NATIONAL BOARD OF REVIEW premia ‘GREEN BOOK: O GUIA’ como MELHOR FILME

 

Film Title: Green Book

Viggo Mortensen contracena com Mahershala Ali em cena de Green Book: O Guia

FILME-FÓRMULA SOBRE RELAÇÃO INTER-RACIAL CONQUISTA O NBR

O National Board of Review divulgou sua seleção de 2018 hoje, dia 27 de novembro. De todos os prêmios da crítica, o NBR é o que mais perdeu credibilidade nos últimos anos. Não somente por não prever os filmes do Oscar, mas por reconhecer produções de qualidade meio duvidosa.

Em 2017, a organização composta por cineastas, profissionais e acadêmicos concedeu o prêmio de Melhor Filme para The Post: A Guerra Secreta. Fala sério! Até o Spielberg sabe que este foi um de seus piores trabalhos! Em 2015, deram os prêmios de Ator para Matt Damon e Diretor para Ridley Scott por Perdido em Marte. E em 2014, premiaram O Ano Mais Violento como Melhor Filme e seus atores Oscar Isaac e Jessica Chastain.

Este ano, o NBR premiou Green Book: O Guia como Melhor Filme, e reconheceram Viggo Mortensen como Melhor Ator. Até então, o filme dirigido por Peter Farrelly tinha como maior reconhecimento em seu currículo o prêmio do People’s Choice Award no Festival de Toronto. Pode ser um ótimo filme? Sim, claro. Mas pelas críticas até o momento, o filme seria uma versão masculina da fórmula batida de Estrelas Além do Tempo e Histórias Cruzadas, ambos indicados ao Oscar de Melhor Filme. A questão racial continua em alta em Hollywood e Green Book certamente fará a alegria da ideologia do politicamente correto.

A Star is Born

Vencedores do NBR, Lady Gaga e Bradley Cooper em cena de Nasce uma Estrela (pic by OutNow.CH)

Pelas categorias de atuação, o histórico dos últimos cinco anos não é nada bom. Três acertos em 20 possíveis em relação ao Oscar, ou seja, Viggo Mortensen, Lady Gaga, Sam Elliott e Regina King não se animem muito! Com exceção de Elliott, acredito que os outros três vencedores estarão entre os futuros indicados pela Academia, mas mesmo assim, as chances de vitória ainda são relativamente baixas.

Pelas categorias de Roteiro, tanto Paul Schrader, que acabou de levar o Gotham Awards por First Reformed, como Barry Jenkins por Se a Rua Beale Falasse, devem ser figuras presentes durante toda esta temporada. Por se tratar de um filme meio pesado pela temática e até filosófico demais para o Oscar, acreditava que Schrader morreria na praia, mas com esses prêmios recentes, sua campanha pode deslanchar de vez. Já Jenkins, já premiado por Moonlight, não deve encontrar dificuldades de ser indicado novamente.

Honestamente, fiquei um pouco surpreso com a vitória de Bradley Cooper como Diretor por Nasce uma Estrela. Não que não mereça tal honraria, mas por se tratar de uma estréia na direção, poderiam tê-lo premiado como Diretor Estreante, que foi para Bo Burnham, merecidamente, por Oitava Série.

Dentre os filmes totalmente ignorados pelo NBR estão A Favorita, do Yorgos Lanthimos (nenhuma das três atrizes deu as caras por aqui), O Primeiro Homem, de Damien Chazelle, o Vice, de Adam McKay, e o Infiltrado na Klan, de Spike Lee.

Por preferência pessoal, votaria em Ilha dos Cachorros no lugar de Os Incríveis 2 como Melhor Longa de Animação, e votaria no sul-coreano Em Chamas no lugar do polonês Guerra Fria como Filme em Língua Estrangeira. Aliás, foi uma surpresa Roma, de Alfonso Cuarón, não ter sido o premiado aqui, mas ficou entre os cinco melhores.

Cold War 2

Joanna Kulig e Tomasz Kot em cena de Guerra Fria (pic by OutNow.CH)

Apesar da lista de vencedores já ter sido divulgada, a cerimônia de entrega dos prêmios só acontecerá no dia 08 de janeiro em Nova York.

Vencedores do National Board of Review 2018:

FILME
Green Book: O Guia (Green Book)

DIREÇÃO
Bradley Cooper (Nasce uma Estrela)

ATOR
Viggo Mortensen (Green Book: O Guia)

ATRIZ
Lady Gaga (Nasce uma Estrela)

ATOR COADJUVANTE
Sam Elliott (Nasce uma Estrela)

ATRIZ COADJUVANTE
Regina King (Se a Rua Beale Falasse)

ROTEIRO ORIGINAL
Paul Schrader (First Reformed)

ROTEIRO ADAPTADO
Barry Jenkins (Se a Rua Beale Falasse)

LONGA DE ANIMAÇÃO
Os Incríveis 2 (Incredibles 2)

REVELAÇÃO
Thomasin McKenzie (Não Deixe Rastros)

DIRETOR ESTREANTE
Bo Burnham (Oitava Série)

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
Guerra Fria (Zimna wojna), de Pawel Pawlikowski

DOCUMENTÁRIO
RBG, de Julie Cohen e Betsy West

ELENCO
Podres de Ricos (Crazy Rich Asians)

WILLIAM K. EVERSON FILM HISTORY AWARD
O Outro Lado do Vento (The Other Side of the Wind), de Orson Welles

Serei Amado Quando Morrer (They’ll Love Me When I’m Dead), de Morgan Neville

NBR FREEDOM OF EXPRESSION AWARD
22 de Julho (22 July), de Paul Greengrass
On Her Shoulders, de Alexandria Bombach

TOP 10 FILMES (em ordem alfabética)
The Ballad of Buster Scruggs
Pantera Negra (Black Panther)
Poderia me Perdoar? (Can You Ever Forgive Me?)
Oitava Série (Eighth Grade)
First Reformed
Se a Rua Beale Falasse (If Beale Street Could Talk)
O Retorno de Mary Poppins (Mary Poppins Returns)
Um Lugar Silencioso (A Quiet Place)
Roma
Nasce uma Estrela (A Star Is Born)

TOP 5 FILMES EM LÍNGUA ESTRANGEIRA (in alphabetical order)
Em Chamas (Beoning)
Custódia (Jusqu’à la garde)
A Culpa (Den skyldige)
Happy as Lazzaro (Lazzaro Felice)
Assunto de Família (Manbiki kazoku)

TOP 5 DOCUMENTÁRIOS (in alphabetical order)
Crime + Punishment
Free Solo
Minding the Gap
Three Identical Strangers
Won’t You Be My Neighbor?

TOP 10 FILMES INDEPENDENTES (in alphabetical order)
A Morte de Stalin (The Death of Stalin)
A Rota Selvagem (Lean on Pete)
Não Deixe Rastros (Leave No Trace)
Mid90s
The Old Man & the Gun
Domando o Destino (The Rider)
Buscando… (Searching)
Sorry to Bother You
We the Animals
Você Nunca Esteve Realmente Aqui (You Were Never Really Here)

Apostas para o Oscar 2015

MELHOR FILME

Boyhood: Da Infância à Juventude (Boyhood)

Boyhood: Da Infância à Juventude (Boyhood)

Indicados:

– Sniper Americano
– Birdman
– Boyhood: Da Infância à Juventude
– O Grande Hotel Budapeste
– O Jogo da Imitação
– Selma: A Luta Pela Igualdade
– A Teoria de Tudo
– Whiplash: Em Busca da Perfeição

DEVE GANHAR: Boyhood: Da Infância à Juventude
DEVERIA GANHAR: Boyhood: Da Infância à Juventude
ZEBRA: Selma: Uma Luta Pela Igualdade

ESNOBADO: Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo

Quando vi Boyhood, na hora pensei no Oscar de Melhor Filme, assim como quando vi 12 Anos de Escravidão, tive a mesma visão. O projeto ambicioso de 12 anos de Richard Linklater tem cara de Oscar de Melhor Filme e acho que merece ser reconhecido por seu esforço descomunal, além de ter alterado para sempre qualquer filme sobre amadurecimento.

Mas o filme perdeu muito de sua força depois que perdeu para Birdman como Melhor Filme no PGA, sindicato dos produtores, que costuma acertar bem os vencedores desta categoria. E outra vantagem que Birdman possui é que a maioria dos 6 mil votantes do Oscar é ator ou atriz, e eles adoraram esse filme justamente por sua temática teatral, afinal, só um ator sabe como é ficar no ostracismo por anos e tentar um retorno triunfal como faz o personagem de Michael Keaton.

Nessa briga entre os dois filmes, curiosamente, Sniper Americano tem surpreendido como elemento surpresa. Sua bilheteria americana de mais de 300 milhões de dólares (até o momento) tem chamado muito a atenção, além da sua polêmica envolvendo o tratamento da Guerra do Iraque (os iraquianos quase não têm falas e o protagonista mata uma criança e sua mãe – com razão – mas mata).

Normalmente, a Academia se mostra mais conservadora, e prefere ficar longe de polêmicas, mas o crescimento do filme de Clint Eastwood tem sido impossível de ficar indiferente. Uma escolha excelente seria O Grande Hotel Budapeste, que ainda por cima, deve ganhar várias estatuetas, mas boa parte dos especialistas defendem que o filme de Wes Anderson não tem o peso para ganhar um prêmio de tamanha importância como o Oscar de Melhor Filme. Muitos o enxergam apenas como uma trama de assassinato bonita. E o mesmo vale para Whiplash, que seria pequeno demais para um prêmio grande demais.

Por outro lado, Selma: Uma Luta Pela Igualdade tem o tal peso que os especialistas falam, mas só foi indicado a Filme e Canção Original. Seria praticamente impossível essa vitória, por mais que o Oscar de canção esteja garantido. Além disso, o filme só foi indicado a Filme por causa da campanha levantada por Oprah Winfrey, que além de atuar, também é produtora do longa. Muito provavelmente, sem Winfrey, o filme jamais teria saído do papel, pois nenhum grande estúdio se interessou.

MELHOR DIRETOR

Indicados:

– Wes Anderson (O Grande Hotel Budapeste)
– Alejandro González Iñárritu (Birdman)
– Richard Linklater (Boyhood: Da Infância à Juventude)
– Bennett Miller (Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo)
– Morten Tyldum (O Jogo da Imitação)

Alejandro González Iñárritu com o ator Michael Keaton em set de Birdman (photo by outnow.ch)

Alejandro González Iñárritu com o ator Michael Keaton em set de Birdman (photo by outnow.ch)

DEVE GANHAR: Alejandro González Iñárritu (Birdman)
DEVERIA GANHAR: Wes Anderson (O Grande Hotel Budapeste)
ZEBRA: Morten Tyldum (O Jogo da Imitação)

ESNOBADO: Damien Chazelle (Whiplash: Em Busca da Perfeição)

O Oscar de direção tá concorrido este ano. Alejandro González Iñárritu está ligeiramente na frente por ter vencido o DGA (Directors Guild of America), mas Richard Linklater ganhou o Globo de Ouro e o Critics’ Choice Awards. E a divisão de votos entre ambos pode muito bem beneficiar Wes Anderson, que está logo atrás por O Grande Hotel Budapeste. E não dá pra simplesmente descartar Bennett Miller, pois foi o elemento surpresa da categoria e pode surpreender, mesmo que seu Foxcatcher não esteja entre os indicados a Melhor Filme.

Em termos de mérito, Linklater ganha muitos pontos por ter se dedicado por 12 anos a um projeto que ninguém se interessou. Se ele perder na categoria de Roteiro Original, deve levar Diretor. Já o mexicano Iñárritu desempenha o papel do diretor que se faz presente no estilo do filme. Alguns consideram mão pesada seus longos planos-sequência, enquanto outros o consagram pela tensão originada pelos mesmos.

Apesar de todas as controvérsias deste ano na categoria como as ausências de Ava DuVernay (Selma), Angelina Jolie (Invencível) e Clint Eastwood (Sniper Americano), acho que todos os diretores estão bem representados aqui, inclusive o norueguês Morten Tyldum (O Jogo da Imitação), que achei que não seria indicado por ser meio desconhecido. Seu filme anterior, Headhunters, é um ótimo thriller estilo A Conversação que merece ser visto (só peca pelo excesso de redundância no final). Mas eu incluiria o jovem Damien Chazelle como forma de encorajá-lo ainda mais para os próximos projetos, assim como a Academia fez com o jovem Benh Zeitlin por Indomável Sonhadora há dois anos.

MELHOR ATOR

Indicados:

– Steve Carell (Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo)
– Bradley Cooper (Sniper Americano)
– Benedict Cumberbatch (O Jogo da Imitação)
– Michael Keaton (Birdman)
– Eddie Redmayne (A Teoria de Tudo)

Esforços do ator Eddie Redmayne devem impressionar mais do que a maquiagem em A Teoria de Tudo (photo by elfilm.com)

Eddie Redmayne  em A Teoria de Tudo (photo by elfilm.com)

DEVE GANHAR: Eddie Redmayne (A Teoria de Tudo)
DEVERIA GANHAR: Benedict Cumberbatch (O Jogo da Imitação)
ZEBRA: Steve Carell (Foxcatcher)

ESNOBADO: Jake Gyllenhaal (O Abutre)

Muito se fala da cartilha para se ganhar o Oscar de atuação, na qual se lê muito das transformações físicas para obter a consistência do personagem. Para isso, muitos dos vencedores emagreceram, engordaram, usaram próteses de nariz e dentes, e este ano, Eddie Redmayne chegou a entortar sua espinha tamanha sua obsessão em se tornar Stephen Hawking. Esse tipo de sacrifício vale um Oscar. A Teoria de Tudo é um filme clichê, sim, mas vale a pena pra ver a transformação do ator gradativamente. Contudo, particularmente, considero sua atuação fraca. Claro que ele faz caras e bocas, mas parece que ele está mais preocupado em reproduzir os macetes da figura de Stephen Hawking do que propriamente construir e desenvolver seu personagem.

Em termos de atuação mesmo, prefiro Benedict Cumberbatch, que consegue captar nuances com um simples olhar ou um gesto. Em O Jogo da Imitação, ele faz Alan Turing, o matemático homossexual que quebrou o código Enigma usado pelos nazistas.  Ou a atuação de Michael Keaton como Riggan. Assim como Mickey Rourke fez em O Lutador, Keaton explora e extrai de sua vida pessoal experiências necessárias para a construção e consistência de seu personagem, que busca um retorno triunfal na Broadway. Se a maioria dos votantes considerar que Redmayne é muito jovem para ter um Oscar (ele tem 33), Michael Keaton leva.

Curiosamente, excetuando Bradley Coooper, todos os demais estão em sua primeira indicação ao Oscar. E o que dá ainda mais vantagem para Cooper é que esta é sua terceira indicação consecutiva: ele foi indicado por O Lado Bom da Vida e Trapaça. Quer mais? Sniper Americano está concorrendo a 6 estatuetas, incluindo Melhor Filme, e tem a maior bilheteria de todos os indicados, ultrapassando a marca dos 300 milhões só em território americano. Essas cartas na manga normalmente contribuem muito para que a Academia conceda seus prêmios, e como Clint Eastwood não foi indicado, pode sobrar um Oscar surpresa para Bradley Cooper.

Tudo bem que a Academia não curte filmes sombrios do tipo de O Abutre, mas a ausência de Gyllenhaal nesta categoria é um ultraje. Indicado anteriormente como coadjuvante em 2006 por O Segredo de Brokeback Mountain, ele segue à risca os anais da transformação física que leva ao Oscar ao perder 10 quilos, buscando realçar o brilho dos olhos ao evitar de piscá-los.

MELHOR ATRIZ

Indicadas:

– Marion Cotillard (Dois Dias, Uma Noite)
– Julianne Moore (Para Sempre Alice)
– Felicity Jones (A Teoria de Tudo)
– Rosamund Pike (Garota Exemplar)
– Reese Witherspoon (Livre)

Julianne Moore em Para Sempre Alice (photo by cinemagia.ro)

Julianne Moore em Para Sempre Alice (photo by cinemagia.ro)

DEVE GANHAR: Julianne Moore (Para Sempre Alice)
DEVERIA GANHAR: Julianne Moore (Para Sempre Alice)
ZEBRA: Felicity Jones (A Teoria de Tudo)

ESNOBADO: Keira Knightley (Mesmo se Nada Der Certo)

Sabe aquele papo de “dá logo o Oscar pra ela”? . Claro que o papel que ela desempenha em Para Sempre Alice ajuda bastante, já que ela interpreta uma personagem que sofre de Mal de Alzheimer precoce. Mas engana-se aquele que acha que qualquer atriz mediana daria conta do recado. O “problema” é que Julianne tira de letra a personagem sem fazer muito esforço.

Talvez em um ano mais disputado, ela teria que suar um pouco mais a camisa para conquistar a estatueta. A grande surpresa da categoria foi a francesa Marion Cotillard, que concorre pelo filme belga Dois Dias, Uma Noite. Só o fato de ela ter batido as favoritas à indicação, Jennifer Aniston (Cake: Uma Razão Para Viver) e Amy Adams (Grandes Olhos), já a coloca como uma vitoriosa, mas sua atuação como uma trabalhadora que busca convencer seus colegas de trabalho a não perder o emprego é digna de nota. Ao contrário da maioria das atrizes, Cotillard se despe de qualquer vaidade em prol da personagem, que até tem uma postura levemente curvada de fracasso. Para sua infelicidade, como ela já havia ganhado o Oscar por Piaf – Um Hino ao Amor em 2008, suas chances são baixas.

Rosamund Pike era vista como uma concorrente em potencial por sua atuação elétrica em Garota Exemplar, mas como o filme não obteve mais nenhuma indicação, sua campanha enfraqueceu consideravelmente. Já Reese Witherspoon pode ser considerado aquele caso de atriz bonitinha que saiu da zona de conforto (também literalmente), pois sua personagem Cheryl Strayed percorre vários quilômetros numa busca por sua identidade, mas que apresenta consistência dramática beirando o 0%.

MELHOR ATOR COADJUVANTE

Indicados:

– Robert Duvall (O Juiz)
– Ethan Hawke (Boyhood: Da Infância à Juventude)
– Edward Norton (Birdman)
– Mark Ruffalo (Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo)
– J.K. Simmons (Whiplash: Em Busca da Perfeição)

J.K. Simmons (Whiplash: Em Busca da Perfeição) - photo by elfilm.com

J.K. Simmons em Whiplash: Em Busca da Perfeição (photo by elfilm.com)

DEVE GANHAR: J.K. Simmons (Whiplash: Em Busca da Perfeição)
DEVERIA GANHAR: J.K. Simmons (Whiplash: Em Busca da Perfeição)
ZEBRA: Robert Duvall (O Juiz)

ESNOBADO: Riz Ahmed (O Abutre)

Não importa o quanto você tenha gostado da performance de Edward Norton ou Mark Ruffalo, o Oscar é de J.K. Simmons, e com méritos. Toda grande atuação começa com um bom papel e o monstruoso professor de música Fletcher que usa torturas psicológicas como método de ensino é um material de primeira qualidade, que caiu como uma luva para Simmons. Apesar de apresentar semelhanças com o chefe do Homem-Aranha, J.J. Jameson, em termos de rabugice, em Whiplash, ele consegue humanizar o personagem na sequência em que ele toca piano num pub. Como se não bastasse, a Academia adora um personagem durão que rouba a cena. Foi assim com Louis Gossett Jr. em A Força do Destino e Jack Palance em Amigos, Sempre Amigos conseguiram seus Oscars de coadjuvante.

Quanto a Norton, fico feliz que ele tenha conseguido sua terceira indicação depois de 16 anos! No final dos anos 90, ele foi considerado um dos mais promissores talentos em Hollywood após as indicações por As Duas Faces de um Crime em 1997 e A Outra História Americana em 1999, além de ter atuado no cult Clube da Luta. Em Birdman, ele desempenha uma tarefa complicada: interpretar um ator egocêntrico sem cair no clichê. Pena que seu personagem não teve mais participação na segunda metade do filme, pois merecia mais destaque.

Já Ruffalo… o que dizer? É um ator sutilmente multifacetado, que cedo ou tarde terá seu Oscar. Por Foxcatcher, assim como seu colega Channing Tatum, teve intenso treinamento de wrestling, ganhando massa muscular, mas também foi responsável pelo equilíbrio da história ao trazer uma boa dose de humanismo ao universo frio do multimilionário John Du Pont. Esta é sua segunda indicação depois de Minhas Mães e Meu Pai (2010).

Agora, no quesito humanismo, Ethan Hawke tira de letra em Boyhood. Ele pode ser um pai ausente para Mason, mas nos momentos em que volta, consegue compensá-lo e colaborar bastante em seu amadurecimento como homem. É um pai que todo garoto gostaria de ter, que conta os segredos de pegar meninas e bebe junto. E como Hawke já é um colaborador assíduo do diretor Richard Linklater, percebe-se nitidamente que ele está completamente à vontade no papel ao longo dos 12 anos do projeto. Sua vitória seria uma grata surpresa.

E Robert Duvall basicamente está na lista para dar uma credibilidade de veterano. Não que ele esteja mal em O Juiz, mas se fosse um ano mais disputado, ele poderia não estar na lista. Ainda pra sorte de Duvall, não houve muitos esnobados este ano.

A performance do novato Riz Ahmed como o ingênuo aprendiz Rick em O Abutre foi bastante simbólica. Ele representa toda uma classe de imigrantes latinos que lutam por oportunidades de empregos nos EUA ao mesmo tempo em que coletam migalhas para sobreviver. Uma indicação certamente deslancharia sua carreira, mas se ele fizer as escolhas certas nos próximos projetos, ele tem tudo para crescer em Hollywood.

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Indicadas:

– Patricia Arquette (Boyhood: Da Infância à Juventude)
– Laura Dern (Livre)
– Keira Knightley (O Jogo da Imitação)
– Emma Stone (Birdman)
– Meryl Streep (Caminhos da Floresta)

Patricia Arquette com o pequeno Ellar Coltrane em cena de Boyhood: Da Infância à Juventude

Patricia Arquette em Boyhood: Da Infância à Juventude (photo by outnow.ch)

DEVE GANHAR: Patricia Arquette (Boyhood: Da Infância à Juventude)
DEVERIA GANHAR: Patricia Arquette (Boyhood: Da Infância à Juventude)
ZEBRA: Meryl Streep (Caminhos da Floresta)

ESNOBADA: Jessica Chastain (O Ano Mais Violento) e Tilda Swinton (Expresso do Amanhã)

Patricia Arquette ganhou todos os prêmios que podia como atriz coadjuvante, tanto que as concorrentes já devem ir ao Oscar cientes de que vão ficar sentadas nas poltronas. Caso o filme não fosse sobre o crescimento do menino Mason (Ellar Coltrane), Arquette facilmente seria o centro de tudo. Sua personagem passa por maus bocados mas sempre com a cabeça erguida como uma representante da mulher do século XXI. Sua cena mais marcante, obviamente, é aquela em que se indigna com a saída do filho para a faculdade: “Então é só isso? Achei que havia mais…” – é de cortar o coração.

