‘O IRLANDÊS’ TAMBÉM CONQUISTA os CRÍTICOS de NOVA YORK

Irishman.jpg

UM DIA APÓS SE SAGRAR MELHOR FILME PELO NATIONAL BOARD OF REVIEW, FILME DA NETFLIX DE MARTIN SCORSESE FATURA O NYFCC

Pelo visto, a Netflix não ficou apenas se queixando do Oscar concedido a Green Book no lugar de sua produção Roma. Eles resolveram agir logo e contra-atacar ao abrir as portas para profissionais que estão perdendo espaço e liberdade artística no circuito comercial. O resultado dessa estratégia está dando frutos com os recentes prêmios da crítica. O Irlandês levou os prêmios de Filme, Roteiro Adaptado e um especial para Scorsese, De Niro e Pacino no National Board of Review.

Já em sua 85ª edição anual, o círculo de críticos filmes de Nova York (New York Film Critics Circle) não tem conseguido eleger o vencedor do Oscar de Melhor Filme desde 2011, quando ambos elegeram O Artista. Contudo, esta premiação, assim como a dos críticos de Los Angeles (cujos premiados serão divulgados no próximo dia 08, domingo) não tem apenas o intuito de servir de parâmetro para o Oscar (como o faz o Critics’ Choice Awards de forma descarada), mas de lembrar e celebrar os filmes e nomes alternativos entre os melhores do ano.

Assim, enquanto a Academia elegeu nos últimos cinco anos os filmes: Green Book, A Forma da Água, Moonlight, Spotlight e Birdman, o NYFCC elegeu: Roma, Lady Bird, La La Land, Carol e Boyhood. Como não são um prêmio da indústria, não ficam suscetíveis ao mercado e campanhas publicitárias caríssimas, e desta forma, podem ousar mais em suas escolhas. Neste ano, a ousadia deles foi direcionada às categorias de Direção, Atriz, Fotografia e Longa de Animação.

Abaixo, faremos uma breve análise de cada categoria, com contexto e momento (o chamada hype).

VENCEDORES DO 85º NYFCC:

MELHOR FILME
O Irlandês (The Irishman), de Martin Scorsese

Embora não tenha vencido Melhor Direção, a mensagem dos críticos de Nova York me parece muito clara. “Vamos reconhecer a coragem de Scorsese, um veterano dos anos 70, ao filmar um épico de 3 horas e meia, com atores da velha guarda, e ainda com a plataforma de streaming da Netflix”. Como todos devem saber, Scorsese comprou uma briga com a Marvel Studios e Disney ao criticar as mega produções de temática de super-heróis. O fato de ele ser premiado pela crítica não necessariamente confirma o apoio para o cineasta, mas definitivamente defende que se faz necessário filmes mais ousados e diferentes de fórmulas batidas.

MELHOR DIREÇÃO
Benny Safdie e Josh Safdie (Uncut Gems)

Os irmão Safdie estão se tornando os novos irmãos Coen. Além de formarem uma nova dupla de irmãos no comando da direção, eles trazem um sopro de criatividade aos filmes policiais e noir assim como os Coen fizeram entre os anos 80 e 90. Após os merecidos elogios para o trabalho anterior deles, Bom Comportamento, a crítica passou a acompanhar mais atentamente seus novos projetos. Em Uncut Gems, além da ótima técnica de filmagem, eles dão crédito a um ator desacreditado (de Robert Pattinson a Adam Sandler agora) e descobrem novos talentos (Julia Fox tem chamado atenção como atriz revelação).

MELHOR ATRIZ
Lupita Nyong’o (Nós)

A franco-favorita da categoria, Renée Zellwegger, pode estar com o reinado ameaçado. Embora sua performance como Judy Garland seja louvável, é sempre bom termos concorrência de alto nível. Lupita Nyong’o era um nome que merecia esse destaque para que as premiações televisivas lembrem de sua atuação formidável e assustadora em Nós, novo filme de Jordan Peele. Claro que o histórico de vitória do gênero terror no Oscar é quase inexistente, mas Lupita merece pelo menos uma indicação por interpretar duas personagens de forma estupenda.

Lupitaa

MELHOR ATOR
Antonio Banderas (Dor e Glória)

Trabalhando em Hollywood há muito tempo, o ator espanhol ficou mais conhecido como a voz do Gato de Botas nos filmes de Shrek, mas foi sua ampla experiência com o diretor Pedro Almodóvar que possibilitou sua interpretação tão distinta em Dor e Glória, onde ele faz um diretor de cinema em crise de existência e criatividade. Num ano bastante competitivo para atores principais, este prêmio pode ajudar Banderas a conquistar aquela quinta vaga na categoria de Melhor Ator no Oscar. Seria sua primeira indicação ao prêmio da Academia.

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Laura Dern (História de um Casamento)

Laura Dern está vivendo um novo auge em sua carreira depois da indicação a Atriz Coadjuvante por Livre em 2015. Atuou nas séries Big Little Lies e Twin Peaks, participou da nova trilogia de Star Wars e agora volta com dois novos tabalhos em Adoráveis Mulheres e História de um Casamento. Até o momento, com mais este reconhecimento, Dern é a franco-favorita na corrida de Atriz Coadjuvante, mas tem concorrentes de peso como Jennifer Lopez e Kathy Bates. Muito querida pela HFPA, acreditamos que sua vitória é certa no Globo de Ouro, e caso não haja imprevistos, deve conquistar sua primeira estatueta do Oscar em sua terceira indicação.

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Joe Pesci (O Irlandês)

Depois de muito falarem de Brad Pitt e Al Pacino, o NYFCC voltou a lembrar que Joe Pesci é sim um nome forte para a categoria de Coadjuvante. Com uma habilidade tremenda para atuações realistas, não foi à toa que Scorsese o tirou da aposentadoria para participar de O Irlandês. Até semana passada, Pesci estava praticamente fora da competição, mas este prêmio o recoloca na disputa e pode garanti-lo no Globo de Ouro e no Oscar, pelo menos como indicado. O ator já ganhou um Oscar por outro filme de Scorsese, Os Bons Companheiros, em 1991.

MELHOR ROTEIRO
Quentin Tarantino (Era uma vez em… Hollywood)

Acho que se existe alguém igualmente apaixonado por cinema como Scorsese, este é Quentin Tarantino. Em várias entrevistas, ele defende os filmes longos e de qualidade. Ele é fascinado por detalhes que para muitos passam desapercebidos. Em Era Uma Vez em… Hollywood, ele faz o cinema vencer a realidade cruel e violenta. Pode não ser seu melhor trabalho (acreditamos que ele precisa de outro montador para substituir à altura a saudosa Sally Menke), mas seu roteiro sempre reserva ótimos personagens e diálogos. Além disso, Tarantino é um dos poucos que consegue ganhar o Oscar mesmo não sendo membro do sindicato de roteiristas.

MELHOR FOTOGRAFIA
Claire Mathon (Retrato de uma Jovem em Chamas)

Num ano dividido entre as fotografias de O Irlandês, Coringa, Era Uma Vez em… Hollywood e Parasita, o NYFCC resolveu conceder o prêmio ao filme francês Retrato de uma Jovem em Chamas, que vem coletando elogios desde sua passagem em Cannes em Maio. Como o filme não foi selecionado pela comissão da França para representar o país no Oscar, os críticos deram um bom jeito de lembrar do filme para concorrer a outras categorias.

Portarit

Retrato de uma Jovem em Chamas

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
Parasita (Parasite), de Bong Joon-Ho

Supremacia. Até agora, 100% de aproveitamento do filme sul-coreano em todos os prêmios mais importantes na categoria de Filme Estrangeiro. E anotem aí: vai ser premiado como Melhor Filme no LAFCA, os críticos de Los Angeles, que ainda podem eleger Kang-Ho Song como Melhor Ator. Será que finalmente teremos o Oscar de Melhor Filme concedido a uma produção em língua estrangeira?

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO
Perdi Meu Corpo (I Lost My Body), de Jérémy Clapin

Como dissemos no post do Annie Awards, a falta de criatividade dos grandes estúdios que só lançaram sequências este ano (Frozen 2, Toy Story 4 e Como Treinar o Seu Dragão 3) tem chamado a atenção dos críticos para animações mais modestas como este delicado Perdi Meu Corpo, que já está disponível no catálogo da Netflix. Com este prêmio, o filme praticamente garante vaga na categoria de Animação do Oscar. Só falta uma vitória de uma produção estrangeira, o que não acontece desde 2002, quando A Viagem de Chihiro levou o Oscar.

lost.jpg

Perdi Meu Corpo

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Honeyland, de Tamara Kotevska e Ljubomir Stefanov

Honeyland é um caso peculiar. Ele concorre em duas frentes: Documentário e Filme Internacional no Oscar, representando a modesta Macedônia do Norte. Embora tenha chances na última categoria, tem maior possibilidade de indicação como documentário, onde terá que competir com os fortes candidatos Apollo 11 e American Factory.

honeyland

Honeyland

MELHOR FILME DE ESTREANTE
Atlantics, de Mati Diop

Representante do Senegal para o Oscar, e vencedor do Grande Prêmio do Júri em Cannes, Atlantics fala diretamente sobre a nossa realidade que lida com os problemas da imigração ilegal. Este prêmio coloca o filme da estreante Mati Diop no mapa, juntamente com a colaboração da Netflix, que já disponibilizou o filme no acervo. Sempre bom termos produções vindas do continente africano, cujo cinema acaba mais fragilizado diante da situação econômica dos países.

PRÊMIO ESPECIAL
Randy Newman

NATIONAL BOARD OF REVIEW ELEGE ‘O IRLANDÊS’ como MELHOR FILME

Cena de O Irlandês com Joe Pesci e Robert De Niro (pic by IMDb)

NETFLIX TEM SEGUNDO DIA CONSECUTIVO DE VITÓRIA

Após ganhar 4 Gotham Awards com História de um Casamento, a Netflix continua sob o holofote pelo National Board of Review, que nomeou O Irlandês como Melhor Filme do ano, e melhor Roteiro Adaptado. Embora não tenha vencido em categorias de atuação, levou um prêmio especial colaborativo entre Martin Scorsese, Robert De Niro e Al Pacino.

Logo em seguida, temos Era Uma Vez… em Hollywood levando os prêmios de Direção para Quentin Tarantino e de Ator Coadjuvante para Brad Pitt, e temos Uncut Gems, que também levou dois prêmios: Roteiro Original e Ator para Adam Sandler.

Vencedor do prêmio de Melhor Ator: Adam Sandler em Uncut Gems

Ainda sobre as categorias de atuação, se por um lado tivemos a confirmação de Renée Zellwegger como favorita por Judy, por outro tivemos a surpresa de Kathy Bates como Coadjuvante por O Caso Richard Jewell, novo filme de Clint Eastwood.

Vencedora de Atriz Coadjuvante, kathy Bates em cena de O Caso Richard Jewell

Embora tenha acertado a vitória de Green Book no ano passado, o NBR não tem servido muito de parâmetro para o vencedor do Oscar, contudo, nos últimos anos elegeu filmes que sempre foram indicados a Melhor Filme como The Post, Machester à Beira-Mar, Mad Max: Estrada da Fúria, com a exceção de O Ano Mais Violento em 2014, que passou longe do Oscar.

O mesmo vale para as categorias de atuação. Muitos de seus vencedores acabam passando pras categorias do Oscar como houve em 2018: Viggo Mortensen, Lady Gaga, Sam Eliott e Regina King.

Embora o vencedor do prêmio de Filme Estrangeiro tenha sido o franco-favorito Parasita, na lista do top 5 de filmes estrangeiros está o brasileiro A Vida Invisível, concretizando uma ótima campanha da Amazon nos EUA. No lugar de Les Miserábles, outro francês foi eleito: Retrato de uma Jovem em Chamas, o que faz questionar se a comissão francesa fez a escolha certa.

VENCEDORES DO NATIONAL BOARD OF REVIEW:

MELHOR FILME
O Irlandês (The Irishman)

MELHOR DIREÇÃO
Quentin Tarantino (Era Uma Vez em… Hollywood)

MELHOR ATOR
Adam Sandler (Uncut Gems)

MELHOR ATRIZ
Renée Zellwegger (Judy)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Brad Pitt (Era Uma Vez… em Hollywood)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Kathy Bates (O Caso Richard Jewell)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
Josh Safdie, Benny Safdie, Ronald Bronstein (Uncut Gems)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Steven Zaillian (O Irlandês)

MELHOR FOTOGRAFIA
Roger Deakins (1917)

MELHOR PERFORMANCE REVELAÇÃO
Paul Walter Hauser (O Caso Richard Jewell)

MELHOR DIREÇÃO DE DEBUTANTE
Melina Matsoukas (Queen & Slim)

MELHOR ANIMAÇÃO
Como Treinar o Seu Dragão 3

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
Parasita, de Bong Joon-Ho

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Maiden

MELHOR ELENCO
Entre Facas e Segredos

NBR Icon Award: Martin Scorsese, Robert De Niro, Al Pacino

NBR Freedom of Expression Award: FOR SAMA

NBR Freedom of Expression Award: JUST MERCY

TOP FILMES (em ordem alfabética)
1917
Meu Nome é Dolemite (Dolemite is my Name)
Ford vs Ferrari
Jojo Rabbit
Entre facas e Segredos (Knives Out)
História de um Casamento (Marriage Story)
Era uma vez… em Hollywood (Once Upon a Time…in Hollywood)
O Caso Richard Jewell (Richard Jewell)
Uncut Gems
Waves

TOP 5 FILMES ESTRANGEIROS (em ordem alfabética)
Atlantics
A Vida Invisível (Invisible Life)
Dor e Glória (Pain and Glory)
Retrato de uma Jovem em Chamas (Portrait of a Lady on Fire)
Transit

TOP 5 DOCUMENTÁRIOS (em ordem alfabética)
Indústria Americana (American Factory)
Apollo 11
The Black Godfather
Rolling Thunder Revue: A Bob Dylan Story by Martin Scorsese
Wrestle

TOP FILMES INDEPENDENTES (em ordem alfabética)
The Farewell
Give Me Liberty
A Hidden Life
Judy
The Last Black Man in Man Francisco
Midsommar
he Nightingale
The Peanut Butter Falcon
The Souvenir
Wild Rose

93 PRODUÇÕES DISPUTAM O OSCAR DE FILME INTERNACIONAL

Alfonso Cuarón, com as três estatuetas que ganhou com Roma, incluindo o último Oscar de Filme em Língua Estrangeira

CATEGORIA QUE MUDOU DE NOME RECEBEU O TOTAL DE 94 INSCRIÇÕES

Sim, a categoria Filme em Língua Estrangeira, criada oficialmente na década de 50, foi rebatizada para Melhor Filme Internacional no último mês de Abril, pois consideraram o termo “Estrangeiro” ultrapassado. Outras mudanças significativas foram da pré-lista de dezembro, que pula de nove para dez filmes pré-selecionados, e pela primeira vez, os votantes poderão assistir aos dez filmes online, sem precisar comparecer às salas de Los Angeles, Nova York ou Londres.

Dos 94 filmes inscritos, logo de cara já houve uma desqualificação do Afeganistão. Havia questionamento de legitimidade do comitê que elegeu o representante do país, portanto foi descartado antes mesmo do anúncio dos oficialmente inscritos.

Em seguida, no dia 04 de Novembro, a Academia anunciou a desqualificação da Nigéria, que havia inscrito um filme na competição pela primeira vez com Lionheart. Segundo o departamento responsável que viu a película, houve uma infração do regulamento que exige língua não-inglesa predominante. Foi constatado que o filme continha apenas onze minutos no idioma estrangeiro. Essa ilegalidade causou revolta na Nigéria e conquistou apoio da cineasta Ava DuVernay.

Em sua conta do Twitter, a diretora de Selma esbravejou:
“Para a Academia, Vocês desqualificaram a primeiríssima inscrição da Nigéria para Melhor Filme Internacional porque está em Inglês. Mas Inglês é a língua oficial da Nigéria. Vocês estão barrando este país para que nunca dispute um Oscar em sua língua oficial?…”

Há duas formas de enxergar a situação. Pelo lado da Academia, regras são regras. Essa que exige predominância de língua não-inglesa existe há décadas. Faltou atenção ao comitê nigeriano ao regulamento da categoria. Já pelo lado da Nigéria, da modernização e do bom senso, a Academia não poderia ter sido mais flexível nessa questão do idioma ao modernizar o nome do prêmio de Filme em Língua Estrangeira para Filme Internacional? Quer dizer, todas as nações que foram colonizadas no passado jamais poderão disputar esse Oscar? Além disso, há algum tempo, é uma raridade vermos produções de um único país. Atualmente, o normal é a realização de co-produções em conjunto com dois ou mais países. Hoje, se um filme co-produzido por três países, apenas um pode selecioná-lo como representante no Oscar.

Não acreditamos que a Academia vá voltar atrás agora nessas questões, contudo os responsáveis do departamento podem estudar o caso para uma próxima cerimônia. Desta forma, permanecerão 92 filmes inscritos, número que mesmo assim iguala o recorde anterior de 2017.  Ainda sobre números, mesmo com a queda da Nigéria, temos 28 diretoras mulheres nessa disputa, um recorde na história da premiação.

COMO ESTÁ A DISPUTA ATÉ O MOMENTO?

Parasita, de Bong Joon-ho

PARASITA (Coréia do Sul) Dir: Bong Joon-ho
Vamos resumir assim: o filme sul-coreano Parasita está trilhando o mesmo caminho de Roma, de Alfonso Cuarón. Além de ter faturado prêmios importantes como a Palma de Ouro em Cannes, vem conquistando toda a crítica e o público de forma unânime, o que leva o filme a ser considerado inclusive para outras categorias como Melhor Filme, Direção, Roteiro Original, Fotografia, Direção de Arte e Ator Coadjuvante. Curiosamente, se concretizada, seria a primeira indicação do país na história do Oscar. Particularmente, sentimos que o Cinema Sul-coreano tem sido injustiçado há duas décadas pelo Oscar. Só para citar alguns filmes que mereciam uma indicação estão Oldboy (2002), Oasis (2002), Memórias de um Assassino (2003), Casa Vazia (2004), Secret Sunshine (2007), Poesia (2010), A Criada (2016) e Em Chamas (2018).

Dor e Glória, de Pedro Almodóvar

DOR E GLÓRIA (Espanha) Dir: Pedro Almodóvar
Quando o filme estava entre os indicados à Palma de Ouro deste ano, havia uma forte especulação de que Pedro Almodóvar ganharia pelo menos o prêmio de Direção ou o Grande Prêmio do Júri, mas acabou ficando apenas com o prêmio de interpretação masculina para Antonio Banderas, que vive o alter-ego do diretor espanhol. Muito querido entre os membros da Academia, o diretor já ganhou duas estatuetas: Filme em Língua Estrangeira por Tudo Sobre Minha Mãe em 2000, e Melhor Roteiro Original por Fale com Ela em 2003. Ao lado do representante sul-coreano, este espanhol está praticamente garantido entre os cinco indicados.

Les Misérables, de Ladj Ly

LES MISÉRABLES (França) Dir: Ladj Ly
Havia uma forte expectativa para que Retrato de uma Jovem em Chamas fosse o representante da França para o Oscar, mas talvez por motivos homofóbicos, o filme cedeu lugar a Les Misérables. Apesar de compartilhar o mesmo título da obra de Victor Hugo e o musical homônimo de 2012, o primeiro filme de Ladj Ly aborda a violência e o preconceito vivido por habitantes dos subúrbios franceses. A produção faturou o mesmo Prêmio do Júri ao lado do brasileiro Bacurau, o que pode facilitar um pouco sua campanha. Ladj Ly é o primeiro diretor negro que representa a França.

Monos, de Alejandro Landes

MONOS (Colômbia) Dir: Alejandro Landes
Para quem acompanha o Oscar, sabe que o cinema colombiano tem se destacado recentemente na premiação como o indicado O Abraço da Serpente (2015) e Pássaros de Verão (2018), que estava na última pré-lista. E pra elevar a ainda mais a campanha de Monos, os diretores mexicanos Alejandro González Iñárritu e Guillermo del Toro esbanjaram rasgaram elogios publicamente ao filme, o que certamente chamará a atenção de outros votantes, especialmente os latinos. Monos, que estava na Mostra Internacional de São Paulo, acompanha oito jovens militantes em um acampamento no alto da montanha. Eles precisam manter uma refém americana (Julianne Nicholson), mas os planos mudam quando eles matam acidentalmente uma vaca que os mantinha no local. Vale ressaltar que o diretor Alejandro Landes é brasileiro, filho de mãe colombiana.

Atlantics, de Mati Diop

ATLANTICS (Senegal) Dir: Mati Diop
A carreira do filme senegalês começou com sua indicação à Palma de Ouro em Cannes. Mati Diop se tornou a primeira mulher negra na competição oficial. Produção da Netflix, o filme aborda uma história de amor com a imigração ilegal como pano de fundo. Trata-se da segunda inscrição do país africano no Oscar, sendo que a primeira, Félicité, esteve entre os nove filmes pré-selecionados de 2018. Seria um reconhecimento para coroar o crescimento do cinema do continente africano, e dar um equilíbrio entre as produções indicadas, que costumam ficar restritas à Europa.

OUTROS EM DESTAQUE

Da esquerda para a direita: Honeyland, Papicha, O Paraíso Deve Ser Aqui, O Menino que Descobriu o Vento, e O Traidor

Honeyland (Macedônia do Norte): Elogiada produção de ficção que se assemelha a um documentário ao narrar a história de uma apicultora tradicional considerada a última da região.

Papicha (Argélia): Passado nos anos 90, acompanha a opressão sofrida por todas as mulheres por terroristas islâmicos, buscando alterar de forma conservadora seus hábitos, suas vestimentas e seus espaços públicos.

O Paraíso Deve Ser Aqui (Palestina): Trata-se de uma comédia autobiográfica do diretor Elia Suleiman que, ao viajar para fora de seu país para encontrar paz, acaba se deparando com os mesmos problemas de racismo e dificuldades sociais nas terras consideradas paraísos como EUA e França.

O Menino que Descobriu o Vento (Reino Unido): Embora tenha poucas chances no Oscar, pode surpreender por dirigido e atuado pelo ator indicado ao Oscar Chiwetel Ejiofor (de 12 Anos de Escravidão) e estar disponível na plataforma da Netflix. O filme narra a história de um menino no Malawi que desenvolve uma turbina de vento em seu vilarejo.

O Traidor (Itália): Além do renome do diretor Marco Bellocchio, o país europeu aposta na fama do mafioso Tommaso Buscetta, que fugiu para o Brasil e para os EUA e delatou a máfia italiana Costa Nostra. A atriz brasileira Maria Fernanda Cândido faz parte do elenco.

E O BRASIL?

A Academia de Cinema Brasileiro enfrentou um duro dilema este ano. Bacurau ou A Vida Invisível? Ambos os filmes haviam sido bem recebidos e premiados no Festival de Cannes. Enquanto o primeiro faturou o Prêmio do Júri (uma espécie de terceiro lugar), o segundo levou o cobiçado prêmio Un Certain Regard. Uma coisa era certa: o representante brasileiro tinha que ser um dos dois, mas qual?

A Vida Invisível, de Karim Ainouz

A presidente da comissão Anna Muylaert acabou desempatando a briga. Cinco votos para A Vida Invisível e quatro para Bacurau. Dentre as justificativas para a escolha, teria pesado a presença de Fernanda Montenegro no elenco, uma vez que ela já foi indicada ao Oscar por Central do Brasil. Além disso, Bacurau pode ser interpretado como uma afronta para o público norte-americano, pois eles são os vilões do filme de Kleber Mendonça Filho que se passa no sertão de Pernambuco. Já A Vida Invisível busca exaltar a força feminina através de suas protagonistas irmãs, algo em voga nas premiações.

Alguns alegam que Bacurau teria sido uma escolha mais ousada e por isso, teria mais chances de ser notado entre os votantes da Academia. Será? Claro que depende muito da campanha de publicidade rumo ao Oscar, que acontece em Fevereiro. Vamos torcer para que Vida Invisível se torne a 5ª indicação do Brasil após a última de Central do Brasil em 1999.

SEGUE LISTA COMPLETA DAS PRODUÇÕES INSCRITAS PARA O OSCAR 2020:

PAÍS FILME DIRETOR(A)(ES)
África do Sul Knuckle City Jahmil X.T. Qubeka
Albânia The Delegation Bujar Alimani
Alemanha System Crasher Nora Fingscheidt
Arábia Saudita The Perfect Candidate Haifaa al-Mansour
Argélia Papicha Mounia Meddour
Argentina Heroic Losers Sebastián Borensztein
Armênia Lengthy Night Edgar Baghdasaryan
Austrália Buoyancy Rodd Rathjen
Áustria Joy Sudabeh Mortezai
Bangladesh Alpha Nasiruddin Yousuff
Bélgica Our Mothers César Díaz
Bielorrússia Debut Anastasiya Miroshnichenko
Bolívia I Miss You Rodrigo Bellott
Bósnia Herzegovina The Son Ines Tanovic
Brasil A Vida Invisível Karim Aïnouz
Bulgária Ága Milko Lazarov
Camboja In the Life of Music Caylee So, Sok Visal
Canadá Antigone Sophie Deraspe
Cazaquistão Kazakh Khanate – Golden Throne Rustem Abdrashev
Chile Spider Andrés Wood
China Ne Zha Jiaozi
Colômbia Monos Alejandro Landes
Coréia do Sul Parasita Bong Joon-ho
Costa Rica The Awakening of the Ants Antonella Sudasassi
Croácia Mali Antonio Nuic
Cuba A Translator Rodrigo Barriuso, Sebastián Barriuso
Dinamarca Queen of Hearts May el-Toukhy
Egito Poisonous Roses Fawzi Saleh
Equador The Longest Night Gabriela Calvache
Eslováquia Let There Be Light Marko Skop
Eslovênia History of Love Sonja Prosenc
Espanha Dor e Glória Pedro Almodóvar
Estônia Truth and Justice Tanel Toom
Etiópia Running Against the Wind Jan Philipp Weyl
Filipinas Verdict Raymund Ribay Gutierrez
Finlândia Stupid Young Heart Selma Vilhunen
França Les Misérables Ladj Ly
Gana Azali Kwabena Gyansah
Geórgia Shindisi Dito Tsintsadze
Grécia When Tomatoes Met Wagner Marianna Economou
Holanda Instinct Halina Reijn
Honduras Blood, Passion and Coffee Carlos Membreño
Hong Kong The White Storm 2 – Drug Lords Herman Yau
Hungria Those Who Remained Barnabás Tóth
Índia Gully Boy Zoya Akhtar
Indonésia Memories of my Body Garin Nugroho
Irã Finding Fariden Kourosh Ataee, Azadeh Moussavi
Irlanda Gaza Garry Keane, Andrew McConnell
Islândia A White, White Day Hlynur Pálmason
Israel Incitement Yaron Zilberman
Itália O Traidor Marco Bellocchio
Japão Weathering With You Makoto Shinkai
Kosovo Zana Antoneta Kastrati
Látvia The Mover Davis Simanis
Líbano 1982 Oualid Mouaness
Lituânia Bridges of Time Kristine Briede, Audrius Stonys
Luxemburgo Tel Aviv on Fire Sameh Zoabi
Macedônia do Norte Honeyland Tamara Kotevska, Ljubomir Stefanov
Malásia M for Malaysia Dian Lee, Ineza Roussille
Marrocos Adam Maryam Touzani
México The Chambermaid Lila Avilés
Mongólia The Steed Erdenebileg Ganbold
Montenegro Neverending Past Andro Martinovic
Nepal Bulbul Binod Paudel
Nigéria Lionheart Genevieve Nnaji
Noruega Out Stealing Horses Hans Petter Moland
Palestina It Must Be Heaven Elia Suleiman
Panamá Everybody Changes Arturo Montenegro
Paquistão Laal Kabootar Kamal Khan
Peru Retablo Alvaro Delgado-Aparicio
Polônia Corpus Christi Jan Komasa
Portugal The Domain Tiago Guedes
Quênia Subira Ravneet Sippy Chadha
Quirguistão Aurora Bekzat Pirmatov
Reino Unido O Menino que Descobriu o Vento Chiwetel Ejiofor
Rep Dominicana The Projectionist José María Cabral
Rep Tcheca The Painted Bird Václav Marhoul
Romênia The Whistlers Corneliu Porumboiu
Rússia Beanpole Kantemir Balagov
Senegal Atlantics Mati Diop
Sérvia King Petar of Serbia Petar Ristovski
Singapura A Land Imagined Yeo Siew Hua
Suécia And Then We Danced Levan Akin
Suíça Wolkenbruch’s Wondrous Journey Into the Arms of a Shiksa Michael Steiner
Tailândia Krasue: Inhuman Kiss Sitisiri Mongkolsiri
Taiwan Dear Ex Mag Hsu, Hsu Chih-yen
Tunísia Dear Son Mohamed Ben Attia
Turquia Commitment Semih Kaplanoglu
Ucrânia Homeward Nariman Aliev
Uruguai The Moneychanger Federico Veiroj
Uzbequistão Hot Bread Umid Khamdamov
Venezuela Being Impossible Patricia Ortega
Vietnã Furie Lê Van Kiêt

A pré-lista com os dez filmes será divulgada no dia 16 de dezembro. O anúncio das indicações ao Oscar estão marcadas para o dia 13 de janeiro.

%d blogueiros gostam disto: