‘Boyhood’, ‘Birdman’ e ‘Garota Exemplar’ competem pelo Eddie Awards 2015

Ethan Hawke (Boyhood: Da Infância à Juventude) - photo by elfilm.com

Ellan Coltrane e Ethan Hawke em Boyhood: Da Infância à Juventude – photo by elfilm.com

PRÊMIO DO SINDICATO JÁ PINCELA OS POSSÍVEIS INDICADOS AO OSCAR

Primeiramente, Feliz Ano Novo para todos! Espero que tenham passado bem as festas de fim de ano. Como fiquei em São Paulo este ano, acabei vendo dois filmes no cinema que recomendo: o sombrio O Abutre, com atuação assombrosa de Jake Gyllenhaal, e o clichê porém simpático A Família Bélier, que traz uma mensagem bastante positiva de amadurecimento para começar bem o ano.

Bom, o ano mal começou e o sindicato de editores já lançou seus indicados para 2015. Assim como o Globo de Ouro, os filmes são dividos entre as categorias de Drama e Comédia ou Musical, até mesmo porque a montagem possui estilos diferentes de acordo com o gênero. Aliás, adoraria ver uma categoria exclusiva para filmes de terror, ou pelo menos algo como Terror ou Ação. O Eddie Awards ainda apresenta categorias de Animação, Documentário e relativos à televisão.

Pela categoria Drama, houve um empate pela segunda vez na história do prêmio, pois houve seis indicados. A grande favorita é Sandra Adair pelo filme Boyhood: Da Infância à Juventude, afinal, ela cortou um material bruto de nada menos do que 12 anos! Mas independente do seu esforço de uma década, seu trabalho é digno de reconhecimento, pois suas quase 3 horas de duração não pesam como muitos pensam antes de assistir ao filme. A passagem do tempo não é interrompida por letreiros ou telas pretas, mas flui como um rio. Particularmente, só não acho perfeita porque eu reduziria a sequência da faculdade do protagonista Mason, que pouco acrescenta no contexto.

Mas Boyhood não pode relaxar, pois tem fortes concorrentes na categoria, especialmente Kirk Baxter (Garota Exemplar), que levou dois Oscars consecutivos por A Rede Social e Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres, e William Goldenberg (O Jogo da Imitação), que faturou a estatueta em 2013 por Argo.

Rosamund Pike em momento Amazing Amy de Garota Exemplar (photo by elfilm.com)

Rosamund Pike em momento Amazing Amy de Garota Exemplar (photo by elfilm.com)

Já pela categoria de Comédia ou Musical, as águas parecem mais calmas para Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância), pois além da força de sua campanha rumo ao Oscar de Melhor Filme, apresenta alternância entre cenas de realidade e devaneios do personagem de Michael Keaton, que denota facilmente a força da montagem. Quanto à concorrência, por se tratar de um filme de ação, Guardiões da Galáxia pode representar algum perigo. Como não vi Birdman ainda, concederia o prêmio a O Grande Hotel Budapeste, pelo ótimo ritmo obtido pela combinação entre os cortes, roteiro e atuação do elenco.

Edward Norton em cena de O Grande Hotel Budapeste (photo by cinemagia.ro)

Edward Norton em cena de O Grande Hotel Budapeste (photo by cinemagia.ro)

Entre as três animações indicadas, apesar da explosão que foi Uma Aventura Lego, acredito que Operação Big Hero pode levar o prêmio pelo ritmo mais frenético. Quanto aos documentários, Citizenfour tem se destacado por contar a trajetória de Edward Snowden através de uma entrevista.

Quanto aos fatos curiosos, embora não tenha uma acertividade tão alta (dos últimos 5 anos, acertou 3 em relação ao Oscar), o Eddie Awards é considerado um bom precursor do prêmio da Academia, pois segundo nota deles: “Nenhum filme ganhou o Oscar de Melhor Filme sem ter recebido pelo menos uma indicação ao Eddie desde ‘Gente Como a Gente’ em 1981”. O Eddie Awards existe desde 1962.

 Já entre os indicados de produções de televisão, a ótima série da HBO, True Detective, desponta como uma das favoritas justamente por seu tratamento de cinema na montagem de seus episódios não-lineares.

Segue lista dos indicados ao 65º Eddie Awards:

MELHOR MONTAGEM – DRAMA
– Joel Cox, Gary Roach (Sniper Americano)
– Sandra Adair (Boyhood: Da Infância à Juventude)
– Kirk Baxter (Garota Exemplar)
– William Goldenberg (O Jogo da Imitação)
– John Gilroy (O Abutre)
– Tom Cross (Whiplash: Em Busca da Perfeição)

MELHOR MONTAGEM – COMÉDIA OU MUSICAL
– Douglas Crise, Stephen Mirrione (Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância))
– Fred Raskin, Hughes Winborne, Craig Wood (Guardiões da Galáxia)
– Wyatt Smith (Caminhos da Floresta)
– Leslie Jones (Vício Inerente)
– Barney Pilling (O Grande Hotel Budapeste)

MELHOR MONTAGEM – ANIMAÇÃO
 Tim Mertens (Operação Big Hero)
– Edie Ichioka (Os Boxtrolls)
– David Burrows, Chris McKay (Uma Aventura Lego)

Operação Big Hero, da Disney (photo by cinemagia.ro)

Operação Big Hero, da Disney (photo by cinemagia.ro)

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO
– Mathilde Bonnefoy (Citizenfour)
– Aaron Wickenden (A Fotografia Oculta de Vivian Maier)
– Elisa Bonora (Glen Campbell: I’ll Be Me)

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO (TELEVISÃO)
– John Duffy, Michael O’Halloran, Eric Lea (Cosmos: A SpaceTime Odyssey: Standing Up in the Milky Way)
– Troy Takaki, Joey Vigour (Pauly Shore Stands Alone)
– Erik Ewers (The Roosevelts: An Intimate History: Episode 3 / The Fire of Life)

MELHOR MONTAGEM – SÉRIE DE TV DE MEIA-HORA
– Brian Merken, Tim Roche (Sillicon Valley) – Episódio: “Optimal Tip to Tip Efficiency”
– Anthony Boys (Veep) – Episódio: “Special Relationship”
– Catherine Haight (Transparent) – Episódio: “Piloto”

MELHOR MONTAGEM – SÉRIE DE TV DE UMA HORA COM COMERCIAL
– Scott Powell (24 Horas) – Episódio: “10pm to 11am
– Christopher Gay (Mad Men) – Episódio: “Waterloo”
– Elena Maganini, Michael Ornstein (Madam Secretary) – Episódio: “Piloto”
– Yan Miles (Sherlock) – Episódio: “His Last Vow”
– Scott Vickrey (The Good Wife) – Episódio: “A Few Words”

MELHOR MONTAGEM – SÉRIE DE TV DE UMA HORA SEM COMERCIAL
– Affonso Gonçalves (True Detective) – Episódio: “Who Goes There”
– Alex Hall (True Detective) – Episódio: “The Secret Fate of All Life”
– Byron Smith (House of Cards) – Episódio: “Chapter 14”

Woody Harrelson e Matthew McConaughey em cena de True Detective, série da HBO (photo by cinemagia.ro)

Woody Harrelson e Matthew McConaughey em cena de True Detective, série da HBO (photo by cinemagia.ro)

MELHOR MONTAGEM – MINISSÉRIE OU FILME FEITO PARA TV
– Regis Kumble (Fargo) – Episódio: “Buridan’s Ass”
– Jeffrey M. Werner (Olive Kitteridge) – Episódio: “A Different Road”
– Adam Penn (The Normal Heart)

MELHOR MONTAGEM – SÉRIES NÃO ROTEIRIZADAS
– Hunter Gross (Anthony Bourdain: Parts Unknown) – Episódio: “Iran”
– Josh Earl, Johnny Bishop (Deadliest Catch) – Episódio: “Lost At Sea”
– Joe Langford, Nick Carew (Vice) – Episódio: “Greenland is Melting & Bonded Labor”

O Eddie Awards será entregue no dia 30 de janeiro em cerimônia no hotel Beverly Hilton.

Anúncios

66º Emmy se rende à ‘Breaking Bad’

Vince Gilligan (centro) discursa após a vitória de sua criação (photo by bluebus.com.br)

‘BREAKING BAD’ FAZ A LIMPA POR SUA ÚLTIMA TEMPORADA

Sim, o Emmy aconteceu nessa segunda-feira pela primeira vez desde 1976. Nas últimas décadas, a cerimônia ocorria aos domingos. A decisão surgiu para evitar competição justamente com as próprias séries de TV indicadas, que disputam à tapas o horário nobre dominical. Não sei ainda o impacto dessa mudança na audiência, mas à princípio, parece-me sensata por se adequar aos moldes televisivos.

Jessica Lange conquista seu segundo Emmy por American Horror Story (photo by fionagoddess.tumblr.com)

É importante ressaltar que a própria indústria televisiva já não é mais a mesma. Nos últimos 10 anos, vimos uma evolução significativa de produções bem elaboradas e criativas como Lost, The Sopranos, 24, House, Six Feet Under, Dexter e Mad Men, todos contribuindo para o alto nível de qualidade dos roteiros. E quando os roteiros são melhores, os personagens são mais profundos, o que acaba atraindo a atenção de atores de calibre como Helen Mirren, Al Pacino, Glenn Close e Jessica Lange. Claro que os cachês também foram às alturas pelo aumento de patrocínio, causando uma espécie de migração de atores outrora de cinema para a telinha da TV. Lembro-me que há algumas décadas, a TV era somente uma espécie de estágio pra se trabalhar em cinema.

Como cinéfilo, vejo essa inversão como o simbolismo da queda do cinema. Enquanto a TV respira criatividade e qualidade por todo o ano, o cinema tem vivido à base de reciclagens e continuações puramente feitas para ganhar dinheiro há tempos, principalmente nessa época do verão americano. O sucesso da refilmagem As Tartarugas Ninja e das sequências Transformers: A Era da Extinção e Os Mercenários 3 denota esse panorama. No geral, os produtores de cinema de hoje se baseiam somente nos números das bilheterias para criar os próximos filmes, tratando uma arte apenas como negócio.

A atriz Taylor Schilling da série Orange is the New Black (photo by elfilm.com)

Já os da TV estão buscando idéias diferentes para atrair mais público. Pra início de argumento, a TV está criando uma nova tendência de tranformar bons filmes em séries e minisséries. Além do vencedor da noite, Fargo, baseado no filme homônimo dos irmãos Coen, temos ainda Bates Motel, baseado em Psicose, e O Bebê de Rosemary, criado a partir do filme de Roman Polanski de 1968. Até em se tratando de refilmagem, a TV está superando o cinema. Além disso, a TV está apostando em gêneros que o cinema tem evitado pelo alto custo de produção como o medieval de Game of Thrones, está apostando em caras novas para estrelar séries como Tatiana Maslany de Orphan Black (que deveria ter sido indicada) e Taylor Schilling, de Orange is the New Black. Aliás, a TV está inovando tanto, que até apostou no formato de streaming pela internet através do Netflix. É uma pena que a Academia de Televisão Artes e Ciências não está acompanhando essa revolução pois, de um total de 31 indicações, a Netflix, que representa a novidade na indústria televisiva, incrivelmente não levou nada.

De uma forma geral, a premiação do Emmy foi bastante conservadora. Inúmeros vencedores da noite já tinham conquistado a estatueta em edições anteriores. Só para citar atores: Julianna Margulies, Jessica Lange, Julia Louis-Dreyfus, Bryan Cranston e até Jim Parsons, que tanto admiro sua interpretação de Sheldon de The Big Bang Theory. Por mais que consideremos que todos os vencedores estejam em seus devidos auges em suas séries, é impossível escapar da impressão de que muitos outros foram esnobados na votação.

Este ano foi a consagração da série Breaking Bad. Confesso que não vi a série, mas tenho curiosidade pra ver tudo por causa da repercussão. Não duvido da qualidade do roteiro da série, mas de alguma forma isso me lembra de uma coisa que não apoio em premiações: o costume de consagrar o último filme ou temporada como uma forma de compensar as derrotas anteriores. Em 2004, a Academia premiou com 11 estatuetas do Oscar o terceira e última parte da trilogia de O Senhor dos Anéis. Aonde O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei é melhor do que O Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel? Lógico que os membros da Academia decidiram compensar o trabalho árduo de Peter Jackson pelo último filme. Achei bastante injusto com os demais indicados daquele ano, que viram sentados a ‘limpa’ do filme fantasioso. Cidade de Deus deveria ter levado montagem, e Eduardo Serra levado fotografia pelo belo trabalho em Moça com Brinco de Pérola, só pra citar dois exemplos.

Woody Harrelson e Matthew McConaughey em cena de True Detective (photo by elfilm.com)

Enfim, torci para True Detective, que acabou levando seu prêmio mais merecido: direção para Cary Joji Fukunaga. Havia uma expectativa muito alta de ver o protagonista Matthew McConaughey levar o Emmy de Melhor Ator, fato que o tornaria o primeiro ator a vencer o Oscar (por Clube de Compras Dallas) e o Emmy no mesmo ano (apenas Helen Hunt conseguiu esse feito em 1998 por Melhor é Impossível e a série Mad About You), mas a noite foi mesmo de Breaking Bad e seu astro Bryan Cranston. True Detective tem o grande mérito de desenvolver uma trama policial de forma densa, sob três épocas distintas, com direito a grandes sequências cinematográficas e personagens centrais tridimensionais, o que o torna o oposto do policial fast-food de um C.S.I., no qual um crime é desvendado em questão de minutos.

True Detective foi vítima da estratégia da HBO, que lançou a minissérie como série dramática no Emmy. O canal tinha a grande ambição de ganhar o principal prêmio da noite, mas se não tivesse tal ganância, poderia facilmente ter saído com os prêmios de Melhor Minissérie (que foi para Fargo) e Melhor Ator de Minissérie (que foi para Benedict Cumberbatch por Sherlock) para McConaughey.

Confira lista completa dos vencedores do 66º Emmy Awards:

VENCEDORES DO 66º EMMYS

MELHOR SÉRIE DRAMÁTICA: Breaking Bad

MELHOR SÉRIE DE COMÉDIA: Modern Family

ATOR EM SÉRIE DRAMÁTICA: Bryan Cranston (Breaking Bad)

ATRIZ EM SÉRIE DRAMÁTICA: Julianna Margulies (The Good Wife)

ROTEIRO – SÉRIE DRAMÁTICA: Moira Walley-Beckett (Breaking Bad) pelo episódio “Ozymandias”

ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE DRAMÁTICA: Anna Gunn (Breaking Bad)

DIREÇÃO – SÉRIE DRAMÁTICA: Cary Joji Fukunaga (True Detective) pelo episódio “Who Goes There”

ATOR COADJUVANTE EM SÉRIE DRAMÁTICA: Aaron Paul (Breaking Bad)

MELHOR PROGRAMA DE VARIEDADES: The Colbert Report

DIREÇÃO – PROGRAMA DE VARIEDADES: Glenn Weiss (The 67th Tony Awards)

ROTEIRO – PROGRAMA DE VARIEDADES: Sarah Silverman (Sarah Silverman: We Are Miracles)

MELHOR TELEFILME: The Normal Heart

MELHOR MINISSÉRIE: Fargo

ATRIZ – MINISSÉRIE OU TELEFILME: Jessica Lange (American Horror Story: Coven)

ATOR – MINISSÉRIE OU TELEFILME: Benedict Cumberbatch (Sherlock: His Last Vow)

DIREÇÃO – MINISSÉRIE OU TELEFILME: Colin Bucksey (Fargo) pelo episódio “Buridan’s Ass”

ATOR COADJUVANTE EM MINISSÉRIE OU TELEFILME: Martin Freeman (Sherlock: His Last Vow)

ATRIZ COADJUVANTE EM MINISSÉRIE OU TELEFILME: Kathy Bates (American Horror Story: Coven)

ROTEIRO – MINISSÉRIE, TELEFILME OU ESPECIAL DE DRAMA: Steven Moffat (Sherlock)

MELHOR PROGRAMA DE REALITY: The Amazing Race

ATRIZ EM SÉRIE DE COMÉDIA: Julia Louis-Dreyfus (Veep)

ATOR EM SÉRIE DE COMÉDIA: Jim Parsons (The Big Bang Theory)

DIREÇÃO – SÉRIE DE COMÉDIA: Gail Mancuso (Modern Family) pelo episódio “Vegas”

ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE DE COMÉDIA: Allison Janney (Mom)

ROTEIRO – SÉRIE DE COMÉDIA: Louie C.K. (Louie) pelo episódio “So Did the Fat Lady”

ATOR CODJUVANTE EM SÉRIE DE COMÉDIA: Ty Burrell (Modern Family)

Julia Louis-Dreyfus leva seu terceiro Emmy pela série Veep (photo by http://robertdeniro.tumblr.com/post/95780652769)

ROTEIRO – SÉRIE DE VARIEDADES: The Colbert Report

MELHOR HOST EM PROGRAMA DE REALITY: Jane Lynch (Hollywood Game Night)

DIREÇÃO – SÉRIE DE VARIEDADES: Don Roy King (Saturday Night Live)

ATRIZ CONVIDADA EM SÉRIE DE COMÉDIA: Uzo Aduba (Orange is the New Black)

ATOR CONVIDADO EM SÉRIE DE COMÉDIA: Jimmy Fallon (Saturday Night Live)

ATRIZ CONVIDADA EM SÉRIE DRAMÁTICA: Allison Janney (Masters of Sex)

ATOR CONVIDADO EM SÉRIE DRAMÁTICA: Joe Morton (Scandal)

Vencedores do Emmy 2013

O produtor Vince Gilligan aceita o Emmy de Melhor Série Drama por Breaking Bad. (Photo by Vince Bucci/Invision for Academy of Television Arts & Sciences/AP Images)

O produtor Vince Gilligan aceita o Emmy de Melhor Série Drama por Breaking Bad. (Photo by Vince Bucci/Invision for Academy of Television Arts & Sciences/AP Images)

Há algum tempo, a TV deixou de ser segunda opção de artistas de cinema. Hoje, temos atores do calibre de Julianne Moore, Jeremy Irons e Helen Mirren atuando em séries e minisséries televisivas. As razões são muito simples: hoje não há espaço para tantos artistas de cinema, e estão pagando bem com a ajuda de patrocinadores.

E nomes consagrados não param de chegar à telinha. Recentemente, o diretor indicado ao Oscar, David Fincher, reconhecido por filmes cults como Clube da Luta e A Rede Social, aceitou proposta interessante de dirigir o piloto da primeira série feita para a internet (Netflix): House of Cards. Seu prestígio atingiu o ator Kevin Spacey e ambos despertaram a curiosidade do público e da crítica. Apesar de bem conceituada, a série ganhou apenas o prêmio de direção para Fincher.

Indicados pela primeira série feita para a internet, House of Cards, Kevin Spacey e Robin Wright trabalharam juntos com o diretor David Fincher (photo by www.elfilm.com)

Indicados pela primeira série feita para a internet, House of Cards, Kevin Spacey e Robin Wright trabalharam juntos com o diretor David Fincher (photo by http://www.elfilm.com)

Vale destacar a participação do diretor Steven Soderbergh (vencedor do Oscar por Traffic) pelo telefilme Behind the Candelabra, produzido pelo canal HBO. Segundo o diretor, ele estava com dificuldades de conseguir financiamento dos grandes estúdios e resolveu apelar à TV. O resultado foi positivo: além de vencer os prêmios de direção e ator para Michael Douglas, o filme foi indicado à Palma de Ouro no último Festival de Cannes.

Em primeiro plano: Michael Douglas e Matt Damon. Ao fundo, o diretor Steven Soderbergh de boné (photo by www.OutNow.CH)

Em primeiro plano: Michael Douglas e Matt Damon. Ao fundo, o diretor Steven Soderbergh de boné dirige cena de Behind the Cadelabra (photo by http://www.OutNow.CH)

O diretor e roteirista americano David Mamet (O Sucesso a Qualquer Preço) também conseguiu um lugar ao sol com o telefilme Phil Spector, contando com atores de peso como Al Pacino e Helen Mirren, ambos indicados ao Emmy. Também conhecida por filmes autorais como O Piano, a neozelandesa Jane Campion partiu para a TV através da BBC com a minissérie Top of the Lake, cuja trama lembra a série Twin Peaks. Vencedor do Oscar de Roteiro Original por Assassinato em Gosford Park, o roteirista egípcio Julian Fellowes também levou sua experiência de filmes de época para a série Downton Abbey.

Helen Mirren e Al Pacino caracterizados no telefilme Phil Spector, do diretor David Mamet (photo by www.elfilm.com)

Helen Mirren e Al Pacino caracterizados no telefilme Phil Spector, do diretor David Mamet (photo by http://www.elfilm.com)

Apesar de encararem com tom de piada, parece haver uma rixa entre atores de TV e atores de cinema. Talvez seja coisa da minha cabeça, mas fico com a impressão de que os atores que trabalham regularmente na TV sentem-se um pouco ameaçados pela migração em alta escala de atores que costumam fazer filmes, afinal, estariam lhe “roubando” bons papéis.

MELHOR SÉRIE DE DRAMA

• Breaking Bad
– Downton Abbey
– Game of Thrones
– Homeland
– Mad Men – Inventando Verdades (Mad Men)
– House of Cards

MELHOR SÉRIE DE COMÉDIA

• Família Moderna (Modern Family)
– Big Bang: A Teoria (The Big Bang Theory)
– Girls
– Louie
– Um Maluco na TV (30 Rock)
– Veep
MELHOR MINISSÉRIE OU TELEFILME

• Behind the Candelabra
– American Horror Story
– The Bible
– Phil Spector
– Animais Políticos (Political Animals)
– Top of the Lake

MELHOR ATOR – SÉRIE DE COMÉDIA

Jim Parsons (Big Bang: A Teoria)
– Alec Baldwin (Um Maluco na TV)
– Don Cheadle (House of Lies)
– Jason Bateman (Arrested Development)
– Louis C.K. (Louie)
– Matt LeBlanc (Episodes)

MELHOR ATOR – SÉRIE DE DRAMA

Jeff Daniels (The Newsroom)
– Hugh Bonneville (Downton Abbey)
– Bryan Cranston (Breaking Bad)
– Jon Hamm (Mad Men – Inventando Verdades)
– Damian Lewis (Homeland)
– Kevin Spacey (House of Cards)

MELHOR ATOR – MINISSÉRIE OU TELEFILME

Michael Douglas (Behind the Candelabra)
– Benedict Cumberbatch (Parade’s End)
– Matt Damon (Behind the Candelabra)
– Toby Jones (The Girl)
– Al Pacino (Phil Spector)

MELHOR ATRIZ – SÉRIE DE COMÉDIA

Julia Louis-Dreyfus (Veep)
– Laura Dern (Enlightened)
– Lena Dunham (Girls)
– Edie Falco (Nurse Jackie)
– Tina Fey (Um Maluco na TV)
– Amy Poehler (Parks and Recreation)

MELHOR ATRIZ – SÉRIE DE DRAMA

Claire Danes (Homeland)
– Michelle Dockery (Downton Abbey)
– Elisabeth Moss (Mad Men – Inventando Verdades)
– Connie Briton (Nashville)
– Vera Farmiga (Bates Motel)
– Kerry Washington (Scandal)
– Robin Wright (House of Cards)

MELHOR ATRIZ – MINISSÉRIE OU TELEFILME

Laura Linney (The Big C)
– Jessica Lange (American Horror Story)
– Helen Mirren (Phil Spector)
– Elisabeth Moss (Top of the Lake)
– Sigourney Weaver (Animais Políticos)

MELHOR ATOR COADJUVANTE – SÉRIE DE COMÉDIA

Tony Hale (Veep)
– Ty Burrell (Família Moderna)
– Jesse Tyler Ferguson (Família Moderna)
– Bill Hader (Saturday Night Live)
– Ed O’Neill (Família Moderna)
– Adam Driver (Girls)

MELHOR ATOR COADJUVANTE – SÉRIE DE DRAMA

Bobby Cannavale (Boardwalk Empire)
– Jim Carter (Downton Abbey)
– Peter Dinklage (Game of Thrones)
– Aaron Paul (Breaking Bad)
– Jonathan Banks (Breaking Bad)
– Mandy Patinkin (Homeland)

MELHOR ATOR COADJUVANTE – MINISSÉRIE OU TELEFILME

James Cromwell (American Horror Story)
– Zachary Quinto (American Horror Story)
– Scott Bakula (Behind the Candelabra)
– John Benjamin Hickey (The Big C)
– Peter Mullan (Top of the Lake)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE – SÉRIE DE COMÉDIA

Merritt Wever (Nurse Jackie)
– Mayim Bialik (Big Bang: A Teoria)
– Julie Bowen (Família Moderna)
– Jane Krakowski (Um Maluco na TV)
– Jane Lynch (Glee)
– Sofía Vergara (Família Moderna)
– Anna Chlumsky (Veep)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE – SÉRIE DE DRAMA

Anna Gunn (Breaking Bad)
– Morena Baccarin (Homeland)
– Christine Baranski (The Good Wife)
– Maggie Smith (Downton Abbey)
– Emilia Clarke (Game of Thrones)
– Christina Hendricks (Mad Men – Inventando Verdades)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE – MINISSÉRIE OU TELEFILME

Ellen Burstyn (Animais Políticos)
– Sarah Paulson (American Horror Story)
– Imelda Staunton (The Girl)
– Charlotte Rampling (Restless)
– Alfre Woodward (Steel Magnolias)

MELHOR SÉRIE DE VARIEDADES, MÚSICA OU COMÉDIA

The Colbert Report
– The Daily Show
– Jimmy Kimmel Live!
– Late Night with Jimmy Fallon
– Real Time with Bill Maher
– Saturday Night Live

MELHOR PROGRAMA DE REALITY

The Voice
– Amazing Race
– Dancing with the Stars
– Project Runaway
– So You Think You Can Dance
– Top Chef

MELHOR HOST DE PROGRAMA DE REALITY

Heidy Klum, Tim Gunn (Project Runaway)
– Tom Bergeron (Dancing with the Stars)
– Anthony Bourdain (The Taste)
– Cat Deeley (So You Think You Can Dance)
– Ryan Seacrest (American Idol)
– Betty White (Betty White’s Off Their Rockers)

MELHOR DIREÇÃO DE SÉRIE DE COMÉDIA

• Gail Mancuso (Família Moderna) – Episódio: Arrested
– Lena Dunham (Girls) – Episódio: On All Fours
– Paris Barclay (Glee) – Episódio: Diva
– Louis C.K. (Louie) – Episódio: New Year’s Eve
– Beth McCarthy-Miller (Um Maluco na TV) – Episódio: Hogcock!/Last Lunch)

MELHOR DIREÇÃO – SÉRIE DE DRAMA

• David Fincher (House of Cards) – Episódio: Chapter 1
– Timothy Van Patten (Boardwalk Empire) – Episódio: Margate Sands
– Michelle MacLaren (Breaking Bad) – Episódio: Gliding All Over
– Jeremy Webb (Downton Abbey) – Episódio: Episode 4
– Lesli Linka Glatter (Homeland) – Episódio: Q & A

MELHOR DIREÇÃO – MINISSÉRIE, TELEFILME OU ESPECIAL DE DRAMA

Steven Soderbergh (Behind the Candelabra)
– Julian Jarrold (The Girl)
– David Mamet (Phil Spector)
– Allison Anders (Ring of Fire)
– Jane Campion, Garth Davis (Top of the Lake)

MELHOR DIREÇÃO – PROGRAMA DE VARIEDADES

Don Roy King (Saturday Night Live)
– Jim Hoskinson (The Colbert Report)
– Chuck O’Neil (The Daily Show)
– Jerry Foley (Late Show with David Letterman)
– Jonathan Krisel (Portlandia)
– Andy Fisher (Jimmy Kimmel Live!)

MELHOR ROTEIRO – SÉRIE DE COMÉDIA

Tina Fey, Tracey Wigfield (Um Maluco na TV) – Episódio: Last Lunch
– Louis C.K., Pamela Adlon (Louie) – Episódio: Daddy’s Girlfriend
– David Crane, Jeffrey Klarik (Episodes) – Episódio: Episode 209
– Greg Daniels (The Office) – Episódio: Finale
– Jack Burditt, Robert Carlock (Um Maluco na TV) – Episódio: Hogcock!

MELHOR ROTEIRO – SÉRIE DE DRAMA

Henry Bromell (Homeland) – Episódio: Q & A
– Julian Fellowes (Downton Abbey) – Episódio: Episode 4
– George Mastras (Breaking Bad) – Episódio: Dead Freight
– Thomas Schnauz (Breaking Bad) – Episódio: Say My Name
– David Benioff, D.B. Weiss (Game of Thrones) – Episódio: The Rains of Castamere

MELHOR ROTEIRO – PROGRAMA DE VARIEDADES

The Colbert Report
– The Daily Show
– Portlandia
– Real Time with Bill Maher
– Saturday Night Live
– Jimmy Kimmel Live!

MELHOR ROTEIRO – MINISSÉRIE, TELEFILME OU ESPECIAL DE DRAMA

Abi Morgan (The Hour)
– Richard LaGravenese (Behind the Candelabra)
– Tom Stoppard (Parade’s End)
– David Mamet (Phil Spector)
– Jane Campion, Gerard Lee (Top of the Lake)

Para os apaixonados pela Vada do filme Meu Primeiro Amor (1992) como eu, a atriz Anna Chlumsky está de volta aos holofotes pela série de comédia Veep. Ela foi indicada como atriz coadjuvante, mas não levou. (photo by www.elfilm.com)

Para os apaixonados pela Vada do filme Meu Primeiro Amor (1991) como eu, a atriz Anna Chlumsky está de volta aos holofotes pela série de comédia Veep. Ela foi indicada como atriz coadjuvante, mas não levou. (photo by http://www.elfilm.com)

Indicados à Palma de Ouro de Cannes 2013

Pôster do Festival de Cannes 2013, estrelado pelo casal hollywoodiano Paul Newman e Joanne Woodward

Pôster do Festival de Cannes 2013, estrelado pelo casal hollywoodiano Paul Newman e Joanne Woodward

Foi dada a largada do maior festival de cinema do mundo com o anúncio dos filmes indicados ao mais cobiçado prêmio: a Palma de Ouro. É importante destacar que o elo entre Cannes e o Oscar, outrora frio e distante, está numa crescente. Em 2011, o vencedor do prêmio de interpretação masculina, O Artista, acabou levando 5 Oscars incluindo Melhor Filme. Já neste ano,  além da produção franco-austríaca Amor, vencedora da Palma de Ouro, ter vencido o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, outros filmes que participaram das seleções de Cannes como Moonrise Kingdom e Indomável Sonhadora conquistaram indicações ao prêmio da Academia.

Essa ponte entre o Festival de Cannes, que ocorre em maio, e o Oscar, em fevereiro, tem sido benéfica para ambos. Enquanto os realizadores selecionados na França podem ambicionar vôos mais altos e comerciais com um possível reconhecimento nos EUA, o fato da lista de indicados ao Oscar terem esse “pedigree” de sucesso oriundo de Cannes eleva o patamar de qualidade da Academia, que já sofreu muitas críticas por valorizarem demais produções que se deram bem nas bilheterias sem levar muito em consideração a veia artística do filme.

O presidente do júri: Steven Spielberg (photo by goodfellasmovie.blogspot.com)

O presidente do júri: Steven Spielberg (photo by goodfellasmovie.blogspot.com)

Este ano, o presidente do júri de Cannes, Steven Spielberg, contará com uma seleção bem eclética que vai de nomes consagrados como os irmãos Coen e Roman Polanski (que já venceram a Palma de Ouro com Barton Fink – Delírios de Hollywood e O Pianista, respectivamente) até realizadores desconhecidos do cenário internacional como o espanhol Amat Escalante e italiana Valeria Bruni Tedeschi, atriz que já trabalhou com outro indicado este ano, o francês François Ozon, e o próprio Spielberg em Munique (2005).

Normalmente, os presidentes do júri evitam conceder a Palma às produções de seu país a fim de não criar polêmicas na divulgação dos premiados no encerramento, como o compatriota Quentin Tarantino já fez duas vezes. Em 2004, ele premiou o documentarista americano Michael Moore por Fahrenheit 11 de Setembro, e ficou marcado por ter dado explicações de sua escolha pela primeira vez na história do festival. Já em 2010, como presidente do Festival de Veneza, concedeu o Leão de Ouro à americana e ex-namorada Sofia Coppola por Um Lugar Qualquer. Ok, pode acontecer, afinal o sistema não é como futebol, no qual os árbitros não são do mesmo país ou estado dos times em campo, mas os reclamantes defendem que havia escolhas mais interessantes em competição.

Segue a lista dos indicados à Palma de Ouro, lembrando que no decorrer do evento, cerca de três filmes são inclusos na competição oficial:

Palma de Ouro

Palma de Ouro

PALMA DE OURO

O Grande Gatsby (The Great Gatsby), de Baz Luhrmann (FILME DE ABERTURA)

Un Château en Italie, de Valeria Bruni-Tedeschi
Inside Llewyn Davis, de Ethan Coen e Joel Coen
Michael Kohlhaas, de Arnaud del Pallières
Jimmy P. (Psychotherapy of Plains Indian), de Arnaud Desplechin
Heli, de Amat Escalante
Le Passé (The Past), de Asghar Farhadi
The Immigrant, de James Gray
Grigris, de Mahamat-Saleh Haroun
Tian Zhu Ding (A Touch of Sin), de Jia Zhanke
Soshite Chichi ni Naru (Like Father, Like Son), de Kore-eda Hirokazu
La Vie d’Adèle (Blue is the Warmest Color), de Abdellatif Kechiche
Wara no Tate (Shield of Straw), de Takashi Miike
Jeune et Jolie (Young and Beautiful), de François Ozon
Nebraska, de Alexander Payne
La Vénus à la Fourrure, de Roman Polanski
Behind the Candelabra, de Steven Soderbergh
La Grande Bellezza (The Great Beauty), de Paolo Sorrentino
Borgman, de Alex van Warmerdam
Only God Forgives, de Nicolas Winding Refn

Zulu, de Jérôme Salle (FILME DE ENCERRAMENTO)

Independente dos vencedores, já vale conferir novos trabalhos de diretores de visão singular como os japoneses Takashi Miike e Kore-eda Hirokazu, o chinês Jia Zhang Ke (que sabe retratar como ninguém as transformações da China na globalização), o dinamarquês Nicolas Winding Refn, que ganhou o prêmio de direção com Drive, e o italiano Paolo Sorrentino, que está em ascensão.

Particularmente, fiquei feliz com a indicação de Alexander Payne por Nebraska. O diretor é um dos poucos americanos que sabem conciliar sua veia comercial ao lado de estrelas como George Clooney e Jack Nicholson com uma perspectiva bastante humana. Para este novo projeto Nebraska, havia rumores de que o ator Robert Duvall assumiria o papel de protagonista aos 82 anos, mas outro veterano conquistou o papel principal: Bruce Dern, 76, pai da atriz Laura Dern. Ele foi considerado uma das grandes promessas no campo da atuação na década de 70, chegando a ser indicado ao Oscar de coadjuvante por Amargo Regresso, mas não vingou em Hollywood.

Claro que não tem como não mencionar o novo filme de Steven Soderbergh, afinal, o diretor tem sérios planos de parar de fazer filmes para lançamento em salas de cinema, muito em razão da covardia dos grandes estúdios de Hollywood. Numa entrevista, Soderbergh revelou que o filme foi planejado para lançamento em cinema, mas acabou indo para o ar pelo canal HBO porque os estúdios alegaram que a história era “muito gay”. “Ninguém queria fazer. Fomos atrás de todo mundo na cidade. Todos disseram que era muito gay. E isso veio depois de O Segredo de Brokeback Mountain(!), que nem é engraçado como esse filme. Fiquei chocado. Não fez nenhum sentido para nós.” Behind the Candelabra conta o caso de amor verídico entre o músico Liberace (Michael Douglas) e o bem mais jovem Scott (Matt Damon).

Michael Douglas e Matt Damon já caracterizados em Behind the Candelabra, de Steven Soderbergh: "Gay demais"? (photo by www.cine.gr)

Michael Douglas e Matt Damon já caracterizados em Behind the Candelabra, de Steven Soderbergh: “Gay demais”? (photo by http://www.cine.gr)

Além dessa polêmica, com a indicação de Behind the Candelabra, o Festival de Cannes garante a presença de estrelas hollywoodianas no tapete vermelho. Além dos já citados Michael Douglas e Matt Damon, a veterana Debbie Reynolds (do musical Cantando na Chuva), Dan Aykroyd e Rob Lowe podem comparecer ao evento. Já Leonardo DiCaprio, Tobey Maguire e Carey Mulligan devem marcar presença pela nova adaptação de O Grande Gatsby, de Baz Luhrmann, ainda mais que o filme abrirá o festival. Mulligan ainda compete pelo novo filme dos irmãos Coen, Inside Llewyn Davis, que conta também com Justin Timberlake e John Goodman. E ainda estão convidados Ryan Gosling e Kristin Scott Thomas pelo novo filme de Nicolas Winding Refn, Only God Forgives, que aborda uma vingança no submundo do crime em Bangkok.

Carey Mulligan e Justin Timberlake em Inside Llewyn Davis

Carey Mulligan e Justin Timberlake em Inside Llewyn Davis (photo by http://www.elfilm.com)

Apesar de contar também com a presença das estrelas Joaquin Phoenix, Jeremy Renner e Marion Cotillard, vale a pena ficar atento ao novo filme James Gray, The Immigrant (Lowlife). Embora seja relativamente jovem, o diretor tem chamado atenção por seu trabalho com o elenco, tendo valorizado o potencial de Joaquin Phoenix através dos filmes Os Donos da Noite (2007) e Amantes (2008). Talvez um dos prêmios de atuação saia deste filme.

Joaquin Phoenix e Marion Cotillard em The Immigrant, de James Gray (photo by www.elfilm.com

Joaquin Phoenix e Marion Cotillard em The Immigrant, de James Gray (photo by http://www.elfilm.com

E pra fechar, a indicação de Le Passé (The Past) possibilita o público de conferir o primeiro filme do iraniano Asghar Farhadi depois do sucesso de A Separação (vencedor do Urso de Ouro e o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro) numa produção em língua francesa, dirigindo a atriz Bérènice Bejo (de O Artista).

Bérènice Bejo em Le Passé (The Past), do iraniano Asghar Farhadi (photo by www.cineimage.ch)

Bérènice Bejo em Le Passé (The Past), do iraniano Asghar Farhadi (photo by http://www.cineimage.ch)

O Festival de Cannes também oferece outras seleções, sendo a mais instigante a Mostra Un Certain Regard, que visa buscar um olhar inovador que reflita os problemas dos tempos atuais. Em 2012, o mexicano Depois de Lúcia se sagrou vencedor dessa competição ao questionar a eficiência do sistema educacional (confira post sobre o filme em https://cinemaoscareafins.wordpress.com/2013/03/24/depois-de-lucia-despues-de-lucia-de-michel-franco-2012/).

Seleção Un Certain Regard

Seleção Un Certain Regard

UN CERTAIN REGARD (Um Certo Olhar):

The Bling Ring, de Sofia Coppola
Omar, de Hany Abu-Assad
Death March, de Adolfo Alix Jr.
Fruitvale, de Ryan Coogler
Les Salauds, de Claire Denis
Norte, Hangganan Ng Kasaysayan (Norte, the End of History), de Lav Diaz
As I Lay Dying, de James Franco
Miele, de Valeria Golino
L’Inconnu du Lac, de Alain Guiraudie
Bends, de Flora Lau
L’Image Manquante, de Rithy Panh
La Jaula de Oro, de Diego Quemada-Diez
Sarah Préfère la Course (Sarah Would Rather Run), de Chloé Robichaud
Grand Central, de Rebecca Zlotowski

FORA DE COMPETIÇÃO

All is Lost, de J.C. Chandor
Blood Ties, de Guillaume Canet

Resumidamente, vale destacar a forte presença de Sofia Coppola com o filme pop The Bling Ring, sobre uma gangue real de jovens de classe média alta roubando casas de celebridades em Beverly Hills. Coppola apostou suas fichas na jovem Emma Watson, da extinta cinessérie Harry Potter, que comprova que cresceu uma bela atriz.

Emma Watson (à dir.) em cena de The Bling Ring (photo by OutNow.CH)

Emma Watson (à dir.) em cena de The Bling Ring (photo by OutNow.CH)

Os atores James Franco e Valeria Golino foram selecionados por trabalhos na direção, denotando uma forte tendência de novos diretores oriundos da escola de atuação tendo como forte referência Ben Affleck (vencedor do Oscar de Melhor Filme por Argo).

E Fruitvale, de Ryan Coogler, que já ganhou o Grande Prêmio do Jury – Dramático no Festival de Sundance, volta a concorrer por outro importante reconhecimento em Cannes, podendo seguir os mesmos passos de Indomável Sonhadora, de Benh Zeitlin.

O Festival de Cannes 2013 tem início no dia 15 de maio e vai até o dia 26, quando serão divulgados os vencedores desta edição.

