Alejandro G. Iñárritu, George Miller, Tom McCarthy, Ridley Scott e Adam McKay conquistam indicação ao DGA 2016

directors2015b-816x460

Do alto, da esquerda para direita: Adam McKay, Ridley Scott, Tom McCarthy, Alejandro González Iñárritu e George Miller (photo montage by awardsdaily.com)

DIRETOR BRASILEIRO, FERNANDO COIMBRA, É RECONHECIDO POR NOVA CATEGORIA PARA ESTREANTES

Por se tratar de um dos melhores parâmetros para o Oscar (se não o melhor), o DGA é praticamente garantia de que o vencedor aqui leva o prêmio de direção da Academia em seguida. E quem estiver fora dessa lista, pode praticamente dar adeus a uma vitória no Oscar. Nesse caso, os excluídos Todd Haynes (Carol) e Steven Spielberg (Ponte dos Espiões) podem até conquistar uma indicação ao Oscar na quinta-feira, mas chances reais de vitória caem drasticamente.

Pra quem não se recorda, vale lembrar que em 67 anos de existência, o DGA só não coincidiu com o vencedor do Oscar de diretor em apenas 7 ocasiões:

  • Em 1968: Anthony Harvey ganhou o DGA Award por O Leão no Inverno, enquanto Carol Reed levou o Oscar por Oliver!
  • Em 1972: Francis Ford Coppola por O Poderoso Chefão (DGA) e Bob Fosse por Cabaret (Oscar).
  • Em 1985: Steven Spielberg por A Cor Púrpura (DGA), e Sydney Pollack por Entre Dois Amores (Oscar).
  • Em 1995: Ron Howard por Apollo 13 (DGA), e Mel Gibson por Coração Valente (Oscar).
  • Em 2000: Ang Lee por O Tigre e o Dragão (DGA) e Steven Soderbergh por Traffic (Oscar).
  • Em 2002: Rob Marshall por Chicago (DGA) e Roman Polanski por O Pianista (Oscar).
  • Em 2013: Ben Affleck por Argo (DGA) e Ang Lee por As Aventuras de Pi (Oscar).

Pra ser bem sincero, acredito que Adam McKay deve ceder sua vaga no Oscar para Haynes, o que fortaleceria suas chances de ganhar como roteirista por A Grande Aposta.

Enfim… as indicações ao DGA foram anunciadas hoje, dia 12, e o presidente do sindicato, Paris Barclay, aproveitou para elogiar os trabalhos de 2015: “O que faz com que este ano seja diferente é a ambição desenfreada dos indicados – no tema , na produção, na imaginação visual. O que faz com que este ano seja o mesmo é que os filmes foram todos escolhidos pelos colegas dos diretores, e é claro que nossos membros adoram quando as pessoas usam sua visão e habilidade para elevar os meios para novos patamares. Parabéns a todos os indicados por seu trabalho incrível.”

Pelo discurso, parecia que ele estava elogiando o trabalho ousado de George Miller em Mad Max: Estrada da Fúria, o que talvez soaria como um indicativo de que este pode ser o primeiro DGA de Miller, mas ele terá dura competição pela frente, com um imbatível Alejandro González Iñárritu, que acaba de levar o Globo de Ouro por O Regresso, e Ridley Scott por Perdido em Marte, que está com cara de que pode levar mais pelo conjunto de sua obra do que pelo filme em si.

Nesta 68ª edição, o DGA resolveu criar uma nova categoria destinada a diretores estreantes, tamanho o talento encontrado em novos diretores. Por se tratar de um prêmio novíssimo, não dá pra saber ainda se ele terá algum tipo de impacto no Oscar, mas definitivamente, trata-se de um reconhecimento merecido.

Além de figuras mais conhecidas como Alex Garland (que roteirizou Extermínio, Sunshine – Alerta Solar e Não me Abandone Jamais) e Joel Edgerton (ator de Reino Animal, Guerreiro e O Grande Gatsby), o diretor brasileiro Fernando Coimbra foi indicado por seu trabalho no bom e tenso thriller O Lobo Atrás da Porta, uma espécie de Atração Fatal carioca. Ele, que já vinha em ascensão com a direção de episódios da série Narcos e agora filmando Sand Castle, longa estrelado por Henry Cavill e Nicholas Hoult, passa a ter mais destaque no cenário internacional com esta indicação. Espero que ele prospere e siga a trajetória de sucesso de nossos diretores Walter Salles, Fernando Meirelles e José Padilha.

oloboatrasdaporta

Em primeiro plano, Leandra Leal em cena de O Lobo Atrás da Porta, de Fernando Coimbra (photo by cinemaorama.com.br)

 

Seguem os indicados a Diretor:

ALEJANDRO GONZÁLEZ IÑÁRRITU (O Regresso)

Alejandro González IñárrituVencedor do DGA de 2015 por Birdman, esta é sua terceira indicação. Perdeu em 2007 por Babel. Como cinéfilo e admirador do diretor desde seu primeiro longa Amores Brutos (2000), acredito que ele evoluiu bastante. Por um momento, temi que ele fosse se limitar à estrutura narrativa de histórias paralelas que se cruzam com uma tragédia, mas ele conseguiu se superar com Biutiful e Birdman, e promete ser um daqueles raros diretores que buscam inovações a cada novo trabalho. Com a colaboração inestimável de seu DP (diretor de fotografia) Emmanuel Lubezki, Iñárritu se mostra promissor e deve conquistar pelo menos mais uma estatueta do Oscar.

TOM McCARTHY (Spotlight – Segredos Revelados)

Tom McCarthyFoi atuando como ator que Tom McCarthy começou a observar o trabalho dos diretores. Por estar no elenco, viu de perto o modo de trabalho de Richard Donner em Teoria da Conspiração, George Clooney em Boa Noite e Boa Sorte e Clint Eastwood em A Conquista da Honra. Logo em seu primeiro filme como diretor, em O Agente da Estação, foi premiado pelo BAFTA, Independent Spirit e Sundance. Em seguida dirigiu dois bons trabalhos em O Visitante e Ganhar ou Ganhar – A Vida é um Jogo, mas em 2014, resolveu dirigir um filme bem ruinzinho estrelado por Adam Sandler, Trocando os Pés. Felizmente, voltou a um cinema mais consistente em Spotlight – Segredos Revelados. Esta é sua primeira indicação ao DGA.

ADAM McKAY (A Grande Aposta)

Adam McKaySe olharmos para a filmografia de Adam McKay, encontraremos exemplares das comédias estreladas por Will Ferrell como Ricky Bobby – A Toda Velocidade, Quase Irmãos e Os Outros Caras, filmes que dificilmente seriam reconhecidos no Oscar ou mesmo no DGA. Imagino que deve ter amadurecido seu feeling e timing cômico nessa trama sobre a crise econômica de A Grande Aposta. Espero. Esta é sua primeira indicação ao DGA.

 

GEORGE MILLER (Mad Max: Estrada da Fúria)

George MillerGeorge Miller era daqueles diretores que eu pensava: “Por que esse cara nunca foi reconhecido pela Academia?” Ele dirigiu uma das melhores trilogias do cinema: Mad Max. E nada! Então, ele passou a ser mais sentimentalista (ou passou a se vender – dependendo do ponto de vista) dirigindo dramas como O Óleo de Lorenzo (1992) e dirigir filmes fofinhos como Babe – O Porquinho Atrapalhado na Cidade (1998) e animação Happy Feet: O Pingüim (2006) e sua continuação. Acho que só o fato de ele ter conseguido convencer o estúdio a lhe dar carta branca pra fazer esse insano e politicamente incorreto Mad Max: Estrada da Fúria em tempos de cinema careta já foi uma vitória incontestável. Esta é sua primeira indicação ao DGA.

RIDLEY SCOTT (Perdido em Marte)

Ridley ScottEu tinha uma grande admiração por Ridley Scott. Ele dirigiu duas das melhores ficções científicas da História do Cinema: Alien, o Oitavo Passageiro (1979) e Blade Runner – O Caçador de Andróides (1982), mas desde que o vi com aquela cara de mau perdedor no Oscar 2001, quando competia por Gladiador e perdeu para Steven Soderbergh (Traffic), fiquei com a expressão: “Esse mau perdedor aí é o diretor de Alien?”. Seu novo filme Perdido em Marte é uma boa ficção científica que tem como mérito ser otimista, algo muito raro no gênero. Acredito que tem grandes chances aqui e no Oscar, porém mais por sua filmografia que inclui o cult Thelma & Louise, Os Duelistas e Chuva Negra. Esta é sua quarta indicação ao DGA. Ele foi indicado antes por Thelma & Louise, Gladiador e Falcão Negro em Perigo.

Seguem os indicados a Melhor Diretor Estreante:

  • Fernando Coimbra (O Lobo Atrás da Porta)
  • Joel Edgerton (O Presente)
  • Alex Garland (Ex-Machina: Instinto Artificial)
  • Marielle Heller (O Diário de uma Adolescente)
  • László Nemes (O Filho de Saul)

 

O 68º DGA Awards acontece no dia 06 de fevereiro.

10 Efeitos Visuais se classificam para o Oscar 2016

ex-machina-825538l

Alicia Vikander como a ciborgue Ava em Ex-Machina: Instinto Artificial (photo by cinemagia.ro)

FILMES DA MARVEL DIVIDEM A LISTA COM ‘STAR WARS’ E ‘MAD MAX’

No último dia 7, a Academia havia anunciado uma lista com 20 produções classificadas para a categoria de Efeitos Visuais, que, como programado, tornou-se uma lista de 10 filmes hoje, dia 21.

