‘Mad Max: Estrada da Fúria’ conquista 3 prêmios no LAFCA Awards 2015, mas ‘Spotlight’ leva Melhor Filme

Elenco de Spotlight (photo by Open Road)

Elenco de Spotlight da esquerda para a direita: Rachel McAdams, Mark Ruffalo, Brian D’Arcy James, Michael Keaton e John Slattery (photo by Open Road)

FILME FUTURISTA VINHA COLETANDO PRÊMIOS, MAS MORREU NA PRAIA

Foi bom enquanto durou. A possibilidade de Mad Max: Estrada da Fúria conquistar Melhor Filme com os críticos de Los Angeles estava prestes a se tornar realidade. Após conquistar o prestigiado National Board of Review na semana passada, um novo reconhecimento selaria a aprovação necessária para que o filme pudesse ser levado à sério nas cerimônias de premiação, mas bateu na trave. Contudo, o filme de George Miller ainda ficou com o segundo lugar e pode sonhar com mais do que categorias técnicas…

Impecavelmente perfeito nos quesitos em que saiu vitorioso: Direção, Fotografia e Direção de Arte, o filme só não se consagrou por causa de seu calcanhar de Aquiles: o roteiro, justamente o que fez com que Spotlight arrancasse o prêmio de Melhor Filme de suas mãos. O drama de Tom McCarthy prima por sua pesquisa jornalística sobre os fatos dos abusos dos padres católicos, tanto que levou o prêmio de Melhor Roteiro, o que praticamente o garante na categoria de Roteiro Original no Oscar.

Cena de Mad Max: Estrada da Fúria (photo by cine.gr)

Cena de Mad Max: Estrada da Fúria com Charlize Theron e Tom Hardy (photo by cine.gr)

Também com dois prêmios, Anomalisa, de Charlie Kaufman e Duke Johnson, bateu o favoritismo da animação da Pixar, Divertida Mente (acredito eu pela qualidade do roteiro também), e lança luz no trabalho do compositor Carter Burwell, conhecido pela trilha de Fargo, e que nunca recebeu uma única indicação ao Oscar. Aqui ele ganhou pela trilha da animação e também pelo drama Carol, de Todd Haynes. Mas vale lembrar que Burwell teve um ano excepcional: além desses dois trabalhos, compôs para Sr. Holmes e Legend.

Imbatível, o filme húngaro, O Filho de Saul, conquistou mais um prêmio e deve ser o Oscar mais batido dos últimos anos. Honestamente, esperava um pouco mais de audácia por parte dos críticos de Los Angeles, já que o filme de László Nemes não oferece perspectiva tão inovadora num tema tão batido como o Holocausto. Seria mais justo se o segundo lugar, o ucraniano A Gangue, levasse o prêmio pela coragem de fazer um filme bem violento usando apenas linguagem de sinais.

Cena do filme ucraniano de Miroslav Slaboshpitsky, A Gangue (photo by outnow,ch)

Cena do filme ucraniano de Miroslav Slaboshpitsky, A Gangue (photo by outnow.ch)

Pelas categorias de atuação, de acordo com seu histórico, era esperada a vitória de um ator ou atriz estrangeiros, consolidada pela premiação da britânica Charlotte Rampling no drama 45 Anos. Ela interpreta uma esposa que fica de escanteio quando o marido descobre o corpo perdido da ex-mulher em pleno aniversário de 45 anos de casamento. Por sua performance, ela levou o Urso de Prata de Melhor Atriz no último Festival de Berlim, e seu companheiro de tela, Tom Courtenay, levou Melhor Ator na ocasião. As chances de Rampling no Oscar são mínimas, mas elas existem. Em segundo lugar, Saoirse Ronan (Brooklyn) cresce um pouco na competição, enquanto Brie Larson (O Quarto de Jack), Carey Mulligan (As Sufragistas) e Cate Blanchett (Carol) despencam.

Tom Courtenay em cena com Charlotte Rampling em 45 Anos, de Andrew Haigh (photo by outnow.ch)

Tom Courtenay em cena com Charlotte Rampling em 45 Anos, de Andrew Haigh (photo by outnow.ch)

Na ala masculina, Michael Fassbender confirma seu crescimento entre os críticos com seu retrato do criador da Apple em Steve Jobs. Apesar do filme de Danny Boyle não ter ido bem nas bilheterias nos EUA, a atuação de Fassbender tem saído ilesa, muito pelas classificações de “performance de possessão”, como aquelas em que o ator se torna outra pessoa, como Daniel Day-Lewis é craque em fazer. Além disso, Fassbender superou a desconfiança de que seu sotaque alemão pudesse arruinar o personagem americano, e a Academia, por mais que o tenha indicado a Coadjuvante por 12 Anos de Escravidão, sabe que está em dívida com ele por Fome (2008) e Shame (2011).

Michael Fassbender como o criador da Apple em Steve Jobs (photo by outnow.ch)

Michael Fassbender como o criador da Apple em Steve Jobs (photo by outnow.ch)

Nas categorias de coadjuvante, duas produções independentes que podem ter sido ajudadas pelo LAFCA para a temporada: 99 Homes e Ex-Machina: Instinto Artificial. Gosto do trabalho de Michael Shannon, mas aqui ele interpreta um corretor ambicioso que quer passar por cima de tudo e de todos. No entanto, independente de sua performance, só acho que ele deve tomar cuidado pra não ser rotulado por suas escolhas de papéis. Todo filme que vejo dele, o ator faz um papel de psicótico, psicopata ou maluco, vide: Foi Apenas um Sonho, Antes que o Diabo Saiba que Você Está Morto, O Abrigo e até no blockbuster O Homem de Aço, onde vive o vilão megalomaníaco General Zod.

À direita, Michael Shannon em cena de 99 Homes (photo by elfilm.com)

À direita, Michael Shannon em cena de 99 Homes (photo by elfilm.com)

Por outro lado, a bela atriz sueca Alicia Vikander está buscando variedade de papéis. Após se destacar como a jovem rainha em O Amante da Rainha, fez a adaptação de Tolstói, Anna Karenina, e mais recentemente os blockbusters O Sétimo Filho e O Agente da U.N.C.L.E. Este ano, ela concorre por A Garota Dinamarquesa (pelo qual já ganhou o Hollywood Film Award) e por este Ex-Machina: Instinto Artificial, no qual interpreta uma ciborgue chamada Ava, que fica confinada no subsolo de uma mansão para ser testada. Vikander explora os limites do real e do virtual de acordo com a proposta do filme, e acaba salvando o filme de Alex Garland. No Oscar, pela campanha, ela deve concorrer por A Garota Dinamarquesa.

Alicia Vikander como Ava em Ex-Machina: Instinto Artificial (photo by cinemagia,ro)

Alicia Vikander como Ava em Ex-Machina: Instinto Artificial (photo by cinemagia.ro)

Com as vitórias de Spotlight, Mad Max, Carol e Anomalisa aqui, juntando com outros fortes concorrentes como Perdido em Marte, A Garota Dinamarquesa, Ponte dos Espiões, Steve JobsBrooklyn e Os 8 Odiados, já dá pra se ter uma idéia dos possíveis concorrentes ao Globo de Ouro 2016, cujos indicados serão revelados no próximo dia 10 de dezembro. E ainda acredito que George Miller leve o Globo de Ouro de Direção.

Recebendo prêmio especial, a montadora britânica Anne V. Coates, vencedora do Oscar pelo clássico de David Lean, Lawrence da Arábia (1962), e conceituada pelos trabalhos de edição em O Homem Elefante (1980), Na Linha do Fogo (1993) e Irresistível Paixão (1998), será homenageada aos 89 anos. Será apenas a segunda montadora a receber tal honraria na história do prêmio depois da falecida Dede Allen. Ela ficou mundialmente conhecida pelos cortes precisos nesta cena de Lawrence da Arábia, em que vemos a ação do personagem soprando o fósforo para chegar ao belo deserto.

VENCEDORES DO LAFCA AWARDS 2015:

MELHOR FILME: Spotlight
2º Lugar: Mad Max: Estrada da Fúria (Mad Max: Fury Road)

MELHOR DIRETOR: George Miller (Mad Max: Estrada da Fúria)
2º Lugar: Todd Haynes (Carol)

MELHOR ATOR: Michael Fassbender (Steve Jobs)
2º Lugar: Géza Röhrig (O Filho de Saul)

MELHOR ATRIZ: Charlotte Rampling (45 Anos)
2º Lugar: Saoirse Ronan (Brooklyn)

MELHOR ATOR COADJUVANTE: Michael Shannon (99 Homes)
2º Lugar: Mark Rylance (Ponte dos Espiões)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Alicia Vikander (Ex-Machina: Instinto Artificial)
2º Lugar: Kristen Stewart (Acima das Nuvens)

MELHOR ROTEIRO: Tom McCarthy e Josh Singer (Spotlight)
2º Lugar: Charlie Kaufman (Anomalisa)

MELHOR FOTOGRAFIA: John Seale (Mad Max: Estrada da Fúria)
2º Lugar: Edward Lachman (Carol)

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA: O Filho de Saul, de László Nemes (Hungria)
2º Lugar: A Gangue, de Miroslav Slaboshpitsky (Ucrânia)

MELHOR TRILHA MUSICAL: Carter Burwell (Anomalisa) (Carol)
2º Lugar: Ennio Morricone (Os 8 Odiados)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE: Colin Gibson (Mad Max: Estrada da Fúria)
2º Lugar: Judy Becker (Carol)

MELHOR MONTAGEM: Hank Corwin (A Grande Aposta)
2º Lugar: Margaret Sixel (Mad Max: Estrada da Fúria)

MELHOR ANIMAÇÃO: Anomalisa, de Charlie Kaufman e Duke Johnson
2º Lugar: Divertida Mente, de Pete Docter

PRÊMIO NEW GENERATION: Ryan Coogler (Creed: Nascido Para Lutar)

MELHOR DOCUMENTÁRIO: Amy, de Asif Kapadia
2º Lugar: The Look of Silence, de Joshua Oppenheimer

PRÊMIO PELO CONJUNTO DA OBRA: Anne V. Coates

Amy, de Asif Kapadia, levou o prêmio de Melhor Documentário (photo by outnow.ch)

Amy, de Asif Kapadia, levou o prêmio de Melhor Documentário (photo by outnow.ch)

Anúncios

Philip Seymour Hoffman (1967 – 2014)

tumblr_mhuzhv90uc1r0k2r8o1_500

Philip Seymour Hoffman (tumblr_mhuzhv90uc1r0k2r8o1_500)

VENCEDOR DO OSCAR POR CAPOTE, PHILIP SEYMOUR HOFFMAN É ENCONTRADO MORTO

Além das notícias de tiroteiros em salas de cinema, a pior notícia é quando perdemos um talento inestimável. Muitos já devem saber que o ator Philip Seymour Hoffman foi encontrado morto no banheiro de seu apartamento em Nova York. Um amigo dele o achou caído no chão com seringa no braço. Ele tinha apenas 46 anos.

As investigações acerca de sua morte ainda estão correndo, mas tudo indica que se trata de mais um caso de overdose. Além da seringa, foram encontradas cerca de 50 sacos de heroína no apartamento. Hoffman tinha um histórico com drogas há alguns anos. Em 2012, teve uma decaída e no ano seguinte foi se tratar numa clínica de reabilitação. Seu amigo alega que ele estava bem e sóbrio, tanto que esteve recentemente no Festival de Sundance (no dia 17 de janeiro) para promover seu mais novo filme: O Homem Mais Procurado (A Most Wanted Man).

Philip Seymour Hoffman já ganhou um Oscar por Capote em 2006, foi indicado em mais 4 oportunidades e faz inúmeros filmes independentes. Mas sua morte foi anunciada assim em vários sites: “Ator de ‘Jogos Vorazes’ morre”. OK, eu compreendo perfeitamente o poder desta manchete se compararmos a “Ator de ‘Capote’ e ‘O Mestre’ morre”. Não sou hipócrita, mas fica aquela impressão de que toda a sólida e coerente carreira do ator se resume à sua  participação num blockbuster infanto-juvenil.

Aliás, muitos fãs ensandecidos já se perguntam como vão ficar os filmes dos Jogos Vorazes sem o ator. Bem, além de ele ter finalizado Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1, parece que só restavam apenas sete dias de filmagem para seu personagem Plutarch Heavensbee em Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 2, com lançamento previsto para 2015.

À esquerda, Philip Seymour Hoffman como Plutarch ao lado de Woody Harrelson (photo by Lionsgate)

À esquerda, Philip Seymour Hoffman como Plutarch ao lado de Woody Harrelson (photo by Lionsgate)

Aliás, não tenho nada contra Hoffman atuar em blockbusters, afinal, são essas produções que pagam todas as contas do ano e ainda dão mais visibilidade. Ele já havia participado também de Missão: Impossível 3 (2006), no qual interpreta o vilão Owen Davian, que inferniza a vida do agente Ethan Hunt (Tom Cruise). Nada mais justo, afinal, ele estava apenas colhendo os frutos depois de tantos anos atuando em produções de baixo orçamento.

É uma pena que o ator tenha sido descoberto por Hollywood muito tarde. Após se formar na New York University’s Tisch School of the Arts em 1989, ele conseguiu papéis secundários em produções independentes como Boogie Nights – Prazer Sem Limites (1997), Felicidade (1998), O Talentoso Ripley (1999) e Quase Famosos (2000), pelo qual chamou bastante atenção como o produtor musical Lester Bangs. Cada vez mais requisitado, trabalhou com diretores consagrados como os irmãos Coen (O Grande Lebowski), Spike Lee (A Última Noite), Anthony Minghella (Cold Mountain) e Sidney Lumet (Antes que o Diabo Saiba que Você Está Morto).

Mas sua parceria mais forte foi com o diretor Paul Thomas Anderson, que o escalou para Boogie Nights (1997), Magnólia (1999), Embriagado de Amor (2002) e O Mestre (2012), pelo qual recebeu sua quarta indicação ao Oscar. Ele só ficou de fora de Sangue Negro (2007), estrelado por Daniel Day-Lewis.

Como Truman Capote, Philip Seymour Hoffman (photo by outnow.ch)

Como Truman Capote, Philip Seymour Hoffman (photo by outnow.ch)

Para viver um dos mais polêmicos autores literários contemporâneos, Truman Capote, Philip perdeu 18 quilos. Treinou bastante suas cordas vocais até atingir o tom agudo característico do escritor. Ao longo dos 36 dias de filmagem, procurou se manter em personagem mesmo com a câmera desligada. O peso e a voz eram levados para casa. Embora essa tática seja eficiente, é considerada insana por alguns atores que necessitam de um escape já entre um take e outro. Daniel Day-Lewis é um desses loucos, mas tem 3 Oscars em casa.


Hilary Swank apresenta o Oscar para Philip Seymour Hoffman

Curiosamente, ele bateu Heath Ledger, que concorria por O Segredo de Brokeback Mountain, em 2006 no Oscar. Já em 2009, como o anárquico Coringa, Ledger o bateu na categoria de coadjuvante, quando concorria por Dúvida.

Philip Seymour Hoffman era casado com a figurinista Mimi O’Donnell, com quem teve 3 filhos: Cooper Alexander Hoffman, Tallulah Hoffman e Willa Hoffman. Claro que será uma perda inestimável para sua família, mas também deixa muitos admiradores e cinéfilos órfãos de sua versatilidade e de sua intensidade nas interpretações, mesmo que em papéis bem menores. Descanse em paz, Phil!

PHILIP SEYMOUR HOFFMAN NO OSCAR:

2006: Vencedor do Oscar de Melhor Ator por Capote
2008: Indicado ao Oscar de Coadjuvante por Jogos do Poder
2009: Indicado ao Oscar de Coadjuvante por Dúvida
2013: Indicado ao Oscar de Coadjuvante por O Mestre