Entre as demais candidatas, Emma Stone consegue extrair uma vulnerabilidade de sua personagem sarcástica, mantendo uma postura misteriosa sobre seu passado com as drogas depois que seu pai a abandonou. Talvez não seja material de Oscar, mas sua interpretação ajuda Birdman a construir um belo mosaico de personagens.

Não gosto muito de Livre, mas ao sair da sessão, fiquei com o pensamento de que Laura Dern merecia mais tempo de tela. Sua personagem, uma mãe que descobre ter câncer quando planeja recomeçar a vida, só aparece em flashbacks curtos. E aí fica a impressão de que a Academia só a indicou pelo papel (e o sobrenome), e não pela atuação. Dern faz o que pode nos minutos que tem, mas não passa de uma memória da protagonista vivida por Reese Witherspoon.

Não gosto de botar Meryl Streep no patamar de zebra, mas neste caso, ela faz o mesmo papel de Robert Duvall: dar credibilidade à categoria com toda sua experiência. Seu melhor momento no musical Caminhos da Floresta é quando canta “Stay With Me”, quando demonstra uma vulnerabilidade, e obviamente, a transformação de Streep como a bruxa com a ajuda da maquiagem já chama a atenção, mas tudo isso não é o suficiente para ganhar uma quarta estatueta do Oscar. Esta é sua 19ª indicação. Alguém duvida que ela ultrapassa as 20?

Assim como em 2011, quando Jessica Chastain teve vários trabalhos lançados no mesmo ano e acabou indicada por Histórias Cruzadas, em 2014, ela também estrelou várias produções como Interestelar, Miss Julie, Dois Lados do Amor e O Ano Mais Violento, pelo qual ganhou o prêmio de coadjuvante no National Board of Review (NBR), então por que não uma nova indicação? De qualquer forma, Chastain também é daqueles talentos que já tem seu Oscar garantido no futuro… E Tilda Swinton foi bastante elogiada pela ficção científica futurista Expresso do Amanhã, mas como a Academia não curte o gênero…

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL

À esquerda, Ralph Fiennes como o concierge Gustave com o seu leal lobby boy Zero, interpretado por Tony Revolori (photo by outnow.ch)

À esquerda, Ralph Fiennes como o concierge Gustave com o seu leal lobby boy Zero, interpretado por Tony Revolori (photo by outnow.ch)

Indicados:

– Richard Linklater (Boyhood: Da Infância à Juventude)
– Alejandro González Iñárritu, Nicolás Giacobone, Alexander Dinelaris, Armando Bo (Birdman)
– E. Max Frye, Dan Futterman (Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo)
– Wes Anderson, Hugo Guinness (O Grande Hotel Budapeste)
– Dan Gilroy (O Abutre)

DEVE GANHAR: Wes Anderson, Hugo Guinness (O Grande Hotel Budapeste)
DEVERIA GANHAR: Wes Anderson, Hugo Guinness (O Grande Hotel Budapeste)
ZEBRA: Dan Gilroy (O Abutre)

ESNOBADO: Andrey Zvyagintsev e Oleg Negin (Leviatã)

Embora o roteiro de Birdman tenha faturado alguns prêmios importantes como o Globo de Ouro, não chega à ótima elaboração de O Grande Hotel Budapeste com sua trama de assassinato que lembra uma Agatha Christie, mas com um humor que somente Wes Anderson conseguiria imprimir. Além disso, possui uma ampla gama de personagens interessantes que se cruzam em vários linhas narrativas. Como se não bastasse o Oscar que a Academia anda devendo a Anderson, ela adora tramas mirabolantes como a premiada de Assassinato em Gosford Park (2001).

Já os roteiros de Foxcatcher e O Abutre são sombrios demais para ganhar o Oscar. Claro que são bem escritos e defendidos por ótimos atores, mas não vejo a Academia os premiando. Já a presença de Boyhood aqui parece mais garantir que o filme seja premiado de alguma forma do que propriamente pela qualidade do roteiro. Talvez se a campanha de Leviatã fosse mais forte, seus roteiristas poderiam concorrer ao Oscar de roteiro original também. Eles conseguem fazer uma ótima metáfora de uma história bíblica de Jó ao adaptá-la para a Rússia dos dias de hoje, comandada por Vladimir Putin e a Igreja. O filme levou o prêmio de roteiro no último Festival de Cannes.

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO

Keira Knightley (The Imitation Game) - photo by outnow.ch

Keira Knightley, Benedict Cumberbatch em cena de O Jogo da Imitação– photo by outnow.ch

Indicados:

– Jason Hall (Sniper Americano)
– Paul Thomas Anderson (Vício Inerente)
– Graham Moore (O Jogo da Imitação)
– Anthony McCarten (A Teoria de Tudo)
– Damien Chazelle (Whiplash: Em Busca da Perfeição)

DEVE GANHAR: Graham Moore (O Jogo da Imitação)
DEVERIA GANHAR: Damien Chazelle (Whiplash: Em Busca da Perfeição)
ZEBRA: Jason Hall (Sniper Americano)

ESNOBADO: James Gunn e Nicole Perlman (Guardiões da Galáxia)

A campanha de O Jogo da Imitação foi boa, o que resultou em 8 indicações ao Oscar, mas na prática mesmo, nenhum prêmio está garantido. A única indicação que está mais próxima de se concretizar em uma estatueta é a de roteiro adaptado, mesmo com suas incoerências que alguns sites adoram citar (como o fato de que a máquina decodificadora não foi criada propriamente por Alan Turing, mas por poloneses). Trata-se de uma ótima forma da Academia compensar o filme de não sair de mãos vazias da cerimônia.

Contudo, em termos de roteiro, ainda prefiro o de Damien Chazelle. Claro que de longe, pode parecer uma história boba de aprendizado de música, mas olhando à fundo, ele aborda temas muito mais profundos como a própria existência, a exploração do dom de cada um e a obsessão em alcançar um objetivo. Os diálogos entre Fletcher (J.K. Simmons) e Andrew (Miles Teller) estão afiadíssimos e seus atores devem muito ao roteiro. Curiosidade: o filme originalmente concorria ao Oscar de roteiro original, mas a Academia considerou-o como roteiro adaptado depois que descobriu que houve um curta de mesmo nome em 2013 do mesmo diretor.

Eu poderia colocar o roteiro de Gillian Flynn (Garota Exemplar) ou Nick Hornby (Livre) como um dos esnobados, mas preferi incluir a adaptação dos quadrinhos de Guardiões da Galáxia. O universo dos personagens da Marvel era até então meio secundário, mas o roteiro soube captar tão bem o espírito desse quadrinho, que acabou se tornando esse sucesso inquestionável.

MELHOR FOTOGRAFIA

Emmanuel Lubezki (Birdman) - photo by outnow.ch

Edward Norton e Emma Stone em cena de Birdman – photo by outnow.ch

Indicados:

– Emmanuel Lubezki (Birdman)
– Robert D. Yeoman (O Grande Hotel Budapeste)
– Lukasz Zal, Ryszard Lenczewski (Ida)
– Dick Pope (Sr. Turner)
– Roger Deakins (Invencível)

DEVE GANHAR: Emmanuel Lubezki (Birdman)
DEVERIA GANHAR: Robert D. Yeoman (O Grande Hotel Budapeste)
ZEBRA: Dick Pope (Sr. Turner)

ESNOBADO: Daniel Landin (Sob a Pele)

Emmanuel Lubezki pode ter ganhado seu primeiro Oscar no ano passado por Gravidade, mas seu trabalho em Birdman foi tão além de saber onde botar a câmera e iluminar, que seria quase impossível ele não ser devidamente recompensado. Birdman não seria Birdman sem os vários planos-sequência (cenas sem cortes) bem pensados por ele e o diretor Alejandro González Iñárritu. Curiosamente, ele já havia trabalhado bem plano-sequência na ficção científica de seu colaborador assíduo, Alfonso Cuarón, em Filhos da Esperança. Por Birdman, Lubezki ganhou seu 4º prêmios ASC (do sindicato dos diretores de fotografia) e o BAFTA.

Particularmente, prefiro os trabalhos mais plásticos de Lubezki como A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça ou A Árvore da Vida, por isso, meu voto pessoal vai pra bela fotografia de Robert D. Yeoman em O Grande Hotel Budapeste. O filme de Wes Anderson casa tudo tão bem no departamento artístico, que a fotografia não poderia ficar de fora. Já meu voto de coração vai pra Roger Deakins, um dos melhores diretores de fotografia ativos. Esta é sua 12ª indicação sem vitória, mas a campanha do filme Invencível não anda tão invencível assim. Uma pena mesmo…

Sei que é experimental demais pro Oscar, mas gosto da fotografia de Sob a Pele. Pode não ter o plasticismo todo, mas possui ótimos ângulos que reforçam ainda mais o estranhismo desse filme.

MELHOR MONTAGEM

Da esquerda para a direita: Lorelei Linklater, Ethan Hawke e Ellar Coltrane em Boyhood: Da Infância à Juventude (photo by elfilm.com)

Da esquerda para a direita: Lorelei Linklater, Ethan Hawke e Ellar Coltrane em Boyhood: Da Infância à Juventude (photo by elfilm.com)

Indicados:

– Joel Cox, Gary Roach (Sniper Americano)
– Sandra Adair (Boyhood: Da Infância à Juventude)
– Barney Pilling (O Grande Hotel Budapeste)
– William Goldenberg (O Jogo da Imitação)
– Tom Cross (Whiplash: Em Busca da Perfeição)

DEVE GANHAR: Sandra Adair (Boyhood: Da Infância à Juventude)
DEVERIA GANHAR: Tom Cross (Whiplash: Em Busca da Perfeição)
ZEBRA: William Goldenberg (O Jogo da Imitação)

ESNOBADO: James Herbert e Laura Jennings (No Limite do Amanhã)

Como competir com um filme que teve material bruto de 12 anos para editar?? Seria até cruel por parte da Academia não premiar o trabalhoso esforço da montadora Sandra Adair em Boyhood. Claro que não premiariam apenas por quilometragem de película editada, mas Adair acerta o ritmo do filme, pois não se percebe que são quase 3 horas de duração, e na não-inclusão de legendas de tempo decorrido (tipo “1 ano depois”), o que certamente prejudicaria o bom andamento do longa.

Meu favorito indubitável é o trabalho de Tom Cross em Whiplash. Além de ter uma baita dor de cabeça para sincronizar todo aquele jazz com os cortes de forma mais imperceptível possível, ele criou um ritmo meio experimental que o tira do lugar comum dos filmes sobre música. Acho que está tão bem casado o tema com a montagem, que não vejo Whiplash nascer sem esses cortes.

As montagens de Sniper Americano e O Jogo da Imitação são boas. Basicamente, elas estão aí porque brincam com flashbacks. Coloquei William Goldenberg como azarão porque ele ganhou recentemente com Argo. Agora, poderiam ter incluído a bem elaborada montagem de No Limite do Amanhã. Claro que tem muito de Feitiço do Tempo, mas sem aquela montagem de repetição bem executada, o filme certamente falharia feio. Foi um dos filmes blockbusters mais elogiados de 2014, por que não inclui-lo na competição?

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

O belo trabalho de Adam Stockhausen em O Grande Hotel Budapeste (photo by elfilm.com)

O belo trabalho de Adam Stockhausen em O Grande Hotel Budapeste (photo by elfilm.com)

Indicados:

– Adam Stockhausen e Anna Pinnock (O Grande Hotel Budapeste)
– Maria Djurkovic e Tatiana Macdonald (O Jogo da Imitação)
– Nathan Crowley e Gary Fettis (Interestelar)
– Dennis Gassner e Anna Pinnock (Caminhos da Floresta)
– Suzie Davies e Charlotte Watts (Sr. Turner)

DEVE GANHAR: Adam Stockhausen e Anna Pinnock (O Grande Hotel Budapeste)
DEVERIA GANHAR: Adam Stockhausen e Anna Pinnock (O Grande Hotel Budapeste)
ZEBRA: Dennis Gassner e Anna Pinnock (Caminhos da Floresta)

Todos os trabalhos de design de produção têm suas peculiaridades. Caminhos da Floresta busca adaptar para o cinema a peça teatral da Broadway, usando árvores retorcidas fabricadas manualmente e alguns achados de locação como a torre da Rapunzel. A arte de Sr. Turner se baseia na palheta de cores das pinturas do próprio J.M.W. Turner para recriar seu estúdio. O design de O Jogo da Imitação se baseia em alguns desenhos do próprio Alan Turing e de sua máquina “Christopher”, e ao contrário da maioria dos filmes sobre a Segunda Guerra Mundial, apresenta cores mais quentes e vivas.

Interestelar tem toda aquela base secreta do lançamento da nave, a nave em si, o ambiente rural e dos planetas visitados pelos astronautas. Mas se for comparar ao design caprichadíssimo de O Grande Hotel Budapeste, seria covardia para os demais concorrentes. Não bastasse toda a decoração típica de hotéis de luxo do início do século XX, tem toda uma pesquisa das pinturas para preencher todas aquelas paredes. E o hotel em si é um personagem do filme. Não tem como bater isso.

MELHOR FIGURINO

Figurinos de Milena Canonero para O Grande Hotel Budapeste (photo by outnow,ch)

Figurinos de Milena Canonero para O Grande Hotel Budapeste (photo by outnow,ch)

Indicados:

– Milena Canonero (O Grande Hotel Budapeste)
– Mark Bridges (Vício Inerente)
– Colleen Atwood (Caminhos da Floresta)
– Anna B. Sheppard (Malévola)
– Jacqueline Durran (Sr. Turner)

DEVE GANHAR: Milena Canonero (O Grande Hotel Budapeste)
DEVERIA GANHAR: Milena Canonero (O Grande Hotel Budapeste)
ZEBRA: Colleen Atwood (Caminhos da Floresta)

ESNOBADO: Sonia Grande (Magia ao Luar)

Normalmente, o vencedor desta categoria apresenta figurinos de época e que tenham um peso na trama como Memórias de uma Gueixa ou Maria Antonieta, aliás, desenhados pela indicada e favorita Milena Canonero. O que dizer da figurinista que trabalhou e aprendeu com o mestre perfeccionista Stanley Kubrick? Ela já ganhou o Oscar três vezes, e se ganhar, pode se tornar a recordista viva com 4, batendo Sandy Powell e Colleen Atwood. A recordista de todos os tempos, obviamente, é a icônica Edith Head, com 8 Oscars.

Aqui a competição não tem muita força. E mesmo aqueles que teriam, os figurinistas já ganharam o Oscar anteriormente como Mark Bridges ou Jacqueline Durran. Apenas Anna B. Shepard não levou seu Oscar ainda, mas com Malévola será muito improvável sua primeira vitória.

MELHOR MAQUIAGEM E CABELO

Tilda Swinton como Madame D. em O Grande Hotel Budapeste (photo by outnow.ch)

Tilda Swinton como Madame D. em O Grande Hotel Budapeste (photo by outnow.ch)

Indicados:

– Bill Corso, Dennis Liddiard (Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo)
– Frances Hannon e Mark Coulier (O Grande Hotel Budapeste)
– Elizabeth Yanni-Georgiou e David White (Guardiões da Galáxia)

DEVE GANHAR: O Grande Hotel Budapeste
DEVERIA GANHAR: O Grande Hotel Budapeste
ZEBRA: Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo

ESNOBADO: Noé

Muita gente deve estar pensando que a maquiagem feita em Tilda Swinton (na foto acima) é o único motivo do filme ganhar o Oscar da categoria. Claro que este seria o ápice da transformação, pois é a mais evidente, mas os maquiadores Frances Hannon e Mark Coulier se encarregaram de transformar quase todos os atores em seus devidos personagens, seja com um bigode, uma peruca ou uma cicatriz no rosto. Vale lembrar que Coulier já ganhou o Oscar por A Dama de Ferro em 2012.

E o que dizer de Foxcatcher? Uma prótese de nariz vale uma indicação ao Oscar? Se fosse assim, o nariz de Nicole Kidman em As Horas também merecia… Aliás, muita gente anda dizendo que Steve Carell no filme está a versão em carne e osso do personagem Gru, que ele dublou em Meu Malvado Favorito! Tudo bem que este ano a competição está fraca, mas poderiam ter indicado Noé pela quantidade de atores ou até mesmo O Espetacular Homem-Aranha 2: A Ameaça de Electro pelos vilões maquiados.

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL

Alexandre Desplat tem 5 trilhas elegíveis este ano. O homem mais compõe do que dorme (photo by nytimes.com)

Alexandre Desplat concorre por O Grande Hotel Budapeste e O Jogo da Imitação (photo by nytimes.com)

Indicados:

– Alexandre Desplat (O Grande Hotel Budapeste)
– Alexandre Desplat (O Jogo da Imitação)
– Jóhann Jóhannsson (A Teoria de Tudo)
– Gary Yershon (Sr. Turner)
– Hans Zimmer (Interestelar)

DEVE GANHAR: Alexandre Desplat (O Grande Hotel Budapeste)
DEVERIA GANHAR: Jóhann Jóhannsson (A Teoria de Tudo)
ZEBRA: Gary Yershon (Sr. Turner)

ESNOBADO: Mica Levi (Sob a Pele)

Apesar de ser um baita azar ser duplamente indicado no mesmo ano (o compositor John Williams perdeu por Memórias de uma Gueixa e Munique em 2007, e por A.I. – Inteligência Artificial e Harry Potter e a Pedra Filosofal em 2002), vou apostar em uma vitória do duplamente indicado Alexandre Desplat. Ele é um dos melhores compositores em atuação, tanto que estas são suas sétima e oitava indicações sem vitória.

No Globo de Ouro, Jóhann Jóhannsson levou a melhor pela bela e multi-instrumental trilha de A Teoria de Tudo, mas Desplat o bateu no BAFTA. Quem sabe não é este ano, né? Não conheço a trilha de Sr. Turner, mas poderiam indicar a trilha do jovem Mica Levi do estranhíssimo Sob a Pele, de Jonathan Glazer. Sei que seu tom é altamente experimental para o Oscar, mas não vejo o filme sem essa trilha…

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

Indicados:

– “Everything is Awesome”, de Shawn Patterson (Uma Aventura Lego)
– “Glory”, de John Stephens e Lonnie Lynn (Selma: Uma Luta Pela Igualdade)
– “Grateful”, de Diane Warren (Além das Luzes)
– “I’m Not Gonna Miss You”, de Glen Campbell e Julian Raymond (Glen Campbell… I’ll Be Me)
– “Lost Stars”, de Gregg Alexander e Danielle Brisebois (Mesmo Se Nada Der Certo)

DEVE GANHAR: “Glory”, de John Stephens e Lonnie Lynn (Selma: Uma Luta Pela Igualdade)
DEVERIA GANHAR: “Glory”, de John Stephens e Lonnie Lynn (Selma: Uma Luta Pela Igualdade)
ZEBRA: “Grateful”, de Diane Warren (Além das Luzes)

Se “Glory” já era favorita antes quando artistas mais famosos estavam na disputa como Lorde (por Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1) e Lana Del Rey (por Grandes Olhos), imagina sem elas no páreo? Ouvi recentemente as demais canções que estão concorrendo e apenas a de Selma: Uma Luta por Igualdade tem cara de Oscar. A “I’m Not Gonna Miss You” de Glen Campbell… I’ll Be Me é bonita e “Everything is Awesome” de Uma Aventura Lego é divertida, mas não tem como ganhar. Vale lembrar que Selma foi indicado a Melhor Filme e Melhor Canção Original.

MELHOR SOM

Cena com Milles Teller e J.K. Simmons de Whiplash: Em Busca da Perfeição, de Damien Chazelle. (photo by outnow.ch)

Cena com Milles Teller e J.K. Simmons de Whiplash: Em Busca da Perfeição, de Damien Chazelle. (photo by outnow.ch)

Indicados:

– John Reitz, Gregg Rudloff e Walt Martin (Sniper Americano)
– Jon Taylor, Frank A. Montaño e Thomas Varga (Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)
– Gary A. Rizzo, Gregg Landaker e Mark Weingarten (Interestelar)
– Jon Taylor, Frank A. Montaño e David Lee (Invencível)
– Craig Mann, Ben Wilkins e Thomas Curley (Whiplash: Em Busca da Perfeição)

DEVE GANHAR: Whiplash: Em Busca da Perfeição
DEVERIA GANHAR: Interestelar
ZEBRA: Invencível

ESNOBADO: Guardiões da Galáxia

Embora Interestelar corra sério risco de sair da cerimônia do Oscar sem ganhar nada, ainda acredito que a Academia possa compensar com uma vitória em Melhor Som. Prêmio de consolo? Talvez. Mas pelo menos o filme vai sair como “vencedor do Oscar” e não apenas indicado. Além disso, o som é a melhor qualidade de Interestelar. Os fãs do filme que me perdoem.

Apesar de ser uma produção bem menor do que Interestelar, Whiplash já faturou o prêmio de Melhor Som no BAFTA, provando que os votantes avaliam a qualidade técnica de fato. Por se tratar de um filme sobre música, é imprescindível que o som esteja de melhor nível, pois os personagens são extremamente exigentes em relação a isso. Outro fator que ajuda Whiplash: os musicais são costumeiramente premiados nesta categoria como Chicago, Ray, Dreamgirls e Os Miseráveis.

MELHORES EFEITOS SONOROS

Bradley Cooper em cena de Sniper Americano (photo by cinemagia.ro)

Bradley Cooper em cena de Sniper Americano (photo by cinemagia.ro)

Indicados:

– Alan Robert Murray e Bub Asman (Sniper Americano)
– Martin Hernández e Aaron Glascock (Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância))
– Brent Burge e Jason Canovas (O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos)
– Richard King (Interestelar)
– Becky Sullivan e Andrew DeCristofaro (Invencível)

DEVE GANHAR: Sniper Americano
DEVERIA GANHAR: Sniper Americano
ZEBRA: O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos

ESNOBADO: Capitão América 2: O Soldado Invernal

A Academia gosta de premiar filmes de ação nesta categoria. Para citar exemplos recentes: 007 – Operação Skyfall, A Hora Mais Escura e A Origem. Sons criados em estúdio como tiros de metralhadoras, explosões de bombas e batidas de carros são bem reconhecidos, então Sniper Americano sai em ligeira vantagem por se tratar de um filme que se passa em campo de guerra. Mas não dá pra ignorar a forte possibilidade de Richard King ganhar sua terceira estatueta por um filme de Christopher Nolan. Se tem algo inquestionavelmente bom em Interestelar, são seus efeitos sonoros, tanto que todo mundo recomendou assistir ao filme numa sala IMAX. Já a terceira e última parte da trilogia de O Hobbit fica com o posto de zebra, pois foi a única indicação que a produção recebeu.

