ANNIE AWARDS: NETFLIX PREDOMINA com ‘KLAUS’ e ‘PERDI MEU CORPO’

Design sem nome (18)

NETFLIX: Klaus vence Melhor Longa de Animação, e Perdi Meu Corpo vence Animação Independente

COM DISNEY QUASE FIGURANTE, ANNIE AWARDS SE RENDE À NETFLIX

Enquanto o Oscar ainda tem rusgas com a Netflix, o prêmio especializado em animações reconhece a força criativa dela, que faltou aos grandes estúdios da Disney, Pixar e Dreamworks, que competiram com sequências. Na premiação, ocorrida neste último sábado, dia 26, o reinado da Disney ficou ameaçado pela empresa de streaming, que deixou de ser uma criadora de conteúdo insignificante para começar a ganhar prêmios importantes e espaço no coração do público direcionado diretamente para sua plataforma.

Claro que a Netflix ainda tem um longo caminho para percorrer para alcançar o status de uma Disney, mas esse respiro de originalidade de suas animações serviu como ótimo contraponto à estagnação de idéias originais que a Pixar sempre primou. Curiosamente, o grande vencedor da noite, Klaus, soube reciclar velhas idéias de animações da própria Disney através de uma trama natalina com aqueles elementos de magia de fim de ano. Porém, não limitou sua inventividade à trama, mas na técnica de animação que foi feita à mão, em 2D, mas com uma iluminação tridimensional inédita. E outro adendo importante: o design dos personagens foge daquele formato 3D que já estamos cansando de ver na Disney e Pixar, tanto que acabou sendo premiado justamente nesta categoria de Design de Personagens.

Klaus se tornou o recordista de prêmios ao levar no total sete Annies, com um aproveitamento de 100% em suas sete indicações. O diretor Sergio Pablos venceu como Diretor e como Melhor Storyboard, enquanto a animação também conquistou Melhor Design, Design de Produção e Editorial. Pra quem ficou curioso, Sergio Pablos já foi supervisor de animação da Disney em Tarzan (1999) e Planeta do Tesouro (2002), e seu estúdio The SPA Studios desenvolveu as histórias de Meu Malvado Favorito (2010) e PéPequeno (2018).

Quando o filme foi lançado no último mês de novembro, o pôster nos indicava uma animação mais genérica que passou a ser impulsionada pela campanha publicitária da Netflix. Depois da indicação do filme ao Oscar, conferimos a animação com certos preconceitos, mas fomos conquistados pelo belo visual da animação, pela dublagem excelente (especialmente de Jason Schwartzman como Jesper – se puderem, assistam com áudio original) e, por incrível que pareça, pela magia da história, que explorou os primórdios e a essência do que significa Natal. É uma animação que facilmente agradará o público infantil e o adulto, algo que a Pixar conseguia em 100% de suas animações.

Também da Netflix, a animação francesa Perdi Meu Corpo conquistou três Annies: Animação Independente, Trilha Musical para Dan Levy e Roteiro. Pra quem não conferiu a animação, a trama se divide em duas partes: uma acompanha Naoufel que se apaixona por Gabrielle, e a outra acompanha uma mão decepada (sim, estilo o Coisa de A Família Addams) pela cidade em busca de seu corpo. Aliás, as melhores cenas são da mão. Os movimentos da mão são impressionantes. A composição musical realmente é belíssima, e merecia até uma indicação ao Oscar.

Além desses 10 prêmios, a Netflix conquistou mais 9 em produções de formato televisivo como as séries animadas BoJack Horseman e Love, Death & Robots, que teve David Fincher na produção.

Já a Disney ficou com  cinco prêmios, sendo os destaques a premiação de Melhor Dublagem para Frozen 2 (Josh Gad fazendo a voz de Olaf) e de Melhor Animação de Personagens em Live Action para Vingadores: Ultimato. Enfim, um ano para esquecer da Disney, mas que sirva como incentivo a criar e/ou apoiar produções mais criativas. Inclusive, somos muito críticos dessa onda recente de live actions de animações. Pelo porte colossal da empresa, eles deveriam se arriscar mais em termos de originalidade, ou pelo menos ter um selo menor que tenha criatividade como essencial, senão ficará refém de suas próprias criações antigas eternamente.

Ainda nessa linha de raciocínio, tomara que perca, pelo segundo ano consecutivo (ano passado o vencedor foi Homem-Aranha no Aranha-Verso, da Sony), o Oscar de Longa de Animação, para que no dia seguinte, aquele chefão da empresa bata a mão na mesa de reunião e diga: “Esqueçam as sequências e reboots. Quero ver material novo!”. Sim, o Oscar tem esse poder de mudar o jogo, então, apesar de termos gostado de Toy Story 4, fica aqui nossa torcida para Klaus ou Perdi Meu Corpo.

Seguem os vencedores do 47º Annie Awards:

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Klaus, Netflix Presents A Production of The Spa Studios and Atresmedia Cine

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO INDEPENDENTE

  • Perdi Meu Corpo, Xilam for Netflix

MELHOR PRODUÇÃO ESPECIAL

  • How to Train Your Dragon Homecoming, DreamWorks Animation

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO

  • Uncle Thomas: Accounting for the Days, Ciclope Filmes, National Film Board of Canada, Les Armateurs

MELHOR VR (Vitual Reality)

  • Bonfire, Baobab Studios

MELHOR COMERCIAL

  • The Mystical Journey of Jimmy Page’s ‘59 Telecaster, Nexus Studios

MELHOR TV/Media – PRÉ-ESCOLA

  • Ask the Storybots, Episode: Why Do We Have To Recycle? JibJab Bros. Studios for Netflix

MELHOR TV/Media – CRIANÇAS

  • Disney Mickey Mouse, Episode: Carried Away, Disney TV Animation/Disney Channel

MELHOR TV/Media – PÚBLICO EM GERAL

  • BoJack Horseman, Episode: The Client, Tornante Productions  for Netflix

MELHOR FILME DE ESTUDANTE

  • The Fox & The Pigeon, Michelle Chua

MELHORES EFEITOS para TV/Media

  • Love, Death & Robots, Episode: The Secret War, Blur for Netflix; FX Artist: Viktor Németh; FX Artist: Szabolcs Illés; FX Artist: Ádám Sipos; FX Artist: Vladimir Zhovna

MELHORES EFEITOS para LONGA

  • Frozen 2, Walt Disney Animation Studios; Benjamin Fiske, Alex Moaveni, Jesse Erickson; Dimitre Berberov; Kee Nam Suong

MELHOR ANIMAÇÃO DE PERSONAGEM – TV/Media

  • His Dark Materials, Episode: 8 BBC Studios; Lead Animator: Aulo Licinio; Character: Iroek

MELHOR ANIMAÇÃO DE PERSONAGEM – Longa

  • Klaus, Netflix Presents A Production of The Spa Studios and Atresmedia Cine; Animation Supervisor: Sergio Martins; Character: Alva

MELHOR ANIMAÇÃO DE PERSONAGEM – Live Action

  • Vingadores: Ultimato, Weta Digital; Animation Supervisor: Sidney Kombo- Kintombo

MELHOR ANIMAÇÃO DE PERSONAGEM – Video Game

  • Unruly Heroes, Magic Design Studios; Character Animator: Sebastien Parodi; Characters: Heroes Kid version, Underworld NPC; Lead Animator: Nicolas Leger; Characters: Heroes (Wukong, Kihong, Sandmonk, Sanzang), All enemies (except Underworld levels) and cinematics

MELHOR DESIGN DE PERSONAGEM – TV/Media

  • Carmen Sandiego, Episode: The Chasing Paper Caper, Houghton Mifflin Harcourt Publishing and DHX Media for Netflix; Character Designer: Keiko Murayama; Characters: Carmen Sandiego, Paper Star, Player, Shadowsan, Chief, Julia Argent, Chase Devineaux

MELHOR DESIGN DE PERSONAGEM – Longa

  • Klaus, Netflix Presents A Production of The Spa Studios and Atresmedia Cine; Character Designer: Torsten Schrank

MELHOR DIREÇÃO – TV/Media

  • Disney Mickey Mouse, Episode: For Whom the Booth Tolls Disney TV Animation/Disney Channel; Director: Alonso Ramirez Ramos

MELHOR DIREÇÃO – Longa

  • Klaus, Netflix Presents A Production of The Spa Studios and Atresmedia Cine; Director: Sergio Pablos

MELHOR TRILHA – TV/Media

  • Love, Death & Robots, Episode: Sonnie’s Edge Blur for Netflix; Composer/Lyricist: Rob Cairns

MELHOR TRILHA – Longa

  • Perdi Meu Corpo, Xilam for Netflix; Composer: Dan Levy

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO – TV/Media

  • Love, Death & Robots, Episode: The Witness, Blur for Netflix; Production Design: Alberto Mielgo

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO – Longa

  • Klaus, Netflix Presents A Production of The Spa Studios and Atresmedia Cine; Production Design: Szymon Biernaki; Production Design: Marcin Jakubowski

MELHOR STORYBOARDING – TV/Media

  • Carmen Sandiego, Episode: Becoming Carmen Sandiego: Part 1, Houghton Mifflin Harcourt Publishing and DHX Media for Netflix; Storyboard Artist: Kenny Park

MELHOR STORYBOARDING – Longa

  • Klaus, Netflix Presents A Production of The Spa Studios and Atresmedia Cine; Storyboard Artist: Sergio Pablos

MELHOR ATUAÇÃO VOCAL – TV/Media

  • Bob’s Burgers, Episode: Roamin’ Bob-iday, 20th Century Fox / Bento Box Entertainment; Cast: H. Jon Benjamin Character: Bob

MELHOR ATUAÇÃO VOCAL – Longa

  • Frozen 2, Walt Disney Animation Studios; Josh Gad: Josh Gad Character: Olaf

MELHOR ROTEIRO – TV/Media

  • Tuca & Bertie, Episode: The Jelly Lakes, Tornante Productions, LLC for Netflix; Writer: Shauna McGarry

MELHOR ROTEIRO – Longa

  • Perdi Meu Corpo, Xilam for Netflix; Writer: Jérémy Clapin; Writer: Guillaume Laurant

MELHOR EDITORIAL – TV/Media

  • Love, Death & Robots, Episode: Alternate Histories Blur for Netflix; Bo Juhl; Stacy Auckland; Valerian Zamel

MELHOR EDITORIAL – Longa

  • Klaus, Netflix Presents A Production of The Spa Studios and Atresmedia Cine; Pablo García Revert

 

‘ADORÁVEIS MULHERES’, ‘FORD VS FERRARI’ e ‘PARASITA’ ESTÃO ENTRE os INDICADOS ao PGA

Design sem nome (13).jpg

Adoráveis Mulheres, Ford vs Ferrari e Parasita estão indicados ao PGA

SINDICATO DE PRODUTORES COLOCA FILME DE GRETA GERWIG E UMA PRODUÇÃO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NO PÁREO

No mesmo dia em qua a Academia Britânica divulgou sua lista de indicados, o Sindicato de Produtores (Producers Guild of America) também aproveitou o último dia antes do encerramento das votações de indicados ao Oscar ao anunciar seus indicados para dar aquela última forcinha para os filmes.

Só pra lembrar do peso do PGA na temporada, dos 30 vencedores do PGA, 21 levaram o Oscar de Melhor Filme. Assim que o Oscar alterou o número de indicados e o sistema de votação preferencial, o PGA logo acompanhou para deixar tudo nos conformes. O sindicato de produtores abriga atualmente cerca de 6 mil membros, sendo a maioria também membro da Academia, que hoje conta com cerca de 9 mil, o que explica boa parte dos mesmos vencedores.

Veja na tabela abaixo a comparação entre o PGA e o Oscar na categoria de Melhor Filme. Reparem que são oito vencedores iguais, e mesmo num ano controverso como de Green Book, o PGA previu o vencedor do Oscar.

ANO PGA FILME OSCAR FILME
2019 Green Book Green Book
2018 A Forma da Água A Forma da Água
2017 La La Land Moonlight
2016 A Grande Aposta Spotlight
2015 Birdman Birdman
2014 12 Anos de Escravidão 12 Anos de Escravidão
2013 Argo Argo
2012 O Artista O Artista
2011 O Discurso do Rei O Discurso do Rei
2010 Guerra ao Terror Guerra ao Terror

PRÊMIO DARRYL F. ZANUCK DE MELHOR PRODUÇÃO DE CINEMA:

  • 1917
    Produtores: Sam Mendes, Pippa Harris, Jayne‐Ann Tenggren, Callum McDougall
  • FORD VS FERRARI (Ford v Ferrari)
    Produtores: Peter Chernin & Jenno Topping, James Mangold
  • O IRLANDÊS (The Irishman)
    Produtores: Jane Rosenthal, Robert De Niro, Emma Tillinger Koskoff, Martin Scorsese
  • JOJO RABBIT
    Produtores: Carthew Neal, Taika Waititi
  • CORINGA (Joker)
    Produtores: Todd Phillips & Bradley Cooper, Emma Tillinger Koskoff
  • ENTRE FACAS E SEGREDOS (Knives Out)
    Produtores: Rian Johnson, Ram Bergman
  • ADORÁVEIS MULHERES (Little Women)
    Produtora: Amy Pascal
  • HISTÓRIA DE UM CASAMENTO (Marriage Story)
    Produtores: Noah Baumbach, David Heyman
  • ERA UMA VEZ EM… HOLLYWOOD (Once Upon a Time in… Hollywood)
    Produtores: David Heyman, Shannon McIntosh, Quentin Tarantino
  • PARASITA (Gisaengchung)
    Produtores: Kwak Sin Ae, Bong Joon Ho

Não houve grandes surpresas na lista. Os favoritos O Irlandês, História de um Casamento, Parasita, Coringa e 1917 estão presentes. Vale destacar a arrancada de Adoráveis Mulheres e Entre Facas e Segredos, que até então estavam limitados a outras categorias como de Roteiro. Ford vs Ferrari é a maior aposta da Disney na temporada, então era natural que estivesse nesta disputa. No caso específico de Parasita, vale lembrar que se trata de uma produção de língua estrangeira, pouco comum entre os indicados, mas que tem as melhores chances de vitória e se tornaria o primeiro em 31 anos de PGA.

Dentre as ausências, dá pra destacar Dois Papas da Netflix, The Farewell, O Caso Richard Jewell, que sofreu uma queda depois da polêmica da jornalista que insinua fazer sexo com o agente federal por notícias, e infelizmente Jóias Brutas. A ausência do filme aqui praticamente enterra quaisquer chances dos irmãos Safdie no Oscar de Melhor Filme, mas quem sabe não conseguem reconhecimento em Roteiro e Montagem?

Pelo prêmio de Longa de Animação, as estatísticas também são boas com sete acertos nos últimos dez anos:

ANO PGA ANIMAÇÃO OSCAR ANIMAÇÃO
2019 Homem-Aranha no Aranha-verso Homem-Aranha no Aranha-verso
2018 Viva: A Vida é uma Festa Viva: A Vida é uma Festa
2017 Zootopia Zootopia
2016 Divertida Mente Divertida Mente
2015 Uma Aventura Lego Operação Big Hero
2014 Frozen Frozen
2013 Detona Ralph Valente
2012 As Aventuras de Tintim Rango
2011 Toy Story 3 Toy Story 3
2010 Up: Altas Aventuras Up: Altas Aventuras
Design sem nome (14).jpg

Indicados ao PGA de Longa de Animação

MELHOR PRODUÇÃO DE ANIMAÇÃO:

  • ABOMINÁVEL (Abominable)
    Produtora: Suzanne Buirgy
  • FROZEN 2 (Frozen II)
    Produtor: Peter Del Vecho
  • COMO TREINAR O SEU DRAGÃO 3 (How to Train Your Dragon: The Hidden World)
    Produtores: Bradford Lewis, Bonnie Arnold
  • LINK PERDIDO (Missing Link)
    Produtores: Arianne Sutner, Travis Knight
  • TOY STORY 4
    Produtores: Mark Nielsen, Jonas Rivera

Neste mesmo dia, Link Perdido foi excluído do BAFTA, mas foi lembrado no sindicato, o que ainda faz com que a animação da Laika tenha chances de indicação ao Oscar. Já Abominável da Dreamworks ganha uma sobrevida na temporada, assumindo a vaga do francês Perdi Meu Corpo e de Klaus, ambos da Netflix.

Independente de quais animações vão conseguir chegar ao Oscar, Frozen 2 e Toy Story 4 parecem ser unanimidade até o momento. Contudo, não há um concorrente à altura para que possa se aproveitar da divisão de votos entre a Disney e Pixar. Nessas horas que perguntamos: Cadê você, Studio Ghibli??

MELHOR PRODUÇÃO DE SÉRIE EPISÓDICA – DRAMA

  • Big Little Lies (Season 2)
  • The Crown (Season 3)
  • Game of Thrones (Season 8)
  • Succession (Season 2)
  • Watchmen (Season 1)

MELHOR PRODUÇÃO DE SÉRIE EPISÓDICA – COMÉDIA

  • Barry (Season 2)
  • Fleabag (Season 2)
  • The Marvelous Mrs. Maisel (Season 3)
  • Schitt’s Creek (Season 5)
  • Veep (Season 7)

MELHOR PRODUÇÃO DE MINISSÉRIE

  • Chernobyl
  • Fosse/Verdon
  • True Detective
  • Unbelievable
  • When They See Us

MELHOR PRODUÇÃO DE FILMES PARA TV OU STREAMING

  • American Son
  • Apollo: Missions to the Moon
  • Black Mirror: Striking Vipers
  • Deadwood: The Movie
  • El Camino: A Breaking Bad Movie

MELHOR PRODUÇÃO DE NÃO-FICÇÃO PARA TV

  • 30 for 30 (Season 10)
  • 60 Minutes (Season 51, Season 52)
  • Leaving Neverland
  • Queer Eye (Season 3, Season 4)
  • Surviving R. Kelly (Season 1)

MELHOR PRODUÇÃO DE ENTRETENIMENTO AO VIVO & TALK SHOW

  • The Daily Show with Trevor Noah (Season 25)
  • Dave Chappelle: Sticks & Stones
  • Last Week Tonight with John Oliver (Season 6)
  • The Late Show with Stephen Colbert (Season 5)
  • Saturday Night Live (Season 45)

MELHOR PRODUÇÃO DE PROGRAMA DE COMPETIÇÃO E GAME

  • The Amazing Race (Season 31)
  • The Masked Singer (Season 1)
  • RuPaul’s Drag Race (Season 11)
  • Top Chef (Season 16)
  • The Voice (Season 16, Season 17)

Os vencedores serão conhecidos na cerimônia que acontece no dia 18 de Janeiro.

‘FROZEN 2’ e ‘LINK PERDIDO’ LIDERAM INDICAÇÕES ao ANNIE AWARDS

Design sem nome.jpg

Link Perdido, Frozen 2, Toy Story 4, Klaus e Como treinar seu Dragão 3 são os cinco indicados a Melhor Longa de Animação no Annie Awards

INDICAÇÕES AO ANNIE AWARDS DENOTAM UMA BAIXA CRIATIVIDADE EM PRODUÇÕES DE GRANDE ESTÚDIO E UM RESPIRO EM PRODUÇÕES MAIS INDEPENDENTES

Com o anúncio das indicações ao 47º Annie Awards, o Oscar da Animação, ficou evidente a predominância de sequências dos grandes estúdios: Frozen 2, Como Treinar seu Dragão 3 e Toy Story 4, dos estúdios Disney, Dreamworks e Pixar/Disney. A novidade ficou mais a cargo de estúdios menores como a Laika, que participa este ano com Link Perdido, cuja bilheteria passa longe de qualquer uma dos estúdios acima.

Apesar da fama e das bilheterias, é a Netflix que assume a liderança em termos de estúdio com maior número de indicações desta edição com um total espantoso de 39 indicações, entre longas-metragens, curtas e produções para TV e streaming. Na categoria principal de Melhor Longa de Animação, a empresa investiu pesado em Klaus, que apresenta uma história natalina. Tenho a forte impressão de que se não fosse a campanha pesada, o filme dificilmente estaria competindo nas principais categorias.

E felizmente, o Annie Awards possui uma categoria para produções independentes, cujos indicados sempre levam pelo menos um indicado ao Oscar também. Em 2019, a animação nipônica Mirai, de Mamoru Hosoda, foi o escolhido. Em 2020, dentre os cinco indicados: Buñuel in the Labyrinth of the Turtles, I Lost My Body, Okko’s Inn, Promare e Weathering With You, a produção da Netflix I Lost My Body tem as maiores chances por ter coletado alguns prêmios e elogios da crítica. E, claro, o filme já está disponível no catálogo da plataforma de streaming, o que facilita bastante sua resposta rápida do público. Se bem que, com a escassez de criatividade das grandes produções e ausência do prestigiado Studio Ghibli na competição, pode haver a inclusão de dois ou três filmes independentes na categoria do Oscar, o que pode favorecer Buñuel in the Labyrinth of the Turtles e Weathering With You.

Design sem nome (1).jpg

Indicados a Longa de Animação Independente: Buñuel in the Labyrinth of the Turtles, I Lost My Body, Promare, Okko’s Inn e Weathering With You

Segue a lista dos indicados ao 47º Annie Awards:

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Frozen 2,Walt Disney Animation Studios
  • Como Treinar o Seu Dragão 3, DreamWorks Animation
  • Klaus,Netflix Presents A Production of The Spa Studios and Atresmedia Cine
  • Link Perdido, Laika
  • Toy Story 4,Pixar Animation Studios

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO INDEPENDENTE

  • Buñuel in the Labyrinth of the Turtles,Sygnatia, Glow, Submarine, Hampa Animation Studio
  • I Lost My Body,Xilam for Netflix
  • Okko’s Inn,Madhouse
  • Promare,TRIGGER, XFLAG
  • Weathering With You,Toho Co., LTD. / STORY Inc. / CoMix Wave Films

MELHOR PRODUÇÃO ESPECIAL

  • Guava Island “Titles and Prologue,”Six Point Harness / Amazon
  • How to Train Your Dragon Homecoming,DreamWorks Animation
  • Infinity Train “The Perennial Child,”Cartoon Network Studios
  • SpongeBob SquarePants “SpongeBob’s Big Birthday Blowout,” Nickelodeon and Jonas & Co.
  • Zog, Magic Light Pictures

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO

  • Acid Rain,Animoon
  • DONT KNOW WHAT,Thomas Renoldner
  • Je sors acheter des cigarettes,Miyu Productions
  • Purpleboy,Bando à Parte, Rainbox Productions, Ambiances… asbl, Luna Blue Film
  • Uncle Thomas: Accounting for the Days,Ciclope Filmes, National Film Board of Canada, Les Armateurs

MELHOR VR (Vitual Reality)

  • Bonfire,Baobab Studios
  • GLOOMY EYES,ATLAS V
  • Kaiju Confidential,ShadowMachine

MELHOR COMERCIAL

  • Dove Self-Esteem Project x Steven Universe: “Social Media,” Cartoon Network / Dove / Chromosphere
  • Fortnite Season 7 Launch Spot,Epic Games / Screen Novelties / iam8bit
  • The Mystical Journey of Jimmy Page’s ‘59 Telecaster,Nexus Studios

MELHOR TV/Media – PRÉ-ESCOLA

  • Ask the Storybots,Episode: Why Do We Have To Recycle? JibJab Bros. Studios for Netflix
  • Elena of Avalor,Episode: Changing of the Guard, Disney Television Animation
  • Let’s Go Luna!,Episode: Dorsay Day/Honey in Paris, Brown Bag Films / 9 Story Media Group
  • Norman Picklestripes,Episode: “Pizza Pickle/The Forest Next Door,” Factory
  • Xavier Riddle and the Secret Museum,Episode: I Am Amelia Earhart, Brown Bag Films / 9 Story Media Group

MELHOR TV/Media – CRIANÇAS

  • Disney Mickey Mouse,Episode: Carried Away, Disney TV Animation/Disney Channel
  • Niko and the Sword of Light,Episode: 206: The Caterpillar Train, Titmouse and Amazon Studios
  • Rise of the Teenage Mutant Ninja Turtles,Episode: “Evil League of Mutants,” Nickelodeon Animation Studio
  • Tales of Arcadia: 3Below,Episode: A Glorious End Part 1, DreamWorks Animation
  • The Tom and Jerry Show,Episode: Calamari Jerry, Warner Bros. Animation

MELHOR TV/Media – PÚBLICO EM GERAL

  • Big Mouth,Episode: Disclosure The Movie: The Musical!, Netflix
  • BoJack Horseman,Episode: The Client, Tornante Productions  for Netflix
  • Harley Quinn,Episode: So You Need a Crew, Warner Bros. Animation
  • Tuca & Bertie,Episode: The Jelly Lakes, Tornante Productions for Netflix
  • Undone,Episode: 2. The Hospital, Tornante Company and Amazon Studios

MELHOR FILME DE ESTUDANTE

  • Con Fuerza,Nichole Tate
  • Gravedad,Anke Kletsch
  • The Fox & The Pigeon,Michelle Chua
  • Un diable dans la poche,Luce Grosjean

MELHORES EFEITOS para TV/Media

  • How to Train Your Dragon Homecoming,DreamWorks Animation; VFX Supervisor: Manuel Reyes Halaby FX Artist: Cristiana Covone; FX Artist: Koya Masubuchi; FX Artist: Jean Claude Nouchy Compositing Lead: Dustin Henning
  • Love, Death & Robots,Episode: The Secret War, Blur for Netflix; FX Artist: Viktor Németh; FX Artist: Szabolcs Illés; FX Artist: Ádám Sipos; FX Artist: Vladimir Zhovna
  • My Moon,Eusong Lee, co-produced with Chromosphere; Compositing Director: Stéphane Coëdel; Animation Director, Compositor: Natan Moura
  • Star Wars Galaxy of Adventures,Episode: Episode 115: “Stormtroopers vs. Rebels – Soldiers of the Galactic Empire,” Lucasfilm, Titmouse, Inc.; FX Animator: Araiza Tokumasu Naoki
  • Tales of Arcadia: 3Below,Episode: A Glorious End Part 1, DreamWorks Animation; Visual Effects Supervisor: Greg Lev; Visual Effects Supervisor: Igor Lodeiro; Overseas FX Supervisor: Chen Ling; Compositing Supervisor: Brandon Tyra

MELHORES EFEITOS para LONGA

  • Abominável,DreamWorks Animation; FX Supervisor: Amaury Aubel; FX Supervisor: James Jackson; FX Lead: Domin Lee; FX Supervisor: Michael Losure; FX Lead: Alex Timchenko
  • Frozen 2, Walt Disney Animation Studios; Benjamin Fiske, Alex Moaveni, Jesse Erickson; Dimitre Berberov; Kee Nam Suong
  • Link Perdido,Laika; CG Look Development Lead: Eric Wachtman; Lead CG Effects Artist: David Horsley; Senior Technical Director: Peter Stuart; Lead Technical Compositor: Timu Khodzhaev; Lead CG Lighter: Joe Strasser
  • Toy Story 4,Pixar Animation Studios; Effects Lead: Alexis Angelidis; Effects Artist: Amit Ganapati Baadkar; Effects Artist: Greg Gladstone; Effects Artist: Kylie Wijsmuller; Effects Artist: Matthew Kiyoshi Wong
  • Weathering With You,GKIDS; Key Animation: Hidetsugu Ito; VFX Artist: Yuko Nakajima; VFX Artist: Jumi Lee; Chief Photography: Ryosuke Tsuda

MELHOR ANIMAÇÃO DE PERSONAGEM – TV/Media

  • Ask the Storybots,Episode: Where Do Planets Come From? JibJab Bros. Studios for Netflix; Character Animator: Chris O’Hara; Character: Multiple Characters
  • Disney Rapunzel’s Tangled Adventure,Episode: Rapunzel and The Great Tree, Disney TV Animation/Disney Channel; Character Animator: Juliane Martin; Character: various
  • His Dark Materials,Episode: 8 BBC Studios; Lead Animator: Aulo Licinio; Character: Iroek
  • How to Train Your Dragon Homecoming,DreamWorks Animation; Character Animator: Andrew Muir; Character: All
  • Robot Chicken,Episode: Ginger Hill in: Bursting Pipes, Stoopid Buddy Stoodios; Character Animator: Scott DaRos; Character: All Characters

MELHOR ANIMAÇÃO DE PERSONAGEM – Longa

  • Frozen 2,Walt Disney Animation Studios; Character Animator: Andrew Ford; Characters: Elsa, Anna, Olaf, Kristoff, Sven
  • Como Treinar o Seu Dragão 3,DreamWorks Animation; Animation Supervisor: Dane Stogner; Characters: Toothless, Light Fury, Hiccup, Deathgrippers
  • Como Treinar o Seu Dragão 3,DreamWorks Animation; Animation Supervisor: Rani Naamani; Characters: Grimmel, Ruffnutt, Toothless, Light Fury, Hiccup, Baby Furies
  • Klaus,Netflix Presents A Production of The Spa Studios and Atresmedia Cine; Animation Supervisor: Sergio Martins; Character: Alva
  • Link Perdido,Laika; Animator: Rachelle Lambden; Characters: Multiple

MELHOR ANIMAÇÃO DE PERSONAGEM – Live Action

  • Alita: Anjo de Combate,Weta Digital; Animation Supervisor: Michael Cozens
  • Vingadores: Ultimato,Weta Digital; Animation Supervisor: Sidney Kombo- Kintombo
  • Game of Thrones – Season 8,Episode 3 “The Long Night” – Dance of the Dragons, Image Engine; Animation Supervisor: Jason Snyman; Character Rigger: Sheik Ghafoor; Creature FX Technical Director: Maia Neubig; Lookdev Artist: Michael Siegel; Texture Lead: Cheri Fojtik
  • Pokémon: Detetive Pikachu,Framestore; Animation Supervisor: Dale Newton Rigging TD: Waiyin Mendoza; Groom Technical Director: Rochelle Flynn Lookdev: Leila Gaed; Creature FX TD: Paul Jones
  • Homem-Aranha: Longe de Casa,Sony; Character Animator : Joakim Riedinger

MELHOR ANIMAÇÃO DE PERSONAGEM – Video Game

  • Gears 5– Cinematic Animation; The Coalition/ Microsoft; Lead Animator: Brian Whitmire; Characters: JD, Del, Marcus, Fahz, Reyna, Kait
  • Kingdom Hearts III,SQUARE ENIX; Character Animator: Munenori Shinagawa; Characters: Sora, Donald, Goofy, Mickey, Minnie, Daisy, Pluto, Jiminy, Yen Sid, Chip, Dale, Kairi, Riku, Xehanort, Ansem, Xemnas, Woody, Buzz, Hamm, Rex, Mike, Sulley, Boo, Jack, Gibbs, Elizabeth, Barbarossa, Will, Tia, Heartless; Character Animator: Kayoko Yajima; Characters: Sora, Donald, Goofy, Mickey, Minnie, Daisy, Pluto, Jiminy, Yen Sid, Chip, Dale, Kairi, Riku, Xehanort, Ansem, Xemnas, Woody, Buzz, Hamm, Rex, Mike, Sulley, Boo, Jack, Gibbs, Elizabeth, Barbarossa, Will, Tia, Heartless; Character Animator: Koji Hamada; Characters: Sora, Donald, Goofy, Sulley, Mike, Marshmallow, Baymax, Buzz, Woody, Ariel, Heartless; Character Animator: Koji Inoue; Characters: Sora, Donald, Goofy, Sulley, Mike, Marshmallow, Baymax, Buzz, Woody, Ariel, Heartless
  • Sinclair Snake: Museum Mischief,Chromosphere / Within; Character Animator: Tommy Rodricks; Characters: Sgt. Salamander, Sinclair Snake; Character Animator: Natan Moura; Character: Sinclair Snake; Character Animator: Nelson Boles; Characters: Various
  • Unruly Heroes,Magic Design Studios; Character Animator: Sebastien Parodi; Characters: Heroes Kid version, Underworld NPC; Lead Animator: Nicolas Leger; Characters: Heroes (Wukong, Kihong, Sandmonk, Sanzang), All enemies (except Underworld levels) and cinematics

MELHOR DESIGN DE PERSONAGEM – TV/Media

  • Carmen Sandiego, Episode: The Chasing Paper Caper, Houghton Mifflin Harcourt Publishing and DHX Media for Netflix; Character Designer: Keiko Murayama; Characters: Carmen Sandiego, Paper Star, Player, Shadowsan, Chief, Julia Argent, Chase Devineaux
  • DC Super Hero Girls,Episode: #SweetJustice Pt. 1-4, Warner Bros. Animation; Executive Producer: Lauren Faust
  • T.O.T.S.,Episode: 101AB: “You’ve Gotta Be Kitten Me”/”Whale, Hello There!”, Titmouse / Disney Junior; Lead Character Designer: John Jagusak
  • The Adventures of Rocky and Bullwinkle,Episode: Amazamoose and Squirrel Wonder: Chapter Five, DreamWorks Animation; Art Director: Chris Mitchell; Characters: Rocky, Bullwinkle, Fearless Leader, Boris, Natasha, Director Peachfuzz
  • Victor and Valentino,Episode: Know It All Cartoon Network Studios; Character Designer: Fabien Mense; Characters: Big Camazotz Bat, Baby Camazotz Bat, Regular Camatotz Bat, Don Jalapeno, Victor, Bat Swarms, Codex Heiroglyphs

MELHOR DESIGN DE PERSONAGEM – Longa

  • Abominable,DreamWorks Animation / Pearl Studio; Character Designer: Nico Marlet
  • Frozen 2, Walt Disney Animation Studios; Bill Schwab
  • Klaus, Netflix Presents A Production of The Spa Studios and Atresmedia Cine; Character Designer: Torsten Schrank
  • Um Espião Animal, Blue Sky Studios; Character Designer: José Manuel Fernández Oli; Characters: Killian, Katsu Kimura, Lance Pigeon
  • A Família Addams, MGM and BRON Creative; Character Designer: Craig Kellman

MELHOR DIREÇÃO – TV/Media

  • Ask the Storybots,Episode: How Do You Make Music? JibJab Bros. Studios for Netflix; Director: Jeff Gill
  • DC Super Hero Girls,Episode: #DCSuperHeroBoys Warner Bros. Animation; Director: Natalie Wetzig
  • Disney Mickey Mouse,Episode: For Whom the Booth Tolls Disney TV Animation/Disney Channel; Director: Alonso Ramirez Ramos
  • Rilakkuma & Kaoru,Episode: Snowman Dwarf for Netflix; Director: Masahito Kobayashi
  • Ultraman,Episode: Episode 1, Production IG, SOLA Digital Arts for Netflix; Co-Director: Kenji Kamiyama Co-Director: Shinji Aramaki

MELHOR DIREÇÃO – Longa

  • Frozen 2,Walt Disney Animation Studios; Director: Jennifer Lee Director: Chris Buck
  • I Lost My Body,Xilam for Netflix; Director: Jérémy Clapin
  • Klaus,Netflix Presents A Production of The Spa Studios and Atresmedia Cine; Director: Sergio Pablos
  • Link Perdido,Laika; Director: Chris Butler
  • Weathering With You, Toho Co., Ltd. / STORY Inc. / CoMix Wave Films; Director: Makoto Shinkai

MELHOR TRILHA – TV/Media

  • Carmen Sandiego,Episode: The Chasing Paper Caper, Houghton Mifflin Harcourt Publishing and DHX Media for Netflix; Composer/Lyricist: Jared Lee Gosselin; Composer: Steve D’Angelo; Composer: Lorenzo Castelli
  • Love, Death & Robots,Episode: Sonnie’s Edge Blur for Netflix; Composer/Lyricist: Rob Cairns
  • Seis Manos,Episode: The Empty Place, VIZ Media / Powerhouse Animation Studios; Composer: Carl Thiel
  • She-Ra and the Princesses of Power,Episode: Beast Island DreamWorks Animation; Composer: Sunna Wehrmeijer
  • The Tom and Jerry Show,Episode: Eagle Eye Jerry Warner Bros. Animation; Composer: Vivek Maddala

MELHOR TRILHA – Longa

  • AWAY,Dream Well Studios; Composer: Gints Zilbalodis
  • Frozen 2,Walt Disney Animation Studios; Composer: Christophe Beck; Composer: Frode Fjellheim; Composer/Lyricist: Kristen Anderson-Lopez; Composer/Lyricist: Robert Lopez
  • I Lost My Body,Xilam for Netflix; Composer: Dan Levy
  • Um Espião Animal,Blue Sky Studios; Composer/Lyricist: Mark Ronson; Composer: Theodore Shapiro
  • Toy Story 4,Pixar Animation Studios; Composer: Randy Newman

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO – TV/Media

  • Carmen Sandiego,Episode: Becoming Carmen Sandiego: Part 1 Houghton Mifflin Harcourt Publishing and DHX Media for Netflix; Production Design: Eastwood Wong; Production Design: Sylvia Liu; Production Design: Elaine Lee; Production Design: Linda Fong; Production Design: Emily Paik
  • Disney Rapunzel’s Tangled Adventure,Episode: Rapunzel and The Great Tree Disney TV Animation/Disney Channel; Production Design: Alan Bodner; Production Design: Brian Woods; Production Design: Steven Nicodemus; Production Design: Laura Price; Production Design: Leonard Robledo
  • Love, Death & Robots,Episode: The Witness, Blur for Netflix; Production Design: Alberto Mielgo
  • Mao Mao: Heroes of Pure Heart,Episode: EPISODE 106 “Ultraclops” Cartoon Network, Titmouse, Inc.; Production Design: Khang Le; Production Design: Chris Fisher; Production Design: Gael Bertrand; Production Design: Deodato Pangandoyon; Production Design: Howard Chen
  • The Adventures of Rocky and Bullwinkle,Episode: The Legend of the Power Gems: Chapter One, DreamWorks Animation; Production Design: Chris Mitchell; Production Design: Chris Turnham; Production Design: Tor Aunet; Production Design: DanBob Thompson; Production Design: Aaron Spurgeon

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO – Longa

  • Abominável,DreamWorks Animation; Production Design: Max Boas; Production Design: Paul Duncan; Production Design: Christopher Brock; Production Design: Cecline Da Hyeu Kim; Production Design: Jane Li
  • Como Treinar o Seu Dragão 3,DreamWorks Animation; Production Design: Pierre-Olivier Vincent; Production Design: Kirsten Kawamura; Production Design: Woonyoung Jung; Production Design: Iuri Lioi
  • Klaus, Netflix Presents A Production of The Spa Studios and Atresmedia Cine; Production Design: Szymon Biernaki; Production Design: Marcin Jakubowski
  • Link Perdido,LAIKA; Production Design: Nelson Lowry; Production Design: Santiago Montiel; Production Design: Trevor Dalmer
  • A Família Addams,MGM and Bron Creative; Production Design: Patricia Atchison; Production Design: Maisha Moore; Production Design: Chris Souza; Production Design: Jack Yu

MELHOR STORYBOARDING – TV/Media

  • Carmen Sandiego,Episode: Becoming Carmen Sandiego: Part 1, Houghton Mifflin Harcourt Publishing and DHX Media for Netflix; Storyboard Artist: Kenny Park
  • Carole & Tuesday,Episode: True Colors Bones for Netflix; Storyboard Artist: Shinichiro Watanabe
  • Love, Death & Robots,Episode: Sucker of Souls Blur for Netflix; Storyboard Artist: Owen Sullivan
  • Snoopy in Space,Episode: Mission 6: Space Sleepwalking,  Apple; Storyboard Artist: Riccardo Durante
  • Zog,Magic Light Pictures; Storyboard Artist: Max Lang

MELHOR STORYBOARDING – Longa

  • I Lost My Body,Xilam for Netflix; Storyboard Artist: Julien Bisaro
  • I Lost My Body,Xilam for Netflix; Storyboard Artist: Jérémy Clapin
  • Klaus,Netflix Presents A Production of The Spa Studios and Atresmedia Cine; Storyboard Artist: Sergio Pablos
  • Link Perdido,LAIKA; Storyboard Artist: Julián Nariño
  • Link Perdido,LAIKA; Storyboard Artist: Oliver Thomas

MELHOR ATUAÇÃO VOCAL – TV/Media

  • Big City Greens,Episode: Green Christmas, Disney TV Animation/Disney Channel; Voice Talent: Marieve Herington Character: Tilly
  • Bob’s Burgers,Episode: Roamin’ Bob-iday, 20th Century Fox / Bento Box Entertainment; Cast: H. Jon Benjamin Character: Bob
  • Steven Universe,Episode: Steven Universe: The Movie, Cartoon Network Studios; Cast: Sarah Stiles Character: Spinel
  • Tigtone,Episode: Episode 108 “Tigtone and the Cemetery of the Dead,” Titmouse, Inc., Babyhemyth Productions, Williams Street; Voice Actor: Debi Derryberry Character: Helpy
  • Tuca & Bertie, Episode: The Jelly Lakes, Tornante Productions, LLC for Netflix; Voice Actress: Ali Wong Character: Bertie

MELHOR ATUAÇÃO VOCAL – Longa

  • Abominável,DreamWorks Animation / Pearl Studio; Cast: Tenzing Norgay Trainor Character: Jin
  • Frozen 2,Walt Disney Animation Studios; Josh Gad: Josh Gad Character: Olaf
  • Invader Zim: Enter the Florpus,CJ Entertainment and Nickelodeon Animation Studios for Netflix; Performer: Richard Horvitz Character: Invader Zim
  • Pets: A Vida Secreta dos Bichos 2,Illumination; Cast: Jenny Slate Character: Gidget
  • Toy Story 4,Pixar Animation Studios; Cast: Tony Hale Character: Forky

MELHOR ROTEIRO – TV/Media

  • Apple & Onion, Episode: Apple’s Short Cartoon Network Studios; Writer: George Gendi; Writer: Michael Gendi; Writer: Deepak Sethi; Writer: Eric Acosta; Writer: Sean Szeles
  • Bojack Horseman,Episode: Feel-Good Story, Tornante Productions, LLC for Netflix; Writer: Alison Tafel
  • Pinky Malinky,Episode: Secret, Nickelodeon Animation Studios for Netflix; Writer: Sheela Shrinivas; Writer: Aminder Dhaliwal; Writer: Rikke Asbjoern
  • Tuca & Bertie,Episode: The Jelly Lakes, Tornante Productions, LLC for Netflix; Writer: Shauna McGarry
  • Xavier Riddle and the Secret Museum,Episode: I Am Helen Keller, Brown Bag Film / 9 Story Media Group; Writer: Meghan Read

MELHOR ROTEIRO – Longa

  • Frozen 2,Walt Disney Animation Studios; Writer: Jennifer Lee
  • Como Treinar o Seu Dragão 3,DreamWorks Animation; Writer: Dean DeBlois
  • I Lost My Body,Xilam for Netflix; Writer: Jérémy Clapin; Writer: Guillaume Laurant
  • Toy Story 4,Pixar Animation Studios; Writer: Andrew Stanton; Writer: Stephany Folsom
  • Weathering With You, Toho Co., Ltd. / STORY Inc. / CoMix Wave Films; Story By: Makoto Shinkai; Writer: Makoto Shinkai

MELHOR EDITORIAL – TV/Media

  • Big Hero 6: The Series,Episode: Prey Date, Disney TV Animation/Disney Channel; Dao Le, Joe Molinari, Charles T. Jones, David Vasquez
  • DC Super Hero Girls,Episode: #AdventuresInBunnysitting Warner Bros. Animation; Torien Blackwolf
  • Disney Mickey Mouse,Episode: Carried Away, Disney TV Animation/Disney Channel; Tony Molina
  • Green Eggs and Ham,Episode: Mouse, Warner Bros. Animation for Netflix; Margaret Hou
  • Love, Death & Robots,Episode: Alternate Histories Blur for Netflix; Bo Juhl; Stacy Auckland; Valerian Zamel

MELHOR EDITORIAL – Longa

  • Como Treinar o Seu Dragão 3,DreamWorks Animation; John K. Carr; Mark Hester; Mary Blee
  • Klaus,Netflix Presents A Production of The Spa Studios and Atresmedia Cine; Pablo García Revert
  • Link Perdido,LAIKA, LLC; Stephen Perkins
  • Pets: A Vida Secreta dos Bichos 2,Illumination; Tiffany Hillkurtz
  • Toy Story 4,Pixar Animation Studios; Axel Geddes; Torbin Xan Bullock; Greg Snyder

***

A cerimônia do 47º Annie Awards está marcada para o dia 25 de janeiro.

Star Wars Galaxy of Adventures,Episode: Episode 115: “Stormtroopers vs. Rebels – Soldiers of the Galactic Empire,” Lucasfilm, Titmouse, Inc.; FX Animator: Araiza Tokumasu Naoki

Tales of Arcadia: 3Below,Episode: A Glorious End Part 1, DreamWorks Animation; Visual Effects Supervisor: Greg Lev; Visual Effects Supervisor: Igor Lodeiro; Overseas FX Supervisor: Chen Ling; Compositing Supervisor: Brandon Tyra

Best FX for Feature

Abominable,DreamWorks Animation; FX Supervisor: Amaury Aubel; FX Supervisor: James Jackson; FX Lead: Domin Lee; FX Supervisor: Michael Losure; FX Lead: Alex Timchenko

Frozen 2, Walt Disney Animation Studios; Benjamin Fiske, Alex Moaveni, Jesse Erickson; Dimitre Berberov; Kee Nam Suong

Missing Link,Laika; CG Look Development Lead: Eric Wachtman; Lead CG Effects Artist: David Horsley; Senior Technical Director: Peter Stuart; Lead Technical Compositor: Timu Khodzhaev; Lead CG Lighter: Joe Strasser

Toy Story 4,Pixar Animation Studios; Effects Lead: Alexis Angelidis; Effects Artist: Amit Ganapati Baadkar; Effects Artist: Greg Gladstone; Effects Artist: Kylie Wijsmuller; Effects Artist: Matthew Kiyoshi Wong

Weathering With You,GKIDS; Key Animation: Hidetsugu Ito; VFX Artist: Yuko Nakajima; VFX Artist: Jumi Lee; Chief Photography: Ryosuke Tsuda

Best Character Animation – TV/Media

Ask the Storybots,Episode: Where Do Planets Come From? JibJab Bros. Studios for Netflix; Character Animator: Chris O’Hara; Character: Multiple Characters

Disney Rapunzel’s Tangled Adventure,Episode: Rapunzel and The Great Tree, Disney TV Animation/Disney Channel; Character Animator: Juliane Martin; Character: various

His Dark Materials,Episode: 8 BBC Studios; Lead Animator: Aulo Licinio; Character: Iroek

How to Train Your Dragon Homecoming,DreamWorks Animation; Character Animator: Andrew Muir; Character: All

Robot Chicken,Episode: Ginger Hill in: Bursting Pipes, Stoopid Buddy Stoodios; Character Animator: Scott DaRos; Character: All Characters

 

A BARREIRA DO BILHÃO: O Cinema das Bilheterias Massivas

jaws-box-office-lines

Filas que dobram o quarteirão de Tubarão, considerado o primeiro blockbuster da história do Cinema (pic by johnrieber.com)

O SITE IMDb FEZ UM LEVANTAMENTO DAS 44 PRODUÇÕES QUE SUPERARAM A BARREIRA DE UM BILHÃO DE DÓLARES NAS BILHETERIAS

O sucesso comercial de um filme nem sempre justifica a qualidade dele, ou vice-versa. Muitas vezes um excelente filme passa quase em branco nos cinemas para depois conquistar seu público em fitas VHS e DVD como aconteceu com Blade Runner (1982) e Um Sonho de Liberdade (1994). Esta matéria procura entender o mercado cinematográfico e confirma que os grandes estúdios não querem mais dar nenhuma chance ao fracasso e ao prejuízo.

“O QUE A MARVEL FAZ NÃO É CINEMA”

As palavras do diretor Martin Scorsese ecoaram relevantemente no último mês. Houve debates, discussões e reinterpretações por parte de cineastas, atores, crítica e público, mas a verdade é que os filmes da Marvel estão incomodando muitos profissionais da área, que perderam consideravelmente seu espaço no circuito comercial .

irishman-prem

No centro, Martin Scorsese promove seu novo filme O Irlandês pela Netflix, ao lado de Al Pacino e Robert De Niro (pic by Empire)

Partindo do princípio básico que Cinema é uma história bem contada (até mesmo os filmes experimentais têm sua narrativa), a Marvel consegue cativar seu público através de suas histórias. Claro que o elenco tem seu carisma, os efeitos visuais e sonoros são excelentes, mas é a narrativa que atrai o público para as salas, mantendo vivo o hábito das salas de projeção.

Responsável pelo planejamento da Marvel Studios, o produtor Kevin Feige soube extrair o melhor da linguagem e material dos quadrinhos e transformá-lo em uma longa série de filmes que beiram o espetáculo. Foi alguém que teve visão e soube explorá-la de forma estupenda. E, como se tratam de produções de alto custo, o estúdio, produtores e investidores, buscam retorno financeiro elevado, não apenas nas bilheterias, mas todo um marketing inteligente que vai de parques temáticos da Disney, video-games, brinquedos e até produtos escolares como cadernos e canetas.

O sucesso comercial é tão colossal, que seria impossível não ficar admirado e invejado (que o diga a DC Comics que falhou por vários anos até acertar com Aquaman). E é nessa categoria que se encaixa o comentário de Scorsese. Assim como outros diretores atuantes, ele busca seu espaço para exibir seus novos trabalhos, mas diante do cenário dominado por filmes de super-heróis, ele se viu obrigado a bater a porta da Netflix e pedir dinheiro e espaço na plataforma de streaming para seu novo O Irlandês.

Não é vergonha alguma se render à Netflix e ao streaming. Muito pelo contrário! São formas alternativas de produção de filmes (que muitas vezes não encontram meios de venda nos cinemas) e de exibição, afinal quantas casas a Netflix não alcança mundialmente? Quando estudei Cinema e lia muitos livros a respeito, todos diziam que o mais importante era seu filme alcançar o público. De que adianta ter feito um filmaço se ninguém o assiste? E o que importa se o filme não está na tela grande com caixas de som THX e DTS? Melhor ser visto num computador ou tablet do que nunca visto! Claro que o ideal seria que TODOS os filmes tivessem seu espaço no circuito comercial, mas seria algo economicamente inviável, infelizmente.

ESTRATÉGIAS PARA CONQUISTAR MAIS PÚBLICO

Mesmo a Disney ou Marvel, que são extremamente bem-sucedidos, buscam estratégias para chamar mais público. Recentemente, os grandes estúdios estão mirando cada vez mais o mercado chinês, já que se trata do maior público mundial. Para conquistá-lo, os produtores chegam a fazer versões específicas dos filmes para esse público, como aconteceu com Homem de Ferro 3, no qual a personagem chinesa interpretada por BingBing Fan sequer aparece na versão original. A franquia Transformers, que aparece duas vezes aqui, contratou a atriz Bingbing Li para viver uma das personagens em Transformers: A Era da Extinção.

Para filmar Vingadores: Era de Ultron e Pantera Negra, a Marvel optou por selecionar a Coréia do Sul como locação pelo custo mais baixo e para tentar conquistar mais espaço nas bilheterias do país, já que a nação asiática é uma das raras em que as produções nacionais arrecadam mais do que as norte-americanas. Vale lembrar que escalaram a atriz sul-coreana Claudia Kim para viver a personagem cientista Dra. Helen Cho.

E, claro, as campanhas publicitárias contam com a presença dos astros dos filmes. Robert Downey Jr. foi à China para divulgar Homem de Ferro 3. Todos os Vingadores foram à Coréia do Sul prestigiar o público. Tom Holland e Jake Gyllenhaal vieram ao evento da CCXP aqui no Brasil para divulgar Homem-Aranha: Longe de Casa em 2018, e este ano, o elenco de Star Wars: A Ascensão Skywalker marcará presença no mesmo evento, confirmando que o Brasil também é um mercado enorme para as grandes produções.

avengerskoreahead

Premiere de Vingadores: Ultimato na Coréia do Sul, com as presenças dos diretores Anthony e Joe Russo, o produtor Kevin Feige, e os atores Robert Downey Jr., Brie Larson e Jeremy Renner (pic by vitalthrills.com)

Não deixa de ser uma estratégia também a aquisição da Twentieth Century Fox pela Disney, que já tinha outras grandes corporações em seu bolso: a Marvel Studios, a LucasFilm e a Pixar Animations. Completando, na semana passada, a empresa lançou a sua própria plataforma de streaming intitulada Disney Plus, que disponibiliza filmes e séries de todos esses selos. Apesar de ainda estar em seu início, em breve deve competir com a Netflix e até ultrapassá-la em números de usuários.

disney plus_1.0

Plataforma de streaming da Disney Plus contendo produções da Disney, Pixar, Marvel, Star Wars e até National Geographic (pic by Polygon)

Tais fatores ajudam a explicar melhor os números de bilheteria desses 44 filmes que ultrapassaram a barreira de 1 bilhão de dólares, e explicam o medo que muitos profissionais da área têm do monopólio desenfreado da Disney.

GALINHA DE OVOS DE OURO

Todo grande estúdio tem sua própria galinha de ovos de ouro. No caso da Universal, eles têm nesta lista o sétimo e o oitavo filme da franquia Velozes & Furiosos. Vocês acham que eles vão parar por aí? Com um elenco relativamente mais barato e sequências de ação com automóveis, os filmes mostraram sobrevida mesmo com a saída de Paul Walker (falecido em 2013). A cada nova produção, a fórmula é a mesma: prover novas sequências de ação com carros e contratar algum nome de destaque como Charlize Theron. E no caso da nova trilogia de Jurrasic World, bastam novos tipos de dinossauros, inclusive os mutados geneticamente, e novos personagens para servirem de refeição aos animais pré-históricos.

Outra franquia que, honestamente, não vejo como conseguem atrair tanto público para assistir aos filmes é a dos Transformers! Bom, a Paramount sabe muito bem como, e pretende manter assim. O diretor Michael Bay pode não ser uma unanimidade entre cinéfilos, mas se derem uns 200 milhões de orçamento, espera-se que ele arrecade cinco vezes mais. São casos que exemplificam o famoso “em time que está ganhando não se mexe”. Por um lado temos outros artistas e cinéfilos que reclamam da mesmice, como Scorsese, por outro temos um público fiel às franquias que querem ainda mais.

Pelo lado da Pixar, as animações são sempre garantia de sucesso comercial. Apesar de ter primado pela criatividade e originalidade na década anterior com Os Incríveis, Ratatouille e Wall-E, nos últimos anos deram uma relaxada para se apoiarem nas sequências lucrativas: Carros 2, Carros 3, Os Incríveis 2, Toy Story 4, Procurando Dory e Universidade Monstros. Mesmo assim, duas dessas sequências ultrapassaram um bilhão nas bilheterias.

Aliás, as animações são um segmento naturalmente lucrativo, independente se é original ou sequência, porque são filmes destinados ao público infantil, que obriga os pais ou tios a levarem as crianças aos cinemas. Se o filme não se limitar ao universo infantil, pode conquistar os adultos também como aconteceu com Up – Altas AventurasZootopia e Homem-Aranha no Aranha-Verso, que conquistaram o Oscar de Melhor Animação também.

E para aqueles que defendem que a Academia só premia os sucessos de bilheteria, vale lembrar que apenas dois filmes nesta lista do bilhão venceram o Oscar de Melhor Filme: O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei (2003) e Titanic (1997), curiosamente ambos os filmes conquistaram onze estatuetas, mantendo um recorde histórico ao lado de Ben-Hur (1959).

ACORDO COM DIRETORES

Os grandes estúdios estão cada vez mais rígidos a fechados para novos projetos. Eles não trocam o certo pelo duvidoso, pois isto representaria um alto risco que eles não estão dispostos a correr. Por outro lado, se você lhes trouxe um bom lucro através de seu filme anterior, é muito mais fácil eles abrirem os bolsos para seu próximo projeto como uma forma de retribuição.

Olhando a lista dos 44 filmes, vemos alguns diretores que marcaram presença mais de uma vez. Christopher Nolan é um deles. O diretor britânico rendeu mais de dois bilhões com suas duas sequências do Batman de Christian Bale. Como forma de agradecimento e até investimento mais arriscado, a Warner Bros. deu carta branca (e montanhas de dinheiro) para que ele realizasse seus projetos mais pessoais como O Grande Truque (2006), A Origem (2010), Interestelar (2014) e Dunkirk (2017). Hoje, Nolan é visto como sinônimo de sucesso garantido, independente do projeto que ele toque, um privilégio cada vez mais raro no sistema industrial.

O diretor malaio James Wan também aparece duas vezes nessa lista em duas franquias diferentes, Velozes & Furiosos e Aquaman, o que certamente lhe rendeu sinal verde com bom orçamento para que ele continue filmando seus ótimos filmes de terror como Invocação do Mal, Sobrenatural e atualmente está filmando Malignant, que tem estréia marcada para 2020.

São as regras do jogo no Cinema que fazem as engrenagens rodarem e produzirem grandes sucessos. Vamos à lista dos 44 filmes mais bem-sucedidos em ordem crescente:

44. The Dark Knight43. Joker42.The Hobbit

41. Zootopia40. Alice in Wonderland39. Star Wars Episode I38. Finding Dory37. Kurassic Park36. Despicable Me 335. Pirates of the Caribbean On Stranger Tides34. Aladdin33. Rogue One32. Pirates of the Caribbean Dead Mans Chest31. Toy Story 330. Toy Story 429. The Dark Knight Rises28. Transformers Age of Extinction27. Skyfall26. The Lord of the Rings25. Transformers Dark of the Moon24. Captain Marvel23. SpiderMan Far from Home22. Aquaman21. Captain America Civil War20. Minions19. Iron Man 318. Fate of the Furious17. The Incredibles 216. Beauty and the Beast15. Frozen14. Jurassic World Fallen Kingdom13. Star Wars The Last Jedi12. Harry Potter and the Deathly Hallows part 211. Black Panther10. Avengers Age of Ultron9. Furious Seven8. The Avengers7. The Lion King6. Jurassic World5. Avengers Infinity War4. Star Wars The Force Awakens3. Titanic2. Avatar1. Avengers Endgame

RETROSPECTIVA 2018: O ANO da NETFLIX?

oscars-2018.jpg.scale.704x

Normalmente, eu posto um vídeo promocional da próxima edição do Oscar que o futuro host publica na internet, mas depois da confusão e demissão de Kevin Hart…

Olá, pessoal! Mais um ano se foi! Foi um ano bom ou ruim pra você?
Queria agradecer a todos que acompanharam o blog e a página do Facebook. Se comentaram, se leram, ou se apenas deram aquela passadinha, obrigado por seu apoio! Estou realizando este trabalho por puro prazer há 7 anos e sendo recompensado pelos seus views e participações. Agradeço bastante ao meu colaborador assíduo Hugo Cancela, aos amigos Bruna Martins, Flávia Fernandes, Antonio Lopes, Karoline Alves e Alice Ayres, e frequentadores assíduos como a rainha do Oscar Frame, Elisieli Rodrigues, Cristiano Filiciano, Miriam Moldes, Henrique Cereja, Fummanation Bonsucesso, Berto Leno, Tiago Bistaffa, Elza Vieira, Amélia Cassis, Yuri Dias, Lília Ricardo, Kátia Nunes e Verinha Dau, enfim, são tantos nomes que daria uma lista extensa! Peço desculpas por não poder incluir todos aqui!

Queria aproveitar para agradecer ao crítico Chico Fireman por me possibilitar trabalhar com as cabines de lançamentos de filmes, e pela sua generosidade e atenção!

META DE 2018

Continuando minha meta de 2017, procurei assistir mais àqueles filmes clássicos ou cults pra reduzir um pouco minha watchlist. Um que tenho orgulho de finalmente ter conferido é o clássico italiano , de Federico Fellini. Sério, eu não estava aguentando mais ver esse filme no topo da minha lista me olhando e perguntando: “E aí? Quando você vai me ver?” Eu lembro a última vez que viajei pra fora do país em 2014, eu jurava: “Antes de pegar esse avião, eu vou ver o filme do Fellini. Vai que eu morro…” Enfim, tomei coragem e assisti. Eu achava que o filme me daria uma dor de cabeça enorme, mas vi uma belíssima homenagem do diretor às mulheres que amou na vida. Ainda tenho vários do Fellini pra ver como Julieta dos Espíritos e A Doce Vida, mas quem sabe em 2019?

Falando em mestres do cinema, estou satisfeito por ter acrescido mais três obras do sueco Ingmar Bergman. Finalmente assisti a Através de um EspelhoSonata de Outono e Gritos e Sussurros. Depois de assistir aos filmes dele, é inevitável não parar pra refletir sobre a vida e a família, que são temas bem fortes na filmografia dele. O quanto realmente nos importamos com familiares diante de situações difíceis. Além do diretor levantar esses questionamentos, ainda cria obras visuais extremamente poderosas com a ajuda inestimável de atrizes do calibre de Ingrid Bergman, Liv Ullmann e Harriet Andersson.

Também consegui assistir pela primeira vez a A Mulher Faz o Homem (1939). Nunca fui muito fã do Frank Capra porque ele entrega uma visão demasiada otimista. Não que isso seja um defeito, mas sempre tive preferência por um cinema que expõe defeitos e falhas humanas, seja para o bem ou para o mal. É louvável acompanhar a luta de um jovem senador idealista contra um sistema corrupto, ainda mais hoje num Brasil que revela um novo caso de corrupção a cada dia, mas alguns personagens se tornam bidimensionais nessa visão, mesmo James Stewart.

8 Autumn Mr Smith

8½, Sonata de Outono e A Mulher Faz o Homem

Revisitei alguns diretores renomados como François Truffaut com Jules e Jim – Uma Mulher Para Dois (1962), Wim Wenders com Asas do Desejo (1987), Billy Wilder com Testemunha de Acusação (1957), e Dario Argento com Suspiria (1977), que fiz questão de conferir antes de assistir à refilmagem, que nunca estréia aqui no Brasil! E vi uma obra-prima pouco conhecida aqui intitulada O Segundo Rosto (1966), de John Frankenheimer, que apresenta uma trama de ficção científica na qual uma organização secreta oferece uma segunda chance aos ricos, alterando suas aparências e encenando a morte das pessoas que foram. Rock Hudson, que sempre teve imagem de cowboy machão mas era homossexual, caiu como uma luva no papel principal e entrega a performance de sua vida.

PIORES DO ANO

Eu tinha o costume de comentar uns dois ou três filmes que foram decepcionantes, mas a partir deste ano, já dá pra formar uma lista dos 5 piores. Reparem que todos os filmes da lista são parte de uma franquia (considerando que Venom faz parte do universo do Homem-Aranha) ou é uma refilmagem. Quando Hollywood só pensa nos números lucrativos, o Cinema perde.

Por pouco Jogador Nº 1 não entra na lista. Depois de me desapontar muito com The Post: A Guerra Secreta, vejo que Steven Spielberg deveria dar um break na carreira, sei lá, tirar um ano sabático, pra refletir sobre o que cinema representa pra ele, porque parece que ele tem feito mais filmes com cabeça de produtor ultimamente… E pior é que dos três projetos futuros dele, um é a sequência de Indiana Jones com Harrison Ford (taí outro que precisa de uma pausa longa) e o outro é a refilmagem (totalmente desnecessária) do clássico musical Amor Sublime Amor (1961). Claro que posso queimar minha língua, mas Spielberg, cadê sua criatividade?

E apesar de querer assistir de tudo, sempre dou mais prioridade aos filmes que acho que podem ser bons, afinal, se tenho pouco tempo pra ver filmes, por que gastar as horinhas preciosas com filmes que tenho quase certeza de que serão meia-boca? Nesse quesito, deixei de assistir aos possíveis candidatos desta lista: Han Solo: Uma História Star Wars (que pelo histórico de produção conturbado, só pode ser um resultado desastroso) e o Fenda no Tempo, a mega produção politicamente correta da Disney.

TOP 5 PIORES LANÇAMENTOS DO ANO

5. Venom (Venom)
Dir: Ruben Fleischer

4. Halloween (Halloween)
Dir: David Gordon Green

3. Tomb Raider: A Origem (Tomb Raider)
Dir: Roar Uthaug

2. A Freira (The Nun)
Dir: Corin Hardy

1. Jurassic World: Reino Ameaçado (Jurassic World: Fallen Kingdom)
Dir: J.A. Bayona

jurassic world fallen kingdom

Chris Pratt em cena da desastrosa sequência Jurassic World: O Reino Ameaçado (pic by OutNow.CH)

OSCAR 2018: POLITICAMENTE CORRETO NUMA CERIMÔNIA MORNA

Os produtores da cerimônia resolveram dar uma colher de chá para Jimmy Kimmel e o convidaram novamente para ser host após aquela lambança do envelope errado no ano passado. Apesar de ter acertado naquela premiação do jet ski para o discurso mais curto, ainda cometeu equívocos como aquela chocha invasão à sala de cinema do outro lado da rua, na vã tentativa de aproximar o público comum das estrelas de Hollywood.

Contudo, não dá pra culpá-lo. Os próprios organizadores resolveram baixar o tom da festa e correr risco zero para evitar erros e polêmicas. Desde o monólogo politicamente correto de Kimmel, até os números musicais bastante contidos no palco comprovaram a postura que a Academia impôs ao evento.

Quanto aos resultados, chegamos ao limite do previsível, principalmente em relação aos atores. Com Gary Oldman, Frances McDormand, Sam Rockwell e Allison Janney ganhando todos os prêmios importantes anteriores, ficou difícil surpreender o público com algum resultado inesperado. Por isso mesmo, a partir da próxima cerimônia, a data será adiantada para o mês de fevereiro com o intuito de reduzir o impacto dos prêmios que o antecedem.

Sobre os resultados, torci bastante para Corra! levar Melhor Filme, Diretor e Roteiro Original, que felizmente Jordan Peele acabou levando. Gostei das premiações de James Ivory pelo Roteiro Adaptado de Me Chame Pelo Seu Nome, de Roger Deakins finalmente levando seu Oscar por Blade Runner 2049, e de Sebastián Lelio levando o primeiro Oscar de Filme em Língua Estrangeira para o Chile por Uma Mulher Fantástica.

Design sem nome (2)

Da esquerda para a direita: Jordan Peele leva o Oscar de Roteiro Original por Corra!, Roger Deakins de Fotografia por Blade Runner 2049, e Sebastián Lelio de Filme em Língua Estrangeira por Uma Mulher Fantástica.

Em relação às categorias de atuação, os votantes da Academia deveriam repensar melhor seu modo de avaliar as interpretações. Este ano, tivemos duas performances clichês e rotuladas levando o Oscar mais por causa dos efeitos de maquiagem transformativa: Gary Oldman com próteses esbravejando como um cachorro, e Allison Janney como a mãe amarga e envelhecida pela maquiagem. Timothée Chalamet e Lesley Manville trabalharam muito mais as nuances de seus personagens, e com pouco esforço, superaram os vencedores.

NETFLIX NOS FESTIVAIS E NO OSCAR

Claro que ainda não é oficial, mas Roma pode se tornar o primeiro filme da NETFLIX indicado ao Oscar de Melhor Filme, e por que não o primeiro a ganhar a estatueta? É inevitável o espaço e a importância que a Netflix e outras plataformas de streaming como a Amazon e a Hulu estão conquistando no mercado. Já é uma realidade de trabalho para inúmeros profissionais, assim como de alto consumo.

Diante desse cenário, eu faço a seguinte indagação: “Até quando vão ficar de birra, distribuidores franceses e organizadores do Festival de Cannes?”. Enquanto essa turma ficar discutindo a permanência de um sistema ultrapassado e a linguagem cinematográfica da Netflix, a empresa está dando risada, lucrando e ainda ganhando prêmios em outros festivais! Roma ganhou o Leão de Ouro em Veneza.

Obviamente, preferi assistir ao filme de Alfonso Cuarón numa sala de cinema com projeção em tela grande e som de qualidade, mas se não pudesse, assistiria na TV de casa mesmo (com um volume que meus vizinhos reclamariam), mas assistiria! A Netflix veio para suprir um tipo de cinema que os produtores de Hollywood já não querem mais fazer, pois estão visando apenas os lucros sem margem para erros ou riscos, por isso só temos blockbusters e adaptações de best-sellers nas salas de cinema.

IMG_1165

Foto que tirei na sessão especial de Roma no Kinoplex Itaim

Eu gostaria apenas que a Netflix e outras plataformas fizessem um esforço para colocar filmes selecionados para salas de cinema. Tipo, não faço questão de ver Para Todos os Garotos que Já Amei no cinema, mas Roma é outro nível de cinema que merece uma boa projeção. Isso certamente valorizaria ainda mais os profissionais e acabaria atraindo outros a trabalhar para a empresa.

TWITTER DESTRUINDO CARREIRAS

Sabe aquele ditado “O passado não perdoa”? Graças ao Twitter, o passado voltou para atormentar e destruir as carreiras profissionais de algumas personalidades. A mais comentada foi do diretor e roteirista James Gunn, que foi demitido pela Disney de Guardiões da Galáxia Vol. 3. Quando seus tuítes de vários anos atrás voltaram à tona, viram que ele não batia muito bem. Quer dizer, as piadas de humor negro eram chocantes demais para qualquer executivo da Disney que quer preservar a imagem família feliz da empresa global. Eu entendo o lado da Disney, que seria atacada pela imprensa se não demitisse Gunn e correria sério risco de ter suas ações em queda, mas demitir por piada estúpida de Twitter de 10 anos atrás? Não poderiam dar uma chance do diretor se retratar publicamente? O cara ganhou bilhões de dólares com os dois Guardiões da Galáxia!

Twitter

Tweets antigos de James Gunn e Kevin Hart que ocasionaram em suas demissões

E no início de dezembro, o Twitter fez uma nova vítima: o ator e comediante Kevin Hart, que foi convidado pela Academia para ser host do Oscar 2019. No dia seguinte, porém, tuítes antigos dele, que denotavam uma figura pública homofóbica, foram descobertos. Certos de que ele seria crucificado, principalmente pela comunidade LGBT, os organizadores da Academia lançaram um ultimato para ele se desculpar, o que acabou não acontecendo. E dois dias depois do anúncio, Hart desistiu do cargo.

Sou totalmente contra qualquer tipo de censura. Mas os tempos são outros. Hoje, as empresas demitem por qualquer comportamento impróprio. Qualquer um. Não existe perdão de declarações do passado também, por isso, no caso do Twitter, onde os tuítes são “deletáveis”, melhor apagá-los. Evitaria desgastes como esse que a Academia passou agora.

Esses acontecimentos reabrem a velha discussão da separação entre pessoa e artista. Por exemplo, com o escândalo de Woody Allen que foi acusado de abusar da filha, inúmeras pessoas passaram a avaliar seus filmes de forma negativa por causa da acusação. Inclusive, achei patético a declaração da atriz Mira Sorvino, que alegou arrependimento de ter trabalhado com Allen no filme Poderosa Afrodite (1995), que lhe rendeu o Oscar de Atriz Coadjuvante e lançou seu nome em Hollywood. Cuspir no prato que comeu é fácil. Não aprova o comportamento dele? Basta não trabalhar mais com ele.

CRÍTICAS

Apesar da lista coroar os meus 5 favoritos do ano, obviamente é preciso mencionar outras produções que se destacaram de alguma forma. Dos blockbusters, vale citar Vingadores: Guerra Infinita, que foi a maior bilheteria do ano. Deixando meu lado de fã de quadrinhos, é preciso reconhecer esse trabalho estratégico e paciente de dez anos da Marvel Studios que culmina nesta produção, que soube contar com vários personagens sem ser maçante, e ainda apresenta com propriedade um vilão de alto nível como Thanos.

Ainda destacaria Missão: Impossível – Efeito Fallout, que pode não apresentar nada inovador, mas sem sombra de dúvida foi o melhor filme de ação do ano. É notável a entrega de Tom Cruise à franquia e como ele luta para se superar a cada filme. Falando em notabilidade, preciso mencionar o trabalho minucioso de stop motion da animação nova de Wes Anderson, Ilha dos Cachorros. Além da técnica impecável, trata-se de um design de personagens sublime. Só acho que carece um pouco mais de alma, mas talvez a Academia recompense Anderson pelas derrotas anteriores com este Oscar de Animação…

Também gostei do singelo Poderia Me Perdoar?. A história verídica me pegou pelo identificação com a protagonista: uma escritora em decadência que falsifica cartas de autores para pagar suas contas básicas. A dupla formada por Melissa McCarthy e Richard E. Grant é a melhor do ano. Espero que ambos estejam indicados no próximo Oscar. E ainda no campo do singelo, destaco também o drama Mais Uma Chance, que é da Netflix. É basicamente sobre um casal na casa dos 40 que luta para ter filho, chegando a recorrer aos ovários da sobrinha. Todos os três atores estão bem: Paul Giamatti, Kathryn Hahn e Kayli Carter.

Uma boa surpresa foi a ficção científica Upgrade. Jamais imaginei que o roteirista Leigh Whannel, de Sobrenatural e Jogos Mortais, criaria esse universo futurista onde a tecnologia seria debatida de forma divertida mas também incisiva. Infelizmente, não há previsão de estréia no Brasil, mas de qualquer forma, tem tudo para se tornar um cult movie.

E, por último, gostei de ver a nova loucura de Lars von Trier no cinema. A Casa que Jack Construiu tem um tema interessantíssimo que questiona a inteligência humana através da filosofia de um serial killer inescrupuloso. Só faço dois adendos: deveria ter abusado mais do humor negro da primeira metade, e apesar de entender os motivos do diretor, cortaria a sequência em que ele insere imagens dos filmes anteriores dele, pois não colabora com a trama e ainda abre brecha para críticas de auto-indulgência depois daquele episódio de Persona Non Grata no Festival de Cannes.

TOP 5 MELHORES LANÇAMENTOS DO ANO

5. Hereditário (Hereditary/ 2018)
Dir: Ari Aster

4. Oitava Série (Eighth Grade/ 2018)
Dir: Bo Burnham

3. Roma (Roma/ 2018)
Dir: Alfonso Cuarón

2. Asako I & II (Netemo Sametemo/ 2018)
Dir: Ryûsuke Hamaguchi

1. Em Chamas (Beoning/ 2018)
Dir: Chang-dong Lee

Burning

1º LUGAR: EM CHAMAS (Beoning), de Lee Chang-dong

TOP 5 MELHORES EM MÍDIA DIGITAL

5. O Silêncio do Lago (Spoorloos/ 1988)
Dir: George Sluizer

4. Através de um Espelho (Såsom i en spegel/ 1961)
Dir: Ingmar Bergman

3. 8½ (8½/ 1963)
Dir: Federico Fellini

2. O Parque Macabro (Carnival of Souls/ 1962)
Dir: Herk Harvey

1. O Segundo Rosto (Seconds/ 1966)
Dir: John Frankenheimer

seconds

1º LUGAR: O SEGUNDO ROSTO (Seconds), de John Frankenheimer

IN MEMORIAN

Este ano, perdemos diretores icônicos e vencedores do Oscar. Milos Forman (venceu por Um Estranho no Ninho e Amadeus) e Bernardo Bertolucci (venceu por O Último Imperador), mas no caso dele, ficou mais famoso por filmes polêmicos como O Conformista, O Último Tango em Paris e Os Sonhadores. Outro diretor que entregou importantes filmes foi Nicolas Roeg, que destaco Inverno de Sangue em Veneza, O Homem que Caiu na Terra e Bad Timing. E agora no dia 17, a diretora Penny Marshall, mais conhecida pelas comédias Quero Ser Grande e Uma Equipe Muito Especial nos deixou.

Entre os atores, indicados ao Oscar nos deixaram: Burt Reynolds (que mais chama a atenção por uma vida repleta de arrependimentos por recusa de papéis importantes), Sondra Locke (ex-mulher de Clint Eastwood), Barbara Harris e a vencedora do Oscar de Coadjuvante em 1957 por Palavras ao Vento, Dorothy Malone. Também vale citar Margot Kidder, a eterna Lois Lane do Superman do saudoso Christopher Reeve.

Dos profissionais brasileiros, demos adeus às lendas Nelson Pereira dos Santos (diretor de Vidas Secas e Rio 40 Graus), Roberto Farias (diretor de Assalto ao Trem Pagador e dos filmes do cantor Roberto Carlos como Roberto Carlos em Ritmo de Aventura), e as atrizes Beatriz Segall (a eterna Odete Roitman da novela Vale Tudo) e Tônia Carrero, que brilhou nos filmes do extinto estúdio da Vera Cruz como Tico-Tico no Fubá.

Vale lembrar a perda das cantoras Aretha Franklin, cujas músicas sempre estarão em trilhas sonoras de vários filmes, e pra mim, em especial, Dolores O’Riordan, vocalista do grupo The Cranberries. A morte dela aos 46 anos (!) por afogamento após uma intoxicação alcóolica me deixou abatido por uns dias.

Demos adeus aos escritores Neil Simon, que apesar de ter sido indicado ao Oscar quatro vezes sem nenhuma vitória, tinha carreira consolidada e venerada no teatro como dramaturgo; e o roteirista William Goldman, vencedor de duas estatuetas do Oscar por Butch Cassidy e Todos os Homens do Presidente.

E não poderia falar de escritores sem mencionar Stan Lee. Embora os filmes da Marvel Studios sejam um sucesso pela estratégia de mesclar universos do produtor Kevin Feige, nada seria possível sem a inestimável contribuição criativa de Lee. Ele foi o pioneiro nos quadrinhos que enxergou a humanidade nos personagens de super-heróis, que eles poderiam ser falhos também e assim, facilitar a identificação com os leitores. Foi essa chave que até hoje gera essa conexão dos filmes com o grande público.

Stan Lee

VOTOS PARA 2019

Acho que o grande assunto no Brasil este ano foram as eleições para presidente. E o que mais fiquei chocado foi a defesa ferrenha que muitos faziam para candidatos que sequer mereciam o mínimo de confiança. Acho que depois de acompanhar tanto tempo a política brasileira, só defendo uma coisa: Nenhum político merece nossa confiança. Talvez o político em si seja até uma pessoa honesta, mas o sistema é muito corrupto e parece enraizado. Não vou nem entrar na questão das propostas, porque tem cada absurdo… Acho que o Brasil só vai pra frente com uma Reforma na Educação contando com um alto investimento.

Enfim, torço para que algo dê certo neste próximo governo. Que, de alguma forma, consigam afastar o país dessa crise, gerando mais emprego, renda e segurança, que é um problema crônico, mas sem esquecer da educação e da nossa cultura!

Apoio a diversidade de autores brasileiros, especialmente no cinema. Este ano, contamos com filmes bem distintos e alternativos como Café com Canela, As Boas Maneiras, O Animal Cordial, Arábia e Benzinho. O Cinema Brasileiro deixou de ser aquele recluso de favelas e seca no Nordeste. Se vamos ganhar o Oscar? Se dependesse apenas dos filmes, não teria dúvidas de que vai chegar a hora do Brasil, mas se a política continuar interferindo… vamos ver o cinema do Camboja, Cazaquistão e Paraguai ganhar antes da gente.

Desejo Feliz Ano Novo para todos que acompanham o blog e a página do Facebook! Que seja um ano repleto de alegrias, conquistas, saúde e paz!

Compartilhe seus melhores e/ou piores filmes que viu em 2018 nos comentários!

‘OS INCRÍVEIS 2’ e ‘WiFi RALPH: QUEBRANDO A INTERNET’ são os RECORDISTAS de INDICAÇÕES no ANNIE AWARDS

Design sem nome

Da esquerda pra direita: O Homem das Cavernas, Os Incríveis 2, Wifi Ralph: Quebrando a Internet, Ilha dos Cachorros e Homem-Aranha no Aranhaverso concorrem como Melhor Longa de Animação no Annie Awards

PRA VARIAR, PIXAR E DISNEY DOMINAM A PREMIAÇÃO DAS ANIMAÇÕES. LONGA BRASILEIRO CONCORRE COMO ANIMAÇÃO INDEPENDENTE

Depois de 7 anos da existência deste blog, vamos postar pela primeira vez sobre o Annie Awards, que é o prêmio norte-americano dedicado às animações. Como são ao todo 32 categorias (!), teremos que excluir os prêmios dos trabalhos televisivos. Além das animações, existem categorias de efeitos de animações em filmes live-action, que podem indicar algum favoritismo futuro para o Oscar de Efeitos Visuais.

Em relação às estatísticas do Annie Awards, que está em sua 46ª edição, dos últimos dez anos, SEIS que venceram o prêmio de Melhor Longa de Animação, acabaram repetindo suas vitórias no Oscar. Das quatro diferenças, duas escolhas do Annie são praticamente imperdoáveis: Como Treinar Seu Dragão batendo Toy Story 3, e Kung Fu Panda vencendo Wall-E. Não que a Pixar seja uma unanimidade, mas quando ela acerta, é difícil não entregar obras-primas do gênero.

Falando em Pixar, neste ano, Os Incríveis 2 se tornou o recordista de indicações com 11 no total, seguido de perto por Wifi Ralph: Quebrando a Internet com 10. Ambas as produções estão concorrendo como Melhor Longa de Animação com Ilha de Cachorros, Homem-Aranha no Aranhaverso e O Homem das Cavernas. Aliás, o blog do Cinema Oscar e Afins também apostou nessas cinco animações para concorrer ao Oscar no post com as 25 animações inscritas. Talvez o stop motion de O Homem das Cavernas dê seu lugar para o sucesso comercial de O Grinch, ou uma animação estrangeira que a Academia (felizmente) adora reconhecer todos os anos.

Aproveitando o assunto, dentre as animações estrangeiras, temos um trabalho brasileiro concorrendo na categoria de Melhor Longa de Animação Independente. Trata-se de Tito e os Pássaros, dirigido pelo trio Gabriel Bitar, André Catoto e Gustavo Steinberg. Com uma trama meio futurista, a animação conta com uma mistura de técnicas como a pintura, que costuma ser bem recebida na Academia (vide Com Amor, Van Gogh indicado este ano). Caso conquiste uma das cobiçadas vagas na categoria, a animação se tornaria a segunda brasileira indicada ao Oscar ao lado de O Menino e o Mundo, de Alê Abreu.

Tito e os Pássros_2

Cena da animação brasileira Tito e os Pássaros (pic by outnow.ch)

Tito e o Pássaros concorre com Ce Magnifique Gâteau!, de Emma De Swaef e Marc James Roels; MFKZ, de Shôjirô Nishimi e Guillaume Renard; Mirai, de Mamoru Hosoda; e Ruben Brandt, Collector, de Milorad Krstic.

Vale ressaltar também a ilustre presença no Annie Awards do compositor brasileiro Heitor Pereira, que concorre pela Trilha Musical da animação PéPequeno, que chegou aos cinemas nacionais em setembro.

Smallfoot

Cena da animação PéPequeno, que conta com a trilha musical de Heitor Pereira (pic by outnow.ch)

Já na categoria de Direção, o destaque vai para Genndy Tartakovsky, que conseguiu reconhecimento por Hotel Transilvânia 3: Férias Monstruosas. O que não dá pra entender foi a exclusão de Wes Anderson por Ilha de Cachorros, uma animação impecável de stop motion com 100% do DNA do diretor. Seria esta exclusão um sinal negativo para o filme durante a temporada de premiações?

E um dos principais motivos do post do Annie Awards foi pra citar a dublagem, que tem sua própria categoria. Dos cinco atores indicados, o blog conferiu três, que são dublagens espetaculares: Eddie Redmayne em O Homem das Cavernas, Holly Hunter em Os Incríveis 2 e Bryan Cranston em Ilha dos Cachorros. Todos vencedores ou indicados ao Oscar, com um incrível talento vocal pra elevar qualquer personagem animado. Incluiria ainda Tom Hiddleston também pelo O Homem das Cavernas. Ele desenvolve uma espécie de dialeto francês para seu personagem Lord Nooth que vale a pena conferir.

Design sem nome (1)

Holly Hunter, Eddie Redmayne e Bryan Cranston estão entre os indicados a Melhor Dublagem no Annie Awards

Confira lista dos indicados de cinema ao 46º Annie Awards:

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO

  • O Homem das Cavernas (Early Man), Aardman Animations
  • Os Incríveis 2 (Incredibles 2), Pixar Animation Studios
  • Ilha dos Cachorros (Isle of Dogs), Fox Searchlight Pictures/Indian Paintbrush/American Empirical Pictures
  • Wifi Ralph: Quebrando a Internet (Ralph Breaks the Internet), Walt Disney Animation Studios
  • Homem-Aranha no Aranhaverso (Spider-Man: Into the Spider-Verse), Sony Pictures Animation

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO INDEPENDENTE

  • Ce Magnifique Gâteau!, Beast Animation, Vivement Lundi!, Pedri Animation
  • MFKZ, Ankama/Studio 4ºC
  • Mirai, Studio Chizu
  • Ruben Brandt, Collector, Hungarian National Film Fund
  • Tito e os Pássros, Bits Productions, Split Studio

MELHOR PRODUÇÃO ANIMADA ESPECIAL

  • Back to the Moon
  • O Retorno de Mary Poppins
  • The Emperor’s Newest Clothes
  • The Highway Rat

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO

  • Grandpa Walrus
  • Lost & Found
  • SOLAR WALK
  • Untravel
  • Weekends

MELHORES EFEITOS ANIMADOS EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Howard Jones, Dave Alex Riddett, Grant Hewlett, Pat Andrew, Elena Vitanza Chiarani (O Homem das Cavernas)
  • Patrick Witting, Kiel Gnebba, Spencer Lueders, Joe Pepper, Sam Rickles (Hotel Transilvânia 3: Férias Monstruosas)
  • Greg Gladstone, Tolga Göktekin, Jason Johnston, Eric Lacroix, Krzysztof Rost (Os Incríveis 2)
  • So Ishigaki, Graham Wiebe (Next Gen)
  • Cesar Velazquez, Marie Tollec, Alexander Moaveni, Peter DeMund, Ian J. Coony (Wifi Ralph: Quebrando a Internet)

MELHOR ANIMAÇÃO DE PERSONAGEM EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Laurie Sitzia (O Homem das Cavernas), Personagens: Goona, Dug, Chief Bobnar, the Tribe, the rabbit e Lord Nooth
  • Lance Fite (Os Incríveis), Personagens: todos
  • Jason Stalman (Ilha dos Cachorros), Personagens: Chief e Nutmeg
  • Vitor Vilela (Wifi Ralph: Quebrando a Internet), Personagens: Ralph, Fix-It Felix, Double Dan, Vanellope Von Schweetz, Ralphzilla, Yesss, Root Beer Tapper Patrons, Pancake Bunny, Milkshake Kitty, Baby Mo, Mo’s Mom
  • David Han (Homem-Aranha no Aranhaverso), Personagens: múltiplos

MELHOR ANIMAÇÃO DE PERSONAGEM EM FILME LIVE ACTION

  • Paul Story, Sidney Kombo Kintombo, Eteuati Tema, Jacob Luamanuvae Su’a, Sam Sharplin (Vingadores: Guerra Infinita)
  • Arslan Elver, Laurent Laban, Kayn Garcia, Claire Blustin, Marc-André Coulombe (Christopher Robin)
  • Chris Sauve, James Baxter, Sandro Cleuzo (O Retorno de Mary Poppins)
  • Pablo Grillo, Laurent Laban, Kyle Dunlevy, Stuart Ellis, Liam Russell (Paddington 2)
  • Richard Oey, Adrien Annesley, Allison Orr, Wei Liang Yap, Shan Hao (O Quebra-Nozes e os Quatro Reinos)

MELHOR DESIGN DE PERSONAGENS EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Matt Nolte (Os Incríveis 2) Personagem: Todos
  • James Woods (O Retorno de Mary Poppins) Personagem: os animados
  • Marceline Tanguay (Next Gen) Personagem: múltiplos
  • Ami Thompson (Wifi Ralph: Quebrando a Internet) Personagens: Ralph, Vanellope Von Schweetz, Yesss, Maybe, Shank, Spamley, Gord, The eboy, ebay Elaine, Netuser, Netizens, Internet Troll, Slaughter Race Crew, princesas da Disney, Ralphzilla, Jimmy, Tiffany, Baby Calhoun, Pancake Bunny, Milkshake Kitty, KnowsMo
  • Shiyoon Kim (Homem-Aranha no Aranhaverso) Personagens: Uncle Aaron, Rio, Peter, Miles, King Pin, Gwen, Aunt May, Goblin, Jefferson

MELHOR DIREÇÃO DE LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Nick Park (O Homem das Cavernas)
  • Genndy Tartakovsky (Hotel Transilvânia 3: Férias Monstruosas)
  • Brad Bird (Os Incríveis 2)
  • Rich Moore e Phil Johnston (Wifi Ralph: Quebrando a Internet)
  • Bob Persichetti, Rodney Rothman e Peter Ramsey (Homem-Aranha no Aranhaverso)

MELHOR TRILHA MUSICAL EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Danny Elfman e Tyler The Creator (O Grinch)
  • Harry Gregson-Williams e Tom Howe (O Homem das Cavernas)
  • Michael Giacchino (Os Incríveis 2)
  • Henry Jackman, Alan Menken, Phil Johnston, Tom MacDougall e Dan Reynolds (Wifi Ralph: Quebrando a Internet)
  • Heitor Pereira, Karey Kirkpratick e Wayne Kirkpatrick (Pé Pequeno)

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Richard Edmunds (O Homem das Cavernas)
  • Scott Wills (Hotel Transilvânia 3: Férias Monstruosas)
  • Adam Stockhausen, Paul Harrod (Ilha de Cachorros)
  • Jeff Turley (O Retorno de Mary Poppins)
  • Justin K. Thompson (Homem-Aranha no Aranhaverso)

MELHOR STORYBOARD EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Habib Louati (O Grinch)
  • Dean Kelly (Os Incríveis 2)
  • Bobby Alcid Rubio (Os Incríveis 2)
  • Ovi Nedelcu (O Retorno de Mary Poppins)
  • Michael Herrera (Wifi Ralph: Quebrando a Internet)

MELHOR DUBLAGEM EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Eddie Redmayne (O Homem das Cavernas) Personagem: Dug
  • Holly Hunter (Os Incríveis 2) Personagem: Helen Parr / Elastigirl
  • Bryan Cranston (Ilha de Cachorros) Personagem: Chief
  • Charlyne Yi (Next Gen) Personagem: Mai
  • Sarah Silverman (Wifi Ralph: Quebrando a Internet) Personagem: Vanellope Von Schweetz

MELHOR ROTEIRO EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Brad Bird (Os Incríveis 2)
  • Mamoru Hosoda e Stephanie Sheh (Mirai)
  • Phil Johnston e Pamela Ribon (Wifi Ralph: Quebrando a Internet)
  • Phil Lord e Rodney Rothman (Homem-Aranha no Aranhaverso)
  • Michael Jelenic e Aaron Horvath (Os Jovens Titãs em Ação! Nos Cinemas)

MELHOR MONTAGEM EM LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Chris Cartagen (O Grinch)
  • Stephen Schaffer, Anthony J. Greenberg, Katie Schaefer Bishop (Os Incríveis 2)
  • Jeremy Milton, Fabienne Rawley, Jesse Averna, John Wheeler, Pace Paulsen (Wifi Ralph: Quebrando a Internet)
  • Milorad Krstic, Marcell Laszlo, Laszlo Wimmer, Danijel Daka Milosevic (Ruben Brandt, Collector)
  • Bob Fisher, Andrew Levinton, Vivek Sharma (Homem-Aranha no Aranhaverso)

***

A cerimônia acontece no dia 02 de fevereiro no Royce Hall no campus da UCLA.

25 ANIMAÇÕES INSCRITAS DISPUTAM as INDICAÇÕES ao OSCAR 2019

Isle of Dogs

Atari e seus novos amigos caninos em Ilha de Cachorros (pic by IMDb)

WES ANDERSON PODE CONQUISTAR SUA 2ª INDICAÇÃO NA CATEGORIA E SUA 7ª NO TOTAL

Nesta quarta, dia 24, a Academia anunciou 25 produções inscritas oficialmente que concorrerão às 5 indicações na categoria de Melhor Longa de Animação. Embora as animações ainda precisem preencher todos os pré-requisitos para avançar, a tendência é que pelo menos 16 sejam aprovadas para que haja 5 indicados.

Na lista, chama a atenção a quantidade de animações vindas do oriente, principalmente as japonesas que totalizam sete, além de uma co-produção com a França. Contudo, ao contrário dos anos anteriores, não há nenhum forte candidato nipônico. Mesmo contando com os demais estrangeiros vindos do México, Hungria e Brasil, podemos ver um ano apenas com animações no idioma Inglês, algo que não acontece há vários anos.

Sim, temos novamente uma animação brasileira no páreo e isso é ótimo para o nosso cinema! Tito e os Pássaros, dirigida pelo trio Gabriel Bitar, André Catoto e Gustavo Steinberg, acompanha um menino e seu pai que buscam a cura de uma doença que é contraída depois que a pessoa leva um susto. Embora tenha boa técnica de animação, ainda é um azarão nas apostas pela carreira internacional ainda no início. Pode se tornar a segunda animação brasileira indicada após O Menino e o Mundo, de Alê Abreu.

Tito e os Pássaros cena

Cena da animação brasileira Tito e os Pássaros (pic by IMDb)

O favoritismo deste ano, por incrível que pareça, não é da Pixar/Disney, que aposta em Os Incríveis 2. O franco-favorito é Ilha dos Cachorros, de Wes Anderson. Com um visual arrebatador e uma técnica de stop motion afiadíssima, o longa conta a história de Atari, filho do prefeito de uma cidade japonesa, que busca seu cachorro numa ilha do lixo habitada apenas por cães banidos. A maioria dos personagens são cachorros dublados por um elenco estelar: Bryan Cranston, Scarlett Johansson, Edward Norton, Jeff Goldblum, Bill Murray, Tilda Swinton, F. Murray Abraham, além de participações de Frances McDormand e Greta Gerwig, que dubla uma ativista.

Isle-of-Dogs-Wes-Anderson

O Criador e suas crias: Wes Anderson posa com sua galeria de personagens de Ilha de Cachorros (pic by Comunidade Cultura e Arte)

Além da própria qualidade do material, Ilha dos Cachorros carrega um histórico recente de Wes Anderson no Oscar. Indicado 6 vezes sem nenhuma vitória, inclusive pela animação O Fantástico Sr. Raposo (2009), esta pode e deve ser a oportunidade de ouro para a Academia premiar um dos diretores mais prolixos da atualidade, que perdeu injustamente o Oscar de Roteiro Original por O Grande Hotel Budapeste em 2015.

As apostas mais certeiras para serem indicadas ao Oscar são: Ilha dos Cachorros, Os Incríveis 2 e Wifi Ralph: Quebrando a Internet. Fica difícil fazer uma previsão sem ter assistido a todos os concorrentes, mas vamos lá.

Pela lógica de premiações, O Homem das Cavernas pode dar as caras por se tratar do novo filme de Nick Park, diretor consagrado de stop motion, que já conquistou 4 Oscars, incluindo Longa de Animação por Wallace & Gromit: A Batalha dos Vegetais. E outra possibilidade seria  a indicação de Homem-Aranha no Aranhaverso. Já que a Academia não dá estatuetas para os longas live-action da Marvel Studios, por que não reconhecer a animação? A adaptação dos quadrinhos possui uma identidade visual muito própria que não faria feio na premiação. Quem assistiu aquela draga chamada Venom, já conferiu um trecho da animação no pós-créditos finais. Pra quem não viu, veja pelo link que vale a pena:

Seguem os 25 inscritos (as apostas estão assinaladas em laranja):

  • Ana y Bruno
    Dir: Carlos Carrera
  • O Grinch (The Grinch)
    Dir: Yarrow Cheney e Scott Mosier
  • O Homem das Cavernas (Early Man)
    Dir: Nick Park
  • Fireworks (Uchiage hanabi, shita kara miru ka? Yoko kara miru ka?)
    Dir: Akiyuki Shinbo e Nobuyuki Takeuchi
  • Have a Nice Day (Hao jile)
    Dir: Jian Liu
  • Hotel Transilvânia 3: Férias Monstruosas (Hotel Transylvania 3: Summer Vacation)
    Dir: Genndy Tartakovsky
  • Os Incríveis 2 (The Incredibles 2)
    Dir: Brad Bird
  • Ilha de Cachorros (Isle of Dogs)
    Dir: Wes Anderson
  • The Laws of the Universe – Part I
    Dir: Isamu Imakake
  • Liz and the Blue Bird (Rizu to Aoi tori)
    Dir: Naoko Yamada
  • Lu Está Livre (Yoake Tsugeru Rû no uta)
    Dir: Masaaki Yuasa
  • MFKZ (Mutafukaz)
    Dir: Shôjirô Nishimi e Guillaume Renard
  • Maquia: When the Promised Flower Blooms (Sayonara no asa ni yakusoku no hana o kazarô)
    Dir: Mari Okada
  • Mirai (Mirai no Mirai)
    Dir: Mamoru Hosoda
  • The Night Is Short, Walk on Girl (Yoru wa mijikashi aruke yo otome)
    Dir: Masaaki Yuasa
  • On Happiness Road (Hsing fu lu shang)
    Dir: Hsin Yin Sung
  • Wifi Ralph: Quebrando a Internet (Ralph Breaks the Internet)
    Dir: Phil Johnston, Rich Moore
  • Ruben Brandt, Collector
    Dir: Milorad Krstic
  • Sgt. Stubby: An American Hero
    Dir: Richard Lanni
  • Gnomeu e Julieta: O Mistério do Jardim (Sherlock Gnomes)
    Dir: John Stevenson
  • PéPequeno (Smallfoot)
    Dir: Karey Kirkpatrick e Jason Reisig
  • Homem-Aranha no Aranhaverso (Spider-Man: Into the Spider-Verse)
    Dir: Bob Persichetti, Peter Ramsey e Rodney Rothman
  • Tall Tales (Drôles de petites bêtes)
    Dir: Arnaud Bouron e Antoon Krings
  • Os Jovens Titãs em Ação! Nos Cinemas (Teen Titans Go! To the Movies)
    Dir: Aaron Horvath e Peter Rida Michail
  • Tito e os Pássaros (Tito and the Birds)
    Dir: Gabriel Bitar, André Catoto e Gustavo Steinberg

***

As indicações ao Oscar 2019 serão anunciadas no dia 22 de janeiro. E a cerimônia ocorrerá no dia 24 de fevereiro.

2018 começando com EDDIE AWARDS, PGA e WGA

get out movie 2.jpg

Corra!, de Jordan Peele, presente nas três listas citadas: Eddie, PGA e WGA (pic by imdb.com)

PRÊMIOS DE SINDICATO VÃO REVELANDO SEUS CANDIDATOS NUM ANO BEM DIVERSIFICADO

Hello, pessoal! Feliz Ano Novo! Espero que todos tenham passado bem a virada e que este ano de 2018 seja de recuperação econômica (que o termo “crise” fique no passado) e que a eleição de novembro passe a limpo esta tão corrupta política brasileira.

Como de costume, o primeiro post do ano serve para revelar os indicados ao Eddie Awards, que é o prêmio do sindicato de montadores, mas com o PGA (Producers Guild of America) se antecipando, e o Writers Guild na cola, matarei TRÊS coelhos com uma só cajadada.

ace-eddie-awards

EDDIE AWARDS

Como já citei aqui em outras ocasiões, a montagem costuma ser mais valorizada em filmes de ação como Mad Max: Estrada da Fúria, ou em narrativas não-lineares como o vencedor do ano passado A Chegada.

Assim como no Globo de Ouro, o Eddie tem duas categorias: Drama e Comédia ou Musical. Na teoria, essa divisão possibilita que as comédias não caiam no esquecimento da temporada de premiações, mas na prática, montagem de qualidade não tem gêneros. Particularmente, considero essa divisão muito prejudicial para os filmes de terror, que têm a obrigação de apresentar uma boa montagem, pois não são comédias ou musicais, e têm dificuldade de bater os dramas.

Enfim, neste ano, a categoria de drama tem como destaque Blade Runner 2049, montado pelo último vencedor Joe Walker, e Dunkirk que tem como méritos as sequências de bombardeio e o fato de ser o primeiro filme de Christopher Nolan com duração abaixo de duas horas desde Insônia (2002). Ambos competem com as montagens de The Post: A Guerra Secreta, A Grande Jogada e A Forma da Água.

Já pela categoria de comédia, a surpresa ficou por conta da inclusão de Três Anúncios Para um Crime, que vinha competindo como drama em outras premiações, inclusive no Globo de Ouro. Claro que, para quem conhece a filmografia, o diretor Martin McDonagh tem um forte apelo para comédias de humor negro, por isso seu trabalho pode ser interpretado de formas diferentes nessa questão de gênero.

Porém, o favorito desta categoria continua sendo Eu, Tonya, que tem colecionado prêmios e indicações importantes, seguido bem de perto por Em Ritmo de Fuga e Corra!, uma vez que apresentam boas cenas de ação e tensão. Curiosamente, Lady Bird, o mais legítimo representante da verve da comédia corre por fora.

I Tonya

Margot Robbie em cena de Eu, Tonya, que concorre como montagem – comédia ou musical (pic by imdb.com)

Em animação, o novo trabalho da Pixar, Viva: A Vida é uma Festa deve ser premiado, enquanto na ala dos documentários, já que um dos favoritos Faces Places (Visages, Villages) da Agnès Varda não está na lista, talvez o filme sobre protestos de Los Angeles, LA 92, fature o prêmio.

Pelas categorias televisivas, destaque para Better Call Saul e Fargo em Drama, e Curb Your Enthusiasm em Comédia.

INDICADOS AO EDDIE AWARDS:

MELHOR MONTAGEM – DRAMA
* Joe Walker (Blade Runner 2049)
* Lee Smith (Dunkirk)
* Alan Baumgarten, Josh Schaeffer, Elliot Graham (A Grande Jogada)
* Michael Kahn, Sarah Broshar (The Post: A Guerra Secreta)
* Sidney Wolinsky (A Forma da Água)

MELHOR MONTAGEM – COMÉDIA OU MUSICAL
* Jonathan Amos, Paul Machliss (Em Ritmo de Fuga)
* Gregory Plotkin (Corra!)
* Tatiana S. Riegel (Eu, Tonya)
* Nick Houy (Lady Bird: É Hora de Voar)
* Jon Gregory (Três Anúncios Para um Crime)

MELHOR MONTAGEM – ANIMAÇÃO
* Steve Bloom (Viva: A Vida é uma Festa)
* Clair Dodgson (Meu Malvado Favorito 3)
* David Burrows, Matt Villa, John Venzon (LEGO Batman: O Filme)

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO
* Aaron I. Butler (Cries From Syria)
* Joe Beshenkovsky, Will Znidaric, Brett Morgen (Jane)
* Ann Collins (Joan Didion: The Center Will Not Hold)
* TJ Martin, Scott Stevenson, Dan Lindsay (LA 92)

 

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO DE TV
* Lasse Järvi, Doug Pray (The Defiant Ones — Ep: Part 1)
* Will Znidaric (Five Came Back — Ep: The Price of Victory)
* Inbal Lessner (The Nineties” — Ep: Can We All Get Along?)
* Ben Sozanski, ACE, Geeta Gandbhir; Andy Grieve (Rolling Stone: Stories from the Edge — Ep: 01)

Best Edited Comedy Series for Commercial Television
* John Peter Bernardo, Jamie Pedroza (Black-ish — Ep: Lemons)
* Kabir Akhtar, Kyla Plewes (Crazy Ex-Girlfriend — Ep: Josh’s Ex-Girlfriend Wants Revenge)
* Heather Capps, Ali Greer, Jordan Kim (Portlandia — Ep: Amore)
* Peter Beyt (Will & Grace — Ep: Grandpa Jack)

Best Edited Comedy Series for Non-Commercial Television
MELHOR MONTAGEM DE SÉRIES DE COMÉDIA DE EPISÓDIOS DE MEIA-HORA

* Steven Rasch (Curb Your Enthusiasm — Ep: Fatwa!)
* Jonathan Corn (Curb Your Enthusiasm — Ep: The Shucker)
* William Turro (Glow — Ep: Pilot)
* Roger Nygard, Gennady Fridman (Veep — Ep: Chicklet)

MELHOR MONTAGEM DE SÉRIES DRAMÁTICAS DE EPISÓDIOS DE UMA HORA – COM COMERCIAL
* Skip Macdonald (Better Call Saul — Ep: Chicanery)
* Kelley Dixon, Skip Macdonald (Better Call Saul — Ep: Witness)
* Henk Van Eeghen (Fargo — Ep: Aporia)
* Andrew Seklir (Fargo — Ep: Who Rules the Land of Denial)

MELHOR MONTAGEM DE SÉRIES DRAMÁTICAS DE EPISÓDIOS DE UMA HORA – SEM COMERCIAL
* David Berman (Big Little Lies — Ep: You Get What You Need)
* Tim Porter (Game of Thrones — Ep: Beyond the Wall)
* Julian Clarke, Wendy Hallam Martin (The Handmaid’s Tale — Ep: Offred)
* Kevin D. Ross (Stranger Things — Ep: The Gate)

MELHOR MONTAGEM DE MINISSÉRIES OU FILMES PARA TV
* Adam Penn, Ken Ramos (Feud — Ep: Pilot)
* James D. Wilcox (Genius: Einstein — Ep: Chapter One)
* Ron Patane (The Wizard of Lies)

MELHOR MONTAGEM – SÉRIES NÃO-ROTEIRIZADAS
* Rob Butler, Ben Bulatao (Deadliest Catch — Ep: Lost at Sea)
* Reggie Spangler, Ben Simoff, Kevin Hibbard, Vince Oresman (Leah Remini: Scientology and the Aftermath — Ep: The Perfect Scientology Family)
* Tim Clancy, Cameron Dennis, John Chimples, Denny Thomas (VICE News Tonight — Ep: Charlottesville: Race & Terror)

A cerimônia do Eddie Awards acontece no dia 26 de janeiro.

***

PGA

PRODUCERS GUILD OF AMERICA (PGA)

Normalmente o filme que está na lista do PGA já tem um pé na categoria de Melhor Filme no Oscar, mas obviamente um ou outro filme deve ficar de fora. Ano passado, dos 10 indicados ao PGA, apenas Deadpool não conseguiu chegar ao tapete vermelho. Não que Deadpool precise de indicações ao Oscar, mas seria bacana ver um trabalho mais ousado e para adultos como candidato.

Seguindo a lógica e tradição, dessa nova lista, aliás, de ONZE filmes, Mulher-Maravilha deve ser o excluído da vez, mesmo num ano considerado das mulheres após os escândalos sexuais de Hollywood. Particularmente, não gosto do filme da Patty Jenkins e considero todos esses elogios e prêmios “overlooked”, mas de novo: Mulher-Maravilha não precisa de indicação ao Oscar, ainda mais depois desse sucesso estrondoso nas bilheterias.

wonder woman.jpg

Chris Pine, Gal Gadot e Lucy Davis em cena de Mulher-Maravilha (pic by imdb.com)

Bom, antes de analisar à fundo, melhor revelar os onze candidatos primeiro. Aqui vão:

MELHOR PRODUÇÃO FÍLMICA:

DOENTES DE AMOR (The Big Sick)
Produtores: Judd Apatow, Barry Mendel

ME CHAME PELO SEU NOME (Call Me By Your Name)
Produtores: Peter Spears, Luca Guadagnino, Emilie Georges, Marco Morabito

DUNKIRK (Dunkirk)
Produtores: Emma Thomas, Christopher Nolan

CORRA! (Get Out)
Produtores: Sean McKittrick, Edward H. Hamm Jr., Jason Blum, Jordan Peele

EU, TONYA (I, Tonya)
Produtores: Bryan Unkeless, Steven Rogers, Margot Robbie, Tom Ackerley

LADY BIRD: É HORA DE VOAR (Lady Bird)
Produtores: Scott Rudin, Eli Bush, Evelyn O’Neill

A GRANDE JOGADA (Molly’s Game)
Producers: Mark Gordon, Amy Pascal, Matt Jackson

THE POST: A GUERRA SECRETA (The Post)
Produtores: Amy Pascal, Steven Spielberg, Kristie Macosko Krieger

A FORMA DA ÁGUA (The Shape Of Water)
Produtores: Guillermo del Toro, J. Miles Dale

TRÊS ANÚNCIOS PARA UM CRIME (Three Billboards Outside Ebbing, Missouri)
Produtores: Graham Broadbent, Pete Czernin, Martin McDonagh

MULHER-MARAVILHA (Wonder Woman)
Produtores: Charles Roven, Richard Suckle, Zack Snyder e Deborah Snyder

OK, vamos falar mal! Não, já falei de Mulher-Maravilha… haha
Bom, a lista não tem lá grandes surpresas. Temos os filmes que não podiam faltar devido ao seu bom histórico na temporada de premiações como The Post, A Forma da Água, Três Anúncios Para um Crime, Dunkirk, Lady Bird e Corra!.

Em termos de surpresas esperadas estão a inclusão de Me Chame Pelo Seu Nome e Doentes de Amor. O primeiro por duas questões: primeiro, o filme tem decaído um pouco desde seu início arrasador com os prêmios dos críticos de Los Angeles e do Independent Spirit Awards, e segundo porque ainda é um filme LGBT que precisa quebrar a barreira do conservadorismo desses prêmios. Já o segundo teve seu melhor momento quando foi lembrado em categorias principais no Critics’ Choice Awards, mas falhou miseravelmente para estar entre os indicados a Melhor Filme – Comédia ou Musical no Globo de Ouro.

Agora, de surpresa-surpresa mesmo foi a inclusão de A Grande Jogada, que vinha sendo lembrado apenas por sua atriz Jessica Chastain e um ou outro prêmio de roteiro, que foi escrito por um dos mestres do fast dialogue Aaron Sorkin. Se esse feito se repetir no Oscar, Chastain terá grandes chances de conquistar sua terceira indicação, mesmo tendo fortes candidatas pela frente como Meryl Streep, Frances McDormand, Saoirse Ronan e Sally Hawkins. E, claro, o já citado Mulher-Maravilha, cuja inclusão mais me soa como uma atitude de “fazer a média”, ainda mais por ser o 11º filme da lista ou plus one.

Molly's Game.jpg

Kevin Costner contracena com Jessica Chastain em A Grande Jogada (pic by imdb.com)

DOS EXCLUÍDOS

que mais senti falta foi Projeto Flórida, de Sean Baker. Tudo bem que o filme não é uma unanimidade como os favoritos, mas não li nenhuma crítica negativa que pudesse desqualificá-lo… E se formos levar em conta o contexto atual, o filme dialoga com a questão das minorias e imigrantes. Não dava pra entrar nessa lista?

Tem outro filme que supostamente era pra estar aqui, porque parece que filmes de guerra são feitos pra ganhar prêmios, que é O Destino de uma Nação. Antes de começar a temporada, todo mundo falava que esse filme ganharia o Oscar e daria finalmente o Oscar para Gary Oldman. Quando começaram os prêmios da crítica, o filme sumiu do radar, e aí as pessoas se questionavam: “Será que nem o Oscar pro Gary, vai??”. Eu sei que o ator merece há tempos uma estatueta, mas começo a ter minhas dúvidas também se ele tem mesmo toda essa chance.

E também vale citar o Mudbound, que de mais relevante conquistou uma indicação ao SAG de Melhor Elenco. Tem elementos da questão racial que estão no topic trend de Hollywood, e dirigido por uma mulher negra. Pode ser o filme a roubar a cadeira de Mulher-Maravilha no Oscar.

MELHOR PRODUÇÃO DE ANIMAÇÃO:

O PODEROSO CHEFINHO (The Boss Baby)
Producer: Ramsey Naito

VIVA: A VIDA É UMA FESTA (Coco)
Producer: Darla K. Anderson

MEU MALVADO FAVORITO 3 (Despicable Me 3)
Producers: Chris Meledandri, Janet Healy

O TOURO FERDINANDO (Ferdinand)
Producers: Lori Forte, Bruce Anderson

LEGO BATMAN: O FILME (The Lego Batman Movie)
Producers: Dan Lin, Phil Lord e Christopher Miller

Na categoria de animação, não tem muito o que falar. A Pixar deve conquistar mais um PGA com este belo exemplar de inclusão de imigrantes que é Viva: A Vida é uma Festa. Sem um possível estraga-festa que poderia ser Com Amor, Van Gogh, o caminho parece bem livre para o estúdio da Disney rumo a mais um PGA.

Coco pixar.jpg

Viva: A Vida é uma Festa concorre no PGA (pic by imdb.com)

MELHOR PRODUÇÃO DE DOCUMENTÁRIO:

CHASING CORAL

CITY OF GHOSTS

CRIES FROM SYRIA

EARTH: ONE AMAZING DAY

JANE

JOSHUA: TEENAGER VS. SUPERPOWER

THE NEWSPAPERMAN: THE LIFE AND TIMES OF BEN BRADLEE

Entre os documentários, o mais frequente nas premiações tem sido o novo filme de Agnès Varda, Visage, Villages, mas com ele ausente aqui, Jane, o filme sobre a especialista em primatas Jane Goodall pode se sobressair.

Jane documentary.jpg

Imagem de arquivo do documentário Jane, estrelado por Jane Goodall (pic by imdb.com)

Os vencedores serão anunciados no próximo dia 20 no Hotel Beverly Hilton.

***

wga-awards-logo-2009

WRITERS GUILD AWARDS (WGA)

De todos esses prêmios de sindicatos, o mais chato, rígido e insignificante é o dos roteiristas. Além de ter uma série de regras desqualificatórias que acabam eliminando todos os anos importantes concorrentes, não aceitam roteiros de animações na competição. Sim, como se os roteiros de animações fossem coisa de criança.

Não à toa, roteiristas consagrados como Quentin Tarantino torcem o nariz, não é membro desse sindicato e mesmo assim, consegue ser indicado e ganhar Oscar como o fez em 2013 por Django Livre. Bom, claro que cada sindicato com seus estatutos, mas acho que poderiam pelo menos incluir uma categoria para animações. Se até o Oscar criou um prêmio para os longas de animação desde 2002, por que não o Writers Guild também?

Este ano, talvez o roteiro mais premiado até o momento foi um dos desclassificados: Três Anúncios Para um Crime, de Martin McDonagh. Com isso, teria menos chances no Oscar? Não. Além do já citado Tarantino, em 2015, o roteiro de Birdman venceu como Original depois de ter sido inelegível pelo WGA.

Felizmente, a safra de roteiros originais de 2017 pode suprir a ausência de Três Anúncios. O roteiro de Jordan Peele por Corra! compete com fortes concorrentes como Lady Bird, de Greta Gerwig, A Forma da Água, de Guillermo del Toro e Vanessa Taylor, além de Doentes de Amor, de Kumail Nanjiani, e Eu, Tonya, de Steven Rogers. Ainda dá pra citar o roteiro de Trama Fantasma, de Paul Thomas Anderson, que vinha recebendo prêmios, mas foi preterido aqui.

Já na categoria de Adaptações, curiosamente, roteiros que eram considerados certos como The Post: A Guerra Secreta e até Extraordinário ficaram de fora por motivo de escolha mesmo. Como no ano passado, quando o roteiro de Deadpool concorreu, temos outro roteiro adaptado dos quadrinhos dos X-Men na lista: Logan, escrito por Scott Frank, James Mangold e Michael Green. Não tem a originalidade e ousadia de seu antecessor, mas vale a lembrança de outro bem-sucedido filme para o público mais adulto.

Logan.jpg

Dafne Keen, Patrick Stewart e Hugh Jackman em cena de Logan, que concorre como Roteiro Adaptado no WGA (pic by imdb.com)

Entre as adaptações, os favoritos O Artista do Desastre, de Scott Neustadter e Michael H. Weber, e A Grande Jogada, de Aaron Sorkin estão concorrendo com Me Chame Pelo Seu Nome, de James Ivory (que aos 89 anos conquista sua primeira indicação ao WGA), Mudbound, de Virgil Williams e Dee Rees, além do já citado Logan.

Na categoria de documentários, temos o veterano Alex Gibney concorrendo com No Stone Unturned, além de Jane, citado nos parágrafos de PGA acima, que está pré-selecionado para o Oscar.

ROTEIRO ORIGINAL
* Emily V. Gordon & Kumail Nanjiani (Doentes de Amor)
* Jordan Peele (Corra!)
* Steven Rogers (Eu, Tonya)
* Greta Gerwig (Lady Bird)
* Guillermo del Toro e Vanessa Taylor (A Forma da Água)

ROTEIRO ADAPTADO
* James Ivory; Baseado no romance de André Aciman (Me Chame Pelo Seu Nome)
* Scott Neustadter e Michael H. Weber; Baseado no livro “The Disaster Artist: My Life Inside the Room, the Greatest Bad Movie Ever Made” de Greg Sestero e Tom Bissell (O Artista do Desastre)
* Scott Frank, James Mangold e Michael Green; Baseado nos personagens dos quadrinhos de X-Men (Logan)
* Aaron Sorkin; Baseado no livro de Molly Bloom (A Grande Jogada)
* Virgil Williams e Dee Rees; Baseado no romance de Hillary Jordan (Mudbound)

ROTEIRO DE DOCUMENTÁRIO
* Theodore Braun (Betting on Zero)
* Brett Morgen (Jane)
* Alex Gibney (No Stone Unturned)
* Barak Goodman (Oklahoma City)

A 70ª edição do WGA está marcada para o dia 11 de fevereiro.

RETROSPECTIVA 2017: BASTIDORES SEXUAIS DE HOLLYWOOD

ANO FICOU MARCADO POR ESCÂNDALOS SEXUAIS E A EXPANSÃO DA DISNEY

Saudações aos cinéfilos de plantão! Mais um ano se passou e gostaria de entediá-los com meu resumão com os filmes. Bom, primeiramente, quero agradecer a todos que curtiram, fizeram comentários ou mesmo deram aquela breve passada no blog e na página do Facebook. Continuo não ganhando nem um centavo, mas todos os feedbacks certamente são gratificantes, então obrigado!

META DE 2017 E SUAS CONSEQUÊNCIAS

Este ano tracei como meta assistir mais daqueles filmes que quando você fala que não viu, a pessoa reage com um: “Não acredito que você não assistiu!”. Então, vi alguns clássicos pela primeira vez como o neo-realista italiano Humberto D. (1952), de Vittorio De Sica, e o tocante e singelo clássico japonês de Yasujirô Ozu, Era uma Vez em Tóquio (1953). Também incluí filmes cults como Scanners – Sua Mente Pode Destruir (um David Cronenberg “tosqueira” que ficou mais marcado pela cena da cabeça que explode) e Tomates Verdes Fritos (que honestamente não entendi toda essa aura que o transformou em cult).

Dos diretores renomados, alguns filmes me surpreendi positivamente como Razão e Sensibilidade (1995), de Ang Lee (que achava que seria um drama de época sonolento), e Arizona Nunca Mais (1987), dos irmãos Coen, quando o humor deles era mais non-sense. Já outros como A Cidade dos Amaldiçoados (1995), de John Carpenter, foi bem doído assistir até o final pelo cúmulo do ridículo das cenas (Christopher Reeve mentalizando um muro de tijolos pra bloquear a telepatia das crianças foi a cena mais “chá de cogumelo” que vi este ano).

PIORES DO ANO NO CINEMA

Todo ano eu assisto a filmes que penso: “Onde eles estavam com a cabeça?”. Normalmente, são filmes cujos produtores se acham criativos demais a ponto de não necessitarem de um diretor competente por trás das câmeras. Dá pra citar dois exemplos de como Hollywood ainda tem muito a aprender:

A MÚMIA. Se essa era a idéia de revival dos monstros clássicos da Universal, o estúdio deveria urgentemente rever seus conceitos. Claramente, quiseram criar uma espécie de universo onde a Múmia poderia interagir com o Drácula, Frankenstein e Lobisomem em futuros longas, assim como a Marvel Studios planejou e executou, mas nem todo mundo tem a visão, organização e planejamento de Kevin Feige (produtor da Marvel).

mumie-mit-tom-cruise-jake-johnson-und-annabelle-wallis.jpg

No centro, Annabelle Wallis com Jake Johnson e Tom Cruise em cena de A Múmia (pic by moviepilot.de)

Primeiramente, Tom Cruise não tem o carisma de Brendan Fraser (que protagonizou A Múmia de 1999), e muito menos tem qualquer química com sua colega Annabelle Wallis. Sofia Boutella como uma versão feminina da múmia soou promissor nos trailers, mas o resultado final acabou comprometido com as demais escolhas equivocadas, assim como o diretor Alex Kurtzman, que só tinha uma comédia desconhecida no currículo. Felizmente, o filme foi mal nas bilheterias e deve brecar esse plano insosso da Universal.

A TORRE NEGRA. Acho bacana resgatarem um grande autor de terror como Stephen King para os cinemas, mas definitivamente esta adaptação de sua obra não funcionou em nenhum aspecto. Sinceramente não entendi o motivo de contratarem o diretor dinamarquês Nikolaj Arcel. Eles queriam uma atmosfera de filme europeu num filme nitidamente blockbuster? E embora Idris Elba e Matthew McConaughey se esforcem, é impossível se importar com seus personagens, muito menos o jovem Tom Taylor que pareceu mais perdido do que os próprios produtores.

dark tower der-dunkle-turm-mit-idris-elba-und-tom-taylor

Idris Elba e Tom Taylor tentam alguma química em A Torre Negra (pic by moviepilot.de)

Ainda falando sobre Stephen King, achei muuuito bacana ver seu romance “It” sendo tão destacado após tantos anos da primeira adaptação para a televisão. Este novo It: A Coisa se tornou o filme de terror mais visto de todos os tempos, ultrapassando o recorde anterior de O Exorcista (1973) que era de 232 milhões de dólares. Contudo, apesar dos números gordos que certamente vão engrenar mais filmes de terror, o filme está longe de ser uma obra-prima como muitos classificaram. Se tivessem explorado mais os personagens adultos, que são mais assustadores do que o próprio palhaço Pennywise, e reduzissem o excesso de efeitos visuais na figura dele, a performance de Bill Skarsgård poderia causar mais calafrios.

IT es-mit-finn-wolfhard-jaeden-lieberher-wyatt-oleff-chosen-jacobs-jeremy-ray-taylor-jack-dylan-grazer-und-sophia-lillis.jpg

Crianças procuram pelo palhaço Pennywise em cena de It: A Coisa (pic by moviepilot.de)

E de uma forma geral, as sequências e refilmagens integraram a parte ruim da safra do ano. Hoje existe um excesso de continuações e reboots que empobrece o cinema, e que se continuar nesse ritmo, os filmes originais passarão a ser raridade no circuito. Citando apenas os que vi no cinema: O Chamado 3, Jogos Mortais: Jigsaw, Alien: Covenant (uma franquia excelente mas que enfraqueceu demais com esta nova produção), Annabelle 2: A Criação do Mal, e até mesmo Guardiões da Galáxia Vol. 2, que pecou no excesso de gags e esqueceu da trama principal.

INDO CONTRA A CORRENTE

Apesar de Hollywood ainda produzir boas continuações como Logan e Thor: Ragnarok, é nesse cenário de escassez de originalidade que temos que valorizar os novos trabalhos de Darren Aronofsky (Mãe!) e Christopher Nolan (Dunkirk). Curiosamente, ambos os filmes tiveram recepções do tipo ame ou odeie, mas é inegável o esforço que os diretores fizeram para entregar algo novo, fresco e com alguma mensagem, concorde você ou não.

mother-mit-jennifer-lawrence-und-javier-bardem

E o filme doideira do ano vai para Mãe!, de Darren Aronofsky (pic by moviepilot.de)

Apesar de ter cedido dirigir a sequência Blade Runner 2049, Denis Villeneuve é garantia de vermos algo no mínimo com um olhar diferente. A Chegada é uma das ficções científicas mais criativas dos últimos anos, principalmente no uso de recursos cinematográficos como a montagem não-linear.

E falando em originalidade, não posso deixar de citar o melhor filme que vi nos cinemas: Corra!, de Jordan Peele. Pra começar, este é um filme que nunca imaginei que veria um dia. Trata-se de um filme extremamente corajoso ao lidar com o tema do racismo, ainda mais no gênero do terror e da ficção científica. E isso só foi possível graças a Jordan Peele que, em entrevista, confessou que queria fazer um filme em que pudesse passar a péssima sensação de ser uma minoria. Antigamente, havia mais filmes assim, em que o diretor queria abordar temas polêmicos em tramas de terror e ficção científica como O Enigma do Outro Mundo (1982), de John Carpenter.

Quando soube que Robert Pattison estava bem cotado pra ganhar o prêmio de interpretação masculina em Cannes por Bom Comportamento (Good Time), fiquei pensando se não seria exagero da mídia, afinal estamos falando daquele rapaz sem graça daqueles filmes mais sem graça ainda do Crepúsculo. Pelo visto suas duas colaborações com o diretor canadense David Cronenberg, Cosmópolis e Mapas Para as Estrelas, fizeram muito bem para desinflar seu ego e mostrar que ele tem potencial. Nesse filme dos irmãos Benny e Josh Safdie, Pattison vive um ladrão de bancos que, após uma tentativa frustrada de assalto, precisa resgatar seu irmão antes que ele volte para a prisão. Além do ator, o filme foi uma grata surpresa. Muito bem dirigido, montado e com uma ótima trilha musical de Daniel Lopatin, Bom Comportamento consegue gerar tensão do início ao fim e nunca se torna previsível.

good-time-mit-robert-pattinson

Robert Pattison em cena de Bom Comportamento (pic by moviepilot.de)

OSCAR 2017: A CERIMÔNIA QUE NÃO ACABOU

A cerimônia do Oscar ficou tão marcada com a lambança histórica de troca de envelopes e anúncio de filme errado que às vezes você até esquece qual indicado ganhou Melhor Filme, o que acabou apagando um pouco o brilho da vitória de Moonlight: Sob a Luz do Luar. Esse deslize diminuiu o fato da Academia premiar pela primeira vez em seus 89 anos um filme sobre homossexualismo e composto por um elenco totalmente negro.

moonlight-mistake-la-la-land-oscars-2017-4c9f107a-c74f-4680-91fd-44a0df7cd59c

Gafes do Oscar: Warren Beatty e Jimmy Kimmel com caras de “O que eu vou falar agora??”

Claro, é importante quebrar barreiras e desbravar novos mares, mas deixando essa parte politicamente correta de lado, não considero Moonlight um bom filme. Barry Jenkins reuniu uma série de clichês de homossexualismo e de vício de drogas, colocou uma fotografia mais estilizada com câmera lenta, e uma estrutura narrativa convencional em três tempos da vida do protagonista. As melhores qualidades do filme são a trilha de Nicholas Britell e Mahershala Ali, que ficou muito limitado no primeiro terço do filme. Quer ver filme bom de homossexualismo? Veja O Segredo de Brokeback Mountain, veja Weekend, veja Azul é a Cor Mais Quente, veja Antes do Anoitecer, veja Morte em Veneza, enfim, são tantas opções melhores…

ISABELLE HUPPERT. Antes quero deixar claro que sou e sempre fui contra aqueles Oscars concedidos com intenção de compensar derrotas anteriores ou várias indicações sem vitórias, pois esses prêmios costumam gerar novas injustiças e transformar tudo num ciclo vicioso. Francamente, achava que Isabelle Huppert nem seria indicada por Elle por se tratar de uma performance corajosa num filme igualmente ousado, mas já que ela foi indicada, por que não premiá-la? A grande maioria dos críticos americanos a reconheceu como a melhor performance feminina do ano, mas no Oscar resolveram premiar a America’s sweetheart Emma Stone em La La Land, que certamente terá inúmeras outras oportunidades de ganhar uma estatueta.

emma_stone_oscar_2017_winner-wide

Emma Stone e seu Oscar de Atriz por La La Land

Claro que também fiquei indignado com a ausência de Elle na categoria de Filme em Língua Estrangeira. Além do filme ser muito bom, a Academia perdeu uma excelente oportunidade de premiar Paul Verhoeven, um diretor holandês que muito contribuiu para Hollywood nos anos 80 e 90, com clássicos modernos como RoboCop – O Policial do Futuro, Instinto Selvagem O Vingador do Futuro. Se depois viessem com Oscar Honorário, se fosse Verhoeven, eu nem me daria ao trabalho de comparecer à cerimônia.

paul-verhoeven-elle-cannes-interview-20160522-snap

Isabelle Huppert e o diretor Paul Verhoeven divulgam Elle no tapete vermelho de Cannes (pic by LA Times)

EXPANDE MONOPÓLIO DA DISNEY

Lembra lá no colégio, quando seu professor de História te ensinou sobre as consequências do monopólio? Que, como não há forte concorrência, a empresa controla o mercado? Como eu havia comentado há dois anos e já me preocupava com essa situação fora de controle, a Disney já comprou a Pixar, a Marvel, a Lucas Films (Star Wars) e agora a Fox e suas derivadas Twentieth Century Fox, Fox Searchlight e FX, essa última em especial se tornou referências em séries mais ousadas como American Horror Story e Fargo, material que não vemos na Disney.

Disney-Fox

Inicialmente, os fãs da Marvel comemoraram o fato de vários personagens poderem participar do mesmo universo dos filmes da Marvel/Disney, como Deadpool e os X-Men. Sim, pelo lado dos fãs de quadrinhos, é uma ótima notícia pela integração, mas é justamente aí que reside uma grande preocupação. Será possível um filme como Deadpool, repleto de sangue, palavrões, humor negro e sexo, sob o comando da empresa-família Disney? Se os figurões da Disney forem espertos, eles mantém o logo da Fox e continuarão produzindo filmes para o público adulto como Logan, já que foi comprovado o sucesso comercial e de crítica.

Mas não se trata apenas desse microcosmo da Marvel. Toda forma de Arte precisa de diversidade para sobreviver, por isso, quanto menos pasteurizada for a safra de novos filmes, o cinema terá vida longa.

OS ASSÉDIOS DE HOLLYWOOD

Embora muitos acreditem que o terremoto começou com o produtor Harvey Weinstein, Hollywood já ficou em estado de alerta com relatos de assédio envolvendo o último vencedor do Oscar de Melhor Ator, Casey Affleck, que teria tratado com machismo colegas de trabalho chamando-as de “vacas” e chegando a mostrar seu órgão genital para Amanda White, produtora de seu mockumentary  I’m Still Here.

Obviamente, o caso de Harvey Weinstein, dono da ex-distribuidora Miramax e atual Weinstein Co., é o mais grave de todos. Ele teria assediado mais de oitenta mulheres (segundo o USA Today), com destaque para atrizes como Ashley Judd (que foi a primeira a erguer a mão), Asia Argento, Rosanna Arquette, Kate Beckinsale, Cara Delevingne, Claire Forlani, Romola Garai, Heather Graham, Eva Green, Daryl Hannah, Salma Hayek, Angelina Jolie, Rose McGowan, Lupita Nyong’o, Mira Sorvino e Gwyneth Paltrow. Seus avanços normalmente seguiam uma tática de chamar a vítima até seu quarto de hotel, onde ele já a esperava trajado com roupão de banho, oferecia e pedia massagens e forçava beijos. Caso as vítimas se recusassem, ele as ameaçava dizendo que “acabaria com a carreira delas”. E elas sabiam que ele tinha poder para isso.

harvey-weinstein-et-les-actrices-qui-l-ont-accuse-de_2585648_667x333

O produtor Harvey Weinstein à esquerda com algumas de suas vítimas (montage by Archy World News)

Nessa confusão toda, sobrou até pra Meryl Streep, que foi acusada de saber dos abusos e não reportar, assim como Matt Damon, que teria ajudado a encobrir um dos escândalos a pedido de Weinstein em 2004. Primeiramente, muita calma nessa hora. Como jogaram merda no ventilador, é preciso apurar tudo antes de sair acusando todo mundo, pois carreiras e vidas estão em jogo.

Todas essas acusações mexeram demais com a indústria, tanto que a Academia decidiu expulsar o produtor Harvey Weinstein de sua associação. Ele foi indicado ao Oscar de Melhor Filme por Gangues de Nova York em 2003, e ganhou o Oscar em 1999 por Shakespeare Apaixonado. Inclusive acredito na teoria da conspiração que o Oscar de Melhor Atriz para Gwyneth Paltrow foi comprado com o intuito de fazê-la esquecer do “incidente” (talvez só assim pra explicar como ela bateu Cate Blanchett e Fernanda Montenegro naquele ano…). Pode ser que mais membros envolvidos na polêmica sejam futuramente expulsos também.

Depois de Weinstein, o caso mais em evidência foi do ator Kevin Spacey. Sua vida se tornou um inferno depois que o ator Anthony Rapp, da série Star Trek: Discovery, revelou que aos 14 anos, ele foi abusado por Spacey depois de uma festa. Em resposta pelo Twitter, Kevin Spacey pediu desculpas, mas sugeriu que seu comportamento inapropriado teria acontecido por ele ser gay. Obviamente, a declaração não caiu bem e deixou a comunidade gay em fúria. Em seguida, vieram outras acusações envolvendo jovens atores de seu grupo teatral britânico Old Vic. Vendo a bola de neve crescer rapidamente, a Netflix logo anunciou que cancelaria série House of Cards, protagonizada por Spacey, enquanto o diretor Ridley Scott decidiu apagar todas as cenas já filmadas com Spacey e substitui-lo por Christopher Plummer no filme All the Money in the World. Estava anunciado o fim da carreira de Kevin Spacey, que teria se internado numa espécie de clínica de reabilitação.

kevin-spacey scandal

Envolvido em escândalos, o ator Kevin Spacey foi retirado integralmente do filme de Ridley Scott, All the Money in the World (montage by Digital Spy)

Tendo o mesmo comportamento inapropriado, o diretor Bryan Singer foi recentemente demitido da produção de Bohemian Rhapsody, filme biográfico do vocalista do Queen, Freddie Mercury. Inicialmente, inventaram uma desculpa de que ele tinha problemas familiares, mas novas acusações surgiram contra ele e assim estava justificada sua demissão. Segundo relatos, Singer oferecia papéis a jovens atores (incluindo menores) em troca de sexo.

Ao longo dos últimos meses, várias acusações surgiram contra outros profissionais da área de cinema e de TV. Para citar os mais importantes: o diretor e produtor Brett Ratner, os atores e vencedores do Oscar Dustin HoffmanRichard Dreyfuss (que teriam provocado e oferecido propostas indecentes), e os atores de séries Jeffrey Tambor (de Transparent, que tem futuro incerto) e Louis C.K. (de Louie, que também não deve continuar e ainda cancelou futuros projetos). Todos se afastaram dos holofotes e devem esperar a poeira abaixar um pouco.

 

Alguns especialistas acreditam que o Oscar 2018 pode dar preferência às mulheres devido aos acontecimentos. Portanto, podem pintar candidatas e vencedoras mulheres em categorias normalmente dominadas por homens como Direção e Fotografia. Eu, particularmente, sou contra essa tendência de premiar de acordo com os tempos como aconteceu com Moonlight, que mais foi premiado como forma de protesto contra o governo de Trump do que pelos próprios méritos.

CRÍTICAS

Vamos às listas do ano, começando com os melhores vistos nos cinemas.

TOP 5 MELHORES DO ANO NO CINEMA

5. Bom Comportamento (Good Time/ 2017)
Dir: Benny Safdie, Josh Safdie

4. Custódia (Jusqu’à la garde/ 2017)
Dir: Xavier Legrand

3. Ao Cair da Noite (It Comes at Night/ 2017)
Dir: Trey Edward Shults

2. A Qualquer Custo (Hell or High Water/ 2016)
Dir: David Mackenzie

1. Corra! (Get Out/ 2017)
Dir: Jordan Peele

GET OUT Allison-Williams

Daniel Kaluuya e Allison Williams em cena de Corra!

TOP 5 MELHORES EM MÍDIA DIGITAL

5. Your Name (Kimi no na wa/ 2016)
Dir: Makoto Shinkai

4. Desamor (Loveless/ 2017)
Dir: Andrey Zvyagintsev

3. Pais e Filhos (Soshite chichi ni naru / 2013)
Dir: Hirokazu Kore-eda

2. El Topo (El Topo/ 1970)
Dir: Alejandro Jodorowsky

1. Era uma vez em Tóquio (Tôkyô monogatari/ 1953)
Dir: Yasujirô Ozu

Tokyo Monogatari

Era uma Vez em Tóquio, de Yasujirô Ozu. Pic by imdb.com

IN MEMORIAN

Comparado ao ano passado, é possível dizer que tivemos poucas perdas no mundo do cinema. Particularmente, pra mim foi muito difícil dizer adeus a um dos melhores diretores que Hollywood produziu: o americano Jonathan Demme. Como sou fã incondicional de O Silêncio dos Inocentes, e considero Filadélfia um marco contra o preconceito da Aids, tenho um carinho enorme pelos seus filmes.

jonathan-demme-obituary-slide-9JFF-superJumbo

O diretor Jonathan Demme com a atriz Jodie Foster em set de O Silêncio dos Inocentes (pic by The New York Times)

Outra perda irreparável para os cinéfilos fãs de terror foi o mestre George Romero, conhecido como o pai dos zumbis que hoje estrelam vários filmes, séries e quadrinhos. Apesar de admirar seus trabalhos com os mortos-vivos, gostaria de ter visto mais filmes de outras temáticas como o ótimo Martin (1978), no qual um rapaz acredita que é um vampiro.

Perdemos os vencedores do Oscar: Martin Landau, vencedor do Oscar de Coadjuvante pela excepcional performance como Bela Lugosi em Ed Wood (1994); e o diretor John G. Avildsen, considerado o diretor dos filmes de esporte e montagem Rocky, um Lutador (1976) e Karatê Kid (1984).

Grandes atores indicados ao Oscar também partiram: John Hurt (por O Expresso da Meia-Noite e O Homem Elefante), Mary Tyler Moore (por Gente Como a Gente); Sam Shepard (por Os Eleitos). E nomes que serão lembrados por seu talento e carisma: Harry Dean StantonBill PaxtonJerry LewisAdam West (o eterno Batman da série de TV), Roger Moore (o ator que mais interpretou James Bond), e o músico Chris Cornell (criou a trilha e canção de 007 – Cassino Royale).

FELIZ ANO NOVO!

Embora nosso querido governo pise cada vez mais em nós, seja criando mais leis inúteis, seja criando mais impostos para cobrir seus próprios roubos, ou pior: soltando presos corruptos como faz um certo ministro do Supremo, precisamos tocar nossas vidas. 2018 é uma grande incógnita na política, e tenho muito receio de que o PT volte ao poder e de uma possível ascensão da extrema direita.

Que em 2018, sejam lançados mais filmes de qualidade, filmes alternativos e por que não filmes nacionais melhores? O cinema brasileiro parece ter perdido aquele gás dos anos 2000 e se rendido a comédias típicas de televisão. Bingo: O Rei das Manhãs foi uma boa surpresa de Daniel Rezende, mas precisamos de mais.

ACADEMIA BUSCA SE RECOMPOR APÓS GAFE HISTÓRICA DO OSCAR 2017

PWC 1

O indivíduo vai distribuir apenas envelopes no Oscar e resolve tweetar… (pic by Andrew Walker/REX/ Shutterstock)

PWC brian-cullinan-tweet

… posta foto da Emma Stone pra ficar bem na fita com a galera… (pic by Brian Cullinan)

Fred Berger

… e depois vê a cagada que cometeu (pic by Chris Pizzello/Invision/AP)

ACADEMIA ANUNCIA ALGUMAS MEDIDAS POUCO EFICIENTES

Bom, nessa altura do campeonato, o mundo inteiro já sabe o que realmente aconteceu nos bastidores do Oscar e o anúncio de Melhor Filme: o responsável pela entrega dos envelopes, Brian Cullinan (nas fotos acima), estava tão distraído com o Twitter e tirando foto com Emma Stone, que acabou entregando o envelope errado. O tempo pode passar, mas a vergonha por esse erro crasso (não me venham com “Errar é humano”!) perdurará por toda a eternidade. Obviamente, a esperança da Academia é que esse acontecimento seja esquecido o mais breve possível, mas se depender das providências anunciadas…

Recentemente, os organizadores da Academia detalharam novos protocolos que evitariam uma nova catástrofe. Na teoria. Eles vão contratar um terceiro contador para checar os votos e entregar os envelopes. Esse novo contador saberá com antecedência os vencedores e poderá alertar o diretor da cerimônia em caso de falha. Além, claro, de dispensar Brian Cullinan e Martha Ruiz, os dois responsáveis do Oscar desse ano, e também vai proibir o uso de celulares nos bastidores.

Olha, são medidas válidas, mas não tem uma real efetividade para coibir erros. Pra mim, basicamente houve uma falha do funcionário que estava mais preocupado com sua popularidade no Twitter do que checar se o envelope estava correto. Não precisa ter mais uma pessoa pra checar envelopes. Isso até uma criança conseguiria fazer sozinha.

Contando com uma parceria que dura décadas, a empresa responsável pela contagem de votos e confecção dos envelopes, Pricewaterhouse Coopers, não foi punida pelo erro. Apenas seus dois funcionários foram demitidos. Com certeza, alguém tem costas quentes com a Academia.

Enfim, a maior gafe dos últimos anos foi concretizada, a Academia e a Pricewaterhouse pediram desculpas, mas uma das piores consequências foi sobre a relação entre Faye Dunaway e Warren Beatty, que apresentaram e anunciaram o Oscar de Melhor Filme para La La Land. Segundo relatos, já havia um certo tom de inimizade desde os tempos de Bonnie & Clyde – Uma Rajada de Balas (1967), que certamente se agravaram depois que Beatty inocentemente cedeu o envelope errado para Dunaway ler sem qualquer tipo de aviso. É triste que um acontecimento desse possa causar esse trauma a duas estrelas hollywoodianas que passaram dos 70 anos. Correm sério risco de morrerem brigados…

CATEGORIA DE ANIMAÇÃO PARA QUEM PAGAR MAIS

E agora a pior notícia até o momento: a Academia anunciou uma mudança que pode e deve distanciar produções menores da categoria de Longa de Animação. Abriu a votação de indicados para todos os membros da Academia, ao invés de ficar restrita ao comitê de Animação. Não querendo generalizar, mas convenhamos que a maioria dos membros da Academia não tem conhecimento mais profundo sobre animação, e deve ficar limitada a assistir apenas às grandes animações.

A razão dessa mudança certamente partiu de reclamações de grandes estúdios como Dreamworks, Disney e Pixar, que costumam gastar milhões, faturar alto nas bilheterias, mas que estão insatisfeitos e indignados que suas produções perdem vaga no Oscar para animações independentes pequenas até de outros países como A Tartaruga Vermelha, Minha Vida de Abobrinha e no ano passado, o brasileiro O Menino e o Mundo.

84th Academy Awards Nominations Announcement

Indicados ao Oscar de Longa de Animação do Oscar 2012. Competição sadia entre grandes e pequenos (pic by Just Jared)

Esse povo insatisfeito com a “injustiça” no Oscar, resolveu mexer os pauzinhos e a Academia está acatando. É realmente uma lástima essa alteração, pois de todas as categorias do Oscar, esta era a mais internacional (tirando, obviamente a de Melhor Filme Estrangeiro) e diversificada em termos de artistas, histórias e tamanho de produção. Se mais pessoas votarem, as chances dos menores ficarem de fora são maiores, pois quem não trabalha na área de animação, fica mais suscetível ao gosto popular e da publicidade dos grandes estúdios.

Particularmente, eu já estava indignado que a última animação estrangeira a vencer o Oscar foi A Viagem de Chihiro em 2002! Imagina agora com menos estrangeiros competindo? Enfim, é um passo dado para trás pela Academia, que se rende mais aos interesses econômicos do que artísticos.

Também vale ressaltar que a Academia passou a proibir que documentários extensos como o vencedor deste ano, O.J.: Made in America, sejam elegíveis nos próximos anos. Para quem não sabe, o documentário vencedor tinha mais de oito horas de duração, ou seja, tinha um formato original para televisão (em episódios).

CALENDÁRIO DO OSCAR ATÉ 2020

A Academia também anunciou o calendário de seus eventos para os próximos quatro anos.

OSCAR 2018: 04/03/18

OSCAR 2019: 24/02/19

OSCAR 2020: 23/02/20

OSCAR 2021: 28/02/21

A cerimônia de 2018 foi a única movida para o mês de março para que não coincida com os jogos olímpicos de inverno da Coréia do Sul, que encerram no dia 25 de fevereiro.

Apesar da gafe desse ano, os produtores do evento, Michael De Luca e Jennifer Todd, estão bem cotados para retornar em 2018, e com isso, existem grandes chances de Jimmy Kimmel voltar como host. Para a próxima edição, a Academia já divulgou as principais datas:

Os produtores do Oscar 2017: Jennifer Todd e Michael De Luca devem retornar em 2018. Pic by The New York Times

11/11/2017 (sábado)
Governors Awards

05/01/2018 (sexta)
Início da votação de indicados

12/01/2018 (sexta)
Término de votação de indicados

23/01/2018 (terça)
Anúncio dos Indicados ao Oscar

05/02/2018 (segunda)
Almoço dos Indicados ao Oscar (Oscar Luncheon)

10/02/2018 (sábado)
Scientific and Technical Awards

20/02/2018 (terça)
Início da votação final

27/02/2018 (terça)
Término da votação final

28/02/2018 (quarta)
The Oscar Concert

04/03/2018 (domingo)
90ª cerimônia do Oscar

%d blogueiros gostam disto: