‘EMOJI: O FILME’ se TORNA a PRIMEIRA ANIMAÇÃO a VENCER o FRAMBOESA DE OURO

Emoji O Filme Framboesa.jpeg

Cena de Emoji: O Filme, primeira animação a a ganhar o prêmio Framboesa de Ouro de Pior Filme

TOM CRUISE, MEL GIBSON E KIM BASINGER, INDICADOS E VENCEDORES DO OSCAR, TAMBÉM FORAM LEMBRADOS COMO PIORES DO ANO

Tradicionalmente, o Framboesa de Ouro (ou Razzie Awards) premia os piores do ano um dia antes da cerimônia do Oscar. Curiosamente, houve casos em que o vencedor do Framboesa levou um prêmio e no dia seguinte, ganhou o Oscar, obviamente não pelo mesmo trabalho, como foi o caso de Sandra Bullock.

E o mais curioso é que ela compareceu ao evento e recebeu o prêmio com muito bom humor, levando um carrinho repleto de cópias do roteiro do filme Maluca Paixão. “Trouxe várias cópias para que vocês leiam e vejam que eu não poderia fazer muita coisa”, discursou Bullock naquele ano de 2010.

Este ano, os filmes indicados devem agradecer aos céus pela presença ilustre da animação Emoji: O Filme, que conquistou todos os quatro prêmios a que estava concorrendo: Filme, Combo, Roteiro e Diretor, livrando a cara de alguns nomes mais famosos como os diretores Darren Aronofsky, que concorria por Mãe!, e Michael Bay, que concorria por Transformers: O Último Cavaleiro.

Nas categorias de atuação, temos dois vencedores do Oscar: Kim Basinger conquistou como Pior Atriz Coadjuvante por Cinquenta Tons Mais Escuros, e Mel Gibson levou Pior Ator Coadjuvante pela comédia Pai em Dose Dupla 2. Contudo, o prêmio que mais me agradou foi de Pior Ator para Tom Cruise em A Múmia. Lembro que enquanto assistia a essa obra-prima no cinema, pensava: “Esse Tom Cruise acha que qualquer porcaria que ele fizer vai ser um sucesso!”. Ah! E que eu queria meu dinheiro do ingresso e minhas duas horas de vida de volta.

Tom Cruise the Mummy.jpg

Química zero: Tom Cruise e Annabelle Wallis em cena de A Múmia (pic by cine.gr)

E o que dizer de Cinquenta Tons Mais Escuros? O primeiro filme foi o grande vencedor do Framboesa de 2016, com cinco prêmios. Aí, esta sequência leva mais dois prêmios. E ainda teremos o terceiro (!) neste ano, que pode e deve resultar em mais alguns prêmios no Framboesa pra fechar bem a trilogia trágica de E.L. James. Eu queria tentar entender o sucesso desses filmes, porque o sexo é pobremente retratado, os atores são péssimos, e talvez o pior: não existe uma química boa entre o casal central. Tanto Dakota Johnson quanto Jamie Dornan são totalmente sem sal.

cINQUENTA tONS mAIS eSCUROS

Casal sem sal do ano: Dakota Johnson e Jamie Dornan em Cinquenta Tons Mais Escuros (pic by cine.gr)

Também queria que aquela Katherine Heigl ganhasse o prêmio de atriz por Paixão Obsessiva, no qual ela faz uma versão tosca de Glenn Close em Atração Fatal. Nessas horas, queria perguntar: “Quem te falou que você sabe atuar?”. O vencedor da categoria foi Tyler Perry, o cara que se veste de mulher pra fazer comédias bobas. Honestamente, pelo menos Perry sabe que está fazendo algo ruim e tem um público bem específico que gosta de seus filmes nos EUA. Já o problema de Heigl é que ela acha que está fazendo uma interpretação pra ganhar o Oscar. Um Framboesa de Ouro na carreira dela poderia fazê-la repensar na carreira ou pelo menos, fazer um curso de atuação de maior prestígio.

Infelizmente, 95% dos vencedores do Framboesa não comparecem ao evento como fizeram Paul Verhoeven, Halle Berry e Sandra Bullock. Não… eles preferem simplesmente esquecer, como se os filmes fossem sumir com num passe de mágica. Acho importante esses vencedores comparecerem ao evento, receber o prêmio e saber tirar sarro de si mesmo, sabe? “Ok, fiz um péssimo filme, mas obrigado por lembrarem do meu trabalho! Vou me esforçar pra não voltar mais aqui!”

Particularmente, acho o Framboesa muito mais importante do que muito prêmio de cinema, pois ele faz uma análise dos erros e permite que os artistas reflitam melhor sobre seus trabalhos e procurem não repetir os mesmos enganos. Como todos sabem, o cinema de hoje é produzido por muitas pessoas que se dizem artistas, mas visam apenas os lucros, por isso, geram tantas sequências e refilmagens desnecessárias. Quer lucrar com cinema? Não há nada de errado nisso, mas pelo menos, procure bons motivos além do dinheiro para filmar.

VENCEDORES DO 38º FRAMBOESA DE OURO

PIOR FILME
Emoji: O Filme (The Emoji Movie)

PIOR ATRIZ
Tyler Perry (BOO! 2: A Medea Halloween)

PIOR ATOR
Tom Cruise (A Múmia)

PIOR ATOR COADJUVANTE
Mel Gibson (Pai em Dose Dupla 2)

PIOR ATRIZ COADJUVANTE
Kim Basinger (Cinquenta Tons Mais Escuros)

PIOR COMBO
Qualquer encontro de dois emojis (Emoji: O Filme)

PIOR REFILMAGEM, CÓPIA OU SEQUÊNCIA
Cinquenta Tons Mais Escuros

PIOR DIRETOR
Anthony (Tony) Leonidis (Emoji: O Filme)

PIOR ROTEIRO
Emoji: O Filme

ROTTEN TOMATO AWARDS
Baywatch

Anúncios

Oscar 2016: “O Oscar Branco”

Da esquerda para direita: Will Smith, O'Shea Jackson Jr., Michael B. Jordan e Idris Elba (photo by Variety)

Da esquerda para direita: Will Smith, Jason Mitchell, Michael B. Jordan e Idris Elba (photo by variety.com)

20 ATORES BRANCOS E NENHUMA VAGA PARA NEGROS PELO SEGUNDO ANO CONSECUTIVO AGITA OS BASTIDORES DO OSCAR 2016

Diante das repercussões supostamente racistas da Academia, resolvi abrir um post para discutir o assunto e adoraria ouvir a opinião de quem acompanha ou apenas está lendo o texto. Vamos do início: Este é o segundo ano consecutivo em que todos os 20 indicados nas 4 categorias de atuação são brancos (caucasianos), o que gerou incontáveis críticas nas mídias, protestos de artistas, e resgatando o hashtag #OscarSoWhite do ano passado, quando as ausências mais comentadas foram da diretora Ava DuVernay e do ator David Oyelowo, ambos de Selma: Uma Luta Pela Igualdade.

Entre os nomes ausentes citados e reclamados este ano que poderiam estar na lista de indicados estão:

  • Will Smith (Um Homem Entre Gigantes) – Melhor Ator
  • Idris Elba (Beasts of No Nation) – Melhor Ator Coadjuvante
  • Michael B. Jordan (Creed: Nascido Para Lutar) – Melhor Ator
  • Tessa Thompson (Creed: Nascido Para Lutar) – Melhor Atriz Coadjuvante
  • Jason Mitchell (Straight Outta Compton: A História do N.W.A.) – Melhor Ator

Além dos atores, o diretor F. Gary Gray (também negro) e seu filme, Straight Outta Compton: A História do N.W.A., que teve uma das maiores bilheterias de 2015, também foram citados nas matérias. O filme sobre rap recebeu uma única indicação para Roteiro Original, e curiosamente, seus quatro roteiristas são brancos: Andrea Berloff, Jonathan Herman, S. Leigh Savidge e Alan Wenkus. Por Creed: Nascido Para Lutar, o diretor Ryan Coogler, ausente, também foi bastante lembrado.

O diretor F. Gary Gray no set de Straight Outta Compton: A História do N.W.A. (photo by latimes.com)

O diretor F. Gary Gray no set de Straight Outta Compton: A História do N.W.A. (photo by latimes.com)

Revoltados com a predominância branca, a atriz Jada Pinkett Smith, esposa de Will Smith, foi uma das primeiras a reclamar publicamente sobre a falta de diversidade. Em seguida, ela foi apoiada pelo diretor Spike Lee, que planeja boicotar a cerimônia do Oscar e busca apoio da comunidade negra (ou afro-americana). Não sabemos ainda se esse movimento vai crescer nas próximas semanas a ponto de causar algum estardalhaço significativo no evento, mas é fato que a ausência do diretor será mais notável, já que, por ter sido homenageado com o Oscar Honorário em novembro passado, ele compareceria no Oscar para ser aplaudido no palco ou na platéia mesmo.

A atriz Jada Pinkett Smith, esposa de Will Smith, protestou sobre ausência de negros (photo by philly.com)

A atriz Jada Pinkett Smith, esposa de Will Smith, protestou sobre ausência de negros (photo by philly.com)

Ao longo dos últimos dias, algumas pessoas do ramo estão dando declarações sobre o assunto. Um dos primeiros foi o produtor-executivo William Packer, de Straight Outta Compton, que alegou: “… é completamente embaraçoso dizer que o mais alto padrão de qualidade cinematográfica só foi alcançada por brancos.”

Hoje foram as vezes da presidente da Academia, Cheryl Boone Isaacs, e do ator George Clooney. Cheryl, a primeira sul-africana a ocupar o cargo de presidente, se diz “frustrada com a falta de diversidade” e afirma que nos últimos 4 anos, lutou muito para que houvesse maior inclusão racial entre os novos membros da Academia, justamente para que houvesse mais votos que pudessem equilibrar um pouco mais a balança. Ela lembrou que nos anos 60 e 70, os então presidentes se viram forçados a convidar membros mais jovens para que a Academia não se tornasse ultrapassada e antiquada. Por outro lado, Clooney acredita que está havendo um retrocesso: “Se você lembrar, há 10 anos, a Academia estava fazendo um trabalho melhor. Em 2005, havia Morgan Freeman (que levou o Oscar de coadjuvante por Menina de Ouro), Don Cheadle…” – e também Sophie Okonedo, que concorreu como Atriz Coadjuvante por Hotel Ruanda.

A presidente da Academia, Cheryl Boone Isaacs (Photo by Tommaso Boddi/Getty Images)

A presidente da Academia, Cheryl Boone Isaacs (Photo by Tommaso Boddi/Getty Images)

Vencedor do Oscar por Jerry Maguire – A Grande Virada, Cuba Gooding Jr. preferiu ser menos radical em suas declarações:  “Eu queria que Straight Outta Compton fosse indicado. Mas é esse tipo de conversa que faz com que as pessoas pensem melhor quando as indicações saírem no próximo ano.”

Ok, ouvimos as reclamações e os argumentos, mas acho que o mais importante é: Cinema é uma Arte que é despida de cor, raça, religião e sexo. Acho tão chato transformar um evento que celebra o cinema, mesmo que industrial e comercial, numa discussão político-racial. E como ficam aqueles que foram reconhecidos com os próprios méritos? Para aqueles que não acompanham os posts, sempre me posicionei contra as cotas raciais. Acredito que quando o governo interfere inserindo um estudante numa faculdade pública só pelo fato de ele se declarar negro, automaticamente está afirmando que todo negro é incapaz de conseguir uma vaga por mérito próprio. E isso, sim, é uma forma de racismo, e claro, uma solução muito fácil de um governo agir e recrutar novos eleitores. Por que não eliminar logo o mal pela raiz e fazer uma reforma educacional e de fato investir boa parte de seu PIB na educação?

Voltando à discussão ao Oscar, realmente, a maioria dos mais de 6.000 membros da Academia são homens brancos e com uma média de idade de 50 a 60 anos, e isso reflete na votação (principalmente na categoria de Filme em Língua Estrangeira), por isso, a presidente Cheryl Boone Isaacs está fazendo o que pode para melhorar esse quadro ao convidar pessoas de diversas etnias e sexualidades.

Mas vamos lembrar de duas coisas: 1º Parafraseando George Clooney em seu discurso de agradecimento em 2006: “Esta Academia premiou uma negra em 1940, quando negros ainda se sentavam no fundo das salas de cinema”. Tudo bem que o primeiro ator negro a ganhar o Oscar de Melhor Ator (principal) foi Sidney Poitier em 1963, mas o Oscar teve muitos artistas negros, e outras minorias, indicados e vencedores ao longo de sua história de 88 anos. Só para citar alguns vencedores negros: Denzel Washington (Tempo de Glória e Dia de Treinamento), Halle Berry (A Última Ceia), Whoopi Goldberg (Ghost: Do Outro Lado da Vida), Jamie Foxx (Ray), Jennifer Hudson (Dreamgirls: Em Busca de um Sonho), Louis Gossett Jr. (A Força do Destino), Cuba Gooding Jr. (Jerry Maguire), Morgan Freeman (Menina de Ouro), Forest Whitaker (O Último Rei da Escócia), Hattie MacDaniel (…E o Vento Levou), Lupita Nyong’o (12 Anos de Escravidão) e Octavia Spencer (Histórias Cruzadas).

Sidney Poitier (actor), Sidney Skolsky1963 (36th)

Sidney Poitier (à direita) com o roteirista Sidney Skolsky (photo by americanismo.com.br)

O Cinema, como toda Arte, reflete seu tempo, e por muitas décadas, foi predominada por homens caucasianos. E isso não se muda da noite para o dia; demanda muito tempo, esforço e a colaboração de todos. O Cinema depende demais dos números de seu público. Se as produções com atores e temática negros passarem a ter boa resposta e render, consequentemente, os estúdios e produtores investirão mais nesse filão e esses filmes passarão a ter mais chances no Oscar. Esse mesmo pensamento também se aplica no caso do salário igualitário das mulheres. Por quanto tempo o Cinema foi feito exclusivamente por homens? Muito. Só para ficarmos no exemplo do Oscar, a primeira diretora a ser indicada na categoria foi a italiana Lina Wertmüller em 1977, por Pasqualino Sete Belezas, e a primeira a ganhar foi a bem recente Kathryn Bigelow, que venceu por Guerra ao Terror em 2010. Se o público der maior resposta em filmes estrelados por mulheres, eles contarão com maior investimento e terão destaque superior em premiações. Mas repito: isso leva tempo.

E 2º Desses artistas não-indicados este ano citados pelos protestos, o único que vinha sendo reconhecido com maior frequência por premiações é Idris Elba por sua performance em Beasts of No Nation. Ele concorreu como Melhor Ator Coadjuvante no Globo de Ouro, concorre ao BAFTA, Independent Spirit e SAG, mas não foi sequer mencionado pelos críticos americanos do LAFCA, NYFCC e National Board of Review. Já os demais estavam com campanhas bastante irregulares e tinham poucas chances de figurar na lista do Oscar, até mesmo porque a competição está bastante acirrada. Na categoria de ator, por exemplo, os indicados ao Oscar estavam presentes em quase todas as listas: Bryan Cranston, Leonardo DiCaprio, Matt Damon, Michael Fassbender e Eddie Redmayne. Will Smith foi apenas indicado pelo Globo de Ouro. Então, peraí, não é porque é negro ou minoria, que deveria ter sido indicado.

Idris Elba em cena de Beasts of No Nation (photo by cinemagia.ro)

Idris Elba em cena de Beasts of No Nation (photo by cinemagia.ro)

E quanto ao boicote de Spike Lee, ele faz o que bem entender, mas o que vou falar de um diretor talentoso que se revolta com Quentin Tarantino porque ele colocou o termo “nigger” (crioulo) no roteiro de Django Livre? O filme se passa na época do Mississipi racista e do Ku Klux Klan! Ele queria que os personagens racistas da época falassem “Ei! Seu afro-americano de merda!”?

O diretor Spike Lee com seu Oscar Honorário (photo by Getty Images through wsoctv.com)

O diretor Spike Lee com seu Oscar Honorário (photo by Getty Images through wsoctv.com)

Eu entendo que é um assunto bem delicado, principalmente nos EUA, onde alguns negros foram vítimas da crueldade policial no ano passado, mas não dá pra jogar tudo nas costas da Academia. Por se tratar de um prêmio de grande prestígio e de enorme visibilidade, muitos o utilizam como palanque para protestar. Mas e o Cinema? É mero pano de fundo?

E outra coisa importante: Apesar dos EUA serem um país de conflitos raciais entre brancos e negros, temos que lembrar que existem outras raças: latinos, asiáticos, índios… Sexualidades: gays, bissexuais, transgêneros… As atrizes transsexuais de Tangerine, Kitana Kiki Rodriguez e Mya Taylor, que foram indicadas ao Independent Spirit, também ficaram de fora. Não seria o caso de incluí-las no protesto também?

Enfim, este é um post que visa explicar o ambiente que está rolando no Oscar 2016, abrir uma discussão para coletar o maior número de perspectivas, analisar se está havendo algum tipo de exagero, se está sendo coerente, e conversar sobre a arte do cinema, de fato. Sem hipocrisia, não acredito que esteja havendo algum tipo de preconceito por parte da Academia para justificar a ausência de qualquer ator ou atriz negros. Se tivéssemos a seguinte situação: “Jamie Foxx, que estava ganhando quase tudo por sua interpretação do músico Ray Charles, não foi sequer indicado para Melhor Ator” – isso, sim, seria um ultraje racista. Deu pra perceber a diferença? Não houve nenhum destaque espetacular de um ator negro cuja ausência seria injustificável. E a Academia não é obrigada a preencher uma cota racial. Só isso.

Sinceramente, espero que não tenha ofendido ninguém aqui. Procuro ser uma pessoa livre de preconceitos. E torço para que haja mais negros, asiáticos, gays, latinos, deficientes trabalhando nos filmes. Mas somente por méritos, e nunca por pena.

 

Curiosamente, este ano, o host da 88ª cerimônia do Oscar será o ator e comediante Chris Rock. Se ele já não costuma pegar leve nas piadas, imaginem agora que deve ser o único negro da festa? Em seu Twitter, ele já soltou um “The Oscars. The White BET Awards” (O Oscar. O BET Awards branco – o BET (Black Entertainment Television) Awards premia apenas artistas negros).

Host do Oscar 2016: Chris Rock (photo by moviefone.com)

Host do Oscar 2016: Chris Rock (photo by moviefone.com)

O Oscar 2016 será transmitido no dia 28 de fevereiro pela TNT.

‘Cinquenta Tons de Cinza’, ‘Pixels’, ‘O Destino de Júpiter’, ‘Segurança de Shopping 2’ e ‘Quarteto Fantástico’ dominam o Framboesa de Ouro 2016

razzie

Da esquerda pra direita: Segurança de Shopping 2, Mortdecai: A Arte da Trapaça, O Destino de Júpiter, Cinquenta Tons de Cinza, Pixels e Quarteto Fantástico (photo montage by premiere.fr)

FRAMBOESA DE OURO SE MOSTRA UMA NECESSIDADE PARA A INDÚSTRIA CINEMATOGRÁFICA

Pensa que cinema é só bons atores, ótimas tramas e conteúdo? Nada disso! Tem o lado negro da força também! O que seria dos bons filmes se não fossem os ruins?  Sim, 2015 trouxe uma boa safra de filmes, mas também foi responsável por bombas que representam a ganância de produtores hollywoodianos como comprova a 36ª edição do Framboesa de Ouro.

Dos cinco filmes indicados a Pior Filme, talvez o que mais se encaixa na irresponsabilidade dos produtores é a nova adaptação dos quadrinhos da Marvel: Quarteto Fantástico. Apesar de estar assinado com o nome do diretor Josh Trank, os bastidores do filme indicam que o estúdio Twentieth Century Fox, após ficar insatisfeito com o trabalho, ordenou a refilmagem de muitas cenas, alegando que a versão original era violenta demais. Com novas ordens do alto escalão, houve um corte tremendo na duração: de 2 horas e 20 minutos, o filme passou a ater 1 hora e 30 minutos!  São 50 minutos cortados que incluíam 3 sequências de ação que poderiam salvar a segunda metade do longa. Além disso, houve brigas e discussões no set de filmagem, incluindo supostos maus tratos do diretor com a atriz Kate Mara (a Mulher-Invisível) por ela ter sido uma escolha imposta pela Fox (Josh Trank queria Allison Williams). Resumindo: foi uma tragédia do início ao fim, que poderia ter sido evitada se tivesse um planejamento completo, porém, com o estúdio querendo aproveitar logo os direitos autorais dos personagens para lucrar, acabou fazendo tudo às pressas e deu no que deu: a pior bilheteria de um filme da Marvel Studios, que tem tanta vergonha do resultado final, que acabou nem incluindo em seu site oficial.

Cena de Quarteto Fantástico com Kate Mara e Milles Teller

Cena de Quarteto Fantástico com Kate Mara e Miles Teller (photo by outnow.ch)

E aproveitando o post dos piores, gostaria de dizer aos que defenderam a adaptação do livro Cinquenta Tons de Cinza: “Gosto literário não se discute, mas vocês não entendem muito de cinema.” Quando até a trilha é melhor do que o filme todo, a coisa tá feia! Por mais que o livro não ajude muito, fizeram péssimas escolhas pra direção (a própria autora do livro teria decidido), e no casting dos atores principais, que nitidamente não têm talento e química alguma na tela. A atuação de Dakota Johnson se limita a morder os lábios em toda cena. E podem anotar: Deve ganhar o MTV Movie Awards de Melhor Filme ainda pelo voto popular.

Dakota Johnson e os lábios em Cinquenta Tons de Cinza (photo by cinemagia.ro)

Dakota Johnson e os lábios em Cinquenta Tons de Cinza (photo by cinemagia.ro)

Em relação aos outros piores do ano, honestamente, não tive tempo pra assistir. Ou melhor, preferi não dar prioridade e foram ficando pra trás. Mas imagino que não perdi muita coisa… Bons tempos em que Adam Sandler ainda trabalhava com bons diretores como Paul Thomas Anderson em Embriagados de Amor

INDICADOS E VENCEDORES DO OSCAR TAMBÉM FALHAM

Assim como em qualquer profissão, o ator está apto a cometer erros, desde a escolha de agentes e projetos ao tom do personagem. E não é porque o ator ou atriz já foi indicado ou ganhou a estatueta dourada que está livre de cometer falhas. Prova disso são as vitórias de Sandra Bullock e Halle Berry, ambas ganhadoras do Oscar de Melhor Atriz, vencerem como Pior Atriz no Framboesa de Ouro.

Claro que as escolhas não as redimem, mas o fato de elas terem comparecido à festa e subido ao palco para receber o prêmio em mãos demonstra enorme profissionalismo e humildade. Se fosse aqui no Brasil, nenhum ator ou atriz Global compareceria ao evento e ainda mandaria seu advogado processar o prêmio por danos morais. Abaixo, segue bem-humorado e belo discurso de Halle Berry. Tem uma parte em que ela cita a mãe como inspiração: “Se você não pode ser um bom perdedor, não tem como ser um bom vencedor” – uma das verdades da vida pra tudo.


Halle Berry faz discurso engraçado e honesto ao receber sua Framboesa de Ouro por Mulher-Gato em 2004

Entre os indicados deste ano que já passaram pelo tapete vermelho da Academia são, curiosamente, dois atores que provavelmente estarão no Oscar este ano (mas por filmes diferentes, claro): Eddie Redmayne e Rooney Mara. Acho que o maior pecado de Redmayne na ficção científica O Destino de Júpiter é levar o papel à sério demais (essa postura dele me lembrou a Kate Beckinsale que achava que estava fazendo uma peça de Shakespeare no horrível blockbuster Van Helsing: O Caçador de Monstros). Com seus gritos esquizofrênicos, ele parece estar num filme totalmente à parte. E quanto à Mara, claramente distante e perdida, não mostra nenhum recurso pra enriquecer sua personagem Tiger Lily na adaptação fria de Joe Wright de Peter Pan.

Eddie Redmayne em cena de O Destino de Júpiter (photo by cinemagia.ro)

Eddie Redmayne em cena de O Destino de Júpiter (photo by cinemagia.ro)

Além deles, temos Julianne Moore por O Sétimo Filho e Johnny Depp por Mordecai: A Arte da Trapaça, que parecem ser casos de más escolhas de projetos. E claro que o pessoal do Framboesa de Ouro adora pegar carona em celebridades que estão em alta para tornar a cerimônia mais relevante, senão só premiaram atores menos conhecidos ano após ano. Mas engana-se aquele que pensa que o Framboesa impede o ator ou atriz de ganhar o Oscar. Claro que também não ajuda nem um pouco, mas em 2010, Sandra Bullock levou ambos os prêmios: o Oscar por Um Sonho Possível e o Framboesa por Maluca Paixão. Felizmente, ela soube levar tudo com jogo de cintura.

REDENÇÃO

Em seu segundo ano de existência, o prêmio Redentor busca consolar o profissional que já frequentou (ou até mesmo ganhou) o Framboesa no passado, mas agora está num momento melhor. Dos cinco concorrentes, o destaque fica por conta de Sylvester Stallone, que depois de anos fazendo essas dragas de Os Mercenários e outras produções igualmente ralas, finalmente embarcou num projeto com um diretor bom (Ryan Coogler). Por sua performance em Creed: Nascido Para Lutar, que seria o “Rocky VII”, o ator conquistou o Globo de Ouro de Ator Coadjuvante e tem tudo para conquistar sua terceira indicação ao Oscar. Em 1977, ele foi indicado como Ator e Roteiro Original por Rocky – Um Lutador.

Seguem os indicados ao 36º Framboesa de Ouro:

PIOR ATOR
– Johnny Depp (Mortdecai: A Arte da Trapaça)
– Jamie Dornan (Cinquenta Tons de Cinza)
– Kevin James (Segurança de Shopping 2)
– Adam Sandler (Pixels) (Trocando os Pés)
– Channing Tatum (O Destino de Júpiter)

PIOR ATOR COADJUVANTE
– Chevy Chase (A Ressaca 2) (Férias Frustradas)
– Josh Gad (Pixels) (Padrinhos LTDA)
– Kevin James (Pixels)
– Jason Lee (Alvin e os Esquilos: Na Estrada)
– Eddie Redmayne (O Destino de Júpiter)

PIOR ATRIZ
– Katherine Heigl (Home Sweet Hell)
– Dakota Johnson (Cinquenta Tons de Cinza)
– Mila Kunis (O Destino de Júpiter)
– Jennifer Lopez (O Garoto da Casa ao Lado)
– Gwyneth Paltrow (Mortdecai: A Arte da Trapaça)

PIOR ATRIZ COADJUVANTE
– Kaley Cuoco-Sweeting (Alvin e os Esquilos: Na Estrada) (Padrinhos LTDA)
– Rooney Mara (Peter Pan)
– Michelle Monaghan (Pixels)
– Julianne Moore (O Sétimo Filho)
– Amanda Seyfried (Peter Pan) (O Natal dos Coopers)

PIOR DIRETOR
– Andy Fickman (Segurança de Shopping 2)
– Tom Six (Centopéia Humana 3)
– Sam Taylor-Johnson (Cinquenta Tons de Cinza)
– Josh Trank (Quarteto Fantástico)
– Andy e Lana Wachowski (O Destino de Júpiter)

PIOR FILME
– Quarteto Fantástico (Fantastic Four)
– Cinquenta Tons de Cinza (Fifty Shades of Grey)
– O Destino de Júpiter (Jupiter Ascending)
– Segurança de Shopping 2 (Paul Blart: Mall Cop 2)
– Pixels (Pixels)

PIOR SEQUÊNCIA, REFILMAGEM OU SPIN-OFF
– Alvin e os Esquilos: Na Estrada
– Quarteto Fantástico (Fantastic Four)
– A Ressaca 2 (Hot Tube Machine 2)
– Centopéia Humana 3 (Human Centipede 3)
– Segurança de Shopping 2 (Paul Blart: Mall Cop 2)

PIOR COMBO
– Os quatro fantásticos (Quarteto Fantástico)
– Johnny Depp e seus bigodes colados (Mortdecai: A Arte da Trapaça)
– Jamie Dornan e Dakota Johnson (Cinquenta Tons de Cinza)
– Kevin James e seu segue ou seu bigode colado (Segurança de Shopping 2)
– Adam Sandler e qualquer par de sapatos (Trocando os Pés)

PIOR ROTEIRO
– Simon Kinberg, Jeremy Slater e Josh Trank (Quarteto Fantástico)
– Kelly Marcel (Cinquenta Tons de Cinza)
– Andy e Lana Wachowski (O Destino de Júpiter)
– Kevin James e Nick Bakay (Segurança de Shopping 2)
– Tim Herlihy e Timothy Dowling (Pixels)

REDENTOR DO FRAMBOESA
– Elizabeth Banks (pela direção de A Escolha Perfeita 2) * sinceramente não sei onde isso representa algum progresso…
– M. Night Shyamalan (pela direção de A Visita)
– Will Smith (pela atuação em Um Homem Entre Gigantes)
– Sylvester Stallone (pela atuação em Creed: Nascido Para Lutar)

A cerimônia de entrega do 36º Framboesa de Ouro acontece no dia 27 de Fevereiro.

‘Saving Christmas’ é eleito o pior do ano no Framboesa de Ouro 2015

Saving Christmas: o grande vencedor do Framboesa de Ouro 2015 (photo by cdn.screenrant.com)

Saving Christmas: o grande vencedor do Framboesa de Ouro 2015 (photo by cdn.screenrant.com)

FRAMBOESA FINALMENTE CONTEMPLA TAMBÉM MICHAEL BAY E SEUS EXCESSOS

Quem diria que o Framboesa de Ouro já está completando 35 anos? Certamente, três décadas e meia da mais pura nata do cinema de qualidade! Um dos fundadores do evento, John Wilson, contou em entrevista: “Há 35 anos fazemos essa festa como contraponto ao Oscar”. E vem dando certo, pois antes a cerimônia ocupava uma salinha e hoje chega a alugar um teatro de médio porte e este ano passou a cobrar até ingressos que, segundo Wilson, venderam quase todos a 25 dólares cada.

Como de praxe, o prêmio possui as categorias de Pior Filme, Ator, Atriz, Ator Coadjuvante, Atriz Coadjuvante, Diretor e Roteiro, mas este ano, lançou um prêmio especial intitulado The Razzie Redeemer Award (algo como Framboesa Redentora) para aqueles atores que persistem depois um mega fracasso e alcançam o sucesso comercial e de crítica. O primeiro contemplado foi Ben Affleck, que foi de Contato de Risco (2003) com Jennifer Lopes para os sucessos Argo (2013) e Garota Exemplar (2014).

Ontem: Ben Affleck com Jennifer Lopez em Contato de Risco, de 2003 (photo by cdn.thedailybeast.com)

Ontem: Ben Affleck com Jennifer Lopez em Contato de Risco, de 2003 (photo by cdn.thedailybeast.com)

Ben Affleck ostenta seu segundo Oscar, mas desta vez como produtor por Argo (photo by bostinno.com)

E hoje: Ben Affleck com seu segundo Oscar por Argo. O mundo realmente dá voltas. (photo by bostinno.com)

Infelizmente, Affleck não foi receber o prêmio como a maioria não costuma fazer por vergonha. Daria pra contar nos dedos os artistas que foram ao palco agradecer pela honraria: Sandra Bullock (por Maluca Paixão), Halle Berry (por Mulher-Gato) e o diretor holandês Paul Verhoeven (por Showgirls), que foi marcante por ter sido o primeiro artista a receber o prêmio em mãos em 1996.

Este ano, o grande vencedor (ou seria perdedor?) foi Saving Christmas, um filme evangélico classificado como de família e comédia. A produção foi contemplada como Pior Filme, Pior Ator, Pior Roteiro e Pior Combo.

Logo atrás, vem Transformers: A Era da Extinção com 2 Framboesas. Finalmente minhas preces foram atendidas e Michael Bay foi reconhecido por suas virtudes como diretor. Ok, não dá pra esperar muita coisa de Michael Bay, mas pelo menos antes ele se esforçava um pouco mais pra entregar um blockbuster mais razoável como A Rocha (1996) ou A Ilha (2005), cujos primeiros 20 minutos são bons, mas depois desanda de uma maneira que até hoje não consigo entender. Ele é uma espécie de Ed Wood com dinheiro. Acha que está fazendo obras-primas, mas não está. Mas a diferença é que Ed Wood não tinha um centavo no bolso e qualquer coisa na tela se tornava algo bonito. Por favor, amigos de Michael Bay, dêem um toque pra ele.

Depois de várias tentativas frustradas, Michael Bay finalmente conquista seu Framboesa de Ouro por Transformers: A Era da Extinção (photo by i.ytimg.com)

Depois de várias tentativas frustradas, Michael Bay finalmente conquista seu Framboesa de Ouro por Transformers: A Era da Extinção (photo by i.ytimg.com)

O Framboesa de Ouro não existe pra ficar dando lição de moral nos concorrentes, mas de uma certa forma, dar um leve puxão de orelha e dar um empurrãozinho para que esses artistas repensem melhor antes de levar adiante um projeto que visa apenas um lucro fácil. Tudo bem que às vezes, o ator ou atriz precisa pagar as contas ou fez um favor, como Charlize Theron deve ter feito ao amigo Seth MacFarlane naquela draga de comédia besteirol Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola, que também deveria levar Pior Título em Português, porque o título original não é tão ruim assim: A Million Ways to Die in the West, mas certos tropeços poderiam ser facilmente evitados.

Seth Macfarlane e Charlize Theron em entrevista do filme Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola (photo by i.ytimg.com)

Seth Macfarlane e Charlize Theron em entrevista do filme Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola (photo by i.ytimg.com)

Poxa, Charlize Theron ganhou o Oscar por Monster: Desejo Assassino, e hoje está na lista do Framboesa. Depois daquele baita esforço de transformação para viver a assassina Aileen Wuornos, fazer uma comédia imbecil foi uma decisão tomada à base de crack. Tem artistas que andam tão sem rumo que a gente nem liga mais, como Nicolas Cage, que tem feito uns três filmes ruins por ano, mas é triste noticiar a queda de alguns nomes.

Enfim, sem mais delongas, os grandes ganhadores do Framboesa 2015:

PIOR FILME
• Saving Christmas
– O Apocalipse
– Hércules
– As Tartarugas Ninja
– Transformers: A Era da Extinção

PIOR ATOR
Kirk Cameron (Saving Christmas)
– Nicolas Cage (O Apocalipse)
– Kellan Lutz (Hércules)
– Seth MacFarlane (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)
– Adam Sandler (Juntos e Misturados)

PIOR ATRIZ
• Cameron Diaz (Mulheres ao Ataque) e (Sex Tape: Perdido na Nuvem)
– Drew Barrymore (Juntos e Misturados)
– Melissa McCarthy (Tammy)
– Charlize Theron (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)
– Gaia Weiss (Hércules)

PIOR ATOR COADJUVANTE
• Kelsey Grammer (Os Mercenários 3), (A Lenda de Oz), (Elas Querem Pensar Como Eles!) e (Transformers: A Era da Extinção)
– Mel Gibson (Os Mercenários 3)
– Shaquille O’Neal (Juntos e Misturados)
– Arnold Schwarzenegger (Os Mercenários 3)
– Kiefer Sutherland (Pompeia)

PIOR ATRIZ COADJUVANTE
Megan Fox (As Tartarugas Ninja)
– Cameron Diaz (Annie)
– Nicola Peltz (Transformers: A Era da Extinção)
– Susan Sarandon (Tammy)
– Bridgette Cameron (Saving Christmas)

PIOR DIRETOR
Michael Bay (Transformers: A Era da Extinção)
– Darren Doane (Saving Christmas)
– Renny Harlin (Hércules)
– Jonathan Liebesman (As Tartarugas Ninja)
– Seth MacFarlane (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)

PIOR REMAKE OU SEQUÊNCIA
Annie
– Atlas Shrugged: Part III
– Hércules
– As Tartarugas Ninja
– Transformers: A Era da Extinção

PIOR COMBO
Kirk Cameron e seu ego (Saving Christmas)
– Kellan Lutz e seus músculos (Hércules)
– Seth MacFarlane e Charlize Theron (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)
– Cameron Diaz, Jason Segel (Sex Tape: Perdido na Nuvem)
– Qualquer dois robôs, atores (ou atores robóticos) (Transformers: A Era da Extinção)

PIOR ROTEIRO
Darren Doane, Cheston Hervey (Saving Christmas)
– Paul Lalonde, John Patus (O Apocalipse)
– Kate Angelo, Jason Segel, Nicholas Stoller (Sex Tape: Perdido na Nuvem)
– Ehren Kruger (Transformers: A Era da Extinção)
– Evan Daugherty, André Nemec, Josh Appelbaum (As Tartarugas Ninja)

FRAMBOESA REDENTORA
• Ben Affleck: de vencedor do Framboesa por Contato de Risco para vencedor do Oscar por Argo, e Garota Exemplar
– Jennifer Aniston: de 4 vezes indicada ao Framboesa para indicada ao SAG por Cake: Uma Razão Para Viver
– Mike Myers: de vencedor do Framboesa por O Guru do Amor para diretor de documentário Supermensch: The Legend of Shep Gordon
– Keanu Reeves: de seis vezes indicado ao Framboesa para o aclamado pela crítica De Volta ao Jogo
– Kristen Stewart: de vencedora do Framboesa por Crepúsculo para o filme de arte Camp X-Ray

‘A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2, O Final’ é o grande vencedor do Framboesa de Ouro 2013

Framboesa de Ouro (Razzie Awards) em sua 33ª edição (photo by movies.infoonlinepages.com)

Framboesa de Ouro (Razzie Awards) em sua 33ª edição (photo by movies.infoonlinepages.com)

A 33ª edição do Framboesa de Ouro (Razzie Awards) não resistiu a tanta mediocridade e entregou quase todas as honrarias ao último filme da Saga Crepúsculo. Como todos sabem, o Framboesa de Ouro reconhece os piores filmes do ano, mas (talvez por vergonha?) ninguém comparece para receber o prêmio em mãos. As raras exceções são o diretor Paul Verhoeven, que ganhou como Pior Diretor por Showgirls (1995), e as atrizes Halle Berry (por Mulher-Gato em 2004) e a divertida Sandra Bullock, que ganhou o prêmio por Maluca Paixão em 2009, um dia antes de vencer o Oscar por Um Sonho Possível.

Ao subir ao palco, Bullock trazia consigo um carrinho com várias cópias do filme em DVD para distribui-los para quem votou nela. “Algo me diz que vocês não assistiram ao filme”, brincou a atriz, que ainda trouxe uma cópia do roteiro, alegando que sua performance muito se deve à qualidade da história. Apesar de estar longe de ser uma ótima atriz, o fato de saber reconhecer uma performance ruim e aprender com seus erros já a faz ganhar pontos como profissional e com os fãs. Veja vídeo de seu discurso:

Claro que ninguém da equipe de A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2, O Final apareceu no Framboesa. Seria pedir demais para que eles reconhecessem a inferioridade da produção. Infelizmente, o Cinema atual ainda apresenta muitos filmes feitos a partir de números, seja da venda dos livros em que se baseiam, seja do salário dos atores queridos pelo público jovem e, claro, pela alta bilheteria. Para evitar que o público se torne cada vez menos exigente se faz necessário um prêmio como o Framboesa de Ouro, que aponta uma luz no canto escuro que ninguém quer ver. Falam o que quiserem do cinema americano, mas pelo menos eles sabem reconhecer sua própria mediocridade, e isso o torna mais forte.

A dupla premiada Taylor Lautner e Kristen Stewart (photo by BeyondHollywood.com)

A dupla premiada Taylor Lautner e Kristen Stewart. Felizmente este é o último filme da saga (photo by BeyondHollywood.com)

Quando Batman & Robin foi lançado em 1997, a produção foi indicado ao prêmio, vencendo Pior Atriz Coadjuvante para Alicia Silverstone. Reconhecido merecidamente como um dos piores do ano, o filme dirigido pelo carnavalesco Joel Schumacher acarretou diretamente na melhoria das adaptações de quadrinhos que viriam em seguida como Blade – O Caçador de Vampiros (1998) e X-Men – O Filme (2000).

Infelizmente, o número de produções nacionais ainda é muito pequeno, mas um Framboesa de Ouro cairia muito bem por aqui. Recentemente, Kleber Mendonça, o diretor do ótimo O Som ao Redor, que foi considerado um dos melhores filmes do ano segundo o jornal The New York Times, fez a seguinte declaração ao resposta ao diretor-executivo da Globo Filmes, Cadu Rodrigues:

O diretor brasileiro Kleber Mendonça (photo by revistadecinema.uol.com.br)

O diretor brasileiro Kleber Mendonça (photo by revistadecinema.uol.com.br)

“A Globo Filmes faz mal à idéia de cultura no Brasil, atrofia o conceito de diversidade no cinema brasileiro e adestra um público cada vez mais dopado para reagir a um cinema institucional e morto”.

Embora sua afirmação seja radical, tem muita verdade nesse pensamento. Claro que o dinheiro vindo da produção da Globo Filmes possibilita maior quantidade de filmes nacionais em cartaz, assim como melhor divulgação através do próprio canal de TV, mas todas são estreladas por atores globais com um tipo de humor escrachado sem conteúdo. Quando o diretor Kleber Mendonça lançou sua crítica, ele queria exigir mais qualidade e menos quantidade. “Que a Globo Filmes invista em pelo menos três projetos por ano que tenham a pretensão de ir além, projetos que não sumam do radar da cultura depois de três ou quatro meses cumprindo a meta de atrair milhões de espectadores que não sabem nem exatamente o porquê de terem ido ver aquilo”.

Dois dos maiores sucessos de bilheteria de 2012 são produções da Globo Filmes: as comédias Até que a Sorte nos Separe e De Pernas pro Ar 2. Enquanto o primeiro foi o filme mais visto do ano, o segundo foi do 2º semestre. Ambos foram estrelados por artistas globais: Leandro Hassum e Danielle Winits, e Ingrid Guimarães e Maria Paula, mas dirigidos pelo mesmo diretor: Roberto Santucci. Claro que o cinema brasileiro avançou mais e deixou os filmes da Xuxa e dos Trapalhões para trás, mas ainda temos um longo caminho a percorrer.

Voltando ao Framboesa de Ouro, Adam Sandler ganha pela segunda vez consecutiva como Pior Ator por Este é o meu Garoto. Em 2012, ele venceu duplamente por Cada um Tem a Gêmea que Merece, ao interpretar um homem e uma mulher. Depois que trabalhou no ótimo Embriagado de Amor (2002) com o diretor Paul Thomas Anderson, Sandler nunca mais fez um filme que valesse a pena ver.

Adam Sandler (a esq.) em mais um filme descartável, ao lado de Andy Samberg (photo by OutNow.CH)

Adam Sandler (a esq.) em mais um filme descartável, ao lado de Andy Samberg (photo by OutNow.CH)

Em mais uma inclusão de cantores no mundo do cinema, Rihanna fez parte de mais um fracasso em Battleship – A Batalha dos Mares, enquanto Taylor Lautner e Kristen Stewart, vencedores dos prêmios de atuação, vão ter trabalho para se desligarem da imagem dos personagens ralos da saga de Stephenie Meyer.

Confira a lista dos vencedores:

PIOR FILME
A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2, O Final

PIOR ATOR
Adam Sandler (Este é o meu Garoto)

PIOR ATRIZ
Kristen Stewart (A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2, O Final)

PIOR ATOR COADJUVANTE
Taylor Lautner (A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2, O Final)

PIOR ATRIZ COADJUVANTE
Rihanna (Battleship – A Batalha dos Mares)

PIOR ELENCO
A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2, O Final

PIOR DIRETOR
Bill Condon (A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2, O Final)

PIOR REMAKE OU SEQUÊNCIA
A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2, O Final

PIOR DUPLA
Kristen Stewart e Taylor Lautner (A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2, O Final)

PIOR ROTEIRO
David Caspe (Este é o meu Garoto)

A cantora Rihanna naufragou junto ao filme Battleship - A Batalha dos Mares (photo by BeyondHollywood.com)

A cantora Rihanna naufragou junto ao filme Battleship – A Batalha dos Mares (photo by BeyondHollywood.com)

007 – Operação Skyfall (Skyfall), de Sam Mendes (2012)

007 – Operação Skyfall

Após um longo hiato de quatro anos, finalmente a franquia mais lucrativa do cinema retorna às telas do cinema. 007 – Operação Skyfall acabou sofrendo esse atraso devido ao processo de falência do estúdio MGM (Metro Goldwyn Meyer), mas agora os produtores asseguraram que esse equívoco não voltará a acontecer, lembrando que Daniel Craig já assinou novo contrato para mais dois filmes com lançamento previsto para 2014 e 2016, com produção e filmagens acontecendo simultaneamente, dando a entender que se tratam de filmes sequenciais.

Com a aproximação da data comemorativa de 50 anos de James Bond, os produtores da série Barbara Broccoli e Michael G. Wilson buscavam algo grandioso que causasse uma reformulação. Para isso, chamaram o vencedor do Oscar de direção por Beleza Americana, Sam Mendes, para comandar o show. Em entrevista, Mendes revela que só passou a aceitar a idéia de dirigir um filme de Bond depois que o diretor Marc Forster foi convocado para assumir 007 – Quantum of Solace (2008), uma vez que Forster tem raízes mais autorais com uma filmografia que inclui o forte drama A Última Ceia (que rendeu o Oscar de melhor atriz para Halle Berry) e o drama O Caçador de Pipas, baseado no best-seller de Khaled Hosseini.

Sam Mendes (a esq.) dirigindo Daniel Craig na sequência inicial

Essa preocupação de Sam Mendes se mostra bastante pertinente, pois os diretores que assumem os filmes costumam ter esse rótulo de marionete dos produtores, não tendo qualquer poder e palavra final, algo considerado um terror pra diretores autorais como Mendes. Além desse aspecto, ele declarou numa entrevista ao site The Playlist que antes de aceitar a proposta, não considerava um desafio atraente. “Eu nunca fui interessado e não acho que vi todos os filmes com o Pierce Brosnan. Mas quando Daniel Craig foi escalado em 007 – Cassino Royale (2006), passei a me interessar porque ele era um amigo com quem trabalhei em Estrada Para a Perdição (2001). Inicialmente não considerei uma boa escolha, mas aí eu vi o filme e mudei de idéia, e até fiquei ansioso para ver o próximo. Fiquei levemente desapontado com 007 – Quantum of Solace, contudo acho que existem coisas boas numa boa olhada. Mas quando encontrei Daniel e ele me perguntou se eu estava interessado ou não, fui pego de surpresa dizendo sim de forma rápida. Foi apenas um bom timing.”

Com a contratação do diretor acertada, seus colaboradores assíduos tomaram as posições em seus respectivos departamentos. Assim, a série ganhou muito em qualidade, especialmente na trilha musical, com Thomas Newman substituindo David Arnold, e a fotografia belíssima de Roger Deakins, indicado nove vezes ao Oscar, mas sem nenhuma vitória. Aliás, não é exagero algum afirmar com certeza que o trabalho de fotografia de Deakins é o melhor de toda a série (23 filmes). Todas as sequências são imageticamente deslumbrantes, em especial ao clímax que se passa na Escócia, quando o vilão Silva destrói um casarão com granadas (foto abaixo).

O vilão Silva num belíssimo contra-luz do diretor de fotografia Roger Deakins

Para o roteiro, os frequentes Neal Purvis e Robert Wade, que trabalham em conjunto desde 007 – O Mundo Não é o Bastante (1999), receberam suporte final do competente John Logan, indicado ao Oscar três vezes por Gladiador (2000), O Aviador (2004) e o recente A Invenção de Hugo Cabret (2011). Seu trabalho deu muito mais consistência ao trabalho da dupla, além de diálogos marcantes entre Bond e seu algoz, mas vale ressaltar que algumas idéias principais foram copiadas de Batman – O Cavaleiro das Trevas (2008), de Christopher Nolan, principalmente no fato do vilão Raoul Silva ser um anarquista cibernético e em seguida se deixar ser preso de forma planejada para que pudesse fazer mais estrago e atingir seu objetivo como fez o Coringa de Heath Ledger.

Para acompanhar a influência de Nolan, o diretor Sam Mendes confirmou a importância que o segundo filme da trilogia de Batman para a realização de 007 – Operação Skyfall. “Estamos agora numa indústria onde os filmes são muito pequenos ou muito grandes e não há quase nada no meio. E seria uma tragédia se todos os filmes sérios fossem muito pequenos e todos os filmes pipoca fossem muito grandes e não tivessem nada a dizer. E o que Nolan provou é que você pode fazer um filme enorme que seja emocionante e divertido, e ao mesmo tempo, ter um monte de coisas a dizer sobre o mundo em que vivemos. E olha que Batman – O Cavaleiro das Trevas nem se passa em nosso mundo! Parecia que o filme era sobre o nosso mundo pós-11 de setembro, discutindo sobre nossos medos e por que eles existiam e achei que aquilo era incrivelmente corajoso e interessante. Isso ajudou a me dar a confiança para assumir este filme em direções que, sem Batman, não poderia ter sido possível. E não seria necessário temer uma reação negativa do público, pois dá pra se apoiar no tom negro do filme de Nolan que faturou zilhões de dólares nas bilheterias. Quer dizer, é possível fazer um filme mais obscuro que as pessoas querem ver.”

Além da base anarquista e a obsessão por destruição do Coringa, o vilão Raoul Silva apresenta como base outra personalidade contemporânea fortíssima: Julian Assange, o porta-voz do site WikiLeaks. Em 2006, o jornalista australiano e ciberativista se tornou o editor-chefe da WikiLeaks, um site de denúncias e vazamentos, responsável pela publicação de documentos secretos do governo do Quênia, de resíduos tóxicos na África, e a forte denúncia sobre o tratamento dado aos prisioneiros da Prisão de Guantánamo, que ele obtém como hacker de sites de algumas nações. Com ninguém satisfeito com a invasão de Assange, ele perdeu a cidadania sueca e desde junho desse ano, foi obrigado a se refugiar na embaixada do Equador em Londres, onde vive até hoje sob fortes ameaças. O vilão de Bond pegou emprestado o visual loiro e sua estratégia de vazar a identidade secreta de agentes britânicos infiltrados em facções terroristas no Youtube.

O vilão Raoul Silva (Javier Bardem). No detalhe, Julian Assange.

Com esse perfil cibernético, o personagem de Silva poderia facilmente ser um homem mais franzino, mas como os fãs da série preferem vilões que Bond possa ter uma luta corpo-a-corpo equilibrada, chamaram o encorpado Javier Bardem, que certamente ganhou o papel depois de assustar a todos com seu personagem Anton Chigurh de Onde os Fracos Não Têm Vez (2007), dos irmãos Coen. Curiosamente, Bardem é o primeiro ator espanhol a interpretar o vilão principal do agente 007 e ele o fez com maestria. Seu Raoul Silva aparece na tela a partir da segunda metade do filme e mesmo assim consegue aparentar uma constante ameaça. Pelas qualidades citadas acima, já entraria para a galeria dos vilões de Bond mais memoráveis, mas existe uma outra vertente que o torna ainda mais interessante: seu lado homo-erótico. Sim, James Bond tem um antagonista homossexual! Obviamente, essa opção sexual do vilão fica apenas sugerida e nunca explícita por se tratar de um filme altamente comercial, no entanto, em sua primeira aparição, Silva senta em frente a Bond amarrado numa cadeira e abre sua camisa para checar seus ferimentos (foto abaixo), enquanto profere palavras de duplo sentido.

James Bond encara Raoul Silva pela primeira vez com um diálogo picante

Para este fã de James Bond, o fato do vilão ter tendências homossexuais não impressiona. Aliás, até torna as coisas mais interessantes! Mas a resposta que James dá a uma indireta de Silva causou certo furor na minha sessão, repleta de fanáticos pelo agente secreto. (Para quem não viu o filme e não quer saber, não leia o fim deste parágrafo). Quando Silva sugere que Bond experimente uma nova experiência sexual, ele retruca um inesperado “e quem disse que é a minha primeira vez?”, deduzindo que o agente secreto mais mulherengo da história do cinema seria bissexual! 50 anos de Bond e os roteiristas entregam uma faceta totalmente inédita do personagem de Ian Fleming. Aliás, estaria ele rolando em seu caixão depois dessa? Com certeza, muitos fãs machistas adoradores da masculinidade extrema de Connery ficaram pasmos e irritados.

Apenas uma curiosidade em relação ao homossexualismo de Silva, apesar de muitos acreditarem que se trata do primeiro vilão gay da série, os assassinos mercenários Mr. Kidd e Mr. Wint foram os primeiros em 007 – Os Diamantes São Eternos (1971), estrelado por Sean Connery. Contudo, o homossexualismo da dupla se mostra mais uma amizade colorida e inofensiva. Em defesa de seu personagem, Javier Bardem comentou que o sexualismo exposto demonstraria poder diante de um oponente forte como Bond: “A cena era mais sobre colocar outra pessoa em uma situação muito desconfortável, tanto que até James Bond não saberia como resolver”.

Há muito tempo não víamos um vilão de Bond com fortes características sexuais. O último foi a sádica Xenia Onnatop, interpretada por Famke Janssen em 007 Contra GoldenEye (1995). Ela tinha orgasmos múltiplos ao matar pessoas e tinha como golpe favorito torcer suas pernas em volta do abdômen da vítima e asfixiá-la. Com tamanhas qualidades, ficou marcada na história de Bond como uma das melhores vilãs.

Seguindo com as comemorações dos 50 anos, existem algumas boas referências dos filmes anteriores como o automóvel Aston Martin DB5, com assento do passageiro ejetável, utilizado em 007 Contra Goldfinger, e principalmente na reformulação das personagens clássicas e fixas da série como o chefe de Bond, M, sua secretária Miss Moneypenny, e o que a maioria dos fãs estavam aguardando: o retorno do mestre-quarteleiro Q.

Na cena de introdução de Q, Ben Wishaw e Daniel Craig têm um diálogo bastante esclarecedor a respeito dos novos tempos tecnológicos, defendendo muito bem o motivo do personagem reaparecer tão jovem (o ator que viveu Q, Desmond Llewelyn estreou em Moscou Contra 007 (1963) com quase 50 anos de idade). Assim que Q se apresenta com aquele look nerd (óculos, penteado meio emo e aparência franzina), 007 não se aguenta e responde: “Você deve estar brincando.”

Apesar do diálogo esclarecedor, por se tratar de uma série antiga, houve críticas à juventude de um personagem conhecido como um senhor mais experiente e conservador. Contudo, como mostrado em A Rede Social, a nova geração de nerds realmente se mostra muito poderosa no mundo de hoje.

Ben Wishaw como o novo Q, armeiro do MI6. Começando com uma Walther PPK e um rádio transmissor.

Além da forte presença de M (Judi Dench), 007 – Operação Skyfall faz bonito na escalação das Bond girls. Ao contrário da época de Sean Connery e Roger Moore, as mulheres deixaram há muito de serem figuras frágeis e dóceis. Nesta produção, duas personagens femininas tridimensionais integram o hall das Bond girls como uma das melhores duplas dos últimos anos. A atriz francesa Bérénice Marlohe vive a misteriosa Sévérine, que presencia um assassinato e se torna peça chave no quebra-cabeça que James Bond deve seguir. Com um olhar bastante forte e sensual, Marlohe demonstra a fragilidade necessária para atrair Bond, deixando sua marca no filme, mesmo que em poucas cenas.

Bérénice Marlohe como a misteriosa Sévérine

Por este lado da lei, temos outra Bond girl excepcional, a britânica Naomie Harris. Ela teve seu primeiro papel de destaque no terror de zumbis moderno de Extermínio (2002), de Danny Boyle, e nos anos seguintes, atuou em alguns filmes de ação em destaque como Piratas do Caribe: O Baú da Morte (2006), Piratas do Caribe: No Fim do Mundo (2007), Miami Vice (2006) e curiosamente em O Ladrão de Diamantes (2004), estrelado pelo então James Bond, Pierce Brosnan. Com maior experiência em ação, Harris foi escalada para viver a agente novata Eve, que tem participação fundamental na sequência inicial.

Naomie Harris como Eve

Como se trata de um personagem altamente sexual, vale ressaltar aqui que em 007 – Operação Skyfall, James Bond tem relações com três mulheres, algo que nunca aconteceu desde que Daniel Craig assumiu o smoking. Seria um sinal de retomada até nesse quesito? Felizmente, os produtores souberam escolher belíssimas atrizes. Bérénice Marlohe, Naomie Harris e Tonia Sotiropoulou formam a grande beleza do filme.

Aliás, ainda no assunto da presença feminina, a cantora de sucesso Adele compôs a música-tema homônima Skyfall, que foi lançada na internet no dia 05 de outubro, quando Bond completava 50 anos. Além de já ter alavancado um grande sucesso nas paradas, sendo uma das mais compradas no iTunes, a canção remete ao tom mais clássico das músicas de 007, especialmente Shirley Bassey e sua majestosa Goldfinger. Pelo sucesso da canção, da intérprete Adele e do filme nas bilheterias, existe uma forte possibilidade de ser indicada a Melhor Canção Original no Oscar 2013, fato que não acontece desde 1982, quando For Your Eyes Only de Sheena Easton (007 – Somente Para Seus Olhos) foi indicada ao Oscar. Segue vídeo com a música de Adele abaixo:

Contudo, a figura feminina mais importante certamente é M. Sua personagem se encontra sob forte pressão neste filme e representa as mudanças necessárias para entender o mundo de hoje do pós-11 de setembro sob o olhar da segurança da sociedade.

Judi Dench como a chefe operacional M

Após o atentado, muitos se questionam se as autoridades estão realmente preparadas para esse novo tipo de ameaça. Esse constante e contínuo medo assola toda a população, que teme novos atentados pelo mundo todo. E este novo filme de 007 traz essa questão à tona, colocando uma ultrapassada porém experiente M numa audição com uma jovem Ministra de Defesa, respondendo à pergunta: “Qual o papel de agentes secretos no século XXI?”. Devido aos recentes erros que M cometeu, dá a entender que ela está defasada para o cargo, porém, ela defende a importância e o valor de seus espiões subordinados diante da invisibilidade do inimigo de hoje, pois não tem nação ou bandeira para identificá-lo. Esse cenário repleto de paranóia e racismo é o pano de fundo dos últimos filmes de James Bond, que sempre primaram em refletir características da sociedade de sua época. 007 – Operação Skyfall adiciona mais um importante capítulo deste início do século XXI.

O 23º filme de Bond vale por tudo isso, mas o fato de alguns elementos principais terem sido quase um plágio de Batman – O Cavaleiro das Trevas me incomodou um pouco. Além disso, pecou pela quebra de ritmo no meio do filme (cabiam mais umas duas sequências de ação) e a sequência final com o vilão Silva se tornou morosa e desgastante pra pouca novidade. Também acrescento que a personagem de Albert Finney, o velho Kincade, ficou mal aproveitado.

Skyfall deu um passo importante na série. Os produtores provaram que estão dispostos a largar o conservadorismo de vez e inserir James Bond em seu devido lugar no século XXI. Esperamos que o nível de qualidade do diretor escolhido para a próxima aventura esteja do mesmo nível de Sam Mendes, assim como os atores principais. Valeu também pela inclusão de Ralph Fiennes, pois os filmes ganham uma credibilidade notória com sua presença.

Avaliação: BOM

A equipe principal responsável por 007 – Operação Skyfall. Da esquerda para a direita: Javier Bardem, Bérénice Marlohe, Sam Mendes, Judi Dench, Daniel Craig, Naomie Harris e os produtores Barbara Broccoli e Michael G. Wilson (photo by Sony Pictures realeasing)