George Clooney receberá o prêmio Cecil B. DeMille no Globo de Ouro 2015

George Clooney: homenageado aos 53 anos com Cecil B. DeMille award (photo by www.goldenglobes.com)

George Clooney: homenageado aos 53 anos com Cecil B. DeMille award (photo by http://www.goldenglobes.com)

Todo mundo tá careca de saber que prêmios pelo conjunto da obra são destinados a profissionais em fim de carreira, certo? Então por que raios estão premiando George Clooney??? Só porque o cabelo dele é grisalho não significa que ele está em fim de carreira!

Vamos analisar friamente: George está com seus 53 aninhos. Se estivéssemos no século XIX, ele estaria na taxa de mortalidade e mereceria tal prêmio. Mas aí você vai dizer: “Mas Jodie Foster recebeu o prêmio Cecil B. DeMille aos 50 anos!”. Pois é, mas ela começou a trabalhar quando ainda estava na barriga da mãe! Ela fazia propagandas aos 3 anos! Então, nesse quesito de tempo de trabalho, Georgie também não se encaixaria. Mas afinal, por que ele está recebendo esta homenagem?

Para bem ou para mal, o Globo de Ouro ficou marcado por seu lado bajulador em relação às celebridades. Só pra citar um exemplo bem recente, alguns especialistas defenderam essa característica da Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood quando preferiram Jennifer Lawrence (a estrela do momento) a Lupita Nyong’o como Melhor Atriz Coadjuvante este ano.

Aliás, desde a época que acompanho a cerimônia do Globo de Ouro, ouço o crítico Rubens Ewald Filho falando: “O George Clooney é muito querido pela imprensa estrangeira, então eles gostam de retribuir dando prêmios”. Prova disso são os 4 Globos de Ouro que ele ganhou. Claro que não tenho absolutamente NADA contra George Clooney. Na verdade, considero-o um ator de ótimo carisma e homem de classe, mas também considero prematuro esse prêmio pelo conjunto da obra, pois está em pleno auge em Hollywood, tanto como ator como diretor.

George Clooney com um de seus Globos de Ouro (photo by latimesblogs.latimes.com)

George Clooney com um de seus Globos de Ouro (photo by latimesblogs.latimes.com)

Só para citar alguns nomes que ainda não ganharam o Cecil B. De Mille e que poderiam facilmente tomar o lugar de Clooney: os atores Julie Andrews, Julie Christie, Maggie Smith, Jane Fonda, Ellen Burstyn, Sally Field, Robert Duvall, Michael Caine e os diretores Mike Nichols, William Friedkin e Milos Forman. São artistas cujas carreiras já atingiram o ápice há algumas décadas e que mereceriam reconhecimento pelo histórico, fato que poderia incentivar uma nova alta na carreira como um papel coadjuvante importante num blockbuster como um filme da Marvel ou da série Jogos Vorazes.

Mas George é a bola da vez. No início, ficou conhecido como o pediatra Ace da série de TV E.R. (Plantão Médico), mas resolveu seguir carreira no cinema com filmes menores como o terror Um Drink no Inferno (1996) e a comédia romântica Um Dia Especial (1996) ao lado da musa Michelle Pfeiffer (que também poderia receber o Cecil B. De Mille!). No ano seguinte, vestiu o manto com mamilos do Homem-Morcego no vergonhoso Batman & Robin. Embora tenha sido um fracasso unânime, o ator saiu ileso das críticas, pois foi considerado melhor Bruce Wayne do que seu antecessor Val Kilmer.

Michelle Pfeiffer e George Clooney em Um Dia Especial (photo by free-movies.me)

Michelle Pfeiffer e George Clooney em Um Dia Especial (photo by free-movies.me)

Sua fama de galã foi crescendo nos anos seguintes, atingindo o auge na trilogia Onze Homens e um Segredo (2001). Embora tenha interpretado o mesmo papel de Frank Sinatra do original homônimo de 1960, George Clooney ganhou maiores comparações com Cary Grant. Como se não bastasse, passou a ganhar notoriedade como diretor, entregando títulos elogiados pela crítica e público como Confissões de uma Mente Perigosa (2002), Boa Noite e Boa Sorte (2005) e Tudo Pelo Poder (2011). Particularmente, em se tratando de atuação, voto na performance de Os Descendentes como sua melhor, por sair da sua zona de conforto, abdicando de seu posto de galã e se entregando aos sentimentos pela esposa em coma. Por esse trabalho, Clooney ganhou seu terceiro Globo de Ouro. Os anteriores foram por E Aí, Meu Irmão, Cadê Você? (2000) e Syriana – A Indústria do Petróleo (2005), além do 4º como produtor por Argo.

Definido Clooney como homenageado, pelo menos teremos garantia de um excelente discurso de agradecimento, repleto de humor e tons humanistas como aquele ótimo quando ganhou o Oscar de coadjuvante em 2006. Veja vídeo abaixo:

GEORGE CLOONEY E O GLOBO DE OURO

1996: Indicado a Melhor Ator de Série de TV – Drama (Plantão Médico)
1997: Indicado a Melhor Ator de Série de TV – Drama (Plantão Médico)
1998: Indicado a Melhor Ator de Série de TV – Drama (Plantão Médico)
2001: Vencedor de Melhor Ator – Comédia ou Musical (E Aí, Meu Irmão, Cadê Você?)
2006: Indicado a Melhor Diretor (Syriana – A Indústria do Petróleo)
Indicado a Melhor Roteiro (Syriana – A Indústria do Petróleo)
2008: Indicado a Melhor Ator – Drama (Conduta de Risco)
2010: Indicado a Melhor Ator – Drama (Amor Sem Escalas)
2012: Vencedor de Melhor Ator – Drama (Os Descendentes)
Indicado a Melhor Diretor (Tudo Pelo Poder)
Indicado a Melhor Roteiro (Tudo Pelo Poder)
2013: Vencedor de Melhor Filme – Drama (Argo)

A cerimônia do 72º Globo de Ouro está marcada para 11 de janeiro de 2015, provavelmente pelo canal pago TNT. O evento terá o retorno das hostesses Tina Fey e Amy Poehler, que nesse ano, soltaram uma piada ácida: “Gravidade era “a história de como George Clooney prefere flutuar no espaço e morrer do que passar um minuto a mais com uma mulher com a sua idade”. Com certeza, terá uma réplica de Clooney…

Anúncios

‘A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2, O Final’ é o grande vencedor do Framboesa de Ouro 2013

Framboesa de Ouro (Razzie Awards) em sua 33ª edição (photo by movies.infoonlinepages.com)

Framboesa de Ouro (Razzie Awards) em sua 33ª edição (photo by movies.infoonlinepages.com)

A 33ª edição do Framboesa de Ouro (Razzie Awards) não resistiu a tanta mediocridade e entregou quase todas as honrarias ao último filme da Saga Crepúsculo. Como todos sabem, o Framboesa de Ouro reconhece os piores filmes do ano, mas (talvez por vergonha?) ninguém comparece para receber o prêmio em mãos. As raras exceções são o diretor Paul Verhoeven, que ganhou como Pior Diretor por Showgirls (1995), e as atrizes Halle Berry (por Mulher-Gato em 2004) e a divertida Sandra Bullock, que ganhou o prêmio por Maluca Paixão em 2009, um dia antes de vencer o Oscar por Um Sonho Possível.

Ao subir ao palco, Bullock trazia consigo um carrinho com várias cópias do filme em DVD para distribui-los para quem votou nela. “Algo me diz que vocês não assistiram ao filme”, brincou a atriz, que ainda trouxe uma cópia do roteiro, alegando que sua performance muito se deve à qualidade da história. Apesar de estar longe de ser uma ótima atriz, o fato de saber reconhecer uma performance ruim e aprender com seus erros já a faz ganhar pontos como profissional e com os fãs. Veja vídeo de seu discurso:

Claro que ninguém da equipe de A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2, O Final apareceu no Framboesa. Seria pedir demais para que eles reconhecessem a inferioridade da produção. Infelizmente, o Cinema atual ainda apresenta muitos filmes feitos a partir de números, seja da venda dos livros em que se baseiam, seja do salário dos atores queridos pelo público jovem e, claro, pela alta bilheteria. Para evitar que o público se torne cada vez menos exigente se faz necessário um prêmio como o Framboesa de Ouro, que aponta uma luz no canto escuro que ninguém quer ver. Falam o que quiserem do cinema americano, mas pelo menos eles sabem reconhecer sua própria mediocridade, e isso o torna mais forte.

A dupla premiada Taylor Lautner e Kristen Stewart (photo by BeyondHollywood.com)

A dupla premiada Taylor Lautner e Kristen Stewart. Felizmente este é o último filme da saga (photo by BeyondHollywood.com)

Quando Batman & Robin foi lançado em 1997, a produção foi indicado ao prêmio, vencendo Pior Atriz Coadjuvante para Alicia Silverstone. Reconhecido merecidamente como um dos piores do ano, o filme dirigido pelo carnavalesco Joel Schumacher acarretou diretamente na melhoria das adaptações de quadrinhos que viriam em seguida como Blade – O Caçador de Vampiros (1998) e X-Men – O Filme (2000).

Infelizmente, o número de produções nacionais ainda é muito pequeno, mas um Framboesa de Ouro cairia muito bem por aqui. Recentemente, Kleber Mendonça, o diretor do ótimo O Som ao Redor, que foi considerado um dos melhores filmes do ano segundo o jornal The New York Times, fez a seguinte declaração ao resposta ao diretor-executivo da Globo Filmes, Cadu Rodrigues:

O diretor brasileiro Kleber Mendonça (photo by revistadecinema.uol.com.br)

O diretor brasileiro Kleber Mendonça (photo by revistadecinema.uol.com.br)

“A Globo Filmes faz mal à idéia de cultura no Brasil, atrofia o conceito de diversidade no cinema brasileiro e adestra um público cada vez mais dopado para reagir a um cinema institucional e morto”.

Embora sua afirmação seja radical, tem muita verdade nesse pensamento. Claro que o dinheiro vindo da produção da Globo Filmes possibilita maior quantidade de filmes nacionais em cartaz, assim como melhor divulgação através do próprio canal de TV, mas todas são estreladas por atores globais com um tipo de humor escrachado sem conteúdo. Quando o diretor Kleber Mendonça lançou sua crítica, ele queria exigir mais qualidade e menos quantidade. “Que a Globo Filmes invista em pelo menos três projetos por ano que tenham a pretensão de ir além, projetos que não sumam do radar da cultura depois de três ou quatro meses cumprindo a meta de atrair milhões de espectadores que não sabem nem exatamente o porquê de terem ido ver aquilo”.

Dois dos maiores sucessos de bilheteria de 2012 são produções da Globo Filmes: as comédias Até que a Sorte nos Separe e De Pernas pro Ar 2. Enquanto o primeiro foi o filme mais visto do ano, o segundo foi do 2º semestre. Ambos foram estrelados por artistas globais: Leandro Hassum e Danielle Winits, e Ingrid Guimarães e Maria Paula, mas dirigidos pelo mesmo diretor: Roberto Santucci. Claro que o cinema brasileiro avançou mais e deixou os filmes da Xuxa e dos Trapalhões para trás, mas ainda temos um longo caminho a percorrer.

Voltando ao Framboesa de Ouro, Adam Sandler ganha pela segunda vez consecutiva como Pior Ator por Este é o meu Garoto. Em 2012, ele venceu duplamente por Cada um Tem a Gêmea que Merece, ao interpretar um homem e uma mulher. Depois que trabalhou no ótimo Embriagado de Amor (2002) com o diretor Paul Thomas Anderson, Sandler nunca mais fez um filme que valesse a pena ver.

Adam Sandler (a esq.) em mais um filme descartável, ao lado de Andy Samberg (photo by OutNow.CH)

Adam Sandler (a esq.) em mais um filme descartável, ao lado de Andy Samberg (photo by OutNow.CH)

Em mais uma inclusão de cantores no mundo do cinema, Rihanna fez parte de mais um fracasso em Battleship – A Batalha dos Mares, enquanto Taylor Lautner e Kristen Stewart, vencedores dos prêmios de atuação, vão ter trabalho para se desligarem da imagem dos personagens ralos da saga de Stephenie Meyer.

Confira a lista dos vencedores:

PIOR FILME
A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2, O Final

PIOR ATOR
Adam Sandler (Este é o meu Garoto)

PIOR ATRIZ
Kristen Stewart (A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2, O Final)

PIOR ATOR COADJUVANTE
Taylor Lautner (A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2, O Final)

PIOR ATRIZ COADJUVANTE
Rihanna (Battleship – A Batalha dos Mares)

PIOR ELENCO
A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2, O Final

PIOR DIRETOR
Bill Condon (A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2, O Final)

PIOR REMAKE OU SEQUÊNCIA
A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2, O Final

PIOR DUPLA
Kristen Stewart e Taylor Lautner (A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2, O Final)

PIOR ROTEIRO
David Caspe (Este é o meu Garoto)

A cantora Rihanna naufragou junto ao filme Battleship - A Batalha dos Mares (photo by BeyondHollywood.com)

A cantora Rihanna naufragou junto ao filme Battleship – A Batalha dos Mares (photo by BeyondHollywood.com)