Onde e Quando acompanhar os Indicados ao Oscar 2015

Chris Pine a presidente da Academia Cheryl Boone Isaacs anunciam os indicados ao Oscar (photo by http://cdn4.hoy.com.do)

Chris Pine a presidente da Academia Cheryl Boone Isaacs anunciam os indicados ao Oscar (photo by http://cdn4.hoy.com.do)

GUIA COMPLETO PARA CONFERIR OS INDICADOS AO OSCAR 2015

As indicações ao Oscar foram anunciadas no último dia 15 e você ainda não viu nenhum filme? Não se desespere! Ainda temos um mês pra cerimônia, e felizmente, já dá pra conferir muitos deles através de mídias (DVDs e Blu-rays) e alguns filmes que já estão em cartaz como é o caso de Whiplash: Em Busca da Perfeição, que coletou 5 indicações, e um dos favoritos Boyhood: Da Infância à Adolescência, que tem 6 indicações.

O filme de Richard Linklater estreou aqui no Brasil no final de outubro de 2014 e já estava quase saindo de cartaz. Contudo, graças às indicações ao Oscar, ganhou novo fôlego pra aguentar mais algumas semanas nas salas de cinema. Aqui em São Paulo, Boyhood está atualmente nas salas Cidade Jardim Cinemark, Cine Livraria Cultura 1, Eldorado Cinemark e Metrô Santa Cruz Cinemark. Como cinéfilo e frequentador dessas salas, recomendo o Cine Livraria Cultura, localizado no Conjunto Nacional na Avenida Paulista. Trata-se de uma sala grande, com poltronas grandes e confortáveis e um público que sabe respeitar uma projeção. Já as grandes redes como o Cinemark costumam tratar os filmes como meros produtos e seus frequentadores como meros pagadores.

Patricia Arquette com o pequeno Ellar Coltrane em cena de Boyhood: Da Infância à Juventude

Patricia Arquette com o pequeno Ellar Coltrane em cena de Boyhood: Da Infância à Juventude

Isso que eu acho bacana do Oscar, porque ele pode resgatar bons filmes do limbo e trazê-los de volta às salas de cinema. Aliás, poderiam passar O Grande Hotel Budapeste novamente, porque o filme de Wes Anderson merece uma projeção de qualidade para valorizar sua ótima fotografia e direção de arte. E gostaria que os distribuidores se esforçassem pra colocar alguns filmes em cartaz antes do Oscar como a animação japonesa O Conto da Princesa Kaguya, que é produzida pelo Studio Ghibli do homenageado com o Oscar Honorário desde ano, o mestre Hayao Miyazaki. Assim como o documentário Citizenfour sobre Edward Snowden, e claro, o novo filme de Mike Leigh, Sr. Turner, com 4 indicações.

Por outro lado, a ausência parcial ou total de indicações ao Oscar pode comprometer bastante a divulgação e lançamento de um filme aqui no Brasil. O novo longa de Paul Thomas Anderson, Vício Inerente, tinha tudo para estrear em janeiro, mas como conquistou apenas duas indicações (Roteiro Adaptado e Figurino), a distribuidora empurrou seu lançamento para final de março, ficando impossível de conferir o trabalho antes da cerimônia do Oscar, que acontece no dia 22 de fevereiro. Quer dizer, “impossível” de forma legal. Se você não se importar em fazer um download ou streaming, acredito que dá pra ver todos os indicados ao Oscar! Mas aí tem que se sujeitar às leis e muitas vezes às péssimas resoluções de imagem dos filmes.

Pra quem assina Netflix, vale a pena assistir à produção indicada a Melhor Documentário, Virunga. Trata-se de um ótimo filme que disseca a preservação dos últimos gorilas de montanhas que vivem no Parque Nacional de Virunga, num Congo em conflitos civis armados. É o segundo filme produzido pela Netflix a concorrer ao Oscar. Em 2014, The Square competiu na mesma categoria de Documentário.

Cena do documentário Virunga, sobre a proteção aos gorilas quase extintos do Congo (photo by outnow.ch)

Cena do documentário Virunga, sobre a proteção aos gorilas quase extintos do Congo (photo by outnow.ch)

DISPONÍVEIS EM BLU-RAY/DVD

Uma Aventura Lego (The Lego Movie)
1 indicação: Canção Original (“Everything is Awesome”)

Capitão América 2: O Soldado Invernal (Captain America: The Winter Soldier)
1 indicação: Efeitos Visuais

Como Treinar o Seu Dragão 2 (How to Train Your Dragon 2)
1 indicação: Animação

O Grande Hotel Budapeste (The Grand Budapest Hotel)
9 indicações: Filme, Diretor (Wes Anderson), Roteiro Original, Fotografia, Montagem, Direção de Arte, Figurino, Maquiagem e Trilha Musical Original.

Guardiões da Galáxia (Guardians of the Galaxy)
1 indicação: Maquiagem e Efeitos Visuais.

Malévola (Maleficent)
1 indicação: Figurino

Mesmo Se Nada Der Certo (Begin Again)
1 indicação: Canção Original (“Lost Stars”)

Planeta dos Macacos: O Confronto (Dawn of the Planet of the Apes)
1 indicação: Efeitos Visuais

X-Men: Dias de um Futuro Esquecido (X-Men: Days of Future Past)
1 indicação: Efeitos Visuais

Michael Fassbender em cena de X-Men: Dias de um Futuro Esquecido (photo by outnow.ch)

Michael Fassbender em cena de X-Men: Dias de um Futuro Esquecido (photo by outnow.ch)

DISPONÍVEL NO NETFLIX

Virunga
1 indicação: Documentário

FILMES EM CARTAZ NOS CINEMAS – com base na programação de São Paulo

O Abutre (Nightcrawler)
1 indicação: Roteiro Original

Boyhood: Da Infância à Juventude (Boyhood)
6 indicações: Filme, Diretor (Richard Linklater), Ator Coadjuvante (Ethan Hawke), Atriz Coadjuvante (Patricia Arquette), Roteiro Original, Montagem.

O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos (The Hobbit: The Battle of the Five Armies)
1 indicação: Efeitos Sonoros.

Ida (Ida)
2 indicações: Filme em Língua Estrangeira e Fotografia.

Interestelar (Interstellar)
5 indicações: Direção de Arte, Trilha Musical Original, Som, Efeitos Sonoros e Efeitos Visuais.

Invencível (Unbroken)
3 indicações: Fotografia, Som e Efeitos Sonoros.

Leviatã (Leviafan)
1 indicação: Filme em Língua Estrangeira.

Livre (Wild)
2 indicações: Atriz (Reese Whiterspoon) e Atriz Coadjuvante (Laura Dern).

Operação Big Hero (Big Hero 6)
1 indicação: Animação

Relatos Selvagens (Relatos Salvajes)
1 indicação: Filme em Língua Estrangeira.

Whiplash: Em Busca da Perfeição (Whiplash)
5 indicações: Filme, Ator Coadjuvante (J.K. Simmons), Roteiro Adaptado, Montagem e Som.

Miles Teller em ótima cena de Whiplash: Em Busca da Perfeição (photo by outnow.ch)

Miles Teller em ótima cena de Whiplash: Em Busca da Perfeição (photo by outnow.ch)

PREVISÃO DE ESTRÉIA – Datas previstas para São Paulo, que podem sofrer alterações de acordo com as distribuidoras

22/01: Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo (Foxcatcher)
5 indicações: Diretor (Bennett Miller), Ator (Steve Carell), Ator Coadjuvante (Mark Ruffalo), Roteiro Original e Maquiagem.

22/01: Timbuktu
1 indicação: Filme em Língua Estrangeira

25/01: Selma
2 indicações: Filme e Canção Original.

29/01: Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância) (Birdman or (The Unexpected Virtue of Ignorance)
9 indicações: Filme, Diretor (Alejandro González Iñárritu), Ator (Michael Keaton), Ator Coadjuvante (Edward Norton), Atriz Coadjuvante (Emma Stone), Roteiro Original, Fotografia, Montagem, Som e Efeitos Sonoros.

29/01: Caminhos da Floresta (Into the Woods)
3 indicações: Atriz Coadjuvante (Meryl Streep), Direção de Arte e Figurino.

29/01: O Jogo da Imitação (The Imitation Game)
8 indicações: Filme, Diretor (Morten Tyldum), Ator (Benedict Cumberbatch), Atriz Coadjuvante (Keira Knightley), Roteiro Adaptado, Montagem, Direção de Arte e Trilha Musical Original.

29/01: A Teoria de Tudo (The Theory of Everything)
5 indicações: Filme, Ator (Eddie Redmayne), Atriz (Felicity Jones), Roteiro Adaptado e Trilha Musical Original.

05/02: Dois Dias, Uma Noite (Deux Jours, Une Nuit)
1 indicação: Atriz (Marion Cotillard)

19/02: Sniper Americano (American Sniper)
6 indicações: Filme, Ator (Bradley Cooper), Roteiro Adaptado, Montagem, Som e Efeitos Sonoros.

26/02: Para Sempre Alice (Still Alice)
1 indicação: Atriz (Julianne Moore)

12/03: O Sal da Terra (The Salt of the Earth)
1 indicação: Documentário

26/03: Vício Inerente (Inherent Vice)
2 indicações: Roteiro Adaptado e Figurino.

O casal Stephen e Jane Hawking (Eddie Redmayne e Felicity Jones) em A Teoria de Tudo (photo by outnow.ch)

O casal Stephen e Jane Hawking (Eddie Redmayne e Felicity Jones) em A Teoria de Tudo (photo by outnow.ch)

FORA DE CARTAZ E AGUARDANDO LANÇAMENTO EM BLU-RAY/DVD

Os Boxtrolls (The Boxtrolls)
1 indicação: Animação

Garota Exemplar (Gone Girl)
1 indicação: Atriz (Rosamund Pike)

O Juiz (The Judge)
1 indicação: Ator Coadjuvante (Robert Duvall)

Os Boxtrolls (The Boxtrolls), de

Os Boxtrolls (The Boxtrolls)

SEM PREVISÃO DE ESTRÉIA (*caham!* Mas pra isso existe a internet…)

Além das Luzes (Beyond the Lights)
1 indicação: Canção Original (“Grateful”)

Citizenfour
1 indicação: Documentário

O Conto da Princesa Kaguya (Kaguyahime no Monogatari)
1 indicação: Animação

A Fotografia Oculta de Vivian Maier (Finding Vivian Maier)
1 indicação: Documentário

Glen Campbell: I’ll Be Me
1 indicação: Canção Original (“I’m Not Gonna Miss You”)

Last Days in Vietnam
1 indicação: Documentário

Song of the Sea
1 indicação: Animação

Sr. Turner (Mr. Turner)
4 indicações: Fotografia, Direção de Arte, Figurino e Trilha Musical Original.

Tangerines (Mandariinid)
1 indicação: Filme em Língua Estrangeira.

Minnie Driver com a novata Gugu em Além das Luzes (photo by cine.gr)

Minnie Driver com a novata Gugu Mbatha-Raw em Além das Luzes (photo by cine.gr)

A cerimônia do 87º Oscar será no dia 22 de fevereiro, e será transmitida pelo canal pago TNT.

Anúncios

Netflix anuncia estratégia que pode decretar o fim dos cinemas

Cena de O Tigre e o Dragão 2 (photo by colider.com)

Michelle Yeoh em cena de O Tigre e o Dragão 2 (photo by colider.com)

Neste início de outubro, o serviço de streaming da Netflix fez dois anúncios que devem ameaçar seriamente a indústria do cinema: lançará a sequência O Tigre e o Dragão 2 (Crouching Tiger, Hidden Dragon: The Green Legend) em sua plataforma e em algumas salas de cinema selecionadas em conjunto com a Weinstein Co. em Agosto de 2015; e em seguida, quatro filmes estrelados por Adam Sandler.

Depois de agitar o universo televisivo com séries de sua produção, House of Cards e Orange is the New Black, que conquistaram o público e algumas indicações ao Emmy, a Netflix pretende alçar vôos mais altos em Hollywood ao oferecer lançamentos diretamente pelo streaming, eliminando as etapas tradicionais: sala de projeção, Blu-ray e DVD, e serviços On Demand antes de pertencer aos catálogos de streaming.

“São anúncios muito importantes que mudam o jogo”, disse Chris McGurk, diretor-executivo da Cinedigm. “O público de hoje não liga para as regras antigas de estúdio e entretenimento. Eles querem ver filmes quando eles bem querem, como eles querem e em qualquer dispositivo que eles querem.” Há alguns anos, eu mesmo não imaginava pessoas assistindo a filmes em celulares e tablets, mas hoje é uma realidade.

Além dessa modernização do modo de assistir a um filme, hoje ir ao cinema é um programa caro. Confira comigo: ingressos a 30 reais, combo de pipoca e refrigerante a 20 reais, e estacionamento de shopping a 15 reais, totalizando 65 reais quando sozinho. Se for em casal, já salta pra casa dos 100 reais, sem contar a gasolina. Agora, substitua a locomoção toda por um Netflix (assinatura mensal a 16,90 reais), e a pipoca de ouro do Cinemark pela pipoca de microondas, e eis uma redução drástica de valor que estimula o programa caseiro.

Pra que encarar filas, pipocas caras e gente mal educada nas salas? Ligue a TV no Netflix (photo by adrenaline.uol.com.br)

Pra que encarar filas, pipocas caras e gente mal educada nas salas? Ligue a TV no Netflix (photo by adrenaline.uol.com.br)

Há algumas décadas, a indústria do cinema aplicava esse sistema direto ao espectador quando o filme era de baixo orçamento e pouco aguardado sendo lançado direto em vídeo, o chamado made-for-TV-movie. Há poucos anos, algumas produções modestas como Margin Call – O Dia Antes do Fim (2011) e A Negociação (2012) foram lançadas simultaneamente em cinemas e plataformas On Demand como uma espécie de experimento, pois os estúdios estavam receosos de perder dinheiro com produções maiores. Hoje, eles já pensam até em lançar grandes franquias como Star Wars, James Bond e os filmes da Marvel Studios.

Dependendo do sucesso da estratégia da Netflix, os grandes estúdios devem aderir gradativamente ao sistema do lançamento via streaming, podendo quebrar várias redes de cinema. Segundo a matéria da Variety, os donos das maiores redes de cinema americanas (AMC, Cinemark, Regal e Carmike) se recusarão a exibir O Tigre e o Dragão 2 em suas telas como uma forma de protesto. O fato é que o público que frequenta cinema vem caindo ao longo dos anos, e só não piorou porque recebeu uma sobrevida com o advento do filme 3D com o mega-sucesso Avatar (2009), pois ver filmes com óculos tridimensionais era um espetáculo à parte e até então exclusivo nas salas de projeção, mas daqui a pouco nem isso vai segurar o público nas salas.

Talvez a sequência do longa taiwanês O Tigre e o Dragão não seja parâmetro para indicar o sucesso da estratégia da Netflix, uma vez que não conta com o diretor Ang Lee, nem as estrelas Chow Yun-Fat e Zhang ZiYi, mas os filmes de Adam Sandler sempre estão entre os mais vistos nos EUA. E se esse sucesso comercial se repetir ou até superar os números das bilheterias, o cinema como conhecemos pode estar com seus dias contados.

Ao lado de Rosemarie DeWitt, Adam Sandler estrela novo filme de Jason Reitman: Homens, Mulheres e Filhos (photo by elfilm.com)

Ao lado de Rosemarie DeWitt, Adam Sandler estrela novo filme de Jason Reitman: Homens, Mulheres e Filhos (photo by elfilm.com)

Embora goste da experiência de ir ao cinema, será inevitável que esse avanço represente economia ao público e estúdios. Só essa enxugada na verba relativa à exibição já proporcionará salários mais recheados para as estrelas de Hollywood, atraindo a nata dos atores famosos ao Netflix, que atualmente gasta cerca de 3 bilhões de dólares em suas produções. Claro que também significará inúmeras demissões e a decadência de uma cultura centenária, contudo, não acredito em extinção definitiva do formato. Podemos tomar como exemplo a digitalização da literatura através dos e-books. Enquanto os leitores modernos economizam na compra de obras, outros ainda preferem o contato físico e até o cheiro do papel dos livros. Ambos os formatos convivem atualmente em equilíbrio, o que deve acontecer entre cinemas e streaming nas próximas décadas.

Quem sabe com os lançamentos indo direto pra streaming, aqueles espectadores que conversam e atendem o celular durante a sessão não chateiam menos as pessoas ficando em casa? Esse público mal educado não merece esta Arte.

Celular, conversa, batidas constantes na poltrona definitivamente não combinam com uma sessão de cinema (photo by pt.wikinoticia.com)

Celular, conversa, batidas constantes na poltrona definitivamente não combinam com uma sessão de cinema (photo by pt.wikinoticia.com)

Lars von Trier contra-ataca com os pôsteres de ‘Nymphomaniac’

Charlotte Gainsbourg

Charlotte Gainsbourg

Há quanto tempo você não ficava admirando um pôster de um filme no cinema? Considerado essencial para a venda de um filme entre as décadas de 50 e 70, o pôster (ou cartaz para alguns) foi perdendo sua importância, e hoje mais serve para como capa para DVDs e Blu-Rays. Com esse trabalho ousado, o diretor dinamarquês Lars von Trier busca o choque para chamar a atenção para seu mais novo filme: Nymphomaniac.

Com previsão de estréia no dia 25 de dezembro deste ano na Dinamarca (e obviamente sem previsão de estréia no Brasil), Nymphomanic foca numa ninfomaníaca (Charlotte Gainsbourg) que reconta suas experiências eróticas a um homem que a salvou de um espancamento. Para quem conhece a filmografia de Trier, sabe que esse tipo de trama não é nenhuma novidade, especialmente se já viu Anticristo (2009), no qual havia cenas de sexo explícito numa sequência inicial belíssima em fotografia PB.

Charlotte Gainsbourg num momento garota fiel... (photo by www.OutNow.CH)

Charlotte Gainsbourg num momento garota fiel… (photo by http://www.OutNow.CH)

Charlotte Gainsbourg num sanduíche em cena de Nymphomaniac (photo by www.OutNow.CH)

… e em seguida num momento “very nasty” num sanduíche em cena de Nymphomaniac (photo by http://www.OutNow.CH)

Pra quem desconhece Lars von Trier, vale lembrar que ele foi um dos fundadores do movimento Dogma 95, que tinha como lema a busca por um cinema voltado exclusivamente à história. Nesse período, ele lançou o polêmico Os Idiotas (1996), que já continha cenas explícitas de um grupo que se reunia no subúrbio de Copenhague para testar seus limites, e o não menos polêmico Ondas do Destino (1996), no qual Emily Watson (indicado ao Oscar) atende ao pedido do marido para fazer sexo com outros homens. Porém, antes do movimento, o diretor já era conceituado devido a filmes de forte impacto visual como Elemento de um Crime (1984) e Europa (1991).

Lars von Trier não bate muito bem da cabeça (já foi internado numa espécie de hospital psiquiátrico na Dinamarca) e às vezes se mostra tão espontâneo que acaba prejudicando seus filmes. Em 2011, quando seu filme Melancolia estava indicado à Palma de Ouro, na coletiva de imprensa no Festival de Cannes, ao ser questionado sobre suas origens germânicas, o diretor respondeu: “Eu entendo Hitler, até simpatizo com ele”. Foi um choque até para as atrizes Charlotte Gainsbourg e Kirsten Dunst que estavam ao lado. “Durante muito tempo pensei que fosse judeu e era feliz com isso. Aí conheci Susanne Bier (a diretora dinamarquesa judia que fez parte do Dogma 95) e não fiquei tão contente. Então descobri que era nazista, que minha família era alemã. O que me deu muito prazer”, continuou o diretor.

Como se não bastassem os comentários nazistas, Lars von Trier queria compartilhar sua tatuagem fofa de FUCK. Isso que é macho! (photo by www.20minutos.es)

Como se não bastassem os comentários nazistas, Lars von Trier queria compartilhar sua tatuagem fofa de FUCK. Isso que é macho! (photo by http://www.20minutos.es)

Depois dessa declaração, mesmo tendo pedido desculpas, o diretor foi banido do festival e teve suas chances anuladas de vencer pela segunda vez a Palma de Ouro (venceu em 2000 com o musical Dançando no Escuro). Em entrevista em abril deste ano, o diretor artístico de Cannes, Thierry Frémaux, afirmou que Lars von Trier é bem-vindo novamente, e que sua expulsão valia apenas para aquele ano. Apesar de toda a polêmica, Kirsten Dunst saiu consagrada com o prêmio de interpretação feminina.

A verdade é que Lars von Trier é um nome que o Cinema atual necessita. Em meio a tantas produções chochas, sem criatividade e que trazem mais a visão dos produtores do que do diretor, é impossível sair da exibição de um de seus filmes indiferente. As imagens grudam na nossa mente, a temáticas pedem por uma reflexão e seu cinema como linguagem busca inovar o modo como o público vê cinema. Claro que você pode ter odiado um filme ou outro dele, mas certamente perdurará muito mais tempo na memória. Alguns podem considerar exagero da minha parte, mas considero Lars von Trier do mesmo patamar de Stanley Kubrick que, além de ser um mestre visual, busca inovações em todos os gêneros do cinema. (Claro que Kubrick tinha mais acertos do que erros, mas aí seria uma outra questão…)

E pra comprovar que não é exagero, Lars tem conseguido atrair atores queridinhos de Hollywood. Além da Mary Jane de Homem-Aranha, Kirsten Dunst, temos Christian Slater (Entrevista com o Vampiro), Jamie Bell (Billy Elliot), Uma Thurman (Kill Bill vol. 1 e 2), Connie Nielsen (Gladiador), Willem Dafoe (Homem-Aranha), Stellan Skarsgård (The Avengers – Os Vingadores) e até o astro de Transformers, Shia LaBeouf.

Elenco de Nymphomaniac numa foto que tenta recriar as ilusões sexuais

Elenco de Nymphomaniac numa foto que tenta recriar as “ilusões” sexuais. Ao fundo à esquerda, o diretor Lars von Trier com uma câmera e a boca tapada por um silver tape. Homenagem à Cannes?

Voltando ao Nymphomaniac, cada um dos atores do filme estrelou seu pôster num momento bastante íntimo do orgasmo. Obviamente, já houve críticos ferrenhos contra essa arte, mas vale lembrar que estamos numa geração em que o livro best-seller, “Cinquenta Tons de Cinza”, é sobre sadomasoquismo e otras coisitas más. Obviamente, um pôster está muito mais suscetível aos olhos de uma criança que passeia pelo cinema do que um livro. Fica meio difícil para um pai ou uma mãe responder à pergunta: “Mãe, por que ela está com essa cara?”. Que fique claro que não sou a favor de NENHUM tipo de censura, mas por salas de cinema serem frequentadas por crianças, talvez os distribuidores e os exibidores devam analisar o melhor local para que esses pôsteres sejam admirados pelo público adulto. Se a rede Cinemark exibir o filme, talvez seja uma estratégia a seguir, mas se Nymphomaniac se limitar a salas de público adulto como Reserva Cultural, não haveria problema algum.

Lembrando que já está acertada a sequência The Nymphomaniac – Part 2, sem previsão de estréia. Enquanto isso, confira os demais pôsteres de Nymphomanic (posters by http://blogs.indiewire.com/theplaylist):

nymphomaniac_slater

Christian Slater

nymphomaniac_mia

Mia Goth

nymphomaniac_shia

Shia LaBeouf

nymphomaniac_stellan

Stellan Skarsgård

nymphomaniac-willem

Willem Dafoe

Jens Albinus

Jens Albinus

Connie Nielsen

Connie Nielsen

Nicolas Bro

Nicolas Bro

Udo Kier

Udo Kier

 

Sophie Kennedy Clark

Sophie Kennedy Clark

 

Stacy Martin

Stacy Martin

 

Uma Thurman

Uma Thurman

 

 

Oscar 2013 menos dependente do Globo de Ouro

Será que em 2013 essa realidade muda? (ilustração pelo site Hollywood Reporter)

Nos últimos anos… ou melhor, nas últimas décadas, o Oscar tem se tornado uma premiação cada vez mais previsível, tanto nas indicações, quanto nos vencedores. Hoje existem até regrinhas que facilitam nas previsões dos vencedores para ganhar aquele bolão ou aquela promoção do site do Cinemark! Sob a perspectiva otimista, o Oscar se tornou aquele reconhecimento final da temporada, aquele que fecha com chave de ouro. Já pela perspectiva pessimista, o Oscar tem sido atropelado pelos demais prêmios, perdendo por completo aquele frescor. Lembro que em 2004, ano que O Senhor dos Anéis – O Retorno do Rei levou tudo, foi uma das edições mais fracas e previsíveis que já vi.

Há alguns anos, os membros da Academia queriam mudar esse cenário a fim de valorizar mais a estatueta dourada. Além de terem aumentado o número de indicados para Melhor Filme a partir de 2010, a primeira grande investida nesse sentido foi a evolução no sistema de votação. Até o ano passado, os votantes ainda recebiam envelopes pelo correio! A partir de 2013, se nenhum hacker estiver desocupado, os votos serão computados online. Esse movimento teria duas grandes vantagens: 1) Ecologicamente sustentável (evitando o desperdício óbvio de papel e tinta) e 2) A agilidade no processo de votação.

Para fechar essa estratégia para um Oscar menos previsível, a Academia acaba de anunciar que as indicações serão divulgadas no dia 10 de janeiro, 3 dias antes da cerimônia do Globo de Ouro. Concordo que as indicações do Globo de Ouro, que serão anunciadas no dia 13 de dezembro deste ano, ainda servirão como termômetro para o Oscar, mas só o fato de não depender tanto dos vencedores do prêmio da Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood já dá uma bela embaralhada para confundir os gurus que prevêem os resultados.

Os vencedores nas categorias de atuação no Globo de Ouro: (da esq para direita) George Clooney, Michelle Williams, Meryl Streep e Jean Dujardin. Os dois últimos levaram o Oscar.

Apesar da notícia afetar diretamente o Globo de Ouro, essa alteração no calendário certamente acarretará em modificações nos demais prêmios da temporada. SAG Awards (sindicato de atores), DGA (diretores), PGA (produtores), WGA (roteiristas) e o BAFTA (prêmio da Academia Britânica). Ninguém quer ficar por último nessa corrida, porque depois que o Oscar revela os vencedores, nenhum outro prêmio importaria.

Em tais circunstâncias, o maior receio ficaria por conta do prazo para se analisar se um filme está apto a receber uma indicação. Como a maioria das produções destinadas ao Oscar estréiam em dezembro, quase na virada do ano, muitos votantes e cinéfilos passam a se preocupar se haverá tempo hábil para conferir todos os candidatos.

A Universal Studios é o primeiro grande estúdio de Hollywood que já se pronunciou sobre essa alteração, já que sua melhor aposta, a adaptação musical Les Miserables, pode ter sua estréia adiada para o dia 25 de dezembro porque não estaria 100% pronta. Esta seria a última data dentro do prazo estipulado pela Academia para concorrer em 2013. Além dessa preocupação, o filme de Tom Hooper pode não participar da disputa pelo Globo de Ouro e pelo New York Film Critics Circle (NYFCC) Awards.

Anne Hathaway em Les Miserables: vamos torcer para que esteja pronto a tempo para o Oscar 2013

Enfim, vai ser um baita congestionamento nas últimas semanas de dezembro: teremos Zero Dark Thirty, de Kathryn Bigelow; o drama do tsunami The Impossible, de Juan Antonio Bayona; e o western Django Livre, de Quentin Tarantino. Será que isso acelera as coisas aqui no Brasil também ou até isso vai chegar atrasado por aqui?

O Artista (The Artist), de Michel Hazanavicius (2011)

O Artista, de Michel Hazanavicius

A essência do Cinema em O Artista reconquista o público da era 3D

Não resisti aguardar até a estréia do filme e fui conferir o tão comentado trabalho de Michel Hazanavicius em pré-estréia. Talvez com receio da típica “recepção calorosa” do público da rede Cinemark dos shoppings com filmes alternativos, resolvi ver o filme num complexo de rua. Felizmente, a escolha surtiu efeito. A sala estava lotada e toda calada de seres humanos (não os animais que costumo criticar). Parecia um sonho! Ok, como nem tudo é perfeito, tinha que ter um gordinho do meu lado respirando ofegante como Darth Vader…

Não é muito curioso um filme mudo calar o espectador numa era repleta de efeitos visuais e de 3D? Fiquei estupefato. Se todos na sala estivessem trajados socialmente, poderia apostar que estávamos no túnel do tempo. À princípio, muita gente pode achar que se trata apenas de uma obra saudosista (o que não deixa de ser verdade também), mas O Artista resgata valores básicos que o Cinema proporciona desde o início do século XX. Não importa qual o orçamento milionário de uma produção, elenco de celebridades e a tecnologia aplicada, um bom filme sempre tem como base uma história bem contada (infelizmente, com tantas cifras a cuidar, muitos produtores atuais ainda se esquecem desse detalhe primário).

George Valentin passando a tocha para Peppy Miller

À respeito da história em si, O Artista reconta o momento em que o som chegou às produções hollywoodianas no final dos anos 20, e como esse fato alterou a vida do protagonista, o ator e astro do cinema mudo, George Valentin (uma óbvia referência ao jovem Rodolfo Valentin), vivido pelo ótimo Jean Dujardin. Ainda em seu auge, ele dá uma oportunidade para a desconhecida Peppy Miller (a bela Bérènice Bejo) estrelar ao seu lado. Contudo, com a revolução sonora, Valentin abraça seu orgulho e afunda juntamente com o cinema mudo, enquanto Peppy decola em Hollywood com os chamados talkies (filmes falados). O único laço que os mantêm unidos é uma paixão secreta. Pra ser bem sincero, a trama lembra bastante o musical Cantando na Chuva, de Gene Kelly e Stanley Donen, mas no lugar da música e das coreografias, Hazanavicius usufruiu da ausência de som e de cor pra contar sua história.

Apesar da história ser bastante simples, bem na base do “boy meets girl”, o roteiro consegue sustentar o filme mudo. Já que não podia contar com o som, o diretor explora com precisão suas demais ferramentas, evitando até o excesso das placas com diálogos, pois conta com as expressões faciais e corporais de seus atores centrais. Particularmente, Dujardin é dono de um timing cômico impecável. Como se não bastasse, a trilha musical de Ludovic Bource consegue a proeza de substituir as próprias vozes das personagens.

Jean Dujardin e Bérènice Bejo: química perfeita

Entretanto, apesar de tantas qualidades, não foi um caminho fácil para O Artista. Logo em sua estréia no último Festival de Cannes, muitos jornalistas torceram o nariz antes da sessão por se tratar de um filme mudo e em preto-e-branco, mas bastaram 10 minutos de projeção para mudar a opinião de muitos, tanto que Dujardin saiu premiado como melhor ator. Mais recentemente, em Janeiro, o filme levou 3 Globos de Ouro: filme, ator e trilha musical e pelo SAG Awards, levou melhor ator para Jean Dujardin, que conquistou público e crítica em parceria também com o seu cãozinho Uggie.

Uggie posando com o Globo de Ouro de Melhor Filme (by Kevin Winter)

Agora o filme caminha como um favorito com 10 indicações ao Oscar. Muitos podem não crer numa vitória de Melhor Filme por se tratar de uma produção francesa, mas 2 fatores de peso podem fazer a diferença: 1. A distribuidora nos EUA é a Weinstein Company, cujos produtores foram responsáveis pelas vitórias de Shakespeare Apaixonado e O Paciente Inglês no Oscar. 2. O filme é mudo e as placas de diálogo são em Inglês, ou seja, não há aquela barreira da legenda que os norte-americanos odeiam (porque ver um filme e ler legendas atrapalha e cansa).

E outro adendo em relação ao Oscar: Particularmente, acredito que Bérènice deveria ter sido indicada como Melhor Atriz pela importância de sua personagem na trama, mas concorre como coadjuvante porque os produtores acreditam que suas chances seriam maiores dessa maneira. Sim, estratégias mirabolantes para ganhar mais um prêmio e alavancar as cifras.

A estonteante Bérènice Bejo preenche a tela

Mas por que tanto alarde por um filme mudo? Seria apenas por esse paradoxo do antigo com o muito novo das salas de cinema? Não. O filme francês carrega o grande mérito de provar ao grande público que ainda é possível se emocionar sem som, transformando o próprio Cinema numa linguagem universal. Obviamente, não se trata de uma tarefa fácil. Não é apenas tirando o som e a cor que o mundo vai encher seu filme de prêmios. Michel Hazanavicius confessa que estudou detalhadamente os filmes de John Ford, Fritz Lang e Tod Browning a fim de trabalhar a metalinguagem de forma que respeite a linguagem desse cinema. E para aquele espectador que nunca teve a oportunidade de assistir a um bom filme mudo de Charles Chaplin na tela do cinema através de uma mostra especial, esta pode ser uma oportunidade única de viajar no tempo e se encantar com a fábula como uma criança.