Semi-finalistas que disputarão as 5 vagas da categoria:

Homem-Formiga (Ant-Man)
Vingadores: Era de Ultron (Avengers: Age of Ultron)
Ex-Machina: Instinto Artificial (Ex Machina)
Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros (Jurassic World)
Mad Max: Estrada da Fúria (Mad Max: Fury Road)
Perdido em Marte (The Martian)
O Regresso (The Revenant)
Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força (Star Wars: The Force Awakens)
Tomorrowland: Um Lugar Onde Nada é Impossível (Tomorrowland)
A Travessia (The Walk)

Desses classificados, acho que a maior surpresa foi Tomorrowland: Um Lugar Onde Nada é Impossível (estou começando a odiar esses subtítulos-apostos!), porque o filme foi pouco visto e até criticado! Mas às vezes, os efeitos podem compensar uma imagem ruim do filme. Contudo, não querendo desanimar os possíveis fãs do filme, não acredito que passe dessa lista.

tomorrowland-651139l

George Clooney em cena de Tomorrowland: Um Lugar Onde Nada é Impossível (photo by cinemagia.ro)

Fiquei um pouco surpreso com a inclusão de Homem-Formiga. Não que não mereça necessariamente, mas acho que depois de ver os efeitos do clássico O Incrível Homem que Encolheu (1957), parece que pouca coisa evoluiu em termos de encolhimento no cinema. Já a sequência Vingadores: Era de Ultron, apesar de um roteiro bem fraco, apresenta efeitos visuais em cada frame e os números certos de bilheteria para tentar uma indicação ao Oscar. O primeiro filme dos heróis foi indicado, mas perdeu para As Aventuras de Pi em 2013.

ant-man-289003l-1600x1200-n-e4c88576

Paul Rudd como Homem-Formiga (photo by cinemagia.ro)

Avengers Age of Ultron

Hulk, Homem de Ferro, Capitão América, Gavião Arqueiro, Viúva Negra e Thor em cena de Vingadores: Era de Ultron (photo by outnow.ch)

Dentre os desclassificados,  inicialmente fiquei um pouco chocado com a exclusão de No Coração do Mar, mas depois que li alguns reviews e vi o péssimo desempenho nas bilheterias, acho que seria pedir demais uma indicação ao Oscar para o filme de baleia de Ron Howard.

Daquela minha aposta dos 5 indicados, terei que mudar justamente esse filme excluído. Então, meu palpite fica assim:

  • Jurrasic World: O Mundo dos Dinossauros
  • Mad Max: Estrada da Fúria
  • Ex-Machina: Instinto Artificial
  • Star Wars: O Despertar da Força
  • A Travessia

 

O anúncio com os 5 indicados será no dia 14 de janeiro, e a cerimônia acontece no dia 28 de fevereiro no Dolby Theater em Hollywood.

20 Finalistas Disputam 5 vagas no Oscar de Efeitos Visuais de 2016

FURY ROAD

Tom Hardy no green screen de Mad Max: Estrada da Fúria (photo by oneperfectshotdb.com)

EM UM DOS ANOS MAIS CONCORRIDOS, CATEGORIA TEM ‘MAD MAX’ E ‘STAR WARS’

Até o ano passado, a Academia selecionava 10 finalistas antes de definir os 5 indicados na categoria de Efeitos Visuais, contudo, com o crescimento massivo de produções hollywoodianas que utilizam a tecnologia digital do blue/green screen, a lista aumentou para 20 concorrentes. Só relembrando: o primeiro prêmio de Efeitos Especiais foi entregue em 1940 para a aventura E as Chuvas Chegaram. Nas décadas seguintes, houve anos em que o prêmio não foi concedido por falta de candidatos (vejam só!) e alguns foram agraciados com um prêmio especial como O Vingador do Futuro (1990). Até a década de 2000, era bastante comum haver no máximo 3 indicados na categoria. Hoje são cinco.

the_rains_came1

Cena de E as Chuvas Chegaram (1939), primeiro vencedor do Oscar de Efeitos Especiais (photo by virtual-history.com)

Como dizem em Hollywood: “Nada é impossível no cinema”, e os efeitos têm sido um importantíssimo aliado para contar histórias fantásticas, ainda mais em tempos de safra rica de adaptações de histórias em quadrinhos. Aliás, ano passado, apostei em O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos e Transformers: Era da Extinção, mas a Academia indicou para seus lugares Capitão América 2: O Soldado Invernal e X-Men: Dias de um Futuro Esquecido. Novos tempos ou as cifras falaram mais alto?

Este ano, temos duas produções da Marvel no páreo. Será que um deles passa para a lista final? Segue a relação dos 20 filmes em ordem alfabética:

Chappie (Chappie)
O Destino de Júpiter (Jupiter Ascending)
Evereste (Everest)
Ex-Machina: Instinto Artificial (Ex Machina)
O Exterminador do Futuro: Gênesis (Terminator Genisys)
Homem-Formiga (Ant-Man)
Jogos Vorazes: A Esperança – O Final (The Hunger Games: Mockingjay – Part 2)
Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros (Jurassic World)
Mad Max: Estrada da Fúria (Mad Max: Fury Road)
Missão: Impossível – Nação Secreta (Mission: Impossible – Rogue Nation)
No Coração do Mar (In the Heart of the Sea)
Perdido em Marte (The Martian)
Ponte dos Espiões (Bridge of Spies)
O Regresso (The Revenant)
Star Wars: O Despertar da Força (Star Wars: The Force Awakens)
Tomorrowland: Um Lugar Onde Nada é Impossível (Tomorrowland)
A Travessia (The Walk)
Velozes & Furiosos 7 (Furious Seven)
Vingadores: Era de Ultron (Avengers: Age of Ultron)
007 Contra Spectre (Spectre)

Mesmo com a expansão do número de candidatos, algumas produções mais comentadas ficaram de fora da primeira de duas peneiras: Cinderela, A Colina Escarlate, Quarteto Fantástico, Kingsman: Serviço Secreto, Pixels e Terremoto: A Falha de San Andreas. A segunda lista com 10 filmes será divulgada no final deste mês pelo Comitê de Efeitos Visuais da Academia.

Entre os que estão concorrendo ainda, acredito que alguns fatores devem ajudar a colocar o filme no Oscar. Primeiro: os efeitos visuais têm que ajudar a contar a história. Nada de efeitos decorativos ou ilustrativos. Imagine o seguinte: se não houvesse esse efeito, não haveria filme. Segundo: A força das bilheterias. Não sejamos hipócritas: os números de ingressos vendidos ajuda, e muito, numa indicação ao Oscar, principalmente aqui, onde os candidatos foram protagonistas da alta temporada do verão americano. Quanto mais visto for o filme, mais chances ele tem de chegar à final. Terceiro: Histórico. Grandes nomes envolvidos com efeitos superam até mesmo boas campanhas. Se você nunca ouviu falar de nomes como Jim Rygiel, Robert Legato, Tim Alexander, John Frazier, Dennis Muren, tudo bem. Mas se os diretores envolvidos tiverem um bom currículo, as chances também aumentam: George Miller, Ron Howard, Robert Zemeckis e J.J. Abrams.

Portanto, já me adiantando ao primeiro corte de 10 filmes, já divulgo minhas apostas para os 5 indicados para Efeitos Visuais.

  • Jurrasic World: O Mundo dos Dinossauros
  • Mad Max: Estrada da Fúria
  • No Coração do Mar
  • Star Wars: O Despertar da Força
  • A Travessia

Fazendo um breve resumo das escolhas:

  • Os primeiros dois Jurassic Park foram indicados a Efeitos Visuais, sendo que o primeiro ganhou com honras. Este novo, que foi um mega-sucesso, deve ter seu espaço garantido por apresentar novos dinos.
Jurassic World

Chris Pratt trabalha com os velociraptors em Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros (photo by outnow.ch)

  • O novo filme da saga Mad Max pode ser considerada a mistura perfeita entre efeitos visuais digitais com efeitos práticos, ou seja, efeitos criados com computação gráfica harmoniosamente funcionando com efeitos criados em set como explosões e batidas de carros. Com bilheteria em alta e a crítica ao seu lado, o filme de George Miller pode ser o recordista de indicações este ano no Oscar.
  • Dos cinco, No Coração do Mar foi o que mais tive dúvidas. Os efeitos lembram aqueles usados em As Aventuras de Pi (2012) e Mestre dos Mares – O Lado Mais Distante do Mundo (2003). Ambos foram indicados e o primeiro levou a estatueta. Os efeitos com água sempre estão em alta, e a baleia em si é uma protagonista. Além disso, tem o diretor vencedor do Oscar, Ron Howard, o que sempre ajuda na hora do desempate.
In the Heart of the Ocean vfx

Cena da baleia em No Coração do Mar (photo by cine.gr)

  • A primeira trilogia de Star Wars toda foi vencedora do Oscar da categoria. Já a segunda recebeu duas indicações, mas sem vitória. Por tradição, esta terceira deve ter sua primeira parte com lugar garantido, pelo menos como indicada. A vitória ainda é incerta, pois, apesar do sucesso estrondoso que vai ser, Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força não deve apresentar efeitos tão inovadores. Vale lembrar que Star Wars: Episódio I – A Ameaça Fantasma perdeu para a novidade digital da época: Matrix.
Star Wars vfx

Daisy Ridley com o robô BB8 em cena de Star Wars: Episódio VII – O Desperar da Força (photo by outnow.ch)

  • Robert Zemeckis ficou conhecido por filmes com efeitos visuais como De Volta Para o Futuro, Forrest Gump: O Contador de Histórias e Contato, fama que o coloca automaticamente na disputa. Embora A Travessia tenha recebido críticas boas e ruins, todos elogiaram os efeitos visuais da parte final da travessia do World Trade Center. E justamente os efeitos podem lhe garantir a indicação de consolação pelo filme todo no Oscar.
The Walk vfx

Joseph Gordon-Levitt em cena final de A Travessia (photo by outnow.ch)

As indicações ao 88º Oscar serão anunciadas no dia 14 de janeiro, e a cerimônia de entrega está prevista para o dia 28 de fevereiro.

Indicações ao DGA 2015 ajudam ‘Sniper Americano’ e ‘O Jogo da Imitação’

Da esquerda pra direita: Clint Eastwood, Alejandro González Iñárritu, Richard Linklater, Wes Anderson e Mortem Tyldum são os indicados ao DGA 2015 (photo by variety.com)

Da esquerda pra direita: Clint Eastwood, Alejandro González Iñárritu, Richard Linklater, Wes Anderson e Mortem Tyldum são os indicados ao DGA 2015 (photo by variety.com)

O 67th Annual DGA Awards divulgou nesta terça, dia 13, seus cinco indicados a Melhor Diretor e os filmes Sniper Americano e O Jogo da Imitação têm motivos para comemorar. Não que os demais indicados Boyhood, Birdman e O Grande Hotel Budapeste não tenham, mas suas inclusões na lista foram as surpresas desta edição.

Sei que é muito fácil dizer isso agora, mas eu já previa uma nova indicação para Clint Eastwood. Para quem acompanhou a escalada relâmpago de Sniper Americano nos últimos prêmios (foi indicado para  ADG, Eddie, PGA e WGA), já podia imaginar que essa crescente resultaria em algo maior. Aliás, espera-se o longa conquiste seu espaço entre as indicações ao Oscar, que serão anunciadas nesta quinta.

Já a presença do norueguês Morten Tyldum soa como uma espécie de estranho no ninho. Embora seu O Jogo da Imitação esteja presente em todos os prêmios, ele não vinha tendo quase nenhuma projeção como diretor. Nem no Critics’ Choice Awards que tem seis vagas na categoria ele conseguiu uma indicação! Contudo, o sindicato dos diretores, formado por mais de 15 mil votantes, enxergou qualidade em sua direção. Embora eu não tenha visto O Jogo da Imitação, vi seu filme anterior, Headhunters, que apresenta uma trama intricada envolvendo roubo de quadros, mas que tem na tensão do início ao fim resultado de uma paranóia crescente, que lembra A Conversação (1974), de Francis Ford Coppola, sua melhor qualidade como diretor.

Por mais que não tenham enviado cópias de Selma para os sindicatos, a exclusão mais comentada foi a de sua diretora Ava DuVernay, pois ela foi indicada ao Globo de Ouro e ao Critics’ Choice Awards. No início da temporada, havia uma expectativa de que poderia rolar uma competição inédita envolvendo duas diretoras: DuVernay e Angelina Jolie, por O Invencível, mas a última não tem sido uma unanimidade entre os críticos. Já Ava DuVernay ainda tem grandes chances de concorrer ao Oscar, por dois motivos básicos: 1º Os responsáveis pela campanha de Selma enviaram os screeners para a Academia (ao contrário dos sindicatos); e 2º a Academia adora fatos inéditos para sua gloriosa História. Se indicada, ela será a primeira diretora negra a competir na categoria de Direção, ou como eles gostam de chamar lá, afro-americana.

Entre os demais excluídos estão David Fincher (Garota Exemplar), Damien Chazelle (Whiplash: Em Busca da Perfeição), James Marsh (A Teoria de Tudo) e Dan Gilroy (O Abutre). Alguns fãs mais calorosos também argumentam a ausência de Christopher Nolan por Interestelar. Bom, como já vi o filme, posso dizer que concordo com a sua exclusão, pois apesar do estilo visual apurado dele, considero Nolan didático demais. Ele precisa explicar tudo pra fazer a história andar, por isso que seus filmes são tão longos e chatos…

Com as indicações, o DGA Awards praticamente confirma as indicações ao Oscar de Richard Linklater, Alejandro González Iñárritu e Wes Anderson. As outras duas vagas podem e devem mudar na quinta-feira no anúncio do Oscar.

Seguem os indicados ao 67º DGA Awards:

Wes Anderson

Wes Anderson

WES ANDERSON
O Grande Hotel Budapeste
Conhecido por filmes alternativos e seu humor refinado, esta é a primeira indicação dele no DGA. Para quem acompanha seus filmes desde os anos 90 como Três é Demais, Os Excêntricos Tenenbaums, A Vida Marinha com Steve Zissou, O Fantástico Sr. Raposo e Moonrise Kingdom, é possível ver uma nítida evolução nesse O Grande Hotel Budapeste. Comparado a Tim Burton por sua forte identificação de estilo visual nos campos da Direção de Arte, Fotografia e Figurino, Wes Anderson passou a aprimorar sua direção nos roteiros de sua autoria, aliados à sua montagem seca que valoriza o humor. Esta indicação vem mais do que merecida.

 

Clint Eastwood

Clint Eastwood

CLINT EASTWOOD
Sniper Americano
Pupilo de mestres como Sergio Leone e Don Siegel, Clint Eastwood se tornou um novo mestre do cinema contemporâneo ao tratar de temas polêmicos como a pedofilia em Sobre Meninos e Lobos, a síndrome de Estocolmo em Um Mundo Perfeito e a eutanásia em Menina de Ouro. Ele retorna com um tratamento diferenciado do vício da guerra em Sniper Americano. Esta é sua quarta indicação no DGA. Ele venceu duas vezes: em 1993 por Os Imperdoáveis, e em 2005 por Menina de Ouro. Em 2006, foi homenageado pelo prêmio pelo conjunto da carreira.

Alejandro González Iñárritu

Alejandro González Iñárritu

ALEJANDRO GONZÁLEZ IÑÁRRITU
Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)
O diretor mexicano ficou conhecido mundialmente por seu visceral Amores Brutos (2000) – o qual sou muito mais o título original ‘Amores Perros’ – e assim como incontáveis talentos estrangeiros, aproveitou a oportunidade de projeção internacional e embarcou em um projeto com atores hollywoodianos. O dele se chamada 21 Gramas, que tinha ninguém menos do que Sean Penn e a ascendente Naomi Watts e Benicio Del Toro. Com seu sucesso de crítica, avançou uma casa e realizou um projeto mais ambicioso intitulado Babel, com atores de várias nacionalidades como a japonesa Rinko Kikuchi e a mexicana Adriana Barraza, mas também contou com Brad Pitt e Cate Blanchett. Agora com Birdman, conseguiu reavivar a carreira do sumido Michael Keaton e até de Edward Norton, que estava meio apagado nos últimos anos. Esta é sua segunda indicação ao DGA. Ele foi indicado anteriormente por Babel em 2007.

Richard Linklater

Richard Linklater

RICHARD LINKLATER
Boyhood: Da Infância à Juventude
Embora esta seja a primeira indicação de Richard Linklater, ele é bastante conhecido no circuito independente de cinema. Além da trilogia Antes do Amanhecer, Antes do Pôr-do-Sol e Antes da Meia-Noite, ele foi responsável por cults como Jovens, Loucos e Rebeldes e Waking Life. Costuma trabalhar sempre com os mesmos colaboradores como Ethan Hawke, Julie Delpy, Patricia Arquette e Keanu Reeves. Contudo, a grande ambição por trás de Boyhood deve lhe garantir o prêmio, pois desafiou o sistema de contratos longos ao estender suas filmagens por 12 anos e assim finalizar um projeto baseado em amor. E filmes sobre amadurecimento jamais serão os mesmos depois de Boyhood.

Morten Tyldum

Morten Tyldum

MORTEN TYLDUM
O Jogo da Imitação
Também estreante no DGA, o diretor norueguês Morten Tyldum teve trajetória semelhante ao de Alejandro González Iñárritu, pois depois do sucesso de seu filme Headhunters, todo falado em norueguês, ele recebeu convite para dirigir a adaptação de Graham Moore sobre a história vitoriosa do matemático Alan Turing, que quebrou os códigos alemães para acabar com a Segunda Guerra Mundial. Para esta adaptação, ele logo conseguiu juntar grandes talentos em ascensão como Benedict Cumberbatch, que já é almejado por vários diretores consagrados. Independente da indicação ao Oscar, deve ter caminho brilhante adiante.

“Num ano repleto de filmes excelentes, os membros do DGA indicaram um grupo estelar de cineastas apaixoandos. Inspiradores e artísticos, estes cinco diretores fizeram filmes que deixaram um impacto marcante não apenas em seus companheiros diretores e membros do time de diretores, mas no público mundo afora. Parabéns a todos os indicados por seu trabalho magnífico”, declarou o presidente do DGA Paris Barclay.

Vale sempre ressaltar que o vencedor do DGA está com a mão na taça, pois em toda sua história, apenas em sete casos o vencedor não coincidiu:

  • Em 1968: Anthony Harvey ganhou o DGA Award por O Leão no Inverno, enquanto Carol Reed levou o Oscar por Oliver!
  • Em 1972: Francis Ford Coppola por O Poderoso Chefão (DGA) e Bob Fosse por Cabaret (Oscar).
  • Em 1985: Steven Spielberg por A Cor Púrpura (DGA), e Sydney Pollack por Entre Dois Amores (Oscar).
  • Em 1995: Ron Howard por Apollo 13 (DGA), e Mel Gibson por Coração Valente (Oscar).
  • Em 2000: Ang Lee por O Tigre e o Dragão (DGA) e Steven Soderbergh por Traffic (Oscar).
  • Em 2002: Rob Marshall por Chicago (DGA) e Roman Polanski por O Pianista (Oscar).
  • Em 2013: Ben Affleck por Argo (DGA) e Ang Lee por As Aventuras de Pi (Oscar).

O vencedor do DGA 2015 será anunciado no dia 07 de fevereiro em cerimônia no Hyatt Regency Century Plaza.

‘Invencível’, ‘Birdman’ e ‘Sr. Turner’ entre os indicados do ASC 2015

Brasão da ASC: American Society of Cinematographers (photo by btlnews.com)

Brasão da ASC: American Society of Cinematographers (photo by btlnews.com)

ROGER DEAKINS E EMMANUEL LUBEZKI FIGURAM ENTRE OS FAVORITOS

Chegou a vez do sindicato dos fotógrafos (ou diretores de fotografia) divulgar seus cinco indicados a Melhor de 2014. A ASC (American Society of Cinematographers) premia os melhores da área desde 1987, quando Jordan Cronnenweth ganhou por Peggy Sue, Seu Passado a Espera. De lá pra cá, tem sido um prêmio de extrema importância do meio, mas que não tem tido muita sincronia com o ganhor do Oscar. Dos últimos cinco vencedores do ASC, apenas 2 repetiram o feito no prêmio da Academia: Wally Pfister em 2010 por A Origem, e Emmanuel Lubezki no ano passado por Gravidade. Dá a entender que essa diferença de vencedor vem do fato da categoria de fotografia ser muitas vezes tratada como mais uma simplesmente para somar ao total de Oscars do Melhor Filme do ano do que pelo próprio mérito e qualidade técnica.

O vencedor do ASC de 2014, Lubezki, retorna este ano com uma produção bem mais modesta do que Gravidade, mas sua fotografia parece ter mais vida em Birdman do que na ficção científica. Como já citei inúmeras vezes aqui, sou mais a favor de uma fotografia mais artesanal e/ou manual, e contra esse excesso de efeitos digitais de manipulação na pós-produção como aconteceu em As Aventuras de Pi, tanto que na minha opinião, o Oscar de 2013 deveria ter ido para Roger Deakins, por seu trabalho excepcional em 007 – Operação Skyfall do que o filme de Ang Lee.

Felizmente, ele retorna este ano na lista do ASC por seu trabalho no filme de guerra, Invencível. E, se confirmada, será nada menos que sua 12ª indicação ao Oscar e SEM VITÓRIA! Claro que não defendo uma vitória no Oscar simplesmente por acúmulo de indicações sem vitória, senão Peter O’Toole e Richard Burton teriam seus Oscars faz tempo, mas acredito que Deakins apenas não teve sorte, pois das 11 vezes em que concorreu, no mínimo, poderia ter ganhado em duas oportunidades: pela belíssima fotografia PB de O Homem que Não Estava Lá e o já citado espetáculo de imagens de 007 – Operação Skyfall, mas perdeu por filmes do momento. Como Emmanuel Lubezki ganhou há um ano, e os demais concorrentes não têm o mesmo gabarito dele, estou crente que Roger Deakins finalmente leva seu Oscar este ano. Estou fazendo campanha desde já!

Os indicados ao 29th Annual ASC Awards são:

– Roger Deakins (Invencível)
– Óscar Faura (O Jogo da Imitação)
– Emmanuel Lubezki (Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância))
– Dick Pope (Sr. Turner)
– Robert D. Yeoman (O Grande Hotel Budapeste)

Roger Deakins (Invencível)

Roger Deakins (Invencível) – photo by outnow.ch

Óscar Faura (O Jogo da Imitação) - photo by outnow.ch

Óscar Faura (O Jogo da Imitação) – photo by outnow.ch

Emmanuel Lubezki (Birdman) - photo by outnow.ch

Emmanuel Lubezki (Birdman) – photo by outnow.ch

Dick Pope (Sr. Turner) - photo by outnow.ch

Dick Pope (Sr. Turner) – photo by outnow.ch

Robert D. Yeoman (O Grande Hotel Budapeste) - photo by outnow.ch

Robert D. Yeoman (O Grande Hotel Budapeste) – photo by outnow.ch

Estes indicados representam uma fabulosa lista selecionada por uma rica gama de trabalhos deste ano. É espetacular como estes diretores de fotgrafia mais uma vez redefiniram os limites do que fazemos.”, disse o presidente da ASC, Richard Crudo.

Esta é a 13ª indicação de Deakins, sendo que ele levou três prêmios anteriormente por 007 – Operação Skyfall, O Homem que Não Estava Lá e Um Sonho de Liberdade. O mesmo número de Lubezki, que ganhou por Gravidade, A Árvore da Vida e Filhos da Esperança. Já Dick Pope foi indicado antes por O Ilusionista, enquanto os demais nunca haviam sido indicados.

O vencedor será conhecido no dia 15 de janeiro em evento que acontecerá no Hyatt Regency Century Plaza em Los Angeles.

‘Gravidade’ e ‘Ela’ confirmam favoritismo no ASC e WGA

Cena belíssima de filmada com perfeição por Emmanuel Lubezki em Gravidade

Cena belíssima de filmada com perfeição por Emmanuel Lubezki em Gravidade (photo by johslikesmovies.tumblr.com)

Brasão da ASC: American Society of Cinematographers (photo by btlnews.com)

Brasão da ASC: American Society of Cinematographers (photo by btlnews.com)

O fato é que o diretor de fotografia mexicano Emmanuel Lubezki já vem merecendo o Oscar faz tempo. Suas parcerias com Alfonso Cuarón, Tim Burton e Terrence Malick estão rendendo obras-primas em matéria de iluminação e enquadramentos. Seu trabalho em si já vale o ingresso. Olhem suas indicações no Oscar:

1996: A Princesinha
2000: A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça
2006: O Novo Mundo
2007: Filhos da Esperança
2012: A Árvore da Vida

Com este novo trabalho em Gravidade, Lubezki consegue avanços tecnológicos que impressionam até James Cameron. Juntamente com o diretor, ele buscou meios técnicos para retratar a sensação do espaço de forma verossímil, tanto que foi considerado um 2001: Uma Odisséia no Espaço moderno, com os atores flutuando em frente à câmera, conciliando perfeitamente os efeitos digitais inseridos posteriormente.

Na opinião deste cinéfilo, ele já deveria ter sido reconhecido pelo Oscar em suas últimas duas indicações, mas foi batido por Robert Richardson (por A Invenção de Hugo Cabret em 2012) e Guillermo Navarro (por O Labirinto do Fauno em 2007). Com a alta dos filmes em 3D (Avatar e As Aventuras de Pi ganharam o Oscar da categoria) e os números elevados nas bilheterias, Lubezki só não ganha seu primeiro Oscar se acontecer uma tragédia grega.

WGA: Writers Guild Awards 2013 (logo in theartsyfilmblog.com)

WGA: Writers Guild Awards 2013 (logo in theartsyfilmblog.com)

Já no WGA (Writers Guild), Spike Jonze coleciona mais um prêmio pelo roteiro original de Ela. Ganhou o Globo de Ouro e o Critics’ Choice Award. Sua vitória significa a melhor prévia de todas, afinal, bateu os mesmos concorrentes que terá no Oscar: Eric Warren Singer e David O. Russell (Trapaça), Woody Allen (Blue Jasmine), Craig Borten e Melisa Wallack (Clube de Compras Dallas) e Bob Nelson (Nebraska). Além disso, sua ausência na categoria de direção deve indicar uma compensação como roteirista.

Bastante humilde em seu discurso de agradecimento, Jonze disse: “É uma alta honra vinda de escritores. É como um prêmio pela dor. Uma dor específica que escritores conhecem. Os altos e baixos de se sentar ali sozinho. Agradeço a vocês por isso”. Spike Jonze já foi indicado como Melhor Diretor pelo fantástico Quero Ser John Malkovich em 2000, e este ano, além de roteiro, está indicado como compositor de canção e produtor.

Por outro lado, na categoria de Roteiro Adaptado, houve uma surpresa. Aproveitando-se da ausência do favorito John Ridley (12 Anos de Escravidão), Billy Ray faturou o prêmio por Capitão Phillips. Em seu discurso de agradecimento, ele diz que está “em dívida com o próprio Capitão Richard Phillips, que sobreviveu a algo que ele provavelmente teria o matado”. Com filmes como Volcano – A Fúria, Plano de Vôo e Jogos Vorazes em sua filmografia, Ray tem se especializado em retratar dramas em filmes de ação e o prêmio WGA deve lhe dar mais visibilidade no mercado.

À esquerda, Spike Jonze com seu WGA award. E Billy Ray por Capitão Phillips (photo by blogs.diariodonordeste.com.br)

À esquerda, Spike Jonze com seu WGA award por Ela. E Billy Ray por Capitão Phillips (photo by blogs.diariodonordeste.com.br)

Na categoria Documentário, a vencedora foi Sarah Polley por Histórias que Contamos, que vinha coletando inúmeros prêmios da crítica, mas sequer foi indicada ao Oscar. Polley já foi indicada anteriormente pelo roteiro adaptado de Longe Dela (2006).

ASC e ADG divulgam seus indicados para Fotografia e Direção de Arte

Brasão da ASC: American Society of Cinematographers (photo by btlnews.com)

Brasão da ASC: American Society of Cinematographers (photo by btlnews.com)

THE 28th ASC AWARDS (2014)

O ASC (American Society of Cinematographers – sindicato de diretores de fotografia) anunciou seus indicados para Melhor Fotografia. Tradicionalmente, figuram apenas cinco indicados, mas houve empates que resultaram em sete candidatos:

  • Sean Bobbitt, BSC por 12 Anos de Escravidão
  • Barry Ackroyd, BSC por Capitão Phillips
  • Philippe Le Sourd por O Grande Mestre
  • Emmanuel Lubezki, ASC, AMC por Gravidade
  • Bruno Delbonnel, ASC, AFC por Inside Llewyn Davis
  • Phedon Papamichael, ASC por Nebraska
  • Roger Deakins, ASC, BSC por Os Suspeitos
The Grandmaster, de Wong Kar-Wai (photo by www.berlinale.de)

Fotografia de Philippe Le Sourd para O Grande Mestre, de Wong Kar-Wai (photo by http://www.berlinale.de). A iluminação com chuva lembra a antológica cena de Paul Newman em Estrada Para Perdição, feita por Conrad L. Hall

“Nossos membros acreditam que esses diretores de fotografia estabeleceram um padrão contemporâneo para a fotografia cinematográfica. Eles dominaram um ofício complexo que contribui vitalmente ao processo de contar uma história e gera maior intensidade a todos os envolvidos na produção“, disse o presidente da ASC Richard Crudo.

Ao contrário da maioria dos prêmios de sindicato, o ASC não tem eleito o vencedor do Oscar da categoria. Nos últimos 5 anos, apenas dois vencedores coincidiram: em 2011, Wally Pfister (A Origem), e 2008, Anthony Dod Mantle (Quem Quer Ser um Milionário?). Ano passado, Roger Deakins (007 – Operação Skyfall) não repetiu a vitória no Oscar, concedido ao ultra-manipulado As Aventuras de Pi, de Claudio Miranda.

Não sou tão radical como o diretor de fotografia australiano Christopher Doyle (do belíssimo Amor à Flor da Pele), que tachou a fotografia de Claudio Miranda como “lixo” depois que ele ganhou o Oscar, mas concordo com o excesso de manipulação digital na pós-produção, onde uma iluminação esdrúxula e amadora poderia se transformar numa obra bela, porém sem vida.

O diretor de fotografia Roger Deakins (à dir) acompanha a direção de Denis Villeneuve no set de Os Suspeitos (photo by www.goldderby.com)

O diretor de fotografia Roger Deakins (à dir) acompanha a direção de Denis Villeneuve no set de Os Suspeitos (photo by http://www.goldderby.com)

Roger Deakins recebe sua 12ª indicação ao ASC e já ganhou em 3 oportunidades. Além de Skyfall, foi reconhecido anteriormente por Um Sonho de Liberdade e O Homem que Não Estava Lá, através de uma belíssima fotografia em preto-e-branco.  Apesar dessas vitórias e de já ter sido até homenageado com o prêmio Lifetime Achievement em 2011, ele foi indicado 10 vezes ao Oscar, mas injustamente nunca ganhou.

No momento, seu grande concorrente é o mexicano Emmanuel Lubezki, colaborador assíduo de Alfonso Cuarón. Ele foi responsável por verdadeiras pinturas na última década como O Novo Mundo, Filhos da Esperança e A Árvore da Vida. Apesar de nunca ter vencido o Oscar também, já levou o ASC em duas oportunidades.

Representando uma ameça menor, o francês Bruno Delbonnel já ganhou o ASC com Eterno Amor e foi indicado pelo cult O Fabuloso Destino de Amélie Poulain, do mesmo diretor Jean-Pierre Jeunet. 3 indicações ao Oscar, mas nenhuma vitória. Já Barry Ackroyd, previamente indicado por Guerra ao Terror, conquista sua segunda indicação no ASC por Capitão Phillips.

Papamichael foi indicado por trabalhos televisivos, mas nunca ganhou. Enquanto Bobbitt e Le Sourd foram lembrados pelo sindicato pela primeira vez.

O vencedor será divulgado no dia 1º de fevereiro.

Logo do Art Directors Guild (photo by cinema7arte.com)

Logo do Art Directors Guild (photo by cinema7arte.com)

THE 18th ADG AWARDS (2014)

As estatísticas do prêmio do sindicato de Direção de Arte (Art Directors Guild) também não são das melhores em relação ao Oscar, mesmo havendo três categorias: Filme de Época, Filme de Fantasia e Filme Contemporâneo. Nos últimos 5 anos, apenas 3 acertos com o Oscar: A Invenção de Hugo Cabret, Avatar e O Curioso Caso de Benjamin Button.

Em seus 18 anos de existência, nunca um trabalho de Filme Contemporâneo levou o prêmio da Academia, pois eles preferem pesquisa histórica e reprodução como de Titanic ou imaginação fértil como a visão do paraíso e do inferno de Amor Além da Vida. Confira os indicados por categoria:

Filme de Época (Period Film)
♦ Judy Becker (Trapaça)
♦ Catherine Martin (O Grande Gatsby)
♦ Jess Gonchor (Inside Llewyn Davis)
♦ Michael Corenblith (Walt nos Bastidores de Mary Poppins)
♦ Adam Stockhausen (12 Anos de Escravidão)

Meticuloso trabalho de direção de arte de Catherine Martin em O Grande Gatsby (photo by www.beyondhollywood.com)

Meticuloso trabalho de direção de arte de Catherine Martin em O Grande Gatsby (photo by http://www.beyondhollywood.com)

Filme de Fantasia ou Fantástico
♣ Philip Ivey (Elysium)
♣ Andy Nicholson (Gravidade)
♣ Dan Hennah (O Hobbit: A Desolação de Smaug)
♣ Darren Gilford (Oblivion)
♣ Scott Chambliss (Além da Escuridão: Star Trek)

Futuro apocalíptico mais clean de Oblivion (photo by www.beyondhollywood.com)

Futuro apocalíptico mais clean de Oblivion (photo by http://www.beyondhollywood.com)

Filme Contemporâneo
♠ David Gropman (Álbum de Família)
♠ Santo Loquasto (Blue Jasmine)
♠ Paul Kirby (Capitão Phillips)
♠ K.K. Barrett (Ela)
♠ Bob Shaw (O Lobo de Wall Street)

K.K. Barret trabalha sutilezas para criar um futuro bem próximo em Ela (photo by www.cine.gr)

K.K. Barrett trabalha sutilezas para criar um futuro bem próximo em Ela (photo by http://www.cine.gr)

ANÚNCIO DAS INDICAÇÕES AO OSCAR 2014

Agora, você, mulher cinéfila, que estava aguardando um bom motivo para finalmente assistir ao anúncio dos indicados ao Oscar, aqui está: Chris Hemsworth, o Thor dos Vingadores. Talvez você fique mais atenta aos bíceps e peitoral do ator, mas ele também vai ler as indicações, viu?

Chris Hemsworth

Chris Hemsworth (photo by prince-hemsworth.tumblr.com/post/69270956741/chris-hemsworth)

Ele dividirá a tarefa meio ingrata de levantar no início da madrugada do dia 16 para estar pronto às 5h15 da manhã (no horário da costa oeste dos EUA, e às 11h15 no horário de Brasília) com a nova presidente da Academia, a sul-africana Cheryl Boone Isaacs.

A transmissão do anúncio dos indicados será feita ao vivo pelo canal TNT, que também transmitirá o SAG no dia 17 e o Oscar no dia 02 de março.

Adições para Cannes 2013

Júri de Cannes 2013

Júri de Cannes 2013. Começando do topo, da esquerda para a direita: Steven Spielberg, Vidya Balan, Christoph Waltz, Lynne Ramsay, Cristian Mungiu, Naomi Kawase, Ang Lee, Nicole Kidman e Daniel Auteuil.

Nessa semana, foram definidos os membros do júri presidido pelo diretor americano Steven Spielberg. Dois nomes fortes chamam a atenção: Ang Lee e Cristian Mungiu. Enquanto o diretor taiwanês acabou de levar seu segundo Oscar de direção por As Aventuras de Pi, o romeno já venceu a Palma de Ouro em 2007 por 4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias, além de ter vencido Melhor Roteiro no ano passado por Além das Montanhas.

Em um júri, existem diversos modos de eleição, inclusive a autoritária. Felizmente, a maioria aplica o sistema de democracia, onde todos têm voz ativa, e isso deve ter atraído tais nomes para integrar o grupo de Spielberg, além de seu prestígio no cenário hollywoodiano.

Outros artistas em demais departamentos de criatividade foram convocados. As atrizes Nicole Kidman e Vidya Balan, os atores Daniel Auteuil e Christoph Waltz (vencedor de seu segundo Oscar de coadjuvante este ano por Django Livre) e as diretoras Lynne Ramsay e Naomi Kawase, previamente indicadas à Palma de Ouro.

Trata-se de um grupo bastante qualificado e à altura dos filmes selecionados para a competição que, aliás, tem um novo indicado: Only Lovers Left Alive, do diretor americano Jim Jarmusch. Ele concorreu em cinco oportunidades anteriores ao prêmio máximo de Cannes, mas nunca levou. Em 2005, foi premiado com o Grande Prêmio do Júri, uma espécie de 2º lugar, por Flores Partidas. Nesse novo trabalho, Jarmusch aborda o universo de dois vampiros (Tom Hiddleston e Tilda Swinton), que são apaixonados um pelo outro há séculos, mas que tem seu relacionamento ameaçado pela irmã mais nova dela (Mia Wasikowska).

Pôster de Only Lovers Left Alive, de Jim Jarmusch

Pôster de Only Lovers Left Alive, de Jim Jarmusch

Além de se tratar de uma nova chance para uma consagração de Jarmusch, que é muito querido pelo público de cinema alternativo por filmes cults como Daunbailó (1986) e Ghost Dog (1999), pode ser uma ótima oportunidade para premiar pela primeira vez uma das melhores atrizes em atividade: a britânica Tilda Swinton, que já levou um Oscar de coadjuvante pelo drama Conduta de Risco.

Já na competição Un Certain Regard, houve a inclusão de novos filmes:
Tore Tanzt, de Katrin Gebbe
Wakolda, de Lucia Puenzo
My Sweet Pepper Land, de Hiner Saleem

Além desses, uma participação muito especial fora de competição do documentarista Claude Lanzmann (de Shoah) pelo filme Le Dernier des Injustes (The Last of the Unjust). O cineasta francês foi homenageado no último Festival der Berlim, onde recebeu o Urso de Ouro Honorário pelo conjunto da obra.

O 66º Festival de Cannes começa no dia 15 de maio e termina no dia 26.

Vencedores do MTV Movie Awards 2013

MTV Movie Awards 2013

MTV Movie Awards 2013

Em sua 22ª edição, o prêmio MTV Movie Awards pode não ter mais aquele prestígio que tinha nos primeiros anos, quando ainda eram novidades as categorias de Melhor Beijo, Melhor Vilão e os injustamente extintos Mais Gostosa e Gostoso (Most Desirable Female e Male), contudo ainda tem importância estratégica no cenário cultural americano e internacional. Afinal, enquanto todos os demais prêmios reconhecem e bajulam atores de drama como o Oscar e os grupos de críticos, o MTV Movie Awards trata de destacar filmes com perfil de puro entretenimento, ou seja, os esquecidos que enriquecem as bilheterias mundiais.

Para quem não conhece, os vencedores do MTV Movie Awards são selecionados por votos de internautas pelo site da MTV, portanto, não espere por muito critério de qualidade. Já rolou muito prêmio para sagas cinematográficas como O Senhor dos Anéis, Harry Potter, Crepúsculo e agora Jogos Vorazes. Excetuando a saga dos hobbits, que faturou várias estatuetas do Oscar, as demais sagas arrecadaram bilhões de dólares, portanto esse reconhecimento em forma de pipoca dourada tem seus méritos.

Além disso, a entrega dos prêmios se tornou uma forma ótima de promover os grandes lançamentos do verão americano. Clipes exclusivos de blockbusters aguardados como Homem de Ferro 3, Além da Escuridão – Star Trek e Jogos Vorazes: Em Chamas invadiram as telas do palco. E sobrou tempo até para a cantora pop Selena Gomez divulgar seu novo single “Come and Get it”.

Homem de Ferro 3: como se precisasse promover... (photo by BeyondHollywood.com)

Homem de Ferro 3: como se precisasse promover mais… (photo by BeyondHollywood.com)

Claro que tudo é showbusiness. Mas é assim que Hollywood ganha seu pão de cada dia e, por isso, leva tudo muito à sério. Aqui no Brasil, premiação é algo considerado um luxo desnecessário. Em 2012, o prestigiado Festival de Paulínia foi cancelado pelo prefeito José Pavan Junior (PSB), retirando o investimento do evento para programas sociais que estariam carentes na cidade do interior de São Paulo.“Foi uma decisão muito difícil, mas tivemos que priorizar o trabalho social que vem sendo realizado na cidade. Suspender não significa acabar”, defendeu o prefeito.

Ok, tem muita gente que defende que tem incontáveis pessoas morrendo de fome, que não tem casa, escola e saúde. Sim, realmente tem, mas se a cultura deste país (que já é muito desrespeitada e desvalorizada) parar por causa de problemas sociais, seria melhor declarar falência do Brasil e distribuir as terras para algum país que tenha verba! Não… hoje eu vou poupar o Lula e os 53 bolsas-caridade que ele criou, inclusive para presidiários (!).

Voltando aos premiados da noite, o blockbuster de 2012, The Avengers – Os Vingadores, foi o grande vencedor, levando Melhor Filme, Vilão e Luta. Apesar de sua vitória ter sido considerada uma surpresa pelos apresentadores da MTV brasileira (Didi e a belíssima Titi Müller), se lembrarmos que os votantes são em sua maioria internautas viciados em quadrinhos, a adaptação dos heróis da Marvel era uma das franco-favoritas. Apesar da terceira parte da trilogia de Batman também se encaixar nesse favoritismo, o filme foi bastante criticado pelos fãs.

Indicados e vencedores do Oscar desse ano, O Lado Bom da Vida, Django Livre e As Aventuras de Pi também levaram prêmios, comprovando que, embora eles prefiram não misturar, não existe nenhum preconceito em aliar filmes bem conceituados pela crítica com filmes bem menos expressivos, afinal, qualidade existe em todo lugar.

Vale ressaltar a escolha da atriz e comediante Rebel Wilson para ser a hostess do MTV Movie Awards. Australiana e coadjuvante de comédias de sucesso como Missão Madrinha de Casamento e Quatro Amigas e um Casamento, Wilson acaba de estrelar a comédia musical A Escolha Perfeita, que acabou lhe rendendo 2 prêmios na noite: Melhor Revelação e Momento Musical.

Rebel Wilson em foto de divulgação do MTV Movie Awards

Rebel Wilson em foto de divulgação do MTV Movie Awards

MELHOR PERFORMANCE MASCULINA
• Bradley Cooper (O Lado Bom da Vida)

MELHOR MOMENTO QUE PORRA É ESSA? (WTF: What the fuck)
• Jamie Foxx e Samuel L. Jackson (Django Livre)

MELHOR DUPLA
• Mark Wahlberg e Seth MacFarlane (Ted)

MELHOR PERFORMANCE ASSUSTADA (Best Scared-as-Shit Performance)
• Suraj Sharma (As Aventuras de Pi)

MELHOR PERFORMANCE FEMININA
• Jennifer Lawrence (O Lado Bom da Vida)

MELHOR HERÓI
• Martin Freeman (O Hobbit: Uma Jornada Inesperada)

SUMMER’S BIGGEST TEEN BAD ASS (promovido pela revista americana Seventeen)
• Chloë Grace Moretz (Kick-Ass 2)

MELHOR LUTA
• Robert Downey Jr., Chris Evans, Mark Ruffalo, Chris Hemsworth, Scarlett Johansson e Jeremy Renner VS. Tom Hiddleston (The Avengers – Os Vingadores)

MELHOR BEIJO
• Jennifer Lawrence e Bradley Cooper (O Lado Bom da Vida)

Bradley Cooper levou dois prêmios, mas teve que receber o de Melhor Beijo sozinho. Jennifer Lawrence não compareceu... (photo by zimbio.com)

Bradley Cooper levou dois prêmios, mas teve que receber o de Melhor Beijo sozinho. Jennifer Lawrence não compareceu… (photo by zimbio.com)

BREAKTHROUGH PERFORMANCE
• Rebel Wilson (A Escolha Perfeita)

MELHOR PERFORMANCE SEM CAMISA
• Taylor Lautner (A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2: Final)

MELHOR VILÃO
• Tom Hiddlestone (The Avengers – Os Vingadores)

MOMENTO MUSICAL
• Anna Kendrick, Rebel Wilson, Anna Camp, Brittany Snow, Alexis Knapp, Ester Dean e Hana Mae Lee (A Escolha Perfeita)

MELHOR FILME DO ANO
• The Avengers – Os Vingadores (Marvel’s The Avengers)

Emma Watson leva o Trailblazer award aos 22 anos

Emma Watson leva o Trailblazer award aos 22 anos

MTV GENERATION AWARD
• Jamie Foxx

MTV TRAILBLAZER
• Emma Watson

COMEDIC GENIUS AWARD
• Will Ferrell

Um breve balanço do Oscar 2013

Atores oscarizados: Daniel Day-Lewis, Jennifer Lawrence, Anne Hathaway e Christoph Waltz

Atores oscarizados: Daniel Day-Lewis, Jennifer Lawrence, Anne Hathaway e Christoph Waltz

Passado o Oscar, vale a pena dar uma olhada nos vencedores da principais categorias e fazer algumas projeções. No geral, a premiação desse ano foi bastante democrática, tanto que o filme com mais Oscars foi a produção As Aventuras de Pi, tanto que sequer levou Melhor Filme. Provavelmente se Ben Affleck tivesse sido indicado como Diretor, Argo seria também o recordista da noite com 4 Oscars. O grande perdedor da noite acabou sendo o drama histórico Lincoln que, apesar de ter levado dois prêmios (Ator e Direção de Arte), perdeu em outras 10 categorias.

Excetuando Anne Hathaway, havia ressalvas para as vitórias de todos os outros três atores premiados. Daniel Day-Lewis seria o primeiro ator a receber 3 Oscars de Melhor Ator? Jennifer Lawrence não seria jovem demais para bater a veterana Emmanuelle Riva? Christoph Waltz ganharia seu segundo Oscar no intervalo de três anos?

Já nas categorias de Roteiro, o iniciante Chris Terrio bateu veteranos ao explorar um fato verídico em que Hollywood salvou vidas no Irã, enquanto Tarantino recebe seu segundo Oscar mesmo após controvérsias politicamente corretas. O que muda depois do Oscar? A temida maldição do Oscar pode voltar a atacar?

FUTURO DOS ATORES

Daniel Day-Lewis em seus três auges no Oscar: 1990, 2008 e 2013 (photo by nydailynews.com)

Daniel Day-Lewis em seus três auges no Oscar: 1990 (Meu Pé Esquerdo), 2013 (Lincoln)e 2008 (Sangue Negro) (photo by nydailynews.com)

Daniel Day-Lewis (Lincoln)

O que dizer do primeiro a ganhar três vezes o Oscar de Melhor Ator? O britânico Daniel Day-Lewis quebrou um recorde que atores consagrados como Sean Penn, Jack Nicholson e Tom Hanks vêm tentando há décadas. O que Day-Lewis tem que os outros não têm? Há duas grandes diferenças: 1. Escolha do projeto. Infelizmente, nem todo ator tem o privilégio de escolher apenas bons papéis em filmes menores, afinal, precisam do cachê para pagar as contas. Grandes atores já sucumbiram ao poder do dinheiro. Quem não se lembra de Marlon Brando naquele horrível A Ilha do Dr. Moreau (1996), ou mesmo aquele fato marcante do maior cachê da época por sua atuação de 10 minutos em Superman – O Filme (1978)? E como explicar Michael Caine em Tubarão 4 – A Vingança (1987)? Na filmografia de Daniel Day-Lewis, temos apenas 19 participações em filmes, um número pequeno para uma carreira que começou no início dos anos 80, mas não há uma bomba sequer a ser explorada pelos tablóides. Alguns até criticam esse exagero de seriedade na escolha de seus papéis, porque gostariam de vê-lo numa comédia ou num filme de terror, já outros buscam apenas algum defeito na figura imponente do ator.

2. Preparação e Método. Esse processo bastante exaustivo ganhou tanta fama nos bastidores que virou até piada para Seth MacFarlane no último Oscar. “E se você (ao interpretar Lincoln) visse um celular? Surtaria?”. Por isso que Daniel Day-Lewis se obriga a escolher bem seus projetos seguintes, pois ele exige demais de si mesmo numa extensa pesquisa sobre os costumes da época em que se passa o filme. Além disso, o ator reúne toda a informação para poder realmente vivenciar a experiência durante a filmagem. Dizem que enquanto filmava Gangues de Nova York, ele raramente saía do personagem Bill The Butcher e falava com sotaque nova-iorquino o dia todo, além de afiar as facas do personagem durante o almoço. Já em Lincoln, cientes dessa fama, todos no set o chamavam de “Mr. President”, inclusive o diretor Steven Spielberg, que pela primeira vez abdicou do tradicional boné para trajar terno do século XIX no set para manter o clima. Aliás, seu esforço valeu a pena. O 3º Oscar de Day-Lewis foi o primeiro de um ator sob a direção de Spielberg.

Independente dos meios, Daniel Day-Lewis consegue criar performances notáveis. Essa quebra de recorde da Academia não veio por acaso. Claro que o número de Oscars conquistados não necessariamente significa que ele é o melhor ator de todos os tempos, afinal existem profissionais renomados que nunca ganharam como Richard Burton, Cary Grant e Montogomery Clift, ou os que venceram uma vez como o grande Laurence Olivier.

Daniel Day-Lewis não tem nenhum projeto engatilhado. Ele deve repousar para abandonar a personagem, mas não deve ser fácil depois dessa declaração: “I never, ever felt that depth of love for another human being that I never met. And that’s, I think, probably the effect that Lincoln has on most people that take the time to discover him… I wish he had stayed [with me] forever. (Eu nunca na vida senti tamanha profundidade de amor por outro ser humano que nunca conheci. E isso, acredito que provavelmente seja o efeito que Lincoln causava na maioria das pessoas que levaram tempo para descobri-lo… Gostaria que ele continuasse [comigo] para sempre”.

Jean Dujardin ajuda Jennifer Lawrence com o vestido que lhe causou um tombo na escada para o palco do Oscar (photo by justjared.com)

Jean Dujardin ajuda Jennifer Lawrence com o vestido que lhe causou um tombo na escada para o palco do Oscar (photo by justjared.com)

Jennifer Lawrence (O Lado Bom da Vida)

A pergunta que vem logo em seguida é: “Não seria cedo demais um Oscar para Jennifer Lawrence?” Não tanto pela idade (22 anos), afinal existem atores que começaram na infância, mas pela inexperiência. Seu primeiro papel num filme, Garden Party, foi lançado em 2008, quando ela tinha 18; são 4 anos de cinema e 1 Oscar. Nada mal.

Alguns cinéfilos também manifestaram protesto referente à sua vitória nas redes sociais, alegando que a francesa Emmanuelle Riva (86 anos) não deve ter outra chance de vencer o Oscar, enquanto Lawrence ainda teria muitas décadas a frente para conseguir o prêmio. Se analisarmos sob esse aspecto, realmente

Como muitos sabem, alguns atores mirins e jovens demais tomaram caminhos errados depois do sucesso invadir suas vidas (como nos infelizes casos de Macaulay Culkin e Edward Furlong). Felizmente, Lawrence parece ter o mesmo código genético de Jodie Foster, com quem trabalhou em Um Novo Despertar (2011), tornando-a uma jovem atriz prodígio focada em seus objetivos.

Sua grande sacada até o momento tem sido alternar projetos grandes como Jogos Vorazes com filmes independentes como Inverno da Alma e este O Lado Bom da Vida, criando uma diversidade de papéis num equilíbrio perfeito entre trabalho e diversão. Outro ator que abusa desse equilíbrio é o alemão Michael Fassbender, que fez o profundo Shame e o blockbuster Prometheus, mas atuando com a devida seriedade.

Se a atriz mantiver essa boa frequência, deve crescer bastante nos próximos anos. Jennifer Lawrence tem Serena, Jogos Vorazes: Em Chamas e um projeto sem título com o diretor David O. Russell a serem lançados este ano. Para 2014, ela já assinou contrato para reviver a mutante Mística na sequência X-Men: Dias de um Futuro Esquecido.

Christoph Waltz com seu segundo Oscar sob direção de Quentin Tarantino (photo by zimbio.com)

Christoph Waltz com seu segundo Oscar sob direção de Quentin Tarantino (photo by zimbio.com)

Christoph Waltz (Django Livre)

Esta descoberta austríaca feita por Quentin Tarantino recebeu seu segundo Oscar de coadjuvante e se junta aos atores Dianne Wiest e Jack Nicholson, que receberam dois Oscars sob o comando do mesmo diretor: Woody Allen e James L. Brooks, respectivamente. Particularmente, não acreditava que ele venceria por seu papel apresentar semelhanças com o Coronel Hans Landa de Bastardos Inglórios (o personagem Dr. Schultz seria a versão do bem), e principalmente por ter ganhado o mesmo Oscar de coadjuvante no curtíssimo período de 3 anos. Contudo, fico feliz que Waltz tenha vencido. Era a melhor atuação entre os concorrentes.

Seu personagem Dr. King Schultz, que anda numa carroça com um dente atado a uma mola, tem os diálogos mais bem humorados que, com a desenvoltura do ator, cresce absurdamente na tela. Waltz atua com uma naturalidade que impressiona e suas falas parecem cantadas como uma música. Infelizmente, a Academia não indicou Samuel L. Jackson pelo mesmo filme, porque poderia haver uma disputa mais acirrada ainda.

Depois que trabalhou com Tarantino pela primeira vez, Christoph topou participar de três filmes de cachê alto: Besouro Verde, Os Três Mosqueteiros e Água Para Elefantes, todos lançados em 2011, mas também estava em Deus da Carnificina sob a direção do brilhante Roman Polanski, que gerou um interessante embate entre atores como Jodie Foster e Kate Winslet. Como tarefa de casa para os próximos anos, ele deverá provar ao mundo que consegue atuações do mesmo nível ao colaborar com outros profissionais além de Quentin Tarantino, que escreve papéis sob medida para o ator.

Christoph Waltz empresta sua voz para a animação Epic, de Chris Wedge, e seu talento no drama The Zero Theorem, de Terry Gilliam para 2013. E preparem-se que Waltz interpretará o político russo Mikhail Gorbachev, contracenando com Michael Douglas como Ronald Reagan em Reykjavik, provável lançamento para 2014.

Anne Hathaway ostenta seu Oscar (photo by movies.yahoo.com)

Anne Hathaway ostenta seu Oscar (photo by movies.yahoo.com)

Anne Hathaway (Os Miseráveis)

Num ano considerado fraco entre as atrizes coadjuvantes, a vitória de Anne Hathaway já estava prevista logo no começo de janeiro, quando ganhou o Globo de Ouro. A receita pode ser resumida em: a) Emagrecer mais de 10 quilos para o papel; b) Ter seu cabelo cortado em cena; c) Monólogo cantado dramaticamente em close-ups. Sua breve atuação como Fantine no musical Os Miseráveis poderia ter durado mais, pois oferece um respiro ao público que se cansa de cantorias que soam banais nos 160 minutos do filme.

Hathaway, que passou a chamar atenção através do filme da Disney, O Diário de uma Princesa (2001), teve uma virada na carreira a partir de 2005. Apesar de ter atuado num papel menor no drama O Segredo de Brokeback Mountain, ela conseguiu provar que tinha potencial a ser explorado, e logo no ano seguinte, ela estrelou o sucesso mundial O Diabo Veste Prada. Claro que ficou meio de canto por causa do brilho de Meryl Streep como a chefe Miranda Priestly, mas já deixava de ser uma aspirante a estrela de Hollywood. Seu talento foi finalmente reconhecido pela Academia em 2009, quando fora indicada pelo drama O Casamento de Rachel. O diretor Jonathan Demme conseguiu forte comprometimento da atriz, que pesquisou clínicas de reabilitação pra viver sua personagem Kym.

Para interpretar Fantine, Anne bateu inúmeras candidatas como Amy Adams, Jessica Biel, Kate Winslet e Marion Cotillard, ajudada pelo protagonista Hugh Jackman com quem cantou no monólogo do Oscar 2009 a sátira ao filme Frost/Nixon. O burburinho de uma possível premiação no Oscar começou quando espalharam a notícia de que logo em seu primeiro teste, ela já havia deixado todos aos prantos ao cantar “I Dreamed a Dream”. À princípio, ela não tem o perfil de quem será vítima da maldição do Oscar, contanto que saiba escolher bem seus próximos projetos.

Anne Hathaway atualmente está dublando novamente a voz de sua personagem Jewel na sequência da animação Rio 2 (2014), mas terá um filme lançado este ano: a comédia Don Jon’s Addiction, dirigida pelo ator Joseph Gordon-Levitt.

O ÚNICO DIRETOR ASIÁTICO AGORA COM 2 OSCARS  E UM SANDUÍCHE

Já tentou comer um lanche com uma mão? Ang Lee consegue essa proeza sem se desgrudar do seu Oscar (photo by inquisitr.com)

Já tentou comer um lanche com uma mão? Ang Lee consegue essa proeza sem se desgrudar do seu Oscar (photo by inquisitr.com)

Ang Lee (As Aventuras de Pi)

Apesar de ter uma boa filmografia de Taiwan como Banquete de Casamento (1993), Ang Lee passou a trabalhar nos EUA a partir da adaptação de Jane Austen, Razão e Sensibilidade (1995), com o qual venceu o Globo de Ouro de Melhor Filme – Drama, o Urso de Ouro em Berlim e o National Board of Review. Com isso, dirigiu mais duas produções americanas: Tempestade de Gelo (1997) e Cavalgada com o Diabo (1999), mas preferiu voltar à sua terra natal para filmar O Tigre e o Dragão (2000), que lhe rendeu sua primeira indicação ao Oscar de direção e ainda levou o prêmio de Melhor Filme Estrangeiro. Resultado: foi convidado a dirigir a adaptação da HQ do personagem verde da Marvel Comics.

Como Hulk (2003) foi considerado um fracasso principalmente pelo roteiro, Ang Lee pensou em se aposentar por acreditar que não tinha mais nada a acrescentar como artista. Ledo engano. Dois anos depois, quem diria que ele reencontraria o bom cinema numa história de homossexualismo no cenário americano de O Segredo de Brokeback Mountain? Primeiro Oscar de direção para um asiático. Mas desta vez, ele não caiu na mesma armadilha e logo retornou a Taiwan, onde filmou o drama de espionagem Desejo e Perigo, que venceu o Leão de Ouro em Veneza.

Quando o projeto de adaptar o romance Life of Pi, de Yann Martel foi considerado “infilmável” pelas recusas dos diretores M. Night Shyamalan, Jean-Pierre Jeunet e Alfonso Cuarón, o nome de Ang Lee surgiu por se tratar de um diretor que gosta de desafios. Trabalhando diretamente com efeitos de computação gráfica, as filmagens de As Aventuras de Pi se passaram muito em estúdios com green screen. O filme prima pelo aspecto técnico, que envolve desde os efeitos até a fotografia de Claudio Miranda, rendendo muitos elogios da crítica e finalizando com 11 indicações ao Oscar.

Com o deslize da Academia em ignorar Ben Affleck e Kathryn Bigelow na categoria de direção, Ang Lee acabou sendo o grande beneficiado, batendo o favoritismo de Steven Spielberg. O diretor que tem em seu currículo: 2 Globos de Ouro, 2 Ursos de Ouro (Festival de Berlim), 2 Leões de Ouro (Festival de Veneza) e agora, 2 Oscars. Fica faltando apenas a Palma de Ouro de Cannes entre os principais prêmios do cinema internacional.

Por enquanto, Ang Lee não está anexado a nenhum projeto, mas eu sugeriria um filme de terror ou filme de prisão que ainda faltam em sua carreira eclética.

ARGO FUCK YOURSELF!

Os produtores galãs de Argo (da esquerda para a direita): George Clooney (finjam que não conheçam), Ben Affeck e Grant Heslov (photo thefilmspy.tumblr.com)

Os produtores galãs de Argo (da esquerda para a direita): George Clooney (finjam que não conheçam), Ben Affeck e Grant Heslov (photo thefilmspy.tumblr.com)

George Clooney, Ben Affleck e Grant Heslov (Argo)

Depois de ser esnobado na categoria de direção, eu tinha certeza de que a Academia o compensaria com o prêmio de Melhor Filme, justamente por Ben Affleck também ter crédito como produtor ao lado de George Clooney e Grant Heslov. Nesse Oscar 2013, o nome mais comentado foi o de Ben Affleck. Como ignorar o diretor do filme mais premiado do ano? Ele também havia vencido o DGA (Directors Guild of America), que é o melhor parâmetro para o Oscar, com apenas sete divergências de vencedores. Mas já era tarde: Ben Affleck ficou de fora da disputa de direção, que ficou com Ang Lee.

Além de premiar o diretor de outra maneira, a Academia também reconhece a reviravolta vitoriosa dele. De roteirista premiado com o Oscar por Gênio Indomável em 1998 para ator-protagonista de filmes pouco expressivos nos anos seguintes até a consagração como diretor a partir do bom drama Medo da Verdade (2007). Apesar de ter desapontado como intérprete, Affleck estava aprendendo o ofício com diretores renomados como John Frankenheimer, Gus Van Sant e Kevin Smith. Recentemente, ele continuou sua aprendizado ao atuar sob o comando do veterano Terrence Malick em To the Wonder, que deve ser lançado este ano depois de passar em Veneza. Também atua no drama Runner, Runner, mas até o momento, sem projetos como diretor.

Quanto à dupla George Clooney e Grant Heslov, que começou a parceria de sucesso em 2005 com Boa Noite e Boa Sorte, está se especializando em projetos de cunho político. Em 2011, produziram Tudo Pelo Poder, sobre os bastidores de uma campanha política para presidente dos EUA, e agora com Argo, sobre o resgate de diplomatas políticos no Irã. George Clooney ainda atua este ano na ficção científica Gravidade e em seu drama sob sua direção, The Monuments Men. Ambos também produzem August: Osage County, que conta com Meryl Streep, Julia Roberts, Chris Cooper, Abigail Breslin e Benedict Cumberbatch.

INICIANTES E VETERANOS

Chris Terrio (Argo)

A vida de roteiristas já é mais complicada. Às vezes, um roteiro pode demorar mais de três anos por causa de pesquisas. O iniciante Chris Terrio acertou em cheio na escolha do projeto Argo, baseado num artigo da revista Wired. Ele pode não ter a mesma sorte no próximo roteiro, mas já demonstrou que pode transformar boas histórias em idéias que funcionam no universo mais visual do cinema. Numa das brigas mais acirradas da noite, Chris Terrio saiu vitorioso entre David O. Russell (O Lado Bom da Vida) e o dramaturgo Tony Kushner (Lincoln).

Chris Terrio segurando seu bebê (photo by theurbandaily.com)

Chris Terrio segurando seu bebê (photo by theurbandaily.com)

Quentin Tarantino (Django Livre)

Conhecido por seus personagens incomuns e diálogos brilhantes, Quentin Tarantino sai fortalecido com seu segundo Oscar por Django Livre, superando ainda uma controvérsia boba originada pelo diretor Spike Lee, que criticou o uso do termo “nigger” (crioulo). O cinema americano deve muito à criatividade de Tarantino, especialmente na reciclagem que faz do mundo da cultura pop. Django Livre poderia ser um ótimo final para a segunda fase de sua carreira, que começou com os dois volumes de Kill Bill, passando por À Prova de Morte (2007) e Bastardos Inglórios (2009), que exalta o intenso elemento da vingança. Mas talvez ele retorne desnecessariamente ao universo da Noiva (Beatrix Kiddo) em Kill Bill: Vol. 3. Não sei se trata de uma pressão do produtor ou do estúdio, mas acredito que não haja nada a acrescentar à história de vingança contra Bill. Mas como já queimei a língua ao ter o mesmo argumento quando retomaram Toy Story 3 onze anos depois de Toy Story 2, podemos esperar tudo de Tarantino…

Quentin Tarantino com seu segundo Oscar. O primeiro foi em 1995 por Pulp Fiction - Tempo de Violência (photo by womanandhome.com)

Quentin Tarantino com seu segundo Oscar. O primeiro foi em 1995 por Pulp Fiction – Tempo de Violência (photo by womanandhome.com)

MALDIÇÃO DUPLA

Adele (007 – Operação Skyfall)

Tenho uma teoria de que compôr a canção-tema de um filme da série de James Bond não é um bom negócio. Afinal, todos os cantores e bandas que contribuíram para os filmes acabaram no limbo, exceto os já consagrados Paul McCartney e Madonna.

Veja alguns exemplos de artistas que decaíram depois de 007: Carly Simon, Sheena Easton, Duran Duran, A-Ha, Tina Turner, Sheryl Crow, Garbage, Chris Cornell e apesar de ainda ser um pouco cedo pra declarar o limbo: Alicia Keys e Jack White, responsáveis pelo penúltimo filme 007 – Quantum of Solace.

Do outro lado, existe sempre a temerosa maldição do Oscar. Existem alguns vencedores que nunca mais fizeram nada de relevante, provavelmente por acreditarem que atingiram o ápice com o prêmio da Academia. Ainda na categoria de Canção Original, temos alguns nomes mais recentes que não vingaram mais depois do Oscar: Jorge Drexler, Annie Lennox, Eminem e Phil Collins.

Como a cantora Adele venceu finalmente o primeiro Oscar por uma canção de James Bond, a questão que fica é: uma maldição anularia a outra? Espero que resulte numa mistura positiva.

Adele foi a primeira a vencer um Oscar com uma canção-tema de James Bond (photo by gloss.abril.com.br)

Adele foi a primeira a vencer um Oscar com uma canção-tema de James Bond (photo by gloss.abril.com.br)

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 66 outros seguidores