A DELICADEZA do CINEMA ASIÁTICO de ‘ASAKO I & II’

Asako

Baku (Masahiro Higashide) e Asako (Erika Karata) em Asako I & II (pic by IMDb)

ENQUANTO A TRAMA RESSALTA A INCONSTÂNCIA HUMANA, A DIREÇÃO ENRIQUECE NOSSO PODER DE OBSERVAÇÃO

Asako e Baku vivem um romance intenso e avassalador, porém, certo dia, o temperamental Baku desaparece. Dois anos mais tarde, depois de se mudar de Osaka para Tóquio, Asako encontra o duplo perfeito de Baku.

Quando li esta sinopse antes de ver o filme, na hora me veio na cabeça uma versão feminina e asiática de Um Corpo que Cai (Vertigo), de Alfred Hitchcock. No lugar de Kim Novak, um japonês idêntico a outro. Ou num segundo momento, uma ficção científica que pudesse explicar de algum modo a existência de um duplo. Clonagem talvez? Mas quando começou o filme, nada disso mais importava.

Logo de cara, vemos o encontro casual de Asako e Baku num museu em Osaka. Pelo jeito descontraído e bastante largado, Baku chama a atenção dela, mas nada acontece por sua vontade. Contudo, poucos minutos depois, o casal se reencontra fora do museu, e de um jeito bem clichê com câmera lenta, os dois se olham como se o destino tivesse planejado. Só que, ao contrário dela, ele toma a atitude e caminha em sua direção: “Qual seu nome?”. Assim na lata? Sim. Eles brevemente discutem sobre o ideograma do nome de Asako e eles se beijam de forma relâmpago. O modo como tudo aconteceu encanta Asako e o jeito misterioso e imprevisível de Baku a conquista.

Como a sinopse já canta, Baku desaparece um dia do jeito como ela narra. Assim do nada, depois de dois anos de relacionamento. Aí a vida segue. Ela se muda para Tóquio e passa a trabalhar numa cafeteria. Porém, o destino age novamente, e pra qual empresa ela faz café? Pra empresa de Ryohei, o duplo de Baku. Após o baque, sentimentos afloram e começa tudo de novo. Vale se apaixonar pela mesma pessoa, mas com a personalidade diferente? Ao contrário de Baku, o novo pretendente é correto, dedicado, enfim, “pra casar”.

Asako and Ryohei

Asako com Ryohei em Asako I & II (pic by IMDb)

Asako enfrenta dois turbilhões. O primeiro quando surge a cópia de Baku. E cinco anos depois, quando ressurge o próprio Baku. Como lidar com as duas situações? Do jeito quieto e bem introvertido, ela busca respostas e procura se guiar pelos seus sentimentos. O que acontece depois pode soar previsível para alguns espectadores (talvez aqueles aficionados em “doramas”), mas para mim, foi uma surpresa, e que me fez questionar se realmente vamos entender o ser humano um dia.

Contudo, como cinéfilo que aprecia o cinema asiático, o que realmente importa em Asako I & II é a delicadeza com que o diretor Ryûsuke Hamaguchi constrói lentamente o segundo relacionamento, como se cria a confiança com base na cumplicidade, e como tudo pode ruir com uma simples trinca. Numa de minhas cenas favoritas, que pode não significar muito para a maioria, Ryohei retorna para o apartamento onde moram após dirigir uma longa viagem de trabalho voluntário. Cansado, ele desaba no chão, e em seguida, Asako retira seus sapatos e suas meias para então começar a massagear os pés dele como forma de gratidão.

Se você gosta de cinema asiático, mais precisamente japonês, assista a Asako I & II. Será difícil não se envolver e se encantar com a trama, os personagens e a forma como eles se relacionam. E para quem está mais habituado a um cinema mais comercial e estiver um pouco saturado dele, busque novos ares com esse filme. Será uma ótima indicação para quem sabe apreciar melhor o cinema oriental sem depender exclusivamente de Akira Kurosawa, por exemplo.

E para quem curte gatos, o felino de Asako, Jintan, é um show à parte. Ele parecia adestrado de forma natural nas cenas.

Asako Cat Jintan

Jintan, o gato que nasceu pra estrelar filmes com Masahiro Hagashide.

AVALIAÇÃO: ÓTIMO 8/10
CHANCES DE OSCAR: Nenhuma. O representante do Japão foi Assunto de Família, que já está na pré-lista do Oscar de Filme em Língua Estrangeira. Vale lembrar que Asako I & II estava na competição pela Palma de Ouro em Cannes deste ano.

ASAKO I & II (Netemo Sametemo). Dir: Ryûsuke Hamaguchi. ELENCO: Erika Karata, Masahiro Higashide, Sairi Itô, Kôji Nakamoto, Kôji Seto, Misako Tanaka, Daichi Watanabe e Rio Yamashita.

ESTRÉIA: 20/12/18 em São Paulo (Espaço Itaú de Cinema e Belas Artes), Aracaju, Belo Horizonte, Brasília, Rio De Janeiro e Salvador.
No dia 26/12 em Fortaleza. E em início de janeiro: Porto Alegre, Recife, Goiânia. Teresina e Curitiba. Consulte a programação! Censura: 12 anos.

NOTA DE AGRADECIMENTO: Flávia Miranda do ProCultura e Zeta Filmes.

Asako poster

Anúncios