‘Argo’ vence o Producers Guild Awards 2013

Vitória do produtor Ben Affleck por Argo no PGA Awards

Vitória do produtor Ben Affleck por Argo no PGA

Há cinco anos, o vencedor do Producers Guild of America Awards (PGA) coincide com o vencedor do Oscar de Melhor Filme. Como parâmetro para o Oscar, o PGA só perde para o Directors Guild of America (DGA). A última vez que houve divergência entre os vencedores foi em 2007, quando Pequena Miss Sunshine não levou o Oscar.

2007: Pequena Miss Sunshine
2008: Onde os Fracos Não Têm Vez
2009: Quem Quer Ser um Milionário?
2010: Guerra ao Terror
2011: O Discurso do Rei
2012: O Artista
2013: Argo

Se as previsões se mantiverem, Argo deve levar o Oscar de Melhor Filme, reconhecimento merecido aos produtores. Ainda nessa mesma hipótese, acontecerá um fato que não ocorria desde 1990, quando Conduzindo Miss Daisy saiu vencedor no Oscar sem ter seu diretor sequer indicado na categoria de Melhor Diretor, o que levanta a seguinte questão: “Como pode um filme ser eleito o melhor sem a importante colaboração de seu diretor?”

Seguindo essa lógica, o fato de um indicado a Melhor Filme não ter seu diretor indicado reduz drasticamente suas chances. Este ano, filmes considerados fortes e bem avaliados pela crítica como A Hora Mais Escura, Os Miseráveis, Django Livre e o próprio Argo despencaram na casa de apostas simplesmente porque seus diretores Kathryn Bigelow, Tom Hooper, Quentin Tarantino e Ben Affleck, respectivamente, não receberam indicações para Melhor Diretor.

Como já explicado em posts anteriores, a Academia estava farta de ser tachada de ‘previsível’ e resolveu fazer mudanças drásticas do ponto de vista conservador: adiantaram o anúncio dos indicados para três dias antes da cerimônia do Globo de Ouro. A estratégia era ser menos dependente dos resultados de organizações alheias e surpreender a mídia e o público.

Se formos pensar dessa maneira, a Academia realmente surpreender, principalmente na categoria de Direção. Excluiu favoritos como Affleck e Bigelow para incluírem Michael Haneke e Benh Zeitlin. Nada contra os contemplados do reconhecimento, mas os mesmos estrategistas do Oscar não poderiam ter deixado de lado os diretores mais premiados da temporada. A surpresa da Academia acabou revoltando alguns cinéfilos, porque a indicação de Ben Affleck coroaria a ascensão de um jovem diretor, destoando completamente de sua carreira como ator.

Os cinco indicados para Melhor Diretor no painel do anúncio (photo by straitstimes.com)

Os cinco indicados para Melhor Diretor no painel do anúncio (photo by straitstimes.com)

A esta altura, os responsáveis pelas indicações ao Oscar já devem estar se remoendo de arrependimento. Tenho certeza de que se pudessem voltar no tempo ou mesmo criar uma sexta vaga na categoria, Ben Affleck já estaria garantido. A situação ainda pode piorar se ele também ganhar o DGA Awards no dia 02 de fevereiro.

Talvez a solução para o Oscar seja premiar o recordista de indicações Lincoln e seu diretor Steven Spielberg a fim de surpreender até o fim e tentar maquiar a ausência de Affleck.

Já na categoria de Melhor Animação, Detona Ralph bateu outros favoritos como Frankenweenie e Valente (vencedor do Globo de Ouro), reforçando as chances do filme sobre personagens de video-game sair vitorioso na noite do Oscar. O mesmo ocorre com o documentário Searching for Sugar Man, que já havia vencido o National Board of Review.

O diretor Rich Moore (a dir) e o produtor Clark Spencer em pré-estréia de Detona Ralph, vencedor de Melhor Animação no PGA(photo by zimbio.com)

O diretor Rich Moore (a esq.) e o produtor Clark Spencer em pré-estréia de Detona Ralph, vencedor de Melhor Animação no PGA (photo by zimbio.com)

Segue a lista de vencedores do PGA 2013:

FILME
Argo
Produtores: Ben Affleck, George Clooney, Grant Heslov

ANIMAÇÃO
Detona Ralph
Produtor: Clark Spencer

DOCUMENTÁRIO
Searching For Sugar Man
Produtores: Malik Bendjelloul, Simon Chinn

TELEVISÃO

FILME DE TV OU MINI-SÉRIES:
Virada no Jogo (Game Change) (HBO)
Produtores: Gary Goetzman, Tom Hanks, Jay Roach, Amy Sayres, Steven Shareshian, Danny Strong

DRAMA

Homeland (Showtime)
Produtores: Henry Bromell, Alexander Cary, Michael Cuesta, Alex Gansa, Howard Gordon, Chip Johannessen, Michael Klick, Meredith Stiehm

COMÉDIA
Modern Family (ABC)
Produtores: Cindy Chupack, Paul Corrigan, Abraham Higginbotham, Ben Karlin, Steven Levitan, Christopher Lloyd, Jeff Morton, Dan O’Shannon, Jeffrey Richman, Chris Smirnoff, Brad Walsh, Bill Wrubel, Danny Zuker

NÃO-FICÇÃO
American Masters (PBS)
Produtores: Prudence Glass, Susan Lacy, Julie Sacks

ENTRETENIMENTO AO VIVO E ENTREVISTAS
The Colbert Report (Comedy Central)
Produtores: Meredith Bennett, Stephen Colbert, Richard Dahm, Paul Dinello, Barry Julien, Matt Lappin, Emily Lazar, Tanya Michnevich Bracco, Tom Purcell, Jon Stewart

COMPETIÇÃO
The Amazing Race (CBS)
Produtores: Jerry Bruckheimer, Elise Doganieri, Jonathan Littman, Bertram van Munster, Mark Vertullo

ESPORTES
Real Sports with Bryant Gumbel (HBO)

INFANTIL
Sesame Street (PBS)

SÉRIES DA WEB
30 Rock: The Webisodes (www.nbc.com)