Jim Carrey condena a violência de ‘Kick-Ass 2’

Jim Carrey como o Coronel Stars and Stripes em Kick-Ass 2 (photo by www.beyondhollywood.com)

Jim Carrey como o Coronel Stars and Stripes em Kick-Ass 2 (photo by http://www.beyondhollywood.com)

Kick-Ass 2, sequência do sucesso da adaptação de quadrinhos homônima criados por Mark Millar e John Romita Jr., só tem previsão de estréia para agosto (e setembro no Brasil), mas já enfrenta uma controvérsia nos bastidores. No último domingo, Jim Carrey, que atuou como o personagem Coronel Stars and Stripes nessa sequência, cuspiu no prato que comeu e tuitou algumas ressalvas quanto ao filme:

“I did Kickass a month b4 Sandy Hook and now in all good conscience I cannot support that level of violence… I meant to say my apologies to others involve with the film. I am not ashamed of it but recent events have caused a change in my heart. (Atuei em Kick-Ass 2 um mês antes do (massacre da escola) Sandy Hook e agora, em sã consciência, não posso apoiar aquele nível de violência… Minhas desculpas para os demais envolvidos no filme. Não tenho vergonha desse trabalho, mas acontecimentos recentes mudaram meu coração)”

Para quem não se lembra, em dezembro de 2012, a escola primária Sandy Hook, localizado no estado de Connecticut, sofreu um atentado. Adam Lanza, de 20 anos, invadiu a escola portando três armas de fogo, matando seis funcionários e vinte alunos com idades entre 6 e 7 anos.

Essa mudança repentina de opinião de Jim Carrey pegou de surpresa os profissionais envolvidos na produção, inclusive o criador e produtor-executivo Mark Millar que, além de suspeitar que o trailer recentemente lançado tenha ligação direta, postou uma resposta em seu blog, do qual retiro alguns trechos mais importantes:

Roteirista e criador de Kick-Ass, Mark Millar (photo by www.popground.com)

Roteirista e criador de Kick-Ass, Mark Millar (photo by http://www.popground.com)

“Primeiramente, eu amo Jim Carrey. Quando o produtor Matthew Vaughn e o diretor Jeff Wadlow me chamaram e sugeriram que fizéssemos uma chamada de conferência com ele para conversarmos sobre a sequência, fique genuinamente excitado. Como vocês, eu amo ‘Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças’, ‘O Mundo de Andy’ e ‘O Show de Truman – O Show da Vida’. Carrey é um ator como nenhum outro, uma imprevisível força da natureza que traz calor e humanidade ao trabalho assim como aquele energia indestrutível que ele sempre renova. Ele almoçou com Matthew na época do primeiro filme e gostou tanto que apareceu vestido como Kick-Ass naquela noite no programa de Conan O’Brien, fazendo um dueto com Conan vestido como Super-Homem. Vaughn e eu combinamos que deveríamos trabalhar com esse cara assim que surgir uma oportunidade porque somos grandes admiradores. Agora, após três anos, estou sentado numa sala de projeção em Londres assistindo a que considero uma das melhores performances de Carrey.

Como vocês sabem, Jim é totalmente a favor do controle de armas e eu respeito sua política e sua opinião, mas estou perplexo por suas declarações porque não há nada neste filme que não estivesse no roteiro há 18 meses. Sim, o número de mortes é alto, mas um filme chamado ‘Kick-Ass 2’ tem que entregar o que promete. A continuação do filme que nos apresentou a personagem Hit-Girl precisa ter muito sangue no chão e isso não deveria surpreender alguém que gostou tanto do primeiro filme (lançado em 2010).

À esquerda, o personagem Coronel Stars and Stripes no quadrinho de Mark Millar e John Romita Jr. Já à direita, temos Jim Carrey e seu pastor alemão caracterizados perfeitamente (photo by www.empireonline.com)

À esquerda, o personagem Coronel Stars and Stripes no quadrinho de Mark Millar e John Romita Jr. Já à direita, temos Jim Carrey e seu pastor alemão caracterizados perfeitamente (photo by http://www.empireonline.com)

Como Jim, estou horrorizado com violência do dia-a-dia (mesmo eu sendo escocês), mas ‘Kick-Ass 2’ não é um documentário. Nenhum ator se feriu nas filmagens! Trata-se de uma ficção e como (Quentin) Tarantino e (Sam) Peckinpah, (Martin) Scorsese e (Clint) Eastwood, John Boorman, Oliver Stone e Chan-Wook Park, ‘Kick-Ass’ evita ser aquele filme de verão americano repleto de mortes e foca nas CONSEQUÊNCIAS da violência, sejam as ramificações para amigos e família ou, como vimos no primeiro filme, o personagem Kick-Ass passando seis meses no hospital depois de sua primeira interferência como herói nas ruas. Ironicamente, o personagem de Jim em ‘Kick-Ass 2’ (Coronel Stars and Stripes), é um cristão renascido, e o fato de ele se recusar a usar arma de fogo fez com que ele se interessasse pelo papel em primeiro lugar.

Jim, eu te amo e espero que você reconsidere todos os pontos citados. Você está espetacular neste insanamente divertido filme e estou muito orgulhoso com o que Jeff, Matthew e toda a equipe fizeram aqui.”

Claro que essa discussão da violência entre Jim Carrey e o produtor e criador Mark Millar reabre a velha questão das armas nos EUA. No ano passado, alegando ser o personagem anárquico Coringa, James Holmes matou 12 pessoas durante sessão de Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, além de várias tragédias envolvendo armas de fogo em solo americano. Infelizmente, as pessoas não nascem com o rótulo de “LOUCO” ou “SÃO” na testa, por isso o controle de armas se faz urgente. Em abril desse ano, o presidente Barack Obama promoveu uma reforma, mas o número de senadores a favor não foi o suficiente para a aprovação. Os EUA têm uma cultura muito forte com armas de fogo, principalmente em estados tipicamente republicanos em que a NRA (National Rifle Association) dá as cartas, sem contar a indústria composta por empresários poderosos.

O presidente barack Obama (centro) assina medidas para o controle de armas nos EUA em janeiro de 2013 (photo by www.whitehouse.gov)

O presidente Barack Obama (centro) assina medidas para o controle de armas nos EUA em janeiro de 2013 (photo by http://www.whitehouse.gov)

Quanto a Jim Carrey, seria desumano criticá-lo por ter mudado de idéia. Pessoas que trabalham com violência (mesmo a de mentirinha) estão sujeitos a repensar suas vidas após uma tragédia. Vivemos tempos extremamente violentos e, infelizmente, muitas vezes a culpa recai sobre o Cinema, o qual nunca buscou promover a violência de forma gratuita. Grandes cineastas como aqueles que Millar citou em seu post, como Martin Scorsese e Sam Peckinpah, apenas retratavam a violência para justamente gerar uma discussão sobre suas consequências para a sociedade.

Embora Kick-Ass 2 se encaixe mais na linha do entretenimento, nem por isso sua leitura da violência deve ser vista como banal. Por mais que contenha elementos fantasiosos, todo filme reflete o ser humano e a sociedade em que vive. Jamais o contrário. E Jim Carrey sabe disso e, assim, poderia manter seus pensamentos para si ou justificar-se apenas para a equipe para quem trabalhou.

Kick-Ass 2 tem previsão de estréia para o dia 13 de setembro.

Mulheres no Cinema

Zooey Deschannel como a inesquecível e inexplicável Summer de (500) Dias com Ela (photo by olszowy.com.pl)

Zooey Deschanel como a inesquecível e inexplicável Summer de (500) Dias com Ela (photo by olszowy.com.pl)

Primeiramente, Feliz Dia Internacional da Mulher!

Não sei exatamente qual a porcentagem de mulheres internautas e cinéfilas que perambulam pelo blog, mas desejo um dia excepcional a todas! Ao ler a coluna da Lúcia Guimarães, no jornal Estado de S. Paulo do dia 05 de março, descobri que a data comemorativa fora criada em 1909 nos EUA originalmente como o Dia Internacional da Mulher Trabalhadora, inspirada por socialistas numa época em que as mulheres sequer tinham direito ao voto.

Apesar da mulher de hoje ser tratada de forma mais digna, ainda falta muito para que ela alcance a igualdade plena. E vejo a data comemorariva como forma de nos lembrar de que essa luta ainda está longe do fim. Além de problemas como a desigualdade salarial, o que mais preocupa é a violência contra as mulheres, e não me refiro aos casos na terra do machismo extremo como no Oriente Médio, mas aqui no Brasil.

Só o aumento do número de delegacias da mulher já reflete essa escalada da violência doméstica. E embora a lei Maria da Penha tenha sido uma importante conquista, as denúncias contra os parceiros ainda são bastante tímidas devido às penas brandas. Infelizmente, ameaças não garantem um boletim de ocorrência, muito menos atitudes policiais. O Brasil ainda engatinha nessa importante questão para uma sociedade civilizada.

Mesmo que ainda estejamos distantes do ideal, espero que um dia não haja mais a necessidade do Dia Internacional da Mulher. Afinal, todo dia é dia da mulher. O que seríamos de nós, homens, sem as mulheres? Esposas, namoradas, mães, tias, primas, amigas, ficantes… a lista é extensa. Na tentativa de homenageá-las, recordei algumas personagens fortes que encantaram (ou assustaram) platéias do cinema. A seleção enxuta, que possui ordem aleatória, busca ressaltar essências femininas que fascinam: delicadeza, ternura, força e inteligência.

Linda Hamilton nos dois filmes de O Exterminador do Futuro (montagem por bodygeeks.com)

Linda Hamilton nos dois filmes de O Exterminador do Futuro (montagem por bodygeeks.com)

SARAH CONNOR (Linda Hamilton) em O Exterminador do Futuro (1984) e O Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final (1992)

Se a pergunta “Até onde uma mãe vai para salvar seu filho?” já mexe com os limites de uma mãe, imagine então para manter o filho vivo para salvar o planeta? No primeiro filme de James Cameron, a ficha ainda não caiu para Sarah Connor. Ela tem uma vida pacata, trabalhando como garçonete no subúrbio americano. Essa história maluca de que seu filho será uma importante peça para o futuro da humanidade mexe com toda a lógica da personagem.

Já convencida da veracidade do fim do mundo depois de ser quase assassinada por um ciborgue, no segundo filme, ela se prepara para a guerra, deixando o comportamento mais ingênuo de lado. Internada num hospital pisquiátrico por causa das previsões, ela utiliza artimanhas para fugir e finalmente procurar seu filho.

O que impressiona aqui é a transformação física e psicológica de Sarah Connor. A atriz Linda Hamilton se envolveu de tal forma com a história que acabou ganhando massa muscular e até feições masculinas, motivo pelo qual teria recebido críticas na época do lançamento. Curiosamente, Hamilton ficou casada com o diretor tirano James Cameron até pouco depois do sucesso de Titanic, quando ele resolveu trocá-la pela atriz Suzy Amis.

Michelle Pfeiffer como Mulher-Gato em Batman - O Retorno (photo by herocomplex.latimes.com)

Michelle Pfeiffer como Mulher-Gato em Batman – O Retorno (photo by herocomplex.latimes.com)

MULHER-GATO (Michelle Pfeiffer) em Batman – O Retorno (1992)

“Oi, querido! Cheguei!… Esqueci que não sou casada”. A solitária secretária Selina Kyle chega em casa e profere essa frase todos os dias. Morando sozinha, tendo como única companhia sua gatinha, ela anda estressada com sua vida profissional, familiar e amorosa. Ao contrário dos quadrinhos em que a personagem é uma ladra profissional, Selina muda de vida quando seu patrão Max (Christopher Walken), empurra-a da janela. Numa atmosfera sobrenatural, o filme de Tim Burton cria o alter-ego dela através das mordidas de vários gatos no cadáver gélido.

Ressuscitada e com nove vidas, ela passa por um processo de transformação. A Mulher-Gato é exatamente o oposto de Selina Kyle: livre, anárquica e apaixonante. Obviamente, essa nova vida dupla altera seu comportamento, dando-lhe auto-confiança em meio a tantos personagens masculinos da trama.

O filme pode ter recebido algumas duras críticas em relação ao lado caricato que Tim Burton queria imprimir, além da trama sombria demais, porém Michelle Pfeiffer saiu ilesa por sua interpretação como Mulher-Gato. Até hoje sua figura sensual serve como referência ao universo de Batman, algo que Anne Hathaway nem passou perto com Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge.

Diane Keaton inaugura um estilo em Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (photo by moviepilot.de)

Diane Keaton inaugura um estilo em Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (photo by moviepilot.de)

ANNIE HALL (Diane Keaton) em Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (1977)

Criativa, inteligente, carinhosa e com um estilo próprio, Annie Hall conquistou toda uma geração de homens e mulheres nos anos 70. Cantora amadora de clubes noturnos, ela conhece o comediante Alvy Singer (Woody Allen) através de amigos em comum numa partida de tênis em Nova York.

A atriz Diane Keaton cedeu um pouco de si mesma para poder criar essa personagem que modernizou a mulher no cinema. Annie Hall tinha atitude, voz ativa, independência, mas continuava feminina, graciosa com pitadas de loucura. No filme, acompanhamos a complexidade do protagonista Alvy, que faz terapia há 15 anos, conferindo o fracasso de seus casos amorosos anteriores. Quando Annie surge, ela consegue conquistar o coração dele de mansinho. Numa conversa mais séria, ela consegue impressioná-lo ao rebater seu papo filosófico, criando uma química que torna o sexo mais interessante. Vale ressaltar que o figurino de Annie, composta por peças masculinas como a gravata, gerou uma série de seguidores.

O diretor e roteirista Woody Allen tem fama de longa data pela criação de incontáveis personagens femininas marcantes. Além de Annie, podemos citar a atriz com problemas de grandiosidade Helen Sinclair em Tiros na Broadway, a atriz pornô Linda Ash de Poderosa Afrodite, a calorosa Nola Rice de Ponto Final – Match Point. Diane Keaton levou seu único Oscar pelo papel.

Sigourney Weaver como mãe em Aliens, o Resgate (photo by OutNow.CH)

Sigourney Weaver como mãe em Aliens, o Resgate (photo by OutNow.CH)

ELLEN RIPLEY (Sigourney Weaver) em Aliens, o Resgate (1986)

Guerreira, mãe e sobrevivente, esta personagem já passou muitos perrengues com a raça alienígena que invade sua nave Nostromo em Alien, o Oitavo Passageiro (1979). No primeiro filme, Ripley sequer era a personagem principal, mas ao longo dos quatro filmes, a atriz Sigourney Weaver, que trabalhou com 4 diretores diferentes, entrega uma nova faceta dessa mulher. Na sequência Aliens, o Resgate (1986), ela demonstra que é capaz de tudo para salvar a menina Newt, que a tomou como filha.

Ela cria uma espécie de pacto de nunca abandoná-la. E cumpre o que promete. Na sequência final, Ripley volta para o criadouro de aliens, repleto de ovos e encara a rainha deles para resgatar Newt. O instinto feminino de Ripley fala tão alto que chega a intimidar a líder dos alienígenas, não poupando esforços para salvar a menina, inclusive utilizando um traje mecânico para lutar corpo a corpo.

Tanto esforço acaba indo pelo ralo no início do terceiro filme da série. O jovem promissor David Fincher assume a cadeira de diretor e logo mata a menina e todos os demais tripulantes da nave, exceto Ripley, numa queda logo no início do filme, o que irritou bastante o diretor James Cameron (de Aliens, o Resgate).

Kathleen Turner em Mamãe é de Morte (photo by futuracast.wordpress.com)

Kathleen Turner em Mamãe é de Morte (photo by futuracast.wordpress.com)

BEVERLY SUTPHIN (Kathleen Turner) em Mamãe é de Morte (1994)

Proteção da família elevado ao nível extremo, Beverly se mostra a dona-de-casa exemplar do subúrbio americano, até que surgem investigações de crimes na região, sendo a primeira delas uma denúncia de ligações telefônicas em tom grosseiro. Kathleen Turner se transforma ao passar os trotes para sua vizinha, só porque ela roubou a sua vaga de estacionamento no mercado.

O diretor John Waters queria Susan Sarandon, mas o salário pedido foi muito alto, ainda mais depois do sucesso de Thelma & Louise (1991). Já em baixa após os bem-sucedidos anos 80, Kathleen Turner aceitou o papel se nitidamente ela se diverte interpretando Beverly.

Além dos crimes hediondos cometidos para agradar seus entes queridos, ela ainda consegue ser sua própria advogada no tribunal e reverter as evidências contra ela. Embora seja meio despirocada, a personagem leva à sério a segurança do núcleo familiar. Em tempos atuais de famílias sem a figura paterna, ela teria que se desdobrar ainda mais para cumprir suas obrigações e alimentar suas obsessões assassinas.

Holly Hunter dubla Elastigirl em Os Incríveis (photo by OutNow.CH)

Holly Hunter dubla Elastigirl em Os Incríveis (photo by OutNow.CH)

HELEN PARR (voz de Holly Hunter) em Os Incríveis (2004)

Enquanto 90% da população masculina votaria em Jessica Rabbit como personagem feminina em animação, gostaria de lembrar da figura arrebatadora de Helen Parr, a fantástica Elastigirl. Logo no começo quando ela fala para Mr. Incredible “You need to be more… flexible!” (Você precisa ser mais… flexível!)” e demonstra o quão flexível ela é, ela já comprova que sabe laçar um homem.

Já casada e mãe de três filhos, Helen NUNCA deixa a peteca cair. Ela cuida da família, coloca os filhos pra fazer tarefa de casa, pra dormir e ainda apóia o marido em tudo. Embora não queira mais vestir o uniforme de sua identidade secreta de Elastigirl, ela dá conta do recado quando requisitada para salvar o marido na selva de Syndrome. Na sequência da explosão do avião, ela toma uma importante decisão de incentivar a filha Violet a usar seus poderes, mas quando falha, ela logo corre para proteger seus filhos com o próprio corpo.

Com tantas coisas para cuidar, Helen não deixa de cuidar do visual. O diretor Brad Bird caprichou no quadril da personagem e ainda criou a breve cena da foto acima que dá um toque feminino. Há tempos eu não via uma personagem tão completa e contemporânea nas animações. Além disso, a voz sexy de Holly Hunter torna tudo mais gostoso de ouvir.

Joan Allen em A Outra Face da Raiva (photo by OutNow.CH)

Joan Allen em A Outra Face da Raiva (photo by OutNow.CH)

TERRY ANN WOLFMEYER (Joan Allen) em A Outra Face da Raiva (2005)

Abandonada por seu marido, que fugiu com a secretária para a Suécia, Terry se vê desorientada para tocar a vida e cuidar de suas quatro filhas jovens. Para agravar ainda mais sua situação desoladora, cada uma delas enfrenta dificuldades comuns nas áreas dos estudos, trabalho e amor, o que gera calorosas discussões em casa.

Mas engana-se aquele que prevê um dramalhão chato. Joan Allen não deixa a peteca cair, tocando a vida de sua personagem de forma amargamente apaixonante e sem nunca perder o bom humor. Esse comportamento acaba atraindo a atenção do vizinho Denny (Kevin Costner), um ex-jogador de beisebol, que anda exagerando no álcool. Apesar de problemático, vemos nele uma figura importante para o equilíbrio dela.

Com uma boa dose de humor negro por parte da direção de Mike Binder, que também atua como o namorado de uma de suas filhas, A Outra Face da Raiva ganha pontos por retratar a vida de uma família após a saída do pai sem apelar para emoções fáceis. Pena que Joan Allen não teve lobby suficiente para chegar à lista do Oscar de Melhor Atriz, pois merecia maior reconhecimento.

Jodie Foster como a agente Clarice Starling em O Silêncio dos Inocentes (photo by collider.com)

Jodie Foster como a agente Clarice Starling em O Silêncio dos Inocentes (photo by collider.com)

CLARICE STARLING (Jodie Foster) em O Silêncio dos Inocentes (1991)

Agente novata do FBI, Clarice Starling é uma bela jovem num universo masculino, o que a torna um centro de atenções. Para sobreviver nessa rotina, ela busca mascarar sua feminilidade com uma fachada séria e fria. Essa dualidade encontrada em incontáveis mulheres de sucesso que adentram o universo masculino como o dos negócios, acaba instigando todos os homens ao seu redor por sua dedicação.

Clarice se aproveita disso e cria um elo forte com o assassino Hannibal Lecter (Anthony Hopkins) para desvender o sumiço da filha de uma importante senadora americana. A investigação acaba mexendo também em seus próprios traumas passados como a morte de seu pai policial e a tentativa de libertar os pobres cordeirinhos da fazendo do tio.

Para criar a vida de Clarice, Jodie Foster participou de um intenso treinamento ao lado de agentes do FBI. Ela estudou fichas criminais e aprendeu a manusear armas de fogo. Esse esforço foi extremamente importante para dar veracidade à sua performance, uma vez que a beleza da personagem poderia facilmente atrapalhar na imagem de agente do FBI. Sua atuação rendeu seu segundo Oscar de Melhor Atriz em 1992.

Uma Thurman em Kill Bill (photo by gunslot.com)

Uma Thurman em Kill Bill: Vol. 2 (photo by gunslot.com)

A NOIVA (Uma Thurman) em Kill Bill: Vol. 1 (2003) e Kill Bill: Vol. 2 (2004)

A Noiva tem seu casamento interrompido por ex-colegas de profissão (leiam-se assassinos mercenários), que matam todos os presentes na pequena igreja e ainda dão um tiro na cabeça dela. Infelizmente, a bala não a matou e agora ela tem que sair do coma para buscar uma das mais sangrentas vinganças da história do Cinema.

No primeiro filme, vemos uma mulher forte e praticamente indestrutível ao derrotar os Crazy 88 num restaurante japonês em Okinawa. A facilidade com que ela elimina seus oponentes provém da sede de vingança, mas nitidamente se trata de um filme mais físico que abusa da ação.

Já no segundo, temos uma análise psicológica, quando vemos a Noiva em estado mais vulnerável. A personagem deixa de ser bidimensional quando o diretor Quentin Tarantino aprofunda suas raízes nas artes marciais ao lado do mestre Pai Mei, e no seu ponto mais fraco: sua filha, que sobreviveu ao massacre, agora cuidada por Bill. Essa sensibilidade maternal transforma a vida da Noiva, afinal, ela desistiu de ser assassina para poder criar uma família.

Anne Bacroft em A Primeira Noite de um Homem (photo by top10films.co.uk)

Anne Bacroft em A Primeira Noite de um Homem (photo by top10films.co.uk)

MRS. ROBINSON (Anne Bancroft) em A Primeira Noite de um Homem (1967)

Pra quem acha que sogra é tudo igual, assista a A Primeira Noite de um Homem. Lá, vemos o rapaz Benjamin (Dustin Hoffman) que passa a conviver com uma amiga dos seus pais, a Mrs. Robinson. O envolvimento se aquece até que ela dá o primeiro movimento numa noite em sua casa. Embaraçado, Benjamin solta uma das mais famosas frases do Cinema: “Senhora Robinson, você está tentando me seduzir. Não é?”. Mrs. Robinson dá risada.

Anne Bancroft se tornou um ícone da mulher mais velha e deu origem à canção “Mrs. Robinson”, da dupla Simon & Garfunkel. Presa a um casamento estagnado, ela busca um pouco de aventura como a clássica personagem de Gustave Flaubert, Madame Bovary, uma senhora da burguesia provinciana insatisfeita com o casamento e que busca a felicidade que falta na infidelidade.

A personagem acaba perdendo terreno quando seu alvo se apaixona por sua filha. Bancroft entrega uma performance que parte da sedução e satisfação até a dor de ser esquecida a ponto de se tornar rabugenta. O diretor Mike Nichols queria uma atriz francesa para o papel devido à cultura do país em que as mulheres mais velhas iniciam os rapazes na vida sexual, mas Anne Bancroft conseguiu imortalizar a figura de Mrs. Robinson, mesmo sendo apenas 6 anos mais velha que Dustin Hoffman.

Frances McDormand em Fargo (photo by cinemasquid.com)

Frances McDormand em Fargo (photo by cinemasquid.com)

MARGE GUNDERSON (Frances McDormand) em Fargo (1996)

Numa trama macabra que envolve um sequestro falso que resulta na morte de várias pessoas, a chefe de polícia Marge Gunderson, que está gravidíssima com todos os devidos enjôos matinais, assume a investigação. Em todas as cenas em que Marge aparece, vemos ela comendo ou deitada com o marido, fornecendo um elemento aquecedor para uma trama tão fria num local ainda mais gélido como Minnesota.

Com um sotaque da região bastante afiado, Frances McDormand cria uma personagem que tem uma visão otimista e simples da vida, refletindo seus pensamentos em gestos, senso de humor e graça. Como está grávida, ela fica mais lenta para as atividades diárias e mais vulnerável fisicamente, mas isso não a impede de realizar suas tarefas, mesmo que tenha que parar num buffet antes.

Fargo é um filme que procura contrastar a extrema violência do mundo contemporâneo com os valores humanos, aqui representados pela figura da policial. Em seu discurso final, Marge finalmente muda de feição: “I just don’t understand it… (Não consigo entender)”. Só uma mulher para proferir tais palavras. Frances McDormand levou o Oscar de Melhor Atriz, e os irmãos Coen, Melhor Roteiro Original.

Meg Ryan como Sally em Harry & Sally - Feitos um Para o Outro (photo by nicksflickpicks.com)

Meg Ryan como Sally em Harry & Sally – Feitos um Para o Outro (photo by nicksflickpicks.com)

SALLY ALBRIGHT (Meg Ryan) em Harry & Sally – Feitos um Para o Outro (1989)

Meg Ryan interpreta aquela colega da faculdade por quem nós, homens, nos apaixonamos inconscientemente. Ela é inteligente, trabalhadora, tem excelente humor e aquele probleminha chamado “beleza”. Harry (Billy Crystal) tem uma forte teoria de que o homem jamais pode ser amigo de uma mulher, porque a beleza atrapalha.

Bem, se atrapalha a amizade, que tal aquela amizade colorida? Numa das melhores cenas, Sally finge um belo orgasmo numa lanchonete só para contrariar a opinião do amigo Harry. Que mulher! O roteiro de Nora Ephron brilha por sua relação com a realidade. Até então, comédias românticas ainda vinham da escola de Doris Day, nas quais os personagens tinham características definidas e comuns. Seguindo a mesma essência, o diretor Rob Reiner coletou depoimentos de casais reais para incrementar a veracidade da história complicada de Harry e Sally.

Meg Ryan ficou tão marcada por esse papel que acabou se tornando a namoradinha da América no começo dos anos 90, quando estrelou as comédias românticas ao lado de Tom Hanks: Joe Contra o Vulcão (1990), Sintonia de Amor (1993) e Mens@gem Para Você (1998). Para os fãs de comédia romântica, o filme serviu como base para outro sucesso recente: (500) Dias com Ela, com Zooey Deschannel e Joseph Gordon-Levitt.

Glenn Close em Atração Fatal (photo by ftmovie.com)

Glenn Close em Atração Fatal (photo by ftmovie.com)

ALEX FORREST (Glenn Close) em Atração Fatal (1987)

Toda vez que uma moça ficar no encalço de um homem, logo vem a memória a imagem de Glenn Close como a maníaca Alex. No filme, ela se envolve com um homem casado (Michael Douglas), mas que simplesmente surta quando ele resolve dar um chute na bunda dela. Aí vêm os truquezinhos dela para segurá-lo, como falar que está grávida, tentar se matar ou matar animaizinhos de estimação da filha dele.

O papel foi oferecido a incontáveis atrizes, inclusive Isabelle Adjani e Barbara Hershey, mas indo contra todas as expectativas, Glenn abraçou o projeto. Sua primeira atitude foi levar o roteiro para dois psicólogos para questionar o quão real era o comportamento de sua personagem. O diagnóstico de ambos revelou que ela sofreu abusos quando criança, tornando-a uma pessoa violenta com quem a considere atraente.

Atração Fatal ficou marcado pelos anos do auge da AIDS nos anos 80, mas para quem acha que o filme está desatualizado, basta dar uma olhada em algumas mulheres mais ciumentas que ficam 100% do tempo de vigia no facebook do namorado! Curiosamente, segundo a atriz, as pessoas ainda vêm até ela para lhe dizer “obrigada, você salvou o meu casamento!”. Glenn Close foi indicada ao Oscar pelo papel.

Audrey Hepburn e seu gato em Bonequinha de Luxo (photo by theladyandthecat.tumblr.com)

Audrey Hepburn e seu gato em Bonequinha de Luxo (photo by theladyandthecat.tumblr.com)

HOLLY GOLIGHTLY (Audrey Hepburn) em Bonequinha de Luxo (1961)

Apesar do autor do romance, Truman Capote, ter escolhido a musa Marylin Monroe para dar vida à protagonista, o estúdio optou em escalar uma figura oposta e bem menos óbvia: Audrey Hepburn, que ganhou fama por sua graciosidade em filmes anteriores como A Princesa e o Plebeu (1953), Sabrina (1954) e Cinderela em Paris (1957).

Em colaboração com o diretor de comédias, Blake Edwards, a atuação de Hepburn como Holly Golightly ganhou muito em leveza, graça e estilo, marcando para sempre a atriz no cinema, mas para quem conhece o livro, o tom da história é bem mais pesado. No original, Holly flerta com a bissexualidade, mas tal fato é omitido para se adequar ao conservadorismo de Audrey, que já era uma estrela. No filme, mal se percebe que sua personagem é uma prostituta!

Com tamanhas alterações, Bonequinha de Luxo acabou se tornando um clássico da comédia romântica, e hoje o corpo de Truman Capote deve estar se revirando no caixão. Contudo, Hepburn criara uma figura facilmente identificável com o público feminino pelo jeito carinhoso, tresloucado, sua paixão por gatos e sua busca por amor verdadeiro. Audrey Hepburn foi indicada para o Oscar de Melhor Atriz.

Thora Birch em Ghost World - Aprendendo a Viver (photo by frontroomcinema.com)

Thora Birch em Ghost World – Aprendendo a Viver (photo by frontroomcinema.com)

ENID (Thora Birch) em Ghost World – Aprendendo a Viver (2001)

Para quem conhece os quadrinhos do americano Daniel Clowes, Thora Birch incorpora a personagem Enid, uma adolescente que não sabe o que fazer depois de se formar do 2º grau. Seu único plano é de se mudar para um apartamento com a melhor amiga Rebecca (Scarlett Johansson), mas as coisas não dão certo.

Mesmo assim, ela permanece fiel à si mesma, não deixando o mundo ensiná-la a viver sua vida do jeito “normal”. Ela se desvia do caminho comum das moças interessadas em moda, rapazes e faculdade para andar com tipos mais estranhos, abusar da sinceridade em seus empregos e conhecer gente interessante, como o solitário Seymour (Steve Buscemi), que coleciona discos de blues.

Embora seja uma pessoa deslocada, Enid sustenta autenticidade e defende suas crenças e perspectivas com afinco, mesmo com uma fachada fria no rosto. Interessante ver como a personagem busca manter sua essência numa sociedade cada vez mais massificada. Thora Birch faz seu melhor trabalho da carreira. Pena que nunca mais deslanchou um bom filme.

Sissy Spacek em cena inicial de Carrie, a Estranha (photo by quermedar.com.br)

Sissy Spacek em cena inicial de Carrie, a Estranha (photo by quermedar.com.br)

CARRIE WHITE (Sissy Spacek) em Carrie, a Estranha (1976)

Criada debaixo da asa da mãe, a adolescente Carrie nunca foi popular na escola. De comportamento tímido e bastante quieta, sua reputação sofre um baque quando ela surta no vestiário feminino quando vê sangue escorrendo nas suas pernas. Sem a mínima informação sobre menstruação, ela vira alvo predileto das outras colegas.

Além desse incidente na escola, Carrie ainda sofre com o fanatismo religioso da mãe (Piper Laurie), que a proíbe de sair de casa e a isola de novas amizades. Mas, como todas as adolescentes americanas sonham com a noite do baile, a adolescente gostaria de participar do evento. Ela acaba conseguindo através de uma armação feita pela colega Chris (Nancy Allen) com o objetivo de humilhá-la na frente de todos com um banho de sangue de porco.

Como se trata de uma história baseada em romance de terror do cultuado Stephen King, a jovem descobre que tem o poder da telecinésia. E a noite romântica se torna um inferno na terra. Sem controle nenhum, Carrie quer dar o troco a todo custo. Esse filme mexe muito com o imaginário de várias mulheres ainda hoje, tanto que uma refilmagem está prevista para estrear no final de 2013, com a talentosa Chlöe Grace Moretz.

Claro que existem inúmeras personagens femininas não citadas nessa lista como Scarlett O’Hara de … E o Vento Levou, ou Mary Poppins. Não tinha intenção de fazer uma cobertura completa, mas mais pessoal. Caso queira acrescentar mais nomes à lista, fique à vontade para incluir um comentário!

‘Argo’ vence o BAFTA 2013

Ben Affleck e seu BAFTA (photo insidemovies.ew.com by Stuart Wilson/ Getty Images)

Ben Affleck e seu BAFTA: “Argo Fuck Yourself!”  (photo insidemovies.ew.com by Stuart Wilson/ Getty Images)

Agora é oficial. Argo e Ben Affleck arrebataram todos os grandes prêmios da temporada: Globo de Ouro, SAG Awards, PGA Awards, DGA Awards e agora o BAFTA, o prêmio da Academia Britânica de Cinema. Levou Montagem, Diretor e Melhor Filme. Claro que também pode triunfar no Oscar no dia 24 de fevereiro, mas sem a mínima chance do diretor levar seu merecido prêmio de direção. Será Argo o novo Conduzindo Miss Daisy? Ou será que vão premiar Lincoln, O Lado Bom da Vida ou As Aventuras de Pi como Melhor Filme assumindo o lado imprevisível que começou com as indicações?

No geral, a premiação deste ano do BAFTA procurou ser bem democrática, com direito a algumas surpresas. 007 – Operação Skyfall bateu o franco-favorito Os Miseráveis como Melhor Filme Britânico do ano. Apesar da 23ª aventura de James Bond ter sido bem recebida pela crítica internacional, trata-se de um reconhecimento inusitado para um filme de ação e aventura. O filme de Sam Mendes ainda bateu Anna Karenina, O Exótico Hotel Marigold e Sete Psicopatas e um Shih Tzu, e ainda levou o prêmio Anthony Asquith de Trilha Musical para Thomas Newman, talvez como uma tentativa de compensar a ausência da categoria de Canção Original para Adele. Derrotado como Melhor Filme, o musical Os Miseráveis ainda conseguiu somar quatro BAFTAs: Atriz Coadjuvante (Anne Hathaway), Direção de Arte, Maquiagem e Som.

Anne Hathaway segue super favorita para o Oscar de coadjuvante com mais essa vitória (photo by empireonline.com)

Anne Hathaway segue super favorita para o Oscar de coadjuvante com mais essa vitória (photo by empireonline.com)

Na categoria de interpretação feminina, a surpresa ficou por conta da veterana Emmanuelle Riva, de 85 anos, que saiu vitoriosa entre as americanas Jennifer Lawrence e Jessica Chastain, ambas vencedoras do Globo de Ouro. Como previsto, seu filme Amor, dirigido por Michael Haneke, ganhou o prêmio de Melhor Filme em Língua Estrangeira. Os dois prêmios devem fortalecer a campanha do filme nessa reta final do Oscar.

Django Livre confirmou seu favoritismo nas categorias de Roteiro Original para Quentin Tarantino, e Melhor Ator Coadjuvante para Christoph Waltz. O fato do ator austríaco já ter levado o mesmo prêmio há três anos por Bastardos Inglórios em nada interferiu nesse novo reconhecimento, o que pode se repetir na Academia. Outro que confirma seu favoritismo supremo é Daniel Day-Lewis em Lincoln. Apesar do filme ter recebido dez indicações, levou apenas Melhor Ator e Steven Spielberg sequer foi indicado em sua categoria. Talvez no Oscar, no qual soma doze indicações, tenha melhor sorte devido à patriotada americana em relação ao presidente Abraham Lincoln.

Christoph Waltz leva o BAFTA de Ator Coadjuvante por Django Livre (photo by digitalspy.co.uk)

Christoph Waltz leva o BAFTA de Ator Coadjuvante por Django Livre (photo by digitalspy.co.uk)

Outro grande concorrente no Oscar que teve que se contentar com um prêmio foi a comédia O Lado Bom da Vida. Seu diretor e roteirista David O. Russell saiu com o BAFTA de Roteiro Adaptado, batendo Tony Kushner (Lincoln) e Chris Terrio (Argo). Já nas categorias mais técnicas, As Aventuras de Pi saiu consagrado com Melhor Fotografia e Melhores Efeitos Visuais.

Na categoria de Animação, as preferências estão bastante divididas. O filme da Pixar, Valente, já tinha vencido o Globo de Ouro e agora coleta o BAFTA. Mas a animação mais premiada até o momento foi Detona Ralph, que sequer foi indicada no BAFTA. E tem ainda Frankenweenie, que embora não tenha recebido grandes honrarias, tem o nome forte de Tim Burton associado.

O prêmio EE Rising Star que se destina a novos talentos do cinema reconheceu a atriz Juno Temple. Até o momento, fez pequenos papéis em Desejo e Reparação e no blockbuster de 2012 Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge. Mas chamou a atenção em Killer Joe – Matador de Aluguel, e tem grandes chances de brilhar este ano em Lovelace, Malévola e Sin City: A Dame to Kill for.

Juno Temple começa bem 2013 com o prêmio EE Rising Star (photo by metro.co.uk)

Juno Temple começa bem 2013 com o prêmio EE Rising Star (photo by metro.co.uk)

Depois do anúcio dos vencedores do BAFTA, fica nítida a supremacia de Argo como Melhor Filme de 2012, assim como Ben Affleck na direção. Com apenas um prêmio, o recordista de indicações ao Oscar, Lincoln, fica mais enfraquecido e pode perecer diante da força do lobby de Harvey Weinstein para O Lado Bom da Vida. Claro que, por se tratar de uma premiação britânica, o musical Os Miseráveis foi o filme que mais recebeu prêmios, mas não deve repetir o feito no Oscar.

Segue lista completa dos vencedores:

FILME: Argo, de Ben Affleck

FILME BRITÂNICO: 007 – Operação Skyfall, de Sam Mendes

DIRETOR: Ben Affleck (Argo)

ATOR: Daniel Day-Lewis (Lincoln)

ATRIZ: Emmanuelle Riva (Amor)

ATOR COADJUVANTE: Christoph Waltz (Django Livre)

ATRIZ COADJUVANTE: Anne Hathaway (Os Miseráveis)

ROTEIRO ORIGINAL: Quentin Tarantino (Django Livre)

ROTEIRO ADAPTADO: David O. Russell (O Lado Bom da Vida)

FOTOGRAFIA: Claudio Miranda (As Aventuras de Pi)

MONTAGEM: William Goldenberg (Argo)

DIREÇÃO DE ARTE: Eve Stewart, Anna Lynch-Robinson (Os Miseráveis)

FIGURINO: Jacqueline Durran (Anna Karenina)

MAQUIAGEM: Os Miseráveis

TRILHA MUSICAL: Thomas Newman (007 – Operação Skyfall)

SOM: Os Miseráveis

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA: Amor, de Michael Haneke

ANIMAÇÃO: Valente, de Mark Andrews, Brenda Chapman

DOCUMENTÁRIO: Searching for Sugar Man, de Malik Bendjelloul

EE RISING STAR AWARD: Juno Temple

ESTRÉIA DE ROTEIRISTA, DIRETOR OU PRODUTOR BRITÂNICO: Bart Layton, Dimitri Doganis (The Imposter)

CURTA DE ANIMAÇÃO: The Making of Longbird, de Will Anderson, Ainslie Henderson

CURTA-METRAGEM: Swimmer, de Lynne Ramsay, Peter Carlton, Diarmid Scrimshaw

De dourado, de verde, de vermelho e agora, de azul: de qualquer forma Jessica Chastain se destaca no tapete vermelho (photo by JustJared.com)

De dourado, de verde, de vermelho e agora, de azul: de qualquer forma Jessica Chastain se destaca no tapete vermelho (photo by JustJared.com)

 

Indicações ao Oscar 2013!

Oscar 2013

Oscar 2013

(Confira vídeo do youtube do anúncio das indicações acima)

Ao contrário dos anos anteriores, a Academia resolveu antecipar o anúncio dos indicados para antes da cerimônia do Globo de Ouro. A estratégia é muito simples: depender menos do prêmio da Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood (até mesmo porque deixou de ser o melhor parâmetro há muito tempo) e tentar ser menos previsível a fim de elevar os números da audiência.

Além da alteração no calendário, a Academia convocou o próprio host do Oscar, Seth MacFarlane, substituindo a costumeira presença do presidente da Academia. Para a tarefa, ele contou com a companhia da atriz Emma Stone. Os dois trouxeram um tom bem mais informal e cômico ao anúncio, que como questionado por MacFarlane, não sabemos porque não mudaram o horário (05h30 da manhã na costa oeste dos EUA). Outra quebra de protocolo se refere à ordem dos indicados. Desta vez, os atores foram anunciados de forma aleatória para aumentar ainda mais o suspense.

Emma Stone e Seth MacFarlane dão o tom inédito de humor ao anúncio dos indicados ao Oscar 2013

Emma Stone e Seth MacFarlane dão o tom inédito de humor ao anúncio dos indicados ao Oscar 2013

Em relação aos indicados, à princípio, as ausências mais sentidas foram na categoria de Melhor Diretor. Enquanto todos os especialistas previam indicações para Kathryn Bigelow (A Hora Mais Escura), Ben Affleck (Argo) e Tom Hooper (Os Miseráveis), uma vez que todos foram reconhecidos pelo Directors Guild of America, a Academia resolveu pregar uma peça e incluiu nomes menos previsíveis: o polêmico diretor austríaco Michael Haneke (Amor), David O. Russell (O Lado Bom da Vida) e talvez a maior surpresa do ano: o estreante Benh Zeitlin pela produção super independente Indomável Sonhadora. Além de Bigelow e Hooper, Quentin Tarantino (Django Livre) pode ter sido prejudicado pelo lançamento tardio (na reta final de dezembro) e consequente votação sem tempo hábil para conferir esses filmes.

Apesar de considerar que Kathryn Bigelow merecesse só pela coragem de assumir um projeto tão ambicioso e secreto como A Hora Mais Escura, é gratificante ver que profissionais novatos como Zeitlin tem um espaço no reconhecimento internacional da Academia. Espero que ele aproveite bem essa vitrine colossal e acerte com projetos igualmente inovadores como Indomável Sonhadora.

Benh Zeitlin: O diretor com cara de menino no último Festival de Cannes, de onde saiu com o prêmio Camera d'Or de reconhecimento técnico e artístico

Benh Zeitlin: O diretor com cara de menino no último Festival de Cannes, de onde saiu com o prêmio Camera d’Or de reconhecimento técnico e artístico por Indomável Sonhadora

Com essas surpresas na categoria de diretores, Argo, A Hora Mais Escura e Os Miseráveis reduzem drasticamente suas chances de vitória como Melhor Filme, já que a última vez que um filme ganhou Melhor Filme sem ter seu diretor sequer indicado foi lá em 1990, quando Conduzindo Miss Daisy levou sem Bruce Beresford estar entre os indicados para Melhor Diretor.

Outra ausência muito comentada foi a do filme francês Intocáveis na categoria de Filme Estrangeiro. Quem conhece os números extraordinários da segunda maior bilheteria da França, jamais esperava que o filme seria ignorado pelos votantes. Já o austríaco Amor confirmou seu favoritismo, emplacando outras quatro indicações: Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Roteiro Original e Melhor Atriz para Emmanuelle Riva.

Aliás, aos 85 anos, Riva faz história no Oscar, tornando-se a atriz mais velha a receber uma indicação nessa categoria. O recorde anterior pertencia a inglesa Jessica Tandy (Conduzindo Miss Daisy). Ainda no campo dos recordes, a pequena Quvenzhané Wallis bate a australiana Keisha Castle-Hughes (Encantadora de Baleias) sendo a atriz mais jovem na categoria aos 9 anos.

A nova recordista da categoria aos 9 anos Quvenzhané Wallis. Muitos acreditavam que ela ficaria restrita a prêmios de Melhor Revelação.

A nova recordista da categoria aos 9 anos Quvenzhané Wallis. Muitos acreditavam que ela ficaria restrita a prêmios de Melhor Revelação (photo by OutNow.CH)

Leonardo DiCaprio, Matthew McConaughey, Nicole Kidman, John Hawkes, Anthony Hopkins, Maggie Smith, Judi Dench, Javier Bardem, Helen Mirren, Marion Cottilard, Rachel Weisz, todos esses atores ficaram de fora da competição. Em anos anteriores, dos 20 indicados ao SAG Awards, normalmente 17 a 19 conseguiam chegar ao Oscar. Este ano, com o efeito “Oscar imprevisível”, esse número foi reduzido a 14, até mesmo porque a pequena Wallis não podia concorrer no SAG porque não era sindicalizada na época das filmagens de Indomável Sonhadora.

Havia um receio de que Joaquin Phoenix fosse ficar de fora da competição de Melhor Ator devido às suas declarações numa entrevista, dizendo que “não dava a mínima para o Oscar”. Além disso, o filme O Mestre estava perdendo o fôlego nessa reta final do Oscar, provavelmente por mexer no polêmico tema da Cientologia. Contudo, mesmo com tais adversidades, Phoenix foi reconhecido pela Academia e enfrentará forte concorrência com Daniel Day-Lewis e Hugh Jackman. E a questão que fica é: Será que Joaquin Phoenix vai ao Oscar?

Ainda nas categorias de atuação, as indicações dos principais atores de O Lado Bom da Vida podem ter um peso significativo nas respectivas carreiras. Bradley Cooper, que tinha muito seu nome associado à comédia de sucesso Se Beber, Não Case, pode desfrutar do reconhecimento para ampliar a diversidade de suas propostas. Enquanto para o veterano Robert De Niro, esta indicação, que veio após 20 anos, pode ser o tão aguardado resgate do brilho do ator, que estava fadado a filmes supérfluos. Queremos ver o De Niro dos grandes filmes como Touro Indomável e Cabo do Medo.

Três dos quatro indicados do filme O Lado Bom da Vida, que foi abraçado pela Academia.

Bradley Cooper, Jacki Weaver e Robert De Niro: três dos quatro indicados do filme O Lado Bom da Vida, que foi abraçado pela Academia.

Na ala feminina, Jacki Weaver ainda aproveita a fama que a primeira indicação lhe rendeu por Reino Animal. Com a segunda indicação, seu salário deve engordar e a atriz já está com a agenda lotada até 2014. Também com sua segunda indicação como Melhor Atriz (a primeira foi em 2011 por Inverno da Alma), a jovem Jennifer Lawrence se firma como uma das maiores estrelas de Hollywood, juntamente com o sucesso da série Jogos Vorazes e do novo filme dos mutantes da Marvel, X-Men: Future Days of Past (2014).

Os recordistas desta 85ª edição do Oscar foram Lincoln com 12 indicações, seguido de perto por As Aventuras de Pi com 11. Como sobrou uma vaga na categoria de Melhor Filme, gostaria que indicassem Moonrise Kingdom, mas como este só foi lembrado na categoria de Roteiro Original, fica difícil incluírem-no.

Com 11 indicações, As Aventuras de Pi ficou em segundo lugar.

Com 11 indicações, As Aventuras de Pi ficou em segundo lugar.

Gostei das cinco indicações para o novo filme de James Bond, 007 – Operação Skyfall. Uma indicação para cada década de sucesso. Por outro lado, vale ressaltar que não houve nenhuma indicação sequer para o blockbuster Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge. Embora tenha feito o esperado sucesso comercial, o novo filme de Christopher Nolan falhou em conquistar reconhecimento técnico no Oscar. Esperava-se pelo menos uma indicação de Melhores Efeitos Sonoros e talvez Melhor Trilha Musical Original, mas no conjunto, o filme teve um tratamento de “requentado de Batman: O Cavaleiro das Trevas“.

Outras produções que vinham conquistando espaço nas premiações de críticos, mas que ficaram totalmente de fora do Oscar foram O Exótico Hotel Marigold (com elenco experiente e britânico), Looper: Assassinos do Futuro (esperava-se que essa ficção científica pudesse ser indicado a Melhor Roteiro Original pelo menos) e Um Final de Semana em Hyde Park (os atores Bill Murray, Laura Linney e Olivia Williams passaram desapercebidos), fazendo com que o lançamento fosse adiado para abril.

Se a Academia buscava ares mais frescos e menos previsibilidade, acertou em muitas escolhas. E você? Quais são suas opiniões?

MELHOR FILME

 AMOR (AMOUR)

ARGO (ARGO)

INDOMÁVEL SONHADORA (BEASTS OF THE SOUTHERN WILD)

• DJANGO LIVRE (DJANGO UNCHAINED)

OS MISERÁVEIS (LES MISÉRABLES)

AS AVENTURAS DE PI (LIFE OF PI)

LINCOLN (LINCOLN)

O LADO BOM DA VIDA (SILVER LININGS PLAYBOOK)

A HORA MAIS ESCURA (ZERO DARK THIRTY)

MELHOR DIRETOR

Michael Haneke (Amor)

Benh Zeitlin (Indomável Sonhadora)

Ang Lee (As Aventuras de Pi)

Steven Spielberg (Lincoln)

David O. Russell (O Lado Bom da Vida)

MELHOR ATOR

Bradley Cooper (O Lado Bom da Vida)

Daniel Day-Lewis (Lincoln)

Hugh Jackman (Os Miseráveis)

Joaquin Phoenix (O Mestre)

Denzel Washington (Flight)

MELHOR ATRIZ

Jessica Chastain (A Hora Mais Escura)

Jennifer Lawrence (O Lado Bom da Vida)

Emmanuelle Riva (Amor)

Quvenzhané Wallis (Indomável Sonhadora)

Naomi Watts (O Impossível)

MELHOR ATOR COADJUVANTE

Alan Arkin (Argo)

Robert De Niro (O Lado Bom da Vida)

Philip Seymour Hoffman (O Mestre)

Tommy Lee Jones (Lincoln)

Christoph Waltz (Django Livre)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Amy Adams (O Mestre)

Sally Field (Lincoln)

Anne Hathaway (Os Miseráveis)

Helen Hunt (The Sessions)

Jacki Weaver (O Lado Bom da Vida)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL

Michael Haneke (Amor)

Quentin Tarantino (Django Livre)

John Gatins (Flight)

Wes Anderson e Roman Coppola (Moonrise Kingdom)

Mark Boal (A Hora Mais Escura)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO

Chris Terrio (Argo)

Benh Zeitlin (Indomável Sonhadora)

David Magee (As Aventuras de Pi)

Tony Kushner (Lincoln)

David O. Russell (O Lado Bom da Vida)

MELHOR FOTOGRAFIA

Seamus McGarvey (Anna Karenina)

Robert Richardson (Django Livre)

Claudio Miranda (As Aventuras de Pi)

Janusz Kaminski (Lincoln)

Roger Deakins (007 – Operação Skyfall)

MELHOR MONTAGEM

William Goldenberg (Argo)

Tim Squyres (As Aventuras de Pi)

Michael Khan (Lincoln)

Jay Cassidy e Crispin Struthers (O Lado Bom da Vida)

William Goldenberg, Dylan Tichenor (A Hora Mais Escura)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

Sarah Greenwood e Katie Spencer (Anna Karenina)

Dan Hennah, Ra Vincent e Simon Bright (O Hobbit: Uma Jornada Inesperada)

Eve Stewart e Anna-Lynch Robinson (Os Miseráveis)

David Gropman e Anna Pinnock (As Aventuras de Pi)

Rick Carter e Jim Erickson (Lincoln)

MELHOR FIGURINO

Jacqueline Durran (Anna Karenina)

Paco Delgado (Os Miseráveis)

Joanna Johnston (Lincoln)

Eiko Ishioka (Espelho, Espelho Meu)

Colleen Atwood (Branca de Neve e o Caçador)

MELHOR MAQUIAGEM

Hitchcock

O Hobbit: Uma Jornada Inesperada

Os Miseráveis

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL

Dario Marianelli (Anna Karenina)

Alexandre Desplat (Argo)

Mychael Danna (As Aventuras de Pi)

John Williams (Lincoln)

Thomas Newman (007 – Operação Skyfall)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

“Before My Time”, de J. Ralph (Chasing Ice)

“Suddenly”, de Alain Boublil, Claude-Michel Schönberg e Herbert Kretzmer (Os Miseráveis)

“Pi’s Lullaby”, de Mychael Danna e Bombay Jayshri (As Aventuras de Pi)

“Everybody Needs a Best Friend”, de Walter Murphy e Seth MacFarlane (Ted)

“Skyfall”, de Adele Adkins e Paul Epworth (007 – Operação Skyfall)

MELHOR SOM

Argo

Os Miseráveis

As Aventuras de Pi

Lincoln

007 – Operação Skyfall

MELHORES EFEITOS SONOROS

Argo

Django Livre

As Aventuras de Pi

007 – Operação Skyfall

A Hora Mais Escura

MELHORES EFEITOS VISUAIS

Os Vingadores

O Hobbit: Uma Jornada Inesperada

As Aventuras de Pi

Prometheus

Branca de Neve e o Caçador

MELHOR ANIMAÇÃO

Valente (Brave)

Frankenweenie (Frankenweenie)

ParaNorman (ParaNorman)

Piratas Pirados! (The Pirates! In an Adventure with Scientists!)

Detona Ralph (Wreck-it Ralph)

MELHOR FILME ESTRANGEIRO

Amor, de Michael Haneke (Áustria)

War Witch, de Kim Nguyen (Canadá)

No, de Pablo Larraín (Chile)

O Amante da Rainha, de Nikolaj Arcel (Dinamarca)

Kon-Tiki, de Joachim Rønning e Espen Sandberg (Noruega)

MELHOR DOCUMENTÁRIO

5 Broken Cameras

The Gatekeepers

How to Survive a Plague

The Invisible War

Searching for Sugar Man

MELHOR DOCUMENTÁRIO CURTA

Inocente

Kings Point

Mondays at Racine

Open Heart

Redemption

MELHOR CURTA-METRAGEM

Asad

Buzkashi Boys

Curfew

Dood van een Schaduw

Henry

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO

Adam and Dog

Fresh Guacamole

Head Over Heels

Paperman

The Simpsons: The Longest Daycare

Indicações ao BAFTA 2013

BAFTA Awards 2013 (photo by telegraph.co.uk)

BAFTA Awards 2013 (photo by telegraph.co.uk)

Este ano, a Academia Britânica teve que apertar seu calendário para chegar pouco antes das indicações ao Oscar, que saem amanhã, dia 10.

Obviamente, por se tratar de um prêmio britânico, eles costumam dar um pouco mais de destaque às produções do Reino Unido, como são os casos de 007 – Operação Skyfall, que somou oito indicações, e O Exótico Hotel Marigold que, apesar de não ter conquistado nenhuma outra indicação, está concorrendo para Melhor Filme Britânico.

Como deve acontecer no Oscar, a mega-produção americana Lincoln foi a recordista de indicações com dez no total. Curiosamente, seu diretor Steven Spielberg não está indicado. Em seguida, Os Miseráveis e As Aventuras de Pi vêm logo em seguida com nove indicações cada. A adaptação musical de Tom Hooper não fez tanto sucesso no Globo de Ouro, mas o BAFTA não deixaria de reconhecer um trabalho com essência tão européia. O filme político de Ben Affleck, Argo, conquistou sete, inclusive uma um tanto questionável: Melhor Ator para Ben Affleck. Todos sabem que ele leva jeito para diretor, mas para ator?

Daniel Day-Lewis lidera em Lincoln (photo by BeyondHollywood.com)

Daniel Day-Lewis lidera em Lincoln (photo by BeyondHollywood.com)

Ainda nas categorias de atuação, algumas ausências foram notadas como a de Naomi Watts pelo filme-tragédia O Impossível, e Denzel Washington (Flight) e John Hawkes (The Sessions). Nas categorias de coadjuvantes, Leonardo DiCaprio (Django Livre) e Robert De Niro (O Lado Bom da Vida) ficaram de fora também, mas todos os atores acima ainda têm grandes chances de indicação no Oscar.

Apesar de ainda não ter estreado aqui no Brasil, fiquei feliz com a indicação de Sete Psicopatas e um Shih Tzu (Seven Psychopaths) para Melhor Filme Britânico. Alguns rotulam Martin McDonagh como o novo Guy Richie, mas acho que ele tem um humor negro muito peculiar para limitá-lo em comparações.

Christopher Walken e o Shih Tzu em Sete Psicopatas e um Shih Tzu (photo by OutNow.CH)

Christopher Walken e o Shih Tzu em Sete Psicopatas e um Shih Tzu (photo by OutNow.CH)

Também gostei da presença do filme dinamarquês A Caça, de Thomas Vinterberg, na categoria de Melhor Filme Estrangeiro. Aliás, Mads Mikkelsen deveria substituir Ben Affleck como Melhor Ator.

MELHOR FILME
ARGO (ARGO) Grant Heslov, Ben Affleck, George Clooney
OS MISERÁVEIS (LES MISÉRABLES) Tim Bevan, Eric Fellner, Debra Hayward, Cameron Mackintosh
AS AVENTURAS DE PI (LIFE OF PI) Gil Netter, Ang Lee, David Womark
LINCOLN (LINCOLN) Steven Spielberg, Kathleen Kennedy
A HORA MAIS ESCURA (ZERO DARK THIRTY) Mark Boal, Kathryn Bigelow, Megan Ellison

MELHOR FILME BRITÂNICO
ANNA KARENINA Joe Wright, Tim Bevan, Eric Fellner, Paul Webster, Tom Stoppard
O EXÓTICO HOTEL MARIGOLD (THE BEST EXOTIC MARIGOLD HOTEL) John Madden, Graham Broadbent, Pete Czernin, Ol Parker
OS MISERÁVEIS (LES MISÉRABLES) Tom Hooper, Tim Bevan, Eric Fellner, Debra Hayward, Cameron Mackintosh, William Nicholson, Alain Boublil, Claude-Michel Schönberg, Herbert Kretzmer
SETE PSICOPATAS E UM SHIH TZU (SEVEN PSYCHOPATHS) Martin McDonagh, Graham Broadbent, Pete Czernin
007 – OPERAÇÃO SKYFALL (SKYFALL) Sam Mendes, Michael G. Wilson, Barbara Broccoli, Neal Purvis, Robert Wade, John Logan

ESTRÉIA DE ROTEIRISTA, DIRETOR OU PRODUTOR BRITÂNICO
BART LAYTON (Diretor), DIMITRI DOGANIS (Produtor) The Imposter
DAVID MORRIS (Diretor), JACQUI MORRIS (Diretor/Produtor) McCullin
DEXTER FLETCHER (Diretor/Roteirista), DANNY KING (Writer) Wild Bill
JAMES BOBIN (Diretor) The Muppets
TINA GHARAVI (Diretor/Roteirista) I Am Nasrine

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
AMOUR Michael Haneke, Margaret Ménégoz
HEADHUNTERS Morten Tyldum, Marianne Gray, Asle Vatn
A CAÇA (THE HUNT) Thomas Vinterberg, Sisse Graum Jørgensen, Morten Kaufmann
FERRUGEM E OSSO (RUST AND BONE) Jacques Audiard, Pascal Caucheteux
INTOCÁVEIS (INTOUCHABLES) Eric Toledano, Olivier Nakache, Nicolas Duval Adassovsky, Yann Zenou, Laurent Zeitoun

DOCUMENTÁRIO
THE IMPOSTER Bart Layton, Dimitri Doganis
MARLEY Kevin Macdonald, Steve Bing, Charles Steel
McCULLIN David Morris, Jacqui Morris
SEARCHING FOR SUGAR MAN Malik Bendjelloul, Simon Chinn
WEST OF MEMPHIS Amy Berg

ANIMAÇÃO
VALENTE (BRAVE) Mark Andrews, Brenda Chapman
FRANKENWEENIE (FRANKENWEENIE) Tim Burton
PARANORMAN (PARANORMAN) Sam Fell, Chris Butler

DIRETOR
AMOUR Michael Haneke
ARGO Ben Affleck
DJANGO LIVRE Quentin Tarantino
AS AVENTURAS DE PI Ang Lee
A HORA MAIS ESCURA Kathryn Bigelow

ROTEIRO ORIGINAL
AMOUR Michael Haneke
DJANGO LIVRE Quentin Tarantino
THE MASTER Paul Thomas Anderson
MOONRISE KINGDOM Wes Anderson, Roman Coppola
A HORA MAIS ESCURA Mark Boal

ROTEIRO ADAPTADO
ARGO Chris Terrio
INDOMÁVEL SONHADORA Lucy Alibar, Benh Zeitlin
AS AVENTURAS DE PI David Magee
LINCOLN Tony Kushner
O LADO BOM DA VIDA David O. Russell

ATOR
BEN AFFLECK Argo
BRADLEY COOPER O Lado Bom da Vida
DANIEL DAY-LEWIS Lincoln
HUGH JACKMAN Os Miseráveis
JOAQUIN PHOENIX The Master

ATRIZ
EMMANUELLE RIVA Amour
HELEN MIRREN Hitchcock
JENNIFER LAWRENCE O Lado Bom da Vida
JESSICA CHASTAIN A Hora Mais Escura
MARION COTILLARD Ferrugem e Osso

ATOR COADJUVANTE
ALAN ARKIN Argo
CHRISTOPH WALTZ Django Livre
JAVIER BARDEM 007 – Operação Skyfall
PHILIP SEYMOUR HOFFMAN The Master
TOMMY LEE JONES Lincoln

ATRIZ COADJUVANTE
AMY ADAMS The Master
ANNE HATHAWAY Os Miseráveis
HELEN HUNT The Sessions
JUDI DENCH 007 –  Operação Skyfall
SALLY FIELD Lincoln

TRILHA MUSICAL ORIGINAL
ANNA KARENINA Dario Marianelli
ARGO Alexandre Desplat
AS AVENTURAS DE PI Mychael Danna
LINCOLN John Williams
007 – OPERAÇÃO SKYFALL Thomas Newman

CINEMATOGRAPHY
ANNA KARENINA Seamus McGarvey
OS MISERÁVEIS Danny Cohen
AS AVENTURAS DE PI Claudio Miranda
LINCOLN Janusz Kaminski
007 – OPERAÇÃO SKYFALL Roger Deakins

MONTAGEM
ARGO William Goldenberg
DJANGO LIVRE Fred Raskin
AS AVENTURAS DE PI Tim Squyres
007 – OPERAÇÃO SKYFALL Stuart Baird
A HORA MAIS ESCURA Dylan Tichenor, William Goldenberg

DIREÇÃO DE ARTE
ANNA KARENINA Sarah Greenwood, Katie Spencer
OS MISERÁVEIS Eve Stewart, Anna Lynch-Robinson
AS AVENTURAS DE PI David Gropman, Anna Pinnock
LINCOLN Rick Carter, Jim Erickson
007 – OPERAÇÃO SKYFALL Dennis Gassner, Anna Pinnock

FIGURINO
ANNA KARENINA Jacqueline Durran
GREAT EXPECTATIONS Beatrix Aruna Pasztor
OS MISERÁVEIS Paco Delgado
LINCOLN Joanna Johnston
BRANCA DE NEVE E O CAÇADOR Colleen Atwood

MAQUIAGEM E CABELO
ANNA KARENINA Ivana Primorac
HITCHCOCK Julie Hewett, Martin Samuel, Howard Berger
O HOBBIT: UMA JORNADA INESPERADA Peter Swords King, Richard Taylor, Rick Findlater
OS MISERÁVEIS Lisa Westcott
LINCOLN Lois Burwell, Kay Georgiou

SOM
DJANGO LIVRE Mark Ulano, Michael Minkler, Tony Lamberti, Wylie Stateman
O HOBBIT: UMA JORNADA INESPERADA Tony Johnson, Christopher Boyes, Michael Hedges, Michael Semanick, Brent Burge, Chris Ward
OS MISERÁVEIS Simon Hayes, Andy Nelson, Mark Paterson, Jonathan Allen, Lee Walpole, John Warhurst
AS AVENTURAS DE PI Drew Kunin, Eugene Gearty, Philip Stockton, Ron Bartlett, D. M. Hemphill
007 – OPERAÇÃO SKYFALL Stuart Wilson, Scott Millan, Greg P. Russell, Per Hallberg, Karen Baker Landers

EFEITOS VISUAIS
BATMAN: O CAVALEIRO DAS TREVAS RESSURGE Paul Franklin, Chris Corbould, Peter Bebb, Andrew Lockley
O HOBBIT: UMA JORNADA INESPERADA Joe Letteri, Eric Saindon, David Clayton, R. Christopher White
AS AVENTURAS DE PI Bill Westenhofer, Guillaume Rocheron, Erik-Jan De Boer
OS VINGADORES Indicados ainda não definidos
PROMETHEUS Richard Stammers, Charley Henley, Trevor Wood, Paul Butterworth

CURTA DE ANIMAÇÃO
HERE TO FALL Kris Kelly, Evelyn McGrath
I’M FINE THANKS Eamonn O’Neill
THE MAKING OF LONGBIRD Will Anderson, Ainslie Henderson

CURTA-METRAGEM
THE CURSE Fyzal Boulifa, Gavin Humphries
GOOD NIGHT Muriel d’Ansembourg, Eva Sigurdardottir
SWIMMER Lynne Ramsay, Peter Carlton, Diarmid Scrimshaw
TUMULT Johnny Barrington, Rhianna Andrews
THE VOORMAN PROBLEM Mark Gill, Baldwin Li

THE EE RISING STAR AWARD (eleito pelo público)
ELIZABETH OLSEN
ANDREA RISEBOROUGH
SURAJ SHARMA
JUNO TEMPLE
ALICIA VIKANDER

O jovem talento Juno Temple, que participou de Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, concorre como uma Rising Star

O jovem talento Juno Temple, que participou de Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, concorre como uma Rising Star

Calendário para o Oscar 2013 e Feliz Ano Novo!

Caros amigos e cinéfilos, este é meu último post de 2012. Vou passar alguns dias agradáveis na bela cidade de Florianópolis, SC. Devo retornar no dia 04 de janeiro. Gostaria de aproveitar a oportunidade para agradecer a todos que seguem o blog, comentaram, leram ou simplesmente deram uma passada por aqui! Não sabem o quanto a visita de vocês é preciosa para mim, pois venho realizando este trabalho há apenas um ano somente na base do Google, que também possibilita a divulgação mundo afora. Gostaria de agradecer a Bia Fumagalli, que me incentivou muito a criar este espaço no WordPress. “Quem diria que isto duraria mais de um ano?”.

Bom, como muitos estão aqui para acompanhar a trajetória para o Oscar 2013, relacionei de forma cronológica as datas importantes no mundo do cinema. Espero conseguir reportar tudo de forma mais rápida possível a todos os cinéfilos.

Calendário 2013:

03/01: Indicações ao Producers Guild Awards e Writers Guild Awards

08/01: Indicações ao Directors Guild of America

09/01: Indicações ao BAFTA Film Awards

10/01: Indicações ao Oscar 2013 (Em 2012, acompanhei a transmissão ao vivo pelo canal GloboNews, mas já conferi pela CNN Internacional e Telecine)

13/ 01: Globo de Ouro 2013 (Transmissão da cerimônia ao vivo pelo canal Sony ou TNT)

26/01: Producers Guild Awards

27/01: Screen Actors Guild Awards (Transmissão da cerimônia ao vivo pelo canal TNT)

02/02: Directors Guild of America Awards

10/02: BAFTA Film Awards

17/02: Writers Guild Awards

23/02: Independent Spirit Awards

24/02: Oscar 2013 (Transmissão da cerimônia ao vivo pelo canal TNT)

Infelizmente, o cronograma do Oscar acaba atrasando algumas estréias aqui no Brasil. As distribuidoras que compram os direitos preferem exibir os filmes depois das indicações ao Oscar em janeiro para facilitar na divulgação na mídia. A mensagem “Indicado ao Oscar 2013” no cartaz do filme colabora bastante nas bilheterias.

Dessa forma, fica impossível analisar os melhores filmes produzidos em 2012, pois muitos deles ainda permancem inalcançáveis. Felizmente, com o crescimento da internet, acredito que é mera questão de tempo para que esse cenário mude.

Este ano, posso destacar algumas produções que me agradaram de alguma forma e, claro, outras que foram uma decepção. Como fã de quadrinhos, vi um sonho ser concretizado quando vi na tela grande o filme Os Vingadores. Cara… ver Homem de Ferro, Capitão América, Thor, Hulk, Gavião Arqueiro e Viúva Negra juntos num filme muito bem escrito foi algo digno de nota! Claro que alguns vão discordar de mim, mas como há muitos produtores que ainda acham que adaptar uma história em quadrinhos para o cinema é garantia de sucesso, conferir um bom e divertido filme como esse é uma grande vitória.

Banner promocional que divulgou Os Vingadores mundo afora (foto por Beyondhollywood.com)

Banner promocional que divulgou Os Vingadores mundo afora (foto por Beyondhollywood.com)

Outra característica do cinema atual é a mesmice. Está cada vez mais raro encontrar um filme criativo e inovador nos cinemas, pois essa arte depende demais do sucesso comercial. Para os artistas de verdade, felizmente, existem os festivais de cinema como o de Cannes e Veneza, que premiam os candidatos mais notáveis. Em Cannes, o filme francês Holy Motors pode ter saído de mãos abanando, mas certamente foi um sopro de criatividade que há muito não se via. O diretor Leos Carax se desprende das regras convencionais para intrigar o espectador através do olhar. Quantas vezes você já não disse: “Já vi esse tipo de filme várias vezes”? Se você viu ou ver Holy Motors, essa frase nem vai passar pela cabeça…

Aqui em São Paulo, felizmente existe a Mostra de Cinema, que ocorre todo mês de outubro. Apesar de perder em diversidade para o Festival do Rio, a Mostra ainda traz bons filmes que percorreram outros festivais internacionais e/ou foram reconhecidos pela crítica. Dos filmes que consegui ver na Mostra, o filme dinamarquês A Caça, de Thomas Vinterberg, foi o melhor. Além da ótima performance de Mads Mikkelsen (que lhe rendeu o prêmio de ator em Cannes), o tema do engano de acusação de abuso sexual é destrinchado de forma cruel. Não é um filme fácil de digerir, mas a análise se mostra pertinente nos dias atuais de preconceito.

Mads Mikkelsen numa atuação corajosa em A Caça (foto por OutNow.CH)

Mads Mikkelsen numa atuação corajosa em A Caça (foto por OutNow.CH)

Se houvesse prêmio de filme mais fofo do ano, este seria Moonrise Kingdom. Sabe aqueles romances infantis que não se vê há tempos no cinema? De bom, só consigo me recordar de Meu Primeiro Amor, com o casal Anna Chlumsky e Macaulay Culkin. Claro que, por se tratar de um filme de Wes Anderson, nem tudo são flores. Existe um tipo de humor negro muito peculiar que pode não contaminar a todos os espectadores, mas como amor é um tema universal, acredito que a grande maioria que vá assistir deve se apaixonar pelo filme.

Como fã de James Bond, devo incluir 007 – Operação Skyfall. Fiquei feliz que os produtores Barbara Broccoli e Michael G. Wilson finalmente contrataram profissionais renomados como o diretor Sam Mendes, o diretor de fotografia Roger Deakins, o compositor Thomas Newman e o ator Javier Bardem. Chega de economizar aonde não se deve! Com o sucesso comercial e de crítica, o filme deve manter o patamar de qualidade elevado para os próximos filmes. Torço para que ganhe Melhor Fotografia e Melhor Canção para Adele no Oscar 2013.

Está pronto para as decepções? Quando surgiu a idéia do prequel de Alien – O Oitavo Passageiro, confesso que fiquei curioso, ainda mais que Ridley Scott assumiria a cadeira de diretor, mas preferi não criar nenhum tipo de expectativa por se tratar de um projeto de orçamento altíssimo que dependeria bastante da opinião de produtores. A idéia de viajar ao espaço com intuito de tentar descobrir a origem da raça humana me pareceu fantástica, mas não sei o que houve na execução: se foram opiniões demais ou se ficaram presos demais ao primeiro Alien (ou os dois). Os furos no roteiro parecem buracos negros e, aqueles que leram o roteiro original do projeto disseram que o resultado ficou muito aquém da concepção. Não estou dizendo que o filme é ruim. Na verdade, é interessante pela atmosfera, mas acabou se tornando uma decepção pelo filme que poderia ter sido. Vale ressaltar também a ótima atuação de Michael Fassbender como o ciborgue David. Só não vou malhar o Ridley Scott porque ele tá enferrujado e, além disso, o irmão dele, Tony Scott, cometeu suicídio esse ano.

Michael Fassbender em cena de Prometheus, que apenas prometeu... (foto por OutNow.CH)

Michael Fassbender em cena de Prometheus, que apenas prometeu… (foto por OutNow.CH)

Quanto ao Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, bem… as notícias das 12 pessoas mortas na sessão nos EUA foi bem mais relevante. Claro que depois do sucesso grandioso de Batman: O Cavaleiro das Trevas, as expectativas ficaram extremanente altas para o terceiro filme do personagem. Mas que falta faz Heath Ledger como Coringa… O Batman é chato pra caramba. A Mulher-Gato da Anne Hathaway é totalmente sem graça e nada sexy. O Bane do Tom Hardy só agita e não tem um bom propósito. O que sobra? Bons efeitos sonoros e efeitos visuais!

Hollywood já adora uma refilmagem. E com o surgimento do 3D, ficou inevitável fazerem um reboot do Homem-Aranha nos cinemas. Mas não podiam esperar mais um pouco? Afinal, passaram-se apenas cinco anos depois de Homem-Aranha 3! O presunto nem esfriou direito e já trocaram a equipe e os atores. Como fã do herói aracnídeo, protestei a troca de Sam Raimi por Marc Webb (que sequer tinha um filme de ação no currículo!) e Tobey Maguire por Andrew Garfield. Não me entendam mal. Não estou dizendo que Webb e Garfield sejam péssimos, mas Raimi e Maguire pegaram tão bem a atmosfera e o universo do personagem, que fica difícil de elogiar numa inevitável comparação! De forma resumida, minha principal crítica a O Espetacular Homem-Aranha é a ausência de humor. Acredito que os produtores queriam fazer do Aranha um herói mais sério como o Batman, mas seriedade definitivamente não é com o Homem-Aranha. E não houve química entre Garfield e Emma Stone (Gwen Stacy).

Martin Sheen, Sally Field e Andrew Garfield formam a nova família Parker em O Espetacular Homem-Aranha

Martin Sheen, Sally Field e Andrew Garfield formam a nova família Parker em O Espetacular Homem-Aranha (foto por OutNow.CH)

E assim fecho meu último post de 2012. Espero que 2013 haja mais bons filmes que enalteçam o Cinema como forma de Arte do que “produtos comerciais de qualidade duvidosa”. Próspero Ano Novo para todos! E obrigado!

104 Trilhas musicais pré-selecionadas para o Oscar 2013

O compositor e maestro John Williams conduz sua orquestra

O compositor e maestro John Williams conduz sua orquestra

Se você achava que 71 filmes estrangeiros disputando 5 vagas era um concorrência acirrada, o que dizer então das 104 trilhas musicais que foram pré-selecionadas para o Oscar?

Claro que alguns nomes dessa extensa lista são figurinhas carimbadas da Academia como é o caso de John Williams, o recordista de indicações com “apenas” 47. Ele tem praticamente uma cadeira cativa na Academia. Não tem quem preencher a última indicação? Chama o John Williams! Pode soar exagero, mas apesar da idade avançada, o compositor de tantos sucessos como Star Wars e Tubarão, continua dando um baile em muitos profissionais de renome da área.

Em termos de chances, alguns compositores previamente indicados ao Oscar estão na frente pela quantidade de trabalhos incluídos nessa lista. O artista que mais aparece é Danny Elfman, com suas cinco trilhas: Sombras da Noite, Frankenweenie, Hitchcock, Homens de Preto 3 e Promised Land. Ao todo, foi indicado quatro vezes ao Oscar por Homens de Preto, Gênio Indomável em 1998, Peixe Grande e Suas Histórias Maravilhosas em 2004, e Milk – A Voz da Igualdade em 2009, mas nunca levou a estatueta.

O compositor francês Alexandre Desplat: 3 chances de concorrer ao Oscar

O compositor francês Alexandre Desplat: 3 chances de concorrer ao Oscar

Seguindo o mesmo jejum, o ótimo compositor francês Alexandre Desplat também teve quatro chances no Oscar: Em 2007, por A Rainha, em 2009, por O Curioso Caso de Benjamin Button, e nos dois anos seguintes por O Fantástico Sr. Raposo e O Discurso do Rei nessa ordem. Este ano, eles possui três trabalhos na lista: Argo, a animação A Origem dos Guardiões e o filme bélico Zero Dark Thirty. Acredito que sua maior chance reside no filme de Kathryn Bigelow.

Claro que, apesar de terem apenas um trabalho na lista, vale ressaltar o peso do nome do argentino Gustavo Santaolalla pelo road-movie de Walter Salles, Na Estrada. Em suas duas únicas indicações ao Oscar, Santaolalla conseguiu 100% de aproveitamento pelas belíssimas trilhas musicais de O Segredo de Brokeback Mountain e Babel. Seguramente, não há melhor compositor que explore o violão como ele, e acrescente um tempero latino aos filmes que empresta sua música.

O argentino Gustavo Santaolalla e seu violão. Terceira indicação por Na Estrada?

O argentino Gustavo Santaolalla e seu violão. Terceira indicação por Na Estrada?

Nas mesmas condições de ter um trabalho, o italiano Dario Marianelli volta com uma nova parceria com o diretor Joe Wright pelo romance de época Anna Karenina. Ele concorreu duas vezes por Orgulho e Preconceito e Desejo e Reparação, vencendo pelo último com um interessante arranjo feito pelo ruído das máquinas de escrever, explorando conceito da história. E também incluo o compositor Jonny Greenwood, que trabalhou pela segunda vez com o diretor Paul Thomas Anderson no The Master. Greenwood é mais conhecido por ser guitarrista do grupo musical Radiohead, mas já ganhou inúmeros prêmios e elogios pela trilha intensa de Sangue Negro (2007).

Ok, sem mais delongas, eis as 104 trilhas pré-selecionadas para o Oscar 2013:

Abraham Lincoln: O Caçador de Vampiros (Abraham Lincoln: Vampire Hunter), por Henry Jackman
After the Wizard, por Stephen Main
A Sombra do Inimigo (Alex Cross), por John Debney e Sebastian Morton
O Espetacular Homem-Aranha (The Amazing Spider-Man), por James Horner
Anna Karenina, por Dario Marianelli
Argo (Argo), por Alexandre Desplat
Battleship – A Batalha dos Mares (Battleship), por Steve Jablonsky
The Bay, por Marcelo Zarvos
Indomável Sonhadora (Beasts of the Southern Wild), por Dan Romer e Benh Zeitlin
Being Flynn, por Damon Gough
O Exótico Hotel Marigold (The Best Exotic Marigold Hotel), por Thomas Newman
O Grande Milagre (Big Miracle), por Cliff Eidelman
Booker’s Place: A Mississippi Story, por David Cieri

Valente (Brave), por Patrick Doyle
Brooklyn Castle, por B. Satz
Chasing Ice, por J. Ralph
Chasing Mavericks, por Chad Fischer
Frango com Ameixas (Chicken With Plums), por Olivier Bernet
Chimpanzé (Chimpanzee), por Nicholas Hooper
A Viagem (Cloud Atlas), por Reinhold Heil e Johnny Klimek
Compliance, por Heather McIntosh
Contrabando (Contraband), por Clinton Shorter
Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge (The Dark Knight Rises), por Hans Zimmer
Sombras da Noite (Dark Shadows), por Danny Elfman
Querido Companheiro (Darling Companion), por James Newton Howard
A Fuga (Deadfall), por Marco Beltrami e Buck Sanders
O Ditador (The Dictator), por Erran Baron Cohen
O Lorax: Em Busca da Trúfula Perdida (Dr. Seuss’ The Lorax), por John Powell
Marcados Para Morrer (End of Watch), por David Sardy
Ethel, por Miriam Cutler
Flight, por Alan Silvestri
For a Good Time, Call…, por John Swihart
For Greater Glory: The True Story of Cristiada, por James Horner
Frankenweenie (Frankenweenie), por Danny Elfman
Fun Size, por Deborah Lurie
Girl in Progress, por Christopher Lennertz
A Perseguição (The Grey), por Marc Streitenfeld
The Guilt Trip, por Christophe Beck
Hidden Moon, por Luis Bacalov
Hitchcock, por Danny Elfman
O Hobbit: Uma Jornada Inesperada (Hobbit: An Unexpected Journey), por Howard Shore
Hotel Transilvânia (Hotel Transylvania), por Mark Mothersbaugh
A Última Casa da Rua (House at the End of the Street, por Theo Green
Jogos Vorazes (The Hunger Games), por James Newton Howard
Hyde Park on Hudson, por Jeremy Sams
A Era do Gelo 4 (Ice Age Continental Drift), por John Powell
O Impossível (The Impossible), por Fernando Velázquez
Jack Reacher, por Joe Kraemer
John Carter – Entre Dois Mundos (John Carter), por Michael Giacchino
Viagem 2: A Ilha Misteriosa (Journey 2: The Mysterious Island), por Andrew Lockington
Os Infratores (Lawless), por Nick Cave e Warren Ellis
As Aventuras de Pi (Life of Pi), por Mychael Danna
Lincoln, por John Williams
Lola Versus, por Will Bates e Philip Mossman
Looper: Assassinos do Futuro (Looper), por Nathan Johnson
Um Homem de Sorte (The Lucky One), por Mark Isham
LUV, por Nuno Malo
The Man with the Iron Fists, por RZA e Howard Drossin
Os Vingadores (Marvel’s The Avengers), Alan Silvestri
The Master, por Jonny Greenwood
Homens de Preto 3 (Men in Black 3), por Danny Elfman
Middle of Nowhere, por Kathryn Bostic
Espelho, Espelho Meu (Mirror, Mirror), por Alan Menken
A Estranha Vida de Timothy Green (The Odd Life of Timothy Green, por Geoff Zanelli
Na Estrada (On the Road), por Gustavo Santaolalla
The Pardon, por Ashley Irwin
Parental Guidance, por Marc Shaiman
People Like Us, por A.R. Rahman
Possessão (The Possession), por Anton Sanko
Prometheus (Prometheus), por Marc Streitenfeld
Promised Land, por Danny Elfman
Operação Invasão (The Raid: Redemption), por Mike Shinoda e Joseph Trapanese
Red Tails, por Terence Blanchard
A Origem dos Guardiões (Rise of the Guardians), por Alexandre Desplat
Ruby Sparks – A Namorada Perfeita (Ruby Sparks), por Nick Urata
Protegendo o Inimigo (Safe House), por Ramin Djawadi
Safety Not Guaranteed, por Ryan Miller
Saint Dracula, por Sreevalsan J. Menon
Selvagens (Savages), por Adam Peters
Procura-se um Amigo Para o Fim do Mundo (Seeking a Friend for the End of the World), por Rob Simonsen e Jonathan Sadoff
The Sessions, por Marco Beltrami
A Entidade (Sinister), por Christopher Young
007 – Operação Skyfall (Skyfall), por Thomas Newman
Smashed, por Eric D. Johnson e Andy Cabic
Branca de Neve e o Caçador (Snow White and the Huntsman), por James Newton Howard
Busca Implacável 2 (Taken 2), por Nathaniel Mechaly
Ted (Ted), por Walter Murphy
Pense Como Eles (Think Like a Man), por Christopher Lennertz
Guerra é Guerra (This Means War), por Christophe Beck
As Mil Palavras (A Thousand Words), por John Debney
Os Três Patetas (The Three Stooges), por John Debney
Trashed, por Vangelis
Curvas da Vida (The Trouble With the Curve), por Marco Beltrami
Anjos da Lei (21 Jump Street), por Mark Mothersbaugh
A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2 (The Twilight Saga: Breaking Dawn – Part 2), por Carter Burwell
Until They Are Home, por Jamie Dunlap
War of the Worlds The True Story, por Jamie Hall
Vizinhos Imediatos de 3º Grau (The Watch), por Christophe Beck
West of Memphis, por Nick Cave e Warren Ellis
E Agora Onde Vamos? (Where Do We Go Now?), por Khaled Mouzanar
Won’t Back Down, por Marcelo Zarvos
As Palavras (The Words), por Marcelo Zarvos
Detona Ralph (Wreck-It Ralph), por Henry Jackman
Zero Dark Thirty, por Alexandre Desplat

Hans Zimmer e James Newton Howard quando fizeram a trilha de Batman: O Cavaleiro das Trevas

Hans Zimmer e James Newton Howard quando fizeram a trilha de Batman: O Cavaleiro das Trevas

À principio, meu palpite é o seguinte:

– Danny Elfman (Frankenweenie)

– Howard Shore (O Hobbit – Uma Jornada Inesperada)

– John Williams (Lincoln)

– Jonny Greenwood (The Master)

– Alexandre Desplat (Zero Dark Thirty)

Vencedores do LAFCA 2012

LAFCA: Los Angeles Film Critics Association

LAFCA: Los Angeles Film Critics Association

Juntamente com  National Board of Review e o New York Film Critics Circle (NYFCC), o Los Angeles Film Critics Association fecha a poderosa trinca de reconhecimento da crítica norte-americana. Contudo, diferentemente dos outros, os estudiosos da costa oeste costumam ser bem mais democráticos ao incluir com maior ênfase os filmes estrangeiros na eleição, e não como visitantes em uma única categoria.

Por esse motivo que prefiro o reconhecimento deles, pois acredito que o cinema está globalizado demais para se limitar em categorias com regras rígidas como a Academia ou o Globo de Ouro costuma fazer. É claro que por se tratarem de prêmios dados em solo americano, têndem a favorecer o “cinema local”. Mas aí já seria uma outra discussão xiita…

Depois de duas vitórias, o longa sobre a caçada a Bin Laden, Zero Dark Thirty, ficou apenas com um 2º lugar na direção para Kathryn Bigelow e Melhor Montagem para Dylan Tichenor e William Goldenberg. Aliás, este último também ficou com o 2º lugar pelo filme Argo, de Ben Affleck. Desta vez, o grande vencedor é um filme co-produzido entre Áustria, França e Alemanha (eu avisei que Los Angeles adora estrangeiros): Amour, de Michael Haneke.

Amour, Michael Haneke. Surpresa no LAFCA?

Amour, Michael Haneke: Melhor Filme e Melhor Atriz para Emmanuelle Riva (foto por OutNow.CH)

O filme geriátrico de Haneke vem conquistando todos os críticos por onde passa, desde o Festival de Cannes, de onde saiu com a Palma de Ouro. Recentemente, também levou quatro prêmios principais no European Film Awards. O casal de atores franceses também têm grandes chances nessa corrida para o Oscar, especialmente a veterana Emmanuelle Riva, que venceu o prêmio de Melhor Atriz no LAFCA. Sua vitória confirma o favoritismo de estrangeiras nessa categoria: Em 2011 e 2010, as sul-coreanas Jeong-hie Yun e Hye-ja Kim venceram por Poesia e Mother – A Busca Pela Verdade, respectivamente, em 2009 foi a vez da belga Yolande Moreau por Séraphine, em 2007 foi a supremacia da francesa Marion Cotillard (Piaf – Um Hino ao Amor), além das duas inglesas Sally Hawkins (Simplesmente Feliz) e Helen Mirren (A Rainha).

E depois de andar sumido entre as premiações depois do Festival de Veneza, o filme sobre as origens da Cientologia, The Master, volta em destaque, ganhando Melhor Diretor (Paul Thomas Anderson), Melhor Ator (Joaquin Phoenix), Melhor Atriz Coadjuvante (Amy Adams), Melhor Direção de Arte (Jack Fisk e David Crank), além de dois prêmios de 2º lugar: Fotografia (Mihai Malaimare Jr) e Trilha Musical (Jonny Greenwood). Com esse reconhecimento, The Master volta a ganhar alguns pontos e pode conquistar algumas indicações ao Oscar, ainda mais por se tratar de uma história que se passa algumas décadas atrás, rendendo um trabalho mais minucioso de direção de arte e figurino.

Joaquin Phoenix em The Master. Filme ainda levou Diretor para Paul Thomas Anderson, Atriz Coadjuvante para Amy Adams entre outros.

Joaquin Phoenix em The Master. Filme ainda levou Diretor para Paul Thomas Anderson, Atriz Coadjuvante para Amy Adams entre outros, dando novo fôlego ao longa (foto por OutNow.CH)

Apesar de ter levado apenas o prêmio de Melhor Atriz para Jennifer Lawrence e um 2º lugar de Roteiro, O Lado Bom da Vida é daqueles filmes que chega de mansinho, como quem não quer nada, e vai conquistando o público e seu espaço na cerimônia do Oscar. Claro que não é o tipo de produção que leva vários prêmios por ser um filme tipicamente contemporâneo, mas tem grandes chances nas categorias principais de Filme, Direção, Roteiro, Ator e Atriz que, aliás, Bradley Cooper levou Melhor Ator no National Board of Review e agora, Jennifer Lawrence finalmente leva seu reconhecimento.

Outro filme que cresce ainda mais com a divulgação dos premiados do LAFCA é o independente Indomável Sonhadora. Levou Melhor Ator Coadjuvante (Dwight Henry), Melhor Trilha Musical (Dan Romer e Benh Zeitlin) e o New Generation para o diretor Zeitlin. Um fato curioso é que os atores (Dwight Henry e a pequena Quvenzhané Wallis) não poderão concorrer no SAG Awards porque ambos não eram sindicalizados antes da participação do filme e isso deve enfraquecer um pouco a votação na Academia (sim, o pessoal às vezes é muito chato).

Particularmente, fiquei feliz com quatro reconhecimentos:

1. Melhor Fotografia para Roger Deakins por 007 – Operação Skyfall. Além do trabalho excepcional, a fotografia de Deakins foi reconhecida por um filme da série de James Bond! Isso comprova que bons trabalhos são bem vistos independente do tipo de filme. Felizmente, depois do reboot com Daniel Craig, a série ganhou ares sérios e de qualidade com Sam Mendes e Marc Forster na direção. Mas acima de tudo, que isso sirva de lição para os produtores Barbara Broccoli e Michael G. Wilson que não adianta só ter a fama do agente secreto, mas é necessário contratar bons profissionais em todos os departamentos, incluindo o de fotografia. Viu só? Valeu a pena.

Talvez a cena mais linda visualmente em 007 - Operação Skyfall. Belo trabalho de Roger Deakins.

Talvez a cena mais linda visualmente em 007 – Operação Skyfall. Belo trabalho de Roger Deakins (foto por OutNow.CH)

2 e 3. Melhor Filme Estrangeiro para Holy Motors, de Leos Carax e 2º Lugar de Ator para Denis Lavant. Depois de ser ignorado no Festival de Cannes, este belo trabalho non-sense que contém todos os gêneros merecia este reconhecimento. Infelizmente, não deve figurar no Oscar por não ser representante nem da França, nem da Alemanha, países que co-produziram o filme. O protagonista vivido por Lavant também merece uma indicação por papéis múltiplos: vai de milionário, passando por uma mendiga de rua, o maluco que vive nos esgotos Merde até um senhor idoso à beira da morte. Como aprecio experimentos e inovações no Cinema, Holy Motors pra mim foi um sopro de criatividade em meio à mesmice de hoje.

Holy Motors, de Leos Carax. Reconhecimento merecido para um sopro de criatividade.

Holy Motors, de Leos Carax. Reconhecimento merecido para um sopro de criatividade (foto pot OutNow.CH)

4. Apesar de 2º lugar, adorei a premiação da Direção de Arte de Moonrise Kingdom. Como Tim Burton, o diretor Wes Anderson têm um estilo pessoal muito forte refletido no design do filme. Os cenários da trama contribuem demais para o romance infantil de Sam e Suzy.

O design de Moonrise Kingdom é um personagem à parte no filme (foto por OutNow.CH)

O design de Moonrise Kingdom é um personagem à parte no filme (foto por OutNow.CH)

A ausência mais notada foi a da mega-produção Lincoln, de Steven Spielberg. Os atores Daniel Day-Lewis e Sally Field venceram no NYFCC, mas não levou nenhum prêmio de Melhor Filme ou Diretor até o momento. Tem grandes chances nas categorias consideradas técnicas como Fotografia, Montagem, Direção de Arte e Figurino.

Segue a lista completa dos vencedores do LAFCA:

 

MELHOR FILME: Amour, de Michael Haneke

2º Lugar: The Master, de Paul Thomas Anderson

 

MELHOR DIRETOR: Paul Thomas Anderson (The Master)

2º Lugar: Kathryn Bigelow (Zero Dark Thirty)

 

MELHOR ATOR: Joaquin Phoenix (The Master)

2º Lugar: Denis Lavant (Holy Motors)

 

MELHOR ATRIZ: Jennifer Lawrence (O Lado Bom da Vida) e Emmanuelle Riva (Amour)

 

MELHOR ATOR COADJUVANTE: Dwight Henry (Indomável Sonhadora)

2º Lugar: Christoph Waltz (Django Livre)

 

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Amy Adams (The Master)

2º Lugar: Anne Hathaway (Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge/ Les Misérables)

 

MELHOR ROTEIRO: Chris Terrio (Argo)

2º Lugar: David O. Russel (O Lado Bom da Vida)

 

MELHOR FOTOGRAFIA: Roger Deakins (007 – Operação Skyfall)

2º Lugar: Mihai Malaimare Jr (The Master)

 

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE: Jack Fisk e David Crank (The Master)

2º Lugar: Adam Stockhausen (Moonrise Kingdom)

 

MELHOR MONTAGEM: Dylan Tichenor e William Goldenberg (Zero Dark Thirty)

2º Lugar: William Goldenberg (Argo)

 

MELHOR TRILHA MUSICAL: Dan Romer e Benh Zeitlin (Indomável Sonhadora)

2º Lugar: Jonny Greenwood (The Master)

 

MELHOR FILME ESTRANGEIRO: Holy Motors, de Leos Carax

2º Lugar: Footnote, de Joseph Cedar

 

MELHOR DOCUMENTÁRIO: The Gatekeepers, de Dror Moreh

2º Lugar: Searching for Sugar Man, de Malik Bendjelloul

 

MELHOR ANIMAÇÃO: Frankenweenie, de Tim Burton

2º Lugar: It’s Such a Beautiful Day, de Don Hertzfeldt

 

NEW GENERATION: Benh Zeitlin por Indomável Sonhadora

 

CONJUNTO DA OBRA: Frederick Wiseman

PRÊMIO PARA FILMES OU VÍDEOS EXPERIMENTAIS DOUGLAS EDWARDS: Leviathan, de Lucien Castaing-Taylor e Verena Paravel

Dez finalistas para Melhores Efeitos Visuais no Oscar 2013

Scarlett Johansson e Jeremy Renner em meio a destroços reais e fundo composto digitalmente graças ao green screen de Os Vingadores (photo by beyondhollywood.com).

Depois da categoria de Melhor Animação ter peneirado algumas produções rumo às cinco cobiçadas vagas no Oscar 2013 (https://cinemaoscareafins.wordpress.com/2012/11/07/21-animacoes-inscritas-para-o-oscar-2013/), chegou a vez dos Melhores Efeitos Visuais. De tantas produções que usaram bem os efeitos digitais e práticos, restaram apenas dez que brigam para permanecer entre os finalistas que serão divulgados no dia 10 de janeiro de 2013.

Analisando os vencedores dos últimos cinco anos, a Academia criou esse costume de premiar filmes que apresentam um conjunto uniforme de efeitos, ou seja, que não oferecem apenas criaturas digitais, mas que combinem harmonicamente esses efeitos criados em computador com efeitos práticos feitos no set de filmagem. A Invenção de Hugo Cabret e A Origem, vencedores nessa categoria, tiveram uma equipe que soube aliar perfeitamente o real com o digital, obedecendo aquela máxima: “Efeito bom é aquele que nem se percebe”, daquele que o espectador se pergunta: “Como eles fizeram isso?”.

Vale ressaltar que a categoria de Melhores Efeitos Visuais abrange efeitos digitais, mas também efeitos especiais como as explosões realizadas em set de filmagem, tiros e sangue, miniaturas de prédios e construções, entre outros.

Apesar de termos mais um filme de Peter Jackson com hobbits, não existe necessariamente um favorito este ano. Mas alguns efeitos saem na frente como o próprio O Hobbit: Uma Jornada Inesperada, Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge e Os Vingadores pelo estrondoso sucesso de bilheteria.

Coincidência ou não, as outras duas vagas podem ser preenchidas por outros dois sucessos comerciais: o reboot O Espetacular Homem-Aranha e 007 – Operação Skyfall, cujo burburinho vem crescendo na temporada de premiação comemorando os 50 anos do agente secreto James Bond, e conta ainda com um dos papas dos efeitos práticos: Chris Corbould.

O novo filme de Ang Lee, As Aventuras de Pi, depende bastante dos efeitos visuais, mas ao ver o trailer, confesso que não gostei muito do resultado pelo tipo mais fantasioso do efeito. Espero que o filme em si seja melhor e prove os valores dos efeitos digitais.

Cena de As Aventuras de Pi. Aspecto visual é destaque do novo filme de Ang Lee. (photo by beyondhollywood.com)

Segue a lista com os 10 filmes finalistas:

– 007 – Operação Skyfall (Skyfall)

– As Aventuras de Pi (Life of Pi)

– Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge (The Dark Knight Rises)

– Branca de Neve e o Caçador (Snow White and the Huntsman)

– O Espetacular Homem-Aranha (The Amazing Spider-Man)

– John Carter (John Carter)

– O Hobbit: Uma Jornada Inesperada (The Hobbit: An Unexpected Journey)

– Prometheus (Prometheus)

– A Viagem (Cloud Atlas)

– Os Vingadores (The Avengers)

 

Os membros da comissão de Efeitos Visuais da Academia terão a oportunidade de ver trechos de 10 minutos de duração dos concorrentes no dia 03 de janeiro, e então votar nos cinco indicados da categoria.

A cerimônia da 85ª edição do Oscar será transmitida no dia 24 de fevereiro de 2013.

Nova tentativa de tiroteio na sessão de A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2

A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2: Quase esse cenário romântico virou um filme do Schwarzenegger.

Na manhã do dia 15 de novembro, a polícia americana prendeu um rapaz de 20 anos, chamado Blaec Lammers, que teria planejado um tiroteio em massa numa sessão do filme A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2. Sim, você já viu esse filme (e não, não estou me referindo ao carnaval de vampiros e lobisomens).

A polícia recebeu a ligação da mãe de Lammers na quinta, dia 14, dizendo que estava preocupada, pois seu filho não estava tomando seus medicamentos e havia comprado fuzis similares àqueles usados no recente massacre durante sessão de Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, no cinema de Colorado. O rapaz foi encontrado num restaurante de fast food Sonic e levado pela viatura.

Já na delegacia, à princípio ele alegou que as armas seriam utilizadas para caça, porém ao entrarem na discussão sobre as tragédias recentes nos EUA, ele admitiu que tinha “muito em comum com os atiradores”.

Blaec Lammers, 20 anos: enquadrado por ameaça terrorista.

“Lammers afirmou que era quieto, do tipo solitário e que recentemente tinha comprado armas de fogo… e que tinha pensamentos homicidas”, relatou um detetive. Em seguida, confessou que tinha intenção de atirar nas pessoas no cinema de sua cidade Bolivar, no estado do Missouri neste sábado, dia 16.

Num segundo pensamento, teria receio de ficar sem munição, então iria mudar seu plano para o supermercado Wal-Mart, onde ele poderia facilmente quebrar o vidro dos balcões, pegar mais balas e continuar atirando na polícia.

Ele foi acusado de agressão em primeiro grau, ação penal armado e fazer uma ameaça terrorista.

Curiosamente, Blaec Lammers já fora preso em 2009 depois que afirmou que queria esfaquear um funcionário do Wal-Mart até a morte e seguir outros funcionários .

Tudo bem que o atendimento no Wal-Mart é ruim, mas uma cuspida na cara já seria o suficiente, não? Não, mas falando sério agora, os EUA têm um longo  e problemático histórico de gente maluca que sai atirando da noite pro dia. Como já visitei o país, chego a deduzir que pode se tratar da cultura individualista deles. Geralmente, esses atiradores também tiveram traumas na infância que têndem a se agravar nos anos seguintes.

Mas nada seria dos loucos se não houvesse tantas armas e munições ao alcance de todos. No documentário de Michael Moore, Tiros em Columbine (2002), ele confirma a extrema facilidade de adquirir uma arma, seja em lojas ou supermercados (no início do documentário, o diretor encena uma compra de arma num banco!). Essa facilidade se assemelha a uma criança comprando cigarro, cerveja e Playboy aqui no Brasil…

O documentarista Michael Moore sai feliz com sua arma recém-comprada em Tiros em Columbine (2002), vencedor do Oscar.

Recentemente reeleito, o presidente Barack Obama deveria endurecer a política de venda de armas nos EUA. Entendo que a sociedade americana, especialmente a que reside nos estados centrais e republicanos, tem uma cultura antiga e tradicional com as caças, afinal, eles interpretam a atividade como um ritual de passagem do menino para o homem, mas algumas tradições devem cair pelo bem maior das pessoas.

Os EUA já enfrentam uma onda de racismo extremo que começou depois dos ataques do 11 de Setembro de 2001, portanto, esse tipo de tragédia pode e deve ser evitado pelas autoridades.

Aqui no Brasil, o caso mais semelhante foi o do rapaz Wellington Menezes de Oliveira, da cidade de Realengo, no Rio de Janeiro, que voltou à sua escola e atirou em alunos. A mídia cobriu o incidente e rotulou como caso de bullying, que dividiu a população. Alguns acreditam que os traumas devem ser tratados na escola e outros, mais céticos, acham que todo mundo já enfrentou traumas e xingamentos, e nem por isso saem atirando por aí.

Parentes das vítimas da escola municipal de Realengo, RJ.

Este é o segundo caso envolvendo tiroteio nos cinemas só neste ano nos EUA. Apesar da ameça não ter se consumado, se não fosse a mãe de Lammers, as estatísticas de vítimas fatais teriam aumentado. O primeiro aconteceu em julho, numa sala de cinema no Colorado, quando James Holmes se armou até os dentes, matando 12 espectadores.

O atirador de Colorado, James Holmes, em corte. Seu cabelo alaranjado seria uma homenagem ao personagem anarquista Coringa de Batman: O Cavaleiro das Trevas. Photo by Getty Images.

Meu receio é que esses casos nos cinemas se multipliquem e causem um rebuliço tão grande que levaria políticos a adotar detectores de metal nas filas dos cinemas ou em caso mais extremo, acabarem com as exibições. Ok, a economia dos EUA não deixaria essa última opção se consolidar, mas com certeza, a frequência dos espectadores deve cair com esses ataques. A qualidade dos filmes nos cinemas já não ajuda, ainda tem que levar em conta os malucos que acham que a realidade é um Counter Strike eterno…