‘Que Horas Ela Volta?’ representará o Brasil no Oscar 2016

Pôster de Que Horas Ela Volta?, de Anna Muylaert (photo by quadroporquadro.com.br)

Pôster de Que Horas Ela Volta?, de Anna Muylaert (photo by quadroporquadro.com.br)

BRASIL SELECIONA FILME EM ALTA INTERNACIONALMENTE

Na última quinta-feira, dia 10, o MinC anunciou o filme que representará o país na corrida pelo Oscar de Melhor Filme em Língua Estrangeira. A nova produção, escrita e dirigida por Anna Muylaert, Que Horas Ela Volta?, ou The Second Mother, como é conhecido internacionalmente, já era apontada por muitos como a grande favorita entre os oito que competiam.

Os demais sete filmes competidores foram:

  • A História da Eternidade, de Camila Cavalcante
  • Alguém Qualquer, de Tristan Aronovich
  • Campo de Jogo, de Eryc Rocha
  • Casa Grande, de Felipe Barbosa
  • Entrando numa Roubada, de André Miraes
  • A Estrada 47, de Vicente Ferraz
  • Estranhos, de Paulo Alcântara

Quando vi o cartaz de A Estrada 47 e descobri que se trata de um filme sobre a Segunda Guerra Mundial com soldados brasileiros, na hora pensei: “Taí o representante brasileiro no Oscar do ano que vem!”, afinal a Academia adora duas coisas nessa categoria: Guerra e Judeus. Portanto, pra mim foi uma surpresa a seleção deste drama com humor. Até o momento em que pude conferir no cinema.

Em Que Horas Ela Volta?, acompanhamos a vida da emprega doméstica Val, que cuida do filho dos patrões como se fosse seu, mas precisa lidar com a filha que não vê há mais de 10 anos, quando ela sai de Pernambuco pra morar com ela em São Paulo.

À esquerda, Camila Márdila contracena com Regina Casé. Elas interpretam filha e mãe, respectivamente. (photo by outnow.ch)

À esquerda, Camila Márdila contracena com Regina Casé. Elas interpretam filha e mãe, respectivamente. (photo by outnow.ch)

Talvez alguns cinéfilos me crucifiquem aqui, mas a trama me lembrou um pouco a do néo-clássico Teorema (1968), de Pier Paolo Pasolini, no qual vemos um estranho (Terence Stamp) entrar na casa e na vida de todos os membros de uma família da burguesia italiana, bagunçando toda a estrutura familiar pra sempre. Claro que, em menor escala, o filme de Muylaert tem sua crítica social, abordando os limites da classe mais baixa e o papel do nordestino na maior cidade do país, quase como os de imigrantes de países subdesenvolvidos em países de primeiro mundo.

No filme nacional, um dos grandes diferenciais atende pelo nome de Regina Casé. Sim, aquela apresentadora da Rede Globo do programa dominical “Esquenta!”. Ela surpreende com tamanho carisma e bom humor, que fica impossível de não se identificar e torcer por sua personagem diante das adversidades. A partir da segunda metade do filme, ela divide as atenções com Camila Márdila, que interpreta sua filha, e sua atuação fica ainda mais consistente por justamente elevar a questão de sua ausência na criação da filha.

Pelas atuações, as duas receberam um prêmio especial no último Festival de Berlim, de onde também saiu com o prêmio do público. A diretora comemorou bastante a seleção de seu trabalho, uma vez que deve aumentar a renda nas bilheterias, que até o momento foi de apenas 66 mil espectadores no Brasil. “Existe um público que está sabendo, mais elitizado. Mas acredito que a natureza dele é popular. Não temos verba para publicidade em ônibus, outdoor. [A escolha] pode fazer com que o filme chegue mais longe. Isso, para mim, é a grande notícia de hoje.”, declarou Muylaert em entrevista à Folha de S. Paulo.

Na coletiva de imprensa do filme Que Horas Ela Volta? no Festival de Berlim, da esquerda para a direita: o produtor Fabiano Gullane, a atriz Camila Márdila e a diretora Anna Muylaert (photo by berlinale.de)

Na coletiva de imprensa do filme Que Horas Ela Volta? no Festival de Berlim, da esquerda para a direita: o produtor Fabiano Gullane, a atriz Camila Márdila e a diretora Anna Muylaert (photo by berlinale.de)

Quanto às chances reais do filme no Oscar, ela comentou: “Ele está quente na imprensa internacional. Na americana, incluisve. As críticas são incrivelmente positivas.”. Além de Berlim, Que Horas Ela Volta? conquistou o prêmio especial do júri no Festival de Sundance, e as críticas vêm do site Rotten Tomatoes, com o número altíssimo de 96% de aprovação, e do site Indiewire. Quando vi o filme no cinema, tive a boa sensação que costumo ter quando assisto a um bom filme argentino e isso é ótimo, pois o cinema dos hermanos privilegia um bom roteiro, boas atuações e reflete a situação político-social do país. E a Argentina já levou duas estatuetas do Oscar.

Claro que se tivesse um filme de guerra com judeus seria o ideal (não, eu não concordo com esse sistema, mas é assim que funciona pra ganhar), mas considero uma decisão coerente da comissão do MinC ao selecionar um filme que proporcione uma identificação com o povo ali representado.  Poderiam ter ido na cola das maiores bilheterias e selecionado outra produção mais popular, mas optaram por algo que passasse alguma mensagem sobre a atual situação do país. Pode não resultar em prêmio, nem mesmo em indicação, mas mostra um amadurecimento da cinema como Arte.

Por enquanto, a concorrência pelo Oscar está apenas esquentando. Nosso vizinho Chile escolheu O Clube, de Pablo Larraín, que foi indicado por No. Taiwan escolheu The Assassin, de Hou Hsiao-Hsien, que levou o prêmio de direção em Cannes. A Suécia vai com o vencedor do Leão de Ouro de 2014, o drama Um Pombo Pousou Num Galho Refletindo Sobre a Existência, de Roy Andersson. E até o momento, o concorrente mais forte vem da Hungria, com Son of Saul (Saul Fia), de László Nemes. Além de ter conquistado o Grande Prêmio do Júri em Cannes, tem como cenário um campo de concentração, e aí já viu, né? Os velhinhos votantes da Academia vão chorar horrores lembrando de seus antepassados e dar seus votos. Claro que o filme pode ser maravilhoso, mas é um artifício que todo cineasta do planeta já conhece pra ganhar esse Oscar.

Cena do representante húngaro Son of Saul (Saul fia), de László Nemes (photo by cine.gr)

Cena do representante húngaro Son of Saul (Saul fia), de László Nemes (photo by cine.gr)

Nos últimos anos, o Brasil selecionou filmes razoáveis e bons como Hoje Eu Quero Voltar Sozinho, O Som ao Redor, O Palhaço e Tropa de Elite 2: Agora o Inimigo é Outro. Na minha humilde opinião, Tropa de Elite 2, de José Padilha, merecia facilmente estar entre os finalistas, mas sequer passou pra segunda fase do processo de seleção. Sabem qual foi o último a conseguir essa proeza? O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias, de Cao Hamburger, de 2006. Apesar de ser um filme bom, ele tinha uma carta na manga: um dos personagens centrais era judeu.

Enfim, além dessa cartilha para ganhar o Oscar de Filme em Língua Estrangeira que posto todo ano aqui, o filme de Anna Muylaert está seguindo uma estratégia que já funcionou: lançar o filme primeiro em festivais internacionais, conseguir voltar ao país com alguma consagração e obter apoio nacional mais facilmente. Foi assim com Central do Brasil, de Walter Salles, que, aliás, foi a última produção brasileira indicada ao Oscar nessa categoria no longínquo ano de 1999.

Haverá uma pré-seleção, que reduz todos os representantes numa lista de nove filmes, e em seguida, a lista dos cinco indicados será divulgada no dia 14 de janeiro.

Anúncios

‘O Mordomo da Casa Branca’ (The Butler), de Lee Daniels (2013)

O Mordomo da Casa Branca, de Lee Daniels

O Mordomo da Casa Branca, de Lee Daniels

O SUCESSO DO FILME NAS BILHETERIAS AMERICANAS AQUECE
A CORRIDA PELO OSCAR 2014 E REACENDE A QUESTÃO
DO RACISMO E O PÚBLICO NEGRO

Antes de começar, gostaria de esclarecer um fato que levantou certa ira do crítico Ricardo Calil da Folha de S. Paulo. O título original de O Mordomo da Casa Branca, The Butler, ficou impresso em alguns pôsteres como Lee Daniel’s The Butler, o que no univerno cinematográfico significa que o diretor já teria poderes de um autor consagrado como Federico Fellini a ponto de inserir o nome dele no título. Contudo, nesse caso, o estúdio Warner Bros. levantou uma queixa com a MPAA (Motion Pictures Association of America) solicitando a mudança do título, pois já existe um curta-metragem homônimo de 1916. Portanto, Lee Daniels’ The Butler foi originado por esta briga nos bastidores.

O diretor Lee Daniels no set de O Mordomo da Casa Branca (photo by www.outnow.ch)

O diretor Lee Daniels no set de O Mordomo da Casa Branca (photo by http://www.outnow.ch)

Contudo, apesar de ainda estar em seu quarto longa-metragem, Lee Daniels vem conquistando prestígio nos EUA, principalmente com as celebridades e o público afro-americanos (sim, esse termo politicamente correto). A resposta do público veio com a marca de 115 milhões de dólares nas bilheterias somente em território americano (estima-se que o orçamento é de apenas 30 milhões). Já as celebridades respondem se estapeando para conseguir um dos papéis em seus filmes.

Em seu filme anterior, Obsessão (2012), o diretor já colheu os frutos de seu primeiro sucesso Preciosa (2009). Conseguiu a vencedora do Oscar Nicole Kidman, Matthew McConaughey e John Cusack. Para este Mordomo, além de contar com Forest Whitaker (vencedor do Oscar por O Último Rei da Escócia), o diretor obteve a difícil confiança da rainha da TV, Oprah Winfrey, cuja última atuação nos cinemas se deu há 15 anos com Bem-Amada (1998). Obviamente, ela aceitou a proposta pelo projeto e pela ascensão do diretor, pois o cachê seria uma mera gorjeta. Aliás, talvez, esta relação com Lee Daniels pode ter começado quando Oprah elogiou a atriz novata Gabourey Sidibe no Oscar 2010.

Oprah Winfrey e Forest Whitaker formam o casal Gaines: premiações são esperadas (photo by www.elfilm.com)

Oprah Winfrey e Forest Whitaker formam o casal Gaines: premiações são esperadas (photo by http://www.elfilm.com)

Com os protagonistas definidos, Lee Daniels não teve muito trabalho para preencher os demais papéis secundários. Uma penca de estrelas estava disposta a baixar seus salários em prol do diretor: Jane Fonda, Robin Williams, James Marsden, Liev Schreiber, John Cusack, Minka Kelly, Cuba Gooding Jr., Terrence Howard (esses dois últimos buscam recuperar o prestígio há tempos) e Alan Rickman, o único que leva um pouco mais à sério o trabalho com tempo limitadíssimo de tela como Ronald Reagan.

Em entrevista, Lee Daniels teria confessado que convocou astros de Hollywood com receio de que o filme fosse um fracasso comercial. Claro que conferir grandes nomes interpretando políticos não deixa de ser uma atração à parte, mas no contexto geral, acaba resumindo os presidentes às caricaturas e se tornando uma distração desnecessária. Aliás, essa decisão mais comercial de Daniels prejudicou o filme como unidade. De um lado, temos o drama familiar do protagonista, do outro temos o passeio das estrelas no tapete vermelho. Sem contar a presença destoante de Mariah Carey como a mãe do protagonista. Se o diretor devia algo à cantora, deveria ter pensado em outra forma de pagamento…

Bom, mas antes, vamos à história. O Mordomo da Casa Branca é inspirado na vida de Eugene Allen, um mordomo negro que serviu a oito presidentes na Casa Branca por 34 anos. De lá, ele acompanhou de perto alguns fatos que marcaram a História americana como a Guerra do Vietnã e o Movimento dos Direitos Civis. Segundo relatos de seu filho, Allen ficou bastante afetado com o assassinato do presidente Kennedy: “Foi a primeira vez que vi meu pai chorar”. Sua vida foi retratada no livro The Butler – A Witness to History, de Wil Haygood, e poderia resultar num bom filme, mas nas mãos de Lee Daniels e toda a pressão afro-americana nas costas, acabou se tornando uma espécie de novela televisiva sobre racismo.

À direita, o mordomo Eugene Allen é cumprimentado pelo presidente Ronald Reagan e a pela primeira-dama Nancy Reagan (photo by Kevin Clark/The Washington Post/Getty Images)

À direita, o mordomo Eugene Allen é cumprimentado pelo presidente Ronald Reagan e a pela primeira-dama Nancy Reagan na vida real… (photo by Kevin Clark/The Washington Post/Getty Images)

Jane Fonda e Alan Rickman dão vida aos Reagan (photo by www.outnow.ch)

… e a Arte imita a vida: no filme, Jane Fonda e Alan Rickman dão vida aos Reagan (photo by http://www.outnow.ch)

Quando se trata de um tema polêmico, costuma valer a regra do grupo vitimado ter direito a fazer piadas. Por exemplo, falar mal de judeus é uma ofensa (Tatá Werneck que o diga!), mas quando um judeu fala mal do próprio judeu, aí tudo bem. Ele teria ‘propriedade’. Por isso, resolvi colher uma resenha de um escritor negro do jornal inglês The Guardian chamado Orville Lloyd Douglas. Em tom de desabafo, ele solta a seguinte frase: Frankly, why can’t black people get over slavery? (Francamente, por que os negros não superam a escravidão?)

Orville Lloyd Douglas, do The Guardian

Orville Lloyd Douglas, do The Guardian

No artigo, ele discute a decadência do Cinema atual, que parece viver apenas de temas do passado como a escravidão quando o foco é a raça negra. “Infelizmente, esses papéis são quase os únicos abertos aos negros. As pessoas querem que os atores negros de O Mordomo da Casa Branca e Twelve Years a Slave sejam indicados aos prêmios de melhor ator e atriz, mas isso soa como um retrocesso, quase como na era de …E o Vento Levou (quando negros ainda se sentavam no fundo das salas de cinema e os atores eram escalados apenas como serventes)”.

Outro forte concorrente ao Oscar 2014 também com tema da escravidão: Twelve Years a Slave, de Steve McQueen (photo by www.elfilm.com)

Outro forte concorrente ao Oscar 2014 também com tema da escravidão: Twelve Years a Slave, de Steve McQueen (photo by http://www.elfilm.com)

Ele acredita que esses filmes raciais, que ganharam novo fôlego com o sucesso de Django Livre, “foram criados para um público branco e liberal para gerar culpa pelos eventos do passado”. Confira o artigo completo no link: http://www.theguardian.com/commentisfree/2013/sep/12/why-im-not-watching-the-butler-12-years-a-slave

Concordo em partes com a crítica social de Douglas. Realmente, Hollywood e o Cinema poderiam produzir filmes com temáticas mais contemporâneas, pois parece que não houve progresso nas últimas décadas. Contudo, é preciso recordar a seguinte frase: “‘Lembrar para não repetir”, que se tornou uma espécie de lema político-cultural após as tragédias do Holocausto. Se não me engano, essa sentença é dita também no grande documentário Noite e Neblina (1955), de Alain Resnais.

Infelizmente, o racismo contra negros e minorias étnicas ainda existe, e aqui no Brasil não é diferente. Ainda há muito a avançar principalmente na área de educação, que exige uma reforma há décadas. Mas, em busca de solução fácil pra agregar mais votos, o PT tornou feriado o Dia da Consciência Negra e criou cotas para negros nas universidades. Essas atitudes não apagam ou sequer compensam o passado, tendo efeito igual ou pior do que o próprio racismo. Não estaria a cota negra afirmando que o beneficiado não teria capacidade própria de ingressar numa faculdade? E 50% das cotas para alunos de ensino público: por que não melhorar o ensino público para que não haja necessidade de cotas? Apesar da boa intenção, essa tática política gera mais regressão e preconceito.

Essas questões raciais também prejudicam o filme de Lee Daniels. A panfletagem deslavada ao presidente Barack Obama incomoda bastante. Não me entendam mal. Não se trata de partido político, mas a forma como Obama foi inserido no contexto, parece que ele se tornou a solução para todos as décadas de sofrimento racial, bem no estilo “agora que um negro está no poder, nossos problemas acabaram”. Essa simplicidade me faz recordar o final planfletário de A Vida é Bela, de Roberto Benigni, em que um tanque americano surge dando fim à guerra e ao sofrimento.

Falando em Benigni, o mesmo produtor Harvey Weinstein, assumiu a propaganda de O Mordomo da Casa Branca, o que certamente elevará as chances do filme no Oscar 2014. Forest Whitaker e Oprah Winfrey podem figurar nas indicações de ator e atriz coadjuvante, respectivamente. Dependendo do lobby, pode conquistar ainda indicação para melhor roteiro adaptado, direção e filme. Pra mim, apenas Whitaker merece uma chance, pois o papel de Oprah é pseudo-profundo. Criaram um alcoolismo e um senso de adultério para maquiar sua bidimensionalidade. O jovem David Oyelowo, que interpreta o filho mais velho e ativista, entrega algumas cenas boas de dramaticidade.

Forest Whitaker e David Oyelowo têm um duelo de idealismos interessante (photo by www.elfilm.com)

Forest Whitaker e David Oyelowo têm um duelo de idealismos interessante (photo by http://www.elfilm.com)

Embora O Mordomo da Casa Branca seja daqueles típicos projetos que despertam a curiosidade, o diretor Lee Daniels desperdiçou a oportunidade de adaptá-lo ao cinema. Seu trabalho mais se associa à linguagem televisiva, tanto que se fosse dividida em episódios de 40 minutos, teríamos aqui uma minissérie ótima para vencer o Emmy. Daniels busca se inspirar no filme de Robert Zemeckis, Forrest Gump – O Contador de Histórias, pelas semelhanças no passeio pela História americana, mas fica limitado pelo roteiro de Danny Strong, que busca apenas uma perspectiva da história, desperdiçando o ótimo protagonista Cecil Gaines.

Pelo resultado final desapontador, o filme merecia avaliação ruim, mas pelo potencial do projeto e das interpretações de Whitaker e Oyelowo…

AVALIAÇÃO: REGULAR

‘Miss Violence’, de Alexandros Avranas (2013)

Miss Violence, de Alexandros Avranas

Miss Violence, de Alexandros Avranas

Atual cinema grego nasce da crise econômica do país

Você já assistiu a um filme do Neo-realismo italiano? Talvez Ladrões de Bicicletas, de Vittorio De Sica? Ou algum filme da safra do Cinema Argentino? O Pântano, de Lucrecia Martel? Ambos os cinemas citados acima inspiraram o atual cinema grego, que tem se apoiado na crise econômica que assola a Europa desde 2008 para criar filmes que dissecam a sociedade vitimada.

Para a maioria dos cinéfilos, o cinema grego tinha como referência apenas Theo Angelopoulos. Falecido em 2012, o diretor se consagrou com títulos como Uma Eternidade e Um Dia, vencedor da Palma de Ouro em Cannes de 1998. Contudo, quando Dente Canino, de Giorgos Lanthimos, destacou-se ganhando inúmeros prêmios internacionais como o Un Certain Regard em Cannes e foi indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, a crítica e os holofotes miravam uma nova onda de criatividade na terra dos deuses.

Cena de Dente Canino, de Yorgos Lanthimos: o primeiro dessa nova onda do cinema grego (photo by www.outnow.ch)

Cena de Dente Canino, de Giorgos Lanthimos: o primeiro dessa nova onda do cinema grego (photo by http://www.outnow.ch)

Um dos expoentes desse novo cinema grego atende pelo nome de Alexandros Avranas. Com apenas 36 anos, seu segundo longa-metragem foi selecionado para o último Festival de Veneza, de onde saiu premiado com o Leão de Prata de direção e Volpi Cup de Melhor Ator para Themis Panou. Dizem as más línguas que, se o presidente do júri, o italiano Bernardo Bertolucci, não fosse tão patriota ao selecionar o documentário italiano Sacro GRA, Miss Violence teria levado o prêmio máximo.

O diretor grego Alexandros Avranas: Vencedor do Leão de Prata no último Festival de Veneza (photo by www.kinetophone.com)

Prêmio de consolação? O diretor grego Alexandros Avranas ostenta seu Leão de Prata no último Festival de Veneza (photo by http://www.kinetophone.com)

Miss Violence começa direto ao ponto. Estamos na festa de aniversário numa casa de família feliz. Ao cometer suicídio pulando da sacada de casa, a menina de 11 anos aniversariante já revela problemas no paraíso. Nos minutos seguintes, tudo leva a crer que se trata de uma família típica disfuncional retratada em filmes americanos. Ledo engano. O buraco é bem mais abaixo. O que choca mais do que o próprio suicídio é a tranqüilidade da família perante o incidente.

Avranas compõe seqüências aparentemente sem muito nexo como uma espécie de quebra-cabeças. Apesar de se assemelharem a uma família comum, não sabemos exatamente qual a relação de cada um dos personagens ali: pai, mãe, avô, filha ou neta? Sem utilizar trilha musical, ele abusa de enquadramentos fechados de seus personagens, que parecem buscar cumplicidade do espectador ao olhar diretamente para a câmera. À medida em que as ligações entre eles se revelam mais claras, a tensão aumenta através da revelação das ações obscuras da figura dominante do patriarca na família.

Para quem ficar atento às pistas, o final pode deixar a desejar, pois fica a impressão um pouco amarga de que o segredo da trama, ostentada como clímax, não estava acima de qualquer suspeita. Ao longo do filme, o rigor disciplinar do patriarca vai ganhando contornos excessivamente violentos e essa frieza não deixa muitas dúvidas a respeito do segredo dessa família.

Família feliz: o patriarca cercado por suas meninas de ouro (photo by www.adorocinema.com.br)

Família feliz: o patriarca cercado por suas meninas de ouro (photo by http://www.adorocinema.com.br)

Isso não significa necessariamente uma falha, mas como a proposta de Alexandros Avranas era causar impacto desde a primeira cena, a resposta final, apesar de ainda forte, acaba soando um pouco óbvia. E também perde o frescor, ainda mais se considerarmos as semelhanças da nova tragédia grega lançada por Giorgos Lanthimos em seu Dente Canino em 2009. Também temos ali um núcleo familiar, violência e um universo paralelo.

Claro que isso não tira os méritos de Avranas. Sua direção se mostra bastante segura, explorando a fotografia nos planos estáticos e nos preciosos movimentos de câmera. A direção de arte e os figurinos acompanham a falta de cores fortes da fotografia com intenção de expôr a atmosfera de desafeto e a falta de sentimentos da casa. Também vale ressaltar a excelente escolha da música “Dance me To the End of Love”, de Leonard Cohen para a sequência do aniversário.

“A família na Grécia serve para falar sobre a sociedade. Podemos olhar para a família com uma lupa e encontrar os defeitos sociais. Tudo está muito cruel e o cinema grego não fazia nada. Isso está mudando”, disse o diretor numa entrevista à Folha de S. Paulo. Ao assistir ao filme, fica impossível não buscar respostas na crise econômica que atingiu bruscamente a Grécia. O desemprego, a assistência social, a economia nas despesas, está tudo impresso no filme.

Disciplina rígida: o patriarca dita as normas da casa (photo by http://plays2place.com/?portfolio=missviolence)

Disciplina rígida: o patriarca dita as normas da casa (photo by http://plays2place.com/?portfolio=missviolence)

Além do próprio conterrâneo Dente Canino, é possível fazer uma breve analogia com alguns filmes que têm a crise internacional como pano de fundo. No ano passado por exemplo, o sul-coreano Kim Ki-duk explorou atitudes extremamente brutais de seu protagonista, que decepava membros de devedores para coletar o dinheiro do seguro em Pieta, vencedor do Leão de Ouro 2012.  Aliás, na última edição do Festival de Veneza, o diretor artístico do evento, Alberto Barbera, revelou ter ficado impressionado com a quantidade de filme sombrios inscritos: “Os cineastas decidiram encarar o fato de que estamos vivendo um tipo de crise de todos os valores da nossa civilização.” Indo mais à fundo na questão, Barbera continua: “Não é só uma questão de crise financeira, é o fato de que perdemos um sistema de valores que manteve nossas sociedades vivas até agora, e já não o temos mais. Acho que os filmes gregos estão pelo menos obliquamente lidando com a crise de uma forma que a maioria das outras indústrias nacionais não lida”.

Se as seqüelas desumanas da 2ª Guerra Mundial criaram o Neo-realismo italiano, e a crise econômica argentina foi diretamente responsável pela origem de personagens e histórias humanistas do novo cinema argentino, a crise na Grécia também pode ser classificada como um daqueles “males que vêm para o bem”. Como cinéfilo, espero que os males da nossa política tão corrupta e o sistema brasileiro de justiça falho possam em breve gerar filmes igualmente reflexivos que estimulem a população a repensar o país.

AVALIAÇÃO: BOM

O elenco de Miss Violence dosa a frieza de seus personagens (photo by http://plays2place.com/?portfolio=missviolence)

O elenco de Miss Violence dosa a frieza de seus personagens (photo by http://plays2place.com/?portfolio=missviolence)

* Miss Violence está sendo exibido pela Mostra Internacional de Cinema de São Paulo (www.mostra.org). Ainda sem previsão de estréia, se for lançado no circuito comercial de cinema, o filme deve ficar restrito a salas mais alternativas devido ao tema.

Rush: No Limite da Emoção (Rush), de Ron Howard (2013)

Rush: No Limite da Emoção

Rush: No Limite da Emoção

Eu sei. Quem vai querer assistir a um filme de ficção de Fórmula 1? E pra piorar, esse pôster e esse subtítulo não ajudam em absolutamente nada na motivação do público! Desde que o nosso piloto campeão Ayrton Senna se foi em 1994, o esporte nunca mais foi o mesmo. Hoje quando ligamos a TV no domingo, aquela mesmice de pilotos (pra não dizer que Sebastian Vettel ganha sempre), táticas costumeiras de pit stop, poderosos politicamente corretos decidindo qual dos pilotos deve ganhar, e o Galvão Bueno tentando animar a corrida sem sucesso torna tudo mais monótono. Felizmente, a verdade é que no novo filme de Ron Howard, o esporte serve como meio para a rivalidade de anos entre os dois personagens James Hunt e Niki Lauda.

Particularmente, não faria tanta questão de assistir ao filme no cinema se não houvesse um burburinho de Oscar. Como postado anteriormente (confira link da previsão do Oscar 2014: https://cinemaoscareafins.wordpress.com/2013/08/22/oscar-2014-primeirissima-previsao/), Rush: No Limite da Emoção tem chances nas categorias de Ator Coadjuvante (para Daniel Brühl), Roteiro Original e Efeitos Sonoros. Claro que o fato de ter sido dirigido pelo vencedor do Oscar, Ron Howard, pode colaborar para mais algumas indicações, e a bilheteria pode ter forte influência. Em sua primeira semana nos EUA, o filme arrecadou razoáveis 10 milhões de dólares, estreando em 3º lugar.

Como explorado no filme, a rivalidade entre Hunt e Lauda tem início na Fórmula 3, uma categoria mais carente tecnicamente do automobilismo. Lá, a competitividade germina através de uma tática arriscada de Hunt que culminou na batida e consequente saída de Lauda da corrida. Ao tirar satisfação, o austríaco Lauda acaba provocando uma discussão que expõe diferenças de estilo de vida. Enquanto Lauda se mostra um exímio conhecedor mecânico, dedicado a ponto de renunciar aos prazeres da vida, o outro é o típico playboy agraciado com beleza e carisma.

Aliás, o casting do filme é algo a ser celebrado. O ator Chris Hemsworth (o semi-deus Thor) e a jovem revelação alemã Daniel Brühl, que ficou conhecido por Adeus, Lenin! e Bastardos Inglórios, são praticamente cópias de seus personagens James Hunt e Niki Lauda, respectivamente. Claro que Brühl precisou de uma ajudinha da maquiagem para torná-lo mais parecido com um “rato austríaco”.

À esquerda, o austríaco Nikki Lauda ao lado do americano James Hunt

À esquerda, o austríaco Nikki Lauda ao lado do britânico James Hunt…

... e à esquerda Chris Hemsworth ao lado de Daniel Bruhl

… e à esquerda Chris Hemsworth ao lado de Daniel Brühl. Nota alguma semelhança?

O longa de Ron Howard busca focar mais essa rivalidade em 1976, fatídico ano em que Niki sofreu um acidente trágico que o colocou no hospital com queimaduras que desfiguraram seu rosto. Durante sua ausência, Hunt se aproximava da liderança e tudo caminhava para uma conquista fácil do campeonato, até que Lauda retornou às pistas motivado pela própria rivalidade que fervia entre ambos e reaquecer as corridas finais.

Por se tratar de um filme baseado em fatos históricos reais, a riqueza de detalhes na reconstrução de época através da direção de arte e figurino impressionam. Além disso, Ron Howard copia milimetricamente o acidente de Lauda (é possível atestar a verossimilhança nos créditos finais, quando o acidente real é exibido). Também vale mencionar o ótimo trabalho de maquiagem de Mark Coulier (vencedor do Oscar por A Dama de Ferro em 2012), que usou uma aplicação dentária e prostéticos para recriar as queimaduras de Niki Lauda.

Maquiagem de Mark Coulier se mostra coerente com a reconstrução da época (photo by tobyhusseyreporting.wordpress.com)

Maquiagem de Mark Coulier se mostra coerente com a reconstrução da época (photo by tobyhusseyreporting.wordpress.com)

Em entrevista, Daniel Brühl confessou que sentia inveja de Chris Hemsworth, assim como seu personagem, já que ele precisava se apresentar às 3h da manhã no set de filmagem por causa da maquiagem. “Eu ficava louco porque eu tinha que me sentar por seis a sete horas. Às vezes eu olhava pro cronograma e eu me lembro que um dia estava dizendo que Chsris Hemsworth tinha que se apresentar às 10h. Primeira cena era beijar uma enfermeira. Segunda cena era fazer sexo no avião. Minha cena era trocar de pneus!”, desabafa Daniel.

Daniel também revelou que ficou bem relaxado durante o teste para o papel, porque não acreditava que conseguiria. “Eles foram bastante ousados em oferecer este papel para um ator alemão. Felizmente, Ron Howard e eu tivemos uma conexão instantânea. Nós conversávamos tanto que não tive que atuar.” Ele também passou algum tempo na Áustria para aprender o sotaque, mas acima de tudo, soube dar humanidade a um personagem que facilmente poderia se tornar um antagonista bidimensional. Se bem lembrado pela crítica, Daniel Brühl deve conquistar sua primeira indicação ao Oscar.

Daniel Bruhl conversa com o diretor Ron Howard (photo by www.beyondhollywood.com)

Daniel Brühl conversa com o diretor Ron Howard (photo by http://www.beyondhollywood.com)

Em nova parceria com Ron Howard, depois de Frost/Nixon, o roteirista Peter Morgan tem se tornado especialista em pesquisar fatos históricos e transformá-los em grandes roteiros repletos de dramaticidade (foi assim também em O Último Rei da Escócia e A Rainha). Aqui, ele faz um levantamento da rivalidade dos pilotos e traz à tona sua profunda pesquisa de detalhes pessoais para enriquecer os personagens. Porém, talvez seu grande mérito seja criar humor nessa relação de amor e ódio para tornar o filme mais leve.

É importante ressaltar o foco do diretor e do roteirista na questão do tamanho da influência que a paixão pelas corridas e a obsessão pela rivalidade afetam a vida pessoal dos personagens. Estariam dispostos a abrir mão de necessidades básicas para atingir seus objetivos? Esse deterioramento dos personagens me lembra um pouco a obsessão doentia de caçar um serial killer no filme Zodíaco, de David Fincher.

Rush: No Limite da Emoção está longe da qualidade de Grand Prix (1966), talvez o melhor filme de Fórmula 1 da história, mas tem suas virtudes e empolga o público, que embarca graças aos personagens centrais. Como ressaltou a crítica de Inácio Araújo, da Folha de S. Paulo, apesar do filme se tratar do esporte, a melhor sequência se dá quando vemos Niki Lauda pedindo carona à sua futura esposa, expondo todos os temas numa só tacada.

A melhor sequência do filme (photo by www.OutNow.CH)

A melhor sequência do filme (photo by http://www.OutNow.CH)

CHANCES NO OSCAR: Indicações para Ator Coadjuvante (Daniel Brühl), Maquiagem e Efeitos Sonoros. Visão otimista: Melhor Filme, Direção, Roteiro Original e Montagem.

AVALIAÇÃO: BOM

Depois de Lúcia (Después de Lucía), de Michel Franco (2012)

Pôster original de Depois de Lúcia, de Michel Franco

Pôster original de Depois de Lúcia, de Michel Franco

Segundo filme de Michel Franco descrê na Educação

Qual seria a função do cinema? Muitos responderiam “entretenimento” e não estariam de todo errados. O cinema de hoje é fruto do boom blockbusteriano originado em 1975 com o sucesso de Tubarão, de Steven Spielberg. Antes disso, cinema era visto (apenas) como Sétima Arte, permeado por cineastas consagrados como Jean-Luc Godard, Michelangelo Antonioni, Federico Fellini e Jean Renoir. Nesses tempos, os filmes eram um dos melhores meios de analisarmos a sociedade e este é o motivo desses mesmos filmes continuarem sendo atemporais.

Hoje, a regra virou exceção. Quando encontramos um filme em cartaz que esteja disposto a colocar uma luz sobre os problemas da sociedade, deveria ser um convite irrecusável em meio a tantas produções vazias. Contudo, o mercado cinematográfico nacional, tendo em mãos as estatísticas e estudos da preferência do público brasileiro, parece não se importar com o poder crítico do cinema, uma vez que o filme mexicano Depois de Lúcia estreou nesse dia 22 de março em apenas três (três!) salas em São Paulo, o maior pólo cultural do país: Cine Sabesp, Espaço Itaú de Cinema – Frei Caneca e Reserva Cultural.

Claro que o segundo longa de Michel Franco não se encaixa nos moldes de sucesso, mesmo que alternativos, pois sequer tem nomes famosos. A única publicidade que poderia atrair mais espectadores seria o prêmio Un Certain Regard (Um Certo Olhar) recebido no último Festival de Cannes. Mas para quem resolver dar uma chance ao filme, descobrirá qualidades de observação da sociedade mexicana e os problemas educacionais enfrentados em escolas de todo o mundo.

Da esquerda para a direita: Os atores Hernan Mendoza e Tessa Ia ao lado do diretor Michel Franco no Festival de Cannes (photo by www.cinemagia.ro)

Da esquerda para a direita: Os atores Hernan Mendoza e Tessa Ia ao lado do diretor Michel Franco no Festival de Cannes (photo by http://www.cinemagia.ro)

Depois de Lúcia começa com a mudança de cidade, da costa do Pacífico (Puerto) para a Cidade do México, do chef de cozinha Roberto e sua filha adolescente Alejandra. Apesar de haver poucas explanações, a Lúcia do título é a mãe da família, morta recentemente em um acidente automobilístico, e isso basta para situar o espectador da situação de luto dos personagens. A jovem Alejandra mantém um relacionamento de cumplicidade com o pai, mas não há diálogo suficiente sobre como lidar com problemas da nova vida. Inicialmente aceita por um grupo de amigos da escola, ela acaba cometendo um deslize comum nessa idade. Porém, sem querer importunar o pai nesse momento delicado, ela resolve enfrentar calada a tortura física e psicológica que seus colegas de classe impõem nesse julgamento moral.

Obviamente, não há nada muito novo nesse tema tão na moda como o bullying, mas a abordagem de Franco deixa o público atônito com a realidade cruel do universo de filhos e alunos de hoje enquanto o mantém de mãos atadas sem qualquer poder de reação diante das imagens. Sem poder contar com o amparo das forças policiais e da política, o diretor faz com que o espectador se sinta inútil e ausente perante a decadência dos jovens de hoje. Já na tela, o pai de Alejandra, Roberto, até clama por justiça, mas não vê outro meio de fazer algo de concreto pela filha a não ser se despir dos pudores morais.

A atriz Tessa Ia dá vida à personagem Alejandra numa jornada de martírio silencioso (photo by OutNow.CH)

A atriz Tessa Ia dá vida à personagem Alejandra numa jornada de martírio silencioso (photo by OutNow.CH)

Apesar do cinema fazer algumas alterações ou mesmo exagerar em algumas situações para comprovar seu ponto de vista, este filme busca ser apenas um retrato fiel da sociedade mexicana atual. Num artigo do escritor David Toscana, publicado no Estado de S. Paulo no dia 11 de março de 2013, intitulado “O México parou de ler”, temos um relato chocante sobre a ineficiência do sistema educacional mexicano. Toscana afirma que, embora haja mais crianças matriculadas hoje, elas aprendem menos. Cita também a recente pesquisa de avaliação de hábitos de leitura feita pela Unesco com 108 países, na qual o México caiu para a vergonhosa penúltima colocação. As crianças mexicanas estão saindo das escolas praticamente como analfabetas.

Infelizmente, muito desse estudo se reflete no Brasil. Nessa semana, o MEC proibiu a criação de novos cursos de Direito simplesmente porque o nível de aprovação no exame da Ordem de Advogados do Brasil (OAB) era baixíssimo. O índice de reprovação foi de 93%! E o que dizer do último ENEM? Dois candidatos resolveram brincar na redação sobre imigração ao inserirem uma receita de miojo e trecho do hino do clube de futebol Palmeiras, conseguindo ainda pontuação média. Apesar da atitude ridícula dos estudantes, impressiona o método de avaliação aplicado. Vale ainda lembrar que há mais de um ano vemos nos noticiários mortes e acidentes graves causados por erros gritantes de enfermeiros e auxiliares de enfermagem nos hospitais públicos.

O colunista da Folha de S. Paulo, José Simão, até brincou com a situação degradante do ensino. “… enquanto aluno do Enem dá receita de Miojo, (Aloizio Mercadante – Ministro da Educação) se regala com macarronada em Roma (paparicando o novo Papa ao lado da Dilma)”. Enquanto não houver “A” reforma educacional, o Brasil permanecerá sendo mero candidato a país do futuro.

Atitudes infantis no ENEM desmascaram sistema de avaliação falho (foto por castrodigital.com.br)

Atitudes infantis no ENEM desmascaram sistema de avaliação falho (foto por castrodigital.com.br)

Claro que não se trata apenas da educação como formação acadêmica. Depois de Lúcia procura resgatar a educação politicamente incorreta que havia algumas décadas atrás, quando pais e professores aplicavam disciplina com rigor. Havia uma espécie de permissão dos pais para que castigos físicos pudessem fazer parte do método de ensino. Hoje, esse mesmo método é visto com maus olhos porque a sociedade acredita que punições físicas são coisas ultrapassadas e inadequadas, porém, tinha um objetivo muito definido: dignidade e respeito ao próximo. Muitos professores brasileiros que atuam no sistema público votariam a favor da volta da palmatória. Provavelmente, se a boa e velha palmatória permanecesse nos manuais escolares, hoje haveria menos Alejandras.

Depois de Lúcia, ou como os americanos dizem After Lucia, foi nomeado o representante do México na disputa pelo Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, mas como o número de indicados permanece cinco, e o longa apresenta sequências violentas, acabou ficando de fora. Felizmente estreou por aqui, mas corra esta semana para assistir antes que saia de cartaz para dar lugar a um filme vazio. E recomendo também o filme A Caça, de Thomas Vinterberg, outro tapa na cara do politicamente correto. Estreou apenas na sala Espaço Itaú de Cinema- Augusta.

AVALIAÇÃO: BOM