MELHORES EFEITOS VISUAIS

Cena de Interestelar (photo by outnow.ch)

Cena de Interestelar (photo by outnow.ch)

Indicados:

– Capitão América: O Soldado Invernal
– Planeta dos Macacos: O Confronto
– Guardiões da Galáxia
– Interestelar
– X-Men: Dias de um Futuro Esquecido

DEVE GANHAR: Interestelar
DEVERIA GANHAR: Planeta dos Macacos: O Confronto
ZEBRA: X-Men: Dias de um Futuro Esquecido

ESNOBADO: O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos

Depois que o primeiro filme do reboot de Planeta dos Macacos perdeu injustamente em 2012, fico na dúvida se o segundo filme não vai trilhar o mesmo caminho. Se a Academia quiser compensar ainda mais o filme de Christopher Nolan, eis aí um prêmio possível para suas imagens de planetas distantes e naves gigantes. Na briga entre os dois, pode sobrar também para o mega-sucesso de 2014: Guardiões da Galáxia.

MELHOR DOCUMENTÁRIO

Edward Snowden em Citizenfour (photo by outnow.ch)

Edward Snowden em Citizenfour (photo by outnow.ch)

Indicados:

– CitizenFour
– A Fotografia Oculta de Vivian Maier
– Last Days in Vietnam
– O Sal da Terra
– Virunga

DEVE GANHAR: Citizenfour
DEVERIA GANHAR: Virunga
ZEBRA: Last Days in Vietnam

ESNOBADO: Life Itself – A Vida de Roger Ebert

Elogiado desde o início da temporada de premiações, o documentário sobre Edward Snowden, Citizenfour, vem conquistando inúmeros prêmios, inclusive o DGA para sua diretora Laura Poitras. Mas nem tudo são rosas. Nos últimos anos, a Academia tem pregado algumas peças nesta categoria, trocando os favoritos por surpresas nem sempre agradáveis como no ano passado, quando o fraco A Um Passo do Estrelato bateu o surpreendente O Ato de Matar.

Nesse sentido, o segundo filme mais premiado, A Fotografia Oculta de Vivian Maier pode prevalecer ou até mesmo Virunga, produzido pela Netflix, um ótimo documentário sobre os gorilas de montanhas extintos no Congo. O documentário sobre o fotógrafo Sebastião Salgado, O Sal da Terra, só não fica entre as zebras porque tem Wim Wenders como diretor. Em sua terceira indicação sem vitória, o Oscar pode sobrar pra ele.

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA

Cena de Our Curse (photo by nyt.com)

Cena de Our Curse (photo by nyt.com)

Indicados:

– Crisis Hotline: Veterans Press 1
– Joanna
– Our Curse
– The Reaper (La Parka)
– White Earth

Talvez a categoria mais imprevisível de todas. Normalmente, vale apostar naquele cujo tema tem doenças, guerras ou… acertou! judeus. Crisis Hotline: Veterans Press 1 é sobre veteranos de guerra, Our Curse é sobre o filho dos diretores do curta que tem uma doença incurável. Já Joanna e The Reaper tratam do tema morte, mas enquanto o primeiro é de forma poética, o segundo aborda de forma mais crua com o protagonista que trabalha há 25 anos num matadouro. E White Earth lida com a velha temática do racismo. Em termos de premiação, todos estão muito nivelados, então ninguém sai em vantagem aqui.

MELHOR CURTA-METRAGEM

Cena de The Phone Call (photo by cloudfront.net)

Cena de The Phone Call com Sally Hawkins (photo by cloudfront.net)

Indicados:

– Aya
– Boogaloo and Graham
– Butter Lamp (La Lampe au Beurre de Yak)
– Parvaneh
– The Phone Call

Boogaloo and Graham pode ter ganhado o BAFTA de curta, mas se tem um trabalho que ganhou prêmios este foi Butter Lamp. Até o momento, levou 22 prêmios! Mas não podemos esquecer que o curta The Phone Call tem nomes famosos no elenco como Sally Hawkins e Jim Broadbent. Ah! Vale ressaltar aqui que a montadora do curta Boogaloo and Graham é brasileira. Lívia Serpa já trabalhou inclusive com Walter Salles em Linha de Passe.

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO

Cena de O Banquete (photo by outnow.ch)

Cena de O Banquete (photo by outnow.ch)

Indicados:

– The Bigger Picture
– The Dam Keeper
– O Banquete (Feast)
– Me and My Moulton
– A Single Life

The Bigger Picture ganhou o BAFTA, enquanto O Banquete levou o Annie Awards de melhor curta de animação. Assim com as demais categorias de curtas, é complicado prever qual pode ganhar. De todos os indicados, apenas A Single Life não foi indicado a mais nada, o que teoricamente enfraquece sua campanha.

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO

Princesa Kaguya (photo by outnow.CH)

O Conto da Princesa Kaguya (photo by outnow.CH)

Indicados:

– Operação Big Hero
– Os Boxtrolls
– Como Treinar o seu Dragão 2
– Song of the Sea
– O Conto da Princesa Kaguya

DEVE GANHAR: O Conto da Princesa Kaguya
DEVERIA GANHAR: O Conto da Princesa Kaguya
ZEBRA: Os Boxtrolls

ESNOBADO: Uma Aventura Lego

Cara, eu posso estar viajando, mas como não tem Uma Aventura Lego, que era o franco-favorito, e nem um filme da Pixar que costuma papar tudo, vou apostar no filme japonês O Conto da Princesa Kaguya. Vi o trailer e achei lindíssimo. Sou fã de animações em 2D, então sou meio suspeito pra defender. Além disso, vale lembrar que o mestre da animação Hayao Miyazaki vai estar na cerimônia pra receber o Oscar Honorário. Seria uma ótima dobradinha nipônica, hein?

Caso não role, eu apostaria em Song of the Sea do irlandês Tomm Moore. Acho que com a saída dos favoritos, a Academia tem liberdade total de apostar em algo diferente este ano. Por que não sair do lugar comum? Como Treinar Seu Dragão 2 não tem sido aquela unanimidade entre os críticos.

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

O polonês Ida, de Pawel Pawlikowski. Temática judia leva vantagem automática. (photo by outnow.ch)

O polonês Ida, de Pawel Pawlikowski. Temática judia leva vantagem automática. (photo by outnow.ch)

Indicados:

– Ida, de Pawel Pawlikowski (POLÔNIA)
– Leviatã, de Andrey Zvyagintsev (RÚSSIA)
– Tangerines, de Zaza Urushadze (ESTÔNIA)
– Timbuktu, de Abderrahmane Sissako (MAURITÂNIA)
– Relatos Selvagens, de Damián Szifrón (ARGENTINA)

DEVE GANHAR: Ida
DEVERIA GANHAR: Leviatã ou Relatos Selvagens
ZEBRA: Tangerines

ESNOBADO: Força Maior (SUÉCIA)

Eu deveria amar esta categoria, mas por insistirem em manter regras arcaicas com votantes idosos e judeus para definir a melhor produção em língua estrangeira, acho pra lá de injusto. Quantos filmes excelentes deixaram de ser premiados por votos conservadores ao extremo? Só pra citar alguns recentes: Cidade de Deus, A Pele que Habito e Azul é a Cor Mais Quente.

Mas na atual conjuntura, nada me resta a não ser eleger o possível vencedor. Filme polonês com temática judaica? Entrega logo o Oscar para Ida! Não que Ida seja um filme ruim. Nada disso. É bom, mas é quadrado demais. Eu votaria no russo Leviatã, que capta bem a Rússia de Putin, ou o delicioso Relatos Selvagens, provando mais uma vez que o cinema argentino está à anos-luz do cinema brasileiro.

***

Acompanhe o Oscar pela TNT a partir das 20h30 (tapete vermelho). Não dêem audiência pra Globo, pois ela prefere passar aquela draga de Big Brother e fazer o público perder os primeiros prêmios da cerimônia.

PRIMEIRA PRÉVIA DO OSCAR 2015! – Para aqueles que não aguentam esperar

 NÃO HÁ FAVORITOS AINDA, MAS FORTES CONCORRENTES

Faltam (apenas) 4 meses para as indicações! Já vale a pena dar uma olhada nos possíveis filmes indicados e fantasiar sobre um ou outro ator ou atriz que nunca ganhou e pode finalmente ter a chance. Particularmente, estou curioso para ver as performances de Michael Fassbender nos filmes MacBeth e Frank, e de Joaquin Phoenix em Inherent Vice, pela evolução constante nas últimas performances, e mesmo sem ter visto o trabalho deles, já torço para que cheguem ao tapete vermelho da Academia. Já pelo que vi, dou meu apoio incondicional para a campanha da primeira indicação para Steve Carell, o comediante de O Virgem de 40 Anos teve seu talento testado pelo diretor Bennett Miller em Foxcatcher.

Claro que ainda há muita especulação que se baseia em nomes consagrados. Na ala dos diretores, Christopher Nolan sempre aparece nas apostas, assim como o britânico Stephen Daldry por seu histórico de 3 indicações sem vitória. Já entre as atrizes, fica impossível desassociar o nome Meryl Streep na hora do burburinho do Oscar. Ela pode ter sido quase uma figurante que ela vai constar nas listas de possíveis indicadas. Este ano, a primeira foto dela como Bruxa/Feiticeira da mega produção Caminhos da Floresta já causou um estardalhaço. E, em menor escala, podemos encaixar Viola Davis também como candidata à atriz coadjuvante sem sequer ver seu trabalho. Sua derrota por Histórias Cruzadas em 2012 ainda deve render uma nova indicação ao Oscar.

Há filmes que certamente serão catapultados na campanha ao Oscar graças ao lobbista Harvey Weinstein. Dentre algumas produções que recebem seu valioso apoio estão: The Imitation Game e MacBeth, além de suas próprias produções como Big Eyes, St. Vincent e O Doador de Memórias. Como sempre comentado aqui, o trabalho de Weinstein impressiona pelas indicações constantes ao Oscar. Só nos últimos anos, ele foi responsável pelos Oscars de Jennifer Lawrence (O Lado Bom da Vida), Meryl Streep (A Dama de Ferro) e de Kate Winslet (O Leitor), além de Melhor Filme para O Artista e O Discurso do Rei.

Também vale ressaltar a crescente importância do Festival de Toronto como prévia do Oscar. Nos últimos anos, os filmes que participaram do evento não-competitivo acabaram vencedores da estatueta: 12 Anos de Escravidão, Argo e A Separação. Este ano, o Festival de Toronto (ou TIFF) acolhe prováveis favoritos ao Oscar como Foxcatcher, Nightcrawler, Whiplash: Em Busca da Perfeição, Maps to the Stars, Mr. Turner, Wild, The Theory of Everything e The Imitation Game. Todos sedentos por um pouco de atenção neste início da corrida ao Oscar 2015.

MELHOR FILME

• American Sniper, de Clint Eastwood
• Big Eyes, de Tim Burton
• Birdman, de Alejandro González Iñárritu
• Foxcatcher: A História que Chocou o Mundo (Foxcatcher), de Bennett Miller
• Garota Exemplar (Gone Girl), de David Fincher
• O Grande Hotel Budapeste (The Grand Budapest Hotel), de Wes Anderson
• Corações de Ferro (Fury), de David Ayer
• The Imitation Game, de Morten Tyldum
• Inherent Vice, de Paul Thomas Anderson
• Interestelar (Interstellar), de Christopher Nolan
• Caminhos da Floresta (Into the Woods), de Rob Marshall
• Homens, Mulheres e Filhos (Men, Women & Children), de Jason Reitman
• A Most Violent Year, de J.C. Chandor
• Selma, de Ava DuVernay
• A Teoria de Tudo (The Theory of Everything)
, de James Marsh
• Trash – A Esperança Vem do Lixo (Trash), de Stephen Daldry
• Invencível (Unbroken)
, de Angelina Jolie
• Wild, de Jean-Marc Vallée

Primeiro, vamos aos fatos. Apresentado no Festival de Veneza, Birdman já figura como um forte candidato ao Oscar. Além de seu diretor ser o mexicano Alejandro González Iñárritu, traz o retorno triunfal do ator Michael Keaton, que ficou marcado pelo papel de Batman de Tim Burton. Ainda conta com atores que podem conquistar indicações como coadjuvantes: Emma Stone, Edward Norton e Naomi Watts.

Foxcatcher saiu de Cannes com o prêmio de direção para o jovem Bennett Miller (Capote e O Homem que Mudou o Jogo). Considerado um dos melhores diretores de atores da atualidade, Miller já conseguiu a proeza de extrair uma atuação contida e estranhíssima do ator e comediante Steve Carell que, só por um milagre, não estará no Oscar 2015. Além dele, Mark Ruffalo já vem conquistando os críticos que viram o filme na França. Conta também muito a favor a produção ser assinada por Megan Ellison (da produtora Annapurna), que recebeu duas indicações no Oscar deste ano por Trapaça e Ela. Veja trailer abaixo:

Embora a Academia ainda não tenha abraçado o estilo único de Wes Anderson, seu novo filme, O Grande Hotel Budapeste, pode conquistar uma indicação a Melhor Filme. Como se não bastasse a batalha contra o conservadorismo da Academia, o filme terá dificuldades de manter seu frescor na memória dos votantes, pois o filme estreou nos EUA em março. Até agora, venceu o Urso de Prata de Grande Prêmio do Júri no último Festival de Berlim, e figura nas listas dos críticos de melhores de 2014 até o momento. São possíveis indicações nas categorias de Direção de Arte, Figurino e Roteiro Original, mas seria uma grata surpresa a lembrança como Melhor Filme e Diretor.

E vencedor do Festival de Sundance do Urso de Prata de Direção, o independente Boyhood: Da Infância à Juventude teve como grande destaque as filmagens que levaram mais de 12 anos. A proposta arriscada do diretor Richard Linklater se apoiava no comprometimento do jovem protagonista Ellar Coltrane de continuar as filmagens após esse longo período para acompanhar o crescimento de seu personagem. Com indicações anteriores como roteirista apenas, Linklater pode sonhar mais alto se depender das apostas dos críticos.

Garota Exemplar e Inherent Vice são duas produções aguardadíssimas que o presidente do Festival de Veneza tentou trazer, mas foram selecionadas pelo Festival Internacional de Nova York. Enquanto o primeiro trabalho é assinado por David Fincher com base no best-seller homônimo de Gillian Flynn, o segundo é assinado por Paul Thomas Anderson com base no romance de Thomas Pynchon. Ambos podem e devem conquistar indicações como Melhor Diretor pelo ótimo momento de suas carreiras, o que poderia puxar indicações para Melhor Filme dependendo do sucesso com a crítica e o público.

Cena com Ben Affleck de Garota Exemplar (photo by http://www.outnow.ch)

Os demais trabalhos citados na lista ainda não concretizaram seus favoritismos. A maioria tem presença devido ao prestígio de seus diretores perante a Academia como Clint Eastwood, Jason Reitman, Angelina Jolie e Christopher Nolan, enquanto outros apresentam temas que são típicos dos vencedores do Oscar como The Imitation Game, que aborda a história verídica do matemático que quebra um código em plena Segunda Guerra Mundial, ou a história da vida de um dos maiores físicos do mundo, Stephen Hawking, retratada em The Theory of Everything com um Eddie Redmayne bastante inspirado no papel do protagonista. Ainda pouco comentado, vale citar o filme Selma, que retrata a busca pelo direitos civis por Martin Luther King.

Em se tratando de expectativa, um dos trabalhos mais comentados para esta temporada é a adaptação do livro de James Lapine, Caminhos da Floresta (Into the Woods), dirigido por Rob Marshall, que concorreu a Melhor Diretor por Chicago em 2003. Com um elenco estelar que conta com Meryl Streep, Johnny Depp, Emily Blunt, Chris Pine, Anna Kendrick e Tracey Ullman, o musical tem tudo para conquistar no mínimo o Globo de Ouro de Melhor Filme – Musical ou Comédia. Além da qualidade que só poderá ser comprovada com o lançamento do filme, a única coisa que pode atrapalhar seu sucesso é uma possível censura por parte da Disney, que está por trás da produção. Aliás, este é um medo recorrente em relação à Disney, que costuma “suavizar” as histórias a fim de abranger o público infanto-juvenil, podendo remoldar a saga Star Wars, cujos direitos lhe foram vendidos para desespero dos fãs. Se tudo o mais falhar, pelo menos Caminhos da Floresta deve garantir o 4º Oscar da carreira da figurinista Colleen Atwood.

Cena de Caminhos da Floresta (photo by Disney)

MELHOR DIRETOR

• Paul Thomas Anderson (Inherent Vice)
• Wes Anderson (O Grande Hotel Budapeste)
• Tim Burton (Big Eyes)
• J.C. Chandor (A Most Violent Year)
• Stephen Daldry (Trash – A Esperança Vem do Lixo)
• Ava DuVernay (Selma)
• David Fincher (Garota Exemplar)
• Alejandro González Iñárritu (Birdman)
• Angelina Jolie (Unbroken)
• Tommy Lee Jones (The Homesman)
• Mike Leigh (Mr. Turner)
• Richard Linklater (Boyhood: Da Infância à Juventude)
• Rob Marshall (Caminhos da Floresta)
• Christopher Nolan (Interestelar)
• Jason Reitman (Men, Women & Children)
• Jon Stewart (Rosewater)

• Morten Tyldum (The Imitation Game)
• Jean-Marc Vallée (Wild)

Como já citado, o americano Bennett Miller larga na frente por ter conquistado o prêmio de direção no Festival de Cannes por Foxcatcher. Ele foi indicado anteriormente por Capote em 2006. Logo atrás, o mexicano Alejandro González Iñárritu pode manter a onda latina em alta com Birdman, após seu conterrâneo Alfonso Cuarón ter levado o Oscar de diretor por Gravidade. Iñárritu pode conquistar sua terceira indicação após dupla indicação por Babel como Melhor Filme e Direção em 2007. E pra fechar a trinca de favoritos do momento, Richard Linklater e seu Boyhood: Da Infância à Juventude. Normalmente, a Academia inclui pelo menos um indicado estreante, e este pode ser Linklater, que independente do gênero, sempre busca alguma inovação da linguagem.

Outrora outsider, David Fincher, que já tem produções cultuadas como Seven – Os Sete Crimes Capitais, Clube da Luta e Zodíaco, foi reconhecido pela Academia a partir do poético O Curioso Caso de Benjamin Button. Este ano, ele retorna com outro filme do gênero crime, mas desta vez ele conta com prestígio e o roteiro de uma autora best-seller, podendo conquistar sua terceira indicação como Diretor.

Não dá pra deixar de lado o favoritismo crescente de Angelina Jolie. Após sucesso crítico de seu filme sobre os conflitos na Bósnia, Na Terra de Amor e Ódio, a atriz resolveu investir em outra produção de guerra, Invencível, mas desta vez, a Segunda Guerra Mundial, baseando-se numa história verídica de um atleta olímpico americano capturado como prisioneiro no Japão. E também não dá pra ignorar o novo trabalho do britânico Stephen Daldry, cujos filmes sempre dão um jeito de receber uma indicação ao Oscar. Reconhecido por Billy Elliott, As Horas e O Leitor, ele volta com Trash – A Esperança Vem do Lixo, filmado no Brasil e com os atores Wagner Moura e Selton Mello.

Selton Mello em Trash - A Esperança Vem do Lixo (photo by outnow.ch)

Selton Mello em Trash – A Esperança Vem do Lixo (photo by outnow.ch)

Já entre os diretores que nunca conseguiram uma indicação, Christopher Nolan aparece como forte candidato pela ficção científica Interestelar. Após bater na trave com Batman – O Cavaleiro das Trevas (2008) e A Origem (2010), o trabalho dele pode finalmente ganhar destaque e satisfazer milhões de fãs e alguns críticos. Particularmente, torço para a inédita indicação de Wes Anderson por O Grande Hotel Budapeste e, mesmo sem ter visto o filme, torço também por Tim Burton e seu filme biográfico Big Eyes.

MELHOR ATOR

• Ben Affleck (Garota Exemplar)
• Chadwick Boseman (James Brown)

• Steve Carell (Foxcatcher)
• Benedict Cumberbatch (The Imitation Game)
• Benicio Del Toro (Escobar: Paradise Lost)

• Michael Fassbender (Frank)
• Michael Fassbender (MacBeth)
• Ralph Fiennes (O Grande Hotel Budapeste)
• Jake Gyllenhaal (Nightcrawler)
• Oscar Isaac (A Most Violent Year)
• Michael Keaton (Birdman)
• Bill Murray (St. Vincent)
• Jack O’Connell (Unbroken)
• David Oyelowo (Selma)

• Al Pacino (Manglehorn)
• Joaquin Phoenix (Inherent Vice)

• Brad Pitt (Corações de Ferro)
• Eddie Redmayne (The Theory of Everything)
• Timothy Spall (Mr. Turner)
• Channing Tatum (Foxcatcher)

Até o momento, o único ator premiado foi o britânico Timothy Spall pelo filme biográfico do pintor J.M.W. Turner no último Festival de Cannes. Contudo, embora seja um excelente diretor de atores, a última performance indicada ao Oscar sob a direção de Mike Leigh foi de Imelda Staunton em 2005 por O Segredo de Vera Drake, o que pode dificultar as chances dele.

Com boas chances de ser premiado em Veneza, Michael Keaton vem recebendo elogios por esse retorno triunfal. Em Birdman, ele interpreta um ator conhecido por viver um super-herói e agora tenta justamente um retorno na Broadway. Essa história remete bastante à trajetória do próprio Michael Keaton, que ficou marcado por viver o herói mascarado Batman e desacelerou sua carreira promissora. Segundos as críticas, sua atuação em Birdman consegue expressar “arrogância, insegurança e desespero num só respiro”. Pode se tornar a sua primeira indicação e a 6ª indicação de um ator sob a direção de Iñárritu.

Outro que deve conquistar sua indicação inédita é Steve Carell, mais conhecido por papéis em comédias como O Virgem de 40 Anos e Agente 86. O diretor Bennett Miller enxergou potencial dramático nele e o ator não decepciona, apresentando uma atuação contida, precisa e assustadora, com direito a uma mudança de visual com cabelos grisalhos e uma prótese no nariz. Tais métodos costumam ser reconhecidos pela Academia como foi o caso do Oscar para Charlize Theron por Monster – Desejo Assassino. Existe uma possibilidade do jovem Channing Tatum receber sua primeira indicação pelo mesmo Foxcatcher, contudo, a disputa na categoria é sempre acirrada e a última vez que houve dois indicados a Melhor Ator pelo mesmo filme foi em 1985, quando Tom Hulce e F. Murray Abraham competiram juntos por Amadeus, tendo o último vencido o Oscar.

Além do aspecto visual, que pode beneficiar os 13 quilos perdidos por Jake Gyllenhall em Nightcrawler, a Academia adora papéis baseados em fatos verídicos, o que deve elevar demais as chances de Eddie Redmayne que interpreta o jovem Stephen Hawking em The Theory of Everything. Claro que a atuação também deve acompanhar a qualidade da transformação, e esse talento o jovem Benedict Cumberbatch tem de sobra. Ele vive outra figura histórica: o matemático Alan Turing, que decifrou um código nazista em plena guerra em The Imitation Game.

Sem o mesmo impacto de um Jamie Foxx como Ray Charles, o jovem e desconhecido Chadwick Boseman pode figurar em listas de melhores ao interpretar o também músico James Brown no filme homônimo. Mas a maior aposta até o momento sem analisar a performance está nas mãos de Joaquin Phoenix, novamente sob direção de Paul Thomas Anderson, com quem trabalhou em O Mestre. Embora com alguns parafusos a menos, o ator está em extrema ascensão em Hollywood e deve confirmar seu favoritismo na casa de apostas por Inherent Vice. Já a minha aposta pessoal vai para um dos trabalhos de Michael Fassbender, seja por Frank, no qual atua usando uma cabeça em formato de desenho, seja pela adaptação de Shakespeare em MacBeth.

MELHOR ATRIZ

• Amy Adams (Big Eyes)
• Jessica Chastain (The Disappearance of Eleanor Rigby)
• Jessica Chastain (Miss Julie)
• Jessica Chastain (A Most Violent Year)
• Marion Cotillard (Two Days, One Night)
• Keira Knightley (Mesmo Se Nada Der Certo)
• Jennifer Lawrence (Serena)
• Juliane Moore (Maps to the Stars)
• Rosamund Pike (Garota Exemplar)
• Meryl Streep (Caminhos da Floresta)
• Hilary Swank (The Homesman)
• Michelle Williams (Suite Française)
• Reese Witherspoon (Wild)
• Shailene Woodley (A Culpa é das Estrelas)

Apesar de não ser a melhor prévia para o Oscar, o Festival de Cannes premiou este ano a atriz Julianne Moore por Maps to the Stars, o que não pode ser simplesmente ignorado pela Academia, ainda mais por se tratar de uma atriz muito querida que já foi indicada em 4 oportunidades, mas nunca levou a estatueta. Suas chances devem aumentar se for indicada como atriz coadjuvante, categoria que costuma ter concorrência menos acirrada.

Agora, se depender do burburinho, Reese Witherspoon já deve garantir sua segunda indicação por Wild. Baseado na história real de Cheryl Strayed de percorrer mais de 1.700km a fim de superar uma catástrofe recente, o filme vem sendo apontado como uma das maiores surpresas do prestigiado Festival de Toronto. Witherspoon, que vinha atuando apenas em filmes comerciais após ganhar o Oscar por Johnny & June, pode recuperar sua reputação de boa atriz.

Em 2012, Jessica Chastain tinha três filmes que poderiam lhe render uma indicação ao Oscar, o que aconteceu por Histórias Cruzadas. Este ano, por nova coincidência de lançamentos, ela tem nova trinca de performances que podem lhe beneficiar na reta final, sendo que em Miss Julie ela é dirigida pela legendária atriz sueca Liv Ullmann, e em A Most Violent Year pelo inspirado J.C. Chandor de Margin Call – O Dia Antes do Fim e Até o Fim. Chastain quase ganhou por A Hora Mais Escura em 2013.

Se a atuação de Amy Adams como a pintora Margaret Keane chamar a atenção da crítica, ela pode ficar com uma mão na estatueta. Seria a 6ª indicação dela em apenas nove anos e sem nenhuma vitória! A Academia está muito disposta a premiá-la, mas talvez esteja esperando uma atuação realmente digna com aqueles elementos já citados aqui como mudança visual ou mesmo no tom de voz, e não apenas uma peruca loira. Teremos de aguardar pra ver o que Tim Burton conseguiu extrair de Amy Adams…

Também por acúmulo de indicações anteriores, Michelle Williams pode voltar ao tapete vermelho por Suite Française, mas a verdadeira carta na manga aqui é o tema do filme: romance entre uma francesa e um soldado alemão em plena Segunda Guerra Mundial. Os votantes judeus já estão cruzando os dedos… E vale lembrar de um favoritismo prévio da jovem Shailene Woodley como a Hazel do best-seller A Culpa é das Estrelas. Apesar da adaptação meio melosa, o filme possibilita Woodley mostrar seu talento sem ser piegas. A favor dela, tem o sucesso de seu outro filme Divergente.

MELHOR ATOR COADJUVANTE

• Dan Aykroyd (James Brown)
• Josh Brolin (Inherent Vice)

• Albert Brooks (A Most Violent Year)
• Johnny Depp (Caminhos da Floresta)
• Robert Duvall (The Judge)
• Neil Patrick Harris (Garota Exemplar)
• Philip Seymour Hoffman (O Homem Mais Procurado)
• Logan Lerman (Corações de Ferro)
• Edward Norton (Birdman)
• Tim Roth (Selma)
• Mark Ruffalo (Foxcatcher)
• J.K. Simmons (Whiplash)
• Benicio Del Toro (Inherent Vice)
• Christoph Waltz (Big Eyes)
• Tom Wilkinson (Selma)

À princípio, esta pode ser a oportunidade de ouro para a Academia premiar finalmente Johnny Depp naquela que seria sua quarta indicação, porém a primeira como coadjuvante. Infelizmente, ainda não é possível analisar se sua atuação é digna de premiação ou seria apenas especulação por seu histórico como ator. Esperamos que seja uma performance à altura de uma indicação e não simplesmente pelo nome. Além disso, é necessário verificar o quanto seu trabalho será beneficiado por efeitos digitais, já que seu personagem é um lobisomem em Caminhos da Floresta.

Pela repercussão no Festival de Toronto, já incluiria o nome do veterano Robert Duvall, que divide a tela com o astro Robert Downey Jr. em The Judge, no qual interpreta um juiz de uma pequena cidade acusado de assassinato. Esta seria a sétima indicação de Duvall, que ganhou o Oscar pelo tocante A Força do Carinho em 1984. Como a última indicação dele foi lá em 1999 por A Qualquer Preço, esta pode ser o retorno que a Academia vinha aguardando para premiá-lo novamente sem depender de um Oscar Honorário, afinal, Duvall já tem 83 anos.

Mas os grandes favoritos da categoria atendem pelos nomes: Mark Rufallo e J.K. Simmons. O primeiro é um dos atores mais versáteis da atualidade, recebeu sua primeira indicação em 2011 por Minhas Mães e Meu Pai, e está curtindo o auge de sua fama como Bruce Banner/Hulk dos filmes dos Vingadores da Marvel Comics. Em Foxcatcher, ele é o irmão que busca proteger o atleta olímpico da obsessão doentia do treinador de luta livre, tarefa que o fez ganhar peso e aumentar suas chances no Oscar. Já o segundo, ficou mundialmente conhecido por ser o chefe de Peter Parker/Homem-Aranha, J.J. Jameson nos filmes dirigidos por Sam Raimi. Embora J.K. Simmons também tenha feito ótima parceria com o diretor Jason Reitman, ele vem conquistando boas críticas por Whiplash: Em Busca da Perfeição, no qual atua como treinador de um jovem baterista (Miles Teller).

Ainda cedo pra analisar, mas com boas chances temos: Benicio Del Toro e Josh Brolin por Inherent Vice; Christoph Waltz por Big Eyes; e Albert Brooks por A Most Violent Year. Já no campo mais concreto, segundo a resposta no Festival de Veneza, Edward Norton pode voltar a concorrer ao Oscar por Birdman após 16 anos, podendo retomar aquele caminho promissor dos anos 90.

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

• Patricia Arquette (Boyhood: Da Infância à Juventude)
• Viola Davis (James Brown)
• Laura Dern (Wild)
• Kaitlyn Dever (Men, Women & Children)
• Anne Hathaway (Interestelar)

• Jennifer Garner (Men, Women & Children)
• Felicity Jones (The Theory of Everything)
• Anna Kendrick (Caminhos da Floresta)
• Keira Knightley (The Imitation Game)
• Julianne Moore (Maps to the Stars)
• Miranda Otto (The Homesman)

• Vanessa Redgrave (Foxcatcher)
• Octavia Spencer (James Brown)
• Emma Stone (Birdman)
• Marisa Tomei (O Amor é Estranho)
• Naomi Watts (Birdman)

Primeiramente, volto a ressaltar que Julianne Moore pode concorrer como coadjuvante por seu papel vencedor do prêmio de Melhor Atriz em Cannes. Na maioria das vezes, é a própria distribuidora, encarregada do lobby, que decide em qual categoria a atriz deve concorrer a fim de aumentar as chances de vitória.

Até o momento, uma das favoritas é Laura Dern por Wild. Filha do ator Bruce Dern, que concorreu ao Oscar este ano por Nebraska, ela chegou a ser indicada uma vez por As Noites de Rose no início dos anos 90, mas ficou mais famosa pelo blockbuster de Steven Spielberg, Jurassic Park – O Parque dos Dinossauros (1993). Pela calorosa recepção do Festival de Toronto, ela deve conquistar sua segunda indicação, fortalecendo a campanha do filme no Oscar. A seu favor, também conta sua participação no drama A Culpa é das Estrelas.

Já para os especialistas em Oscar, Patricia Arquette está na frente da disputa por seu papel de mãe em Boyhood: Da Infância à Juventude. Sua personagem é uma observadora atenta do crescimento de seu filho dos 5 aos 18 anos, gerando momentos maternos simples, porém tocantes como o primeiro dia de faculdade. Embora nunca tenha sido indicada para o prêmio da Academia, no mínimo, Arquette deve figurar na lista final.

Em alta por sua parceria com Woody Allen em Magia ao Luar e o sucesso de O Espetacular Homem-Aranha 2: A Ameaça de Electro, Emma Stone já pode colher os frutos através do trabalho com Alejandro González Iñárritu. Em Birdman, ela interpreta a filha problemática de Michael Keaton, passando por clínicas de reabilitação e constantes recaídas. Mais conhecida por sua veia cômica, a jovem atriz demonstra novas facetas em um trabalho mais dramático, uma característica que a Academia costuma ver com bons olhos.

Apoiada pelo recente histórico de indicações sem vitória, Viola Davis pode retornar ao tapete vermelho com o papel de mãe de James Brown. Além de seu talento habitual que tridimensionaliza personagens menores, ela conta com o triunfo da maquiagem envelhecedora, que tanto favorece as interpretações premiadas. Caso ocorra, esta será sua terceira indicação ao Oscar e com grandes chances de vitória, uma vez que ela repete parceria vencedora com o diretor Tate Taylor de Histórias Cruzadas.

MELHOR ANIMAÇÃO

• Operação Big Hero 6 (Big Hero 6), de Don Hall, Chris Williams
• Festa no Céu (Book of Life), de Jorge R. Gutierrez
• Os Boxtrolls (The Boxtrolls), de Graham Annable e Anthony Stacchi
• Como Treinar o seu Dragão 2 (How to Train your Dragon 2), de Dean DeBlois
• The Tale of Princess Kaguya (Kaguyahime no Monogatari), de Isao Takahata
• Uma Aventura LEGO (The Lego Movie)
, de Phil Lord e Christopher Miller
• As Aventuras de Peabody & Sherman (Mr. Peabody & Sherman), de Rob Minkoff
• Os Pinguins de Madagascar (Penguins of Madagascar), de Eric Darnell e Simon J. Smith
• Song of the Sea
, de Tomm Moore

Virou praxe: todo ano em que a Pixar está ausente, não há favoritos. O estúdio elevou tanto o nível de qualidade da animação que o cinema fica sem referência sem seus filmes. A briga deve se concentrar entre Operação Big Hero 6, Como Treinar seu Dragão 2 e Uma Aventura LEGO, com uma ligeira vantagem para o último por seu sucesso nas bilheterias nos EUA, que ultrapassa os 250 milhões de dólares.

E como de costume, a Academia gosta de incluir animações oriundas de outras nações, sendo Japão a mais indicada entre os estrangeiros. Na ausência do mestre Hayao Miyazaki, indicado este ano por Vidas ao Vento, outro mestre nipônico pode tomar seu lugar no Oscar: Isao Takahata, responsável por uma das animações mais tocantes de todos os tempos: Túmulo dos Vagalumes (1988). Seu mais novo trabalho, The Tale of Princess Kaguya, também foi produzido pelo Studio Ghibli de Miyazaki, e contém elementos fantásticos como a princesa do título ser do tamanho de um dedo.

Claro que se houver mais uma vaga pra animação estrangeira, a vaga pode ficar com o irlandês Song of the Sea, do mesmo Tomm Moore que foi indicado em 2010 por Uma Viagem ao Mundo das Fábulas (The Secret of Kells).

‘Ela’, de Spike Jonze, fatura o National Board of Review 2013

Joaquin Phoenix no futurista Ela, de Spike Jonze, que faturou o National Board of Review (photo by www.cine.gr)

Joaquin Phoenix no futurista Ela, de Spike Jonze, que faturou o National Board of Review (photo by http://www.cine.gr)

Como já foi dito no post anterior, se depender da quantidade de filmes candidatos ao Oscar, 10 indicados a Melhor Filme pode ser pouco para a demanda. Logo depois de Trapaça conquistar o New York Film Critics Circle (NYFCC), o novo filme de Spike Jonze, Ela (Her), vence as duas principais categorias: Filme e Diretor.

Até ontem, o filme era considerado um dos vários candidatos em potencial, mas nenhuma unanimidade, tanto que seu burburinho mais alto até então era a polêmica vitória de Scarlett Johansson como Melhor Atriz no Festival de Roma. Explico: a trama de Ela se passa num futuro hi-tech, no qual o escritor Theodore (Joaquin Phoenix) desenvolve um sentimento pela voz feminina de seu sistema operacional, feita por Johansson.

Li alguns artigos a respeito da “polêmica” e o problema parece ser premiar uma interpretação em que o ator não surge na tela. Não acredito que a origem da discussão seja Scarlett Johansson, pois se a crítica tem elogiado, ela deve ter conseguido criar profundidade e humanismo apenas com suas cordas vocais. Mesmo que fosse a voz de Meryl Streep, haveria uma polemicazinha, afinal, não existe a cultura de reconhecer trabalhos de interpretação vocal nas grandes premiações.

Scarlett Johansson ao lado do diretor Spike Jonze no último Festival de Roma (photo by )

Scarlett Johansson ao lado do diretor Spike Jonze no último Festival de Roma (photo by Vittorio Zunino Celotto/Getty Images)

Atualmente, existem apenas prêmios específicos para trabalhos de dublagem como o Voice Acting no Annie Awards. No Oscar, já houve tentativas fracassadas de incluírem dublagens nas categorias de atuação. Robin Williams como o Gênio em Aladdin (1992), e mais recentemente, Ellen DeGeneres como a Dori de Procurando Nemo (2003) geraram debates sobre suas inclusões como indicados à estaueta. Curiosamente, o Oscar já foi concedido às performances quase sem nenhum diálogo como Marlee Matlin em Filhos do Silêncio (1986) e no ano passado para Jean Dujardin em O Artista.

No final de novembro, foi anunciado que a voz de Scarlett era inelegível para concorrer ao Globo de Ouro, mas ela ainda pode disputar na categoria de atriz coadjuvante por seu papel em Como Não Perder Essa Mulher. Sem divulgar as razões, a Hollywood Foreign Press Association simplesmente vetou, mas até agora, poderá concorrer no SAG Awards e até no Oscar (quem diria!). Mas, convenhamos, as chances são quase nulas diante do conservadorismo da Academia.

Felizmente, os prêmios de críticos não têm dessas firulas. E também não há preconceitos com gêneros como ficção científica. O filme de Spike Jonze faz um interessante estudo sobre o futuro próximo enquanto nos tenta contar algo sobre o nosso tempo. Formado na escola de videoclipes, o diretor tem uma necessidade constante de inovação na linguagem e estrutura narrativa. Foi assim com Quero Ser John Malkovich (1999), Adaptação (2002) e Onde Vivem os Monstros (2009). Seu prêmio de Melhor Diretor serve como ótimo estímulo para que ele continue amadurecendo e se reinventando, algo essencial para a sobrevivência do Cinema.

Ao contrário dos demais prêmios de críticos, o National Board of Review também cria listas de top 10 e top 5 que permitem maior visibilidade de outros filmes não-premiados. Os favoritos ao Oscar estão lá:

– 12 Years a Slave
– Fruitvale Station: A Última Parada (Fruitvale Station)
– Gravidade (Gravity)
– Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum (Inside Llewyn Davis)
– Lone Survivor
– Nebraska
– Os Suspeitos (Prisoners)
– Walt nos Bastidores de Mary Poppins (Saving Mr. Banks)
– A Vida Secreta de Walter Mitty (The Secret Life of Walter Mitty)
– O Lobo de Wall Street (The Wolf of Wall Street)

Tratado como zebra, o filme Lone Survivor, de Peter Berg, pode continuar surpreendendo até o anúncio das indicações ao Oscar (photo by www.elfilm.com)

Tratado como zebra, o filme Lone Survivor, de Peter Berg, pode continuar surpreendendo até o anúncio das indicações ao Oscar (photo by http://www.elfilm.com)

Esse bônus também favorece algumas produções estrangeiras, que podem nem ter sido qualificadas para a categoria de Melhor Filme Estrangeiro no Oscar.

Além das Montanhas (Dupa Dealuri), de Cristian Mungiu – ROMÊNIA
Gloria (idem), de Sebastián Lelio – CHILE
The Grandmaster (Yi dai zong shi), de Wong Kar-Wai – HONG KONG
Seqüestro (Kapringen), de Tobias Lindholm – DINAMARCA
A Caça (Jagten), de Thomas Vinterberg – DINAMARCA

A produção dinamarquesa Sequestro pode não representar o país no Oscar, mas recebe reconhecimento dos críticos (photo by www.elfilm.com)

A produção dinamarquesa Sequestro pode não representar o país no Oscar, mas recebe reconhecimento dos críticos (photo by http://www.elfilm.com)

Entre as categorias de atuação, nenhum dos premiados do NYFCC voltou nessa lista, comprovando que não há favoritismos até o momento. Bruce Dern e Will Forte foram premiados ator e coadjuvante, respectivamente, pelo novo filme de Alexander Payne, Nebraska. Dern, que já havia vencido o prêmio de interpretação masculina em Cannes, renova suas chances no Oscar, tornando-o uma figurinha praticamente carimbada.

Vencedora do Oscar de Atriz por Retorno a Hoawards End, a inglesa Emma Thompson pode ter seu retorno triunfal no tapete vermelho graças ao filme Walt nos Bastidores de Mary Poppins, onde ela faz a autora do livro que deu origem ao filme musical. Depois de sua última indicação ao Oscar em 1996 por Razão e Sensibilidade, Thompson se tornou uma coadjuvante de luxo em grandes produções como a série Harry Potter e protagonizou filmes infantis como Nanny McPhee – A Babá Encantada.

Emma Thompson como a autora P.L. Travers em Walt nos Bastidores de Mary Poppins (photo by www.cine.gr)

Emma Thompson como a autora P.L. Travers em Walt nos Bastidores de Mary Poppins (photo by http://www.cine.gr)

Vencedora do Oscar de coadjuvante por Histórias Cruzadas, Octavia Spencer pode conquistar sua segunda indicação pelo drama Fruitvale Station: A Última Parada, que ainda conquistou mais dois prêmios: Diretor Estreante para Ryan Coogler e Revelação para Michael B. Jordan.

Ainda nas categorias de atuação, o Melhor Elenco foi para Os Suspeitos, de Denis Villeneuve. Hugh Jackman, Jake Gyllenhaal, Viola Davis, Terrence Howard, Melissa Leo e Paul Dano formam um elenco respeitável, porém alguns papéis não sustentam uma indicação como coadjuvante no Oscar.

Fechando, o iraniano Asghar Farhadi conquista o prêmio de Filme Estrangeiro, enquanto O Vento Está Soprando e Stories We Tell ganharam mais um prêmio de Animação e Documentário, respectivamente, e caminham fortalecidos para o Los Angeles Film Critics Association Awards (LAFCA), que divulgará sua lista no próximo dia 08.

Confira lista completa dos vencedores:

MELHOR FILME: Ela (Her)

MELHOR DIRETOR: Spike Jonze (Ela)

MELHOR ATOR: Bruce Dern (Nebraska)

MELHOR ATRIZ: Emma Thompson (Walt nos Bastidores de Mary Poppins)

MELHOR ATOR COADJUVANTE: Will Forte (Nebraska)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Octavia Spencer (Fruitvale Station: A Última Parada)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL: Joel Coen e Ethan Coen (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO: Terence Winter (O Lobo de Wall Street)

MELHOR ANIMAÇÃO: O Vento Está Soprando, de Hayao Miyazaki

ATOR REVELAÇÃO: Michael B. Jordan (Fruitvale Station: A Última Parada)

ATRIZ REVELAÇÃO: Adèle Exarchopoulos (Azul é a Cor Mais Quente)

MELHOR DIRETOR ESTREANTE: Ryan Coogler (Fruitvale Station: A Última Parada)

MELHOR FILME ESTRANGEIRO: The Past, de Asghar Farhadi

MELHOR DOCUMENTÁRIO: Stories We Tell, de Sarah Polley

PRÊMIO William K. Everson Film History: George Stevens, Jr.

MELHOR ELENCO: Os Suspeitos (Prisoners), de Denis Villeneuve

Spotlight Award: Colaboração de carreira entre Martin Scorsese e Leonardo DiCaprio

PRÊMIO NBR Freedom of Expression: O Sonho de Wadjda, de Haifaa Al-Mansour

PRÊMIO Creative Innovation in Filmmaking: Gravidade, de Alfonso Cuarón

Top 10 Filmes (em ordem alfabética):

12 Years a Slave, Fruitvale Station: A Última Parada, Gravidade, Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum, Lone Survivor, Nebraska, Os Suspeitos, Walt nos Bastidores de Mary Poppins, A Vida Secreta de Walter Mitty, O Lobo de Wall Street

Top 5 Filmes Estrangeiros (em ordem alfabética):

– Além das Montanhas
– Gloria
– The Grandmaster
– O Seqüestro
– A Caça

Top 5 Documentários (em ordem alfabética):

– 20 Feet from Stardom
– O Ato de Matar
– After Tiller
– Casting By
– The Square

Top 10 Filmes Independentes (em ordem alfabética):

– Ain’t Them Bodies Saints
– Dallas Buyers Club
– In a World…
– Mother of George
– Muito Barulho por Nada (Much Ado About Nothing)
– Amor Bandido (Mud)
– O Lugar Onde Tudo Termina (The Place Beyond the Pines)
– Short Term 12
– Sightseers
– The Spectacular Now

O simpático e comovente Muito Barulho por Nada foi bem lembrado pelo NBR (photo by www.elfilm.com)

O simpático e comovente Muito Barulho por Nada foi bem lembrado pelo NBR (photo by http://www.elfilm.com)

Festival de Sundance 2013

Festival de Sundance 2013 (photo by moviewiseguys.com)

Festival de Sundance 2013 (photo by moviewiseguys.com)

Peço perdão aos cinéfilos que buscavam notícias do último Festival de Sundance. Infelizmente, assim como o Festival de Berlim, o evento ocorre no mesmo conturbado período do Globo de Ouro e Oscar. Além disso, como se trata de um festival de cinema independente americano, as notícias aqui no Brasil são bem mais escassas. Se alguns filmes de estúdio já demoram um pouco para chegar em telas brasileiras, imaginem os independentes…

Fundado pelo diretor, ator e produtor Robert Redford, o Instituto Sundance é uma organização sem fins lucrativos que provém espaço para artistas independentes que almejam contar histórias desprovidos de pressões comerciais e/ou políticas desde 1981. Muitas dessas produções apoiadas financeiramente se tornaram sucesso como Pulp Fiction – Tempo de Violência, de Quentin Tarantino, Os Suspeitos, de Bryan Singer, e o brasileiro Central do Brasil, de Walter Salles.

Já em sua quarta década de avanços, o Festival de Sundance deixou de ser um nicho para abraçar o mundo e até a premiação da indústria: o Oscar. Indomável Sonhadora, o grande vencedor de 2012 de Sundance, recebeu quatro indicações: Melhor Filme, Diretor, Atriz e Trilha Musical.

Esse percurso vitorioso feito pelo filme de Benh Zeitlin acarreta maior atenção ao Festival de Sundance, e denota um olhar mais carinhoso por parte da Academia por um cinema mais criativo e ousado, que predomina em Sundance. Aliás, há muito tempo o Oscar deixou de ser uma premiação de filmes de grandes estúdios.

Este ano, Fruitvale Station foi o vencedor do U.S. Grand Jury Prize – Dramatic. O filme conta a história do rapaz Oscar, de 22 anos, que retorna à sua cidade natal para morrer baleado na noite de ano novo de 2009. A estréia do diretor Ryan Coogler comoveu o público e foi aplaudida de pé após a exibição, levando também o Audience Award, eleito pelos espectadores.

Fruitvale, filme de estréia de Ryan Coogler, foi o grande vencedor de Sundance (photo by filmguide.sundance.org)

Fruitvale Station, filme de estréia de Ryan Coogler, foi o grande vencedor de Sundance (photo by filmguide.sundance.org)

Apesar de contar com Chad Michael Murray (série One Tree Hill) e a última vencedora do Oscar de coadjuvante, Octavia Spencer (Histórias Cruzadas), foram as performance dos novatos Michael B. Jordan e Melonie Diaz que mais chamaram a atenção da crítica.

Já na categoria Documentário, Blood Brother conquistou a crítica ao acompanhar a história de Rocky Braat, um rapaz americano que, insatisfeito com sua vida, decide se mudar para a Índia para cuidar de crianças pobres e portadoras do vírus HIV. Através de sua jornada, ele busca superar sua crise existencial. A produção foi coroada como U.S. Grand Jury Prize – Documentary e Audience Award.

Em discurso de agradecimento, o próprio Rocky subiu ao palco: “Isto é tão encorajador. Para as crianças, isto é maravilhoso, porque a vida delas são tão desafiadoras. E ninguém se lembra do nome delas. Para pegar a história delas para que todos possam ver.”

O documentário Blood Brother, que acompanha Rocky Braat (à esq.) na Índia (photo by filmguide.sundance.org)

O documentário Blood Brother, que acompanha Rocky Braat (à esq.) na Índia (photo by filmguide.sundance.org)

Vale lembrar que o prêmio Waldo Salt de Melhor Roteiro é um importante reconhecimento entre os escritores, tanto que foi batizado sob o nome do roteirista do clássico cult Perdidos na Noite (1969). Vencedores passados incluem Debra Granik, Anne Rosselini (Inverno da Alma), Noah Baumbach (A Lula e a Baleia) e Kenneth Lonnergan (Conte Comigo), todos indicados ao Oscar.

Com a globalização e a falta de criatividade e originalidade dos grandes estúdios, Hollywood e o Oscar têm se rendido cada vez mais ao poder dos filmes de baixo orçamento. Claro que as produções independentes precisam de uma mãozinha de uma Weinstein Company que possa distribuir e fazer lobby, mas já fico feliz que Sundance já tenha saído daquele cantinho escuro dos EUA para abraçar o mundo, dando oportunidades para jovens e talentosos artistas do mundo todo.

Esperamos também que esses filmes possam aterrissar no Brasil, nem que demore um ano ou mais, mas que fiquem disponíveis para espectadores curiosos.

Shailene Woodley e Mike Teller: vencedores do prêmio de atuação em Sundance por The Spectacular Now (photo by filmguide.sundance.org)

Shailene Woodley e Mike Teller: vencedores do prêmio de atuação em Sundance por The Spectacular Now (photo by filmguide.sundance.org)

Segue lista completa dos vencedores do Festival de Sundance:

U.S. Grand Jury Prize – Dramatic: Fruitvale Station, de Ryan Coogler
U.S: Grand Jury Prize – Documentary: Blood Brother, de Steve Hoover
World Cinema Grand Jury Prize – Dramatic: Jiseul, de Muel O
World Cinema Grand Jury Prize – Documentary: A River Changes Course, de Kalyanee Mam

Audience Award: U.S. Dramatic: Fruitvale Station, de Ryan Coogler
Audience Award: U.S. Documentary: Blood Brother, de Steve Hoover
Audience Award: World Cinema Dramatic: Metro Manila, de Sean Ellis
Audience Award: World Cinema: Documentary: The Square, de Jehane Noujaim
Audience Award: Best of NEXT: This is Martin Bonner, de Chad Hartigan

Directing Award: U.S. Dramatic: Afternoon Delight, de Jill Soloway
Directing Award: U.S. Documentary: Cutie and the Boxer, de Zachary Heinzerling
Directing Award: World Cinema Dramatic: Crystal Fairy, de Sebastián Silva
Directing Award: World Cinema Documentary: The Machine Which Make Everything Disappear, de Tinatin Gurchiani

Cinematography Award: U.S. Dramatic: Ain’t Them Bodies Saints, de David Lowery
Cinematography Award: U.S. Dramatic: Mother of George, de Andrew Dosunmu
Cinematography Award: U.S. Documentary: Dirty Wars, de Richard Rowley
Cinematography Award: World Cinema Dramatic: Lasting, de Jacek Borcuch
Cinematography Award: World Cinema Documentary: Who is Dayani Cristal?, de Marc Silver

U.S. Documentary Special Jury Award for Achievement in Filmmaking: Inequality for All, de Jacob Kornbluth
U.S. Documentary Special Jury Award for Achievement in Filmmaking: American Promise, de Joe Brewster, Michèle Stephenson
U.S. Dramatic Special Jury Award for Acting: Miles Teller & Shailene Woodley (The Spectacular Now)
U.S. Dramatic Special Jury Award for Sound Design: Shane Carruth & Johnny Marshall (Upstream Color)
World Cinema Dramatic Special Jury Award: Circles, de Srdan Golubovic
World Cinema Documentary Special Jury Award for Punk Spirit: Pussy Riot – A Punk Prayer, de Mike Lerner, Maxim Pozdorovkin

Editing Award: U.S. Documentary: Gideon’s Army, de Dawn Porter
Editing Award: World Cinema Documentary: The Summit, de Nick Ryan

Waldo Salt Screenwriting Award: U.S. Dramatic: In a World…, de Lake Bell
Screenwriting Award: World Cinema Dramatic: Wajma (An Afghan Love Story), de Barmak Akram
Alfred P. Sloan Feature Film Prize: Computer Chess, de Andrew Bujalski

Short Film Grand Jury Prize: The Whistle, de Grzegorz Zariczny
Short Film Jury Award: US Fiction: Whiplash, de Damien Chazelle
Short Film Jury Award: International Fiction: The Date, de Jenni Toivoniemi
Short Film Jury Award: Non-fiction: Skinningrove, de Michael Almereyda
Short Film Jury Award: Animation: Irish Folk Furniture, de Tony Donoghue
Short Film Special Jury Award for Acting: Joel Nagle (Palimpsest)
Short Film Special Jury Award: Kahlil Joseph (Until the Quiet Comes)
Short Film Audience Award, Presented by YouTube: Catnip: Egress to Oblivion, de Jason Willis

Metro Manila, de Sean Ellis. O diretor já ganhou um Oscar por seu curta Cashback (photo by filmguide.sundance.org)

Metro Manila, de Sean Ellis. O diretor já foi indicado ao Oscar por seu curta Cashback em 2006 (photo by filmguide.sundance.org)

Apostas para Globo de Ouro 2013

70ª edição do Globo de Ouro (photo by sheknows.com)

70ª edição do Globo de Ouro (photo by sheknows.com)

Antes de começar a palpitar, acreditava que o canal Sony transmitiria a cerimônia do Globo de Ouro, mas como não vi nenhuma propaganda no ar, e ontem li no jornal gratuito Metro que o canal TNT assumiria essa responsabilidade. Fique atento pouco antes do evento, que deve ter início por volta das 22h30 (horário de Brasília).

Depois de três anos como host, o comediante britânico Ricky Gervais (da série The Office original) teve que ceder seu trono nesta 70ª edição do prêmio. Os organizadores do evento devem ter concluído que três anos de tortura para as celebridades é o suficiente! Gervais não tinha papas na língua e era do tipo “perde o amigo, mas não perde a piada” e isso causou um incômodo nas estrelas de Hollywood, que já se esforçavam para sorrir toda a noite. Como fã de seu humor negro e ácido, espero que Gervais retorne ao seu posto.

Este ano, a dupla de comediantes Tina Fey (30 Rock) e Amy Poehler (Parks & Recreation) foram convocadas para animar a entrega de prêmios. Ambas já trabalharam juntas na boa comédia Uma Mãe Para o Meu Bebê (Baby Mama) em 2008, e têm uma química que funciona na tela. Acredito que se trata de uma escolha que deve agradar a todos, incluindo as celebridades.

Amy Poehler (a esq) e Tina Fey em foto promocional para o Globo de Ouro, que deve ter arrecadado uma graninha da All Star (photo by stylelist.com)

Amy Poehler (a esq) e Tina Fey em foto promocional para o Globo de Ouro, que deve ter arrecadado uma graninha da All Star (photo by stylelist.com)

Vale lembrar que o Globo de Ouro tem seu momento de homenagem chamado Prêmio Cecil B. DeMille, que reconhece a carreira de profissionais da área entre atores e diretores. Em 2012, Morgan Freeman foi o homenageado. Este ano, a outrora garota-prodígio de Hollywood, Jodie Foster, receberá as honrarias. Embora tenha apenas 50 aninhos de idade, a atriz começou muito cedo, participando de propagandas de TV, programas de TV e filmes. Entre suas melhores performances estão: Taxi Driver (1976), Acusados (1988), O Silêncio dos Inocentes (1991), Nell (1994) e Contato (1997).

Jodie Foster, como a agente Clarice Starling em O Silêncio dos Inocentes: minhas paixão quando eu tinha meus 10 aninhos.

Jodie Foster, como a agente Clarice Starling em O Silêncio dos Inocentes: minha paixão quando eu tinha meus 10 aninhos.

Apesar de ser o recordista de indicações com sete, a produção de época Lincoln não parece figurar entre os favoritos da imprensa. Deve ser compensado nas categorias de atuação, com Daniel Day-Lewis quase 100% garantido no palco.

Acredito que, por terem sido bem cotados na imprensa e crítica, Argo e A Hora Mais Escura têm mais chances de vencerem como Melhor Filme – Drama, entretanto, como a Academia enfraqueceu ambos ao não indicar seus respectivos diretores, pode ser que Lincoln ganhe fôlego nessa reta final. Por outro lado, há muito o Globo de Ouro deixou de ser a melhor prévia do Oscar, então os vencedores devem divergir muito.

Aproveitando-se do bom momento vivido pelas indicações ao Oscar, a comédia O Lado Bom da Vida deve levar Melhor Filme – Comédia ou Musical, fortalecido pelas prováveis vitórias de seus atores principais Bradley Cooper e Jennifer Lawrence. Se isso se confirmar, o diretor David O. Russell deve perder para Chris Terrio (Argo) para Melhor Roteiro.

David O. Russell entre os atores Bradley Cooper e Jennifer Lawrence em O Lado Bom da Vida (photo by latimes.com)

David O. Russell entre os atores Bradley Cooper e Jennifer Lawrence em O Lado Bom da Vida (photo by latimes.com)

Na categoria de direção, que no Oscar se tornou uma grande caixa de bombons, o Globo de Ouro deve ficar entre Kathryn Bigelow e Ben Affleck. Como o Globo de Ouro preteriu Guerra ao Terror para premiar o bilionário Avatar em 2010 nas categorias de Filme e Diretor, existe a forte possibilidade da Associação de Imprensa Estrangeira compensar Kathryn Bigelow este ano por A Hora Mais Escura. Affleck e seu Argo ficariam com Melhor Filme – Drama.

Nas categorias de atuação, Jessica Chastain (A Hora Mais Escura) tem maiores chances com as ausências de Emmanuelle Riva e Quvenzhané Wallis (ambas indicadas ao Oscar). Além disso, outra favorita ao Oscar, Jennifer Lawrence, concorre na categoria de Atriz – Comédia ou Musical.

Jessica Chastain ganhou destaque em 2012 por Histórias Cruzadas, A Árvore da Vida e O Abrigo.  Agora concorre por A Hora Mais Escura (photo by OutNow.CH)

Jessica Chastain ganhou destaque em 2012 por Histórias Cruzadas, A Árvore da Vida e O Abrigo. Agora concorre por A Hora Mais Escura (photo by OutNow.CH)

Entre os coadjuvantes, hesitei em colocar Anne Hathaway no lugar de Sally Field, pois a última é muito querida pela crítica e foi indicada para o Globo de Ouro de Melhor Atriz de Série de TV – Drama em 2008 e 2009 por Brothers & Sisters. Apostei no burburinho de Hathaway emocionando platéias quando canta em Os Miseráveis e, de certa forma, como prêmio de consolação numa eventual derrota do musical como Melhor Filme – Comédia ou Musical.

Na competição masculina, Philip Seymour Hoffman e Christoph Waltz formam a dupla de franco-favoritos. Como Hoffman compensaria a ausência de O Mestre nas principais categorias e Waltz ganhou recentemente por Bastardos Inglórios, apostei no primeiro.

Gostaria de ver o cineasta Tim Burton premiado com Melhor Animação por Frankenweenie, mas nas últimas semanas, vi que Detona Ralph vem conquistando o público e a crítica, ameaçando o favoritismo de Burton. Contudo, ele deve ter melhores chances no Oscar por ser querido por muitos atores com quem trabalhou.

Detona Ralph vem crescendo nas premiações (photo by OutNow.CH)

Detona Ralph vem crescendo nas premiações (photo by OutNow.CH)

Depois de se sagrar com a Palma de Ouro no Festival de Cannes, em incontáveis prêmios da crítica internacional e com cinco indicações ao Oscar, o filme de Michael Haneke, Amor, praticamente garantiu Melhor Filme Estrangeiro. Mesmo que o filme anterior de Haneke, A Fita Branca, já tenha levado o prêmio em 2010, Amor está imbatível nessa categoria.

Enfim, procurei equilibrar o histórico de premiações e justiça, mas nem sempre tais características reinam nessas cerimônias, especialmente a do Oscar. Então, sem mais delongas, meus palpites para o Globo de Ouro 2013:

MELHOR FILME – DRAMA

Argo (Argo), de Ben Affleck

MELHOR FILME – COMÉDIA OU MUSICAL

O Lado Bom da Vida (Silver Linings Playbook), de David O. Russell

MELHOR ATOR – DRAMA

Daniel Day-Lewis (Lincoln)

MELHOR ATRIZ – DRAMA

Jessica Chastain (A Hora Mais Escura)

MELHOR ATOR – COMÉDIA OU MUSICAL

Bradley Cooper (O Lado Bom da Vida)

MELHOR ATRIZ  – COMÉDIA OU MUSICAL

Jennifer Lawrence (O Lado Bom da Vida)

MELHOR ATOR COADJUVANTE

Philip Seymour Hoffman (O Mestre)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Anne Hathaway (Os Miseráveis)

MELHOR DIRETOR

Kathryn Bigelow (A Hora Mais Escura)

MELHOR ROTEIRO

Chris Terrio (Argo)

MELHOR TRILHA MUSICAL

Alexandre Desplat (Argo)

MELHOR CANÇÃO

“Skyfall”, de Adele e Paul Epworth (007 – Operação Skyfall)

MELHOR ANIMAÇÃO

Detona Ralph (Wreck-it Ralph), de Rich Moore

MELHOR FILME ESTRANGEIRO

Amor (Amour), de Michael Haneke

Indicações ao SAG Awards 2013

SAG Awards

SAG Awards

Depois de dois meses de especulações, a corrida para o Oscar 2013 nas categorias de atuação está finalmente se definindo. O prêmio do SAG (Screen Actors Guild), o sindicato dos atores, é o melhor parâmetro para o Oscar. Quem leva o prêmio, está com “uma mão na taça”.

Claro que, como as vagas são muito limitadas, muita gente que estava no meio do burburinho ficou de fora. Na ala masculina, o caso mais claro é a ausência de Joaquin Phoenix, que deve ter ficado de fora por causa de seu temperamento, pois sua atuação foi muito bem elogiada até agora. Numa entrevista, ele teria dito: “O Oscar é uma besteira… e não quero participar mais disso. Não acredito nisso. É uma cenoura, mas com o pior gosto que já provei em toda a minha vida. É totalmente subjetivo. Colocar as pessoas contra as outras… É a coisa mais estúpida do mundo.” Claro que isso repercutiu bastante em Hollywood e muitos já diziam que o ator teria cavado seu próprio túmulo.Phoenix, que já fora indicado em 2001 por Gladiador e em 2006 por Johnny e June, talvez tenha azedado por ter perdido nas duas oportunidads. Não sabemos se isso seria uma estratégia, mas se for, já funcionou. Sim, em 1971, George C. Scott veio com o mesmo discurso de bad boy e levou o Oscar por Patton – Rebelde ou Herói?. Não foi receber no palco pra ser coerente, mas levou!

Ou é muito louco ou é muito inteligente. Joaquin Phoenix faz pouco caso do Oscar em entrevista.

Ou é muito louco ou é muito inteligente. Joaquin Phoenix faz pouco caso do Oscar em entrevista.

E o Matthew McConaughey? Ele vinha ganhando importantes prêmios da crítica como coadjuvante por Magic Mike, mas a indicação ao SAG que carimbaria sua passagem para o tapete vermelho do Oscar não veio. Claro que as possibilidades ainda são boas, mas a vitória ficou bem mais longe, ainda mais que outros concorrentes cresceram como Robert De Niro e Javier Bardem.

Já na ala feminina, a veterana Emmanuelle Riva foi a ausência mais sentida. Apesar de não ser americana, nem inglesa, esta atriz francesa vinha chamando atenção pelo trabalho em Amour. Embora tenha sido ignorada pelo Screen Actors Guild, acredito bastante em sua indicação ao Oscar pelo prestígio que ela tem como artista. Sem contar que ela se tornaria a atriz mais velha a ser indicada ao prêmio.

Do lado totalmente oposto, a atriz-mirim Quvenzhané Wallis ficou de fora por motivos meio fúteis. Segundo as regras do SAG, apenas atores sindicalizados podem receber tal honraria, e Wallis e Dwight Henry, que contracena com ela, não eram filiados antes das filmagens de Indomável Sonhadora.

Quvenzhané Wallis: barrada por uma regra. O SAG Awards perde em qualidade.

Quvenzhané Wallis: barrada por uma regra. O SAG Awards perde em qualidade.

Na categoria de coadjuvante, Amy Adams foi substituída por Nicole Kidman. Digo isso porque Kidman nem vinha sendo tão cotada para premiações, ao contrário de Adams. Mas acredito que esse jogo vai virar, porque Amy Adams é muito querida pela Academia e há um bom tempo vem merecendo esse reconhecimento.

Particularmente, gostei das indicações de Jessica Chastain e Helen Mirren. Apesar de não ter visto ambas as performances, são dois talentos em extrema ascensão hoje. Chastain é uma gema novíssima em Hollywood. Em 2011, estrelou em vários filmes como A Árvore da Vida, Histórias Cruzadas e O Abrigo, confirmando a diversidade como um de seus talentos. E Dame Helen Mirren dispensa comentários. Cada papel seu ganha tridimensionalidade com seu trabalho, e ao viver a mulher de Alfred Hitchcock, Alma Reville, ela traz mais humor negro ao projeto biográfico do diretor.

Jessica Chastain em A Hora Mais Escura

Jessica Chastain em A Hora Mais Escura

MELHOR ATOR

Bradley Cooper (O Lado Bom da Vida)

Daniel Day-Lewis (Lincoln)

John Hawkes (The Sessions)

Hugh Jackman (Les Misérables)

Denzel Washington (Flight)

MELHOR ATRIZ

Jessica Chastain (A Hora Mais Escura)

Marion Cotillard (Ferrugem e Osso)

Jennifer Lawrence (O Lado Bom da Vida)

Helen Mirren (Hitchcock)

Naomi Watts (O Impossível)

MELHOR ATOR COADJUVANTE

Alan Arkin (Argo)

Javier Bardem (007 – Operação Skyfall)

Robert De Niro (O Lado Bom da Vida)

Philip Seymour Hoffman (The Master)

Tommy Lee Jones (Lincoln)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Sally Field (Lincoln)

Anne Hathaway (Les Misérables)

Helen Hunt (The Sessions)

Nicole Kidman (The Paperboy)

Maggie Smith (O Exótico Hotel Marigold)

MELHOR ELENCO

Argo

O Exótico Hotel Marigold

Les Misérables

Lincoln

O Lado Bom da Vida

 

A cerimônia de entrega do SAG Awards será transmitida pelo canal TNT no dia 21 de janeiro de 2013.

O elenco senil de O Exótico Hotel Marigold

O elenco senil de O Exótico Hotel Marigold

Prévia do Oscar 2013: Atriz Coadjuvante

A última vencedora de Atriz Coadjuvante: Octavia Spencer por Histórias Cruzadas.

Pela história do Oscar, a categoria de Melhor Atriz Coadjuvante é a mais imprevisível das quatro de atuação, pois na maioria das vezes, as candidatas não estão ligadas ao Melhor Filme, o que dificulta numa aposta de bolão. Na verdade, se formos pensar de forma otimista, a categoria de Melhor Atriz Coadjuvante é a mais ousada. Já premiou crianças como Anna Paquin por O Piano (1993) e Tatum O’Neal por Lua de Papel (1973). Foi a primeira a reconhecer um ator negro na história do Oscar: Hattie McDaniel pelo papel da empregada doméstica Mammy de … E o Vento Levou, em 1940.

Hattie McDaniel, a primeira negra a vencer o Oscar: um marco na história.

Aliás, em seu discurso de agradecimento em 2006, George Clooney fez uma breve menção a essa histórica vitória: “… esta Academia, este grupo de pessoas deu um Oscar para Hattie McDaniel em 1939 quando negros ainda se sentavam no fundo dos cinemas. Estou orgulhoso de fazer parte desta Academia, orgulhoso de fazer parte desta comunidade…”

Como cinéfilo, torço para que as atrizes indicadas nesta categoria tenham a oportunidade de crescer na carreira e chegar na corrida para Melhor Atriz. Este ano, algumas candidatas têm boas chances de decolar em definitivo. Amy Adams (que já tem três indicações como coadjuvante), Anne Hathaway (tem uma indicação como atriz, mas por um filme independente) e Olivia Williams, que brilhou em O Escritor Fantasma, pode finalmente ter seu trabalho reconhecido pela Academia.

Inevitavelmente, há casos em que as atrizes podem ser compensadas por derrotas anteriores, como pode ser o caso de Viola Davis, que chegou muito próximo do Oscar de atriz esse ano, mas perdeu para Meryl Streep.

E para dar mais consistência ao caldo, a presença de atrizes veteranas só valorizaria mais o prêmio. Vanessa Redgrave, uma das melhores atrizes vivas hoje, já tornaria tudo mais interessante. Com seis indicações, a atriz britânica já levou um na década de 70 por Júlia, dirigida por Fred Zinnemann. Outra britânica veterana que pode retornar é Maggie Smith. Com o fim da loga franquia de Harry Potter, na qual interpretava a feiticeira Minerva, ela se juntou com outros atores experientes em O Exótico Hotel Marigold. Como em Assassinato em Gosford Park, ela rouba a cena com seu humor tipicamente britânico. E Sally Field, vencedora de dois Oscars, que encontrou reduto na TV, pode voltar com mais frequência às telas de cinema.

Amy Adams em The Master

AMY ADAMS (The Master)

Italiana de nascença, Amy Adams tinha tudo para se tornar uma cantora ou bailarina, pois praticou canto no coro da igreja e fez aulas de balé. Depois de sofrer uma distenção muscular, ela decidiu que participaria de um teste para atriz. O filme era Lindas de Morrer (1999) e, como se trata de uma comédia sobre concurso de beleza, Amy conseguiu o papel pela sua aparência deslumbrante. Em 2001, conseguiu uma grande oportunidade de atuar ao lado de Leonardo DiCaprio em Prenda-me se for Capaz, de Steven Spielberg, mas não rendeu os frutos esperados, pois ficou um ano sem trabalho.

Foi apenas em 2005, com o filme independente Retratos de Família (Junebug), no qual dá vida à animadíssima grávida Ashley, que lhe rendeu sua primeira indicação ao Oscar. Provado seu talento e acrescido de sua beleza, a Disney lhe ofereceu a papel da bela princesa de Encantada (2007), superando mais de 300 candidatas. A produção bem-sucedida comercialmente ainda permitiu que Amy Adams comprovasse seu outro talento: o canto. No Oscar de 2008, como a canção “Happy Working Song” foi indicada, a atriz subiu ao palco e cantou solitaria e animadamente.

Em sua curta trajetória, obteve mais duas indicações ao Oscar como coadjuvante: em 2009, por Dúvida e em 2011, por O Vencedor. Como prova de sua versatilidade, ela interpretou uma freira e uma garçonete, respectivamente. Tornou-se material de ouro para vários diretores, inclusive Walter Salles (Na Estrada) e Paul Thomas Anderson, nesse The Master.

No filme da cientologia, Amy faz a esposa do iluminado Lancaster Dodd, Peggy. Sua personagem verídica está presente e ciente de tudo, funcionando como uma espécie de conselheira para seu marido. Talvez não tenha o peso do personagem Lancaster (Philip Seymour Hoffman), mas como a atriz tem muito prestígio e tem mais dois bons filmes no ano (Na Estrada e Curvas da Vida, que atua ao lado de Clint Eastwood), Amy Adams é presença garantida na lista.

2013 promete: ela assinou contrato para ser a nova Lois Lane em Superman – O Homem de Aço e a polêmica cantora Janis Joplin, cujo filme deve ser dirigido por Lee Daniels.

Samantha Barks em Les Misérables

SAMANTHA BARKS (Les Misérables)

Confesso que não sei quase nada sobre esta jovem e bela atriz britânica. Samantha Barks atuou em duas séries televisivas européias, sendo que uma delas é sobre música: I’do Anything (2008), uma espécie de programa reality, que já confirmaria o talento musical da jovem.

Curiosamente, já em 2010, a atriz foi escalada para interpretar Eponine na montagem musical Les Misérables in Concert: The 25th Anniversary, dirigido por Nick Morris, especialista em video clipes e concertos.

Quando Les Misérables iniciou os testes com atrizes, inúmeros nomes famosos foram cogitados. Scarlett Johansson, Hayden Panettiere, Emily Browning, Lucy Hale e Evan Rachel Wood estavam na lista, mas como não devem ter agradado aos ouvidos do casting com seus cantos de sereia, resolveram tentar com a cantora-babe country Taylor Swift. Mas quem disse que tinha talento pra representar? Vamos chamar alguém com experiência! E viram o concerto de Nick Morris.

O nome de Samantha Barks já saiu em algumas listas internacionais nos burburinhos para a temporada de premiações. Mesmo que tenha seu brilho ofuscado por Anne Hathaway, a atriz deve decolar em Hollywood nos anos seguintes. Basta que ela e seu agente saibam escolher os melhores projetos.

Viola Davis em Won’t Back Down

VIOLA DAVIS (Won’t Back Down)

Viola Davis é daquelas atrizes muito humildes que está cada vez mais raro encontrar em Hollywood. Ela começou a atuar em filmes no final dos anos 90, e apesar de interpretar papéis menores, trabalhou com diretores de prestígio como Steven Soderbergh em Irresistível Paixão (1998) e Traffic (2000), e Todd Haynes no belo filme Longe do Paraíso, no qual vive a discretíssima doméstica Sybill.

Quando Viola Davis foi indicada ao Oscar de coadjuvante por poucos minutos de tela de sua personagens Mrs. Miller em Dúvida, Meryl Streep chegou a mencioná-la num discurso de agradecimento: “… por favor, alguém dê uma chance para Viola estrelar um filme!”. O pedido de Meryl foi atendido e os produtores apostaram na atriz para protagonizar o drama Histórias Cruzadas, como a doméstica que sofre racismo nos anos 60 no Mississipi. Resultado: uma nova indicação ao Oscar, mas desta vez como Melhor Atriz.

Infelizmente, numa disputa acirradíssima, Viola Davis levou a pior contra Streep. Mas como existe a possibilidade da Academia estar disposta a compensá-la, alguns especialistas acreditam que ela pode estar na lista final pelo drama Won’t Back Down. No filme, ela é uma mãe que, preocupada com a educação precária que seu filho vem recebendo da escola pública, acaba ingressando na própria escola a fim de realizar melhorias necessárias.

Por esse retrato da decadência do sistema público de educação, o filme recebeu protestos de professores. Não que estejam reclamando do filme em si, mas do governo que os colocam como culpados. Em entrevista, Viola Davis retrucou muito polidamente: “Sou receptiva aos protestos. Gosto de discussão. Acho que o discurso proporciona mudanças. No final do filme, o professor é o herói no fim do dia.  E é um sistema que está falido e precisa ser consertado.”Apesar da polêmica, a atriz sai fortalecida, e se conseguir a indicação, aí pode se tornar favorita contra Anne Hathaway.

Sally Field em Lincoln

SALLY FIELD (Lincoln)

Resumidamente, Sally Field se destacou primeiro pela TV, na série cômica A Noviça Voadora (1967). Em sua nova fase na carreira, migrou para o cinema e ganhou dois Oscars: em 1980 com o drama sindicalista Norma Rae, e em 1985 com o momento racista de Mississipi em Um Lugar no Coração.

Já na década de 90, Sally Field estrelou alguns filmes menos expressivos como Olho por Olho (1995) e a comédia com Robin Williams, Uma Babá Quase Perfeita, mas ficou extremamente marcada como a mãe carinhosa de Forrest Gump – O Contador de Histórias (1994).

Espera-se que esse carinho tenha se repetido como a segunda esposa do presidente Abraham Lincoln. Independente do resultado final, Spielberg acertou na escolha de Field pela sua credibilidade como atriz veterana e pela exposição na TV, pela série Brothers & Sisters, que já lhe rendeu indicações para o Globo de Ouro e Emmy.

No entanto, como as atenções para o elenco estão reunidas em Daniel-Day Lewis, acho difícil uma vitória de Sally Field, ainda mais que a concorrência está acirrada com Anne Hathaway e Amy Adams.

Anne Hathaway em Les Misérables

ANNE HATHAWAY (Les Misérables)

Quem diria que aquela jovem atriz de O Diário da Princesa tomaria Hollywood alguns anos depois? Sua ascensão se divide em três etapas. Começou depois de atuar em O Segredo de Brokeback Mountain (2005), sob a tutela de um inspiradíssimo Ang Lee. Seu papel como Lureen, esposa de Jake Gyllenhaal, tem partipação pequena, mas ali ela já mostra maior alcance em termos de expressão e sotaque.

Com o sucesso estrondoso de O Diabo Veste Prada, ela certamente garantiu um lugar de destaque em Hollywood, provando que tem carisma com o público juvenil e possui bom timing cômico. Claro que seu agente agradeceu, pois seu salário foi parar na estratosfera depois do filme. Mas Hathaway ainda não estava satisfeita. Ela queria provar ao mundo que era mais do que um rosto bonito, por isso, aceitou a proposta de atuar no drama O Casamento de Rachel, de Jonathan Demme, no qual vive uma jovem recém-saída da clínica de reabilitação para ver sua irmã casar. Sua coragem foi premiada com sua primeira indicação ao Oscar.

Curiosamente, no Oscar 2009, ela participou do número de abertura ao lado de Hugh Jackman, cantando muito bem uma paródia do filme Frost/Nixon. Sua qualidade vocal foi tão bem elogiada pelos companheiros, que ela acabou sendo cotada para este musical Les Misérables. E segundo matérias especializadas, no teste, Anne cantou “I Dreamed a Dream” de forma tão comovente que os demais atores choraram.

Se ela conseguir comover o público como promete, ela está na frente na disputa de Melhor Atriz Coadjuvante.

Helen Hunt em The Sessions

HELEN HUNT (The Sessions)

Depois que Helen Hunt ganhou como Melhor Atriz em 1998 pela ótima comédia Melhor É Impossível, a atriz sofreu a maldição do Oscar. Oriunda da série de TV, Mad About You, ela vinha em ascensão depois do sucesso do blockbuster Twister (1996), mas depois do ápice, caiu em desgraça e não soube escolher bons projetos que pudessem valorizar sua performance e timing cômico. A carreira dela depois do Oscar no cinema pode se resumir a comédia light Do que as Mulheres Gostam (2000), atuou na comédia razoável de Woody Allen, O Escorpião de Jade (2001), e foi figurante em Náufrago (2000).

Acho que Helen Hunt precisa aproveitar o sucesso de crítica de The Sessions, no qual ela faz uma profissional do sexo e dona de casa que busca atender ao último pedido de Mark (John Hawkes), e escolher projetos que possam valorizar o seu tipo de atuação com uma vertente mais humorística. Não estou tentando rotulá-la para sempre aos papéis cômicos, mas como sua carreira está em baixa, ela deveria retomá-la com algo que sabe fazer bem e então procurar projetos mais ambiosos, sejam biografias, papéis que exigem horas de maquiagem, dietas milagrosas, enfim…

Como ela já foi vencedora do Oscar, tenho certeza de que a Academia adoraria indicá-la mais vezes, pois odeia essa má publicidade da maldição do Oscar. Mas para isso, ela precisa fazer a parte dela e escolher bem seus próximos filmes. Ela já tem um drama pronto intitulado Decoding Annie Parker, que parece uma bomba, e asssinou para fazer Relative Insanity (uma comédia dramática) e Serpent Girl (uma fantasia, também com cara de bomba).

Maggie Smith em O Exótico Hotel Marigold

MAGGIE SMITH (O Exótico Hotel Marigold)

Sim, Maggie Smith pode concorrer em duas categorias no mesmo ano e por dois filmes diferentes. Em O Exótico Hotel Marigold, a atriz veterana empresta seu humor tipicamente britânico à sua personagem Muriel, uma senhora que foi serviçal de uma família a vida toda, mas que foi dispensada quando terminou de ensinar todas as tarefas para outra mulher mais jovem. Ela precisa fazer uma cirurgia no quadril, mas como a espera é muito longa, ela viaja à Índia, onde a cirurgia seria imediata e se recupera no hotel do título.

Esse papel muito se assemelha ao personagem que viveu no filme Assassinato em Gosford Park, de Robert Altman, pois apresenta o mesmo comportamento esnobe, mas com o humor discreto. E assim como da outra vez, Maggie Smith rouba todas as cenas em que está presente, uma vez que é dona das melhores frases. O fato de conseguir se destacar em meio a tantos bons atores como Judi Dench, Tom Wilkinson e Bill Nighy pode ajudar em mais uma indicação para a atriz, que já levou a estatueta duas vezes.
A primeira em 1970 por A Primavera de uma Solteirona, e em 1979 pela comédia California Suite como coadjuvante.

Se ela conseguir a proesa de duas indicações, estas devem ser a sétima e a oitava. Devemos levar em consideração também seu trabalho em toda a longa franquia do bruxo Harry Potter. Maggie esteve em sete dos oito filmes da série como a feiticeira Minerva.

Jacki Weaver (centro) em Silver Linings Playbook

JACKI WEAVER (Silver Linings Playbook)

Esta atriz australiana deixou sua marca ao interpretar a matriarca de Reino Animal, que lhe rendeu sua primeira indicação ao Oscar. Sua performance foi extremamente bem elogiada por toda a crítica e teve seu reconhecimento internacional. Felizmente, entre os que gostaram de seu trabalho estava o diretor David O. Russell, que a chamou para seu novo filme, Silver Linings Playbook.

Aparentemente, seu papel de Dolores, a mulher de Pat Sr. (Robert De Niro) e mãe de Pat (Bradley Cooper), não continha tanta profundidade. Mas pelos comentários, Jacki conseguiu tirar leite de pedra. Pela linguagem artística, ela puxa inúmeras camadas de uma personagem fadada ao bidimensionalismo. E enganam-se aqueles que pensam que seu papel neste filme tem semelhanças com a violenta Smurf Cody de Reino Animal.

Apesar de quase desconhecida, Jacki Weaver já atua em filmes desde a década de 70, sendo o mais notável deles o drama Picnic na Montanha Misteriosa, de um jovem Peter Weir. Um dos primeiros filmes australianos a atingir sucesso internacional, o drama tem essa aura de mistério que perdura até o fim, lembrando alguns trabalhos do diretor sueco Ingmar Bergman.

Sendo uma atriz experiente, já aproveitou sua fama e fez a comédia Cinco Anos de Noivado (ainda inédito no Brasil) e acabou de ser dirigida por dois diretores em extrema ascensão: o sul-coreano Park Chan-Wook (de Oldboy) em Stoker, e com Jason Reitman (Juno e Amor Sem Escalas) em Labor Day, ambos previstos para estrear em 2013.

Olivia Williams (a dir.) em Hyde Park on Hudson

OLIVIA WILLIAMS (Hyde Park on Hudson)

Se olharmos para a filmografia de Olivia Williams, veremos que ela começou com o pé esquerdo, naquela bomba chamada O Mensageiro, de um ambicioso Kevin Costner. Mas logo se redimiu com o ótimo Três é Demais (1998), de Wes Anderson, e o mega-sucesso O Sexto Sentido, onde faz a esposa de Bruce Willis.

Em anos mais recentes, Williams vem buscando projetos mais sérios em que seus papéis lhe proporcionem maiores oportunidades de mostrar sua maturidade. Foi assim ao trabalhar com o diretor Roman Polanski em O Escritor Fantasma, pelo qual recebeu alguns prêmios importantes como melhor coadjuvante como o National Society of Film Critics e o London Critics Circle Film Awards.

Agora com Hyde Park on Hudson, ela finalmente pega um papel biográfico importante: a esposa do então presidente americano Franklin D. Roosevelt (Bill Murray), Eleanor. Num final de semana em que recebem a ilustre visita do Rei George VI e da Rainha da Inglaterra em Nova York, sua personagem precisa lidar com uma possível traição de seu marido com a prima distante Margaret Suckley (Laura Linney), mesmo que seu casamento já não seja mais tão amoroso.

A indicação mais certa entre os três atores principais seria a de Bill Murray, mas ele pode puxar o carro para as indicações das atrizes (Linney como atriz e Williams como coadjuvante).

 

—–

Apesar de Anne Hathaway seguir com o favoritismo por sua performance musical em Les Misérables, a corrida ainda está bem aberta nessa categoria. Nesses próximos dois meses, muita coisa pode alterar o nível de favoritismo às indicações. Alguns sites especializados apontam Dame Judi Dench como uma possível candidata por sua atuação no novo filme de James Bond. Particularmente, não acredito tanto nessa idéia pelo histórico de nenhuma indicação para atores de personagens de 007. O mais próximo que chegou disso foi Daniel Craig, que foi indicado ao BAFTA por 007 – Cassino Royale. Por outro lado, esta é a primeira vez que a chefe de Bond tem várias cenas chaves no filme, então Dench tem alguma chance, levando em consideração também o fato da franquia mais lucrativa do cinema completar 50 anos.

Judi Dench como a chefe operacional M em 007 – Operação Skyfall

Contudo, a atriz que mais gostaria de ver no Oscar é a veteraníssima Vanessa Redgrave. Apesar de já ter vencido um na década de 70 por Júlia, ela sempre manda bem em qualquer filme, seja dirigida por um Joe Wright ou por um mais medíocre como Roland Emmerich. Tem um filme feito pra TV chamado Desejo Proibido (If These Walls Could Talk 2, 2000), no qual ela interpreta uma senhora lésbica que perde tudo quando sua companheira morre, e os familiares dela não deixam ela herdar nada.

Também é quase impossível descartar Frances McDormand, que além de já ter levado um Oscar em 1997 por Fargo, voltou a ser indicada mais duas vezes como coadjuvante. Scarlett Johansson pode ser uma grata surpresa, pois além de ser uma indicação inédita, ela estaria reprisando os passos de Janet Leigh (papel que ela interpreta em Hitchcock), pois ela também foi indicada por Psicose em 1961.

– Pauline Collins (Quartet)

– Judi Dench (007 – Operação Skyfall)

– Jennifer Ehle (Zero Dark Thirty)

– Scarlett Johansson (Hitchcock)

– Frances McDormand (Promised Land)

– Vanessa Redgrave (Song for Marion)

– Kelly Reilly (Flight)

– Amanda Seyfried (Les Misérables)

– Alicia Vikander (Anna Karenina)

Nova geração de atores

James Dean

Marlon Brando, James Dean, Bette Davis…

Jack Nicholson, Meryl Streep, Paul Newman…

Sean Penn, Daniel Day-Lewis, Cate Blanchett…

Quais atores podem preencher seus lugares? Ou melhor: Existe esperança para o futuro? Particularmente, tenho uma visão apocalíptica, pois toda vez que um ator de qualidade nos abandona, bate logo um desânimo em mim: “Paul Newman nos deixa e sobra um Orlando Bloom…”

Mas é por causa desse pessimismo que resolvi escrever este post na tentativa de me convencer de que pode haver talento para as próximas gerações de cinéfilos admirarem. Claro que ninguém vai conseguir se equiparar a um Marlon Brando ou James Dean, mas ao analisar o trabalho de atores mais jovens, é possível perceber que há semelhanças que, se bem desenvolvidas, podem amadurecer o profissional.

Além disso, para classificar bem um ator, não basta conferir suas habilidades de interpretação ou se ele manda bem no método Stanislávski. Ele precisa saber escolher bem seus papéis em busca de novos desafios, afinal o ator que opta sempre pelos mesmos tipos de papéis acaba rotulado e limitado. É claro que vez ou outra, o ator pode (e deve) assinar um contrato milionário para pagar as contas (ainda mais se ganhou ou foi indicado ao Oscar recentemente), mas sua ânsia e ambição como intérprete deve ser sua prioridade.

Obviamente, essas “regras” que mencionei acima valem para o ator ideal, que sabe equilibrar trabalhos mais autorais com comerciais. A alternância entre ambos se mostra bastante saudável, pois em muitos trabalhos autorais, o ator esgota suas forças em nome de um personagem mais intenso, e um filme comercial em seguida tende a aliviar a pressão.

Heath Ledger (by Wireimage)

Minha melhor aposta dessa geração era Heath Ledger. Com seu constante progresso, acreditava que ele poderia ser o James Dean do século XXI, mas assim como o ídolo, acabou partindo cedo demais. Ledger alternava trabalhos comerciais com autoriais: fazia comédias comerciais como 10 Coisas que Eu Odeio em Você (1999) e Coração de Cavaleiro (2001) e dramas autorais como O Segredo de Brokeback Mountain (2005), Candy (2006) e Não Estou Lá (2007). Contudo, tratava qualquer trabalho com muita seriedade, mesmo se tratando de um blockbuster como O Patriota (2000) ou tendo um papel menor como em A Última Ceia (2001). Infelizmente, teve seu maior reconhecimento postumamente por sua incrível atuação como Coringa em Batman: O Cavaleiro das Trevas (2008) pelo qual ganhou o Oscar.

A lista a seguir não está em ordem de qualidade ou preferência, mas Michael Fassbender merecia estar no topo por tratar a profissão de forma mais séria.

Michael Fassbender

MICHAEL FASSBENDER

Nascido em 02 de abril de 1977 – Baden-Württemberg, Alemanha

Melhores performances: Fome (2008), X-Men: Primeira Classe (2011), Shame (2011) e Prometheus (2012)

O ator alemão tem se tornado o talento mais almejado por diretores renomados como Ridley Scott e Steven Soderbergh. Apesar do currículo ainda ser pequeno, Fassbender tem procurado selecionar papéis mais densos que possa explorar seus limites como ator.

Em seu primeiro papel de destaque no filme independente Hunger, ele vive o ativista político Bobby Sands que faz greve de fome na prisão. Assim como fez Christian Bale no thriller O Operário, Fassbender perdeu muito peso para dar mais verossimilhança ao personagem. Ele chegou a perder 14 quilos, ficando com 59kg, ou seja, dedicação do nível de Robert De Niro.

Depois de ser descoberto, preferiu ser eclético em suas escolhas. No filme britânico Fish Tank (2009), interpretou Connor, um homem que tem um relacionamento com uma mãe solteira e com a filha adolescente dela. Já no cult de Tarantino, Bastardos Inglórios, dá vida ao Tenente Archie Hicox numa das melhores cenas do filme que se passa num bar.

E mesmo aceitando uma proposta alta para um blockbuster como X-Men: Primeira Classe, Michael Fassbender não desaponta. Ele encarna Erik Lensherr, o mutante Magneto, com muita propriedade e seriedade (que muitas vezes faltam a atores que consideram histórias em quadrinhos algo infantil). A atuação dele como Magneto em nada perde para a interpretação do veterano Ian McKellen na trilogia anterior dos X-Men e ainda lhe serve de complemento. Toda a dor e angústia do personagem que teve seus pais mortos no campo de concentração transborda em seu olhar do início ao fim do filme.

Em 2011, foi bastante elogiado por sua coragem e atuação em sua segunda parceria com o diretor Steve McQueen, Shame. Nele, Fassbender faz um viciado em sexo (paquera no metrô, pornografia na internet, prostitutas) que vê sua rotina interrompida quando sua irmã mais nova passa uns dias em seu apartamento. Shame se mostra um ótimo estudo de personagem e possibilita o público de acompanhar sua degradação até o fundo do poço, e felizmente, não tem a intenção de julgar e dar lição de moral. Como um solitário numa metrópole como Nova York, o ator explora a linguagem corporal e de olhares, tendo que abdicar de diálogos.

Recentemente, foi escolhido para dar vida ao ciborgue David em Prometheus (2012), considerado um prequel de Alien – O Oitavo Passageiro (1979), do mesmo Ridley Scott. Seguindo uma tradição de ciborgues na série Alien, Fassbender consegue apresentar algumas sutilezas que o tornam no melhor personagem do filme. Seu lado mecânico é quase imperceptível, seja através do tom de voz, pelas pausas entre as frases, por algum movimento de sua cabeça e em seu cabelo arrumadinho (!).

Fique de olho em: 12 Years a Slave (2013) e O Conselheiro do Crime (2013).

BEN FOSTER

Nascido em 29 de outubro de 1980 – Massachusetts, EUA

Melhores performances:Os Indomáveis (2007), O Mensageiro (2009)

Para o grande público, talvez a participação mais destacada dele seja como o mutante Anjo em X-Men 3 – O Confronto Final, mas para quem conferiu o bom western Os Indomáveis, sabe que ele está longe de ser um ator de rostinho bonito. Foster, assim como o grande ator Daniel Day-Lewis, abre mão de sua imagem para construir a do personagem. Com dois bons atores como Russell Crowe e Christian Bale, ele consegue roubar a cena ao viver o pistoleiro letal Charlie Prince. Para incrementar sua performance, foi treinado por um renomado especialista em armas de Hollywood.

Mas para chegar ao patamar das estrelas, Ben Foster teve um longo caminho desde o final dos anos 90, quando começou a atuar em filmes, vivendo o irmão do então desconhecido Adrien Brody em Ruas da Liberdade (1999) e conquistando seu papel de protagonista no drama Bang, Bang! Você Morreu! (2002), cujo personagem é um estudante que sofre de bullying.

Porém, o filme que lhe trouxe certa projeção foi em Refém (2005), estrelado por Bruce Willis. Ben Foster não fazia o tipo físico que o papel exigia (era bem forte e pesado), mas ele decidiu compensar a aparência seguindo uma outra direção. Baseou seu personagem num assassino real que viu seus pais morrerem e passou a ter um fetiche por meninas e observar pessoas morrerem.

Em 2009, já mais experiente, no drama de guerra O Mensageiro, o ator impressiona pela economia e as nuances. Seu personagem, o sargento Will Montgomery, é incumbido da ingrata tarefa de informar aos familiares a morte de soldados na guerra. Como o protocolo manda, não deve haver sentimento ou qualquer contato físico no momento do aviso, mas ele acaba se envolvendo com a viúva interpretada por Samantha Morton. Ambos juntamente com Woody Harrelson formam uma fortíssima trinca de atores, o que acabou valorizando ainda mais Ben Foster.

Recentemente, fez dois filmes de ação. Um ao lado do veterano cara-de-pedra Jason Statham em Assassino a Preço Fixo (2011) e outro com Mark Whalberg em Contrabando (2012), nos quais deve aprimorar sua técnica com armas de fogo e forma física (pra não se limitar aos papéis de homens magrelos!). Também trabalhou sob o comando de Fernando Meirelles no inédito por aqui 360, que contou com Anthony Hopkins, Jude Law e Rachel Weisz.

Fique de olho em: Kill Your Darlings (2013), Ain’t Them Bodies Saints (2013)

James Franco

JAMES FRANCO

Nascido em 19 de abril de 1978 – Califórnia, EUA

Melhores performances: Trilogia de Homem-Aranha (2002/2004/2007), Segurando as Pontas (2008), Milk – A Voz da Igualdade (2008) e 127 Horas (2010)

A primeira vez que vi James Franco, ele estava subindo ao palco do Globo de Ouro para receber o prêmio de melhor ator em minissérie. Ele interpretou a lenda James Dean (que aliás tem uma aparência bem semelhante) na série James Dean e ganhou notoriedade juntamente com o sucesso da série Freaks & Geeks, sobre a vida colegial. Atualmente, faz sucesso com sua participação em General Hospital.

Já no cinema, aceitou o papel de Norman Osborn, melhor amigo de Peter Parker, nos 3 filmes do Homem-Aranha e sua carreira decolou. Dirigido por Sam Raimi, seu personagem foi se tornando mais denso até o terceiro filme, quando tem de confrontar o fantasma de seu pai, o Duende Verde, e destruir seu outrora melhor amigo, Peter Parker (Tobey Maguire).

Mais recentemente, foi indicado ao Oscar pelo ciclista aventureiro de 127 Horas, Aaron Ralston. Foi um grande teste de fogo para o talento de Franco, que segurou praticamente o filme todo sozinho, uma vez que seu personagem (verídico) fica preso a uma rocha nos Canyons em Utah.

Sua escolha de papéis tem sido bem eclética. Além de Franco ter feito comédias como Segurando as Pontas e Sua Alteza?, foi bastante elogiado pelo papel do ativista homossexual Scott Smith de Milk – A Voz da Igualdade e provou ter carisma necessário para estrelar o Planeta dos Macacos: A Origem.

Talvez sua melhor qualidade seja seu lado eclético em relação a gêneros (dramas, comédias, romances, ficção científica) e linguagem (cinema, TV e minissérie).

Fique de olho em: Spring Breakers: Garotas Perigosas (2013), Lovelace (2013) e Oz: Mágico e Poderoso (2013)

RYAN GOSLING

Nascido em 12 de novembro de 1980 – Ontário, Canadá

Ryan Gosling

Melhores performances: Half Nelson (2006), A Garota Ideal (2007), Tudo Pelo Poder (2011), Drive (2011)

Para quem conheceu este ator canadense pelo filme romântico Diário de uma Paixão (2004), pode ter se levado pelas aparências. “Lá vem mais um galã sem talento de Hollywood”. Ledo engano. Gosling é o ator mais preciso de sua geração. Cada gesto, cada olhar, cada movimento tem um peso significante para a cena. Se você piscar, pode perder muita coisa.

Isso certamente se reflete em suas escolhas. A maioria de seus personagens possui um comportamento mais introspectivo. O motorista-dublê de Drive, o assessor político Stephen Meyers de Tudo Pelo Poder e obviamente, o tímido Lars que encontra sua paixão numa boneca inflável em A Garota Ideal apresentam essa característica em comum. O silêncio, assim como a distância emocional, costuma ser um item relevante para  a escolha do próximo trabalho de Gosling, que faz valer aquele velho ditado: “Menos é mais”. Enquanto tem ator “se esgoelando e se esperneando” sem necessidade, ele resolve com minúcias.

Foi indicado ao Oscar em 2007 pela interpretação do professor de colégio Dan Dunne que tem o hábito de se drogar de Half Nelson – Encurralados.

Fique de olho em: Caça aos Gângsteres (2012), Only God Forgives (2012)

Carey Mulligan

CAREY MULLIGAN

Nascida em 28 de maio de 1985 – Londres, Inglaterra

Melhores performances: Educação (2009), Não me Abandone Jamais (2010), Shame (2011), Drive (2011)

Esta jovem inglesa começou no cinema sem grande alarde num papel menor em Orgulho e Preconceito (2005). Seus traços de menina ajudaram a conquistar a vaga da protagonista Jenny de Educação, mas foi graças ao seu talento que pôde interpretar o momento de amadurecimento de sua personagem e consequentemente ter sido reconhecida com uma indicação ao Oscar.

Em seguida, foi escalada pelo veterano Oliver Stone para atuar na sequência de Wall Street como a filha de Michael Douglas. Muita gente fala do Shia LaBeouf, protagonista dessa sequência, mas sinceramente vejo Mulligan como uma das grandes descobertas dos últimos anos.

Como seu parceiro de tela Ryan Gosling, Carey soube trabalhar nuances com sua personagem quieta e acanhada de Drive, como já fizera no drama futurista de Mark Romanek, Não me Abandone Jamais. E já em Shame, foi a falastrona e carente irmã do personagem de Michael Fassbender. Esse trabalho pôde comprovar a consistência do talento de Mulligan. Voltar a ser indicada e ganhar o Oscar é mera questão de tempo.

Fique de olho em: O Grande Gatsby (2012) e Inside Llewyn Davis (2013)

CHLOE GRACE MORETZ

Nascida em 10 de fevereiro de 1997 – Georgia, EUA

Chloë Grace-Moretz

Melhores performances: Kick-Ass – Quebrando Tudo (2010), Deixe-me Entrar (2010), A Invenção de Hugo Cabret (2011)

Eu sei que ainda pode ser cedo demais para incluir uma menina como Moretz aqui, mas ela muito me lembra Jodie Foster, que foi um prodígio aos 12 anos trabalhando com Martin Scorsese em Alice Não Mora Mais Aqui (1974) e em Taxi Driver (1976), que surpreendeu a todos como a prostituta Iris.

Apesar de ainda não ter vivido uma prostituta, Moretz costuma escolher papéis adultos para crianças. A postura de suas personagens têm maturidade avançada que lhe cai como uma luva. Mesmo em sua curta participação na comédia romântica (500) Dias com Ela, sua jovem Rachel parece bem mais preparada para o romance do que Tom, o protagonista adulto vivido por Joseph Gordon-Levitt.

Na refilmagem do sueco Let the Right One In, intitulado Deixe-me Entrar, ela vive uma vampira de 12 anos, cuja idade real supera os 60 anos. Sua interpretação foi elogiada pela crítica e graças a ela, ofereceram o papel da problemática Carrie White da refilmagem Carrie (1976).

Seu trabalho tem atraído a atenção de diretores renomados como Tim Burton, que a chamou para viver Carolyn Stoddard em Sombras da Noite. A trajetória de sucesso de Chloë Grace Moretz parece bem traçada, mas como se trata de uma garota, precisa ser bem amparada pelos pais e agente para que não tome rumos obscuros como o de Macaulay Culkin ou Edward Furlong.

Fique de olho em: Carrie – A Estranha (2013), The Drummer (2013)

Jennifer Lawrence

JENNIFER LAWRENCE

Nascida em 15 de Agosto de 1990 – Kentucky, EUA

Melhores performances: Inverno da Alma (2010), X-Men: Primeira Classe (2011)

Um dos primeiros trabalhos de Jennifer no cinema foi com o roteirista mexicano Guillermo Arriaga no drama Vidas que se Cruzam (2008). Apesar de ter atuado ao lado de atrizes experientes como Charlize Theron e Kim Basinger, ela só conseguiu se destacar com o drama independente Inverno da Alma (2010), no qual interpretou uma jovem em busca do pai traficante em terrenos perigosos a fim de tentar manter a casa de sua família. Para viver Ree Dolly, Lawrence abdicou de qualquer beleza e glamour (filmado no estilo documentário), reforçando seu comprometimento com a personagem. Além disso, mesmo sua atuação sendo bastante contida, consegue demonstrar a frieza e determinação que o papel exigia. Acabou indicada para o Oscar de melhor atriz, que a levaria a assinar contratos milionários com a série nova dos X-Men e a adaptação dos best-sellers Jogos Vorazes.

Como a substituta de Rebecca Romjin-Stamos, trouxe a instabilidade e insegurança da mutante Mística na juventude, especialmente em relação à sua aparência física. Era possível enxergar a personagem imatura e indecisa sobre que lado ela defenderia com seus poderes. Recentemente, assinou para a sequência de X-Men: Primeira Classe, previsto para 2014.

E em outras produções, mesmo atuando como coadjuvante, Jennifer Lawrence rouba suas cenas. Em Like Crazy (2011), como a namorada preterida de Jacob, que encara os sentimentos de forma silenciosa. Ou em Um Novo Despertar (2011), onde vive a líder de torcida Norah, que não consegue digerir a morte de seu irmão. Numa entrevista de making of, a atriz e diretora do filme, Jodie Foster, confessa que gostaria de ter descoberto o talento de Jennifer, mas que sua escolha para o papel foi mais do que acertada.

Fique de olho em: Serena (2013), Jogos Vorazes: Em Chamas (2013), Trapaça (2013)

EMMA STONE

Emma Stone

Nascida em 06 de novembro de 1988 – Arizona, EUA

Melhores performances: A Mentira (2010), Histórias Cruzadas (2012)

Apesar de ter feito trabalhos mais dramáticos, Emma Stone claramente tem uma veia cômica que deve ser melhor explorada. Mesmo em meio ao clima tenso de racismo do Mississipi no drama Histórias Cruzadas, sua personagem Skeeter consegue aliviar e divertir com seus modismos fora dos padrões da sociedade e consegue conquistar o público.

Mas o forte mesmo de Emma Stone são as comédias, tanto que seu histórico não nega: Superbad – É Hoje (2007), O Roqueiro (2008), A Casa das Coelhinhas (2008), Minhas Adoráveis Ex-Namoradas (2009) e Zumbilândia (2009). Desde sua estréia em Superbad, ela se mostra mais inclinada para o gênero, pois é bastante desinibida e como muitos atores que marcaram pela comédia, a ruiva não se importa em se expôr ao rídiculo.

Emma conquistou muitos fãs depois que atuou na comédia teen A Mentira (2010). Com muitas caras e bocas, a atriz gera o carisma necessário para que o público apoie sua personagem em suas boas intenções e mentiras brancas. Stone assume a visão divertida da história, possibilitando que a comédia dê certo. E a Associação de Imprensa Estrangeira viu esse dom da atriz e reconheceu seu trabalho com uma indicação ao Globo de Ouro.

No blockbuster deste ano, O Espetacular Homem-Aranha, apesar de não haver muito espaço, ela se desdobra numa sequência aparentemente simples para esconder Peter de seu pai que está escondido em seu quarto. Também apresentou boa química com Andrew Garfield e deve estar na sequência.

Fique de olho em: Caça aos Gângsteres (2012), Os Croods (2013)

Jeremy Renner

JEREMY RENNER

Nascido em 07 de janeiro de 1971 – Califórnia, EUA

Melhores performances: Guerra ao Terror (2008), Atração Perigosa (2010), Os Vingadores (2012)

Curiosamente, desde a época da escola, Renner gostava de atuar como policial em peças de teatro, pois estava dividido entre seguir a carreira de ator e agente da lei. Desde meados dos anos 90, o ator participou de produções menores como a comédia Senior Trip (1995), mas só captou a atenção dos críticos como o serial killer Jeffrey Dahmer em Dahmer (2002), que lhe rendeu uma indicação no Independent Spirit Award.

Cansado da época das vacas magras, Jeremy aceitou atuar na adaptação da série de TV da década de 70, S.W.A.T. – Comando Especial (2003) ao lado de um ascendente Colin Farrell e experiente Samuel L. Jackson. Seguindo seu treinamento (e provavelemente sede) por armas de fogo, viveu o atirador de elite de zumbis Doyle em Extermínio 2 (2007) e como coadjuvante no faroeste O Assassinato de Jesse James Pelo Covarde Robert Ford (2007).

Apesar de suas habilidades policiais e bélicas, a diretora Kathryn Bigelow ficou impressionada com a interpretação humanista dele como serial killer no independente Dahmer e ofereceu o papel que mudou sua carreira: o sargento William James de Guerra ao Terror (2008). Ao dar profundidade ao especialista em desarme de bombas, Jeremy Renner foi indicado ao Oscar de melhor ator e felizmente, esse reconhecimento lhe trouxe melhores oportunidades que logo abraçou.

Aceitou participar do segundo filme dirigido por Ben Affleck, Atração Perigosa (2010), mas desta vez num papel do outro lado da lei: um assaltante de bancos. De volta a um personagem coadjuvante, Jeremy imprime tridimensionalidade ao seu personagem em poucas cenas, trabalhando como ninguém o comportamento violento e instável. Novamente foi indicado ao Oscar.

Agora, com seu talento mais do que provado, o ator passa a colher frutos. Nesse ano, viveu o herói Gavião Arqueiro no mega-sucesso Os Vingadores – The Avengers, demonstrando segurança e a frieza necessárias para um arqueiro, e neste segundo semestre, ele assume o papel de protagonista nos filmes do agente Jason Bourne em O Legado Bourne. Não, ele não toma o papel que era de Matt Damon, mas um outro agente que participou do mesmo programa do governo. À princípio, fiquei meio receoso por achar que se tratava apenas de uma produção que se aproveitaria da fama do personagem, mas se você conferir o trailer, deve mudar de idéia.

Fique de olho em: O Legado Bourne (2012), Hansel e Gretel: Caçadores de Bruxas (2013), Trapaça (2013)

MARK RUFFALO 

Mark Ruffalo

Nascido em 22 de novembro de 1967 – Wisconsin, EUA

Melhores performances: Conte Comigo (2000), Colateral (2004), Zodíaco (2007), Minhas Mães e Meu Pai (2010)

No meio de tantos jovens, Mark já parece um veterano. Começou a atuar em filmes desde 1993, mas foi só em 200o que passou a chamar a atenção. Sua atuação como Terry, um irmão há muito sumido que aparece para pedir dinheiro emprestado da irmã (Laura Linney) em Conte Comigo mostrou que uma nova face de atores contidos estava surgindo no horizonte. Ruffalo conquistou alguns prêmios na época como coadjuvante e inclusive o New Generation Award da Associação de Críticos de Los Angeles.

Em seus próximos trabalhos, ele continuou atuando como coadjuvante em bons dramas como Minha Vida Sem Mim (2003) da diretora espanhola Isabel Coixet, no polêmico Em Carne Viva (2005) de Jane Campion e até em filmes de ação como A Última Fortaleza (2001) e Códigos de Guerra (2002).

Felizmente, novas oportunidades surgiram para que Mark Ruffalo pudesse mostrar seu talento. Tornou-se aquilo que os diretores chamam de “coadjuvante de luxo”, ou seja, ótimo ator para servir de apoio para o protagonista. E foi exatamente isso que ele fez com maestria em: Colateral, vivendo um policial mais malandro que investiga os crimes de Vincent (Tom Cruise); Em Zodíaco, vive o inspetor Toschi que está obstinado pela busca do serial killer Zodíaco por décadas (particularmente, considero esta sua melhor atuação); E no drama familiar Minhas Mães e Meu Pai, interpretando o solteirão Paul que enfrenta a paternidade de forma inusitada. Por este papel, Ruffalo finalmente recebeu uma indicação ao Oscar.

Também vale ressaltar que, apesar de Mark parecer estar sempre aguardando uma oportunidade para ser um ator-protagonista, tem um imenso carisma que pode ser conferido nas comédias De Repente 30 (2004) e E se Fosse Verdade… (2005). E agora que roubou a cena no blockbuster de 2012, Os Vingadores, vivendo Bruce Banner, poderiam finalmente produzir um filme solo do Hulk para ele, certo?

Fique de olho em: Thanks for Sharing (2012), Now You See Me (2013), The Normal Heart (2014)

Saoirse Ronan

SAOIRSE RONAN (pronuncia-se “Sãr-shã”)

Nascida em 12 de abril de 1994 – Nova York, EUA

Melhores performances: Desejo e Reparação (2007), Um Olhar do Paraíso (2009), Hanna (2011)

Aos 13 anos, Saoirse Ronan abraçou sua personagem dedo-duro Briony Tallis do drama Desejo e Reparação, baseado no ótimo romance de Ian McEwan, Atonement, e deixou de ser mais uma atriz-mirim para alcançar o estrelato com uma merecida indicação ao Oscar de atriz coadjuvante. Ao contrário da maioria dos jovens talentos, ela não partiu para os papéis destinados a crianças e pré-adolescentes. Não. Saoirse tinha fome de desafios e foi o que Peter Jackson lhe propôs no drama extraordinário Um Olhar do Paraíso, uma vez que interpreta uma jovem assassinada, que assiste do céu à degradação de sua família após seu assassinato. Curiosamente, ainda desconhecida na época, ela enviou uma fita de teste da Irlanda (país que morou desde os 3 anos). Todos ficaram tão impressionados que ela foi escolhida sem ter que encontrá-la antes.

Continuando sua escalada de desafios, foi chamada novamente pelo diretor Joe Wright (de Desejo e Reparação) para ser a protagonista de Hanna. No filme, Saoirse é uma jovem de 16 anos treinada pelo pai para ser a assassina perfeita para cumprir uma missão na Europa. Ela é perseguida incansavelmente pela agente Marissa (Cate Blanchett) e busca sua sobrevivência do início ao fim. Devido ao alto nível de exigência física, a atriz se submeteu a um rigoroso treinamento de 4 horas diárias por 2 meses para alcançar o patamar necessário da personagem. Saoirse Ronan não decepciona, sendo um equilíbrio de frieza e delicadeza que a história precisava.

Também se mostra bem dedicada ao ofício em se tratando de idiomas. Pelo filme de fuga e guerra de Peter Weir, Caminho da Liberdade (2010), ela aprendeu a falar russo e comprovou seu dom para sotaques.

Nesses aspectos, ela lembra bastante uma jovem Cate Blanchett que, além do forte comprometimento para viver as personagens, seja através de pesquisa e/ou mudanças físicas, busca papéis sérios de mulheres fortes e seguras. Podem anotar: Saoirse Ronan tem um futuro brilhante pela frente.

Fique de olho em: Byzantium (2012), A Hospedeira (2013), Noah (2014)

ROONEY MARA

Rooney Mara

Nascida em 17 de abril de 1985 – Nova York, EUA

Melhores performances: A Rede Social (2010), Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres (2011)

Apesar da família da jovem Rooney Mara ser envolvida com time de futebol americano (seu pai é executivo do New York Giants), ela seguiu carreira de atriz como sua irmã, Kate Mara, tanto que ambas estrelaram o filme Lenda Urbana 3 – A Vingança de Mary (2005). Porém, foi só 2 anos depois que ganhou o papel principal no drama Tanner Hall (2009). Originalmente, ela seria escalada para um personagem coadjuvante, mas a diretora ficou impressionada e a tornou protagonista. E, de degrau em degrau, Rooney finalmente conseguiu estrelar uma grande produção: a refilmagem do clássico de terror A Hora do Pesadelo (2010).

Como em 90% das refilmagens, o filme do novo Freddy Kruger desapontou o público. Contudo, a culpa do fracasso passou longe do trabalho de Rooney Mara. Ela faz o que pode com o papel, tentando atualizar e criar novas dificuldades. Felizmente, alguns críticos enxergaram isso e ela acabou escolhida para viver a universitária Erica Albright que dá um pé na bunda do criador do Facebook, Mark Zuckerberg, no filme que definiu uma geração: A Rede Social (2010).

Sua personagem tem apenas 2 cenas chaves: o diálogo rápido sobre classes sociais no começo do filme e a discussão fria num bar com o mesmo Zuckerberg. Pouco tempo em cena, mas suficiente para comprovar o talento da moça que ficou com o tão almejado papel da hacker Lisbeth Salander em outra refilmagem (desta vez do sueco) Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres (2011). Pra se ter uma idéia da briga por esse papel, pelo menos 17 atrizes famosas tiveram seus nomes relacionados, sendo alguns de destaque: Carey Mulligan, Ellen Page, Eva Green, Kristen Stewart, Natalie Portman, Scarlett Johansson, Anne Hathaway e até da própria atriz sueca Noomi Rapace, que atuou na trilogia original.

Para quem viu a atuação de Rapace, fica difícil não comparar com Rooney Mara, mas a americana reproduz a face sem expressão da personagem e um pouco também da aparência andrógina, mantendo uma aura de mistério importante para o andamento da trama. E de forma geral, Rooney costuma emprestar uma forte intensidade muito característica sua em cada personagem que vive, me fazendo lembrar de Gena Rowlands.

Fique de olho em: The Bittel Pill (2013), Ain’t them Bodies Saints (2013), Brooklyn (2014).

Tom Hardy

TOM HARDY

Nascido em 15 de setembro de 1977 – Londres, Inglaterra

Melhores performances: Bronson (2008), A Origem (2010), Guerreiro (2011)

Hardy começou no cinema com alguns papéis menores em filmes de relevância como Falcão Negro em Perigo (2001), Maria Antonieta (2006) e até viveu o vilão Shinzon de Star Trek: Nêmesis (2002). Após essas conquistas, ele passou a ter problemas de alcoolismo e drogas, tendo como consequência o término de um casamento de 5 anos. Mas esses tempos chuvosos não impediram Tom Hardy de voltar a exercer a profissão; pelo contrário, fortaleceram suas energias e inspirações.

Em 2003, já voltou aos palcos londrinos e nos 5 anos seguintes, participou de algumas séries televisivas como Elizabeth I: A Rainha Virgem (2005) e Oliver Twist (2007). Seu retorno ao cinema ficou marcado por dois personagens que comprovaram seu alcance físico e psicológico como profissional: o gay Handsom Bob do badalado filme de Guy Ritchie, Rock’n Rolla – A Grande Roubada (2008) e o lutador careca e bigodudo Charles Bronson de Bronson (2008. Em ambos os filmes, o ator se mostra irreconhecível, o que inevitavelmente chama a atenção de críticos e diretores de cinema.

Entre esse grupo de interessados no talento dele, felizmente, estava um dos melhores diretores e roteiristas da atualidade: Christopher Nolan, que o chamou para ingressar a trupe de atores de A Origem (2010). Apesar de contar com inúmeras estrelas como Leonardo DiCaprio, Michael Caine e Marion Cotillard, foi Tom Hardy que mais chamou a atenção nesse blockbuster com neurônios e isso já lhe rendeu um excelente reconhecimento: foi escalado novamente por Nolan para dar vida ao vilão Bane no terceiro filme do Homem-Morcego: Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge (2012), que estréia neste dia 27 de julho por aqui.

Com certeza, sua atuação deve receber incontáveis e merecidos elogios, até mesmo pela repercussão mundial que a tão aguardada sequência de Batman: O Cavaleiro das Trevas (2008) terá, o que certamente colaborará para que o público se interesse por seus trabalhos anteriores como no bom filme de luta Guerreiro (2011). Mesmo intepretando um anti-herói, ele conquista o espectador com sua postura quieta e introspectiva, ganhando torcedores até a luta final da trama. E tais características são perfeitas para sua nova performance no filme Mad Max: Fury Road, dirigido pelo mesmo George Miller dos filmes anteriores da série protagonizada por Mel Gibson.

Só uma observação: é impressão minha ou ele tem um olhar meio Marlon Brando?

Fique de olho em: Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge (2012), Mad Max: Fury Road (2013)

***

Obviamente, ainda existem inúmeros novos talentos surgindo no âmbito do Cinema e com certeza absoluta, serei crucificado aqui por ter me esquecido de fulano e ciclano, e ainda posso ser acusado de ter dado preferência aos americanos. Mas em minha defesa, queria dizer que escolhi esses treze atores porque acredito que todos já apresentaram trabalhos de alto nível e têm potencial enorme para assumir postos de astros de Hollywood dessa geração. Se o ator ou atriz que você realmente admira não consta na lista, provavelmente significa que não conferi trabalhos suficientes para inclui-lo(a).

Inicialmente, alguns nomes como Ellen Page, Andrew Garfield, Elle Fanning, Hailee Steinfeld, Shailene Woodley, Jesse Eisenberg, Rebecca Hall, Sam Riley e Abigail Breslin foram lembrados com carinho, mas não passaram da peneira por talvez ser um pouco cedo pra apostar. Frequentemente, muitos começam com o pé direito, mas se revelam atores de um papel só. Os 13 selecionados já mataram essa dúvida.

É claro que tem aqueles que (ainda) não acho nada e são tratados como grandes esperanças, tipo um tal de Shia LaBeouf…

Espero que tenham gostado do post e gostaria de fazer novas listas promissoras num futuro não tão distante. Aguardo comentários e não esqueça de votar na enquete abaixo!

Indicações ao Oscar 2012!

Jennifer Lawrence e Tom Sherak anunciam os Indicados

As indicações ao Oscar foram anunciadas esta manhã, com um ligeiro atraso. Aqui no Brasil, o anúncio foi transmitido pelo canal Globo News. Mas para quem piscou e perdeu, confira no youtube pelo canal oficial da Academia:

http://www.youtube.com/watch?v=ODy4Z2Lp_jE&feature=g-all-u&context=G22f03c4FAAAAAAAAAAA

Infelizmente, Jennifer Lawrence não contribuiu muito para os americanos acordarem melhor. Sua roupa não favoreceu muito… E o presidente da Academia, Tom Sherak, se enrolou na pronúncia do nome de Michel Hazanavicius.

MELHOR FILME (Best Motion Picture of the Year)

– O Artista (The Artist)

– Os Descendentes (The Descendants)

– Tão Forte e Tão Perto (Extremely Loud & Incredibly Close)

– Histórias Cruzadas (The Help)

– A Invenção de Hugo Cabret (Hugo)

– Meia-Noite em Paris (Midnight in Paris)

– O Homem que Mudou o Jogo (Moneyball)

– A Árvore da Vida (The Tree of Life)

– Cavalo de Guerra (War Horse)

MELHOR DIRETOR (Achievement in Directing)

– Michel Hazanavicius (O Artista)

– Alexander Payne (Os Descendentes)

– Martin Scorsese (A Invenção de Hugo Cabret)

– Woody Allen (Meia-Noite em Paris)

– Terrence Malick (A Árvore da Vida)

MELHOR ATOR (Performance by an Actor in a Leading Role)

– Demián Bichir (A Better Life)

– George Clooney (Os Descendentes)

– Jean Dujardin (O Artista)

– Gary Oldman (O Espião que Sabia Demais)

– Brad Pitt (O Homem que Mudou o Jogo)

MELHOR ATRIZ (Performance by an Actress in a Leading Role)

Glenn Close (Albert Nobbs)

– Viola Davis (Histórias Cruzadas)

– Rooney Mara (Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres)

– Meryl Streep (A Dama de Ferro)

– Michelle Williams (Sete Dias com Marilyn)

MELHOR ATOR COADJUVANTE (Performance by an Actor in a Supporting Role)

Kenneth Branagh (Sete Dias com Marilyn)

– Jonah Hill (O Homem que Mudou o Jogo)

– Nick Nolte (Guerreiro)

– Christopher Plummer (Toda Forma de Amor)

– Max Von Sydow (Tão Forte e Tão Perto)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE (Performance by an Actress in a Supporting Role)

– Bérénice Bejo (O Artista)

– Jessica Chastain (Histórias Cruzadas)

– Melissa McCarthy (Missão Madrinha de Casamento)

– Janet McTeer (Albert Nobbs)

– Octavia Spencer (Histórias Cruzadas)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL (Screenplay Written Directly for the Screen)

– Michel Hazanavicius (O Artista)

– Kristen Wiig, Annie Mumolo (Missão Madrinha de Casamento)

– J. C. Chandor (Margin Call – O Dia Antes do Fim)

– Woody Allen (Meia-Noite em Paris)

– Asghar Farhadi (A Separação)

ROTEIRO ADAPTADO (Screenplay Based on Material Previously Produced or Published)

– Alexander Payne, Nat Faxon, Jim Rash (Os Descendentes)

– John Logan (A Invenção de Hugo Cabret)

– George Clooney, Grant Heslov, Beau Willimon (Tudo Pelo Poder)

– Steven Zaillian, Aaron Sorkin, Stan Chervin (O Homem que Mudou o Jogo)

– Bridget O’Connor, Peter Straughan (O Espião que Sabia Demais)

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO (Best Animated Feature Film of the Year)
– Um Gato em Paris, de Alain Gagnol e Jean-Loup Felicioli
– Chico & Rita, de Fernando Trueba, Javier Mariscal
– Kung Fu Panda 2, de Jennifer Yuh
– Gato de Botas, de Chris Miller
– Rango, de Gore Verbinski
MELHOR FILME ESTRANGEIRO (Best Foreign Language Film of the Year)
– Bullhead, de Michael R. Roskan (Bélgica)
– Footnote, de Joseph Cedar (Israel)
– In Darkness, de Agnieszka Holland (Polônia)
– Monsieur Lazhar, de Philippe Falardeau (Canadá)
– A Separação, de Asghar Farhadi (Irã)
MELHOR FOTOGRAFIA (Best Achievement in Cinematography) 
– Guillaume Schiffman (O Artista)
– Jeff Cronenweth (Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres)
– Robert Richardson (A Invenção de Hugo Cabret)
– Emmanuel Lubezki (A Árvore da Vida)
– Janusz Kaminski (Cavalo de Guerra)
MELHOR MONTAGEM (Best Achievement in Editing)
– Anne-Sophie Bion, Michel Hazanavicius (O Artista)
– Kevin Tent (Os Descendentes)
– Angus Wall, Kirk Baxter (Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres)
– Thelma Schoonmaker (A Invenção de Hugo Cabret)
– Christopher Tellefsen (O Homem que Mudou o Jogo)
MELHOR DIREÇÃO DE ARTE (Best Achievement in Art Direction)
– Laurence Bennett, Robert Gould (O Artista)
– Stuart Craig, Stephenie McMillan (Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 2)
– Dante Ferretti, Francesca LoSchiavo (A Invenção de Hugo Cabret)
– Anne Seibel, Hélène Dubreuil (Meia-Noite em Paris)
– Rick Carter, Lee Sandales (Cavalo de Guerra)
MELHOR FIGURINO (Best Achievement in Costume Design)
– Lisy Christl (Anonymous)
– Mark Bridges (O Artista)
– Sandy Powell (A Invenção de Hugo Cabret)
– Michael O’Connor (Jane Eyre)
– Arianne Phillips (W.E. – O Romance do Século)
MELHOR MAQUIAGEM (Best Achievement in Makeup)
– Martial Corneville, Lynn Johnson, Matthew W. Mungle (Albert Nobbs)
– Nick Dudman, Amanda Knight, Lisa Tomblin (Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 2)
– Mark Coulier, J. Roy Helland (A Dama de Ferro)
MELHOR TRILHA MUSICAL (Best Achievement in Music Written for Motion Pictures, Original Score)
– John Williams (As Aventuras de Tintim)
– Ludovic Bource (O Artista)
– Howard Shore (A Invenção de Hugo Cabret)
– Alberto Iglesias (O Espião que Sabia Demais)
– John Williams (Cavalo de Guerra)
MELHOR CANÇÃO ORIGINAL (Best Achievement in Music Written for Motion Pictures, Original Song)
– “Man or Muppet”, de Bret McKenzie (Os Muppets)
– “Real in Rio”, de Sergio Mendes, Carlinhos Brown, Siedah Garrett (Rio)
MELHOR SOM (Best Achievement in Sound Mixing)
– David Parker, Michael Semanick, Ren Klyce, Bo Persson (Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres)
– Tom Fleischman, John Midgley (A Invenção de Hugo Cabret)
– Deb Adair, Ron Bochar, David Giammarco, Ed Novick (O Homem que Mudou o Jogo)
– Greg P. Russell, Gary Summers, Jeffrey J. Haboush, Peter J. Devlin (Transformers: O Lado Oculto da Lua)
– Gary Rydstrom, Andy Nelson, Tom Johnson, Stuart Wilson (Cavalo de Guerra)
MELHORES EFEITOS SONOROS (Best Achievement in Sound Editing)
– Lon Bender, Victor Ray Ennis (Drive)
– Ren Klyce (Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres)
– Philip Stockton, Eugene Gearty (A Invenção de Hugo Cabret)
– Ethan Van der Ryn, Erik Aadahl (Transformers: O Lado Oculto da Lua)
– Richard Hymns, Gary Rydstrom (Cavalo de Guerra)
MELHORES EFEITOS VISUAIS (Best Achievement in Visual Effects)
– Tim Burke, David Vickery, Greg Butler, John Richardson (Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 2)
– Robert Legato, Joss Williams, Ben Grossmann, Alex Henning (A Invenção de Hugo Cabret)
– Erik Nash, John Rosengrant, Danny Gordon Taylor, Swen Gillberg (Gigantes de Aço)
– Joe Letteri, Dan Lemmon, R. Christopher White, Daniel Barrett (Planeta dos Macacos: A Origem)
– Scott Farrar, Scott Benza, Matthew E. Butler, John Frazier (Transformers: O Lado Oculto da Lua)
MELHOR DOCUMENTÁRIO (Best Documentary, Features)
– Hell and Back Again, de Danfung Dennis, Mike Lerner
– If a Tree Falls: A Story of the Earth Liberation Front, de Marshall Curry, Sam Cullman
– Paradise Lost 3: Purgatory, de Joe Berlinger, Bruce Sinofsky
– Pina, de Wim Wenders, Gian-Piero Ringel
– Undefeated, de Daniel Lindsay, T. J. Martin, Rich Middlemas
MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA (Best Documentary, Short Subjects)
– The Barber of Birmingham: Foot Soldier of the Civil Rights Movement, de Robin Fryday, Gail Dolgin
– God is the Bigger Elvis, de Rebecca Cammisa, Julie Anderson
– Incident in New Baghdad, de James Spione
– Saving Face, de Daniel Junge, Sharmeen Obaid-Chinoy
– The Tsunami and the Cherry Blossom, de Lucy Walker, Kira Cartensen
MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO (Best Short Film, Animated)
– Dimanche, de Patrick Doyon
– The Fantastic Flying Books of Mr. Morris Lessmore, de William Joyce, Brandon Oldenburg
– La Luna, de Enrico Casarosa
– A Morning Stroll, de Grant Orchard, Sue Goffe
– Wild Life, de Amanda Forbis, Wendy Tilby
MELHOR CURTA-METRAGEM (Best Short Film, Live Action)
– Pentecost, de Peter McDonald
– Raju, de MaxZähle, Stefan Gieren
– The Shore, de Terry George, Oorlagh George
– Time Freak, de Andrew Bowler, Gigi Causey
– Tuba Atlantic, de Hallvar Witzø
Nove para Melhor Filme? No post anterior, comentei a forte possibilidade de indicarem um número incomum como 7 ou 9. Dito e feito. Foram nove filmes que passaram da nova nota de corte do Oscar. O filme de Stephen Daldry, Tão Forte e Tão Perto conseguiu uma vaga e só mais uma outra indicação: ator coadjuvante. Curiosamente, no anúncio dos indicados, o filme foi deixado propositadamente por último, realçando que se tratava do nono filme.
Agora, se a Academia resolvesse arredondar para 10 filmes, provavelmente a comédia Missão Madrinha de Casamento teria entrado na briga.

Tão Forte e Tão Perto: O nono filme

Recordista de Indicações: Como previsto, o filme de Martin Scorsese, A Invenção de Hugo Cabret, levou 11 indicações e foi o recordista, o que aumenta muito suas chances de ganhar Melhor Filme. Logo em seguida, vem O Artista com 10 indicações. Nesse quesito de número de indicações, Os Descendentes sai um pouco atrás porque levou apenas 5.
Atores na Lista e Outros Esquecidos: Nunca é possível agradar a todos nas categorias de atuação. Sempre fica faltando alguém que acaba se juntando ao grupo “Os injustiçados do Oscar”.  Talvez a maior surpresa tenha ficado por conta do veterano Max von Sydow, que foi indicado para ator coadjuvante, batendo nomes como Albert Brooks, Viggo Mortensen e Armie Hammer. Sydow ficou mundialmente conhecido pelo papel de Padre Merrin em O Exorcista e foi parceiro fiel do diretor Ingmar Bergman nas produções suecas. O mexicano Démian Bichir também pode ser considerado uma surpresa na categoria de Melhor Ator, mesmo tendo sido indicado pelo SAG Awards.

Max von Sydow: já era idoso desde 1973 em O Exorcista

A ausência que mais senti foi do ator Michael Fassbender pelo drama Shame. O ator alemão vem conquistando público e crítica desde seu trabalho no filme independente Hunger e mais recentemente em Um Método Perigoso e no blockbuster X-Men: Primeira Classe. Merecia uma indicação, mas talvez o fato de seu filme apresentar cenas de nudez frontal tenha assustado os membros mais reservados da Academia. Uma pena…
Pelo lado feminino, senti a falta da Tilda Swinton pelo drama Precisamos Falar Sobre o Kevin. Sua atuação foi bastante elogiada e vem conquistando alguns prêmios importantes, mas provavelmente pelo fato do filme tratar de um tema forte (Kevin é um jovem que matou colegas na escola), Swinton tenha perdido sua chance mais pelo conservadorismo. Outro erro da Academia…
Dos nomes mais frequentes em premiações, a jovem Shailene Woodley pelo filme Os Descendentes também ficou de fora na disputa de atriz coadjuvante. Melissa McCarthy roubou a cena na comédia Missão Madrinha de Casamento e sua vaga, aparentemente. Mas Shailene é um rosto jovem e novo no mercado e acredito que terá muitas oportunidades. Só espero que ela não desande em refilmagens de terror teenagers.

Shailene Woodley: Que seu talento não seja desperdiçado em tranqueiras

Ryan Gosling foi outro nome que apareceu bastante nas listas, mas não conseguiu chegar à final. Apesar de ter feito 3 trabalhos em 2011: Drive, Tudo Pelo Poder e Amor à Toda Prova, Gosling fica de mãos abanando. Mas se ele apresentar um bom trabalho em 2012, certamente ele voltará ao Oscar no ano que vem.
Pra não dizerem que só reclamo, gostei da indicação de Gary Oldman. O ator britânico já tem uma extensa filmagrafia e com essa nova ascensão, merecia um reconhecimento por parte da Academia. Espero que sua carreira decole ainda mais e papéis mais interessantes cheguem mais à sua mesa.
Dois Robôs nos Efeitos: Não botava fé que o terceiro filme do Transformers fosse conseguir uma vaga na categoria de efeitos visuais. OK, votei no quarto filme do Piratas do Caribe, mas pelo menos os efeitos sempre apresentam algo diferente, tipo criaturas feitas de vegetais ou com tentáculos como barba. E fizeram uma campanha tão forte para que o último filme do Harry Potter vingasse em categorias principais, mas não deu certo. Tiveram que se contentar com direção de arte, efeitos visuais e maquiagem. E deve ganhar pela maquiagem, mais como conjunto da obra dos 8 filmes.
Filmes Estrangeiros Estranhos: Cadê a França, Itália, Japão, Alemanha e Espanha? O representante alemão, Pina, de Wim Wenders foi compensando da eliminação pela indicação na categoria de documentário (sim, veja como a mágica do planejamento do Oscar funciona). Se em edições anteriores, o Oscar de Filme Estrangeiro foi uma surpresa, este ano não deve escapar do favorito: o iraniano A Separação.
Animações Estranhas: Lembram-se dos filmes franceses e espanhóis que faltaram na categoria de Filme Estrangeiro? Mudaram-se para a categoria de Melhor Animação! Um Gato em Paris e Chico & Rita. Conhecem? Prazer! Fiquei com a mesma cara de dúvida no anúncio dos indicados. “Que raio de animações são essas?” Mas não sei se é porque a categoria de animação é nova, mas o Oscar tem mantido uma tradição boa de trazer alguns trabalhos meio desconhecidos para o holofote e revelar novos talentos.

Chico & Rita: Trabalho mais da linha adulta

Um Gato em Paris: produção francesa com traços fortes