Rapidinhas de Cannes 2013

A jovem atriz Emma Watson rouba a cena no tapete vermelho em Cannes

A jovem atriz Emma Watson rouba a cena no tapete vermelho em Cannes

Nada como um tapete vermelho para promover os filmes em exibição em Cannes. Mesmo não se tratando de um candidato ao prêmio máximo, a Palma de Ouro, o novo filme de Sofia Coppola, Bling Ring: A Gangue de Hollywood, encarregou-se de atrair os holofotes da mídia, uma vez que sua atriz principal é ninguém menos que a jovem Emma Watson, a Hermione da série Harry Potter. Vista como talento promissor, Watson interpreta um membro de uma gangue de adolescentes que assalta casas e mansões de celebridades de Hollywood depois de obter informações pela internet.

Certa vez li numa publicação nacional que Sofia Coppola, filha do lendário diretor Francis Ford Coppola, só fazia filmes sobre patologias da burguesia atual, tais como melancolia e vazio existencial. Claro que As Virgens Suicidas (1999), Encontros e Desencontros (2003) e Maria Antonieta (2006) dialogam com essa temática, mas nem por isso deixam de apresentar perspectivas interessantes. Neste novo trabalho, ela procura destrinchar o universo adolescente de hoje através dessa obsessão quase doentia de transpôr a vida pessoal nas redes sociais. Os ladrões da gangue não precisam necessariamente do dinheiro, mas buscam o glamour das estrelas através de jóias e roupas caras e postar as fotos para os amigos e seguidores virtuais apreciarem. Novos tempos.

Em entrevista no festival, a diretora e roteirista, Sofia Coppola, brincou: “Sou tão feliz por não ter tido Facebook quando eu era adolescente!”. Claire Julien, outra atriz do filme, declarou: “Facebook hoje é quase uma obrigação, porque todo mundo tem e você acha que vai ficar pra trás se não tiver”.

Equipe de Fruitvale Station: Melonie Diaz, o diretor Ryan Coogler, Michael B. Jordan e Octavia Spencer

Equipe de Fruitvale Station: Melonie Diaz, o diretor Ryan Coogler, Michael B. Jordan e Octavia Spencer

Apesar de todo o burburinho em volta de Bling Ring: A Gangue de Hollywood, o filme que acabou se destacando mais na competição Un Certain Regard até o momento foi o drama independente americano Fruitvale Station. Baseado em fatos verídicos, o longa conta a história do jovem negro que foi assassinado por policiais brancos em 2008.

Após sua exibição, o longa foi aplaudido de pé por cinco minutos. Muitos da mídia apostam que o primeiro longa de Coogler tem grandes chances de repetir o feito de outra produção independente: Indomável Sonhadora, pois igualmente conquistou o Grande Prêmio de Sundance esse ano, tem ótimas possibilidades de conquistar um prêmio em Cannes e poderá concorrer em principais categorias do Oscar 2014, inclusive como Melhor Ator (Michael B. Jordan), que arrancou críticas excepcionais. Aliás, o Oscar deve se tornar realidade, pois a Weinstein Company, que costuma fazer lobbys bem fortes, comprou os direitos do filme.

A nova musa de Cannes, Marine Vacth, em cena de Jeune et Jolie, de François Ozon

A nova musa de Cannes, Marine Vacth, em cena de Jeune et Jolie, de François Ozon

Já pela competição oficial, o novo filme do conceituado diretor François Ozon também busca destrinchar esse vazio da juventude atual em Jeune et Jolie. Logo tachado como o novo A Bela da Tarde pela imprensa internacional, o filme acompanha a trajetória da jovem de 17 anos que procura sexo por puro prazer, sem necessidades financeiras ou mesmo culpa. A semelhança com a história da brasileira Bruna Surfistinha é nítida, mas digamos que Ozon oferece um olhar mais intimista e delicado, a começar pela escolha da protagonista.

Descoberta aos 17 anos como modelo, Marine Vacth, impressionou a todos com sua beleza exuberante. Porém, o diretor não buscava apenas beleza: “Em seus olhos, eu podia ver que havia um mundo inteiro ali. Um mistério e uma tristeza que eram exatamente o que procurava no meu filme”.

Assim como o filme foi comparado ao de Luís Buñuel, obviamente ela também foi comparada à musa Catherine Deneuve. Em resposta, Marine foi sucinta e profissional: “Não sou Catherine Deneuve. Quero ser eu mesma e não seguir os passos dos outros”. Se ela e o agente souberem escolher sabiamente futuros projetos, a atriz tem tudo para conquistar novos horizontes, como fez a francesa Eva Green, por exemplo.

A equipe de Inside Llewyn Davis (da esq. para dir.): Garrett Hedlund, Joel Coen, Oscar Isaac, Carey Mulligan, Justin Timberlake, Ethan Coen, Johnn Goodman e o músico T-Bone Burnett

A equipe de Inside Llewyn Davis (da esq. para dir.): Garrett Hedlund, Joel Coen, Oscar Isaac, Carey Mulligan, Justin Timberlake, Ethan Coen, John Goodman e o músico T-Bone Burnett

Já considerado favorito à Palma de Ouro, o novo trabalho dos irmãos Coen, Inside Llewyn Davis, apresenta o protagonista-título como um cantor folk no cenário musical da Nova York de 1961. Apesar de fictício, o personagem seria uma mistura de vários artistas musicais da época, inclusive de Bob Dylan, que o filme tem ligação quase direta.

Inside Llewyn Davis seria um road movie, com direito a um gato chamado Ulisses (referência direta de Homero, cuja obra “A Odisséia” foi adaptado pelos irmãos Coen em E Aí, Irmão, Cadê Você? em 2000) e o mesmo ator do road movie de Walter Salles, Na Estrada, Garrett Hedlund. Entretanto, o maior elogio foi para a atuação do protagonista, Oscar Isaac, pois além de sua interpretação, canta as composições do músico T-Bone Burnett. Seria mais um fortíssimo candidato ao Oscar de Melhor Ator de 2014.

Trata-se da oitava indicação de Joel Coen e Ethan Coen à Palma de Ouro, tendo levado apenas uma em 1991 pelo drama Barton Fink – Delírios de Hollywood. Mas já conquistaram outros prêmios como direção pelo mesmo filme, Fargo em 1996, e por O Homem que Não Estava Lá em 2001, comprovando que os diretores são mesmo queridinhos em Cannes.

Anúncios

Vencedores do National Board of Review 2012

National Board of Review

Seguindo a escalada de prêmios de críticos americanos, depois do círculo de críticos de Nova York divulgarem sua lista, chegou a vez do National Board of Review que reconhece os melhores do ano desde 1930 e tem como destaque o seu tradicional Top 10.

Depois de conquistar os nova-iorquinos, o filme de guerra de Kathryn Bigelow, Zero Dark Thirty, levou mais este importante prêmio: Melhor Filme, Melhor Direção e Melhor Atriz para Jessica Chastain. Claro que, em se tratando de um filme tão bem comentado e agora, premiado, não deve ficar limitado à caça em si do líder terrorista do Al-Qaeda, Osama Bin Laden, considerado o inimigo público nº1 dos Estados Unidos após os ataques de 11 de Setembro de 2001. Juntamente com o roteirista Mark Boal, a diretora busca refletir sobre o mundo de hoje através da guerra, e deve ainda responder a questão: Capturar ou matar Bin Laden resolve a questão?

Ficou bastante claro que a morte de um ditador não aniquila toda uma ideologia de governo que ele plantara. Foi assim com a captura do líder iraquiano Saddam Hussein, e a morte do norte-coreano Kim Jong-Il. Sinceramente, não sei se rotulo o pensamento americano ao deduzir que eles acreditam que a eliminação de um rei resolveria os problemas. Na verdade, isso é um jeito republicano, ou melhor, um jeito bem western que acabar tudo com uma bala. Como Zero Dark Thirty deve estrear aqui só no dia 18 de janeiro, não temos como adivinhar, mas é possível que o filme levante questões mais profundas como essas. Além disso, existe a possibilidade da produção colocar um pouco mais de luz nos misteriosos eventos da morte do terrorista, cujo corpo foi jogado ao mar, levantando dúvidas sobre a identidade do cadáver.

Se no NYFCC Awards, O Lado Bom da Vida (Silver Linings Playbook) saiu de mãos abanando, aqui ele sai vitorioso com os prêmios de Melhor Ator para Bradley Cooper (desbancando o favoritismo de Joaquin Phoenix e Daniel Day-Lewis) e Melhor Roteiro Adaptado para David O. Russell. Curiosamente, esperava-se que Jennifer Lawrence levasse o prêmio de Melhor Atriz, que acabou nas mãos da ruiva Jessica Chastain por Zero Dark Thirty, confirmando o talento de Kathryn Bigelow como diretora de atores.

Jessica Chastain em Zero Dark Thirty (photo by beyondhollywood.com)

Jessica Chastain em Zero Dark Thirty (photo by beyondhollywood.com)

Falando em atores, Leonardo DiCaprio conta seu primeiro ponto oficial na corrida de Melhor Ator Coadjuvante ao vencer por Django Livre, novo filme de Quentin Tarantino. Além de ótimo criador de personagens e diálogos, Tarantino passa a amadurecer ainda mais seus métodos de direção de atores. Ao ver o trailer, achei a performance de DiCaprio divertida com aquele sotaque e caracterização, que em algum ponto se assemelha ao Coronel Hans Landa de Bastardos Inglórios.

Vale ressaltar a surpresa da vitória de Ann Dowd como Melhor Atriz Coadjuvante pelo filme independente Compliance (que ainda não tem título em português e nem previsão de estréia no Brasil). Antes mesmo da temporada de prêmios começar, o filme já vinha criando um burburinho próprio depois de passar pelo Festival de Locarno (Suíça). Baseado em fato reais, o longa narra a história de uma gerente de um restaurante de fast-food que recebe uma ligação anônima com informações de que uma de suas funcionárias seria uma ladra.

Ann Dowd como a gerente do fast-food em Compliance (foto por Outnow.ch)

Ann Dowd como a gerente do fast-food em Compliance (foto por OutNow.CH)

Outra surpresa foi a vitória de Detona Ralph como Melhor Animação, batendo o franco-favorito Frankenweenie, de Tim Burton. Já o filme político de Ben Affleck, Argo, ficou com uma espécie de prêmio de consolação: o Special Achievement in Filmmaking. Havia também uma expectativa de que o musical de Tom Hooper, Les Misérables, levasse algo além de Melhor Elenco.

Nas categorias de estréias, o independente Indomável Sonhadora levou dois prêmios: Atriz Revelação para a pequena Quvenzhané Wallis, e Diretor Estreante para Benh Zeitlin. Existe a forte possibilidade dessa dupla conseguir indicações ao Oscar, além de Melhor Fotografia pelo apuro visual. Já o outro independente bem recebido, Moonrise Kingdom, de Wes Anderson, acabou ficando apenas entre os dez melhores filmes independentes.

Cena de Indomável Sonhadora (foto por Outnow.ch)

Cena de Indomável Sonhadora (foto por OutNow.CH)

Apesar de não ser o representante brasileiro por se tratar de uma co-produção entre França, Reino Unido, Estados Unidos e Brasil, o road-movie Na Estrada, dirigido pelo diretor brasileiro Walter Salles, foi incluso na lista das 10 melhores produções independentes. O longa também foi indicado à Palma de Ouro no último Festival de Cannes.

Segue lista completa dos premiados pelo National Board of Review:

MELHOR FILME:  ZERO DARK THIRTY, de Kathryn Bigelow
MELHOR DIREÇÃO: Kathryn Bigelow, ZERO DARK THIRTY
MELHOR ATOR: Bradley Cooper, O LADO BOM DA VIDA
MELHOR ATRIZ: Jessica Chastain, ZERO DARK THIRTY
MELHOR ATOR COADJUVANTE: Leonardo DiCaprio, DJANGO LIVRE
MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Ann Dowd, COMPLIANCE
MELHOR ROTEIRO ORIGINAL: Rian Johnson, LOOPER: ASSASSINOS DO FUTURO
MELHOR ROTEIRO ADAPTADO: David O. Russell, O LADO BOM DA VIDA
MELHOR ANIMAÇÃO: DETONA RALPH, de Rich Moore
Special Achievement in Filmmaking: Ben Affleck, ARGO
ATOR REVELAÇÃO: Tom Holland, O IMPOSSÍVEL
ATRIZ REVELAÇÃO: Quvenzhané Wallis,  INDOMÁVEL SONHADORA
DIRETOR ESTREANTE: Benh Zeitlin, INDOMÁVEL SONHADORA
MELHOR FILME ESTRANGEIRO:  AMOUR, de Michael Haneke
MELHOR DOCUMENTÁRIO: SEARCHING FOR SUGAR MAN, de Malik Bendjelloul
William K. Everson Film History Award: 50 ANOS DOS FILMES DE JAMES BOND
MELHOR ELENCO: LES MISÉRABLES, de Tom Hooper
Spotlight Award: John Goodman (ARGO, FLIGHT, PARANORMAN, CURVAS DA VIDA)
NBR Freedom of Expression Award: CENTRAL PARK FIVE, Ken Burns, Sarah Burns e David McMahon
NBR Freedom of Expression Award: PROMISED LAND, de Gus Van Sant

TOP FILMES (em ordem alfabética)

ARGO, de Ben Affleck
INDOMÁVEL SONHADORA, de Benh Zeitlin
DJANGO LIVRE, de Quentin Tarantino
LES MISÉRABLES, de Tom Hooper
LINCOLN, de Steven Spielberg
LOOPER: ASSASSINOS DO FUTURO, de Rian Johnson
AS VANTAGENS DE SER INVISÍVEL, de Stephen Chbosky
PROMISED LAND, de Gus Van Sant
O LADO BOM DA VIDA, de David O. Russell

TOP 5 FILMES ESTRANGEIROS

BARBARA, de Christian Petzold (Alemanha)
INTOCÁVEIS, de Olivier Nakache e Eric Toledano (França)
O GAROTO DE BICICLETA, de Jean-Pierre e Luc Dardenne (Bélgica)
NO, de Pablo Larraín (Chile)
WAR WITCH, de Kim Nguyen (Canadá)

Barbara, de Christian Petzold, da Alemanha.

Barbara, de Christian Petzold, da Alemanha (foto por OutNow.CH)

TOP 5 DOCUMENTÁRIOS

AI WEIWEI: NEVER SORRY, de Alison Klayman
DETROPIA, de Heidi Ewing e Rachel Grady
THE GATEKEEPERS, de Dror Moreh
THE INVISIBLE WAR, de Kirby Dick
ONLY THE YOUNG, de Elizabeth Mims e Jason Tippet

TOP 10 FILMES INDEPENDENTES

A NEGOCIAÇÃO, de Nicholas Jarecki
BERNIE, de Richard Linklater
COMPLIANCE, de Craig Zobel
MARCADOS PARA MORRER, de David Ayer
HELLO I MUST BE GOING, de Todd Louiso
LITTLE BIRDS, de Elgin James
MOONRISE KINGDOM, de Wes Anderson
NA ESTRADA, de Walter Salles
QUARTET, de Dustin Hoffman
SLEEPWALK WITH ME, de Mike Birbiglia

Sam Riley, Kristen Stewart e Garrett Hedlund em Na Estrada, de Walter Salles

Sam Riley, Kristen Stewart e Garrett Hedlund em Na Estrada, de Walter Salles

Apesar do National Board of Review não poder ser considerado um bom parâmetro para o Oscar, no ano passado, suas escolhas coincidiram nas categorias de Ator Coadjuvante (Christopher Plummer), Roteiro (Os Descendentes), Filme Estrangeiro (A Separação) e Animação (Rango).

As indicações ao Oscar serão anunciadas no dia 10 de janeiro de 2013, 3 dias antes da cerimônia do Globo de Ouro.