APOSTAS PARA o OSCAR 2020: 2º ROUND de CINEMA vs NETFLIX

Oscars-pic

Pôster da 92ª edição do Oscar

PELO SEGUNDO ANO CONSECUTIVO, UM FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA PODE LEVAR O OSCAR DE MELHOR FILME

Além da briga entre Cinema e Netflix continuar este ano, a busca pelo Oscar de Melhor Filme por um filme de língua estrangeira permanece. Em 2019, apesar de toda uma alta expectativa, Roma falhou e o prêmio foi para o mais tradicional Green Book, que sofreu críticas ainda maiores após a consagração.

Nesta edição, o cenário ficou mais interessante. Desta vez, não temos um filme estrangeiro e em preto-e-branco concorrendo pela Netflix (Roma), agora tem a alta cúpula de Hollywood, bitch! A Netflix resolveu apelar e trouxe O Irlandês, História de um Casamento e Dois Papas, pensando: “Agora vai!” Bem… lá no início da temporada de premiações, o filme de Martin Scorsese chegou a figurar como favorito, ganhando o National Board of Review e o New York Film Critics Circle (NYFCC), e o drama conjugal de Noah Baumbach levou o prêmio do Gotham Awards. Estava tudo caminhando nos conformes para o presidente da Netflix, Ted Sarandos, mas… a temporada de premiações é longa (vai de setembro a fevereiro), e muita coisa pode mudar nesses meses.

Nesse período, já vimos O Segredo de Brokeback Mountain ceder o topo para Crash, e A Rede Social ceder o topo para O Discurso do Rei. Aí que entra o poder uma boa campanha publicitária (Harvey Weinstein era o expert no assunto) e questões pessoais como preconceito e má informação. No primeiro caso, é nítido o prevalecimento do preconceito contra o homossexualismo do filme de Ang Lee, e no segundo, uma campanha que certamente elevou o lado mais conservador da Academia de que seria imaturo premiar um filme sobre o Facebook.

E houve alguma mudança nesse cenário? A verdade é que a Academia está passando por transformações hoje. Nos últimos anos, a ex-presidente da Academia, Cheryl Boone Isaacs, abriu as portas da Academia para cerca de 2.500 novos membros de várias etnias, várias nações e mulheres de todo o mundo, fazendo parte das consequências do protesto #OscarsSoWhite, mas a grande maioria permanece sendo o perfil homem branco e mais velho, o que poderia explicar o conservadorismo predominante. Mas é preciso ter um pouco mais de paciência com o Oscar. Se um filme mais conservador ganhar, não significa que toda a instituição é conservadora. Eleger o vencedor do Oscar é uma eleição democrática; vence aquele que obteve maior número de votos.

Se o filme estrangeiro Parasita não ganhar este ano, vamos bater palmas do mesmo jeito, porque o filme de Bong Joon Ho já é um filme extremamente vitorioso. Até ano passado, NENHUM filme coreano conseguiu chegar ao Oscar! Nem sequer na categoria de Filme Internacional! O mais próximo disso foi a inclusão na shortlist de Em Chamas, mas foi só. Parasita recebeu 6 indicações ao Oscar, incluindo Melhor Filme. Nem o diretor imaginava que seu filme conseguiria tanto prestígio assim. Se não ganhar o prêmio principal da noite, não tem problema. Ele já terá amadurecido mais essa idéia para os próximos filmes de língua estrangeira.

Se a Netflix não ganhar Melhor Filme, provavelmente significa que a maioria ainda tem receio do crescimento da empresa ligado a uma possível queda do sistema de grandes estúdios, e o medo de perder o emprego. E tem toda aquela questão da preferência do filme ser exibido em salas de cinema do que na TV de casa. Obviamente que também preferimos que todos os filmes pudessem ser exibidos nos cinemas, mas não há espaço para todos. Então, entre não passar nos cinemas e passar na TV e alcançar um bom público, preferimos que chegue ao espectador! Sobre as chances de O Irlandês, temos absoluta certeza de que se ele tivesse sido exibido nos cinemas comerciais de todo o mundo, ele seria o franco-favorito do Oscar.

PODCAST

Pela primeira vez, lançamos um episódio de podcast. Mas calma! Não se animem tanto, pois foi um trabalho extremamente amador. Se você nunca ouviu um podcast, pode ser que sua experiência seja menos dolorosa kk Agora, se já conhece, você aguenta uns 5 minutos no máximo!

Estamos buscando novas alternativas para o blog, a página do Facebook e o Instagram @cinemaoscareafins . Vamos ver até onde isso vai dar! Desde já, agradecemos o seu apoio! É muito importante pra nós!

SEGUNDO ANO DE OSCAR SEM HOST

A audiência da edição passada teria crescido um pouco em relação ao ano anterior, ou pelo menos se estabilizada, mas a justificativa teria sido a curiosidade do público em saber como seria uma cerimônia do Oscar sem um host, algo que não acontecia desde a década de 80. Mas e agora neste segundo ano sem host? A curiosidade já passou, mas aparentemente o público se dividiu sobre a ausência de um apresentador.

Nossa opinião sempre foi clara desde o início: preferimos um host, uma hostess ou até mais de um host, contanto que haja um. Não que seja algo essencial para o Oscar, mas havendo um bom host (tem que saber escolher bem), ele ou ela vai saber brincar com os filmes indicados de uma forma leve ou até meio ácida, fazer aquela ponte entre os filmes e os acontecimentos da atualidade, dar unidade à cerimônia de três horas, evitar dar mais espaço para os apresentadores dos prêmios que costumam vir com aquela piadinha rala e sem graça antes de abrir o envelope, e, se o host (ess) se sair bem, será mais um assunto pra conversa do dia seguinte entre colegas e amigos.

Em nossa humilde opinião, a última edição do Oscar só começou a ficar interessante a partir da apresentação de “Shallow” de Bradley Cooper e Lady Gaga. Antes estava tudo muito mecânico: entram apresentadores, piadinha, “e o Oscar vai para…”. Isso um Powerpoint já resolvia bem.

No ano passado, na ausência de um host, a Academia trouxe a banda Queen pra abrir o evento ao vivo, com Adam Lambert fazendo cover. Este ano, os organizadores da cerimônia, decidiram apostar na nova sensação da música Billie Eilish, que recentemente venceu os 4 principais Grammys. Ainda não se sabe qual música ela vai cantar, mas entendemos que a Academia está buscando atrair um público mais jovem para a transmissão.

Billie Eilish

Billie Eilish no Oscar 2020

92ª EDIÇÃO: O QUE PODE ACONTECER

1º filme em língua estrangeira a ganhar Melhor Filme
Sim, Parasita pode se tornar o primeiro filme todo legendado a levar o prêmio principal da noite. Claro que as chances ficaram pequenas após as vitórias de 1917 no PGA e no DGA, mas as vitórias expressivas do filme sul-coreano no sindicato de montadores e de atores (SAG) podem causar uma reviravolta de última hora.

1º filme da Netflix a ganhar Melhor Filme
Ainda na mesma luta de Roma, os filmes O Irlandês e História de um Casamento representam duas chances do estúdio de streaming a conquistar o prêmio pela primeira vez. Apesar de agora contar com o apoio importante de nomes como Martin Scorsese, Robert De Niro e Al Pacino, ainda existe uma parte conservadora muito grande na Academia que considera a Netflix o fim dos cinemas como os conhecemos hoje.

1ª vitória da Coréia do Sul
Parasita pode ser o responsável por seis conquistas inéditas na história do Oscar, já que é o primeiro filme coreano que participa da premiação em 92 anos. Então o filme pode fincar a bandeira do país asiático em seis categorias: Filme, Diretor, Roteiro Original, Montagem, Design de Produção e Filme Internacional. Além disso, o documentário-curta coreano In the Absence pode se tornar o primeiro a vencer na categoria.

MELHOR FILME

  • FORD VS FERRARI (Ford V Ferrari)
  • O IRLANDÊS (The Irishman)
  • JOJO RABBIT (Jojo Rabbit)
  • CORINGA (Joker)
  • ADORÁVEIS MULHERES (Little Women)
  • HISTÓRIA DE UM CASAMENTO (Marriage Story)
  • 1917 (1917)
  • ERA UMA VEZ EM… HOLLYWOOD (Once Upon a Time… in Hollywood)
  • PARASITA (Gisaengchung)

DEVE GANHAR: Parasita
DEVERIA GANHAR: Parasita
SE ROLAR, É ZEBRA: Ford vs Ferrari

NÃO RECEBEU O CONVITE: Jóias Brutas (Uncut Gems)

Parasite sag

A família Kim de Parasita (pic by IMDb)

Sim, vamos apostar alto, e com todas as nossas fichas para a quebra de tabu. Parasita vai vencer o Oscar de Melhor Filme e se tornar o primeiro filme em língua estrangeira na história da Academia… na segunda-feira, a gente volta aqui com o rabinho entre as pernas e diz: “A gente se empolgou demais” kkk

MELHOR DIREÇÃO

  • Martin Scorsese (O Irlandês)
  • Todd Phillips (Coringa)
  • Sam Mendes (1917)
  • Quentin Tarantino (Era Uma Vez em… Hollywood)
  • Bong Joon Ho (Parasita)

DEVE GANHAR: Sam Mendes (1917)
DEVERIA GANHAR: Bong Joon Ho (Parasita)
SE ROLAR, É ZEBRA: Todd Phillips (Coringa)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Benny e Josh Safdie (Jóias Brutas)

Sam Mendes 1917 2

Sam Mendes passa instruções para seus atores Dean-Charles Chapman e George McKay em set de 1917 (pic by OutNow,CH)

Depois da vitória de Mendes no DGA, ficou bem difícil pra qualquer outro indicado. São apenas sete divergências entre o DGA e a Academia. E Sam Mendes se encaixa no perfil “experiência cinematográfica” dos vencedores recentes Alejandro G. Iñárritu e Alfonso Cuarón.

MELHOR ATRIZ

  • Cynthia Erivo (Harriet)
  • Scarlett Johansson (História de um Casamento)
  • Saoirse Ronan (Adoráveis Mulheres)
  • Charlize Theron (O Escândalo)
  • Renée Zellweger (Judy: Muito Além do Arco-Íris)

DEVE GANHAR: Renée Zellweger (Judy: Muito Além do Arco-Íris)
DEVERIA GANHAR: Renée Zellweger (Judy: Muito Além do Arco-Íris)
SE ROLAR, É ZEBRA: Saoirse Ronan (Adoráveis Mulheres)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Lupita Nyong’o (Nós), Jessie Buckley (As Loucuras de Rose)

Renée Zellwegger Judy 4

Renée Zellweger como Judy Garland em seu camarim (pic by OutNow.CH)

Infelizmente, a melhor performance do ano sequer foi indicada. Com Lupita Nyong’o fora do páreo, ficou mais fácil para Renée Zellweger conquistar sua segunda estatueta do Oscar, e a primeira como Atriz principal. Embora não apresente nada de muito novo, Zellweger incorpora a estrela da era de ouro de Hollywood, Judy Garland, com todos os trejeitos, e acaba se parecendo bastante com a figura real graças ao trabalho de maquiagem e de cabelo, além do figurino.

Depois de tantos anos na pele da Viúva Negra da Marvel, foi uma grata surpresa ver Scarlett Johansson mostrando seu talento num papel dramático mais profundo. Que venham mais projetos desse naipe para que ela continue sua ascensão menos comercial.

MELHOR ATOR

  • Antonio Banderas (Dor e Glória)
  • Leonardo DiCaprio (Era Uma Vez em… Hollywood)
  • Adam Driver (História de um Casamento)
  • Joaquin Phoenix (Coringa)
  • Jonathan Pryce (Dois Papas)

DEVE GANHAR: Joaquin Phoenix (Coringa)
DEVERIA GANHAR: Joaquin Phoenix (Coringa)
SE ROLAR, É ZEBRA: Jonathan Pryce (Dois Papas)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Adam Sandler (Jóias Brutas), Christian Bale (Ford Vs Ferrari)

Joaquin Phoenix Joker 2

Joaquin Phoenix fazendo sua pintura de guerra em Coringa (pic by OutNow.CH)

Claro que cada um tem direito a opinar, mas em nossa visão, teríamos Adam Sandler e Christian Bale nos lugares de Leonardo DiCaprio e Jonathan Pryce. De qualquer forma, independente de quais atores estivessem indicados, este é o ano de Joaquin Phoenix. Em seu histórico, temos três indicações sem vitória (sendo que já merecia ter levado por O Mestre em 2013), com o ator atingindo seu ápice como Coringa. A adaptação dos quadrinhos foi um sucesso nas bilheterias, o que proveu apoio popular na campanha do Oscar.

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

  • Kathy Bates (O Caso Richard Jewell)
  • Laura Dern (História de um Casamento)
  • Scarlett Johansson (Jojo Rabbit)
  • Florence Pugh (Adoráveis Mulheres)
  • Margot Robbie (O Escândalo)

DEVE GANHAR: Laura Dern (História de um Casamento)
DEVERIA GANHAR: Scarlett Johansson (Jojo Rabbit)
SE ROLAR, É ZEBRA: Kathy Bates (O Caso Richard Jewell)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Jennifer Lopez (As Golpistas), Taylor Russell (Waves)

Laura Dern Marriage Story 3

Laura Dern tirando seu casaco na corte em História de um Casamento (pic by IMDb)

Laura Dern está muito bem como a advogada Nora Fanshaw. Rouba todas as cenas em que está, porém são poucas as cenas. Assim, a personagem dela não tem tanta profundidade, mas certamente chama a atenção nos poucos minutos em que aparece.

MELHOR ATOR COADJUVANTE

  • Tom Hanks (Um Lindo Dia na Vizinhança)
  • Anthony Hopkins (Dois Papas)
  • Al Pacino (O Irlandês)
  • Joe Pesci (O Irlandês)
  • Brad Pitt (Era Uma Vez em… Hollywood)

DEVE GANHAR: Brad Pitt (Era Uma Vez em… Hollywood)
DEVERIA GANHAR: Joe Pesci (O Irlandês)
SE ROLAR, É ZEBRA: Tom Hanks (Um Lindo Dia na Vizinhança)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Willem Dafoe (O Farol), Song Kang Ho (Parasita), Shia LaBeouf (Honey Boy), Noah Jupe (Honey Boy)

Once

Brad Pitt como Cliff Booth em Era Uma Vez em… Hollywood (pic by OutNow.CH)

Uma categoria bastante disputada este ano, que facilmente poderia incluir Willem Dafoe ou Song Kang Ho. Embora Brad Pitt mal tenha suado a camisa (apenas a tirou em cima do telhado!), ele é o franco-favorito numa campanha que contou muito com seu carisma pessoal e o prestígio que ele tem perante seus companheiros de profissão, que certamente se perguntaram: “Como assim Brad Pitt não tem um Oscar de atuação ainda?”. E assim como nós, estamos ansiosos por mais um discurso bem humorado do ator.

Já em termos de atuação, ninguém melhor do que Joe Pesci, que rouba todas as suas cenas com um único olhar. Ao contrário de papéis anteriores, o ator está extremamente contido, trabalhando apenas com detalhes e nuances. Martin Scorsese merecia um prêmio só por ter resgatado este homem da aposentadoria.

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL

  • Entre Facas e Segredos, Rian Johnson
  • História de um Casamento, Noah Baumbach
  • 1917, Sam Mendes e Krysty Wilson-Cairns
  • Era Uma Vez em… Hollywood, Quentin Tarantino
  • Parasita, Bong Joon Ho e Han Jin Won

DEVE GANHAR: Bong Joon Ho e Han Jin Won (Parasita)
DEVERIA GANHAR: Bong Joon Ho e Han Jin Won (Parasita)
SE ROLAR, É ZEBRA: Rian Johnson (Entre Facas e Segredos)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Emily Halpern, Sarah Haskins, Susanna Fogel e Katie Silberman (Fora de Série)

parasite 2

Roteiro Original para Parasita, que venceu o BAFTA e o WGA (pic by OutNow.CH)

Até pouco tempo atrás, Tarantino era o grande favorito nesta categoria, já que não levaria o prêmio como diretor. Contudo, com a ascensão de Sam Mendes, que venceu o DGA, o prêmio de Roteiro Original foi a forma encontrada para que Bong Joon Ho não saísse da noite sem nenhum prêmio individual (o Oscar de Filme Internacional seria para a Coréia do Sul). Essa tendência começou no sindicato de Roteiristas (WGA) e perdurou até o BAFTA.

Retiraríamos o roteiro previsível e repleto de artifícios de 1917 e colocaríamos o roteiro da comédia juvenil Fora de Série (Booksmart). Temos certeza de que, assim como os filmes de terror, os filmes teenagers sofrem enorme preconceito da Academia, que enxerga o filme de estréia de Olivia Wilde como uma comédia bobinha.

Se houvesse uma surpresa na categoria, seria bacana ver Rian Johnson subir ao palco pelo roteiro de Entre Facas e Segredos. Ele ressuscita o subgênero do “Quem Matou?” com muita elegância e humor. E seria bacana pra mostrar à Disney que Johnson é bom demais pra Star Wars.

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO

  • O Irlandês, Steven Zaillian
  • Jojo Rabbit, Taika Waititi
  • Coringa, Todd Phillips, Scott Silvers
  • Adoráveis Mulheres, Greta Gerwig
  • Dois Papas, Anthony McCarten

DEVE GANHAR: Taika Waititi (Jojo Rabbit)
DEVERIA GANHAR: Steven Zaillian (O Irlandês)
SE ROLAR, É ZEBRA: Anthony McCarten (Dois Papas)

NÃO RECEBEU O CONVITE: J.C. Lee e Julius Onah (Luce)

jojo rabbit 2

Roteiro Adaptado para Jojo Rabbit, que venceu o BAFTA e o WGA (pic by OutNow.CH)

Até pouco tempo atrás, nossa aposta segura para Roteiro Adaptado era Greta Gerwig, mas depois do WGA e BAFTA concederem o prêmio para Taika Waititi, temos nossas dúvidas. Além dos prêmios, se Taika perder, existe um sério risco de Jojo Rabbit não levar nada na noite, enquanto Adoráveis Mulheres, já tem um Oscar praticamente garantido de Figurino. Claro que não é a mesma coisa, mas deixaria de ser um filme indicado ao Oscar para ser um filme vencedor do Oscar.

Por outro lado, existe toda uma política para que Greta vença como Roteiro Adaptado. Primeiramente, depois dos protestos sobre a ausência de mulheres na categoria de Direção, muitos votantes se sentiram obrigados a “compensar” isso ao elegê-la como a melhor roteirista. Mas claro que essa estratégia não tem nada combinado oficialmente, ainda mais numa instituição com cerca de 8 mil membros. Será que a maioria das mulheres vai realmente votar em Greta Gerwig? Até o momento, seu filme passa longe de ser uma unanimidade no quesito roteiro…

MELHOR FOTOGRAFIA

  • O Irlandês, Rodrigo Prieto
  • Coringa, Lawrence Sher
  • O Farol, Jarin Blaschke
  • 1917, Roger Deakins
  • Era Uma Vez em… Hollywood, Robert Richardson

DEVE GANHAR: Roger Deakins (1917)
DEVERIA GANHAR: Roger Deakins (1917) ou Jarin Blaschke (O Farol)
SE ROLAR, É ZEBRA: Rodrigo Prieto (O Irlandês)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Phedon Papamichael (Ford Vs Ferrari), Jasper Wolf (Monos)

038

Roger Deakins em set de 1917 com uma equipe de filmagem maior que muito elenco (pic by OutNow.CH)

Se fotografia fosse apenas iluminação e enquadramento, este Oscar seria de Jarin Blaschke. Num preto-e-branco soberbo, com formato praticamente quadrado, sua fotografia ajuda a situar e narrar a história dos dois marinheiros em O Farol. Mas quando entra o quesito movimento de câmera também, Roger Deakins mostra porque é o melhor diretor de fotografia vivo.

Em seu trabalho, temos beleza plástica, com cores e enquadramentos, movimentação de todos os tipos, e com gruas especiais. É uma fotografia extremamente pensada, planejada e executada à perfeição. Deakins prova para todos os outros diretores de fotografia que ele ainda consegue se superar. Segundo Oscar merecidíssimo.

MELHOR MONTAGEM

  • Ford Vs Ferrari, Andrew Buckland e Michael McCusker
  • O Irlandês, Thelma Schoonmaker
  • Jojo Rabbit, Tom Eagles
  • Coringa, Jeff Groth
  • Parasita, Jinmo Yang

DEVE GANHAR: Parasita
DEVERIA GANHAR: Parasita
SE ROLAR, É ZEBRA: Coringa

NÃO RECEBEU O CONVITE: Benny Safdie e Ronald Bronstein (Joias Brutas)

Parasite 3

O plano do pêssego exemplifica o melhor da montagem de Parasita (pic by IMDb)

Com um roteiro bastante preciso como o de Parasita, fica um pouco mais fácil observar o trabalho de montagem de Jinmo Yang, que entrelaça linhas temporais com cortes sutis. Na sequência do plano do pêssego, vemos como a montagem funciona à perfeição.

O trabalho de montagem de Thelma Schoonmaker em O Irlandês deve ter sido o mais trabalhoso. Pra chegar num corte final de três horas e meia, imaginamos o quanto de material bruto ela não teve que lapidar. Com a edição dela, a duração do filme parece cair uma hora. Mas pra muitos, aquela meia hora final ficou um pouco arrastada.

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

  • O Irlandês, Bob Shaw e Regina Graves
  • Jojo Rabbit, Ra Vincent e Nora Sopková
  • 1917, Dennis Gassner e Lee Sandales
  • Era Uma Vez em… Hollywood, Barbara Ling e Nancy Haigh
  • Parasita, Lee Ha Jun e Cho Won Woo

DEVE GANHAR: Era Uma Vez em… Hollywood
DEVERIA GANHAR: Parasita
SE ROLAR, É ZEBRA: O Irlandês

NÃO RECEBEU O CONVITE: Dor e Glória, Midsommar

Once Upon 3

Cena entre Brad Pitt e Leo DiCaprio em Era Uma Vez em… Hollywood com a direção de arte de Barbara Ling (pic by OutNow.CH)

Claro que é muito nítido o trabalho de recriação de direção de arte de Era Uma Vez em… Hollywood, pois a Los Angeles volta para o final dos anos 60, e temos o estúdio de cinema em que o protagonista, vivido por Leonardo DiCaprio, atua num western.

Apesar da mansão da família Park ser um personagem à parte, o trabalho de direção de arte de Parasita é muito sutil no bairro mais humilde da família Kim. Fazer com que tudo pareça locação é uma tarefa mais complicada, ainda mais quando há uma enchente.

MELHOR FIGURINO

  • O Irlandês, Christopher Peterson e Sandy Powell
  • Jojo Rabbit, Mayes C. Rubeo
  • Coringa, Mark Bridges
  • Adoráveis Mulheres, Jacqueline Durran
  • Era Uma Vez em… Hollywood, Arianne Phillips

DEVE GANHAR: Adoráveis Mulheres
DEVERIA GANHAR: Adoráveis Mulheres
SE ROLAR, É ZEBRA: O Irlandês

NÃO RECEBEU O CONVITE: Midsommar, Meu Nome é Dolemite, Rocketman

Little W

A típica cena pra garantir uma indicação ao Oscar de figurino em Adoráveis Mulheres (pic by OutNow.CH)

Não sei o que houve nessa categoria. Tudo bem, entendemos que os uniformes dos nazistas em Jojo Rabbit passaram por modificações para se adequarem ao ponto de vista infantil do protagonista, mas nos parece um exagero toda essa atenção.

O próprio trabalho de figurino de Jacqueline Durran em Adoráveis Mulheres não é dos melhores. Ele se destaca por ser de época, mas de longe, parece meio genérico. Citamos aí acima três trabalhos melhores de figurino que esqueceram de indicar nesta categoria. O comitê de Figurinistas da Academia, que seleciona os indicados, pisaram feio na bola este ano.

MELHOR MAQUIAGEM E CABELO

  • O Escândalo, Kazu Hiro, Anne Morgan e Vivian Baker
  • Coringa, Nicki Ledermann e Kay Georgiou
  • Judy: Muito Além do Arco-Íris, Jeremy Woodhead
  • Malévola: Dona do Mal, Paul Gooch, Arjen Tuiten e David White
  • 1917, Naomi Donne, Tristan Versluis e Rebecca Cole

DEVE GANHAR: O Escândalo
DEVERIA GANHAR: O Escândalo
SE ROLAR, É ZEBRA: Malévola: Dona do Mal

NÃO RECEBEU O CONVITE: Rocketman

Bombshell

Charlize Theron e John Lithgow em cena de O Escândalo (pic by OutNow.CH)

Esta é a primeira vez na história que a categoria possui 5 indicados, mas mesmo assim está difícil selecionar um que realmente mereça o prêmio. A maquiagem de Kazu Hiro em O Escândalo é a que mais chamou a atenção até o momento pela transformação de Charlize Theron na âncora da Fox News Megyn Kelly. O rosto da atriz passou por algumas técnicas para abaixar a linha dos olhos dela e uso de prótese. Se for pra premiar com o Oscar quem deixou a Charlize Theron estranha à perfeição, deveriam ter dado o Oscar para o maquiador de Monster (2003).

No campo da sutileza, preferimos o trabalho de maquiagem em Renée Zellweger para se tornar Judy Garland. São alguns detalhes que fizeram toda a diferença.

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL

  • Coringa, Hildur Guðnadóttir
  • Adoráveis Mulheres, Alexandre Desplat
  • História de um Casamento, Randy Newman
  • 1917, Thomas Newman
  • Star Wars: A Ascensão Skywalker, John Williams

DEVE GANHAR: Coringa
DEVERIA GANHAR: Coringa
SE ROLAR, É ZEBRA: Star Wars: A Ascensão Skywalker

NÃO RECEBEU O CONVITE: Michael Abels (Nós), Daniel Lopatin (Jóias Brutas), Dan Levy (Perdi Meu Corpo), Mica Levi (Monos)

Joker

A cena de transformação no banheiro elevada pela trilha musical (pic by OutNow.CH)

É triste vermos um bom compositor como Thomas Newman indicado 15 vezes sem nunca ter levado o Oscar. Será mesmo que nas 15 vezes ele não merecia? Em nossa opinião, o melhor trabalho dele foi em Beleza Americana, sua 4ª indicação. O que prejudicou um pouco sua campanha foi o destaque que Sam Mendes deu à música em determinadas cenas, fazendo soar como um mero artifício emocional.

Por outro lado, a trilha de Hildur Guðnadóttir consegue crescer com o filme Coringa, e colabora demais com a atuação de seu protagonista Arthur Fleck (Joaquin Phoenix), exemplificada na cena do banheiro (ouça um pouco em nosso podcast!).

E apesar de gostarmos das trilhas de John Williams e Randy Newman, consideramos outras opções como Michael Abels em Nós e Daniel Lopatin em Joias Brutas.

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

  • “I Can’t Let You Throw Yourself Away”, Toy Story 4 (escrita por Randy Newman)
  • “I’m Gonna Love Again”, Rocketman (escrita por Elton John e Bernie Taupin)
  • “I’m Standing With You”, Superação: O Milagre da Fé (escrita por Diane Warren)
  • “Into the Unknown”, Frozen 2 (escrita por Kristen Anderson-Lopez e Robert Lopez)
  • “Stand Up”, Harriet (escrita por Cynthia Erivo e Joshuah Brian Campbell)

DEVE GANHAR: “I’m Gonna Love Me Again”(Rocketman)
DEVERIA GANHAR: “I’m Gonna Love Me Again”(Rocketman)
SE ROLAR, É ZEBRA: “I Can’t Let You Throw Yourself Away”(Toy Story 4)

NÃO RECEBEU O CONVITE: “Glasgow (No Place Like Home)” de As Loucuras de Rose

rocketman

Taron Egerton em cena de Rocketman, indicado a Melhor Canção Original (pic by OutNow.CH)

O Oscar de Melhor Canção para Toy Story 3 já havia sido um pouco exagerado, pois se parecia com a canção do primeiro filme, mas naquele ano, a concorrência estava abaixo da média. Portanto, não entendemos a indicação da canção desse Toy Story 4… que poderia ter cedido espaço para a canção de As Loucuras de Rose, e de quebra dar aquela força para a atriz Jessie Buckley, que canta a canção na última sequência do filme.

Apesar da força da canção “Stand Up” de Harriet, e toda a polêmica envolvendo a recusa de Cynthia Erivo cantar no BAFTA em protesto, acreditamos que a Academia prefere Elton John levando seu segundo Oscar da carreira por seu filme autobiográfico Rocketman.

MELHOR MIXAGEM DE SOM

  • Ad Astra, Gary Rydstrom, Tom Johnson e Mark Ulano
  • Ford Vs Ferrari, Paul Massey, David Giammarco, Steven Morrow
  • Coringa, Tom Ozanich, Dean A. Zupancic e Tod A. Maitland
  • 1917, Mark Taylor e Stuart Wilson
  • Era Uma Vez em… Hollywood, Michael Minkler, Christian P. Minkler e Mark Ulano

DEVE GANHAR: Ford vs Ferrari
DEVERIA GANHAR: 1917
SE ROLAR, É ZEBRA: Coringa

NÃO RECEBEU O CONVITE: Vingadores: Ultimato

Ford v Ferrari

Christian Bale e Matt Damon em Ford vs Ferrari (pic by OutNow.CH)

Pra quem conferiu Ford vs Ferrari numa boa sala de cinema, sabe que o som te transporta diretamente para os autódromos das corridas. Embora o filme tenha boas chances de levar o Oscar de Montagem, acreditamos que se o filme da Disney/Fox levar um Oscar, este será de Melhor Som.

MELHORES EFEITOS SONOROS

  • Ford Vs Ferrari, Donald Sylvester
  • Coringa, Alan Robert Murray
  • 1917, Oliver Tarney, Rachael Tate
  • Era Uma Vez em… Hollywood, Wylie Stateman
  • Star Wars: A Ascensão Skywalker, Matthew Wood, David Acord

DEVE GANHAR: 1917
DEVERIA GANHAR: 1917
SE ROLAR, É ZEBRA: Star Wars: A Ascensão Skywalker

NÃO RECEBEU O CONVITE: John Wick 3: Parabellum

1917

Sequência da trincheira em 1917 (pic by OutNow.CH)

Dunkirk, Mad Max: Estrada da Fúria e Sniper Americano são alguns dos últimos vencedores desta categoria. Se você ouvir muitos tiros ou explosões no filme, aposte suas fichas neste filme.  No caso, os melhores efeitos foram de 1917. Pra quem conseguiu conferir o filme numa sala de cinema com sistema de som profissional como o THX, com certeza pulou da poltrona a cada tiro (como eu e o senhor do meu lado fizemos).

MELHORES EFEITOS VISUAIS

  • Vingadores: Ultimato, Dan DeLeeuw, Russell Earl, Matt Aitken e Daniel Sudick
  • O Irlandês, Pablo Helman, Leandro Estebecorena, Nelson Sepulveda, Stephen Grabli
  • O Rei Leão, Robert Legato, Adam Valdez, Andrew R. Jones, Elliot Newman
  • 1917, Guillaume Rocheron, Greg Butler, Dominic Tuohy
  • Star Wars: A Ascensão Skywalker, Neal Scanlan, Patrick Tubach, Dominic Tuohy e Roger Guyett

DEVE GANHAR: 1917
DEVERIA GANHAR: O Rei Leão
SE ROLAR, É ZEBRA: Star Wars: A Ascensão Skywalker

NÃO RECEBEU O CONVITE: Alita: Anjo de Combate

1917 VFX

Os bonecos de corpos em decomposição fazem parte dos efeitos visuais, além das transições sutis de cortes de 1917 (pic by OutNow.CH)

Acho que a Academia mudou um pouco o perfil dos vencedores desta categoria. Antes, tudo que saltava aos olhos ganhava o Oscar de Efeitos Especiais. Hoje eles buscam um perfil mais discreto e mais eficiente para a narrativa, como os últimos vencedores Ex-Machina e O Primeiro Homem. Então, nesse aspecto, 1917 tem as maiores chances de vitória, embora os efeitos de O Rei Leão serem impressionantes pelo realismo dos animais.

MELHOR DOCUMENTÁRIO

  • Indústria Americana, Steven Bognar, Julia Reichert e Jeff Reichert
  • The Cave, Feras Fayyad, Kirstine Barfod e Sigrid Dyekjær
  • Democracia em Vertigem, Petra Costa, Joanna Natasegara, Shane Boris e Tiago Pavan
  • For Sama, Waad Al-Kateab e Edward Watts
  • Honeyland, Ljubomir Stefanov, Tamara Kotevska e Atanas Georgiev

DEVE GANHAR: Honeyland
DEVERIA GANHAR: Honeyland
SE ROLAR, É ZEBRA: The Cave

NÃO RECEBEU O CONVITE: Apollo 11, One Child Nation, Virando a Mesa do Poder

Honeyland

Cenas belíssimas de Honeyland e sua narrativa ficcional (pic by OutNow.CH)

Todos retratam e analisam muito bem suas temáticas aqui, sem sombra de dúvidas. Porém, Honeyland faz isso com beleza plástica (a fotografia, que levou três anos, ganhou o prêmio Spotlight do sindicato de diretores de fotografia) e ainda aplica uma narrativa que beira a ficção para analisarmos como o Capitalismo é destrutivo no ecossistema.

Mas se o Oscar considerar que um voto para Indústria Americana for um voto para os Obamas, que produziram este documentário, então teremos a produção da Netflix vencendo aqui.

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA

  • In the Absence, Seung-jun Yi e Gary Byung-Seok Kam
  • Learning to Skateboard in a Warzone (If You’re a Girl), Carol Dysinger e Elena Andreicheva
  • A Vida em Mim, Kristine Samuelson, John Haptas
  • St. Louis Superman, Sami Khan, Smriti Mundhra
  • Walk Run Cha-Cha, Laura Nix, Colette Sandstedt

DEVE GANHAR: Learning to Skateboard in a Warzone (If You’re a Girl)
DEVERIA GANHAR: In the Absence
SE ROLAR, É ZEBRA: A Vida em Mim

Learning to Skateboard

Cena de Learning to Skateboard in a War Zone (If You’re a Girl). Pic by IMDb

Crianças oprimidas por uma dura realidade é um prato cheio nesta categoria, e um voto da Academia é considerado um apoio às causas humanitárias. Além disso, o BAFTA e o Festival de Tribeca já premiaram este curta há pouco tempo.

O retrato de uma tragédia nos mares da Coréia do Sul expõe uma grande insatisfação com o governo e sua burocracia estúpida no ótimo documentário In the Absence, que pode surpreender aqui.

MELHOR CURTA-METRAGEM

  • Brotherhood, Meryam Joobeur e Maria Gracia Turgeon
  • Nefta Football Club, Yves Piat e Damien Megherbi
  • The Neighbors’ Window, Marshall Curry
  • Saria, Bryan Buckley e Matt Lefebvre
  • A Sister, Delphine Girard

DEVE GANHAR: The Neighbors’Window
DEVERIA GANHAR: Brotherhood
SE ROLAR, É ZEBRA: Saria

My Neighbors window

My Neighbors’ Window (pic by IMDb)

Brotherhood tem a história mais intensa dos cinco indicados e também é o mais bem filmado. Porém, em se tratando de curtas, o pessoal da Academia curte bastante uma virada com tom de moral no final. Basta lembrarmos do último vencedor da categoria Skin, para votarmos em My Neighbors’ Window.

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO

  • Dcera (Daughter), Daria Kashcheeva
  • Hair Love, Matthew A. Cherry, Karen Rupert Toliver
  • Kitbull, Rosana Sullivan e Kathryn Hendrickson
  • Mémorable, Bruno Collet e Jean-François Le Corre
  • Sister, Siqi Song

DEVE GANHAR: Hair Love
DEVERIA GANHAR: Mémorable
SE ROLAR, É ZEBRA: aqui qualquer um pode ganhar

Hair Love

Curta de animação Hair Love com a dublagem de Issa Rae (pic by IMDb)

Alguns preconceitos nesta categoria ainda perduram. Muitos consideram que a melhor animação é aquela mais colorida e fofinha, de preferência com personagens infantis ou animais. Por isso mesmo, consideramos Hair Love e KitBull como os favoritos. Não que sejam necessariamente inferiores, mas pra quem viu Mémorable, sabe que ali tem qualidade técnica impressionante e emoções mais sutis.

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Como Treinar o seu Dragão 3 (How to Train Your Dragon: The Hidden World), Dean DeBlois, Bradford Lewis e Bonnie Arnold
  • Perdi Meu Corpo (J’ai Perdu Mon Corps), Jérémy Clapin e Marc Du Pontavice
  • Klaus (Klaus), Sergio Pablos, Jinko Gotoh e Marisa Roman
  • Link Perdido (Missing Link), Chris Butler, Arianne Sutner e Travis Knight
  • Toy Story 4 (Toy Story 4), Josh Cooley, Mark Nielsen e Jonas Rivera

DEVE GANHAR: Klaus
DEVERIA GANHAR: Klaus
SE ROLAR, É ZEBRA: Como Treinar o seu Dragão 3

NÃO RECEBEU O CONVITE: O Tempo com Você, de Makoto Shinkai

Klaus

Cena de Klaus, da Netflix (pic by OutNow.CH)

Você sabia que um 2/3 dos 19 Oscars de Animação foi pra Disney ou Pixar? Claro que a maioria desses prêmios foi super merecida como Os Incríveis, Ratatouille e Wall-E, mas nem sempre eles entregam o melhor trabalho de animação. Neste ano, a Disney veio de Frozen 2, e a Pixar de Toy Story 4, duas sequências de franquias.  E a má recepção da sequência de Frozen a tirou da disputa.

Klaus pode não ser um trabalho formidável, principalmente em termos de criatividade no roteiro, mas ele emociona tão bem quanto os melhores trabalhos da Pixar. E o BAFTA e o Annie Awards concordam com isso, tanto que deram o prêmio de animação para Klaus. Um Oscar para Klaus definitivamente colocaria a Netflix no mapa da animação.

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

  • Corpus Christi – POLÔNIA
  • Honeyland – MACEDÔNIA DO NORTE
  • Os Miseráveis (Les Miserábles) – FRANÇA
  • Dor e Glória (Dolor y GLoria) – ESPANHA
  • Parasita (Gisaengchung) – CORÉIA DO SUL

DEVE GANHAR: Parasita
DEVERIA GANHAR: Parasita
SE ROLAR, É ZEBRA: Corpus Chisti

NÃO RECEBEU O CONVITE: Monos (Colômbia)

Parasite_Filmstill1

Cena do WiFi de Parasita (Pic by CineImage.ch)

Ao lado do prêmio para Joaquin Phoenix como Melhor Ator, este prêmio de Melhor Filme Internacional é daqueles com 99,99% de certeza para o filme sul-coreano. Claro que o filme de Almodóvar, Dor e Glória, é belo e poético, mas é inegável a unanimidade de Parasita nesta categoria desde sua vitória da Palma de Ouro em Cannes. Esta é a primeira indicação para a Coréia do Sul e tudo leva a crer que será de cara a primeira vitória também.

Mais do que uma simples vitória de Oscar, Parasita conseguiu o feito de puxar o olhar do mundo para o cinema de seu país, que vinha de uma ascensão desde o início dos anos 2000 com filmes como OldBoy (2003), Casa Vazia (2004), O Hospedeiro (2006), A Criada (2016) e Em Chamas (2018).

É uma pena que não houve espaço para um filme da América da Latina, especialmente da Colômbia, que também está em franca ascensão com os filmes de Ciro Guerra, e agora Alejandro Landes e seu sufocante Monos.


A 92ª cerimônia do Oscar acontece a partir das 22h na TNT e… no GloboPlay, e sei lá quando depois do BBB na Globo.

OSCAR 2020: INDICADOS a MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

27th Annual Elton John AIDS Foundation Academy Awards Viewing Party Sponsored By IMDb And Neuro Drinks Celebrating EJAF And The 91st Academy Awards - Inside

Elton John com Taron Egerton numa apresentação especial (pic by Adoro Cinema)

HORA DE CONHECER AS CINCO CANÇÕES INDICADAS AO OSCAR

Embora muitos dos espectadores que assistem ao Oscar utilizem as apresentações das músicas para fazer aquele break para o banheiro ou para buscar aquele snack na geladeira, sempre existem aqueles que amam as performances dos artistas.

Dentre as canções esnobadas que vinham sendo reconhecidas na temporada estão “Spirit” (O Rei Leão), “Beautiful Ghosts” (Cats) e “Speechless” (Aladdin), mas foi a ausência de “Glasgow (No Place Like Home)” do filme As Loucuras de Rose que realmente nos deixou decepcionadíssimos. Uma canção leve, bonita e que carrega todo o espírito do filme britânico sobre uma mulher que sonha em cantar em Nashville. A Academia perdeu uma excelente oportunidade de “compensar” a esnobada atriz Jessie Buckley ao dar a chance de ela se apresentar no palco. Uma pena. Vamos colocar o link dela no final do post para aqueles que se interessaram.

Voltando aos indicados deste ano, os cinco que vão se apresentar já confirmaram presença e já devem estar ensaiando para a cerimônia do dia 09 de Fevereiro. Conheça um pouco sobre as canções que estão concorrendo ao prêmio, vencido por “Shallow” no ano passado.

“I Can’t Let You Throw Yourself Away”  (Toy Story 4)
Música e letras por Randy Newman

Dos cinco indicados, esta foi a maior surpresa da categoria, pois a canção não vinha figurando em nenhuma lista de canções até aquele momento. Curiosamente, com esta indicação, todos os quatro filmes de Toy Story receberam indicações ao Oscar: “You’ve Got a Friend in Me” (Toy Story), “When She Loved Me” (Toy Story 2), “We Belong Together” (Toy Story 3) – que acabou levando o Oscar pelo mesmo Randy Newman – e esta nova canção. Claro que a canção é fofinha e animada como a anterior, mas ainda não entendemos essa indicação. As chances de vitória são mínimas.

“(I’m Gonna) Love Me Again” (Rocketman)
Música por Elton John e letras por Bernie Taupin

Apesar do clima triste presente em muitas cenas envolvendo família, a canção casa perfeitamente com as sequências oníricas e coloridas. E como o próprio Taupin disse, “não se trata de apenas mais uma canção de Elton John, mas uma canção feita para seu filme autobiográfico”. Entre os prêmios mais importantes, já levou o Globo de Ouro e o Critics’ Choice Awards. Com esta única indicação para Rocketman (merecia Melhor Ator, Figurino e Maquiagem), a canção pode ganhar mais força na votação. Vale lembrar que Elton John já ganhou um Oscar em 1995 pela canção “Can You Feel the Love Tonight” de O Rei Leão. E embora nada tenha sido confirmado ainda, existe a possibilidade do ator Taron Egerton, que interpretou Elton John, acompanhá-lo na apresentação no palco, o que seria gratificante para o ator, que foi esnobado.

“I’m Standing With You” (Superação: O Milagre da Fé)
Música e letras por Diane Warren. A atriz Chrissy Metz cantará a canção.

Dentre os recordistas de indicações de artistas sem vitória, temos a compositora Diane Warren que, este ano, recebeu sua 11ª indicação por Superação: O Milagre da Fé. Trata-se de uma adaptação de um livro sobre uma mãe que ora para que seu filho de 14 anos sobreviva a um afogamento. Praticamente todos os anos, a Academia gosta de indicar uma canção nesse estilo mais religioso ou espiritual, mas uma vitória aqui seria, com o perdão da palavra, um milagre. Warren teve seu auge nos anos 90 com as canções “Because You Loved Me”, “How do I Live” e “I Don’t Want to Miss a Thing”.

“Into the Unknown” (Frozen 2)
Música e letras por Kristen Anderson-Lopez e Robert Lopez. Cantada por Idina Menzel e Aurora

Definitivamente não tem a mesma pegada de “Let it Go” do primeiro filme, mas os compositores Kristen Anderson-Lopez e Robert Lopez são bons nesse ofício. Já ganharam dois Oscars, por Frozen e Viva: A Vida é uma Festa (Remember Me”), sem contar toda a longeva tradição das canções da Disney no Oscar. Alguns podem votar na canção para compensar a ausência de Frozen 2 na categoria de Longa de Animação, mas acreditamos que não será o suficiente. Esperamos que desta vez, pelo menos, acertem o nome da Idina Menzel antes de ela se apresentar, principalmente se for John Travolta.

“Stand Up” (Harriet)
Música e letras por Joshuah Brian Campbell e Cynthia Erivo

Não sei se vocês vão se lembrar, mas esta canção muito lembra “Mighty River”, cantada pela também indicada ao Oscar Mary J. Blige pelo drama Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississippi, que concorreu como Melhor Canção em 2018. Ambas são provenientes de filmes sobre escravidão, porém Harriet se passa no século XIX. Já considerávamos esta canção uma das favoritas ao prêmio, mas sua campanha ganhou mais força ainda quando Cynthia Erivo se recusou a apresentar a canção na cerimônia do BAFTA, quando a organização tentou “compensar” a falta de atores negros indicados nas categorias de atuação. Embora um pouco radical, sua decisão andou repercutindo nessa reta final do Oscar, e agora resta saber se vai gerar consequências positivas. E já que as chances de Erivo levar Melhor Atriz, pode ser que ela leve pela canção. De qualquer forma, “Stand Up” é uma bela canção. Pena que a personagem não canta durante o filme.

A 92ª cerimônia do Oscar acontece no dia 09 de Fevereiro, a partir das 22h (horário de Brasília)


E como prometido, o link de “Glasgow (No Place Like Home)”:

‘1917’ e ‘ERA UMA VEZ EM… HOLLYWOOD’ VENCEM o GLOBO DE OURO de MELHOR FILME

Design sem nome (2).jpg

Atores vencedores do Globo de Ouro 2020

TAPETE VERMELHO

Claro que Charlize Theron pode ir vestida com um saco de batata que ela fica linda, mas esse vestido dela foi uma mistura estranha do tipo “vou de vestido ou de lingerie?”. Sinto que houve o mesmo no caso de Gwyneth Paltrow, com um vestido de tule marrom e a lingerie por baixo. Houve uma tendência fashion em relação às mangas folgadas como nos vestidos de Olivia Colman, Kaitlyn Dever, Isla Fisher, Jodie Comer

Nesses eventos, muitas vezes sentimos que o básico funciona melhor como foi o caso do tomara-que-caia de paetê de Ana de Armas ou do vestido vermelho estonteante de Scarlett Johansson.

Design sem nome (3).jpg

Scarlett Johansson e Ana de Armas no tapete vermelho do Globo de Ouro

EMBAIXADORES DO GLOBO DE OURO

Uma tradição que existe há décadas na cerimônia consiste em apresentar o filho, ou filha ou filhos de alguma celebridade para dar assistência no palco, e introduzi-los ao show business. Este ano, os filhos do ator irlandês Pierce Brosnan, Paris e Dylan, foram eleitos os embaixadores. Não sabemos se eles têm pretensões em Hollywood, mas eles combatem a fome infantil de forma voluntária. Dentre os eleitos no passado estão Laura Dern, Freddie Prinze Jr. e Dakota Johnson.

RICKY GERVAIS: QUINTA E ÚLTIMA VEZ COMO HOST?

Apesar de ter cutucado algumas feridas, o monólogo de Ricky Gervais foi bem light em comparação aos anos anteriores. Seus maiores alvos foram a atriz Felicity Huffman, que comprou a incursão de sua filha na faculdade, e o financiador Jeffrey Epstein, que morreu estrangulado na prisão cumprindo pena por abuso sexual de menores. Acabou sobrando até para a atriz Judi Dench, que defendeu Cats como uma “incrível peça de arte” após chover más críticas do filme de Tom Hooper.

Contudo, a maior sacada dele foi acabou sendo um tapa na cara da hipocrisia em Hollywood. “A Apple lançou a série ‘The Morning Show,’ um drama soberbo sobre a importância da dignidade e de fazer a coisa certa, feita por uma companhia que comanda fábricas precárias que beiram à escravidão na China.”

Aí ele continua indignado: “As companhias pra quais vocês trabalham, inacreditável. Apple, Amazon, Disney. Se o Estado Islâmico começasse um serviço de streaming, você ligaria para seu agente, né? Então, se você ganhar um prêmio hoje, não usa a plataforma para fazer um discurso político. Você não está em posição de pregar sermão público sobre nada. Você não sabe nada sobre o mundo real. A maioria de vocês passou menos tempo na escola do que Greta Thunberg (a ativista sueca de 16 anos). Então se você ganhar, suba aqui, aceite seu prêmiozinho, agradeça seu agente e seu deus e dê o fora.” Isso que admiramos em Ricky Gervais além do humor, ele não tem medo de dizer algumas verdades.

Aliás, ele termina com outra boa verdade ao introduzir Sandra Bullock, comentando que como no filme dela Birdbox, as pessoas fingem que não vêem nada, assim como aconteceu no caso Harvey Weinstein.

Ricky Gervais.jpeg

Host pela 5ª vez Ricky Gervais (pic USA Today)

AUSÊNCIAS

Entre as ausências mais sentidas foram de Christian Bale e Russell Crowe. Enquanto Crowe permaneceu na Austrália para cuidar de sua propriedade contra as violentas queimadas, Bale teria voltado com gripe de uma viagem de férias, e foi aconselhado a não comparecer ao evento. Única indicação de Ford vs Ferrari, o ator britânico tinha poucas chances de vitória, mas mesmo assim, a Disney gastou bastante na campanha do filme de James Mangold. Michael Douglas estava viajando na África com a família… pelo menos foi o que vi em seu Instagram.

CERIMÔNIA EM SI

Normalmente, eles começam com o prêmio de Coadjuvante de cinema, mas este ano resolveram entregar a maioria dos prêmios de TV antes. O primeiro prêmio de cinema foi lá depois de meia hora com Parasita ganhando Filme em Língua Estrangeira.

Ao ganhar o prêmio de Ator Coadjuvante de Série ou Minissérie por Chernobyl, Stellan Skarsgård fez um ótimo discurso ao recordar o falecido diretor Milos Forman, que sempre o elogiou mas nunca lembrava do rosto do ator. Stellan descobriu que a falta de sobrancelhas o torna menos expressivo, e por isso agradeceu à série Chernobyl que providenciou um personagem com sobrancelhas.

Muito bacana ver o veterano do cinema Brian Cox aos 73 anos sendo reconhecido por uma série de TV com excelentes críticas como Succession. E Olivia Colman, que ganhou mais um Globo de Ouro ao interpretar outra rainha na série The Crown. De Rainha Anne de A Favorita à Rainha Elizabeth II na série da Netflix. A vitória dela é um tapa na cara da atriz Claire Foy, que abandonou a série após a segunda temporada.

Após vencer o Globo de Ouro de Atriz Coadjuvante por The Act, Patricia Arquette menciona a guerra iminente com o Irã, e o tweets de Donald Trump alegando que tem 52 alvos em caso de ataque. Ela pede para que votem (o voto por lá não é obrigatório) na eleição para presidente. Outra que teve um discurso mais político foi Michelle Williams que destacou a liberdade que o país provê para mulheres, e pediu para que todas votem na eleição para que o país “fique mais com a cara das mulheres”.

Ao subir no palco, o diretor Bong Joon Ho abriu seu discurso com uma verdade universal: “Depois que você deixar de se incomodar com as legendas, você descobrirá uma gama enorme de filmes espetaculares”. Já Joaquin Phoenix parecia incomodado e nervoso, tanto que disse duas vezes “fucking”. Agradeceu a oportunidade de poder se reinventar e de se redimir de erros passados.

PRÊMIOS HONORÁRIOS

Kate McKinnon foi a escolhida para entregar o prêmio especial Carol Burnett para Ellen DeGeneres. Ela fez questão de agradecer a inspiração LGBT que Ellen lhe trouxe por estar na TV. Ellen DeGeneres perdeu sua sitcom no final dos anos 90, depois que revelou ser gay. Ela faz um trabalho humanitário fantástico de ajudar pessoas necessitadas através de seu programa televisivo e pela preservação de vida selvagem. DeGeneres foi a primeira homenageada com o prêmio Carol Burnett depois da própria Burnett.

E que bela montagem de filmes estrelados por Tom Hanks. Mostra a diversidade e versatilidade do ator. Ele repassa a maior lição que teve como ator de um diretor da peça: “Venha no horário, decore o texto e venha com idéias na cabeça”.

NÚMEROS DO GLOBO DE OURO

Primeiramente, vamos começar com a Netflix. O que aconteceu? As propinas não surtiram efeito? A produtora tinha três filmes na disputa: História de um Casamento (6 indicações), O Irlandês (5 indicações) e Dois Papas (4 indicações). Saiu com UM Globo de Ouro para Laura Dern na seção de Cinema. Em TV, não foi diferente. Levou apenas o Globo de Ouro de Atriz de Série Dramática para Olivia Colman por The Crown.

O presidente da companhia, Ted Sarandos, não deve ter ficado muito feliz pelo retorno de suas campanhas, mas suas produções devem se sair melhor com as indicações ao Oscar, que serão anunciadas daqui uma semana, no dia 13.

Embora Era Uma Vez em… Hollywood tenha levado 3 Globos de Ouro, a premiação foi bem equilibrada, com três filmes levando dois prêmios cada: 1917, Rocketman e Coringa. Com um Globo de Ouro cada, cinco filmes empataram em terceiro lugar: ParasitaHistória de um CasamentoThe FarewellJudy e a animação Link Perdido.

Interessante destacar que Awkwafina se tornou a primeira asiática a vencer a categoria de Atriz – Comédia ou Musical, e a compositora islandesa Hildur Guðnadóttir se tornou a primeira mulher a ganhar o prêmio de Trilha Original por Coringa.

SURPRESAS

Das 14 categorias de Cinema, acertamos apenas 50%. Uma vergonha lastimável! Pedimos perdão aos seguidores!! PORÉM, isso significa que o Globo de Ouro surpreendeu. E com exceção de 1917, que ainda não conferimos, foram surpresas bem positivas, começando com a vitória de Link Perdido, que bateu Toy Story 4 e Frozen 2. A produtora de animação especializada em stop motion Laika derrotou as gigantes Pixar e Disney! Apesar de Link Perdido não ser uma animação de encher os olhos, foi gratificante ver a HFPA dando preferência à criatividade (no lugar das sequências bilionárias).

Outra grande surpresa aconteceu na categoria de Direção com o britânico Sam Mendes vencendo os favoritos Bong Joon Ho, Martin Scorsese e Quentin Tarantino. Gentil e humilde, Mendes abre seu discurso elogiando Martin Scorsese, agradece a inspiração do avô que lutou a Primeira Guerra Mundial e fecha com os dizeres “espero que não aconteça de novo”. Naquela altura do campeonato, com a vitória de Sam Mendes, o Globo de Ouro de Filme – Drama ir para o filme de guerra não era mais surpresa, mas antes da festa, O Irlandês era o grande favorito, até mesmo para os especialistas. “Eu realmente espero que isto signifique que as pessoas vão assistir ao filme na tela grande”, disse o diretor. Aqui no Brasil, o filme deve ser lançado no dia 23 de Janeiro. Se você tiver a oportunidade de ver nos cinemas, recomendamos em IMAX.

A terceira surpresa da noite foi a vitória de Taron Egerton por Rocketman como Melhor Ator – Comédia ou Musical. Inicialmente, a briga estava entre Leonardo DiCaprio e Eddie Murphy, mas ficamos felizes que Egerton foi reconhecido. O que apreciamos na performance dele é que Egerton buscou fazer uma versão própria de Elton John, e não apenas uma cópia à base de maquiagem e playback (sim, estamos falando de você, Rami Malek). Não sabemos se a HFPA concedeu o prêmio por amor a Elton John (que levou o prêmio de Canção Original), mas independente disso, essa vitória ajuda a impulsionar ainda mais a campanha do ator para o Oscar. Lembrando ainda que ele está indicado ao SAG.

Seguem os vencedores nas categorias de Cinema (em azul) e TV (vermelho):

CINEMA

MELHOR FILME – DRAMA
1917 (Universal)
O Irlandês (The Irishman) (Netflix)
História de um Casamento (Marriage Story) (Netflix)
Coringa (Joker) (Warner Bros.)
Dois Papas (The Two Popes) (Netflix)

MELHOR ATRIZ – DRAMA
Renée Zellweger (Judy)
Cynthia Erivo (Harriet)
Scarlett Johansson (História de um Casamento)
Saoirse Ronan (Adoráveis Mulheres)
Charlize Theron (O Escândalo)

MELHOR ATOR – DRAMA
Joaquin Phoenix (Coringa)
Christian Bale (Ford vs Ferrari)
Antonio Banderas (Dor e Glória)
Adam Driver (História de um Casamento)
Jonathan Pryce (Dois Papas)

MELHOR FILME – COMÉDIA OU MUSICAL
Era uma Vez em… Hollywood (Once Upon a Time in Hollywood) (Sony)
Meu Nome é Dolemite (Dolemite Is My Name) (Netflix)
Jojo Rabbit (Fox Searchlight)
Entre Facas e Segredos (Knives Out) (Lionsgate)
Rocketman (Paramount)

MELHOR ATRIZ – COMÉDIA OU MUSICAL
Awkwafina (The Farewell)
Ana de Armas (Entre Facas e Segredos)
Cate Blanchett (Cadê Você, Bernadette?)
Beanie Feldstein (Fora de Série)
Emma Thompson (Late Night)

MELHOR ATOR – COMÉDIA OU MUSICAL
Taron Egerton (Rocketman)
Daniel Craig (Entre Facas e Segredos)
Roman Griffin Davis (Jojo Rabbit)
Leonardo DiCaprio (Era uma Vez em… Hollywood)
Eddie Murphy (Meu Nome é Dolemite)

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO
Link Perdido (Missing Link) (United Artists Releasing)
Frozen 2 (Disney)
Como Treinar o Seu Dragão 3 (How to Train Your Dragon: The Hidden World) (Universal)
O Rei Leão (The Lion King) (Disney)
Toy Story 4 (Disney)

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
Parasita (Parasite) (Neon)
The Farewell (A24)
Les Misérables (Amazon)
Dor e Glória (Pain and Glory) (Sony Pictures Classics)
Retrato de uma Jovem em Chamas (Portrait of a Lady on Fire) (Neon)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Laura Dern (História de um Casamento)
Kathy Bates (O Caso Richard Jewell)
Annette Bening (O Relatório)
Jennifer Lopez (As Golpistas)
Margot Robbie (O Escândalo)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Brad Pitt (Era uma Vez em… Hollywood)
Tom Hanks (Um Lindo Dia na Vizinhança)
Anthony Hopkins (Dois Papas)
Al Pacino (O Irlandês)
Joe Pesci (O Irlandês)

MELHOR DIRETOR
Sam Mendes (1917)
Bong Joon Ho (Parasita)
Todd Phillips (Coringa)
Martin Scorsese (O Irlandês)
Quentin Tarantino (Era uma Vez em… Hollywood)

MELHOR ROTEIRO
Quentin Tarantino (Era uma Vez em… Hollywood)
Noah Baumbach (História de um Casamento)
Bong Joon-ho and Han Jin-won (Parasita)
Anthony McCarten (Dois Papas)
Steven Zaillian (O Irlandês)

MELHOR TRILHA MUSICAL
Hildur Guðnadóttir (Coringa)
Alexandre Desplat (Adoráveis Mulheres)
Randy Newman (História de um Casamento)
Thomas Newman (1917)
Daniel Pemberton (Brooklyn: Sem Pai Nem Mãe)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“I’m Gonna Love Me Again” (Rocketman)
“Beautiful Ghosts” (Cats)
“Into the Unknown” (Frozen 2)
“Spirit” (O Rei Leão)
“Stand Up” (Harriet)


TELEVISÃO/STREAMING

MELHOR SÉRIE – DRAMA
“Succession” (HBO)
“Big Little Lies” (HBO)
“The Crown” (Netflix)
“Killing Eve” (BBC America)
“The Morning Show” (Apple TV Plus)

MELHOR ATRIZ DE SÉRIE – DRAMA
Olivia Colman (“The Crown”)
Jennifer Aniston (“The Morning Show”)
Jodie Comer (“Killing Eve”)
Nicole Kidman (“Big Little Lies”)
Reese Witherspoon (“The Morning Show”)

MELHOR ATOR DE SÉRIE – DRAMA
Brian Cox (“Succession”)
Kit Harington (“Game of Thrones”)
Rami Malek (“Mr. Robot”)
Tobias Menzies (“The Crown”)
Billy Porter (“Pose”)

MELHOR SÉRIE – COMÉDIA OU MUSICAL
“Fleabag” (Amazon)
“Barry” (HBO)
“The Kominsky Method” (Netflix)
“The Marvelous Mrs. Maisel” (Amazon)
“The Politician” (Netflix)

MELHOR ATRIZ DE SÉRIE – COMÉDIA OU MUSICAL
Phoebe Waller-Bridge (“Fleabag”)
Christina Applegate (“Dead to Me”)
Rachel Brosnahan (“The Marvelous Mrs. Maisel”)
Kirsten Dunst (“On Becoming a God in Central Florida”)
Natasha Lyonne (“Russian Doll”)

MELHOR ATOR DE SÉRIE – COMÉDIA OU MUSICAL
Ramy Youssef (“Ramy”)
Michael Douglas (“The Kominsky Method”)
Bill Hader (“Barry”)
Ben Platt (“The Politician”)
Paul Rudd (“Living with Yourself”)

MELHOR MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
“Chernobyl” (HBO)
“Catch-22″ (Hulu)
“Fosse/Verdon” (FX)
The Loudest Voice (Showtime)
“Unbelievable” (Netflix)

MELHOR ATRIZ DE MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Michelle Williams (“Fosse/Verdon”)
Kaitlyn Dever (“Unbelievable”)
Joey King (“The Act”)
Helen Mirren (“Catherine the Great”)
Merritt Wever (“Unbelievable”)

MELHOR ATOR DE MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Russell Crowe (“The Loudest Voice”)
Christopher Abbott (“Catch-22”)
Sacha Baron Cohen (“The Spy”)
Jared Harris (“Chernobyl”)
Sam Rockwell (“Fosse/Verdon”)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE DE SÉRIE, MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Patricia Arquette (“The Act”)

Helena Bonham Carter (“The Crown”)
Toni Collette (“Unbelievable”)
Meryl Streep (“Big Little Lies”)
Emily Watson (“Chernobyl”)

MELHOR ATOR COADJUVANTE DE SÉRIE, MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Stellan Skarsgård (“Chernobyl”)
Alan Arkin (“The Kominsky Method”)
Kieran Culkin (“Succession”)
Andrew Scott (“Fleabag”)
Henry Winkler (“Barry”)

‘ERA UMA VEZ EM… HOLLYWOOD’, ‘ALADDIN’ e ‘JOJO RABBIT’ se DESTACAM nos PRÊMIOS dos SINDICATO DE DIREÇÃO DE ARTE e FIGURINO

Design sem nome (14).jpg

DIREÇÃO DE ARTE DE FILME DE ÉPOCA

RECONSTITUIÇÕES DE ÉPOCA AINDA SÃO OS MAIS FORTES, MAS  CONTEMPORÂNEOS PODEM SURPREENDER

Logo de cara, é possível perceber que o sindicato de Diretores de Arte (ADG) resolveu fazer uma mudança pontual. Para acolher melhor a boa safra de 2019, elevou seu número de indicados por categoria de cinco para seis, o que possibilitou o reconhecimento de trabalhos louváveis como Ford vs Ferrari, que já valeria pelos seus carros de época.

O curioso que, mesmo com essa abrangência maior, o design de produção da nova versão de Adoráveis Mulheres ficou de fora. Normalmente, quando vemos filmes de época como Orgulho e Preconceito, A Favorita ou A Garota Dinamarquesa automaticamente os incluímos na disputa como fortes candidatos, já que a Academia tem uma devoção por reconstruções de séculos passados.

E para o azar do filme de Greta Gerwig, o histórico recente do sindicato em relação ao Oscar é 100%. Pelo menos um dos vencedores das três categorias acabou levando o Oscar de Direção de Arte. Claro que pode haver uma reviravolta, ainda mais porque Adoráveis Mulheres teve um lançamento meio tardio na temporada, o que pode explicar sua ausência, e vale ressaltar que Jess Gonchor, responsável pelo design de produção, já foi indicado ao Oscar duas vezes por Ave, César! e Bravura Indômita.

Apesar da força das reconstituições de época na categoria do Oscar, trabalhos contemporâneos vistos em Entre Segredos e Facas, Nós e John Wick 3 são dignos de nota. Contudo, o candidato com mais chances é o sul-coreano Parasita. Aquela mansão da família Park não apenas serve para abrigar os personagens, mas é também uma personagem importante na trama. Também vale parabenizar o trabalho na casa da família Kim, localizada na área mais pobre da cidade. É possível notar que não são apenas sujeiras colocadas cuidadosamente, mas parece que realmente vive uma família com baixo poder aquisitivo naquele local.

ANO ÉPOCA FANTASIA/SCI-FI CONTEMP OSCAR
2018 A Favorita Pantera Negra Podres de Ricos Pantera Negra
2017 A Forma da Água Blade Runner 2049 Logan A Forma da Água
2016 Estrelas Além do Tempo Passageiros La La Land La La Land
2015 O Regresso Mad Max: Estrada da Fúria Perdido em Marte Mad Max: Estrada da Fúria
2014 O Grande Hotel Budapeste Guardiões da Galáxia Birdman O Grande Hotel Budapeste

Pelas categorias televisivas, destaque para a série novíssima da Disney Plus, The Mandalorian, que seria um spin-off do universo Star Wars, e que está causando um bafafá enorme nas redes sociais por causa da versão baby de Yoda.

E, como era de se esperar, a última temporada de Game of Thrones foi reconhecida pelos altos custos de produção. Outras séries que obtiveram êxito foram The Handmaid’s Tale, Chernobyl, The Crown e The Marvelous Mrs. Maisel.

Confira todos os indicados nas seções de cinema e TV. Assinalamos em vermelho nossas apostas para indicação ao Oscar de Direção de Arte:

CINEMA

FILME DE ÉPOCA

  • François Audouy (Ford vs Ferrari)
  • Bob Shaw (O Irlandês)
  • Ra Vincent (Jojo Rabbit)
  • Mark Friedberg (Coringa)
  • Dennis Gassner (1917)
  • Barbara Ling (Era uma Vez em… Hollywood)

FILME DE FANTASIA

  • Kevin Thompson (Ad Astra)
  • Gemma Jackson (Aladdin)
  • Charles Wood (Vingadores: Ultimato)
  • Rick Heinrichs (Dumbo)
  • Patrick Tatopoulos (Malévola: Dona do Mal)
  • Rick Carter, Kevin Jenkins (Star Wars: A Ascensão Skywalker)

FILME CONTEMPORÂNEO

  • Jade Healy (Um Lindo Dia na Vizinhança)
  • Kevin Kavanaugh (John Wick 3 – Parabellum)
  • David Crank (Entre Facas e Segredos)
  • Lee Ha-Jun (Parasita)
  • Ruth De Jong (Nós)

FILME DE ANIMAÇÃO

  • Max Boas (Abominável)
  • Michael Giaimo (Frozen 2)
  • Pierre-Olivier Vincent (Como Treinar o seu Dragão 3)
  • James Chinlund (O Rei Leão)
  • Bob Pauley (Toy Story 4)

TV/STREAMING

SÉRIE DE ÉPOCA OU FANTASIA – UMA HORA COM CÂMERA ÚNICA

“A Series of Unfortunate Events: ‘Penultimate Peril: Part 1,’” Bo Welch
“The Crown: ‘Aberfan,’” Martin Childs
“Game of Thrones: ‘The Bells,’” Deborah Riley
“The Mandalorian: ‘Chapter One,’” Andrew L. Jones
“The Marvelous Mrs. Maisel: ‘Ep. 305, Ep. 308,’” Bill Groom

SÉRIE CONTEMPORÂNEA – UMA HORA COM CÂMERA ÚNICA

“Big Little Lies: ‘What Have They Done?’ ‘The Bad Mother,’ ‘I Want to Know,’” John Paino
“The Boys: ‘The Female of the Species,’” Dave Blass
“Euphoria: ‘The Trials and Tribulations of Trying to Pee While Depressed,’ ‘And Salt the Earth Behind You,’” Kay Lee
“The Handmaid’s Tale: ‘Mayday,’” Elizabeth Williams
“The Umbrella Academy: ‘We Only See Each Other at Weddings and Funerals,’” Mark Worthington

MINISSÉRIE OU FILME PARA TV

“Black Mirror: ‘Striking Vipers,’” Anne Beauchamp
“Catch-22,” David Gropman
“Chernobyl,” Luke Hull
“Deadwood,” Maria Caso
“Fosse/Verdon,” Alex DiGerlando

SÉRIE DE MEIA HORA COM CÂMERA ÚNICA

“Barry: ‘ronny/lily,’” Tyler B. Robinson
“Fleabag: ‘Ep. 5,’” Jonathan Paul Green
“GLOW: ‘Up, Up, Up,’” Todd Fjelsted
“The Good Place: ‘Employee of the Bearimy,’ ‘Help Is Other People,’” Ian Phillips
“Russian Doll: ‘Nothing in This World is Easy,’” Michael Bricker

SÉRIE DE MULTI-CÂMERAS

“The Big Bang Theory: ‘The Stockholm Syndrome,’ ‘The Conference Valuation,’ ‘The Propagation Proposition,’” John Shaffner
“The Cool Kids: ‘Vegas, Baby!’” Stephan Olson
“Family Reunion: ‘Remember Black Elvis?’” Aiyanna Trotter
“No Good Nick: ‘The Italian Job,’” Kristan Andrews
“Will & Grace: ‘Family, Trip,’ ‘The Things We Do for Love,’ ‘Conscious Coupling,’” Glenda Rovello

FORMATO CURTO: WEB SÉRIES, VÍDEO MUSICAL OU COMERCIAL

Apple: “It’s Tough Out There,” Quito Cooksey
Ariana Grande, Miley Cyrus, Lana Del Rey: “Don’t Call Me Angel,” Emma Fairley
MedMen: “The New Normal,” James Chinlund
Portal for Facebook: “A Very Muppet Portal Launch,” Alex DiGerlando
Taylor Swift: “Lover,” Kurt Gefke

VARIEDADES, REALITY OU EVENTO ESPECIAL

“Drunk History: “Are You Afraid of the Drunk?” Monica Sotto
“91st Oscars,” David Korins
“Rent: Live,” Jason Sherwood
“Saturday Night Live: ‘1764 Emma Stone,’ ‘1762 Sandra Oh,’ ‘1760 John Mulaney,’” Keith Raywood, Akira Yoshimura, Joe DeTullio, Eugene Lee
“Taylor Swift Reputation Stadium Tour,” Tamlyn Wright, Baz Halpin

A cerimônia do 24º ADG está marcada para o dia 1º de Fevereiro.


Design sem nome (15).jpg

FIGURINOS DE ÉPOCA: Rocketman, Meu Nome é Dolemite, Era uma Vez em… Hollywood, Jojo Rabbit e Downton Abbey

PRIMEIRA FIGURINISTA NEGRA A GANHAR O OSCAR, RUTH CARTER, PODE VENCER NOVAMENTE

Se no sindicato de Diretores de Arte, a sintonia com a Academia está alta, não podemos dizer o mesmo do sindicato de Figurinistas (CDG: Costume Designers Guild). Nos últimos cinco anos, três acertos. Parece razoável, certo? Porém, o prêmio possui três categorias distintas que poderiam reconhecer os mesmos trabalhos do Oscar.

E nos dois casos em que houve divergência, particularmente apreciamos mais os figurinos premiados pelo Oscar: Trama Fantasma e Animais Fantásticos do que os premiados do CDG. Veja tabela abaixo com histórico recente combinado:

Dentre os indicados, o nome mais forte parece ser de Ruth E. Carter, colaboradora assídua de Spike Lee, e que se tornou a primeira negra a vencer o Oscar de Figurino com Pantera Negra. Com a disputa ainda em aberto, o trabalho dela em Meu Nome é Dolemite pode angariar votos mesmo se tratando de uma produção da Netflix (muitos votantes são conservadores em relação à streaming). Se Eddie Murphy conseguir uma indicação como ator, sua campanha melhora ainda mais, e ela pode ganhar dois Oscars consecutivos.

ANO ÉPOCA FANTASIA/SCI-FI CONTEMP OSCAR
2018 A Favorita Pantera Negra Podres de Ricos Pantera Negra
2017 A Forma da Água Mulher-Maravilha Eu, Tonya Trama Fantasma
2016 Estrelas Além do Tempo Doutor Estranho La La Land Animais Fantásticos e Onde Habitam
2015 A Garota Dinamarquesa Mad Max: Estrada da Fúria Beasts of No Nation Mad Max: Estrada da Fúria
2014 O Grande Hotel Budapeste Caminhos da Floresta Birdman O Grande Hotel Budapeste

Contando com os figurinos extravagantes e característicos de Elton John, o trabalho de Julian Day pode ser reconhecido por Rocketman, que vem logo atrás na disputa. Como no filme da Netflix, se Taron Egerton for indicado a Melhor Ator, a campanha do filme melhora e suas chances aumentam.

O trabalho de figurino de Era uma Vez em… Hollywood não chega a impressionar, mas Arianne Phillips é um nome previamente indicado ao Oscar e deve elevar o número de indicações do filme de Tarantino.

Embora não gostamos da idéia de reconhecer designs recicladas das animações, o live-action da Disney de Aladdin ganhou um sopro de criatividade nos figurinos estonteantes da princesa Jasmine, interpretada por Naomi Scott.

Design sem nome (16).jpg

FIGURINO FANTASIA/SCI-FI: Capitã Marvel, Aladdin, Malévola: Dona do Mal, Star Wars: A Ascensão Skywalker e Vingadores: Ultimato

Assinalamos em vermelho nossas apostas para conseguir uma indicação ao Oscar de Melhor Figurino. Ficamos na dúvida entre Jojo Rabbit e Downton Abbey, mas apesar do último ser uma espécie de episódio alongado da série britânica, os votantes da Academia sempre apreciaram figurinos de época com glamour (vide O Grande Gatsby, por exemplo).

CINEMA

FILME CONTEMPORÂNEO

  • Arjun Bhasin (Um Lindo Dia na Vizinhança)
  • Mitchell Travers (As Golpistas)
  • Jenny Eagan (Entre Facas e Segredos)
  • Ellen Mirojnick (A Lavanderia)
  • Shiona Turini (Queen & Slim)

FILME DE ÉPOCA

  • Ruth E. Carter (Meu Nome é Dolemite)
  • Anna Mary Scott Robbins (Downton Abbey)
  • Mayes C. Rubeo (Jojo Rabbit)
  • Arianne Phillips (Era uma Vez em… Hollywood)
  • Julian Day (Rocketman)

FILME DE FICÇÃO CIENTÍFICA/FANTASIA

  • Michael Wilkinson (Aladdin)
  • Judianna Makovsky (Vingadores: Ultimato)
  • Sanja M. Hays (Capitã Marvel)
  • Ellen Mirojnick (Malévola: Dona do Mal)
  • Michael Kaplan (Star Wars: A Ascensão Skywalker)

TV/STREAMING

SÉRIE CONTEMPORÂNEA

  • Big Little Lies: “She Knows” – Alix Friedberg
  • Fleabag: “2.1” – Ray Holman
  • Killing Eve: “Desperate Times” – Charlotte Mitchell
  • Russian Doll: “Superiority Complex” – Jennifer Rogien
  • Schitt’s Creek: “The Dress” – Debra Hanson

SÉRIE DE ÉPOCA

  • Chernobyl: “Please Remain Calm” – Odile Dicks-Mireaux
  • The Crown: “Cri De Coeur” – Amy Roberts
  • Fosse/Verdon: “Life is a Cabaret” – Melissa Toth & Joseph La Corte
  • GLOW: “Freaky Tuesday” – Beth Morgan
  • The Marvelous Mrs. Maisel: “It’s Comedy or Cabbage” – Donna Zakowska

SÉRIE DE FICÇÃO CIENTÍFICA/FANTASIA

  • Carnival Row: “Aisling” –  Joanna Eatwell
  • Game of Thrones: “The Iron Throne” – Michele Clapton
  • The Handmaid’s Tale: “Household” – Natalie Bronfman
  • A Series of Unfortunate Events: “Penultimate Peril: Part 2” – Cynthia Summers
  • Watchmen: “It’s Summer and We’re Running Out of Ice” – Sharen Davis

SÉRIE DE REALITY SHOW, VARIEDADES E TV AO VIVO

  • Dancing with the Stars: “First Elimination” – Daniella Gschwendtner & Steven Norman Lee
  • The Late Late Show with James Corden: “Crosswalk the Musical: Aladdin” – Lauren Shapiro
  • The Masked Singer: “Season Finale: And the Winner Takes It All and Takes It Off” – Marina Toybina
  • RuPaul’s Drag Race: “Whatcha Unpackin?” – Zaldy for RuPaul
  • Saturday Night Live: “Sandra Oh / Tame Impala” – Tom Broecker & Eric Justian

SHOWS DE CURTA DURAÇÃO

  • Katy Perry: “Small Talk” music video – Phoenix Mellow
  • Kohler Verdera Voice Smart Mirror: “Mirror, Mirror” commercial – Ami Goodheart
  • Lil Nas X: “Old Town Road” music video – Catherine Hahn
  • Madonna: “God Control” music video – B. Åkerlund
  • United Airlines: “Star Wars Wing Walker” commercial – Christopher Lawrence

A 22ª edição do prêmio do sindicato acontece no dia 28 de Janeiro.

‘Capitão Phillips’ conquista o Eddie Awards e pode ter garantido seu único Oscar

Tom Hanks e Barkhad Abdi no bote claustrofóbico de Capitão Phillips (photo by outnow.ch)

Tom Hanks e Barkhad Abdi no bote claustrofóbico de Capitão Phillips (photo by outnow.ch)

Com as ausências de Tom Hanks e seu diretor, Paul Greengrass, entre os indicados ao Oscar, as chances de Capitão Phillips tiveram queda expressiva, mesmo que tenha sido indicado a Melhor Filme. Contudo, na semana passada, o filme conquistou o prêmio de roteiro adaptado (WGA), e agora, o de montagem – drama no ACE – Eddie Awards, reconhecimento de extrema importância concedido pelo sindicato de montadores.

Excetuando o ano de 2012, quando a montagem de Kirk Baxter e Angus Wall (Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres) bateu o vencedor do Eddie, Kevin Tent (Os Descendentes), o Oscar de montagem coincide desde 2002. Então nessa lógica, Capitão Phillips pode ter garantido seu único Oscar da noite para seu montador Christopher Rouse, uma vez que o WGA não contava com um dos favoritos: John Ridley (12 Anos de Escravidão).

Christopher Rouse recebe o Eddie de Leonardo DiCaprio (photo by)

Christopher Rouse recebe o Eddie de Leonardo DiCaprio (photo by deadline.com)

Colaborador assíduo de Paul Greengrass, Christopher Rouse está em sua 3ª indicação ao Oscar e já ganhou um pelo ótimo trabalho em O Ultimato Bourne (2007). Trata-se de um dos melhores montadores da atualidade, pois consegue criar tensão através de cortes rápidos, aliando-se ao material bruto de Greengrass repleto de “câmeras nervosas”. Em Capitão Phillips, assim que a abordagem dos piratas somalianos têm início, os cortes rápidos acompanham as ações desesperadas dos tripulantes a fim de evitar uma catástrofe até a cena final em que o conflito se resolve. Rouse não deixa o espectador respirar, fazendo com que o público sinta a mesma tensão que os personagens estão passando. A seqüência no bote é claustrofóbica e interminável, no bom sentido.

O prêmio do Sindicato de Montadores, o famoso Eddie (de Editors) - photo by goldderby.com

MELHOR MONTAGEM – DRAMA

– Joe Walker (12 Anos de Escravidão)
• Christopher Rouse (Capitão Phillips)
– Alfonso Cuarón, Mark Sanger (Gravidade)
– Eric Zumbrunnen, Jeff Buchanan (Ela)
– Mark Livolsi (Walt nos Bastidores de Mary Poppins)

Jennifer Lawrence em seu momento 'Live and Let Die' (photo by elfilm.com)

Jennifer Lawrence em seu momento ‘Live and Let Die’ (photo by elfilm.com)

Já na categoria de Comédia ou Musical, a dupla Jay Cassidy e Crispin Struthers (aliados a Alan Baumgarten) voltou a ganhar o mesmo prêmio do ano passado por O Lado Bom da Vida. Mérito também do roteiro do diretor David O. Russell, que possibilita a montagem quebra-cabeça policial, que destaca o plano genial do protagonista. Além disso, vale destacar também algumas seqüências musicadas por “Goodbye Yellow Brickroad” de Elton John, “How Can You Mend a Broken Heart” dos Bee Gees, e especialmente “Live and Let Die” de Paul McCartney, em que Rosalyn, personagem de Jennifer Lawrence, interage com a música do ex-beatle enquanto limpa a casa.

O trio Crispin Struthers, Jay Cassidy e Alam Baumgraten recebem o Eddie (photo by zimbio/getty images)

Da esquerda para direita: O trio Crispin Struthers, Jay Cassidy e Alam Baumgarten recebem o Eddie (photo by zimbio/getty images)

MELHOR MONTAGEM – COMÉDIA OU MUSICAL

• Jay Cassidy, Crispin Struthers, Alan Baumgarten (Trapaça)
– Stephen Mirrione (Álbum de Família)
– Ethan Coen, Joel Coen (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum)
– Kevin Tent (Nebraska)
– Thelma Schoonmaker (O Lobo de Wall Street)

Sonho de neve: O boneco Olaf em cena de Frozen: Uma Aventura Congelante (photo by elfilm.com)

Sonho de neve: O boneco Olaf em cena de Frozen: Uma Aventura Congelante (photo by elfilm.com)

Entre as animações, Frozen: Uma Aventura Congelante continua sua coleta de prêmios após o Globo de Ouro e o Critics’ Choice Awards. A animação feita pela Disney (não confundir com Pixar) está quase atingindo a marca de 400 milhões de dólares em sua 11ª semana de exibição só nos EUA. Esses números encorajam os executivos a não ficarem tão dependentes das produções da Pixar.

Na categoria documentário, A Um Passo do Estrelato explora o universo dos backup singers que, embora fiquem atrás dos holofotes, são responsáveis pela harmonia de inúmeras bandas. Esse prêmio traz ainda mais equilíbrio à categoria no Oscar, pois The Square ganhou o DGA, enquanto O Ato de Matar, o European Film Awards.

MELHOR MONTAGEM – ANIMAÇÃO

– Gregory Perler (Meu Malvado Favorito 2)
• Jeff Draheim (Frozen: Uma Aventura Congelante)
– Greg Snyder (Universidade Monstros)

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO

• Douglas Blush, Kevin Klauber, Jason Zeldes (A Um Passo do Estrelato)
– Eli B. Despres (Blackfish: Fúria Animal)
– Patrick Sheffield (Tim’s Vermeer)

A 86ª cerimônia do Oscar acontece no dia 02 de março e será transmitido pela TNT.

Cena de A Um Passo do Estrelato (photo by outnow.com)

Cena do documentário A Um Passo do Estrelato (photo by outnow.com)

Vencedores do 69th Golden Globes

Ricky Gervais amordaçado

Eu sei, eu sei. I SUCK! Das 14 indicações para Cinema, acertei apenas 9! Que vergonha! Mesmo assim, devemos nos manter humildes. Em se tratando de premiações, que podem ser bem imprevisíveis às vezes, digo que em alguns casos seria melhor saber menos porque você acaba acertando mais nas apostas. Sim, eu já perdi no bolão pra gente que nem sabia quem era Roman Polanski…

No geral, os resultados foram bastante democráticos, tanto que o filme que mais ganhou, O Artista, levou apenas 3 Globos de Ouro, comprovando que não há grandes favoritos na corrida para o Oscar. Em 2º lugar, Os Descendentes levou Melhor Filme – Drama e Ator – Drama para George Clooney. Na briga por diretor, Martin Scorsese, que já havia vencido 2 vezes por Os InfiltradosGangues de Nova York, surpreendeu ao bater Michel Hazanavicius e Alexander Payne (talvez pelos votos terem se dividido entre ambos, Scorsese tenha vencido).

Enfim, a coisa que mais aguardei ansioso foi o host Ricky Gervais. Mas onde ele estava? Parecia que haviam colocado uma mordaça em sua boca (como no pôster da premiação)! Ele não estava tão diabólico como no ano passado, disparando os podres das celebridades e jogando m**** no ventilador. Ficou nítido que o senso de humor de Gervais não era mais o mesmo… parecia que tinha voltado de uma lobotomia! Ele pegou mais leve dessa vez e fica essa questão se ele realmente foi ou não pressionado pela Associação de Imprensa Estrangeira a tirar o pé do acelerador, provavelmente a pedido das celebridades, que suavam frio toda vez que ele abria a boca.

Curiosamente, ele comenta e até faz piada sobre o assunto quando retira de seu bolso uma lista das ofensas que ele estaria proibido de falar. “Sem profanidade, tudo bem, eu tenho um amplo vocabulário”, ele diz. “E não mencione nada de Mel Gibson, e especialmente o Beaver (castor) da Jodie Foster” – fazendo alusão ao filme dirigido por Foster intitulado The Beaver, e traduzido aqui como Um Novo Despertar. As piadas sobre Mel Gibson eram as melhores, pois como anti-semita assumido, Ricky adorava cutucar.

Apesar do humor ácido ter reduzido drasticamente, Gervais conseguiu algumas pérolas como essa: “O Globo de Ouro está para o Oscar como Kim Kardashian está para Kate Middleton, mas um pouco mais escandalosa, um pouco mais trash e mais facilmente subornável”. Ou no começo da cerimônia, quando ele introduz Johnny Depp e pergunta ao ator: “Johnny, você viu O Turista?”, deixando Depp numa saia curta. Achei que ele estava apenas esquentando, mas ficou meio morno a cerimônia toda, tendo picos leves como quando introduziu a Madonna:

“Nossa próxima apresentadora é a Rainha do Pop – senta aí, Elton (John), não você. Ela é quase como uma virgem (fazendo referência ao sucesso da música dela Like a Virgin): Madonna!” 

Madonna, que não é flor que se cheire retrucou ao alcançar o microfone: “Se eu ainda sou como uma virgem, Ricky, por que você não vem aqui e  faz algo a respeito? Eu não beijo uma garota há anos… na TV!” – Em seguida, ao fundo, Ricky Gervais corre de um lado para o outro do palco, arrancando risadas da platéia.

A parte mais chata de assistir a essas premiações são as propagandas da TNT. Como a maioria dos blocos só cabia 2 prêmios, então havia muitos intervalos e já no segundo, você já cansa de ver as chamadas dos filmes Entre Irmãos, Operação Babá, Sex and the City – O Filme,  o trailer do Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres. E sem contar que tava quase comprando o carro novo da Fiat, o Bravo.

Quanto aos resultados, o Estado de S. Paulo deu o título de Divisão Amigável, pois os prêmios foram tão bem-divididos que dá a impressão de que foi tudo planejado, e não votado.

Christopher Plummer (Toda Forma de Amor)

ATOR COADJUVANTE: Christopher Plummer (Toda Forma de Amor)

A briga estava entre Plummer e Albert Brooks, uma vez que ambos ganharam boa parte dos prêmios da crítica, mas o veterano saiu vitorioso. Fiquei com a pulga atrás da orelha se foi um prêmio pela carreira ou pela performance e loquei o filme. Como eu disse um post anterior, o papel dele nesse filme tem todo o jeito de prêmio. Acompanhe: idoso, recém-viúvo, assume homossexualidade aos 75 anos e em seguida, descobre ter câncer. Chamam um ator de renome e pronto! Aí está a receita do Oscar. Não obstante, Plummer consegue humanizar bastante seu personagem e tenta fugir a todo custo do rótulo do gay idoso. Ele consegue cativar seu filho (Ewan McGregor) e o público sem grande esforço. Se está melhor que Albert Brooks? Quando estrear o Drive por aqui, eu confirmo em seguida, mas até lá, Plummer tem o direito de ficar com seu Globo de Ouro.

TRILHA MUSICAL: Ludovic Bource (The Artist)

Como descrevi no post anterior, quando se trata de um filme mudo, a trilha musical ganha importância desproporcional. A música passa a ocupar um espaço de um personagem. E acredito que as chances de Ludovic no Oscar só aumentaram com esse Globo de Ouro.

CANÇÃO: Masterpiece, de Madonna (W.E. – O Romance do Século)

Talvez tenha sido a maior surpresa da noite. Não que Madonna não seja um nome de peso numa categoria de canção, mas como seu filme não foi tão bem divulgado e provavelmente já deve ter sido criticado, um prêmio estaria fora de cogitação, ainda mais com concorrentes de renome como Elton John e Mary J. Blige. Aliás, esta última era considerada a favorita pela tocante canção de Histórias Cruzadas. No Oscar, como os últimos vencedores não foram favoritos, a corrida está bem aberta.

Michelle Williams (Sete Dias com Marylin)

ATRIZ – COMÉDIA/MUSICAL: Michelle Willams (Sete Dias com Marylin)

Desde que vi a primeira foto de Michelle Williams como a diva Marylin Monroe, eu sabia que ela estaria nessa temporada de prêmios. Além de ela ter ficado bem parecida (sim, isso inclui artefatos no bumbum), Michelle está em plena ascensão na carreira e deixou de ser a ex-esposa de Heath Ledger. Nesse Sete Dias com Marylin, não deve ter sido uma tarefa fácil copiar o jeito meigo da loira de O Pecado Mora ao Lado.

ANIMAÇÃO: As Aventuras de Tintim, de Steven Spielberg

Por mais que não tenha visto o filme ainda, confesso que na hora fiquei um pouco indignado que Rango perdeu. Quero dizer, parece que a Associação de Imprensa Estrangeira queria apenas agradar o Sr. Spielberg e não deixá-lo sair de mãos abanando. Sei que As Aventuras de Tintim deve ser praticamente perfeito tecnicamente, mas fiquei decepcionado que Rango não foi reconhecido porque merecia. Enfim, só me resta torcer para que esse prêmio tenha sido justo.

ROTEIRO: Woody Allen (Meia-Noite em Paris)

Sim, Woody Allen ainda sabe escrever muito bem. O que ele ainda não sabe é receber prêmios! Ele não compareceu à festa e perdeu a oportunidade de agradecer o reconhecimento. Meia-Noite em Paris merecia pelo menos um prêmio e acho que roteiro seria o mais justo de fato. O trabalho novo de Allen é maduro, mas sem esquecer suas raízes lúdicas e humorísticas. Todos na sala sabiam disso, tanto que aplaudiram fervorosamente.

FILME ESTRANGEIRO: A Separação, de Asghar Farhadi (Irã)

O filme iraniano conseguiu um grande feito de bater Almodóvar e Angelina Jolie que, por mais que não tenha prestígio como diretora, é muito querida pela imprensa. Pelos comentários de alguns críticos, o filme consegue sintetizar a História do próprio Irã

Octavia Spencer (Histórias Cruzadas)

numa trama sobre relacionamentos e família. Talvez por isso também concorra a Melhor Roteiro Original no Oscar.

ATRIZ COADJUVANTE: Octavia Spencer (Histórias Cruzadas)

Octavia Spencer bate a colega Chastain. Seu papel em Histórias Cruzadas já vinha sendo comentado antes mesmo da temporada de premiação. Na hora de seu discurso, ela me lembrou a Hattie McDaniel, por ser negra e também por interpretar uma doméstica em …E o Vento Levou.

DIRETOR: Martin Scorsese (A Invenção de Hugo Cabret)

Uma surpresa, mas uma grata surpresa. Martin é um grande diretor e grande amante do Cinema. Ele restaura e cuida de filmes antigos, preservando a História do Cinema. Além disso, é muito querido de atores, cineastas e equipes. Seu novo filme parece carregar toda essa paixão que Scorsese tem pelo Cinema, escalando ninguém menos que Georges Méliès, o inventor de efeitos especiais no Cinema. Michel Hazanavicius era forte candidato ao prêmio, mas como seu filme The Artist levou Melhor Filme – Comédia ou Musical, ficou tudo certo. Outra fato que é importante comentar aqui é que a vitória de Scorsese e Spielberg (animação), reconhece a qualidade do trabalho desses veteranos do Cinema em sua primeira experiência no formato 3D.

ATOR – COMÉDIA/MUSICAL: Jean Dujardin (The Artist)

Jean Dujardin (The Artist)


Os trejeitos e expressões de Jean Dujardin me lembram Gene Kelly em Cantando na Chuva. Aliás, The Artist lembra bastante a história de Cantando na Chuva ao falar sobre cinema mudo. Com essa vitória, Dujardin está garantido na categoria do Oscar.

ATRIZ – DRAMA: Meryl Streep (A Dama de Ferro)

Meryl Streep ou Viola Davis? O Globo de Ouro escolheu a veterana atriz que, este ano, apostou num papel inconvencional e difícil, pois Margaret Thatcher foi uma figura política bastante controversa na base do “ame ou odeie”. Pelo que li, A Dama de Ferro foca mais nos últimos anos da vida dela, quando ela luta contra a demência, tentando dessa forma cativar mais o público ao transformá-la numa mulher comum e frágil. A atuação de Streep tem sido bastante elogiada por ela conseguir reproduzir o sorriso, a entonação e as posturas de Thatcher. Vem aí seu 3º Oscar?

FILME – COMÉDIA/MUSICAL: The Artist, de Michel Hazanavicius

Prêmio merecido. Quem faria um filme preto-e-branco, mudo, sobre Hollywoodland nos anos 20 com elenco desconhecido e francês? Uma vitória pela ousadia acima de tudo. Quando o filme estrear, veremos sua consistência.

George Clooney (Os Descendentes)

ATOR – DRAMA: George Clooney (Os Descendentes)

Quem não gosta do George? Ele é carismático, charmoso, bem-humorado e defende causas nobres. Ok, eu sei, o prêmio não reconhece características pessoais. Eu vi alguns trailers de Os Descendentes e estou bastante ansioso pra ver. Muitos estão dizendo que se trata do melhor trabalho de Clooney como ator. Deve ser mesmo, porque Alexander Payne é um diretor que sabe explorar seu elenco até o máximo. Jack Nicholson (As Confissões de Schmidt), Reese Witherspoon (Eleição) e Paul Giamatti (Sideways) que o digam. Admito que Clooney nunca teve um grande desafio como ator, mas se ele aceitou fazer esse filme com Payne e foi elogiado significa que ele reconhece suas limitações e está procurando melhorar. Ah, se todos os atores medíocres fizessem o mesmo…

FILME – DRAMA: Os Descendentes, de Alexander Payne

Se não ganhou Melhor Diretor e Melhor Roteiro, tem que ganhar Melhor Filme! Mas numa temporada sem grandes favoritos, Os Descendentes não tem nada garantido no Oscar. Será indicado? Sem sombra de dúvida. Ganhará um Oscar? Certeza 99%. Ganhará Melhor Filme? Putz, me pergunte daqui a um mês.

Dos demais resultados referentes a TV, desconheço muitas das séries indicadas e premiadas, mas fiquei feliz com a premiação da Laura Dern (que estava com a mãe Diane Ladd na platéia!), Kate Winslet pelo Mildred Pierce (parece bom, considerando também o diretor Todd Haynes) e Jessica Lange, como coadjuvante na nova série American Horror Story. Em seu discurso, ela agradece os roteiristas por criaram bom material para atores buscarem inspiração todo dia.

Golden Globe Nominations 2011 (Indicações ao Globo de Ouro)

69º Globo de Ouro

Apesar de todos os outros prêmios de críticos e organizações dizerem que o Globo de Ouro não serve mais como parâmetro para o Oscar, é imposível não associar ambos mesmo que as escolhas não sejam mais tão iguais como alguns décadas atrás. Para quem desconhece a premiação, uma das coisas mais bacanas é que a Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood (que comanda o Globo de Ouro) apresenta duas divisões: Drama e outra de Comédia ou Musical, para as categorias de atuação e filmes. Eu sei que isso pode soar ridículo se levarmos em conta que hoje não há mais como dividir os filmes como uma locadora fazia no século XX através de gênero, mas certamente isso possibilita que mais filmes sejam indicados e, consequentemente, mais divulgados e vistos. Atitude também tomada pela Academia, que desde 2010, resolveu indicar 10 filmes para Melhor Filme, fato que não ocorria desde 1944.

Enfim, as indicações saíram nesta quinta-feira, dia 15, e já é possível tirar algumas conclusões. A primeira coisa que se percebe ao ver as indicações é a total ausência do filme A Árvore da Vida e de seu diretor consagrado Terrence Mallick. O filme ganhou a Palma de Ouro em Cannes e vinha coletando alguns prêmios de críticos americanos, mas não passou do corte desta vez. Além disso, pesou o fato de que o filme é daquele tipo “ame ou odeie”, e parece que os membros da Associção foram mais no “Odeie”. É claro que se for pensar bem, os atores de A Árvore da Vida, Brad Pitt e Jessica Chastain, foram indicados como Melhor Ator – Drama e Melhor Atriz Coadjuvante, contudo por outros filmes: O Homem que Mudou o Jogo (Moneyball) e Histórias Cruzadas (The Help).

Outro que ficou completamente fora da festa foi o drama Extremely Loud and Incredibly Close (ainda sem título traduzido), dirigido por Stephen Daldry (Billy Elliot e As Horas). Trata-se de uma história de um menino de 9 anos que procura uma fechadura em New York que encaixa a chave deixada por seu pai, que morreu no atentado terrorista de 11 de Setembro. Levando em consideração o diretor e a história, o trailer já anuncia um drama meio meloso, ainda mais se tratando do atentado, além disso, dá a impressão de que o final é daqueles repletos de moral e mensagem de “ame o próximo”. O filme vinha sendo bastante cogitado para a temporada de premiações, pois além do diretor consagrado, as estrelas são Tom Hanks e Sandra Bullock, ambos vencedores de Oscar.

Nesta edição, os recordistas em número de indicações são: O Artista (The Artist), liderando com 6. Os Descendentes (The Descendants) e Histórias Cruzadas (The Help) vêm logo atrás com 5 indicações cada. A produção francesa O Artista vêm conquistando a crítica com sua história de conversão de cinema mudo para o falado nos anos 20 de Hollywood, além de apresentar um espetáculo visual através de fotografia preto-e-branco e direção de arte. Dessa forma, sua vitória já pode ser considerada certa como Melhor Filme – Comédia ou Musical.

O Artista

Os Descendentes

Histórias Cruzadas

Uma surpresa acabou sendo as 4 indicações para o drama político Tudo Pelo Poder (The Ides of March), dirigido por George Clooney (triplamente indicado: como roteirista e diretor, além de ator por Os Descendentes). O longa-metragem tenta recontar o caso amoroso entre o então presidente americano Bill Clinton com a estagiária Monica Lewinski, ocorrido no final dos anos 90, mas com uma dose de ficção e nomes fictícios, claro. Tudo Pelo Poder estava perdendo fôlego nos últimos meses nos prêmios de críticos, mas agora com o reconhecimento do Globo de Ouro, pode ser que ganhe mais espaço no Oscar.

Já o épico drama de guerra dirigido por Steven Spielberg, War Horse (ainda sem título brasileiro), foi apontado por uma penca de críticos e especialistas do site oscarcentral.com como o favorito da temporada. Ok, é compreensível que qualquer filme de Spielberg já seja um papa-prêmios, ainda mais um filme de guerra. Mas quando fui ver o trailer, achei muito estúpido. Perdoe-me o mestre Spielberg (sou fã de Tubarão, Encurralado e os primeiros trabalhos dele), mas por que ele foi aceitar dirigir um filme sobre um cavalo na guerra? Olhem a sinopse e me digam se gostariam de ver: “O jovem Albert se alista no Exército para a Segunda Guerra Mundial depois que seu amado cavalo, Joey, é vendido para a Cavalaria. A jornada cheia de esperança de Albert o leva para fora da Inglaterra e Europa quando a guerra estoura”. Ainda estão aí? Eu já estava dormindo faz tempo… Vi o trailer agora há pouco e na hora me veio à cabeça aquela draga de filme chamado Seabiscuit – Alma de Herói (2003). Alguém aí se lembra? Além disso, dá vontade de vomitar ao ver aqueles longos planos de câmera lenta cobertos por aquela trilha melosa do John Williams para ressaltar o espírito equino de guerra! Já deve ter gente querendo me jogar pedra, mas não estou querendo desmerecer o trabalho de ninguém e posso estar errado porque ainda não vi o filme, mas pelo trailer, parece que estão querendo transformar o cavalo do filme num candidato à presidência americana! Felizmente, só foi indicado a Melhor Filme e Melhor Trilha Musical.

Além das indicações para Os Descendentes e O Artista, gostei que o Globo de Ouro reconheceu o ator Christopher Plummer pelo filme Toda Forma de Amor, em que vive um recém-viúvo que se descobre gay e com doença terminal. Como eu disse no post anterior, não gosto quando a Academia premia alguém simplesmente por tentar compensar derrotas anteriores ou anos de carreira sem uma indicação, mas quando o artista ganha por puro mérito. E parece que Plummer chegou a seu merecido ápice como ator.

Tilda Swinton

Também já estou torcendo pela atriz Tilda Swinton por sua performance em Precisamos Falar Sobre o Kevin. Sempre digo em conversas com amigos que um bom ator ou atriz não é somente aquele que sabe atuar, mas que sabe escolher projetos que propiciem novos desafios com profundidade. E a inglesa Swinton se encaixa nesse perfil. Tirando o blockbuster As Crônicas de Nárnia: o Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa, que serviu para pagar suas contas e atendido pedido do filho, suas escolhas têm coerência, seja pelo papel, seja pelo diretor ou pelo elenco.

Morgan Freeman

Lembrando também que o veterano ator Morgan Freeman receberá o prêmio Cecil B. DeMille pelo conjunto da obra. Freeman que teve seu auge nos anos 80 e 90 com filmes como Conduzindo Miss Daisy (1989), Um Sonho de Liberdade (1994) e Seven – Os Sete Crimes Capitais (1995), passou a se tornar coadjuvante de luxo de alguns filmes grandes como Batman – O Cavaleiro das Trevas (2008)e Menina de Ouro (2004) pelo qual ganhou seu único Oscar, sem esquecer que é dono de uma voz idolatrada por documentaristas para ser o narrador como no sucesso A Marcha dos Pinguins (2005). Receber o prêmio Cecil B. DeMille certamente é uma honra, levando-se em consideração que nomes como Jack Nicholson, Elizabeth Taylor, Harrison Ford e Steven Spielberg já receberam.

A 69ª edição do Globo de Ouro será transmitido pelo canal pago Sony no dia 15 de Janeiro de 2012.

Segue a lista dos indicados ao Globo de Ouro:

Melhor Filme – Drama

Os Descendentes

Histórias Cruzadas

A Invenção de Hugo Cabret

Tudo pelo Poder

O Homem Que Mudou o Jogo

War Horse

Melhor Filme – Musical ou Comédia

O Artista

Missão Madrinha de Casamento

50%

Meia-Noite em Paris

My Week with Marilyn

Melhor Ator – Drama

George Clooney  (Os Descendentes)

Leonardo DiCaprio (J. Edgar)

Michael Fassbender (Shame)

Ryan Gosling (Tudo pelo Poder)

Brad Pitt (O Homem Que Mudou o Jogo)

Melhor Atriz – Drama

Glenn Close (Albert Nobbs)

Viola Davis (Histórias Cruzadas)

Rooney Mara (Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres)

Meryl Streep (A Dama de Ferro)

Tilda Swinton (Precisamos Conversar Sobre o Kevin)

Melhor Ator – Musical ou Comédia

Jean Dujardin (O Artista)

Brendan Gleeson (O Guarda)

Joseph Gordon-Levitt (50%)

Ryan Gosling (Amor a Toda Prova)

Owen Wilson (Meia-Noite em Paris)

Melhor Atriz – Musical ou Comédia

Jodie Foster (Carnage)

Charlize Theron (Jovens Adultos)

Kristen Wiig (Missão Madrinha de Casamento)

Michelle Williams (My Week with Marilyn)

Kate Winslet (Carnage)

Melhor Ator Coadjuvante

Kenneth Branagh (My Week with Marilyn)

Albert Brooks (Drive)

Jonah Hill (O Homem Que Mudou o Jogo)

Viggo Mortensen (Um Método Perigoso)

Christopher Plummer (Toda Forma de Amor)

Melhor Atriz Coadjuvante

Bérénice Bejo (O Artista)

Jessica Chastain (Histórias Cruzadas)

Janet McTeer (Albert Nobbs)

Octavia Spencer (Histórias Cruzadas)

Shailene Woodley (Os Descendentes)

Melhor Diretor

Woody Allen (Meia-Noite em Paris)

George Clooney (Tudo Pelo Poder)

Michel Hazanavicius (O Artista)

Alexander Payne (Os Descendentes)

Martin Scorsese (A Invenção de Hugo Cabret)

Melhor Roteiro

Michel Hazanavicius (O Artista)

Alexander Payne, Nat Faxon, Jim Rash (Os Descendentes)

George Clooney, Grant Heslov, Beau Willimon (Tudo Pelo Poder)

Woody Allen (Meia-Noite em Paris)

Steven Zaillian, Aaron Sorkin, Stan Chervin (O Homem que Mudou o Jogo)

 

Melhor Canção

Brian Byrne, Glenn Close(“Lay Your Head Down”) – Albert Nobbs

Elton John, Bernie Taupin(“Hello Hello”) – Gnomeu e Julieta

Mary J. Blige, Thomas Newman, Harvey Mason Jr., Damon Thomas(“The Living Proof”) – Histórias Cruzadas

Chris Cornell(“The Keeper”) – Redenção

Madonna, Julie Frost, Jimmy Harry(“Masterpiece”) – W.E. – O Romance do Século

Melhor Trilha Musical

Ludovic Bource (O Artista)

Trent Reznor, Atticus Ross (Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres)

Howard Shore (A Invenção de Hugo Cabret)

John Williams (War Horse)

Abel Korzeniowski (W.E. – O Romance do Século)

 

Melhor Animação

As Aventuras de Tintim

Operação Presente

Carros 2

Gato de Botas

Rango

Melhor Filme Estrangeiro

Jin líng shí san chai (China)

In the Land of Blood and Honey (EUA)

O Garoto de Bicicleta (Bélgica)

A Separação (Irã)

A Pele que Habito (Espanha)

%d blogueiros gostam disto: