Cannes & Almodóvar vs. Netflix & TILDA SWINTON!

okja cannes

Equipe do filme Okja, da Netflix, no Festival de Cannes. No centro, o diretor Bong Joon-ho ao lado da atriz Tilda Swinton e Jake Gyllenhaal. Pic by AFP.com

EM SEGUNDO DIA DO FESTIVAL, NETFLIX CAUSA GRANDE ALVOROÇO

Sim, tá rolando uma treta em Cannes! E a musa Tilda Swinton calou a boca do povo! Por isso venho aqui pra compartilhar com vocês não apenas a treta, mas toda uma discussão sobre o futuro do cinema como o conhecemos hoje.

Vamos pela cronologia dos fatos:

1 – NETFLIX NA SELEÇÃO OFICIAL DE CANNES

Dentre os indicados à Palma de Ouro, havia duas produções de streaming da Netflix competindo pela primeira vez na história do evento: The Meyerowitz Stories, de Noah Baumbach; e Okja, do sul-coreano Bong Joon-ho.

OKJA

Cena do filme Okja, de Bong Joon-ho. Pic by cine.gr

2 – INCÔMODO ENTRE OS DISTRIBUIDORES DE CINEMA NA FRANÇA

Como se trata de um festival bastante tradicional, obviamente que os inúmeros distribuidores de cinema não gostaram nem um pouco do início da invasão da Netflix em Cannes, já que as produções não serão exibidas nas salas de cinema comercialmente, apenas pela plataforma da própria Netflix. Mais do que deixar de lucrar, os distribuidores estão enfurecidos com a possibilidade da profissão se tornar obsoleta num futuro não muito distante.

3 – OS ORGANIZADORES TOMAM PROVIDÊNCIAS

Com a insatisfação dos distribuidores no ouvido, os organizadores se viram obrigados a tomar providências para agradar gregos e troianos. Assim, passou a exigir que os filmes de streaming sejam exibidos em salas de cinema para que possam competir a partir de 2018.

4 – NETFLIX REAGE COM SENSATEZ

Depois de sofrer retaliações, a Netflix poderia reclamar ou se espernear, mas tem ciência do ótimo impacto de ter produções selecionadas e por isso, anunciou que está estudando a possibilidade de lançar seus filmes em algumas salas selecionadas.

5 – ALMODÓVAR USUFRUI DE SUA AUTORIDADE

Como presidente do júri deste ano, o cineasta Pedro Almodóvar, resolveu fazer declaração sobre o assunto, mas de forma intimidatória: “Não concederei não apenas a Palma de Ouro, mas qualquer outro prêmio para um filme que não poderei ver na tela grande”. Embora o júri seja formado por outros artistas como os atores Will Smith, Jessica Chastain, Fan Bingbing, e os cineastas Paolo Sorrentino, Park Chan-wook, Maren Ade e Agnès Jaoui, além do compositor Gabriel Yared, o presidente sempre tem a palavra final, portanto, existe forte possibilidade desses dois filmes da Netflix saírem de mãos abanando apenas por causa de seu formato.

Jury Press Conference - The 70th Annual Cannes Film Festival

À direita, o presidente do júri Pedro Almodóvar em coletiva de imprensa. Pic by The Upcoming

6 – TILDA SWINTON CALA A BOCA DE ALMODÓVAR

Durante a conferência do filme em Cannes, a atriz do filme Okja, a britânica Tilda Swinton, rebateu a declaração do presidente do júri Pedro Almodóvar: “NÃO VIEMOS AQUI PELOS PRÊMIOS”. Cadê aquela musiquinha do “Turn down for what” com os óculos escuros pra Tilda Swinton???

tilda-jake.jpg.size.custom.crop.1086x724

Tilda Swinton responde às perguntas dos jornalistas em coletiva de Okja em Cannes. Ao fundo, Jake Gyllenhaal. (pic by thestar.com)

ADENDO: A EXIBIÇÃO DE ‘OKJA’ EM CANNES

Depois de toda essa discussão, até parece que sabotaram a exibição do longa Okja! Após alguns minutos de exibição, o filme foi interrompido por problemas técnicos. Alguns membros da imprensa estrangeira aproveitaram para vaiar, mas o diretor Bong Joon-ho soube ter jogo de cintura após o término da sessão, quando disse: “Fiquei feliz pelos problemas técnicos. Assim vocês tiveram a oportunidade de ver duas vezes a sequência de abertura!”.

ANÁLISE PERTINENTE EM RELAÇÃO AO FUTURO DO CINEMA

Bom, mas tirando a sarrafada da Tilda Swinton, o que é necessário entender aqui é que a Netflix é o FUTURO. Simples. Para quem acompanha cinema, sabe que houve uma queda significativa de conteúdo nas salas de exibição. Os estúdios não querem mais arriscar em novas idéias, e preferem ficar limitados a adaptações de quadrinhos, refilmagens e sequências, pois as chances de prejuízo são praticamente inexistentes. Claro que não estou criticando esses filmes de estúdio (eu mesmo sou fã dos filmes da Marvel), mas cinema não deve ficar restrito a essas produções. Cinema é uma arte que precisa sempre se reinventar para poder sobreviver.

E a Netflix está providenciando isso. Há pouco tempo, eles deixaram de ser uma mera plataforma de exibição para produzir conteúdo. Começaram com as séries de TV , que logo conquistaram o grande público como as pioneiras House of Cards e Orange is the New Black, e agora estão fazendo grandes contratos com diretores renomados e renegados do cinema como os já citados Bong Joon-ho e Noah Baumbach. Esses mesmos diretores sabem que estão perdendo espaço nas salas de cinema e por isso, estão buscando alternativas para produzirem seus filmes. Vale lembrar que recentemente o diretor David Lynch anunciou sua aposentadoria de filmes, concentrando seus esforços na série Twin Peaks. Quem sabe ele não consegue retornar com a ajuda da Netflix também?

netflix screen-shot-2013-11-13-at-8-05-16-am

Tela da Netflix com destaque para a série House of Cards, sucesso absoluto de crítica e público. 

Quando o Festival de Cannes impõe restrições à Netflix, ele está adiando o futuro. Mesmo sendo cinéfilo que gosta de frequentar salas de cinema, não dá pra simplesmente ignorar uma plataforma tão promissora. Logo de cara, já desbancou as locadoras do mundo todo, e agora a tendência é aposentar as salas de cinema.

ÉPOCA DE TRANSIÇÃO

Embora a Netflix seja o futuro, ele não vem da noite para o dia. É necessário um período de adaptação do público e até mesmo da crítica. Acredito que o ideal nesse caso seja que a Netflix inicialmente disponibilize seus filmes em salas selecionadas de cinema, e que retire suas produções dos cinemas gradativamente. Hoje, podem lançar um filme para 200 salas nos EUA. Daqui a 6 meses, 150 salas, e assim sucessivamente. E o público que vai decidir isso. Se hoje pagam bem pra assistir mega-produções da Disney nos cinemas, eles podem elevar os números positivos das produções de streaming.

Voltando ao discurso do Almodóvar, ele lança sua opinião para que possamos refletir sobre essas mudanças. “Plataformas digitais são um novo meio de oferecer trabalho, o que é interessante e positivo. Mas elas não devem tomar o lugar de formatos existentes. Elas não deveriam mudar os hábitos dos espectadores. Essa é a grande questão do debate.”, declarou o diretor.

Realmente, assistir a um filme na tela grande do cinema é uma experiência de outro nível. A tela grande consegue aprimorar a experiência de ver um filme, e até mesmo melhorar a qualidade daquele filme meio capenga. É verdade. E tem uma questão primordial nesse modo de assistir a um filme: a concentração do espectador. Na sala de cinema, além da imagem e áudio de qualidades, existe o foco. Não há interrupções de telefone, barulho ou mesmo de distrações dentro da sala de cinema, que certamente existem em casa. Então, nesse sentido, o Almodóvar tem razão.

Mas pra ele, que já é um cineasta de renome que frequenta os festivais e sempre tem público nos cinemas, é mais fácil condenar a Netflix. Mas e praquele diretor em começo de carreira? Ou mesmo praquele que foi esquecido pelos grandes estúdios como o já citado David Lynch? Hoje, eles têm duas alternativas: Ou imploram por financiamento por leis de incentivo ou eles cedem para o streaming que vai produzir os filmes e vão oferecer para milhões de espectadores via plataforma.

O próprio diretor Bong Joon-ho ressaltou sua experiência de ter trabalhado com a Netflix: “Eu amei ter trabalhado com a Netflix. Eles me deram muito apoio. O orçamento para este filme foi considerável. Dar esse tipo de orçamento para um diretor não é muito comum.” A Netflix concedeu 50 milhões de dólares para a produção de Okja. Uma boa grana para quem teve astros como Tilda Swinton, Jake Gyllenhaal, Lily Collins e Paul Dano, sem contar com os efeitos especiais.

Enfim, fechando a discussão, nada desse debate todo justifica Pedro Almodóvar fechar as portas para as duas produções por causa da plataforma! Por isso, adorei Tilda Swinton, que ressaltou o privilégio de estar em Cannes, e de lembrar que o real intuito do filme é ser visto e passar sua mensagem. Os prêmios são mera consequência.

***

A 70ª edição do Festival de Cannes termina dia 28 de maio, quando serão anunciados os vencedores.

Anúncios

Homem de Ferro 3 (Iron Man 3), de Shane Black (2013)

Pôster de Homem de Ferro 3

Pôster de Homem de Ferro 3

NOVO FILME DE HERÓI PROCURA LEVANTAR QUESTÕES ATUAIS DA SOCIEDADE

Que material preencheria a terceira parte de uma das maiores franquias de sucesso do cinema atual? Muitos produtores de Hollywood responderiam sem hesitar: “Colocaremos um vilão novo, cenas de ação repletas de efeitos visuais e um final feliz”, e teríamos aí mais um produto. Mas não a Marvel. A produtora sabe que o nível de expectativa para este filme estava nas alturas devido ao estrondoso êxito dos filmes anteriores e de The Avengers – Os Vingadores no ano passado, e desse modo, procurou levantar novos questionamentos para o universo do personagem e uniu com algumas reflexões da sociedade.

Aliás, nessa nova estratégia do produtor Kevin Feige, chefe da Marvel Studios, o entrelaçamento das adaptações dos quadrinhos tem sido uma excelente forma de entreter e promover ao mesmo tempo. Apesar de The Avengers – Os Vingadores ser um filme à parte das franquias solos de Capitão América, Thor, Hulk e Homem de Ferro, os eventos ocorridos não são deixados de lado. A invasão dos alienígenas em Nova York que quase causou a morte do Homem de Ferro gerou uma espécie de crise de ansiedade no personagem, criando uma nova fragilidade em Tony Stark.

Além disso, a bordo da nave da SHIELD num momento tenso, temos uma briga entre dois personagens:
Capitão América: Grande homem numa armadura. Tire isso e o que você é?
Tony Stark: Gênio, bilionário, playboy, filantropo.

Apesar de ter rebatido a ofensa com sua língua afiada, Stark sabe que depende demais de sua tecnologia. E nesse terceiro filme da franquia, esse vício é analisado de forma mais profunda. O roteiro de Drew Pearce e Shane Black questiona o que seria do protagonista sem sua armadura ao lançá-lo numa cidade distante sem dispôr de sua tecnologia. Quem é o herói? O homem ou a própria armadura? Essa paixão frenética que ele tem por tecnologia acaba atrapalhando seu relacionamento com sua amada Pepper Potts (Gwyneth Paltrow), que ainda sofre sérias ameaças diretas.

Iron-Man-3

Cria e criador. Robert Downey Jr. fica sem seu vício (photo by http://www.beyondhollywood.com)

Claro que num nível mais tresloucado dessa análise, poderíamos até interpretar esse vício hi-tech de Tony Stark como uma forma de crítica ao modo como vivemos hoje. Quem se interessa por comunicação sabe que a internet causou uma reviravolta na rotina de qualquer cidadão, especialmente os que vivem nas grandes metrópoles. Existem estudos que comprovam que a internet, disponível em qualquer celular smartphone, acaba reforçando o individualismo e o isolamento. Obviamente, não defendo a exclusão da tecnologia em nenhum momento, afinal seria como voltar à época das cavernas, mas, sim, seu uso moderado. Resumidamente, se trocássemos a armadura pelo Facebook, esta análise seria pertinente.

Voltando ao roteiro, essa cidade mais tranquila e a total ausência da tecnologia faz bem para o personagem. Ele chega a fazer amizade com um garotinho! Por mais que seja baseado no bom e velho quid pro quo, esse relacionamento tem como objetivo demonstrar a humanidade que existe no Homem de Ferro, e assim como todos os personagens da Marvel Comics, este é o grande sucesso da editora de quadrinhos: tirar a máscara do herói e enxergar a pessoa por trás dela.

Iron-Man-3

O garoto Ty Simpkins consegue falar mais do que Tony Stark (photo by http://www.beyondhollywood.com)

Embora o diretor tenha mudado (Jon Favreau, que dirigiu os dois primeiros filmes cedeu espaço para Shane Black, criador dos policiais de Máquina Mortífera), conseguiram imprimir esta qualidade do personagem sem que o astro Robert Downey Jr. fique menos à vontade, pois ele já havia trabalhado com Black no bom filme Beijos e Tiros (Kiss Kiss Bang Bang, 2005), ao lado de Val Kilmer. A parceria se mostra certeira, e a dupla volta a trabalhar elementos de espionagem nesta nova trama.

Em depoimento, Robert Downey Jr. era todo elogios ao diretor: “… bringing in Shane Black to write and direct the film is basically the only thing that Favreau and the audience and Marvel and I could ever actually sign off on. (trazer Shane Black para escrever e dirgir o filme é basicamente a única coisa que Favreau, o público, a Marvel e eu poderíamos estar de acordo)”.

Shane Black dirige Robert Downey Jr. em set de filmagem (photo by www.outnow.ch)

Shane Black (à dir.) dirige Robert Downey Jr. em set de filmagem (photo by http://www.outnow.ch)

Essa inclusão de Shane Black como roteirista e diretor permitiu uma repaginada no universo do personagem. Aproveitando-se de uma minissérie de quadrinhos intitulada “Extremis”, escrita por Warren Ellis, a história que gira em torno dessa descoberta científica do Dr. Aldrich Killian (vivido no filme por Guy Pearce), que possibilita a regeneração de órgãos humanos reabre essa discussão ética e moral a respeito do estudo das células-tronco para cura de doenças. No início do filme, o Dr. Killian oferece sua descoberta para a empresa Stark, mas Pepper recusa alegando haver potencial bélico enorme caso caia em mãos erradas.

Além disso, a crítica se completa com a personagem Maya Hansen (Rebecca Hall), que inicialmente se tratava de uma cientista biológica pró-natureza e humanidade, mas que acaba se vendendo como forma de sobrevivência e um pouco de egocentrismo de sua parte.

iron-man extremis

Capa de Iron Man – Saga Extremis (parte 5 de 6). Roteiro de Warren Ellis e arte de Adi Granov. (photo by http://www.marvel.com)

Considerado o vilão principal do filme, o Mandarim teve uma reviravolta surpreendente na versão cinematográfica, o que causou descontentamento geral entre os fãs do personagem nas páginas da HQ. Com origem ligada a uma tecnologia alienígena que lhe concede poderes em forma de anéis, o Mandarim ganhou uma nova história e um novo propósito ao conceito dos filmes. Claramente, torna-se um líder terrorista de uma nação do Oriente Médio (mas com referências chinesas como os dragões em seu figurino), estrelando vídeos de ameaças e de execuções como um certo Osama Bin Laden.

Ben Kingsley como o Mandarim (photo by www.beyondhollywood.com)

Será que existe alguma semelhança entre Sir Ben Kingsley como o Mandarim… (photo by http://www.beyondhollywood.com)

Osama Bin Laden em um de seus vídeos (photo by eslbrazil.blogspot.com)

…com Osama Bin Laden? Ou é apenas impressão minha? (photo by eslbrazil.blogspot.com)

Contudo, assim como a própria execução de Bin Laden é rodeada de incertezas (ainda mais que seu corpo foi jogado ao mar sem ter sido divulgado ao público), o filme busca explorar essa questão da própria existência do líder terrorista. De acordo com o produtor Kevin Feige, eles tentaram retratar um homem sem uma nação específica, afinal, nada pior do que isso para causar uma polêmica gratuita e ainda prejudicar as bilheterias.

Página de Iron Man 273 – Saga Dragon Seed. Roteiro de John Byrne e arte de Paul Ryan. (photo by jetstor.wordpress.com)

Segundo ele ainda, os símbolos chineses seriam uma homenagem ao personagem originalmente do país comunista, mas também sua obsessão pela obra literária “A Arte da Guerra” de Sun Tzu. Há ainda uma inspiração vinda da personagem Coronel Kurtz de Apocalyse Now. “Ele quer representar essa espécie de protótipo de terrorista, alguém que trabalhou para a inteligência americana, mas que enlouqueceu e se tornou esse devoto das táticas de guerra”, defende Feige.

Dependência tecnológica, exploração econômica de descoberta científica, líder terrorista e até uma ameaça ao presidente dos EUA denotam forte aproximação de Homem de Ferro 3 em relação às atualidades globais. Infelizmente, o diretor peca no ritmo moroso que deixa o filme pesado em dados momentos, mas tem cenas ótimas como o fã de Homem de Ferro que trabalha como técnico de TV.

Importante destacar também a penetração do blockbuster em território chinês, onde raros 34 filmes hollywoodianos conseguem ser liberados pela censura e exibidos por ano. Além disso, a política chinesa aplica altos impostos como forma de proteger seu mercado cinematográfico, considerado um dos mais lucrativos, afinal, qual o país mais populoso do mundo?

Por outro lado, para agradar a China, os produtores de Homem de Ferro 3 fizeram uma versão alternativa (e exclusiva), onde uma das atrizes mais importantes, Fan Bingbing, atua num papel secundário, que fora cortado do versão internacional, e há cenas adicionais filmadas em Pequim, mostrando mais sobre a cultura do país asiático.

Bingbing Pictures

A atriz Fan Bingbing, que faz a esposa do Dr. Wu na versão chinesa. Não sei… tenho a leve sensação de que perdi muita coisa asssistindo à versão internacional… (photo by nidoworth.blogspot.com.br)

Claro que, visando um lucro ainda mais colossal, pediram (praticamente obrigaram) a presença de Robert Downey Jr. na premiere chinesa. Se você esperava que ele seria mal visto por se tratar de um americano que interpreta um herói pop e patriota, veja a imagem abaixo:

Robert Downey Jr. conquista até os chineses em participação "discreta" (photo by www.beyondhollywood.com)

Robert Downey Jr. conquista até os chineses em participação “discreta” (photo by http://www.beyondhollywood.com)

Homem de Ferro 3 teve estréia recorde em mais de 200 salas só em São Paulo. Nos EUA, estreou com arrecadação de 174 milhões de dólares no primeiro fim de semana. Se alguém ainda acredita que as adaptações de quadrinhos para o cinema são apenas modinhas, os resultados extremamente positivos garantem que essa moda deve levar mais uns vinte anos no mínimo.

Este ano, pela Marvel, ainda teremos Thor: O Mundo Sombrio (previsto para novembro). Em 2014, Capitão América 2: O Retorno do Primeiro Vingador, e no ano seguinte, a sequência Os Vingadores 2 e O Homem-Formiga. Pelo estúdio Twentieth Century Fox, Wolverine – Imortal tem estréia prevista para julho deste ano, e X-Men: Dias de um Futuro Esquecido (sequência de X-Men: Primeira Classe) para julho de 2014. Sem contar ainda com a nova tentativa da DC Comics de adaptar Superman em O Homem de Aço.

Claro que Homem de Ferro 3 tem suas falhas e seus furos de roteiro, mas para o público que está muito mal acostumado a assistir filmes blockbusters desprovidos de neurônios, a Marvel entrega um bom filme para fechar uma trilogia de sucesso comercial. E não deixe de ficar até o final dos créditos para ver a participação especial de Mark Ruffalo como Bruce Banner.

AVALIAÇÃO: BOM