‘NASCE UMA ESTRELA’ é o DESTAQUE do DGA, WGA, ASC e EDDIE AWARDS

a quiet place 025

Indicado ao WGA: cena de Um Lugar Silencioso com John Krasinski (pic by outnow.ch)

Mal o ano começou, já tivemos as surpresas do Globo de Ouro, e agora temos o anúncios de três prêmios de sindicatos relevantes para a temporada e para a corrida do Oscar.

Vamos começar pelo mais chato e rígido de todos, o Writers Guild of America (WGA), do sindicato dos roteiristas. Pra quem está embarcando agora, o WGA é o mais complicado porque ele exige uma série de cumprimento de regras como filiação ao sindicato, e não reconhece roteiros de animações (com isso, quem sai perdendo é o próprio sindicato).

Os roteiros ausentes na lista do WGA não perdem muito, mas se forem lembrados, suas campanhas encorpam para o Oscar. Ano passado, os vencedores Corra! e Me Chame Pelo Seu Nome repetiram suas vitórias no Oscar. Apesar de serem rígidos, na última década, 2/3 dos indicados do WGA foram indicados ao Oscar também.

Este ano, entre as ausências mais notáveis que foram desqualificadas pelas toneladas de regras estão: A Favorita, Não Deixe Rastros, Domando o Destino, A Morte de Stalin, Hereditário e Sorry to Bother You, além dos estrangeiros Guerra Fria e Capernaum, e as animações Os Incríveis 2 e Ilha dos Cachorros. Já os esnobados foram Paul Schrader (No Coração da Escuridão) e Josh Singer (O Primeiro Homem).

Entre os indicados, destaque para os sucessos comerciais de Um Lugar Silencioso, Nasce uma Estrela e Pantera Negra, que pode repetir o feito de Logan (2017), que foi indicado no WGA e Oscar, tornando-se o primeiro roteiro indicado ao Oscar baseado em quadrinhos de super-heróis.

black panther 056

Indicado ao WGA: Cena de Pantera Negra (pic by outnow.ch)

Pela categoria de Documentário, o curioso foi a total ausência de trabalhos reconhecidos em premiações anteriores como Won’t You Be My Neighbor, Free Solo e RBG, mas dá notoriedade para outros como o de Michael Moore, Fahrenheit 11/09.

ROTEIRO ORIGINAL
* Bo Burnham (Oitava Série)
* Nick Vallelonga, Brian Currie e Peter Farrelly (Green Book: O Guia)
* Bryan Woods, Scott Beck e John Krasinski, história de Bryan Woods e Scott Beck (Um Lugar Silencioso)
* Alfonso Cuarón (Roma)
* Adam McKay (Vice)

ROTEIRO ADAPTADO
Charlie Wachtel, David Rabinowitz, Kevin Willmott e Spike Lee – Baseado no livro de Ron Stallworth (Infiltrado na Klan)
* Ryan Coogler, Joe Robert Cole – Baseado nos quadrinhos da Marvel Comics de Stan Lee e Jack Kirby (Pantera Negra)
* Nicole Holofcener e Jeff Whitty – Baseado no livro de Lee Israel (Poderia Me Perdoar?)
* Barry Jenkins – Baseado no romance de James Baldwin (Se a Rua Beale Falasse)
* Eric Roth, Bradley Cooper e Will Fetters – Baseado no roteiro de 1954 de Moss Hart, no roteiro de 1976 de John Gregory Dunne, Joan Didion e Frank Pierson, baseado na história William Wellman e Robert Carson (Nasce uma Estrela)

ROTEIRO DE DOCUMENTÁRIO
Ozzy Inguanzo & Dava Whisenant (Bathtubs Over Broadway)
* Michael Moore (Fahrenheit 11/9)
* Lauren Greenfield (Generation Wealth)
* Gabe Polsky (In Search of Greatness)

***

O anúncio dos vencedores do WGA ocorre no dia 17 de fevereiro.

roma dp_

Cena dentro do cinema em Roma, de Alfonso Cuarón (pic by IMDb)

A Associação Americana de Diretores de Fotografia (ASC) também divulgou suas seleções de trabalhos. A lista demonstra diversidade técnica que vai da película de 65 mm de Roma, passando pela exploração das luzes de velas em A Favorita, até o multi-formato de O Primeiro Homem.

Felizmente, é daqueles ano em que podemos dizer “Qualquer um que ganhar merece”. Até o momento, o trabalho mais premiado foi de Alfonso Cuarón por Roma, aliás, ele se tornou o primeiro DP (director of photography) a ser indicado na categoria principal fotografando o próprio filme que dirigiu. Em 2016, Cary Joji Fukunaga conseguiu o mesmo feito por Beasts of No Nation, mas pela categoria  Spotlight Award.

Pelas estatísticas, 80% dos trabalhos nas listas do ASC vão parar na categoria de Fotografia do Oscar. Normalmente, quatro estão em ambas as listas, e um é substituído. À princípio, nessa dança das cadeiras, Matthew Libatique por Nasce uma Estrela pode perder seu lugar para um dos ausentes mais comentados: Rachel Morrison (que se tornou a primeira DP mulher indicada ao ASC e ao Oscar por Mudbound) por Pantera Negra, ou James Laxton por Se a Rua Beale Falasse.

MELHOR FOTOGRAFIA
* Alfonso Cuarón (Roma)
* Matthew Libatique (Nasce uma Estrela)
* Robbie Ryan (A Favorita)
* Linus Sandgren (O Primeiro Homem)
* Łukasz Żal (Guerra Fria)

PRÊMIO SPOTLIGHT
* Joshua James Richards (Domando o Destino)
* Giorgi Shvelidze (Namme)
* Frank van den Eeden (Girl)

THE RIDER

Joshua James Richards conseguiu explorar o melhor no singelo Domando o Destino (pic by IMDb)

Pela categoria do prêmio Spotlight para filmes menos conhecidos, Joshua James Richards merece o destaque por explorar a beleza natural do cenário, identificando sua luz no protagonista e seu paixão pelo cavalo em Domando o Destino, que faturou o prêmio de Melhor Filme no último Gotham Award.

***

A cerimônia do 33º ASC Awards está marcado para o dia 09 de fevereiro.

blackkkansman8

John David Washington e Laura Harrier em cena de Infiltrado na Klan (pic by outnow.ch)

Com cerca de 1.000 membros, o sindicato de Montadores também anunciou seus indicados na última segunda. Aqui a porcentagem de acerto é um pouco melhor do que a de Fotografia com 88% considerando os últimos 25 anos.

Aqui, como no Globo de Ouro, o Eddie é dividido em duas categorias: Drama e Comédia, além das de Animação e Documentário, o que dificulta no esquecimento de alguns trabalhos mais fortes. No ano passado, Dunkirk levou Montagem – Drama e acabou ficando com o Oscar também. Normalmente, os filmes de ação e guerra têm boa vantagem em relação aos demais gêneros. E o prêmio costuma revelar o Melhor Filme. Dificilmente o filme que levar Melhor Filme não vai estar indicado ao Oscar de Montagem.

Achei curiosa a indicação de Infiltrado na Klan como Drama. Apesar do tema sério do racismo, fica nítido que Spike Lee dirigiu uma comédia. O resultado pode ser catastrófico como no Globo de Ouro, de onde saiu de mãos abanando.

MELHOR MONTAGEM (DRAMA)
* Barry Alexander Brown (Infiltrado na Klan)
* John Ottman (Bohemian Rhapsody)
* Tom Cross (O Primeiro Homem)
* Alfonso Cuarón & Adam Gough (Roma)
* Jay Cassidy (Nasce uma Estrela)

MELHOR MONTAGEM (COMÉDIA)
* Myron Kerstein (Podres de Ricos)
* Craig Alpert, Elísabet Ronaldsdóttir, Dirk Westervelt (Deadpool 2)
* Yorgos Mavropsaridis (A Favorita)
* Patrick J. Don Vito (Green Book: O Guia)
* Hank Corwin (Vice)

MELHOR MONTAGEM DE ANIMAÇÃO
* Stephen Schaffer (Os Incríveis 2)
* Andrew Weisblum, Ralph Foster, Edward Bursch (Ilha dos Cachorros)
* Robert Fisher, Jr. (Homem-Aranha no Aranhaverso)

MELHOR MONTAGEM DE DOCUMENTÁRIO
* Bob Eisenhardt (Free Solo)
* Carla Gutierrez (RBG)
* Michael Harte (Três Estranhos Idênticos)
* Jeff Malmberg, Aaron Wickenden (Won’t You Be My Neighbor?)

MELHOR MONTAGEM DE DOCUMENTÁRIO (FEITO PARA TV)
* Martin Singer (A Final Cut for Orson: 40 Years in the Making)
* Greg Finton, Poppy Das (Robin Williams: Come Inside My Mind)
* Neil Meiklejohn (Wild Wild Country, Part 3)
* Joe Beshenkovsky (The Zen Diaries of Garry Shandling)

***

A cerimônia do 69º Eddie Awards acontecerá no dia 1º de fevereiro.

'A Star Is Born' Film - 2018

Bradley Cooper explica cena para diretor de fotografia Matthew Libatique para Nasce uma Estrela (pic by Variety)

Entre todos os prêmios de sindicato, o Directors Guild of America (DGA) é o mais importante pelo seu histórico de ter apenas sete divergências entre ele e o Oscar, sendo a última em 2013, naquele episódio fatídico do Ben Affleck ficar de fora da categoria por Argo. As estatísticas, como citei, são as maiores: 90% de acerto em relação ao Oscar, ou seja, quem ganhar aqui, está com uma das mãos na estatueta dourada.

MELHOR DIREÇÃO

  • Bradley Cooper (Nasce uma Estrela)
  • Alfonso Cuarón (Roma)
  • Peter Farrelly (Green Book: O Guia)
  • Spike Lee (Infiltrado na Klan)
  • Adam McKay (Vice)

Apesar da vasta filmografia, Spike Lee é apenas o quinto diretor negro indicado ao DGA. O primeiro foi Lee Daniels (Preciosa) em 2010, Steve McQueen (12 Anos de Escravidão) em 2014, Barry Jenkins (Moonlight) em 2017 e Jordan Peele (Corra!) ano passado. Na verdade, esse é um dado estatístico que não costumo dar muita importância, porque parece que estou pedindo mais diretores negros indicados APENAS pela cor da pele. Gostaria de ver diretores negros mais reconhecidos apenas por seus trabalhos, assim como queria que Spike Lee tivesse sido indicado lá atrás em 1990 por Faça a Coisa Certa.

Ainda na temática politicamente correta, houve bons trabalhos de diretoras mulheres em 2018 como Poderia Me Perdoar?, da Marielle Heller, e Mais uma Chance, da Tamara Jenkins, mas particularmente, se fosse defender campanha feminina seria apenas da Chloé Zhao no independente Domando o Destino.

Voltando à lista do DGA, a inclusão de Peter Farrelly foi uma surpresa. Apesar da recente vitória de seu Green Book no Globo de Ouro ter ajudado bastante, o diretor nunca gozou de uma boa reputação como diretor em Hollywood, porque suas comédias escrachadas e politicamente incorretas sempre sofreram preconceito. Por isso, se alguém da lista não conseguir espaço no Oscar, acredito que será ele.

Por outro lado, se alguém conseguir surpreender, temos alguns nomes na fila de espera como o de Barry Jenkins (Se a Rua Beale Falasse), Damien Chazelle (O Primeiro Homem), Yorgos Lanthimos (A Favorita) e até Ryan Coogler (Pantera Negra).

MELHOR DIRETOR ESTREANTE

  • Bo Burnham (Oitava Série)
  • Bradley Cooper (Nasce uma Estrela)
  • Carlos Lopez Estrada (Ponto Cego)
  • Matthew Heineman (A Private War)
  • Boots Riley (Sorry to Bother You)

Na categoria de estreantes, Bradley Cooper aparece novamente e é o que mais tem chances de vitória, a menos que ganhe Direção e o prêmio de estreante vá para outro. Se for para Bo Burnham, seria um prêmio bem justo, pois ele trouxe muita energia e vibração desta nova geração de adolescentes em Oitava Série.

eighth-grade-bo-burnham

Bo Burnham dirige Elsie Fisher em cena de Oitava Série (pic by Vanity Fair)

Não vi os demais diretores indicados aqui, mas sem querer menosprezar esses trabalhos, ressalto aqui a estréia corajosa de Ari Aster em Hereditário, que mostrou muita personalidade na criação de atmosfera de terror psicológico, e Aneesh Chaganti por Buscando…, que teve ótimas sacadas para seu filme se apoiar exclusivamente de telas de celular, computador e TV.

Sobre Matthew Heineman, um fato curioso: ele foi indicado como estreante, mas já ganhou dois prêmios do DGA por Cartel Land e City Ghosts, mas como se tratam de documentários, eles consideram estréia na ficção.

***

A 71ª cerimônia de premiação do DGA está agendada para o dia 02 de fevereiro. 

‘VICE’, de Adam McKay, LIDERA o GLOBO DE OURO com 6 INDICAÇÕES

Vice Adam McKay

No centro, o diretor Adam McKay dirige Sam Rockwell e Christian Bale em Vice no cenário da Casa Branca (pic by IMDb)

FILME DE ADAM McKAY DESPONTA COMO O FAVORITO COM TRÊS ATORES INDICADOS

Na manhã desta quinta, dia 06, foram anunciadas as indicações ao 76º Globo de Ouro diretamente do Beverly Hilton Hotel, onde será a cerimônia em janeiro. A presidente da Hollywood Foreign Press Association (HFPA), Meher Tatna, contou com a colaboração de quatro atores para a tarefa: Christian Slater, Danai Gurira, Terry Crews e Leslie Mann. Confira o vídeo abaixo:

A grande surpresa foi também a recordista de indicações nesta edição. Vice, novo trabalho do diretor de A Grande Aposta (2015), Adam McKay, até então contava apenas com burburinho, pois havia passado desapercebido por prêmios anteriores, e agora foi agraciado enormemente com seis indicações, inclusive Melhor Filme de Comédia ou Musical, Direção e Roteiro. As demais indicações foram para o elenco: Christian Bale, Amy Adams e Sam Rockwell.

Logo em seguida, com 5 indicações cada, temos Nasce uma Estrela, A Favorita e Green Book. Ainda sobre números, na ala televisiva, o recordista foi a minissérie The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story que obteve 4 indicações, enquanto Barry, The Kominsky Method, Homecoming, Sharp Objects, The Marvelous Mrs. Maisel, e A Very English Scandal acumularam 3 cada.

Vale destacar que Amy Adams retorna à temporada de premiação com 2 indicações: Atriz Coadjuvante por Vice, e Atriz em Série Dramática por Sharp Objects, com chances reais de ganhar ambos. Será que agora o Oscar vai desta vez? Curiosamente, a outra atriz que está duplamente indicada é Regina King, que também concorre nas mesmas categorias de Amy Adams. King disputa por Se a Rua Falasse e pela série Seven Seconds.

Amy Adams Sharp Objects_

Amy Adams em cena da série Sharp Objects, pela qual também foi indicada (pic by IMDb)

AUSÊNCIAS SENTIDAS

Primeiramente, para nós cinéfilos, apesar de torcermos por nossos favoritos, o importante da temporada de premiações reside no fato do reconhecimento abrangente. De nada adiantaria todos os prêmios nomearem sempre os mesmos filmes e trabalhos, ainda mais hoje que contamos com uma variedade absurda de títulos de qualidade. Aliás, felizmente, até a Netflix está melhorando a qualidade de seus originais de cinema, vide Roma, de Alfonso Cuarón.

Dito isso, é triste dizer que First Reformed ficou de fora (acreditava que haveria pelo menos 2 indicações: Ator para Ethan Hawke e Roteiro), assim como Toni Collette pela ótima atuação em Hereditário, levando ainda em consideração que os dois filmes saíram premiados recentemente do Gotham Awards. Outro que estava decolando com a recente premiação do NYFCC, Sam Elliott, acabou ficando de fora da categoria de Ator Coadjuvante por Nasce uma Estrela.

Viúvas, de Steve McQueen, que foi muito comentado no mês passado, estava com esperanças de que o Globo de Ouro pudesse deslanchar a campanha do filme, mas acabou de mãos abanando. Nem a roteirista Gillian Flynn, nem Viola Davis se salvaram…

Embora Se a Rua Beale Falasse tenha conquistado 3 indicações (Filme, Atriz Coadjuvante e Roteiro), muitos deram falta de Barry Jenkins na lista de Direção. Aliás, muito foi discutido da total ausência feminina na categoria. Ano passado, como vocês devem lembrar, Natalie Portman  (aliás, outra ausência por Vox Lux) ressaltou enfaticamente que só havia diretores homens indicados. Claro, adoraria ver Marielle Heller (Poderia Me Perdoar?), Lynne Ramsay (Você Nunca Esteve Realmente Aqui) ou Tamara Jenkins (Mais uma Chance), mas se for pra incluir meramente por preencher cota feminina, o intuito da premiação cai por terra.

Particularmente, fiquei sentido pela ausência do filme sul-coreano Em Chamas (Burning), de Lee Chang-dong, que concorria como Melhor Filme em Língua Estrangeira. Espero que ganhe alguns prêmios importantes ou seja indicado em outros para ter chances no Oscar.

SURPRESAS

Nas categorias de cinema, é possível cravar que Rosamund Pike é a maior surpresa deste ano. Nenhum prêmio ou mesmo crítico destacou seu filme A Private War até agora. O Globo de Ouro certamente fez com que muitos incluíssem o filme sobre uma correspondente de guerra em muitas watchlists.

Rosamund Pike A Private War_

Rosamund Pike como a corresponde de guerra Marie Colvin em A Private War (pic by IMDb)

As indicações de John David Washington como Ator – Drama por Infiltrado na Klan, e de John C. Reilly como Ator – Comédia ou Musical por Stan & Ollie chamam a atenção e certamente deverão reforçar a campanha rumo ao Oscar. Uma surpresa não tão surpresa assim foi a de Elsie Fisher na categoria de Atriz – Comédia ou Musical por Oitava Série. Já que o filme não foi lembrado nas categorias de Filme, Direção e Roteiro, foi um alívio vê-la representando esta pequena gema no Globo de Ouro!

John C. Reilly Stan Ollie_

John C. Reilly atua como o comediante Oliver Hardy em Stan & Ollie (pic by IMDb)

Pela televisão, a indicação de Sacha Baron Cohen como Ator de Comédia foi a mais comentada na rede. Em seu novo programa intitulado Who is America?, o ator britânico conhecido por Borat, traveste-se de sete personagens distintos para entrevistar ou mesmo enfrentar situações com pessoas patriotas, inclusive políticos republicanos como ex-vice presidente Dick Cheney, deixando-os em situação constrangedora.

INDICADOS AO GLOBO DE OURO 2019:

MELHOR FILME – DRAMA
Pantera Negra (Black Panther)
Infiltrado na Klan (BlacKkKlansman)
Bohemian Rhapsody (Bohemian Rhapsody)
Se a Rua Beale Falasse (If Beale Street Could Talk)
Nasce uma Estrela (A Star Is Born)

MELHOR ATRIZ – DRAMA
Glenn Close (A Esposa)
Lady Gaga (Nasce uma Estrela)
Nicole Kidman (O Peso do Passado)
Melissa McCarthy (Poderia Me Perdoar?)
Rosamund Pike (A Private War)

MELHOR ATOR – DRAMA
Bradley Cooper (Nasce uma Estrela)
Willem Dafoe (No Portal da Eternidade)
Lucas Hedges (Boy Erased: Uma Verdade Anulada)
Rami Malek (Bohemian Rhapsody)
John David Washington (Infiltrado na Klan)

MELHOR FILME – COMÉDIA OU MUSICAL
Podres de Ricos (Crazy Rich Asians)
A Favorita (The Favourite)
Green Book: O Guia (Green Book)
O Retorno de Mary Poppins (Mary Poppins Returns)
Vice

MELHOR ATRIZ – COMÉDIA OU MUSICAL
Emily Blunt (O Retorno de Mary Poppins)
Olivia Colman (A Favorita)
Elsie Fisher (Oitava Série)
Charlize Theron (Tully)
Constance Wu (Podres de Ricos)

MELHOR ATOR – COMÉDIA OU MUSICAL
Christian Bale (Vice)
Lin-Manuel Miranda (O Retorno de Mary Poppins)
Viggo Mortensen (Green Book: O Guia)
Robert Redford (The Old Man & the Gun)
John C. Reilly (Stan & Ollie)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Amy Adams (Vice)
Claire Foy (O Primeiro Homem)
Regina King (Se a Rua Beale Falasse)
Emma Stone (A Favorita)
Rachel Weisz (A Favorita)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Mahershala Ali (Green Book: O Guia)
Timothée Chalamet (Querido Menino)
Adam Driver (Infiltrado na Klan)
Richard E. Grant (Poderia Me Perdoar?)
Sam Rockwell (Vice)

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO
Os Incríveis 2 (Incredibles 2)
Ilha dos Cachorros (Isle of Dogs)
Mirai
WiFiRalph: Quebrando a Internet (Ralph Breaks the Internet)
Homem-Aranha no Aranhaverso (Spider-Man: Into the Spider-Verse)

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
Capernaum – LÍBANO
Girl – BÉLGICA
Never Look Away – ALEMANHA
Roma (Roma) – MÉXICO
Assunto de Família (Shoplifters) – JAPÃO

MELHOR DIREÇÃO
Bradley Cooper (Nasce uma Estrela)
Alfonso Cuaron (Roma)
Peter Farrelly (Green Book: O Guia)
Spike Lee (Infiltrado na Klan)
Adam McKay (Vice)

MELHOR ROTEIRO
Alfonso Cuaron (Roma)
Deborah Davis, Tony McNamara (A Favorita)
Barry Jenkins (Se a Rua Beale Falasse)
Adam McKay (Vice)
Peter Farrelly, Nick Vallelonga, Brian Currie (Green Book: O Guia)

MELHOR TRILHA MUSICAL
Marco Beltrami (Um Lugar Silencioso)
Alexandre Desplat (Ilha de Cachorros)
Ludwig Göransson (Pantera Negra)
Justin Hurwitz (O Primeiro Homem)
Marc Shaiman (O Retorno de Mary Poppins)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“All the Stars” (Pantera Negra)
“Girl in the Movies” (Dumplin’)
“Requiem For a Private War” (A Private War)
“Revelation’ (Boy Erased: Uma Verdade Anulada)
“Shallow” (Nasce uma Estrela)

MELHOR SÉRIE – DRAMA
The Americans
Bodyguard
Homecoming
Killing Eve
Pose

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DRAMÁTICA
Caitriona Balfe (Outlander)
Elisabeth Moss (The Handmaid’s Tale)
Sandra Oh (Killing Eve)
Julia Roberts (Homecoming)
Keri Russell (The Americans)

MELHOR ATOR EM SÉRIE DRAMÁTICA
Jason Bateman (Ozark)
Stephan James (Homecoming)
Richard Madden (Bodyguard)
Billy Porter (Pose)
Matthew Rhys (The Americans)

MELHOR SÉRIE DE COMÉDIA OU MUSICAL
“Barry” (HBO)
“The Good Place” (NBC)
“Kidding” (Showtime)
“The Kominsky Method” (Netflix)
“The Marvelous Mrs. Maisel” (Amazon)

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DE COMÉDIA OU MUSICAL
Kristen Bell (The Good Place)
Candice Bergen (Murphy Brown)
Alison Brie (Glow)
Rachel Brosnahan (The Marvelous Mrs. Maisel)
Debra Messing (Will & Grace)

MELHOR ATOR EM SÉRIE DE COMÉDIA OU MUSICAL
Sacha Baron Cohen (Who Is America?)
Jim Carrey (Kidding)
Michael Douglas (The Kominsky Method)
Donald Glover (Atlanta)
Bill Hader (Barry)

MELHOR MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
The Alienist (TNT)
The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story (FX)
Escape at Dannemora (Showtime)
Sharp Objects (HBO)
A Very English Scandal (Amazon)

MELHOR ATRIZ EM MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Amy Adams (Sharp Objects)
Patricia Arquette (Escape at Dannemora)
Connie Britton (Dirty John)
Laura Dern (The Tale)
Regina King (Seven Seconds)

MELHOR ATOR EM MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Antonio Banderas (Genius: Picasso)
Daniel Bruhl (The Alienist)
Darren Criss (The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story)
Benedict Cumberbatch (Patrick Melrose)
Hugh Grant (A Very English Scandal)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU FILME PARA TV

Alex Borstein (The Marvelous Mrs. Maisel)
Patricia Clarkson (Sharp Objects)
Penelope Cruz (The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story)
Thandie Newton (Westworld)
Yvonne Strahovski (The Handmaid’s Tale)

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU FILME PARA TV
Alan Arkin (The Kominsky Method)
Kieran Culkin (Succession)
Edgar Ramirez (The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story)
Ben Whishaw (A Very English Scandal)
Henry Winkler (Barry)

***

A cerimônia da 76ª edição do Globo de Ouro está marcada para o próximo dia 06 de janeiro, e contará com os atores Sandra Oh e Andy Samberg como hostess e host. Como de costume, o evento deve ser transmitido ao vivo pela TNT.

87 PRODUÇÕES CONCORREM ao OSCAR 2019 de FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

Alfonso Cuarón Roma.jpg

Alfonso Cuarón dirige cena com Yalitza Aparicio em Roma (pic by imdb)

VENCEDOR DO OSCAR POR ‘GRAVIDADE’, ALFONSO CUARÓN COMPETE PELO MÉXICO

OK, os portões do ENEM fecharam! Ninguém mais entra, ninguém mais sai. 87 países enviaram seus filmes representantes para disputarem as 5 cobiçadas indicações na categoria de Filme em Língua Estrangeira. É importante ressaltar aqui que houve uma ligeira redução de inscritos comparando com o ano passado, quando houve 92 filmes.

Este ano marca a estréia na lista de dois países que muita gente sequer sabia da existência: Malawi e Niger, ambas nações do continente africano. Duas produções ainda aguardam aprovação da Academia: o filme cubano Sergio & Sergei, e o representante do Quirguistão Night Accident.

COMO ESTÁ A DISPUTA ATÉ O MOMENTO?

Ao contrário dos últimos anos, 2019 já tem um franco-favorito: Roma, de Alfonso Cuarón, que ganhou o Leão de Ouro em Veneza, é o representante oficial do México, que nunca ganhou o Oscar de Filme em Língua Estrangeira na história da Academia. Por todos os lugares por quais passa, independente de qual crítico, o filme biográfico do diretor é uma extrema unanimidade, inclusive, com alta possibilidade de concorrer ao Oscar de Melhor Filme (seria a primeira indicação da Netflix) e com boas chances de vencer! Essa dobradinha Melhor Filme e Melhor Filme em Língua Estrangeira nunca aconteceu antes.

Pra quem não se recorda, Alfonso Cuarón já venceu dois Oscars pela ficção científica Gravidade em 2014: Melhor Montagem e Melhor Direção. Ele já havia concorrido antes por Filhos da Esperança em 2007 (Roteiro Adaptado e Montagem) e por E Sua Mãe Também em 2002 (Roteiro Original). Tornou-se o primeiro diretor hispânico a vencer o Oscar de Diretor, abrindo a porta para seus compadres Alejandro González Iñárritu e Guillermo Del Toro.

Shoplifters.jpg

Sakura Andô (mãe) e Lily Franky (pai) interagem com menina adotada em Assunto de Família (pic by imdb)

Claro que, mesmo diante desse sucesso estrondoso, só vamos ter 100% de certeza quando o filme for anunciado vencedor no palco da cerimônia. Até lá, muita água ainda vai rolar nesse rio de filmes. O representante japonês, Assunto de Família, de Hirokazu Koreeda, figura como uma espécie de segundo lugar nessa bolsa de apostas. Cineasta com presença frequente em grandes festivais internacionais, Koreeda ganhou enorme impulso após a vitória da Palma de Ouro em Cannes com este singelo drama sobre uma família de ladrões que adota uma menina de rua.

Dá pra praticamente cravar que Roma e Assunto de Família já estão garantidos na categoria. As outras 3 vagas podem ir para:

POLÔNIA: Guerra Fria (Cold War), de Pawel Pawlikowski
– Temos aqui o diretor que ganhou o Oscar de Filme Estrangeiro por Ida em 2014, fazendo um novo filme em preto-e-branco com pano de fundo da guerra, tema que muitos votantes adoram. Cold War levou o prêmio de Direção em Cannes. E conta com a belíssima fotografia PB de Lukasz Zal (que foi indicado ao Oscar por Ida).

Cold War.jpg

Joanna Kulig em cena de Guerra Fria (pic by imdb)

CORÉIA DO SUL: Em Chamas (Burning), de Lee Chang-dong
– Bastante elogiado em Cannes, de onde saiu com o FIPRESCI Prize, que reconhece a vertente artística, Em Chamas pode se tornar a primeira indicação da Coréia do Sul ao Oscar após o país perder grande chance com A Criada em 2016. Seu diretor Lee Chang-dong tem um currículo internacional respeitável, já tendo vencido o prêmio de roteiro por Poesia (2010) em Cannes.

Burning

Ah-In Yoo, Jong-seo Jeon e Steven Yeun em cena de Em Chamas (pic by imdb)

PARAGUAI: As Herdeiras (Las Herederas), de Marcelo Martinessi
– Em sua passagem pelo Festival de Berlim, o filme conquistou o prêmio de Melhor Atriz para Ana Brun. O filme narra a decadência financeira de uma família da elite paraguaia. O longa paraguaio já estreou no Brasil.

The Heiresses

Ana Brun e Ana Ivanova em cena de As Herdeiras (pic by humanitieskansas.org)

BÉLGICA: Girl, de Lukas Dhont
– A produção acompanha a trajetória de Lara, uma menina de 15 anos nascida num corpo de menino, que tem o sonho de ser bailarina. Girl teve boa passagem pela mostra Un Certain Regard de Cannes, e pode se beneficiar da recente vitória de outro filme LGBT no Oscar: Uma Mulher Fantástica.

Girl

Victor Polster como a bailarina Lara em cena de Girl (pic by imdb)

Outros filmes bem cotados são o dinamarquês A Culpa, de Gustave Möller; o alemão Never Look Away, de Florian Henckel von Donnnersmarck (que venceu o Oscar por A Vida dos Outros); e o libanês Capernaum, de Nadine Labaki.

E O BRASIL?

A Academia de Cinema Brasileiro nomeou O Grande Circo Místico, de Cacá Diegues, para concorrer ao Oscar. Como o filme ainda não estreou em solo brasileiro, acabou não contando com o voto popular. Internacionalmente, o longa teve passagem bem discreta em mostra paralela não-competitiva de Cannes. A seleção se baseou na extensa filmografia do diretor, que este ano foi integrado à Academia de Letras Brasileira, e na temática circense que já fez sucesso décadas atrás na categoria como com A Estrada da Vida, de Federico Fellini.

O Grande Circo Místico

Jesuíta Barbosa em cena de O Grande Circo Místico (pic by imdb)

A menos que haja uma mega reviravolta na campanha nos EUA, o filme tem tudo para morrer na praia, infelizmente. A escolha mais sensata teria sido entre Benzinho e As Boas Maneiras, que tiveram carreira internacional mais rica, que facilitaria na divulgação. Porém, vamos continuar torcendo… pelo menos até conferir a qualidade do filme!

PREPARE-SE!

No final de dezembro, sai a pré-lista com 9 produções. E os cinco indicados serão conhecidos no dia do anúncio das indicações: 22 de janeiro. A cerimônia acontecerá no dia 24 de fevereiro.

SEGUE A LISTA DAS 87 PRODUÇÕES INSCRITAS PARA O OSCAR 2019:

PAÍS FILME DIRETOR(A)(ES)
Afeganistão Rona Azim’s Mother Jamshid Mahmoudi
África do Sul Sew the Winter to my Skin Jahmil X.T. Qubeka
Alemanha Never Look Away Florian H. von Donnersmarck
Argélia Until the End of Time Yasmine Chouikh
Argentina El Ángel Luis Ortega
Armênia Spitak Alexander Kott
Austrália Jirga Benjamin Gilmour
Áustria The Waldheim Waltz Ruth Beckermann
Bangladesh No Bed of Roses Mostofa Sarwar Farook
Bélgica Girl Lukas Dhont
Bielorrússia Crystal Swan Darya Zhuk
Bolívia The Goalkeeper Rodrigo ‘Gory’ Patiño
Bósnia Herzegovina Never Leave Me Ainda Begi´c
Brasil O Grande Circo Místico Cacá Diegues
Bulgária Omnipresent Ilian Djevelekov
Camboja Graves Without a Name Rithy Panh
Canadá Family Ties Sophie Dupuis
Cazaquistão Ayka Sergey Dvortsevoy
Chile …And Suddenly the Dawn Silvio Caiozzi
China Hidden Man Jiang Wen
Colômbia Birds of Passage Cristina Gallego, Ciro Guerra
Coréia do Sul Em Chamas Lee Chang-dong
Costa Rica Medea Alexandra Latishev
Croácia The Eighth Comissioner Ivan Salaj
Dinamarca Culpa Gustav Möller
Egito Yomeddine A.B. Shawky
Equador A Son of Man Jamaicanoproblem
Eslováquia The Interpreter Martin Šulík
Eslovênia Ivan Janez Burger
Espanha Champions Javier Fesser
Estônia Take it or Leave it Liina Trishkina-Vanhatalo
Filipinas Signal Rock Chito S. Roño
Finlândia Euthanizer Teemu Nikki
França Memoir of War Emmanuel Finkiel
Geórgia Namme Zaza Khalvashi
Grécia Polyxeni Dora Masklavanou
Holanda O Banqueiro da Resistência Joram Lürsen
Hong Kong Operation Red Sea Dante Lam
Hungria Sunset László Nemes
Iêmen 10 Days Before the Wedding Amr Gamal
Índia Village Rockstars Rima Das
Indonésia Marlina the Murderer in Four Acts Mouly Surya
Irã Sem Data, Sem Assinatura Vahid Jalivand
Iraque The Journey Mohamed Jabarah Al-Daradji
Islândia Woman at War Benedikt Erlingsson
Israel The Cakemaker Ofir Raul Graizer
Itália Dogman Matteo Garrone
Japão Assunto de Família Hirokazu Koreeda
Kosovo The Marriage Blerta Zeqiri
Letônia To Be Continued Ivars Seleckis
Líbano Capernaum Nadine Labaki
Lituânia Wonderful Losers: A Different World Arunas Matelis
Luxemburgo Gutland Govinda Van Maele
Macedônia Secret Ingredient Gjorce Stavreski
Malawi The Road to Sunrise Shemu Joyah
Marrocos Burnout Nour-Eddine Lakhmari
México Roma Alfonso Cuarón
Montenegro Iskra Gojko Berkuljan
Nepal Panchayat Shivam Adhikari
Níger The Wedding Ring Rahmatou Keïta
Noruega What Will People Say Iram Haq
Nova Zelândia Yellow is Borbidden Pietra Brettkelly
Palestina Ghost Hunting Raed Andoni
Panamá Ruben Blades is not my Name Abner Benaim
Paquistão Cake Assim Abbasi
Paraguai As Herdeiras Marcelo Martinessi
Peru Eternity Oscar Catacora
Polônia Guerra Fria Pawel Pawlikowski
Portugal Pilgrimage João Botelho
Quênia Supa Modo Likarion Wainaina
Reino Unido I Am Not a Witch Rungano Nyoni
Rep Dominicana Cocote Nelson Carlo De Los S. Arias
Rep Tcheca Winter Flies Olmo Omerzu
Romênia I Do Not Care If We Go Down in History as Barbarians Radu Jude
Rússia Sobibor Konstantin Khabensky
Sérvia Offenders Dejan Zecevic
Singapura Buffalo Boys Mike Wiluan
Suécia Border Ali Abbasi
Suíça Eldorado Markus Imhoof
Tailândia Malila the Farewell Flower Anucha Boonyawatana
Taiwan The Great Buddha+ Hsin-Yao Huang
Tunísia Beauty and the Dogs Kaouther Bem Hania
Turquia The Wild Pear Tree Nuri Bilge Ceylan
Ucrânia Donbass Sergei Loznitsa
Uruguai Uma Noite de 12 Anos Álvaro Brechner
Venezuela The Family Gustavo Rondón Córdova
Vietnã The Tailor Buu Loc Tran, Kay Nguyen

‘SHOPLIFTERS’, DO AUTOR JAPONÊS HIROKAZU KORE-EDA, VENCE A PALMA DE OURO

 

 

hirokazu cannes

O diretor japonês Hirokazu Kore-eda ostenta sua Palma de Ouro. No fundo, a presidente do júri Cate Blanchett. Pic by Eric Gaillard/REUTERS

APESAR DAS EXPECTATIVAS PARA UMA SEGUNDA PALMA DE OURO PARA UMA MULHER, CANNES PREMIOU SEGUNDO FILME ASIÁTICO NESTE SÉCULO

Havia três filmes indicados à Palma de Ouro nesta edição dirigidos por mulheres, o júri era formado por maioria feminina e encabeçada pela presidente Cate Blanchett, e tudo indicava que a segunda Palma de Ouro poderia acontecer desde 1993, quando O Piano venceu, MAS ainda não foi desta vez. Como a própria Blanchett disse em entrevista, adoraria ver uma mulher recebendo a honraria, mas “Palma de Ouro não é o Nobel da Paz”.

O prêmio máximo da noite foi concedido ao cineasta autoral japonês Hirokazu Kore-eda por Shoplifters, um drama sócio-familiar sobre uma menina que vive nas ruas que é adotada por uma família pobre que a ensina a furtar em supermercados. Assim como o título francês, o brasileiro tende a ser “Assunto de Família”. Kore-eda ficou conhecido aqui no Brasil por Depois da Vida (1998), aquele em que as pessoas têm uma semana depois da morte para escolher uma memória, e pelo premiado em Cannes Ninguém Pode Saber (2004), quando o ator-mirim Yûya Yagira levou o prêmio de interpretação masculina.

Shoplifters

Cena de Shoplifters, vencedor da Palma de Ouro. Pic by outnow.ch

Contudo, meu favorito dele é Pais e Filhos (2013), que aborda uma difícil situação de troca de bebês na maternidade. Para quem acompanha a carreira do diretor, sabe que ele tem uma predileção por temas familiares, mas como poucos, consegue fazer retratos bastante intimistas de seus personagens. Mesmo em seu penúltimo trabalho, o policial O Terceiro Assassinato, mesmo tendo um crime como foco, ele ainda explora relações conturbadas de família.

Esta foi apenas a segunda Palma de Ouro para um diretor asiático neste século XXI, que não ocorria desde 2010, quando o tailandês Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas levou o prêmio. Apenas um fato curioso, longe de querer cobrar cotas para asiáticos em Cannes. Aliás, boa parte da imprensa apontou que a Palma teria sido uma espécie de prêmio pelo conjunto da obra para Hirokazu Kore-eda, já que ele tem seis passagens pela Croissette. Este foi sua quinta indicação à Palma de Ouro, e ele tinha levado apenas um Prêmio do Júri (tipo 3º lugar) com Pais e Filhos.

Muito bem cotado entre a crítica estrangeira, BlacKkKlansman, de Spike Lee, acabou levando o Grande Prêmio do Júri. Respeitando uma tradição em sua filmografia, a crítica ao racismo está novamente presente nesta trama em que um negro se infiltra na organização Ku Klux Klan. Presente na cerimônia, o diretor aceitou o prêmio em nome da “República Popular do Brooklyn, Nova York”, fazendo menção à sua terra natal. Animado, Spike declarou: “Cannes foi o local perfeito para lançar o filme. Espero que o filme possa nos tirar de nossa estagnação mental de forma global, e voltar à verdade, bondade, amor e sem ódio”, e obviamente, aproveitou para dar cutucadas em Donald Trump: “Com este governo, estamos regredindo no tempo.” Particularmente, torço para que este BlacKkKlansman, assim como futuros trabalhos, voltem a ser os meios de expressão que ele utilizava tão bem para dialogar sobre racismo.

Spike Lee Cannes

Spike Lee posa com seu Grande Prêmio do Júri por BlacKkKlansman. Pic by NY Daily News

Apesar de não terem levado a Palma de Ouro para casa, das três mulheres indicadas, duas levaram importantes prêmios nesta edição. Enquanto o Prêmio do Júri foi para a diretora libanesa Nadine Labaki por seu filme Capernaum, no qual retrata a vida de um menino de rua em Beirute que decide processar seus pais pela vida que tem, a diretora italiana Alice Rohrwacher dividiu o prêmio de Roteiro por Happy as Lazzaro com o cineasta iraniano Jafar Panahi por Três Faces.

Os prêmios de interpretação foram concedidos à talentos desconhecidos este ano. Do lado masculino, o ator italiano Marcello Fonte, que interpretou um franzino dono de pet shop que precisa tomar uma atitude drástica em Dogman, levou o prêmio, enquanto na ala feminina, a jovem cazaque Samal Yeslyamova conquistou a honra por sua performance como uma imigrante do Quirguistão que abandona seu bebê numa gélida Rússia em Ayka.

Marcello+Fonte+Samal+Yeslyamova+Palme+Winner+hs9yGQuwgRQl.jpg

Marcello Fonte e Samal Yeslyamova posam com seus prêmios de interpretação de Cannes. Pic by zimbio

Já pelo prêmio de Direção, o polonês Pawel Pawlikowski foi reconhecido pelo drama Cold War, sobre o romance entre dois músicos contada através de elipses, bela fotografia preto-e-branco, e enquadramentos rígidos como conhecemos em Ida, vencedor do Oscar de Filme em Língua Estrangeira em 2014.

Contudo, talvez o que mais tenha chamado a atenção no dia da premiação, tenha sido a presença da atriz italiana Asia Argento. Pouco antes do anúncio do primeiro prêmio, ela surgiu no palco e soltou uma bomba: “Tenho algumas palavras para dizer: Em 1997, fui estuprada por Harvey Weinstein aqui em Cannes. Eu tinha 21 anos. Este festival era a área de caça dele. Quero lançar uma previsão: Harvey Weinstein nunca será bem-vindo aqui novamente. Ele viverá em desgraça, evitado pela comunidade fílmica que o acolheu e acobertou seus crimes. Mesmo esta noite, sentados entre vocês, existem aqueles que ainda devem ser responsabilizados por comportamentos que não pertencem à essa indústria. Vocês sabem quem vocês são, e mais importante, nós sabemos quem vocês são, e não vamos mais permitir que se saiam impunes.”

Asia Argento Cannes

Asia Argento demonstrando a força feminina no dia do encerramento do festival de Cannes. Pic by Mashable

A declaração da atriz denota que os movimentos feministas como o #MeToo causaram rebuliço no evento. Embora a organização não tenha sido culpada pelo crime sexual ocorrido em 97, tomou providências e disponibilizou pela primeira vez uma linha direta para reportar qualquer ocorrência do tipo ou comportamento suspeito.

Se desse lado o festival soube se adequar aos tempos atuais, a briga com a Netflix devido ao sistema de streaming não se encaixar no antiquado sistema de exibição francês foi um ponto bastante negativo para Cannes. Sem poder contar com as novas produções da empresa americana, repletas de diretores renomados, para suas seleções, o festival francês pode perder relevância no cenário internacional.

BRASIL EM CANNES

Embora não estivesse concorrendo na mostra oficial neste ano, a produção nacional contou com três co-produções premiadas. Pela mostra Un Certain Regard (Um Certo Olhar), o documentário com toques de ficção Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos (intitulado internacionalmente como The Dead and the Others), dirigido pela brasileira Renée Nader Messora e o português João Salaviza, que conta uma jornada espiritual indígena, venceu o Prêmio do Júri.

Festival Internacional de Cine de Cannes

À direita, os diretores de Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos: João Salaviza e Renée Nader Messora, recebendo o Prêmio do Júri da mostra Un Certain Regard. Pic by Estadão

Co-produzido em parceria com a França e Portugal, o filme Diamantino venceu o Grande Prêmio da mostra da Semana da Crítica. Dirigido pela dupla Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, o filme tem como protagonista uma espécie de Cristiano Ronaldo, jogador de futebol e modelo. E já O Órfão, de Carolina Markowicz, levou o prêmio Queer Palm de Curta-Metragem.

VENCEDORES DA 71ª EDIÇÃO DO FESTIVAL DE CANNES

COMPETIÇÃO

PALMA DE OURO
Shoplifters

Dir: Hirokazu Kore-eda

GRANDE PRÊMIO DO JÚRI
BlacKkKlansman

Dir: Spike Lee

PRÊMIO DO JÚRI
Capernaum
Dir: Nadine Labaki

DIRETOR
Pawel Pawlikowski (Cold War)

ATOR
Marcello Fonte (Dogman)

ATRIZ
Samal Yeslyamova (Ayka)

ROTEIRO
Alice Rohrwacher (Happy as Lazzaro)
Jafar Panahi, Nader Saeivar (Three Faces)

PALMA DE OURO ESPECIAL
Jean-Luc Godard

 

UN CERTAIN REGARD

PRÊMIO UN CERTAIN REGARD
Border

Dir: Ali Abbasi

DIRETOR
Sergei Loznitsa (Donbass)

ATUAÇÃO
Victor Polster (Girl)

ROTEIRO
Meryem Benm’Barek (Sofia)

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI
João Salaviza & Renée Nader Messora (Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos)

 

OUTROS PRÊMIOS

CAMERA D’OR
Girl

Dir: Lukas Dhont

PALMA DE OURO PARA CURTA
All These Creatures

Dir: Charles Williams

MENÇÃO ESPECIAL PARA CURTA
On the Border

Dir: Shujun Wei

PRÊMIO DO JÚRI ECUMÊNICO
Capernaum

Dir: Nadine Labaki

MENÇÃO ESPECIAL DO JÚRI ECUMÊNICO
BlacKkKlansman

Dir: Spike Lee

QUEER PALM
Girl

Dir: Lukas Dhont

 

 

DIRECTORS’ FORTNIGHT

PRÊMIO ART CINEMA
Climax

Dir: Gaspar Noé

PRÊMIO SOCIETY OF DRAMATIC AUTHORS AND COMPOSERS
The Trouble With You

Dir: Pierre Salvadori

EUROPA CINEMAS LABEL
Lucia’s Grace

Dir: Gianni Zanasi

PRÊMIO ILLY DE CURTA-METRAGEM
Skip Day

Dir: Patrick Bresnan, Ivete Lucas

 

SEMANA DA CRÍTICA

GRANDE PRÊMIO
Diamantino

Dir: Gabriel Abrantes, Daniel Schmidt

PRÊMIO SOCIETY OF DRAMATIC AUTHORS AND COMPOSERS
Woman at War
Dir: Benedikt Erlingsson

GAN Foundation Award for Distribution
Sir

PRÊMIO LOUIS ROEDERER FOUNDATION RISING STAR
Felix Maritaud (Sauvage)

CURTA-METRAGEM
Hector Malot – The Last Day Of The Year

Dir: Jacqueline Lentzou

 

FIPRESCI

COMPETIÇÃO
Burning

Dir: Lee Chang-dong

UN CERTAIN REGARD
Girl

Dir: Lukas Dhont

Directors’ Fortnight/Critics’ Week
One Day

Dir: Zsófa Szilagyi

 

CINÉFONDATION

PRIMEIRO PRÊMIO
The Summer of the Electric Lion
Dir: Diego Céspedes

SEGUNDO PRÊMIO
Calendar

Dir: Igor Poplauhin

The Storms in Our Blood
Dir: Shen Di

TERCEIRO PRÊMIO
Inanimate

Dir: Lucia Bulgheroni

%d blogueiros gostam disto: