30º Independent Spirit Awards também reconhece ‘Birdman’, mas premia Linklater como diretor

Michael Keaton levou o Independent Spirit Award um dia antes do Oscar por Birdman (photo by entertainment.inquirer.net)

Michael Keaton levou o Independent Spirit Award um dia antes do Oscar por Birdman (photo by entertainment.inquirer.net)

EM SEU 30º ANO, PRÊMIO DOS INDEPENDENTES ESTÁ CADA VEZ MAIS EQUIPARADO AO OSCAR

Um dia antes do Oscar, ocorreu o 30º Independent Spirit Awards. Lembro que até a década de 90, a regra era a seguinte: o filme ou artista que ganhar o Independent não ganhará o Oscar. Mas os tempos mudaram com crises econômicas (obrigado, George W. Bush), e agora parece não haver quase nenhuma distinção entre Oscar e o prêmio independente.

Para quem não conhece, o regulamento do Independent Spirit exige basicamente que os filmes candidatos não ultrapassem a barreira dos 20 milhões de dólares de custo de produção (incluindo a pós-produção) e que seja produzido nos EUA. Só para citar alguns exemplos: Foxcatcher e Vício Inerente foram desqualificados pelo primeiro quesito, enquanto A Teoria de Tudo foi pelo segundo, por ser britânico.

Mas, como dito, com a crise econômica, muitas das produções de estúdio estão com seus orçamentos bastante enxugados, fazendo com que esses filmes também concorram ao Independent um dia antes do Oscar. Assim, Birdman, Boyhood e Whiplash, por exemplo, estavam presentes e concorrendo em ambas as premiações.

Ethan Hawke aceita o prêmio de Diretor na ausência de Richard Linklater por Boyhood (photo by novo.wada.vn)

Ethan Hawke aceita o prêmio de Diretor na ausência de Richard Linklater por Boyhood (photo by novo.wada.vn)

Claro que por um lado, é vantajoso para esses filmes ganhar mais projeção num evento mais aconchegante (o Independent foi realizado em tendas da praia de Santa Monica!), mas e como ficam os filmes realmente menores? Ok, tem algumas produções que estão concorrendo ao Independent que não foram convidadas para o Oscar como O Amor é Estranho, Kumiko the Treasure Hunter e Amantes Eternos, mas nenhum deles ganhou um Independent Spirit Award sequer!

Com a crise apertando e mudando o cenário, sugiro uma mudança bem simples: alterar o teto de orçamento qualificatório para 10 milhões de dólares. Essa medida eliminaria muitos desses novos papa-Oscars e resgataria produções mais modestas para a premiação a fim de alavancar suas bilheterias, pois como muitos se esquecem, um prêmio tem também essa função de ajudar na divulgação de um trabalho e levantar uma graninha extra.

Bom, agora cortando o discurso político, vamos aos resultados. Birdman faturou os prêmios de Filme, Ator (Michael Keaton) e Fotografia. Já Boyhood ficou com o prêmio de Diretor para Richard Linklater (que tem mais cara de indie) e Atriz Coadjuvante (Patricia Arquette).

Tudo bem que ficaria feio para o Independent ser do contra se elegesse outros atores que não fossem os favoritos (Michael Keaton, Julianne Moore, J.K. Simmons e Patricia Arquette), mas poderiam dar uma variada, pois tinham boas opções alternativas. Por que não premiar Tilda Swinton por Amantes Eternos ou Jake Gyllenhaal por O Abutre como Ator? Sairia da mesmice da temporada e demonstraria mais personalidade; pra não soar redundante e dizer “seria mais independente”. Alguns podem achar que essa opinião é uma mera tentativa de ser diferente, mas se olharmos para a safra de 2014, houve mais atores tão merecedores quanto aqueles que ganharam todos os prêmios.

Julianne Moore recebe prêmio por Para Sempre Alice (photo by chinadaily.com.cn)

Julianne Moore recebe prêmio por Para Sempre Alice (photo by chinadaily.com.cn)

O mesmo digo na categoria de Filme em Língua Estrangeira. Pô, o mesmo filme quadrado polonês ganhou o Independent?! Só pra citar aqueles que assisti, tinha o ótimo filme russo Leviatã, que destrincha a Rússia atual com um roteiro inteligente; tinha o sueco Força Maior, que tem uma veia de humor negro tão bizonha que já merecia qualquer prêmio por sua atmosfera; e o britânico Sob a Pele, com seu tom experimental em vários campos como a fotografia, a trilha musical e a montagem. Deixe para o Oscar premiar Ida por seu tipo conservador.

VENCEDORES DO INDEPENDENT SPIRIT AWARDS 2015:

MELHOR FILME
• Birdman (Birdman (or The Unexpected Virtue of Ignorance)
Produtores: Alejandro González Iñárritu, John Lesher, Arnon Milchan, James W. Skotchdopole

DIRETOR
Richard Linklater (Boyhood: Da Infância à Juventude)

ATRIZ
Julianne Moore (Still Alice)

ATOR
Michael Keaton (Birdman)

ATRIZ COADJUVANTE
Patricia Arquette (Boyhood: Da Infância à Juventude)

Patricia Arquette discursa por Boyhood (photo by hollywoodreporter.com)

Patricia Arquette discursa por Boyhood (photo by hollywoodreporter.com)

ATOR COADJUVANTE
J.K. Simmons (Whiplash: Em Busca da Perfeição)

J.K. Simmons aceita seu prêmio por Whiplash: Em Busca da Perfeição. Ao fundo, Jared Leto. Photo by variety.com

J.K. Simmons aceita seu prêmio por Whiplash: Em Busca da Perfeição. Ao fundo, Jared Leto. Photo by variety.com

MELHOR FOTOGRAFIA
Emmanuel Lubezki (Birdman)

MELHOR MONTAGEM
Tom Cross (Whiplash: Em Busca da Perfeição)

MELHOR ROTEIRO
Dan Gilroy (O Abutre)

MELHOR FILME DE ESTRÉIA
• O Abutre (Nightcrawler)
Diretor: Dan Gilroy
Produtores: Jennifer Fox, Tony Gilroy, Jake Gyllenhaal, David Lancaster, Michel Litvak

PRIMEIRO ROTEIRO
Justin Simien (Dear White People)

PRÊMIO JOHN CASSAVETES – Para produções feitas abaixo de 500 mil dólares.
• Land Ho!
Diretores-roteiristas: Aaron Katz, Martha Stephens
Produtores: Christina Jennings, Mynette Louie, Sara Murphy

MELHOR DOCUMENTÁRIO
• CitizenFour
Diretora-produtora: Laura Poitras
Produtores: Mathilde Bonnefoy, Dirk Wilutzky

FILME INTERNACIONAL
• Ida – POLÔNIA
Diretor: Pawel Pawlikowski

O diretor Pawel Pawlikowski discursa por Ida (photo by pictures.zimbio.com)

O diretor Pawel Pawlikowski discursa por Ida (photo by pictures.zimbio.com)

PRÊMIO ROBERT ALTMAN – Concedido a um diretor, diretor de elenco e elenco
• Vício Inerente (Inherent Vice)
Diretor: Paul Thomas Anderson
Diretor de Casting: Cassandra Kulukundis
Elenco: Josh Brolin, Martin Donovan, Jena Malone, Joanna Newsom, Joaquin Phoenix, Eric Roberts, Maya Rudolph, Martin Short Serena Scott Thomas, Benicio Del Toro, Katherine Waterston, Michael Kenneth Williams, Owen Wilson, Reese Witherspoon

SPECIAL DISTINCTION AWARD
• Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo (Foxcatcher)
Diretor/Produtor: Bennett Miller
Produtores: Anthony Bregman, Megan Ellison, Jon Kilik
Roteiristas: E. Max Frye, Dan Futterman
Atores: Steve Carell, Mark Ruffalo, Channing Tatum

PRODUCERS AWARD
Chad Burris
Elisabeth Holm
Chris Ohlson

SOMEONE TO WATCH AWARD
• A Girl Walks Home Alone at Night
Diretora: Ana Lily Amirpour
• H.
Diretores: Rania Attieh & Daniel Garcia
• The Retrieval
Diretor: Chris Eska

TRUER THAN FICTION AWARD
• Approaching the Elephant
Diretor: Amanda Rose Wilder
• Evolution of a Criminal
Diretor: Darius Clark Monroe
• The Kill Team
Diretor: Dan Krauss
• The Last Season
Diretora: Sara Dosa

Anúncios

‘Os Suspeitos’ (Prisoners), de Denis Villeneuve (2013)

Os Suspeitos, de Denis Villeneuve

Os Suspeitos, de Denis Villeneuve

Em primeiro trabalho em língua inglesa,
diretor canadense explora as sub-camadas da trama

Até poucas décadas atrás, o cinema canadense tinha basicamente como representantes David Cronenberg e Denys Arcand. Contudo, desde o início dos anos 2000, uma nova safra de diretores têm chamado a atenção: Xavier Dolan, Jean-Marc Vallée, Sarah Polley e Denis Villeneuve só pra citar alguns. O último ganhou notoriedade pelo drama Incêndios (2010), que concorreu ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, que acabou lhe proporcionado a oportunidade de dirigir seu primeiro trabalho em língua inglesa (oriundo de Quebec, seu idioma materno é o francês).

Em entrevista, o diretor teria confessado que o gênero suspense (ou thriller) não é seu favorito, mas que a história de duas meninas raptadas no feriado do Dia de Ação de Graças o atraiu pelas sub-camadas que a trama oferece. O roteiro de Aaron Guzikowski permite uma leitura mais profunda dos Estados Unidos pós-11 de setembro, principalmente pela figura de seu protagonista Keller Dover (Hugh Jackman), um homem religioso, alcóolatra em recuperação e que perdeu qualquer fé no governo e nas instituições (se estivesse no Brasil, seria um membro dos Black Blocs!).

À esquerda, o diretor Denis Villeneuve prepara a filmagem de uma cena ao lado do diretor de fotografia Roger Deakins (photo by www.digititles.com)

À esquerda, o diretor Denis Villeneuve prepara a filmagem de uma cena ao lado do diretor de fotografia Roger Deakins (photo by http://www.digititles.com)

Logo na sequência de abertura, ele reza o “Pai Nosso” pouco antes de seu filho atirar num cervo. “Estou orgulhoso de você. Foi um belo tiro!”, elogia Dover. Além de se tratar de uma ótima introdução ao personagem, temos ali um mau presságio. Como pai de uma das meninas sequestradas, ele busca respostas na base de Maquiavel: “Os fins justificam os meios”. Ao encontrar um suspeito na pele de Alex Jones (Paul Dano), um rapaz com problemas mentais, Dover adota o bom e velho “atire primeiro e pergunte depois”.

Esse método foi o grande lema do governo George W. Bush: Invada o Iraque e procure por armas nucleares depois. Ou até mesmo, abre margem às questões de policiamento com espionagem internacional de Obama. Evitar possíveis ataques terroristas justifica a ausência de qualquer privacidade? Villeneuve levanta questões da atualidade através da história de violência no subúrbio americano, porém adverte: “Tento evitar as cenas de violência porque odeio a violência. Mas, quando não posso evitar, vou até o fim, porque não quero torná-la um espetáculo, quero mostrar a feiura. Não quero que o público sinta empolgação com a violência, mas sim repulsa.”

Keller Dover (Hugh Jackman) enquadra Alex Jones (Paul Dano) em Os Suspeitos (photo by www.outnow.ch)

Keller Dover (Hugh Jackman) enquadra Alex Jones (Paul Dano) em Os Suspeitos (photo by http://www.outnow.ch)

O meio encontrado para obter respostas a tempo pelo personagem Keller Dover é seqüestrar o suspeito, já que a lei não permite que permaneça preso por mais de 48 horas. As sessões de interrogatório que se seguem são violentas e discutem a eficácia desse método. Atualmente condenada por toda a sociedade, a tortura foi alvo de críticas ferrenhas no caso da prisão de Guantanamo, que aplicava formas violentas a fim de extrair informações sobre o paradeiro de terroristas.

Seguindo com esse tópico, no ano passado, como discutido neste blog, o filme A Hora Mais Escura foi esculhambado por alguns desocupados. Através de uma interpretação errônea, acreditavam que o filme dirigido por Kathryn Bigelow e o roteiro de Mark Boal fazia apologia à tortura. Como defendido pela diretora publicamente, a tortura inegavelmente fez parte da busca por Osama Bin Laden e não podia ser simplesmente ignorada. Agora, quando a tortura é aplicada numa história ficcional e causada por um pai desesperado, a crítica dos desocupados não se aplica? Essa incoerência só não perde para Spike Lee reclamando do termo ‘nigger’ (criolo) em Django Livre

Claro que esses questionamentos não tiram nenhum mérito do longa de Denis Villeneuve. Pelo contrário, apenas enriquecem sua leitura, pois, além de abranger a costumeira pergunta: “Até onde você iria para salvar seu filho?”, a história permite uma análise dos limites de uma pessoa que tem certeza de suas convicções. Nas mãos de outro diretor, Os Suspeitos poderia ter se tornado um mero exercício de suspense facilmente esquecido.

Villeneuve soube criar o clima tenso que a história precisa, e para isso, contou com a colaboração inestimável de Hugh Jackman, que pode não cantar pelos poros como fez em Os Miseráveis, mas entrega uma performance que valoriza a linguagem corporal do ator, uma vez que o papel exige muito fisicamente. Não muito longe, a atuação de Jake Gyllenhaal como o Detetive Loki também apresenta seus estouros de adrenalina, não se esquecendo dos tiques nervosos como o de piscar os olhos freneticamente, indicando noites perdidas de sono em prol do trabalho intenso.

Jake Gyllenhaal, como Detetive Loki, busca as respostas e recuperar o prestígio da força policial (photo by www.elfilm.com)

Jake Gyllenhaal, como Detetive Loki, busca as respostas e recuperar o prestígio da força policial (photo by http://www.elfilm.com)

Contudo, a participação que mais me chamou a atenção foi a de Viola Davis como Nancy Birch, a mãe de uma das meninas raptadas. Infelizmente, sua personagem teve pouco tempo de tela, mas Davis consegue extrair uma vivacidade que os demais não conseguiram. Assim como em Dúvida, filme no qual também teve participação reduzida, a atriz impressiona e rouba a cena. Não sei se ela consegue a terceira indicação ao Oscar, pois dependerá das concorrentes, mas ela deverá ser lembrada por alguns críticos como atriz coadjuvante.

Viola Davis, como Nancy Birch, deveria ter mais espaço na história (photo by www.elfilm.com)

Viola Davis, como Nancy Birch, deveria ter mais espaço na história (photo by http://www.elfilm.com)

Apesar do elenco contar com outros bons atores como Melissa Leo, Paul Dano e Maria Bello, todos realizam um trabalho mais funcional. Porém, a decepção maior talvez seja Terrence Howard, que nos últimos anos não vem escolhendo projetos que estimulantes e papéis de maior profundidade.

Os Suspeitos (aliás, título em português horrível para Prisoners) consegue se sustentar apenas com sua história de mistério policial graças à direção envolvente de Villeneuve. Na maioria dos casos em que Hollywood importa talento estrangeiro, o resultado dessas colaborações costuma ser medíocre e os filmes dão lugar a produtos comerciais, portanto a primeira incursão do canadense Denis Villeneuve se mostra um achado, principalmente por ele conseguir oferecer um olhar incisivo de fora da sociedade e política americanas. E embora o roteiro de Guzkowski apresente algumas pontas soltas, a reflexão a respeito do tema e da atualidade consegue compensar os 153 minutos de duração.

AVALIAÇÃO: BOM

Melissa Leo e Paul Dano como Holly e Alex Jones (photo by www.elfilm.com)

Melissa Leo e Paul Dano como Holly e Alex Jones (photo by http://www.elfilm.com)

* Apesar de apresentarem algumas semelhanças sobre desaparecimentos, os filmes Sobre Meninos e Lobos (2003), de Clint Eastwood, e Medo da Verdade (2007), de Ben Affleck, podem servir como ótimas recomendações para quem viu e gostou de Os Suspeitos.

Documentário italiano ‘Sacro GRA’ leva o Leão de Ouro 2013

Gianfranco Rosi com o Leão de Ouro (photo by news.geliyoo.com)

Gianfranco Rosi com o Leão de Ouro (photo by news.geliyoo.com)

Após um hiato de 15 anos, uma produção italiana vence o prêmio máximo de Veneza. A última vez que a Itália saiu vencedora em casa foi em 1998, com Assim é que se Ria, de Gianni Amelio, que concorria este ano também por L’Intrepido. Além dessa quebra de tabu, Sacro GRA é o primeiro documentário a vencer o mais tradicional festival do mundo.

Sua vitória foi considerada uma grande surpresa pela mídia internacional, pois trata-se de um filme simples que visa registrar a vida de pessoas que residem ao largo do rodoanel que circunda a cidade de Roma. Porém o retrato dessa realidade se mostrou singelo o suficiente para conquistar o júri. Será mesmo?

O diretor Gianfranco Rosi capta imagens d rodoanel de Sacro GRA (photo by sacrogra.it)

O diretor Gianfranco Rosi capta imagens d rodoanel de Sacro GRA (photo by http://www.sacrogra.it)

Pelas cotações, Philomena, de Stephen Frears, era considerado o grande favorito a conquistar o Leão de Ouro, mas saiu apenas com o prêmio de roteiro. Apesar de ter uma história verídica com elementos emotivos e com humor britânico excepcional, não é bem o tipo de filme que o presidente do júri, Bernardo Bertolucci, curte. Vide seus filmes como O Último Imperador e O Último Tango em Paris. O diretor prefere uma linguagem mais artística, o que levanta a questão da pressão italiana para premiar o documentário conterrâneo.

Contudo, essa preferência de Bertolucci prevaleceu nos demais prêmios. Conquistando o Leão de Prata de Melhor Diretor para Alexandros Avranas, a produção grega Miss Violence se mostra mais ousada ao narrar uma história de suicídio no núcleo de uma família desequilibrada que, aliás, lembra outra família estranha de outra produção grega intitulada Dente Canino (Kynodontas, 2009), que foi indicada ao Oscar de Filme Estrangeiro. Miss Violence também ganhou o Volpi Cup de Melhor Ator para Themis Panou, que interpreta o patriarca da família.

Cena de Miss Violence, de Alexandros Avranas (photo by www.outnow.ch)

Cena de Miss Violence, de Alexandros Avranas (photo by http://www.outnow.ch)

Curiosamente, as produções Jiaoyou (Stray Dogs) e Die Frau des Polizisten (The Police Officer’s Wife), que ganharam o Grande Prêmio do Júri e Prêmio Especial do Júri respectivamente, também dialogam com violência doméstica. Enquanto o primeiro abusa de longos planos-sequência ao estilo de Tsai Ming-Liang, o segundo vai na contramão ao fragmentar seus 175 minutos de duração em 59 (sim, 59!) capítulos da história da mulher que sofre nas mãos do marido policial.

Suposta família feliz na produção alemã Die Frau des Polizisten (The Police Officer’s Wife) (photo by www.outnow.ch)

Suposta família feliz na produção alemã Die Frau des Polizisten (The Police Officer’s Wife) (photo by http://www.outnow.ch)

Outra surpresa foi a vitória da atriz Elena Cotta pelo filme Via Castellana Bandiera, da italiana Emma Dante. Aos 82 anos, a atriz possui larga experiência na TV e se mostrou motivada a continuar sua carreira no cinema. Ela bateu a favoritíssima ao prêmio Volpi Cup de Melhor Atriz, a britânica Judi Dench. Apesar de sua derrota, Dench ainda deve figurar na lista final do Oscar 2014, principalmente por se tratar de um papel mais tenro e orgânico que a Academia costuma celebrar.

Elena Cotta recebe o Volpi Cup (photo by Tiziana Fabi/ AFP)

Elena Cotta recebe o Volpi Cup (photo by Tiziana Fabi/ AFP)

Embora estivessem em maior número na competição oficial, os filmes norte-americanos levaram apenas um prêmio (de consolação) para o jovem ator Tye Sheridan pelo filme Joe, de David Gordon Green. Vale também citar o comentário-pérola de Bernardo Bertolucci na divulgação dos vencedores. Ao comentar o documentário de Errol Morris, The Unknown Known, centrado na figura do Secretário de Defesa do ex-presidente George W. Bush, Donald Rumsfeld, responsável pela invasão ao Iraque em 2003:

“Vendo aquele sorriso permanente no rosto de um responsável por centenas de milhares de mortos, cogitamos dar-lhe o prêmio de melhor ator. Ou talvez de melhor atriz. Mas achamos que não era bem o caso.”

Diretor de Sob a Névoa da Guerra, Errol Morris, não conseguiu o mesmo feito de extrair algumas verdades e erros de Rumsfeld como conseguiu com Robert McNamara, Secretário de Defesa americano em episódios como a Crise dos Mísseis nos anos 60 e a Guerra do Vietnã nos 70. Alguns alegam que ainda não houve distanciamento de tempo suficiente para que Rumsfeld se confessasse num documentário e desse a perder sua reputação. Já outros alegam que ele simplesmente não tem maturidade para assumir erros.

O secretário de Defesa, Donald Rumsfeld, responsável pela invasão ao Iraque, ainda tenta negar sua culpa mesmo após 10 anos (photo by www.outnow.ch)

O Secretário de Defesa, Donald Rumsfeld, responsável pela invasão ao Iraque, ainda tenta negar sua culpa mesmo após 10 anos no documentário The Unknown Known (photo by http://www.outnow.ch)

Pela mídia em geral, a seleção do Festival de Veneza foi considerada “mediana”. Procurei acompanhar as notícias dos jornais a respeito dos filmes e realmente não detectei nenhum destaque ou franco-favorito, mesmo o Philomena de Stephen Frears. Criei uma certa expectativa em torno do futurista The Zero Theorem, de Terry Gilliam, mas não sobrou nenhum prêmio para a produção.

Em meio a esse marasmo, a notícia que mais me deixou estarrecido foi o boato da aposentadoria do mestre da animação Hayao Miyazaki. Concorrendo com Kaze tachinu (The Wind Rises), o diretor japonês teria declarado que este seria seu último filme, e que a aposentadoria seria oficializada em Tóquio ainda este ano. Trata-se de uma péssima notícia para os amantes da animação e do cinema em geral, afinal, Hayao Miyazaki é um dos raros sobreviventes da técnica de animação em 2D num mundo dominado por animações geradas em computador.

Além do 2D ser mais humano por natureza, o cineasta conseguia imprimir alma aos seus personagens, influenciando uma geração inteira de animadores, inclusive muitos que trabalham na Pixar. Por exemplo, seu O Castelo Animado (2005) nitidamente inspirou Up – Altas Aventuras (2009). Sem seus trabalhos, o cinema regride para as mesmices de personagens e universos. Não sei se existe algum problema de saúde, mas espero que mestre Miyazaki volte atrás em sua decisão. Ele ganhou o Oscar e o Urso de Ouro com A Viagem de Chihiro (2001).

Hayao Miyazaki diante do pôster de Ponyo: Uma Amizade que Veio do Mar

Hayao Miyazaki diante do pôster de Ponyo: Uma Amizade que Veio do Mar (photo by blog.animamundi.com.br)

Segue lista dos vencedores de Veneza 2013:

Leão de Ouro: Sacro Gra, de Gianfranco Rosi
Grande Prêmio do Júri: Stray Dogs, de Tsai Ming-Liang
Leão de Prata de Direção: Alexandros Avranas, por Miss Violence
Coppa Volpi de Melhor Ator: Themis Panou, por Miss Violence
Coppa Volpi de Melhor Atriz: Elena Cotta (Via Castellana Bandiera)
Prêmio Marcello Mastroianni de Revelação: Tye Sheridan (Joe)
Roteiro: Steve Coogan e Jeff Pope (Philomena)
Prêmio especial do Júri: Die Frau des Polizisten (The Police Officer’s Wife)
Prêmio Luigi de Laurentiis para filme de estréia: White Shadow, de Noaz Deshe

Mostra paralela Orizzonti

Melhor filme: Eastern Boys, de Robin Campillo
Melhor Diretor: Uberto Pasolini (Still Life)
Prêmio Especial do Júri: Ruin, Michael Cody e Courtin Wilson
Gran Prix: Fish and Cat, de Sharam Mokri

O Ditador (The Dictator), de Larry Charles (2012)

Pôster nacional da comédia O Ditador, de Larry Charles. A data de estréia me parece um pouco equivocada…

Responda rápido: Qual foi a última comédia em que você rachou o bico? – Pois é. Faz tempo que não tem um filme desses em cartaz. Se bobear, a última comédia em que ri tanto foi Borat – O Segundo Melhor Repórter do Glorioso País Cazaquistão Viaja à América (2006), estrelado pelo mesmo Sacha Baron Cohen. Seu novo trabalho, O Ditador, que estreou nesse dia 24 de agosto, pode não ter o mesmo frescor de Borat, mas se mostra uma comédia bastante corajosa e necessária para uma sociedade cada vez mais careta e politicamente correta.

O ex-presidente da Líbia, Muammar Khaddafi: inspiração direta para O Ditador

O Ditador apresenta uma trama bastante simples que mais serve de pretexto para as cenas cômicas do que impressionar pela qualidade. Ao ter de viajar aos EUA para fazer um discurso a ONU sobre armas nucleares, o general-almirante Aladeen, ditador da fictícia república de Wadiya, sofre um golpe armado por seu tio Tamir (que clama seu direito ao poder). Aladeen acaba substituído por um sósia e precisará se infiltrar no hotel para mudar o discurso feito por seu tio que transformará seu país numa democracia.

Para a construção de seu personagem, Sacha Baron Cohen estudou três tiranos de peso: o líder líbio Khaddafi (foto acima) pelo style: figurino impecável, óculos escuros e guarda pessoal feminina; o cubano Fidel Castro pela lendária barba e o modo de falar com o dedo indicador apontado para cima; e o recém-falecido norte-coreano Kim Jong-il por seus recordes esportivos de credibilidade um tanto duvidosa.

Ao contrário dos filmes anteriores, Sacha Baron Cohen e o diretor Larry Charles abandonaram o formato de falso documentário e pela primeira vez, apostam numa ficção. Embora O Ditador não ofereça aquela espontaneidade e veracidade das reações das vítimas das piadas, o diretor continua buscando esse tipo de humor através de choques culturais e uso de câmera na mão, mas com uma sutil diferença: saem as pessoas “reais” (que geraram incontáveis processos judiciais contra Cohen pelas brincadeiras em Borat e Brüno) e entram atores que se passam por vítimas do humor negro de seu personagem.

O diretor de Borat, Brüno e O Ditador: Larry Charles (à esquerda) ao lado de Sacha Baron Cohen, caracterizado como o repórter do Cazaquistão

E já que o formato narrativo ficou mais convencional, o comediante resolveu forçar mais a barra. O tom das piadas é mais agressivo por saírem da boca de um ditador. Em determinado momento, o protagonista diz a uma mulher: “Mulheres que vão à escola são como macacos andando de patins: significa muito para elas, mas são tão divertidas para nós”. O público feminino da minha sessão pode ter dado risada (pra aliviar a panela de pressão), mas deve ter sentido o tapa na cara! Mas por mais ofensivo que tenham achado, elas sabem que esses ditadores retrógrados pensam exatamente dessa maneira, mas talvez não esperavam que veriam uma comédia usando esse material politicamente incorreto… até hoje. Pra quem não conhece e foi pego de surpresa, essa é a marca registrada de Sacha Baron Cohen: deixar seu público completamente constrangido.

Se era apenas golpe de marketing ou não, fica a critério do público, mas para quem assistiu ao tapete vermelho do Oscar 2012, viu Sacha Baron Cohen trajado como seu personagem Aladeen, acompanhado de sua guarda feminina e portando um vaso com as supostas cinzas do recém-falecido Kim Jong-il. Chegou a haver uma polêmica pouco antes da cerimônia, quando os produtores do Oscar proibiram o comediante de acompanhar a premiação vestido como Ditador e promovendo seu filme. Ainda bastante relutante e conservadora, a Academia liberou a entrada de Cohen, mas apenas no tapete vermelho, onde mesmo assim, ele causou rebuliço espalhando as cinzas do ditador norte-coreano.

Sacha Baron Cohen chega muito bem acompanhado ao 84º Academy Awards em Los Angeles…

… e causando com o pobre segurança do Kodak Theater.

Apesar de todo burburinho e do ótimo trailer, o público americano não abraçou o filme. Orçado em 65 milhões de dólares, a produção sequer se pagou nos EUA, arrecadando cerca de 58 milhões. Mesmo contando com um bom elenco, formado por Sir Ben Kingsley, John C. Reilly, Anna Faris (a desinibida atriz da série Todo Mundo em Pânico) e das participações de Megan Fox e Edward Norton, o filme certamente sofreu para cobrir as altas expectativas criadas por aqueles que já conheciam o formato de falso-documentário que tanto agradou em Borat (sobre o modo de vida americano) e Brüno (sobre a indústria da moda). Embora esse novo trabalho tenha se tornado mais convencional e tenha reduzido seu lucro, seu maior mérito está no aspecto sócio-político.

Megan Fox interpretando a si mesma. Pelo menos embeleza o filme.

Meio sumido do cenário cinematográfico, o gênero da sátira política faz parte da História do Cinema. Aliás, um dos grandes filmes desse gênero que certamente teve grande influência em O Ditador foi a comédia anárquica dos Irmãos Marx: O Diabo a Quatro (Duck Soup), de Leo McCarey. Lançado em 1933, o  longa tem Groucho Marx interpretando o ditador da fictícia Freedonia, Rufus T. Firefly, declarando guerra a Sylvania por motivos pífios. Vale lembrar também de outra obra-prima do controverso diretor grego Costa-Gavras, responsável por Z (1969), que retrata com bastante ironia um polêmico atentado a um importante deputado. Felizmente, a Academia consagrou o filme, que venceu o Oscar de melhor Montagem e Filme Estrangeiro pela Algéria.

Em meio a tantas crises políticas, a presença de Sacha Baron Cohen se mostra uma ótima válvula de escape. Se fosse um comediante mediano, teria simplesmente criticado a ditadura de algumas nações, mas a parceria crítica do diretor Larry Charles e Cohen vai além disso. Desde Borat, eles resolveram fazer uma análise da sociedade americana do pós-11 de setembro. Certamente, uma das características mais bem exploradas continua sendo o preconceito contra o povo que tem raízes no Oriente Médio. Existe uma tensão muito crescente entre os americanos e qualquer etnia que apresente traços arábicos: barbudos e narigudos. Vide o recente atentado à comunidade religiosa dos Sikhs, oriunda da Índia e que prega justamente a tolerância.

Membros do templo religioso dos Sikhs: chocados após atentado que culminou na morte de 7 pessoas. Desde o 11/9, são confundidos com muçulmanos nos EUA.

O discurso final seria o ápice dessa auto-crítica e faz uma alusão ao inspirado discurso de Chaplin em O Grande Ditador (1940). Nele, Aladeen defende a ditadura  e crítica a democracia. Contudo, o que seria uma crítica à tirania, vira uma clara referência aos conceitos do ex-presidente republicano dos EUA: George W. Bush. “Imagine se os EUA fossem uma ditadura? Vocês poderiam mentir facilmente sobre as reais causas de se ir para a guerra”, afirma Aladeen.

Antológico discurso de Hynkel, o ditador de Tomania em O Grande Ditador. Ótima referência para Aladeen.

Quando você procura por uma imagem de George W. Bush, percebe-se que ele não precisa se esforçar muito para parecer ridículo. Aliás, ele NÃO começou uma guerra por causa de petróleo. Que isso fique BEM claro, hein?

Além dessa análise reflexiva da política adotada pelos EUA, existe uma crítica oculta por trás da própria produção de O Ditador. Numa entrevista ao Estado de São Paulo, Sacha Baron Cohen disse que só conseguiu ser “incorreto com judeus, negros e deficientes porque a única coisa que Hollywood preza mais que respeito é dinheiro. Enquanto seus filmes renderem nas bilheterias, ele terá total liberdade com os grandes estúdios”. Isso é mais do que um mero soco no estômago.

AVALIAÇÃO: BOM

Pôster de Os Candidatos

Para quem curtiu O Ditador, outra sátira política promete agitar o clima de eleições de novembro nos EUA: Os Candidatos (The Campaign), de Jay Roach, previsto para estrear por aqui no dia 19 de outubro, conta com Will Ferrell e Zach Galifianakis (de Se Beber, Não Case). Com a crescente manifestação contra a corrupção pelo Brasil, seria interessante a produção de um filme de comédia sobre a palhaçada que é a política no país.

Vale a pena conferir o trailer:

Tudo Pelo Poder (The Ides of March), de George Clooney (2011)

Tudo Pelo Poder

EM SEU 4º FILME, CLOONEY BUSCA OBSERVAR A NATUREZA HUMANA NUMA CAMPANHA ELEITORAL

Tudo Pelo Poder poderia ser mais um drama político chato e clichê, com aquela mensagem moralista que normalmente marca esse gênero, pois conta a trajetória da campanha de um governador rumo à presidência com alguns escândalos políticos a varrer para debaixo do tapete. Até o pôster (acima) parece dizer isso! Contudo, nas mãos de George Clooney, tornou-se um filme honesto, leve e eficiente.

Assim como outros atores que assumiram a cadeira de diretor, como Robert Redford e Clint Eastwood, George Clooney procura repassar seu conhecimento de direção de atores em cada filme seu. E olha que ele já trabalhou com profissionais consagrados como Steven Soderbergh, os irmãos Coen e Terrence Malick. Por esse motivo, o trabalho de atuação é a melhor qualidade deste novo filme. Ryan Gosling, Evan Rachel Wood, o próprio Clooney, Phillip Seymour Hoffman, Paul Giamatti, Jeffrey Wright e Marisa Tomei formam um conjunto tão consistente que seguram a barra quando a trama ainda está esquentando.

Particularmente, Ryan Gosling e Evan Rachel Wood apresentam as melhores performances. Enquanto ele está em plena ascensão (em 2011, estrelou também Drive e a comédia romântica Amor à Toda Prova, pelo qual também foi indicado ao Globo de Ouro de Melhor Ator – Comédia ou Musical), Evan está em processo de amadurecimento (desde o drama Aos Treze, de 2003, até 2008, quando atuou ao lado de Mickey Rourke em O Lutador).

Apesar do filme girar em torno do candidato do partido democrata, o longa acompanha o trabalho do coordenador da campanha Stephen Meyers, vivido por Ryan Gosling, que se envolve num polêmico encontro com o coordenador

Clinton e Lewinski: Sexo oral na mídia

do partido republicano (Paul Giamatti)e, em seguida, uma “escapadela” do governador com uma estagiária (Evan Rachel Wood). Quando vi o trailer e li a sinopse, pensei que o filme se tratava de uma reprodução do polêmico affair do então presidente americano Bill Clinton com a estagiária da Casa Branca, Monica Lewinsky, nos anos 90. Mas  a história era outra. Além de se passar na época da candidatura, o filme troca o sexo oral inofensivo por uma gravidez. E pelo menos Evan Rachel Wood é bem mais atraente que a rechonchudinha sem graça Lewinsky.

Mas George Clooney não está necessariamente interessado em resgatar casos antigos simplesmente para contar uma boa história. A mensagem desse filme parece refletir uma insatisfação pública cada vez mais forte nos EUA em relação ao atual presidente Barack Obama. Boa parte da população parece culpá-lo por essa crise que assola o país, ignorando o fato de Obama ter assumido o controle de um barco furado deixado por George W. Bush. Para quem acompanhou sua candidatura em 2008, cansou de ver os pôsteres estilizados com o rosto de Obama e ouvir os dizeres “Yes, we can”. E George Clooney se aproveita disso e cria um pôster semelhante para seu personagem Mike Morris com o intuito de fazer essa ponte de sua trama com a realidade.

Morris/Obama: alguma semelhança?

Mesmo se tratando de um filme com teor político, Clooney usa o cenário de campanha eleitoral como pano de fundo para criticar os efeitos desgastantes da natureza das novas mídias políticas em seus personagens, que vivem sob pressão do início ao fim. No final dessa maratona, o espectador se pergunta se um candidato consegue permanecer fiel a seus valores até chegar à presidência, pois há uma batalha constante de interesses, onde todos são mascarados.

E os cuidados da direção de Clooney não páram por aí. Ele busca meios concisos de transpôr seu roteiro do papel para a película. Duas cenas em particular me chamaram a atenção. Na primeira ocorre uma demissão. Ela dura cerca de 1 minuto e se passa dentro de um automóvel, mas não vemos nada no interior. O que vemos é um personagem entrando no veículo e ao fim, saindo. Não há diálogo, nem trilha, mas diz tudo. E a segunda, ocorre durante uma conferência de imprensa e um toque de celular que a interrompe. Mais uma vez sem diálogo. É esse tipo de cena que vejo em falta em alguns filmes americanos de hoje, inclusive em bons diretores como Christopher Nolan, que parece não dispensar nem uma linha sequer de diálogo de seus roteiros.

Tudo Pelo Poder concorreu ao Leão de Ouro no último Festival de Veneza e agora, voltou às colunas graças às suas 4 indicações ao Globo de Ouro: Melhor Filme – Drama, Melhor Ator – Drama (Ryan Gosling), Melhor Diretor (George Clooney) e Melhor Roteiro (George Clooney, Grant Heslov e Beau Willimon). Apesar de não acreditar em nenhuma vitória para o filme, talvez a Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood resolva premiar George Clooney em uma categoria por ele ser uma figura muito querida com os repórteres (sim, com os homens também).