‘A FORMA DA ÁGUA’ DOMINA O CRITICS’ CHOICE AWARDS

GuillermodelToro23rdAnnualCriticsChoiceBX4IHP3KDztx

MELHOR FILME para A FORMA DA ÁGUA. Da esquerda pra direita: Richard Jenkins, Octavia Spencer, Sally Hawkins, Guillermo del Toro, o produtor J. Miles Dale e a roteirista Vanessa Taylor (pic by pipoca moderna)

FANTASIA DE GUILLERMO DEL TORO CONQUISTA QUATRO PRÊMIOS, INCLUINDO MELHOR FILME

Como se não bastasse o Critics’ Choice não ter personalidade própria (a “Bolha Assassina” quer ser todos os prêmios, mas acaba não sendo nenhum), ainda resolve premiar quase todos os mesmos vencedores do Globo de Ouro! Em categorias de cinema, só diferiu em Melhor Filme e em Melhor Roteiro. Poderiam ter reconhecido um Willem Dafoe ou uma Laurie Metcalf… afinal, nenhum ator ou atriz está aquela unanimidade.

Não sei quanto a vocês, mas me dá um desgosto enorme quando vejo os anúncios de vencedores em letreiros do intervalo! Parece resultado de roleta de cassino ou de corrida de cavalo! Se não for pra apresentar essas categorias no palco de forma decente, pra que então premiar? A “Bolha Assassina” atualmente tem 47 categorias. 47! É muita coisa pra um prêmio chulo e com apenas 23 anos de idade. O Oscar completa 90 anos em 2018 e tem 24 categorias, todas apresentadas no palco ao vivo. Por mim, eu extinguiria o prêmio, mas por algum motivo, as celebridades abraçaram o prêmio, e são eles que ditam sua importância na temporada.

DOS VENCEDORES

A Forma da Água conquistou os prêmios de Filme, Diretor, Trilha Musical e Direção de Arte, o que certamente o coloca como um franco-favorito no Oscar. Ainda acredito que o filme será recordista de indicações no Oscar, mas vai limitar suas vitórias às categorias técnicas e quem sabe o prêmio de diretor se Guillermo del Toro faturar o DGA. O Oscar de Filme deve ir pra algum filme que reflita a situação atual de Hollywood, como Três Anúncios Para um Crime, que fala sobre impunidade.

O maior mérito do Critics’ Choice foi premiar Corra! como Melhor Filme de Ficção Científica ou Terror e Melhor Roteiro Original. Jordan Peele precisa ser mais reconhecido pela audácia de seu filme, não apenas pelo roteiro, mas também pela direção. Corra! tem um clima de tensão do início ao fim, e que mexe até com hipnose! Há quanto tempo não vemos filmes bons com hipnose?

Get Out Critics Choice

MELHOR FICÇÃO CIENTÍFICA OU TERROR para CORRA! No centro, o diretor e roteirista JORDAN PEELE faz discurso de agradecimento. Pic by PopSugar

Mas o melhor momento da noite foi quando a pequena Brooklynn Prince de 7 anos subiu ao palco para receber o prêmio de Melhor Ator ou Atriz Jovem pelo filme Projeto Flórida. Ela ficou extremamente emocionada e caminhou até o palco já chorando. “Este prêmio é uma honra tão grande, todos os indicados são ótimos. Vocês são maravilhosos, a gente deveria tomar um sorvete depois disso!”, discursou Brooklynn, que chamou a atenção para o problema social do filme também: “Queria dedicar este prêmio a todas as Moonees lá fora. Pessoal, este é um problema real. Vocês precisam ir lá e ajudar. Obrigada.” Em Projeto Flórida, ela e a mãe fazem parte de uma comunidade grande de famílias pobres que moram em hotéis baratos ao lado da Disneylândia. Veja discurso abaixo:

Image: The 23rd Annual Critics' Choice Awards - Inside

Emocionada, Brooklynn Prince recebe o prêmio por Projeto Flórida. pic by today.com

ACABOU PARA JAMES FRANCO?

Logo depois que Franco ganhou o Globo de Ouro no último domingo, cinco mulheres (algumas trabalharam com o ator) o denunciaram em redes sociais por abuso. Aparentemente, o que teria causado a denúncia foi o fato de James Franco usar o button do movimento Time’s Up contra abusos sexuais, acusando-o de ser hipócrita. A maioria das reclamações partem de atrizes que foram estudantes de seu Studio4, que ele tinha filiais em Nova York e Los Angeles. O ator nega as acusações, inclusive o fez no programa de Stephen Colbert na última terça. E por causa dessas acusações, ele não compareceu ao Critics’ Choice, onde ele foi vencedor do prêmio de Melhor Ator em Filme de Comédia por O Artista do Desastre.

O fato é que qualquer mancha ou ruído durante a temporada de premiações já é mais do que suficiente para destruir uma boa campanha para o Oscar. Nesse cenário atual de protestos contra assédios então, seria praticamente o fim de qualquer lobby (a distribuidora Warner deve ter perdido uma grana considerável). Com as indicações ao Oscar ainda para sair no dia 23 de janeiro, acredito que Franco está fora da disputa, mas seu filme O Artista do Desastre ainda pode obter indicação de Roteiro Adaptado, mas mesmo assim, não acho que haveria clima nem para os roteiristas, que teriam que dar entrevistas somente sobre o assunto no tapete vermelho.

james-franco-arrives-artist-presentation_628f4e00-f824-11e7-b42e-2d533d154b0f

James Franco promovendo seu filme O Artista do Desastre: acabou a temporada no Globo de Ouro?

Alguns podem se questionar: “Ah, mas a Academia deu o Oscar em 2003 para o diretor Roman Polanski, que abusou de uma menor.” Sim, mas isso foi lá na década de 70, e nesse caso, a Academia quis perdoar o cineasta após tantas décadas de reclusão na Europa. No caso de James Franco, a chapa ainda está bem quente, e uma indicação para o ator pode causar um certo rebuliço do movimento contra assédio. Enfim, uma situação delicada.

 

VENCEDORES DO 23º CRITICS’ CHOICE AWARDS:

MELHOR FILME
A Forma da Água (The Shape of Water)

MELHOR DIRETOR
Guillermo del Toro (A Forma da Água)

MELHOR ATOR
Gary Oldman (O Destino de uma Nação)

MELHOR ATRIZ
Frances McDormand (Três Anúncios Para um Crime)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Sam Rockwell (Três Anúncios Para um Crime)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Allison Janney (Eu, Tonya)

MELHOR ATOR/ATRIZ JOVEM
Brooklynn Prince (Projeto Flórida)

MELHOR ELENCO
Três Anúncios Para um Crime

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
James Ivory (Me Chame Pelo Seu Nome)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
Jordan Peele (Corra!)

MELHOR FOTOGRAFIA
Roger Deakins (Blade Runner 2049)

MELHOR FIGURINO
Mark Bridges (Trama Fantasma)

MELHOR MONTAGEM – empate
Paul Machliss, Jonathan Amos (Em Ritmo de Fuga)
Lee Smith (Dunkirk)

MELHOR MAQUIAGEM
O Destino de uma Nação

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
Paul Denham Austerberry; Shane Vieau, Jeff Melvin (A Forma da Água)

MELHOR TRILHA MUSICAL
Alexandre Desplat (A Forma da Água)

MELHOR CANÇÃO
“Remember Me” (Viva: A Vida é uma Festa)

MELHORES EFEITOS VISUAIS
Planeta dos Macacos: A Guerra

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO
Viva: A Vida é uma Festa

MELHOR FILME DE AÇÃO
Mulher-Maravilha (Wonder Woman)

MELHOR FILME DE COMÉDIA
Doentes de Amor (The Big Sick)

MELHOR ATOR EM COMÉDIA
James Franco (O Artista do Desastre)

MELHOR ATRIZ EM COMÉDIA
Margot Robbie (Eu, Tonya)

MELHOR FICÇÃO CIENTÍFICA OU TERROR
Corra! (Get Out)

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
Em Pedaços (In the Fade)

TELEVISÃO

MELHOR SÉRIE DRAMÁTICA
The Handmaid’s Tale

MELHOR ATOR EM SÉRIE DRAMÁTICA
Sterling K. Brown (This Is Us)

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DRAMÁTICA
Elisabeth Moss (The Handmaid’s Tale)

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM SÉRIE DRAMÁTICA
David Harbour (Stranger Things)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE DRAMÁTICA
Ann Dowd (The Handmaid’s Tale)

MELHOR SÉRIE CÔMICA
The Marvelous Mrs. Maisel

MELHOR ATOR EM SÉRIE CÔMICA
Ted Danson (The Good Place)

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE CÔMICA
Rachel Brosnahan (The Marvelous Mrs. Maisel)

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM SÉRIE CÔMICA
Walton Goggins (Vice Principals)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE CÔMICA
Mayim Bialik (The Big Bang Theory)

MELHOR SÉRIE LIMITADA
Big Little Lies

MELHOR FILME PARA TV
The Wizard of Lies

MELHOR ATOR EM FILME PARA TV OU SÉRIE LIMITADA
Ewan McGregor (Fargo)

MELHOR ATRIZ EM FILME PARA TV OU SÉRIE LIMITADA
Nicole Kidman (Big Little Lies)

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM FILME PARA TV OU SÉRIE LIMITADA
Alexander Skarsgård (Big Little Lies)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM FILME PARA TV OU SÉRIE LIMITADA
Laura Dern (Big Little Lies)

MELHOR TALK SHOW
Jimmy Kimmel Live!

MELHOR SÉRIE DE ANIMAÇÃO
Rick and Morty

MELHOR PROGRAMA DESESTRUTURADO DE REALITY SHOW
Born This Way

MELHOR PROGRAMA ESTRUTURADO DE REALITY SHOW
Shark Tank

MELHOR SÉRIE DE REALITY DE COMPETIÇÃO
The Voice

MELHOR HOST DE REALITY SHOW
RuPaul (RuPaul’s Drag Race)

Anúncios

‘TRÊS ANÚNCIOS PARA UM CRIME’ FATURA 4 GLOBOS DE OURO em NOITE de PROTESTOS

three billboards golden globe.jpg

QUATRO GLOBOS DE OURO PARA TRÊS ANÚNCIOS PARA UM CRIME. Da esquerda pra direita: Martin McDonagh, Sam Rockwell, Frances McDormand e os produtores Graham Broadbent e Peter Czernin.

COMO ESPERADO, DISCURSOS DE PROTESTOS PREDOMINAM NA CERIMÔNIA

TAPETE VERMELHO FUNÉREO

Como forma de protesto e apoio ao movimento Time’s Up contra os assédios em Hollywood, todos os artistas se uniram e vieram ao evento trajados de preto. Parecia um grande enterro… ou uma festa num cemitério. Além da questão dos abusos que permearam 2017, o movimento buscava igualdade de tratamento e salários.

red carpet golden-globes-2018_lead

Da esquerda pra direita: Meryl Streep com a ativista Ai-jen Poo, Gal Gadot e Viola Davis. pic by indianexpress.com)

A idéia de trazer o assunto incômodo à tona foi bem acertada. Não haveria qualquer clima de premiação se não houvesse qualquer forma de protesto. Foram raros os premiados que não fizeram qualquer menção ao tópico. Particularmente, apoio todos esses protestos, pois esse “sistema” da indústria cinematográfica não poderia mais perdurar; é necessário prover segurança a todos os artistas em sets de filmagens, sejam mulheres ou homens, a fim de evitar formas de abuso. As premiações do filme Três Anúncios Para um Crime e da série Big Little Lies demonstram que os jornalistas do Globo de Ouro assinam embaixo.

big little lies golden globe0.jpg

QUATRO GLOBOS DE OURO PARA BIG LITTLE LIES. Da esquerda pra direita: Laura Dern, Nicole Kidman, Zoe Kravitz, Reese Witherspoon e Shailene Woodley. Pic by hindustantimes.com

Só achei um exagero algumas atrizes trazendo ativistas como convidadas. Me desculpem por reproduzir meu pensamento no momento que vi a cena, lembrando que não quero ofender ninguém, mas parecia que as celebridades estavam trazendo seus cachorrinhos de estimação pra desfilar no tapete vermelho, como numa espécie de competição. Mas falando sério agora, ficou a impressão de que estavam acompanhadas de suas advogadas ou guarda-costas como uma espécie de proteção, ou pior: como se fossem incapazes de se manifestar a respeito dos acontecimentos, como se não tivessem uma voz própria, sabe? As ativistas foram convidadas pelo movimento Time’s Up e falaram no tapete vermelho, mas acredito que as vozes delas seriam melhor ouvidas se todas se unissem no palco durante a cerimônia. Certamente, haveria mais repercussão do que meras entrevistas no tapete vermelho.

HOST SETH MEYERS

Desde que fora anunciado como host, fiquei com o pé atrás, pois minha preferência sempre foi Ricky Gervais, ainda mais para este ano tão conturbado em Hollywood. Tenho certeza de que ele transformaria o Globo de Ouro no evento do século, mas acho que nunca saberemos por que ele não foi host. Enfim, Seth Meyers foi convocado, e sabia que tinha que trazer piadas de assédio. Ele conseguiu mandar bem em boa parte de seu monólogo, mas fiquei com a impressão de que se essas piadas tivessem saído da boca de Gervais, o público aceitaria melhor pois já o conheceriam muito bem.

seth-meyers1.jpg

O host da noite pela primeira vez, Seth Meyers: “o cachorro lançado no espaço”. Pic by Variety

Eis algumas piadas boas de Meyers:

Good evening, ladies and remaining gentlemen. (Boa noite, senhoras e remanescentes senhores)

Happy New Year, Hollywood! It’s 2018, marijuana is finally allowed and sexual harassment finally isn’t. (Feliz Ano Novo, Hollywood! É 2018, maconha finalmente é permitida e assédio sexual finalmente não é)

For the male nominees in the room tonight, this is the first time in three months it won’t be terrifying to hear your name read out loud. (Para os indicados masculinos desta noite, esta será a primeira vez em três meses que não será alarmante ouvir seu nome lido em voz alta).

E não poderiam faltar piadas com o presidente Donald Trump:

Hollywood Foreign Press. A string of three words that could not have been better designed to infuriate our president. The only name that could make him angrier would be the Hillary Mexico Salad Association. (Imprensa Estrangeira de Hollywood. Uma sequência de três palavras que não poderia ser melhor designada para enfurecer nosso presidente. O único nome que poderia deixá-lo mais furioso seria Associação de Salada Mexicana da Hillary).

NÚMEROS DESTA EDIÇÃO

Das seis indicações, Três Anúncios Para um Crime levou quatro prêmios e foi o maior vencedor da noite. Os mais otimistas esperavam três, mas a vitória de Sam Rockwell como coadjuvante foi um bônus. Em segundo lugar, ficaram A Forma da Água, que levou Melhor Diretor e Trilha Musical, enquanto Lady Bird levou Filme – Comédia ou Musical e Atriz – Comédia ou Musical para Saoirse Ronan.

Levando em consideração que A Forma da Água estava indicado em sete categorias, dois prêmios foi um pouco decepcionante. Contudo, o que dizer das seis indicações e NENHUMA vitória de The Post: A Guerra Secreta? Algumas matérias já acusavam Seth Meyers de ter rogado praga pra cima do filme de Spielberg com sua piada:

anigif_sub-buzz-6995-1515378424-1.gif

Meyers: “The Post está indicado para Melhor Filme esta noite. É um filme sobre integridade jornalística, dirigido por Steven Spielberg e estrelado por Tom Hanks e Meryl Streep…”

Além de não ter levado nada, deixou Spielberg todo embaraçado…

SURPRESAS

Numa categoria em que o sueco The Square e o russo Desamor disputavam voto a voto o prêmio de Filme em Língua Estrangeira, que tinha ainda a estrela Angelina Jolie indicada por First They Killed my Father (representante do Camboja), foi o franco-alemão Em Pedaços que ficou com a estatueta. O diretor Fatih Akin trouxe ao palco sua protagonista Diane Kruger, que estava um pouco acanhada no fundo. Não vi o filme ainda, mas vale lembrar que Em Pedaços concorreu à Palma de Ouro em Cannes e saiu vencedor do prêmio de interpretação feminina para a própria Kruger. Com essa vitória, o filme pode ganhar algum impulso para conquistar uma das cinco vagas na categoria de Filme Estrangeiro, e quem sabe Kruger como Atriz?…

Pelo burburinho que havia, muitos esperavam a vitória de Hans Zimmer pela trilha de Dunkirk, mas o Globo de Ouro preferiu premiar Alexandre Desplat por A Forma da Água. Não sei se a trilha de Desplat é boa, mas a de Zimmer não me agrada muito, porque além de repetitiva, é constante. A idéia de gerar tensão através de sua música funciona em algumas cenas, mas tinha outras que sua trilha era totalmente desnecessária e até incômoda.

Se a vitória de James Franco como Ator – Comédia ou Musical não foi nenhuma surpresa, foi bacana vê-lo chamar ao palco Tommy Wiseau, o artista em que Franco se baseou para fazer seu filme O Artista do Desastre. Quando Wiseau se aproximava para falar, Franco o interrompeu e o barrou. Estaria esse discurso guardado para uma possível vitória no Oscar?

james-franco-tommy-wiseau-the-room-golden-globe-win.jpg

CHEGA PRA LÁ: James Franco impede aproximação de Tommy Wiseau do microfone em seu discurso de agradecimento por O Artista do Desastre. Pic by Variety

OPRAH WINFREY COMO PORTA-VOZ

A HFPA acertou em cheio na escolha da homenageada pelo prêmio Cecil B. DeMille Award. Além de ter um histórico excepcional como profissional da TV e cinema, e de seu trabalho filantrópico, Oprah tem credibilidade inquestionável que a permitiu falar sobre tudo de forma bastante aberta. Foi tocante ouvi-la falar quando queria servir de inspiração para outras pessoas por ser a primeira negra a ser homenageada pelo prêmio Cecil B. DeMille assim como quando Sidney Poitier venceu o Oscar em 1964.

oprah-winfrey cecil.jpg

CECIL B. DEMILLE AWARD PARA OPRAH WINFREY: Discurso presidenciável. Pic by AOL

Oprah sabe das coisas, ou como dizem, “manja dos paranauê”. Em seu discurso muito bem elaborado, ela cita o valor inestimável da imprensa e sua busca pela verdade absoluta, e em seguida, enaltece todas as mulheres que tiveram coragem de compartilhar suas histórias de abuso. Há uma forte investida na questão da superação de obstáculos e na esperança de um futuro melhor graças aos esforços dos que lutam hoje para garantir isso. Enfim, um discurso político perfeito. Um discurso que faria dela a próxima presidente dos EUA. Um discurso que traria a paz mundial. Ponto para o Globo de Ouro, que muitos consideram ultrapassado.

O QUE ESPERAR PARA A TEMPORADA E O OSCAR

Num ano bastante competitivo entre as atrizes, as vencedoras do Globo de Ouro, Frances McDormand e Saoirse Ronan, consolidaram seus ares de favoritismo perante as demais: Meryl Streep, Sally Hawkins e Margot Robbie. Claro que tudo pode mudar com o resultado do SAG, prêmio do sindicato dos atores, que acontece no próximo dia 21, mas mesmo se McDormand vencer, Saoirse Ronan ainda tem ótimas chances de vencer no Oscar. Por quê? Porque é muito difícil conquistar uma segunda estatueta hoje em dia. McDormand levou seu Oscar em 1997 por Fargo, mas nunca havia ganhado o Globo de Ouro antes.

A vitória de Sam Rockwell como coadjuvante deu uma desacelerada no favoritismo de Willem Dafoe (Projeto Flórida), que havia ganhado todos os prêmios da crítica. Mas ainda acredito que a Academia vá favorecê-lo no caso de uma terceira indicação, porque existe muito dessa coisa de histórico na hora de votar.

Em relação aos filmes, à princípio, prevejo a típica premiação do Oscar: uma produção caprichada de fantasia (A Forma da Água) levando todos os Oscars técnicos até chegar nas categorias principais quando aquele filme mais sério (Três Anúncios Para um Crime) passa a dominar e levar Melhor Filme. Já aconteceu outras vezes como no ano passado com La La Land e Moonlight, e em 2012 com A Invenção de Hugo Cabret e O Artista. Embora a Academia tenha expandido o número de seus membros votantes, acredito que ainda seja cedo pra acreditar que filmes de temática mais moderna se sobressaiam como o Me Chame Pelo Seu Nome, ou até mesmo Lady Bird. Vamos aguardar pra ver…

VENCEDORES DO 75º GLOBO DE OURO:

CINEMA

Best Motion Picture – Drama:
• Três Anúncios Para um Crime (Three Billboards Outside Ebbing, Missouri)

Best Motion Picture – Musical or Comedy:
• Lady Bird: É Hora de Voar (Lady Bird)

Best Performance by an Actor in a Motion Picture – Drama:
• Gary Oldman (O Destino de uma Nação)

Best Performance by an Actress in a Motion Picture – Drama:
• Frances McDormand (Três Anúncios Para um Crime)

Best Performance by an Actor in a Motion Picture – Musical or Comedy:
• James Franco (Artista do Desastre)

Best Performance by an Actress in a Motion Picture – Musical or Comedy:
Saoirse Ronan (Lady Bird)

Best Performance by an Actor in a Supporting Role in a Motion Picture:
• Sam Rockwell (Três Anúncios Para um Crime)

Best Performance by an Actress in a Supporting Role in a Motion Picture:
• Allison Janney (I, Tonya)

Best Director – Motion Picture:
• Guillermo de Toro (A Forma da Água)

Best Screenplay:
• Martin McDonagh (Três Anúncios Para um Crime)

Best Motion Picture – Foreign Language:
Em Pedaços – ALEMANHA/FRANÇA

Best Motion Picture – Animated:
• Viva – A Vida é uma Festa (Coco)

Best Original Song – Motion Picture:
• “This is Me” (O Rei do Show)

Best Original Score – Motion Picture:
• Alexandre Desplat (A Forma da Água)

TELEVISÃO

Best Television Series – Drama:
• The Handmaid’s Tale

Best Television Series – Musical or Comedy:
• The Marvelous Mrs. Maisel

Best Performance by an Actor in a Television Series – Drama:
• Sterling K. Brown (This Is Us)

Best Performance by an Actress in a Television Series – Drama:
• Elisabeth Moss (The Handmaid’s Tale)

Best Performance by an Actor in a Television Series – Musical or Comedy:
• Aziz Ansari (Master of None)

Best Performance by an Actress in a Television Series – Musical or Comedy:
• Rachel Brosnahan (The Marvelous Mrs. Maisel)

Best Television Limited Series or Motion Picture Made for Television:
• Big Little Lies

Best Performance by an Actor in a Limited Series or Motion Picture Made for Television:
• Ewan McGregor (Fargo)

Best Performance by an Actress in a Limited Series or Motion Picture Made for Television:
• Nicole Kidman (Big Little Lies)

Best Performance by an Actress in a Supporting Role in a Series, Limited Series or Motion Picture Made for Television:
• Laura Dern (Big Little Lies)

Best Performance by an Actor in a Supporting Role in a Series, Limited Series or Motion Picture Made for Television:
• Alexander Skarsgård (Big Little Lies)

NOVE FILMES AVANÇAM para o OSCAR de FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA. Mais uma vez, BRASIL não se classifica

 

 

EXCLUSÃO MAIS SENTIDA É A DO FRANCÊS 120 BATIMENTOS POR MINUTO

A Academia revelou os nove filmes que se classificaram para a lista prévia que disputará as cinco vagas na categoria de Filme em Língua Estrangeira. Lembrando que houve novo recorde este ano com 92 produções internacionais inscritas.

Pra quem não conhece o sistema de votação, os votantes que comprovaram que viram TODOS os 92 filmes (na grande maioria, idosos que têm o tempo livre pra isso) elegem seis semi-finalistas, enquanto um comitê especial  formado por vinte pessoas elege os outros três. Esse comitê foi criado depois que filmes relevantes como o romeno 4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias, de Cristian Mungiu, e o mexicano Luz Silenciosa, de Carlos Reygadas, ficaram de fora da seleção do Oscar de 2008, causando revolta entre cinéfilos e cineastas. Normalmente, esses três filmes foram bem no circuito internacional de festivais e tem uma temática mais ousada.

Seguem os nove semi-finalistas, sendo os assinalados em vermelho minhas deduções da escolha do comitê:

UMA MULHER FANTÁSTICA (UNA MUJER FANTÁSTICA)
Dir: Sebastián Lelio – CHILE

EM PEDAÇOS (IN THE FADE)
Dir: Fatih Akin – ALEMANHA

ON BODY AND SOUL
Dir: Ildikó Enyedi – HUNGRIA

FOXTROT
Dir: Samuel Maoz – ISRAEL

THE INSULT
Dir: Ziad Doueiri – LÍBANO

LOVELESS
Dir: Andrey Zvyagintsev – RÚSSIA

FÉLICITÉ
Dir: Alain Gomis – SENEGAL

THE WOUND
Dir: John Trengove – ÁFRICA DO SUL

THE SQUARE
Dir: Ruben Östlund – SUÉCIA

JUSTIFICATIVAS

Apesar das mudanças recorrentes na Academia, principalmente com a inclusão de vários membros internacionais novos, a categoria de Filme em Língua Estrangeira ainda pena demais para eleger as melhores produções do ano. Já comentei aqui e ainda insisto: deveriam elevar o número de indicados para dez filmes, sendo cinco escolhidos pelos votantes idosos, e cinco pelo comitê, porque se depender apenas dos votantes idosos, teríamos apenas filmes de temática religiosa, preferencialmente com cenário da Segunda Guerra Mundial, campos de concentração, Holocausto e sofrimento em geral.

UMA MULHER FANTÁSTICA. O representante chileno tem como protagonista uma transsexual, interpretada por Daniela Vega. Quando seu namorado mais velho morre, ela precisa enfrentar o preconceito da família dele a fim de sofrer luto como uma mulher. Como todos sabem, pessoas idosas e mais conservadoras têm aversão a qualquer coisa relacionada à sexualidade, principalmente se for LGBT. Ponto pro comitê especial.

LOVELESS. O representante russo pode já ter sido indicado ao Oscar em 2015 com o ótimo drama social Leviatã, mas seu novo filme não parece destinado aos conservadores. Loveless tem uma sinopse normal: o desaparecimento de um menino em meio às brigas de seus pais , porém ele é pesado, denso e com desdobramentos que fazem o espectador pensar sobre aborto, individualidade e imaturidade. Seu formato e ritmo não é dos que costuma agradar os velhinhos. Ponto pro comitê especial.

THE SQUARE. Além de vencer a Palma de Ouro em Cannes, sob a batuta do presidente do júri, Pedro Almodóvar, o representante sueco tem comédia de humor negro em sua receita, algo não muito bem digerido por conservadores, que podem não entender a piada. O comitê certamente levou a carreira internacional bem-sucedida do filme em conta, além da frustração do diretor Ruben Ostlund quando soube que seu filme anterior, Força Maior, não havia sido indicado ao Oscar (segue link do vídeo):

EXCLUÍDOS NOTÓRIOS

120 Batimentos Por Minuto (França)

Dessas três seleções do comitê, se fossem quatro, certamente o filme de Robin Campillo estaria entre os nove. A produção que trata do movimento ativista que pede ajuda do governo e da indústria farmacêutica para combater a epidemia do vírus da Aids nos anos 90 vinha colecionando prêmios (como o Grande Prêmio do Júri em Cannes e os prêmios de Filme Estrangeiro no LAFCA e NYFCC) e indicações relevantes como no Critics’ Choice Awards. Se este filme sobre o universo LGBT não pode participar do Oscar, espera-se que Me Chame Pelo Seu Nome possa vingar nas categorias principais.

BPM

EXCLUÍDO: 120 Batimentos Por Minuto, de Robin Campillo

First They Killed My Father (Camboja)

O representante do Camboja tinha como maior trunfo Angelina Jolie. Em sua quarta incursão como diretora, ela optou por recontar os horrores vividos por uma ativista de direitos humanos quando o país era dominado pelo regime do Khmer Vermelho. Como o mundo inteiro já sabe, Jolie tem forte apelo humanista através de suas ações como ativista, e esse filme consegue unir suas duas paixões. Honestamente, acreditava que sua indicação nesta categoria seria garantida, inclusive pensando numa possível indicação na categoria de Direção. Mas pelo visto, a produção da Netflix não agradou os votantes, mesmo havendo muito sofrimento na tela.

first they killed my father

EXCLUÍDO: First They Killed my Father, de Angelina Jolie

Bingo: O Rei das Manhãs (Brasil)

Faltou uma carreira internacional para o filme de estréia de Daniel Rezende. Apesar do personagem Bozo ser americano e internacional, faltou presença mais marcante em festivais ao redor do mundo que pudesse proporcionar maior notoriedade. O último indicado brasileiro ao Oscar, Central do Brasil, venceu o Urso de Ouro no festival alemão de Berlim. Aí fica a pergunta: Se Como Nossos Pais, de Laís Bodanzky, tivesse sido selecionado, o Brasil estaria nessa lista pelo menos? Nunca saberemos! O último filme brasileiro que conseguiu passar para esta pré-lista foi O Ano em que meus Pais Saíram de Férias, de Cao Hamburger, em 2007. Também faz tempo…

bingo-luiz-macimiano-e1503601282957

EXCLUÍDO: Bingo: O Rei das Manhãs, de Daniel Rezende

***

Os cinco filmes indicados serão revelados no dia 23 de janeiro.

‘A FORMA DA ÁGUA’ conquista SETE indicações ao GLOBO DE OURO. ‘ALL THE MONEY IN THE WORLD’ entra aos 48 do segundo tempo

 

shape-of-water

Cena icônica de A Forma da Água, de Guillermo del Toro. Sete indicações no Globo de Ouro.

FANTASIA DE GUILLERMO DEL TORO NOVAMENTE LIDERA INDICAÇÕES APÓS O CRITICS’ CHOICE

Não sei se sou o único que acha monótono o anúncio dos indicados, mas pra mim a forma como foi feito se classifica como amadorismo. Quatro atores: Kristen Bell, Garrett Hedlund, Alfre Woodard e Sharon Stone se revezando com papéis impressos no Word sem qualquer tipo de arte ou letreiro demonstra qualquer preparo por parte da HFPA (Hollywood Foreign Press Association). Pra quem não viu a transmissão, segue link do canal do Golden Globes:

NÚMEROS DESTA EDIÇÃO

A Forma da Água é o recordista de indicações com sete, seguido de perto por The Post: A Guerra Secreta e Três Anúncios Para um Crime, ambos conquistaram seis indicações cada.

Tanto Guillermo del Toro quanto Martin McDonagh se tornaram duplo indicados, já que ambos concorrem nas categorias de Diretor e Roteiro, por A Forma da Água e Três Anúncios Para um Crime, respectivamente.

Do lado da TV, a mini-série Big Little Lies lidera com seis indicações, seguida por Feud com quatro. Fargo, The Handmaid’s Tale e This Is Us conquistaram três indicações cada.

SURPRESAS

Claro que todo ano teremos surpresas, mas as três indicações para All the Money in the World foram o ápice desta edição. Como um filme que ainda está em fase final de edição foi incluído na votação? Esse tipo de conduta questionável que difama a HFPA, que há alguns anos tenta se livrar dos boatos de que aceitariam propina e presentes para indicar filmes e atores, como os sempre citados Burlesque e O Turista, com Johnny Depp e Angelina Jolie.

All the Money in the World.jpg

Michelle Williams e Mark Wahlberg em cena de All the Money in the World, de Ridley Scott (pic by outnow.ch)

Bom, pra quem pegou o bonde andando, o novo filme de Ridley Scott estava com seu lançamento agendado agora para dezembro, contudo, com as várias acusações de assédio contra o ator Kevin Spacey, o diretor e o estúdio decidiram que seria melhor eliminar todas as cenas em que o ator atuava e refilmá-las com o ator Christopher Plummer, que foi chamado às pressas. Além da própria produção das refilmagens, o estúdio teve que arcar com prejuízos da reformulação dos pôsteres, dos letreiros e de toda a campanha que já vinha trabalhando com uma possível indicação pra Spacey como coadjuvante.

spacey-plummer

À esquerda, Kevin Spacey caracterizado como Paul Getty em All in the Money in the World. À direita, Christopher Plummer escalado para substitui-lo. Pic by cinema com rapadura

Com o filme incompleto até o momento (até onde se sabe, ninguém viu a versão final do filme), o estúdio e os produtores devem ter pago muitos Champagne Moët e chocolates Lindt pra cerimônia do Globo de Ouro para que o filme chegasse às principais categorias do prêmio com o intuito exclusivo de salvar o filme de um possível desastre. Claro que, embora meus comentários elaborem uma teoria da conspiração, o filme de Ridley Scott pode ser bom e as indicações merecidas, mas não deixa de ser um tanto “estranha” sua participação na premiação.

Bom, além dessa surpresa, não dá pra deixar de lado as três indicações para O Rei do Show para Melhor Filme de Comédia ou Musical, Ator – Comédia ou Musical para Hugh Jackman e Canção. Até o momento, o filme havia passado desapercebido pela temporada de premiações, mas a lembrança do Globo de Ouro pode ajudar na campanha do Oscar, pelo menos nas categorias de Direção de Arte, Figurino e Canção, já que conta com a dupla de compositores de La La Land.

the greatest showman

Ao centro, Hugh Jackman encarna o showbusiness man P.T. Barnum em O Rei do Show. Pic by outnow.ch

Assim como Jackman, Denzel Washington, que foi indicado por Roman J. Israel, Esq., no qual interpreta um advogado de defesa idealista, também iniciou sua campanha pelo Globo de Ouro. Particularmente, não sou muito fã do ator, ele sempre busca a mesma essência amargurada em seus últimos personagens, mas como a comunidade hollywoodiana tem muito carinho por ele, não vejo com tanta surpresa assim seu nome na lista.

ESNOBADOS

Falando ainda da categoria de Ator – Drama, Denzel acabou roubando o lugar de Jake Gyllenhaal por O Que Te Faz Mais Forte, no qual ele interpreta uma vítima do atentado terrorista da maratona de Boston, ficando sem as pernas. Quero deixar claro que o fato do personagem ser debilitado física ou mentalmente não influi diretamente na qualidade da performance. O personagem pode não ter as pernas, ter o rosto deformado, não ter dentes e ter dificuldade pra falar, mas se não tiver uma alma bem trabalhada, a atuação perde seu valor. Não vi o filme ainda, mas quem viu só o trailer, sabe que Gyllenhaal está bem. Aliás, ele vem escolhendo papéis e projetos interessantes como em O Abutre e Os Suspeitos. O Globo de Ouro perde sem sua presença na cerimônia.

stronger-mit-jake-gyllenhaal (1)

Jake Gyllenhaal como o habitante de Boston, Jeff Bauman, em O Que Te Faz Mais Forte (pic by moviepilot.de)

Outras ausências muito sentidas foi na categoria de Direção: Jordan Peele de Corra! e Greta Gerwig de Lady Bird ficaram de fora. Honestamente, eu acreditava na indicação de Gerwig na direção, e de Peele no roteiro, mas pura e simplesmente por méritos, e não por eles serem negro e mulher.

Acabei de ler uma matéria da Indiewire com o seguinte título “Globo de Ouro é criticado por excluir mulheres e minorias”. No texto, os nomes de Jordan Peele, Greta Gerwig, Dee Rees e Patty Jenkins (sim, a diretora daquele filmaço chamado Mulher-Maravilha) foram citados como os esnobados da vez, incitando ainda que suas exclusões se deram pelo quesito social, racial e de gênero. E o que dizer da exclusão do diretor de Me Chame Pelo Seu Nome, Luca Guadagnino, que ganhou vários prêmios e está em várias listas de melhores do ano? Foi esnobado por ser italiano?

E é preciso reforçar que o Globo de Ouro não é o Critics’ Choice Awards, que tem sete indicados a Melhor Diretor. Alguém tem que ser excluído! Particularmente, não acho que Ridley Scott tenha um trabalho tão bom quanto o Corra!, por exemplo, mas trata-se apenas de uma dedução até eu assistir ao filme.

Podem me chamar de antiquado, mas odeio quando o politicamente correto interfere onde não é chamado. Então, pro autor da Indiewire e os críticos, se esses nomes excluídos tivessem sido indicados pelo Globo de Ouro, estaria tudo certo e de acordo com os tempos que vivemos? Não importando qualquer análise crítica e artística dos filmes?

Das exclusões dos filmes, vale citar Doentes de Amor, que chegou a conquistar seis indicações no Critics’ Choice Awards (inclusive Melhor Filme!), e o representante da França no Oscar, 120 Batimentos Por Minuto, de Robin Campillo. Embora Em Pedaços seja co-produção francesa, havia altas expectativas de que o filme que trata do preconceito do HIV chegaria ao Globo de Ouro.

Pelas categorias de TV e streaming, a ausência da atriz Julia Louis-Dreyfus pela série Veep após cinco indicações consecutivas chamou a atenção, já que os fãs esperavam que a hora da atriz ganhar finalmente havia chegado.

REPERCUSSÃO DOS ASSÉDIOS SEXUAIS EM HOLLYWOOD

Algumas produções, sejam de cinema ou TV, sofreram algum desprezo por parte da crítica e de associações por seus vínculos com figuras públicas envolvidas em denúncias de assédios sexuais. Os casos mais evidentes foram do produtor Harvey Weinstein, que afetou a campanha do novo filme de Taylor Sheridan, Terra Selvagem, e do ator Jeffrey Tambor que, não apenas deixou de ser indicado, mas levou toda a série Transparent para o ostracismo até segunda ordem.

O único que, supostamente teria tido comportamento inapropriado com uma atriz australiana numa peça de teatro há dois anos, conseguiu ser indicado foi Geoffrey Rush pela série biográfica de Albert Einstein, Genius. E vale também citar que Christopher Plummer só está na lista de atores coadjuvantes porque Kevin Spacey foi excluído do filme de Ridley Scott, All the Money in the World.

E O QUE REALMENTE IMPORTA?

Há algumas décadas, todos os indicados, e principalmente vencedores do Globo de Ouro tinham seus lugares garantidos no Oscar, pois o prêmio da HFPA era o melhor parâmetro de todos. Mas de uns tempos pra cá, as escolhas entre as duas premiações têm divergido constantemente, inclusive na escolha do Melhor Filme, demonstrando assim mais identidade própria por parte da HFPA.

Mas uma característica do Globo de Ouro que persiste é seu amor por celebridades. Se tiverem que optar entre um ator bom e uma celebridade, normalmente eles ficam com a segunda, porque apreciam essa aproximação com as estrelas e todo o glamour. Quando indicaram o péssimo O Turista e seus atores, eles visavam a presença de Johnny Depp e Angelina Jolie. O próprio host Ricky Gervais havia ressaltado isso na época. Enfim, o Globo de Ouro se tornou um prêmio que não se deve levar tão à sério assim.  Se nem eles levam, por que você deveria levar?

Indicados ao 75º Globo de Ouro:

CINEMA

Best Motion Picture – Drama:
Me Chame Pelo Seu Nome (Call me by your Name)
Dunkirk (Dunkirk)
The Post: A Guerra Secreta (The Post)
A Forma da Água (The Shape of Water)
Três Anúncios Para um Crime (Three Billboards Outside Ebbing, Missouri)

Best Motion Picture – Musical or Comedy:
Artista do Desastre (The Disaster Artist)
Corra! (Get Out)
I, Tonya
Lady Bird: É Hora de Voar (Lady Bird)
O Rei do Show (The Greatest Showman)

Best Performance by an Actor in a Motion Picture – Drama:
Timothée Chalamet (Me Chame Pelo Seu Nome)
Daniel Day-Lewis (Trama Fantasma)
Tom Hanks (The Post: A Guerra Secreta)
Gary Oldman (O Destino de uma Nação)
Denzel Washington (Roman J. Israel, Esq.)

Best Performance by an Actress in a Motion Picture – Drama:
Jessica Chastain (A Grande Jogada)
Sally Hawkins (A Forma da Água)
Frances McDormand (Três Anúncios Para um Crime)
Meryl Streep (The Post: A Guerra Secreta)
Michelle Williams (All the Money in the World)

Best Performance by an Actor in a Motion Picture – Musical or Comedy:
Steve Carell (A Guerra dos Sexos)
Ansel Elgort (Em Ritmo de Fuga)
James Franco (Artista do Desastre)
Hugh Jackman (O Rei do Show)
Daniel Kaluuya (Corra!)

Best Performance by an Actress in a Motion Picture – Musical or Comedy:
Judy Dench (Victoria e Abdul)
Helen Mirren (The Leisure Seeker)
Margot Robbie (I, Tonya)
Saoirse Ronan (Lady Bird)
Emma Stone (A Guerra dos Sexos)

Best Performance by an Actor in a Supporting Role in a Motion Picture:
Willem Dafoe (Projeto Flórida)
Armie Hammer (Me Chame Pelo Seu Nome)
Richard Jenkins (A Forma da Água)
Christopher Plummer (All the Money in the World)
Sam Rockwell (Três Anúncios Para um Crime)

Best Performance by an Actress in a Supporting Role in a Motion Picture:
Mary J. Blige (Mudbound)
Hong Chau (Pequena Grande Vida)
Allison Janney (I, Tonya)
Laurie Metcalf (Lady Bird)
Octavia Spencer (A Forma da Água)

Best Director – Motion Picture:
Guillermo de Toro (A Forma da Água)
Martin McDonagh (Três Anúncios Para um Crime)
Christopher Nolan (Dunkirk)
Ridley Scott (All the Money in the World)
Steven Spielberg (The Post: A Guerra Secreta)

Best Screenplay:
Greta Gerwig (Lady Bird)
Aaron Sorkin (A Grande Jogada)
Liz Hannah, Josh Singer (The Post: A Guerra Secreta)
Guillermo del Toro (A Forma da Água)
Martin McDonagh (Três Anúncios Para um Crime)

Best Motion Picture – Foreign Language:
Em Pedaços – ALEMANHA/FRANÇA
Uma Mulher Fantástica – CHILE
First They Killed My Father – CAMBOJA
Loveless – RÚSSIA
The Square – SUÉCIA/ALEMANHA/FRANÇA

Best Motion Picture – Animated:
The Breadwinner
Viva – A Vida é uma Festa (Coco)
Com Amor, Van Gogh (Loving Vincent)
O Poderoso Chefinho (Baby Boss)
O Touro Ferdinando (Ferdinand)

Best Original Song – Motion Picture:
“The Star” (A Estrela de Belém)
“Mighty River” (Mudbound)
“This is Me” (O Rei do Show)
“Home” (O Touro Ferdinando)
“Remember Me” (Viva – A Vida é uma Festa)

Best Original Score – Motion Picture:
Alexandre Desplat (A Forma da Água)
Hans Zimmer (Dunkirk)
Jonny Greenwood (Trama Fantasma)
John Williams (The Post: A Guerra Secreta)
Carter Burwell (Três Anúncios Para um Crime)

TELEVISÃO

Best Television Series – Drama:
Game of Thrones
The Handmaid’s Tale
Stranger Things
The Crown
This is Us

Best Television Series – Musical or Comedy:
Black-ish
Master of None
SMILF
The Marvelous Mrs. Maisel
Will & Grace

Best Performance by an Actor in a Television Series – Drama:
Bob Odenkirk (Better Call Saul)
Freddie Highmore (The Good Doctor)
Jason Bateman (Ozark)
Liev Schreiber (Ray Donovan)
Sterling K. Brown (This Is Us)

Best Performance by an Actress in a Television Series – Drama:
Caitriona Balfe (Outlander)
Claire Foy (The Crown)
Elisabeth Moss (The Handmaid’s Tale)
Katherine Langford (13 Reasons Why)
Maggie Gyllenhaal (The Deuce)

Best Performance by an Actor in a Television Series – Musical or Comedy:
Anthony Anderson (Black-ish)
Aziz Ansari (Master of None)
Eric McCormack (Will & Grace)
Kevin Bacon (I Love Dick)
William H. Macy (Shameless)

Best Performance by an Actress in a Television Series – Musical or Comedy:
Alison Brie (GLOW)
Frankie Shaw (SMILF)
Issa Rae (Insecure)
Pamela Adlon (Better Things)
Rachel Brosnahan (The Marvelous Mrs. Maisel)

Best Television Limited Series or Motion Picture Made for Television:
Big Little Lies
Fargo
Feud
The Sinner
Top of the Lake

Best Performance by an Actor in a Limited Series or Motion Picture Made for Television:
Ewan McGregor (Fargo)
Geoffrey Rush (Genius)
Jude Law (The Young Pope)
Kyle MacLachlan (Twin Peaks)
Robert De Niro (The Wizard of Lies)

Best Performance by an Actress in a Limited Series or Motion Picture Made for Television:
Jessica Biel (The Sinner)
Jessica Lange (Feud)
Nicole Kidman (Big Little Lies)
Reese Witherspoon (Big Little Lies)
Susan Sarandon (Feud)

Best Performance by an Actress in a Supporting Role in a Series, Limited Series or Motion Picture Made for Television:
Ann Dowd (The Handmaid’s Tale)
Chrissy Metz (This Is Us)
Laura Dern (Big Little Lies)
Michelle Pfeiffer (The Wizard of Lies)
Shailene Woodley (Big Little Lies)

Best Performance by an Actor in a Supporting Role in a Series, Limited Series or Motion Picture Made for Television:
Alexander Skarsgård (Big Little Lies)
Alfred Molina (Feud)
Christian Slater (Mr. Robot)
David Harbour (Stranger Things)
David Thewlis (Fargo)

***

A 75ª cerimônia do Globo de Ouro está marcada para o dia 07 de janeiro, e terá Seth Meyers como host pela primeira vez.

‘A FORMA DA ÁGUA’ lidera o CRITICS’ CHOICE AWARDS com 14 INDICAÇÕES

shape-of-water-final-trailer

Indicada para Melhor Atriz, Sally Hawkins, em cena de A Forma da Água

EM SUA 23ª EDIÇÃO, O CRITICS’ CHOICE DESTACA NOVO FILME DO MEXICANO GUILLERMO DEL TORO

OK, acabou a brincadeira: a Bolha Assassina do Critics’ Choice Awards liberou seus quinhentos indicados em suas duzentas categorias. E como se não bastassem seis indicados por categoria, agora eles fizeram uma licença poética e ampliaram para sete indicados nas categorias de Diretor, Ator e Atriz Coadjuvante. Daqui a pouco, vai ter atores do Framboesa de Ouro entre os indicados!

Podem me considerar um crítico chato, mas a cada ano que passa, estou pegando mais “bode” do Critics’ Choice Awards. Além de ser um prêmio sem personalidade nenhuma (só se preocupam em acertar os vencedores do Oscar), eles se expandem todo ano, mas se esquecem de valorizar seus próprios convidados. Ano passado, entregaram vários prêmios no tapete vermelho (pra não dizer no porão da casa), inclusive o de Roteiro (!!!), porque obviamente não havia tempo pra tanta categoria ao vivo. Acho um descaso total; se for assim “nas coxas”, melhor excluir!

E outra coisa: eles se gabam tanto de serem a melhor prévia do Oscar (posto anteriormente ocupado pelo Globo de Ouro), mas será mesmo que a bola de cristal deles está funcionado? Dos últimos 4 vencedores do prêmio de Melhor Filme, eles acertaram dois: 12 Anos de Escravidão e Spotlight, e erraram com Boyhood e La La Land. Pra mim, prévia certeira é aquela próxima de 100%… Honestamente, não entendo o crescimento de popularidade desse prêmio, tirando o fato de que daqui a pouco vai ter mais gente indicada do que não-indicada no mundo.

CRITICS’ CHOICE E SEUS NÚMEROS

Bom, vamos aos fatos desta 23ª edição. Primeiramente, A Forma da Água conseguiu 14 indicações, um número muito alto, mas explicável por se tratar de um filme tecnicamente bem feito, possibilitando reconhecimento em Direção de Arte, Fotografia e Trilha Musical, por exemplo. Dessas 14 indicações, apenas uma pertence a uma categoria inexistente no Oscar: Melhor Filme de Ficção Científica ou Terror, portanto o filme de Guillermo del Toro pode também ser o recordista de indicações do próximo Oscar.

Curiosamente, A Forma da Água abriu uma ampla vantagem de 6 indicações em relação aos filmes que ficaram em segundo lugar. Me Chame Pelo Seu Nome, Dunkirk, Lady Bird e The Post: A Guerra Secreta obtiveram oito indicações cada. Vale ressaltar que desses quatro títulos, três ganharam prêmios de Melhor Filme recentemente: O LAFCA premiou Me Chame Pelo Seu Nome, o NYFCC premiou Lady Bird e o NBR premiou The Post, ou seja, existe uma diversidade muito boa de títulos com possibilidades de vitória no Oscar.

Ainda sobre números, importante destacar a tripla indicação para o ator e roteirista paquistanês Kumail Nanjiani. Além de ter sido indicado a Melhor Ator em Comédia e Roteiro Adaptado com o filme Doentes de Amor (The Big Sick), ele foi reconhecido por sua performance cômica na série The Sillicon Valley. Embora seja o recordista individual desta edição, existe boa possibilidade de ele ser triplo perdedor.

the-big-sick-mit-zoe-kazan-und-kumail-nanjiani.jpg

Zoe Kazan e Kumail Nanjiani em cena de Doentes de Amor (pic by moviepilot.de)

Outros artistas acumularam duas indicações individuais. São os casos da diretora e roteirista de Lady Bird, Greta Gerwig; do diretor e ator de Artista do Desastre, James Franco; da atriz Tiffany Hadish que compete como Atriz Coadjuvante e Atriz em Comédia por Viagem das Garotas; do diretor e roteirista de Três Anúncios Para um Crime, Martin McDonagh; e obviamente, do diretor e roteirista Guillermo del Toro.

SURPRESAS E AUSÊNCIAS

Eu sei, você deve ter pensado: “É possível ter ausências com sete indicados?”. Pois é, na reunião de condomínio da categoria de Melhor Diretor, faltou uma vaguinha para Sean Baker, que na semana passada foi reconhecido pelo NYFCC por Projeto Flórida. A verdade é que ele pode se ausentar de qualquer lista, EXCETO na seleção do Directors Guild of America (DGA), onde se separa o joio do trigo.

Com menos chances, poderia citar aqui também o nome de Dee Rees, a jovem diretora negra (ou como dizem hoje “afrodescendente”) do drama Mudbound. Não sei dizer se o fato do filme ser produção da Netflix e não ser exibido em telas de cinema enfraqueceu sua campanha, mas até então eu acreditava que este ano poderia ser o ano das mulheres na direção no Oscar. Além dela, existem chances para Greta Gerwig, Kathryn Bigelow, Angelina Jolie e Sofia Coppola. Não, não me venham com Patty Jenkins por Mulher-Maravilha

Roots

Mary J. Blige recebe orientações da diretora Dee Rees em set de Mudbound

Nas categorias de atuação, por mais que haja seis (ou sete) vagas e as categorias de atuação de comédia e de ação, sempre vai haver algum nome faltando. Este ano, este ator excluído é Robert Pattison. Sempre passei longe desses filmes de Crepúsculo que ele estrelou, mas depois de ver sua atuação em Bom Comportamento, passei a enxergá-lo como um ator promissor. Acho que boa parte do crédito de sua evolução se deve ao diretor canadense David Cronenberg com quem trabalhou em Cosmópolis e Mapa Para as Estrelas. Estou torcendo para que ele saia na lista do Globo de Ouro. E ainda falando de Bom Comportamento, ficou faltando uma indicação para Daniel Lopatin por suas belas composições musicais que reverberam a tensão do filme todo.

Na ala feminina, dois nomes mais comentados são de Kate Winslet por Roda Gigante, e Judi Dench por Victoria e Abdul – O Confidente da Rainha. Ambas têm chances de aparecer na lista do Globo de Ouro de Atriz – Drama e Atriz – Comédia, respectivamente. Além delas, o nome mais polêmico também ficou de fora: Daniela Vega, uma atriz transsexual que atuou no filme chileno Uma Mulher Fantástica. Se o Critics’ Choice quisesse demonstrar personalidade, perdeu uma ótima oportunidade de indicá-la. Na categoria de Coadjuvante, um dos nomes mais citados até o momento, mas ausente é o de Lois Smith, pelo filme futurista Marjorie Prime, onde ela conversa e interage com o holograma de seu marido morto há quinze anos.

Já no campo das surpresas, eu destacaria a indicação de Jake Gyllenhaal por O Que te Faz Mais Forte, onde ele interpreta uma vítima dos atentados terroristas da maratona de Boston. Embora seja daqueles papéis que costumam render prêmios, seu nome mal havia sido mencionado até o momento.

stronger-mit-jake-gyllenhaal

Jake Gyllenhaal em cena de O Que Te Faz Mais Forte (pic by moviepilot.de)

E Patrick Stewart concorrendo como Ator Coadjuvante por Logan. Particularmente, gosto da atuação de Stewart como um homem idoso e debilitado, mas se formos analisar sob outro ângulo, o ator já interpretou o mesmo personagem de Professor Charles Xavier mais de quatro vezes. Acho bem difícil ele seguir adiante nessa campanha…

logan-the-wolverine-mit-patrick-stewart

Patrick Stewart como Professor Charles Xavier em Logan (pic by moviepilot.de)

Já na categoria de Filme em Língua Estrangeira, temos uma surpresa e uma ausência. A primeira atende pelo nome de Thelma, um filme norueguês que envolve eventos sobrenaturais e lesbianismo. E a segunda é a ausência do russo Loveless, do diretor Andrey Zvyagintsev, que é considerado um dos favoritos para seguir no Oscar.

Thelma

À direita, Eili Harboe interpreta a perturbada Thelma no filme homônimo. Pic by outnow.ch

ENQUANTO ISSO, NO UNIVERSO DAS SÉRIES…

A série Feud: Bette and Joan da FX, sobre a treta entre as atrizes Bette Davis e Joan Crawford, foi a recordista desta edição com seis indicações. Logo em seguida, com cinco indicações, aparece Big Little Lies da HBO, que conquistou vários prêmios no último Emmy. Alguém pode, por favor, me explicar por que Jessica Lange foi indicada para Melhor Atriz e Susan Sarandon não? Até onde sei, o grande chamariz dessa série foi o embate dessas duas atrizes veteranas que interpretaram duas lendas de Hollywood, não?

feud-fx-susan-sarandon-bette-davis-joan-crawford-jessica-lange

Susan Sarandon como Bette Davis e Jessica Lange como Joan Crawford em Feud: Bette and Joan (pic by time.com)

Apesar disso, foi a plataforma de streaming Netflix que conquistou maior número de indicações: 20, graças à ampla variedade de conteúdo como The Crown, Stranger Things, GLOW e até a animação BoJack Horseman. Se no universo da séries a Netflix já reina, será questão de tempo até que um filme da Netflix ganhe o Oscar. Pra isso, basta eles pararem de investir apenas em filmes com Adam Sandler…

Uma curiosidade pra quem curte: Kevin Spacey não está entre os indicados de Ator em Série Dramática por House of Cards. Pelo visto, ninguém quer se comprometer e inclui-lo depois de todas as polêmicas de abuso sexual envolvendo o nome dele. Por um lado eu entendo que ele seja excluído das festinhas, mas é preciso lembrar que outros nomes envolvidos em polêmicas já foram indicados e ganharam prêmios como Roman Polanski e Woody Allen, portanto, fica essa questão no ar de saber separar artista da pessoa, e vice-versa. É possível?

INDICADOS AO CRITICS’ CHOICE AWARDS 2018:

CINEMA

MELHOR FILME
– Doentes de Amor (The Big Sick)
– Me Chame Pelo Seu Nome (Call Me by Your Name)
– O Destino de uma Nação (Darkest Hour)
– Dunkirk (Dunkirk)
– Projeto Flórida (The Florida Project)
– Corra! (Get Out)
– Lady Bird: É Hora de Voar (Lady Bird)
– The Post: A Guerra Secreta (The Post)
– A Forma da Água (The Shape of Water)
– Três Anúncios Para um Crime (Three Billboards Outside Ebbing, Missouri)

MELHOR DIREÇÃO
– Guillermo del Toro (A Forma da Água)
– Greta Gerwig (Lady Bird)
– Martin McDonagh (Três Anúncios Para um Crime)
– Christopher Nolan (Dunkirk)
– Luca Guadagnino (Me Chame Pelo Seu Nome)
– Jordan Peele (Corra!)
– Steven Spielberg (The Post: A Guerra Secreta)

MELHOR ATOR
– Timothée Chalamet (Me Chame Pelo seu Nome)
– James Franco (Artista do Desastre)
– Jake Gyllenhaal (O Que Te Faz Mais Forte)
– Tom Hanks (The Post: A Guerra Secreta)
– Daniel Kaluuya (Corra!)
– Daniel Day-Lewis (Trama Fantasma)
– Gary Oldman (O Destino de uma Nação)

MELHOR ATRIZ
– Jessica Chastain (A Grande Jogada)
– Sally Hawkins (A Forma da Água)
– Frances McDormand (Três Anúncios Para um Crime)
– Margot Robbie (I, Tonya)
– Saoirse Ronan (Lady Bird)
– Meryl Streep (The Post: A Guerra Secreta)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
– Willem Dafoe (Projeto Flórida)
– Armie Hammer (Me Chame Pelo seu Nome)
– Richard Jenkins (A Forma da Água)
– Sam Rockwell (Três Anúncios Para um Crime)
– Patrick Stewart (Logan)
– Michael Stuhlbarg (Me Chame Pelo seu Nome)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
– Mary J. Blige (Mudbound)
– Hong Chau (Pequena Grande Vida)
– Tiffany Haddish (Viagem das Garotas)
– Holly Hunter (Doentes de Amor)
– Allison Janney (I, Tonya)
– Laurie Metcalf (Lady Bird)
– Octavia Spencer (A Forma da Água)

MELHOR JOVEM ATOR OU ATRIZ
– Mckenna Grace (Um Laço de Amor)
– Dafne Keen (Logan)
– Brooklynn Prince (Projeto Flórida)
– Millicent Simmonds (Sem Fôlego)
– Jacob Tremblay (Extraordinário)

MELHOR ELENCO
– Dunkirk
– Lady Bird
– Mudbound
– The Post: A Guerra Secreta
– Três Anúncios Para um Crime

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
– James Ivory (Me Chame Pelo seu Nome)
– Scott Neustadter, Michael H. Weber (Artista do Desastre)
– Virgil Williams, Dee Rees (Mudbound)
– Aaron Sorkin (A Grande Jogada)
– Jack Thorne, Steve Conrad, Stephen Chbosky (Extraordinário)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
– Emily V. Gordon, Kumail Nanjiani (Doentes de Amor)
– Jordan Peele Corra!)
– Greta Gerwig (Lady Bird)
– Liz Hannah, Josh Singer (The Post: A Guerra Secreta)
– Guillermo del Toro, Vanessa Taylor (A Forma da Água)
– Martin McDonagh (Três Anúncios Para um Crime)

MELHOR FOTOGRAFIA
– Roger Deakins (Blade Runner 2049)
– Sayombhu Mukdeeprom (Me Chame Pelo seu Nome)
– Hoyte van Hoytema (Dunkirk)
– Rachel Morrison (Mudbound)
– Dan Lausten (A Forma da Água)

MELHOR FIGURINO
– Jacqueline Durran (A Bela e a Fera)
– Renée April (Blade Runner 2049)
– Mark Bridges (Trama Fantasma)
– Luis Sequeira (A Forma da Água)
– Lindy Hemming (Mulher-Maravilha)

MELHOR MONTAGEM
– Paul Machliss, Jonathan Amos (Em Ritmo de Fuga)
– Joe Walker (Blade Runner 2049)
– Lee Smith (Dunkirk)
– Michael Kahn, Sarah Broshar (The Post: A Guerra Secreta)
– Sidney Wolinsky (A Forma da Água)

MELHOR CABELO E MAQUIAGEM
– A Bela e a Fera
– O Destino de uma Nação
– I, Tonya
– A Forma da Água
– Extraordinário

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
– Sarah Greenwood; Katie Spencer (A Bela e a Fera)
– Dennis Gassner; Alessandra Querzola (Blade Runner 2049)
– Nathan Crowley; Gary Fettis (Dunkirk)
– Jim Clay; Rebecca Alleway (Assassinato no Expresso Oriente)
– Mark Tildesley; Véronique Melery (Trama Fantasma)
– Paul Denham Austerberry; Shane Vieau, Jeff Melvin (A Forma da Água)

MELHOR TRILHA MUSICAL
– Benjamin Wallfisch, Hans Zimmer (Blade Runner 2049)
– Dario Marianelli (O Destino de uma Nação)
– Jonny Greenwood (Trama Fantasma)
– John Williams (The Post: A Guerra Secreta)
– Alexandre Desplat (A Forma da Água)

MELHOR CANÇÃO
– “Evermore” (A Bela e a Fera)
– “Mystery of Love” (Me Chame Pelo Seu Nome)
– “Remember Me” (Viva – A Vida é uma Festa)
– “Stand Up for Something” (Marshall)
– “This Is Me” (O Rei do Show)

MELHORES EFEITOS VISUAIS
– Blade Runner 2049
– Dunkirk
– A Forma da Água
– Thor: Ragnarok
– Planeta dos Macacos: A Guerra
– Mulher-Maravilha

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO
– The Breadwinner
– Viva – A Vida é uma Festa (Coco)
– Meu Malvado Favorito 3 (Despicable Me 3)
– LEGO Batman: O Filme (The Lego Batman Movie)
– Com Amor, Van Gogh (Loving Vincent)

MELHOR FILME DE AÇÃO
– Em Ritmo de Fuga (Baby Driver)
– Logan (Logan)
– Thor: Ragnarok (Thor: Ragnarok)
– Planeta dos Macacos: A Guerra (War for the Planet of the Apes)
– Mulher-Maravilha (Wonder Woman)

MELHOR COMÉDIA
– Doentes de Amor (The Big Sick)
– Artista do Desastre (The Disaster Artist)
– Viagem das Garotas (Girls Trip)
– I, Tonya
– Lady Bird: É Hora de Voar (Lady Bird)

MELHOR ATOR EM COMÉDIA
– Steve Carell (A Guerra dos Sexos)
– James Franco (Artista do Desastre)
– Chris Hemsworth (Thor: Ragnarok)
– Kumail Nanjiani (Doentes de Amor)
– Adam Sandler (Os Meyerowitz: Família Não se Escolhe)

MELHOR ATRIZ EM COMÉDIA
– Tiffany Haddish (Viagem das Garotas)
– Zoe Kazan (Doentes de Amor)
– Margot Robbie (I, Tonya)
– Saoirse Ronan (Lady Bird)
– Emma Stone (A Guerra dos Sexos)

MELHOR FICÇÃO CIENTÍFICA OU TERROR
– Blade Runner 2049 (Blade Runner 2049)
– Corra! (Get Out)
– It: A Coisa (It)
– A Forma da Água (The Shape of Water)

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
– 120 Batimentos Por Minuto (BPM (Beats Per Minute))
– Uma Mulher Fantástica (Una Mujer Fantástica)
– First They Killed My Father
– Em Pedaços (In the Fade)
– The Square
– Thelma

TELEVISÃO E STREAMING

 

Best Drama Series
– American Gods (Starz)
– The Crown (Netflix)
– Game of Thrones (HBO)
– The Handmaid’s Tale (Hulu)
– Stranger Things (Netflix)
– This Is Us (NBC)

Best Actor in a Drama Series
– Sterling K. Brown (This Is Us)
– Paul Giamatti (Billions)
– Freddie Highmore (Bates Motel)
– Ian McShane (American Gods)
– Bob Odenkirk (Better Call Saul)
– Liev Schreiber (Ray Donovan)

Best Actress in a Drama Series
– Caitriona Balfe (Outlander)
– Christine Baranski (The Good Fight)
– Claire Foy (The Crown)
– Tatiana Maslany (Orphan Black)
– Elisabeth Moss (The Handmaid’s Tale)
– Robin Wright (House of Cards)

Best Supporting Actor in a Drama Series
– Bobby Cannavale (Mr. Robot)
– Asia Kate Dillon (Billions)
– Peter Dinklage (Game of Thrones)
– David Harbour (Stranger Things)
– Delroy Lindo (The Good Fight)
– Michael McKean (Better Call Saul)

Best Supporting Actress in a Drama Series
– Gillian Anderson (American Gods)
– Emilia Clarke (Game of Thrones)
– Ann Dowd (The Handmaid’s Tale)
– Cush Jumbo (The Good Fight)
– Margo Martindale (Sneaky Pete)
– Chrissy Metz (This Is Us)

Best Comedy Series
– The Big Bang Theory (CBS)
– Black-ish (ABC)
– GLOW (Netflix)
– The Marvelous Mrs. Maisel (Amazon)
– Modern Family (ABC)
– Patriot (Amazon)

Best Actor in a Comedy Series
– Anthony Anderson (Black-ish)
– Aziz Ansari (Master of None)
– Hank Azaria (Brockmire)
– Ted Danson (The Good Place)
– Thomas Middleditch (Silicon Valley)
– Randall Park (Fresh Off the Boat)

Best Actress in a Comedy Series
– Kristen Bell (The Good Place)
– Alison Brie (GLOW)
– Rachel Brosnahan (The Marvelous Mrs. Maisel)
– Sutton Foster (Younger)
– Ellie Kemper (Unbreakable Kimmy Schmidt)
– Constance Wu (Fresh Off the Boat)

Best Supporting Actor in a Comedy Series
– Tituss Burgess (Unbreakable Kimmy Schmidt)
– Walton Goggins (Vice Principals)
– Sean Hayes (Will & Grace)
– Marc Maron (GLOW)
– Kumail Nanjiani (Silicon Valley)
– Ed O’Neill (Modern Family)

Best Supporting Actress in a Comedy Series
– Mayim Bialik (The Big Bang Theory)
– Alex Borstein (The Marvelous Mrs. Maisel)
– Betty Gilpin (GLOW)
– Jenifer Lewis (Black-ish)
– Alessandra Mastronardi (Master of None)
– Rita Moreno (One Day at a Time)

Best Limited Series
– American Vandal (Netflix)
– Big Little Lies (HBO)
– Fargo (FX)
– Feud: Bette and Joan (FX)
– Godless (Netflix)
– The Long Road Home (National Geographic)

Best Movie Made for TV
– Flint (Lifetime)
– I Am Elizabeth Smart (Lifetime)
– The Immortal Life of Henrietta Lacks (HBO)
– Sherlock: The Lying Detective (PBS)
– The Wizard of Lies (HBO)

Best Actor in a Movie Made for TV or Limited Series
– Jeff Daniels (Godless)
– Robert De Niro (The Wizard of Lies)
– Ewan McGregory (Fargo)
– Jack O’Connell (Godless)
– Evan Peters (American Horror Story: Cult)
– Bill Pullman (The Sinner)
– Jimmy Tatro (American Vandal)

Best Actress in a Movie Made for TV or Limited Series
– Jessica Biel (The Sinner)
– Alana Boden (I Am Elizabeth Smart)
– Carrie Coon (Fargo)
– Nicole Kidman (Big Little Lies)
– Jessica Lange (Feud: Bette and Joan)
– Reese Witherspoon (Big Little Lies)

Best Supporting Actor in a Movie Made for TV or Limited Series
– Johnny Flynn (Genius)
– Benito Martinez (American Crime)
– Alfred Molina (Feud: Bette and Joan)
– Alexander Skarsgård (Big Little Lies)
– David Thewlis (Fargo)
– Stanley Tucci (Feud: Bette and Joan)

Best Supporting Actress in a Movie Made for TV or Limited Series
– Judy Davis (Feud: Bette and Joan)
– Laura Dern (Big Little Lies)
– Jackie Hoffman (Feud: Bette and Joan)
– Regina King (American Crime)
– Michelle Pfeiffer (The Wizard of Lies)
– Mary Elizabeth Winstead (Fargo)

Best Talk Show
– Ellen (NBC)
– Harry (Syndicated)
– Jimmy Kimmel Live! (ABC)
– The Late Late Show with James Corden (CBS)
– The Tonight Show Starring Jimmy Fallon (NBC)
– Watch What Happens Live with Andy Cohen (Bravo)

Best Animated Series
– Archer (FX)
– Bob’s Burgers (Fox)
– BoJack Horseman (Netflix)
– Danger & Eggs (Amazon)
– Rick and Morty (Adult Swim)
– The Simpsons (Fox)

Best Unstructured Reality Series
– Born This Way (A&E)
– Ice Road Truckers (History)
– Intervention (A&E)
– Live PD (A&E)
– Ride with Norman Reedus (AMC)
– Teen Mom (MTV)

Best Structured Reality Series
– The Carbonaro Effect (truTV)
– Fixer Upper (HGTV)
– The Profit (CNBC)
– Shark Tank (ABC)
– Undercover Boss (CBS)
– Who Do You Think You Are? (TLC)

Best Reality Competition Series
– America’s Got Talent (NBC)
– Chopped (Food Network)
– Dancing with the Stars (ABC)
– Project Runway (Lifetime)
– RuPaul’s Drag Race (VH1)
– The Voice (NBC)

Best Reality Show Host
– Ted Allen (Chopped)
– Tyra Banks (America’s Got Talent)
– Tom Bergeron (Dancing With the Stars)
– Cat Deeley (So You Think You Can Dance)
– Joanna and Chip Gaines (Fixer Upper)
– RuPaul (RuPaul’s Drag Race)

***

A 23ª cerimônia do Critics’ Choice Awards acontece no dia 11 de Janeiro, numa quinta-feira. Não me perguntem por que numa quinta.