SUL-COREANO BONG JOON-HO LEVA A PALMA DE OURO EM CANNES POR ‘PARASITE’

O diretor Bong Joon-ho recebe a Palma de Ouro da atriz Catherine Deneuve

CINEMA ASIÁTICO SAI FORTALECIDO PARA A PRÓXIMA TEMPORADA DE PREMIAÇÕES

Apesar de todo o foco em cima do novo filme de Quentin Tarantino, Era Uma Vez em Hollywood, que ingressou na competição na segunda chamada e trouxe os astros Leonardo DiCaprio, Brad Pitt e Margot Robbie, o júri presidido pelo mexicano Alejandro González Iñárritu concedeu a Palma de Ouro para Parasite, a primeira Palma de Ouro para o cinema da Coréia do Sul.

O novo trabalho do diretor de instigantes filmes como Memórias de um Assassino (2003), O Hospedeiro (2006), Mother (2009) e O Expresso do Amanhã (2014) contém elementos de crítica social. Uma família coreana de baixa classe toda desempregada tenta melhorar seu status ao se infiltrar numa casa de ricos. Após a sessão no festival, foi reportado uma salva de palmas de pé por mais de cinco minutos, e sua consagração teria sido decidida de forma unânime.

Cenas de uma família em Parasite.

Esse reconhecimento acaba colocando no mapa não apenas o diretor, mas toda a filmografia do cinema sul-coreano recente, que vem pedindo passagem desde o início dos anos 2000, com diretores aclamados como Park Chan-wook, Lee Chang-dong, Kim Ki-duk e Kim Ji-woon. Oldboy (2003), Em Chamas (2018), Casa Vazia (2004) e Eu Vi o Diabo (2010) são alguns exemplos desse cinema asiático recente, que nunca recebeu uma mísera indicação ao Oscar, provavelmente pelo contexto violento e/ou sexual, mas que com essa Palma de Ouro, pode finalmente entrar na categoria de Filme em Língua Estrangeira da Academia.

O cinema brasileiro também saiu vitorioso do evento. Na verdade, duplamente vitorioso. Além do prêmio Un Certain Regard para A Vida Invisível de Eurídice Gusmão, de Karim Aïnouz, Bacurau saiu com o prêmio do júri, compartilhado com Les Misérables. Em sua segunda competição oficial, o diretor pernambucano Kléber Mendonça Filho conquista uma espécie de terceiro lugar do festival. Agora a seleção do Brasil para o Oscar ficou difícil, hein? Vamos ver qual consegue melhor campanha até o mês de outubro, quando deve haver a votação da comissão.

O diretor Kléber Mendonça Filho discursa com seu prêmio do Júri por Bacurau. Pic by G1 Globo

O Grande Prêmio do Júri ficou com Atlantique, filme da diretora franco-senegalesa estreante Mati Diop. Ela narra a história de uma jovem prometida para casamento que se apaixona por um homem que sonha migrar ilegalmente para a Europa. Diop já havia quebrado o tabu ao ser a primeira negra na competição, e agora a primeira premiada.

Bastante emocionada, Mati Diop recebe o Grande Prêmio do Júri

Outra cineasta mulher premiada foi a francesa Céline Sciamma por seu roteiro de Portrait of a Lady on Fire. A história da relação entre uma pintora e a modelo de seu retrato foi bastante elogiada em Cannes, mas acabou ficando apenas com o prêmio de Roteiro.

Já premiados duas vezes com a Palma de Ouro nas décadas passadas, os irmãos belgas Jean-Pierre e Luc Dardenne marcaram presença na premiação ao levarem Melhor Direção por O Jovem Ahmed, sobre um jovem árabe que ingressa a radicalização islâmica, e planeja matar seu professor.

Jean-Pierre e Luc Dardenne vencem Melhor Direção por O Jovem Ahmed (pic by Yahoo)

Os prêmios de atuação ficaram com a britânica Emily Beecham por Little Joe, uma espécie de ficção científica com atmosfera de thriller, e com o espanhol Antonio Banderas por interpretar o alter-ego do diretor Pedro Almodóvar em Dor e Glória.

Emily Beecham vence por Little Joe (pic by Yahoo)

Antonio Banderas segura seu prêmio de atuação com Alejandro González Iñárritu (pic by AFP by El Universal)

Iñárritu foi o primeiro latino a presidir o júri de Cannes. Nesta edição, ele contou com a colaboração dos diretores franceses Enki Bilal e Robin Campillo, a atriz americana Elle Fanning, a atriz e diretora senegalesa Maimouna N’Diaye, o diretor grego Yorgos Lanthimos, diretor polonês Paweł Pawlikowski (ambos indicados ao Oscar deste ano), a diretora americana Kelly Reichardt, e a diretora italiana Alice Rohrwacher.

Segue lista completa dos vencedores desta 72a edição:

COMPETIÇÃO

Palma de Ouro: “Parasite,” de Bong Joon-ho

Grande Prêmio do Júri: “Atlantics,” Mati Diop

Direção: Jean-Pierre e Luc Dardenne, “Young Ahmed”

Ator: Antonio Banderas, “Pain and Glory”

Atriz: Emily Beecham, “Little Joe”

Prêmio do Júri — EMPATE: “Les Misérables,” Ladj Ly; “Bacurau,” Kléber Mendonça Filho

Roteiro: Céline Sciamma, “Portrait of a Lady on Fire”

Menção Especial: Elia Suleiman, “It Must Be Heaven”

OUTROS PRÊMIOS

Camera d’Or: “Our Mothers,” Cesar Diaz

Palma de Ouro de Melhor Curta: “The Distance Between the Sky and Us,” Vasilis Kekatos

Menção Especial para Curta: “Monster God,” Agustina San Martin

Prêmio Golden Eye de Documentário: “For Sama”

Prêmio do Júri Ecumênico: “Hidden Life,” Terrence Malick

Queer Palm: “Portrait of a Lady on Fire,”  Céline Sciamma

UN CERTAIN REGARD

Un Certain Regard Award: “The Invisible Life of Eurídice Gusmão,” Karim Aïnouz

Prêmio do Júri: “Fire Will Come,” Oliver Laxe

Direção: Kantemir Balagov, “Beanpole”

Atuação: Chiara Mastroianni, “On a Magical Night”

Roteiro: Meryem Benm’Barek, “Sofia”

Prêmio Especial do Júri: Albert Serra, “Liberté”

Menção Especial do Júri: “Joan of Arc,” Bruno Dumont

Coup de Coeur Award: “A Brother’s Love,” Monia Chokri; “The Climb,” Michael Angelo Covino

DIRECTORS’ FORTNIGHT

Society of Dramatic Authors and Composers Prize: “An Easy Girl,” Rebecca Zlotowski

Europa Cinemas Label: “Alice and the Mayor,” Nicolas Parisier

Illy Short Film Award: “Skip Day” (Patrick Bresnan, Ivete Lucas)

CRITICS’ WEEK

Nespresso Grand Prize: “I Lost My Body,” Jérémy Clapin

Society of Dramatic Authors and Composers Prize: César Díaz, “Our Mothers”

GAN Foundation Award for Distribution: The Jokers Films, French distributor for “Vivarium” by Lorcan Finnegan

Louis Roederer Foundation Rising Star Award: Ingvar E. Sigurðsson, “A White, White Day”

Leitz Cine Discovery Prize for Short Film: “She Runs,” Qiu Yang

Canal Plus Award for Short Film: “Ikki Illa Meint,” Andrias Høgenni

FIPRESCI

Competition: “It Must Be Heaven” (Elia Suleiman)

Un Certain Regard: “Beanpole” (Kantemir Balagov)

Directors’ Fortnight/Critics’ Week: “The Lighthouse” (Robert Eggers)

CINÉFONDATION

First Prize: “Mano a Mano,” Louise Courvoisier

Second Prize: “Hiéu,” Richard Van

Third Prize — TIE: “Ambience,” Wisam Al Jafari; “Duszyczka” (The Little Soul), Barbara Rupik

Anúncios

‘NASCE UMA ESTRELA’ LIDERA as INDICAÇÕES ao SAG AWARDS

Bradley Cooper Lady Gaga

Bradley Cooper e Lady Gaga em cena de Nasce uma Estrela, com 4 indicações ao SAG (pic by IMDb)

SUCESSOS COMERCIAIS ROUBAM A CENA NA CATEGORIA DE ELENCO

Na manhã desta quarta, dia 12, foram anunciadas as indicações da 25ª edição do Screen Actors Guild Awards (SAG). Caso siga a tradição, quem estiver indicado aqui, terá grandes chances de chegar à lista final do Oscar, afinal, trata-se do prêmio do sindicato de atores, o maior grupo dos membros da Academia.

As atrizes Awkwafina e Laverne Cox apresentaram o anúncio dos indicados do SAG. Veja vídeo abaixo:

O drama/musical Nasce uma Estrela foi o recordista deste ano com quatro indicações: Ator (Bradley Cooper), Atriz (Lady Gaga), Ator Coadjuvante (Sam Elliott) e Elenco. Pra mim, Gaga e Elliott já confirmaram suas indicações ao Oscar, enquanto Cooper reforçou seu favoritismo como Melhor Ator. Não entendi bem a indicação de Elenco, porque além dos três atores, existe mais alguém a destacar? Em segundo lugar, vem Infiltrado na Klan e A Favorita, ambos com três indicações cada. Curiosamente, A Favorita não foi reconhecido como Melhor Elenco.

Porém, o que mais chamou a atenção foi como o SAG abraçou a causa do suspenso Oscar de Filme Popular. Em Melhor Elenco, se trocassem o Infiltrado na Klan por Vingadores: Guerra Infinita, por exemplo, a categoria seria baseada em números das bilheterias. Os sucessos comerciais de Pantera Negra e Podres de Ricos, que coincidentemente, têm elencos etnicamente alternativos e politicamente corretos, foram reconhecidos ao lado de Bohemian Rhapsody e Nasce uma Estrela.

Bohemian Rhapsody cast

Bohemian Rhapsody: Indicado para Melhor Ator (Rami Malek) e Elenco (pic by IMDb)

Até 2017, a regra dizia que para o filme ganhar Melhor Filme no Oscar, teria que no mínimo estar entre os indicados nesta categoria de Elenco do SAG, pois isto significava que a produção tinha o suporte necessário do sindicato de atores, como dito, o maior grupo de votantes da Academia. Porém, este ano, A Forma da Água quebrou esse paradigma, ao levar o Oscar sem ser reconhecido como Elenco no SAG. Portanto, muita coisa pode mudar até o final de fevereiro.

Ainda no termômetro popular, o SAG concedeu dupla indicação para Emily Blunt: por reprisar um papel consagrado por Julie Andrews em O Retorno de Mary Poppins, e por fazer caras e bocas no suspense sobrenatural Um Lugar Silencioso. Sério mesmo? Sim. A página do Cinema, Oscar e Afins é super a favor de indicar performances diversas justamente para reconhecer outros trabalhos além do mainstream, mas Um Lugar Silencioso?! Que boa atuação viram na Blunt nessa draga? No lugar dela, se fosse pra diversificar, colocaria Kaily Carter do Mais Uma Chance ou Thomasin McKenzie do Não Deixe Rastros, por exemplo.

Emily Blunt A Quiet Place_

Emily Blunt em cena de Um Lugar Silencioso (pic by IMDb)

SURPRESAS… E NÃO SÃO POUCAS!

SE A RUA BEALE FALASSE e REGINA KING
O filme é dirigido por Barry Jenkins, que causou na temporada de 2016 com Moonlight, e estava ganhando prêmios este ano pelo novo trabalho, mas ficou completamente de fora da lista do SAG, inclusive a até então franco-favorita Regina King  pela categoria de Coadjuvante. Chocante, no mínimo.

ROMA, O PRIMEIRO HOMEM e AS VIÚVAS
Ok, As Viúvas realmente tinha poucas chances aqui, mas alguns acreditavam na possibilidade de indicação de elenco, já que nenhum ator ou atriz estava com gás para decolar em vôo solo, porém é estranho ver Roma e O Primeiro Homem de fora. O filme de Alfonso Cuarón tinha chances com Yalitza Aparicia como Melhor Atriz, enquanto o filme de Damien Chazelle depositava suas esperanças em Claire Foy como Coadjuvante, mas nem isso rolou…

ETHAN HAWKE
Tudo bem que First Reformed nunca foi material para premiações populares e televisionadas, mas Ethan Hawke estava construindo uma bela campanha com vitórias importantes como no LAFCA. Contudo, após ficar de fora do Globo de Ouro e agora do SAG, fica a dúvida no ar: será que ele vai mesmo conquistar sua terceira indicação ao Oscar?

MARGOT ROBBIE
Quando saíram as primeiras imagens do filme Duas Rainhas, estrelado por Saoirse Ronan e Margot Robbie, muitos já apostavam que o filme seria protagonista no Oscar, já que adoram filmes de época e ainda com as atrizes que estavam em seus auges. Entretanto, desde o começo da temporada de premiações, o filme só estava sendo lembrado por seu figurino. Eis que o SAG surge com a primeira oportunidade de ressurgimento com esta indicação surpresa para Robbie como a Rainha Elizabeth I. Será que ainda dá tempo?

Margot Robbie Mary Queen of Scots_

Margot Robbie caracterizada como a Rainha Elizabeth I em Duas Rainhas (pic by IMDb)

JOHN DAVID WASHINGTON
Com o crescimento de Infiltrado na Klan nas premiações, a atuação do filho de Denzel Washington passou a crescer nas preferências dos votantes. Para conquistar este espaço, bateu nomes fortes até agora como Ethan Hawke, Willem Dafoe, Lucas Hedges e Robert Redford.

VICE
Apesar das indicações de Christian Bale e Amy Adams, o elenco formado por atores consagrados como Sam Rockwell e Steve Carell foi esnobado da categoria. Há uma semana, a sátira de Adam McKay sobre o ex-vice presidente Dick Cheney foi abraçada pelo Globo de Ouro, e recentemente pelo Critics’ Choice Awards, enquanto no SAG, apenas Bale e Adams, que aliás, tem muito a comemorar com a ausência de Regina King em sua categoria.

TELEVISÃO

Pelas categorias televisivas, os recordistas foram The Marvelous Mrs. Maisel, e Ozark com quatro indicações cada. Já Barry, GLOW, The Handmaid’s Tale, e The Kominsky Method conquistaram três indicações cada.

Entre as ausências em destaque estão Julia Roberts por Homecoming, Donald Glover por Atlanta, Laura Dern por The Tale, e Benedict Cumberbatch por Patrick Melrose.

INDICADOS AO 25º SAG AWARDS:

CINEMA

MELHOR ATOR
Christian Bale (Vice)
Bradley Cooper (Nasce uma Estrela)
Rami Malek (Bohemian Rhapsody)
Viggo Mortensen (Green Book: O Guia)
John David Washington (Infiltrado na Klan)

MELHOR ATRIZ
Emily Blunt (O Retorno de Mary Poppins)
Glenn Close (A Esposa)
Olivia Colman (A Favorita)
Lady Gaga (Nasce uma Estrela)
Melissa McCarthy (Poderia Me Perdoar?)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Mahershala Ali (Green Book: O Guia)
Timothee Chalamet (Querido Menino)
Adam Driver (Infiltrado na Klan)
Sam Elliott (Nasce uma Estrela)
Richard E. Grant (Poderia Me Perdoar?)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Amy Adams (Vice)
Emily Blunt (Um Lugar Silencioso)
Margot Robbie (Duas Rainhas)
Emma Stone (A Favorita)
Rachel Weisz (A Favorita)

MELHOR ELENCO
Nasce uma Estrela
Pantera Negra
Infiltrado na Klan
Bohemian Rhapsody
Podres de Ricos

TELEVISÃO

MELHOR ATOR EM SÉRIE OU MINISSÉRIE
Antonio Banderas (Genius: Picasso)
Darren Criss (Assassination of Gianni Versace)
Hugh Grant (A Very English Scandal)
Anthony Hopkins (King Lear)
Bill Pullman (The Sinner)

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE OU MINISSÉRIE
Amy Adams (Sharp Objects)
Patricia Arquette (Escape at Dannemora)
Patricia Clarkson (Sharp Objects)
Penelope Cruz (Assassination of Gianni Versace)
Emma Stone (Maniac)

MELHOR ATOR EM SÉRIE DRAMÁTICA
Jason Bateman (Ozark)
Sterling K. Brown (This Is Us)
Joseph Fiennes (The Handmaid’s Tale)
John Krasinski (Tom Clancy’s Jack Ryan)
Bob Odenkirk (Better Call Saul)

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DRAMÁTICA
Julia Garner (Ozark)
Laura Linney (Ozark)
Elisabeth Moss (The Handmaid’s Tale)
Sandra Oh (Killing Eve)
Robin Wright (House of Cards)

MELHOR ATOR EM SÉRIE DE COMÉDIA
Alan Arkin (The Kominsky Method)
Michael Douglas (The Kominsky Method)
Bill Hader (Barry)
Tony Shalhoub (The Marvelous Mrs. Maisel)
Henry Winkler (Barry)

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DE COMÉDIA
Alex Borstein (The Marvelous Mrs. Maisel_
Alison Brie (GLOW)
Rachel Brosnahan (The Marvelous Mrs. Maisel)
Jane Fonda (Grace and Frankie)
Lily Tomlin (Grace and Frankie)

MELHOR ELENCO EM SÉRIE DRAMÁTICA
The Americans
Better Call Saul
The Handmaid’s Tale
Ozark
This Is Us

MELHOR ELENCO EM SÉRIE DE COMÉDIA
Atlanta
Barry
GLOW
The Kominsky Method
The Marvelous Mrs. Maisel

MELHOR EQUIPE DE DUBLÊS EM SÉRIE DRAMÁTICA OU DE COMÉDIA
Glow
Marvel’s: Daredevil
Tom Clancy’s Jack Ryan
The Walking Dead
Westworld

MELHOR EQUIPE DE DUBLÊS DE CINEMA
Homem-Formiga e a Vespa
Vingadores: Guerra Infinita
The Ballad of Buster Scruggs
Pantera Negra
Missão: Impossível – Efeito Fallout

 

***

A 25ª cerimônia do SAG Awards está marcada para o dia 27 de janeiro, e deverá ser transmitida ao vivo pelo canal pago TNT.

Vencedor de 3 Oscars, ’12 Anos de Escravidão’ conquista Melhor Filme

Isso que eu chamo de comemoração: Steve McQueen em momento Matrix no Oscar (fonte: andreii-tarkovsky)

Isso que eu chamo de comemoração: Steve McQueen em momento Matrix no Oscar (fonte: andreii-tarkovsky)

E a briga entre cinema de autor e comercial deu… de autor! A pequena produção de apenas uma câmera bateu as inúmeras câmeras e artefatos digitais de um blockbuster. Na metade da cerimônia, havia fortes indícios de que 12 Anos de Escravidão perderia seu posto de Melhor Filme, pois Gravidade estava ganhando tudo, mas na reta final o filme sobre escravidão cresceu ao vencer Atriz Coadjuvante e Roteiro Adaptado.

Aliás, a anfitriã da noite, Ellen DeGeneres, já soltou a melhor pérola da noite sobre o assunto:
“There are several possibilities for the evening. The first is that “12 Years a Slave” wins Best Picture. “Possibility No. 2: You’re all racists. (Há inúmeras possibilidades para a noite. A primeira é que ’12 Anos de Escravidão’ ganhe Melhor Filme. Possiblidade nº 2: Vocês todos são racistas).”

Em sua segunda atuação como hostess, Ellen DeGeneres estava mais soltinha. Ao comentar sobre a performance de Jonah Hill em O Lobo de Wall Street: “I have to say you showed me something in that film that I have not see for a very, very long time (Tenho que dizer que você me mostrou uma coisa no filme que eu não vejo há muito, muito tempo)” – referindo-se ao pênis de seu personagem e ao fato de que DeGeneres é homossexual. Também se mostrou mais venenosa quando chamou a atriz Liza Minelli de um homem imitando Liza Minelli. Mas os melhores momentos dela foram aqueles em que interagiu com as celebridades nos assentos, seja servindo pizza (!) ou tirando uma foto selfie com vários atores, que ela postou em seu Twitter.

Você nunca imaginou que fosse ver Brad Pitt comendo pizza no Oscar, né?

Você nunca imaginou que fosse ver Brad Pitt comendo pizza no Oscar, né? (fonte: valonqars)

Para aqueles que achavam que a pizza estava no roteiro... HA!

Para aqueles que achavam que a pizza estava no roteiro… HA!

Ellen DeGeneres reuniu a galera para um selfie

Ellen DeGeneres reuniu a galera para um selfie

O mais engraçado foi quando Ellen pegou o chapéu alto de Pharrell Williams para coletar dinheiro para pagar as pizzas. Ao abordar Brad Pitt: “20 dólares?! Você estava em dois filmes, Brad!”. Tentou arrecadar dinheiro com uma das atrizes mais bem pagas de Hollywood, Sandra Bullock, e depois com o produtor Harvey Weinstein, que doou 200 dólares para a conta. Genial!

Quanto aos resultados, foi um dos Oscars mais previsíveis dos últimos anos. Eu esperava ansiosamente por uma surpresa que não vinha. Acreditei que haveria uma delas nas categorias de atuação, pois Filme e Diretor estavam praticamente certos. Como a categoria de Melhor Ator era a mais competitiva, cogitei algo radical como a vitória de Leonardo DiCaprio ou, na pior das hipóteses Chiwetel Ejiofor ou Bruce Dern.

Pra não dizer que não houve nada, a vitória de Gravidade como Montagem chega a surpreender um pouco devido à total derrota de Capitão Phillips, que já havia ganhado o Eddie Awards de edição. Quando vi Alfonso Cuarón recebendo esse prêmio, cheguei a pensar que ele poderia perder o Oscar de Diretor para Steve McQueen. Aliás, como Sidney Poitier apresentou Diretor (ao lado de Angelina Jolie), visualizei um daqueles casos de favorecimento que a Academia adorava aplicar, como quando botaram Penélope Cruz e Antonio Banderas para apresentar Filme Estrangeiro para Pedro Almodóvar ou quando chamaram Sophia Loren para conceder o Oscar para Roberto Benigni, MAS a noite era de Gravidade, e não foi desta vez que vimos o primeiro diretor negro a ganhar o Oscar, mas o primeiro hispânico.

O grande perdedor da noite foi Trapaça, que saiu de mãos abanando. No post anterior, comentei a curiosidade dos últimos filmes com 10 indicações não terem levado nada como Bravura Indômita (2010) e Gangues de Nova York (2002). Talvez seja uma maldição numérica! Mais uma pra coleção do Oscar… Mas a verdade é que o filme de David O. Russell não era melhor em nenhum das 10 categorias. Nem Jennifer Lawrence, nem Roteiro Original. Trata-se de um filme bem dirigido, atuado e escrito, mas sem grandes alardes.

Fiquei feliz pelo primeiro e merecido Oscar de Melhor Fotografia para Emmanuel Lubezki. Apesar de se tratar de um trabalho mais de pós do que iluminação de set, ele sabe aliar bem ambos os universos dos atores com os efeitos. Agora está faltando o Oscar para Roger Deakins, né Academia? E também da vitória da canção “Let it Go”, pois estava com receio de que “Ordinary Love” só seria premiada por causa da recente morte de Nelson Mandela. Pena que John Travolta errou completamente o nome da atriz e cantora Idina Menzel, a qual ele chamou de algo parecido como “Adele Nazeem”. Triste.

Embora estivesse torcendo por Judi Dench (que estava ausente para filmar O Exótico Marigold Hotel 2), gostei do discurso de Cate Blanchett. Além de agradecer a Woody Allen (em menção simples para não se complicar devido à recente polêmica), deu um puxão de orelha nos executivos de Hollywood ao afirmar que filmes com mulheres no papel central não são nichos, mas produções rentáveis.

Quanto à cerimônia, alguns comentários breves. Primeiro, havia números musicais em excesso. Por mais que a canção “Alone Not Yet Alone” tenha sido eliminada, resolveram incluir a performance desnecessária de Pink cantando “Somewhere Over the Rainbow” numa homenagem sem graça dos 75 anos de O Mágico de Oz, e a de Bette Midler, que se tivesse que cantar mesmo, que cantasse durante o clipe do In Memorian. Segundo: também em decorrência do excesso de músicas, havia breaks comerciais demais. Estava cansado das chamadas bregas da TNT!

Terceiro: a decoração de palco do Oscar estava muito amador. Várias máquinas de escrever ao fundo para apresentar os prêmios de roteiro? Sério mesmo?! E as lâmpadas que se assemelham a refletores de cinema que mais distraem do que decoram. Quarto: Pra que dois clipes sobre heróis?

Sem surpresa NENHUMA: todos venceram o SAG Awards (fonte: fionagoddess)

Sem surpresa NENHUMA: todos venceram o SAG Awards (fonte: fionagoddess)

Confira todos os vencedores do Oscar 2014:

MELHOR FILME
12 Anos de Escravidão (12 Years a Slave)

MELHOR DIRETOR
Alfonso Cuarón (Gravidade)

Um por minha montagem e outro por minha direção de Gravidade (fonte: mocriss)

Um por minha montagem e outro por minha direção de Gravidade (fonte: mocriss)

MELHOR ATOR
Matthew McConaughey (Clube de Compras Dallas)

MELHOR ATRIZ
Cate Blanchett (Blue Jasmine)

Cate Blanchett por Blue Jasmine

Cate Blanchett por Blue Jasmine

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Jared Leto (Clube de Compras Dallas)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Lupita Nyong’o (12 Anos de Escravidão)

Bela imagem de Lupita Nyong'o ostentando seu Oscar de estreante (fonte: kate-mara)

Bela imagem de Lupita Nyong’o ostentando seu Oscar de estreante (fonte: kate-mara)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
Spike Jonze (Ela)

"Calm down": Spike Jonze atende os jornalistas

“Calm down”: Spike Jonze atende os jornalistas

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
John Ridley (12 Anos de Escravidão)

MELHOR FOTOGRAFIA
Emmanuel Lubezki (Gravidade)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
Catherine Martin, Beverley Dunn (O Grande Gatsby)

MELHOR MONTAGEM
Alfonso Cuarón, Mark Sanger (Gravidade)

MELHOR FIGURINO
Catherine Martin (O Grande Gatsby)

MELHOR MAQUIAGEM
Adruitha Lee, Robin Mathews (Clube de Compras Dallas)

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
Steven Price (Gravidade)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Let It Go” – Robert Lopez, Kristen Anderson-Lopez (Frozen: Uma Aventura Congelante)

MELHOR SOM
Skip Lievsay, Niv Adiri, Christopher Benstead, Chris Munro (Gravidade)

MELHORES EFEITOS SONOROS
Glenn Freemantle (Gravidade)

MELHORES EFEITOS VISUAIS
Timothy Webber, Chris Lawrence, David Shirk, Neil Corbould (Gravidade)

MELHOR ANIMAÇÃO
Frozen: Uma Aventura Congelante (Frozen)

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
A Grande Beleza (Itália)

MELHOR DOCUMENTÁRIO
A Um Passo do Estrelato (20 Feet from Stardom), de Morgan Neville

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA
The Lady in Number 6: Music Saved My Life, de Malcolm Clarke, Carl Freed

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
Mr. Hublot, de Laurent Witz, Alexandre Espigares

MELHOR CURTA-METRAGEM
Helium, de Anders Walter