Novo filme de Spielberg, ‘THE POST’, leva MELHOR FILME no NATIONAL BOARD OF REVIEW

The Post

Tom Hanks divide cena com Meryl Streep em The Post (pic by outnow.ch)

GRUPO TRADICIONAL FORMADO POR CINÉFILOS, ACADÊMICOS E CINEASTAS DÁ UMA FORCINHA PARA ‘THE POST’, QUE PERMANECIA UMA INCÓGNITA

O que acontece quando Steven Spielberg, Meryl Streep e Tom Hanks se juntam no mesmo projeto? Cheirinho de Oscar, certo? O National Board of Review resolveu dar uma forcinha para The Post, já que até então, o novo filme de Spielberg era considerado uma incógnita total, já que ninguém tinha conferido ainda.

The Post, que aqui ganhou o subtítulo “A Guerra Secreta”, destrincha a batalha que o jornal The Washington Post travou com o governo americano quando publicou segredos de Estado, intitulados de Pentagon Papers (documentos do Pentágono), nos anos 70. Em tempos de protesto contra o governo Trump, o filme se mostra relevante no cenário atual, já que existe uma briga entre imprensa e governo sobre a influência russa na eleição de Donald Trump.

As vitórias dos atores centrais, Tom Hanks e Meryl Streep, certamente os coloca na corrida para as indicações ao Oscar. Streep tem todas as cartas na manga para conquistar sua 21ª indicação, um recorde que cresce a cada ano. Já Hanks temos que ter certa cautela. Embora tenha se destacado em filmes recentes como Capitão Phillips e Sully: O Herói do Rio Hudson, o ator sempre acaba morrendo na praia. Não sei se mais alguém pensa como eu, mas faz muito tempo que não vejo uma performance que consigo esquecer que estou vendo Tom Hanks.

Claro que a alavancada do National Board of Review ajuda The Post em sua campanha, mas não significa grande chance de vitória no Oscar. Nos últimos anos, a organização concedeu o prêmio de Melhor Filme para Manchester à Beira-Mar, Mad Max: Estrada da Fúria, Ela e A Hora Mais Escura. Embora todos tenham sido indicados ao Oscar, nenhum deles saiu com o Oscar de Melhor Filme. Sem contar O Ano Mais Violento (2014), que sequer recebeu indicação ao Oscar. E o último acerto de Melhor Filme do NBR foi lá em 2008, quando reconheceu Quem Quer Ser um Milionário?, de Danny Boyle. Faz tempo.

Entre os vencedores desta edição, chama bastante a atenção a vitória de Greta Gerwig na direção. Em seu segundo trabalho como diretora, ela recebeu muitos elogios por sua visão bastante feminina em Lady Bird. Resta saber se seu reconhecimento é por méritos ou por tempos politicamente corretos.

MELHOR FILME
The Post – A Guerra Secreta

MELHOR DIREÇÃO
Greta Gerwig (Lady Bird – É Hora de Voar)

MELHOR ATOR
Tom Hanks (The Post – A Guerra Secreta)

MELHOR ATRIZ
Meryl Streep (The Post – A Guerra Secreta)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Willem Dafoe (Projeto Flórida)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Laurie Metcalf (Lady Bird – É Hora de Voar)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
Paul Thomas Anderson (Trama Fantasma)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Scott Neustadter e Michael H. Weber (Artista do Desastre)

MELHOR ANIMAÇÃO
Viva – A Vida é uma Festa (Coco)

MELHOR REVELAÇÃO
Timothée Chalamet (Me Chame Pelo seu Nome)

MELHOR DIRETOR ESTREANTE
Jordan Peele (Corra!)

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
Foxtrot
Dir: Samuel Maoz (ISRAEL)

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Jane
Dir: Brett Morgen

MELHOR ELENCO
Corra!

PRÊMIO SPOTLIGHT
Patty Jenkins e Gal Gadot (Mulher-Maravilha)

PRÊMIO LIBERDADE DE EXPRESSÃO
First They Killed my Father; Dir: Angelina Jolie
Let it Fall: LA 1982-1992; Dir: John Ridley

Melhores filmes
Em Ritmo de Fuga (Baby Driver)
Me Chame Pelo Seu Nome (Call me by your Name)
Artista do Desastre (The Disaster Artist)
Pequena Grande Vida (Downsizing)
Dunkirk
Projeto Flórida (The Florida Project)
Corra! (Get Out)
Lady Bird – É Hora de Voar (Lady Bird)
Logan (Logan)
Trama Fantasma (Phantom Thread)

Melhores filmes independentes
Beatriz at Dinner
Bigsby Bear
A Ghost Story
Logan Lucky – Um Roubo em Família (Logan Lucky)
Com Amor, Van Gogh (Loving Vincent)
Menashe
Patti Cake$
Terra Selvagem (Wind River)
Norman: Confie em Mim (Norman: The Rise and Tragic Fall of a New York Fixer)

Melhores filmes estrangeiros
Uma Mulher Fantástica (Una Mujer Fantástica)
Frantz
Verão 1993 (Estiu 1993)
Loveless (Nelyubov)
The Square

Melhores documentários
Abacus: Pequeno o Bastante Para Condenar
Brimstone & Glory
Eric Clapton: A Life in 12 Bars
Visages, Villages
Hell On Earth: The Fall of Syria and the Rise of ISIS

Anúncios

Americanos dominam Veneza, mas filme filipino ‘The Woman Who Left’ leva o Leão de Ouro

the-woman-who-left-ang-babaeng-humayo-venice

Cena de “The Woman Who Left”, de Lav Diaz (photo by Venice Cortesy through Variety)

DIANTE DE VÁRIAS OPÇÕES INTERESSANTES,
SAM MENDES CONSEGUIU BOM EQUILÍBRIO NA PREMIAÇÃO ITALIANA

Deve ser difícil ser o presidente do júri de um grande festival como Veneza. Primeiramente, tem que assistir a uma série de filmes bons e instigantes que muitas vezes exigem uma preparação do espectador. Depois, precisa analisar e selecionar aqueles que considera melhores num âmbito artístico em que, teoricamente, não há melhores ou piores. E após a divulgação dos resultados, pode ser severamente criticado por suas escolhas, ou acusado de patriotismo, coleguismo ou nepotismo.

Levando tudo isso em consideração, o diretor americano Sam Mendes, aquele mesmo prodígio de Beleza Americana, teve a audácia de assumir essa responsabilidade. Premiou quatro filmes americanos nas categorias principais, mas deixou o prêmio máximo para uma produção filipina de 4 horas de duração.

lav-diaz-venice

O diretor filipino Lav Diaz e seu Leão de Ouro (photo by qz.com)

Alguns podem  se questionar: “Será que ele quis impressionar através de um alto cunho artístico? Ou simplesmente escolheu aquele longa que mais mexeu com ele?”. Particularmente, acredito que a última opção foi o que aconteceu, mas de qualquer forma, o presidente fica muito suscetível a questionamentos.

O fato é que o diretor filipino Lav Diaz possui uma filmografia bastante densa. Seus filmes costumam ter alta duração e tópicos profundos. E The Woman Who Left, um drama de vingança sobre uma professora presa por 30 anos acusada erroneamente, deve ser mais uma gema para sua coleção. Filmado em preto-e-branco, o filme foi altamente recomendado por críticos, que ressaltaram o estudo que faz da moral.

Voltando à questão do júri e de suas escolhas, acho interessante esse papel dos festivais de instigar diretores autorais através de premiações a se reinventarem ou jogar uma luz onde não havia, pois isso que alimenta o Cinema como Arte. Em seu discurso de agradecimento, Lav Diaz declarou: “Isto é para meu país, para o povo filipino, por nossa luta da humanidade”.

Quanto aos filmes norte-americanos, havia realmente um apanhado de boas produções selecionadas que podem, e devem figurar na temporada de premiações de 2017, e talvez por isso mesmo, Sam Mendes não tenha se esforçado tanto para conceder o Leão de Ouro a uma dessas produções com lugar cativo no Oscar. Vale ressaltar que Gravidade e Birdman são exemplos recentes de produções que se destacaram em Veneza e acumularam estatuetas do Oscar na sequência.

Em apenas seu segundo trabalho como diretor, o estilista mundialmente reconhecido da Gucci, Tom Ford, retorna à Veneza após o ótimo drama Direito de Amar (2009) para apresentar outro drama contundente intitulado Nocturnal Animals. Também se trata de uma história de vingança que dialoga com o mundo artístico de Los Angeles e com o mundo do crime do Texas. Ford contou com a colaboração de atores em alta em Hollywood como Amy Adams, Jake Gyllenhaal e Michael Shannon. Já podemos arriscar suas indicações ao Oscar 2017?

nocturnal-animals

Jake Gylenhaal (centro) e Michael Shannon (à direita) em cena de Nocturnal Animals (photo by independent.co.uk)

Os outros dois filmes mais falados em Veneza também são americanos: o musical La La Land, e o drama Jackie. O primeiro é o musical dirigido pelo talentoso Damien Chazelle de Whiplash: Em Busca da Perfeição. Para quem viu o trailer, dá pra se ter altas expectativas pelo visual e por se tratar de um musical mais jazz e inusitado. Por sua performance, Emma Stone levou o Volpi Cup de Melhor Atriz. Infelizmente, ela não estava presente na cerimônia, pois seria uma surpresa e tanto!

Trailer oficial de La La Land, de Damien Chazelle (Lions Gate Movies)

A vitória de Stone surpreendeu um pouco porque Natalie Portman como a primeira-dama Jacqueline Kennedy em Jackie estava no topo das casas de apostas. O drama dirigido pelo chileno Pablo Larraín concentra sua trama no pós-assassinato do presidente Kennedy, quando Jackie estava de luto, precisava consolar seus filhos e tomar as rédeas para honrar o legado de seu marido. Se Portman saiu de mãos abanando, pelo menos o roteiro de Noah Oppenheim saiu reconhecido.

natalie-portman-jackie-kennedy

Natalie Portman como a ex-Primeira Dama, Jacqueline Kennedy, em Jackie (photo by vogue.com)

E a última produção americana premiada foi The Bad Batch, de Ana Lily Amirpour. Conhecida pelo inovador filme iraniano de vampiros falado em persa, Garota Sombria Caminha Pela Noite, a jovem diretora trouxe outro filme com “peculiaridades”: uma história de amor que se passa num Texas à la western com comunidade de canibais. Particularmente, fiquei curioso pra saber como estão as performances de dois atores bastante rotulados: Jim Carrey e Keanu Reeves.

Falando em atores, o prêmio Volpi Cup de Ator foi para o argentino Oscar Martinez na dramédia The Distinguished Citizen, no qual interpreta um vencedor de prêmio Nobel de Literatura que retorna à sua cidade natal em busca de inspiração. Como todo bom filme argentino, apresenta críticas contemporâneas como a fama, ao mesmo tempo em que nos diverte com diálogos perfeitos e atuações sucintas.

Actor Oscar Martinez holds the Volpi Cup prize for best actor for the movie "The Distinguished Citizen" during the awards ceremony at the 73rd Venice Film Festival in Venice

Oscar Martinez segura seu Volpi Cup de Melhor Ator por “The Distinguished Citizen” Photo by REUTERS/Alessandro Bianchi

E o único empate desta edição ficou na categoria de Direção, dividido entre o mexicano Amat Escalante por The Untamed, e o russo Andrei Konchalovsky, que trouxe o drama do Holocausto, Paradise.

 

VENCEDORES DA 73ª EDIÇÃO DE VENEZA

LEÃO DE OURO
“The Woman Who Left,” de Lav Diaz

LEÃO DE PRATA DE MELHOR DIRETOR (EMPATE)
“Paradise,” Andrei Konchalovsky
“The Untamed,” Amat Escalante

GRANDE PRÊMIO DO JÚRI
“Nocturnal Animals,” Tom Ford

tomfordvenice

O elegante Tom Ford posando com seu Grande Prêmio do Júri pelo drama “Nocturnal Animals” (photo by hollywoodreporter.com)

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI
“The Bad Batch,” Ana Lily Amirpour

ana_lily_amirpour_640x360_afp_nocredit

A jovem diretora Ana Lily Amirpour com seu Prêmio do Júri por ‘The Bad Batch’ (photo by Getty Images through BBC.com)

ATOR
Oscar Martinez (“The Distinguished Citizen”)

ATRIZ
Emma Stone (“La La Land”)

PRÊMIO MARCELLO MASTROIANNI PARA JOVENS ATORES
Paula Beer (“Frantz”)

MELHOR ROTEIRO
Noah Oppenheim  (“Jackie”)

PRÊMIO LUIGI DE LAURENTIIS
“The Last of Us,” Ala Eddine Slim

MOSTRA HORIZONTES

MELHOR FILME
“Liberami,” Federica di Giacomo

MELHOR DIRETOR
“Home,” Fien Troch

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI
“Big Big World,” Reha Erdam

PRÊMIO ESPECIAL PARA MELHOR ATOR
Nuno Lopes (“São Jorge”)

PRÊMIO ESPECIAL PARA MELHOR ATRIZ
Ruth Diaz (“The Fury of a Patient Man”)

MELHOR ROTEIRO
Wang Bing (“Bitter Money”)

MELHOR CURTA-METRAGEM
“La Voz Perdida,” Marcelo Mantinessi, Paraguay

VENICE CLASSICS AWARDS

MELHOR DOCUMENTÁRIO
“Le Councours,” Claire Simon

MELHOR FILME RESTAURADO
“Break-Up — L’uomo dei cinque palloni,” Marco Ferreri