Apesar de primar mais pelo formato virtual, ‘BUSCANDO…’ entrega um bom suspense

Searching

David Kim (John Cho) no FaceTime e online em cena de Buscando… (pic by Outnow.ch)

Quantas vezes já não vimos histórias de desaparecimento e de peregrinação nos filmes? Só para citar bons exemplos: O Silêncio do Lago (1988), Breakdown (1997) e o mais recente Sem Amor (2017). Na maioria dos casos, o filme aposta na profundidade dos personagens ou numa resolução criativa. Já em Buscando…, o jeito encontrado pelo diretor para chamar atenção foi investir no modo de contar a história: pelos meios virtuais. Do início ao fim, acompanhamos a busca do protagonista pela filha desaparecida através de telas de computador, sites, aplicativos, telejornais e até câmeras de segurança.

Na trama, somos apresentados à família Kim logo no início através de uma montagem de sete minutos, que se inicia numa tela de log in do Windows, passa por várias fotos, vídeos, lembrete de consultas médicas até a morte da mãe por câncer. É uma ótima introdução dos personagens e ao formato de telas, e sem apelar para narração em off. Após uma cena de interação entre pai e filha, na qual vemos um certo distanciamento, ocorre o sumiço dela. Apesar de nunca mencionado no filme, o fato de se tratar de uma família oriental (no caso, sul-coreana), a falta dessa conversa sobre morte e luto é mais comum do que se pensa, mas não uma exclusividade da etnia.

Até aí, parecia se tratar de um filme patrocinado pela Microsoft e pelo Google, mas à medida em o pai, David Kim, vê-se obrigado a hackear as contas virtuais privadas da filha, como e-mail e Facebook, percebemos o quanto de informação ele consegue com poucos cliques. São inúmeras fotos, vídeos, mensagens, conversas e até intimidades legais ou ilegais. Atingido por essa maré de novidades, ele se choca com o quão pouco conhece da vida pessoal dela. E isso eleva o filme para um novo patamar.

Nessa extensa pesquisa virtual do pai, nós espectadores, ficamos confinados à posição de um detetive, ou pelo menos um voyeur, invadindo a privacidade alheia com a finalidade de desvendar todo o mistério. Há um envolvimento compulsório entre filme e público, ancorado pelo ator central vivido por John Cho, que muito se assemelha à cumplicidade no clássico de Hitchcock, Janela Indiscreta (1954), no qual ficamos presos à cadeira como James Stewart em seu apartamento.

Embora esse formato 100% virtual não ser nenhuma novidade (em 2014, o filme Amizade Desfeita (Unfriended) se passa todo numa tela de laptop para narrar uma história de terror sobrenatural), o filme do estreante Aneesh Chaganty apresenta uma linguagem bem mais contemporânea e dinâmica. É possível constatar que houve uma preocupação em utilizar as ferramentas atuais de comunicação, para ficar bem alinhado ao público jovem, mas sem cansar a vista como nos zilhões de filmes de ‘found footage’ como Cloverfield: Monstro e Atividade Paranormal.

Searching Aneesh

À esquerda, Aneesh Chaganty dirige o ator John Cho antes de ficar online (pic by Outnow.ch)

Além desse upgrade, o filme ganha pontos por conseguir traduzir visualmente os pensamentos do protagonista, seja através de um texto hesitado e apagado, seja por uma seta do mouse que perambula pela tela indicando indecisão. É incrível ver como isso funciona bem e sem a necessidade de diálogos para entrar na cabeça do personagem.

Aliás, pelo excesso de informações escritas nas telas, vale um elogio à versão brasileira, que teve um baita trabalho de recriar todo o texto online no idioma Português do Brasil, o que facilitou bastante a condução do espectador pela trama.

Como filme de suspense, o diretor Aneesh Chaganty faz um bom arroz com feijão. Não há inovações na trama, mas acredito que o público não deve se decepcionar em relação ao que o filme promete. E o formato cumpre bem seu papel de entregar o mesmo material de sempre, porém com uma roupagem bem atualizada, econômica e eficiente.

Contudo, por abordar um tema tão atual da incomunicabilidade nas redes sociais, seria formidável se o filme refletisse um pouco mais sobre isso através de seus personagens. Claro que não precisa ter uma abordagem européia à la Michelangelo Antonioni, mas como a tecnologia sempre envelhece e fica obsoleta, se houvesse maior profundidade nesse sentido, o filme poderia resistir melhor à crueldade do tempo.

AVALIAÇÃO: Bom 6/10
CHANCES DE OSCAR: Montagem

BUSCANDO… (Searching). Dir: Aneesh Chaganty. Elenco: John Cho, Debra Messing, Michelle La, Sarah Sohn, Joseph Lee. 112 min. Censura: 14 anos.

Searching poster

%d blogueiros gostam disto: