RETROSPECTIVA 2016: Um ano tenebroso

O host do Oscar 2017, Jimmy Kimmel, faz um pequeno quiz com habitante de Brooklyn

ANO FICA ASSOCIADO ÀS TRAGÉDIAS

Saudações aos cinéfilos que ficaram em casa neste fim de ano ou que conseguiram uma boa conexão de internet na praia! Primeiramente, gostaria de agradecer a todos que acompanharam aqui o blog ou pela página do Facebook, pois seu apoio significa muito pra mim, que continuo esse trabalho sem ganhar um único centavo!

Bom, acho que esse ano foi extremamente tenebroso a ponto de agradecer que estamos vivos ainda! Teve muita gente bacana partindo, muitas tragédias como a da queda do avião da Chapecoense, e para aqueles que ficaram, sobrou a crise econômica, um corrupto por dia preso pela Lava Jato (incrivelmente o Lula permanece ileso), desemprego, aumento da violência, inflação dos alimentos e agora esse calor dos infernos!

Bom, este ano foi meio atípico pra mim também, porque mudei de apartamento e acabei ocupando alguns meses para preparar e me ajeitar. Nessas horas que vejo que tinha tanta tralha em casa e deveria ter me livrado daquela coleção de VHS do James Bond! Com esses contratempos da mudança, tive bem menos tempo para assistir aos filmes, chegando num satisfatório número de 97. Não sei nem como consegui ver sete filmes na Mostra de Cinema! E não sei quanto a vocês, mas a cada ano que passa, parece que tenho mais vontade de rever os filmes que gosto do que ver filmes novos… Será que é crise de meia-idade?

Nesse post, vou tentar comentar alguns fatos relevantes de 2016. Fiquem à vontade para compartilhar seus pensamentos ou mesmo sua própria retrospectiva no final do post!

OSCAR 2016

Como há muito tempo não via, houve uma briga acirradíssima entre três filmes para ganhar o Oscar de Melhor Filme: O Regresso, A Grande Aposta e Spotlight: Segredos Revelados. Dos três, o vencedor Spotlight é o que menos gosto, porque tem menos cara de filme, e mais de televisão. Além disso, faltou um clima maior de tensão, afinal os jornalistas estavam mexendo com gente poderosa da Igreja. Cadê as ameaças? Havia uma cena que tinha um potencial enorme nesse sentido. Nela, o personagem de Mark Ruffalo está em casa falando sobre a matéria pelo telefone e a campainha toca. Seria excelente se houvesse ali uma ameaça ou iminente perigo, mas o clima simplesmente esfriou.

Enfim, a Academia foi pelo mais óbvio e se apoiou sobre um tema polêmico (pedofilia na Igreja) para justificar sua escolha. Acredito que seria mais justo premiar a ousadia da linguagem de A Grande Aposta, que além de apresentar uma montagem versátil com inserts cômicos, teve o grande mérito de saber abordar um tema chato (a crise imobiliária) num filme leve. Ou até o épico visual de Alejandro González Iñárritu, O Regresso, seria uma escolha mais sensata, porque tem cara de filme, aliás, filme de IMAX! Mas seria infinitamente mais surpreendente a vitória de Mad Max: Estrada da Fúria, porque foi o filme mais ousado de 2015, tanto que foi um sucesso entre crítica e público, além de ser um tapa na cara de todos esses produtores antiquados que só pensam em lucro. Mas enfim, a produção de George Miller ficou limitada aos prêmios técnicos.

Quanto aos prêmios de interpretação, o Oscar de Coadjuvante para Mark Rylance foi justo. Apesar de ter torcido por Stallone, todos sabíamos que seria mais pelo lado emotivo, afinal ele é uma estrela de ação extremamente carismática, reinterpretando um personagem adorado pela sétima vez. Gostaria muito de ter visto seu discurso de agradecimento, mas ainda não foi desta vez…

mark-ryalnce-oscars_2756529f

Mark Rylance posa com seu Oscar por Ponte dos Espiões

Ainda não entendi o prêmio para Brie Larson como Atriz principal. Quem viu O Quarto de Jack, sabe que sua personagem é praticamente coadjuvante diante do próprio menino Jack (o ótimo Jacob Tremblay). E de qualquer forma, na minha opinião, Larson estava muito atrás de Charlotte Rampling (45 Anos) e Saoirse Ronan (Brooklyn).

E vale lembrar aqui a primeira indicação para uma animação brasileira. Só espero que O Menino e o Mundo, de Ale Abreu, consiga estimular novos animadores e, acima de tudo, o Ministério da Cultura a investir mais em cinema nacional de outros gêneros. Vejo incontáveis filmes brasileiros sendo lançados no cinema, mas que não conseguem durar mais de 2 semanas em cartaz aqui em São Paulo. Imagina em outros estados…

DESTAQUES PESSOAIS

Gostaria de citar alguns filmes que considero relevantes, mesmo não constando nas minhas listas de melhores.

RUA CLOVERFIELD, 10 (10 CLOVERFIELD LANE)
Dir: Dan Trachtenberg

Há muito tempo não via uma boa ficção científica americana com poucos recursos. Talvez a última tenha sido Gattaca – A Experiência Genética (1997). Coincidência ou não, as duas conseguiram extrair o melhor da criatividade com orçamento baixo. Rua Cloverfield, 10 se mostra minimalista ao mesmo tempo em que segura o espectador sob muita tensão no bunker. Muito se deve também à excelente performance de John Goodman como o paranóico Howard – aliás, acho a melhor interpretação de sua carreira. Pena que no final, o produtor J.J. Abrams resolveu abrir o bolso e estragou o ótimo clima.

cloverfield-10

Mary Elisabeth Winstead em cativeiro com John Goodman em Rua Cloverfield, 10, de Dan Trachtenberg (pic by cine.gr)

DEADPOOL (DEADPOOL)
Dir: Tim Miller

Depois de tantos filmes sobre super-heróis, você acaba parando de gerar expectativas para o próximo lançamento, e foi aí que Deadpool se deu melhor. Ciente de que esse universo precisava de uma chacoalhada, os roteiristas e o diretor decidiram ousar: botaram muita violência, piadas de humor negro e sexuais, e claro, sexo. Sem esses ingredientes, Deadpool seria um fracasso monumental. A química entre Ryan Reynolds e Morena Baccarin faz com que o público simpatize com os personagens. Essa coragem foi muito bem recompensada pela bilheteria, mesmo com censura para maiores de 16 anos. E agora o filme participa de premiações importantes como o Critics’ Choice e Globo de Ouro.

ryan-reynolds-deadpool-2718756

Ryan Reynolds e Morena Baccarin: o melhor casal no universo dos quadrinhos

INVOCAÇÃO DO MAL 2 (THE CONJURING 2)
Dir: James Wan

James Wan continua sendo um dos raros pólos de terror da atualidade. Seus filmes podem ter uma certa fórmula, mesmo para assustar, mas todas funcionam. São coisas básicas como uma sugestão de presença no escuro ou uma simples mudança de foco num plano fixo, mas Wan manda bem como ninguém. Nesse filme, sua ambientação dos anos 80 é muito caprichada, e ele cria uma forte empatia com o casal central vivido por Patrick Wilson e Vera Farmiga numa belíssima e tocante cena em que ele toca a música “Can’t Help Falling in Love” de Elvis Presley para as crianças da casa assombrada. Por que não ter uma cena dessas num filme de terror?

conjuring-2-mit-vera-farmiga

Vera Farmiga com a freira em cena de Invocação do Mal 2 (pic by moviepilot.de)

CRÍTICAS

Vamos às listas do ano, começando com os melhores vistos nos cinemas.

TOP 5 MELHORES DO ANO NO CINEMA

5. Animais Noturnos (Nocturnal Animals/ 2016)
Dir: Tom Ford

4. A Garota Dinamarquesa (The Danish Girl/ 2015)
Dir: Tom Hooper

3. Brooklyn (Brooklyn/ 2015)
Dir: John Crowley

2. Elle (Elle/ 2016)
Dir: Paul Verhoeven

1. A Criada (Ah-ga-ssi/ 2016)
Dir: Park Chan-wook

handmaiden-mit-jin-woong-jo-min-hee-kim-und-tae-ri-kim

Elenco principal de A Criada, de Park Chan-wook (pic by moviepilot.de)

Definitivamente, a melhor produção que vi nos cinemas pela sua excelência no campo da fotografia, direção de arte e figurino.O diretor Park Chan-wook recria o início do século XX na Coréia, constrói personagens bem tridimensionais e uma estrutura narrativa que relembra o clássico de Akira Kurosawa, Rashomon. Foi uma lástima que o comitê coreano não o selecionou como representante para o Oscar, pois perdeu uma ótima chance de conseguir sua primeira indicação.

TOP 5 MELHORES EM MÍDIA DIGITAL

5. General (The General/ 1926)
Dir: Buster Keaton e Clyde Bruckman

4. O Barco: Inferno no Mar (Das Boot/ 1981)
Dir: Wolfgang Petersen

3. Um Condenado à Morte Escapou (Un condamné à mort s’est échappé ou Le vent souffle où il veut / 1956)
Dir: Robert Bresson

2. Vinhas da Ira (Grapes of Wrath/ 1940)
Dir: John Ford

1. 45 Anos (45 Years/ 2015)
Dir: Andrew Haigh

45-years-293761l

Tom Courtenay e Charlotte Rampling em 45 Anos, de Andrew Haigh (photo by cinemagia.ro)

Não consigo parar de elogiar esse filme para todos os meus amigos. 45 Anos tem uma premissa bastante simples: Enquanto casal planeja festa de 45 anos de casamento, descobrem o corpo da ex-mulher do marido, causando um abalo sísmico no relacionamento. O filme de Andrew Haigh faz um levantamento sobre ser a segunda opção de seu parceiro. Teria sua vida valido a pena? Sua narrativa é bastante eficiente e objetiva, nunca se rendendo aos clichês que poderia facilmente cair. Atuação primorosa de Charlotte Rampling.

IN MEMORIAN

Não me recordo de um ano tão repleto de mortes como este de 2016. Logo de cara, fomos surpreendidos com a morte do ícone pop David Bowie e, mais recentemente, perdemos a nobreza intergaláctica Carrie Fisher e a estrela da era de ouro de Hollywood, Debbie Reynolds.

david-bowie

O camaleão David Bowie, que também atuou em cults como Labirinto e Fome de Viver

Além de Bowie, perdemos os músicos George Michael, Prince (que venceu o Oscar de Trilha por Purple Rain – disponível no Netflix) e Leonard Cohen. Grandes escritores como Harper Lee (autora de O Sol é Para Todos) e Umberto Eco (autor de O Nome da Rosa).

Figuras emblemáticas como Gene Wilder, o eterno Willy Wonka de A Fantástica Fábrica de Chocolate; e Alan Rickman, que ficou eternizado como Hans Gruber de Duro de Matar e o professor Snape da saga Harry Potter. Vencedores do Oscar também nos deixaram: Patty Duke (Atriz Coadjuvante por O Milagre de Anne Sullivan), George Kennedy (Ator Coadjuvante por O Indomável), o diretor polonês Andrzej Wajda (Oscar Honorário), Curtis Hanson (diretor que venceu o Oscar de Roteiro Adaptado por Los Angeles – Cidade Proibida), Michael Cimino (Diretor por O Franco-Atirador) e Vilmos Szigmond (Fotografia por Contatos Imediatos do Terceiro Grau).

Alan-Rickman-as-Severus-Snape-in-Harry-Potter.jpg

Alan Rickman como Professor Snape

Grandes profissionais como Arthur Hiller (produtor de Love Story), Abbas Kiarostami (diretor responsável pelo nascimento do cinema iraniano), Robin Hardy (diretor do cult O Homem-Palha), um dos grandes diretores italianos do Neo-realismo Ettore Scola, Garry Marshall (diretor de Uma Linda Mulher), Douglas Slocombe (diretor de fotografia da trilogia Indiana Jones), o diretor de arte Gil Parrondo (responsável por Patton – Rebelde ou Herói e Nicholas e Alexandra), o jovem ator de Star Trek Anton Yelchin (que teve uma morte boba demais), o diretor dos clássicos de James Bond como 007 Contra Goldfinger, Guy Hamilton; e nossos diretores brasileiros Hector Babenco e Andrea Tonacci.

FELIZ ANO NOVO!

Depois de passar por um ano tenebroso como esse, a esperança para que 2017 seja um ano infinitamente superior cresce a cada dia. Se a economia vai estar melhor ou não, se a política brasileira vai tomar vergonha na cara ou não, se vamos ter mais “diversidade” no Oscar ou não isso eu não sei. A única coisa que quero é que cenas como essa (foto abaixo) não se repitam. Quando vi essa imagem nos jornais, fiquei estarrecido. Toda vez que olhava pra esse menino de Alepo, na Síria, que acabara de ter sua casa destruída por um bombardeio, tinha vontade de chorar. A que ponto chegamos? O menino não sabia nem o que tinha acontecido, enquanto sangrava pelo rosto todo! Esse tipo de acontecimento faz a gente perder a fé na humanidade. Por isso, meus votos para 2017 são de paz e de responsabilidade para essas pessoas e governos que muitas vidas dependem. Sejam mais conscientes de seus atos. É isso… Feliz Ano Novo para todos!

alleppo-boy-air-strike-syria-omran-daqneesh-siria-revista-momen-cadu-ferreira

Desnorteado, menino de Alepo sendo socorrido por uma ambulância. De cortar o coração.

Anúncios

Cannes: Indicados à Palma de Ouro 2016

Pôster da 69ª edição do Festival de Cannes: homenagem ao filme O Desprezo, de Jean-Luc Godard (photo by thehollywoodreporter.com)

Pôster da 69ª edição do Festival de Cannes: homenagem ao filme O Desprezo, de Jean-Luc Godard (photo by thehollywoodreporter.com)

GRANDES NOMES DO CINEMA INTERNACIONAL ESTÃO REUNIDOS NESTA EDIÇÃO DO FESTIVAL DE CANNES

Não me recordo de um ano tão repleto de nomes consagrados como este em Cannes. Olha o naipe dos profissionais: Pedro Almodóvar, Olivier Assayas, Jean-Pierre e Luc Dardenne, Cristian Mungiu, Andrea Arnold, Park Chan-wook, Ken Loach, Xavier Dolan, Jeff Nichols, Nicolas Winding Refn, Jim Jarmusch, Sean Penn e um dos meus favoritos: Paul Verhoeven. Isso sem contar aqueles que não estão competindo como Woody Allen, Steven Spielberg e Jodie Foster. Resumindo: O presidente do júri, George Miller, indicado ao Oscar pelo fenomenal Mad Max: Estrada da Fúria, terá muito trabalho para garimpar os melhores. Esperamos que suas escolhas sejam tão ousadas como seus filmes!

Presidente do Júri de Cannes 2016: George Miller (photo by Carl Court/AFP)

Presidente do Júri de Cannes 2016: George Miller (photo by Carl Court/AFP)

Para nós, brasileiros, a grande notícia vem com a participação de um filme brasileiro após 4 anos na competição oficial. O último havia sido Na Estrada (2012), de Walter Salles, que na verdade é uma co-produção entre Brasil, Argentina, EUA, Reino Unido, França e Canadá. Se for contar uma produção 100% brasileira, ainda assim, a marca fica com Walter Salles; ele competiu com o drama urbano Linha de Passe em 2008, e saiu com o prêmio de interpretação feminina para Sandra Corveloni. A bola da vez atende pelo nome de Kleber Mendonça Filho, que ficou conhecido por O Som ao Redor, drama que aborda a questão da violência numa rua de Recife.
Da esquerda para a direita: os atores Julia Bernat, Sonia Braga e Pedro Queiroz em cena do longa Aquarius, de Kleber Mendonça Filho (photo by folha.com.br)

Da esquerda para a direita: os atores Julia Bernat, Sonia Braga e Pedro Queiroz em cena do longa Aquarius, de Kleber Mendonça Filho (photo by folha.com.br)

Ele trilha o caminho dos críticos da revista francesa Cahiers du Cinema, como François Truffaut, que deixaram as críticas e se tornaram cineastas. Seu segundo longa, intitulado Aquarius, aparentemente possui uma sinopse com tons fantasiosos: No Recife, uma viúva de 60 anos briga com uma construtora que está querendo comprar seu apartamento para demolir todo o edifício. Ela teria habilidades de viajar no tempo (!). Um dos grandes trunfos do filme seria a presença magnética da madame do cinema nacional Sonia Braga. Indicada a três Globos de Ouro nas décadas de 80 e 90, ainda possui prestígio em produções internacionais, e pode (por que não?) iniciar uma nova fase em sua carreira. A respeito de sua escolha como protagonista, o diretor explicou em entrevista à Folha de S. Paulo: “A personagem é muito específica, surpreendentemente, uma pessoa 3D num filme não 3D. Tinha que ser alguém interessante e profissional. Numa reunião com amigos, alguém disse ‘Sonia Braga’. Respondi ‘puta que o pariu, seria incrível’.”
Elle Faning em cena de The Neon Demon, novo trabalho de Nicolas Winding Refn (photo by cine.gr)

Elle Faning em cena de The Neon Demon, novo trabalho de Nicolas Winding Refn (photo by cine.gr)

Além de penca de diretores renomados, o tapete vermelho de Cannes contará com celebridades hollywoodianas como Charlize Theron, George Clooney, Julia Roberts, Russell Crowe, Ryan Gosling, Kristen Stewart, Jesse Eisenberg, Shia LaBeouf, Mark Rylance, Rebecca Hall, além de astros internacionais como Marion Cotillard, Léa Seydoux, Vincent Cassel, Isabelle Huppert e Javier Bardem. Atores que se tornaram diretores como Jodie Foster e Sean Penn também devem ter presença garantida no evento.
Dentre as 20 produções indicadas à Palma de Ouro, apenas uma é latino-americana: justamente o Aquarius. 13 são europeus, 3 americanos, um canadense e dois asiáticos. Curiosamente, não há filmes italianos em busca do prêmio máximo; apenas na mostra Un Certain Regard. Alguns jornalistas também reclamaram da ausência de produções mexicanas, mas enfim, é muito difícil agradar a todos, já que quando se trata de Arte, não existem cotas. No quesito competição, temos três diretores vencedores da Palma de Ouro: o britânico Ken Loach, o romeno Cristian Mungiu e os irmãos belgas Jean-Pierre e Luc Dardenne, que já venceram duas vezes.
Isabelle Huppert em cena de Elle, de Paul Verhoeven (photo by cine.gr)

Isabelle Huppert em cena de Elle, de Paul Verhoeven (photo by cine.gr)

Ao contrário das premiações hollywoodianas, é difícil prever algum tipo de vencedor em Cannes, uma vez que os membros do júri mudam todos os anos. Se formos levar em consideração os filmes de ação (os 4 Mad Max) do presidente do júri, George Miller, os filmes mais estranhos e de estética dinâmica têm seu favoritismo. São os casos do sul-coreano The Handmaiden, do diretor de Oldboy, Park Chan-wook; o dinamarquês The Neon Demon, de Nicolas Winding Refn; e Elle, do holandês Paul Verhoeven. Todos sabem filmar muito bem, com um estilo bem peculiar e têm suas obsessões bizarras. MAS… Vale lembrar que o mesmo George Miller já dirigiu dramas chorosos como O Óleo de Lorenzo e a animação familiar Happy Feet: O Pinguim.
Cena do filme sul-coreano The Handmaiden, de Park Chan-wook (photo by cine.gr)

Cena do filme sul-coreano The Handmaiden, de Park Chan-wook (photo by cine.gr)

Particularmente, considero o cinema sul-coreano muito bonito esteticamente, mas suas bizarrices e alto teor de violência acabam minando suas chances em premiações (o país nunca recebeu uma única indicação ao Oscar de Filme em Língua Estrangeira), já que muitos votantes são senhores que evitam tramas violentas demais. Talvez com um presidente do júri mais adepto a esse “gênero”, existem altas expectativas para que o cinema sul-coreano ganhe sua primeira Palma de Ouro. Em 2003, ele levou o Grande Prêmio do Júri por Oldboy (uma espécie de segundo lugar), quando Quentin Tarantino era presidente do júri.

INDICADOS À PALMA DE OURO:

FILME DE ABERTURA

  • Cafe Society
    Dir: Woody Allen
Jesse Eisenberg e Kristen Stewart recebem direções de Woody Allen em set de Café Society (photo by cine.gr)

Jesse Eisenberg e Kristen Stewart recebem direções de Woody Allen em set de Café Society (photo by cine.gr)

COMPETIÇÃO

  • Acquarius
    Dir: Kleber Mendonca Filho
  • American Honey
    Dir: Andrea Arnold
  • Baccalaureat
    Dir: Cristian Mungiu
  • Elle
    Dir: Paul Verhoeven
  • From the Land of the Moon
    Dir: Nicole Garcia
  • The Handmaiden
    Dir: Park Chan-wook
  • I, Daniel Blake
    Dir: Ken Loach
  • It’s Only the End of the World
    Dir: Xavier Dolan
  • Julieta
    Dir: Pedro Almodóvar
  • The Last Face
    Dir: Sean Penn
  • Loving
    Dir: Jeff Nichols
  • Ma’ Rosa
    Dir: Brillante Mendoza
  • The Neon Demon
    Dir: Nicolas Winding Refn
  • Paterson
    Dir: Jim Jarmusch
  • Personal Shopper
    Dir: Olivier Assayas
  • Sierra-Nevada
    Dir: Cristi Puiu
  • Slack Bay
    Dir: Bruno Dumont
  • Staying Vertical
    Dir: Alain Guiraudie
  • Toni Erdmann
    Dir: Maren Ade
  • The Unknown Girl
    Dir: Jean-Pierre e Luc Dardenne
Cena do novo filme de Pedro Almodóvar, Julieta, com Emma Suárez e Adriana Ugarte (photo by outnow.ch)

Cena do novo filme de Pedro Almodóvar, Julieta, com Emma Suárez e Adriana Ugarte (photo by outnow.ch)

FORA DE COMPETIÇÃO

– The BFG
Dir: Steven Spielberg

– Goksung
Dir: Na Hong-jin

Money Monster
Dir: Jodie Foster

– Nice Guys
Dir: Shane Black

Ruby Barnhill em cena de O Bom Gigante Amigo, de Steven Spielberg (photo by cine.gr)

Ruby Barnhill em cena de O Bom Gigante Amigo, de Steven Spielberg (photo by cine.gr)

UN CERTAIN REGARD

* After the Storm
Dir: Hirokazu Kore-eda

* Apprentice
Dir: Boo Junfeng

* Beyond the Mountains and Hills
Dir: Eran Kolirin

Captain Fantastic
Dir: Matt Ross
* Clash
Dir: Mohmaed Diab
* The Dancer
Dir: Stephanie Di Giusto
* The Disciple
Dir: Kirill Serebrennikov
* Dogs
Dir: Bogdan Mirica
* The Happiest Day in the Life of Olli Maki
Dir: Juho Kuosmanen
* Harmonium
Dir: Fukada Koji
* Inversion
Dir: Behnam Behzadi
* The Long Night of Francisco Sanctis
Dir: Andrea Testa
* Pericles the Black Man
Dir: Stefano Mordini
* Personal Affairs
Dir: Maha Haj
* The Red Turtle
Dir: Michael Dudok de Wit
The Transfiguration
Dir: Michael O’Shea
* Voir du Pays
Dir: Delphine Coulin, Muriel Coulin

MIDNIGHT SCREENINGS

* Gimme Danger
Dir: Jim Jarmusch

* Train to Busan
Dir: Yeon Sang-ho

SPECIAL SCREENINGS

* Le Cancre
Dir: Paul Vecchiali

* Exil
Dir: Rithy Panh
* A Chad Tragedy
Dir: Mahamat-Saleh Haroun
* The Last Beach
Dir: Thanos Anastopoulos, Davide Del Degan
* Last Days of Louis XIV
Dir: Albert Serra
A 69ª edição do Festival de Cannes começa no dia 11 de maio e vai até o dia 22.

‘Star Wars’ conquista o MTV Movie Awards 2016 e uma nova geração de fãs

BURBANK, CALIFORNIA - APRIL 09: Writer/director J.J. Abrams and actress Daisy Ridley (both C) accept the Movie of the Year award for 'Star Wars: The Force Awakens' with co-hosts Kevin Hart (L) and Dwayne Johnson (R) onstage during the 2016 MTV Movie Awards at Warner Bros. Studios on April 9, 2016 in Burbank, California. MTV Movie Awards airs April 10, 2016 at 8pm ET/PT. (Photo by Kevork Djansezian/Getty Images)

No centro, o diretor J.J. Abrams e a atriz Daisy Ridley recebem o prêmio de Melhor Filme do Ano por Star Wars: O Despertar da Força ao lado dos hosts da premiação Kevin Hart e Dwayne Johnson no MTV Movie Awards 2016 (Photo by Kevork Djansezian/Getty Images)

PRIMEIRO FILME DA NOVA TRILOGIA STAR WARS DOMINA PREMIAÇÃO DE VOTO PÚBLICO

Vocês se lembram daquela atração da Rede Globo chamada Intercine? Eles davam duas opções de filmes para passar na noite seguinte, aí o público ligava e eles anunciavam o vencedor com maior número de votos. Não sei se é porque sempre sou desconfiado, mas sempre achei uma farsa! Pra mim, as ligações eram pra medir a audiência e, no fim, eles passavam o filme que eles bem queriam!

Quando eu falo sobre MTV Movie Awards, imagino algo do tipo ou senão uma cena bizarra: Um monte daqueles nerds gordinhos sentados à frente do computador, votando incessantemente para seus filmes favoritos: O Senhor dos Anéis, Batman e Star Wars. Só deram um break naqueles anos em que a Saga Crepúsculo ganhou…

Nesta edição, Star Wars: O Despertar da Força levou 3 baldinhos de pipoca dourada, incluindo Melhor Filme do Ano. Em seguida, Deadpool e A Escolha Perfeita 2 levaram dois prêmios cada. No geral, os prêmios foram bem distribuídos, como se não quisessem desagradar nenhum concorrente. E falando em desagradar, ficaram com tanto receio de que Will Smith boicotasse o MTV Movie Awards que resolveram lhe dar o Generation Award, uma espécie de prêmio pelo conjunto da obra. A que ponto chegamos com essa coisa do #OscarSoWhite… lamentável.

Will Smith e seu consolo pelo Oscar racista... (photo by youtube.com)

Will Smith e seu consolo pelo Oscar racista… (photo by youtube.com)

No post anterior, eu havia colocado minhas preferências na cor laranja. A maioria dos meus votos foram para Deadpool. Não que o filme tenha sido brilhante, mas de todas as adaptações de quadrinhos, esta é a única que tira sarro de si mesma, explorando suas próprias deficiências como o baixo orçamento que teria impedido a participação de mais personagens dos X-Men. E é um filme Rated R, ou seja, tem sangue (quando foi a última vez que você viu sangue nessas adaptações?), tem violência gratuita, tem muitos palavrões e tem sexo. E com Morena Baccarin fica ainda melhor!

Ryan Reynolds vence como Comedic Performance por Deadpool (photo by estrelando.com.br)

Ryan Reynolds vence como Comedic Performance por Deadpool (photo by estrelando.com.br)

A vitória de Star Wars: O Despertar da Força indica que a saga estelar criada por George Lucas continua firme e forte em seu reinado no universo geek, mesmo após quase 40 anos do primeiro filme de 1977. Mesmo tendo um potencial avassalador, vale lembrar que este filme só saiu depois que a Disney comprou os direitos da Lucasfilm. Para os fãs mais xiitas, podem reclamar e espernear contra essa pasteurização da Disney, mas temos que dar o braço a torcer. Eles conseguiram uma das maiores bilheterias de todos os tempos, conquistaram uma nova horda de fãs dessas gerações atuais e ainda vão lucrar muito com novos filmes, produtos e atrações temáticas nos inúmeros parques de diversão.

Achei muita sacanagem o Mad Max: Estrada da Fúria ficar de fora da competição de Melhor Filme do Ano. Tenho certeza de que se tivesse colocado o filme de George Miller na votação, ele teria grandes chances de vitória. Mas enfim, o longa levou um merecidíssimo prêmio de Female Performance para Charlize Theron e sua Furiosa.

Charlize Theron aceita seu baldinho de pipoca por Mad Max: Estrada da Fúria (photo by Getty Images)

Charlize Theron aceita seu baldinho de pipoca por Mad Max: Estrada da Fúria (photo by Getty Images)

Apesar do tom bem mais light do MTV Movie Awards e até de sua decadência nas últimas duas décadas, dá pra notar que ainda é um reconhecimento importante do público, que lota as salas de cinema, por isso acho bacana a presença dos artistas indicados. Os fãs querem ver seus ídolos no tapete vermelho ou pela televisão, então para quem não compareceu, acho um pouco falta de consideração. Se fosse um Oscar, aí teria tempo na agenda…

Seguem todos os vencedores do MTV Movie Awards 2016:

MOVIE OF THE YEAR (Filme do Ano)
· Vingadores: Era de Ultron (Avengers: Age of Ultron)
· Creed: Nascido Para Lutar (Creed)
· Deadpool (Deadpool)
· Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros (Jurassic World)
· Star Wars: O Despertar da Força (Star Wars: The Force Awakens)
· Straight Outta Compton: A História do N.W.A. (Straight Outta Compton)

TRUE STORY (História Verídica)
· Um Homem Entre Gigantes (Concussion)
· Joy: O Nome do Sucesso (Joy)
· Steve Jobs (Steve Jobs)
· Straight Outta Compton: A História do N.W.A. (Straight Outta Compton)
· A Grande Aposta (The Big Short)
· O Regresso (The Revenant)

DOCUMENTÁRIO
·
Amy
· Cartel Land
· He Named Me Malala
· The Hunting Ground
· The Wolfpack
· What Happened, Miss Simone?

BEST FEMALE PERFORMANCE (Performance Feminina)
· Alicia Vikander (Ex-Machina: Instinto Artificial)
· Anna Kendrick (A Escolha Perfeita 2)
· Charlize Theron (Mad Max: Estrada da Fúria)
· Daisy Ridley (Star Wars: O Despertar da Força)
· Jennifer Lawrence (Joy: O Nome do Sucesso)
· Morena Baccarin (Deadpool)

BEST MALE PERFORMANCE (Performance Masculina)
· Chris Pratt (Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros)
· Leonardo DiCaprio (O Regresso)
· Matt Damon (Perdido em Marte)
· Michael B. Jordan (Creed: Nascido Pra Lutar)
· Ryan Reynolds (Deadpool)
· Will Smith (Um Homem Entre Gigantes)

BREAKTHROUGH PERFORMANCE (Revelação)
· Amy Schumer (Descompensada)
· Brie Larson (O Quarto de Jack)
· Daisy Ridley (Star Wars: O Despertar da Força)
· Dakota Johnson (Cinquenta Tons de Cinza)
· John Boyega (Star Wars: O Despertar da Força)
· O’Shea Jackson Jr. (Straight Outta Compton: A História do N.W.A.)

