‘LA LA LAND’ leva 5 prêmios do BAFTA, mas perde 6

bafta-la-la-land

Equipe do musical La La Land, da esquerda para a direita: Tom Cross, Linus Sandgren, Fred Berger, Emma Stone, Justin Hurwitz, Jordan Horowitz, Damien Chazelle e Marc Platt.

ACADEMIA BRITÂNICA BUSCOU SER MAIS GENEROSA COM OUTROS FILMES

Sim, o título está correto. As derrotas do musical La La Land no BAFTA parecem ter causado mais impacto do que suas vitórias em si. Depois de uma temporada repleta de prêmios e com quebra de recordes como os auges no Globo de Ouro, no qual se tornou o primeiro vencedor de sete prêmios, e no próprio Oscar, onde igualou o número recordista de 14 indicações, as expectativas foram às nuvens, e as derrotas aqui podem significar um: “Ei! Temos outras produções muito boas que também merecem reconhecimento”.

Além de La La Land, apenas Lion: Uma Jornada Para Casa e Manchester à Beira-Mar conseguiram vencer em mais de uma categoria. Enquanto o primeiro levou Ator Coadjuvante e Roteiro Adaptado, o segundo conquistou Ator e Roteiro Original. Contando todas as categorias, a Academia Britânica premiou 14 produções diferentes. Com um BAFTA cada vez servindo mais de parâmetro para o Oscar, fica a pergunta: Eles vão distribuir as estatuetas como os britânicos ou vão concentrar praticamente tudo em La La Land para possivelmente quebrar o recorde de 11 Oscars vencidos por Ben-Hur, Titanic e O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei?

bafta-dev-patel

Dev Patel posa com seu BAFTA de Ator Coadjuvante por Lion: Uma Jornada Para Casa (pic by digitalspy.com)

Particularmente, não defendo uma vitória tão elástica para o musical de Damien Chazelle, até mesmo porque o número de Oscars conquistados não significa que o filme é necessariamente melhor do que os outros. Claro que La La Land tem seus méritos e merece levar o Oscar de Melhor Filme, mas realmente temos uma boa safra de produções de 2016 que igualmente merecem reconhecimento da Academia americana, mas que são pouco citados em inúmeras matérias da imprensa.

Embora tenha gostado muito do franco-favorito, não ficaria nem um pouco chateado se o Oscar premiasse o western moderno A Qualquer Custo, por exemplo. No mínimo, concederia o Oscar de Roteiro Original (embora considere o roteiro de Kenneth Lonergan – de Manchester à Beira-Mar – mais denso, acredito que o de Taylor Sheridan tenha mais cara de filme). Também destaco a ficção científica A Chegada (que aqui acabou levando apenas o prêmio de Som), Animais Noturnos e Elle. São filmes que se destacaram de 2016, mas que foram pouco reconhecidos.

Acredito que o Oscar pode trilhar um caminho diferente do BAFTA, mas no lugar da generosidade distribuída, estaria a necessidade de calar os críticos da polêmica racial do #OscarSoWhite. Por exemplo, o drama Moonlight, que apesar de ter sido indicado a vários prêmios, pouco se destacou na temporada. Quando teve a chance de decolar, perdeu o SAG de Elenco para Estrelas Além do Tempo. Pode ser que Academia resolva proporcionar essa consagração tardia.

Mas voltando ao BAFTA, como era esperado, La La Land venceu as categorias principais de Filme, Diretor e Atriz (Emma Stone), mas nas categorias mais “técnicas”, levou apenas Fotografia e Trilha Musical, o que significa que existe, sim, competição em muitas das categorias. Até o Último Homem levou Montagem, Jackie levou Figurino, Animais Fantásticos e Onde Habitam levou Direção de Arte e o já citado A Chegada levou Som.

Ainda sobre categorias “abertas”, a disputa por Melhor Ator não está completamente fechada. Embora Casey Affleck esteja bem à frente, vale lembrar duas coisas: Denzel Washington ganhou o SAG, e ele não estava sequer indicado aqui no BAFTA, ou seja, Affleck não bateu Denzel.

BAFTA Casey Affleck.jpg

Casey Affleck vence como Ator por Manchester à Beira-Mar (pic by livemint.com)

E na categoria de Ator Coadjuvante, muito se fala de Mahershala Ali pra cá e pra lá, mas a bem da verdade é que ele ganhou apenas o Critics’ Choice e o SAG. E curiosamente, um dos maiores vencedores Aaron Taylor-Johnson ficou de fora do Oscar e também perdeu para Dev Patel no BAFTA. Resumindo, a categoria está uma baguncinha.

Na categoria de Filme Estrangeiro, mesmo com Elle fora da disputa e com o vencedor do Oscar do ano passado, O Filho de Saul, vencendo o BAFTA (tornou-se elegível apenas nesta edição devido à data de lançamento no Reino Unido), o alemão Toni Erdmann continua com as melhores chances no Oscar. Mas enfim, quando não tem filme de Holocausto, a Academia pode surpreender e premiar algum inesperado como Um Homem Chamado Ove, que também concorre em Melhor Maquiagem.

bafta-son-of-saul

O filme húngaro O Filho de Saul bate o favorito deste ano Toni Erdmann (pic by Hungary Today)

VENCEDORES DO 70º BAFTA AWARDS:

FILME
La La Land: Cantando Estações
Produtores: Fred Berger, Jordan Horowitz, Marc Platt

DIRETOR
Damien Chazelle (La La Land)

ATOR
Casey Affleck (Manchester à Beira-Mar)

ATRIZ
Emma Stone (La La Land)

ATOR COADJUVANTE
Dev Patel(Lion)

ATRIZ COADJUVANTE
Viola Davis (Um Limite Entre Nós)

ROTEIRO ORIGINAL
Kenneth Lonergan (Manchester à Beira-Mar)

ROTEIRO ADAPTADO
Luke Davies (Lion)

FOTOGRAFIA
Linus Sandgren (La La Land)

MONTAGEM
John Gilbert (Até o Último Homem)

DIREÇÃO DE ARTE
Stuart Craig, Anna Pinnock (Animais Fantásticos e Onde Habitam)

FIGURINO
Madeline Fontaine (Jackie)

MAQUIAGEM E CABELO
J. Roy Helland, Daniel Phillips (Florence: Quem é Essa Mulher?)

TRILHA MUSICAL ORIGINAL
Justin Hurwitz (La La Land)

SOM
Sylvain Bellemare, Claude La Haye, Bernard Gariépy Strobl (A Chegada)

EFEITOS VISUAIS
Mogli: O Menino Lobo

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
O Filho de Saul, de Lászlò Nemes

DOCUMENTÁRIO
A 13ª Emenda, de Ava DuVernay

LONGA DE ANIMAÇÃO
Kubo e as Cordas Mágicas

FILME BRITÂNICO
Eu, Daniel Blake, de Ken Loach

DIRETOR, ROTEIRISTA OU PRODUTOR BRITÂNICO ESTREANTE
Babak Anvari (Roteirista/Diretor), Emily Leo, Oliver Roskill, Lucan Toh (Produtores) de Sob a Sombra

CURTA DE ANIMAÇÃO BRITÂNICO
A Love Story

CURTA-METRAGEM BRITÂNICO
Home

CONTRIBUIÇÃO BRITÂNICA PARA CINEMA (PREVIAMENTE ANUNCIADO)
Curzon

EE RISING STAR AWARD (VOTADO PELO PÚBLICO)
Tom Holland

BAFTA FELLOWSHIP (PREVIAMENTE ANUNCIADO)
Mel Brooks

bafta-tom-holland

O ator Tom Holland vence o EE Rising Star para talentos em ascensão (pic by Yahoo Movies UK)

***

A cerimônia da 89ª edição do Oscar acontece no dia 26 de fevereiro.

Anúncios

Americanos dominam Veneza, mas filme filipino ‘The Woman Who Left’ leva o Leão de Ouro

the-woman-who-left-ang-babaeng-humayo-venice

Cena de “The Woman Who Left”, de Lav Diaz (photo by Venice Cortesy through Variety)

DIANTE DE VÁRIAS OPÇÕES INTERESSANTES,
SAM MENDES CONSEGUIU BOM EQUILÍBRIO NA PREMIAÇÃO ITALIANA

Deve ser difícil ser o presidente do júri de um grande festival como Veneza. Primeiramente, tem que assistir a uma série de filmes bons e instigantes que muitas vezes exigem uma preparação do espectador. Depois, precisa analisar e selecionar aqueles que considera melhores num âmbito artístico em que, teoricamente, não há melhores ou piores. E após a divulgação dos resultados, pode ser severamente criticado por suas escolhas, ou acusado de patriotismo, coleguismo ou nepotismo.

Levando tudo isso em consideração, o diretor americano Sam Mendes, aquele mesmo prodígio de Beleza Americana, teve a audácia de assumir essa responsabilidade. Premiou quatro filmes americanos nas categorias principais, mas deixou o prêmio máximo para uma produção filipina de 4 horas de duração.

lav-diaz-venice

O diretor filipino Lav Diaz e seu Leão de Ouro (photo by qz.com)

Alguns podem  se questionar: “Será que ele quis impressionar através de um alto cunho artístico? Ou simplesmente escolheu aquele longa que mais mexeu com ele?”. Particularmente, acredito que a última opção foi o que aconteceu, mas de qualquer forma, o presidente fica muito suscetível a questionamentos.

O fato é que o diretor filipino Lav Diaz possui uma filmografia bastante densa. Seus filmes costumam ter alta duração e tópicos profundos. E The Woman Who Left, um drama de vingança sobre uma professora presa por 30 anos acusada erroneamente, deve ser mais uma gema para sua coleção. Filmado em preto-e-branco, o filme foi altamente recomendado por críticos, que ressaltaram o estudo que faz da moral.

Voltando à questão do júri e de suas escolhas, acho interessante esse papel dos festivais de instigar diretores autorais através de premiações a se reinventarem ou jogar uma luz onde não havia, pois isso que alimenta o Cinema como Arte. Em seu discurso de agradecimento, Lav Diaz declarou: “Isto é para meu país, para o povo filipino, por nossa luta da humanidade”.

Quanto aos filmes norte-americanos, havia realmente um apanhado de boas produções selecionadas que podem, e devem figurar na temporada de premiações de 2017, e talvez por isso mesmo, Sam Mendes não tenha se esforçado tanto para conceder o Leão de Ouro a uma dessas produções com lugar cativo no Oscar. Vale ressaltar que Gravidade e Birdman são exemplos recentes de produções que se destacaram em Veneza e acumularam estatuetas do Oscar na sequência.

Em apenas seu segundo trabalho como diretor, o estilista mundialmente reconhecido da Gucci, Tom Ford, retorna à Veneza após o ótimo drama Direito de Amar (2009) para apresentar outro drama contundente intitulado Nocturnal Animals. Também se trata de uma história de vingança que dialoga com o mundo artístico de Los Angeles e com o mundo do crime do Texas. Ford contou com a colaboração de atores em alta em Hollywood como Amy Adams, Jake Gyllenhaal e Michael Shannon. Já podemos arriscar suas indicações ao Oscar 2017?

nocturnal-animals

Jake Gylenhaal (centro) e Michael Shannon (à direita) em cena de Nocturnal Animals (photo by independent.co.uk)

Os outros dois filmes mais falados em Veneza também são americanos: o musical La La Land, e o drama Jackie. O primeiro é o musical dirigido pelo talentoso Damien Chazelle de Whiplash: Em Busca da Perfeição. Para quem viu o trailer, dá pra se ter altas expectativas pelo visual e por se tratar de um musical mais jazz e inusitado. Por sua performance, Emma Stone levou o Volpi Cup de Melhor Atriz. Infelizmente, ela não estava presente na cerimônia, pois seria uma surpresa e tanto!

Trailer oficial de La La Land, de Damien Chazelle (Lions Gate Movies)

A vitória de Stone surpreendeu um pouco porque Natalie Portman como a primeira-dama Jacqueline Kennedy em Jackie estava no topo das casas de apostas. O drama dirigido pelo chileno Pablo Larraín concentra sua trama no pós-assassinato do presidente Kennedy, quando Jackie estava de luto, precisava consolar seus filhos e tomar as rédeas para honrar o legado de seu marido. Se Portman saiu de mãos abanando, pelo menos o roteiro de Noah Oppenheim saiu reconhecido.

natalie-portman-jackie-kennedy

Natalie Portman como a ex-Primeira Dama, Jacqueline Kennedy, em Jackie (photo by vogue.com)

E a última produção americana premiada foi The Bad Batch, de Ana Lily Amirpour. Conhecida pelo inovador filme iraniano de vampiros falado em persa, Garota Sombria Caminha Pela Noite, a jovem diretora trouxe outro filme com “peculiaridades”: uma história de amor que se passa num Texas à la western com comunidade de canibais. Particularmente, fiquei curioso pra saber como estão as performances de dois atores bastante rotulados: Jim Carrey e Keanu Reeves.

Falando em atores, o prêmio Volpi Cup de Ator foi para o argentino Oscar Martinez na dramédia The Distinguished Citizen, no qual interpreta um vencedor de prêmio Nobel de Literatura que retorna à sua cidade natal em busca de inspiração. Como todo bom filme argentino, apresenta críticas contemporâneas como a fama, ao mesmo tempo em que nos diverte com diálogos perfeitos e atuações sucintas.

Actor Oscar Martinez holds the Volpi Cup prize for best actor for the movie "The Distinguished Citizen" during the awards ceremony at the 73rd Venice Film Festival in Venice

Oscar Martinez segura seu Volpi Cup de Melhor Ator por “The Distinguished Citizen” Photo by REUTERS/Alessandro Bianchi

E o único empate desta edição ficou na categoria de Direção, dividido entre o mexicano Amat Escalante por The Untamed, e o russo Andrei Konchalovsky, que trouxe o drama do Holocausto, Paradise.

 

VENCEDORES DA 73ª EDIÇÃO DE VENEZA

LEÃO DE OURO
“The Woman Who Left,” de Lav Diaz

LEÃO DE PRATA DE MELHOR DIRETOR (EMPATE)
“Paradise,” Andrei Konchalovsky
“The Untamed,” Amat Escalante

GRANDE PRÊMIO DO JÚRI
“Nocturnal Animals,” Tom Ford

tomfordvenice

O elegante Tom Ford posando com seu Grande Prêmio do Júri pelo drama “Nocturnal Animals” (photo by hollywoodreporter.com)

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI
“The Bad Batch,” Ana Lily Amirpour

ana_lily_amirpour_640x360_afp_nocredit

A jovem diretora Ana Lily Amirpour com seu Prêmio do Júri por ‘The Bad Batch’ (photo by Getty Images through BBC.com)

ATOR
Oscar Martinez (“The Distinguished Citizen”)

ATRIZ
Emma Stone (“La La Land”)

PRÊMIO MARCELLO MASTROIANNI PARA JOVENS ATORES
Paula Beer (“Frantz”)

MELHOR ROTEIRO
Noah Oppenheim  (“Jackie”)

PRÊMIO LUIGI DE LAURENTIIS
“The Last of Us,” Ala Eddine Slim

MOSTRA HORIZONTES

MELHOR FILME
“Liberami,” Federica di Giacomo

MELHOR DIRETOR
“Home,” Fien Troch

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI
“Big Big World,” Reha Erdam

PRÊMIO ESPECIAL PARA MELHOR ATOR
Nuno Lopes (“São Jorge”)

PRÊMIO ESPECIAL PARA MELHOR ATRIZ
Ruth Diaz (“The Fury of a Patient Man”)

MELHOR ROTEIRO
Wang Bing (“Bitter Money”)

MELHOR CURTA-METRAGEM
“La Voz Perdida,” Marcelo Mantinessi, Paraguay

VENICE CLASSICS AWARDS

MELHOR DOCUMENTÁRIO
“Le Councours,” Claire Simon

MELHOR FILME RESTAURADO
“Break-Up — L’uomo dei cinque palloni,” Marco Ferreri

16 animações disputam vaga no Oscar 2016

Cena de Hotel Transilvânia 2, uma das 16 animações inscritas para o Oscar de Melhor Longa de Animação (photo by cine.gr)

Cena de Hotel Transilvânia 2, uma das 16 animações inscritas para o Oscar de Melhor Longa de Animação (photo by cine.gr)

SE TODOS SE QUALIFICAREM, TEREMOS 5 INDICADOS NA CATEGORIA

As animações inscritas são:
  • Anomalisa
    Dir: Charlie Kaufman, Duke Johnson
  • The Boy and the Beast (Bakemono no ko)
    Dir: Mamoru Hosoda
  • O Menino e o Mundo
    Dir: Alê Abreu
  • O Bom Dinossauro (The Good Dinossaur)
    Dir: Peter Sohn
  • Cada um na Sua Casa (Home)
    Dir: Tim Johnson
  • Hotel Transilvânia 2 (Hotel Transylvania 2)
    Dir: Genndy Tartakovsky
  • Divertida Mente (Inside Out)
    Dir: Pete Docter
  • Kahlil Gibran’s The Prophet
    Dir: Roger Allers
  • The Laws of the Universe – Part 0 (UFO Gakuen no Himitsu)
    Dir: Isamu Imakake
  • Minions
    Dir: Kyle Balda, Pierre Coffin
  • Moomins on the Riviera (Muumit Rivieralla)
    Dir: Xavier Picard, Hanna Hemilä
  • Snoopy & Charlie Brown: Peanuts, o Filme (The Peanuts Movie)
    Dir: Steve Martino
  • Apenas um Show: O Filme (Regular Show: The Movie)
    Dir: J.G. Quintel
  • Shaun: O Carneiro (Shaun the Sheep Movie)
    Dir: Mark Burton, Richard Starzak
  • Bob Esponja: Um Herói Fora d’Água (The SpongeBob Movie: Sponge out of Water)
    Dir: Paul Tibbitt, Mike Mitchell
  • Quando Estou com Marnie (Omoide no Mânî) 
    Dir: Hiromasa Yonebayashi

Dentre os trabalhos, certamente um dos mais interessantes é a primeira animação do diretor e roteirista Charlie Kaufman, conhecido por suas histórias criativas de Quero Ser John Malkovich e Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças. Neste trabalho de stop-motion, acompanhamos a vida de um homem aleijado por sua própria vida mundana. Pela sinopse, não se trata de um filme destinado ao público infantil, o que pode reduzir consideravelmente suas chances de vitória, mas sua indicação é dada como certa pela maioria dos críticos, afinal, tem a assinatura de Kaufman (que já ganhou o Oscar de Melhor Roteiro Original em 2005) e a categoria sempre apresenta nomes de diretores mais autorais como Tim Burton (A Noiva-Cadáver), Hayao Miyazaki (A Viagem de Chihiro) e Wes Anderson (O Fantástico Sr. Raposo). E é o único inscrito que concorreu ao Leão de Ouro em Veneza.

Cena de Anomalisa, de Charlie Kaufman e Duke Johnson (photo by trailer.apple.com)

Cena de Anomalisa, de Charlie Kaufman e Duke Johnson (photo by trailer.apple.com)

Este ano, temos uma curiosidade inédita. É a primeira vez que dois trabalhos da Pixar estão competindo: Divertida Mente e O Bom Dinossauro. Após um hiato raro de dois anos sem aparecer na categoria com filmes menos expressivos como Carros 2 e Universidade Monstros, a Pixar resolveu lançar dois filmes no mesmo ano para não ter erro. Entre os dois, Divertida Mente larga na frente por seu nível de criatividade ao criar personagens que representam as emoções, mas peca pela história fraca. Já O Bom Dinossauro tem uma premissa interessante de “E se o asteróide que extinguiu os dinossauros não tivesse acertado a Terra?”, possibilitando a convivência entre os dinossauros e os humanos.

As emoções Tristeza, Raiva, Medo, Nojinho e Alegria em cena de Divertida Mente (photo by outnow,ch)

As emoções Tristeza, Raiva, Medo, Nojinho e Alegria em cena de Divertida Mente (photo by outnow,ch)

Aproveitando o assunto da Pixar, o futuro da companhia preocupa um pouco. Outrora berço de filmes super criativos, o planejamento dos próximos anos inclui inúmeras sequências como Procurando Dory, Os Incríveis 2, Carros 3 e Toy Story 4! Claro que essas continuações devem ter suas qualidades e devem render rios de dinheiro, mas pra um estúdio que cresceu através de sua criatividade, o reinado pode estar ameaçado.

Cena de O Bom Dinossauro, de Peter Sohn (photo by outnow.ch)

Cena de O Bom Dinossauro, de Peter Sohn (photo by outnow.ch)

Vale ressaltar que todo ano, a Academia gosta de deixar pelo menos uma vaga para uma produção estrangeira. Parece até cota estrangeira, mas convenhamos que existem tantos trabalhos impecáveis fora do circuito americano que se fosse fazer justiça, teria pelo menos 3 animações estrangeiras todo ano na categoria! Então, nessa lógica, a animação japonesa Quando Estou com Marnie (Omoide no Mânî), de Hiromasa Yonebayashi, deve preencher a vaga praticamente cativa nipônica de Hayao Miyazaki e Isao Takahata. Trata-se de uma história bem emotiva de uma garota que se muda para uma casa no interior, onde fica obcecada por uma menina que vive numa mansão ao lado que pode ou não existir. E tem o selo de qualidade do Studio Ghibli, de Miyazaki.

Cena de Quando Estou com Marnie, de Hiromasa Yonebayashi (photo by cine.gr)

Cena de Quando Estou com Marnie, de Hiromasa Yonebayashi (photo by cine.gr)

Claro que a vaga estrangeira também pode ser ocupada por uma animação brasileira. Sim, brasileira! O Menino e o Mundo (The Boy and the World), de Alê Abreu, é a segunda animação nacional inscrita para o Oscar. Em 2014, Uma História de Amor e Fúria, de Luiz Bolognesi, estava entre os inscritos, mas não conseguiu conquistar a indicação. Quem sabe não é desta vez? O trabalho de Alê Abreu possui um estilo bastante gráfico que remete ao traço de lápis de cor para retratar a busca de um menino pelo pai.

Cena de O Menino e o Mundo, de Alê Abreu (photo by cine.gr)

Cena de O Menino e o Mundo, de Alê Abreu (photo by cine.gr)

E a Academia sempre gosta de reservar uma vaga para produções mais destinadas ao público infantil que foi bem nas bilheterias como Minions, Hotel Transilvânia 2 e Snoopy & Charlie Brown: Peanuts, o Filme (sim, com este título nacional apelativo!), afinal, animações assim garantem maior audiência para a Academia. Lembrando que o filme anterior da série Minions, Meu Malvado Favorito 2, foi indicado ao Oscar de Longa de Animação e de Melhor Canção Original por ‘Happy’.

Cena de Minions, de Kyle Balda e Pierre Coffin (photo by cine.gr)

Cena de Minions, de Kyle Balda e Pierre Coffin (photo by cine.gr)

Não querendo ser pessimista, nem julgar trabalhos sem conferir, acredito que um ou outro trabalho inscrito será desqualificado, o que acarretaria num total de 3 indicados em 2016 que, na minha opinião, seriam:

  • Divertida Mente (Inside Out)
  • Anomalisa
  • Quando Estou com Marnie (Omoide no Mânî)

As indicações ao Oscar 2016 serão anunciadas no dia 14 de janeiro.