APOSTAS PARA O OSCAR 2019: O ANO DA DIVERSIDADE

91o_shortlist_share.png

ACADEMIA TEM ANO ATÍPICO QUE COLOCA EM XEQUE SUA CREDIBILIDADE. SERÁ QUE OS RESULTADOS AJUDAM A RESGATAR?

PERRENGUES DA ACADEMIA

Vamos encarar o fato. A Academia está em crise, ou melhor, em transformação. Diante da abertura para vários novos membros que a presidente anterior Cheryl Boone Isaacs trouxe, o atual John Bailey não soube dar a continuidade de seu trabalho. Além de suas propostas não terem sido bem aceitas, ele não teve pulso firme em nenhuma decisão, voltando atrás em todas elas. Pelo menos, a volta foi benéfica para todos.

John Bailey Oscars

O Presidente da Academia John Bailey (pic Los Angeles Times)

OSCAR DE MELHOR FILME POPULAR?

O que é um filme popular? Qual o parâmetro ou critério para qualificar um filme de popular? É o que todos se questionaram quando a Academia decidiu que iria lançar uma nova categoria. Seriam as bilheterias ou a temática dos filmes? Ou ambos?

Nosso melhor palpite para tamanha aberração seria uma forte pressão por parte da Disney para que o estúdio pudesse ganhar prêmios mais importantes, e não apenas os técnicos. Primeiro: a Academia jamais deveria se curvar diante de interesses próprios de estúdio algum. E segundo: Não é criando uma nova categoria que as coisas se resolvem magicamente.

Os profissionais de cinema ficaram meio divididos, mas a maioria foi contra essa decisão. Assim, a Academia resolveu suspender, pelo menos até o próximo ano o tal Oscar de Filme Popular. De qualquer forma, os candidatos a filmes populares estão entre os indicados a Melhor Filme este ano: Pantera Negra, Nasce uma Estrela e Bohemian Rhapsody, todos sucesso de público. Só faltaram Vingadores: Guerra Infinita e Podres de Ricos.

OSCAR SEM HOST

Há 30 anos o Oscar sempre elegeu um ou dois hosts para a cerimônia de premiação, sejam eles experientes como Billy Crystal ou Ellen DeGeneres, ou sejam apostas terríveis como o casal James Franco e Anne Hathaway. Se a maioria reclama dos hosts do Oscar é porque certamente não viu o último ano sem host de cerimônia. Resolveram colocar um número musical estranhíssimo estrelado pelo ator Rob Lowe e uma atriz desconhecida trajada de Branca de Neve (que a Disney afirma não ter autorizado e que abomina este evento até hoje).

Com atraso, decidiram chamar o ator e comediante Kevin Hart, mas mal sabiam que ele tinha um histórico de tweets homofóbicos. Dois dias depois, a Academia o pressionou para pedir desculpas publicamente, caso contrário, ele não assumiria o cargo. Cansado das ofensas que gerou esse resgate no Twitter, Hart decidiu recusar a proposta e pediu demissão-relâmpago. Aí fica a pergunta: Por que não analisaram o histórico do candidato antes de anunciar?

Kevin Hart Oscars

Kevin Hart foi host do Oscar 2019 por quase 2 dias! 

Com receio de serem crucificados como Kevin Hart, ninguém queria tomar seu lugar, afinal, quem tem um histórico que seja 0% sem polêmica alguma hoje em dia?  Ninguém quer ter a vida vasculhada em busca de polêmicas, ainda mais nos dias de #MeToo. Com isso, a Academia resolveu regredir e cancelou apresentação de um host ou hostess. Não haveria monólogo de abertura. Mas então, o que vai abrir o Oscar 2019? Até agora, esse é o nosso maior receio. Tudo pode desmoronar antes mesmo da abertura do primeiro envelope! Medo…

FAVORITISMO EM CANÇÃO ORIGINAL

Com o intuito de reduzir a duração do evento televisivo, começaram a rodar boatos de que apenas duas das cinco canções indicadas seriam apresentadas ao vivo: “Shallow” e “All the Stars”, que coincidentemente são dos famosos Lady Gaga e Kendrick Lamar. Curioso, não? Isso acabou gerando protestos e o boato sequer saiu do papel. Essa pré-seleção injusta já havia acontecido em duas oportunidades anteriores, quando Adele levou o Oscar por “Skyfall” e Sam Smith levou por “Writings on the Wall”. Ficou ridículo mostrar um breve clipe das canções não apresentadas ao vivo.

gaga-Oscar survivors-v3

Lady Gaga quando se apresentou com a canção “Til it Happens to You” do documentário The Hunting Ground

4 CATEGORIAS NO PORÃO

Ainda com o objetivo de reduzir a duração da cerimônia para até 3 horas, o presidente da Academia alegou que combinara com os departamentos respectivos que os Oscars de Fotografia, Montagem, Maquiagem e Curta-Metragem seriam apresentados durante o intervalo, e os discursos editados para serem apresentados em seguida. Pra quê?

Todos os profissionais afetados pela decisão botaram a boca no trombone como Alfonso Cuarón e Caleb Deschanel, que concorrem por Fotografia. Eles alegaram que seu ofício é essencial para o cinema. Sim, realmente é essencial, mas outros departamentos também são como Montagem e Maquiagem. Afinal, Cinema é uma Arte colaborativa, não?

Já pensou o Oscar de Fotografia apresentado nos bastidores desde o ano passado? Roger Deakins finalmente receberia seu Oscar depois de 14 indicações no porão do Dolby Theater? Seria trágico.

Roger Deakins Oscar

Roger Deakins recebe seu Oscar de Fotografia por Blade Runner 2049

Diante de tantos protestos, a Academia enfiou o rabo entre as pernas e voltou atrás. Todas as 24 categorias serão apresentadas ao vivo. Porém, eles ressaltaram que cada vencedor terá 90 segundos do momento que se levantar até o término do discurso. Querem apostar que vários vão ultrapassar esse tempo? Vão conceder 3 minutos para Rami Malek e 80 segundos para o maquiador de Vice. Com certeza, vai ter gente reclamando no discurso. Pode escrever aí!

91ª EDIÇÃO: O QUE PODE ACONTECER

O primeiro Oscar para um diretor negro. Curiosamente, o primeiro diretor negro que a Academia considerou uma indicação foi justamente Spike Lee em 1989, mas ele acabou sendo indicado apenas para Roteiro Original pelo marcante Faça a Coisa Certa. Caso Spike Lee ganhe, seria uma feliz e justa coincidência.

As categorias de Direção de Arte e Figurino também podem ter os primeiros profissionais negros premiados por causa de Pantera Negra, especialmente Ruth E. Carter pelos figurinos afro do filme da Marvel. E falando em Pantera Negra, este pode se tornar o primeiro filme de super-heróis ganhando o Oscar de Melhor Filme.

Yalitza Aparicio, uma professora numa cidadezinha do México, pode se tornar a primeira descendente de índios a ganhar um Oscar, por Roma. Depois de sofrer ofensas por não ter a beleza desejada pelos mexicanos, a atriz pode ter ganhado um gás na campanha, mas é pouco provável que ela surpreenda.

E falando em Roma, a produção que já foi a primeira da Netflix a ser indicada a Melhor Filme, pode se tornar a primeira a vencer o Oscar. Seria uma vitória e tanto para a plataforma de streaming, que busca atrair novos projetos com profissionais em alta de Hollywood, e faria frente a qualquer grande estúdio. Contudo, é preciso repensarem as exibições da Netflix em salas de cinema, afinal, Roma merece ser visto numa tela grande e com boas caixas de som.

Roma 2

Roma pode ser a primeira produção da Netflix a ganhar o Oscar de Melhor Filme

As indicações e as possibilidades denotam uma maior diversidade na Academia. Claro que ainda falta muito para que a adesão de novos membros de outras etnias e outras nacionalidades surta o resultado esperado nas votações, mas certamente estamos diante de mudanças. Mesmo que Roma não leve Melhor Filme, só o fato de vê-lo como favorito significa uma maior abertura para filmes de língua estrangeira na Academia. E o Oscar só tem a ganhar com isso.

MELHOR FILME

  • BOHEMIAN RHAPSODY (Bohemian Rhapsody)
  • A FAVORITA (The Favourite)
  • GREEN BOOK: O GUIA (Green Book)
  • INFILTRADO NA KLAN (BlackKklansman)
  • NASCE UMA ESTRELA (Nasce uma Estrela)
  • PANTERA NEGRA (Black Panther)
  • ROMA (Roma)
  • VICE (Vice)

DEVE GANHAR: Green Book: O Guia
DEVERIA GANHAR: Roma
SE ROLAR, É ZEBRA: Vice

NÃO RECEBEU O CONVITE: Oitava Série (Eighth Grade)

Apesar dos esforços de Roma, o ano de 2018 foi um ano abaixo da média em relação a qualidade dos filmes, tanto que qualquer um dos oito filmes poderia levar o Oscar. Alguns são considerados ruins por vários cinéfilos como Vice, Bohemian Rhapsody e Green Book. Segundo eles, esses filmes jamais poderiam ser indicados a Melhor Filme.

Nenhum dos oito indicados pertence ao cinema independente (se pensarmos que Netflix não é produção independente). Filmes menores mas com coração como Oitava Série e No Coração da Escuridão ficaram faltando na disputa.

Sobre a disputa em si, o favorito permanece Roma, mesmo se tratando de um filme falado em espanhol, preto-e-branco e da Netflix. Aliás, será o primeira da plataforma de streaming a ganhar o Oscar de Melhor Filme caso vença. Como os votantes da Academia estão encarando essa ascensão da Netflix? Devem privilegiar os estúdios ou a maior abundância de empregos gerados pelo streaming? Para nós do blog, esse preconceito deve cair para que o cinema abrace uma nova era, e não corra o risco de ficar ultrapassado.

MELHOR DIREÇÃO

  • Alfonso Cuarón (Roma)
  • Yorgos Lanthimos (A Favorita)
  • Spike Lee (Infiltrado na Klan)
  • Adam McKay (Vice)
  • Pawel Pawlikowski (Guerra Fria)

DEVE GANHAR: Alfonso Cuarón (Roma)
DEVERIA GANHAR: Alfonso Cuarón (Roma)
SE ROLAR, É ZEBRA: Adam McKay (Vice)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Chang-dong Lee (Em Chamas)

Alfonso Cuarón Roma

Alfonso Cuarón em set de Roma

Alfonso Cuarón levou o DGA de Melhor Diretor. E isso já resulta em suas melhores chances, pois a estatística de acerto é de 95%. Seria o segundo Oscar de Direção para Cuarón, e o quinto dos seis últimos Oscars de Direção para um mexicano!

Ainda assim, nos 5%, Spike Lee pode surpreender o favoritismo do concorrente e ainda entrar para a história como o primeiro diretor negro a vencer nesta categoria.

Quando digo que este ano os melhores diretores foram de filmes em língua estrangeira é a mais pura verdade. Além de Alfonso Cuarón, destacamos o sul-coreano Chang-dong Lee por Em Chamas. Se você gosta de finais previsíveis, esquecíveis e com tudo devidamente respondido, passe longe deste filme.

MELHOR ATRIZ

  • Yalitza Aparicio (Roma)
  • Glenn Close (A Esposa)
  • Olivia Colman (A Favorita)
  • Lady Gaga (Nasce uma Estrela)
  • Melissa McCarthy (Poderia Me Perdoar?)

DEVE GANHAR: Glenn Close (A Esposa)
DEVERIA GANHAR: Olivia Colman (A Favorita)
SE ROLAR, É ZEBRA: Yalitza Aparicio (Roma)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Toni Collette (Hereditário), Helena Howard (A Madeline de Madeline), Elsie Fisher (Oitava Série)

Glenn Close Wife

Glenn Close em A Esposa

Em sua sétima indicação sem vitória e muito querida pelos seus colegas de profissão, Glenn Close tem a melhor chance da carreira de finalmente levar seu Oscar para casa. Embora tenha empatado no Critics’ Choice com Lady Gaga, Close venceu o Globo de Ouro de Atriz – Drama, e o SAG Award.

Olivia Colman, que venceu o BAFTA há duas semanas, pode ser a surpresa aqui. Porém, diante de tanto amor por Glenn Close, ela pode se sentir embaraçada caso venha a vencer logo em sua primeira indicação.

MELHOR ATOR

  • Christian Bale (Vice)
  • Bradley Cooper (Nasce uma Estrela)
  • Willem Dafoe (No Portal da Eternidade)
  • Rami Malek (Bohemian Rhapsody)
  • Viggo Mortensen (Green Book: O Guia)

DEVE GANHAR: Rami Malek (Bohemian Rhapsody)
DEVERIA GANHAR: Christian Bale (Vice)
SE ROLAR, É ZEBRA: Willem Dafoe (No Portal da Eternidade)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Ethan Hawke (No Coração da Escuridão)

rami-malek-bohemian-rhapsody

Rami Malek em Bohemian Rhapsody

A performance de Christian Bale tem todos os elementos necessários para ganhar um Oscar: interpreta uma figura real, engordou para o papel, usou próteses de maquiagem para se transformar e tem prestígio da Academia. Porém, o que pesa contra sua campanha é justamente a figura que ele interpreta: Dick Cheney, um político extremamente odiado pelos democratas (que são maioria em Hollywood). E o filme Vice não consegue mostrar o outro lado do político.

Se falta carisma e amor por Cheney, sobra para Freddie Mercury de Rami Malek. O ator também tem se empenhado bastante em sua campanha, comparecendo a todos os eventos, falando mal do diretor Bryan Singer que abusou de menores e foi expulso da produção, e dos cinco indicados é o único com página oficial no facebook. Rami Malek quer levar o Oscar e ele vai conseguir.

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

  • Amy Adams (Vice)
  • Regina King (Se a Rua Beale Falasse)
  • Emma Stone (A Favorita)
  • Marina de Tavira (Roma)
  • Rachel Weisz (A Favorita)

DEVE GANHAR: Regina King (Se a Rua Beale Falasse)
DEVERIA GANHAR: Emma Stone (A Favorita)
SE ROLAR, É ZEBRA: Marina de Tavira (Roma)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Thomasin McKenzie (Sem Rastros)

Regina King If Beale_.jpg

Regina King em Se a Rua Beale Falasse

De todas as categorias de atuação, Atriz Coadjuvante parece ser a única incoerente na temporada. Regina King, considerada a favorita, levou o Globo de Ouro, mas sequer foi indicada ao SAG e ao BAFTA! Como pode isso? Quando fui ver o filme Se a Rua Beale Falasse, foi possível entender tamanha divisão de votos. O papel de King é limitado e quase raso na trama.

Tem também a dobradinha entre Emma Stone e Rachel Weisz pelo mesmo filme A Favorita. Divisão de votos? Talvez. Mas Weisz levou o BAFTA pra casa. Também vale ressaltar que Marina de Tavira foi a maior surpresa das indicações ao Oscar, e se ganhar, pode ser a primeira a vencer sem indicação em Globo de Ouro, BAFTA e SAG desde Marcia Gay Harden por Pollock.

MELHOR ATOR COADJUVANTE

  • Mahershala Ali (Green Book: O Guia)
  • Adam Driver (Infiltrado na Klan)
  • Sam Elliott (Nasce uma Estrela)
  • Richard E. Grant (Poderia Me Perdoar?)
  • Sam Rockwell (Vice)

DEVE GANHAR: Mahershala Ali (Green Book: O Guia)
DEVERIA GANHAR: Richard E. Grant (Poderia Me Perdoar?)
SE ROLAR, É ZEBRA: Sam Rockwell (Vice)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Steven Yeun (Em Chamas)

Mahershala Ali Green Book

Mahershala Ali em Green Book: O Guia

Apesar de ter levado seu primeiro Oscar há dois anos por Moonlight, a campanha do ator Mahershala Ali não parece ter sofrido nenhum revés. Nenhum de seus concorrentes foi unanimidade na temporada, e ele pode se tornar o único Oscar para Green Book: O Guia.

Se ocorrer algum imprevisto, este pode se chamar Richard E. Grant. Para quem acompanha as redes sociais, sabe que ele está se empenhando bastante na campanha, buscando votos e apoio entre colegas. Embora tenha deslanchado apenas agora com Poderia me Perdoar?, o ator já é um veterano na profissão.

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL

  • Roma, Alfonso Cuarón
  • A Favorita, Deborah Davis, Tony McNamara
  • No Coração da Escuridão, Paul Schrader
  • Vice, Adam McKay
  • Green Book: O Guia, Brian Hayes Currie, Peter Farrelly, Nick Vallelonga

DEVE GANHAR: Green Book: O Guia
DEVERIA GANHAR: No Coração da Escuridão
SE ROLAR, É ZEBRA: Vice

NÃO RECEBEU O CONVITE: Bo Burnham (Oitava Série)

Honestamente, não entendi a indicação de Roteiro Original para Roma. O filme de Cuarón prima pelo aspecto técnico de fotografia e direção, mas seu roteiro não apresenta lá grande originalidade. Em seu lugar, poderiam ter indicado o jovem Bo Burnham por Oitava Série, considerado um dos melhores sobre a juventude de hoje. Claro que se fôssemos levar em conta a qualidade do roteiro, o de Adam McKay em Vice também não se garantiria nesta categoria…

Repleto de polêmicas externas como o apoio preconceituoso do roteirista Nick Vallelonga a Donald Trump contra muçulmanos e os nudes que o diretor Peter Farrelly mandou para Cameron Diaz na época de Quem Vai Ficar com Mary?, o roteiro Green Book ainda tem ótimas chances de vencer. Porém, A Favorita ficaria sem nenhum prêmio importante…

Se Paul Schrader for anunciado como vencedor, será um dos melhores da cerimônia. Roteirista de clássicos de Martin Scorsese como Taxi Driver e Touro Indomável, Schrader nunca foi indicado anteriormente. Caso vença, a Academia estaria fazendo justiça aos trabalhos anteriores, mas também reconhecendo um grande e maduro roteiro em No Coração da Escuridão.

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO

  • A Balada de Buster Scruggs, Joel Coen e Ethan Coen
  • Infiltrado na Klan, Charlie Wachtel, David Rabinowitz, Kevin Willmott e Spike Lee
  • Se a Rua Beale Falasse, Barry Jenkins
  • Poderia Me Perdoar?, Nicole Holofcener e Jeff Whitty
  • Nasce uma Estrela, Eric Roth, Bradley Cooper e Will Fetters

DEVE GANHAR: Infiltrado na Klan
DEVERIA GANHAR: Poderia Me Perdoar?
SE ROLAR, É ZEBRA: A Balada de Buster Scruggs

NÃO RECEBEU O CONVITE: Jungmi Oh e Chang-dong Lee (Em Chamas)

Esta categoria representa a melhor chance de Spike Lee para ganhar seu primeiro Oscar (competitivo, já que venceu o Oscar Honorário há pouco tempo). Ele terá que bater fortes concorrentes como Poderia Me Perdoar? e Nasce uma Estrela, mas ainda assim pode ser considerado o favorito nesta reta final.

O roteiro de Poderia Me Perdoar?, que levou o WGA semana passada, é o melhor aqui. Tem uma ótima trama, apresenta personagens consistentes e diálogos hilários, além de explorar as dificuldades de um artista em decadência.

A melhor adaptação de Haruki Murakami não foi lembrada aqui injustamente, mas fazemos questão de destacá-la aqui. Em Chamas tem um roteiro fabuloso, repleto de dúvidas e incertezas que o fará se questionar por semanas.

MELHOR FOTOGRAFIA

  • Roma, Alfonso Cuarón
  • Nasce uma Estrela, Matthew Libatique
  • A Favorita, Robbie Ryan
  • Nunca Deixe de Lembrar, Caleb Deschanel
  • Guerra Fria, Łukasz ŻAl

DEVE GANHAR: Roma
DEVERIA GANHAR: Roma
SE ROLAR, É ZEBRA: Nasce uma Estrela

NÃO RECEBEU O CONVITE: Benoît Delhomme (No Portal da Eternidade)

Duas fotografias preto-e-branco belíssimas que certamente merecem o Oscar. Mas para qual? Em termos de qualidade de fotografia, Guerra Fria parece ter a melhor, porém a de Cuarón tem os melhores movimentos de câmera. Suas cenas são devidamente coreografadas, explorando com poucos a rotina simples da personagem.

Roma 3

Fotografia de Alfonso Cuarón em Roma

MELHOR MONTAGEM

  • A Favorita, Yorgos Mavropsaridis
  • Green Book: O Guia, Patrick J. Don Vito
  • Vice, Hank Corwin
  • Bohemian Rhapsody, John Ottman
  • Infiltrado na Klan, Barry Alexander Brown

DEVE GANHAR: Bohemian Rhapsody
DEVERIA GANHAR: A Favorita
SE ROLAR, É ZEBRA: Infiltrado na Klan

NÃO RECEBEU O CONVITE: Tom Cross (O Primeiro Homem)

Apesar dos protestos da ordem cronológica dos shows do Queen estarem incorretas, a montagem de John Ottman fez a maioria esquecer disso e se deliciar com as apresentações em Bohemian Rhapsody. E ele fez seu trabalho basicamente sem a presença física do diretor Bryan Singer, que foi demitido a duas semanas do término das filmagens.

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

  • A Favorita, Fiona Crombie e Alice Felton
  • O Retorno de Mary Poppins, John Myhre e Gordon Sim
  • O Primeiro Homem, Nathan Crowley e Kathy Lucas
  • Pantera Negra, Hannah Beachler e Jay Hart
  • Roma, Eugenio Caballero e Bárbara Enriquez

DEVE GANHAR: Pantera Negra
DEVERIA GANHAR: Pantera Negra
SE ROLAR, É ZEBRA: O Retorno de Mary Poppins

NÃO RECEBEU O CONVITE: Ilha dos Cachorros

Black Panther 025

Palácio de Wakanda em Pantera Negra

Todos sabem que os filmes de época sempre levam vantagem nesta categoria, mas com o forte apelo cultural de Pantera Negra, esse favoritismo pode cair por terra. Só aquele palácio de Wakanda já pode se tornar o motivo principal para uma vitória merecida.

Não fosse o preconceito da Academia, a direção de arte da animação Ilha dos Cachorros deveria estar indicada e possivelmente ganhar aqui. Todos sabem que o diretor Wes Anderson é extremamente perfeccionista e cuidadoso no aspecto do design de produção. Ele recria um Japão inteiro, que vai de cidades até sushis.

MELHOR FIGURINO

  • A Balada de Buster Scruggs, Mary Zophres
  • A Favorita, Sandy Powell
  • Duas Rainhas, Alexandra Byrne
  • Pantera Negra, Ruth E. Carter
  • O Retorno de Mary Poppins, Sandy Powell

DEVE GANHAR: Pantera Negra
DEVERIA GANHAR: Pantera Negra
SE ROLAR, É ZEBRA: A Balada de Buster Scruggs

NÃO RECEBEU O CONVITE: Mary E. Vogt (Podres de Ricos)

Black Panther costume design

Figurinos de Ruth E. Carter para Pantera Negra (pic by IMDb)

Sobre esta categoria, assim como de Direção de Arte, sempre costumo comentar que existe um gosto por parte da Academia muito restrito aos filmes de época, e em segundo caso, dos filmes de fantasia. Assim como nos filmes indicados, os figurinos de Podres de Ricos também são recriações e também têm sua importância para a trama, especialmente as roupas da protagonista Rachel Chu. Então por que não indicar outro sucesso comercial como este?

Apesar de reconhecer o talento nato de Sandy Powell, que teve o “infortúnio” de ser dupla indicada com chances de ser dupla perdedora, os figurinos de Ruth E. Carter (aliás, uma colaboradora de Spike Lee) para Pantera Negra exploram como poucos a cultura africana aliada ao universo dos quadrinhos da Marvel. A terra fictícia de Wakanda não seriam os mesmos sem suas criações.

MELHOR MAQUIAGEM E CABELO

  • Vice, Greg Cannom, Kate Biscoe, Patricia Dehaney
  • Duas Rainhas, Jenny Shircore, Marc Pilcher, Jessica Brooks
  • Border, Göran Lundström, Pamela Goldammer

DEVE GANHAR: Vice
DEVERIA GANHAR: Vice
SE ROLAR, É ZEBRA: Duas Rainhas

NÃO RECEBEU O CONVITE: Pantera Negra

A transformação mais comentada da temporada foi a de Christian Bale no ex-vice presidente norte-americano Dick Cheney em Vice. Claro que os méritos não são apenas dos maquiadores, pois o ator também engordou bastante para o papel, uma vez que o filme retrata um longo período de tempo da vida do político. Mas como a foto de Bale como Cheney foi veiculada pelo mundo todo, e os demais atores estão parecidos com as figuras reais retratadas, o Oscar deve ir para Vice, o que seria um prêmio de consolação caso perca nas demais sete categorias.

A maquiadora Jenny Shircore, indicada por Duas Rainhas, já venceu o Oscar em 1999, quando realizou a transformação de Cate Blanchett na rainha em Elizabeth. Já a dupla do filmes sueco Border vem fazendo prostéticos em blockbusters americanos como X-Men: Primeira Classe e Fúria de Titãs. A transformação dos dois atores centrais em trolls é digna de nota.

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL

  • Se a Rua Beale Falasse, Nicholas Brittel
  • Pantera Negra, Ludwig Göransson
  • Ilha dos Cachorros, Alexandre Desplat
  • O Retorno de Mary Poppins, Marc Shaiman
  • Infiltrado na Klan, Terence Blanchard

DEVE GANHAR: Se a Rua Beale Falasse
DEVERIA GANHAR: Se a Rua Beale Falasse
SE ROLAR, É ZEBRA: Infiltrado na Klan

NÃO RECEBEU O CONVITE: Justin Hurwitz (O Primeiro Homem)

É muito estranho não contarmos aqui com a bela e importante trilha de Justin Hurwitz em O Primeiro Homem. A música consegue pontuar os momentos-chave do filme biográfico de Neil Armstrong. Chegou a ganhar o Globo de Ouro e o Critics’ Choice, mas no Oscar… nem indicação. Vai entender!

Já dentre os indicados, a trilha de Nicholas Brittel consegue ressaltar as imagens plásticas e de câmera lenta de Barry Jenkins em Se a Rua Beale Falasse. Ele já havia conseguido esse feito lírico no filme anterior do diretor, Moonlight, mas desta vez sua música traz uma alma romântica necessária, já que os atores não conseguiram transparecer esse sentimento na tela.

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

  • “When a Cowboy Trades His Spurs for Wings”, A Balada de Buster Scruggs (escrita por David Rawlings e Gillian Welch)
  • “Shallow”, Nasce uma Estrela (escrita por Lady Gaga, Mark Ronson, Anthony Rossomando e Andrew Wyatt)
  • “All the Stars”, Pantera Negra (escrita por Kendrick Lamar, Al Shux, Sounwave e SZA)
  • “The Place Where Lost Things Go”, O Retorno de Mary Poppins (escrita por Marc Shaiman e Scott Wittman)
  • “I’ll Fight”, RBG (escrita por Diane Warren)

DEVE GANHAR: “Shallow” (Nasce uma Estrela)
DEVERIA GANHAR: “Shallow” (Nasce uma Estrela)
SE ROLAR, É ZEBRA: “When a Cowboy Trades His Spurs for Wings” (A Balada de Buster Scruggs)

NÃO RECEBEU O CONVITE: “Girl in the Movies” (Dumplin’)

A Star is Born

Lady Gaga e Bradley Cooper cantam “Shallow” em Nasce uma Estrela (pic by IMDb)

É difícil entender a Academia quando se trata desta categoria. Eles fazem umas escolhas que até hoje é difícil de entender, como ocorreu em 2006, quando resolveram premiar “It’s Hard Out Here for a Pimp” no lugar de “Travellin’ Thru”. E nos últimos anos, estão vindo com essa história de apresentar duas ou três canções, gerando uma injustiça indefensável. Este ano, por pouco, evitam uma nova tragédia. Queriam apresentar Lady Gaga e Kendrick Lamar, e os outros que se explodam. Felizmente, por pressão externa e protestos, o plano não passou de um boato.

De qualquer forma, “Shallow” é a única canção concorrente que tem 100% de garantia de vitória por três motivos: Pelo histórico nas outras premiações, por ser um possível único Oscar para Nasce uma Estrela, e pela importância que a canção tem na trama do filme. Como fã, gostaria que Diane Warren finalmente levasse seu Oscar depois de 10 indicações, mas sua nova canção “I’ll Fight” do documentário RBG não empolgou tanto assim.

MELHOR MIXAGEM DE SOM

  • Nasce uma Estrela
  • Bohemian Rhapsody
  • Roma
  • O Primeiro Homem
  • Pantera Negra

DEVE GANHAR: Bohemian Rhapsody
DEVERIA GANHAR: O Primeiro Homem
SE ROLAR, É ZEBRA: Roma

NÃO RECEBEU O CONVITE: Missão: Impossível – Efeito Fallout

Se reconheceram tantos blockbusters e os chamados “filmes populares” nesta edição do Oscar, por que não finalmente reconhecer o Som da franquia Missão: Impossível? Não se trata de cotas, mas o trabalho de som realmente é impressionante. São tiros, explosões, perseguições e pancadarias com ótima qualidade sonora (para aqueles que viram numa sala IMAX sabem do que estou falando). E seria um ótimo reconhecimento para um dos melhores filmes da franquia e para os esforços descomunais de Tom Cruise, que quase morreu nas filmagens.

Nesta categoria, quando não há filmes de guerra no páreo, os musicais costumam levar vantagem. Foi assim com Dreamgirls, Os Miseráveis e Whiplash. Portanto, não será surpresa se Bohemian Rhapsody levar mais esse Oscar para casa, ainda mais que já ganhou o prêmio do sindicato dos técnicos de som. Não querendo desmerecer as músicas do Queen, o melhor trabalho de som foi de O Primeiro Homem.

MELHORES EFEITOS SONOROS

  • O Primeiro Homem
  • Bohemian Rhapsody
  • Um Lugar Silencioso
  • Pantera Negra
  • Roma

DEVE GANHAR: Um Lugar Silencioso
DEVERIA GANHAR: O Primeiro Homem
SE ROLAR, É ZEBRA: Roma

NÃO RECEBEU O CONVITE: Vingadores: Guerra Infinita

Pra quem não sabe a diferença entre Mixagem de Som e Efeitos Sonoros, os efeitos são aqueles criados em estúdio, normalmente presentes em filmes de ação, ficção científica e, claro, animações. Particularmente, nenhum dos candidatos me impressionou nesse quesito, mas o efeitos sonoros são utilizados com bastante propriedade em Um Lugar Silencioso.

MELHORES EFEITOS VISUAIS

  • Vingadores: Guerra Infinita
  • Christopher Robin: Um Reencontro Inesquecível
  • Jogador Nº 1
  • Solo: Uma História Star Wars
  • O Primeiro Homem

DEVE GANHAR: Vingadores: Guerra Infinita
DEVERIA GANHAR: O Primeiro Homem
SE ROLAR, É ZEBRA: Solo: Uma História Star Wars

NÃO RECEBEU O CONVITE: Pedro Coelho

Thanos Avengers.jpg

Thanos e o efeito motion capture em Vingadores: Guerra Infinita (pic by Marvel)

Se formos pensar em quantidade de efeitos e de diversidade, nossa aposta vai para Vingadores: Guerra Infinita. Sua vitória coroaria a maior bilheteria de 2018 também. Mas se formos pensar em qualidade, os efeitos de O Primeiro Homem estão bem caprichados e quase imperceptíveis, como deveriam ser.

MELHOR DOCUMENTÁRIO

  • RBG
  • Hale County This Morning, This Evening
  • Minding the Gap
  • Free Solo
  • Of Fathers and Sons

DEVE GANHAR: RBG
DEVERIA GANHAR: Free Solo
SE ROLAR, É ZEBRA: Hale County This Morning, This Evening

NÃO RECEBEU O CONVITE: Shirkers

RBG

RBG, sobre a juíza Ruth Bader Ginsburg

A categoria de Documentário também é uma incógnita de vez em quando. Algumas vezes, premiam os favoritos da temporada como Amy e Procurando Sugar Man, às vezes premiam temáticas em filmes mais desconhecidos como Undefeated. Este ano, a zebra já começou dando as caras com a ausência do favorito Won’t You Be My Neighbour?, sobre o apresentador Fred Rogers, que vinha ganhando todos os prêmios.

Com a exclusão deste, o favorito passou a ser Free Solo, o documentário belíssimo da National Geographics e que tem sido o maior sucesso de bilheterias nos EUA. Porém, na última semana, RBG tem ganhado força devido à fama da juíza Ruth Badder Ginsburg, que defende há tempos a igualidade entre homens e mulheres perante a lei. Apesar de ser um documentário mais com cara de televisão, o peso da protagonista e de seu tema pode ser o diferencial no Oscar.

Em relação a Shirkers, disponível no Netflix, trata-se de um ótimo documentário que merecia uma indicação. Ele dialoga com os sonhos de jovens cineastas em Singapura, que foram despedaçados com o sumiço de seu trabalho. Tudo narrado com memórias investigativas e melancólicas.

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA

  • Black Sheep
  • Uma Noite no Madison Square Garden (A Night at the Garden)
  • A Partida Final (End Game)
  • Lifeboat
  • Absorvendo o Tabu (Period. End of Sentence.)

DEVE GANHAR: Black Sheep
DEVERIA GANHAR: Black Sheep
SE ROLAR, É ZEBRA: Lifeboat

MELHOR CURTA-METRAGEM

  • Detainment
  • Fauve
  • Madre
  • Marguerite
  • Skin

DEVE GANHAR: Skin
DEVERIA GANHAR: Fauve
SE ROLAR, É ZEBRA: Detainment

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO

  • Comportamento Animal (Animal Behaviour)
  • Bao
  • Fim de Tarde (Late Afternoon)
  • Um Pequeno Passo (One Small Step)
  • Weekends

DEVE GANHAR: Bao
DEVERIA GANHAR: Weekends
SE ROLAR, É ZEBRA: Comportamento Animal

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Os Incríveis (Incredibles 2)
  • Ilha dos Cachorros (Isle of Dogs)
  • Mirai (Mirai no Mirai)
  • WiFi Ralph: Quebrando a Internet (Ralph Breaks the Internet)
  • Homem-Aranha no Aranhaverso (Spider-Man Into the Spider-verse)

DEVE GANHAR: Homem-Aranha no Aranhaverso
DEVERIA GANHAR: Mirai
SE ROLAR, É ZEBRA: Mirai

NÃO RECEBEU O CONVITE: O Homem das Cavernas

Spider-Man in Spiderverse

Homem-Aranha no Aranhaverso

Homem-Aranha no Aranhaverso tem sido uma unanimidade na temporada. E se vencer, será o primeiro Oscar da Sony na categoria dominada por Disney e Pixar. Seu aspecto visual é realmente único, e seu humor sarcástico encanta tanto o público infantil quanto o adulto. O único porém seria a trama simples demais: basta plugar um pen drive na máquina que tudo volta ao normal.

A animação de stop motion O Homem das Cavernas pode não ser a melhor do ano, mas se você quer assistir a um bom filme sobre futebol (sim, o nosso futebol, não o americano), não deixe de conferir este novo trabalho de Nick Park, que conta com dublagens fenomenais de Tom Hiddleston e Eddie Redmayne.

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

  • Cafarnaum (Capharnaum)
  • Guerra Fria (Zimna wojna)
  • Roma (Roma)
  • Nunca Deixe de Lembrar (Werk ohne Autor)
  • Assunto de Família (Manbiki Kazoku)

DEVE GANHAR: Roma
DEVERIA GANHAR: Roma
SE ROLAR, É ZEBRA: Cafarnaum

NÃO RECEBEU O CONVITE: Em Chamas (Coréia do Sul)

Roma

Roma

Normalmente, o filme estrangeiro indicado a Melhor Filme e Melhor Filme em Língua Estrangeira leva o último. Foi assim com A Vida é Bela, O Tigre e o Dragão e Amor, dos mais recentes. Portanto, tudo leva a crer que Roma levará o Oscar da categoria… mas e se também levar Melhor Filme? Pela primeira vez, um filme poderá levar os dois Oscars pra casa.

Nesse cenário, as chances dos demais concorrentes aumentam consideravelmente, principalmente para o polonês Guerra Fria, que também disputa Melhor Direção e Fotografia, e em segundo caso, para o alemão Nunca Deixe de Lembrar, que também concorre por Melhor Fotografia.

Pena que o sul-coreano Em Chamas ficou de fora da disputa. Ele chegou a ser pré-selecionado entre nove filmes, mas acabou sendo esnobado na reta final. Seria a primeira indicação ao Oscar do cinema da Coréia do Sul, que já entregou tantas obras-primas do século XXI como Memórias de um Assassino (2003), Oldboy (2003), O Hospedeiro (2006), Poesia (2010), Invasão Zumbi (2016) e A Criada (2016). Em Chamas foi considerado a melhor adaptação do escritor japonês Haruki Murakami para o cinema.

***

A 91ª cerimônia do Oscar acontece a partir das 22h na TNT e… sei lá quando depois do BBB na Globo.

Anúncios

‘BOHEMIAN RHAPSODY’ e ‘A FAVORITA’ vencem o EDDIE

Bohemian Rhapsody

Bohemian Rhapsody vence o prêmio do Sindicato de Montadores (pic by IMDb)

SEQUER CONSIDERADO HÁ UM MÊS, CINEBIOGRAFIA DO QUEEN CRESCE COM PRÊMIO

Na última sexta-feira, dia 01, o Sindicato de Montadores anunciou os vencedores desta 69ª edição. Dividido em duas categorias para filmes de ficção como no Globo de Ouro, o prêmio reconheceu a montagem de Bohemian Rhapsody como Drama, e de A Favorita como Comédia.

Ambos os vencedores foram indicados ao Oscar da categoria e, com a vitória, fortaleceram suas campanhas. Claro que, se for relembrar as estatísticas dos últimos 5 anos, o Eddie Award não tem garantido a estatueta da Academia: foram apenas 2 acertos (mesmo com duas apostas): Dunkirk em 2018, e Mad Max: Estrada da Fúria em 2016.

Até há pouco tempo, a montagem de Nasce uma Estrela era a favorita, porém acabou ficando de fora do Oscar e agora perdeu no sindicato. Já Bohemian Rhapsody vem numa forte crescente, mesmo após algumas críticas em relação à ordem cronológica dos eventos como o show do Queen no Rio de Janeiro. Seu grande diferencial é ser um filme “redondinho”, fácil de assistir e assimilar, mesmo não contando oficialmente com a mão do diretor Bryan Singer. Se bem que, em uma conversa com um amigo meu, temos certeza que Singer estava em contato direto com seu colaborador assíduo John Ottman.

A melhor montagem em disputa aqui pra mim era de O Primeiro Homem. Tom Cross sempre entrega bons cortes, embora o filme em si não tenha empolgado muito. De qualquer forma, o filme de Damien Chazelle ficou de fora da categoria no Oscar. Agora, se fosse falar de melhor montagem dos filmes de 2018, eu premiaria a dupla Da-won Kim e Hyun Kim do filme Em Chamas, que injustamente ficou de fora da categoria de Filme em Língua Estrangeira.

Na categoria de comédia, a vitória de A Favorita não deixa de ser surpreendente, pois Green Book e Vice eram considerados fortes candidatos, inclusive para o Oscar.  Normalmente, filmes de ação ou de guerra já saem na frente, mas na ausência de um filme desses gêneros este ano, o resultado continua sendo uma incógnita.

Curiosamente, as estatísticas do Eddie estão bem diferentes nas categorias de Animação e de Documentário. Em ambos os casos, houve 4 acertos nos mesmos últimos 5 anos. Sendo assim, os vencedores respectivos Homem-Aranha no Aranhaverso e Free Solo largam na frente na disputa pelo Oscar.

SPIDERVERSE

Animação Homem-Aranha no Aranhaverso vence o Eddie e segue na frente (pic by IMDb)

VENCEDORES DO 69º EDDIE AWARDS:

MELHOR MONTAGEM – DRAMA
John Ottman (Bohemian Rhapsody)

MELHOR MONTAGEM – COMÉDIA
Yorgos Mavropsaridis (A Favorita)

MELHOR MONTAGEM – ANIMAÇÃO
Robert Fisher, Jr. (Homem-Aranha no Aranhaverso)

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO (CINEMA)
Bob Eisenhardt (Free Solo)

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO (NÃO DE CINEMA)
Greg Finton, Poppy Das (Robin Williams: Come Inside My Mind)

***

A 91ª cerimônia do Oscar acontece no próximo dia 24 de fevereiro.

RETROSPECTIVA 2018: O ANO da NETFLIX?

oscars-2018.jpg.scale.704x

Normalmente, eu posto um vídeo promocional da próxima edição do Oscar que o futuro host publica na internet, mas depois da confusão e demissão de Kevin Hart…

Olá, pessoal! Mais um ano se foi! Foi um ano bom ou ruim pra você?
Queria agradecer a todos que acompanharam o blog e a página do Facebook. Se comentaram, se leram, ou se apenas deram aquela passadinha, obrigado por seu apoio! Estou realizando este trabalho por puro prazer há 7 anos e sendo recompensado pelos seus views e participações. Agradeço bastante ao meu colaborador assíduo Hugo Cancela, aos amigos Bruna Martins, Flávia Fernandes, Antonio Lopes, Karoline Alves e Alice Ayres, e frequentadores assíduos como a rainha do Oscar Frame, Elisieli Rodrigues, Cristiano Filiciano, Miriam Moldes, Henrique Cereja, Fummanation Bonsucesso, Berto Leno, Tiago Bistaffa, Elza Vieira, Amélia Cassis, Yuri Dias, Lília Ricardo, Kátia Nunes e Verinha Dau, enfim, são tantos nomes que daria uma lista extensa! Peço desculpas por não poder incluir todos aqui!

Queria aproveitar para agradecer ao crítico Chico Fireman por me possibilitar trabalhar com as cabines de lançamentos de filmes, e pela sua generosidade e atenção!

META DE 2018

Continuando minha meta de 2017, procurei assistir mais àqueles filmes clássicos ou cults pra reduzir um pouco minha watchlist. Um que tenho orgulho de finalmente ter conferido é o clássico italiano , de Federico Fellini. Sério, eu não estava aguentando mais ver esse filme no topo da minha lista me olhando e perguntando: “E aí? Quando você vai me ver?” Eu lembro a última vez que viajei pra fora do país em 2014, eu jurava: “Antes de pegar esse avião, eu vou ver o filme do Fellini. Vai que eu morro…” Enfim, tomei coragem e assisti. Eu achava que o filme me daria uma dor de cabeça enorme, mas vi uma belíssima homenagem do diretor às mulheres que amou na vida. Ainda tenho vários do Fellini pra ver como Julieta dos Espíritos e A Doce Vida, mas quem sabe em 2019?

Falando em mestres do cinema, estou satisfeito por ter acrescido mais três obras do sueco Ingmar Bergman. Finalmente assisti a Através de um EspelhoSonata de Outono e Gritos e Sussurros. Depois de assistir aos filmes dele, é inevitável não parar pra refletir sobre a vida e a família, que são temas bem fortes na filmografia dele. O quanto realmente nos importamos com familiares diante de situações difíceis. Além do diretor levantar esses questionamentos, ainda cria obras visuais extremamente poderosas com a ajuda inestimável de atrizes do calibre de Ingrid Bergman, Liv Ullmann e Harriet Andersson.

Também consegui assistir pela primeira vez a A Mulher Faz o Homem (1939). Nunca fui muito fã do Frank Capra porque ele entrega uma visão demasiada otimista. Não que isso seja um defeito, mas sempre tive preferência por um cinema que expõe defeitos e falhas humanas, seja para o bem ou para o mal. É louvável acompanhar a luta de um jovem senador idealista contra um sistema corrupto, ainda mais hoje num Brasil que revela um novo caso de corrupção a cada dia, mas alguns personagens se tornam bidimensionais nessa visão, mesmo James Stewart.

8 Autumn Mr Smith

8½, Sonata de Outono e A Mulher Faz o Homem

Revisitei alguns diretores renomados como François Truffaut com Jules e Jim – Uma Mulher Para Dois (1962), Wim Wenders com Asas do Desejo (1987), Billy Wilder com Testemunha de Acusação (1957), e Dario Argento com Suspiria (1977), que fiz questão de conferir antes de assistir à refilmagem, que nunca estréia aqui no Brasil! E vi uma obra-prima pouco conhecida aqui intitulada O Segundo Rosto (1966), de John Frankenheimer, que apresenta uma trama de ficção científica na qual uma organização secreta oferece uma segunda chance aos ricos, alterando suas aparências e encenando a morte das pessoas que foram. Rock Hudson, que sempre teve imagem de cowboy machão mas era homossexual, caiu como uma luva no papel principal e entrega a performance de sua vida.

PIORES DO ANO

Eu tinha o costume de comentar uns dois ou três filmes que foram decepcionantes, mas a partir deste ano, já dá pra formar uma lista dos 5 piores. Reparem que todos os filmes da lista são parte de uma franquia (considerando que Venom faz parte do universo do Homem-Aranha) ou é uma refilmagem. Quando Hollywood só pensa nos números lucrativos, o Cinema perde.

Por pouco Jogador Nº 1 não entra na lista. Depois de me desapontar muito com The Post: A Guerra Secreta, vejo que Steven Spielberg deveria dar um break na carreira, sei lá, tirar um ano sabático, pra refletir sobre o que cinema representa pra ele, porque parece que ele tem feito mais filmes com cabeça de produtor ultimamente… E pior é que dos três projetos futuros dele, um é a sequência de Indiana Jones com Harrison Ford (taí outro que precisa de uma pausa longa) e o outro é a refilmagem (totalmente desnecessária) do clássico musical Amor Sublime Amor (1961). Claro que posso queimar minha língua, mas Spielberg, cadê sua criatividade?

E apesar de querer assistir de tudo, sempre dou mais prioridade aos filmes que acho que podem ser bons, afinal, se tenho pouco tempo pra ver filmes, por que gastar as horinhas preciosas com filmes que tenho quase certeza de que serão meia-boca? Nesse quesito, deixei de assistir aos possíveis candidatos desta lista: Han Solo: Uma História Star Wars (que pelo histórico de produção conturbado, só pode ser um resultado desastroso) e o Fenda no Tempo, a mega produção politicamente correta da Disney.

TOP 5 PIORES LANÇAMENTOS DO ANO

5. Venom (Venom)
Dir: Ruben Fleischer

4. Halloween (Halloween)
Dir: David Gordon Green

3. Tomb Raider: A Origem (Tomb Raider)
Dir: Roar Uthaug

2. A Freira (The Nun)
Dir: Corin Hardy

1. Jurassic World: Reino Ameaçado (Jurassic World: Fallen Kingdom)
Dir: J.A. Bayona

jurassic world fallen kingdom

Chris Pratt em cena da desastrosa sequência Jurassic World: O Reino Ameaçado (pic by OutNow.CH)

OSCAR 2018: POLITICAMENTE CORRETO NUMA CERIMÔNIA MORNA

Os produtores da cerimônia resolveram dar uma colher de chá para Jimmy Kimmel e o convidaram novamente para ser host após aquela lambança do envelope errado no ano passado. Apesar de ter acertado naquela premiação do jet ski para o discurso mais curto, ainda cometeu equívocos como aquela chocha invasão à sala de cinema do outro lado da rua, na vã tentativa de aproximar o público comum das estrelas de Hollywood.

Contudo, não dá pra culpá-lo. Os próprios organizadores resolveram baixar o tom da festa e correr risco zero para evitar erros e polêmicas. Desde o monólogo politicamente correto de Kimmel, até os números musicais bastante contidos no palco comprovaram a postura que a Academia impôs ao evento.

Quanto aos resultados, chegamos ao limite do previsível, principalmente em relação aos atores. Com Gary Oldman, Frances McDormand, Sam Rockwell e Allison Janney ganhando todos os prêmios importantes anteriores, ficou difícil surpreender o público com algum resultado inesperado. Por isso mesmo, a partir da próxima cerimônia, a data será adiantada para o mês de fevereiro com o intuito de reduzir o impacto dos prêmios que o antecedem.

Sobre os resultados, torci bastante para Corra! levar Melhor Filme, Diretor e Roteiro Original, que felizmente Jordan Peele acabou levando. Gostei das premiações de James Ivory pelo Roteiro Adaptado de Me Chame Pelo Seu Nome, de Roger Deakins finalmente levando seu Oscar por Blade Runner 2049, e de Sebastián Lelio levando o primeiro Oscar de Filme em Língua Estrangeira para o Chile por Uma Mulher Fantástica.

Design sem nome (2)

Da esquerda para a direita: Jordan Peele leva o Oscar de Roteiro Original por Corra!, Roger Deakins de Fotografia por Blade Runner 2049, e Sebastián Lelio de Filme em Língua Estrangeira por Uma Mulher Fantástica.

Em relação às categorias de atuação, os votantes da Academia deveriam repensar melhor seu modo de avaliar as interpretações. Este ano, tivemos duas performances clichês e rotuladas levando o Oscar mais por causa dos efeitos de maquiagem transformativa: Gary Oldman com próteses esbravejando como um cachorro, e Allison Janney como a mãe amarga e envelhecida pela maquiagem. Timothée Chalamet e Lesley Manville trabalharam muito mais as nuances de seus personagens, e com pouco esforço, superaram os vencedores.

NETFLIX NOS FESTIVAIS E NO OSCAR

Claro que ainda não é oficial, mas Roma pode se tornar o primeiro filme da NETFLIX indicado ao Oscar de Melhor Filme, e por que não o primeiro a ganhar a estatueta? É inevitável o espaço e a importância que a Netflix e outras plataformas de streaming como a Amazon e a Hulu estão conquistando no mercado. Já é uma realidade de trabalho para inúmeros profissionais, assim como de alto consumo.

Diante desse cenário, eu faço a seguinte indagação: “Até quando vão ficar de birra, distribuidores franceses e organizadores do Festival de Cannes?”. Enquanto essa turma ficar discutindo a permanência de um sistema ultrapassado e a linguagem cinematográfica da Netflix, a empresa está dando risada, lucrando e ainda ganhando prêmios em outros festivais! Roma ganhou o Leão de Ouro em Veneza.

Obviamente, preferi assistir ao filme de Alfonso Cuarón numa sala de cinema com projeção em tela grande e som de qualidade, mas se não pudesse, assistiria na TV de casa mesmo (com um volume que meus vizinhos reclamariam), mas assistiria! A Netflix veio para suprir um tipo de cinema que os produtores de Hollywood já não querem mais fazer, pois estão visando apenas os lucros sem margem para erros ou riscos, por isso só temos blockbusters e adaptações de best-sellers nas salas de cinema.

IMG_1165

Foto que tirei na sessão especial de Roma no Kinoplex Itaim

Eu gostaria apenas que a Netflix e outras plataformas fizessem um esforço para colocar filmes selecionados para salas de cinema. Tipo, não faço questão de ver Para Todos os Garotos que Já Amei no cinema, mas Roma é outro nível de cinema que merece uma boa projeção. Isso certamente valorizaria ainda mais os profissionais e acabaria atraindo outros a trabalhar para a empresa.

TWITTER DESTRUINDO CARREIRAS

Sabe aquele ditado “O passado não perdoa”? Graças ao Twitter, o passado voltou para atormentar e destruir as carreiras profissionais de algumas personalidades. A mais comentada foi do diretor e roteirista James Gunn, que foi demitido pela Disney de Guardiões da Galáxia Vol. 3. Quando seus tuítes de vários anos atrás voltaram à tona, viram que ele não batia muito bem. Quer dizer, as piadas de humor negro eram chocantes demais para qualquer executivo da Disney que quer preservar a imagem família feliz da empresa global. Eu entendo o lado da Disney, que seria atacada pela imprensa se não demitisse Gunn e correria sério risco de ter suas ações em queda, mas demitir por piada estúpida de Twitter de 10 anos atrás? Não poderiam dar uma chance do diretor se retratar publicamente? O cara ganhou bilhões de dólares com os dois Guardiões da Galáxia!

Twitter

Tweets antigos de James Gunn e Kevin Hart que ocasionaram em suas demissões

E no início de dezembro, o Twitter fez uma nova vítima: o ator e comediante Kevin Hart, que foi convidado pela Academia para ser host do Oscar 2019. No dia seguinte, porém, tuítes antigos dele, que denotavam uma figura pública homofóbica, foram descobertos. Certos de que ele seria crucificado, principalmente pela comunidade LGBT, os organizadores da Academia lançaram um ultimato para ele se desculpar, o que acabou não acontecendo. E dois dias depois do anúncio, Hart desistiu do cargo.

Sou totalmente contra qualquer tipo de censura. Mas os tempos são outros. Hoje, as empresas demitem por qualquer comportamento impróprio. Qualquer um. Não existe perdão de declarações do passado também, por isso, no caso do Twitter, onde os tuítes são “deletáveis”, melhor apagá-los. Evitaria desgastes como esse que a Academia passou agora.

Esses acontecimentos reabrem a velha discussão da separação entre pessoa e artista. Por exemplo, com o escândalo de Woody Allen que foi acusado de abusar da filha, inúmeras pessoas passaram a avaliar seus filmes de forma negativa por causa da acusação. Inclusive, achei patético a declaração da atriz Mira Sorvino, que alegou arrependimento de ter trabalhado com Allen no filme Poderosa Afrodite (1995), que lhe rendeu o Oscar de Atriz Coadjuvante e lançou seu nome em Hollywood. Cuspir no prato que comeu é fácil. Não aprova o comportamento dele? Basta não trabalhar mais com ele.

CRÍTICAS

Apesar da lista coroar os meus 5 favoritos do ano, obviamente é preciso mencionar outras produções que se destacaram de alguma forma. Dos blockbusters, vale citar Vingadores: Guerra Infinita, que foi a maior bilheteria do ano. Deixando meu lado de fã de quadrinhos, é preciso reconhecer esse trabalho estratégico e paciente de dez anos da Marvel Studios que culmina nesta produção, que soube contar com vários personagens sem ser maçante, e ainda apresenta com propriedade um vilão de alto nível como Thanos.

Ainda destacaria Missão: Impossível – Efeito Fallout, que pode não apresentar nada inovador, mas sem sombra de dúvida foi o melhor filme de ação do ano. É notável a entrega de Tom Cruise à franquia e como ele luta para se superar a cada filme. Falando em notabilidade, preciso mencionar o trabalho minucioso de stop motion da animação nova de Wes Anderson, Ilha dos Cachorros. Além da técnica impecável, trata-se de um design de personagens sublime. Só acho que carece um pouco mais de alma, mas talvez a Academia recompense Anderson pelas derrotas anteriores com este Oscar de Animação…

Também gostei do singelo Poderia Me Perdoar?. A história verídica me pegou pelo identificação com a protagonista: uma escritora em decadência que falsifica cartas de autores para pagar suas contas básicas. A dupla formada por Melissa McCarthy e Richard E. Grant é a melhor do ano. Espero que ambos estejam indicados no próximo Oscar. E ainda no campo do singelo, destaco também o drama Mais Uma Chance, que é da Netflix. É basicamente sobre um casal na casa dos 40 que luta para ter filho, chegando a recorrer aos ovários da sobrinha. Todos os três atores estão bem: Paul Giamatti, Kathryn Hahn e Kayli Carter.

Uma boa surpresa foi a ficção científica Upgrade. Jamais imaginei que o roteirista Leigh Whannel, de Sobrenatural e Jogos Mortais, criaria esse universo futurista onde a tecnologia seria debatida de forma divertida mas também incisiva. Infelizmente, não há previsão de estréia no Brasil, mas de qualquer forma, tem tudo para se tornar um cult movie.

E, por último, gostei de ver a nova loucura de Lars von Trier no cinema. A Casa que Jack Construiu tem um tema interessantíssimo que questiona a inteligência humana através da filosofia de um serial killer inescrupuloso. Só faço dois adendos: deveria ter abusado mais do humor negro da primeira metade, e apesar de entender os motivos do diretor, cortaria a sequência em que ele insere imagens dos filmes anteriores dele, pois não colabora com a trama e ainda abre brecha para críticas de auto-indulgência depois daquele episódio de Persona Non Grata no Festival de Cannes.

TOP 5 MELHORES LANÇAMENTOS DO ANO

5. Hereditário (Hereditary/ 2018)
Dir: Ari Aster

4. Oitava Série (Eighth Grade/ 2018)
Dir: Bo Burnham

3. Roma (Roma/ 2018)
Dir: Alfonso Cuarón

2. Asako I & II (Netemo Sametemo/ 2018)
Dir: Ryûsuke Hamaguchi

1. Em Chamas (Beoning/ 2018)
Dir: Chang-dong Lee

Burning

1º LUGAR: EM CHAMAS (Beoning), de Lee Chang-dong

TOP 5 MELHORES EM MÍDIA DIGITAL

5. O Silêncio do Lago (Spoorloos/ 1988)
Dir: George Sluizer

4. Através de um Espelho (Såsom i en spegel/ 1961)
Dir: Ingmar Bergman

3. 8½ (8½/ 1963)
Dir: Federico Fellini

2. O Parque Macabro (Carnival of Souls/ 1962)
Dir: Herk Harvey

1. O Segundo Rosto (Seconds/ 1966)
Dir: John Frankenheimer

seconds

1º LUGAR: O SEGUNDO ROSTO (Seconds), de John Frankenheimer

IN MEMORIAN

Este ano, perdemos diretores icônicos e vencedores do Oscar. Milos Forman (venceu por Um Estranho no Ninho e Amadeus) e Bernardo Bertolucci (venceu por O Último Imperador), mas no caso dele, ficou mais famoso por filmes polêmicos como O Conformista, O Último Tango em Paris e Os Sonhadores. Outro diretor que entregou importantes filmes foi Nicolas Roeg, que destaco Inverno de Sangue em Veneza, O Homem que Caiu na Terra e Bad Timing. E agora no dia 17, a diretora Penny Marshall, mais conhecida pelas comédias Quero Ser Grande e Uma Equipe Muito Especial nos deixou.

Entre os atores, indicados ao Oscar nos deixaram: Burt Reynolds (que mais chama a atenção por uma vida repleta de arrependimentos por recusa de papéis importantes), Sondra Locke (ex-mulher de Clint Eastwood), Barbara Harris e a vencedora do Oscar de Coadjuvante em 1957 por Palavras ao Vento, Dorothy Malone. Também vale citar Margot Kidder, a eterna Lois Lane do Superman do saudoso Christopher Reeve.

Dos profissionais brasileiros, demos adeus às lendas Nelson Pereira dos Santos (diretor de Vidas Secas e Rio 40 Graus), Roberto Farias (diretor de Assalto ao Trem Pagador e dos filmes do cantor Roberto Carlos como Roberto Carlos em Ritmo de Aventura), e as atrizes Beatriz Segall (a eterna Odete Roitman da novela Vale Tudo) e Tônia Carrero, que brilhou nos filmes do extinto estúdio da Vera Cruz como Tico-Tico no Fubá.

Vale lembrar a perda das cantoras Aretha Franklin, cujas músicas sempre estarão em trilhas sonoras de vários filmes, e pra mim, em especial, Dolores O’Riordan, vocalista do grupo The Cranberries. A morte dela aos 46 anos (!) por afogamento após uma intoxicação alcóolica me deixou abatido por uns dias.

Demos adeus aos escritores Neil Simon, que apesar de ter sido indicado ao Oscar quatro vezes sem nenhuma vitória, tinha carreira consolidada e venerada no teatro como dramaturgo; e o roteirista William Goldman, vencedor de duas estatuetas do Oscar por Butch Cassidy e Todos os Homens do Presidente.

E não poderia falar de escritores sem mencionar Stan Lee. Embora os filmes da Marvel Studios sejam um sucesso pela estratégia de mesclar universos do produtor Kevin Feige, nada seria possível sem a inestimável contribuição criativa de Lee. Ele foi o pioneiro nos quadrinhos que enxergou a humanidade nos personagens de super-heróis, que eles poderiam ser falhos também e assim, facilitar a identificação com os leitores. Foi essa chave que até hoje gera essa conexão dos filmes com o grande público.

Stan Lee

VOTOS PARA 2019

Acho que o grande assunto no Brasil este ano foram as eleições para presidente. E o que mais fiquei chocado foi a defesa ferrenha que muitos faziam para candidatos que sequer mereciam o mínimo de confiança. Acho que depois de acompanhar tanto tempo a política brasileira, só defendo uma coisa: Nenhum político merece nossa confiança. Talvez o político em si seja até uma pessoa honesta, mas o sistema é muito corrupto e parece enraizado. Não vou nem entrar na questão das propostas, porque tem cada absurdo… Acho que o Brasil só vai pra frente com uma Reforma na Educação contando com um alto investimento.

Enfim, torço para que algo dê certo neste próximo governo. Que, de alguma forma, consigam afastar o país dessa crise, gerando mais emprego, renda e segurança, que é um problema crônico, mas sem esquecer da educação e da nossa cultura!

Apoio a diversidade de autores brasileiros, especialmente no cinema. Este ano, contamos com filmes bem distintos e alternativos como Café com Canela, As Boas Maneiras, O Animal Cordial, Arábia e Benzinho. O Cinema Brasileiro deixou de ser aquele recluso de favelas e seca no Nordeste. Se vamos ganhar o Oscar? Se dependesse apenas dos filmes, não teria dúvidas de que vai chegar a hora do Brasil, mas se a política continuar interferindo… vamos ver o cinema do Camboja, Cazaquistão e Paraguai ganhar antes da gente.

Desejo Feliz Ano Novo para todos que acompanham o blog e a página do Facebook! Que seja um ano repleto de alegrias, conquistas, saúde e paz!

Compartilhe seus melhores e/ou piores filmes que viu em 2018 nos comentários!

ACADEMIA DIVULGA PRÉ-LISTA de SELECIONADOS em 9 CATEGORIAS! COMO ESPERADO, BRASIL ESTÁ FORA DA CORRIDA…

oscars-academy-awards-best-picture-category

ACADEMIA RESOLVE FAZER UMA PENEIRA FORTE EM NOVE CATEGORIAS

Pela primeira vez na longeva história da Academia, divulgaram as short lists em nova categorias ao mesmo tempo. E pela primeira vez desde 1979, anunciaram a pré-lista nas categorias musicais. Portanto, com essa dança das cadeiras, alguns profissionais comemoraram a sobrevivência de chances no Oscar, e muitos outros já deram adeus.

E os números são bem expressivos dessas listas de corte. Na categoria de Filme em Língua Estrangeira, dos 87 inscritos, sobraram apenas nove, enquanto em Melhor Documentário, dos 166 inscritos, 15 continuam na luta. Pelas categorias de Trilha e Canção, de centenas passaram para 15 por categoria.

Em relação às categorias de curtas (documentário, animação e live action), praticamente todos somos Gloria Pires, não podemos opinar. Mas em relação às demais, dá pra comentar um pouco sobre.

Vamos às listas?

DOCUMENTÁRIO-CURTA
Black Sheep
End Game
Lifeboat
Los Comandos
My Dead Dad’s Porno Tapes*
A Night at the Garden
Period. End of Sentence.
’63 Boycott
Women of the Gulag
Zion

* Esse título que já havia me chamado a atenção desde o começo do ano. O diretor quis descobrir mais sobre o falecido pai através de objetos pessoais, inclusive uma pilha de fitas VHS de filmes pornográficos. Não sei se tem chances no Oscar, mas seria engraçado no mínimo.

My Dead Dad's Porno Tapes

My Dead Dad’s Porno Tapes, de Charlie Tyrell (pic by IMDb)

CURTA DE ANIMAÇÃO
Age of Sail
Animal Behaviour
Bao
Bilby
Bird Karma
Late Afternoon
Lost & Found
One Small Step
Pépé le Morse
Weekends

Obviamente, não podia faltar o curta-metragem Bao, que foi exibido nos cinemas antes do filme Os Incríveis 2. A Pixar sempre marca forte presença nessa categoria. Além da qualidade do material, eles tiveram essa brilhante idéia de passar seus curtas para o público em geral nas sessões de seus longas. Em relação ao curta em si, particularmente, acho bem sensível a idéia, mas poderiam dispensar a transformação do dumpling em ser humano. A metáfora já estava compreendida.

Bao_

Cena do curta de animação Bao (pic by Disney/Pixar)

CURTA-METRAGEM
Caroline
Chuchotage
Detainment
Fauve
Icare
Marguerite
May Day
Mother
Skin
Wale

DOCUMENTÁRIO
Charm City
Communion
Crime + Punishment
Dark Money
The Distant Barking of Dogs
Free Solo
Hale County This Morning, This Evening
Minding the Gap
Of Fathers and Sons
On Her Shoulders
RBG
Shirkers
The Silence of Others
Three Identical Strangers
Won’t You Be My Neighbor?

Felizmente, todos os documentários premiados até agora parecem estar nessa pré-lista. Por enquanto, o mais forte candidato é o Won’t You Be My Neighbor?, sobre as lições e legado de um apresentador de programa de TV infantil. Entre outros premiados estão o Hale Country This Morning This EveningMinding the Gap, RBG (sobre uma juíza americana que se tornou um ícone pop, e vale lembrar que o filme está na lista das canções também), Three Identical Strangers, Free Solo, Crime+Punishment e Shirkers, que já está disponível na Netflix e vale a pena dar uma olhada.

Won't You Be My Neighbor? - Still 1

O apresentador Fred Rogers em cena do documentário Won’t You Be My Neighbor? (pic by IMDb)

VISUAL EFFECTS
Homem-Formiga e a Vespa
Vingadores: Guerra Infinita
Pantera Negra
Christopher Robin
O Primeiro Homem
Jurassic World: Reino Ameaçado
O Retorno de Mary Poppins
Jogador Nº1
Han Solo: Uma História Star Wars
Bem-Vindos a Marwen

Bom, em primeiro lugar, acho um desaforo Jurassic World: Reino Ameaçado estar nessa lista. Além dos efeitos não apresentarem nada de novo (daqui a pouco até eu vou saber criar dinossauros em 3D), o filme é de uma gratuidade lucrativa asquerosa. Você assiste e não se importa com ninguém, e quer que todo mundo morra logo.

Enfim, dessa lista, O Primeiro Homem e Jogador Nº 1 parecem ser os mais fortes. Os efeitos de O Retorno de Mary Poppins parecem se assemelhar bastante com os efeitos da década de 60, mas vale lembrar que na época o filme foi um marco nos efeitos e ganhou o Oscar de Efeitos Visuais. E Vingadores: Guerra Infinita e Pantera Negra devem consolidar suas indicações por causa dos números nas bilheterias. Particularmente, considero os efeitos de Pantera Negra meio ruinzinhos. Já os efeitos de Bem-Vindos a Marwen são mais interessantes, já que transformar os atores em bonecos semelhantes às Barbies.

Welcome to Marwen_

Janelle Monáe e Steve Carell como bonecos em Bem-Vindos a Marwen (pic by IMDb)

MAQUIAGEM E CABELO
Pantera Negra
Bohemian Rhapsody
Border
Duas Rainhas
Stan & Ollie
Suspiria
Vice

Sempre fui a favor de maquiagens transformadoras ganharem o Oscar, tipo os trabalhos fenomenais do já aposentado Rick Baker, que fez Um Lobisomem Americano em Londres, O Grinch e Homens de Preto, porque essa coisa de colar um bigodezinho, passar um pózinho na cara e despentear o cabelo não é lá muito evidente pra ganhar esse prêmio.

Nesse quesito de transformação, eu diria que Suspiria sai na frente. Tilda Swinton interpreta três personagens e um deles é um senhor de idade. E você sabe o que aconteceu da última vez que Swinton se transformou numa idosa? O Grande Hotel Budapeste ganhou o Oscar.

Tilda Swinton Suspiria_

Sim, é a Tilda Swinton em Suspiria (pic by IMDb)

Também vale citar o Stan & Ollie, no qual John C. Reilly desaparece na maquiagem que o transforma no comediante Oliver Hardy. Já em Vice, embora temos muito do esforço descomunal de Christian Bale engordar, temos um trabalho de maquiagem de envelhecimento no seu personagem e de Amy Adams, pelo menos.

Já no quesito bigode e pózinho, a ausência de A Favorita se faz notar aqui.

TRILHA MUSICAL ORIGINAL
Aniquilação
Vingadores: Guerra Infinita
The Ballad of Buster Scruggs
Pantera Negra
Infiltrado na Klan
Podres de Ricos
A Morte de Stalin
Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindewald
O Primeiro Homem
Se a Rua Beale Falasse
Ilha dos Cachorros
O Retorno de Mary Poppins
Um Lugar Silencioso
Jogador Nº 1
Vice

Duas trilhas que dá pra garantir indicação são de O Primeiro Homem (Justin Hurwitz) e Se a Rua Beale Falasse (Nicholas Britell). Acredito também nas indicações de Alan Silvestri por Jogador Nº 1 e de Alexandre Desplat por Ilha dos Cachorros. Se John Williams estivesse na lista, eu o incluiria porque ele é sempre hors-concours na Academia. Pela quinta vaga, eu arriscaria Ludwig Göransson (Pantera Negra) ou Terence Blanchard (Infiltrado na Klan), se bem que Marc Shaiman pode ser lembrado por O Retorno de Mary Poppins.

CANÇÃO ORIGINAL
“When A Cowboy Trades His Spurs For Wings” (The Ballad of Buster Scruggs)
“Treasure” (Querido Menino)
“All The Stars” (Pantera Negra)
“Revelation” (Boy Erased: Uma Verdade Anulada)
“Girl In The Movies” (Dumplin’)
“We Won’t Move” (O Ódio que Você Semeia)
“The Place Where Lost Things Go” (O Retorno de Mary Poppins)
“Trip A Little Light Fantastic” (O Retorno de Mary Poppins)
“Keep Reachin’” (Quincy)
“I’ll Fight” (RBG)
“A Place Called Slaughter Race” (WiFi Ralph: Quebrando a Internet)
“OYAHYTT” (Sorry to Bother You)
“Shallow” (Nasce uma Estrela)
“Suspirium” (Suspiria)
“The Big Unknown” (As Viúvas)

Depois que aquela canção de Ritmo de um Sonho levou o Oscar, “It’s Hard Out Here for a Pimp”, nada mais foi o mesmo nessa categoria, o que torna tudo muito imprevisível. Claro que a mais forte aqui é a “Shallows”, que será cantada no Oscar pela Lady Gaga, e que possivelmente será premiada como compositora pra também compensá-la pela derrota como atriz.

Dentre as demais canções, “All the Stars” (Pantera Negra), “I’ll Fight” (RBG), “Girl in the Movies” (Dumplin’) e “Revelation” (Boy Erased) foram as mais lembradas na temporada até o momento, mas pode apostar que pelo menos uma das canções de O Retorno de Mary Poppins estará lá.

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
Pássaros de Verão – COLÔMBIA
A Culpa – DINAMARCA
Never Look Away – ALEMANHA
Assunto de Família – JAPÃO
Ayka – CAZAQUISTÃO
Capernaum – LÍBANO
Roma – MÉXICO
Guerra Fria – POLÔNIA
Em Chamas – CORÉIA DO SUL

Ok, vamos direto ao ponto. Roma tem absolutamente tudo para ganhar, tornando-se o primeiro filme do México a vencer nesta categoria? 95% de chances que sim. Não estou nem atribuindo esses 5% ao imprevisível, que realmente existe no Oscar, mas devido ao cenário dos prêmios da crítica. Por exemplo, no LAFCA, dos críticos de Los Angeles, Roma sagrou-se como Melhor Filme, enquanto como Filme em Língua Estrangeira deu empate entre Assunto de Família e Em Chamas. Ou seja, num cenário em que Alfonso Cuarón leva o Oscar de Melhor Filme, pode se abrir uma janela para os demais concorrentes na categoria de Filme Estrangeiro.

Claro que são apenas hipóteses por enquanto, afinal, em 90 anos de Oscar, nunca um filme de língua estrangeira levou o Oscar de Melhor Filme. No máximo, são indicados como Amor (2012), A Vida é Bela (1998) e Z (1969), mas só levam o Oscar de Filme em Língua Estrangeira mesmo. Vamos ver se Roma vai crescer com as indicações ao Oscar em janeiro para poder cravar alguma coisa.

E o Brasil? A polêmica escolha de O Grande Circo Místico para representar o cinema nacional foi por água abaixo. Agora nós, cinéfilos, ficamos imaginando se Benzinho ou As Boas Maneiras tivessem sido escolhidos… teríamos uma nova indicação para o Brasil? Acho que a seleção deve levar em consideração apenas dois quesitos: Qualidade fílmica (de nada adianta levar filme de Segunda Guerra Mundial e morrer na praia) e Histórico de Festivais Internacionais. De nada adianta o filme ser ótimo se não for visto lá fora. Os produtores, juntamente com o governo, têm de investir em campanhas de divulgação, que muitas vezes começa com uma seleção em Cannes ou Veneza. E chega de política querer se meter na escolha! Da última vez, Aquarius ficou de fora por picuinha política.

Não assisti a todos dessa pré-lista, mas adoraria ver Em Chamas indicado. Seria a primeira indicação da Coréia do Sul, que tem um cinema formidável, mas nunca lembrado pela Academia. O filme é uma adaptação de um conto do escritor japonês Haruki Murakami, conta com um elenco afiadíssimo, uma fotografia excepcional e com a mão do diretor Lee Chang-dong, que já entregou ótimos filmes como Sol Secreto (2007) e Poesia (2010).

Burning trio

Ah-in Yoo, Jong-seo Jun e Steven Yeun em cena de Em Chamas (pic by IMDb)

Por enquanto, minhas apostas são: México, Japão, Polônia, Líbano e Coréia do Sul.

***

As indicações ao Oscar 2019 serão anunciadas no dia 22 de janeiro.

 

 

Com 14 INDICAÇÕES, ‘A FAVORITA’ LIDERA o CRITICS’ CHOICE AWARDS

The Favourite Emma Stone Olivia Colman

Emma Stone agradando a Rainha Anne (Olivia Colman) em cena de A Favorita (pic by IMDb)

FILME DE ÉPOCA DO GREGO YORGOS LANTHIMOS TEM TUDO PARA REPETIR O FEITO NO BAFTA E NO OSCAR

Nesta segunda, dia 10/12, foram anunciadas as indicações ao Critics’ Choice Awards, ou como gostamos de chamar carinhosamente de “A Bolha Assassina” (quer ser todos os prêmios, mas não é nenhum). Explicando rapidamente: o Critics’ Choice está apenas em sua 24ª edição, mas a cada ano que passa, o prêmio gosta de agregar novas categorias, tipo aquele vizinho chato que quer convidar o bairro inteiro para a festa dele só pra dizer que é a melhor? Já “roubou” a categoria de Melhor Elenco do SAG, e Melhor Terror e Sci-Fi do Saturn Awards. Daqui a pouco, pegam Melhor Beijo do MTV Movie Awards. Este ano, inventaram que deveriam ter 7 (sete!) indicados nas categorias de direção e atuação. Daqui a pouco até o Keanu Reeves vai ser indicado. Cadê a seletividade nesse negócio?

Aliás, vamos dar o braço a torcer este ano para o Critics’, afinal ele está fazendo escola até no Oscar, que está inventando de criar uma nova categoria para “Filmes Populares”. No Critics’, isso já existe faz tempo: Melhor Filme de Comédia, Melhor Filme de Ação e Melhor Filme de Terror e Ficção Científica. Podiam criar Melhor Filme de Arte! Vamos chamar os diretores europeus e asiáticos pra roda, ué!

E uma coisa que detestamos na cerimônia do Critics’ Choice é a apresentação de prêmios seletiva no palco. Eles têm cerca de 50 categorias, mas só querem apresentar umas 20 no palco. Os outros menos populares passam nos intervalos com seus nomes expostos em quadros, tipo resultado de loteria. Muito capenga!

NÚMEROS DA BOLHA

Como dito anteriormente, 14 indicações para A Favorita. Não é nenhuma surpresa, já que os filmes de época tendem a conquistar indicações em categorias técnicas como Direção de Arte, Figurino e Maquiagem, pelo menos. Além disso, as três atrizes do filme foram reconhecidas, o que expande ainda mais o espaço do filme na premiação. Desse total, apenas 3 indicações são de categorias que não existem no Oscar: Comédia, Atriz de Comédia e Elenco, ou seja, o filme de Yorgos Lanthimos deve conquistar entre 10 ou 11 indicações em janeiro.

Black panther Michael B Jordan

Michael B. Jordan e Chadwick Boseman em cena de Pantera Negra (pic by IMDb)

 

Em segundo lugar, o blockbuster conceitual politicamente correto Pantera Negra acumula 12 indicações, com destaque para Michael B. Jordan como Coadjuvante e Ryan Coogler concorrendo por Roteiro Adaptado. Em terceiro, vem O Primeiro Homem, que estava em franca decadência na temporada, com 10 indicações. Essas três produções concorrem com Nasce uma Estrela (9 indicações), Vice (9), O Retorno de Mary Poppins (9), Roma (8), Green Book: O Guia (7), Se a Rua Beale Falasse (5) e Infiltrado na Klan (4) o prêmio de Melhor Filme.

Nas categorias alternativas, estão filmes que até pouco tempo atrás estavam mega cotados para serem indicados ao novo Oscar de Filme Popular, tais como Vingadores: Guerra Infinita, Missão: Impossível – Efeito Fallout, Podres de Ricos, e Um Lugar Silencioso.

Crazy Rich Asians_

Awkwafina e Constance Wu em cena de Podres de Ricos (pic by IMDb)

AUSÊNCIAS

Sim, mesmo com sete indicados em 583 categorias, é possível ter ausências. Ano que vem, o Critics’s Choice aumenta para 12 indicados. Claro que nenhuma ausência assim tão alternativa para direcionar um pouco de atenção para filmes menores porém de qualidade, afinal, o Critics’ Choice está unicamente preocupado em acertar os vencedores do Oscar.

Pelas categorias de atuação, dá pra citar os ausentes Lucas Hedges (Boy Erased), Sam Rockwell (Vice), Rosamund Pike (A Private War) e John David Washington (Infiltrado na Klan), todos foram recentemente indicados ao Globo de Ouro. Tem ainda Ben Foster (Não Deixe Rastros), que estava indicado ao Gotham Awards e ficou em segundo lugar no LAFCA, e Joaquin Phoenix (Você Nunca Esteve Realmente Aqui), que levou o prêmio de Melhor Ator no Festival de Cannes e foi indicado ao Independent Spirit Awards.

Com certeza ficou faltando a indicação para a fenomenal Helena Howard (A Madeline de Madeline) na categoria de Jovem Atriz, e por que não incluir Kayli Carter por Mais Uma Chance? Ambas foram merecidamente lembradas pelo Independent Spirit.

Também ressalto a ausência das belas fotografias Lukasz Zal (Guerra Fria) e de Sayombhu Mukdeeprom no remake de Suspiria. Pelo menos o filme de Luca Guadanigno foi reconhecido na categoria de Filme de Terror ou Sci-Fi, e Cabelo e Maquiagem.

Suspiria_.jpg

No centro, Dakota Johnson lidera grupo de bailarinas em Suspiria (pic by IMDb)

PELA TELEVISÃO…

Muitas séries e minisséries previamente reconhecidos pelo Globo de Ouro repetem suas indicações aqui no Critics’ como é o caso do The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story, The Americans e Escape from Dannemora, que conquistaram 5 indicações cada, liderando o quadro de indicações, enquanto Sharp Objects acumulou 4.

Já na divisão por produtoras, a HBO lidera com 20 indicações, seguida por FX com 17, Amazon com 12, e NBC e Netflix com 11 cada.

INDICADOS AO 24º CRITICS’ CHOICE AWARDS:

CINEMA

MELHOR FILME
A Favorita (The Favourite)
Green Book: O Guia (Green Book)
Infiltrado na Klan (BlacKkKlansman)
Nasce uma Estrela (A Star is Born)
Pantera Negra (Black Panther)
O Primeiro Homem (First Man)
O Retorno de Mary Poppins (Mary Poppins Returns)
Roma (Roma)
Se a Rua Beale Falasse (If Beale Street Could Talk)
Vice

MELHOR ATOR
Christian Bale (Vice)
Bradley Cooper (Nasce uma Estrela)
Willem Dafoe (No Portal da Eternidade)
Ryan Gosling (O Primeiro Homem)
Ethan Hawke (First Reformed)
Rami Malek (Bohemian Rhapsody)
Viggo Mortensen (Green Book: O Guia)

MELHOR ATRIZ
Yalitza Aparicio (Roma)
Emily Blunt (O Retorno de Mary Poppins)
Glenn Close (A Esposa)
Toni Collette (Hereditário)
Olivia Colman (A Favorita)
Lady Gaga (Nasce uma Estrela)
Melissa McCarthy (Poderia Me Perdoar?)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Mahershala Ali (Green Book: O Guia)
Timothée Chalamet (Querido Menino)
Adam Driver (Infiltrado na Klan)
Sam Elliott (Nasce uma Estrela)
Richard E. Grant (Poderia Me Perdoar?)
Michael B. Jordan (Pantera Negra)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Amy Adams (Vice)
Claire Foy (O Primeiro Homem)
Nicole Kidman (Boy Erased: Uma Verdade Anulada)
Regina King (Se a Rua Beale Falasse)
Emma Stone (A Favorita)
Rachel Weisz (A Favorita)

MELHOR JOVEM ATOR OU ATRIZ
Elsie Fisher (Oitava Série)
Thomasin McKenzie (Não Deixe Rastros)
Ed Oxenbould (Vida Selvagem)
Millicent Simmonds (Um Lugar Silencioso)
Amandla Stenberg (O Ódio que Você Semeia)
Sunny Suljic (Mid90s)

MELHOR ELENCO
Pantera Negra
Podres de Ricos
A Favorita
Vice
As Viúvas

MELHOR DIREÇÃO
Damien Chazelle (O Primeiro Homem)
Bradley Cooper (Nasce uma Estrela)
Alfonso Cuarón (Roma)
Peter Farrelly (Green Book: O Guia)
Yorgos Lanthimos (A Favorita)
Spike Lee (Infiltrado na Klan)
Adam McKay (Vice)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
Bo Burnham (Oitava Série)
Alfonso Cuarón (Roma)
Deborah Davis, Tony McNamara (A Favorita)
Adam McKay (Vice)
Paul Schrader (First Reformed)
Nick Vallelonga, Brian Hayes Currie, Peter Farrelly (Green Book: O Guia)
Bryan Woods, Scott Beck, John Krasinski (Um Lugar Silencioso)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Ryan Coogler, Joe Robert Cole (Pantera Negra)
Nicole Holofcener, Jeff Whitty (Poderia Me Perdoar?)
Barry Jenkins (Se a Rua Beale Falasse)
Eric Roth, Bradley Cooper, Will Fetters (Nasce uma Estrela)
Josh Singer (O Primeiro Homem)
Charlie Wachtel, David Rabinowitz, Kevin Willmott, Spike Lee (Infiltrado na Klan)

MELHOR FOTOGRAFIA
Alfonso Cuarón (Roma)
James Laxton (Se a Rua Beale Falasse)
Matthew Libatique (Nasce uma Estrela)
Rachel Morrison (Pantera Negra)
Robbie Ryan (A Favorita)
Linus Sandgren (O Primeiro Homem)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
Hannah Beachler, Jay Hart (Pantera Negra)
Eugenio Caballero, Barbara Enriquez (Roma)
Nelson Coates, Andrew Baseman (Podres de Ricos)
Fiona Crombie, Alice Felton (A Favorita)
Nathan Crowley, Kathy Lucas (O Primeiro Homem)
John Myhre, Gordon Sim (O Retorno de Mary Poppins)

MELHOR MONTAGEM
Jay Cassidy (Nasce uma Estrela)
Hank Corwin (Vice)
Tom Cross (O Primeiro Homem)
Alfonso Cuarón, Adam Gough (Roma)
Yorgos Mavropsaridis (A Favorita)
Joe Walker (As Viúvas)

MELHOR FIGURINO
Alexandra Byrne (Duas Rainhas)
Ruth Carter (Pantera Negra)
Julian Day (Bohemian Rhapsody)
Sandy Powell (A Favorita)
Sandy Powell (O Retorno de Mary Poppins)

MELHOR CABELO E MAQUIAGEM
Pantera Negra
Bohemian Rhapsody
A Favorita
Duas Rainhas
Suspiria
Vice

MELHORES EFEITOS VISUAIS
Vingadores: Guerra Infinita
Pantera Negra
O Primeiro Homem
O Retorno de Mary Poppins
Missão: Impossível – Efeito Fallout
Jogador Nº 1

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO
O Grinch
Os Incríveis 2
Ilha dos Cachorros
Mirai
WiFi Ralph: Quebrando a Internet
Homem-Aranha no Aranhaverso

MELHOR FILME DE AÇÃO
Vingadores: Guerra Infinita
Pantera Negra
Deadpool 2
Missão: Impossível – Efeito Fallout
Jogador Nº 1
As Viúvas

MELHOR COMÉDIA
Podres de Ricos
Deadpool 2
A Morte de Stalin
A Favorita
A Noite do Jogo
Sorry to Bother You

MELHOR ATOR EM COMÉDIA
Christian Bale (Vice)
Jason Bateman (A Noite do Jogo)
Viggo Mortensen (Green Book: O Guia)
John C. Reilly (Stan & Ollie)
Ryan Reynolds (Deadpool 2)
Lakeith Stanfield (Sorry to Bother You)

MELHOR ATRIZ EM COMÉDIA
Emily Blunt (O Retorno de Mary Poppins)
Olivia Colman (A Favorita)
Elsie Fisher (Oitava Série)
Rachel McAdams (A Noite do Jogo)
Charlize Theron (Tully)
Constance Wu (Podres de Ricos)

MELHOR TERROR OU FICÇÃO CIENTÍFICA
Aniquilação (Annihilation)
Halloween (Halloween)
Hereditário (Hereditary)
Um Lugar Silencioso (A Quiet Place)
Suspiria

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
Em Chamas
Cafarnaum
Guerra Fria
Roma
Assunto de Família

MELHOR CANÇÃO
All the Stars (Pantera Negra)
Girl in the Movies (Dumplin’)
I’ll Fight (RBG)
The Place Where Lost Things Go (O Retorno de Mary Poppins)
Shallow (Nasce uma Estrela)
Trip a Little Light Fantastic (O Retorno de Mary Poppins)

MELHOR TRILHA MUSICAL
Kris Bowers (Green Book: O Guia)
Nicholas Britell (Se a Rua Beale Falasse)
Alexandre Desplat (Ilha dos Cachorros)
Ludwig Göransson (Pantera Negra)
Justin Hurwitz (O Primeiro Homem)
Marc Shaiman (O Retorno de Mary Poppins)

TELEVISÃO E STREAMING

MELHOR SÉRIE DRAMÁTICA
The Americans (FX)
Better Call Saul (AMC)
The Good Fight (CBS All Access)
Homecoming (Amazon)
Killing Eve (BBC America)
My Brilliant Friend (HBO)
Pose (FX)
Succession (HBO)

MELHOR ATOR EM SÉRIE DRAMÁTICA
Freddie Highmore – “The Good Doctor” (ABC)
Diego Luna – “Narcos: Mexico” (Netflix)
Richard Madden – “Bodyguard” (Netflix)
Bob Odenkirk – “Better Call Saul” (AMC)
Billy Porter – “Pose” (FX)
Matthew Rhys – “The Americans” (FX)
Milo Ventimiglia – “This Is Us” (NBC)

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DRAMÁTICA
Jodie Comer – “Killing Eve” (BBC America)
Maggie Gyllenhaal – “The Deuce” (HBO)
Elisabeth Moss – “The Handmaid’s Tale” (Hulu)
Sandra Oh – “Killing Eve” (BBC America)
Elizabeth Olsen – “Sorry For Your Loss” (Facebook Watch)
Julia Roberts – “Homecoming” (Amazon)
Keri Russell – “The Americans” (FX)

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM SÉRIE DRAMÁTICA
Richard Cabral – “Mayans M.C.” (FX)
Asia Kate Dillon – “Billions” (Showtime)
Noah Emmerich – “The Americans” (FX)
Justin Hartley – “This Is Us” (NBC)
Matthew Macfadyen – “Succession” (HBO)
Richard Schiff – “The Good Doctor” (ABC)
Shea Whigham – “Homecoming” (Amazon)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE DRAMÁTICA
Dina Shihabi – “Jack Ryan” (Amazon)
Julia Garner – “Ozark” (Netflix)
Thandie Newton – “Westworld” (HBO)
Rhea Seehorn – “Better Call Saul” (AMC)
Yvonne Strahovski – “The Handmaid’s Tale” (Hulu)
Holly Taylor – “The Americans” (FX)

MELHOR SÉRIE DE COMÉDIA
Atlanta (FX)
Barry (HBO)
The Good Place (NBC)
The Kominsky Method (Netflix)
The Marvelous Mrs. Maisel (Amazon)
The Middle (ABC)
One Day at a Time (Netflix)
Schitt’s Creek (Pop)

MELHOR ATOR EM SÉRIE DE COMÉDIA
Hank Azaria – “Brockmire” (IFC)
Ted Danson – “The Good Place” (NBC)
Michael Douglas – “The Kominsky Method” (Netflix)
Donald Glover – “Atlanta” (FX)
Bill Hader – “Barry” (HBO)
Jim Parsons – “The Big Bang Theory” (CBS)
Andy Samberg – “Brooklyn Nine-Nine” (Fox)

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DE COMÉDIA
Rachel Bloom – “Crazy Ex-Girlfriend” (The CW)
Rachel Brosnahan – “The Marvelous Mrs. Maisel” (Amazon)
Allison Janney – “Mom” (CBS)
Justina Machado – “One Day at a Time” (Netflix)
Debra Messing – “Will & Grace” (NBC)
Issa Rae – “Insecure” (HBO)

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM SÉRIE DE COMÉDIA
William Jackson Harper – “The Good Place” (NBC)
Sean Hayes – “Will & Grace” (NBC)
Brian Tyree Henry – “Atlanta” (FX)
Nico Santos – “Superstore” (NBC)
Tony Shalhoub – “The Marvelous Mrs. Maisel” (Amazon)
Henry Winkler – “Barry” (HBO)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE DE COMÉDIA
Alex Borstein – “The Marvelous Mrs. Maisel” (Amazon)
Betty Gilpin – “GLOW” (Netflix)
Laurie Metcalf – “The Conners” (ABC)
Rita Moreno – “One Day at a Time” (Netflix)
Zoe Perry – “Young Sheldon” (CBS)
Annie Potts – “Young Sheldon” (CBS)
Miriam Shor – “Younger” (TV Land)

MELHOR MINISSÉRIE
A Very English Scandal (Amazon)
American Vandal (Netflix)
The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story (FX)
Escape at Dannemora (Showtime)
Genius: Picasso (National Geographic)
Sharp Objects (HBO)

MELHOR FILME PARA TV
Icebox (HBO)
Jesus Christ Superstar Live in Concert (NBC)
King Lear (Amazon)
My Dinner with Hervé (HBO)
Notes from the Field (HBO)
The Tale (HBO)

MELHOR ATOR EM MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Antonio Banderas – “Genius: Picasso” (National Geographic)
Darren Criss – “The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story” (FX)
Paul Dano – “Escape at Dannemora” (Showtime)
Benicio Del Toro – “Escape at Dannemora” (Showtime)
Hugh Grant – “A Very English Scandal” (Amazon)
John Legend – “Jesus Christ Superstar Live in Concert” (NBC)

MELHOR ATRIZ EM MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Amy Adams – “Sharp Objects” (HBO)
Patricia Arquette – “Escape at Dannemora” (Showtime)
Connie Britton – “Dirty John” (Bravo)
Carrie Coon – “The Sinner” (USA Network)
Laura Dern – “The Tale” (HBO)
Anna Deavere Smith – “Notes From the Field” (HBO)

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Brandon Victor Dixon – “Jesus Christ Superstar Live in Concert” (NBC)
Eric Lange – “Escape at Dannemora” (Showtime)
Alex Rich – “Genius: Picasso” (National Geographic)
Peter Sarsgaard – “The Looming Tower” (Hulu)
Finn Wittrock – “The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story” (FX)
Ben Whishaw – “A Very English Scandal” (Amazon)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Ellen Burstyn – “The Tale” (HBO)
Patricia Clarkson – “Sharp Objects” (HBO)
Penelope Cruz – “The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story” (FX)
Julia Garner – “Dirty John” (Bravo)
Judith Light – “The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story” (FX)
Elizabeth Perkins – “Sharp Objects” (HBO)

MELHOR SÉRIE ANIMADA
Adventure Time (Cartoon Network)
Archer (FX)
Bob’s Burgers (Fox)
BoJack Horseman (Netflix)
The Simpsons (Fox)
South Park (Comedy Central)

***

A cerimônia de premiação está marcada para o dia 13 de janeiro, e deve ser transmitida ao vivo pela TNT.

‘ROMA’ é ELEITO o MELHOR FILME pelos CRÍTICOS de LOS ANGELES

Roma 3

Cena de Roma, vencedor dos prêmios de Melhor Filme e Melhor Fotografia no LAFCA (pic by IMDb)

APÓS CONQUISTAR NYFCC, FILME DO MEXICANO ALFONSO CUARÓN REPETE FEITO NO LAFCA

Seguindo o calendário dos prêmios da crítica, chegou a vez de Los Angeles. O que mais gosto do povo de LA é a mente aberta que eles têm em relação aos filmes em língua estrangeira. Todo ano, eles dão algum jeito de conceder um prêmio (além da própria categoria, claro). Normalmente, eles gostam de premiar atrizes estrangeiras. Foi assim com a belga Yolande Moreau, as sul-coreanas Do-yeon Jeon e Jeong-hie Yun, a polonesa Agata Kulesza e as francesas Marion Cotillard, Adèle Exarchopoulos e Isabelle Huppert. Infelizmente, a Academia ainda tem certo preconceito em premiar atuações em idioma estrangeiro, tanto que dessas acima, a única oscarizada foi Cotillard em 2008.

Ainda em comparação ao Oscar, o Los Angeles Film Critics Association (LAFCA) não tem das melhores estatísticas. Dos últimos dez anos, acertou apenas 3 vezes, porém dois foram recentes: Moonlight e Spotlight. Ao que me parece também, as escolhas deste seleto grupo de críticos tende ao humanismo. Eles costumam selecionar produções e performances que apresentem maior ênfase no drama humanista.

Já em relação aos prêmios anteriores, o LAFCA foi na cola de seus colegas nova-iorquinos ao reconhecer Roma como Melhor Filme do ano e a Melhor Fotografia, porém, a melhor Direção ficou com Debra Granik por Não Deixe Rastros. À princípio, não soa como uma escolha politicamente correta, contudo se fosse optar por uma diretora, escolheria Marielle Heller por Poderia Me Perdoar?.

Leave no Trace Ben Foster

Não Deixe Rastros levou o prêmio de Direção para Debra Granik e seu ator, Ben Foster, ficou com o segundo lugar (pic by IMDb)

Pelas categorias de atuação, houve duas surpresas: a inclusão de Ben Foster (pelo mesmo Não Deixe Rastros) como 2º lugar de Ethan Hawke (que tenta se recuperar da ausência do Globo de Ouro) como Melhor Ator – a maioria acreditava em Bradley Cooper, Christian Bale ou Viggo Mortensen; e a premiação de Steven Yeun como Coadjuvante pelo ótimo filme sul-coreano Em Chamas, que também levou o prêmio de Melhor Filme em Língua Estrangeira ao lado do japonês Assunto de Família. Lembra que falei que os críticos de LA adoram abraçar os atores estrangeiros?

Steven Yeun Burning

Vencedor de Melhor Ator Coadjuvante, Steven Yeun como o enigmático Ben do filme sul-coreano Em Chamas (pic by IMDb)

Na ala feminina, Olivia Colman e Toni Collette estão representando bem as atrizes como vencedora e segundo lugar de Melhor Atriz, enquanto Regina King acumula mais um prêmio de Coadjuvante, e Elizabeth Debicki, mesmo em segundo lugar, ajuda Viúvas a se destacar na temporada.

Na categoria de Documentário, destaque para a vitória de Shirkers, de Sandi Tan. A produção modesta, porém bastante criativa, já está no catálogo brasileiro da Netflix para conferir. Já o Melhor Longa de Animação foi para o surpreendente Homem-Aranha no Aranhaverso, que conseguiu a proeza de bater o segundo lugar da Pixar, Os Incríveis 2. A grande questão é: “E Ilha dos Cachorros?” Não vai ganhar nada?

Shirkers

Shirkers, o documentário sobre o filme perdido dos anos 90, ganha como Melhor Documentário (pic by IMDb)

Dos prêmios especiais, merecido o reconhecimento da diretora chinesa Chloé Zhao pelo humilde e tocante Domando o Destino. Não poderia faltar um citação especial para o último trabalho do mestre Orson Welles por The Other Side of the Wind. E o prêmio pelo conjunto da obra para um dos maiores animadores da história do Cinema: o japonês Hayao Miyazaki, responsável por clássicos da animação como Meu Vizinho Totoro, A Viagem de Chihiro e O Castelo Animado.

VENCEDORES DO 44º LAFCA (2018):

MELHOR FILME: Roma (Roma)
2º lugar: Em Chamas (Beoning)

MELHOR DIRETOR: Debra Granik (Não Deixe Rastros)
2º lugar: Alfonso Cuarón (Roma)

MELHOR ATOR: Ethan Hawke (First Reformed)
2º lugar: Ben Foster (Não Deixe Rastros)

MELHOR ATRIZ: Olivia Colman (A Favorita)
2º lugar: Toni Collette (Hereditário)

MELHOR ATOR COADJUVANTE: Steven Yeun (Em Chamas)
2º lugar: Hugh Grant (Paddington 2)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Regina King (Se a Rua Beale Falasse)
2º lugar: Elizabeth Debicki (Viúvas)

MELHOR ROTEIRO: Nicole Holofcener, Jeff Whitty (Poderia Me Perdoar?)
2º lugar: Deborah Davis, Tony McNamara (A Favorita)

MELHOR FOTOGRAFIA: Alfonso Cuarón (Roma)
2º lugar: James Laxton (Se a Rua Beale Falasse)

MELHOR MONTAGEM: Joshua Altman, Bing Liu (Minding the Gap)
2º lugar: Alfonso Cuarón, Adam Gough (Roma)

MELHOR TRILHA MUSICAL: Nicholas Brittel (Se a Rua Beale Falasse)
2º lugar: Justin Hurwitz (O Primeiro Homem)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE: Hannah Beachler (Pantera Negra)
2º lugar: Fiona Crombie (A Favorita)

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA: Em Chamas, de Lee Chang-dong (CORÉIA DO SUL) e Assunto de Família, de Hirokazu Koreeda (JAPÃO) – EMPATE

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO: Homem-Aranha no Aranhaverso (Spider-Man into the Spiderverse), de Bob Persichetti, Peter Ramsey, Rodney Rothman
2º lugar: Os Incríveis 2 (Incredibles 2), de Brad Bird

MELHOR DOCUMENTÁRIO: Shirkers, de Sandi Tan
2º lugar: Minding the Gap, de Bing Liu

PRÊMIO DOUGLAS EDWARDS PARA FILME EXPERIMENTAL: Green Frog, de Evan Johnson, Galen Johnson e Guy Maddin

PRÊMIO NEW GENERATION: Chloé Zhao (Domando o Destino)

CITAÇÃO ESPECIAL: The Other Side of the Wind, de Orson Welles

PRÊMIO PELO CONJUNTO DA OBRA: Hayao Miyazaki

NATIONAL BOARD OF REVIEW premia ‘GREEN BOOK: O GUIA’ como MELHOR FILME

 

Film Title: Green Book

Viggo Mortensen contracena com Mahershala Ali em cena de Green Book: O Guia

FILME-FÓRMULA SOBRE RELAÇÃO INTER-RACIAL CONQUISTA O NBR

O National Board of Review divulgou sua seleção de 2018 hoje, dia 27 de novembro. De todos os prêmios da crítica, o NBR é o que mais perdeu credibilidade nos últimos anos. Não somente por não prever os filmes do Oscar, mas por reconhecer produções de qualidade meio duvidosa.

Em 2017, a organização composta por cineastas, profissionais e acadêmicos concedeu o prêmio de Melhor Filme para The Post: A Guerra Secreta. Fala sério! Até o Spielberg sabe que este foi um de seus piores trabalhos! Em 2015, deram os prêmios de Ator para Matt Damon e Diretor para Ridley Scott por Perdido em Marte. E em 2014, premiaram O Ano Mais Violento como Melhor Filme e seus atores Oscar Isaac e Jessica Chastain.

Este ano, o NBR premiou Green Book: O Guia como Melhor Filme, e reconheceram Viggo Mortensen como Melhor Ator. Até então, o filme dirigido por Peter Farrelly tinha como maior reconhecimento em seu currículo o prêmio do People’s Choice Award no Festival de Toronto. Pode ser um ótimo filme? Sim, claro. Mas pelas críticas até o momento, o filme seria uma versão masculina da fórmula batida de Estrelas Além do Tempo e Histórias Cruzadas, ambos indicados ao Oscar de Melhor Filme. A questão racial continua em alta em Hollywood e Green Book certamente fará a alegria da ideologia do politicamente correto.

A Star is Born

Vencedores do NBR, Lady Gaga e Bradley Cooper em cena de Nasce uma Estrela (pic by OutNow.CH)

Pelas categorias de atuação, o histórico dos últimos cinco anos não é nada bom. Três acertos em 20 possíveis em relação ao Oscar, ou seja, Viggo Mortensen, Lady Gaga, Sam Elliott e Regina King não se animem muito! Com exceção de Elliott, acredito que os outros três vencedores estarão entre os futuros indicados pela Academia, mas mesmo assim, as chances de vitória ainda são relativamente baixas.

Pelas categorias de Roteiro, tanto Paul Schrader, que acabou de levar o Gotham Awards por First Reformed, como Barry Jenkins por Se a Rua Beale Falasse, devem ser figuras presentes durante toda esta temporada. Por se tratar de um filme meio pesado pela temática e até filosófico demais para o Oscar, acreditava que Schrader morreria na praia, mas com esses prêmios recentes, sua campanha pode deslanchar de vez. Já Jenkins, já premiado por Moonlight, não deve encontrar dificuldades de ser indicado novamente.

Honestamente, fiquei um pouco surpreso com a vitória de Bradley Cooper como Diretor por Nasce uma Estrela. Não que não mereça tal honraria, mas por se tratar de uma estréia na direção, poderiam tê-lo premiado como Diretor Estreante, que foi para Bo Burnham, merecidamente, por Oitava Série.

Dentre os filmes totalmente ignorados pelo NBR estão A Favorita, do Yorgos Lanthimos (nenhuma das três atrizes deu as caras por aqui), O Primeiro Homem, de Damien Chazelle, o Vice, de Adam McKay, e o Infiltrado na Klan, de Spike Lee.

Por preferência pessoal, votaria em Ilha dos Cachorros no lugar de Os Incríveis 2 como Melhor Longa de Animação, e votaria no sul-coreano Em Chamas no lugar do polonês Guerra Fria como Filme em Língua Estrangeira. Aliás, foi uma surpresa Roma, de Alfonso Cuarón, não ter sido o premiado aqui, mas ficou entre os cinco melhores.

Cold War 2

Joanna Kulig e Tomasz Kot em cena de Guerra Fria (pic by OutNow.CH)

Apesar da lista de vencedores já ter sido divulgada, a cerimônia de entrega dos prêmios só acontecerá no dia 08 de janeiro em Nova York.

Vencedores do National Board of Review 2018:

FILME
Green Book: O Guia (Green Book)

DIREÇÃO
Bradley Cooper (Nasce uma Estrela)

ATOR
Viggo Mortensen (Green Book: O Guia)

ATRIZ
Lady Gaga (Nasce uma Estrela)

ATOR COADJUVANTE
Sam Elliott (Nasce uma Estrela)

ATRIZ COADJUVANTE
Regina King (Se a Rua Beale Falasse)

ROTEIRO ORIGINAL
Paul Schrader (First Reformed)

ROTEIRO ADAPTADO
Barry Jenkins (Se a Rua Beale Falasse)

LONGA DE ANIMAÇÃO
Os Incríveis 2 (Incredibles 2)

REVELAÇÃO
Thomasin McKenzie (Não Deixe Rastros)

DIRETOR ESTREANTE
Bo Burnham (Oitava Série)

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
Guerra Fria (Zimna wojna), de Pawel Pawlikowski

DOCUMENTÁRIO
RBG, de Julie Cohen e Betsy West

ELENCO
Podres de Ricos (Crazy Rich Asians)

WILLIAM K. EVERSON FILM HISTORY AWARD
O Outro Lado do Vento (The Other Side of the Wind), de Orson Welles

Serei Amado Quando Morrer (They’ll Love Me When I’m Dead), de Morgan Neville

NBR FREEDOM OF EXPRESSION AWARD
22 de Julho (22 July), de Paul Greengrass
On Her Shoulders, de Alexandria Bombach

TOP 10 FILMES (em ordem alfabética)
The Ballad of Buster Scruggs
Pantera Negra (Black Panther)
Poderia me Perdoar? (Can You Ever Forgive Me?)
Oitava Série (Eighth Grade)
First Reformed
Se a Rua Beale Falasse (If Beale Street Could Talk)
O Retorno de Mary Poppins (Mary Poppins Returns)
Um Lugar Silencioso (A Quiet Place)
Roma
Nasce uma Estrela (A Star Is Born)

TOP 5 FILMES EM LÍNGUA ESTRANGEIRA (in alphabetical order)
Em Chamas (Beoning)
Custódia (Jusqu’à la garde)
A Culpa (Den skyldige)
Happy as Lazzaro (Lazzaro Felice)
Assunto de Família (Manbiki kazoku)

TOP 5 DOCUMENTÁRIOS (in alphabetical order)
Crime + Punishment
Free Solo
Minding the Gap
Three Identical Strangers
Won’t You Be My Neighbor?

TOP 10 FILMES INDEPENDENTES (in alphabetical order)
A Morte de Stalin (The Death of Stalin)
A Rota Selvagem (Lean on Pete)
Não Deixe Rastros (Leave No Trace)
Mid90s
The Old Man & the Gun
Domando o Destino (The Rider)
Buscando… (Searching)
Sorry to Bother You
We the Animals
Você Nunca Esteve Realmente Aqui (You Were Never Really Here)

‘OITAVA SÉRIE’, ‘FIRST REFORMED’ e ‘SE A RUA BEALE FALASSE’ DISPUTAM MELHOR FILME no INDEPENDENT SPIRIT AWARDS

EIGHT GRADE

Elsie Fisher e Josh Hamilton em diálogo tocante em Oitava Série (pic by IMDb)

PREMIAÇÃO AMERICANA INDEPENDENTE ANUNCIA SUA SELEÇÃO COM FAVORITOS AUSENTES POR ELEGIBILIDADE

Há algumas semanas, o Gotham Awards foi o primeiro prêmio da temporada a revelar seus indicados, mas como ainda é tradição, a corrida pelo Oscar só começa oficialmente com os indicados ao Independent Spirit Awards!

Em sua 34ª edição, a premiação tem sido um dos principais parâmetros para o Oscar. Com exceção deste ano, quando Corra! levou Melhor Filme no Spirit, nos quatro anos anteriores, todas as produções que se consagraram com o Oscar de Melhor Filme, foi vencedor no Spirit antes:  Moonlight, Spotlight, Birdman, e 12 Anos de Escravidão. Tá bom pra você?

Porém, nesta edição, por causa das regras de elegibilidade, algumas produções consideradas favoritas para esta temporada não poderão competir aqui como o mexicano Roma, de Alfonso Cuarón, e A Favorita, de Yorgos Lanthimos, por serem produções estrangeiras (teriam de ser norte-americanas). Além, claro, de terem de respeitar o teto do orçamento que é de 20 milhões de dólares, o que desqualificou A Forma da Água no ano passado, e este ano barrou franco-favoritos como Nasce uma Estrela, O Primeiro Homem e Green Book – O Guia.

Curiosamente, o anúncio dos indicados estava previsto para o próximo dia 19, mas por algum motivo foi adiantado para hoje, dia 16. O evento contou com a colaboração das atrizes Gemma Chan (do mega sucesso Podres de Ricos – muito linda e com um belo sotaque britânico!) e Molly Shannon (vencedora do Independent Spirit em 2016 pelo drama Other People). Confira o vídeo do canal oficial do Film Independent:

NÚMEROS DO INDEPENDENT SPIRIT AWARDS

Um fato bem curioso: o recordista de indicações desta edição sequer foi indicado a Melhor Filme. We the Animals, de Jeremiah Zagar, conquistou o total de 5 indicações, mas não foi incluído na principal categoria. Este drama familiar foi lançado no último festival de Sundance e agora disputa em categorias importantes como Ator Coadjuvante (Raúl Castillo) e Fotografia.

Em segundo lugar, temos duas produções da A24 (uma das produtoras mais em evidência nos últimos anos): Oitava Série e First Reformed, ambos com 4 indicações cada. E também com 4, o drama Você Nunca Esteve Realmente Aqui, de Lynne Ramsay, que apesar de ter concorrido à Palma de Ouro em Cannes em 2017, conseguiu ser distribuído em solo americano somente neste ano.

Logo em seguida, com 3 indicações, vem um dos possíveis candidatos ao Oscar 2019: Se a Rua Beale Falasse, novo trabalho do diretor de Moonlight, Barry Jenkins. A adaptação de James Baldwin foi lembrada nas categorias Filme, Diretor e Atriz Coadjuvante para Regina King. Também indicados a 3 prêmios estão Mais Uma Chance, de Tamara Jenkins, e Não Deixe Rastros, de Debra Granik, ambas diretoras indicadas na categoria de Direção.

PRIVATE LIFE

No centro, Paul Giamatti, e à direita Kathryn Hahn, conversam com Kayli Carter em cena de Mais uma Chance (pic by IMDb)

COMENTÁRIOS

Como consegui assistir já a alguns filmes indicados, consigo dar algumas impressões. Primeiramente, fiquei super feliz pelas indicações de First Reformed e Oitava Série. Não haveria Independent Spirit sem essas duas produções.

A primeira é o novo trabalho do veterano Paul Schrader, mais conhecido por ser o roteirista de Taxi Driver e de ter dirigido Gigolô Americano e Temporada de Caça. Ele retorna com este profundo e poderoso estudo da religião frente às descrenças humanas na sociedade. Ultimamente, tem sido tão raro encontrar um filme estrelado por um padre sem envolver exorcismo, demônios ou pedofilia, que já se torna algo digno de nota. A direção de Schrader é nua e crua, mas com alguns requintes de surrealismo. E temos aqui uma ótima performance de Ethan Hawke, que merece ser lembrado nas próximas premiações.

first reformed

Ethan Hawke e Amanda Seyfried dialogam em cena de First Reformed (pic by IMDb)

Já a segunda é dirigida e escrita por um estreante com histórico youtuber Bo Burnham. Ele fez este singelo testamento da juventude e como ela lida com as relações sociais enquanto dialoga com a tecnologia. Apresenta cenas que vão do terror como a da piscina (com direito à trilha) até adoráveis como o diálogo entre pai e filha sentados em frente à fogueira. A indicação de Melhor Atriz para a jovem Elsie Fisher foi fantástica! Até então, ela era apenas conhecida por dublar uma menina na animação de Meu Malvado Favorito.

Falando em categoria de Atriz, temos uma exceção nesta edição com 6 indicadas. Além de Fisher, achei ótimas as inclusões de Helena Howard (esta menina está incrível em Madeline de Madeline, com um talento daqueles natos num filme que sobre a verdadeira natureza da atuação) e Toni Collette, que concorre pelo ótimo filme de gênero Hereditário. Também vale a pena destacar a indicação de Glenn Close por A Esposa, já que ela vem se tornando a franco-favorita para ganhar finalmente seu primeiro Oscar após 6 indicações.

MADELINE

Helena Howard é uma explosão de talento no experimental Madeline de Madeline (pic by IMDb)

Fiquei um pouco surpreso com a indicação de Melhor Ator para John Cho por Buscando…. Apesar de ele segurar a onda praticamente sozinho durante o filme todo, que se passa em telas de celular e computador, achei um pouco forçada esta indicação. E pela indicação de Adam Driver ser a única do novo filme de Spike Lee, Infiltrado na Klan, que vinha sendo bem cotado para o Oscar.

Destaque para as indicações brasileiras de Melhor Ator para Christian Malheiros e Someone to Watch Award para o diretor Alex Moratto por Sócrates. Malheiros interpreta um jovem que perde sua mãe, enquanto procura um jeito de se virar sozinho e descobre sua sexualidade. Confira o trailer:

Achei formidáveis as indicações de Fotografia para Suspiria (Sayombhu Mukdeeprom) e Mandy (Benjamin Loeb). São trabalhos bastante vistosos que mereciam esse destaque para permanecerem em alta na corrida para o Oscar. Também ressalto a indicação de Em Chamas, de Chang-dong Lee, pela Coréia do Sul na categoria de Filme Internacional. Caso avance para o Oscar, será a primeira indicação merecida para o cinema sul-coreano. Claro que a categoria de estrangeiros está bem representada também por Roma (México), Assunto de Família (Japão), A Favorita (Reino Unido) e Happy as Lazzaro (Itália).

BURNING

Cena do longa sul-coreano Em Chamas, baseado em conto do escritor Haruki Murakami (pic by IMDb)

AUSÊNCIAS

Entre as ausências mais sentidas foram de Melissa McCarthy por Poderia Me Perdoar?. Ela consegue balancear com muita graça seu lado dramático com seu conhecido timing cômico nesta cinebiografia de Lee Israel. Apesar de não ter aparecido aqui na lista, tem grandes chances de aparecer no Oscar e receber sua indicação. Curiosamente, seu colega de tela, Richard E. Grant, foi reconhecido como Ator Coadjuvante. Ainda na categoria de Atriz, Michelle Pfeiffer poderia ter sido lembrada por Where is Kyra?. Sua salvação pode ser os prêmios da crítica, o Critics’ Choice ou o Globo de Ouro.

Na categoria masculina, senti falta do Ben Foster pelo indicado Não Deixe Rastros, assim como Timothée Chalamet ou Lucas Hedges por Beautiful Boy e Boy Erased, respectivamente, na categoria de Ator Coadjuvante. E o já citado Spike Lee, pelo menos na categoria de Roteiro por Infiltrado na Klan.

INDICADOS AO INDEPENDENT SPIRIT AWARDS 2019:

MELHOR FILME

  • Oitava Série (Eighth Grade)
  • First Reformed
  • Se a Rua Beale Falasse (If Beale Street Could Talk)
  • Não Deixe Rastros (Leave no Trace)
  • Você Nunca Esteve Realmente Aqui (You Were Never Really Here)

MELHOR DIREÇÃO

  • Debra Granik (Não Deixe Rastros)
  • Barry Jenkins (Se a Rua Beale Falasse)
  • Tamara Jenkins (Mais Uma Chance)
  • Lynne Ramsay (Você Nunca Esteve Realmente Aqui)
  • Paul Schrader (First Reformed)

FILME DE ESTRÉIA

  • Hereditário (Hereditary)
  • Sorry to Bother You
  • O Conto (The Tale)
  • We the Animals
  • Vida Selvagem (Wildlife)

MELHOR ATOR

  • John Cho (Buscando…)
  • Daveed Diggs (Ponto Cego)
  • Ethan Hawke (First Reformed)
  • Christian Malheiros (Sócrates)
  • Joaquin Phoenix (Você Nunca Esteve Realmente Aqui)

MELHOR ATRIZ

  • Glenn Close (A Esposa)
  • Toni Collette (Hereditário)
  • Elsie Fisher (Oitava Série)
  • Regina Hall (Support the Girls)
  • Helena Howard (Madeline de Madeline)
  • Carey Mulligan (Vida Selvagem)
  • Kayli Carter (Mais Uma Chance)
  • Tyne Daly (A Bread Factory)
  • Regina King (Se a Rua Beale Falasse)
  • Thomasin Harcourt McKenzie (Não Deixe Rastros)
  • J. Smith-Cameron (Nancy)
MELHOR ATOR COADJUVANTE
  • Raúl Castillo (We the Animals)
  • Adam Driver (Infiltrado na Klan)
  • Richard E. Grant (Poderia Me Perdoar?)
  • Josh Hamilton (Oitava Série)
  • John David Washington (Monsters and Men)

MELHOR FOTOGRAFIA

  • Ashley Connor (Madeline de Madeline)
  • Diego Garcia (Vida Selvagem)
  • Benjamin Loeb (Mandy)
  • Sayombhu Mukdeeprom (Suspiria)
  • Zak Mulligan (We the Animals)


MELHOR ROTEIRO

  • Richard Glatzer, Rebecca Lenkiewicz, Wash Westmoreland (Colette)
  • Nicole Holofcener & Jeff Whitty (Poderia Me Perdoar?)
  • Tamara Jenkins (Mais Uma Chance)
  • Boots Riley (Sorry to Bother You)
  • Paul Schrader (First Reformed)

MELHOR ROTEIRO DE ESTREANTE

  • Bo Burnham (Oitava Série)
  • Christina Choe (Nancy)
  • Cory Finley (Puro-Sangue)
  • Jennifer Fox (O Conto)
  • Quinn Shephard, Laurie Shephard (Blame)

MELHOR DOCUMENTÁRIO

  • Hale County this Morning, This Evening
  • Minding the Gap
  • Of Fathers and Sons
  • On Her Shoulders
  • Shirkers
  • Won’t You be my Neighbor?

MELHOR FILME INTERNACIONAL

  • Em Chamas. Dir: Chang-dong Lee (Coréia do Sul)
  • A Favorita. Dir: Yorgos Lanthimos (Reino Unido)
  • Happy as Lazzaro. Dir: Alice Rohrwacher (Itália)
  • Roma. Dir: Alfonso Cuarón (México)
  • Assunto de Família. Dir: Hirokazu Koreeda (Japão)

TRUER THAN FICTION AWARD

  • Alexandria Bombach (On Her Shoulders)
  • Bing Liu (Minding the Gap)
  • RaMell Ross (Hale County This Morning, This Evening)

PRODUCERS AWARD

  • Jonathan Duffy, Kelly Williams
  • Gabrielle Nadig
  • Shrihari Sathe


THE SOMEONE TO WATCH AWARD

  • Alex Moratto (Sócrates)
  • Ioana Uricaru (Lemonade)
  • Jeremiah Zagar (We the Animals)

THE BONNIE AWARD

  • Debra Granik
  • Tamara Jenkins
  • Karyn Kusama
ROBERT ALTMAN AWARD
SUSPIRIA
Diretor: Luca Guadagnino
Diretores de Casting: Avy Kaufman, Stella Savino
Elenco: Malgosia Bela, Ingrid Caven, Lutz Ebersdorf, Elena Fokina, Mia Goth, Jessica Harper, Dakota Johnson, Gala Moody, Chloë Grace Moretz, Renée Soutendijk, Tilda Swinton, Sylvie Testud, Angela Winkler
***
A 34ª cerimônia do Independent Spirit Awards está marcada para o dia 23 de fevereiro, um dia antes do Oscar, na praia de Santa Monica.

87 PRODUÇÕES CONCORREM ao OSCAR 2019 de FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

Alfonso Cuarón Roma.jpg

Alfonso Cuarón dirige cena com Yalitza Aparicio em Roma (pic by imdb)

VENCEDOR DO OSCAR POR ‘GRAVIDADE’, ALFONSO CUARÓN COMPETE PELO MÉXICO

OK, os portões do ENEM fecharam! Ninguém mais entra, ninguém mais sai. 87 países enviaram seus filmes representantes para disputarem as 5 cobiçadas indicações na categoria de Filme em Língua Estrangeira. É importante ressaltar aqui que houve uma ligeira redução de inscritos comparando com o ano passado, quando houve 92 filmes.

Este ano marca a estréia na lista de dois países que muita gente sequer sabia da existência: Malawi e Niger, ambas nações do continente africano. Duas produções ainda aguardam aprovação da Academia: o filme cubano Sergio & Sergei, e o representante do Quirguistão Night Accident.

COMO ESTÁ A DISPUTA ATÉ O MOMENTO?

Ao contrário dos últimos anos, 2019 já tem um franco-favorito: Roma, de Alfonso Cuarón, que ganhou o Leão de Ouro em Veneza, é o representante oficial do México, que nunca ganhou o Oscar de Filme em Língua Estrangeira na história da Academia. Por todos os lugares por quais passa, independente de qual crítico, o filme biográfico do diretor é uma extrema unanimidade, inclusive, com alta possibilidade de concorrer ao Oscar de Melhor Filme (seria a primeira indicação da Netflix) e com boas chances de vencer! Essa dobradinha Melhor Filme e Melhor Filme em Língua Estrangeira nunca aconteceu antes.

Pra quem não se recorda, Alfonso Cuarón já venceu dois Oscars pela ficção científica Gravidade em 2014: Melhor Montagem e Melhor Direção. Ele já havia concorrido antes por Filhos da Esperança em 2007 (Roteiro Adaptado e Montagem) e por E Sua Mãe Também em 2002 (Roteiro Original). Tornou-se o primeiro diretor hispânico a vencer o Oscar de Diretor, abrindo a porta para seus compadres Alejandro González Iñárritu e Guillermo Del Toro.

Shoplifters.jpg

Sakura Andô (mãe) e Lily Franky (pai) interagem com menina adotada em Assunto de Família (pic by imdb)

Claro que, mesmo diante desse sucesso estrondoso, só vamos ter 100% de certeza quando o filme for anunciado vencedor no palco da cerimônia. Até lá, muita água ainda vai rolar nesse rio de filmes. O representante japonês, Assunto de Família, de Hirokazu Koreeda, figura como uma espécie de segundo lugar nessa bolsa de apostas. Cineasta com presença frequente em grandes festivais internacionais, Koreeda ganhou enorme impulso após a vitória da Palma de Ouro em Cannes com este singelo drama sobre uma família de ladrões que adota uma menina de rua.

Dá pra praticamente cravar que Roma e Assunto de Família já estão garantidos na categoria. As outras 3 vagas podem ir para:

POLÔNIA: Guerra Fria (Cold War), de Pawel Pawlikowski
– Temos aqui o diretor que ganhou o Oscar de Filme Estrangeiro por Ida em 2014, fazendo um novo filme em preto-e-branco com pano de fundo da guerra, tema que muitos votantes adoram. Cold War levou o prêmio de Direção em Cannes. E conta com a belíssima fotografia PB de Lukasz Zal (que foi indicado ao Oscar por Ida).

Cold War.jpg

Joanna Kulig em cena de Guerra Fria (pic by imdb)

CORÉIA DO SUL: Em Chamas (Burning), de Lee Chang-dong
– Bastante elogiado em Cannes, de onde saiu com o FIPRESCI Prize, que reconhece a vertente artística, Em Chamas pode se tornar a primeira indicação da Coréia do Sul ao Oscar após o país perder grande chance com A Criada em 2016. Seu diretor Lee Chang-dong tem um currículo internacional respeitável, já tendo vencido o prêmio de roteiro por Poesia (2010) em Cannes.

Burning

Ah-In Yoo, Jong-seo Jeon e Steven Yeun em cena de Em Chamas (pic by imdb)

PARAGUAI: As Herdeiras (Las Herederas), de Marcelo Martinessi
– Em sua passagem pelo Festival de Berlim, o filme conquistou o prêmio de Melhor Atriz para Ana Brun. O filme narra a decadência financeira de uma família da elite paraguaia. O longa paraguaio já estreou no Brasil.

The Heiresses

Ana Brun e Ana Ivanova em cena de As Herdeiras (pic by humanitieskansas.org)

BÉLGICA: Girl, de Lukas Dhont
– A produção acompanha a trajetória de Lara, uma menina de 15 anos nascida num corpo de menino, que tem o sonho de ser bailarina. Girl teve boa passagem pela mostra Un Certain Regard de Cannes, e pode se beneficiar da recente vitória de outro filme LGBT no Oscar: Uma Mulher Fantástica.

Girl

Victor Polster como a bailarina Lara em cena de Girl (pic by imdb)

Outros filmes bem cotados são o dinamarquês A Culpa, de Gustave Möller; o alemão Never Look Away, de Florian Henckel von Donnnersmarck (que venceu o Oscar por A Vida dos Outros); e o libanês Capernaum, de Nadine Labaki.

E O BRASIL?

A Academia de Cinema Brasileiro nomeou O Grande Circo Místico, de Cacá Diegues, para concorrer ao Oscar. Como o filme ainda não estreou em solo brasileiro, acabou não contando com o voto popular. Internacionalmente, o longa teve passagem bem discreta em mostra paralela não-competitiva de Cannes. A seleção se baseou na extensa filmografia do diretor, que este ano foi integrado à Academia de Letras Brasileira, e na temática circense que já fez sucesso décadas atrás na categoria como com A Estrada da Vida, de Federico Fellini.

O Grande Circo Místico

Jesuíta Barbosa em cena de O Grande Circo Místico (pic by imdb)

A menos que haja uma mega reviravolta na campanha nos EUA, o filme tem tudo para morrer na praia, infelizmente. A escolha mais sensata teria sido entre Benzinho e As Boas Maneiras, que tiveram carreira internacional mais rica, que facilitaria na divulgação. Porém, vamos continuar torcendo… pelo menos até conferir a qualidade do filme!

PREPARE-SE!

No final de dezembro, sai a pré-lista com 9 produções. E os cinco indicados serão conhecidos no dia do anúncio das indicações: 22 de janeiro. A cerimônia acontecerá no dia 24 de fevereiro.

SEGUE A LISTA DAS 87 PRODUÇÕES INSCRITAS PARA O OSCAR 2019:

PAÍS FILME DIRETOR(A)(ES)
Afeganistão Rona Azim’s Mother Jamshid Mahmoudi
África do Sul Sew the Winter to my Skin Jahmil X.T. Qubeka
Alemanha Never Look Away Florian H. von Donnersmarck
Argélia Until the End of Time Yasmine Chouikh
Argentina El Ángel Luis Ortega
Armênia Spitak Alexander Kott
Austrália Jirga Benjamin Gilmour
Áustria The Waldheim Waltz Ruth Beckermann
Bangladesh No Bed of Roses Mostofa Sarwar Farook
Bélgica Girl Lukas Dhont
Bielorrússia Crystal Swan Darya Zhuk
Bolívia The Goalkeeper Rodrigo ‘Gory’ Patiño
Bósnia Herzegovina Never Leave Me Ainda Begi´c
Brasil O Grande Circo Místico Cacá Diegues
Bulgária Omnipresent Ilian Djevelekov
Camboja Graves Without a Name Rithy Panh
Canadá Family Ties Sophie Dupuis
Cazaquistão Ayka Sergey Dvortsevoy
Chile …And Suddenly the Dawn Silvio Caiozzi
China Hidden Man Jiang Wen
Colômbia Birds of Passage Cristina Gallego, Ciro Guerra
Coréia do Sul Em Chamas Lee Chang-dong
Costa Rica Medea Alexandra Latishev
Croácia The Eighth Comissioner Ivan Salaj
Dinamarca Culpa Gustav Möller
Egito Yomeddine A.B. Shawky
Equador A Son of Man Jamaicanoproblem
Eslováquia The Interpreter Martin Šulík
Eslovênia Ivan Janez Burger
Espanha Champions Javier Fesser
Estônia Take it or Leave it Liina Trishkina-Vanhatalo
Filipinas Signal Rock Chito S. Roño
Finlândia Euthanizer Teemu Nikki
França Memoir of War Emmanuel Finkiel
Geórgia Namme Zaza Khalvashi
Grécia Polyxeni Dora Masklavanou
Holanda O Banqueiro da Resistência Joram Lürsen
Hong Kong Operation Red Sea Dante Lam
Hungria Sunset László Nemes
Iêmen 10 Days Before the Wedding Amr Gamal
Índia Village Rockstars Rima Das
Indonésia Marlina the Murderer in Four Acts Mouly Surya
Irã Sem Data, Sem Assinatura Vahid Jalivand
Iraque The Journey Mohamed Jabarah Al-Daradji
Islândia Woman at War Benedikt Erlingsson
Israel The Cakemaker Ofir Raul Graizer
Itália Dogman Matteo Garrone
Japão Assunto de Família Hirokazu Koreeda
Kosovo The Marriage Blerta Zeqiri
Letônia To Be Continued Ivars Seleckis
Líbano Capernaum Nadine Labaki
Lituânia Wonderful Losers: A Different World Arunas Matelis
Luxemburgo Gutland Govinda Van Maele
Macedônia Secret Ingredient Gjorce Stavreski
Malawi The Road to Sunrise Shemu Joyah
Marrocos Burnout Nour-Eddine Lakhmari
México Roma Alfonso Cuarón
Montenegro Iskra Gojko Berkuljan
Nepal Panchayat Shivam Adhikari
Níger The Wedding Ring Rahmatou Keïta
Noruega What Will People Say Iram Haq
Nova Zelândia Yellow is Borbidden Pietra Brettkelly
Palestina Ghost Hunting Raed Andoni
Panamá Ruben Blades is not my Name Abner Benaim
Paquistão Cake Assim Abbasi
Paraguai As Herdeiras Marcelo Martinessi
Peru Eternity Oscar Catacora
Polônia Guerra Fria Pawel Pawlikowski
Portugal Pilgrimage João Botelho
Quênia Supa Modo Likarion Wainaina
Reino Unido I Am Not a Witch Rungano Nyoni
Rep Dominicana Cocote Nelson Carlo De Los S. Arias
Rep Tcheca Winter Flies Olmo Omerzu
Romênia I Do Not Care If We Go Down in History as Barbarians Radu Jude
Rússia Sobibor Konstantin Khabensky
Sérvia Offenders Dejan Zecevic
Singapura Buffalo Boys Mike Wiluan
Suécia Border Ali Abbasi
Suíça Eldorado Markus Imhoof
Tailândia Malila the Farewell Flower Anucha Boonyawatana
Taiwan The Great Buddha+ Hsin-Yao Huang
Tunísia Beauty and the Dogs Kaouther Bem Hania
Turquia The Wild Pear Tree Nuri Bilge Ceylan
Ucrânia Donbass Sergei Loznitsa
Uruguai Uma Noite de 12 Anos Álvaro Brechner
Venezuela The Family Gustavo Rondón Córdova
Vietnã The Tailor Buu Loc Tran, Kay Nguyen