Daisy Ridley aceita o prêmio de Melhor Revelação pelo papel de Rey em Star Wars (photo by Getty Images)

Daisy Ridley aceita o prêmio de Melhor Revelação pelo papel de Rey em Star Wars (photo by Getty Images)

BEST COMEDIC PERFORMANCE (Performance cômica)
· Amy Schumer (Descompensada)
· Kevin Hart (Policial em Apuros 2)
· Melissa McCarthy (A Espiã que Sabia de Menos)
· Rebel Wilson (A Escolha Perfeita 2)
· Ryan Reynolds (Deadpool)
· Will Ferrell (O Durão)

BEST ACTION PERFORMANCE (Performance de Ação)
· Chris Pratt (Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros)

· Dwayne Johnson (Terremoto: A Falha de San Andreas)
· Jennifer Lawrence (Jogos Vorazes: A Esperança – O Final)
· John Boyega (Star Wars: O Despertar da Força)
· Ryan Reynolds (Deadpool)
· Vin Diesel (Velozes & Furiosos 7)

BEST HERO (Herói)
· Charlize Theron (Mad Max: Estrada da Fúria)
· Chris Evans (Vingadores: Era de Ultron)
· Daisy Ridley (Star Wars: O Despertar da Força)
· Dwayne Johnson (Terremoto: A Falha de San Andreas)
· Jennifer Lawrence (Jogos Vorazes: A Esperança – O Final)
· Paul Rudd (Homem-Formiga)

BEST VILLAIN (Vilão)
· Adam Driver (Star Wars: O Despertar da Força)

· Ed Skrein (Deadpool)
· Hugh Keays-Byrne (Mad Max: Estrada da Fúria)
· James Spader (Vingadores: Era de Ultron)
· Samuel L. Jackson (Kingsman: Serviço Secreto)
· Tom Hardy (O Regresso)

BEST VIRTUAL PERFORMANCE (Performance Virtual)
· Amy Poehler (Divertida Mente)

· Andy Serkis (Star Wars: O Despertar da Força)
· Jack Black (Kung Fu Panda 3)
· James Spader (Vingadores: Era de Ultron)
· Lupita Nyong’o (Star Wars: O Despertar da Força)
· Seth MacFarlane (Ted 2)

ENSEMBLE CAST (Elenco)
· Vingadores: Era de Ultron
· Velozes & Furiosos 7
· A Escolha Perfeita 2
· Star Wars: O Despertar da Força
· Jogos Vorazes: A Esperança – O Final
· Descompensada

BEST KISS (Beijo)
· Amy Schumer & Bill Hader (Descompensada)
· Dakota Johnson & Jamie Dornan (Cinquenta Tons de Cinza)
· Leslie Mann & Chris Hemsworth (Férias Frustradas)
· Margot Robbie & Will Smith (Golpe Duplo)
· Morena Baccarin & Ryan Reynolds (Deadpool)
· Rebel Wilson & Adam DeVine (A Escolha Perfeita 2)

BEST FIGHT (Luta)
· Deadpool (Ryan Reynolds) vs. Ajax (Ed Skrein) – Deadpool

· Hugh Glass (Leonardo DiCaprio) vs. A Ursa – O Regresso
· Imperator Furiosa (Charlize Theron) vs. Max Rockatansky (Tom Hardy) – Mad Max: Estrada da Fúria
· Homem de Ferro (Robert Downey Jr.) vs. Hulk (Mark Ruffalo) – Vingadores: Era de Ultron
· Rey (Daisy Ridley) vs. Kylo Ren (Adam Driver) – Star Wars: O Despertar da Força
· Susan Cooper (Melissa McCarthy) vs. Lia (Nargis Fakhri) – A Espiã que Sabia de Menos)

‘Star Wars’ domina as indicações ao MTV Movie Awards 2016

MTV Movie Awards 2016

MTV Movie Awards 2016 (photo by hfmagazineonline.com)

PREMIAÇÃO DE VOTO PÚBLICO SE RENDE AOS BLOCKBUSTERS

Depois do Oscar, nada melhor do que o MTV Movie Awards pra dar aquela relaxada! Nada de filmes sérios ou que exijam neurônios demais predominam pelas 14 categorias. Se bem que neste ano, eles resolveram acrescentar três categorias com cara de prêmio dos críticos: True Story (Baseado em fatos verídicos), Documentário e Ensemble Cast (Elenco). E felizmente, excluíram outras categorias bem inúteis como o Shirtless Performance e o WTF Moment.

E imitando a “bolha assassina” do Critics’ Choice Awards, agora todas as categorias têm 6 indicados cada, e com isso, mais filmes são reconhecidos e com maior número de indicações. Campeão de bilheteria, Star Wars: O Despertar da Força foi o recordista desta edição com 11 indicações, puxando a tendência na qual os filmes mais vistos pelo público conseguem maior visibilidade na premiação, vide a presença de Vingadores: Era de Ultron, Jurassic World e o recente Deadpool, que se tornou o filme com censura Rated R mais visto das últimas décadas.

Cena do recordista de indicações Star Wars: O Despertar da Força (photo by cinemagia.ro)

Cena do recordista de indicações Star Wars: O Despertar da Força (photo by cinemagia.ro)

Eu gosto da indicação de Deadpool, não apenas por se de uma boa adaptação de quadrinhos, mas que também prova para os produtores caretas de Hollywood, que é possível fazer um filme de super-herói para um público adulto, com qualidades e ainda sair lucrando! Só pela ousadia de sair do arquétipo, já deveria ganhar todos os prêmios. Mas deve sair pelo menos com o de Melhor Beijo pela ótima química de Ryan Reynolds e a belíssima Morena Baccarin.

Altas químicas rolam entre Ryan Reynolds e Morena Baccarin em Deadpool (photo by cinemagia.ro)

Altas químicas rolam entre Ryan Reynolds e Morena Baccarin em Deadpool (photo by cinemagia.ro)

Igualmente pela ousadia, outro filme que merece todos os prêmios é Mad Max: Estrada da Fúria. Infelizmente e curiosamente, o filme de George Miller, que acaba de conquistar 6 Oscars, sequer foi indicado a Melhor Filme. Acho muito estranha essa ausência, já que foi um filme bem idolatrado pelo público jovem e internauta. Acredito que deve levar o prêmio de Female Performance para Charlize Theron.

Trocaria facilmente a vaga de Vingadores: Era de Ultron por Mad Max. Apesar dos números expressivos de bilheteria, é uma sequência muito fraca, com um roteiro ralo (cadê as belas tiradas do nível do primeiro filme, Joss Whedon?) e sequências de ação pouco empolgantes. Parecia que o filme todo estava ligado no piloto automático! Como fã da Marvel Comics, achei uma grande pena que o filme, que tinha tudo para ser um dos melhores, não correspondeu às expectativas.

E não poderia deixar de destacar que todos aqueles “excluídos” do #OscarSoWhite ganharam abrigo e compaixão do MTV Movie Awards como Straight Outta Compton, que foi indicado a Melhor Filme, e o chorão do boicotador Will Smith. Não sei quanto a vocês, mas peguei um bode do Will Smith! Na categoria de Melhor Ator, temos também o merecido reconhecimento de Michael B. Jordan por Creed: Nascido Para Lutar. Curiosamente, teve apenas duas indicações: Melhor Filme e Ator.

Isso merece uma comemoração: Will Smith conseguiu um indicação! E pode levar seu baldinho de pipoca dourada! (photo by cinemagia.ro)

Isso merece uma comemoração: Will Smith conseguiu um indicação! E pode levar seu baldinho de pipoca dourada! (photo by cinemagia.ro)

A ausência mais sentida na minha opinião foi do pequeno talento Jacob Tremblay, que no mínimo, merecia uma indicação de Melhor Revelação por O Quarto de Jack, e não sua companheira de tela, Brie Larson, que já é conhecida há alguns anos. Outra importante mancada do MTV Movie Awards foi deixar de lado Spotlight – Segredos Revelados na categoria séria do True Story.

Ao contrário do ano passado, não consegui votar para os meus favoritos nesta edição. O site da MTV acusa que não está disponível para a minha localização. Cinéfilos do Terceiro Mundo não têm vez! De qualquer forma, para quem estiver interessado na cerimônia, ela acontece no dia 10 de abril, com a apresentação dos hosts Dwayne Johnson (o The Rock) e Kevin Hart (não sei de onde acham tanta graça nele), e deve ser transmitido ao vivo pelo canal da MTV Brasil.

Assinalei meus “votos” na cor laranja na lista de indicados, que segue abaixo:

MOVIE OF THE YEAR (Filme do Ano)
· Vingadores: Era de Ultron (Avengers: Age of Ultron)
· Creed: Nascido Para Lutar (Creed)
· Deadpool (Deadpool)
· Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros (Jurassic World)
· Star Wars: O Despertar da Força (Star Wars: The Force Awakens)
· Straight Outta Compton: A História do N.W.A. (Straight Outta Compton)

TRUE STORY (História Verídica)
· Um Homem Entre Gigantes (Concussion)
· Joy: O Nome do Sucesso (Joy)
· Steve Jobs (Steve Jobs)
· Straight Outta Compton: A História do N.W.A. (Straight Outta Compton)
· A Grande Aposta (The Big Short)
· O Regresso (The Revenant)

DOCUMENTÁRIO
· Amy
· Cartel Land
· He Named Me Malala
· The Hunting Ground
· The Wolfpack
· What Happened, Miss Simone?

BEST FEMALE PERFORMANCE (Performance Feminina)
· Alicia Vikander (Ex-Machina: Instinto Artificial)
· Anna Kendrick (A Escolha Perfeita 2)
· Charlize Theron (Mad Max: Estrada da Fúria)
· Daisy Ridley (Star Wars: O Despertar da Força)
· Jennifer Lawrence (Joy: O Nome do Sucesso)
· Morena Baccarin (Deadpool)

BEST MALE PERFORMANCE (Performance Masculina)
· Chris Pratt (Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros)
· Leonardo DiCaprio (O Regresso)
· Matt Damon (Perdido em Marte)
· Michael B. Jordan (Creed: Nascido Pra Lutar)
· Ryan Reynolds (Deadpool)
· Will Smith (Um Homem Entre Gigantes)

BREAKTHROUGH PERFORMANCE (Revelação)
· Amy Schumer (Descompensada)
· Brie Larson (O Quarto de Jack)
· Daisy Ridley (Star Wars: O Despertar da Força)
· Dakota Johnson (Cinquenta Tons de Cinza)
· John Boyega (Star Wars: O Despertar da Força)
· O’Shea Jackson Jr. (Straight Outta Compton: A História do N.W.A.)

BEST COMEDIC PERFORMANCE (Performance cômica)
· Amy Schumer (Descompensada)
· Kevin Hart (Policial em Apuros 2)
· Melissa McCarthy (A Espiã que Sabia de Menos)
· Rebel Wilson (A Escolha Perfeita 2)
· Ryan Reynolds (Deadpool)
· Will Ferrell (O Durão)

BEST ACTION PERFORMANCE (Performance de Ação)
· Chris Pratt (Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros)
· Dwayne Johnson (Terremoto: A Falha de San Andreas)
· Jennifer Lawrence (Jogos Vorazes: A Esperança – O Final)
· John Boyega (Star Wars: O Despertar da Força)
· Ryan Reynolds (Deadpool)
· Vin Diesel (Velozes & Furiosos 7)

BEST HERO (Herói)
· Charlize Theron (Mad Max: Estrada da Fúria)
· Chris Evans (Vingadores: Era de Ultron)
· Daisy Ridley (Star Wars: O Despertar da Força)
· Dwayne Johnson (Terremoto: A Falha de San Andreas)
· Jennifer Lawrence (Jogos Vorazes: A Esperança – O Final)
· Paul Rudd (Homem-Formiga)

BEST VILLAIN (Vilão)
· Adam Driver (Star Wars: O Despertar da Força)
· Ed Skrein (Deadpool)
· Hugh Keays-Byrne (Mad Max: Estrada da Fúria)
· James Spader (Vingadores: Era de Ultron)
· Samuel L. Jackson (Kingsman: Serviço Secreto)
· Tom Hardy (O Regresso)

BEST VIRTUAL PERFORMANCE (Performance Virtual)
· Amy Poehler (Divertida Mente)
· Andy Serkis (Star Wars: O Despertar da Força)
· Jack Black (Kung Fu Panda 3)
· James Spader (Vingadores: Era de Ultron)
· Lupita Nyong’o (Star Wars: O Despertar da Força)
· Seth MacFarlane (Ted 2)

ENSEMBLE CAST (Elenco)
· Vingadores: Era de Ultron
· Velozes & Furiosos 7
· A Escolha Perfeita 2
· Star Wars: O Despertar da Força
· Jogos Vorazes: A Esperança – O Final
· Descompensada

BEST KISS (Beijo)
· Amy Schumer & Bill Hader (Descompensada)
· Dakota Johnson & Jamie Dornan (Cinquenta Tons de Cinza)
· Leslie Mann & Chris Hemsworth (Férias Frustradas)
· Margot Robbie & Will Smith (Golpe Duplo)
· Morena Baccarin & Ryan Reynolds (Deadpool)
· Rebel Wilson & Adam DeVine (A Escolha Perfeita 2)

BEST FIGHT (Luta)
· Deadpool (Ryan Reynolds) vs. Ajax (Ed Skrein) – Deadpool
· Hugh Glass (Leonardo DiCaprio) vs. A Ursa – O Regresso
· Imperator Furiosa (Charlize Theron) vs. Max Rockatansky (Tom Hardy) – Mad Max: Estrada da Fúria
· Homem de Ferro (Robert Downey Jr.) vs. Hulk (Mark Ruffalo) – Vingadores: Era de Ultron
· Rey (Daisy Ridley) vs. Kylo Ren (Adam Driver) – Star Wars: O Despertar da Força
· Susan Cooper (Melissa McCarthy) vs. Lia (Nargis Fakhri) – A Espiã que Sabia de Menos)

Mesmo abaixo da média, Vingadores: Era de Ultron conseguiu conquistar X indicações (photo by outnow.ch)

Mesmo abaixo da média, Vingadores: Era de Ultron conseguiu conquistar 6 indicações (photo by outnow.ch)

‘Spotlight’ leva o Oscar de Melhor Filme e de Roteiro Original

oscar spotlight (2)

O produtor Michael Sugar discursa pela vitória de Spotlight – Segredos Revelados ao lado de equipe e elenco. (photo by g1.globo.com)

oscars-press-4-win_3585151k

Actors photo, da esquerda para direita: Mark Rylance, Brie Larson, Leonardo DiCaprio e Alicia Vikander (photo by telegraph.co.uk)

COMO HÁ MUITO NÃO SE VIA, ‘SPOTLIGHT’ FOI O GRANDE VENCEDOR COM APENAS DUAS ESTATUETAS DO OSCAR

Embora tenha sido um dos favoritos a ganhar Melhor Filme, a vitória de Spotlight – Segredos Revelados surpreendeu a todos porque até pouco antes do anúncio só tinha levado Roteiro Original. Literalmente, levou o primeiro e o último prêmio da noite! Trata-se da primeira  produção a vencer apenas com duas estatuetas depois de O Melhor Espetáculo da Terra, de Cecil B. DeMille, no longínquo ano de 1953.

Spotlight se consagrou por sua temática de denúncia de abusos sexuais cometidos por padres católicos, revelados pelo Boston Globe. É um filme sério, com um bom elenco, mas à parte de seu tema, convencional e com cara de telefilme. Acho que o prêmio de Roteiro Original já estava de bom tamanho para o filme de Tom McCarthy. Indo além, teria indicado Liev Schreiber como Ator Coadjuvante e premiado o ator, pra dar aquela “incrementada” nessa campanha! Será que foi uma boa escolha? Só o tempo dirá, mas está com cara daquelas futuras injustiças do tipo “Nossa, deveria ter perdido para Mad Max!”

E falando nele, o maior vencedor da noite foi Mad Max: Estrada da Fúria, com 6 estatuetas: Montagem, Direção de Arte, Figurino, Maquiagem, Som e Efeitos Sonoros. Foi engraçado porque o filme de George Miller estava ganhando tudo desde o início! Como muitos sabem, essa alegria dura pouco no Oscar. Eu previa que Mad Max teria o mesmo destino de A Invenção de Hugo Cabret, que no final, perdeu para O Artista, que no caso seria O Regresso. Mas foi Spotlight que roubou a cena! Se George Miller não foi coroado como Melhor Diretor, pelo menos, ele viu sua esposa, Margaret Sixel, levar o Oscar de Montagem.

Oscar Mad-Max-Oscars

Margaret Sixel leva o Oscar de Montagem para Mad Max: Estrada da Fúria, dirigido por seu marido George Miller. O filme levou seis estatuetas de categorias técnicas. (photo by Getty through businessinsider.com.au)

O Regresso tinha tudo para ser o grande vencedor da noite: havia ganhado Melhor Fotografia, Diretor (aliás, o segundo consecutivo de Alejandro G. Iñárritu, e o terceiro consecutivo para um mexicano!) e Ator. Talvez a experiência transcendental não tenha sido comprada pela maioria dos votantes, e querendo ou não, a falta de uma indicação a Roteiro fez falta.

De qualquer forma, é o filme que finalmente trouxe o Oscar para Leonardo DiCaprio. Sim, agora chega desses memes, viu povo da internet? No clipe que mostram antes do anúncio, colocaram um trecho em que DiCaprio fala a língua indígena como se quisessem dizer: “Tá vendo? Estamos dando o Oscar para ele porque ele também fala outro idioma, e não só porque foi mordido pela ursa!”. DiCaprio foi ovacionado pela platéia, denotando que se trata de um ator muito querido por seus colegas de trabalho. Kate Winslet foi uma das mais exaltadas com a vitória dele, já que são amigos de longa data, desde Titanic!

oscar IndiaTv864992_leonardo

Não, não é uma montagem! Leonardo DiCaprio finalmente ganha seu Oscar e põe fim a jejum e aos memes da internet. (photo by indiatvnews.com)

E quanto às surpresas da noite? Acho que a maior foi a vitória de Mark Rylance sobre Sylvester Stallone. Não que o primeiro não merecesse ganhar (que por sinal, rouba todas as cenas em que aparece em Ponte dos Espiões), mas depois de toda a torcida desde o Globo de Ouro, todos esperavam uma vitória bastante emotiva. Quando ele perdeu, na hora, pensei: “Depois dessa, nunca mais vai haver outra chance de premiar Stallone!”.

Esta foi a surpresa negativa, na minha opinião. Já a surpresa positiva foi a derrota de Lady Gaga na categoria de Melhor Canção Original. Não sei quem acompanhou, mas a cantora estava com um excesso de exposição na mídia que, sinceramente, cansei. No ano passado, ela já fez aquela homenagem desnecessária cantando as trocentas músicas de A Noviça Rebelde, aí este ano, ela ganha aquele Globo de Ouro duvidoso de American Horror Story: Hotel. Desde o início do ano, ela vinha fazendo uma campanha ferrenha pela canção “Til It Happens to You” e do documentário The Hunting Ground, que acabou gerando até uma controvérsia no Twitter, quando uma colaboradora revelou que Lady Gaga não teria contribuído de fato na composição da canção, entrando de gaiato ao lado de Diane Warren. Pena que Gaga perdeu para uma canção meia-boca de James Bond.

oscar lady gaga c47c761bdddacc0a910f6a706700e560_tx600

Lady Gaga canta sua canção “Til it Happens to You” na cerimônia do Oscar (photo by sandiegouniontribune.com)

Gostei da premiação de Ex-Machina: Instinto Artificial como Melhores Efeitos Visuais. Com tantas produções repletas de efeitos de computação megalomaníacos e em peso, é interessante ver que a Academia conseguiu enxergar o trabalho minucioso e conciso de efeitos digitais nesta modesta ficção científica. Acho que independente da época, os efeitos são bons quando bem utilizados e realmente necessários.

Para o hall dos meus likes, adorei ver o mestre Ennio Morricone premiado com um Oscar competitivo. Tudo bem que ele já havia sido honrado com o Oscar Honorário em 2007, mas convenhamos que ganhar numa categoria é infinitamente melhor! Quando seu nome foi anunciado, ele foi aplaudido de pé por todos os presentes, e entregou um discurso em italiano, passado para o inglês por um tradutor que o acompanhou. Foi bacana ver que Morricone ganhou seu Oscar graças a Quentin Tarantino, um fã obecado por western spaghettis, cujas trilhas foram compostas pelo mesmo Ennio Morricone.

oscar2016-vincitori-morricone2-1000x600

Mestre Ennio Morricone discursa em italiano, traduzido para o inglês pelo tradutor ao lado (photo by panorama.it)

A grande surpresa que estava aguardando não aconteceu. Saoirse Ronan batendo Brie Larson! Ela interpretou Eilis de forma tão cativante que gostaria muito que ela ganhasse. Mas Larson foi mais esperta e fez uma campanha impecável. Ela literalmente esteve lá, em tudo quanto é festival, cerimônias e entrevistas. Pela dedicação, ganhou status de queridinha do cinema americano. Só espero que ela aproveite esse Oscar e possa fazer escolhas sábias para futuros projetos, já que ela é uma vencedora do Oscar agora.

Oscar GettyImages-512946466.0

Brie Larson recebe seu Oscar das mãos de Eddie Redmayne por O Quarto de Jack (photo by theverge.com)

Embora tenha achado super estranho, não desaprovo a idéia de botar aqueles letreiros correndo na parte de baixo da tela para adiantar os agradecimentos dos vencedores na tentativa de reduzir os discursos longos e chatos. A idéia teve boas intenções, mas acho que não funcionou de fato, especialmente com Alejandro González Iñárritu, que queria uns 3 minutos de agradecimento. Fico imaginando a cena de todos os indicados tentando lembrar todas as pessoas que o indivíduo quer agradecer caso vença para um estagiário anotando tudo num iPad. Só em Hollywood mesmo!

Mas todo ano faço a mesma reclamação: se estão tentando reduzir tanto tempo asssim, por que insistem em manter essas piadinhas de apresentadores que parecem intermináveis? Só porque está escrito num teleprompter? A pior de todas foi a Sarah Silverman, que falou, falou e falou, e não conseguia arrancar nem sorrisos amarelos da platéia. Por favor, Academia, vamos rever essas introduções e escolher melhores apresentadores!

Quanto à cerimônia em si, apesar dos esforços, acho que Chris Rock pegou leve nas críticas. Na verdade, ele falou algumas verdades que precisavam ser ditas após a polêmica envolvendo atores negros não terem sido indicados. “Nos anos 50 e 60, também houve Oscars sem nenhum ator negro indicado, mas ninguém protestava. E você sabe por quê? Porque tínhamos coisas reais para se protestar na época. Estávamos ocupados demais sendo estuprados e linchados para nos importar com quem iria ganhar Melhor Fotografia! Quando sua avó está enforcada na árvore, é difícil se importar com curta-documentário estrangeiro”  – e isso reflete bastante o que vivemos hoje, com essa vigilância politicamente correta constante que enxerga tudo como uma ofensa. Ele cutucou também o boicote: “Jada Pinkett Smith boicotando o Oscar é como eu boicotar a calcinha da Rihanna. Eu não fui convidado!” – se eu estivesse lá, aplaudiria de pé esse comentário. Foi bom que Chris Rock foi o host da noite, pois por ser negro, permitiu falar abertamente sobre essa tal polêmica com propriedade. Imaginem um branco falando essas coisas… seria crucificado e queimado vivo!

APTOPIX 88th Academy Awards - Show

Chris Rock faz seu monólogo de abertura com piadas sobre as controvérsias do Oscar “racista”. (Photo by Chris Pizzello/Invision/AP)

Chris Rock e outros artistas negros fizeram uma boa paródia ao estilo de Billy Crystal, inserindo-se em cenas de filmes protagonizados por atores brancos. A melhor foi do próprio Rock, substituindo Matt Damon em cena de Perdido em Marte. Na central de comando da Nasa, os personagens de Jeff Daniels e Kristen Wiig discutem o resgate do astronauta em Marte: “Vamos gastar 25 milhões de dólares para trazer um astronauta negro de volta?”. Definitivamente, um jeito criativo de cutucar sem soar racista ou quadrado.

Ele fez uma encenação com as supostas filhas dele, vendendo biscoitos de escoteiras para as celebridades. Embora tenha ficado bom, Ellen DeGeneres fez algo semelhante há dois anos, mas de forma muito mais inusitada e despretensiosa, quando pediu pizza e foi coletar dinheiro para pagar a conta. “Onde está Harvey Weinstein? Sem pressão! Apenas um bilhão de pessoas assistindo”.

A homenagem In Memoriam aos falecidos ficou bonita, ainda mais com a interpretação de “Blackbird” (escolha bastante coerente) por Dave Grohl ao vivo. Grandes perdas relembradas ficaram mais emocionantes.

No final, acho que os resultados condisseram com o inesperado. Spotlight levando dois Oscars, Mark Rylance batendo Stallone, 007 Contra Spectre batendo o circo em volta de Lady Gaga e os efeitos simples de Ex-Machina batendo os peixes grandes como Star Wars e Mad Max. Uma premiação atípica para um ano atípico.

Seguem todos os vencedores do Oscar 2016:

MELHOR FILME
* Spotlight – Segredos Revelados (Spotlight)

MELHOR DIRETOR
* Alejandro González Iñárritu (O Regresso)

MELHOR ATOR
* Leornardo DiCaprio (O Regresso)

MELHOR ATRIZ
* Brie Larson (O Quarto de Jack)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
* Mark Rylance (Ponte dos Espiões)

oscar_highlights_290216_11-840x571

Mark Rylance levou Ator Coadjuvante por Ponte dos Espiões, batendo Sylvester Stallone. (photo by themalaimailonline.com)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
* Alicia Vikander (A Garota Dinamarquesa)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
* Josh Singer, Tom McCarthy (Spotlight – Segredos Revelados)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
* Charles Randolph, Adam McKay (A Grande Aposta)

MELHOR FOTOGRAFIA
* Emmanuel Lubezki (O Regresso)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
* Colin Gibson, Katie Sharrock, Lisa Thompson (Mad Max: Estrada da Fúria)

MELHOR MONTAGEM
* Margaret Sixel (Mad Max: Estrada da Fúria)

MELHOR FIGURINO
* Jenny Beavan (Mad Max: Estrada da Fúria)

MELHOR MAQUIAGEM E CABELO
* Mad Max: Estrada da Fúria

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
* Ennio Morricone (Os 8 Odiados)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
* “Writing’s on the Wall”, de Jimmy Napes e Sam Smith (007 Contra Spectre)

MELHOR SOM
* Mad Max

MELHORES EFEITOS SONOROS
* Mad Max: Estrada da Fúria

MELHORES EFEITOS VISUAIS
* Ex-Machina: Instinto Artificial

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
* Filho de Saul, de László Nemes (HUNGRIA)

MELHOR ANIMAÇÃO
* Divertida Mente

MELHOR DOCUMENTÁRIO
* Amy

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA
* A Girl in the River: The Price of Forgiveness

MELHOR CURTA-METRAGEM
* Stutterer

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
* Bear Story

E pra fechar com chave de ouro, a mais belamente vestida da noite: Saoirse Ronan.

88th Annual Academy Awards - Arrivals

Saoirse Ronan no tapete vermelho num belo vestido esmeralda da Calvin Klein Collection. (Photo by Jason Merritt/Getty Images through Just Jared)

88th Annual Academy Awards - Arrivals

Saoirse Ronan e sua fenda nas costas ousada. (Photo by Jason Merritt/Getty Images through Just Jared)

Apostas para o Oscar 2016

Pôster do Oscar 2016 com o host da noite, Chris Rock (art by oscar.go)

Pôster do Oscar 2016 com o host da noite, Chris Rock (art by oscar.go)

TRÊS TÍTULOS DISPUTAM O COBIÇADO PRÊMIO DA ACADEMIA EM ANO BEM ATÍPICO

OK! It’s Oscar time!  Quem você quer que ganhe o Oscar? Ah é? Esqueça, que não vai acontecer! haha Talvez Leonardo DiCaprio, o rei dos memes, seja a aposta mais certa do ano! Quem diria! Num ano repleto de incertezas como não vejo há muito tempo, prever um vencedor se tornou uma tarefa bastante ingrata, principalmente a categoria de Melhor Filme, que praticamente se divide entre A Grande Aposta, O Regresso e Spotlight. Existe gente ainda na internet já dizendo que O Quarto de Jack teria boas chances por haver essa indecisão.

Acredito que pode haver terceiros beneficiados em uma ou outra categoria, porque muitos votos estão indecisos, mesmo naquelas categorias em que há um favorito, como na de Ator Coadjuvante. Sylvester Stallone definitivamente corre na frente pelos votos mais guiados pela emoção, mas vale lembrar que ele não concorreu no BAFTA e no SAG Awards, vencidos por Mark Rylance e Idris Elba, respectivamente.

Falando em Idris Elba, espere muuuuuitas piadas do host Chris Rock envolvendo a tal “falta de diversidade” do Oscar branco. Depois do anúncio dos 20 atores brancos indicados nas 4 categorias, houve boicotes declarados pelo diretor Spike Lee (que deveria comparecer à cerimônia, já que foi homenageado pelo Governos Awards em novembro), e pelos atores Jada Pinkett Smith e Will Smith. Particularmente, acho que a Academia não deveria nunca mais indicar esses boicotadores, já que não é obrigada a reconhecer ninguém, muito menos por cor, raça, religião ou opção sexual.

Há poucos dias, o primeiro transsexual indicado ao Oscar (sim, ele existe!), o compositor Antony Hegarty (conhecido como Anohni), decidiu não comparecer ao evento. Mas no caso dele, não se trata de uma baboseira de protesto racial, mas por que a canção pelo qual foi indicado “Manta Ray” do documentário Racing Extinction não será apresentada no palco. A Academia errou feio ao convidar apenas os “famosos” para cantar no palco: Sam Smith, Lady Gaga e o The Weeknd. A outra exclusão ficou por conta da canção “Simple Song # 3” de Juventude. Curiosamente, não é a primeira vez que a Academia comete essa gafe. Em 2013, quando a canção “Skyfall” de Adele venceu, dois indicados sequer se apresentaram porque não foram convidados. Aí eu concordo plenamente em boicote, e sem qualquer punição! Se não for pra apresentar, pra que indicar?

Antony Hegart (Anohni) não vai ao Oscar 2016 (photo by musictimes.com)

Antony Hegart (Anohni) não vai ao Oscar 2016 por sua canção “Manta Ray” de Racing Extinction (photo by musictimes.com)

Vendo a lista de apresentadores, estou vendo que a Academia está preocupada em abafar o caso da polêmica racial. Convidou artistas diversificados como Chadwick Boseman, Abraham Attah, Michael B. Jordan (atores negros), Priyanka Chopra (indiana), Byung-hun Lee (sul-coreano) e Sofía Vergara (colombiana), então acredito que pode haver vencedores influenciados por essa controvérsia. Acho bastante desagradável essa coisa imposta por uma polêmica que não existe, pois prejudica aqueles que estão indicados e os próximos atores negros indicados, pois levantará a seguinte questão: “Será que foi indicado por merecimento ou por cota racial?”.

Em relação ao indicados, temos bons filmes presentes nas categorias como Mad Max: Estrada da Fúria, que deve competir diretamente com O Regresso pelos prêmios mais técnicos. Dentre os indicados a Melhor Filme, tenho admiração por Brooklyn e Ponte dos Espiões. Não são filmes inovadores, mas são tão bem feitos que é impossível não se encantar.

Sim, tenho torcida pessoal por alguns indicados esta noite como as atrizes Charlotte Rampling (mesmo depois de seu comentário mal interpretado), Saoirse Ronan, Alicia Vikander (quero me casar com a personagem dela), Eddie Redmayne, George Miller, Roger Deakins (sempre perde, mas sempre estou torcendo por ele!), Anomalisa e Shaun: O Carneiro. Como sempre faço, coloquei meus votos na seção “Deveria Ganhar”, então sem mais delongas, vamos às categorias:

MELHOR FILME

* A Grande Aposta (The Big Short)
* Ponte dos Espiões (Bridge of Spies)
* Brooklyn (Brooklyn)
* Mad Max: Estrada da Fúria (Mad Max: Fury Road)
* Perdido em Marte (The Martian)
* O Regresso (The Revenant)
* O Quarto de Jack (Room)
* Spotlight – Segredos Revelados (Spotlight)

DEVE GANHAR: A Grande Aposta ou O Regresso ou Spotlight
DEVERIA GANHAR: Ponte dos Espiões
ZEBRA: Brooklyn

ESNOBADO: 45 Anos

Existia uma teoria de que este ano poderíamos ter 5 ou 10 indicados, pois o sistema de votação exige que o filme deve ter pelo menos 5% de votos de 1º lugar do ano. E já que tivemos muitas boas produções, havia essa disputa que poderia proporcionar esse cenário. No final, oito filmes foram indicados a Melhor Filme. Alguns críticos, incluindo eu, levantaram a questão: Por que não preencher as demais 2 vagas?

Desde 2010, a Academia passou a oferecer 10 vagas na principal categoria, basicamente porque Batman – O Cavaleiro das Trevas foi excluído em 2009, ou seja, eles queriam indicar mais filmes de outros gêneros justamente para trazer o público mais jovem à frente da tv no dia da cerimônia. Este ano, Mad Max parece suprir essa demanda, mas seguindo essa lógica, por que não indicar também Star Wars: O Despertar da Força? Particularmente não gosto tanto do novo filme dos jedis, mas ei! É a maior bilheteria dos últimos tempos.

Enfim… Oito filmes. O que mais tem cara de Melhor Filme é Spotlight. Um drama jornalístico que cutuca a Igreja Católica por abusos de seus padres em Boston. Possui uma história verídica por trás, o que lhe confere maior credibilidade como Melhor Filme do ano, e que lembra um pouco outro filme sobre jornalistas: Todos os Homens do Presidente. É claro que o filme de Alan J. Pakula é superior ao de Tom McCarthy, mas muitos críticos levantaram essa comparação. Considero Spotlight um bom filme para conferirmos a engenharia da notícia, mas como filme (parece telefilme) e como crítica à Igreja, ficou aquém de suas pretensões.

O Regresso parece ter as maiores chances como Melhor Filme por ter praticamente garantido o Oscar de Ator para DiCaprio e Fotografia. Ao contrário da maioria dos indicados, é um filme de enormes proporções e pretensões, mas com roteiro simples. Se ganhar, será o primeiro filme a levar Melhor Filme sem ter sido indicado a Roteiro desde Titanic (1997), e o primeiríssimo a ganhar Melhor Filme do mesmo diretor (Alejandro G. Iñárritu) consecutivamente.

E A Grande Aposta é um filme que tem a leveza a seu favor mesmo abordando um assunto extremamente sério e chato: a crise econômica que assolou o mundo em 2008. Como tem grandes chances de levar Roteiro Adaptado e possivelmente Montagem, o filme de Adam McKay pode surpreender nesta categoria, ainda mais depois que levou o PGA Awards, que costuma acertar no Oscar com uma frequência assustadora.

MELHOR DIRETOR

* Adam McKay (A Grande Aposta)
* Alejandro González Iñárritu (O Regresso)
* George Miller (Mad Max: Estrada da Fúria)
* Lenny Abrahamson (O Quarto de Jack)
* Tom McCarthy (Spotlight – Segredos Revelados)

George Miller ao lado de Tom Hardy em set de Mad Max: Estrada da Fúria (photo by collider.com)

George Miller ao lado de Tom Hardy em set de Mad Max: Estrada da Fúria (photo by collider.com)

DEVE GANHAR: Alejandro G. Iñárritu (O Regresso)
DEVERIA GANHAR: George Miller (Mad Max: Estrada da Fúria)
ZEBRA: Lenny Abrahamson (O Quarto de Jack)

ESNOBADO: Steven Spielberg (Ponte dos Espiões)

Três questões podem tirar o Oscar de George Miller: 1) O lançamento de Mad Max: Estrada da Fúria em maio. Como muitos sabem, os votantes têm memória curta, por isso os candidatos ao Oscar costumam ficar entre outubro e dezembro. 2) Com a repercussão da polêmica de “falta de diversidade” de Spike Lee e Jada Pinkett Smith, a Academia pode se sentir obrigada a compensar a falta de atores negros competindo com a premiação de um latino (Alejandro G. Iñárritu). E 3) O próprio Alejandro ganhou o DGA award, que costuma ter alta porcentagem de acerto no Oscar.

É uma pena que Alejandro G. Iñárritu entrou no caminho de George Miller. Seria uma premiação bastante louvada por todos. Tirando o diretor australiano de Mad Max, o diretor mexicano Iñárritu não tem uma competição tão forte assim, o que reforça o pensamento dos votantes de não haver problemas de eleger o mesmo diretor duas vezes seguidas. Além disso, vamos convir de que seu trabalho em O Regresso tem inúmeras qualidades, especialmente nesse âmbito mais sensorial, que lembra os filmes de Terrence Malick.

Sim, pode acontecer aqui a divisão de votos e beneficiar Tom McCarthy, Adam McKay ou mesmo Lenny Abrahamson, mas acho pouco provável.

MELHOR ATOR

* Bryan Cranston (Trumbo – Lista Negra)
* Matt Damon (Perdido em Marte)
* Leonardo DiCaprio (O Regresso)
* Michael Fassbender (Steve Jobs)
* Eddie Redmayne (A Garota Dinamarquesa)

Leonardo DiCaprio em O Regresso (photo by telegraph.co.uk)

Leonardo DiCaprio em O Regresso (photo by telegraph.co.uk)

DEVE GANHAR: Leonardo DiCaprio (O Regresso)
DEVERIA GANHAR: Eddie Redmayne (A Garota Dinamarquesa)
ZEBRA: Matt Damon (Perdido em Marte)

ESNOBADO:

Se Peter O’Toole e Richard Burton pudessem ter contado com o apoio dos fãs da internet como o DiCaprio com seus trocentos memes, quem sabe eles teriam vencido em suas épocas? Leo tem incontáveis fãs ao redor do mundo, que reconhecem seu esforço para ganhar essa estatueta. Este ano, foi até visitar o Papa Francisco! Particularmente, acho que ele merecia mais pela performance em O Lobo de Wall Street, mas acredito que o ator está progredindo nessa parte do exagero que mais critico a seu respeito. O papel de Hugh Glass também ajuda, já que seu personagem é de poucas palavras.

Honestamente falando, não vi nenhum ator este ano que eu defendesse ferrenhamente. Mas acredito que o que mais se aproximou disso foi Eddie Redmayne. E não me refiro apenas à sua transformação para transsexual em A Garota Dinamarquesa, uma vez que ele também já havia impressionado em A Teoria de Tudo, mas pela atuação mesmo. Ele consegue demonstrar de forma sensível o quanto Lili está perdida, indecisa e dividida entre sua mulher e quem realmente é. Nas mãos de um ator menos qualificado, provavelmente teríamos uma performance mais caricata, pois o papel permite muito isso, mas com Redmayne, o filme ganha força e motivação do início ao fim sem soar piegas.

Em segundo lugar, ficaria com Bryan Cranston em Trumbo – Lista Negra. Ele incorpora o roteirista Dalton Trumbo ao peitar o sistema hollywoodiano que caça os comunistas. Trata-se de um grande papel para um grande ator. E com essa interpretação, Cranston consegue comprovar que é muito mais do que Walter White de Breaking Bad.

MELHOR ATRIZ

* Cate Blanchett (Carol)
* Brie Larson (O Quarto de Jack)
* Jennifer Lawrence (Joy: O Nome do Sucesso)
* Charlotte Rampling (45 Anos)
* Saoirse Ronan (Brooklyn)

Charlotte Rampling em 45 Anos (photo by outnow.ch)

Charlotte Rampling em 45 Anos (photo by outnow.ch)

DEVE GANHAR: Brie Larson (O Quarto de Jack)
DEVERIA GANHAR: Charlotte Rampling (45 Anos) ou Saoirse Ronan (Brooklyn)
ZEBRA: Jennifer Lawrence (Joy: O Nome do Sucesso)

É difícil ir contra a maioria dos prêmios quando eles focam na mesma atriz. Globo de Ouro, Critics’ Choice, SAG e o Independent Spirit Awards reconheceram Brie Larson, praticamente uma unanimidade. Contudo, não considero sua atuação a melhor do ano. Larson é uma atriz empenhada, sim, mas seu papel é secundário na trama e poderia ser bem mais tridimensional, concedendo momentos mais profundos para a personagem Ma. Se ganhar, será uma forma de premiar o filme como um todo, ainda mais que o pequeno Jacob Tremblay, a jóia do filme, sequer foi indicado.

Charlotte Rampling e Saoirse Ronan nitidamente são as melhores da categoria. Aliás, se não houvesse as manobras marqueteiras, e Alicia Vikander e Rooney Mara estivessem concorrendo como Melhor Atriz (e não Coadjuvante), teríamos a melhor disputa de Atriz em décadas! Infelizmente, já existem justificativas para Rampling e Ronan perderem: a primeira teve suas chances reduzidas drasticamente depois que declarou numa rádio que o “boicote ao Oscar é racismo contra os brancos”. Sua interpretação dos fatos não é errada, mas veio em momento errado. E isso não deve passar desapercebido pelos votantes da Academia… uma pena! E quanto a Ronan, bem… aposto que muitas pensaram: “Ela é nova demais para ganhar um prêmio desses”. Ela tem 21 anos de idade, mas em Brooklyn, ela provou que tem talento de veterana! Ela foi previamente indicada como Coadjuvante por Desejo em Reparação em 2008, então, poderiam lhe conceder o Oscar nesta segunda indicação… Caso não vença, anotem o que digo: Ela ainda vai ganhar sua estatueta.

MELHOR ATOR COADJUVANTE

* Christian Bale (A Grande Aposta)
* Tom Hardy (O Regresso)
* Mark Ruffalo (Spotlight – Segredos Revelados)
* Mark Rylance (Ponte dos Espiões)
* Sylvester Stallone (Creed: Nascido Para Lutar)

Sylvester Stallone em Creed: Nascido Para Lutar (photo by cinemagia.ro)

Sylvester Stallone em Creed: Nascido Para Lutar (photo by cinemagia.ro)

DEVE GANHAR: Sylvester Stallone (Creed: Nascido Para Lutar)
DEVERIA GANHAR: Tom Hardy (O Regresso)
ZEBRA: Christian Bale (A Grande Aposta)

ESNOBADO: Jacob Tremblay (O Quarto de Jack)

É difícil não premiar um ator que concorreu pelo mesmo papel há 40 anos e agora retorna como Ator Coadjuvante. A Academia reconhece essa trajetória como a de um vencedor. Além disso, o nome de Sylvester Stallone foi o mais ovacionado no Globo e Ouro e no anúncio dos indicados ao Oscar, o que é garantia de voto popular. Aí você vai pensar: “Quando vão ter outra oportunidade de premiar Stallone com um Oscar? Nunca mais!”

Sou fã de Stallone desde criança, principalmente depois das três conchas do banheiro de O Demolidor, mas acho que a melhor performance este ano é de Tom Hardy. Só o olhar de psico dele bate muitas performances, e seu personagem ganancioso Fitzgerald que faz o filme ir pra frente.

Alguns estão apostando em Mark Ruffalo como válvula de escape caso Spotlight venha a ganhar Melhor Filme, mas sua atuação destoa dos demais. E eu, particularmente, estava aguardando uma revelação dele no final, dizendo que teria sido vítima de abuso quando criança, o que não aconteceu.

E quanto à ausência de Jacob Tremblay, muitos profissionais e críticos elogiaram a Academia por não indicar sua performance, porque tiraria o peso da responsabilidade das costas do menino. Alan Arkin fez o mesmo comentário sobre a derrota de Abigail Breslin em 2007 por Pequena Miss Sunshine. Todos temem que haja novos Macaulay Culkins ou Hayley Joel Osments.

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

* Jennifer Jason Leigh (Os 8 Odiados)
* Rooney Mara (Carol)
* Rachel McAdams (Spotlight – Segredos Revelados)
* Alicia Vikander (A Garota Dinamarquesa)
* Kate Winslet (Steve Jobs)

Alicia Vikander em A Garota Dinamarquesa (photo by cine.gr)

Alicia Vikander em A Garota Dinamarquesa (photo by cine.gr)

DEVE GANHAR: Alicia Vikander (A Garota Dinamarquesa)
DEVERIA GANHAR: Alicia Vikander (A Garota Dinamarquesa)
ZEBRA: Rachel McAdams (Spotlight – Segredos Revelados)

ESNOBADAS: Kristen Stewart (Acima das Nuvens) e Marion Cotillard (Macbeth)

Não existe personagem mais adorável do que Alicia Vikander este ano em A Garota Dinamarquesa. Ok, talvez Saoirse Ronan em Brooklyn. Sua Gerda Wegener é tão compreensiva diante da transformação e perda de seu marido que leva qualquer um às lágrimas. Infelizmente, por ser um rosto novo em Hollywood (ela veio da Suécia), rebaixaram-na para a categoria de coadjuvante, sendo que seu personagem claramente é principal. Mas os fãs mais ardorosos como eu, até que não se incomodaram tanto pelo fato de ela ter maiores chances de vitória como Coadjuvante.

Em segundo lugar, ficaria com Rooney Mara (outro caso de manobra para outra categoria) e Jennifer Jason Leigh. As duas conseguem extrair o melhor das personagens com detalhes e pequenos gestos como um olhar.

E a indicação de Rachel McAdams pra mim foi a mais preguiçosa do ano, do tipo “vamos inclui-la para agradar Spotlight“. Acho que Kristen Stewart e Marion Cotillard poderiam ficar com essa vaga para haver maior competitividade na categoria, pois são trabalhos infinitamente mais consistentes.

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL

* Matt Charman, Ethan Coen, Joel Coen (Ponte dos Espiões)
* Alex Garland (Ex-Machina: Instinto Artificial)
* Pete Docter, Meg LeFauve, Josh Cooley, Ronnie Del Carmen (Divertida Mente)
* Josh Singer, Tom McCarthy (Spotlight – Segredos Revelados)
* Andrea Berloff, Jonathan Herman, S. Leigh Savidge, Alan Wenkus (Straight Outta Compton: A História do N.W.A.)

Elenco de Spotlight (photo by Open Road)

Elenco de Spotlight – Segredos Revelados (photo by Open Road)

DEVE GANHAR: Spotlight – Segredos Revelados ou Straight Outta Compton: A História do N.W.A.
DEVERIA GANHAR: Ponte dos Espiões
ZEBRA: Divertida Mente

ESNOBADO: Joel Edgerton (O Presente) e Woody Allen (O Homem Irracional)

De todas as vezes que os roteiros da Pixar foram indicados na categoria (Procurando Nemo, Os Incríveis, Ratatouille e Toy Story 3), todos ganharam o Oscar de Animação, mas sempre perderam Roteiro, por isso Divertida Mente se torna a zebra aqui. Além disso, perdoem-me fãs da Pixar, considero a história fraca para sustentar um longa-metragem, assim como foi em Monstros S.A.

Embora todos elogiem bastante o roteiro de Spotlight – Segredos Revelados, vejo o possível Oscar como uma forma de reconhecer a coragem dos jornalistas por trás das denúncias de abusos sexuais, e não como qualidade de trama, construção de personagens e diálogos. De qualquer forma, é um jeito de premiar o diretor Tom McCarthy caso ele perca na categoria de Direção, já que é um co-roteirista ao lado de Josh Singer.

Votei como o melhor roteiro aqui o de Ponte dos Espiões. Além da reconstrução de uma época extremamente paranóica da Guerra Fria, ele apresenta bons diálogos entre o advogado (Tom Hanks), líderes como o juiz e os comunistas, e o espião (Mark Rylance) que se torna seu cliente. Mas acima de tudo, a característica que mais se destaca nesse roteiro é a capacidade de refletir o momento atual xenófobo numa história que se passa nos anos 50/60, passando-nos a mensagem de que pouca coisa mudou de lá pra cá, mas que a Constituição deve ser nossa base para uma sociedade melhor.

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO

* Charles Randolph, Adam McKay (A Grande Aposta)
* Nick Hornby (Brooklyn)
* Phyllis Nagy (Carol)
* Drew Goddard (Perdido em Marte)
* Emma Donoghue (O Quarto de Jack)

Cena de vários personagens em A Grande Aposta (photo by cinemagia.ro)

Cena de A Grande Aposta (photo by cinemagia.ro)

 

DEVE GANHAR: A Grande Aposta
DEVERIA GANHAR: A Grande Aposta
ZEBRA: Brooklyn

ESNOBADO: Andrew Haigh (45 Anos), Aaron Sorkin (Steve Jobs) e Charlie Kaufman (Anomalisa)

Qual o grande mérito de um bom roteiro que se baseia num livro ou peça existentes? Fazer funcionar no filme. Manter a essência da história original e saber moldá-la no formato de cinema é basicamente a melhor qualidade para eleger o melhor desta categoria. E, na minha opinião, nenhum trabalho foi melhor do que o da dupla Charles Randolph e Adam McKay em A Grande Aposta. Além do mérito de adaptar, eles souberam “traduzir” a chatice de um livro sobre economia num filme divertido para uma grande massa. Apesar de ter seu lado didático com as inserções de celebridades explicando termos técnicos, o filme procura não subestimar a inteligência do espectador.

Embora Brooklyn tenha recebido uma indicação de Melhor Filme, a grande base do filme é a atuação de Saoirse Ronan, e em segunda instância, seu roteiro. Por mais que seja a segunda indicação do célebre escritor Nick Hornby (a primeira foi em 2010 por Educação), ainda não deve ser a vez dele no Oscar.

Não sou fã dos mais calorosos do roteiro de Aaron Sorkin, mas certamente ele tem suas qualidades e é a grande base do filme Steve Jobs ao lado de seus atores.

MELHOR FOTOGRAFIA

* Ed Lachman (Carol)
* Robert Richardson (Os 8 Odiados)
* John Seale (Mad Max: Estrada da Fúria)
* Emmanuel Lubezki (O Regresso)
* Roger Deakins (Sicario: Terra de Ninguém)

THE REVENANT Copyright © 2015 Twentieth Century Fox Film Corporation. All rights reserved. THE REVENANT Motion Picture Copyright © 2015 Regency Entertainment (USA), Inc. and Monarchy Enterprises S.a.r.l. All rights reserved.Not for sale or duplication.

Fotografia de Emmanuel Lubezki (O Regresso)
photo by Twentieth Century Fox Film Corporation/Regency Entertainment/ Inc. and Monarchy Enterprises S.a.r.l.

DEVE GANHAR: Emmanuel Lubezki (O Regresso)
DEVERIA GANHAR: Emmanuel Lubezki (O Regresso)
ZEBRA: Ed Lachamn (Carol)

ESNOBADO: Janusz Kaminski (Ponte dos Espiões)

Definitivamente, a categoria mais nivelada desta edição, tanto que é impossível dizer qual não tem chances de ganhar. Elegi Ed Lachamn, porque se trata de sua segunda indicação, e ele concorre com monstros como Lubezki e Deakins, e porque Carol sofreu um “rebaixamento” depois que não foi indicado a Melhor Filme e Diretor. Mas certamente é um belíssimo trabalho de fotografia em 16mm que visa destacar o lado poético do romance das protagonistas, e que adoraria ver premiado.

A fotografia de O Regresso foi uma das mais comentadas pelo preciosismo. Dois motivos, ou melhor, duas maluquices: 1) a fotografia não utiliza luzes artificiais, usufruindo apenas a luz natural. 2) aí você vai pensar: “Então vamos para um lugar onde tenha muita luz do sol!” – Não. A equipe se deslocou para lugares exóticos em que a luz era extremamente escassa. Há boatos de que havia dias em que a luz durava uma hora e meia! Se o mexicano Emmanuel Lubezki ganhar, esta será sua terceira vitória consecutiva depois de Gravidade e Birdman. É possível? Sim. Já aconteceu antes 3 vitórias consecutivas? NUNCA!

Como fã assíduo do conjunto da obra de Roger Deakins, sempre torço por ele. Acho que ele já merecia o Oscar em pelo menos 3 ocasiões: Fargo, O Homem que Não Estava Lá e 007: Operação Skyfall. O homem já tem 13 indicações sem nenhuma vitória. Até quando teremos que esperar, Academia? Place your bets.

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

* Adam Stockhausen, Rena DeAngelo, Bernhard Henrich (Ponte dos Espiões)
* Colin Gibson, Katie Sharrock, Lisa Thompson (Mad Max: Estrada da Fúria)
* Arthur Max, Celia Bobak, Zoltán Horváth (Perdido em Marte)
* Jack Fisk, Hamish Purdy (O Regresso)
* Eve Stewart, Michael Standish (A Garota Dinamarquesa)

Direção de arte de Colin Gibson de Mad Max: Estrada da Fúria (photo by elfilm.com)

Direção de arte de Colin Gibson de Mad Max: Estrada da Fúria (photo by elfilm.com)

DEVE GANHAR: Mad Max
DEVERIA GANHAR: Mad Max
ZEBRA: A Garota Dinamarquesa

ESNOBADO: Thomas E. Sanders (A Colina Escarlate)

Primeiro, deixe eu fazer um comentário nessa categoria. Onde está a direção de arte de O Regresso? Claro, tem um forte que aparece pouco e um barquinho, mas concorrer ao Oscar? Não me levem a mal, gosto do trabalho de Jack Fisk em Sangue Negro, mas acho que aqui ele preencheu uma cota, que poderia ter ido para o caprichado cenário de A Colina Escarlate, de Guillermo del Toro. Só aquelas mansões já poderiam render o Oscar da categoria.

Os trabalhos de Ponte dos Espiões e A Garota Dinamarquesa são bons, mas são de recriações das décadas de 50 e 20, respectivamente. Ambos merecem suas indicações. Contudo, não existe melhor trabalho de design de produção do que de Mad Max: Estrada da Fúria. Ok, a maioria do filme se passa no deserto, mas todos aqueles carros e caminhões já mereciam um prêmio. A cidade desértica do vilão Immortan Joe apresenta características importantes desse universo pós-apocalíptico como as gaiolas de prisioneiros, o cativeiro das grávidas e a queda d’água que abastece a população sedenta. Se esse Oscar não for para Colin Gibson, aí eu não entendo mais nada de Oscar.

MELHOR MONTAGEM

* Hank Corwin (A Grande Aposta)
* Margaret Sixel (Mad Max: Estrada da Fúria)
* Stephen Mirrione (O Regresso)
* Tom McArdle (Spotlight – Segredos Revelados)
* MaryAnn Brandon, Mary Jo Markey (Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força)

Cena de Mad Max: Estrada da Fúria (photo by cine.gr)

Cena de Mad Max: Estrada da Fúria (photo by cine.gr)

DEVE GANHAR: Mad Max: Estrada da Fúria
DEVERIA GANHAR: A Grande Aposta
ZEBRA: Star Wars: O Despertar da Força

ESNOBADO: Joe Walker (Sicario: Terra de Ninguém)

Normalmente, os vencedores desta categoria tem uma montagem rápida, típica dos filmes de ação como Bullitt, Rocky – Um Lutador e mais recentemente, O Ultimato Bourne, então é garantido dizer que a montagem de Mad Max corre na frente. Vale lembrar que a montadora é ninguém menos do que Margaret Sixel, esposa do diretor George Miller. Então, caso ele não ganhe, pode servir também como bom prêmio de consolação. O mesmo já ocorreu em 2002, quando Baz Luhrmann ficou sentado a cerimônia inteira, enquanto sua esposa Catherine Martin levou dois Oscars por Moulin Rouge – Amor em Vermelho.

É claro que o caminho de Mad Max nesta categoria não está tão fácil assim. Se existe algo de destaque no outro grande favorito ao Oscar, A Grande Aposta, que não seja seu roteiro, é a montagem. Além da estrutura não-linear, aquelas inserções de celebridades explicando os termos econômicos para o espectador são dignas de um Oscar.

A montagem de Stephen Mirrione em O Regresso fica em terceiro, podendo sobrar votos em caso de divisão. E gostaria que a montagem de Joe Walker fosse reconhecida com uma indicação por Sicario: Terra de Ninguém. Só aquelas sequência final nos túneis subterrâneos já considero bem melhor do que Star Wars ou mesmo Spotlight.

MELHOR FIGURINO

* Sandy Powell (Carol)
* Sandy Powell (Cinderela)
* Paco Delgado (A Garota Dinamarquesa)
* Jenny Beavan (Mad Max: Estrada da Fúria)
* Jacqueline West (O Regresso)

Cena de Carol com figurino de Sandy Powell (photo by cinemagia.ro)

Cena de Carol com figurino de Sandy Powell (photo by cinemagia.ro)

DEVE GANHAR: Mad Max: Estrada da Fúria
DEVERIA GANHAR: Carol
ZEBRA: Cinderela

ESNOBADO: Kate Hawley (A Colina Escarlate)

Embora Sandy Powell seja uma das melhores figurinistas da atualidade, sua dupla indicação reduz suas chances de vitória (com a divisão de votos) e ainda tira a oportunidade de reconhecer o trabalho de outra talentosa figurinista: Kate Hawley de A Colina Escarlate, que baseou seus figurinos em pinturas. Enfim, em sua ausência, prefiro o trabalho de Powell em Carol.

Premiado pelo sindicato de figurinistas, o trabalho de Jenny Beavan por Mad Max pode ser coroado aqui. Esta é sua 10ª indicação como figurinista e pode ser seu segundo Oscar depois de vencer por Uma Janela Para o Amor em 1987. Gosto daquela espécie de armadura de Immortan Joe, mas os demais personagens apresentam figurinos mais fracos como as grávidas, que usam uns trapos.

MELHOR MAQUIAGEM E CABELO

* Mad Max: Estrada da Fúria
* The 100 Year-Old Man Who Climbed Out a Window and Disappeared
* O Regresso

Personagens maquiados de Mad Max: Estrada da Fúria (photo by cinemagia.ro)

Personagens maquiados de Mad Max: Estrada da Fúria (photo by cinemagia.ro)

DEVE GANHAR: Mad Max: Estrada da Fúria
DEVERIA GANHAR: Mad Max: Estrada da Fúria
ZEBRA: The 100 Year-Old Man Who Climbed Out a Window and Disappeared

ESNOBADO: Sr. Sherlock Holmes

Como se trata de uma explosão visual, é complicado enxergarmos onde necessariamente termina o trabalho de direção de arte, onde começa os figurinos e a maquiagem de Mad Max. Existem personagens como os lacaios de Immortan Joe que têm a maquiagem em seus corpos como figurinos. Mas certamente é o melhor trabalho de maquiagem e cabelo do ano.

Acho bacana que a Academia resolveu indicar este pequeno filme da Suécia: The 100 Year-Old Man Who Climbed Out a Window and Disappeared. E engana-se aquele que pensa que a maquiagem de envelhecimento é a única razão de estar concorrendo ao Oscar. O personagem é uma espécie de Forrest Gump velhinho, que passou por grandes momentos da História, conhecendo figuras emblemáticas como Stalin e Gorbachev, ou seja, existe maquiagem para recriar essas figuras na tela.

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL

* Thomas Newman (Ponte dos Espiões)
* Carter Burwell (Carol)
* Jóhann Jóhannsson (Sicario: Terra de Ninguém)
* Ennio Morricone (Os 8 Odiados)
* John Williams (Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força)

KURT RUSSELL and SAMUEL L. JACKSON star in THE HATEFUL EIGHT

Kurt Russell e Samuel L. Jackson em cena de Os 8 Odiados (photo by cine.gr)

DEVE GANHAR: Ennio Morricone (Os 8 Odiados)
DEVERIA GANHAR: Jóhann Jóhannsson (Sicario: Terra de Ninguém)
ZEBRA: Thomas Newman (Ponte dos Espiões)

ESNOBADO: Alexandre Desplat (A Garota Dinamarquesa) e Ryuichi Sakamoto (O Regresso)

Até alguns anos atrás, Ennio Morricone estava naquela temida lista de artistas que foram indicados ao Oscar e nunca ganharam na vida. É uma lista que a Academia vem tentando reduzir. Infelizmente, eles não podem ressuscitar Alfred Hitchcock, Stanley Kubrick ou Orson Welles, então Morricone está aqui, em sua sexta indicação. Ele concorreu com obras-primas como a trilha de A Missão e Os Intocáveis, mas nada de Oscar. Em 2007, foi agraciado com um Oscar Honorário concedido por Clint Eastwood, mas como todos sabem, não é a meeeesma coisa. Sua trilha em Os Oito Odiados teria sido uma das trilhas descartadas por John Carpenter para o clássico O Enigma do Outro Mundo (1982), mas que caiu como uma luva neste novo filme de Quentin Tarantino. É uma música-tema que levanta um ar de mistério, perfeita para o clima do western.

Os demais trabalhos são bons, especialmente o de Jóhann Jóhannsson em Sicario: Terra de Ninguém, mas acredito que ninguém bate Morricone. Thomas Newman está em sua 13ª indicação sem vitórias e deve se manter assim por pelo menos mais um ano. E o mestre John Williams, com sua trilha clássica de Star Wars, pode sequer comparecer ao evento já que já está com seus 84 aninhos.

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

* “Earned It”, de Abel Tesfaye, Ahmad Balshe, Jason Daheala Quenneville, Stephan Moccio (Cinquenta Tons de Cinza)
* “Manta Ray”, de J. Ralph, Antony Hegarty (Racing Extinction)
* “Simple Song #3”, de David Lang (Juventude)
* “Til it Happens to You”, de Diane Warren, Lady Gaga (The Hunting Ground)
* “Writing’s on the Wall”, de Jimmy Napes e Sam Smith (007 Contra Spectre)

Stephanie Sigman e Daniel Craig em cena inicial de 007 Contra Spectre (photo by cinemagia.ro)

Stephanie Sigman e Daniel Craig em cena inicial de 007 Contra Spectre (photo by cinemagia.ro)

DEVE GANHAR: “Writing’s on the Wall” ou “Til it Happens to You”
DEVERIA GANHAR: “Manta Ray”
ZEBRA: “Manta Ray”

ESNOBADO: “See You Again” (Velozes & Furiosos 7) e “Love me Like You do” (Cinquenta Tons de Cinza)

A categoria de Canção Original tem se tornado uma das mais difíceis de se prever o resultado, principalmente depois daquele ano de 2006, quando aquele funk horroroso “It’s Hard Out Here for a Pimp”, de Ritmo de um Sonho, levou o Oscar. Antigamente, bastava ter um artista famoso como Celine Dion ou ser da Disney, que já era favorito ao Oscar. Este ano, a categoria sofreu duas quedas inesperadas com a ausência de “Love me Like You” e “See You Again”, que vinham competindo em todas as listas. Mas no Globo de Ouro, a canção-tema de 007 Contra Spectre acabou ganhando. Sua concorrência mais forte vem do documentário The Hunting Ground, sobre estudantes universitárias vítimas de abuso sexual nos campus. A canção “Til it Happens to You” tem o pedigree de Lady Gaga e da grande compositora Diane Warren.

Acho que o prêmio deveria ir para “Manta Ray”. O protesto de seu compositor, Antony Hegarty, faz todo o sentido e deveria ser compensado pela injustiça de ficar de fora das apresentações.

MELHOR SOM

* Ponte dos Espiões
* Mad Max
* Perdido em Marte
* O Regresso
* Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força

Stormtroopers em ação em Star Wars: O Despertar da Força (photo by cinemagia.ro)

Stormtroopers em ação em Star Wars: O Despertar da Força (photo by cinemagia.ro)

DEVE GANHAR: Mad Max
DEVERIA GANHAR: Mad Max
ZEBRA: Ponte dos Espiões

Provavelmente um técnico de som saberia avaliar melhor o som dos filmes. São tantas minúcias que muitas vezes nem percebemos o bom trabalho de captação e edição desses sons. Normalmente, como a cartilha leiga diz, o filme mais barulhento costuma levar o Oscar. Este ano, acho que não houve filme que balançasse mais as caixas de som do que Mad Max, com aquele monte de carros se batendo, tiros e explosões. Em seguida, viria O Regresso, com tiros, cavalos trotando e flechadas.

MELHORES EFEITOS SONOROS

* Perdido em Marte
* Mad Max: Estrada da Fúria
* O Regresso
* Sicario: Terra de Ninguém
* Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força

Tempestade no início de Perdido em Marte (photo by cinemagia.ro)

Tempestade no início de Perdido em Marte (photo by cinemagia.ro)

DEVE GANHAR: O Regresso
DEVERIA GANHAR: Mad Max: Estrada da Fúria
ZEBRA: Sicario: Terra de Ninguém

Aqui o prêmio vai para o som feito nos estúdios, como a tempestade de areia em Perdido em Marte (foto) e em Mad Max. Se o Oscar for para um desses filmes ou O Regresso, será um prêmio merecido.

MELHORES EFEITOS VISUAIS

* Ex-Machina: Instinto Artificial
* Mad Max: Estrada da Fúria
* Perdido em Marte
* O Regresso
* Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força

Cena de Ex-Machina: Instinto Artificial (photo by cinemagia.ro)

Cena de Ex-Machina: Instinto Artificial (photo by cinemagia.ro)

DEVE GANHAR: Star Wars: O Despertar da Força
DEVERIA GANHAR: Mad Max: Estrada da Fúria
ZEBRA: Perdido em Marte

O novo filme de Star Wars não apresenta nenhum efeito inovador. Sabres de luz, espaçonaves e personagens feitos em computação gráfica, tudo o que já vimos na trilogia anterior. Mas o filme tem a seu favor a maior bilheteria de todos os tempos. E isso a Academia deve reconhecer com pelo menos uma estatueta. Das 5 categorias em que o filme de J.J. Abrams concorre, esta parece ser a mais viável para uma vitória. Será?

Caso não aconteça o Oscar compensatório para Star Wars, ele deve ir para Mad Max. No campo da computação gráfica, o maior feito é a tempestade de areia, mas sua grande qualidade são os efeitos práticos no set de filmagem, incluindo o trabalho árduo de dublês.

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

* O Abraço da Serpente, de Ciro Guerra (COLÔMBIA)
* Cinco Graças, de Deniz GamzeErgüven (FRANÇA)
* Filho de Saul, de László Nemes (HUNGRIA)
* O Lobo do Deserto, de Naji Abu Nowar (JORDÂNIA)
* A War, de Tobias Lindholm (DINAMARCA)

Cena de O Filho de Saul, ainda sem previsão de estréia no Brasil (photo by cine.gr)

Cena de Filho de Saul (photo by cine.gr)

DEVE GANHAR: Filho de Saul
DEVERIA GANHAR: O Lobo do Deserto
ZEBRA: O Lobo do Deserto

ESNOBADO: A Assassina, de Hou Hsiao-Hsien (TAIWAN)

Esse prêmio é a maior mamata deste ano ao lado de Melhor Animação. O filme húngaro Filho de Saul levou todos os prêmios possíveis como Filme em Língua Estrangeira. Além disso, tem a seu favor, a grande comunidade judia votante no Oscar. Como estou saturadíssimo de filmes de temática do Holocausto, considero um filme regular, com destaque para a câmera colada no protagonista, que parece mais uma solução para driblar o baixo orçamento do que uma opção estética.

MELHOR ANIMAÇÃO

* Anomalisa (Anomalisa)
* Divertida Mente (Inside Out)
* Shaun: O Carneiro (Shaun the Sheep Movie)
* Quando Estou com Marnie (Omoide no Mânî)
* O Menino e o Mundo

Cena de Shaun: O Carneiro (photo by cine.gr)

Cena de Shaun: O Carneiro, de Mike Burton e Richard Starzak (photo by cine.gr)

DEVE GANHAR: Divertida Mente
DEVERIA GANHAR: Anomalisa ou Shaun: O Carneiro
ZEBRA: O Menino e o Mundo

ESNOBADO: Hotel Transilvânia 2

Por sua qualidade e forte personalidade visual, jamais a animação brasileira O Menino e o Mundo seria a zebra, mas por se tratar do menor concorrente aqui, ele tem as menores chances. As técnicas de desenho aplicadas lembram um pouco o belíssimo trabalho manual de O Conto da Princesa Kaguya, que disputou o mesmo Oscar ano passado, porém o diretor Alê Abreu se utiliza de colagens também, já que critica com veemência a publicidade e a sociedade consumista. A indicação para esta pequena gema da animação pode não lhe render o prêmio, mas já proporciona acréscimo de público nas salas, maior atenção do governo em relação às animações nacionais e, principalmente, gerar inspiração para futuros animadores brasileiros.

Apesar de todo o hype em volta do filme da Pixar, sendo até elogiado como um dos melhores trabalhos do estúdio, considero sua trama mais específica para um média ou curta-metragem. Alguns roteiros da Pixar têm uma criatividade incrível para bolar tramas e universos, mas peca pelo desenvolvimento da história.

Felizmente, consegui conferir todos os trabalhos indicados aqui e posso afirmar que ficaria tremendamente feliz se o Oscar fosse para Anomalisa ou Shaun: O Carneiro. O primeiro possui uma trama bastante adulta e o segundo, mais infantil, porém ambos universais. Mas o que me chama a atenção nesses dois trabalhos é a atenção minuciosa nos detalhes da própria animação. Em Anomalisa, a cena de Lisa cantando “Girls Just Wanna Have Fun” e a cena de sexo são tão excepcionais que se tornam sublimes. Em Shaun: O Carneiro, a dupla de diretores demonstra controle absoluto na expressividade de todos os personagens sem precisar de um diálogo sequer, e no caso do fazendeiro, nem mesmo olhos! Aliás, ele lembra o personagem francês de Jacques Tati, Monsieur Hulot.

MELHOR DOCUMENTÁRIO

* Amy
* Cartel Land
* O Peso do Silêncio
* What Happened, Miss Simone?
* Winter on Fire: Ukraine’s Fight for Freedom

DEVE GANHAR: Amy
DEVERIA GANHAR: O Peso do Silêncio
ZEBRA: Winter on Fire

ESNOBADO: Going Clear: Scientology and the Prison of Belief

Cena do documentário sobre a cantora Amy Winehouse, morta em 2011. (photo by cine.gr)

Cena do documentário sobre a cantora Amy Winehouse, morta em 2011. (photo by cine.gr)

O documentário Amy se deu bem em todos esses prêmios de cerimônia como o Critics’ Choice Awards e o BAFTA, enquanto O Peso do Silêncio foi o preferido dos críticos. Acho Amy um bom documentário convencional, e a popularidade da cantora falecida Amy Winehouse não deve prevalecer aqui como uma vantagem. Por O Peso do Silêncio, Joshua Oppenheimer, pode conquistar o prêmio, mas seu tema do genocídio na Indonésia não ajuda muito. Talvez o documentário da Netflix, What Happened Miss Simone? seja uma alternativa provável, ainda mais no #OscarSoWhite.

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA

* Body Team 12
* Claude Lanzmann: Spectres of the Shoah
* A Girl in the River: The Price of Forgiveness
* War Within the Walls
* Last Day of Freedom

MELHOR CURTA-METRAGEM

* Ave Maria
* Day One
* Everything Will be OK (Alles Wird Gut)
* Shok
* Stutterer

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO

* Bear Story
* We Can’t Live Without Cosmos
* Prologue
* Sanjay’s Super Team
* World of Tomorrow

Esses curtas-metragens são muitas vezes inacessíveis para o grande público. Os curtas de animação da Pixar ainda passam antes do longa nos cinemas pelo menos. Acho que a Academia poderia impôr a exibição dos indicados no YouTube por um mês.

A 88ª cerimônia do Oscar acontece hoje, dia 28 de fevereiro, e será transmitida pelo canal pago TNT. Por favor, não dêem audiência para a Globo, que prefere passar aquele lixo de Big Brother.

‘O Regresso’ conquista os prêmios principais no BAFTA 2016

Da esquerda para direita: O diretor Alejandro González Iñárritu, Tom Cruise e Leonardo DiCaprio posam com seus BAFTAs por O Regresso (photo by usatoday.com)

Da esquerda para direita: O diretor Alejandro González Iñárritu, Tom Cruise e Leonardo DiCaprio posam com seus BAFTAs por O Regresso (photo by usatoday.com)

FILME DE ALEJANDRO G. IÑÁRRITU LEVA 5 PRÊMIOS, INCLUINDO FILME E DIRETOR

Houve um tempo em que o BAFTA, o prêmio da Academia Britânica, era uma ótima alternativa para os demais prêmios da temporada até o Oscar. Nos anos 90, premiou Os Bons Companheiros, Quatro Casamentos e um Funeral, Razão e Sensibilidade e Ou Tudo ou Nada como Melhores Filmes do ano, enquanto no Oscar, ganharam prêmios menos expressivos ou foram apenas indicados. Tudo isso mudou em 2001, quando a cerimônia passou de abril para fevereiro, com o intuito de ser mais “contundente” na temporada. Acho que em termos de números, o BAFTA conseguiu seu objetivo, mas perdeu sua personalidade, ficando com mais cara de prévia do Oscar.

Portanto, nesse cenário, os resultados aqui são relevantes para quem quer ganhar no bolão da empresa! Vale lembrar, contudo, que a vitória de O Regresso e seu diretor Alejandro González Iñárritu não significa necessariamente uma garantia, já que no ano passado, a Academia Britânica preteriu Birdman para premiar Boyhood: Da Infância à Juventude. Então este BAFTA poderia ser interpretado como uma espécie de compensação pelo trabalho anterior. O mesmo aconteceu no Globo de Ouro. E o Oscar? Vai premiar dois filmes do mesmo diretor consecutivamente? Seria um marco inédito na história do prêmio.

Nesta 69ª edição, o épico de vingança levou 5 prêmios: Filme, Diretor, Fotografia, Som e Ator para Leonardo DiCaprio. Ao que tudo indica, deste ano não passa o Oscar dele e será o fim dos memes na internet! Como todo os prêmios estão reconhecendo DiCaprio, inclusive este é seu primeiro BAFTA após 4 indicações, seria um movimento errado da Academia se não fizer o mesmo. Indo no mesmo caminho, Brie Larson coleciona mais uma importante estatueta e deve seguir como única consagração de O Quarto de Jack.

Já nas categorias de coadjuvantes, Mark Rylance e Kate Winslet deram uma mudada no padrão da temporada, porém, suas vitórias podem ser consideradas “parciais”, já que não concorreram com os favoritos Sylvester Stallone e Alicia Vikander, respectivamente. Stallone não estava entre os indicados por um atraso no lançamento de Creed: Nascido Para Lutar em terras londrinas, enquanto Vikander estava disputando aqui como atriz principal por A Garota Dinamarquesa. Num ano extremamente competitivo, a atuação de Rylance foi uma das que merecia um reconhecimento desse calibre; seu papel e interpretação é fundamental para Ponte dos Espiões funcionar. Na ala feminina, prefiro o trabalho de Jennifer Jason Leigh (Os 8 Odiados) ou Rooney Mara (Carol) no lugar de Winslet por terem personagens mais profundos e tridimensionais.

Eddie Redmayne posa ao lado da vencedora de Atriz Coadjuvante Kate Winslet (Photo by Dave J Hogan/Dave J Hogan/Getty Images)

Eddie Redmayne posa ao lado da vencedora de Atriz Coadjuvante Kate Winslet (Photo by Dave J Hogan/Dave J Hogan/Getty Images)

Nas categorias mais técnicas, Mad Max: Estrada da Fúria dominou com 4 prêmios: Direção de Arte, Figurino, Maquiagem e Montagem, o que pode indicar que o filme de George Miller fique restrito a essas categorias “menores”, concretizando um possível pesadelo que os fãs previam. E o que dizer de Carol? Foi recordista de indicações ao BAFTA com nove, mas não levou nenhum! Ficou com jeitão de encheção de linguiça, ou melhor, de vaga! E é uma pena porque é um dos filmes mais belos de 2015… O outro recordista com nove foi Ponte dos Espiões, mas pelo menos levou Ator Coadjuvante. Outras produções que não levaram nada: Perdido em Marte, A Garota Dinamarquesa e Ex-Machina: Instinto Artificial.

DA CERIMÔNIA

Leonardo DiCaprio recebeu o prêmio das mãos de Tom Cruise, e agradeceu seu colega de set, Tom Hardy, pela lealdade nas filmagens e como colaborador do projeto. Também citou sua mãe por sempre encorajá-lo a seguir na carreira de ator.

Brie Larson não estava presente, então o diretor de O Quarto de Jack, Lenny Abrahamson, aceitou o prêmio em seu nome, dizendo que se trata de uma das melhores atrizes de sua geração. Ela está filmando o prequel de King Kong na Austrália, Kong: Skull Island.

Também ausente, Mark Rylance teve seu prêmio recebido por seu diretor, Steven Spielberg. Ele está atualmente em cartaz em peça da Broadway. Já Kate Winslet, que ganhou seu terceiro BAFTA, agradeceu seu companheiro de tela, Michael Fassbender: “Você nos guiou. Não sei como você fez isso.  Eu poderia assisti-lo todos os dias e ficar completamente estupefata.”

O ator Sidney Poitier foi homenageado com o BAFTA Fellowship, o maior título da Academia Britânica, mas infelizmente não pôde comparecer devido à questões de saúde. “Desculpem-me por não estar presente em Londres para esta ocasião especial, mas tenho um lugar muito especial no meu coração por sua grande cidade. Obrigad por sua calorosa recepção.” Ele foi indicado seis vezes como Melhor Ator Estrangeiro, e ganhou uma vez em 1959 por Acorrentados, um ótimo drama racial de Stanley Kramer.

Um prêmio que gostei bastante foi Melhor Filme Britânico para o encantador Brooklyn. O filme sobre a trajetória da imigrante irlandesa Eilis Lacey  para os EUA é um drama/romance tão bem feito que emociona, especialmente pela performance inspiradora de Saoirse Ronan. Pena que ela não levou o prêmio de atriz; seria um deleite.

Brooklyn_s_stars_including_Julie_Walters_Domhnall-m-162_1455531275112

Melhor Filme Britânico para Brooklyn. Os apresentadores do prêmio nas pontas (Kate Winslet e Idris Elba) com (da esq para dir): Juie Walters, Domhnall Gleeson, Saoirse Ronan, John Crowley, Finola Dwyer, Amanda Posey, Nick Hornby e Eileen O’Higgins (photo by Dave Bennett/Getty Images through dailymail.co.uk)

E quanto ao vencedor do EE Rising Star, John Boyega, estrela do novo filme do Star Wars, não dá pra pôr na conta da polêmica do #OscarSoWhite, pois (teoricamente) o prêmio é votado pelo público.

Na página do BAFTA, gostei das brochuras que o artista Levente Szabó ilustrou pela Human Afert All, e resolvi postar e compartilhar por aqui:

O REGRESSO

O REGRESSO (art by Levente Szabó – BAFTA)

A GRANDE APOSTA

A GRANDE APOSTA (Art by Levente Szabó – BAFTA)

CAROL

CAROL (Art by Levente Szabó – BAFTA)

PONTE DOS ESPIÕES

PONTE DOS ESPIÕES (Art by Levente Szabó – BAFTA)

SPOTLIGHT

SPOTLIGHT (Art by Levente Szabó – BAFTA)

VENCEDORES DO 69º BAFTA AWARDS:

MELHOR FILME
O Regresso (The Revenant)

DIRETOR
Alejandro G. Iñárritu (O Regresso)

ATOR
Leonardo DiCaprio (O Regresso)

ATRIZ
Brie Larson (O Quarto de Jack)

ATOR COADJUVANTE
Mark Rylance (Ponte dos Espiões)

ATRIZ COADJUVANTE
Kate Winslet (Steve Jobs)

ROTEIRO ORIGINAL
Tom McCarthy, Josh Singer (Spotlight – Segredos Revelados)

ROTEIRO ADAPTADO
Adam McKay, Charles Randolph (A Grande Aposta)

TRILHA MUSICAL ORIGINAL
Ennio Morricone (Os 8 Odiados)

FOTOGRAFIA
Emmanuel Lubezki (O Regresso)

MONTAGEM
Margaret Sixel (Mad Max: Estrada da Fúria)

DIREÇÃO DE ARTE
Colin Gibson, Lisa Thompson (Mad Max: Estrada da Fúria)

FIGURINO
Jenny Beavan (Mad Max: Estrada da Fúria)

MAQUIAGEM
Lesley Vanderwalt, Damian Martin (Mad Max: Estrada da Fúria)

SOM
Lon Bender, Chris Duesterdiek, Martin Hernandez, Frank A. Montano, Jon Taylor, Randy Thom (O Regresso)

EFEITOS VISUAIS
Chris Corbould, Roger Guyett, Paul Kavanagh, Neal Scanlan (Star Wars: O Despertar da Força)

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
Relatos Selvagens (Relatos Salvajes), de Damian Szifrón (Argentina)

DOCUMENTÁRIO
Amy (Amy), de Asif Kapadia, James Gay-Rees

ANIMAÇÃO
Divertida Mente, de Pete Docter

MELHOR FILME BRITÂNICO
Brooklyn (Brooklyn), de John Crowley, Finola Dwyer, Amanda Posey, Nick Hornby

MELHOR ESTRÉIA DE ROTEIRISTA, DIRETOR OU PRODUTOR BRITÂNICO
Rupert Lloyd (O Lobo do Deserto)

CURTA DE ANIMAÇÃO BRITÂNICO
Edmond, de Nina Gantz, Emilie Jouffroy

CURTA BRITÂNICO
Operator, de Caroline Bartleet, Rebecca Morgan

THE EE RISING STAR AWARD (VOTADO PELO PÚBLICO)
John Boyega

Alejandro G. Iñárritu conquista seu segundo DGA consecutivo por ‘O Regresso’

Alejandro G. Iñárritu (centro) recebe seu segundo DGA award das mãos de Tom Hooper (direita) e o presidente do DGA Paris Barclay (esquerda). Photo by dga.com

Alejandro G. Iñárritu (centro) recebe seu segundo DGA award das mãos de Tom Hooper (direita) e o presidente do DGA Paris Barclay (esquerda). Photo by dga.org

É O PRIMEIRO CASO DE VITÓRIAS CONSECUTIVAS EM 68 ANOS DO PRÊMIO

Apesar de todo o hype sobre George Miller, foi o mexicano Alejandro G. Iñárritu que acabou levando o prestigioso prêmio do sindicato de diretores, o que o coloca como front-runner na corrida pelo Oscar. Ele bateu os também indicados ao Oscar: Tom McCarthy, Adam McKay e George Miller; além de Ridley Scott, que ficou de fora do prêmio da Academia.

Como em 67 anos, apenas em 7 ocasiões o vencedor do DGA não ganhou o Oscar, tudo indica que Alejandro G. Iñárritu repetirá o feito. E caso isso se confirme, ele será apenas o terceiro diretor a vencer o Oscar de direção por dois anos consecutivos, após Joseph L. Mankiewicz (em 1949 por Quem é o Infiel? e 1950 por A Malvada) e o mestre John Ford (em 1941 por As Vinhas da Ira e 1942 por Como Era Verde o Meu Vale). Além disso, ele entra no seleto grupo de diretores com dois DGAs: Ang Lee, Francis Ford Coppola, Clint Eastwood, George Stevens, David Lean, Ron Howard  e o já citado Joseph Mankiewicz. Steven Spielberg é o único com três DGAs.

Bastante emocionado, Iñárritu chorou ao discursar: “Nunca esperei ganhar este prêmio, de verdade. Estou paralisado. Homens durões não choram, foi o que Ridley Scott disse hoje.” – Ele citou o pai, falecido há dois anos, que acreditava que o prêmio reconhecia sua terra natal, o México, e aproveitou para cutucar o candidato republicano à presidência dos EUA, Donald Trump: “O poder deste país é a diversidade. Construir um muro (entre os EUA e o México) seria trair isso.” – Realmente, o que seriam dos EUA se não fossem os mexicanos e os zilhões de estrangeiros? O mesmo ocorre aqui no Brasil, cuja população é a miscigenação.

Leonardo DiCaprio recebe direções de Alejandro G. Iñárritu em set de O Regresso (photo by variety.com)

Leonardo DiCaprio recebe direções de Alejandro G. Iñárritu em set de O Regresso (photo by variety.com)

Assim como ocorre em Mad Max: Estrada da Fúria, a direção de Iñárritu busca proporcionar uma experiência sensorial acima de qualquer coisa, algo que deve se tornar uma tendência nos próximos anos. Esse tipo de experiência foi bem explorada pelo cineasta Terrence Malick em filmes como A Árvore da Vida, no qual o espectador se afunda numa maré de imagens belíssimas. Curiosamente, O Regresso tem em sua equipe o mesmo diretor de fotografia de Malick, Emmanuel Lubezki.

Por isso, em minha humilde opinião, acredito que por questão de detalhes, Alejandro González Iñárritu venceu George Miller, como por exemplo o fato de O Regresso ter estreado bem no final do ano, deixando o filme bem vivo na memória dos votantes, do que em relação a Mad Max: Estrada da Fúria, que esteve em cartaz no primeiro semestre de 2015.

E, alguns podem até me criticar por isso, mas o fato de Iñárritu ser latino pode ter lhe favorecido em tempos de pós-críticas racistas de falta de diversidade, o que pode se repetir no Oscar, onde, afinal, não há atores negros indicados. O fato da Academia estar sob pressão pode resultar em compensações em outras categorias. Enfim, independente da polêmica, é um prêmio merecido, que poderia também ter ido para George Miller.

Com essa vitória, O Regresso definitivamente entra na disputa por Melhor Filme no Oscar ao lado de A Grande Aposta (que levou o PGA Award) e Spotlight – Segredos Revelados (que levou o SAG e o Critics’ Choice). Outro fato curioso que é a primeira vez na história que esses prêmios de sindicatos (DGA, PGA e SAG) reconhecem três filmes distintos. Quem sabe o BAFTA, que acontece no próximo dia 14 de fevereiro, não consegue desequilibrar um pouco essa briga?

Pela categoria inédita de Diretor Estreante, Alex Garland levou o primeiro prêmio por Ex-Machina: Instinto Artificial, batendo o brasileiro Fernando Coimbra por O Lobo Atrás da Porta. Embora considere Ex-Machina um pouco maçante e óbvio, vejo bons conceitos de ficção científica e uma ótimo apuro visual minimalista.

Alex Garland com seu DGA de diretor estreante por Ex-Machina: Instinto Artificial (photo by smp.se)

VENCEDORES DO 68º DGA:

CINEMA

DIRETOR
Alejandro Gonzalez Inarritu – O Regresso

DOCUMENTÁRIO
Matthew Heineman – Cartel Land 

DIRETOR ESTREANTE
Alex Garland – Ex-Machina: Instinto Artificial

 

TELEVISÃO

SÉRIE DRAMÁTICA
David Nutter – Game of Thrones, Mother’s Mercy 

SÉRIE DE COMÉDIA
Chris Addison – Veep, Election Night

TELEFILME E MINISSÉRIES
Dee Rees – Bessie

VARIEDADE/TALK-SHOW/NOTÍCIAS/ESPORTES – REGULARES
Dave Diomedi – The Tonight Show Starring Jimmy Fallon, episode #325

VARIEDADE/TALK-SHOW/NOTÍCIAS/ESPORTES – ESPECIAIS
Don Roy King – Saturday Night Live 40th Anniversary Special  

REALITY SHOWS
Adam Vetri – Steve Austin’s Broken Skull challenge, Gods of War

PROGRAMAS INFANTIS
Kenny Ortega – Descendants

COMERCIAIS
Andreas Nilsson, Biscuit Filmworks

‘Mad Max’ e ‘A Grande Aposta’ levam o 66º Eddie Awards

Cena de Mad Max: Estrada da Fúria (photo by cine.gr)

Cena de Mad Max: Estrada da Fúria (photo by cine.gr)

FILME DE AÇÃO PRIMA POR SUA MONTAGEM FRENÉTICA

No último dia 29, o Eddie Awards revelou os vencedores de suas categorias. Pelo histórico e as qualidades apresentadas, não houve surpresas. Pela categoria de drama, Margaret Sixel levou por sua trabalhosa montagem de Mad Max: Estrada da Fúria, enquanto o filme sobre a crise financeira A Grande Aposta reinou sobre a categoria de comédia. Vale lembrar que aqui Perdido em Marte concorreu como filme de drama, ao contrário do Globo de Ouro.

Como ressaltei anteriormente, o Eddie Awards não serve como parâmetro para o Oscar, já que acertou apenas dois vencedores nos últimos 5 anos (mesmo levando em consideração as duas categorias), porém são raros aqueles filmes que triunfam no Oscar sem passar aqui pelo Eddie. E nesse quesito, o mais prejudicado foi Spotlight – Segredos Revelados, já que sequer concorreu a esse prêmio do sindicato, muito embora esteja entre os indicados no prêmio da Academia.

A vitória de Mad Max: Estrada da Fúria confirma aquela velha teoria de que os filmes de ação costumam se dar bem quando se trata de edição, já que possui cortes precisos em sequências de ação alucinantes. Outros exemplos que evidenciam essa característica são: Bullitt (1968), Rocky: Um Lutador (1976) e mais recentemente O Ultimato Bourne (2007), todos levaram o Oscar.

Agora, alguns fatos curiosos sobre Margaret Sixel que você não sabia e se questiona: “Como pode uma senhora editar um filme tão frenético e violento como este?”. Primeiramente, deixe de preconceito! As mulheres ainda vão dominar o mundo! E em segundo lugar, Sixel não é uma exceção. Thelma Schoonmaker tem a aparência daquelas tias da merenda da escola e editou filmes bem violentos como Os Infiltrados, de Martin Scorsese. Voltando a Margaret Sixel, ela é uma sul-africana, que estudou cinema na Austrália, e lá conheceu seu marido: ninguém menos do que George Miller. Aí já vai ter gente pensando: “Será que vão dar o Oscar pra ela para compensar a derrota de Miller como diretor?”. Quer um conselho? Não pense demais…

A editora sul-africana Margaret Sixel ao lado de seu marido George Miller na premiere em Cannes de 2015 (photo by thefilmfatale.me)

A editora sul-africana Margaret Sixel ao lado de seu marido George Miller na premiere em Cannes de 2015 (photo by thefilmfatale.me)

Já em relação a Hank Corwin, sua colaboração com o diretor Adam McKay pode resultar em uma associação a filmes bobos de comédias, mas ledo engano. Este montador americano já trabalhou em ótimos filmes com diretores consagrados como Terrence Malick (A Árvore da Vida e O Novo Mundo), Robert Redford (Lendas da Vida e O Encantador de Cavalos) e Oliver Stone (Nixon e Assassinos por Natureza). Em A Grande Aposta, além de conseguir dosar bem o tempo de tela de vários personagens que mal se cruzam, ele consegue fazer os inserts de celebridades explicando os termos financeiros com um bom timing.

A atriz Margot Robbie num dos inserts de A Grande Aposta (photo by dailyrecord.co.uk)

A atriz Margot Robbie num dos inserts de A Grande Aposta (photo by dailyrecord.co.uk)

Pelas demais categorias, Divertida Mente e Amy levaram os prêmios em suas respectivas categorias de Animação e Documentário, o que certamente fortalece suas campanhas no Oscar. Um fato bastante curioso é que, desde que foi implantada a categoria de Montagem de Animação em 2010, todos os vencedores acabaram levando o Oscar, com a única exceção do último ano com Uma Aventura Lego.

Confira os vencedores do 66º Eddie Awards:

CINEMA

Melhor Montagem – Drama
* Margaret Sixel (Mad Max: Estrada da Fúria)

Melhor Montagem – Comédia ou Musical
* Hank Corwin (A Grande Aposta)

Melhor Montagem – Animação
* Kevin Nolting (Divertida Mente)

Melhor Montagem – Documentário
* Chris King (Amy)

TELEVISÃO

Melhor Montagem – Série de Episódios de Meia-Hora
* Nick Paley (Inside Amy Schumer – Episódio: 12 Angry Men)

Melhor Montagem – Série de Episódios de Uma Hora com Comercial
* Tom Wilson (Mad Men – Episódio: Person to Person)

Melhor Montagem – Série de Episódios de Uma Hora Sem Comercial
* Lisa Bronwell (House of Cards – Episódio: Chapter 39)

Melhor Montagem – Minisséries ou Telefilmes
* Brian A. Kates (Bessie)

Melhor Montagem – Séries Não-Roteirizadas
* Hunter Gross (Anthony Bourdain: Parts Unknown – Episódio: Bay Area)

Melhor Montagem – Documentário Televisivo
* Richard Hankin, Zac Stuart-Pontier, Caitlyn Greene, Shelby Siegel (The Jinx: The Life and Deaths of Robert Durst – Chapter 1)

Melhor Montagem de Estudantes
* Chris Dold – University of North Carolina School of the Arts

A 88ª cerimônia do Oscar acontece no dia 28 de fevereiro.

Pra elevar a imprevisibilidade do Oscar, ‘A Grande Aposta’ leva o PGA Awards

Big Short PGA.jpg

Os produtores Dede Gardner e Jeremy Kleiner recebem o PGA Awards por A Grande Aposta (photo by thehollywoodreporter.com)

COMÉDIA ESTRELADA POR STEVE CARELL E CHRISTIAN BALE BATE FAVORITOS

Pra quem imaginava que o Oscar de Melhor Filme estaria entre Spotlight e O Regresso, eis que surge sua mais nova alternativa: A Grande Aposta! A comédia sobre a origem da crise econômica de 2008 levou o prêmio Darryl F. Zanuck de Melhor Produção do Ano, o que o coloca automaticamente como front-runner do Oscar.

Essa escolha foi tão inusitada que até os produtores do filme, Jeremy Kleiner e Dede Gardner, subiram ao palco chocados. Infelizmente, Brad Pitt, também produtor, não estava presente na cerimônia, e o diretor Adam McKay, estava ausente devido à nevasca que assolou parte dos EUA. “Nós tivemos privilégio em nossas mãos como contadores de histórias. Precisamos contar histórias que refletem nosso mundo em cada esquina.” – disse Gardner no discurso de agradecimento. Vale lembrar que Gardner, Kleiner e Pitt ganharam o PGA em 2014 com 12 Anos de Escravidão.

Agora, com boa parte dos mesmos produtores que elegeram A Grande Aposta votando no Oscar, as chances da comédia levar Melhor Filme na Academia são muito boas. Apesar de O Regresso e Mad Max: Estrada da Fúria terem reinado nas indicações, com 12 e 10, respectivamente, o prêmio do PGA costuma ser um ótimo parâmetro para o Oscar.

The Big Short PGA

Cena de A Grande Aposta com Steve Carell e Ryan Gosling (photo by outnow.ch)

Ano passado mesmo, Boyhood: Da Infância à Juventude era o franco-favorito até perder para Birdman no PGA. As estatísticas comprovam a eficácia do Producers Guild: 19 acertos em 26 anos de existência do PGA, tendo acertado os últimos oito anos. O último “erro” foi em 2007, quando eles votaram em Pequena Miss Sunshine, e o Oscar elegeu Os Infiltrados.

Claro que não tem nada ganho ainda. Embora o PGA seja um ótimo prognóstico, não tem nada definido ainda. Algumas coisas devem ser consideradas nessas próximas semanas, como por exemplo o SAG Awards. Apesar de muitos negarem, o prêmio de Ensemble Cast (Elenco) ajuda na hora do desempate, ainda mais por que estará concorrendo com o elenco de Spotlight, outro forte concorrente de Melhor Filme.

Outro poderoso indicativo nessas horas é o DGA Awards, que acontece no dia 06 de fevereiro. Se Adam McKay levar o prêmio, podemos dizer que A Grande Aposta está com a taça nas mãos. E se George Miller (Mad Max) ou Alejandro G. Iñárritu (O Regresso) levarem? Aí já pode enfraquecer a campanha do filme, já que a Academia não costuma separar os prêmios de Filme e Diretor. E se Tom McCarthy (Spotlight) ou Ridley Scott (Perdido em Marte) levarem o DGA? Bem, aí eu diria que este será o Oscar mais porra-louca da história! Do tipo tudo-pode-acontecer!

Se a Academia, como cerimônia e evento de televisão, visa conquistar audiência depois dessa polêmica do #OscarStillSoWhite, esta pode ser a oportunidade que estava esperando: já que não existem favoritos, por que não surpreender?

Por outro lado, pelas demais categorias, o favoritismo se confirmou com as vitórias de Amy como Melhor Documentário e Divertida Mente como Animação.

inside out pga

Cena de Divertida Mente, que levou mais um prêmio rumo ao Oscar (photo by outnow.ch)

Pelos trabalhos de televisão, a Melhor Minissérie ficou com Fargo, a Melhor Série com Game of Thrones, por sua quinta temporada, e Melhor de Comédia foi para Transparent, por sua primeira temporada.

Durante a cerimônia do PGA, a polêmica racista do Oscar teve desdobramentos. A co-presidente do sindicato de produtores, Lori McCreary, declarou: “Produtores sempre serviram a indústria como líderes e hoje estamos pedindo a todos vocês para tomar uma decisão consciente para desafiar o status quo sobre nossos elencos, nossas equipes, e nossas companhias a serem tão diversas como nosso público para quem fazemos disso entretenimento.”

Acredito que esse recado é destinado somente para aqueles maus profissionais que preferem dar oportunidade a um branco só por ser branco, porque ele é preconceituoso. Já os verdadeiros profissionais, que não precisam ouvir essa ladainha, contratam de acordo com o profissionalismo e talento da pessoa apenas.

Seguem os vencedores do 27º PGA:

CINEMA

PRÊMIO Darryl F. Zanuck DE MELHOR FILME:

A Grande Aposta (The Big Short)
Produtores: Brad Pitt & Dede Gardner, Jeremy Kleiner

MELHOR PRODUÇÃO DE ANIMAÇÃO:

Divertida Mente (Inside Out)
Produtor: Jonas Rivera

MELHOR PRODUÇÃO DE DOCUMENTÁRIO:

Amy (Amy)
Produtor: James Gay-Rees

TELEVISÃO

MELHOR SÉRIE DE LONGA-DURAÇÃO OU FILME PARA TV:

Fargo (Season 2)
Produtores: Noah Hawley, John Cameron, Ethan Coen, Joel Coen, Warren Littlefield, Kim Todd 

Fargo kirsten-dunst-coiffeuse-deuxieme-saison-fargo

Kirsten Dunst em cena da minissérie Fargo (FX).

MELHOR SÉRIE EPISÓDICA – DRAMA:

Game of Thrones (Season 5)
Produtores: David Benioff, D.B. Weiss, Bernadette Caulfield, Frank Doelger, Carolyn Strauss, Bryan Cogman, Lisa McAtackney, Chris Newman, Greg Spence 

MELHOR SÉRIE EPISÓDICA – COMÉDIA:

Transparent (Season 1)
Producers: Jill Soloway, Andrea Sperling, Victor Hsu, Nisha Ganatra, Rick Rosenthal, Bridget Bedard

MELHOR PRODUÇÃO DE NÃO-FICÇÃO DE TELEVISÃO:

The Jinx: The Life and Deaths of Robert Durst (Season 1)
Produtores: Marc Smerling, Andrew Jarecki, Jason Blum

MELHOR PRODUÇÃO DE COMPETIÇÃO DE TV:

The Voice (Seasons 7 and 8)
Produtores: Audrey Morrissey, Mark Burnett, John de Mol, Marc Jansen, Lee Metzger, Chad Hines, Jim Roush, Kyra Thompson, Mike Yurchuk, Amanda Zucker, Carson Daly

MELHOR PRODUÇÃO DE ENTRETENIMENTO AO VIVO E ENTREVISTA:

Last Week Tonight with John Oliver (Season 2)
Produtores: Tim Carvell, John Oliver, Liz Stanton

MELHOR PROGRAMA DE ESPORTES:

Real Sports with Bryant Gumbel

MELHOR SÉRIE DIGITAL

Comedians in Cars Getting Coffee

MELHOR PROGRAMA INFANTIL:

Sesame Street