angelina Jolie, Invencível; o drama sobre a violência de Nova York de O Ano Mais Violento; a adaptação do musical da Broadway Caminhos da Floresta; e o road movie de auto-ajuda Livre. Alguns cinéfilos e fãs do trabalho do diretor Christopher Nolan, também demonstram revolta nas redes sociais com a exclusão de Interestelar que, segundo alguns relatos, “é bem melhor do que ‘Gravidade’ que conseguiu vários prêmios ano passado”. Concordo muito parcialmente, porque considero Nolan didático demais. Voltando ao prêmio, vale lembrar que o PGA Awards é uma ótima prévia de Melhor Filme do Oscar, pois acertou 5 dos últimos 5 vencedores, e 18 dos 25 de sua história. Curiosamente, no ano passado, houve o inédito empate: 12 Anos de Escravidão com Gravidade, sendo que o primeiro levou o Oscar de Filme.

Já na categoria de produção de animação, não houve nenhuma surpresa. Todos os indicados em prêmios anteriores estão presentes: Operação Big Hero, Festa no Céu, Os Boxtrolls, Como Treinar o Seu Dragão 2 e Uma Aventura Lego. Senti muita falta de uma produção 2D como a japonesa O Conto da Princesa Kaguya, que até ganhou o prestigiado prêmio dos críticos de Los Angeles (LAFCA), mas talvez atenda mais aos critérios de produção do que os artísticos em si.

Entre os documentários, a ausência do favorito Citizenfour certamente faz o filme perder alguns pontos na campanha, enquanto, por outro lado, soma alguns para a cinebiografia do crítico de cinema Roger Ebert, Life Itself – A Vida de Roger Ebert, que figura entre os favoritos para ganhar o PGA. Contudo, não dá pra ignorar a nova produção da Netflix, Virunga, sobre a proteção de um dos últimos refúgios de gorilas numa montanha do Congo.

Cena do documentário Life Itself, sobre a vida do crítico de cinema Roger Ebert, falecido em 2013. (photo by outnow.ch)

Cena do documentário Life Itself, sobre a vida do crítico de cinema Roger Ebert, falecido em 2013. (photo by outnow.ch)

As indicações das produções televisivas denotam um novo auge. Fargo, True Detective, American Horror Story: Freak Show, Normal Heart e Sherlock são alguns bons exemplos dessa nova safra da TV. Além de atrair incontáveis profissionais de alto nível, que favorecem uma nova onda de criatividade, o formato das séries ganhou um mega-reforço com a inclusão do formato streaming do Netflix e Amazon.

PGA header

MELHOR FILME:
SNIPER AMERICANO (American Sniper) – Warner Bros. Pictures
Produtores: Bradley Cooper, Clint Eastwood, Andrew Lazar, Robert Lorenz, Peter Morgan

BIRDMAN OU (A INESPERADA VIRTUDE DA IGNORÂNCIA) (Birdman) – Fox Searchlight Pictures
Produtores: Alejandro G. Iñárritu, John Lesher, James W. Skotchdopole

BOYHOOD: DA INFÂNCIA À JUVENTUDE (Boyhood) – IFC Films
Produtores: Richard Linklater, Cathleen Sutherland

FOXCATCHER: UMA HISTÓRIA QUE CHOCOU O MUNDO (Foxcatcher) – Sony Pictures Classics
Produtores:  Megan Ellison, Jon Kilik, Bennett Miller

GAROTA EXEMPLAR (Gone Girl) – 20th Century Fox
Produtor: Ceán Chaffin

O GRANDE HOTEL BUDAPESTE (The Grand Budapest Hotel) – Fox Searchlight Pictures
Produtores: Wes Anderson, Scott Rudin, Jeremy Dawson, Steven Rales

O JOGO DA IMITAÇÃO (The Imitation Game) – The Weinstein Company
Produtores: Nora Grossman, Ido Ostrowsky, Teddy Schwarzman

O ABUTRE (Nightcrawler) – Open Road Films
Produtores: Jennifer Fox, Tony Gilroy

A TEORIA DE TUDO (The Theory of Everything) – Focus Features
Produtores: Tim Bevan, Eric Fellner, Lisa Bruce, Anthony McCarten

WHIPLASH: EM BUSCA DA PERFEIÇÃO (Whiplash) – Sony Pictures Classics
Produtores: Jason Blum, Helen Estabrook, David Lancaster

Cena com Milles Teller e J.K. Simmons de Whiplash: Em Busca da Perfeição, de Damien Chazelle. (photo by outnow.ch)

Cena com Milles Teller e J.K. Simmons de Whiplash: Em Busca da Perfeição, de Damien Chazelle. (photo by outnow.ch)

MELHOR ANIMAÇÃO:
OPERAÇÃO BIG HERO (Big Hero 6) – Walt Disney Animation Studios
Produtor: Roy Conli

FESTA NO CÉU (The Book of Life)  – 20th Century Fox
Produtores: Brad Booker, Guillermo del Toro

OS BOXTROLLS (The Boxtrolls) – Focus Features
Produtores: David Bleiman Ichioka, Travis Knight

COMO TREINAR O SEU DRAGÃO 2 (How To Train Your Dragon 2) – 20th Century Fox
Produtor: Bonnie Arnold

UMA AVENTURA LEGO (The LEGO Movie) – Warner Bros. Pictures
Produtor: Dan Lin

Cena de Festa no Céu, animação produzida por Guillermo del Toro (photo by outnow.ch)

Cena de Festa no Céu, animação produzida por Guillermo del Toro (photo by outnow.ch)

MELHOR DOCUMENTÁRIO:
THE GREEN PRINCE – Music Box Films
Produtores: John Battsek, Simon Chinn, Nadav Schirman

LIFE ITSELF – A VIDA DE ROGER EBERT (Life Itself) – Magnolia Pictures
Produtores: Garrett Basch, Steve James, Zak Piper

MERCHANTS OF DOUBT – Sony Pictures Classics
Produtores: Robert Kenner, Melissa Robledo

PARTICLE FEVER – Abramorama/BOND 360
Produtores: David E. Kaplan, Mark A. Levinson, Andrea Miller, Carla Solomon

VIRUNGA – Netflix
Produtores: Joanna Natasegara, Orlando von Einsiedel

Cena do documentário Virunga, sobre a proteção aos gorilas quase extintos do Congo (photo by outnow.ch)

Cena do documentário Virunga, sobre a proteção aos gorilas quase extintos do Congo (photo by outnow.ch)

MELHOR SÉRIE DE LONGA-DURAÇÃO OU FILME PARA TV:
American Horror Story: Freak Show (FX)
Produtores: Brad Buecker, Dante Di Loreto, Brad Falchuk, Joseph Incaprera, Alexis Martin Woodall, Tim Minear, Ryan Murphy, Jennifer Salt, James Wong

Fargo (FX)
Produtores: Adam Bernstein, John Cameron, Ethan Coen, Joel Coen, Michael Frislev, Noah Hawley, Warren Littlefield, Chad Oakes, Kim Todd

The Normal Heart (HBO)
Produtores: Jason Blum, Dante Di Loreto, Scott Ferguson, Dede Gardner, Alexis Martin Woodall, Ryan Murphy, Brad Pitt, Mark Ruffalo

The Roosevelts: An Intimate History (PBS)
Produtores:  To Be Determined

Sherlock (PBS)
Produtores: Mark Gatiss, Steven Moffat, Beryl Vertue, Sue Vertue

MELHOR SÉRIE EPISÓDICA – DRAMA:
Breaking Bad (AMC)
Produtores: Melissa Bernstein, Sam Catlin, Bryan Cranston, Vince Gilligan, Peter Gould, Mark Johnson, Stewart Lyons, Michelle MacLaren, George Mastras, Diane Mercer, Thomas Schnauz, Moira Walley-Beckett

Downton Abbey (PBS)
Produtores: Julian Fellowes, Nigel Marchant, Gareth Neame, Liz Trubridge

Game Of Thrones (HBO)
Produtores: David Benioff, Bernadette Caulfield, Frank Doelger, Chris Newman, Greg Spence, Carolyn Strauss, D.B. Weiss

House Of Cards (Netflix)
Produtores: Dana Brunetti, Joshua Donen, David Fincher, David Manson, Iain Paterson, Eric Roth, Kevin Spacey, Beau Willimon

True Detective (HBO)
Produtores: Richard Brown, Carol Cuddy, Steve Golin, Woody Harrelson, Cary Joji Fukunaga, Matthew McConaughey, Nic Pizzolatto, Scott Stephens

MELHOR SÉRIE EPISÓDICA – COMÉDIA:
The Big Bang Theory (CBS)
Produtores: Faye Oshima Belyeu, Chuck Lorre, Steve Molaro, Bill Prady

Louie (FX)
Produtores: Pamela Adlon, Dave Becky, M. Blair Breard, Louis C.K., Vernon Chatman, Adam Escott, Steven Wright

Modern Family (ABC)
Produtores: Paul Corrigan, Megan Ganz, Abraham Higginbotham, Ben Karlin, Elaine Ko, Steven Levitan, Christopher Lloyd, Jeff Morton, Dan O’Shannon, Jeffrey Richman, Chris Smirnoff, Brad Walsh, Bill Wrubel, Sally Young, Danny Zuker

Orange Is The New Black (Netflix)
Produtores: Mark A. Burley, Sara Hess, Jenji Kohan, Gary Lennon, Neri Tannenbaum, Michael Trim, Lisa I. Vinnecour

Veep (HBO)
Produtores: Chris Addison, Simon Blackwell, Christopher Godsick, Armando Iannucci, Stephanie Laing, Julia Louis-Dreyfus, Frank Rich, Tony Roche

MELHOR PRODUÇÃO DE NÃO-FICÇÃO DE TELEVISÃO:
30 For 30 (ESPN)
Produtores: Andy Billman, John Dahl, Erin Leyden, Connor Schell, Bill Simmons

American Masters (PBS)
Produtores: Susan Lacy, Julie Sacks, Junko Tsunashima

Anthony Bourdain: Parts Unknown (CNN)
Produtores:  Anthony Bourdain, Christopher Collins, Lydia Tenaglia, Sandra Zweig

COSMOS: A SpaceTime Odyssey (FOX/NatGeo)
Produtores: Brannon Braga, Mitchell Cannold, Jason Clark, Ann Druyan, Livia Hanich, Steve Holtzman, Seth MacFarlane

Shark Tank (ABC)
Produtores: Becky Blitz, Mark Burnett, Bill Gaudsmith, Phil Gurin, Yun Lingner, Clay Newbill, Jim Roush, Laura Roush, Max Swedlow

MELHOR PRODUÇÃO DE COMPETIÇÃO DE TV:
The Amazing Race (CBS)
Produtores: Jerry Bruckheimer, Elise Doganieri, Jonathan Littman, Bertram van Munster, Mark Vertullo

Dancing With The Stars (ABC)
Produtores: Ashley Edens Shaffer, Conrad Green, Joe Sungkur

Project Runway (Lifetime)
Produtores: Jane Cha Cutler, Desiree Gruber, Tim Gunn, Heidi Klum, Jonathan Murray, Sara Rea, Teri Weideman

Top Chef (Bravo)
Produtores: Doneen Arquines, Daniel Cutforth, Casey Kriley, Jane Lipsitz, Hillary Olsen, Erica Ross, Tara Siener, Shealan Spencer

The Voice (NBC)
Produtores: Stijn Bakkers, Mark Burnett, John De Mol, Chad Hines, Lee Metzger, Audrey Morrissey, Jim Roush, Kyra Thompson, Mike Yurchuk, Amanda Zucker

MELHOR PRODUÇÃO DE ENTRETENIMENTO AO VIVO E ENTREVISTA:
The Colbert Report (Comedy Central)
Produtores: Meredith Bennett, Tanya Michnevich Bracco, Stephen Colbert, Richard Dahm, Paul Dinello, Barry Julien, Matt Lappin, Emily Lazar, Tom Purcell, Jon Stewart

Jimmy Kimmel Live (ABC)
Produtores: David Craig, Ken Crosby, Doug DeLuca, Gary Greenberg, Erin Irwin, Jimmy Kimmel, Jill Leiderman, Molly McNearney, Tony Romero, Jason Schrift, Jennifer Sharron, Seth Weidner, Josh Weintraub

Last Week Tonight With John Oliver (HBO)
Produtores: Tim Carvell, John Oliver, Liz Stanton

Real Time With Bill Maher (HBO)
Produtores: Scott Carter, Sheila Griffiths, Marc Gurvitz, Dean Johnsen, Bill Maher, Billy Martin, Matt Wood

The Tonight Show Starring Jimmy Fallon (NBC)
Produtores: Rob Crabbe, Jamie Granet Bederman, Katie Hockmeyer, Jim Juvonen, Josh Lieb, Brian McDonald, Lorne Michaels, Gavin Purcell

MELHOR PROGRAMA DE ESPORTES:

24/7 (HBO)

Hard Knocks: Training Camp With The Atlanta Falcons (HBO)

Hard Knocks: Training Camp With The Cincinnati Bengals (HBO)

Inside: U.S. Soccer’s March To Brazil (ESPN)

Real Sports With Bryant Gumbel (HBO)

 

MELHOR PROGRAMA INFANTIL:

Dora The Explorer (Nickelodeon)

Sesame Street (PBS)

Teenage Mutant Ninja Turtles (Nickelodeon)

Toy Story OF TERROR! (ABC)

Wynton Marsalis: A YoungArts Masterclass (HBO)

 

MELHOR SÉRIE DIGITAL:

30 For 30 Shorts (http://espn.go.com/30for30/ shorts)

Comedians In Cars Getting Coffee (http://www.crackle.com/c/ comedians-in-cars-getting- coffee)

COSMOS: A National Geographic Deeper Dive (https://www.youtube.com/ watch?v=AkiFfAEB5M8)

Epic Rap Battles Of History (http://youtube.com/erb)

Video Game High School Season 3 (https://www.youtube.com/user/ freddiew)

 

Os vencedores do 26º PGA Awards serão divulgados no dia 24 de janeiro em Los Angeles. A cerimônia do Oscar 2015 acontece no dia 22 de fevereiro.

‘Ela’ e ‘Gravidade’ dividem o prêmio de Melhor Filme no LAFCA 2013

Joaquin Phoenix em cena com a voz de Samantha (Scarlett Johansson) em Ela, que vence o LAFCA Awards (photo by www.collider.com)

Joaquin Phoenix em cena com a voz de Samantha (Scarlett Johansson) em Ela, que vence o LAFCA Awards (photo by http://www.collider.com)

Sandra Bullock em cena de Gravidade (photo by www.elfilm.com)

Sandra Bullock em cena de Gravidade (photo by http://www.elfilm.com)

Criado em 1975, o LAFCA Award ficou marcado por premiar filmes pelo reconhecimento artístico, uma atitude cada vez mais rara, mas que eles procuram manter até hoje. Nos últimos anos, produções estrangeiras têm sido bem lembradas pelos críticos de Los Angeles independente do hype da temporada. No ano passado, o vencedor da Palma de Ouro, Amor, acabou levando Melhor Filme mesmo sendo uma co-produção entre França, Alemanha e Áustria.

Entre os atores, muitos profissionais que atuam em língua estrangeira foram devidamente reconhecidos: as sul-coreanas Jeong-hi Yun (Poesia) e Hye-ja Kim (Mother – A Busca Pela Verdade), os franceses Emmanuelle Riva (Amor) e Niels Arestrup (O Profeta), a belga Yolande Moreau (Séraphine), a australiana Jackie Weaver (Reino Animal) e o romeno Vlad Ivanov (4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias) são alguns exemplos de que a competição realmente é intensa e internacional no LAFCA Awards. Este ano, a jovem e bela Adèle Exarchopoulos (francesa de origem grega) se junta aos consagrados estrangeiros por sua atuação no apaixonante Azul é a Cor Mais Quente, que também levou o prêmio de Melhor Filme Estrangeiro. Infelizmente, por regras arcaicas, a produção não foi selecionada para representar a França e não pode competir na categoria do Oscar. Uma perda lamentável para a Academia.

A bela Adèle Exarchopoulos se torna mais uma estrangeira premiada no LAFCA Awards (photo by www.outnow.ch)

A bela Adèle Exarchopoulos se torna mais uma estrangeira premiada no LAFCA Awards (photo by http://www.outnow.ch)

Com uma grande quantidade de filmes acima da média em competição, os críticos votantes do LAFCA se dividiram entre o ousado Ela, de Spike Jonze, e o hi-tech Gravidade, de Alfonso Cuarón. Não sabemos se houve diferença de votos mínima, mas declararam empate para agradar gregos e troianos. Apesar de menos badalado na corrida para o Oscar, acredito que essa vitória no LAFCA reforça a consagração recente no National Board of Review, de onde saiu com os prêmios de Melhor Filme e Diretor, o que deve engrenar as chances de Ela.

Enquanto Gravidade levou os prêmios de direção, fotografia e montagem, denotando sua superioridade técnica, Ela ficou com direção de arte, além dos segundos lugares nas categorias de direção, roteiro e trilha musical. Apesar de não ter vencido como Melhor Diretor, Spike Jonze entra definitivamente para a corrida para o Oscar 2014 por Ela.

Formado na escola de videoclipes, Spike Jonze tornou-se um diretor-revelação com Quero Ser John Malkovich (1999), pelo qual recebeu sua única indicação ao Oscar. Dirigiu Adaptação. (2002) e Onde Vivem os Monstros (2009), mais duas obras que é impossível sair indiferente. Trata-se de um dos melhores profissionais dessa geração, que deve ser muito prezado pelo cinema norte-americano por sua busca incessante por inovações de estrutura narrativa.

Spike Jonze dirige Joaquin Phoenix em cena de Ela (photo by cinetoscopio.com.br)

Spike Jonze dirige Joaquin Phoenix em cena de Ela (photo by cinetoscopio.com.br)

Um dos grandes favoritos da temporada, 12 Years a Slave, teve que se contentar com o prêmio de Atriz Coadjuvante para Lupita Nyong’o e o 2º lugar de Melhor Ator para Chiwetel Ejiofor. Como prêmio de consolação, criaram uma citação especial para a equipe do filme de Steve McQueen.

Chama a atenção também o empate entre James Franco e Jared Leto na categoria de coadjuvante. São duas performances que marcaram pelo ótimo trabalho de transformação física. Enquanto Franco faz um traficante de drogas e armas em Spring Breakers: Garotas Perigosas, Leto emagreceu 13kg para dar vida ao travesti Rayon em Dallas Buyers Club.

James Franco como o traficante Alien em Spring Breakers: Garotas Perigosas (photo by www.outnow.ch)

James Franco como o traficante Alien em Spring Breakers: Garotas Perigosas (photo by http://www.outnow.ch)

E também vale ressaltar a importante vitória da animação francesa Ernest & Celestine sobre o novo filme de Hayao Miyazaki, O Vento Está Soprando. Ambos os trabalhos estão entre os 19 pré-selecionados a concorrer às indicações ao Oscar de Melhor Animação. Apesar de ser raro ter duas animações estrangeiras competindo como em 2012, quando a espanhola Chico & Rita e a francesa Um Gato em Paris estavam indicadas, existe forte possibilidade dessas duas animações disputarem o Oscar 2014, o que elevaria bastante o nível artístico da categoria.

Cena da animação francesa Ernest & Celestine: difícil bater o mestre Hayao Miyazaki (photo by www.outnow.ch)

Cena da animação francesa Ernest & Celestine: difícil bater o mestre Hayao Miyazaki (photo by http://www.outnow.ch)

Confira lista completa dos vencedores e segundos lugares:

MELHOR FILME (empate): Gravidade (Gravity) E Ela (Her)

MELHOR DIRETOR: Alfonso Cuarón (Gravidade)
2º Lugar: Spike Jonze (Ela)

MELHOR ATOR: Bruce Dern (Nebraska)
2º Lugar: Chiwetel Ejiofor (12 Years a Slave)

MELHOR ATRIZ (Empate): Cate Blanchett (Blue Jasmine) E Adèle Exarchopoulos (Azul é a Cor Mais Quente)

MELHOR ATOR COADJUVANTE (Empate): James Franco (Spring Breakers: Garotas Perigosas) E Jared Leto (Dallas Buyers Club)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Lupita Nyong’o (12 Years a Slave)
2º Lugar: June Squibb (Nebraska)

MELHOR ROTEIRO: Richard Linklater, Julie Delpy e Ethan Hawke (Antes da Meia-Noite)
2º Lugar: Spike Jonze (Ela)

MELHOR FOTOGRAFIA: Emmanuel Lubezki (Gravidade)
2º Lugar: Bruno Delbonnel (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum)

MELHOR MONTAGEM: Alfonso Cuarón, Mark Sanger (Gravidade)
2º Lugar: Shane Carruth, David Lowery (Upstream Color)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE: K.K. Barrett (Ela)
2º Lugar: Jess Gonchor (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum)

MELHOR TRILHA MUSICAL: T-Bone Burnett (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum)
2º Lugar: Arcade Fire e Owen Pallett (Ela)

MELHOR ANIMAÇÃO: Ernest & Celestine, de Stéphane Aubier, Vincent Patar e Benjamin Renner
2º Lugar: O Vento Está Soprando, de Hayao Miyazaki

MELHOR FILME ESTRANGEIRO: Azul é a Cor Mais Quente, de Abdellatif Kechiche
2º Lugar: The Great Beauty (La Grande Bellezza), de Paolo Sorrentino

MELHOR DOCUMENTÁRIO: Stories We Tell, de Sarah Polley
2º Lugar: O Ato de Matar, de Joshua Oppenheimer

SPECIAL CITATION: Ao time de 12 Years a Slave

PRÊMIO NEW GENERATION: Megan Ellison (produtora de Ela, Trapaça e O Grande Mestre)

PRÊMIO DOUGLAS EDWARDS INDEPENDENTE/ FILME EXPERIMENTAL/ VÍDEO: Cabinets Of Wonder: Films and a Performance by Charlotte Pryce

LEGACY OF CINEMA: Criterion Collection
Trata-se de um prêmio merecidíssimo para o melhor selo de filmes em mídia digital. A coleção abrange grandes clássicos como M, o Vampiro de Düsseldorf (1931) a cults saídos do forno como Frances Ha (2013), todos com qualidade de restauração de imagem e áudio impecáveis, além de extras recheados que só enriquecem a sessão de cinema caseira.

É possível encontrar um título ou outro na Livraria Cultura, mas os preços são salgados (giram em torno de 140/150reais). Para quem tem cartão de crédito internacional, vale a pena comprar pela Amazon ou Barnes & Noble a cerca de 30 dólares. Para conhecer melhor os títulos disponíveis, acesse: www.criterion.com

Minha coleção de blu-rays da Criterion

Minha coleção de blu-rays da Criterion

Onde e quando acompanhar os Indicados ao Oscar 2012

Cinema do Shopping Bourbon Pompéia, SP: Sim, tem uma pessoa dormindo na 2ª fileira

A cerimônia do Oscar 2012 está marcada para o dia 26 de fevereiro. Para aqueles que pretendem se lançar numa maratona para ver o maior número de indicados, atropelando todo mundo nas ruas e furando filas, acalmem-se! Ainda dá tempo de conferir muitos filmes que vão concorrer ao Oscar.

Felizmente, este ano, há muitos deles já disponíveis em DVD e Blu-ray. Vale a pena locar Meia-Noite em Paris e A Árvore da Vida, pelo número de indicações e por concorrerem a Melhor Filme. Da lista, recomendo a animação Rango que, pela cratividade, pelo roteiro repleto de referências do universo western e pelo carisma de Johnny Depp, merece ganhar o prêmio. Além dele, vale a pena olhar o Planeta dos Macacos: A Origem pela qualidade impressionante dos efeitos do motion capture para criar o macaco Cesar.

JÁ DISPONÍVEIS EM DVD E BLU-RAY:

Meia-Noite em Paris em Blu-Ray

A ÁRVORE DA VIDA – 3 indicações

GUERREIRO – 1 indicação

HARRY POTTER E AS RELÍQUIAS DA MORTE: PARTE 2 – 3 indicações

KUNG FU PANDA 2 – 1 indicação

MEIA-NOITE EM PARIS – 4 indicações

MISSÃO MADRINHA DE CASAMENTO – 2 indicações

PLANETA DOS MACACOS: A ORIGEM – 1 indicação

RANGO – 1 indicação

RIO – 1 indicação

TODA FORMA DE AMOR – 1 indicação

TRANSFORMERS: O LADO OCULTO DA LUA – 3 indicações

AGUARDANDO LANÇAMENTO EM DVD/BLU-RAY:

GIGANTES DE AÇO – 1 indicação

MARGIN CALL – O DIA ANTES DO FIM – 1 indicação

OS MUPPETS – 1 indicação

Apesar do Oscar abrir muitas portas e facilitar bastante uma estréia aqui no Brasil, sempre ficam alguns filmes esquecidos que só chegam nas salas de cinema meses e até anos depois. É uma pena para o cinéfilo que sai perdendo, porque fica incapacitado de conferir todos os trabalhos e fazer seu próprio julgamento antes da entrega dos prêmios. Mas não há muito o que reclamar, pois, devido à temporada de premiações, esta época do ano apresenta uma das melhores safras de filmes em cartaz.

Particularmente, são os dois meses que mais vou ao cinema e tento ignorar ao máximo o público que frequenta as salas de cinema para conversar, atender o celular, aguentar piadinhas de mau gosto e dar uma de Galvão Bueno e narrar o filme, sem contar aqueles casais que fazem economia e transformam a sala de cinema em motel de 5ª categoria. Pra não dizer que sou chato e intolerante, os ruídos de embalagens de doces e pipocas eu aguento, contanto que mastigue de boca fechada!

Seguem mais listas sobre os filmes que estão e estarão nas salas de cinema. Para facilitar, as datas e previsões estão de acordo com a programação da cidade de São Paulo, podendo sofrer alterações de última hora.

FILMES EM CARTAZ:

AS AVENTURAS DE TINTIM – 1 indicação (Atualmente na sala IMAX do shopping Bourbon)

Millennium - Os Homens que Não Amavam as Mulheres em cartaz

CAVALO DE GUERRA – 6 indicações

OS DESCENDENTES – 5 indicações

O ESPIÃO QUE SABIA DEMAIS – 3 indicações

GATO DE BOTAS – 1 indicação

MILLENNIUM – OS HOMENS QUE NÃO AMAVAM AS MULHERES  – 5 indicações

A SEPARAÇÃO – 2 indicações

TUDO PELO PODER – 1 indicação

PRÓXIMOS LANÇAMENTOS (De acordo com São Paulo):

03/02:

HISTÓRIAS CRUZADAS (THE HELP) – 4 indicações

O HOMEM QUE MUDOU O JOGO (MONEYBALL) – 7 indicações

10/02:

O ARTISTA (THE ARTIST) – 11 indicações

17/02:

A INVENÇÃO DE HUGO CABRET (HUGO) – 10 indicações

A DAMA DE FERRO (THE IRON LADY) – 2 indicações

ANÔNIMO (ANONYMOUS) – 1 indicação

Drive: Apesar de ter apenas 1 indicação, vale a pena ver antes do Oscar

24/02:

DRIVE (idem) – 1 indicação

SETE DIAS COM MARYLIN (MY WEEK WITH MARYLIN) – 2 indicações

02/03:

TÃO FORTE E TÃO PERTO (EXTREMELY LOUD AND INCREDIBLY CLOSE) – 2 indicações

30/03:

W.E. – O ROMANCE DO SÉCULO (W.E.) – 1 indicação

Tirando Albert Nobbs, a maioria dos filmes sem data de estréia são os concorrentes na categoria de Filme Estrangeiro, sem mencionar todos os indicados a Melhor Documentário. OK, filmes europeus e documentários nunca foram uma unanimidade aqui a ponto dos distribuidores correrem para lançar nas salas. Não que seja justificável, mas é compreensível. Para aqueles que buscam esses títulos que, se estrearem no Brasil, devem demorar muito, recomendo que os procurem em sites de importados como a Amazon.com. Tire seu cartão de crédito internacional e manda ver!

SEM PREVISÃO DE ESTRÉIA:

ALBERT NOBBS – 3 indicações

O filme belga Bullhead, que não tem previsão de estréia

A BETTER LIFE – 1 indicação

BULLHEAD – 1 indicação

CHICO & RITA – 1 indicação (Participou do Anima Mundi 2011)

UM GATO EM PARIS – 1 indicação (Participou do Festival de Cinema Francês 2011)

FOOTNOTE – 1 indicação

IN DARKNESS – 1 indicação

JANE EYRE – 1 indicação

MONSIEUR LAZHAR – 1 indicação